CAPA Fotografia de Frauke Thielking DIRECTOR DE ARTE E CONTEÚDOS Ricardo Galésio COLABORADORES Ana Elisa Clara Tehrani Constança

Carvalho Homem Eric Ginestier Frauke Thielking Juliana Reis Lambros FisFis Pedro Palrão Pedro Rio Petr & Marla Simic Randy Mora Sara Toscano

The movie 300 is definitely the blockbuster of the year and this summer. But for just a blockbuster it has raised a lot of discussion. Some characterized it dangerous because of its “propaganda” against the east; rapidly they went on declaring it a political support for George Bushes tactics and plans. Well to those people I say relax, eat your pop corn and don’t think too much it is just a movie a piece of the 8 th art which is called cinema. Don’t try to find hidden messages and subliminal propaganda just enjoy a movie with amazing graphic scenes, poetic war images, a simple fairy tale a myth which as any myth has the sense of exaggeration. In a way what the creator of the comic and the director of the movie are trying to do is to depict a battle in a way that brings the feelings, surprise and fear of a war. How can you show the surprise of the Greeks a western philosophy country when they encounter the Persians a completely different race? The movie uses symbolism as a powerful tool in the attempt to show feelings and ideas of this episode. Obviously they weren’t deformed or 3 meters tall. This is just another way of telling you: “hey they were different”, and when the people saw them they were surprised. The fact remains that for anyone that doesn’t know the history of this battle the movie seems like a science fiction tale. But let’s get our facts straight. This movie is 90% true to the history. The Persians were 250.000 and the Greeks were 30.000 but on the second day of the battle there were a few more than the 300 of Leonidas. The Spartans were war machines trained to kill since the day they were born so if one thinks there body is exaggerated they are wrong. There business was and war alone. Lines like “We will fight in the shade” and “On the shield boys” were actually true according to Herodotus the ancient historian. The Persians used mercenaries and slaves who were fighting for money were as the Greeks were fighting for their freedom and their lives. This is a fact and not hard to believe since we see it in wars all the time. If you put it down and calculate the biggest part of the Persian army were slaves of Xerxis and helpers of any kind. Then they had some fighters but the real power lay in the immortals. The personal guard of Xerxis himself. 20000 people just for one person. Not for any person though a man who considered himself a god. And if you find the amount of gold he was wearing weird well you share the same opinion as the Spartans. So again when they depict him like they did don’t fret and fume it is symbolic. As for the hole saving of EUROPA, well yes! That is exactly what these people achieved. By delaying the Persians the rest of

Greece managed to organize and stop the Persians from conquering the rest of Europe. Nobody likes war and in a way the ones that attack will always be signified as the tyrants as the ones that defend will be the people fighting for freedom. This is the way back then, now and in the future. But this movie is also a fairy tale which in certain points is shown through the amazement of a young kid in others through the stamina and anger of a warrior and others through the hope of a woman. It is a piece of art because the images are like paintings. The director stays true to the comic of Frank Miller and gives it a third magical dimension. Now having said all these historic facts I just want to throw a weird idea that maybe this is not propaganda or maybe not just propaganda and in a way history has at some point the tendency to repeat itself. The figures, the situations, the superpowers and their motives change but people will always be the same with the same emotions and thoughts. Three millenniums ago and today. As a viewer I saw the movie and enjoyed it a lot without thinking of the hidden messages because I was so busy getting lost inside the world of Frank Miller and the powerful way the director used the elements of cinema. I was enjoying a myth come to life in the big screen. Of course I understand that there are many ways of seeing a movie . It is kind of funny because everybody can see a sculpture and just admire its beauty or a painting and admire the color even a photo and just say it is nice. But in cinema everybody tries to find hidden messages. From the gay messages in Snow White to the political ideas of Star Wars and the racism against the East of 300. Maybe it is us that give so much credit to these theories and director just wanted to shoot a film. Of course the movie is based on a comic and by that alone anyone that goes and sees it expecting to see reality must be really confused. Imagine people coming out of Superman and saying: “This is completely untrue no person can fly”. There are many documentaries about this battle and many books as well. If it is historic facts that you seek dig into them but if you want a mythical tale brought to life through the art of cinema then watch 300. After all this is what these 300 wanted to stay immortal for ever! LAMBROS FISFIS 

PEDRO RIO (fotografia) CONSTANÇA CARVALHO HOMEM (texto) 

