You are on page 1of 72

Interfaces e transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados

2 – Conceitos de transmissão de dados

Responsável:

Data:

Versão

Rui Silva

1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008

1.3

Pág.:

1/72

Interfaces e transmissão de dados
2.1 Imperfeições do canal de transmissão

2.1 – Imperfeições do canal de transmissão

Responsável:

Data:

Versão

Rui Silva

1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008

1.3

Pág.:

2/72

Interfaces e transmissão de dados
Imperfeições do canal de transmissão
Sinal analógico e Sinal digital

•Contínuo ao longo do tempo •Ex: Sinal de Voz

Fig. 3.1

Pontos de descontinuidade

•Discreto no tempo •Mantém um nível constante durante um certo tempo até mudar abruptamente para outro nível constante

Fig. 3.2

•Ex: Representação binária (0s e 1s)

Responsável:

Data:

Versão

Rui Silva

1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008

1.3

Pág.:

3/72

Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Sistema de transmissão analógico Fonte de sinal analógica ou digital e Transmissão analógica do sinal Fig.3 Pág.: 4/72 . 3.3 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.

3.: 5/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Sistema de transmissão digital Fonte de sinal analógica ou digital – Transmissão digital do sinal Fig.4 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág.

Transmissão digital Utiliza repetidores •Repetidores recebem sinal •Extraem padrão de bits •Retransmitem padrão de bits Problema da atenuação é resolvida •Ruído não é amplificado Razões da escolha de transmissão digital Baixo custo da tecnologia Integridade dos dados mantida com repetidores Melhor utilização da capacidade das ligações com a multiplexagem Maior segurança e privacidade da informação Integração com o mundo dos computadores Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Sistema de transmissão analógico versus digital Considerações Transmissão analógica Poderão ser dados analógicos ou digitais Utiliza amplificadores para amplificar sinal Amplificadores também amplificam ruído •Significa que ?.: 6/72 ..3 Pág..

: 7/72 .3 Pág.1.1 Revisão Conceitos análise sinais 2.1 – Revisão de conceitos análise de sinais Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Interfaces e transmissão de dados 2.1.

: Ciclo de Repetição do sinal ao longo do tempo Fase: Posição relativa no tempo num único período do sinal Período (T) : tempo de repetição do sinal T= 1 [ s ] (3.: 8/72 . − ∞ < t < +∞ (3.3 Pág.2) •Caso contrário: é aperiódico Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. 3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Sinais Periódicos (revisão) Análise no domínio do tempo Ex: Parâmetros sinal sinusoidal s (t ) = A sin(2πft + φ ) Amplitude(V) Frequência(Hz) Fase (rad ou grau) Amplitude: Valor de pico do sinal ao longo do tempo Freq.5 s (t ) = s (t + T ).1) f •Sinal é periódico se: Fig.

6) λ= Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.4) ν = c = 3 ×108 [m × s −1 ] •Substituindo (3.3 Pág.1 Domínio Tempo Imperfeições do canal de transmissão Sinais Periódicos (revisão) Análise no domínio do tempo •Comprimento de onda: Distância entre dois pontos de fase correspondente a dois ciclos consecutivos λ Fig. 3.6 λ = νT [m] •Relação de λ com o período T: Em que ν é a velocidade de propagação do meio •No espaço Livre: (3.5) f ω = 2πf [rad × s −1 ] (3.3) (3.: 9/72 .1.1.1) em (3.3) : •Velocidade angular c [m] (3.4) em (3.Interfaces e transmissão de dados 2.3) e (3.

3 Pág.: 10/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Sinais Periódicos (revisão) Análise no domínio do tempo Efeito da variação de Amplitude. Frequência e fase Fig.7 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. 3.

3 de transmissão Sinais Periódicos (revisão) Análise no domínio da frequência •Análise de Fourier Sinais periódicos: s (t ) = s (t + T ).3 Pág. − ∞ < t < +∞ -> Transformada de Fourier -> Espectro contínuo Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.1.1. − ∞ < t < +∞ -> Série de Fourier -> Espectro discreto Sinais não periódicos: s (t ) ≠ s (t + T ).: 11/72 .Interfaces e transmissão de dados Domínio Frequência Imperfeições do canal2.

XIX.7) Em que f 0 é a frequência fundamental do sinal composto a0 é a componente DC ou o valor médio do sinal a0 = s (t ) Cálculo dos coeficientes de Fourier: 1 a0 = ∫ s (t )dt = s (t ) T 0 T 2 an = ∫ s (t ) cos nω 0tdt T 0 T 2 bn = ∫ s (t ) sin nω 0tdt T 0 Responsável: Data: Versão T (3...10) Pág.Interfaces e transmissão de dados Série de Fourier Imperfeições do canal de transmissão Série de Fourier Séc.9) (3... Fourier demonstrou que qualquer sinal periódico de frequência fundamental f0 pode ser representado por uma soma infinita de senos e co-senos de diversas frequências s (t ) = a0 + a1 cos ω 0t + a2 cos 2ω 0t + ....: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.8) (3.. + b1 sin ω 0t + b2 sin 2ω 0t + .3 12/72 . ⇔ s (t ) = a0 + ∑ an cos 2πnf 0t + ∑ bn sin 2πnf 0t n =1 n =1 ∞ ∞ (3.

3 Pág.8 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Representação de um sinal periódico composto no domínio do tempo Um sinal electromagnético real é composto por mais do que uma frequência s1 (t ) = sin (2πf 0t ) 3f0 é múltiplo inteiro de f0 1 s2 (t ) = sin[3(2πf 0t )] 3 1 s (t ) = s1 (t ) + s2 (t ) = sin (2πf 0t ) + sin[3(2πf 0t )] 3 Fig. 3.: 13/72 .

: Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.2 1. esta é chamada de frequência fundamental.3 14/72 . as amplitudes das componentes em 2 2 seriam representadas por an + bn ( ) nf 0 Pág. 3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Representação do sinal periódico no domínio da frequência Espectro de linha.8 0.Quando todas as componentes em frequência do sinal são múltiplos inteiros de uma componente.0 0. É a representação do módulo das amplitudes dos termos da série de Fourier Considerando o sinal s(t). Num sinal com termos em senos e co-senos. .6 0.9 4f0 5f0 f 1 com n o número da harmónica n Nota importante: Neste exemplo. representado pelos dois termos da série de Fourier: 1 s (t ) = sin (2πf 0t ) + sin[3(2πf 0t )] 3 Fundamental S ( f ) = bn 1.4 0.A 2ª componente do sinal é um múltiplo inteiro da 1ª componente (3f0).4 1. s (t ) não contém termos em co-senos.2 f0 2f0 3f0 3ª Harmónica . Módulo das amplitudes de cada termo da série Para onda quadrada a amplitude cai Fig.

10 v(V ) 1 Função Par: f (t ) = f ( −t ) Só tem termos em co-seno: b n =0 -2 -1 0 -1 1 2 3 t (s) Fig 3.Interfaces e transmissão de dados Análise de simetria Imperfeições do canal de transmissão Representação do sinal periódico no domínio da frequência Simplificação dos cálculos pela análise de simetria v(V ) 1 Função Ímpar: f (t ) = − f Só tem termos em seno: an ( −t ) =0 -2 -1 0 -1 1 2 3 t (s) Fig.11 Data: Versão Responsável: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág. 3.: 15/72 .

a amplitude é calculada pelo módulo dos coeficientes agrupados em senos 2 2 e co-senos: an + bn ( ) •Na fórmula complexa. a amplitude é calculada directamente pelo módulo do coeficiente c n s (t ) = cn = 1 T n = −∞ T 2 jnω 0t c e ∑n ∞ Uso da simetria para simplificação de cálculo de cn (3.11) cn = − jnω 0t s ( t ) e dt (3.: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 16/72 .12) ∫ T 2 2 s (t ) cos nω 0tdt (3.13) Para função par ∫ T 0 T 2 T 2 − cn = −2j s (t ) sin nω 0tdt (3.14) Para função ímpar ∫ T 0 Espectro de amplitude = c n = c(nf 0 ) Responsável: Data: Versão Pág.Interfaces e transmissão de dados Fórmula complexa Imperfeições do canal de transmissão Forma complexa ou exponencial da série de Fourier Facilita o cálculo da amplitude de cada componente em frequência •Na fórmula trigonométrica.

3.14 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. de modo que: A cos(ωt + φ ) A cos(ωt + φ ) = A Re[e j (ω t +φ ) ] =Re[Ae 0 j ( ω0t ) ⋅ e jφ ] (3.: 17/72 .15) Fig. 3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Forma complexa ou exponencial da série de Fourier Relação de cn com os coeficientes an e bn Ex: Consideremos o sinal sinusoidal: Ae ( jωt ±φ ) = A[cos(ωt + φ ) ± j sin(ωt + φ )] Eixo Imaginário A cos(ωt + φ ) Representado pelo fasor: f0 A ωt + φ Eixo Real Qualquer sinal sinusoidal pode ser representado pela parte real da exponencial complexa ou fasor.13 Fig.12 Amplitude A Fase A componente Real do sinal conduz a um espectro de linha unilateral ou de frequências positivas em amplitude e fase como se segue: φ f f0 f f0 Fig. 3.3 Pág.

3 18/72 .15) vem: A cos(ωt + φ ) = 1 z + z∗ 2 ( ) (3.15 φ Responsável: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.16) Agora o mesmo sinal é representado por um par de fasores complexos conjugados com metade da amplitude Amplitude Eixo Imaginário A j ω 0 t jφ A − jω 0 t − j φ (3.: f0 Fig.17) e e + e e 2 2 A 2 A 2 Fase f0 f A 2 A 2 f0 ωt + φ ωt + φ A cos(ωt + φ ) Eixo Real -f0 f0 -f0 φ f Data: Versão Pág. 3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Forma complexa ou exponencial da série de Fourier Relação de cn com os coeficientes an e bn A forma complexa da série de Fourier conduz-nos a um espectro bilateral e que envolve frequências negativas e positivas Relembrando que: Re[z ] = Então o sinal sinusoidal representado em (3.

.20) n =1 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Forma complexa ou exponencial da série de Fourier Relação de cn com os coeficientes an e bn •Componente DC do sinal (n=0) c(0) = 1 T T 2 ∫ s(t )dt = s(t ) T 2 De acordo com (3..3..8) c(0) = a(0) (3.19).3 Pág.18) − •As restantes componentes como uma soma de pares de fasores complexos conjugados (excepto c0 ) cn = 1 1 (an − jbn ). n = 1.3.2. cn = •Podemos reescrever a forma trigonométrica da série em função de ∞ an ⇔ an = 2cn 2 cn s (t ) = c0 + ∑ 2 cn cos(2πnf 0t + arg cn ) (3. n = 1.19) •Quando lidamos com sinais reais. e de acordo com a equação (3.2. logo 2 2 ∗ c n = c− n (3. e c− n = (an + jbn )..: 19/72 .

