You are on page 1of 2

Direito Canônico Desde a morte de Cristo o cristianismo não era uma religião institucionalizada, porém vinha se propagando em larga

proporção, levando ao Império Romano ser obrigado a adotar o Cristianismo como religião. A Igreja Católica surge por volta do ano 800, e seu primeiro ato histórico foi a coroação de Carlos Magno. Ele era senhor feudal forte e poderoso e foi declarado imperador do Sacro Império Romano Germânico. A igreja passa a ter poder de fato (ator politico relevante) a partir do ano 1000. Era contra o comércio, pois via o lucro como usura. A igreja também passa a conceder títulos nobiliárquicos aos senhores feudais eclesiásticos, que acaba gerando um conflito politico entre os senhores feudais eclesiásticos e os senhores feudais civis. Para resolver o conflito, a Igreja C. faz aliança com os mercadores pés-sujos. O comercio que era visto de forma ilegítima pela igreja, passa a ter caráter legitimo se for filtrado pelo Direito Canônico (reaparecimento do direito Canônico). A Igreja passa a ganha os recursos do comércio, e esses recursos são usados para a criação de universidades pelo Papa Gregório VII, através da “carta de criação das universidades”. Quem estudava nas universidades eram os filhos dos mercadores pés-sujos. Os mercadores ganharam segurança jurídica com o estabelecimento do direito próprio(direito canônico), com a implantação dos processos escritos (antes tudo era segundo a oralidade). Existiam também as cortes especiais de direito comercial dentro dos tribunais feudais eclesiásticos (ou seja, tribunais feudais dos feudos dominados por bispos). Os mercadores financiaram também as cruzadas, já que seriam úteis para ocupar os jovens cavaleiros sem terras. A igreja Católica passa a fazer distinção entre imputáveis e inimputáveis, passa a proibir as rixas de sangue e estabelece o usucapião( transforma em posse a propriedade se vc ocupa por mais de 30 ano).

Direito Real A comuna está associada a fortes laços de identidade coletiva entre as pessoas. Nas comunas, não havia processo de diferenciação (todos eram servos dos senhores feudais). Eles viam os outros como se fosse um espelho, tinham uma identidade muito forte. Essa união é chamada de ideologia comunitária. Isso existe mais ou menos até o ano 800. No entanto, o comércio muda essa situação fazendo que ocorra um processo de hierarquização social. Assim, a comuna passa de um lugar de união social para um lugar de conflitos e a falta de solução do conflito com favorece o processo de centralização do poder político. Além disso, a grande divisão de terras e direitos que diz respeito a áreas muito divididas, e o englobamento de uma área pela outra gera a centralização do poder político. Guilherme da Normandia se intitula rei da Inglaterra. O Estado era uma unidade abstrata, autônoma e soberana. Aparecimento da ideia de representação política, ou seja, Guilherme da Normandia mantinha vivos os proprietários das terras e dava a eles títulos nobiliárquicos. Os nobres mantêm sua posição executiva mesmo debaixo do poder do Rei. O que eles perdem são a capacidade de legislar e a atividade judiciária. Monarcas emergentes, mercadores pés-sujos e Igreja fazem uma aliança política. Eles se tornam outro grupo vitorioso, já que muitas barreiras alfandegárias caíram devido à centralização do poder. A burocracia estatal é essencial para a existência dos Estados. As faculdades de direito da Europa eram o antro da burocracia estatal. O Direito Real é o antigo direito público romano ( reaparecimento do antigo direito publico romano). Nesse momento histórico, a segunda instância de jurisdição era o Tribunal do Rei (é para lá que vão os recursos de decisões dos tribunais reais locais, 2ª instância). Os tribunais feudais civis passaram a ser denominados tribunais reais. Já os tribunais feudais eclesiásticos, que também resolviam questões comerciais, eram mantidos. O que ocorre é que eles passam a não decidir mais sobre questões comerciais. Eles passam a lidar apenas com 11 assuntos, nos quais ele é um tribunal absoluto. Alguns assuntos são criminais (adultério, heresia, etc.). O Tribunal eclesiástico determinava a pena, porém o burocrata estatal aplicava a pena. O carrasco matava nos crimes de feitiçaria. Direito Feudal Todo feudo tinha um tribunal, que possuía um juiz. No início era aplicada a lei de aplicação pessoal, com o tempo, essa aplicação pessoal cai, e surge o Direito Costumeiro do próprio feudo. A codificação do sistema feudal foi um processo oral, lento e arbitrário e a consolidação foi feita por meio da codificação do direito costumeiro. Por volta do ano 600700 saõ formadas as feiras de comércio que são de grande importância jurídica. Surgem também as comunais que eram

As sociedades tradicionalmente penais são caracterizadas pelo poder negativo. Cria-se assim a individualidade do delinqüente. doentes mentais. Os loucos também são ahistóricos. controle do tempo das atividades. delinqüentes). Isso é essencial para a sociedade disciplinar. passa-se a examinar e estudar o louco. Assim. que fere. e eram criadas através das cartas de criação das comunas. controladas. surge o doente mental. o que constrói a psicologia. Conselho da comuna. Assim a visão de penalidade muda uma vez que as sociedades disciplinares não se pode mais tratar as camadas popular com a marca da violência. A primeira coisa é a mudança da materialidade da riqueza. O poder negativo é o poder que atua como obstáculo. O limite é definido pela Constituição. E com a análise do delinqüente surge a criminologia. processo de vigilância e produção de saberes. Assim. avaliadas. Uma criança inserida na instituição da escola vai resultar na formação de uma individualidade que é histórica (o aluno). As universidades já existiam (antes das escolas). . Em 1837 a Europa cria o asilo (hospital psiquiátrico). A segunda é passar a integrar um Estado de Direito. As sociedades disciplinares possuíam como características. vivendo da caridade. O criminoso é uma figura atemporal. Em 1832 é criada na frança uma instituição que nunca havia existido na história: a escola. Conferência Michel Foucault A tese de Michel Foucault fala do direito penal. fiscalizadas. Aqueles que viviam nas cidades receberam novos direitos: residência de 1 ano e 1 dia ( prazo da comuna para exigir do senhor feudal a expulsão do extrangeiro). Trata-se de outra forma. passam a ser analisadas. duas coisas importantes acontecem na Europa a partir do século XVIII. Desse processo de observação das crianças.vassalos coletivos. o poder positivo. a comuna paga a divida e cobra do cidadão). surge o primeiro ramo das ciências humanas que é a pedagogia. O poder positivo na verdade é um poder produtivo (a escola nos produz). (sugerir medidas administrativas e sugerir medidas normativas. Em 1840 surge a primeira penitenciária francesa (um pouco posterior à americana). Antes os loucos perambulavam. espaços físicos parótico. havendo limite ao arbítrio. É a primeira vez em toda história da humanidade em que a riqueza está diretamente nas mãos daqueles que não são seus proprietários. no qual a norma vale para todos. Pela análise das individualidades (alunos. A partir do momento em que elas já estão na escola. Segundo Foucault. Dividas contraídas fora das comunas(Toda a vez que um morador da comuna fizer dívida fora da comuna . diferencia-se a patologia da normalidade. em matéria judicial a comuna não poderia intervir.