You are on page 1of 6

RESUMO: Neste trabalho será abordada a obra de Immanuel Kante "Sobre a Pedagogia" e tem como objeti o demonstrar !

ue "ara o #il$so#o a educa%&o ' uma #erramenta "ara #ormar um homem moral e 'tico( digno de i er em sociedade( res"eitando os direitos dos seus semelhantes e alcan%ando o bem estar social) O li ro ' di idido em tr*s "artes: Introdu%&o( Sobre a Educa%&o +,sica e Sobre a Educa%&o Prática)

IN-RO.U/0O

O autor inicia a introdu%&o re#letindo sobre a de#ini%&o do homem como um ser !ue "recisa ser educado) Para ele a crian%a di#erentemente dos animais( "recisa de cuidado( disci"lina e #orma%&o( en!uanto !ue os animais necessitam de nutri%&o) 1 a disci"lina !ue trans#orma a animalidade em humanidade( o ser humano necessita de sua ra2&o( "ara retirar com es#or%os "r$"rios as !ualidades da humanidade)
O homem "recisa da #orma%&o escolástica( ou da instru%&o( "ara estar habilitado a conseguir todos os seus #ins) Essa #orma%&o lhe dá um alor em rela%&o a si mesmo( como indi ,duo) 3 #orma%&o da "rud*ncia( "or'm( o "re"ara "ara tornar4se um cidad&o( uma e2 !ue lhe con#ere um alor "5blico) .esse modo ele a"rende tanto a tirar "artido da sociedade ci il "ara os seus #ins como a con#ormar4se 6 sociedade) +inalmente a #orma%&o moral lhe dá um alor !ue di2 res"eito 6 inteira es"'cie humana) 7K3N- 899:( ") ;<=

Para o #il$so#o a disci"lina e a instru%&o re"resentam um "a"el #undamental na humani2a%&o do ser humano) 3 disci"lina tira do homem sua sel ageria e a instru%&o o condu2 6 liberdade) Neste sentido as crian%as &o cedo 6 escola "ara conhecerem as leis e "ara( no #uturo( obedecerem aos ditames sociais) Por!ue no decorrer de sua ida o homem conhece a liberdade e sacri#ica tudo "or ela se n&o ti er internali2ado os "receitos de disci"lina e ra2&o) 3ssim o autor a#irma !ue >O homem ' a 5nica criatura !ue "recisa ser educada)" O destino do homem ' a humanidade e a disci"lina ' o instrumento !ue o im"ede de des iar do seu destino "or meios de suas inclina%?es animais) 3 disci"lina submete o homem 6s leis da humanidade e come%a a #a2*4lo sentir a #or%a das "r$"rias leis) O homem tornar4se erdadeiramente um homem somente "ela educa%&o e "ode receb*4la de outro homem( o !ual a recebeu de outrem) Esta a#irma%&o le a a re#le@&o sobre a "roblemática da #orma%&o "ro#issional dos di ersos educadores( isto !ue se #or bem instru,do cum"rirá com e@cel*ncia sua

