You are on page 1of 11

INTRODUÇÃO

Uma carga elétrica dentro de uma região aonde existe um campo magnético sofre a ação de uma força magnética produzida pelo campo externo. Está força age sobre uma carga Q movendo-se com uma velocidade , então a expressão geral é dada pelo produto vetorial abaixo, (1) Partindo da expressão acima podemos obter a força magnética que age sobre um fio que conduz uma corrente, aonde teremos um comprimento L para o fio e uma corrente na presença de um campo magnético . (2) O L representa o vetor orientado ao longo do fio que tem a mesma direção da corrente. Nesta prática usaremos o fato que o fio será perpendicular ao vetor do campo magnético, teremos então (3)

PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO 1: Verificação da relação entre os vetores B, L e F.
Primeiro com a fonte desligada, a espira de 50mm é fixada na ponta da balança e os cabos flexíveis são conectadas para depois ajustar a balança na ausência de corrente elétrica. Os cabos (vermelho e azul) são ligado de forma que o vetor L esteja entrando no papel. Inicialmente, o imã é colocado na direção Norte-Sul, de forma que as linhas de campo estão sobre a página, sempre na direção horizontal, de maneira que o campo está orientado da esquerda para a direita. Em seguida a fonte de tenção foi zerada para depois ligar ela girando o botão da corrente até marcar 3.0A, no momento em que ligamos a passagem de corrente pelo fio, foi observado que houver um deslocamento da espira para baixo, mostrando que a força exercida pelo campo estava orientada para baixo. Figura 4.1(a) O próximo passo foi inverter a posição do imã de forma que ficasse na posição Sul-Norte, mas antes a fonte foi desligada para que não houvesse nenhum contra tempo, quando ligamos a fonte até 3.0A nota-se que o campo passa a orienta-se da direita para esquerda e a corrente circulando no sentido de dentro do papel, verificando que a força exercida pelo campo está orientada para cima neste caso, Figura 4.1(b). Desligando novamente a fonte e agora mudando os cabos (vermelho e azul) para que o vetor L esteja saindo do papel, então liga-se a fonte e observasse que a espira se deslocou para baixo, verificando assim que a força magnética estava orientada para baixo, Figura 4.1(c). Depois desligando a fonte de novo invertendo o imã para o sentido Norte-Sul, para depois ligar a fonte até 3.0A mostrou que a força magnética neste caso estava orientada para cima, Figura 4.1(d). As representações dos vetores estão mostrada na Figura 4.1.

PROCEDIMENTO 2: Força magnética em função da corrente elétrica.
Com a fonte desligada e remontando o arranjo de acordo com o procedimento 1, com os cabos (vermelho e azul) nas posições inicias. Com a espira de 50mm e a fonte desligada, foi medido a força correspondente, F(gf) com a ajuda da balança. Ligando a fonte fazendo a corrente variar de 0 a 4,0A de acordo com a Tabela 4.1, onde foram anotados os resultados para os valores da força resultante sobre a espira.

Tabela 4.1. Representação experimental para L = 50mm. I(A)
[F(gf) – Fo] x 9,81 0,0 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0

36,86 37,21 37,46 37,54 37,80 37,86 38,02 38,29

0,0 0,35 0,60 0,68 0,94 1,00 1,06 1,33

0,0 3,43 5,89 6,67 9,22 9,81 10,40 13,05

Desligando a fonte e dessa vez colocando a espira de 25mm na balança, foi medido a força correspondente F(gf) de acordo com a variação da corrente da tabela 4.2, os dados com as outras forças pode ser visto na Tabela 4.2.