Foi em Janeiro de 2007 que o TUP - Teatro Universitário do Porto estreou no Museu do Carro Eléctrico a peça Cara de Fogo, de Marius von Mayenburg. O espectáculo resultou do convite ao criador e intérprete Luciano Amarelo para que dirigisse um elenco de transição, com alguns dos mais antigos membros do TUP e alguns dos mais recentes formandos do Curso de Iniciação ao Teatro promovido a cada dois anos. Em cima da mesa estavam um texto fragmentado e sem pudores e a vontade de alocar o espectáculo a um território, de produzir um objecto que fosse quase site-specific. Este Cara de Fogo foi então concebido de raíz para as oficinas, porventura a divisão menos nobre do Museu, onde o serrim, os óleos e os cabos envelhecem longe do sol e do olhar dos visitantes. As oficinas, do avesso. Enuncia-se ali uma atmosfera difícil, uma dignidade ferida de máquina posta de lado, onde mais notoriamente se sentiu o latejar do incesto, do incêndio em pleno inverno. O João, a Joana, a Milene, a Arminda, a Inês, a Leonor, a Isabel e os Nunos foram tecendo com precisão as malhas da demência familiar e deixaramse cair com a confiança que deles esperávamos. A recepção favorável e a procura do público fizeram com que o TUP equacionasse a hipótese de uma reposição e Abril foi a data acordada. No entanto, a indisponibilidade de um dos membros do elenco original obrigou a que, em parte, o espectáculo fosse recalibrado, a coreografia redesenhada. Foi este segundo Cara de Fogo que o Pedro encontrou, mais maleável e mais maturo. Mas estas não são fotografias de cena. O elenco aceitou trocar as oficinas pela luz coada da nave principal. A nave, do direito; fogo transposto.

Reconheço os figurinos, a máscara, o colchão e suponho que este possa ser um album de família. Mas o que vê aqui quem não viu a peça? Olho para as fotografias que o Pedro tirou e assalta-me a noção de perigo. Porque toda a fotografia cristaliza, confina um instante, ela acaba por perpetuar a parte pelo todo. Nessa medida, certos retratos, mesmo certos retratos-documento, cumprem plenamente a função de propaganda e de branqueamento da vida familiar. Por outro lado, neste conjunto de imagens há também uma vertente marcada de jogo, uma oscilação permanente entre a aceitação de um real ficcionado e a necessidade de exibir os alicerces dessa ficção. Vejo-os, inscritos na fronteira entre um nome próprio e uma personagem; fotografia, ou o mérito da potencialidade. Vejo-os, desenraizados, como foragidos a quem só foi permitido levar-se a si mesmo e à roupa do corpo; a outros olhos, a outra luz, e fogo posto.

9

11

13

1

1

RANDY MORA

19

21

O FESTIVAL DE ALMADA NO SÃO LUIZ

SÃO LUIZ JUL O7
DIRECTOR ARTÍSTICO JORGE SALAVISA

5 E 6 JUL CONCERTO DE RABIH ABOU-KHALIL
QUINTA E SEXTA ÀS 21H00 SALA PRINCIPAL RABIH ABOU-KHALIL MÚSICA JACINTO LUCAS PIRES LETRA RUI SIMÃO DESENHO DE LUZ JOEL AZEVEDO SOM RABIH ABOU-KHALIL GROUP: RABIH ABOU-KHALIL OUD (ALAÚDE ÁRABE) JARROD CAGWIN PERCUSSÃO MICHEL GODARD BAIXO, SERPENTE, TUBA LUCIANO BIONDINI ACORDEÃO
COM

RICARDO RIBEIRO TÂNIA OLEIRO VOZ

VOZ

COORDENAÇÃO DE PROJECTO: RICARDO PAIS, COM HÉLDER SOUSA CO-PRODUÇÃO: SÃO LUIZ TEATRO MUNICIPAL, FESTIVAL DE ALMADA, TNSJ

13 A 14 JUL ROMEU E JULIETA ATERBALLETTO
SEXTA E SÁBADO ÀS 21H00 SALA PRINCIPAL MAURO BIGONZETTI COREOGRAFIA FABRIZIO PLESSI CENÁRIO E FIGURINOS
MONTAGEM MUSICAL BASEADA EM

SERGEI PROKOFIEV

JARDIM DE INVERNO

6 JUL 1O JUL DANCETERIA CONCERTO + RAV’ORMANCE DE ALIKI SEXTA-FEIRA ÀS 23H30 KAYALOGLOU JARDIM DE INVERNO
COLABORAÇÃO RAV’ORMANCE

Auf die Plätze, fertig, los („Ready, steady, go“)
This work (which is my diploma work) deals with processes of human orientation and -finally- it is about entering new living spaces. The pictures represent different stages of orientation in life. It ranges from the very adaptive behaviour of the human being like following rules and norms (like in the first dyptichons) to the disengagement from all conventions (like in the last dyptichon). >>>>>>>>>>

