You are on page 1of 90

Guarulhos, São Paulo | 13 de janeiro a 01 de fevereiro

Nome: Grupo local:

Aliança Bíblica Universitária do Brasil

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

1

Sumário
Palavra de Boas Vindas.............................................................................................................. 4 Programação .............................................................................................................................. 5 Estudos Bíblicos Indutivos .......................................................................................................... 8
Poder, Pregação e Prioridades | Marcos 1:35-39 .............................................................................................. 9 O Senhor do sábado em um sábado qualquer | Marcos 2.23 – 3.6 ................................................................ 11 Por que a semente não funciona? | Marcos 4.1-20 ........................................................................................ 12 O poder de Jesus sobre as enfermidades do corpo e da alma, sobre o medo e a morte | Marcos 5:21-43 ... 13 Cuidado com o fermento que contamina! | Marcos 7:1-23............................................................................ 14 O fermento dos fariseus e o fermento do Reino de Deus| Marcos 8:11-26................................................... 15 Nunca serão!!! | Marcos 10. 13 – 31............................................................................................................... 16 Triunfo, Festa, Alegria... e cruz? | Marcos 11.1-11 .......................................................................................... 17 Coque dos "chefões"| Marcos 11:27 - 12:12................................................................................................... 18 O Retorno do Rei | Marcos 13 ......................................................................................................................... 19 Até quando posso confiar em você? | Marcos 14. 26-52................................................................................ 20

Exposições bíblicas ................................................................................................................... 21
O Tapete Vermelho do Rei Servo | Marcos 1:1-15 .......................................................................................... 21 Pecados, Pecadores e Perdão | Marcos 2:1-17 ............................................................................................... 22 A Verdadeira Família de Jesus | Marcos 3:20-35............................................................................................. 23 Missio Dei: do caos a ordem | Mc 4.35-41...................................................................................................... 24 Equipamentos e suprimentos da (e na) missão | Mc 6.6b-13, 30-52.............................................................. 25 Jesus não é monopólio de ninguém: há lugar para todos na casa do Pai | Marcos 7:24 – 8:10 ..................... 26 O preço do discipulado e o exemplo do servo sofredor | Marcos 8:27 – 9:1 ................................................. 28 O Rei Servo | Marcos 10: 32 – 52 .................................................................................................................... 30 E no caminho... Algumas atitudes falam mais do que palavras! | Marcos 11: 12 – 26 .................................. 31 Desafios e motivações à luz da Luz | Marcos 12.13-44 ................................................................................... 32 Encontros e desencontros junto à mesa do Senhor | Marcos 14.1-31 ........................................................... 33 “O que eu tenho a ver com isso?” Marcos 14:53-15:15.................................................................................. 34 Montes, vales e suas tentações | Marcos 9:2-29 ............................................................................................ 35 A cerimônia de posse do reino | Marcos 15:16-39 ......................................................................................... 36 As primeiras testemunhas do Rei exaltado | Marcos 15:40 – 16:20 ............................................................... 37

Palestras................................................................................................................................... 39
Viva a Simplicidade: A opção cristã pelo estilo de vida simples em um mundo consumista .......................... 39 Senhorio de Cristo: cultura igreja e sociedade I .............................................................................................. 42 Senhorio de Cristo: cultura igreja e sociedade II ............................................................................................. 43 Minha vocação: como descobri-la? ................................................................................................................. 44
IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

2

Silêncio reflexivo...................................................................................................................... 45
O Rei Servo ...................................................................................................................................................... Aprendendo a silenciar com o Rei Servo ......................................................................................................... 46 Silenciar para aprender a discernir a vontade do Senhor! .............................................................................. 47 É no silêncio que escutamos sua voz............................................................................................................... 48 O silêncio nos traz sensibilidade...................................................................................................................... 49 Silenciando o opressor e as opressões ............................................................................................................ 50 Silenciando o orgulho e a presunção............................................................................................................... 51 Santidade que leva ao serviço ......................................................................................................................... 52 Entre o caminho da adoração e da falsa religiosidade .................................................................................... 53 Autoridade, perdão e amor ............................................................................................................................. 54 Permanência, integridade e coragem.............................................................................................................. 55 45

Oficinas ..................................................................................................................................... 56
Vivendo a mordomia do tempo ...................................................................................................................... 56 Assessoria auxiliar e o discipulado: conhecimento, compromisso e desafios ................................................ 61 Evangelização.................................................................................................................................................. 64 Curtindo a Trindade......................................................................................................................................... 67 Igrejas, pra que te quero?................................................................................................................................ 68 Como transformar seu EBI numa exposição bíblica ........................................................................................ 74

Construindo pontes: “engenharia” da Verdade ...................................................................... 80 Orientações para a parte prática .............................................................................................. 84 Avaliações ................................................................................................................................. 86

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

3

cada experiência. comprometida com o serviço à universidade. é uma alegria recebê-los para caminharmos juntos nas próximas três semanas. à igreja e à sociedade! Neste IPL vamos nos debruçar no Evangelho de Marcos. Dizer que o IPL é um encontro de formação significa enfatizar o valor de cada momento. Vamos descobrir mais sobre este grande Servo? Que a graça de Deus seja com todos nós! Equipe de apoio do IPL IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Buscamos cobrir. cada atividade. área ministerial (ferramentas) e área pessoal (valores). Estaremos sendo “formados” por tudo isso. Vamos centrar nossos esforços na reflexão sobre o Senhorio de Cristo.Palavra de Boas Vindas Queridos participantes do IPL 2013. com a expectativa de preparação de uma nova liderança estudantil nacional. sob o tema “O Rei Servo” baseado em Marcos 10:45 “Porque o filho do homem também não veio para ser servido. Sejam muito bem-vindos ! Depois de vários meses de preparação. dentro da programação.SP 4 . as três áreas fundamentais para que esta formação seja potencializada: área bíblico-teológica (conhecimentos). neste estratégico encontro de formação. mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos”. cada conversa. e não apenas durante as programações “oficiais”. A seriedade do encontro tem a ver com este caráter “formativo”.

Programação IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 5 .

IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 6 .

IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 7 .

Se tiver alguma dificuldade. com oração. evitando divagações. fique de olho no relógio e policie-se para alcançar uma interpretação e aplicação da passagem dentro do tempo. Nessas horas nossa confiança deve ser na certeza de que o Espírito Santo atua por meio das escrituras. de maximizar o aproveitamento desses momentos para todos nós. lembrando que seu papel como líder é manter o grupo todo no foco. reformular ou acrescentar perguntas de acordo com o que julgar necessário. Portanto. Haverá onze momentos de EBI em grupo pequeno. Permita e estimule todos a contribuírem para a discussão. mas compreender o que Deus está dizendo. Uma das responsabilidades do líder de EBI é cuidar para que a discussão termine no tempo estipulado. As perguntas de interpretação e aplicação são mais abertas e espera-se que o grupo discuta mais sobre elas. Dirigir um EBI preparado por outra pessoa é sempre uma aventura. [I] = Interpretação. e por meio de um revezamento cada IPLense terá a oportunidade de conduzir pelo menos um deles. passem para a próxima pergunta. Durante esses dias no Cabuçu teremos a preciosa oportunidade de estudar todo o Evangelho de Marcos. Por isso procure separar um tempo no dia anterior para se familiarizar com a passagem. então Deus há de produzir muita edificação em cada um. a equipe de obreiros terá prazer em ajudar. ‘onde’. Os EBIs foram preparados por assessores da ABU.Estudos Bíblicos Indutivos Orientações para os líderes de EBI Um bom EBI é um estudo no qual os participantes conseguem se envolver com o texto bíblico a ponto de compreender o que Deus diz por meio dele e permitir que tal mensagem impacte seus corações e gere neles uma mudança de vida. As seguintes orientações têm o propósito de te ajudar na condução dos estudos e assim. Um espírito humilde e um coração disposto a aprender são o solo fértil para a semente da Palavra. dá para pular esta pergunta sem prejudicar o entendimento do todo. A resposta esperada é bem objetiva (‘o que’.SP 8 . Porém. Não gaste muito tempo com perguntas de observação. ‘qual’ etc). Você como líder é livre para pular. Não negligencie as perguntas de aplicação! No início de cada pergunta colocamos uma letra entre colchetes indicando o tipo de pergunta: [O] = Observação. Identificada(s) a(s) resposta(s). Também incluímos algumas vezes o símbolo [↓] que significa que esta pergunta é de baixa prioridade – se o tempo está curto. as perguntas do EBI são seu servo: faça uso delas como uma ferramenta. estudando-o de maneira indutiva. O alvo não é completar as perguntas. inclusive em mim! As perguntas têm por objetivo ajudar-nos a investigar o texto bíblico e aplicar sua mensagem à nossa vida. devemos lembrar que enquanto o texto bíblico representa seu Mestre. [A] = Aplicação. Que o Espírito cumpra seus propósitos em nós por meio destes estudos de Marcos! Equipe de Obreiros IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

42. A primeira é esta aqui no v38. surpreendentemente. I) No Evangelho de Marcos as palavras do 1:15 servem como clímax do prólogo e também como uma ‘manchete’ para tudo que segue. (I) No Evangelho de Marcos Jesus faz três declarações sobre o porquê da sua vinda. Pregação e Prioridades | Marcos 1:35-39 Phil Rout Ler Marcos 1:14-45 1. e que Marcos conta os eventos visando ensinar o leitor o que significa que ‘o tempo é chegado’ e ‘o Reino de Deus está próximo’. A julgar pelo contexto do capítulo 1. I) Marcos descreve Jesus em oração apenas duas outras vezes (Mc 6:46 e 14:35-39). Jesus se levanta super cedo para orar.] Jesus enfatiza que ele veio para pregar. pelo que (e sobre que) ele pode ter orado aqui? 8. (O) Tracem o desenvolvimento rápido do ministério de Jesus conectando os versículos com as frases correspondentes:      v14-15 v16-20 v21-28 v29-34 v45      Jesus é procurado por multidões Jesus chama os primeiros seguidores Jesus já não pode entrar publicamente nas cidades Jesus começa a pregar Jesus começa a ganhar fama 2. 26-27. De que forma os acontecimentos de 1:16-45 dão ‘corpo’ a esta manchete? 4. O que este simples fato nos ensina sobre ele? 7. especialmente os milagres? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . (O. [As outras estão em 2:17 e 10:45. até o capítulo 4 Marcos relata muito pouco do conteúdo da sua pregação.B: v18. Como esta ótica pode nos ajudar a interpretar corretamente as passagens pela frente. dando preferência ao que Jesus faz! Alguns comentaristas sugerem que as ações de Jesus são demonstrações vivas da sua pregação. 22. I) Quais características de Jesus Marcos parece estar enfatizando aqui no início do Evangelho? Sugiram algumas palavras-chave. (I) À luz dos versos 28 e 32-36. 14 de janeiro Poder. 31. 20. Como isto esclarece ou reforça sua resposta anterior? 6.SP 9 . (O. I) Como Jesus responde à sugestão implícita dos discípulos. (N. (O. (↓ I) Após um dia (e uma noite) bem puxado. 5. como deve ter sido o tom das palavras faladas para Jesus no versículo 37? Justifique sua resposta. e o que esta reação nos ensina sobre a missão dele?  (↓ O. I) Revejam o 1:14-45 e tentem distinguir entre as coisas que Jesus faz proativamente e as que ele faz reativamente.Estudos Bíblicos Indutivos | Segunda-feira. 34. Mas. (O. tb 2:10) 3.

pessoas hoje em dia tendem a se empolgar mais pelo poder de Jesus do que pela Boa Notícia do Reino à qual tal poder aponta. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . mas como todo ser humano era um mordomo do poder que Deus lhe dera. Passem um tempo orando sobre isso:   Pedindo perdão pela nossa tendência de ver Jesus como alguém que pode cumprir nossa vontade. (↓ A) Felizmente Jesus não caiu na tentação de se desviar do chamado de Deus para sua vida. e todos precisam ouvi-la prioritariamente (ref. Como no tempo de Jesus. Ele entendeu que não tinha ‘liberdade’ para exercer seu poder da forma que mais lhe agradava.SP 10 . Mc 9:7).9. Como você pode aprender com o exemplo de Jesus quanto ao exercício dos ‘poderes’ que Deus te deu? 10. Pedindo para que ouçamos e entendamos a pregação de Jesus ao longo desse IPL. Mas esta mensagem é de importância sem igual.

(O) Jesus responde aos fariseus citando uma história sobre Davi registrada em I Sm. Que ‘armadilha’ é essa e como Jesus lida com ela? 7.6 Marcos Roque 1. (O) Os fariseus fazem na sinagoga uma ‘armadilha’ para Jesus. puramente. (I) A questão dos fariseus era.21. (A) Como deve estar o nosso coração para que possamos agradar a Jesus naquilo que dizemos fazer em obediência a ele? Como está o nosso coração em relação ao que temos aprendido de Jesus nesse IPL? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Jesus faz mais uma afirmação sobre sua autoridade.23 – 3. 15 de janeiro O Senhor do sábado em um sábado qualquer | Marcos 2.Estudos Bíblicos Indutivos | Terça-feira. em particular o do sábado.25) 3. (A) O que os mandamentos.SP 11 . 3. um zelo pela correta obediência ao que Deus tinha ordenado sobre o sábado? O que seria essa ‘dureza de coração’ dos fariseus a qual Jesus fica indignado e entristecido (v. (I) Como as palavras de Jesus nos versículos 2. 21. nos mostra sobre Deus? (Tente fazer contraste com a forma que os fariseus viam os mandamentos e consequentemente Deus) 9. Como aquele acontecimento narrado se assemelha com o de Jesus e os discípulos? Em que é diferente? 4.5)? O que no texto mostra essa dureza de coração nos fariseus? 8.12-15 e Dt23.27 nos ajudam a entender como a lei do sábado deveria se aplicada? Como este mesmo princípio se aplica a história de Davi? 5.1-9. (I) Até que ponto a advertência dos fariseus a Jesus é legítima de acordo com a ordenança de Deus sobre o sábado? (ver Ex. 34. Como podemos entender a expressão “O filho do homem é Senhor também do sábado”? 6. (I) Depois de interpretar a correta aplicação da lei do sábado. (O) O que os discípulos estavam fazendo na ocasião e qual o questionamento os fariseus fazem a Jesus? 2. Dt 5.

26-29)? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . 16-18. De que forma essa parábola nos confronta em relação a isso e nos encoraja a perseverar confiantes no poder dessa mensagem (ver também Marcos 4. 3. (O) Na parábola contada por Jesus (vs.1-6. 7-12. quem sabe até mesmo antes do fim do IPL. Elementos que influenciam a frutificação. I) A partir da explicação da parábola dada por Jesus tente diferenciar cada um dos quatro cenários nos seguintes aspectos: 4. (↓I) Os vs. provações. 1.9. 22). (O.1-20 Josué Penteado 1. (A) Como você tem recebido até aqui a semente lançada durante esse IPL? Como a lição dessa parábola pode te ajudar a reorientar suas posturas diante da(s) semente(s) que ainda irá receber? Ao final do estudo orem para que Deus nos ajude a receber essa semente e que ela possa produzir frutos. 2. Como recebe a semente. 10-12 são uma citação do livro de Isaías (Is.9). 6.SP 12 . Um dos riscos que corremos em situações assim é duvidar da essência e credibilidade de nossa mensagem. onde o SENHOR chama o profeta e explica como será seu ministério e a forma que as pessoas iriam receber sua pregação. a semente. Que reações foram essas? De que forma elas confirmam o que Jesus conta nessa parábola? (Tentem responder antes de olhar as referências – Mc. 22. (A) É possível que em nossos grupos de ABU nos deparemos com situações onde a Palavra parece provocar pouca mudança na vida das pessoas. De que forma a semente do Evangelho tem frutificado na sua vida apesar disso? O que você tem feito para enfrentar situações onde se vê confrontado com esses sentimentos? 11. 10. 6. 5. e o solo. Mesmo diante desse quadro qual é a postura de Jesus (que foi semelhante à de Isaías no AT)? Por que eles agem assim? (Atenção para QUEM dá as instruções e QUAIS são as instruções no início de Is. Compare as características de cada um desses elementos (semelhanças/diferenças) nas quatro situações descritas por Jesus. (O. I) Até aqui já temos visto no Evangelho de Marcos diversas reações à pessoa/mensagem de Jesus. (↓ A) Perseguições. 7. 16 de janeiro Por que a semente não funciona? | Marcos 4. 10). 3-8) vemos alguns elementos distintos: o semeador. 6. sendo tentados a modificá-la ou deixar a pregação do Evangelho como tarefa secundária. (I) Assinale na lista abaixo qual das alternativas é então o verdadeiro problema que impede a produção de frutos? Satanás Preocupações desta vida e engano das riquezas Confiabilidade da mensagem do Evangelho A disposição do coração Perseguições e tribulações 8. ganância e até mesmo incredulidade são sentimentos aos quais todos nós estamos sujeitos. 9.Estudos Bíblicos Indutivos | Quarta-feira. 3. Resultados finais.

seguia a Cristo sob um profundo senso da sua própria necessidade e do poder de nosso Salvador para aliviá-la”. Que lições podemos destacar aqui? 7. No entanto. tão somente creia. Uma pessoa. observamos no texto o contraste entre “fé” e “medo”. Este trecho do texto narra a aproximação de Jairo (dirigente da sinagoga) de Jesus. qual a resposta que Jesus dá e como Ele se dirige a ela? Como essa resposta pode nos servir de consolo e encorajamento quando sentirmos medo? (v. todos são surpreendidos pela notícia de que a menina já havia morrido.33) Reflita sobre I João 4:18 4.. Você também já sentiu medo de se apresentar diante de Deus? (v. compartilhe isso com um(a) amigo(a) do grupo e orem juntos(as).29 e v. (Meditações no Evangelho de Marcos. a mulher sente medo quando Jesus pergunta quem o tocou. J. nada disso adiantou e sua filhinha continuava doente.]. (IA) Jairo era um dos “principais da sinagoga” e.SP 13 . O texto nos mostra que a posição de autoridade e prestígio não isenta ninguém de ser atingido pelo sofrimento e pela morte.21-23) 6. “Muitos seguiam a Jesus por curiosidade [.” (Comentário da Bíblia do Peregrino) Como este homem se apresenta diante do Senhor? Há algum significado na forma como ele aborda Jesus? Qual foi a sua petição? (v. (IA) No caminho para a casa de Jairo. dois milagres realizados por Jesus que atestam o seu poder e autoridade sobre a doença e a morte. tinha recursos para buscar todos os tratamentos e cuidados médicos disponíveis em sua época. era uma personagem importante e respeitada na comunidade.” (v. Quem era essa mulher e por que o seu contato chamou a atenção do Mestre? (v.36) Mais uma vez.. 25-30) 3. Ryle) (O) Jesus estava sendo seguido por uma grande multidão que o comprimia. Reflita sobre em que medida você tem depositado a sua fé em suas próprias habilidades. (I) Mesmo tendo sido curada e percebendo a grandeza do milagre que acabara de experimentar. encorajando o dirigente da sinagoga. 17 de janeiro O poder de Jesus sobre as enfermidades do corpo e da alma. apenas uma. o toque de uma mulher foi diferente dos demais. Contudo. Se quiser (e houver tempo). IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . (I) Releia os versículos 21 a 23. 8.Estudos Bíblicos Indutivos | Quinta-feira. recursos e na posição que ocupa (ou ocupará quando se formar) e faça uma breve oração de confissão. diz: “Não tenha medo. Mas Jesus. C.34) 5. Por que você acha que ela teve essa reação? Examine o seguinte texto: Levítico 15:25-27. sobre o medo e a morte | Marcos 5:21-43 Sarah Nigri 1.42) 2. Que milagres são esses? (v. entre os versículos 21-43 do capítulo 5. (O) O evangelista Marcos apresenta. provavelmente. “O chefe da sinagoga dirigia as cerimônias do culto. (OIA) Após a confissão da mulher.

(O) Qual é o exemplo de quebra dos mandamentos de Deus. (O) O que Jesus declarou que estava errado na atitude dos fariseus? (6-8) 3. ou seja. 18 de janeiro Cuidado com o fermento que contamina! | Marcos 7:1-23 Sarah Nigri 1. o que podemos fazer com respeito à nossa condição? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . (O) Os fariseus e os escribas eram os líderes religiosos da época de Jesus. por parte dos fariseus.17-19) 7. que é a hipocrisia. Eles podiam. Como Jesus rebate essa lógica religiosa e quais argumentos ele apresenta? (v. (OI) A observância minuciosa da lei.Estudos Bíblicos Indutivos | Sexta-feira. Qual é a sua origem? 8. “Oferta para o Senhor ”. mas interiormente estão cheios de ganância e de maldade!” (Lucas 11:39) e alertava: “Tenham cuidado com o fermento dos fariseus. (O) Enumere os pecados citados por Jesus (v. Ele os condenava: “Vocês. (O) Uma prática comum dos fariseus era assumir compromissos com a tesouraria do templo e pagar suas dívidas ao longo da vida. impunha ao povo uma carga insuportável na vida cotidiana. (A) Podemos vencer o pecado pela disciplina ou pelo controle de nosso comportamento exterior? Se não. pois aquilo era “Corbã”. pelos fariseus. então. Os mestres da lei apelavam ilegitimamente para a “vontade de Deus” e muitas vezes distorciam o sentido dos mandamentos. Desta maneira.20-22). A quem Jesus se dirige? Qual é a ênfase de suas orientações e como elas vão de encontro às atitudes e ênfases dos fariseus? 6. fariseus. dando espaço para o orgulho e para a soberba. Leia os versos 7:1-5 e responda: Que ação dos discípulos de Jesus foi criticada pelos mestres da lei e fariseus? Por que este ponto foi julgado importante para eles? 2.10) 4.” (Lucas 12:1). limpam o exterior do copo e do prato.SP 14 . que Jesus apresenta? (v. favorecendo uma religião ritualista e externa.13) 5. Qual é a consequência dessa postura? (v. recusar ajudar o pai ou a mãe necessitados. até a morte. uma tradição religiosa era usada como desculpa para não cumprir um mandamento de Deus. Frequentemente. (OI) A ênfase dos fariseus em lavar as mãos não se dava por motivos higiênicos. mas para se purificar dos possíveis contatos com pessoas ou coisas consideradas menos puras do que eles. Releia os versículos 7:14-16. justificando não ter dinheiro.