: f 20/72 .Interfaces e transmissão de dados Resumo Serie Fourier Imperfeições do canal de transmissão Série de Fourier . Transforma o espectro bilateral de frequências positivas e negativas em unilateral de frequências positivas s(t ) = c0 + ∑ 2 cn cos(2πnf 0t + arg cn ) n =1 Responsável: Data: Versão ∞ Amplitude A = 2 cn f0 Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Resumo Fórmula trigonométrica: Espectro unilateral com frequências positivas s (t ) = a0 + ∑ an cos 2πnf 0t + ∑ bn sin 2πnf 0t n =1 n =1 T ∞ ∞ Amplitude T A= (a f 2 n 2 + bn ) 1 a0 = ∫ s (t )dt = s (t ) T 0 T 2 an = ∫ s (t ) cos nω 0tdt T 0 T 2 2 bn = ∫ s (t ) sin nω 0tdt T 0 f0 Fórmula complexa: Espectro bilateral com frequências positivas e negativas Amplitude s (t ) = n = −∞ ∑c e n ∞ jnω 0t 1 cn = T ∫ s(t )e T 2 − jnω 0t dt c− n = an 2 -f0 cn = f0 an 2 f − Sinais reais.Relação da formula complexa com formula exponencial.3 Pág.

3..3 Pág.. ⎧1.21) Sinc(λ ) •Valor nulo para λ = ±1.±3 λ Fig..16 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.±2.: 21/72 .±3. λ = 0 Sinc(λ ) = ⎨ ⎩0. λ = ±1.±2.Interfaces e transmissão de dados A Função SINC Imperfeições do canal de transmissão A função sinc(λ ) Para análise de um pulso rectangular em frequência (representa a sua largura de banda) Sinc(λ ) = sin(πλ ) πλ (3.

n = 8.. n = 12.. 3.3 Pág. = 2. 3.12 cn = O espectro de amplitude é dado pelo módulo da função sinc: Aτ Sinc(nf 0τ ) T0 cn = Af 0τ Sincnf 0τ Assumindo um impulso com duty cicle cn = c(nf 0 ) = Af 0τ Sinc n 4 1 1 ⇔ f 0τ = Fig. 3.17 T0 2T0 t Desenvolvendo em série de Fourier de acordo com eq.18 T0 4 4 n n = 1.: 22/72 .. ou n = 4.. A função é 0 em 4 4 = τ Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1..Interfaces e transmissão de dados Análise em f de 1 trem de impulsos Imperfeições do canal de transmissão A função sinc(λ ) Análise de um trem de impulsos rectangular em frequência v(t) Envolvente A τ -2T0 -T0 − τ τ 2 2 0 Fig..

Interfaces e transmissão de dados
Imperfeições do canal de Transformada transmissão Fourier
Transformada de Fourier Representação de um sinal não periódico no domínio da frequência Sinal não periódico resulta num espectro contínuo de frequências
Par de transformadas de Fourier
+∞ − jωt s ( t ) e dt ∫ +∞

S ( jω ) = 1 s (t ) = 2π

(3.22)

−∞

Transformada de Fourier

−∞

jωt e ∫ S ( jω )dω (3.23)

Transformada inversa de Fourier

Responsável:

Data:

Versão

Rui Silva

1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008

1.3

Pág.:

23/72

Interfaces e transmissão de dados
Imperfeições do canal de transmissão Demos com Applets Java
Exercícios de aplicação
Verificação experimental do número de componentes em frequência necessários para reconstruir uma onda quadrada e um trem de impulsos. Utilização do “Applet Java”: Série de Fourier Sinais Periódicos Verificação experimental do espectro de frequências para sinais não periódicos e o efeito da componente DC do sinal no mesmo Utilização do “Applet Java”: Espectro de Frequências Sinais Aperiódicos

Responsável:

Data:

Versão

Rui Silva

1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008

1.3

Pág.:

24/72

Interfaces e transmissão de dados
2.1.2 Fontes de atenuação e distorção de sinal

3.1.2 – Fontes de atenuação e distorção do sinal

Responsável:

Data:

Versão

Rui Silva

1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008

1.3

Pág.:

25/72

que afectam o ritmo / débito binário (bit/s) máximo permitido pelo canal: •Largura de banda limitada do meio de transmissão •Atenuação do meio de transmissão – Relacionado com a distância. (implica > ou < energia do sinal a transmitir) •Ruído •Atrasos na propagação das diferentes componentes do sinal (Conduz à IIS) Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág.19 Principais limitações.: 26/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Propriedades básicas de um sistema de transmissão digital Principal função: Transferir sequências binárias de dados do emissor para o receptor Fig. 3.

3 Pág.20 Efeitos atenuação e distorção Conduzem a erros Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. 3.: 27/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Fontes de atenuação e distorção do Sinal Fig.

Interfaces e transmissão de dados 2.2.2.1.1 – Largura de banda limitada do meio de transmissão Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.1.1 LB Limitada do meio de Imperfeições do canal de transmissão transmissão 2.: 28/72 .3 Pág.

jhu. Uma onda quadrada pode ser decomposta numa série de Fourier: ∞ 1 0 1 0 1 s (t ) = A × ∑ sin (2πnf 0t ) Cuja L.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão Qualquer meio de transmissão comporta-se como um filtro passa-banda Isto limita o ritmo binário que pode ser atingido Suponhamos um sinal binário 1010.edu/~signals/phasorlecture2/indexphasorlect2. A energia do sinal está na sua maior parte nas primeiras componentes A amplitude de nf 0 é apenas n Se considerarmos apenas as primeiras componentes do sinal.21 1 . este aproxima-se da onda quadrada Ver exemplo: http://www. 3. É infinita n =1 n Fig.: 29/72 .htm Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág. em que a amplitude positiva representa o valor 1 e a amplitude negativa representa o valor 0.B.