TERÇA-FEIRA ÀS 21H30 JARDIM DE INVERNO
ENTRADA LIVRE

(SUJEITA À LOTAÇÃO DA SALA)

ORGANIZAÇÃO: EMBAIXADA DA GRÉCIA EM PORTUGAL

SÃO LUIZ TEATRO MUNICIPAL Rua António Maria Cardoso, 38 1200-027 Lisboa www.egeac.pt teatrosaoluiz@egeac.pt
CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

BILHETEIRA todos os das das 13h às 20h; T: 21 325 76 50 bilheteira.teatrosaoluiz@egeac.pt / Informe-se sobre descontos e assinaturas. Bilhetes à venda em: www.ticketline.pt, lojas FNAC,Agência Alvalade.

23

www.teatrosaoluiz.egeac.pt

25

27

29

31

33

35

Bababobo
This work deals with the question of norms in society and deviations. I would like to discuss what society judges as common sense, as to what is considered: „normal/ abnormal“, and „right/wrong“. My intention for this work is to expand people’s way of thinking and to appeal to more tolerance towards people who seem to be strange. („Bababobo“ means „crazy, weird, mad“ in thai language!) >>>>>>>>>>

37

39

41

Encontrei-te num dia não muito especial, num lugar também pouco imbuído de particular significado ou importância, mas os teus olhos cravaram-se quase que instantaneamente em mim, e eu senti algo que ainda hoje não consigo explicar…A partir daí, desse olhar furtivo mas cúmplice, algo mudou…Incorporei-te aos poucos, pé ante pé, ao compasso de encontros esporadicamente planeados…Sentia-te a inundares-me as veias com a tua essência, a minha pele com o teu cheiro, os meus olhos com os teus traços a desenharem-se de forma omnipresente na minha retina (comecei a ver-te em toda a parte) … A tua voz enchia-me os ouvidos de prazer, de vontade insaciável de a continuar a ouvir…E os meus lábios? Esses? Sonhavam em encaixar os seus sulcos nos relevos dos teus… Davas-me o que sempre buscara sem sucesso em todos os outros recantos por onde a minha respiração soava…Enchias-me os olhos e a alma…espicaçavasme a mente com as tuas agulhas verbais…a curva desenhada no canto da tua boca de forma sarcástica fazia-me cócegas cá dentro e eu sentia um tremor nas pernas… A luta que me deste fez-me forte…sentia-me extenuado quando te tentava alcançar, ainda mal os teus olhos reconheciam os meus. Sentia-me um verdadeiro herói, a descobrir forças em todo o meu ser e a empreender uma autêntica viagem digna de uma epopeia. Lutava contra o teu ímpeto de contrariar a minha vontade, o meu desejo, como se dele fosses íntima e presa indefesa. Uma vez conquistada a tua simpatia senti o meu corpo invadido por uma paz nunca antes sentida, inigualável em toda a minha existência. Sentia rios de prazer a irrigarem-me o coração, as vísceras…sentia-os até nos veios dos meus olhos. Cada momento partilhado enchia-me a vida de luz, de uma sensação de liberdade… Aprendi contigo o que com mais ninguém aprendi…as tuas palavras escreviam-se a tinta permanente nas páginas da minha mente e de cada vez que as folheava por mim, mais as palavras ganhavam significado, mais as letras se fincavam no papel…se um dia me decidisse a escrever-nos no meu corpo não sobraria um único pedaço de pele… Seguia-te onde fosses e escutava-te sempre com o mesmo entusiasmo, como se cada vez fosse a primeira vez que a tua voz entrava por mim adentro…

Mas…(tremem-se-me as pernas ao tomar consciência do meu erro) comecei a perder-me de ti…Aos poucos comecei a ver-me desligado dos teus ensinamentos, da tua voz e do teu sorriso de cada vez que errava…Comecei a dar-te a entender o que te fazia nas costas, o quanto te magoava sem tu saberes…sentia algo incontrolável tomar as rédeas da minha vontade…quem sabe inveja da tua perfeição perante o meu eu demasiado recortado de defeitos… Lembro-me perfeitamente…numa noite perdida entre muitas neguei-te 3 vezes… e por 3 vezes acreditei no que dizia. Ainda que sentisse um amargo de boca ao recordar, em momentos perdia-me de ti… Quando te contei tudo senti-me mais leve…senti como se te estivesse a sacrificar… a crucificar até…Senti nesse momento a necessidade egoísta de ter alguém que pagasse pelos meus erros, os meus pecados…Também eu não me senti com a coragem necessária para sangrar por eles e deixei o seu peso cair sobre os teus ombros…Como choraste então…e eu que nem uma única lágrima verti… Perdoaste-me e pediste perdão, ao limpares as gotas grossas que te escorriam serenamente dos olhos…E então, viraste-me costas e não mais te vi sorrir para mim, ou sequer vislumbrei um pequeno reflexo de mim nos teus olhos, ainda que fugidio. O teu rosto, a tua voz, a textura da tua pele, tudo o que a ti diz respeito perdurame nos sentidos fazendo-me lembrar-te…E a ti ainda recorro quando me faltam as forças…E, por mais que o arrependimento me queime incessantemente como uma marca de fogo, sinto-me em paz porque assim o quiseste… PEDRO PALRÃO