8. em I Coríntios 5:7-8. maldade e perversidade. Este é o fermento que corrompe e se contrapõe ao “fermento do Reino de Deus”. retornando para o barco. O que é? (v. 19 de janeiro O fermento dos fariseus e o fermento do Reino de Deus| Marcos 8:11-26 Sarah Nigri 1. a maneira sutil com que. ela invade a religião de um homem e a capacidade mortífera com a qual ela pode modificar completamente o caráter do cristianismo de uma pessoa. imperceptivelmente. Vimos a manifestação do poder de Jesus para curar a cegueira física. Jesus dá um suspiro que expressa uma comoção interior. Sobre o termo “fermento” utilizado por Jesus. No v.16:11-12 4. J. O alerta de Jesus chama a atenção para a falta de entendimento dos próprios discípulos e para o risco que corriam de se contaminarem pela incredulidade. mas para as quais Deus tem aberto os seus olhos e dos seus companheiros cristãos? Compartilhe com o seu grupo. C. (O) Leia atentamente os versículos 11 a 13 do capítulo 8 de Marcos. com exatidão. mas também a espiritual.23-25) 6.Estudos Bíblicos Indutivos | Sábado. Ryle) Paulo também escreve. há algo novo e único neste milagre. Por que os fariseus se aproximaram de Jesus? O que eles queriam? 2. Essa palavra descreve.SP 15 . (OI) Nos versos seguintes. O que entristeceu e incomodou o Mestre? 3. (A) Como você e o seu grupo de ABU têm trabalhado (ou podem começar a trabalhar) para combater o “fermento da maldade e da perversidade” e disseminar o “fermento do Reino de Deus” em sua escola/faculdade? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . (I) Como a cura “processual” do cego de Betsaida pode simbolizar o tratamento e o cuidado que Jesus dispensa aos seus próprios discípulos? Comente a relação entre a exortação de Jesus em 8:18 e o milagre narrado em 8:23-25.15) O que o Senhor quis dizer com essa advertência? Observe também Mt. 7. Jesus adverte os discípulos: “Estejam atentos e tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes.12. O que Jesus buscou destacar para os discípulos através das perguntas que Ele lhes faz? 5. (A) Que tipo de coisas ou situações têm passado despercebidas (não tem sido “enxergadas”) pela maioria das pessoas em sua escola/universidade. os pequenos começos da falsa doutrina. sobre o perigo do “fermento da maldade e da perversidade”. sem seguida. (OI) Diante da postura e da atitude dos fariseus. se afasta daquele grupo.” (J.” (v. Ryle comenta: “Nenhum vocábulo mais apropriado do que este poderia ter sido utilizado. Ele faz uma promessa e. (O) A cura do cego de Betsaida é muito parecida com outras curas realizadas por Jesus. Releia os versículos 8:17-21. No entanto. C.

I) Quais instruções Jesus dá e quais seriam os resultados da obediência a essas instruções? 6. como Jesus diz. tentam tornar possível o que Jesus afirmou ser impossível. 23-27).’ Nota tirada do Comentário do Novo Testamento. Essas “explicações” (?). 17 e 22? 4.31? 9. (O.I) O que alguém que deixou por amor de Cristo e do evangelho. 21 de janeiro Nunca serão!!! | Marcos 10. Que padrão é esse? Como a obediência aos mandamentos deve ser vista a partir desse padrão? 5. Jesus estabelece o padrão absoluto de bondade (v. 13 – 31 Marcos Roque 1. além de serem questionáveis de um ponto de vista linguístico. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . (I) O que os discípulos (e todo adulto que deseja entrar no Reino de Deus) deveriam aprender com as crianças? 3. um homem vai ao encontro de Jesus aparentemente desejando muito ter a vida eterna.Estudos Bíblicos Indutivos | Segunda-feira.I) Jesus volta a falar com os sobre entrar no Reino de Deus (vs. seria até mais fácil para um camelo realizar essa tarefa impossível do que para um rico entrar no Reino de Deus. (O) Logo em seguida. deveria esperar receber? Como alguém poderia esperar receber outras mães?? Como então deveríamos entender essas promessas? 8.29. onde um camelo real parece estar sendo citado -.18). (O. Mt.O que Jesus fala sobre a dificuldade de se entrar no reino de Deus?* Por que seria impossível para o homem se salvar (entrar no Reino de Deus) e aparentemente tão simples para o que recebe o reino como uma criança?(ver. e depois de ter removida a sua carga. existem outros tipos de riquezas. (O) Como as crianças eram vistas por Jesus? Quais motivos os discípulos poderiam ter para repreender os que levavam as crianças? 2. Como podemos ser ABUenses que recebem o Reino como uma criança? * ‘É naturalmente inteiramente impossível para um camelo passar pelo buraco de uma agulha. o homem rico e o dialogo com os discípulos nos ajudam a entender a expressão “muitos primeiros serão últimos e os últimos primeiros’’ no v. (O. as coisas descritas no v. que as vezes consideramos como a marca dos ABUenses. (O. como a intelectual e teológica. na narrativa. (I) Como o encontro de Jesus com as crianças. Exposição do Evangelho de Marcos de William Hendriksen. O que gerou o contraste descrito nos vs. I) Antes de responder a pergunta que o homem faz.24. ou definir o “buraco da agulha” como a porta estreita da muralha de uma cidade.3) 7. (A) Apesar de ser contestável que o universitário tem dinheiro. Ocorre uma mudança de postura desse homem. 5. Contudo.SP 16 . bem como tentar mudar o nome “camelo” para “cabo” – veja Mateus 23. por onde um camelo passaria somente ajoelhado. É inútil tentar explicar o que Jesus quis dizer com essas palavras.

1).1-11 Josué Penteado 1. e cruz? | Marcos 11. Quem foi Davi e o que significa o “Reino vindouro do nosso Pai Davi”. Quais orientações ele dá para que os discípulos consigam executar sua tarefa? Por que eles são bem sucedidos nessa missão? (O. (I) Como já vimos anteriormente Jesus tinha uma forte convicção e motivação para ir até Jerusalém (ver 10.42-45). (O. procurem identificar qual era afinal a real visão do povo sobre Jesus? Atenção para: 5. Apesar disso o que podemos supor que o povo dessa cidade sabia a respeito dele (cf. Leiam Zacarias 9. Entretanto. 22 de janeiro Triunfo. 8. 3. o seu reinado é radicalmente diferente do de outros reis e governantes (ref. 9-10 são em parte citações do Salmo 118 (vs.34 e 10. 1-3). nós suplicamos” [HENDRIKSEN.32-34). 1) que celebrava a libertação de Israel da escravidão imposta pelos egípcios (Dt. Alegria. mas para os judeus que conheciam bem o Antigo Testamento era reveladora. 7. 1. (A) Reconhecer Jesus como Senhor.SP 17 . 25-26 principalmente) . 6. Comentário do Novo Testamento MARCOS. A partir do que já vimos até aqui no Evangelho de Marcos quais implicações práticas há sobre aqueles que se reconhecem debaixo do senhorio de Cristo? (A) De que forma nossa vivência e pregação do Evangelho tem sido mais parecida com a praticada e proclamada pelo povo em Marcos 11 do que a ensinada por Jesus em 8..45. (O) Assim que chegam à cidade (v. I) A utilização do jumentinho pode parecer estranha aos nossos olhos. (I) Os vs. por que elas agiam assim? 4.8)? 2. Jesus pede a dois discípulos para irem adiante e buscar um jumentinho.45? 1 Hosana significa “salvar agora” ou “salve.. registrada nos capítulos 1115 deste evangelho. 3. Editora Cultura Cristã] IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Em que aspectos essa visão difere do que estamos vendo no cap. 10. Esse relato ocorre durante o início da festa da Páscoa (14. (O) Marcos relata apenas uma única visita de Jesus a Jerusalém. Os judeus viviam sob o domínio do imperador romano e de seus governadores. Festa. 16.9 e indiquem quais características esse texto teria revelado sobre Jesus. W. 11? Por que mesmo assim Jesus permite que isso aconteça? 9.Estudos Bíblicos Indutivos |Terça-feira. I) No v. Pensando no Salmo e no cântico desses versículos. 8 qual a atitude das pessoas que seguiam ao redor de Jesus? A partir do que vimos nas perguntas anteriores. Rei e libertador é justo e correto.

I) Jesus sabe que está prevendo sua própria morte. 3 10:33s). 32. a resposta que Jesus lhes dá. Destes.) A ‘pedra angular’ é uma pedra de grande importância num prédio. embora indiretamente? 7. O que isto revela a respeito do caráter de Deus? 8. João Batista pode ser considerado o último (ref. 10:33s e 11:18).SP 18 . e o que havia acontecido neste mesmo lugar no dia anterior? 2. então a postura correta para com ele é de submissão respeitosa. ref. ou. ver também Pv 1:7 e Pv29:25) 11. Qual é a pista que Jesus dá que mostra além de qualquer dúvida que ele também se inclui na parábola? (Ref. A julgar pelo que Marcos já escreveu destes (8:31. (O. os mestres da lei e os líderes religiosos. Mt 11:13). então. 11:18. (O) Por que os líderes não responderam abertamente à pergunta de Jesus? 5. I) A delegação de líderes são membros do afamado sinédrio . em que sentidos nós estamos fazendo a mesma coisa? (A) Se. Jesus fala e age com verdadeira autoridade divina. (A) E dentro da ABU.Estudos Bíblicos Indutivos | Quarta-feira. (O. (A) Quais exemplos podemos citar de pessoas ‘religiosas’ demonstrando que temem mais aos homens do que a Deus? 12. O uso bíblico tem origem em Sl 118:22 e pode se referir a uma grande pedra no alicerce à partir da qual o resto da construção é projetada. 23 de janeiro Coque dos "chefões"| Marcos 11:27 . (O. I) A descrição do envio e rejeição dos servos relembra os profetas do antigo testamento (ex: Jr 7:25s). Mc 1:11 e 9:7!) Isto tudo deixa clara a conexão entre a parábola e a pergunta que os líderes fizeram no 11:28? Qual é. Em quais áreas e de quais maneiras podemos encorajar uns aos outros a nos submetermos a Jesus? 2 O sinédrio era composto por 71 líderes. I) O que impede os líderes de agir com a mesma integridade e coragem que Jesus demonstra? (v12. outros fariseus. (I) O que o batismo de João tem a ver com a autoridade de Jesus? (Ref. (Ver também Mc 14:53-55 e 15:1. 9:31.12:12 Phil Rout 1. então. por que ele pode encarar este destino com confiança? (v9-11) 10. Alguns eram saduceus. quem é responsabilizado. a qual é compreendida perfeitamente pelos ouvintes.) 6. A parábola contém fortes reflexos de Isaías 5:1-7. (↓ I) No contexto da parábola. sendo eles os chefes dos sacerdotes. à pedra final que completa um arco. (I) O que a recepção hostil (v12:3-8) revela quanto à postura dos líderes judeus para com Deus? 9. e as consequências prometidas. o envio do filho é um tanto surpreendente. (O. quais aspectos da ‘canção da vinha’ Jesus muda na sua parábola? (Considerem: O que deu errado. o que o leitor deveria estar esperando desse primeiro encontro direto deles com Jesus? Como isso nos ajuda a entender a motivação por trás da pergunta que eles fazem? 3. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . o conselho de maior autoridade entre os judeus. Quais são os paralelos principais destas passagens? E. e outros escribas. Segundo a parábola. como afirmamos. (O) Onde se dão os acontecimentos descritos nessa passagem. como já fez anteriormente (8:31. (O) Logo em seguida Jesus lhes conta uma parábola. Mc 1:1-15) 4.

Tiago. A outra. pontos de maior dificuldade de interpretação. (I) O que Jesus quis dizer com ‘vigiai’? Como a parábola dos versículos 34 e 35 nos ajudam a entender essa instrução? O que seria alguém ser encontrado dormindo? 8.SP 19 . emprego e qualquer projeto em longo prazo e vivêssemos exclusivamente para evangelização e oração pensando que Jesus voltaria por exemplo daqui um mês? 9. João e André perguntam para Jesus logo após a profecia sobre o templo? O que no texto mostra que a resposta de Jesus não se restringiu aos acontecimentos relativos à destruição do templo ocorrida em 70 d. (O) O que Pedro. (O) O que no texto serve de encorajamento para o discípulo continuar a confiar mesmo em tantas dificuldades que viriam? 5. que achamos ser a mais adequada. (O. (A) A nossa expectativa sobre o futuro influencia a forma como vivemos. (A) Como viver de modo que evitemos posturas extremas como do caso anterior e ao mesmo tempo não sejamos achados inesperadamente dormindo no retorno do Rei? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . 24 de janeiro O Retorno do Rei | Marcos 13 Marcos Roque Esse capítulo é extenso e possui pontos que demandam um tempo maior para estudarmos.? 3.Estudos Bíblicos Indutivos | Quinta-feira. (O) Quais instruções Jesus dá aos discípulos sobre como eles deveriam viver frente o que ele estava prevendo que aconteceria? 4. mesmo este contendo espinhos. narrados por Marcos nesse capítulo. Jesus revela aos discípulos sobre o Espírito Santo e sobre ele próprio? 6. O que aconteceria se deixássemos a faculdade.I) Qual seria o contraste nas grandes construções do templo no presente e no futuro. Espero que vocês consigam saborear o peixe. A) Os sinais envolvem muita especulação sobre como e quanto acontecerão/aconteceram esses eventos.C. I) Quais ensinamentos novos. (O. 1. Uma solução fácil seria não estudarmos ele. Como Jesus frustra a expectativa dos ‘descobridores de datas’ sobre os últimos dias? Como devemos lidar com as ‘previsões’ dessas pessoas? 7. percebidas na fala dos discípulos e de Jesus? 2. é estudarmos mesmo não podendo aprofundar em todas as questões do capítulo. ( O.

Em conjunto com o v. ainda que não tenha abandonado sua natureza divina.Estudos Bíblicos Indutivos | Sexta-feira. porém. podem nos ajudar a lidar com situações onde somos tentados a tomar decisões com base naquilo que vemos ou sentimos em vez de confiar na fidelidade de Deus? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Marcos não deu muitos indícios da condição emocional em que Jesus se encontrava em relação a esses acontecimentos. I) E os discípulos. 52 são provavelmente uma referência ao próprio Marcos. 50 enfatizam o abandono generalizado que Cristo enfrentou em sua morte. do v. Procure evidências ao longo do cap. de que forma reagem ao momento ‘tenso’ que Jesus está enfrentando? Por que (ref. (↓I) Quais podem ter sido as motivações para que Jesus se sentisse dessa forma? Como isso reforça e amplia o fato de que Jesus. 10. 6. 26 até aqui. 25 de janeiro Até quando posso confiar em você? | Marcos 14. 26-52 Josué Penteado 1.SP 20 . 14 que confirmem essa afirmação. o autor do Evangelho. Como Marcos descreve essa condição? 3. (A) De que maneira as ações de Jesus diante da dificuldade em ser obediente ao enfrentar todo o sofrimento que estava por vir. 49)? (I) Os vs. 51. 7. realmente se encarnou como homem? (O) Como ele lida com a questão do pré-conhecimento sobre os eventos que aconteceriam e a condição emocional em que se encontrava? (O. Como se compara essa trajetória dos discípulos. (O) Até aqui. revelando sua mea culpa diante desses fatos. 37-40)? (O. 8. (O) Jesus sabia que seria morto em Jerusalém e que o tempo para que isso acontecesse estava se aproximando. 9. 2. 5. I) O que Jesus faz ao se dar conta que será entregue nas mãos dos pecadores? Que outras atitudes poderiam ser esperadas em uma situação como essa de iminente perseguição e prisão? (O) Qual a justificativa que Jesus dá para sua ‘suposta passividade’ diante de tudo que acontece (v. com a constância de Jesus destacada nas perguntas 6 e 7? (A) Em que aspectos da nossa vida temos sido semelhante aos discípulos? De que forma saber que Cristo é radicalmente diferente deles (e de nós) pode nos servir de conforto? 4.

O propósito da sua vida e ministério Jesus entra em cena (v9-13) .O manifesto do Rei .SP 21 .Arrependimento e fé: uma anistia para rebeldes Conclusão IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .(a)provação Holofotes em Jesus (v14-15) .Exposições bíblicas Domingo.O que ele fazia .Quem é este? .Quem ele era . 13 de janeiro O Tapete Vermelho do Rei Servo | Marcos 1:1-15 Phil Rout Introdução ao Evangelho de Marcos ‘A história até aqui’ (v2-3) João Batista: O preparador do caminho (v4-8) .

Pecadores e Perdão | Marcos 2:1-17 Phil Rout Introdução Uma fé que se destaca na multidão (v1-4) Uma declaração surpreendente (v5) Uma indignação teologicamente racional (v6s) Uma resposta teologicamente revolucionária (v8-11) Uma reação inadequada (v12)  Como estamos enxergando Jesus? Uma obediência exemplar (v13s) Um almoço escandaloso (v15s) Um médico que procura doentes (v17)  Como estamos enxergando a nós mesmos? Conclusão IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . 14 de janeiro Pecados.SP 22 .Exposições bíblicas | Segunda.

Exposições bíblicas | Terça-feira.Eu e você.’ .SP 23 .dos familiares .? A Grande Família (v31-35): .dos mestres de Jerusalém A defesa de Jesus (v23-29): .quem está fora de si??! .‘nunca terá perdão..Jesus divide e polariza: Não existe reação suave ou mediana .fazer reivindicações de Jesus X fazer a vontade de Deus Conclusão Quem realmente pertence à ‘casa’ de Jesus? . 15 de janeiro A Verdadeira Família de Jesus | Marcos 3:20-35 Phil Rout Introdução Reações diversas a Jesus e seu ministério Um ‘sanduíche’ à moda de Marcos Quem realmente pertence à ‘casa’ de Jesus? Dois veredictos (v20-22 e 30): .quem está com Belzebu??! . pertencemos à verdadeira família de Deus? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos ....

Do medo à fé. vai na primeira. não te importas que morramos?” 4.. Quando a missão não pode esperar “Vamos para o outro lado?! Hoje!? A essa hora!? Desse jeito!?” O que tem do “outro lado do mar ”? Vocação missionária abrangente 2. 16 de janeiro Missio Dei: do caos a ordem | Mc 4. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .Exposições bíblicas | Quarta-feira. Será?! 3. nós.23-32 Da premissa à pergunta: Jesus. Salmos 102.SP 24 . Salmos 107. Forças contrárias à missão: o caos A Galera de Jesus e o Mar da Galiléia O mar e seus monstros marinhos: símbolos do caos “Com Cristo no barco tudo vai muito bem!”. na segunda.35-41 Pablo Gomes 1.13 Habilidades humanas x Habilidades divinas: “Por essa nós não esperávamos!” “Aquiete(m)-se! Acalme(m)-se! Eu sou o SENHOR!” Missio Dei: do caos a ordem 5.. Silêncio no meio da missão!? Sono real e sono simbólico: “Deus dormiu no ponto?” Um remédio pra dormir: Sl 4 O silêncio na missão de Deus: “SENHOR. Da covardia ao temor.

Em campo: o que fazer? Ensino. libertação e cura Prestando contas ao SENHOR da ceara Trabalho & Descanso Um problema...5 No começo eu também não entendi. duas lógicas o SENHOR proverá! 4. Envio: o que levar? Cadê os EPI's e os EPC's que costumo usar?! 4 coisas que você precisa levar na jornada     Companhia Fé Amor Esperança 3.6b-13. Fase preparatória: treinamento e investidura IPL 31 – Galiléia: “Aprendendo com Jesus” “É hora da parte prática!”.SP 25 . Forças contrárias à missão – partes II e III Sacode a poeira! Salmos 3..4 e 46. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .. 17 de janeiro Equipamentos e suprimentos da (e na) missão | Mc 6.. Já?! Vocação e missão profética 2.. 30-52 Pablo Gomes 1. E agora?.Exposições bíblicas | Quinta-feira.

siro-fenícia. vai ao encontro de Jesus buscando libertação para a sua filha que estava possuída por um espírito imundo.Exposições bíblicas | Sexta-feira. que eles consideravam tão impuros como os vira-latas que reviravam o lixo nas ruas (mais uma vez.. Marcos 7:24-30: A mulher siro-fenícia . . .. O conceito de “família” oferecido por Jesus é bem abrangente: IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .Resposta de Jesus: “Deixe que primeiro os filhos comam até se fartar. . Líbano). 18 de janeiro Jesus não é monopólio de ninguém: há lugar para todos na casa do Pai | Marcos 7:24 – 8:10 Sarah Nigri O evangelho de Marcos revela sinais de que foi escrito para uma igreja primordialmente gentia. ao norte da Galileia. de forma pejorativa. debaixo da mesa.Uma mulher grega.Por causa da perseguição e dos embates ferrenhos com os fariseus.Resposta da mulher: “*.Ter lugar na casa de Deus não é uma questão de raça ou de filiação religiosa. quando Jesus discute com os fariseus e religiosos).+ até os cachorrinhos. pois explica expressões aramaicas e as tradições dos fariseus. aos gentios. cidades localizadas na Fenícia (atualmente.Os judeus usavam o termo “cachorrinhos” para se referir. pois não é correto tirar o pão dos filhos e lança-lo aos cachorrinhos.SP 26 . comem das migalhas das crianças” (7:28) .” (7:27) . vemos a questão da “pureza” e da “contaminação” que aparece no texto anterior. Jesus decide seguir para os arredores de Tiro e Sidom.