B.3 30/72 .Interfaces e transmissão de dados Ritmo Binário Versus Largura de Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão banda •Relação entre Ritmo binário e Largura de banda Definição de largura de banda do sinal L.: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. absoluta e Fmin.22 Responsável: Data: Versão Pág.26) tb Fig. = B = f max − f min [ Hz ] (3.24) LB do sinal – B é teoricamente infinita LB do canal – Bt é finita e limitada Largura de banda absoluta do sinal: Diferença entre Fmáx. do sinal.B. Na onda quadrada é = ∞ Largura de banda efectiva (ou L. 3.25) tb = T0 2 1 0 1 0 1 = 2 f 0 [bs −1 ] (3.) do sinal: Banda onde se localiza a maior parte da energia do sinal é sempre << ∞ Ritmo binário – Nº de bits transmitidos por unidade de tempo Tempo de bit tb = 1 [ s ] 2 f0 Ritmo binário rb = (3.

3.B. = 4Mhz. máxima Bt de 4Mhz.B. ou seja a sequência de bits 10101 representada pelo sinal bipolar da figura 3. o ritmo binário máximo é de 2Mbps. ou Para um meio de transmissão com L.23 A sua L.: 31/72 .5μs Para f 0 = 1Mhz ⇔ tb = 2 f0 Para um sinal de 2 níveis com L.3 Pág.23 Este sinal apresenta 2 níveis de tensão: -A[v] representa 0 e +A[v] representa o 1 T0 = 1 f0 1 0 1 0 Se a frequência fundamental f 0 = 1MHz e considerarmos as 3 primeiras componentes como representativas do sinal: 1 1 s (t ) = sin 2π ×106 t + sin 2π × 3 ×106 t + sin 2π × 5 ×106 t 3 5 [( )] [( )] [( )] Fig.Interfaces e transmissão de dados Sinais binários Bit Rate Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão •Relação entre Ritmo binário e Largura de banda •Consideremos o pior cenário a transmitir.5μs Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. o ritmo binário máximo de um sinal de 2 níveis é de 2Mbps se considerarmos a 3ª e 5ª harmónicas como representativas do sinal Responsável: Data: Versão 1 1 r = = = 2 Mbps Então o ritmo binário é: b tb 0.B. = B = f max − f min = 4Mhz 1 = 0.

5μ s Para f 0 = 1Mhz ⇔ tb = 2 f0 Então o ritmo binário é: Fundamental 1 s2 (t ) = sin[3(2πf 0t )] 3 T0 = 1 f0 3º Termo T0 = 1 f0 rb = 1 1 = = 2 Mbps tb 0. A L.B.24 1 6 ⎤ + sin ⎡( 2π × 3 × 106 ) t ⎤ × s (t ) = sin ⎡ π t 2 10 ( ) ⎣ ⎦ 3 ⎣ ⎦ s1 (t ) = sin (2πf 0t ) A sua L.5μ s Note-se: O Período da Onda Quadrada é o período da frequência fundamental do sinal 1 s (t ) = s1 (t ) + s2 (t ) = sin (2πf 0t ) + sin[3(2πf 0t )] 3 Isto demonstra que para o mesmo ritmo binário. (B) do sinal diminui.3 Pág.B. a L.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão •Relação entre Ritmo binário e Largura de banda Mantendo a frequência fundamental f 0 = 1MHz e considerarmos apenas as 2 primeiras componentes do como representativas da onda quadrada: Fig. = B = f max − f min = 2Mhz 1 = 0.: 32/72 . 3.B. Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. de transmissão Bt necessária também diminui e depende do número de componentes do sinal a transmitir.

3 33/72 .28) Responsável: Data: Versão Pág. 3.25 Conduz a uma onda com M níveis que codificam uma mensagem com n bit por nível Para codificar n bits por nível.27) (3. necessito de 2 n níveis Ao conjunto de n bits agrupados por nível é designado por símbolo M = 2n (3.Interfaces e transmissão de dados Sinais multi-nivel Baud Rate Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão •Ritmo de sinalização (Baud rate ou Symbol Rate) É o número de vezes que um sinal muda de nível por unidade de tempo A mensagem pode ser codificada através de um sinal com vários níveis de amplitude Consideremos a seguinte sequência de bits a transmitir: 00011011 00 A Codificada da seguinte forma: 00 = A A 2 10 = − A 01 = A 11 = − 2 − A 2 01 Sinal M-ary t A 2 D 10 11 −A Fig.: n = log 2 M Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.

cada um representando n = log 2 M bits rb [baud ] (3.29) Ritmo de sinalização ou baud rate ou débito de transmissão de log 2 M símbolos rb = n log 2 M Ritmo de transmissão binário ou bit rate ou Débito de transmissão = [bps ] (3. R = rb (Bit rate = Baud Rate) Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão •Ritmo de sinalização (Baud rate ou Symbol Rate) D Período de variação do sinal (duração símbolo) Para o sinal quaternário da figura: A A 2 00 Símbolo 01 D = 2tb O Ritmo de sinalização é: A − 2 t D 10 11 R= r 1 1 = = b [baud ] D 2tb 2 R= −A Fig.: Nota: Para o caso particular de M = 2 .3 34/72 .26 Generalizando para 1 sinal de M níveis (M-Ary).30) binário D D Responsável: Data: Versão Pág. 3.

Interfaces e transmissão de dados Eficiência do canal Imperfeições do canal de transmissão Largura de banda limitada do meio de transmissão •Eficiência em largura de banda do canal •Relaciona o Ritmo binário de transmissão com a largura de banda do canal rb 1 η= = [bpsHz −1 ] B tb B (3.: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. Menor custo no receptor •Maior custo de transmissão Responsável: Data: Versão Pág.33) •Maior eficiência: •Mais elevado terá que ser o desempenho do receptor. Maior custo no receptor •Menor custo de transmissão •Menor eficiência: •Receptor de menor desempenho.3 35/72 .

3 Pág.: 36/72 .2 – Atenuação do sinal no meio de transmissão Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.1.Interfaces e transmissão de dados 2.2 Atenuação do meio de Imperfeições do canal de transmissão transmissão 2.2.1.2.

35) Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.34) P1 A P 2 Receptor P1 Potência à entrada da linha de transmissão (à saída do emissor) P 2 Potência à saída da linha de transmissão (entregue ao receptor) Atenuação do sinal ao longo de várias secções diferentes da linha de transmissão P1 Secção1 Secção2 Secção3 P 2 A1 A2 A3 Atenuação total: At [dB ] = A1[dB ] + A2 [dB ] + A3 [dB ] (3.3 Pág.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Atenuação do sinal ao longo da linha de transmissão Emissor P1 P2 A = −10 log10 [dB ] (3.: 37/72 .

1.2.Interfaces e transmissão de dados 2.3 – Ruído Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág.1.: 38/72 .2.3 Ruido Imperfeições do canal de transmissão 2.

3 Pág.: 39/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Ruído •Ruído térmico •Ruído de intermodulação Divisão do ruído em 4 categorias •Diafonia (crosstalk) •Ruído impulsivo Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.

36) N 0 =Densidade espectral de potência do ruído Como é independente da frequência.3 Pág. Boltzmann T = Temperatura oK B = Largura de Banda Data: Versão N [dBw] = −228. (B) N = KTB[W ] Ou em dB (3. pode se generalizado para qualquer L.B.37) N = Potência do ruído K = 1.38) Responsável: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.B.6dBw + 10 log(T ) + 10 log( B ) (3.3803 × 10 −23 J / oK Ct.: 40/72 . De 1 Hz Ruído Térmico N 0 = KT [WHz −1 ] (3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Ruído Ruído Térmico •Intrínseco dos condutores (devido à agitação térmica dos electrões no condutor) •Uniformemente distribuído ao longo do espectro em frequência •Também referido como ruído branco •Devido a estes factores é impossível de eliminar Densidade espectral de potência do ruído ao longo de 1 condutor para uma L.

: 41/72 .Interfaces e transmissão de dados Intermodulação Imperfeições do canal de transmissão Ruído Ruído de Intermodulação •Quando sinais de diferentes frequências partilham o mesmo meio de transmissão •Devido à mistura de sinais (meio de transmissão não linear) •A mistura de dois sinais de frequências f1 e f 2 resulta sempre em componentes que são a soma e diferença das suas frequênciasf + f e f − f que vão interferir com o 1 2 1 2 próprio sinal •As não linearidades do meio de transmissão surgem normalmente devido a problemas de funcionamento nos componentes electrónicos.3 Pág. ou devido à potência excessiva do sinal Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.

ω 2 (t ) = α 3 A12 A2 cos( 2ω1 + ω 2 )t + α 3 A12 A2 cos( 2ω1 − ω 2 )t 4 4 Fig.3 Pág.ω 2 (t ) =α 2 A1 A2 cos(ω 1 + ω 2 )t + α 2 A1 A2 cos(ω 1 − ω 2 )t Componentes em 2ω1 − ω 2 3 3 y2ω 1.30 3 3 y 2ω 2.São os chamados Produtos de intermodulação de 3ª Ordem Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.ω 1 (t ) = α 3 A12 A2 cos( 2ω 2 + ω1 )t + α 3 A12 A2 cos( 2ω 2 − ω 1 )t 4 4 •Se a distância entre ω1 e ω 2 fôr pequena as componentes 2ω1 − ω 2 e 2ω 2 − ω1 aparecem na vizinhança de ω1 e ω 2 •Estas componentes resultam do factor multiplicativo α 3 .29 Componentes em 2ω 2 − ω1 Fig. 3. 3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Ruído Ruído Intermodulação •Quando sinais de diferentes frequências partilham o mesmo meio de transmissão •Meio transmissão não linear apresenta à saída: Se x(t ) = A1 cos ω1t + A2 cos ω 2 t y (t ) = α 1 x (t ) + α 2 x 2 (t ) + α 3 x 3 (t ) Então yω 1.: 42/72 .

: 43/72 .FEXT •Menos gravoso •O maior efeito é o eco E =C−D Fig.Interfaces e transmissão de dados Diafonia Imperfeições do canal de transmissão Ruído Diafonia (crosstalk) •Acoplamento indesejado entre os caminhos Tx e Rx do sinal + C = A+ B Near End Cross Talk .31 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.NEXT •Ocorre na terminação local Far end Cross Talk .3 Pág. 3.

etc. é muito difícil de prever ou modelar.5s corrompe metade dos dados -> 1200 bits •Afecta mais as comunicações de dados digitais. Para as comunicações de voz analógicas apenas causa o efeito da audição de pequenos “clicks” •Felizmente não é muito frequente Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Ruído impulsivo Ruído Ruído impulsivo •Ruído não contínuo constituído por impulsos irregulares de ruído de curta duração •Impulsos de energia eléctrica associados a actividades externas ao sistema de transmissão. relés dos antigos comutadores telefónicos. um pico de ruído com a duração de 0.: 44/72 . •Ao contrário dos outros tipos de ruído.3 Pág.Para uma linha de 2400bps. •Ex: Descargas eléctricas (trovoadas). •Corrompe grandes quantidades de dados digitais.