*muito remotamente inspirado pela música do mesmo nome dos Depeche Mode

43

4

Sarajevo is uncatchable. It has a strong, silent hurt and proud soul. Arriving, you find yourself waiting for something painful, something that doesn’t go away even with time. Because time is also the remembrance.And the remembrance is history. Sarajevo’s story is the war, a war known throught images and narrations, someone elese’s narrations. And so you go, you arrive, you wait for something that tells you about pain, fear, unhuman, war. But the city is a surprise, a place that has tryed to born again, to become something else, to tell something else from it self. In her silences, in the tram’s way that crosses the city, in the sound of peoples’ walking, from all of this, and more, moves sarajevo’s force. In our story of Sarajevo, the images placed next to each other became sequences, recomposed rembrance of a new world, where lives a young girl that thinks about the future. PETR & MARLA SIMIC (texto e fotografia)

4

49 

1

53  

59

61

63

6

6

69 

1

ERIC GINESTIER (texto e fotografia)

73

acesso facilitado

<<<<<<<<<< english

português >>>>>>>>>> (tradução de JULIANA REIS)

Beginning in the fall of 2001, and continuing over the next few years, the streets of the Plateau area of Montreal underwent subtle changes. Stenciled images of bicycles, vines, barbed wire, plugs and bullets appeared on roads and sidewalks, enhancing or adorning such ubiquitous markings of the city as lane dividers and pedestrian crossings. Peter Gibson – aka Roadsworth – might measure the success of his designs in part by the reaction of some Montrealers, who at times weren’t sure if they were looking at illegal graffiti or city-commissioned art. The quality of the work was such that it was unusual, but also pleasing, and therefore unlikely to be the product of either an urban planner or a vandal. Roadsworth was motivated in part by that part of a typical city’s design that prioritizes cars to the detriment of more ecological forms of transportation. At first, the idea was fairly simple. “When I started doing this, I wasn’t thinking about an art project at all,” he says. “I was thinking more along the lines of an activist. I started putting bike paths down.” So he began making stencils of bicycle icons similar to those the city used and laid them down in areas he thought were suitable for such lanes. It was September 11th that prompted Roadsworth into action. The “oil culture” was for him the link between the attacks and the urban use of public space for cars; the West’s dependency on automobiles helps fuel what are essentially wars over oil. “It’s gotten us this far, but in the context of the city, it just doesn’t make sense any more, given all the alternatives that are available,” he says. “We’ve built this whole infrastructure around the car. For me it’s a symbol of a lot of things, it’s a symbol of individualism, materialism, of a desire for convenience. And it’s something that has a lot of profound geopolitical consequences a lot of people aren’t aware of.” With over half of the world’s population living in cities, and with projections showing that proportion increasing, he says “it’s important to make cities work in a logical way.”

