You are on page 1of 104

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO

/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES

Aula 10
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL

Olá amigos! Como é bom estar aqui!

É a nossa última aula. Espero de vocês animação e força de vontade nos estudos! Sei que não é fácil conciliar a vida cotidiana com a gama de matérias que se tem que estudar para um concurso. No final este sacrifício seu e de todos que estão a seu redor será muito recompensador. Todos nós já somos privilegiados simplesmente porque sabemos ler e porque temos objetivos na vida. E, por meio do estudo de cada aula, estamos subindo mais um degrau para alcançá-los.

“Estou agradecido. Primeiro porque nunca fui roubado antes. Segundo porque, apesar de terem levado minha carteira, eles não me tiraram a vida. Terceiro, porque, apesar de terem levado tudo, não perdi muita coisa. E, quarto, porque não fui eu quem roubei”. (Matthew Henr)

Estudaremos

nesta

aula

os

temas

relacionados

ao

Planejamento

Governamental: Lei 10.180/2001; Decreto 2.829/1998, Lei 11.653/2008 e Decreto 6.601/2008.

Novamente não se assustem com esta aula de 100 páginas. Na verdade, apenas 1/3 é de teoria e os outros 2/3 correspondem a uma bateria exaustiva de questões ESAF de temas desta aula e de mais um simulado de revisão de todo o curso.

www.pontodosconcursos.com.br

1

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 1. LEI 10.180/2001

1.1 Considerações iniciais

As atividades de planejamento e de orçamento federal, de administração financeira federal, de contabilidade federal e de controle interno do Poder Executivo Federal são organizadas por sistemas. Assim, a Lei 10.180/2001 trata da organização e disciplina os Sistemas de Planejamento e Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal.

1.2 Sistema de Planejamento e Orçamento Federal

1.2.1 Composição

O Sistema de Planejamento e Orçamento Federal compreende as atividades de elaboração, acompanhamento e avaliação de planos, programas e orçamentos, e de realização de estudos e pesquisas socioeconômicas. Integram o Sistema: • • o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, como órgão central; órgãos setoriais, que são as unidades de planejamento e orçamento dos Ministérios, da Advocacia-Geral da União, da Vice-Presidência e da Casa Civil da Presidência da República. O órgão setorial desempenha o papel de articulador no seu âmbito, atuando verticalmente no processo decisório e integrando os produtos gerados no nível subsetorial, coordenado pelas unidades. Ficam sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central do Sistema, sem prejuízo da subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiver integrado. Os órgãos integrantes da Presidência da República, ressalvados outros determinados em legislação específica, estão na área de atuação do órgão setorial da Casa Civil;

www.pontodosconcursos.com.br

2

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • órgãos específicos, que são aqueles vinculados ou subordinados ao órgão central do Sistema, cuja missão está voltada para as atividades de planejamento e orçamento. Também estão sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central, sem prejuízo da subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiver integrado.

As unidades de planejamento e orçamento das entidades vinculadas ou subordinadas aos Ministérios e órgãos setoriais ficam sujeitas à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central e também, no que couber, do respectivo órgão setorial. Por exemplo, a unidade de planejamento e orçamento da Universidade Federal de Juiz de Fora fica sujeita à orientação normativa e supervisão técnica do órgão central (MPOG) e, no que couber, do respectivo órgão setorial (Ministério da Educação).

A CF/1988 concede autonomia administrativa e financeira em alguns dos seus dispositivos, como no art. 99, quando determina que “ao Poder Judiciário é assegurada autonomia administrativa e financeira”. Da mesma forma, dispõe que essa autonomia não é irrestrita, como no § 1.º do artigo citado: “Os tribunais elaborarão suas propostas orçamentárias dentro dos limites estipulados conjuntamente com os demais Poderes na lei de diretrizes orçamentárias”. A Lei 10.180/2001, em seu art. 5.o, reforça que essa autonomia não é irrestrita, dispondo que: Art. 5.o Sem prejuízo das competências constitucionais e legais de outros Poderes, as unidades responsáveis pelos seus orçamentos ficam sujeitas à orientação normativa do órgão central do Sistema.

www.pontodosconcursos.com.br

3

visando a compatibilização de normas e tarefas afins aos diversos Sistemas.com. compatibilizando as propostas de todos os Poderes. o Distrito Federal e os Municípios.2. 2. CGU. metas e prioridades da Administração Pública Federal.º da referida Lei. com vistas a subsidiar o processo de alocação de recursos públicos. STN. quanto à eficácia e efetividade.3 Competências Trataremos agora das competências no Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. promover a articulação com os Estados. APO/MPOG. bem como de suas alterações. vamos à finalidade do Sistema.2 Finalidades Conhecida sua estrutura. 7.pontodosconcursos. distrital e municipal. Segundo o art. www. formular o plano plurianual. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 1. são finalidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal: • • • • • formular o planejamento estratégico nacional.º da Lei 10. compete às unidades responsáveis pelas atividades de PLANEJAMENTO: • • elaborar e supervisionar a execução de planos e programas nacionais e setoriais de desenvolvimento econômico e social. integrantes do projeto de lei de diretrizes orçamentárias. bem como avaliá-los. gerenciar o processo de planejamento e orçamento federal.br 4 . 1.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. SUSEP.180/2001. coordenar a elaboração dos projetos de lei do plano plurianual e o item. as diretrizes orçamentárias e os orçamentos anuais. Segundo o art. estadual. nos planos federal. setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social. • acompanhar física e financeiramente os planos e programas referidos nos itens acima. órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal com os objetivos governamentais e os recursos disponíveis.2. a política de gastos e a coordenação das ações do governo. formular planos nacionais.

consolidar e supervisionar a elaboração dos projetos da lei de diretrizes orçamentárias e da lei orçamentária da União. SUSEP. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • assegurar que as unidades administrativas responsáveis pela execução dos programas. para efeito deste item. acompanhar e avaliar a execução orçamentária e financeira. estabelecer políticas e diretrizes gerais para a atuação das empresas estatais. rotinas de acompanhamento e avaliação da sua Segundo o art. as quais são consideradas. 8. APO/MPOG. detenha a maioria do capital social com direito a voto. projetos e atividades da Administração Pública Federal mantenham programação. bem como prestar o apoio gerencial e institucional à sua implementação.com. • • realizar estudos e pesquisas socioeconômicas e análises de políticas públicas. harmonizando-os com o plano plurianual. • manter sistema de informações relacionado a indicadores econômicos e sociais. da seguridade social e de investimento das empresas estatais. as sociedades de economia mista.180/2001.br 5 . direta ou indiretamente. CGU. suas subsidiárias e controladas e demais empresas em que a União. assim como mecanismos para desenvolver previsões e informação estratégica sobre tendências e mudanças no âmbito nacional e internacional.º da Lei 10. STN. compete às unidades responsáveis pelas atividades de ORÇAMENTO: • coordenar. • estabelecer normas e procedimentos necessários à elaboração e à implementação dos orçamentos federais.pontodosconcursos.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. suas fontes de financiamento e sua articulação com os investimentos privados. sem prejuízo da competência atribuída a outros órgãos. • analisar e avaliar os investimentos estratégicos do Governo. compreendendo os orçamentos fiscal. • • realizar estudos e pesquisas concernentes ao desenvolvimento e ao aperfeiçoamento do processo orçamentário federal. www.

garantias e obrigações de responsabilidade do Tesouro Nacional e de orientação técnico-normativa referente à execução orçamentária e financeira. da Advocacia-Geral da União.com. elaborar a programação financeira do Tesouro Nacional. dentro dos limites da receita e despesa públicas. Os órgãos setoriais ficam sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central do Sistema.180/2001. propor medidas que objetivem a consolidação das informações orçamentárias das diversas esferas de governo. SUSEP. como órgão central. Integram o Sistema de Administração Financeira Federal a Secretaria do Tesouro Nacional.br 6 . Segundo o art. tendo em vista as necessidades de sua harmonização com o planejamento e o controle. gerenciar a Conta Única do Tesouro Nacional e subsidiar a formulação da política de financiamento da despesa pública. e os órgãos setoriais. APO/MPOG. • • gerir a dívida pública mobiliária federal e a dívida externa de responsabilidade do Tesouro Nacional. 12 da Lei 10.3 Sistema de Administração Financeira Federal O Sistema de Administração Financeira Federal visa ao equilíbrio financeiro do Governo Federal. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • • estabelecer classificações orçamentárias. STN. Compreende as atividades de programação financeira da União. da Vice-Presidência e da Casa Civil da Presidência da República. administrar os haveres financeiros e mobiliários do Tesouro Nacional. de administração de direitos e haveres. CGU. que são as unidades de programação financeira dos Ministérios.pontodosconcursos. controlar a dívida decorrente de operações de crédito de www. 1.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. sem prejuízo da subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiverem integrados. compete às unidades responsáveis pelas atividades do Sistema de Administração Financeira Federal: • • • zelar pelo equilíbrio financeiro do Tesouro Nacional.

• • • administrar as operações de crédito sob a responsabilidade do Tesouro Nacional. CGU.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. • promover a integração com os demais Poderes e esferas de governo em assuntos de administração e programação financeira. o Sistema de Contabilidade Federal tem por finalidade registrar os atos e fatos relacionados com a administração orçamentária.pontodosconcursos. financeira e patrimonial da União. APO/MPOG. Segundo o art. com vistas à elaboração de demonstrações contábeis. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES responsabilidade.180/2001. a sistematização e a padronização da execução da despesa pública. direta e indireta.com. www. financeira e patrimonial da União e evidenciar: • as operações realizadas pelos órgãos ou entidades governamentais e os seus efeitos sobre a estrutura do patrimônio da União. 15 da Lei 10. Tais representantes deverão ser. STN. preferencialmente. Compreende as atividades de registro.br 7 .4 Sistema de Contabilidade Federal O Sistema de Contabilidade Federal visa a evidenciar a situação orçamentária. manter controle dos compromissos que onerem. 1. do Tesouro Nacional. SUSEP. Subordinam-se tecnicamente à Secretaria do Tesouro Nacional os representantes do Tesouro Nacional nos conselhos fiscais. de tratamento e de controle das operações relativas à administração orçamentária. a União junto a entidades ou organismos internacionais. ou órgãos equivalentes das entidades da administração indireta. editar normas sobre a programação financeira e a execução orçamentária e financeira. financeira e patrimonial da União. bem como promover o acompanhamento. controladas direta ou indiretamente pela União. direta ou indiretamente. servidores integrantes da carreira de Finanças e Controle que não estejam em exercício nas áreas de controle interno no ministério ou órgão equivalente ao qual a entidade esteja vinculada.

pontodosconcursos. a renúncia de receitas de órgãos e entidades federais. administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados. www.com. • • • • a situação patrimonial do ente público e suas variações. as receitas prevista e arrecadada. sem prejuízo da subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiverem integrados O órgão de controle interno da Casa Civil exercerá também as atividades de órgão setorial contábil de todos os órgãos integrantes da Presidência da República. os custos dos programas e das unidades da Administração Pública Federal. Ficam sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central do Sistema.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. a situação de todos quantos. individualização e controle contábil. • perante a Fazenda Pública. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • os recursos dos orçamentos vigentes. como órgão central. CGU. de qualquer modo. a despesa empenhada. arrecadem receitas. que são as unidades de gestão interna dos Ministérios e da Advocacia-Geral da União. por unidade da Federação beneficiada. SUSEP.br 8 . além de outros determinados em legislação específica. a aplicação dos recursos da União. efetuem despesas. APO/MPOG. também. da Vice-Presidência da República. objeto de registro. As operações de que resultem débitos e créditos de natureza financeira não compreendidas na execução orçamentária serão. Integram o Sistema de Contabilidade Federal: • • a Secretaria do Tesouro Nacional. as alterações decorrentes de créditos adicionais. liquidada e paga à conta desses recursos e as respectivas disponibilidades. órgãos setoriais. STN.

financeira e patrimonial da União e gerar informações gerenciais necessárias à tomada de decisão e à supervisão ministerial. compete às unidades responsáveis pelas atividades do Sistema de Contabilidade Federal: • • manter e aprimorar o Plano de Contas Único da União. • com base em apurações de atos e fatos inquinados de ilegais ou irregulares. 1. operacional e patrimonial. STN. com vistas à elaboração do Balanço do Setor Público Nacional. 18. consolidar os balanços da União. efetuar os registros pertinentes e adotar as providências necessárias à responsabilização do agente. • promover a integração com os demais Poderes e esferas de governo em assuntos de contabilidade. dos Estados. comunicando o fato à autoridade a quem o responsável esteja subordinado e ao órgão ou unidade do Sistema de Controle Interno. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES De acordo com o art.com. SUSEP. financeira e patrimonial nos órgãos e nas entidades da Administração Pública Federal. por intermédio da fiscalização contábil. extravio ou outra irregularidade que resulte dano ao erário. CGU. orçamentária. e a apoiar o controle externo no exercício de sua missão www. • realizar tomadas de contas dos ordenadores de despesa e demais responsáveis por bens e valores públicos e de todo aquele que der causa a perda.br 9 .5 Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal O Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal visa à avaliação da ação governamental e da gestão dos administradores públicos federais. do Distrito Federal e dos Municípios. • instituir. APO/MPOG.pontodosconcursos. manter e aprimorar sistemas de informação que permitam realizar a contabilização dos atos e fatos de gestão orçamentária. • • elaborar os Balanços Gerais da União.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. estabelecer normas e procedimentos para o adequado registro contábil dos atos e dos fatos da gestão orçamentária. financeira.

do Ministério da Defesa. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES institucional. www. Ficam sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central do Sistema. quanto à eficácia e eficiência. apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional. • • exercer o controle das operações de crédito.pontodosconcursos. financeira e patrimonial nos órgãos e nas entidades da Administração Pública Federal. da execução dos programas de governo e dos orçamentos da União e de avaliação da gestão dos administradores públicos federais. comprovar a legalidade e avaliar os resultados. Os órgãos central e setoriais podem subdividir-se em unidades setoriais e regionais. A área de atuação do órgão central do Sistema abrange todos os órgãos do Poder Executivo Federal. SUSEP.br 10 . que são aqueles de controle interno que integram a estrutura do Ministério das Relações Exteriores. sem prejuízo da subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiverem integrados. bem como dos direitos e haveres da União. CGU. Integram o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal: • • a Secretaria Federal de Controle Interno. como segmentos funcionais e espaciais. órgãos setoriais. excetuadas as áreas de atuação dos órgãos setoriais.com.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. como órgão central. além de outros determinados em legislação específica. da Advocacia-Geral da União e da Casa Civil. Compreende as atividades de avaliação do cumprimento das metas previstas no plano plurianual. bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado. STN. da gestão orçamentária. avais e garantias. respectivamente. utilizando como instrumentos a auditoria e a fiscalização. a execução dos programas de governo e dos orçamentos da União. O Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal tem as seguintes finalidades: • • avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual. APO/MPOG. O órgão de controle interno da Casa Civil tem como área de atuação todos os órgãos integrantes da Presidência da República e da Vice-Presidência da República.

quanto ao nível de execução das metas e objetivos estabelecidos e à qualidade do gerenciamento. garantias. apurar os atos ou fatos inquinados de ilegais ou irregulares. de pessoal e demais sistemas administrativos e operacionais. orçamentário. STN. quando for o caso. Compete aos órgãos e às unidades do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal: • • avaliar o cumprimento das metas estabelecidas no plano plurianual.180/2001 institui a Comissão de Coordenação de Controle Interno. fornecer informações sobre a situação físico-financeira dos projetos e das atividades constantes dos orçamentos da União.br 11 . inclusive ações descentralizadas realizadas à conta de recursos oriundos dos Orçamentos da União. direitos e haveres da União. realizar auditoria sobre a gestão dos recursos públicos federais sob a responsabilidade de órgãos e entidades públicos e privados. 23 da Lei 10.com. criar condições para o exercício do controle social sobre os programas contemplados com recursos oriundos dos orçamentos da União. praticados por agentes públicos ou privados. com o objetivo de promover a integração e homogeneizar entendimentos dos respectivos órgãos e unidades. nos termos da CF/1988. APO/MPOG. elaborar a Prestação de Contas Anual do Presidente da República a ser encaminhada ao Congresso Nacional. CGU. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES O art.pontodosconcursos. www. SUSEP. comunicar à unidade responsável pela contabilidade para as providências cabíveis. • • • • realizar auditorias nos sistemas contábil. avais. • • • • • avaliar a execução dos orçamentos da União.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. fiscalizar e avaliar a execução dos programas de governo. financeiro. na utilização de recursos públicos federais e. órgão colegiado de coordenação do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. exercer o controle das operações de crédito. avaliar o desempenho da auditoria interna das entidades da administração indireta federal.

DECRETO 2. fonte de financiamento. valor global.829/1998: NORMAS PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA E DA LOA O Decreto 2. Ainda. • • controle de prazos e custos. SUSEP. metas correspondentes aos bens e serviços necessários para atingir o objetivo.º do Decreto 2. deverá ser estruturada em Programas orientados para a consecução dos objetivos estratégicos definidos para o período do Plano. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 2. prazo de conclusão. os Programas constituídos predominantemente de Ações Continuadas deverão conter metas de qualidade e de produtividade.br 12 . APO/MPOG. Segundo o art. estabelece normas para a elaboração e execução do Plano Plurianual e dos Orçamentos da União. sistema informatizado de apoio ao gerenciamento. A partir do exercício financeiro do ano de 2000. toda ação finalística do Governo Federal.pontodosconcursos.829/1998.com. Foi um marco significativo para a Administração Pública. de 29 de outubro de 1998. para os planos e orçamentos seguintes. CGU.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. www. indicador que quantifique a situação que o programa tenha por fim modificar. 2. modelo de gerenciamento que compreenda: • definição da unidade responsável pelo gerenciamento. respeitados os conceitos a serem definidos em portaria do Ministério do Planejamento e Orçamento. ações não integrantes do Orçamento Geral da União necessárias à consecução do objetivo. que é aquela que proporciona bem ou serviço para atendimento direto a demandas da sociedade. 4. órgão responsável. cada Programa deverá conter: objetivo.829. mesmo quando o Programa for integrado por projetos ou atividades desenvolvidas por mais de um órgão ou unidade administrativa. Consoante o art. a serem atingidas em prazo definido. STN.° . será adotado. e regionalização das metas por Estado. em cada Programa.

quando couber. Segundo o art. para o período do Plano. APO/MPOG. a descentralização. para orientar a formulação e a seleção dos Programas que deverão integrar o Plano Plurianual e estimular a busca de parcerias e fontes alternativas de recursos. a integração com Estados e Municípios e a formação de parcerias com o setor privado. ainda. 9.829/1998 determina que a classificação funcional-programática deverá ser aperfeiçoada de modo a estimular a adoção. Os Programas serão formulados de modo a promover.com. www. os objetivos estratégicos e a previsão de recursos. a política de gastos públicos e a coordenação das ações de governo. serão estabelecidos previamente. tendo como referência os objetivos e as metas fixadas.º. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES A designação de profissional capacitado para atuar como gerente do Programa será feita pelo Ministro de Estado. evitar a dispersão e o desperdício de recursos públicos. CGU. O Decreto 2.pontodosconcursos. A avaliação física e financeira dos Programas e dos projetos e atividades que os constituem é inerente às responsabilidades da unidade responsável e tem por finalidade: • • • aferir o seu resultado. a que estiver vinculada a unidade responsável do Programa. SUSEP. subsidiar o processo de alocação de recursos públicos. que será realizada avaliação anual da consecução dos objetivos estratégicos do Governo Federal e do resultado dos Programas. Ressalta. ou pelo titular de órgão vinculado à Presidência da República. do uso do gerenciamento por Programas. o Decreto determina que as unidades responsáveis pela execução dos Programas manterão. Já para fins de gestão da qualidade.br 13 .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. sempre que possível. em todas as esferas de governo. para subsidiar a elaboração da LDO de cada exercício. STN. sistema de avaliação do grau de satisfação da sociedade quanto aos bens e serviços ofertados pelo Poder Público.