Tabela 4.2. Representação experimental para L = 25mm. I(A)
[F(gf) – Fo] x 9,81

0,0 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0

30,73 30,94 31,02 31,10 31,18 31,29 31,38 31,45

0,0 0,21 0,29 0,37 0,45 0,56 0,65 0,72

0,0 2,06 2,84 3,63 4,41 5,49 6,37 7,06

Foi feito o mesmo procedimento da medição da força corresponde F(gf), agora para uma espira de 12,5mm, os dados pode ser visto na Tabela 4.3. Tabela 4.3. Representação experimental para L = 12,5mm. I(A)
[F(gf) – Fo] x 9,81

0,0 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0

31,74 31,86 31,89 31,95 31,97 32,02 32,05 32,09

0,0 0,12 0,15 0,21 0,23 0,28 0,31 0,35

0,0 1,18 1,47 2,06 2,25 2,74 3,04 3,43

Por último foi suspendido uma espira dupla de 50mm que equivale a uma espira de 100mm na balança e foi medido a força F(gf) correspondente de 39,14 gf e depois que foi ligada a fonte e girado o botão da corrente para 3,0A, a força correspondente foi de 40,60gF, com esses dados obtidos foi possível encontrar a Força Magnética (nM).

QUESTIONÁRIO
• Reproduza na figura da folha anexa os resultados experimentais anotados na Figura 4.1.

Quais os valores da Equação (1) que formam pares sempre ortogonais entre si? Quais os que não precisam ser sempre ortogonais? Sol: Os vetores e sempre formam pares ortogonais entre si, pois formado pelo produto vetorial de e portanto ortogonal a é normal ao plano

Os que não precisam ser ortogonais entre si são o , pois eles podem estar orientados na mesma direção.

Represente, na folha anexa, em um mesmo gráfico, F versus i, de acordo com as Tabelas 4.1, 4.2, 4.3.

Represente na folha anexa, em um gráfico separado, F versus L para i = 3,0A.

Se um elétron não sofre desvio ao atravessar em linha reta um certa região do espaço, podemos afirmar que não existe campo magnético nesse lugar? Sol: Não necessariamente, pois quando o elétron passa em uma região aonde exista um campo magnético a carga pode estar se movendo na mesma direção do campo, ou seja paralelamente, ocasionando assim F=0, e consequentemente a carga não sofre desvio.

Qual a intensidade do campo magnético do imã usado nesta prática? Sol: Para encontrar a intensidade do campo magnético usamos a equação (3) e pegamos a média registrada das espiras de L=12,5mm e espira L=50mm, respectivamente, teremos então

Para L=12,5mm

Para L=50mm

Teremos então que a intensidade da corrente vai variar de 66,8 mT até 74,5 mT.

A figura ao lado mostra uma espira retangular, parcialmente imersa em um campo magnético perpendicular ao plano da figura e apontando para dentro da mesma. Indique também a orientação da força magnética na parte horizontal inferior da espira.

Sol:

CONCLUSÃO
Foi possível concluir que se a direção da corrente estiver entrando em um plano, como campo magnético vai do norte para o sul então a força será para baixo e se a corrente tiver saindo do plano a força irá ser para cima. Com a ajuda de uma balança foi medido de forma clara a força magnética sobre um condutor em relação a vários valores de corrente como em relação a intensidade de um valor constante de corrente elétrica.

BIBLIOGRAFÍA
• FEYNMAN, Richard P.; Leighton, Robert B. e Sands, Matthew. Lectures on Physics, Vol II. Massachusetts: Addilson – Wesley Publishing Company, 1975. NUSSENZVEIG, H. Moysés. Curso de Física Básica. Vol. 3 – Eletricidade e Magnetismo. São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda, 1981. RESNICK, e HALLIDAY, D. Física – vol. 3, Rio de Janeiro: LTC, 1983. TIPLER, P. A. Física - vol 2. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1978. DIAS, Nildo Loiola. Roteiros de aulas práticas de física. Universidade Federal do Ceará, 2010.

• • •

OBJETIVOS

- Verificar a direção e o sentido da força magnética em função da orientação da corrente elétrica num condutor e da orientação do campo magnético - Medir a força magnética sobre um condutor em função da intensidade da corrente elétrica e em função do comprimento do mesmo para um valor constante da intensidade da corrente elétrica

MATERIAL

- Balança; - Fonte de Tensão; - Espiras Retangulares; - Cabos; - Base com haste; - Imã com terminais; - Conector distribuidor.