You are on page 1of 58

1

APRESENTAÇÃO: Esse curso visa atender ás expectativas de futuros e atuais profissionais de recreação e lazer. Esse material poderá ser usado por monitores de recreação e / ou animadores socioculturais, que exercem suas funções nos vários meios turísticos.

PÚBLICO ALVO: Hoteleiros, profissionais do turismo, recreadores.

OBJETIVO: Mostrar a diversidade da animação e recreação, formando assim profissionais atuais. Demonstrar formas de recrear diversos grupos. Desenvolver projetos e programações de forma consciente e adequada.

2

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1 ------------------------------------------------------------------- 04 Principais conceitos: Turismo, Recreação e Lazer. CAPÍTULO 2 -------------------------------------------------------------------10 Animação Cultural. CAPÍTULO 3 -------------------------------------------------------------------14 O Recreador: Perfil profissional e Mercado de Trabalho. CAPÍTULO 4 -------------------------------------------------------------------20 Objetivo do Serviço de Recreação na Hotelaria. CAPÍTULO 5 ------------------------------------------------------------------24 Hotéis de Lazer: Classificação e Opções. CAPÍTULO 06 ----------------------------------------------------------------27 Brincadeiras Recreativas. CAPÍTULO 07 -----------------------------------------------------------------33 Programações: Adulto, Kids e Temáticas. CAPÍTULO 08 ---------------------------------------------------------------- 37 Parques temáticos, Aquáticos e diversões. CAPÍTULO 09 ----------------------------------------------------------------41 Oportunidades Recreativas de Lazer para População. CAPÍTULO 10 --------------------------------------------------------------- 44 Técnicas Profissionais do Monitor de Recreação e Lazer. CAPÍTULO 11 --------------------------------------------------------------- 52 Trabalhando com grupos Diferenciados. CAPÍTULO 12 ---------------------------------------------------------------55 A equipe de Recreação e Lazer. BIBLIOGRAFIA--------------------------------------------------------------58

3

CAPÍTULO 01 PRINCIPAIS CONCEITOS: TURISMO, RECREAÇÃO E LAZER

4

Introdução Para o estudo do turismo como fenômeno, é preciso encontrar um conceito que exprima suas características essenciais e que possa ser utilizado para estudos e pesquisas referentes a qualquer uma das áreas científicas. Há tantas definições de turismo quanto tantos outros autores que tratam do assunto. Significado de Turismo: idéia de giro, de volta, movimento de sair e voltar ao local de partida. Viagem circular- ida e volta. Turismo é: * Uma atividade relacionada com o prazer, o descanso, o desenvolvimento cultural e a recreação. * Uma forma particular de uso do tempo livre e uma forma particular de recreação. “Turismo é um fenômeno social que consiste em deslocamento voluntário e temporal de indivíduos ou grupos de pessoas que, por motivo de recreação, descanso, cultura ou saúde, vão de seu lugar de residência habitual a outro, sem que exerçam atividades lucrativas e/ou remuneradas, gerando múltiplas interrelações de importância social, econômica e cultural”.

5

Podemos identificar um ponto comum á recreação como ato de criar de novo. invocação de Deuses. lugar onde alguém se recreia. A recreação significa satisfação e alegria naquilo que faz. A recreação teve sua origem na pré-história. As atividades se caracterizavam por festas de adoração. celebrações fúnebres. prazer.Recreação Conceituar recreação é tarefa das mais difíceis. A recreação deve proporcionar prazer. caracterizando assim um dos 6 . Recreação é definida como divertimento. recriar. Retrata uma atividade que é livre e espontânea e na qual o interesse se mantém por si só. proceder a um ato criador. sem nenhuma coação interna ou externa de forma obrigatória ou opressora. A HISTÓRIA DA RECREAÇÃO. “Recreação é: Criar condições ótimas para o desenvolvimento integral das pessoas. promovendo a sua participação individual e coletiva em ações que melhorem a qualidade de vida. ou a habitação de uma nova caverna. a preservação da natureza e a afirmação dos valores essenciais da humanidade. afora o prazer.estar. satisfação e bem. quando o homem primitivo se divertia festejando o início da temporada de caça. com alegria.

o vencimento de um obstáculo.HULL HOUSE . balanços. foram criados os Centros Recreativos. as lutas. Havia estruturas semelhantes ao que temos hoje em dia: Caixas de areia. que funcionava o ano todo. Em 1906 foi criado um órgão responsável pela recreação.Chicago. e três de recreação. duas horas de trabalhos manuais. Com o tempo. B. Basedow. bibliotecas e refeitórios. em caráter de religiosidade. o Playground Association Of America. Na Fundação Philantropinum haviam cinco horas de matérias teóricas. em 1892. Área para jogos. corridas e esgrima. lutas. excursões e danças. Para orientação das atividades existiam os líderes especialmente treinados. pesca. gangorras. Contribuindo. Eram casas campestres com sala de teatro. as atividades intelectuais ficavam lado a lado às atividades físicas. clubes. chamados também de pátios de recreio. hoje mundialmente conhecido com NATIONAL RECREATION ASSOCIATION. O movimento da recreação sistematizada iniciou-se na Alemanha em 1774 com a criação do Philantropinum por J. aparelhos de ginástica e caixa de areia. A concepção Basedowiana contribuía para a execução de atividades a fim de preparação física e mental para as classes escolares maiores. de reuniões. As atividades (jogos coletivos) dos adultos. Nos EUA o movimento teve inicio em 1885 com a criação de jardins de areia para as crianças se recrearem. como equitação. quadras e ginásio para ambos os sexos com vestiários e banheiros. foram passadas de geração em geração às crianças em forma de brincadeiras. equitação. escorregadores.principais intuitos da recreação moderna. Prevendo a necessidade de atender as diversas faixas etárias. O 1º . a caça. e também. professor das escolas nobres da Dinamarca. Criavam-se então os Playgrounds em prédios escolares. o espaço tornou-se pequeno visto que os irmãos mais velhos vinham também se recrearem nos jardins. etc. Froebel criou os Jardins de Infância onde as crianças brincavam na terra. incluindo a esgrima. O termo playground foi mudado para "recreação" devido à necessidade de atingir um público de diferentes faixas 7 . Nesta.