Ele é aquilo que a educação faz dele. el "ara o #uturo e n&o con#orme o "resente( "ois este ' corru"to) 3ssim os "ais de eriam educar seus #ilhos "ara !ue no #uturo "ossam ser go ernantes melhores) Kant de#ende o #uncionamento das escolas e@"erimentais !ue "ermite aos educadores liberdade de trabalho segundo seus "r$"rios m'todos) Para o #iloso#o a educa%&o abrange os cuidados e a #orma%&o) Esse as"ecto ai se"arar os "ro#essores em dois gru"os: a!uele !ue ministra a educa%&o da escola e outro !ue ensina a ida) 3o re#ere4se as escolas "ublicas e "ri adas Kant( a#irma !ue a "5blica ' mais antajosa !ue a "ri ada( tanto em rela%&o 6 habilidade( !uanto em res"eito ao cidad&o) uma educa%&o "5blica com"leta ' a!uela !ue re5ne( ao mesmo tem"o( a instru%&o e a #orma%&o moral) Ela seria desen ol ida nos institutos de educa%&o) Por árias ra2?es( entretanto( eles s&o muito caros) Por isso( ele conclui !ue #icam reser ados 6s crian%as ricas) Um dos maiores "roblemas da educa%&o ' o "oder de conciliar a submiss&o ao constrangimento das leis com o e@erc.tare#a de instrutor) Por'm( se #or ao contrario le ará a degrada%&o da educa%&o) Esta ' um dilema !ue tem en ol ido debates atuais sobre a !ualidade da #orma%&o de educadores em geral) 3#irma o autor !ue "o homem não pode se tomar um verdadeiro homem senão pela educação.tica ao a#irmar !ue entre as descobertas humanas há duas di#ic.899:( ") A<=) O #il$so#o de#ine a educa%&o como uma arte carente de árias gera%?es "ara ser a"er#ei%oada) 3 educa%&o ' uma arte( cuja "rática necessita ser a"er#ei%oada "or árias gera%?es) Bada gera%&o( de "osse dos conhecimentos das gera%?es "recedentes( está sem"re melhor a"arelhada "ara e@ercer uma educa%&o !ue desen ol a todas as dis"osi%?es naturais na justa "ro"or%&o e de con#ormidade com a #inalidade da!uelas( e( assim( guie toda a es"'cie humana a seu destino 7K3N-( 899:( ") AC= O autor #a2 ainda re#er*ncia a "ol.limas( a arte de go ernar os homens e a arte de educá4los) Na is&o Dantiniana as crian%as de eriam ser educados segundo um estado melhor "oss." 7K3N.sica e "rática) .cio da liberdade) 1 "reciso habituar o educando a su"ortar !ue a sua liberdade seja submetida ao constrangimento de outrem e !ue( ao mesmo tem"o( dirija corretamente a sua liberdade) Para o autor ao dar liberdade 6 crian%a desde a "rimeira in#EnciaF estimulá4la a a"render o !ue lhe ' ensinado e demonstrar4lhe !ue o constrangimento !ue lhe ' im"osto tendo "or #inalidade ensinar a usar bem sua liberdade( "oderia solucionar esta "roblemática) 3ssim Kant di ide a "edagogia em dois cam"os: a #.

e eriam ser utili2ados "oucos instrumentos na educa%&o das crian%as e estas de eriam a"render a escre er so2inhas( "ois se algu'm in entou a escrita e n&o a recebeu "ronta) Portanto( se o beb* !uisesse alguma coisa( come%aria a desenhar o objeto almejado e "osteriormente a escre er a "rimeira letra deste objeto at' "oder escre er a "ala ra inteira) 7K3N.899:( ") J:4JI= O autor elege a cultura como a "arte "ositi a da educa%&o #.899:( ") .I= Segundo o #il$so#o Kant as crian%as de em a"rendam a trabalhar e ter tamb'm suas horas de brincadeiras e descansos( #a2er algo "roduti o !ue "reencha seu tem"o e itando assim o $cio) O autor condena ainda a leitura de romances( !ue "ara ele debilita a mem$ria( !ue de eria ser culti ada "or meio da reten%&o de nomes !ue se encontram nas narra%?esF atra 's da leitura de e da escrita( mas de cabe%a sem "recisar soletrarF "elo estudo das l.sica tanto a #orma%&o da alma !uanto a do cor"o) 7K3N-( 899:( ") <C= 3 educa%&o #.e e4se distinguir liberdade e nature2a) . Por ela o homem se distingue do animal) 3 cultura consiste notadamente no e@erc.cio da #or%as da .SOGRE 3 E.nguas a"enas de ou ido) -amb'm se inicia o estudo das ci*ncias( da hist$ria e da geogra#ia) 3s narrati as de iagem desem"enham a.ndole) Portanto( os "ais de em criar "ara os #ilhos ocasi?es #a orá eis 3 "rimeira e essencial regra ' dis"ensar( en!uanto "oss.sica) Bhegamos( assim( 6 cultura da alma( !ue de certo modo "odemos chamar tamb'm de #.sica ' cultura.sica) .sica consiste "ro"riamente nos cuidados materiais "restados 6s crian%as ou "elos "ais( ou "elas amas de leite( ou "elas babás) O alimento destinado "ela nature2a 6 crian%a ' o leite de sua "r$"ria m&e)" 7K3N. el( todo instrumento) 1 "reciso( "ois( abolir o uso das #ai@as e do carrinho( dei@ando !ue a crian%a se arraste "elo ch&o at' !ue a"renda a caminhar "or si mesma( uma em !ue( dessa #orma( andará com mais seguran%a) 3ssim( ser imo4nos de uma corda "ara medir uma certa distEncia( mas "ode4se #a2*4lo sim"lesmente com o olharF alendo4nos de um rel$gio "ara determinar a hora( mas bastaria olhar a . um "a"el #undamental) .sica Kant aborda os cuidados materiais "restados 6s crian%as ou "elos "ais( ou "elas amas de leite( ou "elas babás) S&o res"onsabilidades !ue o cuidador de e ter com as crian%as desde a "rimeira in#Encia( como alimenta%&o( o dormir( o chorar( o brincar e a cultura da alma !ue tamb'm ' #.UB3/0O +HSIB3 Em sobre a educa%&o #.sica: 3 "arte "ositi a da educa%&o #.ar leis 6 liberdade ' com"letamente di#erente de culti ar a nature2a) 3 nature2a do cor"o e da alma concordam no seguinte: culti ando4as( de e4se "rocurar im"edir !ue se corrom"am mutuamente e buscar !ue arte a"orte algo tanto 6!uele como a esta) Pode4se( "ortanto( em um certo sentido( !uali#icar de #.

