You are on page 1of 7

Trabalho Final de Confiabilidade de Sistemas Estudo da Confiabilidade de um Retificador Trifásico de Onda Completa

Jordana Laís Vimiero Melo Departamento de Engenharia Eletrônica Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG Belo Horizonte, Brasil jordanavime@ufmg.br Prof. Eduardo Gontijo Carrano Prof. Felipe Campelo França Pinto

Abstract — This paper will present a study of the reliability of a three-phase full wave rectifier, will be modeled and estimated system reliability. Also proposed is a way to improve the reliability of the proposed system. Keywords — Rectifier, Failure Rate, Reliability

definido, mas contém limitações que o modelo paramétrico não enfrenta, tais como impossibilidade de extrapolação das conclusões sobre o modelo e problemas para calcular um intervalo de confiança aceitável. Um dos métodos mais utilizados pela Engenharia de Confiabilidade é a previsão da confiabilidade de um sistema à partir da associação adequada da confiabilidade de seus componentes básicos. Um sistema pode ser subdividido em subsistemas e em componentes dependendo de sua complexidade. Na análise da confiabilidade de um sistema precisa envolver não só a confiabilidade dos subsistemas ou componentes, mas também a forma como estes se relacionam para garantir o resultado final do sistema completo. Com o objetivo de modelar a relação entre os componentes de um sistema, usam-se os diagramas de bloco. Um diagrama de bloco é uma representação gráfica de todos os componentes (ou subsistemas) de forma a possibilitar a relação entre eles. Se o falha de um componente levar à falha do sistema completo, tal componente deve ser colocado em série com os demais, de forma a ilustrar este fato. A construção do diagrama de blocos é feita através de uma analogia com um circuito elétrico onde o funcionamento do sistema ocorre quando há fluxo de corrente da entrada até a saída do diagrama. E componentes onde a falha de um não impactará na falha do sistema desde que seu par não falhe ao mesmo tempo será representado em paralelo com este par que viabiliza o funcionamento do sistema.

Resumo — Este trabalho irá apresentar um estudo da confiabilidade de um Retificador Trifásico de Onda Completa, será modelada e estimada a confiabilidade do sistema. Também será proposta uma forma de melhorar a confiabilidade do sistema proposto. Palavras-chave — Retificador, Taxa de Falha, Confiabilidade I. INTRODUÇÃO

Segundo Oliveira [8], a estudo da confiabilidade de sistemas teve origem nos Estados Unidos em meados do século XX com objetivos militares e sua importância cresceu bastante nestes 60 anos de estudo. A confiabilidade de um sistema pode ser definida com a probabilidade de não ocorrência de falha neste sistema. Ela é expressa através de uma distribuição de probabilidade que modela o comportamento de determinado componente, equipamento ou sistema. A modelagem do confiabilidade de um sistema pode ser paramétrica ou não paramétrica. Modelos paramétricos exigem a pré-suposição de uma distribuição de probabilidades que melhor se adequa aos dados em estudo. Essa pré-suposição pode ser feita com base na literatura existente sobre o tema ou através de um teste de adequação dos dados ao modelo suposto. Modelos não paramétricos são mais flexíveis, não seguem uma distribuição com formato já

considerando que o instante zero representa o início do semiciclo positivo da fase A. invertendo o semiciclo negativo para que a carga o veja como positivo. pro exemplo para alimentar um motor CC. III. mostrada na figura 2. Um retificador é um circuito eletrônico capaz de converter tensão alternada em tensão contínua. tendo em vista que o motor funciona como um filtro. Desta forma. Na ponte são montados dois diodos por fase. OBJETIVO DO TRABALHO O objetivo deste trabalho é estudar a confiabilidade de um Sistema real. tanto se transformando num circuito aberto quanto num curto-circuito. Neste trabalho iremos calcular a confiabilidade de um retificador trifásico de onda completa não controlado. conclui-se que a falha de qualquer um dos diodos irá gerar a falha . Será estuda a confiabilidade para o projeto de um retificador Trifásico de onda completa com Ponte de Diodos. cada par de diodo conduz por 60º e cada diodo por 120º. não sendo o ripple na entrada do motor um fator de preocupação. a tensão na saída da fonte não será a tensão esperada. Sendo assim. Como o intervalo considerado representa 360º. com aplicação prática. Para tanto. Este retificador apresenta seis etapas de operação ao longo de um período da rede. Um retificador de meia onda irá conduzir apenas o semiciclo positivo da tensão de entrada. Um retificador não controlado é aquele que utiliza apenas diodos e os retificadores controlados utilizam dispositivos que possuem gatilho. de meia onda ou de onda completa. controlados ou não controlados. Já os de onda completa. um deles irá conduzir o semiciclo positivo e o outro o semiciclo negativo. graças à posição com que os diodos são instalados e à sua característica de funcionamento. os diodos especificadores devem ser diodos de potência. como mostrado na tabela 1 abaixo. sendo que cada etapa é caracterizada por um par de diodos em condução. é possível determinar o intervalo de condução de cada diodo. um período completo de cada fase. DIAGRAMA DE BLOCOS Caso qualquer um dos diodos falhe durante a operação. podendo controlar o módulo da tensão que será disponibilizada para a carga. que é de conduzir apenas quando a tensão do anodo for mais positiva do que a do catodo. Ser trifásico ou monofásico reflete a característica da fonte de alimentação a que o retificador estará apto a conectado. conduzem tanto o semiciclo positivo quanto o negativo para a carga. cada linha da tabela 1 representa 60º. dentre elas podemos citar que eles podem ser monofásicos ou trifásicos. sua saída permanecerá em zero durante todo o semiciclo negativo da fase considerada. SISTEMA PROPOSTO Fase Mais Positiva Fase Mais Negativa Diodos em Condução A C 1e 2 B C 3e 2 B A 3e 4 C A 5e 4 C B 5e 6 A B 1e 6 Tabela 1: Intervalo de Condução Um retificador como o proposto neste trabalho pode ser usado. Figura 1: Retificador Trifásico de Onda Completa Figura 2: entrada e Saída do Retificador IV.II. A partir do circuito da figura 1 e tendo em mente a forma de onda da tensão trifásica 60 Hz. Existem diversas classificações para tais retificadores.