Além de estabelecer os objetivos e metas para um período de quatro anos. CGU. Esse papel é reforçado.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. APO/MPOG. o modelo de elaboração e gestão do Plano Plurianual deverá se orientar pelos seguintes princípios: • a convergência territorial como método de orientação da alocação dos investimentos com vistas a uma organização do território mais equilibrada. as diretrizes. LEI 11.br 14 . • a gestão estratégica dos projetos e programas considerados indutores www.1 Estrutura e organização do PPA Cabe ao Plano Plurianual estabelecer. visando otimizar os resultados da aplicação dos recursos públicos. visando a ampliação dos recursos para financiamento das ações de governo. • a integração de políticas e programas. Para tanto. o que confere ao PPA papel central no processo de planejamento do Governo Federal. criando condições para a melhoria contínua e mensurável da qualidade e produtividade dos bens e serviços públicos. ainda. • o monitoramento e a avaliação dos projetos e programas de Governo. de forma regionalizada. • o estabelecimento de parcerias com os Estados e com a iniciativa privada. que dá destaque à ação planejada de governo e à compatibilização dos orçamentos com a Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Plano Plurianual.com.653/2008: PPA 2008-2011 3.pontodosconcursos. o PPA 2008-2011 é também instrumento de organização da ação governamental visando melhorar o desempenho gerencial da Administração Pública e contribuir para a consecução das prioridades de governo. por meio da convergência territorial e da focalização em torno de público-alvo delimitado. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 3. STN. SUSEP. objetivos e metas da administração pública federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de duração continuada. 165 da Constituição de 1988. conforme disposto no art. pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

à avaliação ou ao controle dos programas finalísticos. APO/MPOG. Exemplo: Programa Apoio Administrativo. O PPA organiza a atuação governamental em Programas orientados para o alcance dos objetivos estratégicos definidos para o período do Plano. STN.653. a participação social na elaboração e gestão do Plano Plurianual como importante instrumento de interação entre o Estado e o cidadão para aperfeiçoamento das políticas públicas.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. de 7 de abril de 2008. nas leis orçamentárias anuais e nas leis que os modifiquem.pontodosconcursos. CGU. O programa é o instrumento de organização da atuação governamental que articula um conjunto de ações que concorrem para a concretização de um objetivo comum preestabelecido. mediante ampla divulgação dos gastos e dos resultados obtidos.br 15 . Os programas e ações do PPA serão observados nas leis de diretrizes orçamentárias. visando à solução de um problema ou ao atendimento de determinada necessidade ou demanda da sociedade. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES do • • desenvolvimento para assegurar o alcance dos resultados pretendidos. podendo ser composto inclusive por despesas de natureza tipicamente administrativas. à formulação de políticas setoriais. à coordenação. A Lei 11. mensurado por indicadores instituídos no plano. Anexo de Programas de Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais: são programas voltados aos serviços típicos de Estado. SUSEP. ao planejamento.com. Três anexos integram o Plano Plurianual: • Anexo de Programas Finalísticos: são os programas que resultam bens ou serviços ofertados diretamente à sociedade. cujos resultados sejam • passíveis de mensuração. Exemplo: Programa Brasil Universitário. a transparência na aplicação dos recursos públicos. www. institui e dispõe sobre o Plano Plurianual para o quadriênio 2008-2011. resultando em bens ou serviços ofertados ao próprio Estado.

www. Não integram o PPA os programas destinados exclusivamente a operações especiais. na execução das ações constantes do Plano. preservação de resultados fiscais de forma a reduzir os encargos da dívida pública. não tratam mais do PPI. apenas do PAC. redução gradual da carga tributária federal aliada ao ganho de eficiência e combate à evasão na arrecadação. e não gera contraprestação direta sob a forma de bens ou serviços. APO/MPOG. expansão ou aperfeiçoamento das ações de governo. Exemplo: Amortização. Observação: as LDOs. encargos e rolagem da dívida contratual e mobiliária. Prevê. que serão considerados prioritários.com.pontodosconcursos. que relaciona os órgãos orçamentários e suas respectivas unidades orçamentárias. juros. STN.653/2008 determina que a gestão fiscal e orçamentária e a legislação correlata deverão levar em conta as seguintes diretrizes da política fiscal: • • • elevação dos investimentos públicos aliada à contenção do crescimento das despesas correntes primárias até o final do período do Plano. SUSEP. das quais não resulta um produto. CGU. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • Anexo dos Órgãos Responsáveis por Programas de Governo: esses órgãos e entidades constam também dos orçamentos da União e são identificados na classificação institucional. os projetos: • • associados ao Projeto-Piloto de Investimentos Públicos – PPI e ao Programa de Aceleração do Crescimento – PAC. ainda. que são aqueles compostos por despesas que não contribuem para a manutenção.br 16 . e com maior índice de execução ou que possam ser concluídos no período plurianual. a partir de 2010. Exemplo: Órgão Orçamentário Ministério da Educação e Unidade Orçamentária Universidade Federal do Rio de Janeiro. A Lei 11.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.

competindo-lhe definir diretrizes e orientações técnicas para seu funcionamento. CGU. eficácia e efetividade. relatório de avaliação do Plano.2. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 3. o monitoramento. durante cada exercício financeiro.2 Gestão do Plano 3. com característica de sistema estruturador de governo. SUSEP.1 Aspectos gerais A gestão do Plano Plurianual observará os princípios de eficiência.com. na forma estabelecida pelo Órgão Central do Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. o conjunto de informações necessárias ao acompanhamento da gestão do Plano. 8.º).º e 9.pontodosconcursos. APO/MPOG.br 17 .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. compreendendo ainda a implementação. são competências do Poder Executivo: • • estabelecer normas complementares para a gestão do PPA 2008-2011. No que se refere à gestão do PPA (arts. 3. manter sistema de informações gerenciais e de planejamento para apoio à gestão do Plano. sob a coordenação do Órgão Central do Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. na Internet. Segundo o art.2. Os Órgãos do Poder Executivo responsáveis por programas deverão manter atualizadas. a avaliação e a revisão de programas.2 Monitoramento e avaliação O Poder Executivo é o responsável por instituir o Sistema de Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual 2008-2011.653/2008. STN. • manter atualizado. as informações referentes à execução física das ações orçamentárias e à execução física e financeira das ações não orçamentárias constantes dos programas sob sua responsabilidade. o Poder Executivo enviará ao Congresso Nacional. 19 da Lei 11. que conterá: www. até o dia 15 de setembro de cada exercício.

601/2008. III – Demonstrativo. as medidas corretivas necessárias.pontodosconcursos. iniciar-se a elaboração de um novo PPA. chegando ao cúmulo de no último ano do PPA vigente. A avaliação anual do PPA tem como objetivo a análise da adequação da concepção. SUSEP. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES I – Avaliação do comportamento das variáveis macroeconômicas que embasaram a elaboração do Plano. dos índices alcançados ao término do exercício anterior e dos índices finais previstos. Fica assim estabelecido o PPA deslizante ou rolante (Rolling Plan). II – Demonstrativo contendo para cada programa a execução física e orçamentária das ações orçamentárias nos exercícios de vigência deste Plano. da possibilidade de alcance do índice final previsto para cada indicador e de cumprimento das metas. por programa. CGU. As informações da avaliação subsidiarão a revisão qualitativa da programação para o ano subsequente e para os três seguintes.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. sem nenhuma orientação para o ano seguinte e sem integração entre os quadriênios. APO/MPOG. por programa e por indicador. a abrangência do PPA iria diminuindo e o planejamento de médio prazo se perdendo.br 18 . as razões das discrepâncias verificadas entre os valores previstos e os realizados. STN. indicando. que deverá sempre projetar indicadores e ações para os exercícios subsequentes a cada ano do PPA 2008-2011 e atualizar o cenário macroeconômico. se for o caso. explicitando. das novas ações orçamentárias previstas e das ações não orçamentárias (PPA deslizante). para os três exercícios subsequentes ao da proposta orçamentária enviada em 31 de agosto. Aprofundaremos no tema Monitoramento e Avaliação no estudo do Decreto 6. V – As estimativas das metas físicas e dos valores financeiros. das ações orçamentárias constantes desta Lei e suas alterações. se for o caso. da implementação e dos objetivos do ano anterior. IV – Avaliação.com. www. Sem a programação deslizante.

serão encaminhados ao Congresso Nacional até 31 de agosto. Os projetos de lei de revisão anual. ou a alteração do título. Complementaremos o tema Revisões e Alterações no estudo do Decreto 6.br 19 . as informações referentes às projeções plurianuais e aos atributos constantes do Plano.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. quando necessários.3 Revisões e alterações Quanto às revisões e alterações do PPA. Considera-se alteração de programa: • • • a modificação da denominação. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 3. Neste caso. www.601/2008. A inclusão de ações orçamentárias de caráter plurianual poderá ocorrer por intermédio de lei de créditos especiais desde que apresente. e conterão.pontodosconcursos. desde que mantenham a mesma codificação e não modifiquem a finalidade da ação ou a sua abrangência geográfica.653/2008 determina que a exclusão ou a alteração de programas constantes desta Lei ou a inclusão de novo programa serão propostas pelo Poder Executivo por meio de projeto de lei de revisão anual ou específico de alteração da Lei do Plano Plurianual. Para alteração ou exclusão de programa: exposição das razões que motivam a proposta. STN. SUSEP. em anexo específico.com. CGU. bem como a indicação dos recursos que o financiarão. 15 da Lei 11.2. as alterações previstas poderão ocorrer por intermédio da lei orçamentária ou de seus créditos adicionais. do produto e da unidade de medida das ações orçamentárias. no mínimo: Para inclusão de programa: diagnóstico sobre a atual situação do problema que se deseja enfrentar ou sobre a demanda da sociedade que se queira atender com o programa proposto. APO/MPOG. do objetivo ou do público-alvo do programa. a inclusão ou exclusão de ações orçamentárias. o art.

O Ministério do Planejamento. Nesse contexto.1 Organização e objetivos O Decreto 6. APO/MPOG. DECRETO 6. na medida em que contribui para o aperfeiçoamento contínuo da formulação e da gestão dos programas que integram o Plano e os orçamentos anuais. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 4. Orçamento e Gestão (MPOG) tem a responsabilidade de coordenar os processos de monitoramento. revogando o Decreto 5. CGU. em articulação com os demais órgãos do Poder Executivo. que versava sobre o PPA anterior.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. SUSEP. monitoramento. Ainda. de outubro de 2004. bem como disponibilizar metodologia. STN. de acordo com o modelo de Gestão do PPA 2008-2011.233.br 20 . avaliação e revisão do Plano durante sua execução. de 10 de outubro de 2008. dispõe sobre a gestão do Plano Plurianual 2008-2011 e de seus programas. de avaliação e de revisão do PPA. orientação e apoio técnico para a sua gestão. as informações necessárias ao acompanhamento da gestão do PPA. ou seja. coordenará a Gestão do PPA. tem como função organizar a atuação governamental em programas.pontodosconcursos. motivando a tomada de decisão e a correção de rumos a partir de sua orientação estratégica. a Avaliação Anual do PPA constitui-se em importante instrumento gerencial. Cabe também ao MPOG editar portaria para definir diretrizes e orientações técnicas para o funcionamento do Sistema de Monitoramento e Avaliação do www. O Plano Plurianual. Essa gestão pressupõe a utilização sistemática dos mecanismos de elaboração.601/2008: GESTÃO DO PPA 2008-2011 4.com. na Internet.601. focada nas melhorias efetivamente proporcionadas ao público-alvo beneficiado pela intervenção do programa. Deverá também manter atualizadas. contribuindo para orientar uma administração pública por resultados. A gestão por programas objetiva o alcance de resultados mediante a utilização de processos estruturados e instrumentos adequados à integração das ações em torno de programas.

br 21 . É o responsável pela gestão de programa do PPA em conjunto com o Gerente Executivo. Serão designados pelo Ministro de Estado de Planejamento.º do Decreto 6. integrada por representantes de órgãos do Poder Executivo. integrado por representantes do MPOG. • Unidades de Monitoramento e Avaliação – UMA. • • Secretaria Executiva.601/2008. SUSEP.pontodosconcursos. da Casa Civil da Presidência da República. em cada órgão responsável por programa. Serão instituídas no âmbito de cada órgão responsável por programa e deverão estar subordinadas às respectivas Secretarias Executivas ou unidades administrativas equivalentes.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. ou seu equivalente nos demais órgãos. Comissão de Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual – CMA. Contará com a Câmara Técnica de Monitoramento e Avaliação – CTMA e com a Câmara Técnica de Projetos de Grande Vulto – CTPGV para o desempenho de suas atribuições. compreendendo: No nível estratégico – objetivos de governo e os objetivos setoriais: • Comitê de Gestão do PPA. Os resultados apurados no monitoramento e avaliação deverão subsidiar a revisão do PPA. eficácia e efetividade. Consoante o art. No nível tático-operacional – programas e ações: • Gerente de Programa: é o titular da unidade administrativa à qual o programa está vinculado. mediante indicação dos titulares dos órgãos mencionados. STN. orientada para resultados. segundo os princípios de eficiência. Os programas pertencentes ao órgão responsável 92000 (Atividades Padronizadas) estão dispensados da necessidade de vinculação a eles de Gerente e Gerente www. Orçamento e Gestão.com. CGU. compõe-se dos níveis estratégico e táticooperacional. a gestão do PPA. a ser instituída no âmbito do MPOG. do Ministério da Fazenda e da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES PPA 2008-2011 e estabelecer as atribuições dos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ações. APO/MPOG. 2. para o quadriênio 2008-2011.

www. busca-se assegurar a continuidade da gestão dos programas e ações. com apoio do Coordenador Executivo de Ação. STN. No caso das vinculadas. não unidades da estrutura regimental. SUSEP. porém devem contar com Coordenadores de Ação. É recomendado que o Gerente de Programa seja o dirigente de uma Unidade de alto nível hierárquico. É o responsável pela gestão da ação. que detenha a competência regimental associada aos objetivos dos programas e disponha de poder de decisão sobre a alocação dos recursos da unidade. e ao mesmo tempo propicia-se ao gerente de programa e coordenadores de ação maior disponibilidade de recursos (humanos. mesmo nos casos de mudança de titulares e equipes. sob sua responsabilidade.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. administrativos e logísticos) para o alcance das metas e resultados previstos. CGU.com. • • Gerentes Executivos de Programa. APO/MPOG. A Portaria do titular do órgão (Ministros e Secretários Especiais) deverá indicar as unidades administrativas responsáveis pelo Programa e Ações. recomenda-se que seja o dirigente máximo da organização. Coordenador de Ação: é o titular da unidade administrativa à qual se vincula a ação. Não serão disponibilizados novos cargos ou criadas unidades administrativas nos Ministérios e Secretarias Especiais para implantação de qualquer uma das funções do modelo de gestão do PPA.br 22 .pontodosconcursos. • Coordenadores Executivos de Ação. Dessa forma. As exceções são os titulares das empresas integrantes do orçamento de investimentos e o Ministério da Defesa que indicarão pessoas responsáveis por programas e ações. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Executivo. A proposta é alocar os recursos organizacionais já disponíveis. A orientação do MPOG é de que o titular da unidade administrativa responsável pelo programa será o gerente do programa e o titular da unidade administrativa responsável pela ação será o coordenador da ação.

diretamente ou por delegação: • acompanhar a execução dos programas do PPA e adotar medidas que promovam • a eficiência. 4. CGU.com. Segundo o art. do Ministério da Fazenda e da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. compete ao Secretário Executivo ou seu equivalente. STN. compete ao Comitê de Gestão do PPA: • adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.pontodosconcursos. que contará com o apoio técnico da SPI. e • deliberar sobre alterações do PPA no nível estratégico. É integrado por representantes do MPOG. que desempenhará a função de Secretaria Executiva. Segundo o art. Orçamento e Gestão (SPI). • realizar o monitoramento estratégico do PPA com base na evolução dos indicadores dos objetivos de governo. observando os princípios da eficiência. a eficácia e a efetividade da ação governamental. da eficácia e da efetividade da ação governamental. ou seu equivalente nos demais órgãos. da Casa Civil da Presidência da República. definir prioridades de execução em consonância com o estabelecido no PPA e nas leis de diretrizes orçamentárias. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 4. O Secretário Executivo será assessorado pela UMA. O Comitê de Gestão do PPA será assessorado pela CMA e contará com o apoio técnico e administrativo da Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos do Ministério do Planejamento. A Secretaria Executiva.º. APO/MPOG. mediante indicação dos titulares dos órgãos mencionados. SUSEP.br 23 . dos programas prioritários e das respectivas metas de ações.2 Comitê de Gestão do PPA O Comitê de Gestão do PPA está compreendido no nível estratégico da Gestão do PPA. 5. com base nos indicadores e metas do PPA.º. www. Orçamento e Gestão. Serão designados pelo Ministro de Estado de Planejamento. também está compreendida no nível estratégico da Gestão do PPA.

CGU. A avaliação do PPA é realizada em cada exercício financeiro que o compõe e compreende as atividades de aferição e análise dos resultados alcançados por meio da aplicação de recursos públicos. É uma etapa do ciclo de gestão governamental e visa melhorar o desempenho dos programas. www. e elaborar o Relatório Anual de Avaliação dos Objetivos Setoriais e supervisionar a elaboração do Relatório Anual de Avaliação dos Programas sob a responsabilidade do órgão. daqueles natureza apoiar os Gerentes de Programa com medidas mitigadoras dos riscos identificados na execução dos programas.br 24 . 4. além de prestar contas ao Congresso Nacional e à sociedade”. • coordenar a alocação do de recursos inclusive nos programas de sob a responsabilidade multissetorial.pontodosconcursos. além da identificação de recomendações para a correção de eventuais falhas na programação. promover o aprendizado das equipes gerenciais. Segundo definição do MPOG. dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade. sob a perspectiva dos resultados para o cidadão. SUSEP. bem como os demais requisitos de informação disponibilizados pelo Órgão Central no Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. programas e nos diferentes níveis da Administração Pública Federal.com. para a melhoria de resultados apurados periodicamente pelo Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA. “A Avaliação do Plano Plurianual é um processo contínuo e participativo de aperfeiçoamento da administração pública federal.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. quando necessário.3 Monitoramento e avaliação A avaliação gera subsídios para a tomada de decisões acerca das políticas. a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. • articular junto às unidades administrativas responsáveis por programas e ações. • • órgão. STN. em conjunto com o Gerente de Programa. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • monitorar. APO/MPOG.

pontodosconcursos. Para ser efetiva.br 25 . os seus resultados e compará-los com resultados preestabelecidos. b) identificar e analisar as causas dos possíveis desvios observados na operação e/ou nos resultados obtidos. A avaliação anual do PPA é realizada em três etapas. STN. a fim de garantir a obtenção dos resultados esperados pela sociedade. e respectivas responsabilidades no desenvolvimento das ações governamentais nos níveis estratégico e tático. A importância da avaliação do PPA pode ser traduzida em quatro objetivos específicos: • proporcionar maior transparência às ações de governo: a avaliação fornece informações sobre o desempenho de programas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES A realização de avaliação de um programa governamental tem como objetivos: a) aferir. promover a aprendizagem e a disseminação do conhecimento nas organizações: o processo de avaliação amplia o conhecimento dos gerentes e de suas equipes sobre o programa. de forma sistemática. APO/MPOG.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. e c) propor recomendações para subsidiar a tomada de decisão acerca das medidas corretivas a serem adotadas. CGU. considerando a participação dos principais agentes conforme as www. • • auxiliar a tomada de decisão: a avaliação proporciona informações úteis à tomada de decisões relativas à ação governamental. • aperfeiçoar a concepção e a gestão do plano e dos programas: a avaliação é um instrumento de gestão que tem a finalidade de assegurar o aperfeiçoamento contínuo dos programas e do Plano. de acordo com as instâncias de implementação do Plano.operacional. visando à melhoria dos resultados e otimizando o uso dos recursos públicos. servindo como meio de prestação de contas ao Congresso Nacional e à Sociedade. deve ser compreendida como oportunidade de reflexão entre todos aqueles envolvidos na implementação dos programas para a construção coletiva de soluções. SUSEP.com.

sendo responsável pela gestão de programa do PPA. das expectativas dos interessados. a avaliação dos objetivos setoriais e o nível tático-operacional. dos propósitos da avaliação.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. há um grande número de modelos e técnicas que podem ser utilizados pelos avaliadores. que variam em função das características do programa. o qual compreende os programas e ações. é responsável pela elaboração do Relatório Anual de Avaliação dos Objetivos Setoriais e supervisão da elaboração do Relatório Anual de Avaliação dos Programas sob a responsabilidade do órgão. e • Órgão Central de Planejamento e Orçamento Federal (MPOG): por intermédio da Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos (SPI). o qual pode abranger os aspectos da formulação. As instâncias da avaliação anual do PPA correspondem aos níveis da gestão do PPA para o quadriênio 2008-2011.pontodosconcursos. a partir de informações captadas. é responsável por elaborar o relatório de avaliação do Plano em conformidade com o já citado art. do desenho. • Secretário Executivo ou seu equivalente: diretamente ou por delegação. tem-se o desenvolvimento das etapas que compõem o processo de avaliação anual do PPA 2008-2011. 19 da Lei 11. do nível de suporte institucional e da disponibilidade de recursos para a sua realização. CGU. Desse modo. A avaliação pode ser tipificada em razão do seu propósito.br 26 . CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES competências estabelecidas no Decreto 6. SUSEP. A avaliação compreenderá a estratégia de desenvolvimento e a análise do alcance das metas governamentais prioritárias constantes do plano. www. Segundo o Manual de Avaliação do PPA. APO/MPOG. As etapas da avaliação anual do PPA estão associadas às atribuições dos agentes que integram os níveis da gestão do PPA: • Gerente de Programa: é o titular da unidade administrativa à qual o programa está vinculado. contemplando a análise dos resultados nos níveis tático--operacional e estratégico.com. STN.601/2008.653/2008.

pela classificação em função das características da avaliação: Quanto ao objeto. dessa forma. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES da coleta de informação. geralmente relacionando-se a resultados de médio e longo prazo e visa à identificação. a avaliação pode ser caracterizada como: • de processo: relativa à identificação dos aspectos da implementação (insumos. no qual se aplica uma autoavaliação. os trabalhos são realizados pela própria equipe responsável pela gestão do programa.pontodosconcursos. compreensão e explicação das mudanças nas variáveis e nos fatores relacionados à efetividade do programa. O próximo tipo de avaliação que considera a temporalidade é o mais cobrado em provas.br 27 . e • de impacto: que busca conhecer os efeitos produzidos pelo programa em algum(uns) aspecto(s) da realidade afetada pela sua existência. Optou-se. a avaliação pode ser caracterizada como: • Ex ante: realizada antes do início da implementação de um programa. CGU. • de resultados: relativa ao nível de transformação da situação a qual o programa se propõe a modificar. Expressa o grau em que os objetivos do programa foram alcançados. Quanto à temporalidade. Quanto à execução. o que tende a apresentar maior credibilidade junto ao público usuário da informação por utilizar padrões mais rígidos e neutros de análise. sendo que para o PPA. • externa: realizada por instituições externas. Assim. STN. da interpretação de dados.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.com. a avaliação pode ser caracterizada como: • interna: realizada dentro da organização em que se localiza o programa. SUSEP. vamos além do que prevê o Manual de Avaliação do PPA. em que é necessário projetar o que aconteceria com algumas www. processos e produtos) que podem gerar ganhos ou perdas no atendimento às metas das ações do programa junto ao seu público-alvo. conduzida por unidade administrativa diferente da executora. APO/MPOG. da comunicação e da utilização.