Jesus. . a exemplo do que fizera com os judeus (6:3044).” (3:35) . mas no sentido temporal. é bem provável que o homem surdo-mudo fosse um gentio.Como morador de Decápolis (federação de dez cidades de língua grega).O Senhor. pois não indica mudança de localidade.Jesus elogiou a fé persistente e humilde de uma mulher “impura” que assumiu uma postura muito diferente da dos fariseus (que buscavam lugares de honra. Marcos 7:31-37: A cura do surdo-mudo .A segunda multiplicação dos pães representa a provisão milagrosa de Jesus para os gentios. privilégios e reconhecimento). este é o meu irmão.Ironicamente. Salvador do mundo! . . foram os gentios que reconheceram que Jesus cumpria a expectativa do Messias (Isaias 35:5) e sua exclamação recorda a ação criadora de Gêneses 1 (o Criador fez tudo bem). IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . assim como a primeira revelou sua preocupação e compaixão com os judeus. Marcos 8:1-10: Jesus alimenta novamente uma multidão . Como no episódio do paralítico judeu.“Pois quem cumpre a vontade de meu Pai do Céu. . Marcos faz o leitor imaginar que o fato acontece em território pagão. mais uma vez. antes de tudo. o Messias dos judeus e. era. referindo-se aos judeus.SP 27 . em seu papel. mesmo que fosse receber apenas migalhas. sente compaixão e misericórdia e vem saciar a fome de todos (não oferece apenas migalhas). Ela estava faminta por Deus. de forma que ainda sobraram sete cestos cheios de comida. deixando espaço para um ministério posterior aos gentios. seus amigos o levaram até Jesus (7:32) que o afastou da multidão e o curou. não de importância.Jesus alimentou uma multidão formada por gentios. depois. irmã e mãe.A palavra-chave no texto é “primeiro”.

“*. Jesus faz uma pergunta indireta aos discípulos. É a residência do tetrarca Filipe. é que ele quer provocar a confissão formal. O preço a ser pago é alto (8:34-37) e a perseguição é inevitável. Marcos 8:27-30 – “E vocês? Quem vocês dizem que eu sou?” .Que sentido Pedro dá ao título de Messias no relato de Marcos? “Se o narrador cita a pergunta como iniciativa de Jesus. é porque a confissão deve orientar apenas os discípulos. 19 de janeiro O preço do discipulado e o exemplo do servo sofredor | Marcos 8:27 – 9:1 Sarah Nigri . Hutchinson..Um dos principais temas do evangelho de Marcos é o significado de ser discípulo de Jesus Cristo.” (Uma história politicamente incorreta da Bíblia. guerras e forte perseguição.C. que viviam em um contexto de graves dificuldades.Exposições bíblicas | Sábado.Contexto em que Marcos escreve às igrejas: crise. contudo há esperança em Deus e na manifestação do seu Reino. quando o exército romano cercou Jerusalém. os interpela com a mesma questão e Pedro responde: “Tu é o Messias..2417) . Roberto J.” (v:29) .Perigo de compreender o papel do Messias a partir de uma perspectiva terrena (advertência de Jesus a Pedro – 8:33). já que o povo haveria de desvirtuar seu sentido autêntico. derrubou o famoso templo e assassinou centenas de milhares de pessoas. não muito longe de Betsaida.Cesareia é uma cidade situada ao norte da Galileia. . junto às fontes do Jordão. .SP 28 .A caminho de Cesareia.” (Comentário da Bíblia do Peregrino – p. acerca da opinião do povo quanto à sua identidade. Se depois manda não divulga-lo. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .Marcos escreve para dar ânimo e encorajar os cristãos de seu tempo.Marcos chama a atenção dos leitores para a cegueira e a falta de entendimento dos próprios discípulos (e nos faz lembrar do simbolismo da “cura processual” do cego de Betsaida). Em seguida. 2012) . .+ Os historiadores estimam que pelo menos 40% da população judaica na Judeia deve ter sido exterminada na Guerra Judaica ocorrida entre 66 e 70d.

. rejeição.SP 29 . rejeição e morte. mas também seu sofrimento. Há valores superiores que dão sentido à vida: a pessoa de Jesus e o anúncio de sua mensagem. olhando para além da dor (Hebreus 12:2). superar nossos instintos de autopreservação que não nos levam a lugar algum. . A vida sem sentido não se salva. os crentes são chamados hoje a suportar os sofrimentos pelo evangelho na esperança da glória futura (Romanos 8:18). Orientações aos discípulos e à comunidade cristã: Marcos 8:34 – 9:1 . rejeitou a ideia de Jesus sobre o Cristo sofredor. morte e ressurreição do Messias. a todo custo. morte e ressurreição.O plano de Deus para o Messias (como o Servo Sofredor de Isaías 53) passa pela paixão em direção à glória: sofrimento. Negar-se é vencer o egoísmo.A busca dos próprios interesses. Ele sabia que aqueles que seguissem a este Messias padeceriam as mesmas coisas. .. ele tinha de sofrer rejeição e morte.Pedro revela a perspectiva humana e se atreve a repreender Jesus (v:32). Assim como Cristo suportou a cruz. mas também que é possível de ser suportado com o auxílio do Senhor.Aceitar Jesus como Senhor não significa simplesmente receber sua glória.Negar a si mesmo e carregar a sua própria cruz: a imagem nos diz que o seguimento de Jesus é grave e exigente. O plano rival (Satã = rival) exclui a paixão e só aceita o triunfo do Messias. Ele não queria que houvesse mal-entendidos sobre essa verdade central da necessidade de sofrimento. percebendo as implicações mais profundas de ser discípulo. Pedro. mas Jesus pensa como Deus e repreende severamente Pedro. claramente. como Filho do Homem. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .Jesus explica a concepção de Deus sobre o Messias (8:31) e ensina. . que. volta-se contra o próprio homem.

SP 30 . IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . após três dias Ele ressuscitará”. Bartimeu falando em Aramaico.34) No Reino o servo é o mais poderoso “Beber do cálice” em hebraico significa “partilhar do mesmo destino de alguém”. cujo significado tem a ver com “mergulho na água”. que eu volte a enxergar ”.Exposições bíblicas | Segunda-feira. (Mc 10: 45) Aplicação A cura do cego Bartimeu Um grito “Filho de Davi. “Batismo”.. Um pedido “Raboni. 21 de janeiro O Rei Servo | Marcos 10: 32 – 52 Nilsa de Oliveira Jesus outra vez prediz sua Paixão “. que zombarão dele. “Por quanto. torturarão e finalmente o matarão.. Um milagre “Vai em frente. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos gentios.. a tua fé te salvou”. lhe cuspirão.” Essa é única passagem em Marcos em que o título messiânico é dirigido a Jesus como forma de tratamento. “Resgate”. que significa: meu mestre. o idioma de Jesus. nem mesmo o Filho do homem veio para ser servido. mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”.. o chama de Raboni ou Rabbúni. (Mc: 10: 33b . em seu sentido original traz o significado de “preço total pago” pela libertação de um escravo. Contudo.

. Jesus purifica o templo O poder da oração de fé Aplicação IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . mas sem frutos. Algumas atitudes falam mais do que palavras! | Marcos 11: 12-26 Nilsa de Oliveira Com folhas....Exposições bíblicas | Terça-feira. 22 de janeiro E no caminho.SP 31 .

“Deus. Perguntas de hipócritas / afirmações sobre o caráter dos indagadores. “Enquanto o pecado ainda for tão somente um pecado / Vivido.SP 32 .13-44 Fernando Costa A presente exposição tem como objetivo a apresentação das aparentes motivações das pessoas que desafiaram a Jesus e a reação dos que por ele foram desafiados. v 15. A adoração e suas dimensões. resolve e revive”. os costumes (Tradição). somente Deus/Domina o trono do universo/Que a voz da criação se erga para dar/Louvor somente a Deus”. Saduceus – uma vida sem propósitos. Aleluia.. vv 28 e 29. Em nome da justiça – João Alexandre.” Ao sentir – VPC. Deus somente Deus –VPC. que pudesse ser real / Percebi que todos buscam paz. A justificativa. ainda que mortos”. v 13. vv 40 a 44. “Ao sentir o mundo ao meu redor / Nada vi. 23 de janeiro Desafios e motivações à luz da Luz | Marcos 12. vv 32 a 34. vv 30 e 31. Buscaremos perceber como o evangelho do reino foi por Jesus ensinado. pude experimentar / Me entreguei a Cristo e a vida eterna eu vou gozar. o prestígio religioso e a injustiça social (o escriba e a viúva). O escriba e o Shemá. Religião e Política sim. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . os outros. v 14. v 27. Fariseus e Herodianos não. Antes e maior que Davi. a dinastia (o Poder). vv 38 e 39. sentido. se envolve. Jesus: fundamento sólido. O escriba centrado em Jesus estava perto do Reino. vv 18 a 22. os mandamentos (Lei de Moisés). o primeiro a ressuscitar. mas ‘à luz da Luz’ tudo tem seu lugar certo. embutido. Cristo é aquele que abre nossos olhos e nos faz perceber ao nosso redor (e em nós) o que é de César e o que é de (do reino) Deus. e ele reinará para sempre”. vv 16 e 17. a partir das seguintes questões: os tributos (Religião e Estado). e de seu Cristo. “O Reino deste mundo se tornou o reino de nosso Senhor. vv 23 a 26. Saduceus: Argumentos fracos. Mestre sem discípulos / afirmações sobre o caráter de Jesus. Você está perto do Reino! vv 35 a 37. lá longe. a justiça e a justificação são termos parecidos. porém em vão / Pois naquilo que procuram não há solução / Só em Jesus a paz real eu pude encontrar / O seu amor.Exposições bíblicas | Quarta-feira. “Deus de vivos. Handel. espremido e pensado / O Deus que se canta nem sempre é o Deus que se vive / Pois Deus se revela.. fundamentos ridículos.

Exposições bíblicas | Quinta-feira, 24 de janeiro

Encontros e desencontros junto à mesa do Senhor | Marcos 14.1-31
Fernando Costa A verdadeira espiritualidade deve se basear no verdadeiro Jesus. O menino refugiado, o carpinteiro de Nazaré, o rude homem da Galiléia, o mesmo que rejeitou ser aclamado rei em Jerusalém vive agora momentos de traição e júbilo. As tramas, os encontros, e o ensino intensivo sobre a necessidade da cruz são os pontos principais desta exposição da paixão do nazareno.
“A espiritualidade de Jesus encara o sofrimento, acolhe o pecador e o religioso, ama o traidor ” Carlinhos Queiroz.

vv 1 e 2. Prisão, homicídio e traição, mas durante a Festa não! vv 3 a 9. Unção antecipada, ideia descarada e atitude exaltada; vv 10 e 11. Judas ‘Isca’; vv 12 a 16. O pão sem fermento e o começo da festa; vv 17 a 21. A inconveniente notícia, a tristeza e o “irmão do Homem”; vv 22 a 26. Nova aliança, novo vinho. Salmos do coração: 115- honras somente a Deus; 116- ações de graça; 117- louvai ao Senhor, todos os povos; 118- alegria dos justos. vv 27 a 31. Desencontros de Pedro, a madrugada mais perturbadora da sua vida. O eco dos Salmos.

Por sermos irmãos – João Alexandre Que os erros de outrora nos façam pensar Que o tempo é agora e não pode esperar Que o amor não tem hora, nem cor, nem lugar E só tem sentido se a gente se amar Que a nossa garganta desate esse nó Num abraço apertado sem medo e sem dó Que a gente divida entre acordes e tons A honra e o prazer de juntar nossos dons Que Deus sobre nós multiplique esse amor Sadio e sincero no riso e na dor Que as nossas canções falem sempre de paz Nem muito de menos, nem pouco de mais Que a história se faça por sermos irmãos No peito e na raça, no aperto das mãos Que as nossas crianças nos vejam assim Amigos no início, no meio e no fim.

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

33

Exposições bíblicas | Sexta-feira, 25 de janeiro

“O que eu tenho a ver com isso?” Marcos 14:53-15:15
Fernando Costa A narrativa bíblica apresenta inúmeros acontecimentos que fazem referência a um desfecho muito significativo para a história. Jesus poderia olhar e sentir-se indiferente ao sofrimento humano, mas não, impossível. A superioridade divina bem como seus atributos justos e verdadeiros tornou necessária uma punição de mesmo grau ao pecado. A fúria de Deus se manifestou contra a injustiça e alguém teve de pagar pelo pecado – o que eu tenho a ver com isso? Muito!
“Jesus não era Deus fingindo-se humano, nem um ser humano com faculdades divinas, nem semidivino e semi-humano, mas plenamente humano e plenamente divino, o Deus-homem singular” Charles Simeon Apud Stott em O Incomparável Cristo,pág. 86. Abu Editora.

O julgamento do Justo
Cap. 14.53,55 a 60. Jesus e a incoerência dos sacerdotes; vv 61,62. O falso testemunho e o testemunho das Escrituras; Em Jesus estavam unidos o Servo (Is 52.13 a 53.12) e o Filho do Homem (Dn 7.12 a 18) e a estas características ele deu novo significado. vv 63 a 65. Da religião à polícia: estão violentando um Jesus calado?; Pedro, Pilatos e Barrabás: “o que eu tenho a ver com isso?” Pedro: Chamado a seguir/ a experiência em Cafarnaum/ a confissão de Pedro / a transfiguração vv 54, 66 a 68. A negação cognitiva/ Não tenho nada a ver com este!; vv 69 a 71. Sobre o tornar-se parecido com Cristo: cultura e/ou caráter; Pilatos: perguntas certas e respostas nem sempre. Cap. 15.1 “amarrado em nome do Sinédrio” v 2. És tu o rei dos judeus? v 4. Nada respondes? v 9 quereis que eu vos solte o rei dos judeus? v 12 que farei, então, deste a quem chamais o rei dos judeus? v 14 que mal fez ele? Barrabás: o que ele tinha ver com isso? v 7. amotinador, acusado de homicídio em Cafarnaum, conspirador, pecador. v 11. Cristo ou Barrabás? Cristo morreu por Barrabás! “Crucifica-o!” parecia ser o grito mais vingativo e ignorante que se poderia ouvir, mas na manifestação do Reino a necessidade da cruz era inevitável. O que Jesus requer de seus seguidores é que continuamente se perguntem “o que temos a ver com isso?”. E dediquem força, tempo, habilidades e toda a vida numa prática engajada e que manifeste os sinais do Reino como frutos da obra e da pessoa de Cristo. Deus quer que nos pareçamos com Jesus e ele fará isso nos enchendo do seu Espírito.

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

34

Exposições bíblicas | Segunda-feira, 28 de janeiro

Montes, vales e suas tentações | Marcos 9:2-29
Natan de Castro

Introdução
“Seis dias depois” do quê? (v.2)

Experiências no Monte
(v. 2-4) Jesus: O alvejante do Lavandeiro Celestial (Ml 3:1-4; Ap 7:9-10)

(v. 5-6) A tentação do Monte: Adoração sem Missão!

(v. 7-10) “ouçam meu Filho amado” e “não contem a ninguém”

(v. 11-13) Dúvidas sobre o “Elias” que viria primeiro

Experiências no Vale
(v. 14-18) Contrastes evidentes

(v. 19-24) Crer ou não crer: Eis a questão!

(v. 25-29) A tentação do Vale: Missão sem Adoração!

Aplicação

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

35

Exposições bíblicas | Quinta-feira, 31 de janeiro

A cerimônia de posse do reino | Marcos 15:16-39
Natan de Castro

Introdução
Como, porque e desde quando Jesus Reina? (I Pe 1:18-20)

Jesus: O Rei Servo
(v. 16-20) A coroação do Rei

(v. 21-22) A assessoria real

(v. 23) A sobriedade do Rei (Pv 31:4-7)

(v. 24-28) O Rei subindo ao trono

(v. 29-32) O Rei utilizando seu poder

(v. 33-38) A vitória do Rei

(v. 39) A identidade do Rei

Aplicação

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

36

Exposições bíblicas | Sexta-feira, 1 de fevereiro

As primeiras testemunhas do Rei exaltado | Marcos 15:40 – 16:20
Natan de Castro

Testemunhando a morte e o sepultamento
(15:40-41) Jesus e as mulheres (cf. Lc 8:1-3; At 1:21-22)

(15:42) A importância do sepultamento de Jesus (cf. Nm 19:11-12)

(15:43-46) O discípulo José de Arimatéia

Testemunhando a ressurreição e participando do seu anúncio
(16:1-6) As evidências da ressurreição

(16:7-8) Ver e ouvir + Ir e dizer – A fórmula da missão!

Resumo das aparições de Jesus ressurreto: um adendo!
(16:9-11) Maria Madalena: a primeira a vê-lo (Jo 20:10-18)

(16:12-13) Os discípulos de Emaús (Lc 24:13-35)

(16:14) Os Onze (Lc 24:36-49)

(16:15-18) A Grande Comissão (Mt 28:16-20)

(16:19) A Ascensão (At 1:3-11)

IPL 2013 | O Rei Servo

13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos - SP

37

e OLIVA. Como ler o Evangelho de Marcos. CORREIA JUNIOR. Hagnos. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . SOARES. 2012. Marcos: Comentário Bíblico Latinoamericano. Compaixão. Rick. São Paulo-SP. Evangelho de Marcos: Comentário esperança. Jesus: O modelo pastoral. Editorial Habacuc/Damprewan. Editora esperança. Fonte Editorial. Marcos: O Evangelho dos milagres. São Paulo-SP. 2006. 2012. Ivoni Richter. Curitiba-PR. José Raimundo. Hernandes Dias. Sebastião Antônio Gameleira. LOPES. 1991. Paulus. João Luiz. POHL. cruz e esperança: Teologia de Marcos. Euclides Martins. REIMER. 1998. Rio de Janeiro-RJ. São Paulo-SP.(16:20) A pregação dos discípulos (At 2 até hoje) Aplicação -“Ele ressuscitou” -“Ele está indo adiante de vocês para __________________________” -“Lá vocês o verão” Bibliografia BALANCIN. Adolf. 2004. WATTS. Paulinas. São Paulo-SP.SP 38 .

e morte de cruz. convertendo a compra e uso de bens em rituais. nem coisa alguma podemos levar dele” (veja 1Tm 6:1-8”). tornando-se em semelhança de homens. 16 e 17 de janeiro Viva a Simplicidade: A opção cristã pelo estilo de vida simples em um mundo consumista Giovanna Amaral “’Vida’ e ‘estilo de vida’ são expressões que obviamente se pertencem.” Fl 2. e.Introdução de John Stott e Ronald Sider O que a Bíblia diz sobre ‘estilo de vida’? .Sobre o egoísmo e o altruísmo “Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu. que Paulo recomendou aos líderes da igreja: “Grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. pois ele. Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Jesus Cristo. não podendo. Mas que características ele precisa ter? Como distingui-lo em particular do estilo de vida dos que não professam o cristianismo? E de que maneira ele deve refletir os desafios do mundo contemporâneo: sua alienação tanto em relação a Deus como em relação aos recursos da Terra.Sobre o acúmulo de bens e riquezas . 4 a 8 . Mas qual o estilo de vida certo? Se a vida é nova. logo existo IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . senão também cada qual o que é dos outros. antes a si mesmo se esvaziou. Nós precisamos de consumir. Todos os cristãos dizem ter recebido de Jesus Cristo uma nova vida.SP 39 .A generosidade. René Padilla mostrou que ser livre de um impulso interior para ficar rico leva ao profundo contentamento (Fp 4:11-13). substituir e descartar coisas em um ritmo cada vez mais acelerado. tornando-se obediente até à morte.Sobre a condição humana: uma perspectiva necessária . O modo de produção capitalista: a história das coisas Nossa gigantesca economia produtiva requer que façamos do consumo nosso estilo de vida. Consumismo e a dimensão individual . separar-se uma da outra. portanto. assumindo a forma de servo. subsistindo em forma de Deus. porque nada temos trazido para o mundo.Consumismo e anseio por significado: compro. extinguir. a si mesmo se humilhou. reconhecido em figura humana. não julgou como usurpação o ser igual a Deus. um remédio poderoso! “O Dr.Palestras Quarta e Quinta-feira. o estilo de vida precisa ser novo também. de modo que procuremos nossa satisfação espiritual e egoísta ao consumir. que ele criou para gozo de todos”? Viva a Simplicidade .