3 Pág.: 45/72 .Interfaces e transmissão de dados Relação sinal ruído Imperfeições do canal de transmissão Ruído Relação sinal / ruído S Potência _ Sinal = N Potência _ Ruído ⎛ Potência _ Sinal ⎞ S ⎟ [dB ] = 10 log⎜ ⎜ ⎟ (3.39) N Potência _ Ruído ⎝ ⎠ Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.

então: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. Eb S B Eb S / rb S = = (3. o ritmo de transmissão rb = 0 0 b rb tb Em função da L.então E = S . Eb Relação entre a energia por bit e a densidade espectral de potência do ruído N0 Com Eb = Stb e S :Potência do sinal em W tb :Tempo de bit em s N = N 0 B Potência do ruído presente na Largura de Banda B. 3.41) N0 Responsável: Data: Versão . mais conveniente que S/N para determinação de taxas de transmissão de dados e taxas de erros.19.Interfaces e transmissão de dados Energia de bit Dens.B.: 46/72 .6[dBw] N0 KT rb KT 0 b ⎛S⎞ Eb ⎟ [dB] = 10 log⎜ − 10 log(KT ) = 10 log(S ) − 10 log(rb ) − 10 log( K ) − 10 log(T ) ⎜ ⎟ N0 ⎝ rb ⎠ Eb [dB] = S[dBw] − 10 log(rb ) + 228.6[dBw] − 10 log(T ) (3.40b) = −228. 1 .Como N = KT e N = N B Pela eq.40a) ou: N = N r (3.3 Pág. Espectral Ruído Imperfeições do canal de transmissão Ruído •Para sinais digitais existe uma outra relação.

3 Pág.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Ruído •Taxa de erros de bit BER (Bit Error Rate) Aferidores de qualidade dum sistema digital Aferidores de qualidade do sistema do comunicações digital BER = Ne N = e N t rb Δt (3.: 47/72 . G.957 da ITU-T especifica máscaras para diagramas de olho de diferentes sistemas de comunicação por fibra óptica Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.42) Probabilidade de erro de bit • N e = número de bits errados contados no intervalo Δt • N t = número total de bits contados no intervalo Δt •Valores da ordem dos 10–9 a 10-12 para sistemas de comunicação por fibra óptica •Diagrama de Olho •Indicador da qualidade de desempenho do sistema •Rec.

quanto maior o ritmo de transmissão. maior a destruição dos dados devido ao ruído •Shannon verificou que a capacidade do canal depende da sua relação sinal ruído S C = B log 2 (1 + )[bps ] (3.Interfaces e transmissão de dados Lei de Shannon Imperfeições do canal de transmissão Ruído Capacidade do canal de Shannon-Hartley •Como verificado.43) N Valor absoluto e não em dB S Potência _ Sinal = N Potência _ Ruído ⎛ Potência _ Sinal ⎞ S ⎟ [dB ] = 10 log⎜ ⎜ ⎟ (3.somente para S < 3 é que é mais restritiva que a de Nyquist C ≤ 2 B N Responsável: Data: Versão Pág.44) N _ Potência Ruído ⎝ ⎠ •Esta lei apenas tem em linha de conta o ruído branco. •Esta lei apenas impõe um limite máximo teórico •Para sinais binários. Na prática a capacidade do canal é menor que a indicada por Shannon.: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 48/72 .

(ex: taxa de erros de 10 −4 = 1 bit errado em 10 4 bits recebidos) Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. de forma a obter um taxa de erros de bit mínima (BER) •A taxa de erros de bit não é mais do que probabilidade de ocorrência de 1 bit errado relativamente ao número de bits recebidos. quanto maior o nível do sinal.B. aumentando o ruído de intermodulação •Aumentando a L.B.. maior as não linearidades do sistema.3 Pág. aumenta também o ruído branco introduzido no sistema. Logo S/N desce •É importante na prática determinar o nível mínimo de sinal a usar relativamente ao nível do ruído. “aparenta” que basta aumentar a L. •No entanto.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Ruído Considerações sobre a Lei de Shannon-Hartley •A lei de Shannon apenas define o limite máximo teórico da capacidade do canal •Para aumentar a capacidade do canal. ou o nível do sinal.: 49/72 .

1.4 transmissão 2.4 – Distorção e Interferência Inter Simbólica Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.2.Interfaces e transmissão de dados Distorção e IIS Imperfeições do canal de2.2.3 Pág.: 50/72 .1.

x(t).46) Propriedade atraso no tempo Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. td (3.Interfaces e transmissão de dados Análise no transmissão domínio do tempo e frequência Imperfeições do canal de Distorção do sinal Análise no domínio do tempo e frequência Canal não distorcivo Fig. diz-se que a saída y(t). não está distorcida se ela diferir da entrada somente através da multiplicação de uma constante K e de um atraso finito.45) ( Com K e td constantes ) •Aplicando a TF. um sistema não distorcivo é caracterizado na frequência pela função de transferência: (3.3 Pág. 3.: 51/72 .32 x(t) Canal de transmissão não distorcivo y(t) •Dado um sinal na entrada.

H(f) deve observar as condições anteriores só na banda de frequências em que o sinal de entrada tem conteúdo espectral significativo Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.No caso de atraso nulo.: 52/72 .Interfaces e transmissão de dados Canal não distorcivo Imperfeições do canal de transmissão Distorção do sinal Análise no domínio do tempo e frequência Canal não distorcivo •Um sistema para não introduzir distorção deve apresentar uma função de transferência com amplitude constante e fase com uma variação linear em função da frequência (m é um número inteiro) •NOTAS: . a fase deve ser constante e valer .3 Pág.

33 x(t) Canal de transmissão distorcivo y(t) •Distorção de amplitude ocorre quando: .: 53/72 .Quando o módulo da função de transferência varia com a frequência . 3.Quando a fase da FT não varia linearmente com a frequência Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág.Interfaces e transmissão de dados Canal distorcivo Imperfeições do canal de transmissão Distorção do sinal Análise no domínio do tempo e frequência Canal distorcivo Fig.O tipo mais habitual de distorção de amplitude é a atenuação elevada ou ganho elevado nas frequências elevadas ou baixas do espectro do sinal •Distorção de fase ocorre quando: .