O evento chamava "Ato de Bronze". orientadas por instrutores. uma Tenda de Cultura e um Carrossel de Cultura. foi criado o "Projeto RECOM" (Recreação . Façamos a ressalva pela importância da recreação: . aparecem as praças para a Educação Física.etárias. no Rio Grande do Sul com o Professor Frederico Guilherme Gaelzer. . O Carrossel foi criado para apresentações externas. Em 1972. desmontáveis e de fácil remoção.O Rio Grande do Sul pelo pioneirismo e a implantação do "RECOM" com a recreação móvel. Os Pneus velhos amarrados em árvores constituíam um excelente meio de recreação para a garotada.á Alemanha. No Brasil a criação de praças públicas iniciou-se em 1927. Centros Comunitários Municipais. Em 1929. Porto Alegre (a pioneira desse tipo de projeto) realizou atividades recreativas e físicas promovendo o aproveitamento sadio das horas de lazer e a integração do homem com sua comunidade.Os EUA. pois não havia professores especializados. pelo prefeito Telmo Flores juntamente com o profº Gaelzer. introduzindo nas escolas e criando os parques infantis. A Tenda era uma casa de espetáculos. 8 . Surgiam. Funcionavam no RECOM. a partir daí. onde foram improvisadas as mais rudimentares aparelhagens. espetáculos ao ar livre. criando os playgrounds equipados revolucionando a recreação pública. como os jovens e adultos e devido à crescente importância do tempo de lazer dos indivíduos da sociedade.Educação .Comunicação). .

vestuário. ou como tempo livre. num certo período de tempo. religiosas – destacando a qualidade das ocupações desenvolvidas. basicamente. qualquer situação poderá se constituir em oportunidade para a prática do lazer – até mesmo o trabalho. situando-se como liberado do trabalho. Entre os autores que se dedicam ao estudo do lazer. 9 . Assim. não só do trabalho. tempo algum pode ser considerado livre de coações ou normas de conduta social. mas de outras obrigações – familiares. Além disso. *O que privilegia o aspecto tempo. Podendo-se distinguir duas grandes linhas. sociais. por exemplo: ouvir música enquanto trabalha. moradia.Lazer Está entre as necessidades humanas básicas. a satisfação provocada pela atividade. Já o conceito que restringe o lazer a um tempo determinado também engloba aspectos nebulosos. * O que enfatiza o aspecto atitude considerando o lazer como um estilo de vida. juntamente com a alimentação. em vez de tempo. O lazer considerado como “atitude” será caracterizado pelo tipo de relação verificada entre o sujeito e a experiência vivida. uma vez que . portanto independente de um tempo determinado. Talvez fosse mais correto falar em tempo disponível.uma mesma pessoa pode. não existe uma acordo sobre seu conceito. saúde e educação.desenvolver mais de uma atividade.

CAPÍTULO 02 ANIMAÇÃO CULTURAL 10 .

em um processo de mediação e diálogo. Nesses países. mas gerar propostas em conjunto com o público. difusão cultural. desenvolvimento cultural. percebe que é fundamental gerar movimentos comunitários. de outros aspectos inerentes ao Turismo Ético. pressupõe a educação destes. pretende apresentar e discutir. induzir e estimular o acesso a novas linguagens. existe até mesmo uma formação. específica para a preparação do profissional. próximo da Educação Social. um profissional que educa ao incomodar e informar sobre as possibilidades de melhor sorver. Sendo assim a recreação está presente em diversos projetos sociais e culturais desenvolvidos por Recreadores e Educadores físicos. integrada nos princípios do Comércio Justo e do Turismo Ético. Entendemos a animação cultural como um meio importante para atingir objetivos muito concretos. A partir das tradições nos ofícios. em nível superior. Não se trata de impor uma programação nem somente convidar. do seu estudo e divulgação. As tradições só sobreviverão como referências de um povo. baseado na total transparência no circuito que vai dos produtores aos consumidores. O Comércio justo. tais como o intercâmbio e a valorização cultural e humana. Podemos conceber a atuação do animador cultural como a de um estimulador de novas experiências estéticas. nos contos. na música e na dança entre outras. dentre outras. através da divulgação das condições ambientais e sócio-culturais da comunidade que produz um determinado artigo. se forem permanentemente recriadas em bases de respeito pelo passado. 11 . Na França e na Espanha utiliza-se o termo sócio-cultural. As visitas a esses locais terão esta função. além obviamente. recriá-las no presente para projetá-las no futuro. alguém que. acessar e produzir olhares. mas atendendo às condições do presente.Animação cultural: promoção cultural. Animador Cultural: Gerador de movimentos comunitários. Entendendo que a realidade é complexa e historicamente construída.

seria uma forma de divulgar e incentivar a adoção de novos caminhos. proporcionando a integração entre o visitante e o visitado. sociais e culturais. deve ser levada a efeito envolvendo as pessoas e/ou associações da região. Como não entendemos o turismo de uma forma isolada do meio e meramente como fator econômico. Deverão ser desenvolvidas de forma a serem respeitadas as tradições locais. não resolvidos. A animação de um determinado local. ambientais. Exemplos de Animação Sócio Cultural TEATRO DANÇAS POPULARES 12 . o seu quotidiano. as atividades de animação cultural tomam especial relevo e percorrem de uma maneira transversal o Comércio Justo e o Turismo Ético e Solidário. consequentemente invasor. potencializando a resolução de parte dos seus problemas. atendendo ao respeito pelos princípios exaustivamente enumerados. tendo em vista o benefício direto a esta mesma comunidade. através da troca de experiências.Por outro lado as viagens a locais que padecem dos mesmos males.

ARTES PLÁSTICAS 13 .