SP 40 . diz. Agora já está melhorando.Consumismo e relacionamentos “Uma vez que a permissão de rejeitar e substituir um objeto de consumo que não traz mais satisfação total seja estendida às relações de parceria.-Consumismo e dívidas A gente perde até um pouco da dignidade. Não durmo. podemos dizer. Graças a Deus”. abstém-se de prometer uma passagem fácil para a felicidade e a significação. A criação de um relacionamento bom e duradouro. “exige um esforço” enorme. Uma relação centralizada na utilidade e na satisfação. mas não por minha culpa. o exato oposto de amizade. Já tinha passado por dificuldades. O amor. Eu me senti muito mal. Uma relação inspirada por práticas consumistas promete que essa passagem será fácil e livre de problemas”. é evidentemente. Dava impressão de que tudo que se passava a culpa era minha. os parceiros são reduzidos ao status de objetos de consumo. Série Endividados (G1) . solidariedade e amor. devoção. “Não aconselho a ninguém fazer ”. Faz três meses que eu estou em abstinência de compras. em total oposição à busca de prazer por meio de objetos de consumo. (Bauman) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

(O Estado de São Paulo) .Pobreza “Se somos mordomos infiéis.5 planetas para sustentar esse padrão de consumo. que são explorados e impossibilitados de se defender ”.Consumismo e a dimensão socioambiental . de desenvolvê-los ou de distribuí-los com justiça. a principal é descartar os objetos que a causam. impróprio para continuar sendo utilizado e destinado à lata de lixo”. seriam necessários 2. A sociedade de consumidores desvaloriza a durabilidade. Portanto.29 . tanto desobedecemos a Deus como alienamos as pessoas de Seu propósito para com elas. se todos os 7 bilhões de habitantes da Terra tivessem o mesmo estilo de vida do paulistano. deixando de conservar os recursos finitos da Terra. resolvemos honrar a Deus como dono de todas as coisas. p. e resolvemos trabalhar para que haja justiça para os pobres. é de que o mundo precisa alterar radicalmente seus índices de consumo para lidar com o esgotamento dos recursos naturais do planeta. lembrar que somos mordomos e não proprietários de qualquer terra ou propriedade que possuímos e queremos usá-las a serviço de outros. igualando o “velho” a “defasado”.Meio ambiente: esgotamento de recursos naturais e alto uso de fontes não renováveis Uma das conclusões da Rio+20. Levando em conta todo o Estado de São Paulo. a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável encerrada na semana passada.SP 41 . ainda haveria necessidade de dois planetas. (Bauman) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .Lixo “Entre as maneiras com que o consumidor enfrenta a insatisfação. Um levantamento divulgado durante a Rio+20 mostrou que a lição precisa ser feita aqui mesmo em casa: de acordo com o estudo. onde o padrão é menor do que na capital.

do quê? Aprofundando implicações.. O trabalho do diabo é nos encorajar a pensar e agir para Deus e.. a igreja e a sociedade? “Jesus nos impede de pensar que a vida é feita de ideias a serem ponderadas ou conceitos a serem discutidos. “Como o nome de Deus é associado às ideias e projetos.” Eugene Peterson IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .” Paul Borthwick Que diferença faz o evangelho na minha maneira de olhar a cultura. é fácil pressupor que estamos envolvidos com Deus. nos afastar sutilmente de uma relação de obediência e adoração.. minha leitura da sociedade? “Cristo é Senhor ”. Jesus nos dá a capacidade de levar a sério quem somos e onde estamos sem nos seduzirmos pelas mentiras e ilusões intimidantes encontradas por toda parte. colocando a nós mesmos.” Eugene Peterson Quem faz a pergunta? Qual o público? “A preocupação que tenho é esta: Em que mundo estou vivendo? Que mundo é este? O que são as relações humanas? O que é essa história de sermos o que chamamos a humanidade? O que é isso de ser Humanidade?” José Saramago “Nos limitamos a responder com velhas respostas velhas perguntas acerca de velhos assuntos. minha compreensão de igreja. no lugar antes ocupado por Deus.SP 42 . 18 de janeiro Senhorio de Cristo: cultura igreja e sociedade I Tais Machado Duas questões básicas: ► O que entendi até aqui sobre senhorio de Cristo? ► Qual minha percepção de cultura. nosso próprio ego. Ele nos poupa de desperdiçar nossa existência em busca de emoções baratas e distrações banalizadoras.Palestras | Sexta-feira. então.. de modo que não precisamos ser outra pessoa ou estar em algum outro lugar.

esse evangelho continua sendo uma de nossas melhores defesas contra uma espiritualidade separada da vida real. que é toda feita de ideais e sentimentos. A teologia divorciada da geografia só nos coloca em apuros. do estacionamento para o escritório. da cozinha para o quarto. um passo de cada vez. Século após século.” Ed René Kivitz Contextualização: desafios ao pensamento e ao coração “O evangelho de Jesus Cristo não tem lugar para uma espiritualidade geral ou abstrata. lutando contra ‘as coisas que há no mundo [.” René Padilla Sinais de saúde “Quando passamos a olhar para nós mesmos e para os homens e mulheres com quem trabalhamos ‘de acordo com as Escrituras’. se não se concretizam no jardim onde fomos colocados. Eugene Peterson “Nossa época deixou de viver pelas ideias e passou a viver segundo critérios práticos: a vida já não é mais orientada pelas convicções. geração após geração. da vida em que seguimos a Jesus. mas sim pelas conveniências.. nossa identidade central se manifesta como pessoas de relacionamentos.Palestras | Sábado.. do santuário para o cemitério. Eugene Peterson IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . (.” Eugene Peterson “A maneira como o Evangelho é transmitido faz parte do Reino tanto quanto a verdade apresentada”. mas. mostrando sua relevância a cada novo contexto.] a concupiscência da carne.) Ideais causas e projetos são importantes.. 19 de janeiro Senhorio de Cristo: cultura igreja e sociedade II Tais Machado Pensando nossos dias “Exegese e hermenêutica se fazem com entendimento da cultura. da sala de aula para o parque. a concupiscência dos olhos e a soberba da vida’ (I Jo 2..” Eugene Peterson “A teologia cumpre a função de articular a mensagem de Deus. sentimentos sublimes ou projetos ambiciosos.” Jorge Atiencia Mais do que articulação do pensamento – fé no cotidiano “A vida cristã corre o risco permanente de se dissolver em ideias maravilhosas.SP 43 .15-16). nos distraem do trabalho e da companhia presentes e impedem a coordenação perfeita e delicada entre a liberdade e a necessidade que se encontra no cerne de uma vida de obediência livre”.

Atos 17:24-26) Moisés. Niterói-RJ/Viçosa-MG. Cultura Cristã. Textus/Ultimato. CARRIKER. SOCEP. O Chamado.. A espiritualidade na prática. Viçosa-MG. Em vez disso. Viçosa-MG. Timóteo. Ultimato. Santa Bárbara d’Oeste-SP. 2001. 1997. do que ele nos criou para ser e aonde ele nos chama para ir. 2005. 2006. Ultimato. nas pressões de nossos amigos. Os. 2008. STEVENS. R.]. AMORESE. Rubem. Textus/Ultimato. Vocação. Viçosa-MG. que é o plano de Deus para nós” (Os Guinness. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .. Kléos Magalhães Lenz. p 57) “O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há é o Senhor dos céus e da terra [. Ricardo. São Paulo-SP. CÉZAR. cada um de nós precisa conhecer nosso desenho único. Fábrica de missionários. 2008. Paul.” (discurso de Paulo em Atenas. Nossos planos e destinos não estão expressamente nos desejos dos nossos pais. Ouvindo Deus. nos prospectos de nossa geração ou nas exigências de nossa sociedade. WILLARD. De um só ele fez todos os povos. tendo determinado os tempos anteriormente estabelecidos e os lugares exatos em que deveriam habitar. nos planos do nosso patrão. 2001. descanso e dinheiro. Os outros seis dias. para que povoassem toda a terra. O chamado. Natan e eu 1) Deus nos cria e preserva nossa vida 2) Deus dirige as decisões de nossos pais sobre nossa formação 3) Deus nos expõe a situações que exigem respostas de nós 4) Tentativas de fuga e crises da vocação Bibliografia recomendada AGRESTE. Ultimato.SP 44 . 2002. Revisão de Vida. Trabalho. 24 de janeiro Minha vocação: como descobri-la? Natan de Castro Introdução “Quem somos? Qual o nosso destino? O chamado insiste que a resposta esteja no conhecimento de Deus. singular. Ultimato. Viçosa-MG. ________________.Palestras | Quinta-feira. Niterói-RJ/Viçosa-MG. GUINNESS. Dallas.

assumir compromissos e. Em seguida leia o material e suas anotações do dia com atenção. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Bom encontro! Lia do Valle. É um momento para silenciar. orar. Gostaríamos de dar algumas sugestões para que você aproveite bem esse tempo. O objetivo é meditar. Não tenha pressa! Esse é um momento único entre você e Deus! Um coração ansioso impede o agir de Deus. alguns textos e perguntas para ajudá-lo nessa reflexão. pois silenciar-nos não é um exercício que fazemos diariamente. escrevendo suas percepções e orações. ouvir a voz suave de Deus nos falando. rever anotações.Silêncio reflexivo O Rei Servo Orientações O Silêncio reflexivo é um espaço na grade do IPL que tem por objetivo auxiliar você na “digestão” do que temos ouvido e aprendido durante o encontro.SP 45 . refletir e ouvir. Utilize os primeiros minutos apenas para silenciar-se. aprofundar conceitos. Pablo Gomes e Caio Marçal. acima de tudo. Colocamos um tema em cada dia. É provável que se sinta um pouco desconfortável. Se for apenas ler e responder não gastará nem 15 minutos.

que a oração era falar.).” Charles E.” Richard J. aprendemos não somente quem é Deus. e peça ao Senhor que fale ao seu coração qual são as prioridades a serem tratadas. quando ainda estava escuro. aprendemos a ver as coisas da perspectiva divina. amamos as coisas que ele ama. onde ficou orando. mas foi-se calando mais e mais até que. Para estar aqui.Silêncio reflexivo | Segunda-feira. Escreva uma oração. O conhecimento de Deus e o autoconhecimento eram inseparáveis. dando ao teólogo sabedoria capaz de penetrar nos mistérios de Deus e nos mistérios da alma humana. Progressivamente.SP 46 . amigos.” Evangelho de Marcos “Na quietude.” Teresa de Ávila “Para Agostinho. namorado (a).. 14 de janeiro Aprendendo a silenciar com o Rei Servo “De madrugada. Igreja. irmãos. Foster “Precisamos aprender agora a nos aquietar diante de Deus – ouvir sua voz através das Escrituras e enquanto oramos. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . sua vida dependeu de muitas pessoas (pais. 3.” Richard J. 2. mantenedores. Como foi sua jornada até chegar ao IPL? Comece esse momento agradecendo ao Senhor por tudo o que você viveu até aqui. agradecendo ao Senhor pela vida de cada um deles. saiu de casa e foi para um lugar deserto. Foster “Alguém orava pensando.” Ricardo Barbosa “Mas Ele costumava retirar-se a lugares solitários para orar ” Evangelho de Lucas “Na oração. O que mais te marcou ao ler os relatos da vida do Rei Servo antes do IPL? 4. Hummel “Aquieta-te em solitude e encontrarás o Senhor em ti mesmo. na verdadeira oração. conhecer a Deus implicava conhecer-nos.” Soren Kierkegaard 1. afinal. percebeu que a oração é ouvir. líderes. começamos a pensar os pensamentos de Deus à sua maneira: desejamos as coisas que ele deseja. e que Deus esteja com eles nesse período em que você estiver fora. Vamos estudar o Evangelho de Marcos durante todo o encontro.. Jesus levantou-se. mas como o seu poder opera. Quais são suas expectativas para esses dias? Coloque diante de Deus cada uma delas. a principio.

discernirmos e vivemos sob sua vontade. com o auxílio de sua graça. 15 de janeiro Silenciar para aprender a discernir a vontade do Senhor! “Aqui estão minha mãe e meus irmãos! Quem faz a vontade de Deus. Dia a dia.” Jean-Pierre de Caussade “Como seguidores de Jesus. este é meu irmão. 2. Pensando no título do Silencio Reflexivo de hoje.” Jesus Cristo “A leitura das Escrituras refresca em nossa mente os mandamentos a serem obedecidos. é algo que fazemos a cada dia. através do poder do espírito Santo. O descobrir da vontade de Deus não está limitado a grandes decisões de mudança de vida. minha irmã e minha mãe. ele deixa ao nosso encargo. O que Deus te falou na noite de ontem? O que Ele tem te desafiado a fazer? 4. ele reservou para seu próprio poder. o Servo Sofredor. Hummel “Deus sempre nos encontra onde estamos e lentamente nos conduz a coisas mais profundas. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Fique um tempo em silêncio e peça ao Senhor discernimento para ouvir a sua Voz. sabemos que o serviço sempre envolve sofrimento. pecados a serem perdoados. releia as frases e as respostas que você escreveu acima.” Richard J. grande e admirável na tarefa de se adquirir santidade e perfeição. Quais foram os critérios usados para a escolha da Oficina que você está fazendo? Coloque diante de Deus esses critérios.” Comissão de Lausanne para a Evangelização Mundial “Precisamos resistir à pressão de sermos moldados pelos alvos e valores de nossa sociedade.” Charles E. Nós estamos abertos à orientação de Deus até mesmo em pequenas escolhas. 3. promessas a alcançar.Silêncio reflexivo | Terça-feira. Hummel 1.” Charles E. simples e fácil. Mas tudo que é pequeno. E faça um link com as frases acima. Escreva três pontos que mais te marcaram nas palestras desses dois dias. Foster “Quão bons e quão sábios são os caminhos de Deus! Tudo que é sublime e exaltado.SP 47 .

gaste um tempo maior em silêncio. entretanto. 16 de janeiro É no silêncio que escutamos sua voz “Porque não há nada oculto. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . todos aqueles erros que você não deseja mais repetir. Ainda tem muitos dias pela frente. Foster “Enquanto seguimos ao Senhor. mas sua antítese. tudo aquilo que tem te impedido para ter paz. 4. depois desse tempo. Ele está constantemente operando em nós. para escutar a voz de Deus. senão para ser revelado. a humanidade. Escreva uma oração ao Senhor. a simplicidade e o contentamento. escreva tudo aquilo que o Senhor revelou em seu coração.” Charles E. todo esquema. e nada escondido. toda interpretação que entre em choque com a norma original estabelecida por Deus. Hummel “A oração é a recusa de toda a agenda. em resposta a tudo àquilo que Ele te revelou e te desafiou. Ela é em si mesma uma expressão do abismo intransponível que separa o Bem do Mal. 3. Confessamos. os seus mais profundos pecados. senão para ser trazido à Luz. Ele também nos promete seu descanso. em sua alma.” Comissão de Lausanne para a Evangelização Mundial “Jesus nosso Senhor nos convoca a abraçar a santidade. Esse é o terceiro dia de Silencio Reflexivo. E como o título sugere. Agora. De maneira que sem a renovação constante da paz de Cristo em nossos corações. ouça!” Jesus Cristo “Muito embora o silêncio às vezes envolva a ausência de linguagem.” Richard J. nossa ênfase no viver simples será desequilibrada.” David Wells “Nossos livros de oração e nossos jornais deveriam estar lado a lado. ele sempre envolve o ato de ouvir. 2. que às vezes permitimos que desejos impuros perturbem nossa paz interior. a declaração de que o Mal não é uma variação do Bem. bem como através de nós. à nossa volta. Entregue ao Senhor em oração.SP 48 .” Comissão de Lausanne para a Evangelização Mundial 1. Se alguém tem ouvidos para ouvir. em sua mente. Pontue tudo aquilo que você deseja mudar em você.Silêncio reflexivo | Quarta-feira.

ao orarmos pelos outros nossa fé crescerá e se fortalecerá. É pura afeição e cheia de reverência pela solitude dos outros. fecha os olhos!”. O que você pode colocar em prática do que você aprendeu.” Thomas Meton 1. Solitude e silêncio ensinam-me a amar meus irmãos pelo que são. 17 de janeiro O silêncio nos traz sensibilidade “Quando Jesus saiu do barco e viu uma grande multidão. ao invés disso. se concentrariam nas necessidades dos pobres e dos não evangelizados.” Richard J. O que tem mais te marcado nas Exposições Bíblicas em Marcos? 2. As distrações e a aridez em nossa oração emanam de nossas disposições. principalmente no seu dia-a-dia. que tomou a forma de um escravo. Ore ao Senhor. na faculdade. no trabalho. mas no viver que a antecede. porque eram como ovelhas sem pastor. Eles se identificariam tão plenamente com os que precisam do evangelho e com os que precisam de alimento e justiça quanto Jesus.” Friedrich von Hügel “É na profunda solitude que encontro a afabilidade com a qual posso verdadeiramente amar a meus irmãos.” Richard J.Silêncio reflexivo | Quinta-feira. Foster “Imaginem o que aconteceria se um décimo dos cristãos de todo o mundo começasse realmente a seguir o modelo da Encarnação. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . afazeres e inclinações imperfeitas quando não estamos em oração.” Evangelho de Marcos “se tivermos compaixão e interesses dados por Deus. pedindo sensibilidade em relação ao outro. tanto mais afeição sinto por eles. em casa.SP 49 . Então começou a ensinar-lhes muitas coisas. Eles iriam se desfazer da preocupação egoísta com sua própria maneira abastada de viver e. Como tem sido os momentos de EBI em grupo? O que Deus tem falado ao seu coração. ” Comissão de Lausanne para a Evangelização Mundial “Diz um antigo provérbio: “O homem que abre a boca. Foster “A preparação decisiva para a oração não repousa sobre a oração em si. 4. e não pelo que dizem. Quanto mais solitário estou. nos dois primeiros dias Construindo Pontes? Escreva o que Deus desafiou a sua vida. A finalidade do silêncio e da solitude é poder ver e ouvir. teve compaixão deles. nesse momento de compartilhar da Palavra? 3.

Escreva uma oração baseada na exposição bíblica de hoje. Crer sem amar é o que compromete a reputação da religião. ele nos tornará bem piores. Lembre-se de levar tudo a Deus em oração e súplica.Silêncio reflexivo | Sexta-feira. De todos os homens maus. não importa quão precisa seja a expressão da nossa convicção e quão magnificente ou persuasiva seja a nossa pregação escrita ou declaração de fé.SP 50 . quais? Se não. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . 18 de janeiro Silenciando o opressor e as opressões “*Os abusadores espirituais] são tão narcisistas ou tão focados em alguma grande coisa que estão fazendo para Deus que nem notam as feridas que estão afligindo em seus seguidores”. minimizariam ou anulariam a fidelidade do amor responsável e compromissado de Deus e a natureza espiritual da igreja” Nelson Bomilcar “Venham a mim. e eu lhes darei descanso. O EBI de hoje lhe trouxe desafios? Se sim. e vocês encontrarão descanso para as suas almas. todos os que estão cansados e sobrecarregados. Ken Blue “Se o chamamento divino não nos tornar melhores. se o amor não moldar o nosso modo de falar e agir. Lewis “Não importa o quanto estamos certos a respeito do que acreditamos sobre Deus.S. Nem mesmo a preguiça e os erros dos membros da igreja na história negariam. os maus religiosos são os piores” C. por quê? Quais são os obstáculos que você percebe para avançar nesses desafios? 3. Crer sem amar destrói vidas e transforma os melhores credos em armas de opressão”. Que pontos da palestra “Consumismo e estilo de vida simples” lhe chamaram a atenção? Qual a sua avaliação final da palestra? 5. Eugene Peterson “É impossível não nos espantarmos com a fidelidade e o cuidado do Senhor. estamos falsificando as convicções. pois sou manso e humilde de coração. Como foi o “Construindo Pontes” de ontem? O que foi realizado nele? Sua percepção de mundo e sua forma de comunicar o evangelho foram afetadas de alguma forma? Em quê? 2. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. confessando uma mentira. 4. Jesus Cristo 1. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim.

Provavelmente você já esteve reunido três vezes com seu grupo de parte prática. O que aconteceu no “Construindo pontes” de ontem? Ele provocou algo em você? O quê? Em que esses dias contribuíram para o seu testemunho de fé na universidade e/ou na comunidade em que você está inserido/inserida? 3. O que você gostaria de registrar sobre o EBI e sobre a exposição bíblica de hoje? 4. relacionadas a esse momento e à “Parte prática” do IPL? Que motivos de oração e de louvor você pode suscitar até aqui? 2. George Herbert 1.” palavras do SENHOR em Isaías 55:8-9 “Deus não nos deu a Bíblia para que nós pudéssemos controlá-la ou controlá-lo. Hunter “Pois os meus pensamentos não são os pensamentos de vocês. 5. também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos. Deus nos deu a Bíblia para que nós a praticássemos.+ ateísmo funcional [pode ser definido como] o pensamento ou sentimento de que nada de bom acontecerá aqui a não ser que eu faça acontecer. Scot McKnight “A servidão a Deus é a perfeita liberdade”.]... entre outras coisas. Lembre-se do “orar sem cessar ”.Silêncio reflexivo | Sábado. O que você gostaria de deixar registrado até aqui sobre suas percepções.. Apesar de não ser ateísta. fracassamos como leitores da Bíblia”. Fiquei impressionado com isso. Assim como os céus são mais altos do que a terra. O que te chamou a atenção nas palestras sobre o Senhorio de Cristo? O que precisa mudar me você? Ore por isso! IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . sentimentos. até que ouvi um amigo dizer. Que todas as coisas eram mais nossas por serem d'Ele”. quando me esqueço de como Deus trabalha me torno como um deles!” Todd D. nem os seus caminhos são os meus caminhos [.. Muito perturbado. Então confesso que Ele é meu socorro: Mas nada a ter é o que cabe a nós. 19 de janeiro Silenciando o orgulho e a presunção “*.. A partir do instante que pensamos que dominamos.SP 51 . expectativas. inquietações. que nada é nosso. para que pudéssemos ser dominados por ela.. não confessar Que nada temos. Agostinho de Hipona “Precisamos confessar.

que lhe permita ter profunda solidariedade com a angústia que jaz sob o brilho do êxito e até ali levar a luz de Jesus. é a disciplina e a arte de treinar pessoas para participação plena e madura na história de Jesus. Escreva uma oração baseada naquilo que precisa ser mudado em sua vida! 4. Purificação e a transformação que ocorrem na solidão manifestam-se na compaixão. impedindo-as. A salvação está sempre exposta ao perigo do egocentrismo. poder econômico. de assumir o controle da história. O propósito de Deus é nos fazer como Cristo. O Jovem rico. há sempre o risco de começar a tratar Deus como simples acessório em minha experiência.” C.” Henry Nouwen “Aqui chegamos ao ponto em que ministério e espiritualidade se tocam: a compaixão. mas esvaziou-se a si mesmo e tornou-se como um de nós. embora pareça zeloso.. Como a vivência da espiritualidade é reflexo de suas inseguranças que o tornam um dominador autocentrado ou um servo de Cristo que se esvazia de si mesmo? 2..” Eugene Peterson “Uma das maiores ironias da história do cristianismo é que os seus líderes constantemente caíram ante a tentação do poder . Ela é fruto da solidão. que não se apegou ao seu poder divino.poder político. O líder do futuro será quem se atrever a proclamar sua irrelevância no mundo contemporâneo como vocação divina. Seu interesse (ou falta) em relação aos necessitados. A espiritualidade é um dom e uma tarefa. não tem em sua agenda de missão o desprendimento em relação aos seus bens. Assim. ao mesmo tempo.muito embora continuassem a falar no nome de Jesus. Quando fico perplexo com as questões de minha alma.. o que mais gostou e pelo que você quer agradecer? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Como foi o Sarau e seu dia livre.Silêncio reflexivo | Segunda-feira.." Carlos Queiroz “Sofra com propósito. Como você tem encarado esse desafio no cotidiano? 3.” Ed René Kivitz 1. Benefícios que dinheiro nenhum. ou poder moral e espiritual . 21 de janeiro Santidade que leva ao serviço “Espiritualidade é colocar em prática o discernimento da vontade de Deus para a vida comunitária em todas as suas dimensões. poder militar.” Henry Nouwen “Entramos no centro da história sem nos tornarmos o centro da história. participe da corrente da prosperidade: compartilhe seus bens e recursos com os necessitados. Ela é fruto da solidão e base de todo ministério. René Padilla “Aqui se vê claramente a necessidade do novo sentido de liderança cristã. a salvação exige grande vigilância. sabendo que este trará alivio para muitos.SP 52 . pode comprar! Nossa mensagem hoje é: “Pare de sofrer. muito menos mastercard. e com consequência paz e alegria para você. E a forma como ele faz isso é nos enchendo do Espírito. Entre outras coisas.” Henry Nouwen "A falta de pão na mesa do pobre pode ser uma denúncia da falta de espiritualidade no altar dos cristãos. a teologia espiritual é um exercício dessa vigilância. carentes e perdidos revela em que estado anda sua vida com Deus.