No início do outono de 2001, e nos anos que sucederam, as ruas do bairro Plateau em Montreal foram subtilmente alteradas. Stencils representando bicicletas, vinhas, arame farpado, interruptores e balas apareceram nas estradas e nos passeios, dando relevo e adornando sinais tão ubíquos como as marcas rodoviárias e as passadeiras. O sucesso da intervenção de Peter Gibson, de “alcunha” Roadsworth, deve-se em parte à reacção dos cidadãos, indignados com a situação, que não sabiam se estavam em frente a um graffiti ilegal ou a arte subsidiada pela Câmara. A intervenção do artista estava tão bem executada que se tornava insólita e ao mesmo tempo atractiva, o que dificilmente a remetia para um produto de planeamento urbano ou para um acto de vandalismo. A motivação de Roadsworth surgiu da disposição urbanística típica das cidades que dá prioridade aos automóveis em detrimento de formas mais ecológicas de transportes. A ideia inicial era muito simples. “Quando comecei a fazer isto, não estava nada a pensar num projecto artístico, estava mais envolvido na expressão de um pensamento activista, comecei por criar vias para ciclistas.” Foi assim que ele começou por marcar as ruas com sinais de bicicletas, semelhantes aos oficiais, em sítios que lhe pareciam adequados para esse efeito. O 11 de Setembro impulsionou Roadsworth a entrar em acção. A “cultura do petróleo” era na sua opinião a ponte que ligava os atentados ao uso do espaço público pelos automóveis; a dependência do automóvel no ocidente é o que dá gás ao que são, essencialmente, as guerras do petróleo. “Trouxe-nos a este ponto, no entanto o actual contexto de uma cidade já não faz mais sentido dado as alternativas disponíveis. Construímos todas estas infra-estruturas em torno dos automóveis. Para mim, simboliza muitas coisas, individualismo, materialismo, o desejo de conveniência. É algo que tem consequências geopolíticas profundas sobre as quais a maioria não está consciente.” Com mais de metade da população mundial a viver em cidades e os números a aumentarem, é “importante tornar as cidades funcionais de uma forma lógica.” 

That day also generated a sense of urgency in him. “There was a psychological rift, it was a historical moment,” he says. “I was in the frame of mind where I thought, ‘Well, there’s nothing to lose, and it’s a good time to speak up.’ “I wasn’t necessarily trying to preach or moralize, but sometimes I feel there’s a certain level of denial happening in the world, on many different levels; you see it on a personal level, and in other people, and when you see it on a collective scale, you want to say something.” Roadsworth shunned more conventional means of getting his message out for a couple of reasons. For one, he was not the type to get on a soap-box about anything, calling his method “almost passive-aggressive.” Furthermore, he recognized the value in being more creative in his message in order to make people pay attention, because “a lot of the protest language seems a little tired and I think a lot of people are desensitized to it.” Roadsworth’s particular protest language soon evolved from symbols of bicycles denoting suggested bike paths to more ingenious and ambiguous art. He found inspiration in the art of Andy Goldsworthy (as the moniker “Roadsworth” might suggest), who has often created sculptures using natural elements, such as twigs and stones, in natural settings. A peculiarity of his work is that his sculptures are site-specific. Roadsworth tried to recreate the powerful effect of Goldsworthy’s art in an urban context, using street markings as starting points. Pedestrian crossings were enclosed in barbed wire, or transformed into bullets, or candles, or giant footprints. Lane dividers became cardiograms or dotted lines ending in giant pairs of scissors. By playing on the city’s painted symbols, and by imitating their style, to some degree, Roadsworth created a “dialogue,” he says; the ugly, angular, and utilitarian was answered by, or united with, the beautiful, organic and nonfunctional. He discovered that using the roads as his canvas gave his work a distinct effect. “The fact that it was the street, that context was what made the impact,” he says. “It’s not the designs themselves; you take one of my designs and put it on a canvas, and it’s not the same thing.” That context functioned to surprise pedestrians and so “brought up questions that were not otherwise brought up; something in a gallery, you might have expectations about.”

Esse dia também desencadeou um sentimento de urgência nele. “Houve uma fractura psicológica, foi um momento histórico, estava num estado de espírito em que sentia que tinha de agir e que não tinha mais nada a perder. Não estava a querer pregar, nem ser moralizador, mas por vezes sinto que há uma negação sobre o que está a acontecer no mundo, e isto a vários níveis; a nível pessoal, nos outros, mas quando vejo isto à escala colectiva, sinto o dever de o dizer.” Roadsworth evitou usar meios mais convencionais para exprimir a sua mensagem por várias razões. Em primeiro lugar, não é do estilo de causar distúrbios e fazer barulho por qualquer coisa, o seu método é como ele próprio o define “quase passivo-agressivo”. Para ele a mais valia reside na criatividade da mensagem que permite chamar a atenção das pessoas, porque “grande parte da linguagem protestatória acaba por ser cansativa e muitos já estão anestesiados por ela.” A linguagem de protesto particular de Roadsworth rapidamente evoluiu dos símbolos de bicicletas sugerindo espaços destinados a vias para ciclistas, para uma forma de arte mais ingénua e ambígua. A arte de Andy Goldsworthy, escultor que usa elementos da natureza como pedras e galhos em ambientes naturais, foi uma das fontes de inspiração de Roadsworth (como aliás é perceptível na alcunha que escolheu). Roadsworth tentou recriar a força do efeito expressa na arte de Goldsworthy num contexto urbano, usando as marcas rodoviárias como ponto de partida. As passagens para peões foram ornadas de arame farpado, ou transformadas em balas ou velas, ou ainda em pegadas gigantes. As linhas nas faixas de rodagem transformaram-se em cardiogramas ou linhas descontínuas que acabavam num par de tesouras gigante. Brincando com as marcas rodoviárias, imitando até um certo grau o seu estilo, Roadsworth iniciou um diálogo, diz que “o feio, angular e utilitário teve como resposta o belo, orgânico e não-funcional”. Roadsworth descobriu que o uso das estradas como tela contribui para criar um efeito distintivo. “O facto de se tratar da estrada, foi esse contexto que lhe deu impacto. Não são os desenhos em si, se transpusesse os desenhos para uma tela não era a mesma coisa.” O contexto funcionou para surpreender os peões e “levantou questões que não teriam surgido de outra forma; numa galeria as expectativas são mais elevadas.” 