CAPÍTULO 03 PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO 14 .

gostar de trabalhar com pessoas. liderança.O Recreador: Perfil de um Profissional que trabalha com recreação Primeiramente o profissional de recreação deve ser uma pessoa que se doe pela área. Ter noções de Primeiro Socorros. Enfrentar as dificuldades que advirem. muitas vezes a vida social desse profissional se perde em relação à vida profissional. Nunca manifestar rancor e insatisfação. Eis aqui algumas delas: • • • • • • • • Não possuir vícios de linguagem. trabalho em equipe. Ter uma boa postura. auto formação permanente. Deve ter características como:         criatividade. Um bom profissional de recreação e lazer deve possuir diversas características. consideradas básicas. Ser imparcial. Ter um ótimo aspecto de higiene. Zelar pelo material usado. Não esquecendo é claro. 15 . da busca pela formação acadêmica sendo essa pertinente a intervenção profissional. bom humor. pró atividade. dedicação. quando da tomada de decisões.

• Ser maleável e divertido. • Ser sempre simpático. liderar. Projetos Sociais. Deve haver liberdade. não devendo haver competições entre estes para se sobressaírem. • Manter uma liderança sobre o grupo. • Ter uma ótima cultura geral. • Ser organizado. desenvolver. • Deve idealizar divulgar. mas sim para realizar um trabalho de grupo. Clubes Acantonamentos 16 . • Ter um bom conhecimento pedagógico. organizar. • Ser conhecedor das regras dos esportes mais praticados. No contato com outros funcionários mantém sempre um relacionamento de igualdade. respeito e descontração no relacionamento. No contato com outros recreacionistas: deve estar receptivo ás críticas. Acampamentos Navios Colônia de férias Parques Temáticos aquáticos e de diversões. Mercado de trabalho para Recreadores            Hotéis Hospitais (área de recuperação) Animações de festas. • Ser alegre e desinibido. • Ser um excelente comunicador. • Facilitar a interação do grupo. • Ser carismático e criativo. Ônibus de Turismo Spas. observar e avaliar as atividades que serão aplicadas.

lazer. Um lugar onde os pais deixam os filhos aos cuidados de profissionais que atuam com carinho e respeito à individualidade de cada um.Recreador (Colônia de Férias): A finalidade. oportunidade de preencherem esse período de forma orientada com atividades físicas. Um lugar onde o correr. é de proporcionar aos escolares em férias. da ação comunitária. desafios. aventuras e muita diversão. esportes. da liderança. o brincar. o jogar e o interagir com a natureza sejam caminhos para um momento de crescimento pessoal e em grupo. Esse lugar é um Acampamento Educativo 17 . despertando o desenvolvimento do espírito de equipe. do espírito esportivo e do contato com a natureza. estimulando o gosto pela mesma. Acampamentos Imagine um lugar onde crianças e jovens encontrem novas amizades. momentos de alegria.

sendo assim as atividades desenvolvidas são 18 . Recreador( Acantonamentos) :O acantonamento recreativo proporciona um contato direto com natureza. fazerem shows e /ou interpretarem temas específicos. propiciando o entretenimento dos visitantes. diversões e aquáticos): Os monitores de recreação são (ou poderão ser) contratados para caracterizar personagens. desenvolvendo o seu lado artístico (e criativo). Recreador (Hotéis): Os monitores de recreação são (ou poderão ser) contratados para desenvolverem atividades programadas para adultos e crianças. Além de desenvolverem shows nos hotéis que possuírem estrutura.Recreador (Parques temáticos.

se adaptadas. porém os tipos de atividades mais utilizados são as cantorias. até o esquecimento com preocupações e compromissos. 19 . Porém. Muitas atividades. atividades culturais. jogos de adivinhação.sempre voltadas para o relaxamento. Recreador (ônibus de Turismo): O maior contratempo que se enfrenta nesse trabalho é a falta de espaço. não permitindo que a animação deixe de acontecer. desafios e outros. as atividades deverão ser adaptadas. passar tempo. poderão ser utilizadas no espaço do ônibus.

CAPÍTULO 04 Objetivo do Serviço de Recreação na Hotelaria 20 .

terceirizados ou não. O propósito de um serviço de recreação na hotelaria é OFERECER ENTRETENIMENTO E DESCONTRAÇÃO AOS HÓSPEDES. Os objetivos fazem parte do planejamento das atividades que serão oferecidas. seja com esportes. uma vez que. 21 . Mas acaba. se tornando uma grande motivação para o hóspede. dos materiais e da faixa etária da clientela a qual se destina cada atividade programada. Quando as pessoas se sentem bem em um determinado local. tornam-se mais disponíveis e ampliam consideravelmente suas relações interpessoais. Ou seja. devem ser pensadas em função do espaço físico. já que há uma tendência no comportamento humano de reviver tudo que lhe cause prazer. procurando revivê-los sempre que possível. procurando sempre satisfazê-lo. O propósito de um serviço de recreação na hotelaria é oferecer entretenimento e descontração aos hóspedes. É incontestável a importância que o lazer representa atualmente nos hotéis. além de ser um diferencial nos serviços prestados. brincadeiras ou mesmo atividades culturais e artesanais podem trazer o hóspede de volta ao estabelecimento em outras ocasiões. apesar disso não representar muito em termos de faturamento. Quando isso ocorre. por sua vez. preencher o tempo livre do hóspede com atividades lúdicas.Os empresários que investem nessa direção são aqueles que acreditam que a diversificação de serviços e a qualidade daquilo que se oferece constituem fatores diferenciadores ao serem comparados com os concorrentes diretos. Nesse caso entra o recreador e quem for atuar nesse campo deve ter claro o objetivo do trabalho a que se propõe. elas dão um significado todo especial àqueles momentos. Isso só acontece quando o hotel conta com serviços adequados. Os serviços oferecidos devem ir ao encontro das necessidades do homem moderno.