SP 53 . pelas misericórdias de Deus. as pessoas estão dando mais ênfase à experiência espiritual que isola. mais dependente das propagandas e estímulos religiosos. tire um tempo e ore por sua família.” Para ele. É por isso que o apóstolo Paulo faz este veemente apelo: “Rogo-vos. igreja. é bem provável que estejamos diante da espiritualidade egolátrica. O que mais te chamou a atenção na noite ABUB e pelo que você gostaria de orar? 4. Charles de Foucault “Ao reduzirmos nossa compreensão da adoração ao que fazemos na igreja quando cantamos. mas para a comunhão pessoal e íntima com ele e o próximo.” Ricardo Barbosa 1. Vivemos um tipo de religiosidade de consumo e centrada nos nossos desejos de poder.” Ricardo Barbosa “Deus não nos chamou para a realização pessoal. numa determinada comunidade. tendo diante de nós o Filho de Deus encarnado. Adorar. santo e agradável a Deus. A sua vida devocional e de adoração tem levado você a participar do plano de Deus de redenção do mundo e da criação? 2. sem dúvida. superficial e impessoal que criamos ou criticar a tecnologia moderna que. reconhecimento e controle.” Carlos Queiroz “A minha preocupação não é simplesmente criticar o mundo religioso abstrato. mais centralizado naquilo que não é Deus. irmãos. pois. amigos. mas para amá-lo e amar ao próximo de todo o coração. Adorar é viver em obediência a Cristo. Deus não nos chamou para sermos operários agitados do seu reino.” Ricardo Barbosa “Se. que apresenteis os vossos corpos por sacrifício vivo. adorar é a entrega de todo o nosso ser em oferta obediente a Deus por meio de Cristo. 22 de janeiro Entre o caminho da adoração e da falsa religiosidade “Quando passei a acreditar na existência de Deus. Você já está aqui há mais de uma semana. nos leva a reconhecer que o ato da adoração envolve a nossa participação na mesma obra de Cristo. etc. mais abstrato. e não do modelo proposto por Jesus Cristo. mais interessados no consumo espiritual do que numa relação pessoal com Deus. pode e tem nos ajudado. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .Silêncio reflexivo | Terça-feira. que é o vosso culto racional. percebi que não podia fazer outra coisa senão viver para ele”. discrimina os de fora e põe os supostamente espiritualizados em pedestais. limitamos nossa participação naquilo que Cristo fez e continua fazendo em sua obra redentora. Como essas tentações de alguma forma distorcem sua percepção sobre Deus? 3. Minha preocupação é com o coração cada vez mais distante.

amargura e desejo de vingança de nossos corações e nos ajuda a recuperar a nossa dignidade humana. Apenas a confiança ousada numa Fonte maior que nós pode nos capacitar a perdoar as feridas causadas pelos outros. A paz de Cristo deve ser nosso árbitro que nos guia e proclamamos o evangelho da reconciliação. Como foi e o que você aprendeu na oficina que fez nesta semana? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . o mal resultante de nossas ações daqueles dos bons fundamentos da nossa alma. Como isso te desafia a ser um perdoador e ser um líder cristão movido por compaixão e exercitar o papel de reconciliador? 2. Permaneça ali bastante tempo e assista ao Filho Unigênito de Aba morrer totalmente só em sangrenta desonra. em primeiro lugar.” Thomas Merton “Perdão é um ato que remove raiva. por perdão e reconciliação. Em momentos limítrofes como esses.” Isidoro de Pelúsia 1. que qualquer pessoa com alguma autoridade na Igreja deveria constantemente ser lembrada que a melhor palavra para caracterizar a autoridade religiosa é compaixão. 23 de janeiro Autoridade. há somente um lugar para o qual devemos correr: o Calvário.SP 54 . Devemos aprender a separar. por restauração e cura. você tem temido mais aos homens do que a Deus? Como isto está atrapalhando seu discipulado? 3. Não podemos forçar aqueles que queremos perdoar a aceitar o nosso perdão. As exigências de perdão são tão amedrontadoras que parecem humanamente impossíveis. As únicas pessoas que nós podemos realmente mudar somos nós mesmos. cuja autoridade foi expressa em compaixão. Eles podem até não saber ou sentir que nos feriram.” Brennan Manning “Existe uma fome tão grande por significado na vida. perdão e amor “O problema básico e mais fundamental da vida espiritual é a aceitação do nosso eu oculto e sombrio. De que maneiras você reconhece que. Perdoar os outros é. Estão simplesmente além da capacidade da vontade humana que não experimenta a graça. com o qual temos a tendência de identificar todo o mal que há em nós. semelhantemente aos líderes dos judeus.” Henry Nouwen “Viver sem falar é melhor falar sem viver. por conforto e consolação. Continuemos a olhar para Jesus. pelo discernimento. Eles podem não ser capazes ou estar dispostos a fazê-lo.” “O chamado para viver como filhos perdoados e perdoadores simplesmente não deixa ninguém de fora.Silêncio reflexivo | Quarta-feira. Observe como ele respira perdão sobre seus torturadores no momento da maior crueldade e falta de misericórdia por parte deles. a cura de nossos próprios corações. Quem você gostaria hoje de perdoar ou pedir perdão? 4.

a permanência. Falar do que se crê. Permanecer é mais do que conhecer . Celebrar a fé em meio aos riscos. Viver o que se proclama. O que mais te deixa “balançado” em relação a esse caminho de fuga? 3. As novidades não transformam o caráter. a mesma questão que estou levantando a respeito dos cristãos adultos de minha adolescência?” Henry Nouwen 1. mas levamos a sério o sofrimento de Deus no mundo. Aqueles cristãos que entregaram suas vidas à causa do Evangelho. como você as responderia. convicções e amor a Cristo. que é caminho de excelência.Silêncio reflexivo | Quinta-feira. sofrimentos e ameaças é um grande desafio que forja nosso caráter. e então vigiamos com Cristo no Getsêmani e penso que isto é fé.” Dietrich Bonhoeffer “Este é um novo quadro que começa a ser pintado nas igrejas cristãs. É somente nessa permanência que recebemos de Cristo sua vida e a transmitimos aos outros. que deixaramse consumir de paixão e zelo pela Igreja de Cristo.” Ricardo Barbosa “Viver plenamente neste mundo significa viver na plenitude das tarefas. integridade e coragem “A espiritualidade é vista em um testemunho coerente:” Ser o que se é. fazem parte de uma lembrança remota que às vezes chega a nos inspirar. daqui a quarenta anos. Nouwen faz algumas indagações sobre a vivência de sua fé.” Ricardo Barbosa “E Hoje eu me faço a seguinte pergunta: Minha oração e comunhão com o Deus da vida tornam-se visíveis em atos de resistência contra todo poder da morte que me circunda? Ou os adolescentes de treze anos levantarão a meu respeito. Crer o que se prega. isto é arrependimento. das experiências e perplexidades. sim. Na última frase. tire um tempo agora e coloque aos pés de Jesus todas as suas angústias. assim nos lançamos completamente nos braços de Deus. Medite sobre essas perguntas e então ore.é manter-se em constante e dinâmico relacionamento. Amanhã será o envio para a parte prática.SP 55 . Até as últimas conseqüências e nas coisas pequenas do dia a dia.” Pedro Casaldáliga “Permanecer em Cristo é permanecer ligado como galho na videira. e não mais levamos tão a sério os nossos próprios sofrimentos. dos sucessos e fracassos. 4. que sofreram e morreram por causa de sua fé. 24 de janeiro Permanência. que viveram com integridade e honraram o chamado e a vocação que receberam do Senhor. Se essas perguntas fossem suas. dos problemas. Como você entende esse desafio: Privilégio ou cruz? 2. Saem de cena os grandes heróis e mártires da fé do passado e entram os apáticos e acomodados cristãos modernos. O mundo que nos cerca nos tenta com poder e fuga do caminho mais árduo do seguimento de Cristo. preocupações e medos! IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

não para Dias sim. sou por acaso Minha metralhadora cheia de mágoas Eu sou um cara Cansado de correr Na direção contrária Sem pódio de chegada ou beijo de namorada Eu sou mais um cara Mas se você achar Que eu tô derrotado Saiba que ainda estão rolando os dados Porque o tempo. maconheiro Transformam o país inteiro num puteiro Pois assim se ganha mais dinheiro A tua piscina tá cheia de ratos Tuas ideias não correspondem aos fatos O tempo não para Eu vejo o futuro repetir o passado Eu vejo um museu de grandes novidades O tempo não para Não para. não. se escolhe: é matar ou morrer E assim nos tornamos brasileiros Te chamam de ladrão. o tempo não para Dias sim. dias não Eu vou sobrevivendo sem um arranhão Da caridade de quem me detesta A tua piscina tá cheia de ratos Tuas ideias não correspondem aos fatos O tempo não para Eu vejo o futuro repetir o passado Eu vejo um museu de grandes novidades O tempo não para Não para. não. de bicha. dias não Eu vou sobrevivendo sem um arranhão Da caridade de quem me detesta A tua piscina tá cheia de ratos Tuas ideias não correspondem aos fatos O tempo não para Eu vejo o futuro repetir o passado Eu vejo um museu de grandes novidades O tempo não para Não para. não para IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 56 .Oficinas Vivendo a mordomia do tempo Lia do Valle O Tempo Não Para (Cazuza) Disparo contra o sol Sou forte. não para Eu não tenho data pra comemorar Às vezes os meus dias são de par em par Procurando agulha num palheiro Nas noites de frio é melhor nem nascer Nas de calor. não.

SENHOR. 2. aplicar-se a coisas inúteis ou sem resultado.” I Crônicas 29:11 “Ao SENHOR pertence à terra e tudo o que nela se contém. // Ter tempo. / Administrador dos interesses internos de um palácio. / Administrador dos bens de um estabelecimento. para exprimir relação de tempo (passado. nossa “posse é portanto arrendada e não de uma propriedade livre com isenção de pensões. pense. às opiniões: no meu tempo. // Perder seu tempo. / Época. // Passar o tempo a. Atos 14:15-17. I Coríntios 6:19-20. Função do mordomo. SENHOR. a grandeza. / Benefício concedido pelo Estado a altos funcionários. constante de morada. é o poder.m. 50:10-12 e 121:1-2. relativamente a certas circunstâncias. não estar apressado. Modificação da forma do verbo. empregá-lo em. reflita e comente: “Nosso domínio (sobre as coisas que Deus criou) necessita ser equilibrado através da mordomia. Field). I Crônicas 29:13-14. Do homem: Gênesis 1.15. contemporizar. // Ganhar tempo.6-9. aos costumes. com mudança de data à meia-noite. chuva.27. Salmos 24:1).m.f. Da Criação de Deus: Gênesis 1. / Estado da atmosfera: tempo úmido.7 e 2:22. // Mau tempo. Medida de duração dos fenômenos.SP 57 . Tempo: s. o mundo e os que nele habitam. futuro) com o momento em que se fala ou com o momento indicado pelo verbo principal. ônus e vínculos” (O. / Tempo disponível: não tenho tempo. ao estado das coisas.Conceitos Mordomia: s. Pare.28 e 2. Apocalipse 5:9. / Gramática. a honra. porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra. / Música Divisão do compasso: compasso de dois. O homem é o mordomo:  “Teu. leia. Salmos 8. Lucas 12:42)” Bruce Milne Uma rápida volta pela Bíblia sobre Mordomia: 1. mordomado. 17:22-28. Um dia teremos de dar contas a Ele pela maneira como usamos os dons que nos foram concedidos (Mateus 25:26 ss. // Astronomia. Deus permanece como proprietário de tudo (I Crônicas 29:11. e tu te exaltaste por chefe sobre todos. teu. / Prazo: dê-me tempo para pagar-lhe. Salmos 24:1. Isaías 42:5. tempo médio adiantado de 12 horas: o tempo civil conta-se de zero a 24 horas a partir da meia-noite. Chefe dos criados de uma grande casa. alimentação e serviços gerais. a vitória e a majestade. de quatro tempos. / Duração limitada: empregar bem o tempo. Mordomo: s. presente.” Salmos 24:1 IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . é o reino. 2. / Momento fixado: chegar a seu tempo. era diferente! / Estação: o tempo da vindima. Tempo civil. tempestade. / Aquele que trata dos negócios de uma irmandade ou confraria e administra seus bens. Deus é Criador e dono de tudo e de todos:   Do Universo: Gênesis 1:1 e 14:22.

19-20 Mordomia da mente (inteligência e sabedoria): Pv 1:7. portanto. I Tm 6: 17-19.O que isso tem a ver com minha vida como cristão? A ordem deixada por Deus Deus nos criou e nos deu autoridade sobre todas as coisas com o objetivo de sermos seu mordomo. I Co 6:12. 24. Tg 1:9-11 Mordomia do tempo: Ec 3: 1-8. criada à semelhança da própria natureza divina.” Wayne Grudem Nosso desafio é:      Mordomia do Meio Ambiente: Gn 1 : 26-30. que temos visto hoje? Como cristãos somos mordomos de Cristo ‘’Nosso corpo. a oração e o louvor. Será que é isso que o ser humano tem feito? Há alguma justificativa para a poluição e a extração desvairada. as demonstrações de amor e preocupação uns pelos outros – tudo fazemos pelo uso do corpo físico que Deus nos deu.SP 58 . para que com sua inteligência e sabedoria saiba da melhor maneira gerenciar tudo isso que Ele criou. quase tudo o que fazemos se faz por meio do uso do corpo físico: o pensamento. sem respeito com o meio ambiente. para que todo o ser humano tivesse o privilegio e o dever de cuidar e gerenciar daquilo que Ele criou. De fato. Mt 6:19-21 Resumindo tudo isso em: “Quando usamos bem o nosso tempo conseguirmos ser bons mordomos de Cristo!”. O Desafio maior é: Sermos bons Mordomos do nosso tempo! IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Pv 2:1-8 Mordomia dos bens materiais: Mt 6: 19-21. foi criado por Deus como instrumento adequado para representar de forma física a nossa natureza humana. os juízos morais. Este é o papel que Deus dá ao homem. Gn 2:15 Mordomia do corpo: Sl 139:13-16.

Oficinas Parte II “Nada caracteriza melhor a vida moderna do que o lamento: ’’ .. Avaliação O nosso desafio agora é avaliar como está nossa vida em relação à mordomia do tempo. vamos usar alguns cronogramas como ferramentas:  Quadro das prioridades. E. vamos colocar tudo no papel para as coisas se organizarem e assim avaliaremos como anda o tempo que temos gastado em nossa vida. Demandas sem fim nos pressionam a cada nova hora que surge. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .  Cronograma do Dia. freqüentemente as tarefas urgentes. do mês. O problema é que muitas tarefas importantes não precisam ser feitas hoje nem mesmo nesta semana. Na ponta do lápis “O maior perigo que você corre é deixar as coisas urgentes impedirem as importantes de acontecerem. Se o tempo está nos servindo ou se nós estamos servindo ao tempo.  Cronograma da Vida.” Para nos ajudar nessa avaliação. apesar de menos importantes.” R.  Cronograma do Ano. Hummel) Perguntas importantes Em que fase da vida eu estou? Quais são minhas prioridades? Como tenho vivido as prioridades e o urgente? O que é prioridade? O que é urgente? O que é ser Mordomo de Cristo em relação a Mordomia do Tempo? Qual o tempo do meu dia.. pedem resposta imediata e devoram nosso tempo. da minha semana. Horas adicionais para oração e estudo da Palavra. a leitura de um livro importante: atividades que geralmente podem esperar um pouco mais.  Quadro dos Objetivos de Crescimento.  Cronograma do Mês. uma visita a um amigo querido.Se eu tivesse tempo.SP 59 .” (Charles E. Porém. da minha vida que tenho dedicado a Cristo? Uau!!! Por que tantas perguntas assim? Calma. Neale “Vivemos em constante tensão entre o urgente e o importante.’’.

Celebração da disciplina. as Disciplinas são mais bem exercidas no meio de nossas atividades normais diárias. 2. Livres da Tirania da Urgência.Dedicando tempo ao Senhor “Passo pela vida como um transeunte a caminho da eternidade. Richard J. As disciplinas são apenas ferramentas para nos direcionar. Foster Como cristãos devemos desenvolver uma vida com disciplinas espirituais. 2011. serviço. Disciplinas exteriores: simplicidade.SP 60 . Wayne. podemos gozar da liberdade que Ele nos oferece.” Donald Coggan Depois de avaliar como anda o nosso tempo. 2005 GRUDEM. ter Jesus Cristo como o nosso instrutor. Ao olhar para os exemplos de disciplina. o nosso guia.com.com.dicionariodoaurelio. Teologia Sistemática: Atual e Exaustiva. pensar.” Richard J.bibliaonline. São Paulo. orientação.Estudando as Doutrinas da Bíblia? ABU Editora Ultimato. temos que começar a pensar se temos tido tempo para nossas devocionais. jejum. o nosso tempo. Bruce. Vamos pontuar essas disciplinas: 1.br/cazuza/45005/ MILNE. submissão. Essas disciplinas não são leis que irão medir nossa santidade ou nossa fidelidade ao Senhor. São Paulo. solitude. com nossos irmãos e irmãs. adoração. feito à imagem de Deus mas com essa imagem aviltada. nos orientar a nossa caminhada cristã. mas sim avaliar e ver qual delas estamos exercendo. Editora Ultimato. celebração. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . 1999. necessitando de que se lhe ensine a meditar.br/biblia/ http://www. o nosso professor. É nesse momento que refletimos como andam nossas disciplinas espirituais. FOSTER. ou com nossos amigos e vizinhos. 1995 HUMMEL. “Na realidade. Se elas devem ter qualquer efeito transformador. Bibliografia: http://www. os nossos sonhos. estudo. Ele sempre nos dirá o que fazer.terra. Editora Vida. Para guardar e meditar: Quando colocamos a nossa agenda.chamada. O mais importante nessa caminhada é ouvir a voz de Deus. Disciplinas associadas: confissão. o efeito deve encontrar-se nas conjunturas comuns da vida humana: em nossos relacionamentos com o marido ou com a esposa. oração.com. Editora Vida Nova. adorar. Disciplinas interiores: meditação. E avaliar qual delas tem proporcionado crescimento na sua caminhada cristã. São Paulo. Viçosa-MG.com/ http://www.br/ http://letras. 3. não deve ser mais uma forma de nos cobrar mais atividades. pois assim assumimos um lugar de servos que O amam no exercício de cidadãos do Reino. Charles E. os nossos planos a serviço do Senhor.

portanto. rogai. pois. Desta forma sabemos que estamos nele: aquele que afirma que permanece nele. 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . demandando. ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara. cultivar relacionamentos saudáveis e amenizar as tensões surgidas. onde muitas vezes faltam modelos de atuação contextualizada. A visão de quem vê de fora (você por outras pessoas. Líderes de vários desses núcleos não participam do Grupo-Base e não gozam de nenhum tipo de apoio. inseguranças e intensidade que são características dos adolescentes. Mas.): Avaliar suas motivações. suas paixões e o seu coração .. É preciso ter um acompanhamento da família.    3.SP IPL 2013 | O Rei Servo 61 . em verdade. compromisso e desafios Gilvânia Ramos e Judson Malta E dizia-lhes: Grande é. uma presença regular nas reuniões.): Necessidade de ser pastoreado. Conhecendo o Senhor e sua palavra. I João 2:3-5 2..Oficinas Assessoria auxiliar e o discipulado: conhecimento.. Por isso.... oração e estudo. nele verdadeiramente o amor de Deus está aperfeiçoado. é mentiroso.   A visão de quem vê de dentro (você por você mesmo. se alguém obedece à sua palavra. evangelização e discipulado no meio profissional e funcionar como uma equipe pastoral de apoio à ABU. ABP A ABP possui 3 finalidades básicas: servir a Igreja e sociedade por meio de suas profissões. É o lugar onde vão aflorar diversas dificuldades e tensões entre os estudantes cristãos. existe a necessidade de um acompanhamento efetivo do assessor ao GB. além de comunhão. (Re)Conhecendo a si mesmo. Aquele que diz: “Eu o conheço”.. (Lucas 10:2) I – Conhecimento 1. também onde se busca o crescimento espiritual. não caminhar sozinho. a seara. Sabemos que o conhecemos se obedecemos aos seus mandamentos. as amizades. Conhecendo a seara. realizar contato com os pais antes de eventos. rendimento escolar e escolhas de vida. mas os ABPenses acabam desempenhando essa função a depender do contexto de cada grupo local.. e a verdade não está nele. ABS Os estudantes secundaristas precisam de mais dedicação de tempo que os estudantes universitários.. É preciso ser paciente e esperar o tempo necessário para o amadurecimento com as tensões. A ABP não é assessoria auxiliar. mas não obedece aos seus mandamentos.. mas os obreiros são poucos. O Grupo Base Esse é um espaço. deve andar como ele andou..a necessidade de um relacionamento real e pessoal com Deus. Além de acompanhar os estudos.. O assessor auxiliar pode atuar de uma forma muito positiva junto ao núcleo.  O Núcleo de Estudo Bíblico Linha de frente do trabalho de evangelização estudantil.