Tabela 3: Fator ambiental Tabela 4: Fator de Qualidade Tabela 2: Taxa de Falha Básica Tabela 5: Fator de Temperatura . O dados mostrados a seguir foram obtidos do catálogo deste fabricante. como mostrado na figura 3. devido à reputação do fabricante e a facilidade de se conseguir informações que possam ser usadas para estimar a confiabilidade de tais componentes. Figura 3: Diagrama de Blocos V. DADOS DO FABRICANTE Os diodos escolhidos para compor o retificador foram diodos da Marca Mitisubishi. temos um diagrama de blocos formado pela associação em série dos seis diodos.do sistema. ou seja.

a partir deste valor e da tabela 5. a partir deste valor e da tabela 6 obteve-se um fator de stress por tensão dado abaixo. mostrada na figura 4 abaixo. considerou-se Ground (Environmental Fixed) para se obter . o fator de qualidade encontrado à partir da tabela 4 está dado abaixo. Através da tabela 2 é possível obter o valor de = 0. =8 Considerando que possam haver situações onde os diodos precisem trabalhar com a tensão nominal. A temperatura de junção para o diodo escolhido pode estar de -40ºC a 150ºC. basta realizar o cálculo para um dos diodos. Através da tabela 3. mas considerou-se que a ponte retificadora ficará protegida em um quadro específico. CONFIABILIDADE DO SISTEMA =1 A partir destes fatores. podemos considerar o fator de construção igual a 1.fabricantes. Esta escolha foi devida ao fato de termos um ambiente com certo grau de severidade.0030 falhas/ horas . O primeiro passo é calcular a taxa de falha para os seis diodos. iremos trabalhar com um temperatura de junção de aproximadamento 100 ºC.5 Tabela 7: Fator de Construção O Fabricante ainda trás em seus documentos técnicos as curvas de falha dos componentes. =5. sendo assim. encontrasse a taxa de falha para cada diodo. Tendo em vista o diagrama de blocos traçado e o método de cálculo e os parâmetros informados pelo Tem-se que: falhas/ horas . Figura 4: Curva de Falha de um dispositivo semicondutor VI. desta forma. o cálculo da confiabilidade do sistema tornase possível. considerou-se Vs=1. optou-se por usar diodos de classe de qualidade baixa. Como os diodos para compor o ponte precisam ser iguais. 6 Tabela 6: Fator de Stress por Tensão Para se reduzir o custo do projeto. encontra-se o fator de temperatura. por ser uma operação industrial de alta potência. =1 As ligações dos diodos serão feitas por um processo de soldagem de alta qualidade.