=) 3ssim en#ati2a !ue toda "ro"osta educacional( seja da #am."osi%&o do SolF ser imo4nos de uma b5ssola "ara nos orientar numa #loresta( mas "odemos sab*4lo tamb'm obser ando o Sol( se ' dia( ou as estrelas( se ' de noite) 3crescentemos !ue( em e2 de nos ser imos de um barco "ara atra essar a água( "odemos nadar) 7K3N-( 899:( ") <.= 3 #inalidade global da educa%&o ' a cultura geral da .sica ou moral) E isa 6 intelig*ncia( os sentidos( 6 imagina%&o( 6 aten%&o e 6 es"irituosidade) Portanto as re#le@?es do #il$so#o re"resentam orienta%?es "ráticas sobre como condu2ir as crian%as em todos os as"ectos da ida "rática( na #am.sica ou moral) Neste conte@to a: "3 cultura moral de e4se #undar sobre má@imas( n&o sobre a disci"lina) Esta im"ede os de#eitosF a!uelas #ormam a maneira de "ensar) 1 "reciso "roceder de tal modo !ue a crian%a se acostume a agir segundo má@imas( e n&o segundo certos moti os)))))"Kuando uma crian%a mente( "or e@em"lo n&o se de e "unir( mas tratá4la com des"re2o( di2er !ue no #uturo n&o mais acreditaremos nela( e semelhantes) Mas se a castigarmos( !uando "rocede mal( e a recom"ensamos( !uando "rocede bem( ent&o ela #ará o certo "ara ser bem tratada)" 7K3N.899:( ") L.ando *n#ase a im"ortEncia da obedi*ncia na #orma%&o do caráter de uma crian%a) Essa #aculdade de e "roceder da autoridade e da con#ian%a) -oda transgress&o de uma ordem "or "arte da crian%a ' de#eito de obedi*ncia( !ue acarreta "uni%&o( a !ual "ode ser #.899:( ") I<= Se a crian%a #or castigada "or ter mentido( no #uturo !uando adulta n&o hou er mais castigo( ela oltará a mentir) 3ssim !uiser #ormar uma id'ia de moralidade n&o se de e "unir a crian%a( mas sim orientá4la) 3ssim Kant 7899:= encerra o ca".lia e na escola) .lia ou da escola de e ada"tar4se 6 idade da crian%a ou do jo em) 3o mesmo tem"o( ele condena o narcisismo e a aidade) SOGRE E.UB3/0O PRM-IB3 .ndole( !ue "ode ser #.sica discorrendo sobre a obedi*ncia e o castigo( tanto das crian%as como dos adolescentes( alertando !ue a crian%a de e ser crian%a e n&o ter com"ortamento #ora da sua idade( "ois( muitos "ais se angloriam !uando o seu #ilho se "arece com um adulto( ou seja( antes do tem"o( o !ue ' muito "rejudicial "ara o seu desen ol imento( "ois: "uma crian%a assim con#ormada n&o se tomará jamais um homem ilustrado e de mente serena)" 7K3N.tulo sobre a educa%&o #.