.. O primeiro passo do assessor é incentivar o GB a refletir sobre suas próprias necessidades e ver até que ponto elas podem ser supridas pelas pessoas capazes ao seu redor. dessa forma. Este trabalho exige uma convivência comprometida entre o discipulador e o(s) discípulo(s). nos quais o grupo deverá ser "fechado". por isso. Você sabe quão são os seus? II. Que tal aprofundar os estudos sobre as Bases de Fé? 2.). O desafio é: fique ligado. Ele poderá desenvolver através de encontros marcados. no entanto.. estar atento aos Movimentos do Movimento (CNs. todos precisam crescer e para tanto necessitam de um processo de discipulado contextualizado. Visão ministerial O assessor auxiliar também tem a responsabilidade de passar a visão ministerial para os estudantes e profissionais.SP 62 . CDs. Inclusive o chamado “um-a-um” (discipulado individual).Os dons – Deus nos dá dons para desenvolvermos os trabalhos e isso é comprovado inclusive previamente. é muito importante que os abuenses saibam no que creem e como defendê-lo. Por isso. no seu encontro de planejamento e avaliação. outros tem pouca maturidade.. O que significa que ele precisa estar alinhado com o Movimento como um todo. precisam de "pais espirituais". O assessor auxiliar deve ter em mente e em seu coração a importância estratégica que é o discipulado. O Discipulado. Perseverança – para esperar com paciência e esperança o tempo da colheita! Amizade – construa afetividade e relacionamentos saudáveis! IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . deverá ser protegida pelo conhecimento das verdades que proclamamos. saber as orientações da ABUB. ou seja. A visão Teológica A ABUB é um movimento confessional que reconhece a Bíblia como a Palavra de Deus. a visão do assessor deverá ser controlada por essa Palavra e. Deve ser uma confirmação interior (eu devo senti-lo) e exterior (as pessoas ao meu redor devem respaldar esse chamado) . diaconia etc. participe! 4. CRs. Discipulado/Mentoria (um ministério de amor) Tempo – prioridades e urgências. comunicação. Quem deve iniciar esse processo é o Grupo Base... 3.Compromisso 1. Capacitação dos estudantes Formação > Liderança estudantil Crescimento > Fortalecimento da Espiritualidade Cristã Multiplicação > Novos líderes sempre 7.O Chamado – O ponto de partida para a obra missionária. Cabe observar que alguns estudantes são novos convertidos. então. 6. Dedicação Qual o meu Plano de Trabalho no GB? Quais as minhas disponibilidades? Qualidade x quantidade 5. no trabalho ainda desenvolvido enquanto estudante ou outro semelhante. ter uma relação próxima com os obreiros. Pensando o programa de capacitação.

a hegemonia de uma ideologia individualista neoliberal provoca mudanças profundas no contexto estudantil. Ao trabalhar com pessoas muito diferentes observa-se que cada uma possui características específicas.  Cuidadoso na ação pedagógica. em Cochabamba.” (Dr.SP 63 . pronto para ensinar biblicamente.. Aqui encontramos o aspecto mais difícil. sexualidade. poder. devido às muitas pressões de agenda a que estamos expostos. Entre risos e lágrimas.. Independência e morte! Trocando em miúdos. em 1987) Para finalizar. buscando razões para a fé.... “Temos o desafio de desenvolver uma ação pastoral em que o obreiro ou assessor auxiliar seja:  Um modelo através de quem o estudante possa ver como se pode lidar com dinheiro. Janeiro de 1998) Derrotas e vitórias! Suportando o erro: (Paulo na luta contra o pecado.. (. na Assembléia Mundial da IFES na Colômbia. diversa a depender dos seus momentos de vida.. Texto apresentado no Congresso da CIEE.Desafios Vigiai e orai! Cultivar disciplinas espirituais Equilibrar a saúde missionária – administrando o seu tempo: Trabalho.” (BREPOHL. Mas. O fantasma da relevância.. Samuel Escobar.).  Disponível para acompanhar. em Romanos 7:15) Aprendendo com derrotas e vitórias. CIEE hoje na América Latina – Uma revisão crítica. ministério e descanso. se não caminhamos lado a lado com nossos líderes estudantis. e que as mesmas responderão a processos de discipulado de maneira.III. hoje. questionador. “A pessoa é mais importante que a obra” (Neusa Itioka) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . ouvindo as dúvidas mais profundas de nossos estudantes. e estilo de vida..... O contexto universitário/escolar atual “Se o ambiente estudantil no passado era racionalista. seremos superficiais em nossa tarefa. além de uma universidade que demandava um compromisso social. família. Dieter.

Ela defenderá a si mesma. mas isso não gera nascidos de novo. era. Infelizmente.Oficinas Evangelização Caio Marçal O que é evangelizar? ( ) evangelizar é contar o que Jesus fez por mim ( ) saquear o inferno e povoar o céu ( ) levar folhetos evangélicos pros amigos. é possível enamorar-se mais pelos argumentos pela existência de Deus que por Deus mesmo " Ramachandra Evangelizar não é ser "relações públicas de Jesus". quer nos céus"(Cl. A tarefa da igreja.SP 64 . o nascimento ou o acesso ao poder de um rei que eram anunciados como “evangelho”. foi dançarina do É O CÃO. A compreensão da morte de Jesus é mais ampla que as nossa ênfase (Cl 1. etc. é a evangelização. Uma boa notícia não é ensinada. na sua definição básica. Evangelizar não é converter pessoas – Conversão é obra estrita do Espírito Santo. 1. nos diz o teólogo eminente. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Alguns geralmente apenas são convencidos que a fé cristã é verdadeira. Evangelizar não é defender a Bíblia: "Defender a Bíblia ? Seria o mesmo que defender um leão. o rei é Deus. o que implica dizer que o Senhorio de Cristo é cósmico: Evangelho não se limita a salvação individual. convidando-os para ir pro culto a noite (x) Nenhuma das opções acima Evangelização. por exemplo. A redenção abrange toda a criação: "havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz. Na Antiguidade. A anunciação desse evangelho deve ser total. O Evangelho é a “boa notícia” do reino de Deus. Jesus e os apóstolos anunciaram o reino de Deus.. do que na evangelização. é comunicada.20)". Também na Bíblia o Evangelho anuncia o início de um reinado. não é uma teoria religiosa. por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as cousas. Evangelizar não é um evento.). Evangelizar não é impor o que eu penso ou creio: "há uma forma desagradável de apologética que se preocupa em ganhar mais discussões que convertidos genuínos a Jesus.13-23). matou a mãe no natal e amarrou o pai pra matar no ano novo. nas palavras do teólogo José Comblin." (Charles Haddon Spurgeon)     O que é evangelização? O Evangelho. Mas aqui. Simplesmente dê liberdade à Bíblia. quer sobre a terra. Mas antes de falar sobre o que é evangelização.. Evangelizar não é dar meu testemunho – você já participou de algum testemunho de algum famoso ex-alguma coisa? Geralmente o tal testemunho é mais focado em falar de situações extraordinárias que o testemunheiro já passou (tocou na banda x. Evangelho significa “boa notícia”. é o centro da missão da igreja. gostaríamos de falar o que não é evangelização:    Evangelizar não é usar uma determinada técnica – a evangelização não é usar um determinado método pra "ganhar alma" (fantasmas?) ou uma fórmula secreta pra alcançar pessoas.

o futuro ainda não chegou… o lado positivo da apologética é a comunicação do evangelho para a geração atual. o passado já se foi. e que a vivência dele deve alcançar toda amplitude da nossa existência. apontar. para todos os homens". conforme o exemplo de Jesus. Mas. o pertencimento consciente à comunidade dos filhos do Reino com o compromisso de empenhar-se pela restauração da dignidade de toda a criação (Cl 1 13-20). Ed Renê Kivitz Resumindo: compartilhar as boas novas é viver o amor ao próximo. é mais do que compartilhar uma mensagem. e compartilhar a fé significa a inevitável carga de amar e compartilhar esse amor.Evangelização integral significa que o evangelho deve ser "O Evangelho todo. em termos que ela possa entender" Francis Schaeffer IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . " é preciso descobrir primeiro onde a pessoa vive. "O único evangelho que as Escrituras contêm é o evangelho integral que visa a libertação pessoal do império das trevas. fogo! "Evangelização. tudo que ele faz aponta para o Senhorio de Deus em sua vida. que viveu em comunidade com seus discípulos e discípulas. Isso incluía anunciar eventos futuros. Por tudo isto.SP 65 . era samaritana e tinha má fama Jesus nos ensina a dialogar – a evangelização antes de tudo é relacional. é anunciar uma realidade: a chegada do reino de Deus". Paulo elabora um discurso que seja relevante para o momento – fazer pontes . devemos aprender a ser simples na hora de definir esta tarefa: o evangelho é a representação do amor pleno de Deus para com o ser humano. Preparar. dos líderes religiosos e dos governantes de sua época" Ricardo Wesley. no contexto da missão integral. crescendo no amor fraterno e no conhecimento. portanto inclui o tudo. Nicolás Panotto Ações evangelizadoras: Aprendendo com Jesus e Paulo João 4 – o que podemos aprender com Jesus?    Jesus rompe preconceitos e trata as pessoas com dignidade – lembre-se além da ser mulher. mais do que isso. antes de lhe mostrar de que maneira Jesus está relacionado com a vida dela" Michael Green Jesus é sensível ao outro – nunca oferece respostas prontas – mas fala ao coração da mulher Atos 17: 16 – 31 – Paulo em Atenas Aprendemos com Paulo que tudo começa com um coração sensível ao estado do espiritual do povo    A diligência de Paulo – todos os dias ele estava proclamando o Reino O eixo central da sua pregação era Jesus Paulo soube fazer a leitura correta de seu tempo "Uma das características dos profetas na Bíblia é que sabiam ler os"sinais dos tempos". sabiam ler a sua realidade presente. Possuíam um dom divino especial de discernir o que estava por trás das atitudes e posturas do povo. para o homem todo. A evangelização é o estilo de vida do discípulo de Jesus. mental e espiritualmente. pois afirmamos a soberania de Deus sobre toda vida."é nossa tarefa falar para a nossa geração.

20)" Ziel Machado. alguém que não conhecemos”? Sem dúvida nossa tarefa seria bem difícil devido a este desconhecimento. ou uma honestidade escrupulosa em todas as coisas. Ela torna-se uma pedra de tropeço para a evangelização quando trai o evangelho ou quando lhe falta uma fé viva em Deus. 4.SP 66 . desajeitada e até irrelevante. e morte de cruz. 'responder antes de ouvir é estultícia e vergonha' ". inclusive em promoção e finanças" Pacto de Lausane. achado na forma de homem.. A igreja ocupa o ponto central do propósito divino para com o mundo. fazendo-se semelhante aos homens. sendo obediente até à morte. você pode decorar versículos para as mais diversas situações. pois a forma como apresentamos a Cristo é insensível. ser marcada pela Cruz. um amor genuíno pelas pessoas. Mas esvaziou-se a si mesmo. com muito mais freqüência do que gostaríamos de admitir.Dica inesquecível: O que evangelização tem a ver com quarto fechado? Lembre-se que a evangelização é sempre resultado de sua VIDA COM DEUS. “Quero responder a esta pergunta propondo uma outra: como nos sentiríamos se fossemos convidados a apresentar a um grupo de pessoas. "não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos" (At. E. Preparar. Felipensses 2:5 -8 " O resultado é que. Pegou a idéia? Você pode não saber de cor a genealogia de Jesus mas deve ter um relacionamento pessoal com ele que o capacite a apresentá-lo. eu posso não saber os nomes dos meus bisavós mas isso não impede que eu possa apresentar meu pai a qualquer pessoa. a razão para isso é simples: posso não ter todas as informações relacionadas a minha família mas conheço suficiente ao meu pai para apresentá-lo. pode até decorar 500 técnicas de abordagens evangelísticas e 18000 respostas para perguntas díficeis.. A evangelização mundial requer que a igreja inteira leve o evangelho integral ao mundo todo. apontar. ela própria. nós afastamos as pessoas e até mesmo aumentamos sua alienação. Usando outro exemplo. sendo em forma de Deus. Os apóstolos disseram desta forma. De fato. fogo! De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.John Stott "Na missão de serviço sacrificial da igreja a evangelização é primordial. humilhou-se a si mesmo. e é o agente que ele promoveu para difundir o evangelho. tomando a forma de servo. Mas uma igreja que pregue a Cruz deve. não teve por usurpação ser igual a Deus. Que. No evangelismo acontece o mesmo. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

Como ultrapassar essa discussão? .Os três círculos .com Introdução .Ilustrações simplistas e rasas: ovo.Relacionamento expansível (Deus <-> Criação) Consequência: Salvação! .kurka@gmail. .Oficinas Curtindo a Trindade David Kurka | david. água.Trindade: dogma criado por monges desocupados? .Unicidade X Singularidade .Relacionamento reproduzido (Criação <-> Criação) Consequência: Igreja! Parte 2 . etc..SP 67 .Transformando conhecimento em afeição e desejos.Um Deus Único! Referência: 3 theories of everything (Ellis Potter) . Parte 1 .Um Deus relacional! Referência: The Good God (Mike Reeves) .Relacionamento intrínseco (Deus <-> Deus) Consequência: Criação! .Identidade e individualidade IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

verbo cognato do principal substantivo usado no NT para designar a igreja: ekklēsia.org. Esse projeto. A expressão “Reúna o povo”..5 oliveira: Rm 11.18) A igreja é edificada/construída por Cristo. Você congrega/convive com ou participa de algum grupo pequeno (de discipulado.32 ramos de videira: Jo 15. qāhal (reunir) foi substituído na LXX por ekklēsiazō (convocar uma assembléia). pensar em possíveis estratégias para a aproximação da igreja local com o grupo local. crescimento etc..)? 3. Como é a relação da sua igreja com os movimentos cristãos estudantis e vice-versa? Igreja: o que é? de onde vem? e para que serve? Antes de responder o que é igreja..50. natureza e propósito da igreja.br Quais objetivos serão perseguidos nessa oficina?      estimular a adoção de uma perspectiva bíblica quanto à essência. “é apenas continuação do modelo estabelecido por Deus no Antigo Testamento.49.6-9 edifício: 1 Co 3.18. buscando caminhos possíveis na resolução ou redução desses conflitos. e as portas do Hades não poderão vencê-la”. por meio do qual ele chamou um povo para si mesmo..Oficinas Igrejas. no entanto.SP IPL 2013 | O Rei Servo 68 . Vejamos também: Dt 4. Você congrega/convive em ou participa de alguma igreja? Qual? 2. Vejamos a seguinte fala de Jesus: “*. Ef 3. O que estes textos nos falam sobre a origem da igreja? O que isto implica pra nós? Metáforas bíblicas para a igreja      família (talvez a mais usada): Mt 12. 2 Co 6. Perguntas Iniciais: 1. precisamos investigar sua origem.9 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . apresentar e avaliar critérios para identificação e/ou construção de uma igreja saudável/santa. para ser uma assembléia em adoração perante ele” (Wayne Grudem). no hebraico.10 e 14. (Mt 16.2.17-24 lavoura: 1 Co 3. discernir e analisar dificuldades e/ou obstáculos quanto à vivência na comunidade cristã.+ e sobre esta pedra edificarei a minha igreja.14 e 5. estimular a criação e/ou amadurecimento de vínculos entre o grupo local de estudantes e as igrejas locais . pra que te quero? Pablo Gomes | pablo@abub.

produz uma igreja empobrecida e fraca. nele vivem.31-26.4-8 coluna e baluarte da verdade: 1 Tm 3. (George Ladd) “Quando a igreja se compromete com a missão integral e se propõe a comunicar o evangelho mediante tudo o que é.26. Cristo é a cabeça: Ef 1.1-16 – A igreja e os “meios de graça” “Ser igreja é de fato o estilo de vida com que expressamos a fé relacionalmente com Deus e com outros discípulos.22-25 e Ef 4.10.4-8 novo sacerdócio de Deus: I Pe 2. estilo de vida vivenciado enquanto servimos como congregação e comunidade visível.35.23. Cl 1. A igreja é a comunidade do reino. isso não significa que. derivando dessa ideia.13-17 A igreja como um todo deve vivenciar integralmente essas práticas. particularmente. a esfera na qual o domínio é experimentado. em função da transformação da vida humana em todas as dimensões. cada pessoa tenha que dedicar-se proporcionalmente a todas elas (lembremo-nos de 1 Co 12). Seu propósito é encarnar os valores do Reino de Deus e testificar do amor e da justiça revelados em Jesus Cristo.12-27 a igreja como parte do corpo. Hunter) Vejamos Hb 10. ou poderosa politicamente.22.      novo templo de Deus/casa de Deus: 1 Tm 3. faz e diz. 4. Mt 4. a igreja é uma sociedade de pessoas [grifos meus+”. e por ele são governados. Hb 3. Jo 4. tanto em âmbito pessoal como em âmbito comunitário” [grifo meu].19.16.SP 69 . eles não são o reino. Rm 10.28 Evangelizar e praticar misericórdia: Mt 25. Eles são o povo do domínio de Deus que adentram o reino.15. Cl 2.15 corpo de Cristo a igreja como o corpo todo: 1 Co 12.19 O que essas metáforas nos ensinam sobre a igreja? Haveria uma definição de igreja? A partir dos textos bíblicos. o reino não é identificado com os seus súditos. em missão de implantação do reino de Deus e expressando a cultura e os valores desse reino”.24 Edificar uns aos outros: Ef 4. ela entendeu que seu propósito não é chegar a ser grande numericamente. Os discípulos de Jesus pertencem ao reino assim como o reino pertence a eles. Valorizar uma em detrimento da outra. o que podemos construir? Os propósitos da Igreja    Adorar a Deus: Sl 95. 1 Pe 2. 28. O reino é o domínio de Deus. todavia. ou rica materialmente. (René Padilla. Na linguagem bíblica. Lc 6. A Igreja e o Reino de Deus “O reino é primeiramente o governo dinâmico ou o domínio real de Deus e.15. (Todd D.6. mas nunca o reino em si. no poder do Espírito. Entretanto.13.12. (Nelson Bomilcar) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . O que é Missão Integral?) Por que preciso participar de uma igreja? O que ganho com isso? “A igreja é o lugar para o envolvimento com práticas espirituais importantes que têm nutrido seguidores de Jesus há milhares de anos”.6.

pense nos cultos e/ou nos momentos de encontros. 2. Que tal listarmos algumas experiências que podemos realizar com as igrejas locais na Universidade e/ou na comunidade? Tente listar o máximo que puder e indique se já foram realizadas (ou tentadas) ou não. Hunter) Exercícios extras 1.. com a finalidade de alcançar uma formação espiritual”.SP 70 . bases de fé.. Como ela deveria “funcionar”? A que atividades deveria se dedicar? Se quiser ser detalhista.“*. (Todd D. EBD.. liturgia.+ quando embarco em uma busca para encontrar maneiras de tornar os hábitos do cristianismo e da igreja significativos e valiosos. perfis dos líderes etc. uso o velho como plataforma de lançamento para me impulsionar a novos modos e meios e práticas. Pense no que seria a igreja ideal pra você.. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . inclinações teológicas.

elas são adequadas? Quais perguntas deveríamos fazer? Que “critérios” que deveríamos observar para responder às perguntas adequadas? Vejamos alguns: AMOR Teológicos ● ● ● ● ● ● ● Eclesiásticos ● Doutrina bíblica. Poder espiritual no ministério. Santidade de vida entre os membros ÇA AN PE ES R Pessoais IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Adoração genuína. aspirações e problemas compartilhados e compartilháveis. Propostas. quais seriam? 4) O que mais lhe incomoda na igreja cristã brasileira? Encontrando a igreja/denominação ideal     Quais as perguntas que fazemos normalmente quando buscamos uma igreja? Que motivações existem quando fazemos essas perguntas? À luz do Espírito Santo.SP 71 . Oração eficaz. Da dor à cura Perguntas iniciais 1) Como é a sua relação com a igreja/o grupo em que você convive? Você tem enfrentado dificuldades/obstáculos para vivenciar o cristianismo em algum desses grupos? Quais são? 2) Caso você não identifique nenhuma dificuldade ou nenhum obstáculo pessoal. conhece alguém que os experimenta? Você poderia relatar quais seriam as dificuldades dessa pessoa? 3) Alguma coisa lhe incomoda na igreja e/ou no grupo pequeno em que você congrega? O que seria ou. Testemunho eficaz. da alegria para a dor.Oficinas Igrejas. Disciplina eclesiástica ● ● Governo eclesiástico. Cuidado pelos pobres ● FÉ ● Comunhão eficaz. Batismo & Ceia.