Feito isso. a chamada terceirização. se o cliente estiver hospedado com os filhos. Para o assistente da coordenadoria de Lazer e Eventos do Grande Hotel São Pedro. Espalham-se pelo país vários cursos superiores voltados ao preparo de profissionais para hotelaria como. quando o estabelecimento conta com infra-estrutura para as atividades. Enio Humberto Trevizani. com certeza ele retornará ao hotel". ele ficará mais tranqüilo. pois as crianças ou adolescentes poderão contar com brincadeiras. animação. jogos. suprindo as suas necessidades. Tudo vai depender da categoria do hotel e do perfil do hóspede que ele atende (caso tenha um target específico). caso ele venha de outra localidade. O setor de lazer deve ser responsável pela organização e supervisão de todas as áreas de lazer no que diz respeito aos horários. do Hotel Escola SENAC. a serem contratada pelo hotel ou por responsável do grupo de hóspedes. Isso. Resta saber se estes cursos contemplam nos seus currículos alguma disciplina que 22 . claro. e veio para ficar. segundo o assistente do Hotel Escola SENAC.As atividades de lazer podem ser oferecidas nos próprios hotéis ou por empresas especializadas em recreação. Essa tendência de recreação nos hotéis é um fato que vem acontecendo efetivamente há aproximadamente cinco anos. por exemplo. por exemplo. No primeiro caso. afirma Trevizani. é fundamental que o hotel conte com atividades de recreação tanto para o hóspede de lazer quanto para o de negócios. Caso contrário. entre outras tarefas. as gincanas podem estimular uma interação maior com os colegas de trabalho. os cursos de Turismo que dão ênfase a hotelaria e os cursos de formação de técnicos em hotelaria. o de negócios. "O objetivo sempre é proporcionar ao hóspede uma permanência tranquila. Trevizani diz perceber que muitos hotéis vêm contratando empresas de recreação para executar essas atividades. as empresas de recreação e lazer podem assumir esse papel. No segundo. no caso das convenções. qualidade do material e estado de funcionamento dos equipamentos.

5. Portanto nossa intenção. uma vez que independente da faixa etária a que se destina uma determinada programação. querendo dizer que existem meses que o número de hospedes é bem maior que outros. sem discriminação de idade. O número de profissionais a serem contratados sempre será uma variável a ser considerada. Facilitar e ampliar a comunicação entre as pessoas. Já que na hotelaria existe a chamada alta temporada e baixa temporada. Informar aos hóspedes as alternativas de lazer e recreação que o hotel oferece. Buscar participação livre e espontânea dos hóspedes nas atividades oferecidas. Permitir uma avaliação permanente dos serviços oferecidos. ao falar de objetivos é abordá-los de forma genérica. O serviço de recreação engloba mais uma alternativa de lazer que a indústria hoteleira pode oferecer aos seus usuários. uma vez que isso pode ter influências significativas na empresa. Esse aspecto constitui-se na premissa básica que deve nortear o pensamento do empresário neste tipo de empreendimento. Criar um clima lúdico. O sucesso empresarial em tempo atual está diretamente relacionado à qualidade dos serviços que oferece associados às alternativas que se coloca a disposição dos usuários. deve ter como finalidade: 1. 3. Sendo assim algumas empresas optam em ter um número mínimo de recreadores na baixa temporada e aumentando a equipe na alta temporada com serviços extras (terceirizados) 23 .trate especificamente de recreação na indústria hoteleira. sexo ou raça. 4. Nesses meses de alta é que os hotéis costumam ter uma equipe de recreadores bem maior. Não se trata de incluir uma ou outra disciplina que dê destaque ao valor da recreação ou atividades lúdicas. CONTRATAR PROFISSIONAIS OU TERCEIRIZAR O SERVIÇO? Esse pode se constituir em dilema do empresário do setor de hotelaria ao decidir pela implantação do serviço. descompromissado de juízos de valor. 2. Trata-se de oferecer subsídios para que esses profissionais sejam capazes de desenvolver projetos lúdicos dentro da rede hoteleira.

CAPÍTULO 05 Hotéis de Lazer: Classificação e Opções 24 .

exigindo atividades de muitas movimentações e uma busca de contato entre ás pessoas. 25 . campo de futebol. passeios. salão ou áreas para ginásticas.Hotéis Os Hotéis que oferecem serviços de recreação podem ser divididos em três categorias. em função do tipo de hóspedes que freqüenta e seu comportamento. As três categorias diferenciam-se em função de equipamentos de lazer encontrados. a própria praia e o mar. hotel de campo e hotel de Estância. excursões e outros. e consequentemente em função das atividades que serão propostas em cada caso. A dinâmica das atividades não é tão alta e nem tão calma. *Hotel de Praia: Costuma-se utilizar quadras esportivas montadas na areia. que denominaremos:    Hotel de praia. É onde se encontra a maior incidência de jovens.

Os equipamentos e materiais de lazer sempre são mais sofisticados e existe uma exigência maior por parte dos hóspedes. A dinâmica das atividades é altíssima. o estímulo gira principalmente em torno dos próprios equipamentos oferecidos pelo hotel. A dinâmica das atividades mais calma.*Hotel de Campo: Em sua maioria hotéis fazendas. O estímulo é pelo descanso e as atividades são mais passivas. As faixas etárias são normalmente mais altas. encontramos grandes áreas livres disponíveis. As atividades são mais internas ou exigem que o hóspede saia da área do hotel para realizá-las. 26 . Há um número maior de famílias formadas por casais com filhos que podem ser crianças ou adolescentes. *Hotel de Estância: Quase sempre semi-urbano. com muita presença da melhor idade. o espaço livre disponível é menor.