pode-se usar diodos em paralelo para cada posição. reduzindo o fator de stress por tensão. O Diagrama de Blocos para o sistema proposto está mostrado a seguir na figura 6. portanto. a única informação encontrada nos documentos disponibilizados pela Mitsubishi foi de a vida útil era de muitos milhares de horas. a curva abaixo será obtida para a confiabilidade dos componentes. Também é possível melhorar a especificação dos diodos. Os seis diodos são iguais. o que leva a concluir que: Figura 7: Segundo Diagrama de Blocos A confiabilidade do Sistema será dada por: Como todos os diodos são iguais. conclui-se que: . o tempo de cem mil horas para os cálculos a seguir. Figura 5: Curva de Confiabilidade Como o sistema proposto está em série. Um exemplo de cálculo da confiabilidade. MELHORIA DO SISTEMA A confiabilidade deste sistema pode ser melhorada à partir de diversas formas. tendo em vista que temos uma taxa de falha fixa. Não foi possível obter a informação precisa a respeito da vida útil dos diodos através do manual e demais documentos do fabricante. Figura 6: Distribuição de Confiabilidade VII. Considerando que a confiabilidade siga uma distribuição normal e que o desvio padrão seja de 5%. A curva desta distribuição em função do tempo é dada pela figura 5 abaixo. garantindo que o sistema só irá falhar caso um par de diodos em paralelo falhe. considerou-se. ou utilizando diodos com fator de qualidade melhor. utilizando diodos que suportem uma tensão nominal maior e. portanto. considerando a inclusão de diodos em paralelo está mostrado a seguir.Dado que conhecemos o valor de e que a distribuição de confiabilidade poder ser considerada exponencial. tem-se que a confiabilidade do sistema é dada pela equação abaixo.

Droguett.1%.medida representaria um aumento de 100 % no custo do retificador. “Notas de Aula da Disciplina Confiabilidade de Sistemas”. CONCLUSÃO O sistema proposto para esta análise é um sistema simples por conter poucos componentes e apenas diodos do mesmo modelo. Semiconductors. “Semiconductor Devide General Specification”. contudo os cálculos de confiabilidade deste sistema se tornaram complexos e trabalhosos tendo em vista a ausência de literatura em português e a falta de informações importantes por parte dos fabricantes. o que a tornaria inviável para maior parte das aplicações. Essa [4] [5] [6] Mitsubishi High Power Semiconductors. Porém existem situações onde a falha do sistema pode gerar danos muito grande.9 % para 99. Enrique López. “Notas de Aula da Disciplina Confiabilidade de Sistemas”. “Reliability Handbook”. 1%) com a inclusão de diodos em paralelo.9% e 99. falha de montagem ou de teste do sistema não foram considerados e podem representar diminuição desta confiabilidade prevista.“ Semiconductor Devide Reliability”. o que significaria ter dois retificadores trabalhando em paralelo. Mitsubishi High Power Semiconductors. Mitsubishi High Power “FD5000AV-100DA Data Sheet. Foi possível verificar que a confiabilidade do sistema para os parâmetros quantificáveis que foram considerados melhorou 20% (De 78. Oliveira. IX. como na indústria aeroespacial ou médica. Eduardo Gontijo. nestes casos o custo de tal redundância seria justificado. Diodes Incorporated. Felipe Campelo França. “Confiabilidade e Análise de Risco”. estes valores se referem apenas aos parâmetros considerados. [1] REFEÊNCIAS Carrano. Pinto. Fatores como a falha de operação. “Modelagem da confiabilidade de produtos eletrônicos a partir de dados de garantia”. Embora tenha se chegado a valores altos de confiabilidade 78. [2] [3] VIII. Gustavo Silveira de. [7] [8] .

tendo em conta variações nas taxas de falha do componente.1) Escolher um sistema real que o aluno deverá utilizar com base. 5) Estimar um intervalo de confiança de 95% da confiabilidade do sistema. sistemas hidráulicos. junto aos fabricantes. etc). 2) Representar o sistema na forma de digrama de blocos. dados que possam ser utilizados para se estimar a confiabilidade de cada componente do sistema. 4) Modelar a confiabilidade de cada componente utilizando funções de distribuição de probabilidade adequadas. (iv)O intervalo de tempo escolhido para cálculo do confiança deve ser superior a 1/3 da vida útil do componente com maior taxa de falha e inferior a 2/3 dessa vida útil. Observações: (i) O sistema escolhido deve ser real e ter funcionalidade prática. (v)Os resultados do Passo 5) podem ser obtidos por meio de Simulações de Monte Carlo computacionais. Podem ser considerados sistemas elétricos/eletrônicos (filtros. (ii)Deve-se considerar que o sistema não admite reparo/manutenção. utilizando o diagrama de blocos. 7) Calcular a confiabilidade do sistema após a implementação da medida de melhoria da confiabilidade (Item 6). . deve ser possível sua adoção na prática. (iii)Os dados obtidos junto aos fabricantes devem ser apresentados juntamente com o relatório. 4) Estimar a confiabilidade do sistema como um todo para um dado intervalo de tempo. 3) Pesquisar. ou seja. 6) Propor ao menos uma medida para aumentar a confiabilidade do sistema considerado. sistemas mecânicos. etc. como por exemplo a taxa de falha do componente. fontes. (vi)A medida proposta para melhoria deve ser fisicamente implementável.