 O crescimento dos “sem-igreja” Você faz ou já fez parte desse grupo? Conhece alguém que se “encaixaria” nele? Os sete subgrupos dos “sem-igreja”. A idéia é que através da igreja somos um único corpo em movimento.8% do segmento “evangélico”)  O que isso poderia significar? As considerações de Paul Freston em seu artigo: “O sentido do Censo 2010”. Santa e Universal. Deus criou a igreja com o objetivo que nos relacionássemos uns com os outros em amor para a sua glória. É na igreja que aprendemos a dar nossos primeiros passos como cristãos.“Sem-igreja”: do Censo de 2010 ao senso de direção  Censo 2000: pouco mais de um milhão de brasileiros e brasileiras foram classificados como “evangélicos sem vínculo institucional” (aprox. 21. A respeito da igreja diz assim: “*Cremos que há uma] única Igreja. nem “sem vínculo”) Censo 2010: mais de nove milhões de brasileiros e brasileiras foram classificados como “evangélicos não determinados” (aprox. boa parte do que somos como crentes é aquilo que aprendemos na igreja local. além de aceitarem integralmente as bases de fé da Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos (CIEE) devem estar em plena comunhão com uma igreja local. A ABUB não é uma igreja local. A Aliança Bíblica Universitária do Brasil.SP 72 .. desde líderes de grupos base até os presidentes nacionais. nem “pentecostais”. O salmo 133 destaca a união dos irmãos e como ela é preciosa para nossa saúde em todos os aspectos. que é o Corpo de Cristo.” (Luiz Felippe Schmitt) O Ministério Estudantil. 4% do segmento “evangélico) e.” No movimento estudantil em todo mundo.. no artigo 11º de seu Estatuto. A ABUB é um braço da igreja nas escolas e universidades. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . a qual todos os cristãos verdadeiros pertencem e que na terra se manifesta nas congregações locais. descreve suas bases de fé. todas as lideranças. É nas congregações locais que temos a expressão autêntica da Igreja Universal de Cristo. na seção “Ética” da revista Ultimato. cerca de ½ milhão como “outros evangélicos” (isto é. não eram evangélicos “de missão”. Você se vê em algum deles? Qual a causa (ou quais as causas) desse fenômeno? Como devemos reagir a isso? O que deve pautar nossos próximos passos? A balada da igreja e da ABU “Em nossa caminhada cristã. A ABUB é parte desta enorme igreja em que Cristo é a cabeça deste corpo.

” (Ziel Machado) Algumas propostas:    Elaborar uma atividade prática de apresentação (visibilidade) da ABU à igreja local. O que você aprendeu e aprende pode contribuir com sua comunidade (há tempo para todo propósito!). Muitos dos que foram capacitados por Deus nos ministério estudantil experimentaram isso. vai amadurecer. Estamos desenvolvendo nosso ministério na universidade e escola e nossa comunidade está alheia a ele.18 IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . e sua igreja.. CONSIDERAÇÕES FINAIS Igrejas: pra que te quero? Sem igreja ou Ser igreja? Orando Cl 1. Nosso objetivo aqui é elucidar o assunto para que tenhamos posturas mais abertas e que engrandeçam o Reino de Deus. ainda existem muitas comunidades cristãs que não conhecem a ABUB. imagine o quanto você vai crescer com isso. “O que de melhor aprendo na ABU aplico na Igreja e o que de melhor aprendo na Igreja aplico na ABU. Elaborar uma forma de resolver problemas encontrados no relacionamento entre você. eu?!?! Sim. estudante. Embora isso tenha diminuído. Às vezes nossas igrejas não sabem da importância do Ministério da ABUB porque ninguém a apresentou ao Movimento.SP 73 . Tomamos uma atitude tímida e pouco envolvemos nosso ministério em nossas igrejas. Elaborar um projeto de atividades contínuas que liguem a ABU e a igreja local.6-12 com mente em Mt 16. você será um cristão que vive uma experiência real de missões.. aprender muitas coisas que vão marcar sua vida para sempre.Desenvolvendo Parcerias. Missionário na Universidade.

grifos meus). [. Vejamos os motivos apontados por Paulo. 45-46. 3) Ensine a Lei do Senhor.” (Eugene Peterson. Pedro. 3) Seja um exemplo “no amor”. Exemplo 2: I Timóteo 4:12: Título: “O líder exemplar” 1) Seja um exemplo “na palavra”. pela orientação moral que oferece ou pela edificação espiritual que promove sem tratar de modo algum com um Deus pessoal e revelador que tem desígnios pessoais a seu respeito. “Maravilhosa Bíblia”. Tiago e João pra estudarmos a Bíblia: Paulo (II Timóteo 3:16-17):____________________________________________________________ Pedro (II Pedro 1:19):________________________________________________________________ Tiago (Tiago 1:25):__________________________________________________________________ João (João 20:30-31):_________________________________________________________________ Os três tipos de pregação Textual: A sua forma segue as partes de um texto curto (1 a 3 versículos) usando as sentenças do versículo como as divisões principais do sermão. 5) Seja um exemplo “na pureza”. 2) Seja um exemplo “no procedimento”.SP 74 . IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Exemplo 1: Esdras 7:10: Título: “O bom mestre da lei” 1) Estude a Lei do Senhor.org.br Perguntas iniciais 1) O que é pregar? Você acha que a pregação é importante? Por quê? 2) Você já teve a oportunidade de pregar alguma vez? Como foi? Sondando as motivações “É possível se aproximar da Bíblia com toda sinceridade.Oficina Como transformar seu EBI numa exposição bíblica Natan de Castro | natan@abub. p. respondendo ao desafio intelectual que ela faz..] nem todos que se interessam pela Bíblia e até se entusiasmam com ela querem se envolver com Deus. 2) Pratique a Lei do Senhor.. 4) Seja um exemplo “na fé”.

b) Dificulta a retenção da mensagem por fazer o ouvinte abrir a Bíblia em vários lugares diferentes durante a pregação. b) Fácil de ser desenvolvido. 3) Jesus cura independente de se ter fé (Jo 5:7-9). esses pontos negativos são positivos por fazer os pregadores vencerem a preguiça e prevenir os ouvintes de ensino bíblico adulterado. b) Mostra que a Bíblia ensina em várias partes o tema escolhido. d) Obriga o pregador a expor temas não prediletos ao pregar livros inteiros.Pontos positivos: a) Ideal pra pregações curtas em ocasiões especiais (aniversários. 3) Você precisa de fé pra ser curado (Mc 6:5-6). Utiliza-se vários textos de forma que sirvam ao tema que se deseja expor. 2) Jesus é mesmo hoje (Hb 13:8). Mc 9:30-31. c) Fornece um excelente modelo de estudo bíblico para o ouvinte. b) Corre-se o risco de interpretar o texto fora do seu contexto. Pontos negativos: a) Tende a não valorizar o texto básico. Pontos positivos: a) A Bíblia é senhora do pregador (ele expõe e não impõe). por exemplo). ignorando assim a intenção do autor bíblico. pois permite ao pregador dizer o que quiser utilizando textos bíblicos. d) Corre-se o risco de impor opiniões pessoais aos textos utilizados por não analisá-los em seus contextos originais. 2) Precisamos negar a carne p/ viver no Espírito (Gl 5:16). O exemplo 2 citado acima é totalmente anti-bíblico: 1) Jesus quis curar o leproso em Marcos 1:41. 3) Precisamos ser cheios do Espírito (Ef 5:18). Infelizmente a pregação tópica é a mais utilizada hoje em dia. ainda não achei pontos negativos na pregação expositiva! IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . OBS: A meu ver. Pontos negativos: a) Nem todas as passagens se prestam a esse tipo de tratamento sem parecerem forçadas. Tópica (ou temática): A sua forma resulta de um assunto escolhido pelo pregador. mas dentro da perspectiva do autor de Hebreus (sumo sacerdote perfeito). c) Valoriza a criatividade do pregador. e) Ensina a Palavra no contexto em que o Espírito Santo escolheu ao inspirar os escritores bíblicos. Mt 12:38-39). Expositiva: É aquela que explica a Bíblia dentro de uma unidade expositiva (perícope ou parágrafo) seguindo a própria estrutura do texto e respeitando a intenção original do autor.SP 75 . É desse tipo de pregação que trataremos nesta oficina. c) A Bíblia será serva e não senhora do pregador. Na verdade. Exemplo 2: Tema: “Milagre de Cura” 1) Jesus sempre quer curar (Mc 1:41). Após a explicação de cada subdivisão do texto o pregador aplica o ensino aos seus ouvintes. b) Facilita a retenção do ensino por se concentrar em um único texto. c) Fácil de ser lembrado pelos ouvintes. Pontos positivos: a) Permite ensinar os ouvintes sobre um tema específico sem necessariamente se prender a uma seqüência. b) Torna os ouvintes mais exigentes e críticos quando a pregação é ruim. mas se escondeu muitas vezes da multidão e se recusou a atender seus pedidos de milagres (Mc 1:36-38. 2) Jesus é o mesmo hoje. Exemplo 1: Tema: “Vida no Espírito” 1) Precisamos ser batizados com o Espírito (I Co 12:13). “Pontos negativos”: a) Exige esforço e muito tempo de preparação.

As chaves gramaticais (verbos. indagações. foi escrito a mais de 1. por último. comentários bíblicos). Interpretação e Aplicação (OIA). parábola. Precisamos de três elementos básicos para construir uma ponte: dois pilares que sustentam uma via. 210) 1) Abismo Geográfico: os eventos que a Bíblia descreve ocorreram há milhares de quilômetros do Brasil. a menos que sejamos extremamente cautelosos. poética. etc. B) O significado original. Essas etapas são muito interligadas. pronomes. A estrutura (as divisões principais do texto). 2) Abismo Temporal: o último livro bíblico.” (John Stott.SP 76 . preposições. bíblias em outras versões e. interesses e convicções. textual amplo). Interpretação: A via Ocupe-se com 3 questões básicas: 1) Qual é o assunto (tema) principal do texto? 2) Por que o autor bíblico tratou desse tema? 3) Como ele estruturou seu texto? Ao fazer a Observação. (contexto histórico).. comparação de idéias. etc. Nossos óculos têm lentes culturais.] quando nós vamos ler a Bíblia chegamos com nossa própria agenda. bíblias de estudo. 4) Abismo Circunstancial: os eventos bíblicos ocorreram em circunstâncias específicas da vida de seus interlocutores. Lembre-se de utilizar recursos bibliográficos (dicionários. preocupações.). Observação: O pilar do “lá e então” 5) Olhe: A forma literária (narrativa.. acabamos impondo-os ao texto bíblico. naturalmente você caminhará para a Interpretação.. há três etapas necessárias para se realizar um bom estudo bíblico: Observação. [. p. etc. O contexto (histórico. 3) Abismo Lingüístico: nenhum livro da Bíblia foi escrito em português. todos nós lemos a Bíblia de maneira diferente.) 6) Pergunte: faça 6 perguntas ao texto: Quem? Onde? Quando? O quê? Como? Por quê? 7) Anote: repetições de palavras. Ao interpretar busque: A) O significado natural (literal).Como preparar um sermão expositivo Fase 1: Estudo pessoal (igual para o EBI e para a Exposição) Reconhecendo abismos e construindo pontes: “. Apocalipse.. C) O significado coerente (contexto textual imediato e textual amplo). textual imediato. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .900 anos. Da mesma forma. 5) Abismo Cultural: os personagens bíblicos tinham práticas e costumes diferentes dos nossos. nossos preconceitos. e. conjunções. discursiva. Ouça o Mundo”. “Ouça o Espírito. contrastes (coisas ou idéias opostas).

um EBI é composto basicamente por Observação. Interpretação e Aplicação (OIA). C) Algo para pedir a Deus. pois isso facilitará a compreensão do ouvinte do sermão.Aplicação: O pilar do “aqui e agora” “Conduzir as pessoas à Bíblia significa mostrar que a Bíblia responde às suas perguntas. para fins didáticos. Ilustração do que aprendemos (I). Aplicação e Ilustração (OIAI). como posso tornar-me a pessoa ou obter o caráter que me permite fazer o que é certo? [ser] 3) A que causas devemos dedicar a energia de nossa vida? Ou seja. Após meditar nos pontos principais do texto. Assim. e a Bíblia as responde: 1) O que devo fazer? Ou seja. D) Algo para corrigir (individual ou coletivamente). IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 77 . É muito importante também acrescentarmos a Ilustração (I) na exposição. que objetivos devemos buscar? [ir] 4) Como distinguir entre a verdade e o erro? Ou seja. Fase 2: Estruturando o sermão expositivo Do “OIAI” ao “EIA” A segunda fase na preparação de um EBI é montar um roteiro de perguntas que leve os participantes do estudo a percorrerem o mesmo caminho que percorremos em nosso estudo pessoal (fase 1). adicionamos ao EBI algum elemento que ilustre o ensino (tirinha. “OIAI” se transforma em “EIA”. qual é o meu dever? [fazer] 2) Quem eu devo ser? Ou seja. p. mas em nosso discurso.). citação. e Aplicação do ensino na vida dos ouvintes (A). B) Algum motivo de louvor. Podemos utilizá-lo ou não dependendo da parte do texto a ser discutida (no caso do EBI) ou explicada (no caso da exposição). Ao fazermos um sermão expositivo. no entanto. as perguntas precisam ser de Observação. Interpretação. precisamos percorrer a fase 1 (OIA) não por perguntas. Assim. Os éticos há muito organizaram as perguntas morais feitas pelas pessoas em quatro categorias. como obter discernimento? *saber+” (Dan Doriani. As pessoas fazem essas quatro perguntas essenciais. Os elementos básicos de uma exposição são: Explicação do que observamos e interpretamos (OI=E). Nesta apostila do IPL 2013 você verá alguns exemplos de EBI e Exposição Bíblica. letra de música. Geralmente. “A Verdade na Prática”. 115-116). busque especificamente: A) Algo para crer. nem na exposição. Por isso. etc. No EBI: Observação Interpretação Aplicação Ilustração Na exposição: Explicação Ilustração Aplicação OBS: O elemento Ilustração não é indispensável nem no EBI.

Quando pregamos. Embora a mensagem seja mais importante que o mensageiro. em seu favor.” (Bryan Chapell. nos colocamos como mediadores entre a Bíblia e nossos ouvintes. Ethos – o caráter percebido do orador. 26). existe o seguinte caminho entre a Bíblia e o ouvinte: BÍBLIA → Ethos → (Quem somos) Pathos → (Como pregamos) Logos → (O que pregamos) OUVINTE O exemplo de Paulo em Tessalônica: “Porque o nosso evangelho não chegou a vocês somente em palavra [logos]. mas também em poder. Ponto 1: EIA Ponto 2: EIA Ponto 3: EIA Comentários de improviso Conclusão do sermão Oração final Total: Duração aproximada 1 minuto 2 minutos 1 minuto 3 minutos 6 minutos 6 minutos 6 minutos 2 minutos 2 minutos 1 minuto 30 minutos Nº.SP 78 . Portanto. Pathos e Ethos) “Na retórica clássica três elementos compõem cada mensagem persuasiva:    Logos – o conteúdo verbal da mensagem incluindo sua arte e lógica. p. determinado mais significativamente pelo interesse expresso pelo bem-estar dos ouvintes. no Espírito Santo e em plena convicção [pathos]. de páginas 1/3 1 1/3 1 2 2 2 1 1 1/3 11 Exercício: Elabore o esboço de um sermão expositivo a partir de Marcos 10:46-52 Fase 3: Pregando seu Sermão Os três elementos de retórica (Logos. Pregação Cristocêntrica.Sugestão de divisões e proporções em um sermão expositivo de 30 minutos Componentes do Sermão Saudação e anúncio do texto Leitura do texto Oração inicial Introdução do sermão (contexto histórico e/ou sistemático). fervor e sentimento.” (I Tessalonicenses 1:5) O exemplo de Esdras em Jerusalém: “Pois Esdras tinha decidido dedicar-se a estudar [OIA] a Lei do Senhor e a praticá-la [ethos]. o caráter do mensageiro interfere diretamente na recepção da mensagem por parte do ouvinte.” (Esdras 7:10) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . que o orador transmite e os ouvintes experimentam. Vocês sabem como procedemos [ethos] entre vocês. Pathos – os traços emotivos da mensagem incluindo a paixão. e a ensinar [pathos + logos] os seus decretos e mandamentos e decretos aos israelitas. Aristóteles acreditava que o ethos era o componente mais poderoso da persuasão.

CHAPELL. São Paulo. Cultura Cristã. 1998. Bolívia. Vida Nova. Jorge. 2003. SILVA. A Bíblia que Jesus Lia. Dan.SP 79 . Goiânia. Mundo Cristão. San Pedro. 2007. Ouça o Espírito. Cultura Cristã. A Bíblia: o livro para hoje. São Paulo. Ouça o Mundo. Bryan. Editorial Lampara. Hélio de Oliveira. VAN DER MEER. Antonia Leonora. ABU Editora. Seminário Presbiteriano Brasil Central. STOTT. 2007. Modelo de Predicador.Exercício: Identifique o elemento ethos nos seguintes textos bíblicos: I Tessalonicenses 2:7-12:_______________________________________________________ II Tessalonicenses 3:7-10:_______________________________________________________ I Timóteo 4:11-16:_____________________________________________________________ II Timóteo 2:15-16:_____________________________________________________________ Tito 2:7-8:____________________________________________________________________ Tiago 3:13:___________________________________________________________________ BIBLIOGRAFIA/LEITURAS RECOMENDADAS: ATIENCIA. 1997. O Estudo Bíblico Indutivo. Editora Sepal. Jesús. ABU Editora. O Perfil do Pregador. FEE Gordon e STUART Douglas. 2007. John. Philip. São Paulo. Entendes o que lês?. A Verdade na Prática. ___________. São Paulo. São Paulo. ___________. Maravilhosa Bíblia. São Paulo. DORIANI. Eugene. 2008. Pregação Cristocêntrica. Editora Vida. 2010. 1999. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . São Paulo. 1993. YANCEY. Apostila: Curso Básico de Exposição Bíblica. ABU Editora. PETERSON.

É crer em certas coisas bem definidas a seu respeito. revela a importância da questão”. como. O foro de discussões mudou radicalmente. pois só assim o cristianismo continuará a ser uma opção viva para toda e qualquer localidade.SP 1 80 . A crença em Deus acha-se inseparavelmente associada a crenças sobre Deus”. e não nas salas de seminário das universidades. tais como o enigma do sofrimento humano ou as dificuldades encontradas para provar a real existência de Deus. (página 10) “É nesse ponto que se torna possível discernir uma séria debilidade em determinados raciocínios apologéticos. a lanchonete das universidades e o shopping center local constituem os novos palcos de debates nos quais as declarações de verdade por parte do cristianismo são julgadas e testadas. adorá-lo ou confiar-se à ele. uma apresentação e defesa de suas reivindicações de verdade e importância no grande mercado das ideias. tanto na substância quanto na forma. (página 12) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . é uma apologia da fé cristã . resultando em um empobrecimento qualitativo da apologética cristã. lida com crenças. o imenso potencial teológico das doutrinas cristãs da criação e da redenção foi muito pouco explorado. Para citar apenas um exemplo. É no mercado das ideias. sobretudo nas salas de seminário de 3 velhas universidades. No entanto. A fé cristã não lida apenas com sentimentos ou emoções. o sofrimento. publicado pela Editora Vida. A apologética tradicional parece muitas vezes radicada em um mundo moribundo. nem tudo está bem. Todavia. adoração e confiança nele.Construindo pontes: “engenharia” da Verdade Reinaldo Percinoto Jr Trechos do livro “Apologética cristã no século XXI: ciência e arte com integridade”. assegurando assim que a fé permaneça arraigada na mente e no coração. e não apenas por sua racionalidade intrínseca. Acreditava-se que as estratégias apologéticas não dependiam de tempo ou lugar ”. elas já não ocorrem no âmbito das universidades e dos livros-texto. em inglês. uma série de problemas locais exige respostas. rigorosamente fundamentada nas doutrinas da criação e da redenção. por exemplo. As questões locais nos obrigam a desenvolver uma apologética de sabor local. onde a racionalidade era vista como critério máximo de justificação . um mundo em que as reivindicações de verdade do cristianismo eram testadas. “O que é apologética cristã? Em seu sentido primordial. (…) A idéia de “ponto de contato”. em 2008. (…) A apologética tradicional tem um histórico honrado dentro da tradição cristã. O cristianismo deve se distinguir por sua relevância para a vida. negligenciando os recursos filosóficos à sua disposição. Ela tem servido bem á igreja ao longo dos séculos e continuará a servi-la no futuro. a imprensa nacional. (…)O objetivo da apologética consiste em conferir integridade e profundidade intelectuais à evangelização. de Alister McGrath. O estúdio de televisão. (página 11) “A situação de fato mudou. Ela sempre se lançou firmemente em meio às grandes disputas intelectuais que cada época tem apresentado como obstáculos à fé em Deus. como isso deve ser feito? A apologética tradicional sempre se apoiou no elogio à 2 racionalidade das declarações cristãs quanto á verdade . as quais fundamentam e justificam esse amor. Frequentemente. continuem na ordem do dia nessa nova geração. (página 09) “O objetivo principal da apologética cristã é criar um clima intelectual e imaginativo que conduza ao nascimento e ao cultivo da fé em toda a sua plenitude e riqueza. tais raciocínios parecem depender do senso comum ou da tradição filosófica ocidental. O título original do livro. é “Bridge-building”. Hoje. Muito embora as grandes questões globais. que o cristianismo deve pelejar por sua vida. Crer em Jesus Cristo não significa apenas amá-lo.