3 Pág.47) Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.: 54/72 .Interfaces e transmissão de dados Atraso de grupo Imperfeições do canal de transmissão Distorção do sinal Análise no domínio do tempo e frequência Canal distorcivo Atraso de grupo •É definido pela dependência do atraso na frequência (3.

34 A largura do pulso indica-nos o tempo de resposta do filtro (rapidez com que a saída segue a entrada) Para sinais digitais.3 Pág.Interfaces e transmissão de dados Inter Simbólica Imperfeições do canalInterferência de transmissão Interferência inter simbólica Considerando sistema linear O pulso sofre invariavelmente um espalhamento no tempo h(t ) é a resposta impulsiva do filtro Fig. conduz à interferência inter simbólica (IIS) Fig.: 55/72 .35 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. 3. 3.

36 Ht ( f ) hE (t ) No receptor: r (t ) = Hc ( f ) com hE (t )= h(t ) ∗ hT (t ) ∗ hC (t ) ∗ hR (t ) (3. Estamos perante IIS Responsável: Data: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.48) ∑ a h (t − nT ) n E n Os pulsos transmitidos dependem da resposta total do sistema e aparecem no receptor como a soma dos pulsos na entrada (fig 3. mas também pela soma das componentes adjacentes do pulso transmitido (somatório em n ≠ 0 ) . Banda Base Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica Sistema de transmissão digital em banda base ⎛t⎞ e(t ) = ∑ an h(t − nT ) com h(t ) = Π⎜ ⎟ ⎝T ⎠ n Hr ( f ) a −a 0 T 2T 3T 4T T ⎧1 . t ≤ ⎛t ⎞ ⎪ 2 Π⎜ ⎟ = ⎨ T ⎝T ⎠ ⎪ ⎩ 0. t > 2 1 T − 2 T 0 2 t Fig.35) Assumindo que o receptor amostra o sinal em t=0: r (0) = a0 hE (0) + ∑ a h (− nT ) n≠0 n E Versão O sinal vem multiplicado pelo valor de hE em t = 0 .3 Pág.Interfaces e transmissão de dados Sistema de Com.: 56/72 . 3.

Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica SEM IIS Fig.: 57/72 .37 COM IIS Formas de impulso isolado Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág. 3.

Encontrar uma resposta impulsiva cuja função anule o somatório. Os termos sejam nulos em nT . a sua resposta no domínio da frequência é dada por: Fig.3 58/72 .: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. t = ±1T .. .±3T .. no domínio do tempo. t = 0 Sinc(2 Bt ) = ⎨ ⎩0.O filtro com a resposta de H e ( f ) é impossível de realizar na prática Responsável: Data: −B +B Versão Pág.38 He ( f ) 1 ⎛ f ⎞ 1/ 2B he (t ) = SINC (2 Bt ) → H e ( f ) = ℑ[he (t )] = ∏⎜ ⎟ 2B ⎝ 2B ⎠ . 3.Para que o sistema de transmissão apresente a resposta da função sinc.±2T .A função SINC sin(2πBt ) 2πBt ⎧1.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica Como resolver o problema da IIS ? r (t ) = ∑ an hE (t − nT ) ⇔ r (0) = a0 hE (0) + n ∑ a h (− nT ) n≠0 n E 1º Método de Nyquist (1928) Sinc(2 Bt ) = .

com a sua capacidade (C) ou ritmo binário.49) Sinais com 2 níveis (binários) Sinais com M níveis (M-ários) C = 2 B log 2 M Com: [bit/s ] (3.3 Pág. de modo a que a IIS seja nula C = 2B [bit/s] (3.Interfaces e transmissão de dados Capacidade do canal Nyquist Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica •Nyquist formulou uma equação que relaciona a largura de banda (B) de um canal sem ruído .: 59/72 .49) C Capacidade de débito ou transmissão em bit/s do canal B Largura de banda de transmissão do canal M Nº de níveis que representam o sinal Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. Capacidade máxima teórica de um canal sem ruído.

5 f1 f0 B Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. relativamente ao anterior É o filtro cuja F. mas é mais aproximado da realidade física e pode ser implementado na prática .T.3 Pág. f < f1 ⎧1 ⎪ ⎡π ( f − f1 )⎤ ⎫ ⎪1 ⎧ ⎪ ⎪ H e ( f ) = ⎨ ⎨1 + cos ⎢ ⎥ ⎬ .Também apresenta zero ISI. f >B ⎩ − B − f 0 − f1 Fig.39 fΔ fΔ 1 0 . 3.: 60/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Filtro co-seno elevado Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica Filtro de Nyquist (do tipo co-seno elevado) . É: . f1 < f < B (3.49) 2 2 Δ f ⎣ ⎦⎪ ⎪ ⎪ ⎭ ⎩ ⎪0 .Requer largura de banda adicional.

50 e 3.Frequência correspondente à queda de 6dB de ganho tensão B .B. 3.5 − B − f 0 − f1 Fig.: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.B.52.Frequência onde se inicia atenuação do filtro fΔ fΔ 1 r 0 .51) Pelas eq. r +1 afectada pelo factor: r + 1 2B C= log 2 M [bit/s] Responsável: Data: Versão r +1 Pág.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica Considerações sobre o filtro de Nyquist f 0 . pela eq. 3.26.40 f1 f0 B f Δ . rb = 2 f 0 B − f0 B B f1 = f 0 − f Δ (3.Inclinação (Factor de amortecimento ou rolloff) Capacidade do canal neste caso f Δ = B − f 0 (3. 3.Largura de Banda absoluta do filtro (canal) f1 .50) Considerando sinais binários.52) 2B f0 C= [bit/s] (3. Absoluta (B) e o ponto de –6dB (f0) r . r = = −1 ⇔ f0 = f0 f0 r +1 fΔ r= (3.Diferença entre o ponto de L.3 61/72 .53) A capacidade decresce para a mesma L.