Estima o grau de eficácia das estratégias adotadas na implementação e orienta decisões sobre sua continuidade. ou seja. visando o seu aperfeiçoamento por meio da interferência direcionada para seus aspectos intrínsecos. Normalmente mede resultados e impactos.br 28 . SUSEP. procedimentos. pois se centraliza nos processos e não nos resultados. • Formativa ou de processo: preocupa-se em diagnosticar as possíveis falhas de um programa. • Ex post ou somativa: realizada após consolidação ou na fase final de um programa. www. pois focaliza os aspectos que têm relação direta com a formação do programa. Assim. conteúdos e métodos. É focada nos resultados. APO/MPOG. no que diz respeito aos instrumentos. STN. Procura observar em que medida está sendo implementado como planejado. Procura medir a viabilidade do programa a ser implementado. é utilizado na fase de implementação. comparando os custos e benefícios da iniciativa com as alternativas disponíveis à sua implantação.com. caso o programa não disponha de um sistema de monitoramento desenvolvido. compreendendo em que medida este atingiu os resultados esperados. de dentro do programa. O objetivo principal é analisar a efetividade de um programa.pontodosconcursos.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES características da população beneficiária caso o programa fosse executado. Também informa sobre as necessidades de ampliação da cobertura de um programa ou da viabilidade de sua replicação. CGU. no que diz respeito a sua relação custo-benefício. enquanto está em funcionamento. exigindo levantamento de dados primários sobre o público-alvo. É focada na gestão e no funcionamento do programa. e adequação ao público--alvo.

4 Revisões e alterações No caso de revisão do PPA. as quais serão autorizadas pelo Ministro de Estado do Planejamento. www.653/2008. no mínimo.653/2008 e ao seguinte: A inclusão ou alteração de ações orçamentárias do tipo projeto no PPA deverá observar: • • a alocação de. 60% do valor estimado do projeto.br 29 . e a não superposição de finalidade com outros projetos já integrantes do PPA. no período de quatro anos contados a partir do ano de seu início.com. realizadas pelas leis orçamentárias anuais e seus créditos adicionais ou por leis que alterem o PPA.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.pontodosconcursos. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 4. Serão precedidas de análise do MPOG as alterações definidas na Lei 11. deverá ser observado o disposto na Lei 11. e adequação da meta física de ação orçamentária. STN. no caso de ações não orçamentárias. e as seguintes. alteração dos indicadores dos programas e seus respectivos índices. ou unidade de medida. APO/MPOG. produto. SUSEP. exclusão ou alteração de ações e respectivas metas. inclusão. para fins de compatibilização com alterações no seu valor. CGU. podendo ser objeto de delegação: • • • • alteração do órgão responsável por programas e ações. Orçamento e Gestão.

garantias.ESAF 1) (ESAF . Estados. d) realizar auditoria sobre a gestão dos recursos públicos federais sob a responsabilidade de órgãos e entidades privados. e) Tribunal de Contas da União.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. APO/MPOG.2008) O Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal tem como órgão central a(o): a) Advocacia-Geral da União.pontodosconcursos.Planejamento e Execução Financeira .br 30 . Orçamento e Gestão. É uma das competências dos órgãos e das unidades do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal realizar auditoria sobre a gestão dos recursos públicos federais sob a responsabilidade de órgãos e entidades públicos e privados.CVM . direitos e haveres da União. b) exercer o controle das operações de crédito. SUSEP. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES QUESTÕES COMENTADAS DE CONCURSOS ANTERIORES . c) organizar a auditoria interna das entidades da administração indireta federal. b) Secretaria da Receita Federal do Brasil. STN. CGU. c) Ministério da Fazenda. Orçamento e Gestão. e) apreciar a Prestação de Contas Anual do Presidente da República a ser encaminhada ao Congresso Nacional. Resposta: Letra D 2) (ESAF – AFC/STN . O Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal tem como órgão central o Ministério do Planejamento. Resposta: Letra D www. Distrito Federal e Municípios.Analista . avais. d) Ministério do Planejamento.2010) Compete aos órgãos e às unidades do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal: a) julgar a execução dos orçamentos da União.com.

vedando-se.180. d) Gerenciamento do processo de planejamento e do orçamento federal. compreendendo os orçamentos fiscal. da seguridade fiscal e de investimento das empresas estatais é. a consolidação e a supervisão da elaboração dos projetos da lei de diretrizes orçamentárias e da lei orçamentária da União. que esses órgãos proponham medidas que www. nos planos federal. setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social. c) Formulação do plano plurianual.br 31 . de 6 de fevereiro de 2001. Resposta: Letra E 4) (ESAF – AFC/STN .pontodosconcursos. visando a compatibilização de normas e tarefas afins aos diversos Sistemas. 2º da Lei 10. Transcrição literal do art.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. e) É a incorreta. STN. CGU.com. a) Formulação do planejamento estratégico nacional. no que se refere à compatibilização de normas e tarefas afins aos diversos Sistemas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 3) (ESAF – AFC/STN . Não se excluem os municípios. competência: a) das unidades responsáveis pelas atividades de orçamento. o Distrito Federal e os Municípios. distrital e municipal. Uma das finalidades é promover a articulação com os Estados. b) Formulação de planos nacionais. e) Promoção da articulação com os Estados e com o Distrito Federal. assinale a opção incorreta. c) exclusiva de órgãos setoriais subordinados à Casa Civil da Presidência da República. 10.2008) No que se refere às finalidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal.2008) A coordenação. excluindo-se os Municípios. nos termos da Lei n. APO/MPOG. das diretrizes orçamentárias e dos orçamentos anuais. A questão pede a opção incorreta no que se refere às finalidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal: a) b) c) d) Corretas. SUSEP. no entanto.180/01 das finalidades do Sistema. b) das unidades responsáveis pelas atividades de planejamento. estadual.

dentre outros. da seguridade fiscal e de investimento das empresas estatais. detentores de notórios conhecimentos jurídicos e contábeis. d) servidores da Secretaria do Tesouro Nacional. CGU. nos termos da legislação de regência: a) servidores integrantes da carreira Finanças e Controle com exercício nas áreas de controle interno da entidade vinculada. c) servidores integrantes da carreira Finanças e Controle com exercício há mais de três anos nas áreas de controle interno da entidade vinculada. b) servidores integrantes da carreira Finanças e Controle que não estejam em exercício nas áreas de controle interno ou no ministério ou órgão equivalente ao qual a entidade esteja vinculada. tendo em vista inclusive necessidades de harmonização para planejamento em controle. compete às unidades responsáveis pelas atividades de orçamento. Resposta: Letra A 5) (ESAF – Analista de Finanças e Controle . preferencialmente. APO/MPOG. STN. www. no entanto.pontodosconcursos. compreendendo os orçamentos fiscal. a realização de estudos e pesquisas concernentes ao desenvolvimento e ao aperfeiçoamento do processo orçamentário federal. de quaisquer áreas de planejamento e de gestão. SUSEP. a coordenação. vedandose. vedando-se.180/01.2008) Os representantes do Tesouro Nacional nos conselhos fiscais deverão ser. d) exclusiva de órgãos setoriais subordinados à Casa Civil da Presidência da República.br 32 .com. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES objetivem a consolidação das informações orçamentárias das diversas esferas do governo. Nos termos da Lei 10.STN . que esses órgãos estabeleçam classificações orçamentárias. e) exclusiva de órgãos vinculados à Secretaria do Tesouro Nacional. a consolidação e a supervisão da elaboração dos projetos da LDO e LOA. no entanto.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.

CGU. 10. O órgão central do Sistema de Contabilidade Federal é a Secretaria do Tesouro Nacional. c) Secretaria do Tesouro Nacional.2008) Nos termos da Lei n.STN . APO/MPOG.2008) Identifique o órgão central do Sistema de Contabilidade Federal. b) unidades de apoio de representação extrajudicial. Tais representantes deverão ser.STN . servidores integrantes da carreira de Finanças e Controle que não estejam em exercício nas áreas de controle interno no ministério ou órgão equivalente ao qual a entidade esteja vinculada. d) Conselho Federal de Contabilidade. www. STN.pontodosconcursos. Resposta: Letra C 7) (ESAF – Analista de Finanças e Controle . CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES e) servidores da Secretaria da Receita Federal do Brasil. preferencialmente. detentores de notórios conhecimentos jurídicos e contábeis.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. SUSEP. e) Conselho Gestor do Plano de Contas Único da União. Subordinam-se tecnicamente à Secretaria do Tesouro Nacional os representantes do Tesouro Nacional nos conselhos fiscais.br 33 .180. a) Secretaria Federal de Controle Interno. as unidades de gestão interna da Advocacia-Geral da União integram o Sistema de Contabilidade Federal na qualidade de: a) unidades intervenientes de representação judicial. controladas direta ou indiretamente pela União. Resposta: Letra B 6) (ESAF – Analista de Finanças e Controle . nos termos da legislação aplicável. de quaisquer áreas de planejamento e de gestão. ou órgãos equivalentes das entidades da administração indireta. b) Comissão de Coordenação de Controle Interno.com. de 6 de fevereiro de 2001.

b) Avaliação do cumprimento das metas previstas no plano plurianual. APO/MPOG. da gestão orçamentária. que são as unidades de gestão interna dos Ministérios e da Advocacia-Geral da União. O Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal tem as seguintes finalidades: • • avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual. c) Execução dos programas de governo. CGU. Ficam sujeitos à orientação normativa e à supervisão técnica do órgão central do Sistema. STN.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. quanto à eficácia e eficiência.2008) No que se refere às atividades do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. e os órgãos setoriais. extravio ou ilegalidade que resulte dano ao erário. Integram o Sistema de Contabilidade Federal a Secretaria do Tesouro Nacional. com exceção da auditoria de responsáveis por bens e valores públicos e de todo aquele que der causa a perda. sem prejuízo da subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiverem integrados Resposta: Letra E 8) (ESAF – Analista de Finanças e Controle . SUSEP. bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado. a execução dos programas de governo e dos orçamentos da União. como órgão central. comprovar a legalidade e avaliar os resultados. www. a) Realização de tomadas de contas dos ordenadores de despesa. e) Avaliação da gestão dos administradores públicos federais. d) Execução dos orçamentos da União.com. e) órgão setorial.STN .br 34 . financeira e patrimonial nos órgãos e nas entidades da Administração Pública Federal. assinale a opção incorreta. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES c) unidades gestoras de representação judicial de órgão central. d) órgão central.pontodosconcursos.

com exceção da auditoria de responsáveis por bens e valores públicos e de todo aquele que der causa a perda. formular planos nacionais. APO/MPOG. 10. formular o plano plurianual. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • • exercer o controle das operações de crédito. apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional. Resposta: Letra A 9) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) A Lei n. c) Gerir a dívida pública mobiliária federal e a dívida externa de responsabilidade do Tesouro Nacional.com. a sistematização e a padronização da execução da despesa pública. a) Formular planos nacionais.pontodosconcursos. São finalidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal: • • • formular o planejamento estratégico nacional. segundo a referida Lei. direta ou indiretamente. avais e garantias.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. as diretrizes orçamentárias e os orçamentos anuais. CGU. setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social. de 06 de fevereiro de 2001. A realização de tomadas de contas dos ordenadores de despesa. d) Manter controle dos compromissos que onerem. extravio ou ilegalidade que resulte dano ao erário é finalidade do Sistema de Contabilidade Federal. STN.br 35 .180. bem como dos direitos e haveres da União. bem como promover o acompanhamento. organizou e disciplinou o Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. SUSEP. www. e) Editar normas sobre a programação financeira e a execução orçamentária e financeira. a União junto a entidades ou organismos internacionais. b) Administrar as operações de crédito sob a responsabilidade do Tesouro Nacional. setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social. Identifique qual objetivo faz parte desse Sistema.

• • Controle de prazos e custos. Resposta: Letra A 10) (ESAF . em cada Programa. estadual. Resposta: Letra A www. STN. Sistema informatizado de apoio ao gerenciamento. c) Planejamento e controle das despesas de custeio visando a redução do custo do programa.com. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES • • gerenciar o processo de planejamento e orçamento federal. 4º do Decreto 2829/98. distrital e municipal. APO/MPOG. Logo. SUSEP.pontodosconcursos. promover a articulação com os Estados. b) Definição de responsáveis pela execução das metas a serem cumpridas pelas entidades. As demais são finalidades do Sistema de Administração Financeira Federal.2009) Assinale a opção que indica um dos componentes do modelo de gerenciamento dos programas de acordo com as disposições do Decreto n. a) Exercício do controle dos custos e dos prazos. será adotado.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. nos planos federal. o Distrito Federal e os Municípios. mesmo quando o Programa seja integrado por projetos ou atividades desenvolvidas por mais de um órgão ou unidade administrativa. d) Designação de profissional capacitado para a gestão de cada ação do programa visando sua integração com as funções de governo. Segundo o art.APOFP . respeitados os conceitos a serem definidos em portaria do Ministério do Planejamento e Orçamento. apenas a alternativa A atende ao pedido da questão. 2. visando a compatibilização de normas e tarefas afins aos diversos Sistemas.SEFAZ/SP . e) Integração entre os responsáveis pela execução e os órgãos de controle visando o cumprimento dos prazos preestabelecidos. CGU.829/98.br 36 . modelo de gerenciamento que compreenda: • Definição da unidade responsável pelo gerenciamento.

do uso do gerenciamento por Programas.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. do uso do gerenciamento por programas.pontodosconcursos. 2829. a serem atingidas em prazo definido. a descentralização. 6º do Decreto 2829/98 dispõe que a avaliação física e financeira dos Programas e dos projetos e atividades que os constituem é inerente às responsabilidades da unidade responsável e tem por finalidade: aferir o seu resultado. STN. assinale a que não está coerente com o decreto.br 37 . a serem atingidas em prazo definido. em todas as esferas de governo. c) A classificação funcional-programática deverá ser aperfeiçoada de modo a estimular a adoção. O art. SUSEP. de 29 de outubro de 1998. estabelece normas para a elaboração e execução do Plano Plurianual e dos Orçamentos da União. e evitar a dispersão e o desperdício de recursos públicos.com. APO/MPOG. Entre as opções abaixo. Os Programas constituídos predominantemente de Ações Continuadas deverão conter metas de qualidade e de produtividade. tendo como referência os objetivos e as metas fixadas. www. 2º.2008) O Decreto n. segundo o parágrafo único do art. e) Os programas serão formulados de modo a promover.MPOG . em todas as esferas de governo. d) Entende-se por ação finalística aquela que proporciona bem ou serviço para o atendimento direto a demandas da sociedade. 3º do Decreto 2829/98 determina que a classificação funcional-programática deverá ser aperfeiçoada de modo a estimular a adoção. a política de gastos públicos e a coordenação das ações de governo. sempre que possível. a) É a incorreta. subsidiar o processo de alocação de recursos públicos. a integração com Estados e Municípios e a formação de parcerias com o setor privado. a) A avaliação física e financeira dos programas e dos projetos e atividades que os constituem é inerente às responsabilidades da unidade responsável e não tem por finalidade subsidiar o processo de alocação de recursos públicos. c) Correta. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 11) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento . CGU. b) Os programas constituídos de Ações continuadas deverão conter metas de qualidade e de produtividade. O art. b) Correta.

1º. d) objetivos estratégicos e previsão de recursos. eficácia e efetividade. b) a revisão. 8º dispõe que os Programas serão formulados de modo a promover. Com relação aos programas do PPA. APO/MPOG.º do referido Decreto. Segundo o art. c) a avaliação. Já o art. a busca de parcerias e fontes alternativas de recursos para os programas fundamenta-se em: a) metas e objetivos a serem alcançados. para orientar a formulação e a seleção dos Programas que deverão integrar o Plano Plurianual e estimular a busca de parcerias e fontes alternativas de recursos. para o período do Plano. b) objetivos de longo e médio prazos. www. c) vinculação dos projetos a objetivos e órgãos executores. Resposta: Letra A 12) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) Segundo dispõe o Decreto n. Resposta: Letra D 13) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) A gestão do Plano Plurianual 2008-2011 observará os princípios de eficiência. a descentralização. e) metas e seus quantitativos.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. sempre que possível. d) o monitoramento. serão estabelecidos previamente.829/98.br 38 . 2.com. CGU. não é correto afirmar que sua gestão compreenderá: a) a implementação. os objetivos estratégicos e a previsão de recursos. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES d) Correta. SUSEP. uma ação finalística é aquela que proporciona bem ou serviço para atendimento direto a demandas da sociedade. a integração com Estados e Municípios e a formação de parcerias com o setor privado. e) Correta. 9. Segundo o parágrafo único do art.pontodosconcursos. STN.

compreendendo ainda a implementação. e não gera contraprestação direta sob a forma de bens ou serviços. Não integram o PPA os programas destinados exclusivamente a operações especiais. Entretanto.Adaptada) No que tange ao Plano Plurianual (PPA). monitoramento. eficácia e efetividade. na Internet. expansão ou aperfeiçoamento das ações de governo. aponte a opção não pertinente. c) Cabe ao Poder Executivo manter atualizado. CGU. Resposta: Letra E 14) (ESAF . A gestão do Plano Plurianual 2008 . o monitoramento. mantém-se a mesma ideia. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES e) a revisão de programas destinados exclusivamente a operações especiais. juros.Analista de Planejamento e Orçamento .2008 . Logo.322/2004. e) O Poder Executivo manterá sistema de informações gerenciais e de planejamento para apoio à gestão do Plano.2011 observará os princípios de eficiência.com. a avaliação e a revisão de programas. STN. A questão foi toda adaptada em virtude das alternativas tratarem do revogado Decreto 5. b) Estabelecer normas complementares para a gestão do Plano Plurianual 2008-2011 é competência do Poder Legislativo.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.br 39 . o conjunto de informações necessárias ao acompanhamento da gestão do Plano. Exemplo: Amortização. APO/MPOG.MPOG. eficácia e efetividade. que é a solicitação www. que são aqueles compostos por despesas que não contribuem para a manutenção.pontodosconcursos. das quais não resulta um produto. avaliação e revisão de programas. d) A gestão do Plano Plurianual compreende ainda a implementação. não é correto afirmar que a gestão do PPA compreenderá a revisão de programas destinados exclusivamente a operações especiais. a) A gestão do Plano Plurianual observará os princípios de eficiência. SUSEP. com característica de sistema estruturador de governo. encargos e rolagem da dívida contratual e mobiliária.

MPOG . estabelece normas para a gestão do Plano Plurianual – PPA 2008-2011. Orçamento e Gestão. c) O nível tático-operacional compreende os programas e as ações. de avaliação e de revisão dos programas e do www. CGU. na Internet. monitoramento. Logo.br 40 . CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES da questão do que não é atinente ao PPA. APO/MPOG. pois tal competência é do Poder Executivo. Manter sistema de informações gerenciais e de planejamento para apoio à gestão do Plano. a opção incorreta. são competências do Poder Executivo: • • Estabelecer normas complementares para a gestão do PPA 2008-2011. Segundo o referido Decreto não é correto afirmar que: a) A gestão do PPA 2008-2011. o conjunto de informações necessárias ao acompanhamento da gestão do Plano.com. ou seja. e) Caberá ao Ministério do Planejamento. avaliação e revisão de programas. compreendendo ainda a implementação.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.Adaptada) O Decreto nº 6. SUSEP.Analista de Planejamento e Orçamento.pontodosconcursos. No que se refere à gestão do PPA (artigos 8º e 9º). STN.2005 . a afirmação de que estabelecer normas complementares para a gestão do Plano Plurianual 2008-2011 é competência do Poder Legislativo é a incorreta.601. b) O nível tático-operacional é de responsabilidade apenas do Ministério do Planejamento. d) O nível estratégico compreende os objetivos de governo e os objetivos setoriais. Resposta: Letra B 15) (ESAF . eficácia e efetividade. com alternativas versando sobre a gestão do Plano. A gestão do Plano Plurianual observará os princípios de eficiência. orientada segundo os critérios de eficiência. com característica de sistema estruturador de governo. eficácia e efetividade. Orçamento e Gestão coordenar os processos de monitoramento. • Manter atualizado. de 10 de outubro de 2008. compõe-se dos níveis estratégico e tático-operacional.