"ios !ue de em nortear a ida "rática e a "rática das irtudes) 3nalisam4se situa%?es cotidianas como e@em"lares "ara ilustrar os com"ortamentos desejá eis e os indesejá eis( "ara chegar 6 seguinte !uest&o: o homem ' moralmente bom ou mau "or nature2aN Nem bom( nem mau "or nature2a "or !ue n&o ' um ser moral) -orna4se moral a"enas !uando ele a sua ra2&o at' aos conceitos do de er e da lei) Na educa%&o tudo de"ende de uma coisa: !ue sejam estabelecidos bons "rinc.e eres "ara consigo mesmo: n&o renegar em sua "r$"ria "essoa a dignidade da nature2a humana( entregando4se 6 embriague2 ou a ."ios e !ue estes sejam com"reendidos e aceitos "elas crian%as) O #il$so#o argumenta !ue o ensino religioso tem lugar na escola en!uanto uma #orma de .cios de !ual!uer sorte) . abstine: essa ' a maneira de se "re"arar "ara uma sábia modera%&o) Se se !uer #ormar um bom caráter( ' "reciso antes domar as "ai@?es) No !ue toca 6s suas tend*ncias( o homem n&o de e dei@á4las tornarem4se "ai@?es( antes de e a"render a "ri ar4se um "ouco !uando algo lhe ' negado) Sustine !uer di2er: suporta e acostuma a suportar 7K3N-( 899:( ")L<4 L:= O autor de#ine !ue !uanto 6 habilidade ale mais saber "ouco( mas sab*4lo bem) +ica e idente at' a!ui !ue a educa%&o "ara Kant re"resenta a #orma%&o do ser humano com"leto( n&o a!uele !ue det'm a"enas o conhecimento( mas a!uele !ue reali2a os de eres em rela%&o a si mesmo e aos demais) .Para Kant a educa%&o "rática tem a #inalidade de orientar o educando na dire%&o da habilidade( da "rud*ncia e da moralidade) 3 habilidade de e( antes de tudo( ser bem #undada( "ara tornar4se( "ouco a "ouco( um hábito de "ensar) 3 "rud*ncia consiste na arte da dissimula%&o( isto '( esconder os "r$"rios de#eitos e manter a a"ar*ncia e@terna) 3 moralidade di2 res"eito ao caráter( o !ual condu2 a domar as "ai@?es) Portanto( signi#ica a"render a "ri ar4se de algo( !uando este lhe ' negado) Essa ca"acidade e@ige coragem e certa inclina%&o) No !ue toca 6 habilidade. re!uer4se !ue seja s$lida e n&o "assageira) N&o se de e mostrar ares de !uem conhece algo !ue n&o se "ossa de"ois tradu2ir em a%?es) 3 habilidade de e( antes de mais nada( ser bem #undada e tornar4se "ouco a "ouco um hábito do "ensar) 1 o elemento essencial do caráter de um homem) 3 habilidade ' necessária ao talento) 3 prudência consiste na arte de a"licar aos homens a nossa habilidade( ou seja( de nos ser is dos demais "ara os nossos objeti os) Para isso s&o necessárias muitas condi%?es) 3 habilidade em "ro"riamente em 5ltimo lugar no homem( mas "elo seu alor #ica em segundo) 3 moralidade di2 res"eito ao caráter) Sustine.e eres "ara com os demais: inculcar desde cedo nas crian%as o res"eito e a aten%&o aos direitos humanos( assim como a sua "rática) Solidariedade tamb'm se a"rende) 1 #undamental "ara educar as crian%as um catecismo de direito oltado aos "rinc.

-radu%&o de +rancisco BocD +ontanella) <8 edi%&o) Piracicaba4SP) Editora Unime") 899:) .eus "rimeiro como Senhor da ida e do uni erso( de"ois como "ro idente e( #inalmente como seu jui2) 3s Por no%?es #im( na de em conclus&o( ele ser "oucas( re#le@?es mas sobre relacionadas) os jo ens) acrescenta Em "rimeiro lugar( "ondera sobre o instinto se@ual( cujas in#orma%?es de em ser trabalhadas de modo claro e "reciso) Por outro lado( considera !ue a olu"tuosidade oltada a si mesmo !ue ' se totalmente torna contrária 6 nature2a e humana) temerosa) Kuando trabalha a !uest&o se@ual( o #il$so#o "erde totalmente a naturalidade da linguagem( reticente 3o concluir( o #il$so#o retoma seu ritmo "regando orientar o jo em "ara a alegria e bom humor( retomando os de eres "ara consigo mesmo e "ara com os demais) 3#inal !ue eles sejam alegres e #eli2es e a"reciem o alor da ida) 3 leitura do te@to ' "ro#.rito com"rometido( s'rio( mas tamb'm realista com o olhar oltado "ara seu tem"o) N&o esconde( "or'm( !ue a educa%&o( ainda !ue seja uma arte( re"resenta um "oderoso mecanismo de controle do ser humano e da sociedade) K3N-( Immanuel) Sobre a Pedagogia.e e #icar claro !ue o erdadeiro modo de lou ar a .re#le@&o sobre um SER Su"remo( cuja dimens&o ' ser P3I) Se a religi&o n&o em acom"anhada "ela consci*ncia moral( "ermanece ine#ica2( um culto su"ersticioso) .eus consiste no agir segundo sua ontade) Para !ue tal se reali2e( a crian%a de e a"render a re erenciar a .cua e moti adora( "or!ue o #il$so#o desen ol e suas re#le@?es com um es".