3.41 hE (t ) Domínio de t HR( f ) = HE ( f ) H ( f )HT ( f )H c ( f ) (3. 3. e sendo normalmente conhecidos os filtros de transmissão H T ( f ) .42 Responsável: Data: Versão Pág.48 ao domínio de f) Domínio de f HE( f ) Fig. e do canal H C ( f ) (através do envio de sequências de treino). Facilmente se chega ao filtro de recepção (passando a eq.: Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.54) Também chamado filtro de equalização Fig.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Interferência inter simbólica Filtro de Nyquist com diversos valores de r .Sabendo a característica equivalente do canal H E ( f ) que minimiza a ISI.3 62/72 . 3.

43 Tb Com ISI ISI vai provocar o fecho vertical do olho Ideal Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.: 63/72 . 3.3 Pág.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Diagrama de Olho Análise no domínio do tempo Diagrama de olho Construção do diagrama de olho •Se considerarmos o sinal distorcido mas sem ruído da figura e o visualizarmos num osciloscópio com o sincronismo e base de tempo apropriados. obtemos uma sobreposição dos intervalos sucessivos de cada símbolo. Diagrama de olho Fig.

3 Pág.46 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.44 Não linearidades do sistema de transmissão criam assimetrias no diagrama de olho Fig.45 Falhas de sincronismo e jitter temporal provocam fecho horizontal no diagrama de olho Fig. 3. 3. 3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Outras aplicações do diagrama de olho Fig.: 64/72 .

47 Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.: 65/72 .3 Pág. maior a imunidade ao ruído O instante ideal de amostragem é o ponto que corresponde à máxima abertura vertical Quanto menor a abertura horizontal. maior sensibilidade a erros de sincronismo Assimetrias no olho indicam não linearidades no canal Fig.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Análise no domínio do tempo Diagrama de olho . 3.propriedades ISI vai provocar o fecho vertical do olho e reduzir a margem de ruído Quanto maior a abertura vertical.

1.1.3 do canal de transmissão 2.: 66/72 .Interfaces e transmissão de dados Atrasos de propagação e transmissão Imperfeições2.3 – Atrasos de transmissão e propagação Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág.

ε = 1 Para o espaço livre ε ≥ 1 Para outros meios •Atraso de propagação do sinal desde o início até ao final do meio de transmissão d tp = [ s ] (3.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Atraso de propagação Atraso de propagação do canal •Velocidades de propagação do sinal no meio de transmissão vp = C ε (3.3 67/72 .56) vp d = Comprimento (distância) do meio de transmissão em metro v p Velocidade de propagação no meio de transmissão em m/s v p = 2 ×108 ms −1 Num cabo v p = 3 × 108 ms −1 No espaço livre Responsável: Data: Versão Pág.: Valores típicos de v p Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.55) C = Velocidade da luz no espaço livre = 3x108 ε = Constante dieléctrica do meio.

Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Atraso de transmissão Tempo de transmissão de um bloco de dados para a linha •Tempo que o computador demora a colocar L bits de dados na linha de transmissão Tx = L [s] R (3.: 68/72 .3 Pág.58) a = 1 Ambos os atrasos têm igual efeito a < 1 Atraso de transmissão dominante Produto atraso x Largura de Banda: = tp x R Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.57) L = Número de bits a transmitir R =Ritmo binário de transmissão do canal (em bps) Atraso de propagação normalizado: a tp Tx a > 1 Atraso de propagação dominante a= (3.

: 69/72 .Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Demos com Applets Java Exercícios de aplicação Verificação experimental do atraso de propagação e transmissão Utilização do “Applet Java”: Demo Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág.

1.1 Revisão Análise de Sinais •Análise no domínio da frequência •Análise no domínio do tempo •Série e transformada de Fourier •Taxa de erros de bit e diagrama de olho •Lei de Shannon •Distorção e Interferência Inter Simbólica •Análise domínio tempo e frequência •Canal não distorcivo •Canal distorcivo •Atraso de grupo •1º Critério de Nyquist •Características co-seno elevado •Análise de IIS pelo diagrama de olho Resumo •3.: 70/72 .1.3 Atraso de propagação e transmissão •Velocidade e tempo de propagação •Tempo ou atraso de transmissão •Atraso de propagação normalizado Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.3 Pág. Limitada do meio de transmissão •Ritmo binário e Ritmo de transmissão de símbolos •Capacidade do canal de Nyquist •Ruído •Ruído térmico •Intermodulação •Diafonia •Ruído impulsivo •Relação sinal ruído •Potência. Energia e densidade espectral de potência Responsável: •3.2 Fontes de atenuação e distorção do sinal •L.B.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Resumo Capítulo 3 – Conceitos de transmissão de dados 3.1 Imperfeições do canal de transmissão •Introdução •3.1.

systems. II (Fundamentos Transmissão de dados) Tanembaum – Computer Networks 4rd Edition (Cap. III (Interferência Inter Simbólica) Leon Garcia – Communication Networks.Cap. Computer Networks and Open Systems 4th Edition Cap.3 Pág. Camada Física ) Bertsekas – Data Networks 2nd Edition (Cap. III (Códigos de linha.Interfaces e transmissão de dados Imperfeições do canal de transmissão Referências Stallings – Data and Computer communications Cap.: 71/72 . Caracterização do canal) Halsall –Data Communications. Cap. II. Detecção de erros. II. IP and the Internet Cap. II (Transmissão de dados) Couch – Analog and digital comm. Camada Física e canais de transmissão ) Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1. II (Interface Eléctrica) Martin Clark – Data Networks.

3 Pág.Interfaces e transmissão de dados FIM Responsável: Data: Versão Rui Silva 1ª Ano 2º Semestre 2007 / 2008 1.: 72/72 .