79

But it was also the ingenuity of these “dialogues” that gave Roadsworth’s work intriguing and poetic qualities separating it from other types of graffiti, work that succeeded in making people look, think and talk. Creating them was also a condition he set for himself. “That was part of the trip, I was trying to work off of what was already there,” he says. “With all the technology there is now, like with Photoshop, or in music, the possibilities are so endless that you have to set boundaries for yourself for a project, whether those boundaries are the canvas or whatever. So for me those were my boundaries, the street markings.” Roadsworth did not limit himself to painted symbols, either, but also used other elements of the city’s language to work from. For example, he made use of shadows cast by street lights at night, which gave his stencils life at certain hours, and thereby exposed less obvious signs of urban expression. By the end of 2004, Roadsworth’s graffiti had also evolved in other ways. The message grew from being a wake up call concerning the overuse of oil to a widerencompassing one of reclamation of the public’s right to public space. Over time, his stencils became more varied and elaborate. Spray paint replaced paint brushes. As he became more proficient, he became more prolific. His original need to put out a message was transformed and encouraged by the discovery of his genuine love of the process. “It got to a point in 2004 where I was on a trip, where I wasn’t necessarily being political,” he says, although he quickly notes that any act of overt expression is by virtue a political act. “The rush, I don’t think I had that feeling since I was a kid.” The end of 2004 also marked the end of the road in this particular stage of his career. Roadsworth was arrested on 29 November and had 53 charges laid against him, carrying enormous maximum penalties in fines. Jail time was also a possibility, though unlikely for a first offence. Certain City of Montreal authorities evidently felt the need to reestablish control of the streets, using the unconvincing argument that his art posed a threat to security. Illustrating the weakness of this position was the fact that he had already been caught and released by police in 2002. “They arrested me, handcuffed me, and interrogated me, but were kind of laughing about it,” he recalls. “It was kind of a surreal moment.” Ultimately, nothing came of the incident, although he thinks it caused him to stop painting for most of 2003.

Mas foi também a ingenuidade desses diálogos que conferiram ao trabalho de Roadsworth qualidades intrigantes e poéticas, destacando-o de outros tipos de graffitis e captando a atenção das pessoas de forma a que olhassem, pensassem falassem sobre ele. “Isso fez parte da viagem, tentei trabalhar a partir do que já existia. Com as tecnologias às quais temos acesso hoje em dia, como o Photoshop, ou mesmo na música, as possibilidades são infinitas, é preciso definir fronteiras para cada projecto, que seja com uma tela ou outra coisa qualquer. As minhas fronteiras eram as marcas rodoviárias.” Roadsworth não se limitou a pintar símbolos, e começou a usar outros elementos da linguagem da cidade. Usou as sombras que os sinais luminosos revelavam de dia, dando vida aos seus stencils a alturas específicas de forma a expor sinais de expressão urbana menos óbvios. No final de 2004, os graffitis de Roadsworth evoluíram para outras formas. A mensagem cresceu de um alerta para o consumo excessivo de gasolina, para um protesto com base na reivindicação do direito dos cidadãos aos espaços públicos. Com o tempo, os stencils tornaram-se mais variados e elaborados. O spray substituiu os pincéis. A sua ideia original de divulgar uma mensagem foi transformada e motivada pela descoberta da sua paixão genuína pelo processo em si. “Para mim, estava a fazer uma viagem e não necessariamente a ser político nas ideias que expressava, mesmo sendo verdade que qualquer acto de expressão manifesta é por virtude um acto político. Era a adrenalina, não tinha essa sensação desde que era criança.” O final de 2004 marcou o final da viagem nessa particular etapa da sua carreira. Roadsworth foi preso a 29 de Novembro envolvido em 53 processos com multas exorbitantes. A cadeia também era uma possibilidade mas menos provável para um primeiro delito. Algumas autoridades da Câmara de Montreal sentiram necessidade de restabelecer o controlo da cidade, e usaram o argumento pouco convincente de que a sua arte causava uma ameaça à segurança pública. O que de facto ilustra a fraqueza desse argumento é ele ter sido apanhado em 2002, mas de seguida ter sido libertado pela policia. “Prenderam-me, puseram-me algemas e interrogaram-me, mas riam-se de toda a situação. Foi um momento surreal.” Esse incidente não teve consequências relevantes, mas resultou no retiro temporário da intervenção de Roadsworth ao longo de 2003.