CAPÍTULO 06 BRINCADEIRAS RECREATIVAS 27 .

mais simples e em menor quantidade ou por serem realizadas em ambientes fechados e /ou em pequenas áreas como salas. sendo esses os princípios fundamentais de medição do seu desenvolvimento. a brincadeira deixa de ser “coisa de criança” e passa a se constituir em “coisa séria”. por exemplo os jogos de integração. Como. etc. Classificação dos jogos: • Pequenos: jogos e brincadeiras com regras mais fáceis. normalmente.BRINCADEIRAS RECREATIVAS Denominada como “recreação” ou “atividade recreativa”. ”A brincadeira é o lúdico em ação”. Reforçando outro entendimento. ônibus. de “ludicidade” relacionado á idéia de atividades espontânea e prazerosas por meio das quais as crianças entrariam em contato com o ambiente e com os objetos. 28 . quando ás crianças eram tomadas como único elemento da relação pedagógica. quintais. como isso. principalmente. essa concepção se fez presente na educação das crianças. pois libera a espontaneidade dos jogadores tornando-os criativos e podendo até criar outras regras e. está relacionada a uma idéia funcional de ocupação do tempo ou “recuperação/desgastes de energias acumuladas”. a partir da década de 1940.

mais complexas e em maior quantidade. que envolve esforço físico vigoroso ou o uso de habilidades motoras relativamente complexas. como hotéis. escolas e acampamentos. podendo conter atividades físicas e / ou mentais. ou por serem realizadas em grandes ambientes. por indivíduos cuja participação é motivada pela combinação de fatores intrínsecos e extrínsecos (Barbanti) Gincanas São competições caracterizadas por regras fixas. ou em uma piscina com jogos aquáticos. institucionalizada. Esporte É uma atividade competitiva. *Grandes: Jogos com regras totalmente fixas. sendo que o caráter 29 . por exemplo. como o alerta . onde há sempre a busca da vitória.• Médios: Jogos e brincadeiras intermediarias que podem ser realizados em uma quadra poliesportiva.

que possuem objetivos em comum: proteger seu tripé (bandeira) e derrubar o do adversário. 30 . EXEMPLOS DE BRINCADEIRAS RECREATIVAS 01.lúdico é predominante. • Gincana Cultural e •Gincana de habilidades. Aquática e de Circuito. que subdividem-se em :     Rústica. em campos diferentes. e na qual se leva em conta não apenas a rapidez com que as equipes cumprem as tarefas determinadas. • Gincana Musical. Esportiva. Artilharia Divisão por duas equipes. mas também a habilidade com que o fazem. Os Principais tipos de Gincana (segundo Cavallari & Zacharia) •Gincana de solicitação.

Para cada criança. Variação: ao invés de bolas. praticamente. ATENÇÃO: a estratégia. trios ou até mesmo de quase toda a equipe. Corrida Pô Divisão por duas equipes. novamente. Os jogadores de defesa não podem invadir a área de ataque (círculo que está dentro de seu próprio campo). marca um ponto. Material: bolas pequenas de borracha. porém. o primeiro de cada equipe deve correr sobre a linha na direção do adversário até que ambos se encontrem frente-a-frente. neste jogo. o jogador deixa sua bola e o jogo naquela rodada. por exemplo: Ao sinal de início. O campo de jogo é delimitado por uma linha. faz a diferença entre a vitória e a derrota. Quando um integrante 31 . disputar mais uma partida. até encontrar o segundo integrante adversário (que também virá correndo na sua direção) para. O perdedor volta para trás de sua fila e o vencedor continua correndo sobre a linha. pois o atacante será queimado facilmente. não representam ameaça ao time adversário. existirão duas bolas de borracha (pequenas). Quando queimado. que estejam em seu próprio campo). são mais eficazes. Os jogadores só podem ser queimados quando invadem o campo do adversário (atacantes não podem queimar jogadores da defesa. não é permitido TOCAR em outra bola estando com OUTRA na mão. Uma rápida partida de "Jó-quei-pô" é disputada. Um defensor contra dois atacantes é. um ponto no placar! Esta atividade fica muito mais dinâmica e divertida quando os jogadores arriscam e se expõem mais ao ataque. Ataques em duplas. ao mesmo tempo. tripés de madeira. na direção da outra equipe. podem-se utilizar bexigas com água. Ataques individuais. A equipe que conseguir derrubar o tripé adversário primeiro. em muitos casos. posicionadas em colunas e em lados opostos da quadra (pontos "A" e "B").

os outros divididos em quatro grupos de animais. curvas etc.(da equipe "a". sendo que cada animal tem o seu canto. 02. como mostra o esquema: leão caçador gato foca cobra Um dos jogadores será escolhido para ser o caçador. com obstáculos. este marcará um ponto para sua equipe. O caçador permanece ao centro. Variação: Pode-se enriquecer o percurso da corrida. gritará o nome de dois bichos e todos os representantes desta espécie deverão trocar de lugar. Material: giz ou fita adesiva. um monitor. A Caçada Nos quatro cantos de uma quadra existem quatro tipos de animais e ao centro está o caçador. e ao final contaremos os pontos de cada equipe. 32 . O caçador irá persegui-los e todos que forem pegos terão pontos a menos para sua equipe! Faremos isso várias vezes. algumas com mais de um caçador. por exemplo) chegar até o ponto "b". Dado o sinal de início.

CAPÍTULO 07 PROGRAMAÇÕES ADULTO. KID E TEMÁTICAS 33 .

só então. materiais e recursos humanos disponíveis para desenvolver os serviços do setor de lazer. a estrutura do hotel em relação a dependências. 34 . 09h Caminhada Ecológica 10h Alongamento 11hAquashow 12h Hidroginástica 13h Desafiando Você 14h Torneio de Ping Pong 15h Aula de Dança 16h Relaxamento Aquático.Programação Depois de considerar os objetivos do cliente (aquele que nos emprega). se estará em condições de realizar o planejamento das atividades de lazer. Programação para Adultos MODELO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO.