geralmente o fazem por motivos que escapam totalmente à teia de interesses da apologética tradicional. fazendo as ligações necessárias. São parte de uma matriz mais ampla de argumentos. nossa responsabilidade consiste em construir sobre esses fundamentos.Acima de tudo. para que possa desafiá-las.13. as teorias não passam de teorias. se isso não se fizer acompanhar de um sério esforço para descobrir por que tanta gente a considera tão pouco atraente. atitudes e valores. 'Construindo pontes” implica a existência de uma lacuna. uma vez que exige a um só tempo o domínio da tradição cristã. Existe uma relutância em ouvir aqueles que se acham fora da comunidade da fé. para entender (ouvindo deles) por que não se juntam a nós. os cristãos se veem tachados de alienados. Estes ficarão permanentemente isolados. a cabe ao apologista fazer as relações com a vida das pessoas. seu objetivo é conquistar pessoas.SP 81 . por sua vez. É inócuo enaltecer o apelo que tem a fé cristã. inconsciente ou deliberadamente. A natureza e a localização dessas lacunas variam de cultura para cultura e de um indivíduo para outro. encantado. Sem essa ponte. bem como os expedientes a elas associados. para que o contato seja estabelecido. a menos que a lacuna seja interligada por uma ponte. 15. e tudo isso de tal forma que o público possa se beneficiar dele. nada são além de idéias abstratas suspensas no ar sem nenhuma fundamentação na realidade da vida. de um abismo entre os dois lados de uma garganta. É preciso identificar tais razões. (pág. temos de aceitá-lo em toda a sua plenitude. O apologista eficaz é aquele que ouve antes de falar e que despende todo o esforço necessário para vincular os recursos de tradição apologética cristã tanto ás necessidades do indivíduo quanto á sua capacidade de lidar com argumentos e imagens. Aqueles que ainda não descobriram o cristianismo e os que o rejeitam. Portanto. assim como as localizações e os tipos das pontes a serem construídas. devemos nos conscientizar de que a apologética é mais do que um louvor à atratividade cerebral oferecida pelo cristianismo. do mundo atual. em aceitar um conjunto de valores que se opõem ao da cultura dominante. moldam sua atitude em relação à fé e instilam nelas 5 preconceitos . nos oferece uma chave do método aqui utilizado. Deixar de considerá-las ou de avaliá-las resultará em uma apologética truncada. incapaz de satisfazer a seriedade que o desafio atual à fé nos coloca. Elas afetam as pessoas. A cultura sempre joga seu peso contra o evangelho. A apologética clássica sempre tratou o cristianismo simplesmente como um conjunto de ideias. outsiders culturais. Quase sempre. mas os resultados justificam o investimento nesse tipo de rigor intelectual e preocupação pastoral”. de carne e osso. Em certo sentido. O apologista cristão descobrirá. os quais. Tais pressões existem de fato. O IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Que razões seriam essas? A História sempre conspira contra o cristianismo ao apontar para ligações passadas inaceitáveis entre a igreja cristã e situações de opressão política ou social. (pág. A arte da apologética eficaz é trabalhosa.14) “A apologética é um recurso. produzem um clima cumulativo hostil à fé. (…) Feitas as contas. a apologética tradicional buscou tecer elogios ao cristianismo 4 sem nunca questionar por que tanta gente não é cristã . Por conseguinte. defrontando-se com uma série de barreiras intelectuais que podem ser neutralizadas ou até mesmo sobrepujadas. Isso pode resultar na formação de uma contracultura cristã. quase sempre. coletivamente. É trabalho árduo. Não se trata de “argumentos” no sentido de questões justificadas racionalmente em sua contraposição á fé cristã. Um desafio exige uma defesa. que Deus já lançou os fundamentos dessas pontes no mundo e no coração humano. concluímos que a apologética não tem que ver com a vitória de alguma argumentação sobre outra.16) “O título deste livro evoca uma imagem que. Ser cristão consiste. uma apologia”. A apologética cristã eficaz é aquela que tem como objetivo localizar os pontos onde se dá a separação entre o evangelho e os indivíduos e as comunidades do mundo todo. deixando implícito que ser cristão não é algo que se possa considerar aceitável. por meio de argumentos aos quais não devem faltar sensatez. pressões desse tipo não são de natureza intelectual. e que identifica os melhores pontos para a construção de pontes. a capacidade de ouvir sem preconceitos e a disposição de fazer o esforço necessário para expressar idéias nesse nível. gente que não pertence ao mesmo ambiente de seus companheiros.

. portanto. portanto. Pela generosa graça divina. estimulando as pessoas a formularem perguntas sobre o significado da vida ou sobre a realidade de Deus. entre o reino da criação decaída e o da redimida. E talvez se sinta incapaz de fazer algo a respeito. contudo. Continuamos a ser criaturas de Deus. Contudo. Ponto de contato é um ponto de apoio dado por Deus para a auto revelação divina. mesmo em nossa condição decaída. A criação estabelece uma potencialidade frustrada pelo pecado. Esses pontos de contato não estão ali por acaso. a mágoa e a dor dessa frustração persistem em nossa experiência.“ponto de contato” é um desses tais fundamentos”. constituir motivo de espanto o fato de que podemos discernir “sinais de transcendência” (Peter Berger) na vida humana.” (página 20) “Antes de seguirmos adiante. o pecado do homem se encaixa nisso? A doutrina cristã da redenção afirma que a natureza humana. se essa criação carregasse um testemunho dele? Ou que o ponto alto da sua criação. o protótipo e o que hoje existe. É precisamente essa percepção de insatisfação que está por trás da ideia de um ponto de contato. Podem. o evangelho cristão é IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . não é a natureza humana que Deus planejou. (…) Aí reside a essência da dialética entre a doutrina da criação e a da doutrina da redenção. foi-nos deixada uma memória latente de Deus capaz de nos quebrantar para. então. o ser humano. Todavia. por causa do nosso pecado. contudo. mesmo que não saiba que nome dar a essa coisa. Se já existe algum ponto de contato. Embora exista uma ruptura entre o ideal e o empírico. eles são pontos de partida para esse objetivo.. devemos esclarecer um sério equívoco em relação à natureza e função desses pontos de contato. incluindo o cristianismo. mais do que isso.” (págs. a memória dessa conexão permanece viva. a apologética não precisa estabelecer os fundamentos do conhecimento cristão de Deus. meios adequados para atrair pessoas só Reino de Deus. apontar para a existência de um ser supremo criados e benevolente. sua presença tornou-se como que um sonho. que ele é capaz de explicá-los e. entre o ideal e o real. sobre as quais repousa a apologética cristã eficaz: existe uma relação com Deus. em si mesmos. Fomos criados para a presença de Deus. Cabe ao apologista mostrar que o evangelho cristão é coerente com esses pontos. quando muito. ela pode se valer do ponto de partida dado por Deus no âmbito da própria natureza da ordem criada. Os pontos de contato não são. Por meio da graça de Deus. não são suficientes.” (página 21) “De certa forma. Tampouco são adequados em si mesmos para atrair as pessoas especificamente à fé cristã. 21 e 22) “De que modo. A ligação com o “Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Pedro 1:3) é algo ainda por fazer. então. Isso nos obriga a demarcar uma linha divisória muito clara entre a natureza humana original e a decaída.) (…) Não deve. que foi rompida. De proporcionar tudo o que prometem. Seria alguma surpresa. (página 19) “O primeiro grande insight encontrado pelo leitor das Escrituras é que Deus criou o mundo. juntamente com a insinuação de sua restauração por meio da salvação. e uma espera por Deus em nosso interior ainda insatisfeita. (…) A consciência dessa percepção de vazio ressoa por toda a cultura secular.SP 82 . (…) Grande parte das pessoas reconhece que falta algo em sua vida. a criação é capaz de apontar para seu criador. mas não destruída. A imagem de Deus em nós acha-se desfigurada. Eles existem para serem usados. os pontos de contato criam um clima de receptividade ao teísmo. É um catalisador. nos religar a ele em toda sua plenitude. como a vemos e entendemos hoje. O testemunho de Deus em sua criação pode agir como uma espécie de gatilho. trouxesse consigo a marca de sua natureza? E que essa marca tivesse um valor considerável como ponto de partida para a apologética?(. transformando esses indícios em realidade. mas não um substituto da revelação divina.

HIS (February. suficiente para nos comover a ponto de nos sentirmos desejosos de recobrá-la em sua totalidade.15. 13 e 16) 3 Há alguns comentários importantes sobre as limitações da racionalidade em Francis Schaeffer. no caso. Sproul (Minneapolis/. por sua misericórdia. Deus. “Why I’m not a Christian”. 1986). que pode ser restaurada. que nos falta algo. e assim preparar o caminho para sua reparação.” (páginas 22. e não àquilo para o que ela aponta. (…) As doutrinas da criação e da redenção combinam-se e interpretam esse sentimento de insatisfação e falta de realização como perda da comunhão com Deus. portanto.” (página 31) 1 O termo grego é usado nesse sentido em 1 Pedro 3. 123-5.capaz de interpretar essa ânsia. por meio da graça divina. Tal conhecimento. Triology (Leicester: Inter-Varsity Press. C. contudo.7-10. Apologética é ali definida como “defesa racional da religião cristã (v.” (página 25) “'O verdadeiro conhecimento de Deus' (Calvino) só pode ser decorrência da revelação. providenciou antecipações e pistas de tal conhecimento salvador no mundo. de R. que não aponta para si mesma. porém. devotando a ela nossa adoração. um estímulo. Bethany. começamos a nos perguntar se esse vazio espiritual pode ser preenchido de algum modo. porque trata de algo que podemos ver e sentir. 5 Uma pesquisa recente entre estudantes mostrou que as duas principais razões para rejeição do cristianismos são: “os cristãos são hipócritas” e “os cristãos são muito exclusivistas”. p. esse sentimento de insatisfação como uma consciência da ausência de Deus. Classical Apologetics: a rational defense on the christian faith and a critique os presupositional apologetics (Grand Rapids: Zondervan. é a percepção ou a consciência da presença passada de Deus e a atual debilidade dessa presença. O apóstolo convida aqui seus leitores a apresentar uma defesa racional da esperança em têm em cristo. 1990). mas sim para uma direção ou sentido. 1974). Sproul. No momento em que nos damos conta de nossa finitude. um aperitivo daquilo que está por vir. Robert M. É como uma alavanca. C. se seguirmos na direção indicada pela placa. Essa placa chama nossa atenção. mas. IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Why are there atheists?. para o seu Criador. anunciado na criação e manifesto em sua substância plena e gloriosa na Bíblia e em Jesus Cristo. o excelente estudo de R. revelando-nos também a insuficiência e a pobreza daquilo que agora possuímos.SP 83 . chegaremos ao conhecimento verdadeiro do Deus vivo. Se não formos além da placa no poste. p. O conhecimento natural de Deus realiza plenamente seu propósito no momento em que sugere tanto a necessidade quanto a possibilidade de um conhecimento mais completo de Deus do que aquele insinuado pela ordem natural. 4 Uma exceção notável é If is a God. 1984). 23 e 24) “O ponto de contato. Nenhuma dessas duas razões é de origem “acadêmica” ou “intelectual”. p.” (página 24) “A criação é como uma placa de sinalização. Kachur. John Gerstner e Arthur Lindsey. sucumbiremos à religião da natureza. trai a si mesmo quando se deixa perceber como um conhecimento completo em si mesmo. 2 V.

Poderá se basear nos diários pessoais de cada integrante do grupo e nas reuniões de avaliação diárias. encenações) e um compartilhar que inclui as experiências que você e seu grupo têm vivido na faculdade também irão ajudar. Cada um deve preparar um esboço do estudo ou da parte do programa em que é responsável e depois apresentar ao grupo para sugestões e feedbacks. Vocês devem entrar em contato com as pessoas responsáveis pela igreja ou local onde estarão na parte prática. . o relatório final a ser entregue. Se possível. tempo que terão. Cabe a ele(a) zelar pelo grupo. O ideal é que diariamente sejam feitas anotações sobre o dia: como foi. se responsabilizar pelo movimento de caixa (entradas e saídas – comprovadas.Orientações para a parte prática Antes de ir    Escolham um(a) coordenador(a) para o grupo. por recibos e notas fiscais) e elaborar o relatório de prestação de contas. profissionais?.. Compartilhem no grupo e intercedam uns pelos outros. secundaristas?. gastem tempo com as pessoas. Afirmar o que precisa ser afirmado. a programação.… Dividam as responsabilidades quanto aos estudos e/ou atividades a serem realizadas. encorajar a mudança naquilo que precisa ser aperfeiçoado.     Durante a parte prática  A primeira coisa a fazer é se apresentar à liderança da igreja ou projeto. o que dinamiza a reunião/atividade e facilita a assimilação.. Descubram o melhor horário dentro de sua programação e tentem prioriza-la. com a ajuda do restante da equipe. conhecem a ABU?). Procurem enturmar-se. pelas pessoas com quem vocês estão travando contato e pelos outros grupos da parte prática. Aproveitem esse tempo para interceder: uns pelos outros. Quanto ao conteúdo dos estudos e atividades que dirigirão. quantos universitários?. um(a) tesoureiro(a) e um(a) redator(a). desde que com o cuidado de adaptá-lo ao novo público-alvo. A partir dessas anotações elaborará. façam uma reunião diária de avaliação. O(a) redator(a) deve estar atento em suas anotações nessa reunião. É o responsável pelo grupo. vocês devem se aproveitar de sua experiência anterior em seu grupo local. servir.. participativas. Dica: um estudo ou programa pode ser elaborado e ministrado por duas ou três pessoas. Procurem desenvolver o saudável exercício de dar e receber feedback. 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . Já o tesoureiro deve elaborar o orçamento do grupo. medos. condução para ir e voltar. suas impressões. Coletem todas as informações que julgarem necessárias além daquelas que já estão na ficha do seu grupo: número de pessoas esperadas na(s) reunião(ões) e atividades. Demonstrem que estão ali para servir. como será a acomodação e alimentação. Sobre o coordenador: não é quem manda. pelo bom andamento das atividades e apoiar os outros membros da equipe em suas necessidades. perfil desses participantes (são líderes?. que dons procurará desenvolver. perspectivas. quando possível. Sobre o redator: cabe a essa pessoa registrar o que acontecerá durante a parte prática. sejam amigos e bons ouvintes. conversas significativas.SP    IPL 2013 | O Rei Servo 84 . Também podem utilizar algum conteúdo trabalhado durante o IPL. Na última reunião antes de ir para o local da parte prática cada um deve escrever suas expectativas: o que espera aprender. Apresentem o que vocês irão fazer e coloquem-se à disposição para ajudar no que for preciso. expectativas das pessoas responsáveis quanto à maneira pela qual vocês podem servir melhor. ansiedades. Uma boa dose de criatividade (dinâmicas interativas. idade?. Usem os seus diários pessoais nesse momento de compartilhar. ajudar. mas quem procura facilitar.

elaborem uma apresentação das experiências que o grupo teve aos demais participantes do IPL (inclua testemunhos e/ou apresente algumas fotos .   IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .      Esbanjem as suas capacidades de adaptação e improvisação quando forem necessárias: se o público-alvo for muito maior ou menor do que o esperado. Não deixem de anotar os endereços e outras informações relevantes (onde estuda. se o perfil dos participantes for diferente do imaginado.. o ideal é serem simples na apresentação. Sejam criativos. Por exemplo. O(a) redator(a) deve. Depois  No dia 29. retomem aquela folha onde escreveram suas expectativas. Usem e abusem do seu potencial. o que colocam como alvo para aprender e/ou amadurecer daqui em diante? Livros da ABU Ed. Deixem tudo em ordem e façam com aquele espírito de excelência! Não se esqueçam de expressarem sua gratidão a seus hospedeiros.. elaborar um relatório final a ser entregue à secretária de formação (nilsa@abub. ou quando retornarem (no momento “só sei que foi assim. e/ou comprem uma lembrancinha para aqueles que lhes acolheram.). Mas. apesar da euforia em repartir um bocado do que viveram. certifiquem-se de que não irão ultrapassar o tempo determinado. o tempo é curto. além de fazerem parte de nosso ministério de forma bastante estratégica. usem talentos manuais. Passem para eles: nome e endereço dos contatos na região (assessores. Usem bem essa ferramenta. mas profundos ao relatarem a experiência partilhada). Mostrem total disposição e empenhem-se em colaborar sempre. Não se esqueçam de passar esses contatos para os líderes da região. atenção. no momento “preparação”. portanto.SP 85 . Escolham alguém da equipe para ficar responsável pela literatura. Mas lembrem-se que toda divulgação será bem-vinda. Na última reunião de avaliação do grupo. principalmente daqueles que se mostrarem interessados em começar um grupo ou participar de um já existente.br).. hábitos e costumes.. algum estudo ou atividade extra requeridos ou qualquer outra situação inesperada. O planejamento prévio não é uma camisa-de-força. providenciando cópias para cada integrante do grupo.”). Correspondam-se com as pessoas com quem tiveram mais contato durante a parte prática.distribua o tempo entre os participantes do grupo – não é necessário ser algo muito complexo. vocabulário.org. com a ajuda do grupo. não deixem que seus hospedeiros façam tudo enquanto vocês apenas assistem.. A data limite para a entrega deste relatório é o dia 01 de março. O que foi atingido? O que foi frustrante e por quê? O que aprenderam? O que foi novo e abençoador? Diante dessa experiência. liderança regional) e as datas e locais dos próximos eventos regionais de treinamento. Lembrem-se dos líderes em potencial. Estejam atentos à cultura do local em que estiverem hospedados. são bons e baratos. Percebam “detalhes” como vestimentas.

e compartilhar seus planos e orar. um pelo outro. Evite decidir algo que não crê que faria diferença!) 12. daqui pra frente. Não deixe nada de fora! Passe um tempo refletindo sobre sua lista e orando. tomar um passo curto e pequeno. Sentar com uma outra pessoa.Avaliações Avaliação Pessoal Você precisará verificar: A grade horária do IPL | Todos os materiais e suas anotações| O seu caderno de notas e seu diário Faça agora um breve inventário do seguinte: 1. por meio de qual principio bíblico? 8. O que você esperava aconteceu? O que mudou? Que perspectiva adicional o Senhor lhe deu? Numa folha separada. naquilo que Ele falou? Depois disso. São atingíveis? (Não adianta decidir que vai ler a Bíblia por 4 horas por dia. Algo que toca no seu coração. talvez dois e depois desistiria. Quais passos práticos vou tomar. Como eu deveria responder/obedecer? 9. Identifique até 5 itens da lista que mais se destacaram durante suas reflexões e orações. É muito melhor. 14. que sabe que faria uma diferença. procure alguma pessoa com quem você possa compartilhar seus planos e a quem você possa pedir que ore por você e que o(a) acompanhe. Perguntas perturbadoras (Algumas das perguntas que ouviu em conversas ou estudos o perturbaram? Por quê?) 5. Responda às seguintes questões: 6. Exemplos e modelos (Que pessoas ou coisas lhe impressionaram? Por quê?) 3.  Quais são os livros da Bíblia que penso em estudar nesse ano?  Em quais áreas/temas percebo que devo me aprofundar nesse ano? IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos . O que Deus está dizendo a mim? 7. Faça isso agora. para que eu obedeça a Deus. Ele está chamando a minha atenção. estudos e ministério. avalie se esses passos práticos que você escreveu se adequam a esses critérios: 10. Sonhos que teve (Teve algum sonho interessante? O que o impressionou?) 4. Você faria por um dia. Quando você voltar. Dicas práticas para a continuidade desse processo de formação:  Escolha 2 datas nesse ano para estar a sós e avaliar sua vida. Anote-as e reserve-as em sua agenda. do que tomar um passo muito grande e cair!) 13. quando e como) 11. São mensuráveis? (Não adianta decidir que vai orar mais se não definir quanto. Dificuldades que enfrentou (Falta de pontualidade? Indisciplina? Falta de concentração? Por que as teve? Como as enfrentou?) Leia em sua apostila/diário quais eram suas expectativas no início do IPL. e outro.SP 86 . e depois tomar outro. anotar tudo que chama a sua atenção/que sente que Deus está falando ao seu coração. Conversas significativas (Quais foram? Sobre o que conversaram? Por que foram significativas?) 2. São significativos? (Tem de ser pessoal para você.

Avaliação da Parte Prática Dê sua nota seguindo o parâmetro: (1) Ruim (2) Satisfatório (3) Bom(4) Muito bom (5) Excelente Tópico A preparação antes de ir Nota Por quê? A organização As atividades realizadas O relacionamento entre a equipe e a igreja ou entidade servida Os relacionamentos entre os membros da equipe A contribuição ao IPL IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 87 .

SP 88 .Avaliação do evento Dê sua nota seguindo o parâmetro: (1) Ruim (2) Satisfatório (3) Bom(4) Muito bom (5) Excelente Tópico Impressão geral do local (foi apropriado para um IPL?) Louvor e Oração Nota Por quê? Grade Horária Os Quartos A Comida Informações recebidas antes do IPL Como foi a experiência do Silêncio Reflexivo? O que você achou das boasvindas da parte prática? Apostila do IPL Comentários: OFICINA (Dar nota de 1 a 5) Nome da oficina : Conteúdo Didática Relevância Nome da oficina: IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

SP 89 .PALESTRAS e tudo o mais (notas de 1 a 5) Culto de abertura do IPL Momento de oração .manhãs a EBI's 1 semana a EBI's 2 semana O evangelho do Serviço Consumismo e Estilo de Vida Simples Senhorio de Cristo: Cultura. Igreja e Sociedade Construindo pontes:“engenharia da Verdade” Conversas d’além mar Sarau cultural Palestras Paul Freston Noite ABUB Ecos do movimento Minha vocação Recepção da Parte Prática Refletindo sobre a experiência (avaliação pessoal) Comentários: Conteúdo Didática Material Relevância EXPOSIÇÕES (Notas de 1 a 5) Fernando Costa Natan de Castro Nilsa Oliveira Pablo Gomes Phil Rout Sarah Nigri Comentários: Conteúdo Relevância IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .

Como você resumiria o IPL em uma frase? O que mais te impactou no IPL? O que poderia ter sido melhor no IPL? Outros comentários (que não teve chance de comentar até agora!) IPL 2013 | O Rei Servo 13 de janeiro a 01 de fevereiro | Guarulhos .SP 90 .