81

A considerable amount of public support helped to soften the city’s position. Even Montreal Public Art Commissioner Francyne Lord, whose duty it was to present the city’s side of the issue, seemed sympathetic. In the end, $250 in fines was levied and 40 hours of community service were ordered. This community service came to take the form of an art project with a local elementary school, and in an ironic and somewhat mitigating twist, Roadsworth was soon commissioned by the city to design the object of his original intention: a bicycle path. Since then, Roadsworth has also been commissioned to do work for the Cirque du Soleil, TOHU (la cité des arts du cirque), the Canadian Centre for Architecture, and the city. The difference in his work these days, as opposed to those days, revolves of course around the question of legality. The “rush” is not the same for him, and the projects are necessarily less spontaneous and free, constrained by limitations in content and geography. Roadsworth’s art was widely appreciated here in Montreal, but should anyone with a notion and a can of paint be allowed to mark up the city’s public space? “I justified my own actions by saying that there are a lot more destructive things that are allowed, and that are sanctioned, on a daily basis,” he says. “Understandably, a lot of people won’t want some kid scratching or scribbling his name on a wall; but by the same token I didn’t ask for a lot of the shit that we see on the street. If you look at the kind of expression that you see, there are really only two kinds: advertising and the selling of goods. There’s nothing wrong with that, but when that’s the only type of expression that’s there, what does that say about us? We’re supposed to be a society that values freedom of expression, but it’s illegal to put posters up in this city. So I think in that kind of atmosphere I’m justified, and even kids who want to scribble their names are justified, because it’s so hypocritical to tell people they can’t express themselves while such-and-such company is allowed to sell you Big Macs or cars. But it’s a tricky question.”

O apoio da parte do público ajudou a atenuar a posição da Câmara. Mesmo a Comissária de Arte Pública de Montreal, Francyne Lord, que teve a responsabilidade de representar a Câmara, pareceu solidária. No final de contas, o veredicto resultou em 250 dólares de multa e 40 horas de serviços à comunidade que o levaram a desenvolver um projecto numa escola primária. Irónicamente, Roadsworth recebeu uma encomenda da parte da Câmara, em que lhe pediram para criar o design do seu objecto inicial: uma via para ciclistas. Desde então, Roadsworth tem recebido propostas de trabalho com o Cirque du Soleil, o TOHU (la cité des arts du cirque), the Canadian Centre for Architecture, e a Câmara. A principal diferença entre o trabalho que desenvolvia previamente e o actual, tem a ver claramente com questões legais. A adrenalina já não é a mesma, e os projectos são necessariamente menos espontâneos e livres, constrangidos por limitações de conteúdo e território. A arte de Roadsworth foi muito apreciada em Montreal, mas será que qualquer um com uma ideia e uma lata de spray tem o direito de marcar os espaços públicos de uma cidade? “Justifiquei os meus actos com o facto de existirem coisas muito mais destrutivas que são autorizadas, ou sancionadas, no dia-a-dia. Compreendo que a maioria não queira que um miúdo ande a riscar e escrevinhar o seu nome nas paredes, mas do mesmo modo, eu não pedi muita da porcaria que se vê nas ruas. Se olharem bem para os tipos de expressão que existem, só há mesmo duas: publicidade e venda de bens. Não há nada de errado nisso, mas quando se tornam nas únicas formas de expressão, o que é que isso revela sobre nós? Somos supostamente uma sociedade que valoriza a liberdade de expressão, mas é ilegal afixar um cartaz na cidade. Por isso acho que neste contexto estou legitimado, e mesmo crianças que queiram escrevinhar o seu nome estão legitimadas, porque é hipócrita dizer às pessoas que não se podem expressar enquanto as empresas x e y estão autorizadas a vender-nos Big Macs e automóveis. É uma questão delicada.”