No nível estratégico estão compreendidos os objetivos de governo e os objetivos setoriais.APOFP .º do Decreto 6.SEFAZ/SP . A responsabilidade é dividida entre Comitê de Gestão do PPA. que é a solicitação da questão do que não é atinente à gestão do plano.322/2004. APO/MPOG. www. a) Correta. compõe-se dos níveis estratégico e táticooperacional. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Plano Plurianual. a gestão do PPA. STN. b) É a incorreta. a) Designar os gerentes de programas e coordenadores de ação definindo-lhes as atribuições e a forma de prestação de contas junto ao Comitê Gestor.br 41 .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. para adequar a alocação de recursos nas ações. A questão foi toda adaptada em virtude das alternativas tratarem do revogado Decreto 5. bem como disponibilizar metodologias. segundo dispõe o Decreto n. 6. Entretanto. orientada para resultados. Comissão de Monitoramento e Avaliação do PPA e Unidades de Monitoramento e Avaliação . Consoante o art. d) Correta. b) Propor a alteração da lei orçamentária anual. orientação e apoio técnico para a sua gestão. SUSEP.com. quando verificada a insuficiência destes. de avaliação e de revisão do PPA.2009 . No nível tático-operacional estão compreendidos os programas e as ações. Orçamento e Gestão tem a responsabilidade de coordenar os processos de monitoramento. segundo os princípios de eficiência. c) Correta. para o quadriênio 2008-2011. O Ministério do Planejamento. visando a adequação destes às situações administrativas vigentes.pontodosconcursos. e) Correta. mantém-se a mesma ideia. CGU. eficácia e efetividade. 2.Adaptada) Assinale a opção que indica uma das competências do Comitê de Gestão do PPA. Secretaria Executiva. c) Determinar as alterações no nível operacional dos programas.601/2008.601/2008. Resposta: Letra B 16) (ESAF . orientação e apoio técnico a sua gestão. bem como disponibilizar metodologia.

observando os princípios da eficiência. A adoção de medidas que fortaleçam a gestão para resultados. de 10 de outubro de 2008. coordenar a alocação de recursos nos programas sob a responsabilidade do órgão.pontodosconcursos.Analista de Planejamento e Orçamento .br 42 . Resposta: Letra E 17) (ESAF . com base nos indicadores e metas do PPA. d) Errada. observando os princípios da eficiência. Compete ao Secretário-Executivo monitorar. e) Correta. CGU. Nossa questão foi adaptada em virtude da questão original ter sido anulada.Adaptada) Segundo o Decreto n. Cabe ao MPOG editar portaria para definir diretrizes e orientações técnicas para o funcionamento do Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA 2008-2011 e estabelecer as atribuições dos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ações.601. inclusive daqueles de natureza multissetorial. Compete ao Secretário-Executivo ou seu equivalente. a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade. tendo como base os indicadores e as metas do PPA. c) Errada. dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade. e) Adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados. não se relaciona ao gerente de programa: www.MPOG -2008 . SUSEP. da eficácia e da efetividade da ação governamental.com. a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. b) Errada. em conjunto com o Gerente de Programa. diretamente ou por delegação. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES d) Monitorar. O Comitê de Gestão deve deliberar sobre alterações do PPA no nível estratégico. da eficácia e da efetividade da ação governamental. O examinador pede a opção que indica uma das competências do Comitê de Gestão do PPA: a) Errada. compete ao Comitê de Gestão. 6. que estabeleceu normas para a gestão do Plano Plurianual 2008-2011. STN. APO/MPOG.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. em conjunto com o Gerente de Programa.

Analista de Planejamento e Orçamento . Ainda. Vimos que o Gerente de Programa compõe o nível tático-operacional e é o titular da unidade administrativa à qual o programa está vinculado. a) Cada um dos Poderes Executivo. estabeleceu as normas para a gestão do Plano Plurianual (PPA) e de seus programas. d) O gerente de programa está compreendido no nível tático-operacional da gestão do PPA. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) O gerente de programa é o titular da unidade administrativa à qual o programa está vinculado. as informações necessárias ao acompanhamento da gestão do PPA.pontodosconcursos. APO/MPOG. É também o responsável pela gestão de programa do PPA em conjunto com o GerenteExecutivo. www. c) Os programas pertencentes ao órgão responsável 92000 (Atividades Padronizadas) estão dispensados da necessidade de vinculação a eles de Gerente e Gerente-Executivo. os programas pertencentes ao órgão responsável 92000 (Atividades Padronizadas) estão dispensados da necessidade de vinculação a eles de Gerente e Gerente-Executivo. A questão foi toda adaptada em virtude do novo decreto. Não cabe ao Gerente de Programa estimar e avaliar o custo da ação e os benefícios esperados. 6. Aponte a opção falsa segundo o referido Decreto. Resposta: Letra E 18) (ESAF . na Internet. Legislativo e Judiciário manterá atualizadas. STN. CGU. mantémse a mesma idéia.Adaptada) O Decreto n. SUSEP. Entretanto. e) Ao Gerente de Programa cabe estimar e avaliar o custo da ação e os benefícios esperados. de 10 de outubro de 2008.MPOG.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.2008 .601. que é a solicitação da questão do que não se relaciona ao gerente de programa.com. Repare que os Gerentes estão sempre vinculados a programas. b) O gerente de programa é o responsável pela gestão de programa do PPA. Os Coordenadores estão vinculados sempre a ações.br 43 .

mantémse a mesma idéia. Ainda. Entretanto. Orçamento e Gestão. o nível estratégico do PPA compreende os objetivos de governo e os objetivos setoriais. coordenará a Gestão do PPA. SUSEP. Logo. É integrado pelos Gerentes de Programas. pela Secretaria-Executiva.pontodosconcursos. em articulação com os demais órgãos do Poder Executivo.Analista de Planejamento e Orçamento . 6º do Decreto nº 6. A questão foi toda adaptada em virtude do novo decreto. bem como disponibilizar metodologia. Orçamento e Gestão tem a responsabilidade de coordenar os processos de monitoramento.601/2008. em articulação com os demais órgãos do Poder Executivo. O Ministério do Planejamento.Adaptada) O Sistema de Monitoramento e Avaliação (SMA) tem sua estrutura definida no Art.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. d) Cabe ao Ministério do Planejamento. que é a solicitação da opção falsa. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) A gestão do PPA é coordenada pelo Ministério do Planejamento. as informações necessárias ao acompanhamento da gestão do PPA. na Internet. Coordenadores de Ação e Coordenadores Executivos de Ação. bem como disponibilizar metodologia. pela CMA e pela UMA. com alternativas versando sobre os níveis estratégico e tático-operacional e atribuições do MPOG. e) O nível tático-operacional do PPA compreende os programas e ações.MPOG -2005 . É integrado pelo Comitê de Gestão do PPA. orientação e apoio técnico para a sua gestão. APO/MPOG. orientação e apoio técnico para a sua gestão. as informações necessárias ao acompanhamento da gestão do PPA. Resposta: Letra A 19) (ESAF . Já o nível tático-operacional do PPA compreende os programas e ações. de avaliação e de revisão do PPA. Deverá também manter atualizadas. STN. na Internet.com. Orçamento e Gestão coordenar os processos de monitoramento. CGU. é competência do MPOG manter atualizadas. c) O nível estratégico do PPA compreende os objetivos de governo e os objetivos setoriais. Gerentes-Executivos de Programas. O Sistema é composto por Comitê de Gestão www.br 44 . de avaliação e de revisão do PPA . Quanto aos níveis.

STN. dos programas prioritários e das respectivas metas de ações. • realizar o monitoramento estratégico do PPA com base na evolução dos indicadores dos objetivos de governo. CGU. Comissão de Monitoramento e Avaliação do PPA e Unidades de Monitoramento e Avaliação.com. e) Observar os princípios da eficiência. c) Elaborar o Relatório Anual de Avaliação dos Objetivos Setoriais.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. que é a solicitação da questão do que não é competência de um dos integrantes do Sistema de Monitoramento e Avaliação. d) Deliberar sobre alterações do PPA no nível estratégico. observando os princípios da eficiência. o Comitê de Gestão do PPA. A questão foi toda adaptada em virtude das alternativas tratarem também do revogado Decreto 5.º. da eficácia e da efetividade da ação governamental. entre outros. e • deliberar sobre alterações do PPA no nível estratégico. b) Realizar o monitoramento estratégico do PPA.pontodosconcursos. mantém-se a mesma ideia. elaborar o Relatório Anual de Avaliação dos Objetivos Setoriais e supervisionar a elaboração do Relatório Anual de Avaliação dos Programas sob a responsabilidade do órgão. bem como os demais requisitos de informação disponibilizados pelo Órgão Central no Sistema de Planejamento e Orçamento Federal Resposta: Letra C www.br 45 . Entretanto. com base nos indicadores e metas do PPA. da eficácia e da efetividade da ação governamental. SUSEP. Segundo o art. compete ao Comitê de Gestão do PPA: • adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados. com base nos indicadores e metas do PPA. APO/MPOG. Compete ao Secretário Executivo ou seu equivalente. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES do Plano Plurianual. 4. diretamente ou por delegação.322/2004. Secretaria Executiva. Não compete ao Comitê de Gestão do PPA: a) Adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados. no caso.

trouxeram modificações no ciclo de gestão do PPA. a implementação. social e econômica. referenciado na estratégia de desenvolvimento e nos desafios. resultante do processo de avaliação.pontodosconcursos. APO/MPOG. corrigir rumos. publicados após a prova da CGU/2008. c) Na fase de Elaboração do PPA. compreendendo ainda a implementação. SUSEP. contribuir para a obtenção dos resultados globais desejados. a) Errada.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. Segundo o previsto na legislação federal. o Governo Federal desde 1998 vem adotando ações no sentido de organizar a forma de elaboração e gestão do PPA e consolidou conceitos em relação ao Ciclo de Gestão do PPA. diretrizes e objetivos estruturados em programas com vistas ao alcance do projeto de Governo. assim. STN. d) O Monitoramento do PPA é o processo sistemático de aferição periódica dos resultados e da aplicação dos recursos. segundo os critérios de eficiência. a avaliação e a revisão dos projetos.653/08 e o Decreto 6. CGU. o monitoramento. por meio da alteração.com.br 46 . acontece a definição de orientações estratégicas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 20) (ESAF – Analista de Finanças e Controle – CGU – 2008) Considerando a premissa constitucional de elaboração do Plano Plurianual – PPA. o www.601/08. a) O Ciclo de Gestão do PPA é um conjunto de eventos integrados que viabilizam o alcance dos objetivos de governo e compreende os processos de elaboração da programação orçamentária. exclusão ou inclusão de programa. b) A Revisão do PPA se traduz no contínuo acompanhamento da implementação do Plano. e. A gestão do Plano Plurianual observará os princípios de eficiência. a questão pode ser interpretada e resolvida à luz da nova legislação. com o objetivo de subsidiar a alocação dos recursos. eficácia e efetividade. indique a opção correta. No entanto. permitindo o aperfeiçoamento do Plano Plurianual e o alcance dos objetivos de governo. sistematizar elementos para subsidiar os processos de avaliação e revisão. adequa-se o Plano às mudanças internas e externas da conjuntura política. e) Na fase da Avaliação do PPA. eficácia e efetividade. identificar e superar restrições sistêmicas. A Lei 11.

resultante do processo de avaliação. Resposta: Letra C 21) (ESAF . a avaliação e a revisão de programas. Na fase de revisão do PPA. eficácia e efetividade. d) Auxiliar a tomada de decisão. b) Aperfeiçoar a concepção e a execução do plano e dos programas.PPA 2004-2007 que a importância da Avaliação pode ser traduzida em quatro objetivos específicos. a) Proporcionar maior transparência às ações do governo. A avaliação do PPA é o processo sistemático de aferição periódica dos resultados e da aplicação dos recursos. referenciado na estratégia de desenvolvimento e nos desafios. exclusão ou inclusão de programa. contribuir para a obtenção dos resultados globais desejados.br 47 . STN. O monitoramento do PPA se traduz no contínuo acompanhamento da implementação do Plano. assim. c) Correta. acontecem na fase de elaboração do PPA. sistematizar elementos para subsidiar os processos de avaliação e revisão. corrigir rumos. SUSEP. c) Promover a aprendizagem nas organizações. diretrizes e objetivos estruturados em programas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES monitoramento. porém podemos responder pelo atual manual do PPA 2008-2011.com.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. social e econômica. A avaliação do PPA www. permitindo o aperfeiçoamento do Plano Plurianual e o alcance dos objetivos de governo. adequa-se o Plano às mudanças internas e externas da conjuntura política. As definições de orientações estratégicas. CGU. e) Errada.pontodosconcursos. e) Promover a disseminação do conhecimento nas organizações. b) Errada. e. d) Errada. com vistas ao alcance do projeto de Governo.Analista de Planejamento e Orçamento . Identifique a opção falsa.2005) Diz o Manual de Avaliação Anual do Plano Plurianual. APO/MPOG.MPOG . segundo os critérios de eficiência. com o objetivo de subsidiar a alocação dos recursos. A questão trata do Manual de Avaliação Anual do PPA anterior. por meio da alteração. identificar e superar restrições sistêmicas.

atividades e operações especiais. SUSEP. CGU.pontodosconcursos. apesar de que todos os objetivos indiretamente contribuirão para a melhoria da execução. a Copa do www. O elemento organizativo central do PPA é o Programa. e ações não-orçamentárias. Existem nos Ministérios. II e IV. Por exemplo. Resposta: Letra B 22) (ESAF . I. O impacto dos programas é analisado anualmente a partir de avaliações externas conduzidas por uma equipe de especialistas independentes. b) Apenas as afirmativas I. entendido como um conjunto articulado de ações orçamentárias. Segundo o MTO. d) Apenas as afirmativas II. II e III. literalmente. com mais de 10 anos. É um instrumento mediador entre o planejamento de longo prazo e os orçamentos anuais que consolidam a alocação dos recursos públicos a cada exercício. com intuito de alcançar um objetivo específico. o PPA é o instrumento de planejamento de médio prazo do Governo Federal. promover a aprendizagem e a disseminação do conhecimento nas organizações. aperfeiçoar a concepção e a gestão do plano e dos programas.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. por exemplo. auxiliar a tomada de decisão. IV. É revisto periodicamente. planejamentos de longo prazo. I) Correto. adotando a estratégia de programação deslizante (Rolling Plan). II. Estão corretas: a) As afirmativas I. III e IV. na forma de projetos. a avaliação não tem como objetivo aperfeiçoar a execução do plano e dos programas.2008) As afirmativas a seguir se referem ao Plano Plurianual (PPA).com. APO/MPOG. e) Apenas as afirmativas I e II. STN. II. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES pode ser traduzida em quatro objetivos específicos: proporcionar maior transparência às ações de governo.EPPGG/MPOG . III. III e IV. c) Apenas as afirmativas I.br 48 . Logo.

Quanto à execução.br 49 . o PPA é o mediador entre o planejamento de longo prazo e os orçamentos anuais que consolidam a alocação dos recursos públicos a cada exercício.MPOG -2005 . o qual é o elemento central do PPA. As informações da avaliação subsidiarão a revisão qualitativa da programação para o ano subsequente e para os três seguintes. só se planejaria a Copa no próximo PPA.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. os trabalhos são realizados pela própria equipe responsável pela gestão do programa. os planos de longo prazo vão se materializando por meio do PPA. IV) Correto. o qual é elaborado a cada 4 anos. II) Correto. Dessa forma. conduzida por unidade administrativa diferente da executora. os itens I. Fica assim estabelecido o PPA deslizante ou rolante (Rolling Plan). SUSEP. A organização das ações do Governo está sob a forma de programas. o que a inviabilizaria. diretamente ou por delegação: www.com. III) Errado. II e IV estão corretos. O programa é o instrumento de organização da atuação governamental que articula um conjunto de ações orçamentárias ou não-orçamentárias.pontodosconcursos. Não compete ao Secretário-Executivo ou seu equivalente. que concorrem para a concretização de um objetivo comum preestabelecido. que deverá sempre projetar indicadores e ações para os exercícios subsequentes ao PPA 20082011 e atualizar o cenário macroeconômico. A avaliação interna é realizada dentro da organização em que se localiza o programa.Analista de Planejamento e Orçamento . Se isso não ocorresse. de 2012-2015. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Mundo de 2014 no Brasil possui planos de longo prazo. a gestão do programa é de responsabilidade de vários órgãos. Resposta: Letra B 23) (ESAF .Adaptada) Segundo o Decreto que estabelece as normas para a Gestão do PPA 20082011. a avaliação pode ser caracterizada como interna ou externa. no qual se aplica uma autoavaliação. Logo. mensurado por indicadores. STN. Assim. APO/MPOG. sendo que para o PPA. visando à solução de um problema ou o atendimento de determinada necessidade ou demanda da sociedade. CGU.

CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) Acompanhar a execução dos programas do PPA e adotar medidas que promovam a eficiência. mantém-se a mesma ideia. eficácia e efetividade. STN.br 50 . a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. apoiar os Gerentes de Programa com medidas mitigadoras (e não incentivadoras) de riscos identificados na execução dos programas. www. Com relação à avaliação.Analista de Planejamento e Orçamento . A questão foi toda adaptada em virtude das alternativas tratarem do revogado Decreto 5322/04. de 10 de outubro de 2008. que é a solicitação da questão do que está incorreto quanto ao Comitê de Gestão do PPA. identifique a única opção incorreta.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.MPOG -2008 .Adaptada) O Modelo de Gestão do Plano Plurianual (PPA) foi orientado segundo os critérios de eficiência. Orçamento e Gestão. a) O Sistema de Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual 2008-2011 está sob a coordenação do Ministério do Planejamento. para a melhoria de resultados apurados periodicamente pelo Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA. APO/MPOG. Compete ao Secretário-Executivo ou seu equivalente. diretamente ou por delegação. A avaliação é parte fundamental do modelo de gestão para geração de informações qualificadas para tomada de decisão nos diferentes níveis de administração. c) Monitorar. conforme o estabelecido no Decreto 6. CGU. Resposta: Letra D 24) (ESAF .pontodosconcursos. b) Definir prioridades de execução em consonância com o estabelecido no PPA e nas leis de diretrizes orçamentárias. em conjunto com o Gerente de Programa.com.601. As demais alternativas estão corretas. quando necessário. Entretanto. SUSEP. e) Articular junto às unidades administrativas responsáveis por programas e ações. a eficácia e a efetividade da ação governamental. dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade. d) Apoiar os Gerentes de Programa com medidas incentivadoras de riscos identificados na execução dos programas.

Secretaria-Executiva. APO/MPOG. O MPOG é o coordenador do Sistema de Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual 2008-2011. e) Correta. que é a solicitação da questão da opção incorreta em relação ao monitoramento e à avaliação. CMA. c) Correta. d) No nível tático. caberá a cada Gerente de Programa editar portaria para definir diretrizes e orientações técnicas para o funcionamento do Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA 2008-2011. SUSEP. A questão foi toda adaptada em virtude do novo decreto.br 51 . A revisão do PPA tem como subsídio os resultados apurados no monitoramento e avaliação. Orçamento e Gestão estabelecer as atribuições dos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ações. e) Os resultados apurados no monitoramento e avaliação deverão subsidiar a revisão do PPA. mantémse a mesma ideia.pontodosconcursos. Cabe ao MPOG editar portaria para definir diretrizes e orientações técnicas para o funcionamento do Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA 2008-2011. Também é atribuição do MPOG estabelecer as atribuições dos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ações. a coordenação do PPA. c) O Sistema de Monitoramento e Avaliação é integrado pelos órgãos Comitê de Gestão do PPA. é realizada pelos seguintes responsáveis: a) gerentes de programas. CGU.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. a) Correta. no nível operacional.APOFP . Secretaria-Executiva.com. UMA e pelos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ação. b) Correta. d) É a incorreta. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) Caberá ao Ministério do Planejamento.2009) No âmbito federal. Gerentes de Programas e Coordenadores de Ação. www. Integram o Sistema de Monitoramento e Avaliação: Comitê de Gestão do PPA. CMA. UMA. STN. Resposta: Letra D 25) (ESAF . Entretanto. coordenadores-executivos de programas e ordenadores de despesas.SEFAZ/SP .

os coordenadores de ação e os coordenadores-executivos de ação. ordenadores de despesas e supervisores de ação. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) comissão de gestão do PPA.pontodosconcursos. STN. Resposta: Letra C www. os gerentes-executivos de programas. e) coordenadores de programas. CGU. ordenadores de despesa e gerentes de ações.com.br 52 . d) gerentes de programas. gerentes-executivos de programas. gerentes de programas e coordenadoresexecutivos de programas. APO/MPOG. Os responsáveis pela gestão do PPA no nível operacional são os gerentes de programas. c) gerentes de programas. coordenadores de ação e coordenadores-executivos de ação.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. secretários-executivos. SUSEP.

ocorrem proibições de natureza constitucional. a) Concessão de créditos ilimitados. STN.Analista de Planejamento e Orçamento . Resposta: letra E 2) (ESAF – AFC/STN . a) Os créditos suplementares somente podem ser abertos em razão de excesso de arrecadação ou por cancelamento de créditos consignados na Lei Orçamentária Anual.pontodosconcursos.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.br 53 . É vedada a realização de despesas ou a assunção de obrigações diretas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais. É vedada a concessão ou utilização de créditos ilimitados. e) Exigência ou redução de tributo sem lei que o estabeleça. CGU. b) Início de programas ou projetos não incluídos na lei orçamentária anual. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 2º SIMULADO DE REVISÃO . Não é uma das vedações constitucionais em matéria orçamentária.ESAF 1) (ESAF .2008) Assinale a opção correta. a) Correta. Indique a opção falsa. APO/MPOG. sem prévia autorização legislativa.2010) O Orçamento Público obedece aos princípios orçamentários. c) Correta. b) Correta. SUSEP. e) É a incorreta. É vedado o início de programas ou projetos não incluídos na lei orçamentária anual. d) Correta. d) Instituição de fundos de qualquer natureza. c) Realização de despesas ou assunção de obrigações diretas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais.MPOG . Como consequência do princípio da especificação. a respeito dos créditos adicionais. É vedada a instituição de fundos de qualquer natureza. sem prévia autorização legislativa.com. www.

e) O cancelamento de restos a pagar é fonte para a abertura de créditos adicionais.br 54 . quando a abertura decorrer de calamidade pública. STN.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. Os créditos suplementares sempre necessitam de autorização legislativa prévia para serem abertos. a indicação da fonte dos recursos é sempre facultativa. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) Os créditos especiais podem ser reabertos no exercício seguinte pelos saldos remanescentes. a indicação da fonte dos recursos é dispensada. O cancelamento de restos a pagar não é fonte para a abertura de créditos adicionais. Resposta: Letra B 3) (ESAF – Analista Tributário – Receita Federal – 2009) Assinale a opção falsa a respeito dos créditos adicionais. a) A abertura de crédito suplementar está condicionada à existência de despesa já pré-empenhada no exercício. b) Correta. podendo ser já na própria LOA ou outra lei específica.com. Na abertura de créditos extraordinários. caso o ato de autorização tenha sido promulgado nos últimos quatro meses do exercício. c) Na abertura de créditos extraordinários. d) Errada. Os créditos adicionais podem ser abertos por qualquer uma das fontes. www. a) Errada. caso o ato de autorização tenha sido promulgado nos últimos quatro meses do exercício. c) Errada. caso haja grave ameaça à ordem pública. SUSEP. CGU. e) Errada. b) A abertura de créditos especiais exige a indicação da fonte dos recursos. inclusive em razão de excesso de arrecadação ou por cancelamento de créditos consignados na Lei Orçamentária Anual. d) Os créditos suplementares não necessitam de autorização legislativa para serem abertos. APO/MPOG. Os créditos especiais e extraordinários podem ser reabertos no exercício seguinte pelos saldos remanescentes.pontodosconcursos. c) Os créditos adicionais aumentam a disponibilidade de crédito para a emissão de empenho ou descentralização.

Assim.br 55 . um acréscimo do valor global do orçamento aprovado. tais como em caso de guerra ou calamidade pública. O chamado orçamento de base zero é a base sobre a qual se aplica a idéia de planejamento plurianual.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. reabertos nos limites dos seus saldos. Os créditos especiais e extraordinários têm vigência no exercício em que forem autorizados. necessariamente. a) É a incorreta. mas podem aumentá-lo. e) Créditos extraordinários têm sua abertura submetida a restrições de natureza constitucional. o item deveria dizer que os créditos adicionais podem aumentar a disponibilidade de crédito para a emissão de empenho ou descentralização.pontodosconcursos. A abertura de crédito suplementar está condicionada à existência de fontes de recursos. salvo se o ato de autorização for promulgado nos últimos quatro meses daquele exercício. Considerando cada dotação. SUSEP. 167 da CF/1988. c) Correta. a Banca considerou o item como correto. A abertura de créditos suplementares e especiais exige a indicação da fonte dos recursos. d) Correta.com. em um empenho “A” pode ser aumentada a disponibilidade e em outro “B” pode ser diminuída. I. APO/MPOG. casos em que. No entanto. poderão viger até o término do exercício financeiro subsequente. e) Correta. Para ficar perfeito.2008) Leia as afirmações I. b) Correta. os créditos adicionais podem aumentar a disponibilidade na dotação “A” por meio da anulação parcial da dotação “B”.AFC/STN . STN. CGU. os créditos extraordinários são restritos a despesas urgentes e imprevisíveis. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES d) É permitida a reabertura de créditos especiais e extraordinários no exercício seguinte ao da abertura. www. Segundo o art. II e III e depois assinale a afirmação correta. Resposta: Letra A 4) (ESAF . Os créditos adicionais não provocam.

II e III estão corretas.Planejamento e Execução Financeira .2010) Por se tratarem de recursos financeiros de caráter temporário. Logo. a) I e III estão corretas.Analista . projetos e atividades. II) Errado. Resposta: Letra E 5) (ESAF . exceto: a) depósitos em caução. O elemento chave do PPA é o programa. O orçamento desempenho é um avanço em relação ao orçamento tradicional ao buscar indicar os benefícios a serem alcançados pelos diversos gastos e assim possibilita medir o desempenho organizacional. SUSEP. CGU. I) Errado. A ênfase reside no desempenho organizacional e no resultado dos gastos.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. c) I. APO/MPOG. e não apenas no gasto em si. III) Correto. os seguintes ingressos constituem item da receita extraorçamentária. suas políticas e estratégias.pontodosconcursos. e) Apenas III está correta. mas não alinha as despesas dos diferentes órgãos do governo com o plano de trabalho do governo. www. b) fianças. através da identificação dos seus programas de trabalho. que não se incorporam ao patrimônio público. O orçamento de desempenho é uma evolução em relação ao orçamento clássico. com estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados e previsão dos custos relacionados. O orçamento-programa é um instrumento de planejamento da ação do governo. O orçamento-programa propicia o controle político sobre as finanças públicas.com.CVM . apenas a alternativa III está correta. b) II e III estão corretas. suas políticas e estratégias. logo o orçamentoprograma é a base sobre a qual se aplica a ideia de planejamento plurianual. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES II. III. d) Apenas II está correta. STN. Ele alinha as despesas dos diferentes órgãos com o plano de trabalho do governo.br 56 .

restituições e indenizações. por parte do Estado das rendas obtidas na aplicação de recursos.pontodosconcursos. os recursos de outras pessoas de direito público ou privado destinados a atender despesas classificáveis em Despesas de Capital e. sob as rubricas próprias. b) Receita tributária é uma receita derivada que o Estado arrecada. oriunda da exploração indireta. segundo a qual os recursos ou meios financeiros são obtidos mediante a cobrança pela venda de bens e serviços. inclusive as provenientes de operações de crédito.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. o superávit do orçamento corrente. STN. de bens e direitos. São exemplos de receitas extraorçamentárias: depósito em caução. e) Outras receitas correntes são receitas originárias.2008) Identifique o conceito de receita orçamentária que não é pertinente à sua definição. c) Receitas de capital são receitas provenientes da realização de recursos financeiros oriundos da constituição de dívida. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES c) operações de crédito. SUSEP.br 57 . mediante o emprego de sua soberania. e) outras entradas compensatórias no ativo e passivo financeiros. cobranças da dívida ativa. www. serão classificadas como receita orçamentária. da conversão. d) emissão de moeda. em espécie. todas as receitas arrecadadas. 57 da Lei 4. APO/MPOG. sem contraprestação diretamente equivalente e cujo produto se destina ao custeio das atividades gerais ou específicas que lhe são próprias. cancelamento de restos a pagar. d) Receita de serviço é uma receita originária. emissão de moeda e outras entradas compensatórias no ativo e passivo financeiros. Segundo o art. ainda. Resposta: Letra C 6) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento . CGU. ainda que não previstas no Orçamento.com.MPOG . antecipação de receitas orçamentárias – ARO. a) Receita patrimonial é uma receita derivada. provenientes de multas.320/1964.

a) função b) subfunção c) programa d) projeto e) atividade www.Analista .com. pois são obtidas pelo Estado mediante sua autoridade coercitiva. comunicação. As receitas de serviços são originárias e compreendem ingressos provenientes da prestação de serviços de transporte. processamento de dados. tais como as rendas de aluguéis. STN. São as receitas que provêm das rendas geradas pelo patrimônio do próprio Estado (mobiliário e imobiliário). e) Correta. As receitas patrimoniais são originárias. d) Correta. ainda. armazenagem. vendas de mercadorias e produtos inerentes à atividade da entidade e outros serviços.Planejamento e Execução Financeira . participações e royalties. Outras receitas correntes são os ingressos correntes provenientes de outras origens não classificáveis nas anteriores. SUSEP. APO/MPOG. b) Correta. CGU. Instrumento de organização da atuação governamental que articula um conjunto de ações que concorrem para a concretização de um objetivo comum preestabelecido. os recursos recebidos de outras pessoas de direito público ou privado.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. a(o) ______________ é o módulo comum integrador entre o plano e o orçamento. de modo a tornar a afirmação correta. como multas. judiciário.br 58 . as receitas decorrentes das vendas de bens. As receitas provenientes da realização de recursos financeiros oriundos de constituição de dívidas. Resposta: Letra A 7) (ESAF . de bens e direitos. o superávit do Orçamento Corrente. em espécie.2010) Complete o texto abaixo. c) Correta. dividendos. de inspeção e fiscalização. portuário. da conversão. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) É a incorreta. saúde. dívida ativa. etc.pontodosconcursos. destinados a atender despesas classificáveis em Despesas de Capital e.CVM . As receitas tributárias são derivadas. são denominadas receitas de capital.

seus órgãos ou entidades. d) a classificação por subelemento de despesa é obrigatória na elaboração da proposta orçamentária anual. inclusive a decorrente de descentralização orçamentária para outras esferas de Governo.com. a) Errada.2008) A respeito da classificação econômica da despesa. c) a utilização de grupos de despesa é opcional na emissão das notas de empenho. e) na Lei Orçamentária Anual. A modalidade de aplicação não se relaciona ao tipo de licitação. SUSEP. ou por outro órgão ou entidade no âmbito do mesmo nível de Governo. Para incluir a unidade orçamentária. mensurado por indicadores instituídos no plano. por grupo de natureza da despesa e por modalidade de aplicação. diretamente pela unidade detentora do crédito orçamentário. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES O programa é o módulo comum integrador entre o plano e o orçamento. visando à solução de um problema ou o atendimento de determinada necessidade ou demanda da sociedade. ou diretamente para entidades privadas sem fins lucrativos e outras instituições. é correto afirmar: a) a categoria econômica define o impacto econômico da aquisição do bem ou serviço no orçamento da unidade orçamentária. b) a modalidade de aplicação se relaciona diretamente com o tipo de licitação a ser adotada na aplicação dos recursos. a discriminação da despesa deverá ocorrer. então.pontodosconcursos.Diversos Órgãos . STN.br 59 . b) Errada.Processo Seletivo Simplificado . Destina-se a indicar se os recursos serão aplicados mediante transferência financeira.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. ou. APO/MPOG. Também indica se tais recursos são www. CGU. por categoria econômica. no mínimo. é necessária a classificação institucional. A categoria econômica permite analisar o impacto dos gastos públicos na economia do país. Resposta: Letra C 8) (ESAF . É o instrumento de organização da atuação governamental que articula um conjunto de ações que concorrem para a concretização de um objetivo comum preestabelecido.

6. no mínimo. representando o maior nível de agregação das ações do governo. quando combinada com a classificação funcional e com a estrutura programática. outras instituições ou ao exterior.pontodosconcursos. c) Errada. d) Errada. por categoria econômica. funcional e programática. O desdobramento dos elementos de despesa é facultativo. a) A classificação institucional.br 60 . reunidas em seus grupos maiores. indique a resposta correta. visando a solucionar um problema ou a atender uma necessidade ou demanda da sociedade. destacam-se a classificação institucional. quanto à sua natureza. A utilização de grupos de despesa é obrigatória na emissão das notas de empenho. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES aplicados mediante transferência para entidades privadas sem fins lucrativos. b) A atividade é um instrumento de programação para alcançar os objetivos de um programa.2007) Entre as classificações da despesa. e) Correta.º da Portaria Interministerial SOF/STN 163/2001 dispõe que.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. STN.com. www. utilizadas na elaboração da lei orçamentária anual. far-se-á. possibilita identificar a unidade responsável pela execução de um determinado programa. SUSEP. CGU. O art. das quais resulta um produto final que concorre para a expansão ou para o aperfeiçoamento da ação do governo. envolvendo um conjunto de operações limitadas no tempo. Resposta: Letra E 9) (ESAF – Auditor – TCE/GO . a discriminação da despesa. d) O projeto é um instrumento de organização da ação governamental que articula um conjunto de ações e concorre para um objetivo comum preestabelecido. grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação. na lei orçamentária. APO/MPOG. c) As subfunções representam as ações desenvolvidas pelo governo. direta ou indiretamente. Com relação à utilização dessas classificações no Brasil. para procurar alcançar os objetivos nacionais.

representando o maior nível de agregação das ações do governo. permite uma visão global das finalidades dos gastos do governo no sentido de se saber para que está sendo realizada a despesa. Combinada com outras. envolvendo um conjunto de operações limitadas no tempo. como focalizar dentro de um programa a responsabilidade por sua execução. Ela permite comparar imediatamente as dotações recebidas por cada órgão ou unidade orçamentária. O projeto é um instrumento de programação para alcançar os objetivos de um programa. a classificação institucional impede que se tenha uma visão global das finalidades dos gastos do governo. c) Errada. a) Correta. b) Errada. As funções representam as ações desenvolvidas pelo governo. reunidas em seus grupos maiores. para procurar alcançar os objetivos nacionais.br 61 .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. em termos das funções precípuas que deve cumprir. para dado programa. Resposta: Letra A www. ou seja. CGU. Na classificação institucional temos o agente encarregado do gasto. o órgão e a unidade orçamentária. como com a estrutura programática assim determinada pela Portaria nº 42/99 e com a classificação por natureza da despesa. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES e) A classificação institucional. SUSEP. Usada de forma predominante. se for usada predominantemente. é necessário combiná-la com outras classificações. d) Errada. a classificação institucional nos permite chegar a diversas informações. direta ou indiretamente. visando a solucionar um problema ou a atender uma necessidade ou demanda da sociedade. APO/MPOG. STN. A classificação institucional aponta “quem faz” a despesa. e) Errada.pontodosconcursos.com. Para que se tenha uma visão global das finalidades dos gastos do governo. das quais resulta um produto final que concorre para a expansão ou para o aperfeiçoamento da ação do governo. O programa é um instrumento de organização da ação governamental que articula um conjunto de ações e concorre para um objetivo comum preestabelecido. pois identifica o agente responsável pelas dotações autorizadas pelo Legislativo.

indicada pelos dois primeiros dígitos da classificação funcional. e) Errada.Analista .Planejamento e Execução Financeira . STN. via de regra. A classificação funcional é representada por cinco dígitos.2010) Acerca da classificação funcional da despesa. a programação de um órgão é classificada em uma única função e subfunção. b) as subfunções não podem ser combinadas com funções diferentes das quais estejam originariamente relacionadas. enquanto os três últimos representam a subfunção. representa o maior nível de agregação das diversas áreas de atuação do setor público. a) Errada. Deve-se adotar como função aquela que é típica ou principal do órgão. CGU. representa um nível de agregação imediatamente inferior à função.com. d) Correta. indicada pelos três primeiros dígitos da classificação funcional. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 10) (ESAF .br 62 . a programação de um órgão.pontodosconcursos. enquanto os três últimos representam a subfunção.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. Os dois primeiros referem-se à função. é correto afirmar que: a) a subfunção. A classificação funcional é representada por cinco dígitos.CVM . d) não é possível haver matricialidade na relação entre ação e subfunção. As subfunções podem ser combinadas com funções diferentes daquelas às quais estão relacionadas na Portaria 42/1999. Existe a possibilidade de matricialidade na conexão entre função e subfunção. combinar qualquer função com qualquer subfunção. Os dois primeiros referem-se à função. ou seja. c) via de regra. é classificada em uma única função. mas não na relação entre ação e subfunção. APO/MPOG. Assim. c) Errada. e) a função. SUSEP. Resposta: Letra D www. b) Errada. ao passo que a subfunção é escolhida de acordo com a especificidade de cada ação.

CGU.pontodosconcursos. Na classificação por natureza da despesa. e) A classificação institucional do orçamento é a de menor relevância.br 63 . SUSEP. APO/MPOG. já que é um GND que pertence à categoria econômica das despesas de capital. pode-se afirmar que a lei orçamentária possui caráter impositivo. www.2° nível é um agregador de elementos de despesa com as mesmas características quanto ao objeto de gasto. c) Pagamento da remuneração a servidores. A amortização do principal da dívida pública é a única despesa que não pode ser classificada como corrente. d) O ciclo orçamentário. Resposta: Letra A 12) (ESAF . c) Ao incorporar e ampliar políticas públicas compensatórias. excede o exercício financeiro. e) Pagamento de serviços de manutenção predial.Analista . segundo dispõe as normas de classificação da despesa no âmbito federal.com. contratual ou mobiliária. São despesas com o pagamento e/ou refinanciamento do principal e da atualização monetária ou cambial da dívida pública interna e externa. b) Aquisição de material de consumo mediante suprimento de fundos.CVM . por corresponder ao período de tempo em que se processam as atividades típicas do orçamento público. d) Aquisição de gêneros alimentícios para estoque regulador. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 11) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) Assinale a opção em que a despesa realizada não pode ser classificada como despesa corrente. haja vista importar mais a destinação do gasto que o responsável por sua execução. a) À vista de tantas vinculações constitucionais. a) Amortização do principal da dívida pública. o orçamento nacional privilegia o exercício de sua função alocativa. b) A melhor forma de se proceder à avaliação de desempenho da execução orçamentária é fortalecer os mecanismos de controle prévio.Planejamento e Execução Financeira . o GND .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.2010) Assinale a opção correta. STN.

Ela permite comparar imediatamente as dotações recebidas por cada órgão ou unidade orçamentária. passando por discussão. CGU. d) Correta. Ao incorporar e ampliar políticas públicas compensatórias. o orçamento nacional privilegia o exercício de sua função distributiva. SUSEP. d) condiciona o pagamento de uma despesa à sua liquidação e realização. portanto. Aquele envolve um período muito maior. execução e encerramento com o controle. www. o agente encarregado do gasto pode ser identificado na classificação institucional. Apesar de tantas vinculações constitucionais. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) Errada.320. b) Errada. c) permite que haja deduções nas receitas e despesas que. à realização de determinados objetivos ou serviços. independentemente de lei. realizados com frequência pelo Estado. Assim. c) Errada. Resposta: Letra D 13) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento . para dado programa. 4. A melhor forma de se proceder à avaliação de desempenho da execução orçamentária é fortalecer os mecanismos de controle de resultados.br 64 . como na promoção de ajustamentos na distribuição de renda.com. a) foi recepcionada pela ordem constitucional vigente com status de lei ordinária. STN. iniciando com o processo de elaboração do orçamento. posteriores. O ciclo orçamentário não se confunde com o exercício financeiro. A Lei n. bem como à existência de prévio empenho. devam constar da lei orçamentária. e) considera os investimentos. como despesas correntes. APO/MPOG. pode-se afirmar que a lei orçamentária possui caráter autorizativo. pois identifica o agente responsável pelas dotações autorizadas pelo Legislativo. de 17 de março de 1964.MPOG . obrigatoriamente. A classificação institucional aponta “quem faz” a despesa.2008) Assinale a única opção correta.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. b) define fundo especial como o produto de receitas específicas que se vinculem.pontodosconcursos. e) Errada.

c) Errada. a CF/1967 e a CF/1988 trouxeram a orientação que as normas gerais de direito financeiro seria disciplinadas por lei complementar. b) Errada. Assim. a Lei 4320/64 possui o status de lei complementar. STN. mobiliária ou contratual. em face dos parâmetros da política fiscal. d) Correta.com. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) Errada. b) o refinanciamento da dívida pública constará separadamente na lei orçamentária e nas de crédito adicional. I e II da CF/88. o pagamento da despesa só será efetuado quando ordenado após sua regular liquidação. CGU. e as receitas que as atenderão. constarão do plano plurianual. APO/MPOG. vedadas quaisquer deduções.pontodosconcursos.CVM . constitui fundo especial o produto de receitas especificadas que por lei se vinculam à realização de determinados objetivos ou serviços. Consoante o princípio do orçamento bruto. 165. atualmente. § 9º. Resposta: Letra D 14) (ESAF . SUSEP. Houve a novação de sua natureza normativa pelo art.br 65 . Os investimentos são despesas de capital. facultada a adoção de normas peculiares de aplicação. é correto afirmar que: a) todas as despesas relativas à dívida pública. Embora a Lei 4320/64 tenha passado pelo rito de elaboração reservado às leis ordinárias. Segundo o art. d) é permitido consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada. o qual lhe conferiu uma posição sui generis no quadro das fontes do Direito: como lei ordinária em sentido formal e lei complementar no sentido material.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.Analista . Além disso. 71.Planejamento e Execução Financeira . já que trata de normas gerais de Direito Financeiro. c) a atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada poderá superar a variação do índice de preços previsto na lei de diretrizes orçamentárias. todas as receitas e despesas constarão da Lei de Orçamento pelos seus totais. www.2010) Acerca do orçamento público. É vedada a realização de despesa sem prévio empenho. e) Errada.

deve ser compatível com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. APO/MPOG. Resposta: Letra B 15) (ESAF . constarão da LOA. exceto: a) necessariamente. d) o refinanciamento da dívida pública constará. d) Errada. A atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a variação do índice de preços previsto na lei de diretrizes orçamentárias. e as receitas que as atenderão. c) Errada. CGU. A lei orçamentária não consignará dotação para investimento com duração superior a um exercício financeiro que não esteja previsto no PPA. mobiliária ou contratual. c) a atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a variação do índice de preços previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias. separadamente. www. Todas as despesas relativas à dívida pública. STN. SUSEP. e) a consignação de dotação ilimitada ou com destinação imprecisa está limitada a cinco por cento do total. A LRF determina que o refinanciamento da dívida pública constará separadamente na lei orçamentária e nas de crédito adicional. o projeto de lei orçamentária anual deverá obedecer às seguintes regras.pontodosconcursos.com. e) Errada. a) Errada. b) será acompanhado de documento com as medidas de compensação da renúncia de receitas e aumento das despesas obrigatórias de caráter continuado.2008) Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF (LC n. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES e) a lei orçamentária não consignará dotação para investimento com duração superior a um exercício financeiro que não esteja previsto na lei de diretrizes orçamentárias.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.Diversos Órgãos . ou em legislação específica. 101/2000). b) Correta. É vedado consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada.Processo Seletivo Simplificado . na lei orçamentária e no crédito adicional.br 66 .

STN. d) Correta. os gastos com cargos em comissão ou funções de confiança deverão ser reduzidos no mínimo em vinte por cento. O projeto de lei orçamentária anual necessariamente. sobre as receitas e despesas. a concessão de aumento decorrente da revisão geral anual de remuneração. decorrente de isenções.com. acerca da verificação do cumprimento aos limites da despesa com pessoal. O projeto de lei orçamentária anual será acompanhado do demonstrativo regionalizado do efeito. SUSEP. o excesso deve ser eliminado nos dois quadrimestres seguintes. é correto afirmar. tributária e creditícia.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. b) Correta. é vedada. a atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a variação do índice de preços previsto na LDO. 101/2000.br 67 . Consoante o § 2º. remissões. é vedado consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada. ou em legislação específica. Resposta: Letra E 16) (ESAF – Analista Contábil-Financeiro – SEFAZ/CE – 2007) De acordo com a Lei Complementar n. APO/MPOG. subsídios e benefícios de natureza financeira. c) se a despesa com pessoal exceder o limite. sendo no mínimo metade no primeiro. www. ao poder ou órgão em que incorrer. deve ser compatível com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (caput).pontodosconcursos. De acordo com o § 3º. 5º da LRF: a) Correta. bem como das medidas de compensação a renúncias de receita e ao aumento de despesas obrigatórias de caráter continuado (Inciso II) c) Correta. CGU. o refinanciamento da dívida pública constará separadamente na lei orçamentária e nas de crédito adicional. que: a) se a despesa com pessoal exceder o limite. anistias. b) se a despesa com pessoal exceder a noventa e cinco por cento do limite. e) É a incorreta. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Questão baseada no art. Segundo o § 4º.

APO/MPOG. desde que ato normativo motivado de cada um dos Poderes especifique a atividade funcional. os Estados. o ente não poderá receber transferências constitucionais. 22 da LRF. reajuste ou adequação de remuneração a qualquer título. 19 e 20 será realizada ao final de cada quadrimestre. Consoante o art. o órgão ou unidade administrativa objeto da redução de pessoal. e) a verificação do cumprimento aos limites será efetuada quadrimestralmente. enquanto perdurar o excesso. SUSEP. c) Errada. b) Errada. o Distrito Federal e os Municípios adotarão as seguintes providências: redução em pelo menos vinte por cento das despesas com cargos em comissão e funções de confiança. aumento. 19 da LRF. CGU. e) Errada. Se a despesa total com pessoal ultrapassar os limites definidos. direta ou indireta. e não alcançada a redução no prazo estabelecido. Para o cumprimento dos limites da despesa com pessoal. a despesa total com pessoal será apurada somando-se a realizada no mês em referência com as dos onze imediatamente anteriores. exoneração dos servidores não estáveis. www. a) Correta.com. adotando-se o regime de competência. salvo os derivados de sentença judicial ou de determinação legal ou contratual. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES d) se a despesa com pessoal exceder o limite. comparando o mês atual com os onze meses anteriores. ressalvadas as destinadas ao refinanciamento da dívida mobiliária e as que visem à redução das despesas com pessoal.pontodosconcursos. de outro ente. contratar operações de crédito. o percentual excedente terá de ser eliminado nos dois quadrimestres seguintes. Segundo o art. são vedados ao Poder ou órgão que houver incorrido no excesso a concessão de vantagem. Não alcançada a redução no prazo estabelecido. Se a despesa total com pessoal exceder a 95% (noventa e cinco por cento) do limite. a verificação do cumprimento dos limites estabelecidos nos arts. sendo pelo menos um terço no primeiro. STN.br 68 . sempre na mesma data e sem distinção de índices. o ente não poderá receber transferências voluntárias. exoneração de servidor estável. ressalvada a revisão geral anual. a União.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. d) Errada. obter garantia. e enquanto perdurar o excesso.

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Resposta: Letra A

17) (ESAF - Analista Administrativo - ANA - 2009) No caso da União, a Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece que a despesa total com pessoal, em cada período de apuração, não pode exceder o seguinte percentual da receita corrente líquida: a) 40% (quarenta por cento). b) 45% (quarenta e cinco por cento). c) 50% (cinquenta por cento). d) 55% (cinquenta e cinco por cento). e) 60% (sessenta por cento).

Para os fins do disposto no caput do art. 169 da Constituição, a despesa total com pessoal, em cada período de apuração e em cada ente da Federação, não poderá exceder os percentuais da receita corrente líquida, a seguir discriminados: I - União: 50% (cinquenta por cento); II - Estados: 60% (sessenta por cento); III - Municípios: 60% (sessenta por cento). Resposta: Letra C

18) (ESAF - Auditor - TCE/GO - 2007) A programação da execução orçamentária e financeira visa fundamentalmente a ajustar o ritmo da execução da despesa ao fluxo de caixa de cada ente público. Em relação à execução orçamentária e financeira, indique a opção correta. a) É válido o empenho da despesa que exceder o limite dos créditos concedidos por meio de créditos especiais. b) Se verificado, ao final de um bimestre, que a realização da receita poderá não comportar o cumprimento das metas fiscais, os Poderes e o Ministério Público promoverão, por ato próprio e nos montantes necessários, até o final do bimestre seguinte, limitação de empenho e movimentação financeira, segundo os critérios fixados pela lei de diretrizes orçamentárias.

www.pontodosconcursos.com.br

69

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES c) Encerrado o exercício financeiro, os saldos de caixa que compuseram o superávit primário estabelecido na Lei de Diretrizes Orçamentárias serão utilizados para abatimento da dívida pública, independentemente de sua vinculação. d) Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal, caso haja restabelecimento da receita prevista, ainda que parcial, a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-se-á de forma proporcional às reduções efetivadas. e) Segundo a Lei n. 4.320/1964, a totalidade das despesas empenhadas e não pagas até 31/12 de cada exercício financeiro será inscrita em restos a pagar processados.

a) Errada. O empenho da despesa não poderá exceder o limite dos créditos concedidos. b) Errada. se verificado, ao final de um bimestre, que a realização da receita poderá não comportar o cumprimento das metas de resultado primário ou nominal estabelecidas no Anexo de Metas Fiscais, os Poderes e o Ministério Público promoverão, por ato próprio e nos montantes necessários, nos trinta dias subsequentes, limitação de empenho e movimentação financeira, segundo os critérios fixados pela lei de diretrizes orçamentárias. c) Errada. Os recursos legalmente vinculados à finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso. d) Correta. A LRF dispõe que no caso de restabelecimento da receita prevista, ainda que parcial, a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-se-á de forma proporcional às reduções efetivadas. e) Errada. Segundo a Lei n. 4.320/1964, a totalidade das despesas empenhadas e não pagas até 31/12 de cada exercício financeiro será inscrita em restos a pagar. Será restos a pagar processado somente se a despesa tiver sido empenhada e liquidada; caso tenha sido empenhada e não liquidada, e atenda a determinadas condições, será inscrita em restos a pagar não processado.

www.pontodosconcursos.com.br

70

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Resposta: Letra D

19) (ESAF - Analista - Planejamento e Execução Financeira - CVM - 2010) Sobre o tema “execução orçamentária do Governo Federal por meio do SIAFI”, temos que as seguintes afirmações são corretas, exceto: a) as despesas só podem ser empenhadas de acordo com o cronograma de desembolso da Unidade Orçamentária, devidamente aprovado. b) a descentralização de créditos, externa ou interna, deve ser realizada por meio de Nota de Movimentação de Crédito - NC. c) a abertura de créditos adicionais apresenta consequências em duas programações: financeira e orçamentária. d) a movimentação de créditos independe da existência de saldos bancários ou recursos financeiros. e) a formalização do empenho será precedida da criação de uma Lista de Itens, por meio de transação específica.

a) É a incorreta. As despesas só podem ser empenhadas até o limite dos créditos orçamentários iniciais e créditos orçamentários adicionais, e de acordo com o cronograma de desembolso da Unidade Gestora, devidamente aprovado. b) Correta. A Nota de Movimentação de Crédito (NC) é o documento utilizado para registrar a movimentação interna e externa de créditos e suas anulações. c) Correta. A abertura de créditos adicionais apresenta consequências em duas programações: financeira e a orçamentária. No que se refere à primeira, o efeito se fará sentir na medida em que a alteração efetuada interfira no esquema de desembolso do exercício. Quanto à programação orçamentária, a influência dos créditos se faz sentir quando interfere na concretização dos objetivos e metas a serem alcançados pela Administração, e que são dispostas na forma dos diferentes programas e ações. Desta forma, ainda que em segmentos diferentes da Administração, as duas análises se completam no sentido de dimensionar em sua totalidade as implicações de uma abertura de crédito adicional.

www.pontodosconcursos.com.br

71

são possíveis duas situações: • • Valor real > valor inscrito em RAP: a diferença será empenhada à conta de despesas de exercícios anteriores.br 72 . empenhada pelo valor estimado. para ser paga no exercício subsequente.com.2009) Quando do pagamento de Restos a Pagar referente a uma despesa qualquer. Publicada a LOA e observadas as demais normas de execução orçamentária e de programação financeira da União decretada para ao exercício. b) inscrita em Restos a Pagar do exercício vigente. SUSEP. No SIAFI.pontodosconcursos. No caso de estimativa. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES d) Correta. caso se verifique que o valor real a ser pago seja superior ao valor inscrito. e) Correta. CGU. STN. c) empenhada à conta de Despesas de Exercícios Anteriores. independentemente da existência de saldo bancário ou de recursos financeiros.Analista Administrativo . as Unidades Orçamentárias podem movimentar os créditos que lhes tenham sido consignados. a formalização do Empenho será precedida da criação de uma Lista de Itens. Logo. verificou-se que o valor real a ser pago era superior ao valor inscrito.ANA . Resposta: Letra A 20) (ESAF . a diferença será empenhada à conta de despesas de exercícios anteriores. a diferença a maior deverá ser: a) empenhada à conta do orçamento vigente. por meio da transação ATULI. e) empenhada e paga à conta do orçamento do exercício da inscrição original.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. APO/MPOG. d) inscrita em Restos a Pagar do exercício da inscrição original. Resposta: Letra C www. Nesse caso. Valor real < valor inscrito em RAP: o saldo existente será cancelado.

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES E assim terminamos nossa última aula. E você que chegou aqui já é um vitorioso, pela persistência e força de vontade.

Segui os editais dos principais concursos da ESAF, aprofundando nos temas de acordo com o que vem aparecendo nas provas, para levar ao estudante o que há de mais importante e as maiores possibilidades de exigências.

Procurei ao longo dessas semanas trazer o que tinha de mais atualizado da ESAF. Nessas 11 aulas (0 a 10), você teve a oportunidade de aprender a teoria e ainda se exercitar com 300 questões ESAF completas comentadas. É um número muito significativo para um curso teórico. Sinta-se realmente confiante e preparado!

Agradeço sinceramente os elogios, as críticas e as sugestões. É dessa forma que o professor aprimora seu trabalho, enfatizando o que está dando certo e melhorando o que não está bom.

Desejo a você ótimos estudos e uma excelente prova!

Para aqueles que querem se aprofundar ainda mais nos estudos, indico a leitura dos meus artigos na parte aberta do site e os outros cursos on-line de minha autoria no Ponto dos Concursos. Ainda, relembro o lançamento do Livro Administração Financeira e Orçamentária – Teoria e Questões, Sérgio Mendes, Editora Método.

E

aguardo

você

no

serviço

público,

buscando

contribuir

para

o

desenvolvimento de nosso país. Lembro que estarei com você sempre que necessitar no e-mail sergiomendes@pontodosconcursos.com.br.

Forte abraço!

Sérgio Mendes

www.pontodosconcursos.com.br

73

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES

MEMENTO X
LEI 10.180/2001 SISTEMA DE PLANEJAMENTO E DE ORÇAMENTO FEDERAL INTEGRANTES MPOG (Órgão central); Órgãos setoriais e Órgãos específicos FINALIDADES Formular o planejamento estratégico nacional; Formular planos nacionais, setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social; Formular o PPA, LDO e LOA; Gerenciar o processo de planejamento e orçamento federal; Promover a articulação com os Estados, o DF e os Municípios, visando a compatibilização de normas e tarefas afins aos diversos Sistemas, nos planos federal, estadual, distrital e municipal. COMPETE ÀS UNIDADES RESPONSÁVEIS PELO PLANEJAMENTO Elaborar e supervisionar a execução de planos e programas nacionais e setoriais de desenvolvimento econômico e social; Coordenar a elaboração dos projetos de lei do PPA e o item, metas e prioridades da Administração Pública Federal, integrantes do projeto da LDO, bem como de suas alterações, compatibilizando as propostas de todos os Poderes, órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal com os objetivos governamentais e os recursos disponíveis; Acompanhar física e financeiramente os planos e programas referidos nos itens acima, bem como avaliá-los, quanto à eficácia e efetividade, com vistas a subsidiar o processo de alocação de recursos públicos, a política de gastos e a coordenação das ações do governo; Assegurar que as unidades administrativas responsáveis pela execução dos programas, projetos e atividades da Administração Pública Federal mantenham rotinas de acompanhamento e avaliação da programação; Manter sistema de informações sobre indicadores econômicos e sociais e mecanismos para desenvolver previsões e informação estratégica sobre tendências e mudanças no âmbito nacional e internacional; Identificar, analisar e avaliar os investimentos estratégicos do Governo, suas fontes de financiamento e sua articulação com os investimentos privados, e prestar apoio gerencial e institucional à sua implementação;

www.pontodosconcursos.com.br

74

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL, APO/MPOG, CGU, STN, SUSEP, CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Realizar estudos e pesquisas socioeconômicas e análises de políticas públicas; Estabelecer políticas e diretrizes gerais para a atuação das empresas estatais, as quais são consideradas, para efeito deste item, as sociedades de economia mista, suas subsidiárias e controladas e demais empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto. COMPETE ÀS UNIDADES RESPONSÁVEIS PELO ORÇAMENTO Coordenar, consolidar e supervisionar a elaboração dos projetos da LDO e LOA, compreendendo os orçamentos fiscal, da seguridade social e de investimento das empresas estatais; Estabelecer normas e procedimentos necessários à elaboração e à implementação dos orçamentos federais, harmonizando-os com o PPA; Realizar estudos e pesquisas concernentes ao desenvolvimento e ao aperfeiçoamento do processo orçamentário federal; Acompanhar e avaliar a execução orçamentária e financeira, sem prejuízo da competência atribuída a outros órgãos; Estabelecer classificações orçamentárias, tendo em vista as necessidades de sua harmonização com o planejamento e o controle; Propor medidas que visem à consolidação das informações orçamentárias das diversas esferas de governo. SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA FEDERAL INTEGRANTES STN (órgão central) e os órgãos setoriais, que são as unidades de programação financeira dos Ministérios, da AGU, da Vice-Presidência e da Casa Civil da Presidência da República. FINALIDADES Zelar pelo equilíbrio financeiro do Tesouro Nacional; Administrar os haveres financeiros e mobiliários do Tesouro Nacional; Elaborar a programação financeira do Tesouro Nacional, gerenciar a Conta Única do Tesouro Nacional e subsidiar a formulação da política de financiamento da despesa pública; Gerir a dívida pública mobiliária federal e a dívida externa de responsabilidade do Tesouro Nacional; Controlar a dívida decorrente de operações de crédito de responsabilidade, direta e indireta, do Tesouro Nacional; Administrar as operações de crédito sob a responsabilidade do Tesouro Nacional; Manter controle dos compromissos que onerem, direta ou indiretamente, a União junto a entidades ou

www.pontodosconcursos.com.br

75

os recursos dos orçamentos vigentes. efetuem despesas. perante a Fazenda Pública. liquidada e paga à conta desses recursos e as respectivas disponibilidades. as receitas prevista e arrecadada. a sistematização e a padronização da execução da despesa pública. FINALIDADES Avaliar o cumprimento das metas previstas no PPA. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES organismos internacionais. administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados. STN. quanto à eficácia e eficiência. Promover a integração com os demais Poderes e esferas de governo em assuntos de administração e programação financeira. CGU. de qualquer modo. as alterações decorrentes de créditos adicionais. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO PODER EXECUTIVO FEDERAL INTEGRANTES SFCI (órgão central) e os órgãos setoriais. Editar normas sobre a programação financeira e a execução orçamentária e financeira.pontodosconcursos. www. FINALIDADES: registrar os atos e fatos relacionados com a administração orçamentária. a aplicação dos recursos da União. financeira e patrimonial da União e evidenciar: as operações realizadas pelos órgãos ou entidades governamentais e os seus efeitos sobre a estrutura do patrimônio da União. a renúncia de receitas de órgãos e entidades federais. os custos dos programas e das unidades da Administração Pública Federal. financeira e patrimonial nos órgãos e nas entidades da Administração Pública Federal. Comprovar a legalidade e avaliar os resultados. que são aqueles de controle interno que integram a estrutura do Ministério das Relações Exteriores.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.com. bem como promover o acompanhamento. APO/MPOG. por unidade da Federação beneficiada. do Ministério da Defesa. SUSEP. a situação patrimonial do ente público e suas variações.br 76 . arrecadem receitas. a situação de todos quantos. da AGU e da Casa Civil. da gestão orçamentária. a despesa empenhada. a execução dos programas de governo e dos orçamentos da União. bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado. que são as unidades de gestão interna dos Ministérios e da AGU. SISTEMA DE CONTABILIDADE FEDERAL INTEGRANTES STN (órgão central) e os órgãos setoriais.

mesmo quando o Programa seja integrado por projetos ou atividades desenvolvidas por mais de um órgão ou unidade administrativa. LEI 11. STN. as unidades responsáveis pela execução dos Programas manterão sistema de avaliação de satisfação da sociedade quanto aos bens e serviços ofertados pelo Poder Público. prazo de conclusão. indicador que quantifique a situação que o programa tenha por fim modificar.com. respeitadas as definições de portaria do MPOG. A avaliação física e financeira dos Programas e dos projetos e atividades que os constituem é inerente às responsabilidades da unidade responsável e tem por finalidade: Aferir o seu resultado. Subsidiar o processo de alocação de recursos públicos. modelo de gerenciamento que compreenda: Definição da unidade responsável pelo gerenciamento. www.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. e regionalização das metas por Estado. Sistema informatizado de apoio ao gerenciamento. Anexo dos Órgãos Responsáveis por Programas de Governo. SUSEP. para o período do Plano. fonte de financiamento. Apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional. CGU. Já para fins de gestão da qualidade. ações não integrantes do Orçamento Geral da União necessárias à consecução do objetivo. serão estabelecidos previamente.653/2008: PPA 2008-2011 PPA organiza a atuação governamental em Programas orientados para o alcance dos objetivos estratégicos definidos para o período do Plano. DECRETO 2. Será adotado. em cada programa. Evitar a dispersão e o desperdício de recursos públicos. APO/MPOG. Controle de prazos e custos. Três anexos integram o PPA: Anexo de Programas Finalísticos. avais e garantias. órgão responsável.pontodosconcursos. os objetivos estratégicos e a previsão de recursos. valor global. a política de gastos públicos e a coordenação das ações de governo. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Exercer o controle das operações de crédito. tendo como referência os objetivos e as metas fixadas. Para orientar a formulação e a seleção dos Programas que deverão integrar o PPA e estimular a busca de parcerias e fontes alternativas de recursos.829/1998: NORMAS PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA E LOA Cada Programa deverá conter: objetivo.br 77 . Anexo de Programas de Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais. metas correspondentes aos bens e serviços necessários para atingir o objetivo. bem como dos direitos e haveres da União.

br 78 . eficácia e efetividade. por programa. indicando. da possibilidade de alcance do índice final previsto para cada indicador e de cumprimento das metas.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. são competências do Poder Executivo: Estabelecer normas complementares para a gestão do PPA 2008-2011. relatório de avaliação do PPA. CGU. se for o caso. para o quadriênio 2008-2011.pontodosconcursos. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Não integram o PPA os programas destinados exclusivamente a operações especiais. Considera-se alteração de programa: • A modificação da denominação. por programa e por indicador. APO/MPOG. para os três exercícios subsequentes ao da proposta orçamentária enviada em 31 de agosto. desde que mantenham a mesma codificação e não modifiquem a finalidade da ação ou a sua abrangência geográfica.09 de cada exercício. Manter sistema de informações gerenciais e de planejamento para apoio à gestão do Plano.601/2008 – GESTÃO DO PPA 2008-2011 E DE SEUS PROGRAMAS A gestão do PPA. STN. SUSEP. bem como a indicação dos recursos que o financiarão. • A inclusão ou exclusão de ações orçamentárias.com. orientada para resultados. do objetivo ou do público-alvo do programa. • Ou a alteração do título. Demonstrativo contendo para cada programa a execução física e orçamentária das ações orçamentárias nos exercícios de vigência deste Plano. as medidas corretivas necessárias. dos índices alcançados ao término do exercício anterior e dos índices finais previstos. com característica de sistema estruturador de governo. Para alteração ou exclusão de programa: exposição das razões que motivam a proposta. explicitando. No que se refere à gestão do PPA. Os projetos de lei de revisão anual. que conterá: Avaliação do comportamento das variáveis macroeconômicas que embasaram a elaboração do Plano. até 15. das ações orçamentárias constantes desta Lei e suas alterações. As estimativas das metas físicas e dos valores financeiros. do produto e da unidade de medida das ações orçamentárias. Manter atualizado. as razões das discrepâncias verificadas entre os valores previstos e os realizados. segundo os princípios de eficiência. quando necessários. das novas ações orçamentárias previstas e das ações não orçamentárias. no mínimo: Para inclusão de programa: diagnóstico sobre a atual situação do problema que se deseja enfrentar ou sobre a demanda da sociedade que se queira atender com o programa proposto. DECRETO 6. O Poder Executivo enviará ao Congresso Nacional. na Internet. Neste caso as alterações previstas poderão ocorrer na LOA ou em créditos adicionais. Demonstrativo. Avaliação. e conterão. compõe-se dos níveis: www. serão encaminhados ao Congresso Nacional até 31 de agosto. o conjunto de informações para acompanhamento da gestão do Plano. se for o caso.

dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. Nível Tático-operacional – programas e ações. Realizar o monitoramento estratégico do PPA com base na evolução dos indicadores dos objetivos de governo. quando necessário. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Nível Estratégico – objetivos de governo e os objetivos setoriais. observando os princípios da eficiência. Gerentes Executivos de Programa. diretamente ou por delegação: Acompanhar a execução dos programas do PPA e adotar medidas que promovam a eficiência. inclusive multissetorial. da eficácia e da efetividade da ação governamental. Monitorar. com base nos indicadores e metas do PPA. APO/MPOG. Compete ao Secretário Executivo ou seu equivalente. SUSEP. Promover a aprendizagem e a disseminação do conhecimento nas organizações. Composição: Comitê de Gestão do PPA. Composição: Gerentes de Programa. Coordenar a alocação de recursos nos programas sob a responsabilidade do órgão. em conjunto com o Gerente de Programa. dos programas prioritários e das respectivas metas de ações. www. Compete ao Comitê de Gestão do PPA: Adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados. e Elaborar o Relatório Anual de Avaliação dos Objetivos Setoriais e supervisionar a elaboração do Relatório Anual de Avaliação dos Programas sob a responsabilidade do órgão. Auxiliar a tomada de decisão. AVALIAÇÃO DO PPA A Avaliação Anual do PPA 2008-2011 pode ser traduzida em quatro objetivos específicos: Proporcionar maior transparência às ações de governo.com. CGU.br 79 . Definir prioridades de execução em consonância com o estabelecido no PPA e nas LDOs. a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. Articular junto às unidades administrativas responsáveis por programas e ações. CMA e UMA. e Deliberar sobre alterações do PPA no nível estratégico. para a melhoria de resultados apurados periodicamente pelo Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA. a eficácia e a efetividade da ação governamental. bem como os demais requisitos de informação disponibilizados pelo Órgão Central no Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. Apoiar os Gerentes com medidas mitigadoras dos riscos identificados na execução dos programas.pontodosconcursos. STN. Coordenadores de Ação e Coordenadores Executivos de Ação. Secretaria Executiva.

br 80 . Quanto à execução: interna e externa. Quanto à temporalidade: ex ante. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Aperfeiçoar a concepção e a gestão do plano e dos programas. APO/MPOG. de resultados e de impacto. STN. CGU. SUSEP. ex post ou somativa e formativa ou de processos.com. www.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. A avaliação pode ser caracterizada como: Quanto ao objeto: de processo.pontodosconcursos.

setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social. direitos e haveres da União. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES LISTA DE QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA 1) (ESAF . das diretrizes orçamentárias e dos orçamentos anuais.2008) No que se refere às finalidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal.pontodosconcursos. Orçamento e Gestão. c) organizar a auditoria interna das entidades da administração indireta federal.2008) O Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal tem como órgão central a(o): a) Advocacia-Geral da União.Planejamento e Execução Financeira . 2) (ESAF . APO/MPOG. b) exercer o controle das operações de crédito. e) Tribunal de Contas da União.AFC/STN . d) Ministério do Planejamento. Estados. d) Gerenciamento do processo de planejamento e do orçamento federal. Distrito Federal e Municípios. avais. garantias. assinale a opção incorreta. 3) (ESAF .com.2010) Compete aos órgãos e às unidades do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal: a) julgar a execução dos orçamentos da União. www.CVM .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. b) Secretaria da Receita Federal do Brasil. d) realizar auditoria sobre a gestão dos recursos públicos federais sob a responsabilidade de órgãos e entidades privados.AFC/STN . c) Formulação do plano plurianual. STN. c) Ministério da Fazenda.br 81 .Analista . a) Formulação do planejamento estratégico nacional. e) apreciar a Prestação de Contas Anual do Presidente da República a ser encaminhada ao Congresso Nacional. SUSEP. CGU. b) Formulação de planos nacionais.

b) servidores integrantes da carreira Finanças e Controle que não estejam em exercício nas áreas de controle interno ou no ministério ou órgão equivalente ao qual a entidade esteja vinculada. preferencialmente. no que se refere à compatibilização de normas e tarefas afins aos diversos Sistemas. 5) (ESAF . vedandose.STN .com. APO/MPOG.Analista de Finanças e Controle . tendo em vista inclusive necessidades de harmonização para planejamento em controle.pontodosconcursos. que esses órgãos proponham medidas que objetivem a consolidação das informações orçamentárias das diversas esferas do governo. excluindo-se os Municípios. vedando-se. a consolidação e a supervisão da elaboração dos projetos da lei de diretrizes orçamentárias e da lei orçamentária da União. que esses órgãos estabeleçam classificações orçamentárias.180.br 82 . no entanto. de 6 de fevereiro de 2001.AFC/STN . CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES e) Promoção da articulação com os Estados e com o Distrito Federal. STN.2008) A coordenação. 4) (ESAF . b) das unidades responsáveis pelas atividades de planejamento.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. c) exclusiva de órgãos setoriais subordinados à Casa Civil da Presidência da República. competência: a) das unidades responsáveis pelas atividades de orçamento. www. SUSEP. 10.2008) Os representantes do Tesouro Nacional nos conselhos fiscais deverão ser. compreendendo os orçamentos fiscal. da seguridade fiscal e de investimento das empresas estatais é. nos termos da legislação de regência: a) servidores integrantes da carreira Finanças e Controle com exercício nas áreas de controle interno da entidade vinculada. no entanto. e) exclusiva de órgãos vinculados à Secretaria do Tesouro Nacional. vedando-se. no entanto. nos termos da Lei n. d) exclusiva de órgãos setoriais subordinados à Casa Civil da Presidência da República. a realização de estudos e pesquisas concernentes ao desenvolvimento e ao aperfeiçoamento do processo orçamentário federal. CGU.

2008) Nos termos da Lei n.com. c) Secretaria do Tesouro Nacional. b) unidades de apoio de representação extrajudicial. CGU.STN . APO/MPOG. e) Conselho Gestor do Plano de Contas Único da União.pontodosconcursos. e) servidores da Secretaria da Receita Federal do Brasil. d) órgão central. detentores de notórios conhecimentos jurídicos e contábeis. b) Comissão de Coordenação de Controle Interno. as unidades de gestão interna da Advocacia-Geral da União integram o Sistema de Contabilidade Federal na qualidade de: a) unidades intervenientes de representação judicial. SUSEP. e) órgão setorial. de quaisquer áreas de planejamento e de gestão.Analista de Finanças e Controle . 6) (ESAF .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. de 6 de fevereiro de 2001.2008) No que se refere às atividades do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal. d) Conselho Federal de Contabilidade.STN . d) servidores da Secretaria do Tesouro Nacional. nos termos da legislação aplicável. a) Secretaria Federal de Controle Interno. 7) (ESAF .Analista de Finanças e Controle . 8) (ESAF .Analista de Finanças e Controle . de quaisquer áreas de planejamento e de gestão. www.180. 10. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES c) servidores integrantes da carreira Finanças e Controle com exercício há mais de três anos nas áreas de controle interno da entidade vinculada. detentores de notórios conhecimentos jurídicos e contábeis. c) unidades gestoras de representação judicial de órgão central.2008) Identifique o órgão central do Sistema de Contabilidade Federal. STN. assinale a opção incorreta.br 83 .STN .

c) Execução dos programas de governo. b) Avaliação do cumprimento das metas previstas no plano plurianual. SUSEP. bem como promover o acompanhamento. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) Realização de tomadas de contas dos ordenadores de despesa. 2. organizou e disciplinou o Sistema de Planejamento e Orçamento Federal. 9) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) A Lei n.2009) Assinale a opção que indica um dos componentes do modelo de gerenciamento dos programas de acordo com as disposições do Decreto n.com. extravio ou ilegalidade que resulte dano ao erário. d) Execução dos orçamentos da União. www.829/98. 10. a) Formular planos nacionais. direta ou indiretamente. d) Manter controle dos compromissos que onerem. a) Exercício do controle dos custos e dos prazos. CGU. com exceção da auditoria de responsáveis por bens e valores públicos e de todo aquele que der causa a perda. Identifique qual objetivo faz parte desse Sistema. b) Definição de responsáveis pela execução das metas a serem cumpridas pelas entidades. e) Editar normas sobre a programação financeira e a execução orçamentária e financeira. setoriais e regionais de desenvolvimento econômico e social.br 84 .180. APO/MPOG. e) Avaliação da gestão dos administradores públicos federais. c) Gerir a dívida pública mobiliária federal e a dívida externa de responsabilidade do Tesouro Nacional. segundo a referida Lei.SEFAZ/SP . a União junto a entidades ou organismos internacionais.APOFP .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. b) Administrar as operações de crédito sob a responsabilidade do Tesouro Nacional. a sistematização e a padronização da execução da despesa pública. STN. 10) (ESAF .pontodosconcursos. de 06 de fevereiro de 2001.

c) vinculação dos projetos a objetivos e órgãos executores. CGU. d) Entende-se por ação finalística aquela que proporciona bem ou serviço para o atendimento direto a demandas da sociedade. sempre que possível. e) Os programas serão formulados de modo a promover. 12) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) Segundo dispõe o Decreto n. 2829. assinale a que não está coerente com o decreto. a busca de parcerias e fontes alternativas de recursos para os programas fundamenta-se em: a) metas e objetivos a serem alcançados.MPOG .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. de 29 de outubro de 1998. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES c) Planejamento e controle das despesas de custeio visando a redução do custo do programa. d) Designação de profissional capacitado para a gestão de cada ação do programa visando sua integração com as funções de governo. c) A classificação funcional-programática deverá ser aperfeiçoada de modo a estimular a adoção.br 85 . a) A avaliação física e financeira dos programas e dos projetos e atividades que os constituem é inerente às responsabilidades da unidade responsável e não tem por finalidade subsidiar o processo de alocação de recursos públicos. b) Os programas constituídos de Ações continuadas deverão conter metas de qualidade e de produtividade. 11) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento . em todas as esferas de governo. estabelece normas para a elaboração e execução do Plano Plurianual e dos Orçamentos da União. a integração com Estados e Municípios e a formação de parcerias com o setor privado. 2. a serem atingidas em prazo definido.2008) O Decreto n. b) objetivos de longo e médio prazos.com. SUSEP. d) objetivos estratégicos e previsão de recursos. www. STN. Entre as opções abaixo. e) Integração entre os responsáveis pela execução e os órgãos de controle visando o cumprimento dos prazos preestabelecidos. do uso do gerenciamento por programas. a descentralização. APO/MPOG.pontodosconcursos.829/98.

c) a avaliação. d) A gestão do Plano Plurianual compreende ainda a implementação. o conjunto de informações necessárias ao acompanhamento da gestão do Plano. com característica de sistema estruturador de governo.2008 . compõe-se dos níveis estratégico e tático-operacional. avaliação e revisão de programas. 13) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) A gestão do Plano Plurianual 2008-2011 observará os princípios de eficiência. na Internet.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. CGU.pontodosconcursos. www.MPOG. eficácia e efetividade. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES e) metas e seus quantitativos. d) o monitoramento.com. não é correto afirmar que sua gestão compreenderá: a) a implementação.br 86 . e) a revisão de programas destinados exclusivamente a operações especiais. 15) (ESAF . a) A gestão do Plano Plurianual observará os princípios de eficiência. orientada segundo os critérios de eficiência. Segundo o referido Decreto não é correto afirmar que: a) A gestão do PPA 2008-2011. c) Cabe ao Poder Executivo manter atualizado. monitoramento. Com relação aos programas do PPA. APO/MPOG. aponte a opção não pertinente.2005 .Adaptada) O Decreto nº 6. b) a revisão. SUSEP. de 10 de outubro de 2008. e) O Poder Executivo manterá sistema de informações gerenciais e de planejamento para apoio à gestão do Plano.Analista de Planejamento e Orçamento. eficácia e efetividade. b) Estabelecer normas complementares para a gestão do Plano Plurianual 2008-2011 é competência do Poder Legislativo. estabelece normas para a gestão do Plano Plurianual – PPA 2008-2011. 14) (ESAF . eficácia e efetividade.Adaptada) No que tange ao Plano Plurianual (PPA).601. STN.Analista de Planejamento e Orçamento .MPOG .

dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade. de 10 de outubro de 2008. de avaliação e de revisão dos programas e do Plano Plurianual. www.Adaptada) Assinale a opção que indica uma das competências do Comitê de Gestão do PPA.Analista de Planejamento e Orçamento . a) Designar os gerentes de programas e coordenadores de ação definindo-lhes as atribuições e a forma de prestação de contas junto ao Comitê Gestor. orientação e apoio técnico a sua gestão.SEFAZ/SP . não se relaciona ao gerente de programa: a) O gerente de programa é o titular da unidade administrativa à qual o programa está vinculado. para adequar a alocação de recursos nas ações. que estabeleceu normas para a gestão do Plano Plurianual 2008-2011. 17) (ESAF . observando os princípios da eficiência.MPOG -2008 . segundo dispõe o Decreto n. CGU.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. Orçamento e Gestão. a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. quando verificada a insuficiência destes. e) Caberá ao Ministério do Planejamento. STN. 6.601. visando a adequação destes às situações administrativas vigentes. em conjunto com o Gerente de Programa. c) O nível tático-operacional compreende os programas e as ações.com.pontodosconcursos. com base nos indicadores e metas do PPA.601/2008. da eficácia e da efetividade da ação governamental. b) Propor a alteração da lei orçamentária anual. d) O nível estratégico compreende os objetivos de governo e os objetivos setoriais. SUSEP. bem como disponibilizar metodologias.2009 . d) Monitorar.Adaptada) Segundo o Decreto n. 6. e) Adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados. 16) (ESAF – APOFP . Orçamento e Gestão coordenar os processos de monitoramento.br 87 . c) Determinar as alterações no nível operacional dos programas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) O nível tático-operacional é de responsabilidade apenas do Ministério do Planejamento. APO/MPOG.

b) A gestão do PPA é coordenada pelo Ministério do Planejamento. na Internet.Adaptada) O Decreto n. 19) (ESAF .com. c) Os programas pertencentes ao órgão responsável 92000 (Atividades Padronizadas) estão dispensados da necessidade de vinculação a eles de Gerente e Gerente-Executivo. as informações necessárias ao acompanhamento da gestão do PPA. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) O gerente de programa é o responsável pela gestão de programa do PPA.601/2008. CGU. www.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. Orçamento e Gestão coordenar os processos de monitoramento. Legislativo e Judiciário manterá atualizadas. bem como disponibilizar metodologia.MPOG. e) O nível tático-operacional do PPA compreende os programas e ações.601.br 88 . Secretaria Executiva. Orçamento e Gestão. Aponte a opção falsa segundo o referido Decreto. d) O gerente de programa está compreendido no nível tático-operacional da gestão do PPA. estabeleceu as normas para a gestão do Plano Plurianual (PPA) e de seus programas. STN. de 10 de outubro de 2008. Não compete ao Comitê de Gestão do PPA: a) Adotar medidas que fortaleçam a gestão para resultados. d) Cabe ao Ministério do Planejamento. e) Ao Gerente de Programa cabe estimar e avaliar o custo da ação e os benefícios esperados. APO/MPOG. orientação e apoio técnico para a sua gestão. SUSEP.pontodosconcursos. 6º do Decreto nº 6. O Sistema é composto por Comitê de Gestão do Plano Plurianual. de avaliação e de revisão do PPA . c) O nível estratégico do PPA compreende os objetivos de governo e os objetivos setoriais.Adaptada) O Sistema de Monitoramento e Avaliação (SMA) tem sua estrutura definida no Art. Comissão de Monitoramento e Avaliação do PPA e Unidades de Monitoramento e Avaliação.Analista de Planejamento e Orçamento . a) Cada um dos Poderes Executivo. 6. em articulação com os demais órgãos do Poder Executivo.2008 .Analista de Planejamento e Orçamento . 18) (ESAF .MPOG -2005 .

e. www. CGU. permitindo o aperfeiçoamento do Plano Plurianual e o alcance dos objetivos de governo. diretrizes e objetivos estruturados em programas com vistas ao alcance do projeto de Governo. por meio da alteração. sistematizar elementos para subsidiar os processos de avaliação e revisão. e) Na fase da Avaliação do PPA.br 89 .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. exclusão ou inclusão de programa. social e econômica. corrigir rumos. c) Elaborar o Relatório Anual de Avaliação dos Objetivos Setoriais. adequa-se o Plano às mudanças internas e externas da conjuntura política.pontodosconcursos. d) O Monitoramento do PPA é o processo sistemático de aferição periódica dos resultados e da aplicação dos recursos. a implementação. identificar e superar restrições sistêmicas. resultante do processo de avaliação. assim. com o objetivo de subsidiar a alocação dos recursos. STN. Segundo o previsto na legislação federal. acontece a definição de orientações estratégicas. a) O Ciclo de Gestão do PPA é um conjunto de eventos integrados que viabilizam o alcance dos objetivos de governo e compreende os processos de elaboração da programação orçamentária. contribuir para a obtenção dos resultados globais desejados. 20) (ESAF – Analista de Finanças e Controle – CGU – 2008) Considerando a premissa constitucional de elaboração do Plano Plurianual – PPA. APO/MPOG. da eficácia e da efetividade da ação governamental. o Governo Federal desde 1998 vem adotando ações no sentido de organizar a forma de elaboração e gestão do PPA e consolidou conceitos em relação ao Ciclo de Gestão do PPA. o monitoramento. b) A Revisão do PPA se traduz no contínuo acompanhamento da implementação do Plano. a avaliação e a revisão dos projetos. c) Na fase de Elaboração do PPA. SUSEP.com. indique a opção correta. d) Deliberar sobre alterações do PPA no nível estratégico. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) Realizar o monitoramento estratégico do PPA. com base nos indicadores e metas do PPA. segundo os critérios de eficiência. eficácia e efetividade. referenciado na estratégia de desenvolvimento e nos desafios. e) Observar os princípios da eficiência.

c) Promover a aprendizagem nas organizações. II e III. adotando a estratégia de programação deslizante (Rolling Plan). II. SUSEP.MPOG . IV. www. entendido como um conjunto articulado de ações orçamentárias. CGU. atividades e operações especiais. O impacto dos programas é analisado anualmente a partir de avaliações externas conduzidas por uma equipe de especialistas independentes. É revisto periodicamente.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. com intuito de alcançar um objetivo específico. e ações não-orçamentárias. II. na forma de projetos. e) Promover a disseminação do conhecimento nas organizações.2005) Diz o Manual de Avaliação Anual do Plano Plurianual. e) Apenas as afirmativas I e II. Estão corretas: a) As afirmativas I. c) Apenas as afirmativas I. b) Apenas as afirmativas I. III e IV. 22) (ESAF . III e IV. II e IV. b) Aperfeiçoar a concepção e a execução do plano e dos programas. APO/MPOG.EPPGG/MPOG .br 90 . Identifique a opção falsa.pontodosconcursos. STN.Analista de Planejamento e Orçamento . d) Apenas as afirmativas II. d) Auxiliar a tomada de decisão. a) Proporcionar maior transparência às ações do governo. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 21) (ESAF .2008) As afirmativas a seguir se referem ao Plano Plurianual (PPA). III.PPA 2004-2007 que a importância da Avaliação pode ser traduzida em quatro objetivos específicos. É um instrumento mediador entre o planejamento de longo prazo e os orçamentos anuais que consolidam a alocação dos recursos públicos a cada exercício.com. O elemento organizativo central do PPA é o Programa. I.

Orçamento e Gestão estabelecer as atribuições dos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ações. SUSEP. em conjunto com o Gerente de Programa. CMA. Com relação à avaliação. Secretaria-Executiva.601. a eficácia e a efetividade da ação governamental. b) Definir prioridades de execução em consonância com o estabelecido no PPA e nas leis de diretrizes orçamentárias. para a melhoria de resultados apurados periodicamente pelo Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 23) (ESAF . quando necessário.MPOG -2005 . c) O Sistema de Monitoramento e Avaliação é integrado pelos órgãos Comitê de Gestão do PPA. STN. c) Monitorar. e) Articular junto às unidades administrativas responsáveis por programas e ações. diretamente ou por delegação: a) Acompanhar a execução dos programas do PPA e adotar medidas que promovam a eficiência. dos programas e das metas das ações do PPA sob sua responsabilidade.Analista de Planejamento e Orçamento . a evolução dos indicadores dos objetivos setoriais. CGU. Orçamento e Gestão. 24) (ESAF .Analista de Planejamento e Orçamento . b) Caberá ao Ministério do Planejamento. UMA e pelos Gerentes de Programas e Coordenadores de Ação. eficácia e efetividade. de 10 de outubro de 2008.com.Adaptada) O Modelo de Gestão do Plano Plurianual (PPA) foi orientado segundo os critérios de eficiência. Não compete ao Secretário-Executivo ou seu equivalente.Adaptada) Segundo o Decreto que estabelece as normas para a Gestão do PPA 20082011. www.br 91 .pontodosconcursos. a) O Sistema de Monitoramento e Avaliação do Plano Plurianual 2008-2011 está sob a coordenação do Ministério do Planejamento. conforme o estabelecido no Decreto 6. identifique a única opção incorreta. APO/MPOG. a gestão do programa é de responsabilidade de vários órgãos.MPOG -2008 . A avaliação é parte fundamental do modelo de gestão para geração de informações qualificadas para tomada de decisão nos diferentes níveis de administração. d) Apoiar os Gerentes de Programa com medidas incentivadoras de riscos identificados na execução dos programas.

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. 25) (ESAF . e) Os resultados apurados no monitoramento e avaliação deverão subsidiar a revisão do PPA. caberá a cada Gerente de Programa editar portaria para definir diretrizes e orientações técnicas para o funcionamento do Sistema de Monitoramento e Avaliação do PPA 2008-2011. coordenadores de ação e coordenadores-executivos de ação. gerentes de programas e coordenadoresexecutivos de programas. no nível operacional.br 92 . CGU.pontodosconcursos. APO/MPOG. e) coordenadores de programas.2009) No âmbito federal. ordenadores de despesas e supervisores de ação. c) gerentes de programas.APOFP . b) comissão de gestão do PPA. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES d) No nível tático. d) gerentes de programas. SUSEP. é realizada pelos seguintes responsáveis: a) gerentes de programas. coordenadores-executivos de programas e ordenadores de despesas. www.SEFAZ/SP .com. gerentes-executivos de programas. a coordenação do PPA. ordenadores de despesa e gerentes de ações. STN. secretários-executivos.

pontodosconcursos.br 93 .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.com. APO/MPOG. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES GABARITO AULA 10 1 D 6 C 11 A 16 E 21 B 2 D 7 E 12 D 17 E 22 B 3 E 8 A 13 E 18 A 23 D 4 A 9 A 14 B 19 C 24 D 5 B 10 A 15 B 20 C 25 C www. SUSEP. CGU. STN.

e) O cancelamento de restos a pagar é fonte para a abertura de créditos adicionais. b) Início de programas ou projetos não incluídos na lei orçamentária anual. a) Concessão de créditos ilimitados. d) Os créditos suplementares não necessitam de autorização legislativa para serem abertos.com.MPOG – 2010) O Orçamento Público obedece aos princípios orçamentários. b) Os créditos especiais podem ser reabertos no exercício seguinte pelos saldos remanescentes. www. c) Realização de despesas ou assunção de obrigações diretas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais. a) Os créditos suplementares somente podem ser abertos em razão de excesso de arrecadação ou por cancelamento de créditos consignados na Lei Orçamentária Anual. CGU.Analista de Planejamento e Orçamento . d) Instituição de fundos de qualquer natureza. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES LISTA DE QUESTÕES COMENTADAS NO 2º SIMULADO 1) (ESAF .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.br 94 . caso haja grave ameaça à ordem pública. e) Exigência ou redução de tributo sem lei que o estabeleça. Como consequência do princípio da especificação. quando a abertura decorrer de calamidade pública. c) Na abertura de créditos extraordinários. a indicação da fonte dos recursos é dispensada. SUSEP. STN. a respeito dos créditos adicionais. APO/MPOG.pontodosconcursos. caso o ato de autorização tenha sido promulgado nos últimos quatro meses do exercício. ocorrem proibições de natureza constitucional.2008) Assinale a opção correta. 2) (ESAF – AFC/STN . Indique a opção falsa. sem prévia autorização legislativa.

os seguintes ingressos constituem item da receita extraorçamentária. a) I e III estão corretas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 3) (ESAF – Analista Tributário – Receita Federal – 2009) Assinale a opção falsa a respeito dos créditos adicionais. 4) (ESAF .pontodosconcursos. c) I.br 95 . CGU. b) A abertura de créditos especiais exige a indicação da fonte dos recursos.2008) Leia as afirmações I.Analista . O orçamento desempenho é um avanço em relação ao orçamento tradicional ao buscar indicar os benefícios a serem alcançados pelos diversos gastos e assim possibilita medir o desempenho organizacional. APO/MPOG. mas não alinha as despesas dos diferentes órgãos do governo com o plano de trabalho do governo. O chamado orçamento de base zero é a base sobre a qual se aplica a idéia de planejamento plurianual. e) Apenas III está correta.com. II e III estão corretas. I. suas políticas e estratégias.CVM . SUSEP.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. a) A abertura de crédito suplementar está condicionada à existência de despesa já pré-empenhada no exercício. b) II e III estão corretas.AFC/STN . exceto: www. e) Créditos extraordinários têm sua abertura submetida a restrições de natureza constitucional. 5) (ESAF . II. d) É permitida a reabertura de créditos especiais e extraordinários no exercício seguinte ao da abertura.Planejamento e Execução Financeira . c) Os créditos adicionais aumentam a disponibilidade de crédito para a emissão de empenho ou descentralização. d) Apenas II está correta. II e III e depois assinale a afirmação correta. O orçamento-programa propicia o controle político sobre as finanças públicas. que não se incorporam ao patrimônio público. III.2010) Por se tratarem de recursos financeiros de caráter temporário. STN.

CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. os recursos de outras pessoas de direito público ou privado destinados a atender despesas classificáveis em Despesas de Capital e. b) fianças. oriunda da exploração indireta. CGU. STN.2010) Complete o texto abaixo. restituições e indenizações. 7) (ESAF . APO/MPOG. em espécie. b) Receita tributária é uma receita derivada que o Estado arrecada. de modo a tornar a afirmação correta. Instrumento de organização da atuação governamental que articula um conjunto de ações que concorrem para a concretização de um objetivo comum preestabelecido. e) outras entradas compensatórias no ativo e passivo financeiros. de bens e direitos.Analista . SUSEP. o superávit do orçamento corrente.pontodosconcursos.CVM . a) função www. segundo a qual os recursos ou meios financeiros são obtidos mediante a cobrança pela venda de bens e serviços. d) emissão de moeda.Planejamento e Execução Financeira . cobranças da dívida ativa.MPOG . provenientes de multas. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) depósitos em caução.2008) Identifique o conceito de receita orçamentária que não é pertinente à sua definição. a(o) ______________ é o módulo comum integrador entre o plano e o orçamento.com. sem contraprestação diretamente equivalente e cujo produto se destina ao custeio das atividades gerais ou específicas que lhe são próprias. c) operações de crédito. e) Outras receitas correntes são receitas originárias. c) Receitas de capital são receitas provenientes da realização de recursos financeiros oriundos da constituição de dívida. a) Receita patrimonial é uma receita derivada. d) Receita de serviço é uma receita originária. por parte do Estado das rendas obtidas na aplicação de recursos. ainda. mediante o emprego de sua soberania.br 96 . da conversão. 6) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento .

é correto afirmar: a) a categoria econômica define o impacto econômico da aquisição do bem ou serviço no orçamento da unidade orçamentária. direta ou indiretamente. APO/MPOG. 9) (ESAF – Auditor – TCE/GO .Processo Seletivo Simplificado .pontodosconcursos. indique a resposta correta. funcional e programática.br 97 . SUSEP.2007) Entre as classificações da despesa. Com relação à utilização dessas classificações no Brasil. c) a utilização de grupos de despesa é opcional na emissão das notas de empenho.Diversos Órgãos . d) a classificação por subelemento de despesa é obrigatória na elaboração da proposta orçamentária anual. e) na Lei Orçamentária Anual. para procurar alcançar os www. das quais resulta um produto final que concorre para a expansão ou para o aperfeiçoamento da ação do governo. a) A classificação institucional. reunidas em seus grupos maiores. envolvendo um conjunto de operações limitadas no tempo. por grupo de natureza da despesa e por modalidade de aplicação. quando combinada com a classificação funcional e com a estrutura programática. b) a modalidade de aplicação se relaciona diretamente com o tipo de licitação a ser adotada na aplicação dos recursos. utilizadas na elaboração da lei orçamentária anual. a discriminação da despesa deverá ocorrer. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES b) subfunção c) programa d) projeto e) atividade 8) (ESAF .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. no mínimo. CGU. possibilita identificar a unidade responsável pela execução de um determinado programa. b) A atividade é um instrumento de programação para alcançar os objetivos de um programa. c) As subfunções representam as ações desenvolvidas pelo governo.2008) A respeito da classificação econômica da despesa.com. destacam-se a classificação institucional. STN. por categoria econômica.

b) as subfunções não podem ser combinadas com funções diferentes das quais estejam originariamente relacionadas. permite uma visão global das finalidades dos gastos do governo no sentido de se saber para que está sendo realizada a despesa.CVM . representa um nível de agregação imediatamente inferior à função. 11) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG – 2010) Assinale a opção em que a despesa realizada não pode ser classificada como despesa corrente. a programação de um órgão é classificada em uma única função e subfunção. representa o maior nível de agregação das diversas áreas de atuação do setor público. STN. e) A classificação institucional. se for usada predominantemente. APO/MPOG. 10) (ESAF . é correto afirmar que: a) a subfunção. segundo dispõe as normas de classificação da despesa no âmbito federal. indicada pelos três primeiros dígitos da classificação funcional. c) via de regra. e) Pagamento de serviços de manutenção predial. indicada pelos dois primeiros dígitos da classificação funcional. d) Aquisição de gêneros alimentícios para estoque regulador. SUSEP. a) Amortização do principal da dívida pública. e) a função. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES objetivos nacionais. d) não é possível haver matricialidade na relação entre ação e subfunção.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. b) Aquisição de material de consumo mediante suprimento de fundos. CGU. visando a solucionar um problema ou a atender uma necessidade ou demanda da sociedade.com. c) Pagamento da remuneração a servidores. www.2010) Acerca da classificação funcional da despesa.Analista . d) O projeto é um instrumento de organização da ação governamental que articula um conjunto de ações e concorre para um objetivo comum preestabelecido.pontodosconcursos. representando o maior nível de agregação das ações do governo.br 98 .Planejamento e Execução Financeira .

CVM . APO/MPOG. a) foi recepcionada pela ordem constitucional vigente com status de lei ordinária.Analista . d) O ciclo orçamentário. obrigatoriamente.320. o orçamento nacional privilegia o exercício de sua função alocativa. a) À vista de tantas vinculações constitucionais. d) condiciona o pagamento de uma despesa à sua liquidação e realização.Planejamento e Execução Financeira . haja vista importar mais a destinação do gasto que o responsável por sua execução. excede o exercício financeiro. devam constar da lei orçamentária.2010) Acerca do orçamento público. por corresponder ao período de tempo em que se processam as atividades típicas do orçamento público.2010) Assinale a opção correta. de 17 de março de 1964. como despesas correntes. é correto afirmar que: www. SUSEP. 14) (ESAF . à realização de determinados objetivos ou serviços.MPOG . realizados com frequência pelo Estado.pontodosconcursos. e) A classificação institucional do orçamento é a de menor relevância. STN. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 12) (ESAF . e) considera os investimentos. A Lei n. pode-se afirmar que a lei orçamentária possui caráter impositivo.com. em face dos parâmetros da política fiscal. b) A melhor forma de se proceder à avaliação de desempenho da execução orçamentária é fortalecer os mecanismos de controle prévio. b) define fundo especial como o produto de receitas específicas que se vinculem. bem como à existência de prévio empenho. 13) (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento .CVM .2008) Assinale a única opção correta. independentemente de lei. 4. c) permite que haja deduções nas receitas e despesas que.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.Analista .Planejamento e Execução Financeira . c) Ao incorporar e ampliar políticas públicas compensatórias. CGU.br 99 .

101/2000).Diversos Órgãos . separadamente.br 100 . constarão do plano plurianual. e) a lei orçamentária não consignará dotação para investimento com duração superior a um exercício financeiro que não esteja previsto na lei de diretrizes orçamentárias.Processo Seletivo Simplificado .2008) Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF (LC n. na lei orçamentária e no crédito adicional. mobiliária ou contratual. é correto afirmar. 16) (ESAF – Analista Contábil-Financeiro – SEFAZ/CE – 2007) De acordo com a Lei Complementar n. ou em legislação específica. APO/MPOG.pontodosconcursos. o projeto de lei orçamentária anual deverá obedecer às seguintes regras. d) o refinanciamento da dívida pública constará. STN. 15) (ESAF . exceto: a) necessariamente. d) é permitido consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada. SUSEP. b) será acompanhado de documento com as medidas de compensação da renúncia de receitas e aumento das despesas obrigatórias de caráter continuado. CGU.com. que: www. acerca da verificação do cumprimento aos limites da despesa com pessoal. e as receitas que as atenderão.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) todas as despesas relativas à dívida pública. e) a consignação de dotação ilimitada ou com destinação imprecisa está limitada a cinco por cento do total. 101/2000. deve ser compatível com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. c) a atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada poderá superar a variação do índice de preços previsto na lei de diretrizes orçamentárias. b) o refinanciamento da dívida pública constará separadamente na lei orçamentária e nas de crédito adicional. c) a atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a variação do índice de preços previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias.

2009) No caso da União.TCE/GO .ANA .pontodosconcursos. d) 55% (cinquenta e cinco por cento). a) É válido o empenho da despesa que exceder o limite dos créditos concedidos por meio de créditos especiais.Auditor . e) a verificação do cumprimento aos limites será efetuada quadrimestralmente. comparando o mês atual com os onze meses anteriores. sendo no mínimo metade no primeiro. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES a) se a despesa com pessoal exceder o limite. b) Se verificado. indique a opção correta. é vedada. 17) (ESAF . enquanto perdurar o excesso. ao final de um bimestre. o ente não poderá receber transferências constitucionais. CGU. APO/MPOG. 18) (ESAF . o excesso deve ser eliminado nos dois quadrimestres seguintes. não pode exceder o seguinte percentual da receita corrente líquida: a) 40% (quarenta por cento). Em relação à execução orçamentária e financeira. ao poder ou órgão em que incorrer. em cada período de apuração. os gastos com cargos em comissão ou funções de confiança deverão ser reduzidos no mínimo em vinte por cento. a concessão de aumento decorrente da revisão geral anual de remuneração.com. b) 45% (quarenta e cinco por cento).CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. STN.2007) A programação da execução orçamentária e financeira visa fundamentalmente a ajustar o ritmo da execução da despesa ao fluxo de caixa de cada ente público.br 101 . b) se a despesa com pessoal exceder a noventa e cinco por cento do limite. e) 60% (sessenta por cento). os Poderes e o Ministério www. d) se a despesa com pessoal exceder o limite. que a realização da receita poderá não comportar o cumprimento das metas fiscais. e não alcançada a redução no prazo estabelecido. c) 50% (cinquenta por cento). a Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece que a despesa total com pessoal.Analista Administrativo . c) se a despesa com pessoal exceder o limite. SUSEP.

com. externa ou interna.320/1964. CGU. por ato próprio e nos montantes necessários.2010) Sobre o tema “execução orçamentária do Governo Federal por meio do SIAFI”.br 102 . e) a formalização do empenho será precedida da criação de uma Lista de Itens. a totalidade das despesas empenhadas e não pagas até 31/12 de cada exercício financeiro será inscrita em restos a pagar processados. deve ser realizada por meio de Nota de Movimentação de Crédito . CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES Público promoverão. os saldos de caixa que compuseram o superávit primário estabelecido na Lei de Diretrizes Orçamentárias serão utilizados para abatimento da dívida pública. c) a abertura de créditos adicionais apresenta consequências em duas programações: financeira e orçamentária.NC.pontodosconcursos.Planejamento e Execução Financeira .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. temos que as seguintes afirmações são corretas. caso haja restabelecimento da receita prevista. exceto: a) as despesas só podem ser empenhadas de acordo com o cronograma de desembolso da Unidade Orçamentária.CVM . b) a descentralização de créditos. d) Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal. c) Encerrado o exercício financeiro. devidamente aprovado.Analista . e) Segundo a Lei n. APO/MPOG. 4. SUSEP. www. por meio de transação específica. até o final do bimestre seguinte. ainda que parcial. limitação de empenho e movimentação financeira. STN. a recomposição das dotações cujos empenhos foram limitados dar-se-á de forma proporcional às reduções efetivadas. independentemente de sua vinculação. d) a movimentação de créditos independe da existência de saldos bancários ou recursos financeiros. segundo os critérios fixados pela lei de diretrizes orçamentárias. 19) (ESAF .

verificou-se que o valor real a ser pago era superior ao valor inscrito. APO/MPOG. c) empenhada à conta de Despesas de Exercícios Anteriores. a diferença a maior deverá ser: a) empenhada à conta do orçamento vigente.2009) Quando do pagamento de Restos a Pagar referente a uma despesa qualquer. empenhada pelo valor estimado. SUSEP.com.ANA . Nesse caso. STN.pontodosconcursos. d) inscrita em Restos a Pagar do exercício da inscrição original.Analista Administrativo .CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL. e) empenhada e paga à conta do orçamento do exercício da inscrição original. CGU. b) inscrita em Restos a Pagar do exercício vigente.br 103 . para ser paga no exercício subsequente. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 20) (ESAF . www.

CGU.CURSO ON-LINE REGULAR – AFO PARA ESAF TEORIA E 300 QUESTÕES DA ESAF COMPLETAS COMENTADAS RECEITA FEDERAL.pontodosconcursos. CVM E OUTROS PROFESSOR: SÉRGIO MENDES GABARITO 2º SIMULADO 1 E 11 A 2 B 12 D 3 A 13 D 4 E 14 B 5 C 15 E 6 A 16 A 7 C 17 C 8 E 18 D 9 A 19 A 10 D 20 C www. APO/MPOG.br 104 . STN.com. SUSEP.