E não podendo esquecer que crianças sempre ganham. 1. Deve-se ter uma ficha de inscrição contendo perguntas de segurança básica como: se a criança sabe nadar. dependendo da idade destas . cuidado com atividades competitivas. 2. Cuidado com horários apropriados para atividades com o uso do sol.Programação para Crianças MODELO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO. portanto. As crianças devem ser identificadas e autorizadas pelos responsáveis para participarem das brincadeiras. 35 . se tem alguma alergia. se existe algum alimento ou substância que a mesma não possa ter contato. 09h Encontro com os Tios ( Kids Club) 10h Atividades de Praia 11h Atividades de Piscina 12h Intervalo 13h Fazendo Artes 14h Gincanas Recreativas 15h Caça Submarina 16h Tarde de Jogos Programação para Crianças Atenções básicas no planejamento e desenvolvimento de atividades para crianças. 3. 04.

* Festival de Pipoca. * Futebol de Sabão * E o nosso encantado castelo Inflável 36 . * Gincana Pais e filhos. PROGRAMAÇÃO ESPECIAL DIA DAS CRIANÇAS *Recepção com fadas e duendes divertidos. Cachorro Quente e Picolé.Programação Temática Desenvolvemos programações temáticas em cima de um determinado assunto e datas especiais. Segue abaixo um exemplo. *Pintura de rosto e esculturas de balões.

37 .CAPÍTULO 08 PARQUES TEMÁTICOS. AQUÁTICOS E DE DIVERSÕES.

entre outras atrações com o tema “água”. O play Center em São Paulo. sendo estes denominados parques mistos). toboáguas. Eles ainda se subdividem em:    Parques locais. com finalidades lúdica. Tendo em vista a principal finalidade. é o parque mais antigo do Brasil nesse gênero. Capital. bóias. Exemplos no Brasil. a vivência do lúdico. Beach Park em Fortaleza. Secos: Aqueles que não apresentam atrações aquáticas (apesar de hoje já se encontrar alguns parques secos que tenham atrações molhadas e vice-versa. que variam desde os tradicionais “roda gigante”. São áreas extensas e delimitadas. Regionais e Destinos. eletrônica e informatizadas. escorregadores. os parques têm sido denominados genericamente de “parques de diversão”. elétrica.Parques. ”carrossel” e “montanha russa”. até os equipamentos em que são utilizadas modernas tecnologias mecânica. podendo ter áreas verdes. Parques de Diversão Fixa Aquáticos: Parques contendo piscinas. educacional e cultural. 38 . por possuírem diferentes equipamentos denominados “atrações”. Wet'n Wild em SP e Salvador.

são exemplos. mas visitantes de regiões adjacentes. Possuem um maior número de atrações e. praias e shopping. localizado dentro de um shopping. 39 . podendo chegar até a um dia. normalmente. o tempo de permanência de visitantes é maior que nós parques locais. a extensão da sua área é média. em Vinhedos /SP. em São Paulo. o Hopi Hari e o Wet and Wild. ou seja. No Brasil. Nesses tipos de parques. em locais de grande circulação de pessoas. a um tempo de permanência curta dos visitantes entre 1 e 5 horas aproximadamente.Locais: Podem estar localizados em praças. A área é limitada e normalmente são fechados. principalmente nos finais de semanas e feriados. por isso. Ex: O parque da Xuxa. São normalmente ao ar livre. Regionais: Geralmente são afastados dos centros urbanos e recebem não só a população local.

Atraem visitantes de locais com distâncias maiores que 160 quilômetros ou duas horas de distância.Sergipe 40 .Parque Hopi Hari – São Paulo Denominados Destinos: Ocupam mais do que um dia do visitante e possuem um número maior de atrações do que os regionais. Tendo em vista o tempo maior de permanência de seus visitantes. Por isso é comum os parques se localizarem próximos a redes hoteleiras ou mesmo como partes de resorts. esse tipo de empreendimento depende dos meios de hospedagem. Hotel Boa Luz .

CAPÍTULO 09 OPORTUNIDADES RECREATIVAS E DE LAZER PARA A POPULAÇÃO 41 .

como encontros comunitários. espaços para atividades.decidiu direcionar os investimentos para atender aos objetivos desses 90% dos frequentadores que não estavam lá para nadar. eram usadas para treinamento e competições entre atletas. suprindo as necessidades da comunidade.Piscinas Públicas De acordo com estudo feito por Hunsaker. Lanchonetes. mas para refrescarem – se na água. se divertirem e se socializarem com amigos. geralmente. familiares e vizinhos. mas a indústria – seguindo o modelo Europeu. às piscinas de “concreto retangular” estavam atendendo apenas 10% da população dos Estados Unidos e. 42 . apresentações de dança e exposições de arte podem ser acomodadas num mesmo espaço multi.utilitário. Claro que tudo isso deverá ser (muito bem) planejado antes para evitar a construção de “grandes elefantes brancos”.

com uma refeição inclusa e usufruindo das instalações locais nos finais de semana. Poderíamos sim ter locais assim no Brasil para desenvolvimento de atividades para população sendo pagas pelo estado. uma família de quatro pessoas gasta US$ 20. o governo de Hong Kong. Dessa forma. segundo o artigo de Chan & Degraaf. 43 . subsidiou 80% dos custos relativos ás férias em colônias de férias.Acampamentos Populares Com a intenção de estimular as férias conjuntas em famílias.00 para um day camp*.

CAPÍTULO 10 TÉCNICAS PROFISSIONAIS DO MONITOR DE RECREAÇÃO E LAZER 44 .

danças.O que não deverá faltar em um bom Programa de Recreação e Lazer? Artes: Indispensáveis para o público infantil. Festivais e Esportes adaptados. músicas e cancioneiro.desportivo modalidades esportivas. recortes e Pintura. Esportes: Pré. Recreação: Brincadeiras Folclóricas. por exemplo. Atividades culturais: Uma estratégia infalível é a gincana cultural. Atividades Rítmicas e Expressivas: Esses conteúdos incluem as manifestações da cultura corporal que têm como característica comuns a intenção de expressão e comunicação mediante gestos e a presença de estímulos sonoros como referência para o movimento corporal. médios jogos e grandes jogos. colagens. Cultura: Gincanas. Tratam-se de danças e brincadeiras cantadas. pequenos jogos. como massinhas. 45 . na qual o conhecimento geral dos participantes é colocado á prova.

Jogos de movimentação ou efeito Médio: Jogo que implica deslocamento ou esforços médios. antes de iniciar uma jornada recreativa. Exemplos de Atividades Recreativas 46 . É indispensável. Jogos de volta a Calma: Esses jogos são propícios para serem realizados após uma longa jornada de jogos. Jogos de Grande movimentação ou de Grande efeito: O correto é usá-los na ultima parte da jornada. Eles têm certa complexidade. uma vez que o grupo gastou bastante energia. sem dificuldades e que servem para iniciar o mútuo conhecimento. haver uma lista sequencial de jogos s serem realizados.Planejamento de uma atividade Recreativa. A sequência recomendada é: Jogos de quebra – gelo: Jogo fácil.

é evidenciar a funcionabilidade dessas atividades dentro de uma programação ou de um programa de lazer e recreação. é necessário que saibamos suas características e classificações.Jogos e brincadeiras :     Jogos de apresentação "La Oca"e outros jogos de tabuleiro Concursos e caça ao tesouro Gincanas Jornadas temáticas:     Índios e Cowboys Circo O Senhor dos Anéis Máquina do Tempo Atividades noturnas :      Discoteca da colônia Festa a Fantasia Noite do Terror Festa do Pijama Lual na Praia Classificação de atividades Recreativas O objetivo da classificação das atividades recreativas além da padronização. 47 . De acordo com os objetivos aos quais nos propomos alcançar. Enaltecemos o valor e a importância da leitura e da pesquisa como fonte de aquisição de conhecimento. O que fazemos aqui é uma compilação de dados. escolhemos uma determinada atividade recreativa. Para escolhermos uma determinada atividade para fazer parte da nossa programação.

Recreação.Imitação.extraídas de boas literaturas. Aquáticos .utilizam os sentidos (tato. classifica os jogos em: Alea . Segundo Caillois.extrai dos participantes características individuais como: velocidade.constitui-se em revezamento dos participantes para a realização de tarefas. Educação Física . mas não expressamos seu conteúdo na íntegra.grande número de participantes. correr. Jogos combinados (exigem mais de uma aptidão física). Folclore Infantil. 2003 Classifica as atividades em: Grandes jogos . Jogos sensoriais . audição. visão. Indicado para a infância.jogos que são realizados na mesa. Jogos Sociais de Mesa . Se algum tiver uma organização mais complexa .Competição. Ilinix . Pequenos jogos . com excelente valor terapêutico por diminuir o impacto causado pelo solo. força. Mimicry . México. Jogos e Desportos. saltar. Por isso insisto. Agon . diminui a tensão. Revezamento ou Estafetas .Jogos de azar. Los juegos y los Hombres.Ludos Segundo Veríssimo de Melo.Vertigem. 1994 Analisando as habilidades e interesses. Difícil se ser dominado.jogos realizados dentro da água. BUSQUEM NOS LIVROS AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS E COMPLETAS! Vejamos como alguns autores classificam as atividades recreativas: Segundo FERREIRA. Vanja. R. sem estimular os jogos de azar. 1981 48 . com caráter educativo. girar. destreza. É uma atividade em grupo que preza pelas potencialidades individuais. etc.) Esses jogos desenvolvem o pensamento.

Jogos Gráficos .com regras pré .Jogos de Seleção . Recreação e Lazer. 2003 Classifica dos jogos em: Pequenos . Jogos Infantis e Esportes em Geral.regra fácil e em menor quantidade. 1988 Quanto a Forma de Participação: Recreação Ativa e Recreação Passiva.motricidade fina em locais restritos e/ou fechados (baralho. karaokê).disputa física entre os participantes (pegas.utilizada para a separação de equipes e/ou participantes (par ou ímpar. Segundo Mian.estabelecidas. Segundo Guerra. 49 . xadrez). com maior nº de participantes. Grandes .com regras pré . quebra .cabeça). Robson. palitinho). Jogos de Competição . Médios . Marlene. Jogos de Salão . em locais maiores como quadras ou piscina. Monitor de Recreação: Formação Profissional. menor nº de participantes e locais restritos. em maior quantidade e em locais grandes e abertos.realizado em cima de algum desenho ou traçado (amarelinha.Exigência maior do físico. Ativa: Atividades Motoras .estabelecidas e complexas.com ritmo (cantiga de roda. Jogos com Música . cabo de guerra). Ex.

totó.com pais e filhos juntos. Ginásios Esportivos. bilhar. vôo livre etc. Atividades Transcendentais . tênis de mesa. Sala de Jogos Eletrônicos. Infanto. pintura.Confunde-se com o ócio pela participação de espectador. dama etc. Duchas. Torcida no estádio .juvenil .para maiores de 18 anos. Terceira Idade ou Idade Especial . Ver pinturas no museu. pára-quedismo. carpintaria.para crianças de 8 a 12 anos. Salas de Musculação. boliche etc. Ex.. bilhar. Estandes Fechados tiro ao alvo e arco e flecha.Atividades Intelectuais . Infantil . desenho. biriba. teatro. escultura. àquela na qual o praticante coloca à prova sua integridade.. Piscinas Térmicas. Salões de Jogos .para crianças até os 7 anos. etc.sinuca.para idoso Quanto ao espaço a Recreação pode ser Interna e Externa: Interna: Salas de Festas. Juvenil . balança os braços.Tem uma participação interativa com a atividade. xadrez. paciência. Saunas. Ex. Salas de Ginásticas. Quanto à Faixa Etária a Recreação pode ser: Adulta . Salas de Projeção. Atividades Artísticas ou Criadoras . Ex. Salas de Danças Modernas ou Clássicas. Salas de Leitura. contemplar o pôr-do-sol. música. Passiva: Atividades Sensoriais .grita. Atividades de Risco . mergulho profundo. Salas de Música.A mente é mais utilizada.para Jovens acima de 12 anos.Ex.para várias faixas etárias . Xadrez e Quebracabeça. Ex. Salões de Jogos de Mesa .buraco. 50 . salta participando emotiva e fisicamente.Ex. Mista . relaxamento tranqüilizante.

de acordo à Faixa Etária. lagos.preparam para os desportos e destina-se para alunos de 4ª série em diante. Hortos com pistas diversas. Quanto à participação nas Atividades Físicas: Ativa. Piscinas. Quanto ao Local: Jogos de Campo . ciclovias etc. Jogos de Salão .duração pequena e de regras fáceis e flexíveis . Náuticas ou Aquáticas. jogos de agilidade. Grande . quadras. Moderada.Externa: Campos . Atividades Marinhas. jogos de correr. Playgrouds infantis. Quadras poliesportivas . motores.Futebol. Atividades Aéreas. golfe etc.esportes individuais e coletivos. Jogos quanto à dificuldade de execução: Pequenos . psíquicos (intelectuais e afetivos) para dias de chuva. Quanto ao ambiente: Atividades Terrestres.com bolas.Sensoriais. Pistas de Atletismo. Calma. CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS Jogos por Séries . Pátios para comemoração de datas especiais.combinadas. beisebol.duração de 10 a 20 minutos com as primeiras regras preestabelecidas . 51 .

CAPÍTULO 11 TRABALHANDO COM GRUPOS DIFERENCIADOS 52 .

em geral. A música tem valor e significado muito importante para essa turma. Adultos * Quando frequentam um lugar. 53 . devendo. e as mesmas deverão ser tranquilas. o descanso.se respeitar suas vontades. A emoção dos jovens. esta sempre muito aflorada. Se não estiver integrado será muito difícil convencê-lo a participar de algo. mas acima de tudo. *Não se deve ter o caráter de obrigação nas atividades. Eles precisam está integrado com o grupo assim participarão de todas as atividades proposta com mais facilidade.Adolescentes Essa galera gosta de atividades intelectuais e de uma roda de violão. procuram lazer. * Super valorizam a estética e aceitam o sexo oposto nas atividades.

nos deparamos com uma realidade muito diferente. Uma rotina ativa com simples tarefas. Em nosso estudo. Fator preocupante. têm apontado uma gama de benefícios à saúde. por exemplo. Os idosos residentes no asilo São Francisco de Assis. incluindo atividades leves individuais ou coletivas como: caminhadas de baixa intensidade. não contam com atividades que visam uma melhoria na qualidade de vida e bem estar físico. cresce. convivem com uma deficiência total de atividades recreativas e a ausência de programas que estimulem o lazer. tornando esses indivíduos prestativos em seu meio social e consciente.Melhor idade Os estudos direcionados a terceira idade. de forma acelerada e sem os devidos esclarecimentos a respeito desses tais benefícios. contribuindo diretamente para que a vida destes idosos se torne cada vez mais ociosa. utilização de escadas. promovidos com a prática de atividades físicas cotidianas. enquanto cidadãos (LACOSTE) 1993). ao invés de elevadores. cuidarem do jardim. pois está comprovado que a cada ano a população que pertence ao grupo da terceira idade. atividades aquáticas. viagens turísticas a lazer em geral. afastada da ideal. proporcionam uma melhoria na condição física e psicológica. auxiliando na realização de movimentos do dia-a-dia. 54 .

CAPÍTULO 12 A EQUIPE DE RECREAÇÃO E LAZER 55 .

56 . não faz um grande acampamento. além da pessoa ou gostar de crianças ou ser extrovertido . Nesse trabalho em equipe não há espaço para rivalidade. Quanto ás características procuradas pelos locais de recreação nos candidatos a monitor. engraçada que procura em tudo fazer graça e a todos fazer cair na gargalhada. Características Profissionais.Equipe Por melhor e mais completo que seja um monitor. a questão da estética pessoal do candidato. invejas ou discórdias. os objetivos serão alcançados. O grupo deve ser sempre bastante unido e acreditar que somente com a contribuição de todos. se não estiver trabalhando com uma boa equipe. elas estão relacionadas principalmente á questão da aceitação da filosofia de trabalho local. causando muitas vezes uma grande confusão em que o bom profissional é associado á pessoa mais palhaça .

Sendo assim a gerencia e coordenação acabam pressionando os resultados desejados. Como os clientes têm a opção de participar ou não das atividades. Um bom trabalho deve passar por uma ação na qual o profissional tenha uma profunda consciência das necessidades das pessoas. buscando sem a imposição. ás vezes a não participação dos mesmos acaba criando um ócio aos recreadores. para o crescimento pessoal e social. 57 .Pressão sobre os monitores de Recreação. de acordo com a cultura vivida por elas. de modo que os envolvidos possam fazer uma opção naquilo que querem desenvolver. gerar atitudes críticas e criativas.

R. Marlene. MIAN. 1994. Vanja. 58 . México. Los juegos y los Hombre: la máscara y el vertigos. CAILLOIS. Educação Física . Paulo Eugênio. Rio de Janeiro. Editora Cátedra. Editora Textonovo. Porto Alegre. GUERRA.Recreação. 1981. Folclore Infantil. 2003. 2003. Gedoz de Carvalho = Caxias do Sul Editora EDUCS 2001 Texto Historia da Recreação Guerra. MELO. Luciane Bradacz. Marlene: recreação e lazer *Fontes de imagens Google ERREIRA. Robson. de. Jogos e Desportos. 1988. Editora Sagra. Editora Sprint. São Paulo. V.REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS Livro Monitor de Recreação Formação Profissional Autor: Robson Mian Editora: Texto Novo Livro Dicionário Critico do Lazer Autor: Christianne Luce Gomes Editora: Autentica Texto Recreação na Hotelaria O pensar e o Fazer Lúdico Autor: Airton Negrin. Recreação e Lazer. Editora Fondo de cultura económica. Rio de Janeiro. Monitor de Recreação: Formação Profissional.