83

8

ANA ELISA

Sou carteiro há pouco tempo, um ano e tal. Não é uma profissão difícil, não é o que se deseja, acho eu, mas eu gosto de ser carteiro. Para já, cada vez há menos, é uma verdade, com as novas tecnologias toda a gente recorre à internet, até eu. Depois já não há aquela coisa de existir sempre o mesmo carteiro, como antes, pelo menos é o que se fala pá. No início trocava muita coisa, havia algumas reclamações, mas também caraças, não se pode esperar muito, a formação não é assim tão boa. Na prática as coisas são diferentes, nomes de rua trocados, ruas que não existem, portas que não têm aqueles números, mas são aquelas, nomes trocados com a portas, enfim. Eu trocava-me bastantes vezes, porque as coisas também têm que ser feitas rapidamente. Depois as encomendas é um problema...ou não cabem, ou as pessoas nunca estão, ou não abrem as portas, pronto a maioria ficam na sede. É mesmo a maioria. Depois toda a gente pensa agora que vamos entregar publicidade e ás vezes é difícil que nos abram a porta, mas pronto, passa à frente. Os cães? Não são mito não. Já muitos carteiros apareceram mordidos, eu próprio já tive quase a ser mordido. É mesmo a história do Garfield, mesmo, há aí cães malucos. É giro, os velhotes são uns porreiros e nos dias das reformas, até os olhos brilham. Eh pá essas coisas fazem-te sentir bem, é emocionante, isso sim. Os velhotes são mesmo porreiros, conversam sempre, ás vezes convidam para uns petiscos, vê-se que precisam daquela atenção pá. Pois...isso há muitas histórias. Já me convidaram para entrar já. Mulheres de robe a dizer que eu posso entrar e deixar as encomendas na sala e tal, isso são coisas comuns. Como também acontece com as minhas colegas. Pessoas assim há em todos os sítios. Eu não entro, tenho namorada, e é o meu trabalho...mas já pensei já, tas a ver? Já me passou pela cabeça.

Eh pá, dá vontade de ler, não vou mentir, alguns postais são muita giros, mas a pessoa tem que se controlar, isso é uma coisa que te ensinam, é a privacidade dos outros, tens que te aguentar, é a vida de outros. Mas essas coisas acontecem, há quem aja de má fé, ás vezes também há roubos e tal, nos correios mesmo, ouve-se de tudo. Mas as pessoas são vigiadas, claro. Não se ganha bem não, e as condições são más, é perigoso, alguns são assaltados, a mim nunca me aconteceu, mas alguns são claro. Depois às vezes tens que andar com imensa coisa para trás e para a frente. No inverno passamos frio, vêm muitas vezes cartas todas mal identificadas, é complicado. Não é um trabalho muito atraente, mas lá difícil não é. E fazem-se amigos, é verdade. Gosto de Lisboa, gosto. É difícil a pessoa andar por Lisboa, os carros tão sempre em cima dos passeios, é tudo caótico, isso dificulta o meu trabalho, mas é uma cidade boa, com mulheres bonitas, bons bares, com vida à noite. Tem o rio, sítios bonitos para se visitar. Eu gosto mesmo. Sim, também recebo cartas. E mando. B.I. Miguel 32 anos Carteiro

8

001 >>>>>>>>>> A Sociedade Lomográfica de Portugal, ( Embaixada Lomográfica de Lisboa e Nova Embaixada Lomográfica do Porto ) e o Festival África mostram trabalhos de cinco fotógrafos que colaboram frequentemente nas nossas actividades culturais. África foi o tema escolhido para esta mostra que conta com trabalhos fotografados em Portugal, Cabo Verde, Moçambique e Mali. Exposição de 2 a 8 de Julho de 2007 no cinema São Jorge em Lisboa

002 >>>>>>>>>> Concurso LOMOFÉRIAS. Um concurso dedicado às férias com uma visão optimista lomo. PARTICIPAÇÃO GRATUITA! A CRU A número oito sai a 7 de Agosto. De dia 15 de Junho a 23 de Setembro Serão emprestadas màquinas lomo para fotografar as férias. O Concurso é aberto a todos, de onde resultam duas exposições / festas nas cidades do Porto e Lisboa, cidades onde serão entregues os prémios.

003 >>>>>>>>>> Congresso Mundial LOMO. No evento do ano, para não dizer da década, a comunidade Lomográfica Internacional reunir-se-á para celebrar o selvagem e viciante, e no entanto completamente legal, fruto que é a Lomografia. O sétimo Congresso Lomográfico Mundial será um tributo aos Lomógrafos de todos os tempos, passado e presente, e será dedicado ao futuro da Lomografia, com a modesta intenção de publicar um manifesto sobre a missão da Lomografia para a década seguinte. De 17 a 24 de Setembro, em Londres. www.lomografiaportugal.com

89

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful