You are on page 1of 21

N.Cham.

981.05 B823 2.éd Título: O Brasil Republicano

/ .

1111I111I11111111111111111111111
80633

I111111111

illll 111II11!11111

Ac. 28574 N° Pat.:273/2009

Organizado por Jorge Ferreira e Lucilia de Almeida Neves Delgado

o Brasil
Republicano
o tempo
do nacional-estatismo do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo

Livro 2

2aedição

CIVILIZAC,:ÃO

III1MlILEIHA

Rlo ti jnu Iro J.()()7

.o Estado Novo: o que trouxe de novo? Maria Helena Capela to Professora livre-docente do Departamento de História da Universidade de São Paulo.

Regimes como o fascismo na Itália. Esse tipo de política.o Estado Novo se constituiu em decorrência de uma política de massas que se foi definindo no Brasil a partir da Revolução de 1930. segundo inúmeros autores. o salazarismo em Portugal e o franquismo na Espanha foram constituídos nessa época.s matizes. n I r I siu Ir 'nnizaçíi . revelavam extrema preocupação com a questão social e muito se discutia sobre novas formas de controle das massas com o intuito de evitar a: eclosão de revoluções socialistas.eUI" péia. assumindo características específicas em cada um deles. o Estado Novo brasileiro teve inegável inspira . considerado incapaz de solucionar os problemas sociais. capaz de conduzir as massas no caminho da ordem. . voltada para as classes populares. O 1 um Este d f rt aut ritári . e em outras partes do mundo. Correntes intelectuais e políticas antiliberais e antidemocráticas. desenvolveu-se no período entre as guerras a partir das críticas ao sistema liberal. de diferente. resultou em críticas à democracia representativa parlamentar de cunho individualista. Uma das soluções propostas era a do controle social através da presença de um Estado forte comandado por um líder carismático. Essa política foi adotada em alguns países europeus. por sua vez. uma crise do liberalismo: os impactos. Brasil e Argentina espe- Apesar de apresentar características próprias. Nesses anos manifestou-se na Europa. O sucesso das experiências italiana e alemã serviu de inspiração para reformas políticas que ocorreram em alguns países latino-americanos: cialmente. o nazismo na Alemanha. Um tra c I11UlTI foi a crítica à liberal dCI11 ra i. uma crise de consciência generalizada que. com a ascensão de Getúlio Vargas ao poder. da Primeira Guerra e da Revolução Russa provocaram.

O povo foi comunicado do golpe a partir de informações obtidas pelo rádio. a revisão do papel do Estado se complementou com a proposta inovadora do papel do líder em relação às massas e apresentação de uma nova forma de identidade nacional: a identidade nacional coletiva. com apoio do Exército e de outras forças antidemocráticas. emblemas. Supõe-se que a motivação para o estudo desse período esteja relacionada às tentativas de compreensão mais aprofundada do fenômeno do autoritarismo no Brasil. d '11111 . cerimônias cívicas e esportivas e demais espetáculos do poder. ignorado pelos autores que. O crescimento de movimentos sociais e políticos na década de 1920 fez com que o fantasma da Revolução Russa assombrasse setores das elites intelectuais e políticas brasileiras. em outubro. artes plásticas. criação de mitos. portanto. sem qualquer parti ipa fi sentantes do poder buscaram lcgitirnaçâo apoi ti 'I III li r prenl111 I s da . foram realizados trabalhos sobre imprensa. Reconstituir a democracia no Brasil implicava olhar para essa época com outros olhos. nesse período. que precisavam ser corrigidos. I' 'vislns. inadequada à realidade do país. os erros da Primeira República. con- siderada mera cópia de fórmulas estrangeiras e. as correntes autoritárias Elas se opunham à Constituição' liberal de 1891. sob liderança de Getúlio Vargas. Constituídos a p pnl r. realizadas com o objetivo de colocar novas questões a esse passado que levaram ao estudo de aspectos não abordados até então. no passado. sinais. '" A reforma política se deu a partir do golpe de 10 de not~mbro de 1937. Após o advento do Estado Novo. muito afetada pelo o ESTADO NOVO NA VISÃO DOS HISTORIADORES O estudo do Estado Novo tem sido alvo de grande interesse dos historiadores a partir de meados da década de 1980. organização do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP).rnnis publi n ( S d DIP. A mudança política produziu um redimensionamento do conceito de democracia n~rteada por uma concepção particular de representação política e de cidadania. asp cto.a era Vargas -. deu-se a consolidação de uma política de massas que vinha se preparando desde o início da década. Muitos temas se constituíram em objeto de investigação. A ênfase recaiu nas décadas de 1930 e 40 e o Estado Novo mereceu especial atenção. e para as classes populares. P Irei as 1I I . advinham dessa inadequaçâo. em particular. alegava-se que o povo brasileiro ainda não estava preparado para o exercício da democracia. a Revolução de 1930. sociedade através da I r pa anda. livros' d . Para os críticos do liberalismo. mundo do trabalho. buscando aspectos pouco analisados pelos trabalhos de pesquisa até então realizados sobre o período. as dificuldades da economia brasileira. em geral. buscando identificar. Com a vitória dos "revolucionários" foram se fortalecendo. época que coincide com a redemocratização do país. ~.ulndu Iwlo I 111 I Hlllllli 'li l p lftic . Além da busca de apoio. a integração política das massas visava ao seu controle em novas bases. cinema. A questão social passou a ser debatida intensamente e muitos questionaram as instituições liberais vigentes pela incapacidade de vencer o "atraso" e controlar a "desordem" reinante no país. )1" ria a revisitarem um passado ainda recente . papel da polícia política e formas de repressão. o progresso dentro da ordem. Muitas pesquisas foram. haviam enaltecido o país "cordial" e "pacífico". que acarretou modificações importantes no país.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? encarregado de gerar as mudanças consideradas ~ecessárias para promover voltada para a sociedade. v 'i . suas práticas de propaganda e de censura. fórmulas autoritárias cujos traços persistiram na cultura política brasileira. A conjuntura de crise provocou revoluções em vários países da América Latina: no Brasil ocorreu. significado dos imaginários sociais criados e recriados na época através da manipulação de símbolos. serviram para acelerar o processo de mudança que vinha sendo apregoado nos anos anteriores. mesmo depois do seu fim. política cultural do Estado atuando sobre produções artísticas como música.11 S '1\1 l'ioll. Nesse contexto. de 1930. e continuam sendo. Cabe mencioná-los: cultura política. importância dos meios de comunicação e seu us rri li partir de um golpe de Estado. novas formas de controle social. O regime militar contribuiu para o questionamento desse mito e incentivou os estudiosos de nossa histó- crack da bolsa de Nova York em 1929.

Nesse período. abriuum leque de po sibilidadcs de cami- . a chamada primeira fase do governo Vargas. que o debate sobre as questões interpretativas é informado pelas visões de mundo dos participantes. ao lado dos aliados. nessa ocasião. A entrada do Brasil na Segunda Guerra constitui um marco de mudança importante nos rumos do Estado Novo. Dcp i dn "Rcv 111 Ú ". a sociedade se mobilizou intensamente em torno deles. desde sua ascensão até a queda. uma experiência a ser superada completamente. o varguismo acabou se tornando. esse período. Por este motivo. que se carac- terizou pela introdução de um novo regime político orientado por novas regras legais e políticas. quando inúmeros projetos e propostas estavam sendo postos em pauta e quando. nos dois períodos. o Estado Novo definiu-se pelo autoritarismo graças ao intenso controle político. Interessam apenas as que se referem às décadas de 1930 e 40 e nesse recorte é preciso esclarecer alguns aspectos relativos à periodizáção. a conjuntura internacional. "'-~\ Como este texto se refere ao Estado Novo. que culminaram com a eclosão da Segunda Guerra. das classes sociais com o poder.! Em primeiro lugar. nos anos 30 e 40. propõe-se a divisão desse período em dois momentos: a) 1937-1942: caracterizou-se pelas reformas mais significativas e pela tenI tativa de legitimação do novo regime. Nota-se. social e cultural e pelo cerceamento das liberdades em muitos planos. O período se caracterizou também pelas significativas mudanças promovidas pelo governo. 11 ANTECEDENTES DO GOLPE e m via em A década d 1 O. mas também no que diz respeito à formulação da política trabalhista. uma bandeira de luta contra a política neoliberal. atuação da Igreja e relação do catolicismo com a tentativa de sacralização da política. educação ~ ensino. o "varguismo" ou "getulismo" (até na denominação há diferenças) apresentou aspectos mais positivos do que negativos e por isso a sua herança é valorizada em termos das conquistas sociais. Para uns. Cabe distingui-Ia. sobretudo o do Estado Novo. para uns. Neste caso. pretende-se que essa herança seja superada. esse momento também não é homogêneo porque as circunstâncias externas e internas são responsáveis por mudanças significativas no jogo político. nova relação do Estado com a sociedade. O campo de possibilidades. a retomada desse período suscitou um importante debate acerca das formas de interpretação sobre essa experiência política. Portanto. reordenamento da economia. também. Além de novos estudos. é questionado mais a fundo pelo caráter autoritário dessa experiência.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? de imigração. não constitui um bloco homogêneo. no debate político atual. marcada por acontecimentos extremamente importantes. ou seja. Além disso. buscando apoio. do líder com as massas. 2) 1937 a 1945 correspondem à vigência do Estado Novo. era imenso e o governo terreno movediço. a conjuntura externa também ajuda a explicar as mu. propondo uma divisão em dois níveis: 1) 1930 a 1937 foram os anos de indefinição. o governo se voltou. m já foi dito. para outros. novo direcionamento das esferas pública e privada. houve repressão e violência extrema expressa nos atos de tortura. do poder com a cultura. muitas das interpretações mais genéricas sobre o varguismo não poderão ser aqui contempladas. obrigaram o país a redimensionar suas relações internacionais e assumir posições que se definiam a partir do complexo jogo militar e diplomático. O conceito de "populismo" foi o alvo central da polêmica. danças ocorridas durante o Estado Novo. preconceitos racial e social. de forma mais direta. para as classes trabalhadoras. as contradições do regime ficaram explícitas.' Alguns autores passaram a questionar a eficácia do conceito para explicar o fenômeno enquanto outros o reafirmaram acrescentando novos dados às reflexões. b) 1942-1945: com a entrada do Brasil na guerra.e. Pretende-se mostrar que. não só no que se refere à natureza do regime. foi um período de grandes mudanças no paí . Elas ocorreram em vários níveis: reorganização do Estado. No entanto. A importância desses estudos é ainda maior quando se leva em conta que. também. para outros.

Polêmicas foram travadas acerca da ques. As elites paulistas reagiram contra' aperda de liderança do estado e. Já no iní i d " C sd 11l vim nu t m . Mas.. No plano político. tema amplamente ' debatido na Europa e em outros países da América. mas também o trole do Estado nas relações entre patrões e operários. tomou medidas que já anundo país dentro do pela formuordem. A Constituição de 1934 foi considerada inviável por vários autores porque tentava conciliar tendências inconciliáveis.nti ta. de uma perspectiva de consenso. O setor ~'grário. havia divisão entre os trabalhadores: alguns setores apoiavam as novas medidas trabnlhistas do governo e outros se rebelaram contra elas porque o novo tipo d política implicava a ausência de autonomia do movimento operário. a nova Constituição foi apresentada COI1- ao país ! no dia seguinte. As discussões em torno da natureza do Estado. Mesmo os que apoiaram a queda 'do governo de Washington Luís. político e cultural e outros. Ncss nível havia ainda diferenças entre grupos de esquerda compostos por anarquistas. o que ocorreu em 1933. mas também do "atraso" em relação [' aos países capitalistas avançados. . Getúlio Vargas administrara o Brasil de forma provisória nos primcir ciavam uma nova maneira de encarar o desenvolvimento . tinham reivindicações específicas. O Governo Provisório deu início a uma política centralizadora os católicos e os integralistas. exigiam a volta do reg1fue liberal federativo. que se responsabilizou bava com a autonomia dos Estados. Este foi um dos motes da Revolução de 1930. anos 20. São Paulo foi derrotado na "guerra". anos da década de 1930. polarizou posições: havia setores favoráveis à manutenção de um Estado liberal descentralizado e com limitado poder de intervenção no plano econômico. com o levante comunista. Amplo debate se estabeleceu em torno da questão do desenvolvimento do país e sobre o melhor percurso a ser trilhado para a superação. . os conflitos foram violentos em torno da quéstão da centralização política versus que acaautonomia dos estados. a situação radicalizou-se. não só da crise. Como o texto constitucional representou uma síntcs de posições contrárias. favoráveis a um modelo de Estado forte e intervencionista. introduzido com o regime republicano. acabara beneficiando as unidades mais prósperas da federação São Paulo. em luta contra o governo Vargas. também os conflitos foram intensos. que. Getúlio Vargas foi eleito presidente constitucional do Brasil por sufrágio indireto. O levante comunista. tais medidas significavam o atendimento d uma reivindicação antiga dos trabalhadores brasileiros. social. Todas as controvérsias vieram à tona nas discussões da Constituinte. Ao assumir o poder. após o crack da bolsa de Nova York. entre estes marcavam presença os nacionali tas oriund 11 lação de novas leis referentes ao mundo do trabalho e pela fiscalização dn observância das que já existiam. o governo permitiu a organização de uma Assembléia Constituinte encarregada de elaborar a nova Carta Constitucional do país. socialistas e comunistas.~' tão social e novas 'f~rmas foram propostas para solucionar os conflitos sociais. debilitou-se muito. Na tentativa de apaziguamento nacional. qu acabou.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? nhos e vários setores sociais propunham medidas diferentes para solucionar a crise que se abatera sobre o país. nesse âmbito. apesar dos pontos comuns. demonstrando a existência de vários projetos para o futuro do Brasil. O federalismo. nenhum dos grupos se sentiu plenamente venccd 1'. A partir de 1935. reagiram à perda de hegemonia e a revolução de 1932 significou a respost~ à nova situação. a partir d I 1111111 considerado como o perigo mais ameaçador à sociedade brasileira d O cornunism I 111 . deu en ej a uma forte campanha de propaganda anticomunista acabou servin I pnrn jllsti fi • r f rtalecimento d rcgim . denominado de "Intentona" pelos anticomunista foi liderado pela Aliança Nacional Libertadora e derrotado forte repressão. que lhes garantia autonomia ante o poder central. que terminou por extinguir o movimento. . m li aS 't· 1 '11111 () pro] 't d I i ti se urnn n no ionnl: \IR I r 11 n- . Além das divergências entre as elites políticas e intelectuais. Criou o Ministério do Trabalho. Até o golpe de 1937 havia grande efervescência de idéias que se expr s· savam num cenário de manifestações públicas de cunho político e social. seguindo as novas tendências internacionais. Em 16 de julho de 1934. mas a pacificação só ocorreu quando o governo atendeu às exigências dos adversários de convocar uma Assembléia Constituinte. No plano ideológico debatiam-se as correntes liberais e antilibcrais. que trouxe em seu bojo um projeto de centralização do poder. principalmente. procurando contemplar propostas contrárias.

a unidade do povo. do paraibano José Américo. 1989. expressão significativa do liberalismo brasileiro. no Bra iI (-i- CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO NOVO (1937. a políticavarguista teve como um dos obj tiv principais a concretização do progresso dentro da ordem. 210-211). para demonstrar que o sistema federativo tinha sido derrotad . Daltro Filho e Eurico Gaspar Dutra.942) A campanha pela Presidência da República. tomou várias medidas para promover o desenvolvimento econôrni e outras tantas para estabelecer o controle social em novas bases. aplaudia a decisão do Congresso que. Previa a supressão 'dos sindicatos. que se inici~ra em . candidato dos integralistas. colocara um ponto final às lutas econômicas e impusera silêncio à querela dos partidos empenhados em quebrar a unidade do Estado e. . Paulo. um dos ideólogos mais importantes do Novo. associações profissionais e entidades jurídicas. Francisco Campos.' O estado de guerra foi decretado por três meses e. apoiaram o golpe. Mas •. os integralistas desfilaram pelas ruas com muito entusiasmo. Para i so utilizou dua tratégias: a pr p•. As instituições liberais foram extintas a partir do golpe de Estado. Para atingir 'SSII meta. que terminou com o sistema federativo da Primeira Rcpública. apenas uma bandeira passou a existir para todos os estados e. Pessoas de confiança de Getúlio Vargas foram escolhidas para as interventorias. não havia mais intermediários entre as massas e o governo. o governo entendeu ser necessária a sua prorrogação. interpretou o regime como uma decorrência histórica e necessária da Revolução de 1930: "O 11 de novembro foi o elo final de uma longa cadeia de experiências [ ] a Revolução de 30 só se operou definitivamente em novembro de 1937 [ ]. A censura coibiu qualquer manifestação articuladores contrária ao novo regime. realizou-se. como os partidos e o Parlamento foram abolidos. outro ideólogo do Estado Novo. liderou o golpe promotor do Estado Novo. Ambos consideravam que Varga 111tera um grave erro ao permitir a reconstitucionalização do país em I t Acreditavam que a partir de 1937 o progresso se concretizaria tado em Capelato. Após o golpe. ORGANIZAÇÃO DO PODER: ORDEM E PROGRESSO Como foi dito no início. que foi nomeado ministro da Guerra em 1936. um ato simbólico: numa cerimônia cívica ocorreu a queima das bandeiras estaduais para marcar a vitória do poder central sobre os estados. "com a consciência nítida do perigo que nos ameaça.-. Quando ele ocorreu. que. Este passou a intervir nos estados mediante a nomeação de interventores. o Estado Novo suscitam no país uma "consciência nacional".1.o BRASIL REPUBLICANO o ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOV07 res alegavam essa necessidade em função da intensa agitação social que dominara o país depois de 1930. foi definitivamente encerrada nesse momento. concedeu ao governo o estaáo de sítio". item que provocou reações contrárias. no Rio de Janeiro. e Plínio Salgado." Os liberais apoiaram as medidas de exceção adotadas pelo governo sob alegação de que o combate ao comunismo era a prioridade do momento. Os generais Góis Monteiro. que viria ad ''111 Ir as instituições às nossas realidades. por conseguinte. Azevedo Amaral.. argumentou que os atos de extrema violência e gravidade eram prova irrefutável de que o texto constitucional fora insuficientemente forte para prevenir as investidas contraa ordem vigente e. após a "intentona". em 1937. candidato dos liberais." Segundo o ideólogo. p. O do E ta- do golpe definiram o episódio como um novo marco na histó- ria do país. Mas. que assumiram o poder Executivo orientados pela nova Constituição. unificara uma nação dividida. oriundo de um golpe de Estad I f I a gurar sua I itirni lad . em vista disso.1936 com as candidaturas do paulista Armando de Sales Oliveira. O jornal O Estado de S. uin 1\ p líti a o r pr 1 1 . tais medidas acabaram por fortalecer o poder do governante. no fim desse tempo. Após o golpe. I I'imeira preocupação do novo regime. definiu regime como uma "necessidade" e uma "inevitabilidade". mesmo alguns liberais a consideraram insuficiente para enfrentar a ameaça social. . Os interventores reproduziam nos estados a política determinada p I governo central. candidato de Getúlio Vargas. que dissolveu o Congresso e outorgou nova Constituição à nação.

os Conselhos Técnicos substituíram o Congresso com A ênfase no papel da tecnocracia à frente dos negócios públicos. a economia começou a dar mostras de recuperação em 1933. O novo governo.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? Os meios de comunicação. O comércio mundial ficou reduzido em mais da metade. se aproximando do poder federal. . esgotamento das reservas cambiais e crise das finanças públicas. Nesse período.. foi desapare ndo ao longo da década. o preço do café baixou para um terço do que era antes e os estoques do produto aumentavam dia a dia nos portos brasileiros. inadaptável à realidade brasileira. Os órgãos opositores foram silenciados e os adeptos do regime tiveram co~o. mesmo os que haviam feito oposição ao governo Vargas no seu início. esboçou-se um projeto de desenvolvimento econômico em bases novas. sendo o café o principal deles naquela ocasião.A. em detrimento da liderança política. Estado forte para compensar a fragilidade da burguesia brasileira. bem como de expressar as opiniões alheias contrárias ao regime. que atingiu duramente a economia brasileira. a de se adaptar às exigências do capitalismo moderno. O projeto econômico do governo começou a ser elaborado a partir da crise de 1929. Aliviada a situação. segundo o autor. constituiu uma novidad ' introduzida pelo regime. O tema da modernização ganhou destaque no referido período. Oliveira Vianna preconizava a n ce idade de um 1 1 11 ar O P \1'. mas acabaram admitindo a sua necessidade. \ 1'\ 'iol\ \IÍI~( çt 11 U rnund do tr 11nlh j '( xnurole . introduzindo um sistema tributário padronizado. Getúlio Vargas procurou acudir os cafeicultores. O dirigism econômico. que procurou priorizar o avanço do setor industrial com a participação do Estado.•. A nova Constituição definiu a necessidade de intervenção do poder público na economia para "suprir as deficiências da iniciativa individual e coordenar os fatores de produção". 1 !TI i pró pcra d 1111111 I .. órgão de representação. ficaram impedidos pela censura de externar suas opiniões. Azeved Amaral considerava que ele deveria atuar no jogo econômico corrigind abusos e reajustando situações prejudiciais ao interesse coletivo. Getúlio Vargas tinha como meta principal superar o atraso e transformar o Brasil num país desenvolvido do ponto de vista econômico. Além disso houve isenções para importação de bens de capital. foram. O Estado corporativo deveria encarar o planejamento principais meios de intervenção. Tinham recusado a política social do governo. Jl1 ta d progresso indi . que ele definia como capitalismo corporativo. advindo da Revolução de 30. A partir de 1937 foi posto em prática o projeto que preconizava o Estado como agente da política econômica. aboliu os impostos interestaduais.\.. Uma das ju ti fi ativas para o golpe era a necessidade de produzir mudan a capaz s de I país num patamar de progresso material que pud quipar •. mas novas providências deveriam ser tomadas para •. Depois de esforços feitos em várias frentes. baseada na exportação de produtos primários. Os industriais. muitos veículos de comunicação acabaram aderindo ao poder para. mas também como realizador do progresso material. no campo da legislação social e da organização planificada do Estado foram enaltecidas. como um dos seus Nesse período. aSI . As realizações do governo no terreno econômico. O boicote à legislação trabalhista que entrou em vigor a partir do fim de 1930. tinha a vantagem de assegurar considerável liberdade à iniciativa privada e. com a criação elo Ministério do Trabalho. '( . O governo voltou as atenções para o mercado interno. As indústrias básicas desenvolveram-se de forma especial. A indústria têxtil e outras acabaram se beneficiando com os obstáculos col cados às importações de similares. pouco a pouco. Aos meios de comunicação cabia a tarefa de exaltar a figura de Vargas. Procurou estimular o desenvolvimento das indústrias através de um sistema de substituição das importações que implicava o incentivo à utilização da capacidade ociosa das indústrias já existentes no paí .continuar usufruindo de suas benesses. Os ideólogos estado-novistas criticavam o liberalismo alienante.avn n r 1'111 om ira: 11 'st solucionar as dificuldades. O governo provisório procurou sustentar o setor cafeeiro e adaptar-se à nova situação do mercado mundial. não só como conciliador entre a~. os 'qu~ não se dobraram a ele ficaram à mercê do controle da censura. o que significava vencer o atraso. ao mesmo tempo.elasses e protetor dos oprimidos. para facilitar a sua integração. enfrentou problemas de superprodução de café. missão enaltercer os atos do governo e divulgar a ideologia que o norteava. cerceados na liberdade de expressão.

Cabe ainda esclarecer que. mais adequada às novas condições internacionais da ordem capitalista porque introduziu. I r v - lI1c. exigia reconhecimento (Gomes. foi postergada para o futuro. de um lado.rv 'li I E I I 11 \ . torturados ou exilados durante o Estado Novo. segurança. crenças. férias.a~sem na esfera pública. . a atuação de Vargas foi benéfica para os trabalhadore . então. além da lógica material. limitação de horas de trabalho. por isso. carteira de trabalho. presos. quando o progresso material se consolida c. O Estado não se mostrava apena como produtor de bens materiais. Estabelecia o regime de sindicato único controlado pelo Ministério do Trabalho e regulamentava o imposto sindic~Ü a ser pago por todos os trabalhadores. ma utr salientam o caráter autoritário dessa política que re ult li 110 iml sil ilid: d d atua- populares. essa política concebida do alto. constituíam outro pilar da política estado-novista. com a legislação s ia! um domínio mais direto sobre as ações dos operários. pendentes da classe trabalhadora. mas também como articulador das demandas e tradições da classe operária. e outra parcela tentou reagir ao controle do Estado e à perda da liberdade política. muitos sindicalistas que se opuseram à nova política foram perseguidos. Nesse ano o conjunto de leis referentes ao mundo do trabalho (salário mínimo. N verdade. Com o pretexto de manter a ordem e acabar com a subversão. Ela era. Cartas. de forma mais efetiva. o que. o discurs statal resgatava idéias. o reconhecimento dos trabalhadores como sujeitos do processo histórico e cidadãos ativos teve um importante impacto no que se refere à dignidade do trabalhador. posta em práticana Itália de Mussolini.o BRASil REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? social. O objetivo maior consistia no impedimento de que conflitos sociais se exprc::ss. como alardeava a propaganda governamental. bilhetes dirigidos a Vargas demonstram descontentamento diant I b ixos salários. valores e a auto-imagem construída pelos pr prios trabalhadores na Primeira República. a justiça so i. através do Estado. Além disso. das atividades q:ue acabou perdendo indesua autonomia ção independente desse setor social. rnai eficaz porque recorreu a um imaginário que encontrava terreno fértil entr trabalhadores. t \I nlhad r' . justiça do trabalho. resultados efetivos no que se refere à melhoria do nível de vida da Ia. representou uma nova forma de controle social. para coordenar as relações de classe. A legislação trabalhista visava a regulamentar os conflitos entre patrões e operários e a controlar as atividades' dos sindicatos até então independentes. Para alguns autores. gera muitas controvérsias entre os intérpretes desse período. durante o Estado Novo. ressaltar os benefícios sociais como tendo sido generosamente pelo chefe do governo. Os dois lados devem ser levados em conto para a compreensão desse fenômeno: os benefícios da legislação social qu \ resultaram em direitos adquiridos e proteção mínima no que se refere à exploração que até então caracterizou o mundo do trabalho são inegáveis. o . o controle. Em 1942 foi instituído o salário mínimo. Segundo a autora. José Rogério da Silva mostra que a carestia de vida foi con tant r iva ao longo do Estado Novo. criados órgãos . Esta medida representou. que os trabalhadores consideraram insuficiente para o sustento de suas famílias. sem a participação dos interessados. foi sistematizado pela Consolidação das Leis do Trabalho. promulgadas ao longo dos anos. os representantes do govern I 'gavam que as reivindicações das classes trabalhadoras poderiam ser ar ndldas. as condições econômicas do país naquele período não eram fav r veis a aumentos salariais para a população de baixa renda. A relação dos trabalhadores com o governo era complexa e. como bem mostra Angela Castro Gomes em sua anális \ sobre esta questão. Mas essa corrente foi sufocada porque o regime autoritário impedia as manifestações de oposição em todos os níveis. A itut no t rn li-se drr 'ti 111 1.1 inúm ra r' 11l11l11Ç 'S I. tutela dos sindicatos pelo Ministério do Trabalho). em troca. o atendimento das reivindicações operárias que foram objeto de intensa luta da categoria por várias décadas e. Ess'~ política acabou por dividir o movimento sindical. carestia de vida e falta de emprego. Uma parcela significativa mostrou-se satisfeita com as "benesses generosamente" concedidas pelo chefe do governo. tido como ameaçado pelos agentes da subversão. A int . Foram.além cl . I. O aumento de prc tingiu patarnnr mui: ale a partir de 1940. Essa política tinha inspiração na "Carta del Lavoro". 1988).' 111 através do controle estatal. tclc iramas. concedid e retribui 5 efetiva s No entanto. também. de outro. e os apresentava como seus .

Muito significativo é o cartaz no qual se desenha o mapa do Brasil. mensagens dirigidas ao • chefe da nação (Silva. mostra. 1 I' i- 's I varn li Inti inm te to' 'lI( • () '111 Iormn I' li. Isto explica por que os intérpretes dessa política até hoje divergem sobre seus resultados. e a carteira de trabalho assinada era o documento de identidade mais importante. As rinncn npr ndiarn o que significava o n v nirnv d publica n PROPAGANDA POLíTICA E PRODUÇÃO CULTURAL O governo procurou ampliar a base de ap i através da I I' I n Tunda p lítica. nosso Chefe. Havia pr m ssns ele um futuro gl ri s . a bandeira brasileira com a il11:1gem de Vargas desenhada na esfera azul. Havia um cartaz também bastante significativo. ao "pai dos pobres" (epíteto atribuído <:l Getúlio Vargas) demonstram o desespero de ampla parcela da população. quando se refere ao fato de que as condições eram tão difíceis a ponto de inquietar os membros da Fede.a cidadania do trabalho. A Fiesp sugeriu cautela na construção de casas e restaurantes luxuosos. Antes do Estado Novo o governo brasileiro já se preocupara com a organização da propaganda política e da censura. so lembrar que o regime nazista transformou-a num dos pilares do poder. 1997). O contraste entre o ante' depois era marcante: o antes era representado pela negatividade total I_ pois (Estado Novo) era a expr '5 do bem e do bom. arma rnui imp rrc n e I um r gim [u se volt 11 11' I \ 1111 is. a ênfase no novo era constante: o novo regime prometia criar hmem novo. também através de correspondência enviada ao chefe do governo. a fim de evitara ira dos inquietos desempregados (Wolfe. incentivando a produção de cartazes. espetáculos. COI11 1 '11\ mostrou Alcir Lenharo. I o: as pergunta J' sp srns 11. 1 8. a sociedade nova e o país novo. as rendas reais caíram e a maioria das famílias operárias se viu obrigada a restringir a alimentação.' A criação do Departamento de Imprensa e Propaganda foi fundamental nesse sentido. em tom suplicante. Nossa Bandeira. enquanto o custo de vida mais que triplicou entre 1935. Como se pode observar.1- 'Iltllo di mu IIII1Ç:18. l'i I . apud Capclato 1998. excluídos da condição de cidadania. Em conseqüência disso. 48). objetos. que muitos trabalhadores se sentiam gratos a ele pelas benesses recebidas através da nova política trabalhista (Ferreira. os baixos salários e o desemprego passaram a ser vistos como uma ameaça à ordem social. Era considerado cidadão quem trabalhava. parte das indústrias. no centro. Nele aparecia a fi lira paternal de Vargas acariciando as crianças. 1992). enaltecedores do poder.. ração das Indústrias do Estado de São 'Paulo (Fiesp). emprestava maior força à imagem (Lenharo. trareis para a vidn prática todas as probabilidades de êxito" (Nosso Século. formar a consciência do pequeno cidadão. os brasileiros do Estado Novo são guiados pela grande trindade nacional: nossa Pátria. Essa realidade é confirmada por Joel Wolfe. A bandeira brasileira e a figura de Vargas foram os símbolos mais explorados nas representações visuais do Estado Novo. a política trabalhista teve leituras diversas por parte de seus destinatários. ministro Joseph Goebbels criou uma máquina de propaganda que serviu I modelo a vários governos em busca do apoio das massas como base de sustentação de suas políticas.e í945. p.-" Mas Jorge Ferreira. "Fortes unidos. nças! Aprendendo no lar e nas escolas o culto à Pátria. colorido de verde e. 1994.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? tentativa de controlar os preços foi nula e oproblema se agravou com a entrada do Brasil na guerra em 1942. p. Ele tinha o encargo de produzir material de propaganda. seguida dos dizeres:" ri. O regime alardeava os benefícios da nova cidadania introduzida pelo regime . ao lado havia os dizeres. No entanto. ' . além de marginalizados do mercado de trabalho. em seu estudo sobre o mesmo tema.). como mostram inúmeras. As cartas e os bilhetes endereçados. livros e artig Os organizadores da propaganda se valeram de símbolos e imagens n busca de consentimento e adesão da sociedade. As imagens e os símbolos eram difundidos nas escolas com o objetiv I. o número de desempregados era muito alto." A referência à simb I iin cristã da Santíssima Trindade é clara: a sacralização dos símbolos. 42-43). estes se sentiam. Os salários cresceram pouco na maior. Nas representações do E ta I Novo.

219). p. No período de evolução em que nos encontramos. responsável pela orientação cultural no períod . mas s r sultn los fu nã bri ~111. Quand s m I11br s V '1'11 S . porque conhecia profundamente go. 1998. ide lógicos. ] Obedecendo. a 1111111' I intelectual sem objetivo claro e definido deve ser considerada. Realmente. paz. o Brasil é uma grande família. Gustavo Capanema. ferida.v~ em uma democracia? não. felicidade. suprema por um chefe não contraria a . O governo considerava importante Pergunta: O exercício da autoridade Resposta: Absolutamente.iua a dis '61' lin [.(. . porque se sacrific~va pelo povo. Pátria. Muitas biografias de Getúlio Vargas e obras laudatórias ao governo foram publicadas na época. ou seja.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOV07 Nas publicações destinadas à formação cívica das crianças.. ' A propaganda.. religiosos e morais. deve também saber ler.ia [.. ]. pretendiase neutralizar os conflitos através da formação da identidade nacional col tiva (Capelato. Por que o governo não quer? Porque o governo é amigo dos brasileiros e não gosta da ignorânc. No item referente ao "Princípio da autoridade" estava posta a seguinte pergunta. Ao estimular esses sentimentos.. A produção artística cultural engajada ficou a cargo do ministro da Educação. luxo essível a poucos indivíduos e de escasso proveito para a coletividad . O sentimento de agregação e pertencimento foi muito valorizado através da associação entre Estado.. No livreto O Brasil é bom o tema da educação aparecia da seguinte forma: "O menino.t 1" c1uídos desses benefícios. caracterizou esse pcrí do. 2003).lu ilu tração [. I 1 I '11 'f' d< 'h . os representantes do regime justificaram a pr jbição ou valorização de produtos culturais. o povo. demonstrava a preocupação do governo com a formação de uma identidade nacional coletiva. O Chefe do Estado. mas a referência à coletividade explicita a p I'S- tiva de que a cultura tinha uma tarefa política. ]. Por isso o governo não quer que haja brasileiros que não saibam ler.. o que deveria ser produzido e incentivou certas obras JlI detrimento de outras. regime varguista concebeu e organizou a cultura com os olh s v lrnI S I ara as experiências européias nazi-fascistas.. entretanto. o chefe da grande família nacional. entendida como fator de unidade nacional. como bem mostra a lição 3 do livreto O Brasil é bom: "Se todos os brasileiros são irmãos. ]" (apud Capelato. desdém pela cultura ou menosprezo p . o seu representante ao Chefe que o representa. O poder político definiu. direto [. No E tado N vo brnsil -il'O tnmb '111 ri '\lI \I ti P líti 'a ultural. é portanto. Na Alemanha c na ltálin 11 nrlurrn ra nt n lida c m sup rtc da política. 1998. em última instância. como era o caso do Catecismo cívico do Brasil Novo. generosidade." Amor. concórdia constituíam os elemcntos que compunham a estrutura afetiva organizada para propor a unidad . Nessa perspectiva.rasil pela Constituição o expoente do povo. se conforma com aquilo que ele próprio deseja e é executado pelo depositário de uma autoridade por ele con- A busca de legitimidade fica evidente neste texto. política e propaganda se mesclaram.. seguida de resposta: c do Estado. de contribuir pnru unidade nacional (Velloso. A defesa da intervenção estatal na cultura. os pequenos aprendiam a importância do princípio da autoridade e da ordem. cultura. apenas. Em nome de valores políticos. Qunnd n5 r . tico como o que foi estabelecido no B. Uma família é feliz quando h5 paz n lar. além de enaltecer a figura do líder e sua relação direta com as massas.. A cultura foi entendida como suporte da política e nessa perspectiva. isto é. ora a um psicólo- a intervenção do Estado na culturn. O chefe da grande família feliz [. para ser um bom brasileiro. p. a arte C sub 'I' descompromissados foram questionados por Getúlio Vargas nos s guint 'S I 'Imos: "Não tenho. 246-247). Um homem sem instrução é um homem infeliz . ora a Jesus Cristo. . como é moda. é uma grande família feliz. entendido como fator de unidade nacional e harmonia social. Nação e pov . "'. vontade d~'p-. em torno de um todo harmônico.... porque sabia interpretar ora a um a sociedade. Nelas o chefe do poder era comparado sociólogo.. Esse discurso enfatiza a necessidade de que a cultura atingisse I" a alma brasileira. A política cultural do varguismo foi coerente com a concepção de Estado que orientou a atuação do governante. em um regime democráde novembro..

Entre os nomes que ocupavam postos junto a esse ministério. como era o caso do poeta mineiro Carlos de Andrade. as artes plásticas foram valorizados durante o Estado Novo. mas também os jornais varguistas A Manhã (dirigido p r Cassiano Ricardo) e A Noite (dirigida por Menotti dei Pi chia) pub licararn artigos de autores com posições político-ideológicas b III liv r xtr ma direita católica aos comunistas. ~ '-'. Apesar dessa restrição. 161). chefe de gabinete do ministro. a música. • as artes se transformassem em elementos formadores das massas. 1".. p.?s 20.Cultura Política (dirigida por Almir I . Alguns cineastas batalharam para fazer do 'stndo W nde mecenas do cinema brasileiro. foi responsável pela atitude conciliatória e ambígua do Estado Novo no plano da cultura. JOO). Os ideólogos do Estado Novo e o próprio Vargas demonstraram granel . nesse sentido. a proximidade de intelectuais independentes com órgãos de cultura do Estado mostra que o espírito de conciliação predominou nas relaçõc entre política e cultura durante o Estado Novo. que até hoje causa perplexidade entre os analistas do período.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOV07 No Estado Novo a função do artista foi ~efinida como socializadora em nível nacional e unificadora em nível internacional. representado por Capanema. a postura controvertida de Gustavo Capanema. 1990. em 1932. permitem explicar uma das características peculiares do regime. O autor considera que a •. Não só a revista do DIP . itndlnh \1'11111I I til 1I1( "lqll(li 'o. a indústria cinematográfica. mas não da mesma forma ou com igual intensidade.\ Como mostra Sérgio Miceli. até cntão deficitária.protetor dessa atividade cultural para faz r 1. Nesse contexto. .'i nt ricdade de exibição de filmes nacionais. 11dll gll 1 [ ••. Além da feição estética. Pertencera. até entã ria. conseguiu equilibrar. m I.. Os diferentes campos artísticos foram organizados e concebidos nos mesmos moldes. quns I IIHH'I' ". muitos deles não se identificavam ideologicamente Drummond com o regime. Para exprimir os sentimentos sociais o' artista deveria se inspirar em nossos temas e motivos mais típicos (Goulart.? d fi 'i- gestão Capanema erigiu uma espécie de território livre infenso às salvaguardas ideológicas do regime (Miceli. . m " in l11:. Cabia às divisões do DIP organizar. I ra a massa de analfabetos. declarou "o cine será o livro de imagens luminoa em que nossas populações praieiras e rurais aprenderão a amar Brasil. Illlíli Varnc f i 11 idcrado pela categoria beneficiada c mo "pai I I1 1111brn il ir".. 'Idt'z 1<.ru ao cinema norte-americano. O ministro tinha especial preocupação com o desenvolvimento da cultura e procurava impedir que "a nacionalidade incipiente fosse ameaçada por outras culturas e ideologias". essas iniciativas deveriam atingir os objetivos de educa 50 cívica. a arte se voltou para fins utilitários em vez de ornamentais e. O governante concebia o cinema como vef III ti in trução e. A arte se vinculava ao nacional.~~os an. portanto.. . O cinema recebeu especial atenção porque nessa época a imagem pass LI ser considerada como instrumento importante para a conquista das masas. popular e erudita. colaborando para consolidar o sentimento de nacionalidade. que esteve à frente do ministério entre 1934 e 1945. personalidades de diferentes tendências gravitaram em torno do Ministério da Educação. A partir dessas concepções. O apoio de intelectuais e artistas ao E'stado Novo e a convivência "pacífica" dos que se opunham ao governo autoritário com o Ministério da Educação.1t61 "nrusiast nalt 11 1" 01 I )1' I in ma 11n i nul. o varguismo atuou ante a produção cultural do período que se inseria num projeto político. 1979. o que em muito ultrapassava a mera produção de beleza. O limite da tolerância era a proibição do exercício da crítica. Deveria cumprir a missão de testemunho do social. qlJ.o teatro. a exemplo do que ocorria no fascismo e no nazismo. ao grupo de intelectuais mineiros com os quais continuou mantendo contato nas décadas posteriores. será a disciplina pedagógica mais perfeita Com o apoio do governo. interesse nesse campo. A produção cultural.10. a J i ti ' rou-se simpatizante do comunismo.eem 1945 declad o que cl d .. I O cinema. muito bem situado no mercado bra il i. estimular e divulgar a produção artística. Segundo alguns autores. era controlada pelo DIP.il". pôde equilibrar-se. reivindicando._ mp nhasse um papel ativo e .( . o governo decretou. . A política de conciliação n campo da cultura permite afirmar que havia uma diferença importante regime brasileiro em relação aos modelos alemão e italiano.. nr '1I11l . Com o apoio de Vargr S incmatogrãfica.nrnnd 'lu' "[ . f. p. Vnrg \11 1'\1 11 1(llItri Andrade) -. I\t ndendo aos apelos da classe. esperava-se qu . através dela. buscou-se ampliar e divulgar a doutrina política do governo.

illi l1SS 'i HI n s lid "I. A arquitetura foi concebida. nessa ocasião. Os documentários cinematográficos.I. a mais benéfica e providencial das vitaminas: o 'short' brasileiro de exibição obrigatória. p. energia. de exibição obrigatória. O mercado brasileiro. Mas eles não conseguiram competir com as produções norte-americanas. o sertanejo. 81). que a consideravam uma forma de concorrência desproporcional. p. 1993. com prêmios em dinheiro. 90). poderia ser corrigida pela educação e pelo canto: "o canto orfeônico. 1982. O melhor exemplo nesse sentido foi a "Aquarela do Brasil" de Ary Barroso. 95). como na Alemanha e Itália. Os ideólogos nacionalistas preocuparam-se também com a música brasileira. ". ainda. como se descobrisse um ovo de Colombo. mas resolvi garantir o meu futuro/sou feliz. o samba "Bonde de 50 januári ". o canto orfeônico. Havia incentivo às músicas cujas letras fossem adequadas aos valores apregoados pelo regime. defendeu e prot li P rtinari contra as acusações de esquerdista e comunista. viv muito bem/a boêmia não dá camisa a ninguém/e digo bem" (Haussen. da vida popular. O compositor saiu a campo para divulgar suas idéias. p. /'lI li! '11 t . nos dará gerações renovadas por uma bela dis iplina da vida social. Filmes de ficção. Indú lri \ . Romance proibido. como pretendiam os incentivadores do cinema nacional. esse tipo de filme não cumpriu a tarefa de tornar-se "agitador das almas". É bem conhecido caso de Wilson Batista. Var a . nrquit C nicr [a (Cnr ia. fez conferências e concertos pelo Brasil afora e formou um coral dez mil vozes para o canto de hinos patrióticos e educação de sentiment cívicos (Schwartzman. com o bjctiv 1 d mOI1 trar a gandiosidade e a pujança do poder. 1 8 . A intensidade da produção de documentários pelo DIP gerou protestos dos produtores. os tipos nacion i. nenhuma arte leva às massas mais sub \tância". o que levava os produtores a abordarem temas do agrado do regime (Garcia. A Divisão de Cinema e Teatro do DIP • ficou encarregada de realizar a censura prévia dos filmes e a produção do Cine Jornal Brasileiro. praticado pelas crianças e por elas propagado até os lares. devotando-se à pátria".' I· I obrn I üe).om I' -i. 1984. 1992. como o Mini t I'Í 11 Edu a fi e aúd Mini téri do Trabalho. Os temas sug rid para composição dos quadros são reveladores: eles mostram a pc t fundamentais da evolução eco!1ômica. as realizações do governo e os atos das autoridades. . cantando e trabalhando. para isso. para os melhores documentários. Acreditava. 203). p. "malandro" consagrado que acabou comp ndo. p. como era o caso da exaltação do trabalho e da nacionalidade. nccc sárias à formação de uma grande nacionalidade. uj•. já que os exibi dores preferiam cumprir a lei de obrigatoriedade com os filmes produzidos pelo governo. que a falta de unidade de ação e de coesão. Seu trabalho visava a desenvolver a educação musical artfsti a através do canto coral popular. a inau mar Mini téri d Trabalh .om u I~ 'v 111. Aves sem ninho e Caminhos do céu. Os murais do Ministério da Educa r encomendados por Capanema a Cândido Portinari expressam a ideologia d regime. Ministério da ucrrn . at • mesmo os animais. Como mostra Claudio Aguiar Almeida.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? existência real ao cinema brasileiro: "Tonificou-lhe o anemizado organismo. ou seja. em benefício do país. à época. Heitor Villa-Lobos foi a grande personalidade musical associada ao ~s- tado Novo. Nessa perspectiva f un r alizadas algumas construções de edifícios públicos. 104-105). Ao mesmo tempo. já era bom rêceptor dos filmes h~llywoodianos.n(1'11 I Bra il.firma: "quem trabalha é quem tem raz. Ela é capaz de tocar os espíritos menos desenvolvidos. de abril de 1932. a pintura também foi concebida Olll instrumento de formação nacional.nh 111 ti de 1'1'11'/ 1 J /I bonde de São januário/leva mais um operário/sou eu que vou trabalhar/antigamente eu não tinha juízo. Segundo o compositor: "nenhuma arte exerce sobre as massas uma influência tão grand ' quanto a música.240. J11 Ataulfo Alves. As "almas brasileiras continuaram entregues ao culto dos heróis. injetou-lhe força. como Argila. também foram realizados no período com o mesmo objetivo."8 Coube ao Instituto Nacional de Cinema Educativo a tarefa de organizar: e editar filmes educativos brasileiros.inl ln ln . I 8. ao cantar. 1984. I lnt '11":1\' () s . o jangadeiro (Schwartzman. Cabe lembrar que o ministro. estabelecida pelo decreto n? 21. Havia concursos. e. cl ' No que se refere às artes plásticas. divas e ideais veiculados por Hollywood" (Almeida. mo o gaúcho. Alguns autores foram pressionados a modificar a letra de sambas: a que enaltecia a malandragem teve de ser alterada. mostravam as comemorações e festividades públicas. 11 ] 41. letra •. descobrindo.

D~rante o EstadoNovo." ~1l1I orn I1()"y'S' ' 'I ncin I 1111) orne: I I I . era benquisto entre os "trabalhadores" do rádio. que deu uma estrutura ao recebimento desse direito . taJ11- m passou a julgar seus adversários políticos. teve papel fundamental na manutenção da ord fi fllímo tal. Houve repressão forte . Evidentemente. ?Tribunal rticrpantes de Segurança Nacional fora criado em 1936 para julgar do levante comunista de 1935. de Mário Lago.. A partir do Estado Novo.. c e da repressão constituiu os dois pilares d O depoimento . Sua atuação conferiu peculiaridade ao regime brasileiro pelo fato de ter acolhido intelectuais e artistas de diferentes tendências ideológicas num regime de natureza autoritária. revela bem a relação amistosa do chefe do governo com a classe artística: [. Paulo acabou sendo expr _ As vítimas da repressão não foram poucas. REPRESSÃO E RESISTÊNCIA AO ESTADO NOVO A organização da propaganda sustentação do regime. A mulher do líder comunista Luís Carlos Prestes. A forma autoritária do poder garantida pela Constituição de 1937 certamenteimpediu a divulgação de obras críticas. ma tomI. mas houve aqueles que se sentiram beneficiados. tiveram os corpos queimados. em última instância. Getúlio Vargas. Ela já mostrara suas garras a partir de 1935 e a Carta de 1937 conferiu-lhe legalidade.] (Lago. mos rnrnb /11 li int ri' lisrns. Nas masmorras d Estado Novo muitos permaneceram presos e muitos foram torturados.. A polícia política do Di trit d ral foi chefiada por Filinto MüIler.. teatro e cinema em virtude das leis que regulamentaram o exercício dessas profis-. 1'. Essa participação. Razão por que havia uma aura de ternura.As pressões para produzir o que era inte~essante ao governo também deixavam clara a natureza política dos projetos culturais. p. Olga Benário. Os que foram atingidos pela censura sentiram na pele as conseqüências do autoritarismo vigente. () I subv irsiv S munh tn . Foi exilado na Argentina e. foi entregue aos alemães e acab li morrendo num campo de concentração. tendo como tarefa garantir a nova ordem. Capanema notabilizou-se pela extrema capacidade de conciliação. 111I' 'I'> Jl nbiliz t1-S fl r L N ilv 1 Io I r' 'I'r' . Filho da Ii~ irquia mato-grossense. 85).prisões. Foi chefe da Guarda Civil do Rio de jan ir partarnento de Ordem Política e Social. Jornais foram controlados priado pelo governo. censura -.] Todo 31 de dezembro havia uma serenata no jardim do Palácio da Guanabara e o pessoal ia voluntariamente [. alguns produtores de cultura foram vítimas da censura e outras formas de repressão. um militar de carreira. que atingiu tanto os considerados subversivos (comunistas. ao voltar ao Brasil. int _ •I uI na Revolução de 1930.. participou dos levantes tenentistas em 1922. sões. exílios. Os revolucionários de 1935 foram torturados e receberam penas altas. socialistas. 1924 I Coluna Prestes.a lei Getúlio Vargas. tortura. Muitos intelectuais foram convocados a participar da organização do novo Estado e a teorizar sobre a "questão nacional" ou a criar obras de artes. citado em Haussen. de gratidão do artista à sua figura [.'SI 1 I). tinha como objetivo conquistar coraçõ C mentes para a nova política e a polícia exercia repressão aos opositores d regime. e O Estado de S. foi responsável pela repressão aos opositorcs d r imc. Muit s foram espancados. à época comunista e opositor do Estado Novo. por sua vez.o BRASIL REPUBLICANO o ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOV07 Entre os ministros de Vargas. fortemente inspirada no modelo instituído na Alemanha pelo ministro ]oseph Goebbels. A propaganda. l I'i rrn me não ó admitiu que h uv tortura no Estado Novo. nem todos tinham motivos para ser gratos ao regime e ao chefe do governo. serviu para legitimar o Estado oriundo de um golpe e conferir ao regime uma "cara" mais benevolente. 1992. de agradecimento..] O Getúlio tinha a admiração dos artistas por uma razão muito simples. Como chefe da polícia p Ir- tado Novo. Foi o autor da lei que praticamente regulamentou a profissão e do direito autoral. adequadas aos propósitos do novo poder. for 1111 I) I'. anarquista) como os opositores liberais.

além de não cumprir a promessa. r \I anel - . O Segundo Congresso Nacional dos ssiudantes foi realizado em dezembro de 1938 em plena vigência da ditadura. Antônio Pereira Lima e Antônio Carlos de Abreu Sodré. 1984. liberdade de expressão e uma "Constituiçã povo" (Dulles. professores e estudant S da São Francisco." O golpe de 1937 colocou os nazistas na ilegalidade.Cunha e Otávio Mangabeira. Uma ilustração na primeira página mostrava uma espada e um capacete sobre um livro aberto. Também foram perseguidos jornalistas como Paulo Duarte e Júlio de Mesquita Filho. Paulo.. Os professores Waldemar Ferreira. outras organizaram movimentos principal ( d tir da entrada do Brasil na guerra ~contia o Eixo. sufrágio universal. A entidade manteve-se neutra até o momento que antecedeu o posicionarn nt do governo brasileiro no conflito mundial. Julio de Mesquita Filho colaborara com Paulo Duarte na publicação do jornal clandestino Brasil. atacava a Carta Constitucional de 19 7. em se exilando.•. que chegou a ser preso. John Foster Dulles descreveu. exigiam representa ~ popular. p. Apesar da intensa repressão e ausência de liberdade de expressão. não deixou de ser manifestada. com urna de suas folhas parcialmente dobrada. Em meados de julho de 1938 os estudantes tiveram conhecimento da visita de Vargas a São Paulo. advogado e professor de Direito. Nesse contexto. mesmo proibida. Além da Faculdade de Direito de São Paulo. o foco mais significativo de oposição ao regime. passaram pela prisão Tiradentes os políti-. Alguns membros do Centro Onze de Agosto viram aí uma oportunidade para fazer com que o Centro declarasse o presidcnt persona non grata. bem como da campanha de Armando de Sales Oliveira para a Presidência da República. ato iné lit de grande repcrcu âo no "stad N vo. foram demitidos por orientação de Getúlio Vargas e readmitidos em maio de 1941 (Dulles. por isso. Havia uma ligação entre políticos. 110-111). em detalhes. Em agosto de 1937 foi fundada a União Nacional dos Estudantes (UNE). 1984. passaram aser considerados inimigos da pátria. distribuiu panfletos contra o Estado Novo. Sampaio Dória. : •. não só os nazistas. p. tendo a UNE à frente. mantida durante o Estado Novo. Vicente Ra e Antônio Sampaio Dória. 1984. A repressão intensificou-se a par. mas todos os alemães. jornalistas. 'f siderá-la como digna de estudo em sala de aula. cabe mencionar o caso de professores e alunos do ensino superior que procuraram organizar uma reação contra a ditadura.f Também foram reprimidos os que tentaram organizar o nacional-socialismo no Brasil. Em São Paulo. era amigo dos estudantes de j- reito e conspirava com eles.. \-- contra a ditadura: nas faculdades de Direito do Distrito Federal e de Salvador a reação foi li I • rada por estudantes comunistas. A repressão provocou resistências. Os estudantes de Direito conseguiram realizar a publicação de seis números do jornal Folha Dobrada. 113-114). antes do fechamento e expropriação 11l 1940. Os dois jornalistas. Em editorial. logo no início do Estado Novo. o ápice foi a marcha de 4 de julho de 1942. Na Faculdade de Direito de São Paulo desenvolveu-se. Vários políticos partiram para o exílio no exterior. Paulo. Como exemplo. p. se juntaram à luta dos universitários: foram presos várias vezes e acabaram do Estado de S. a oposição ao regime e seu chefe.o BRASIL REPUBLICANO O ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOV07 vista entre a ideologia estado-novista e a in~egralista. 87-88). Flores da. com os quais o governo tinhaafinidades mas procurava não se identificar explicitamente. Getúlio Vargas prometera o Ministério da Educação ao líder do movimento. esse movimento (Dulles. Pedro Ferraz do Amaral jornalista do Estado de S. mas eles continuaram a agir clandestinamente. fizeram manifestaçõ favor dos Aliados. os camisas-verdes representavam um partido que almejava ascender ao poder. por ordem da ditadura.. 11 cos Paulo Nogueira Filho. como foi o caso de Armando de Sales Oliveira. acabou desistind de ensinar Direito Constitucional.. considerada de resistência a Vargas. Este último era proprie-tário do jornal O Estado de S. Plínio Salgado. on- . os estudantes. excluiu-o do poder por se tratar de um movimento claramente identificado com os nazi-fascistas. bacharéis pela São Francisco. considerados mais adversos ao regime. Paulo e um dos principais articuladores da revolução de 1932. nas Faculdades Politécnicas e de Medi inn de São Paulo houve participação de comunistas e liberais. mas. Após o afundamento dos navi brasileiros.

O mercado brasileiro foi um dos alvos privilegiados da concorrência da Alemanha com os EUA na região. chegando a ocupar o 1iegundo lugar. a partir de fevereiro. na qual o Brasil. além das afinidades ideológicas. No início do conflito.' invasão da Polônia pelos exércitos de Hitler. o chefe da p lícia p If. A Segunda q\l~rra Mundial teve início em 1° de setembro de 1939 com . general Eurico Gaspar Dutra. começou a preparar-se para a entrada no conflito. Antes da Guerra.c até mesmo o Partid pela "união. depois do ataque japonês a Pearl Harbor (Havaí). Mas havia os defensores dos EUA. propôs ruptura diplomática e comercial com o Eixo (em troca os EUAforneceriam armamentos ao país para a defesa do território). e além disso. procurando observar o desenrolar dos acontecimentos. Em 1942. Com o afundamento dos navios pelos alemães. representado por Oswaldo Aranha. o favoráveis ao Eixo foram substituídos no poder. Oswaldo Aranha. a pressão dos norte-americanos sobre os países latino-americanos para acompanhá-los foi intensa. o comércio de armas com aquele país era importante nessa época. Mas compartilhava muitas das idéias postas em prática nesses regimes: legislação social. procurando enfatizar a originalidade do Estado Novo. o." A partir dessa primeira vitó- a ria muitas outras se sucederam. a partir da derrota da Alemanha e das pressões do governo americano. procurando tirar proveito dessa situação. a Alemanha aumentou muito. elogiava abertamente Hitler. enquanto os EUA ocupavam o primeiro. Em 31 de agosto o Brasil declarou guerra à Alemanha e rcdà lia e posicionou-se em favor dos Aliados. propaganda política. o governo alemão procurara ampliar a área de influência na América Latina. residências. clima de hostilidad contra o nazismo se acentuou no país e a sociedade se manifestou. Mas os nazistas sofreram grande derrota na Rússia. A partir desse episódios. e o diretor do DIP.vista comercial. sobretudo na política de imigração. O ministro da Justiça. A ala germanófila no governo era forte. como foi dito. govcrn m rn ados ta d [iniu-s I· I' 1'1 I F 1101' I It li junuir- n E p dici nárin I rnsilclra (1' 'U) f II irn 11H'\ '-1111 'ri im as. O próprio Vargas se mostrara favorável a uma aproximação com os alemães em 1940. As manifestações de repúdio ao Eixo se espalharam por todo o país. e até mesmo o anti-semitismo presente em certas esferas. ornuni ap i a Getúlio Varga intcnsifi ou. Getúlio Vargas fez um jogo duplo entre os seus dois maiores parceiros comerciais. Além da importância do mercado brasileiro.como era o caso do ministro das Relações Exteriores. Mas. região que já se caracterizava pela forte presença norte-americana no plano econômico e político. empresas. Filinto Müller. 1\ Quando os EUA entraram na guerra. sem declarar preferências por qualquer dos lados beligerantes. Alemães e japoneses passaram a ser hostilizados pela população: estabelecimentos comerciais. No início de 1942 houve uma conferência interamericana de chanceleres no Rio de Janeiro. representação corporativista. se fez As manifestações em favor da declaração de guerra ao Eixo se intensificaram nesse ano. ' O governo Vargas mantinha-se como observador do conflito. pois. O governo não admitia semelhança como os regimes nazi-fascistas. Entre os ideólogos e funcionários do governo havia divergências de posições.o O BRASIL REPUBLICANO ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? 1942: UM DIVISaR DE ÁGUAS NO ESTADO NOV? tica. Depois dessa conferência. o governo brasileiro mostrava-se cauteloso. também eram des a tendência. nr i nnl" '111 t rno d chefe do. TlIlw I i 1\ 1\1111\) \ volt \ I' . Chile e Argentina recusaram a proposta. Em junh desse ano começaram as passeatas em favor da entrada do Brasil na guerra contra o Eixo. e o general Góis Monteiro eram favoráveis à Alemanha. a presença da colônia alemã no país explica o interesse desse país pelo Brasil. a Alemanha reagiu e ordenou que navios brasileiros fossem bombardeados. Lourival Fontes. O ministro da Guerra. Quando o Brasil declarou guerra ao Eixo. o governo brasileiro procurou manter a neutralidade. foram bombardeados 21 navios brasileiros. multidões foram às ruas para pressionar o governo. apesar das afinidades que o regime vinha demonstrando com os modelos fascistas (italiano e alemão). A neutralidade era vantajosa do ponto de. Francisco Campos. Os resultados foram significativos: nessa época o comércio brasileiro com. Nas grandes cidades brasileiras. escolas. bem como da população brasileira. clubes foram atacados pela população em fúria contra esses "estrangeiros". o que serviu para mostrar que ainvencibilidade apregoada pelo líder J alemão era um mito.

1976. que se foi agravando até o fim do confli. ainda salientaram: "O Brasil. 285- Os getulistas acusaram os críticos do regime pela pretensão de fazer r cuar o progresso. por darem marcha à ré no tempo e sustarem o surto glorioso de uma evolução. que partiu de vários setores da sociedade. A partir de 1943 o governo. O discurso estado-novista valorizava os setores populares. impedir que a imprensa divulgasse as primeiras manifestações contrárias a ele. na cena política.. que exigiu a entrada do Brasil na guerra com os Aliados. Ao perceb r rn que o processo de redernocratização r irr v I' . O governo conseguiu. mas em 1945 já não podia abafá-Ias.. uma terra desconhecida. A pressão popular. os ideólogos do poder. A proposta de consenso era mais dirigi da a elas. g tuli ta 11111 lurnm d t. as elites de outrora foram criticadas pelo seu distan iamento da "alma da nacionalidade". como ocorreu em outros países nesse período. que organizaram o Estado pelo alto. política e cultural: ele era apontado como a única entidade capaz de comandar a construção da identidade nacional. e enfrentara~. tornaramse explícitas e isto enfraqueceu o prestígio do "ditador". fruto de um golpe apoiado por militares e pelas forças conservadoras da sociedade. Elaborouentão. pouco a pouco. A falta de víveres. um projeto político-pedagógico p. Havia sinais visíveis de que o regime se debilitava. enfraquecido. ~~ frio rigoroso. Mas a guerra não é uma festa e os jovens pagaram em preço alto: p~tmaneceram cerca de oito meses na Itália. O dilema enfrentado pela ditadura era o seguinte: como lutar pela democracia externamente e manter o Estado autoritário internamente. deixando-se fascinar pelos exernpl s alienígenas. já dera mostras dessa tensão. os apelos para que dessem apoio ao governo foram frutificando: entre os trabalhadores.(v -I. Considerando o povo brasileiro inepto para a participação política (a grande massa de analfabetos servia de reforço para esse argumento). um regime internamente autoritário e externamente favorável à democracia. a entrada do Brasil na guerra tornou mais difícil a vida dos brasileiros. . favorecendo a organização das oposições (Carone.46-48). a necessidade de a classe média apelar para o câmbio negro produziram descontentamentos. Os liberais.to. O advento do Estado Novo. cresceu tanto em prestígio que se enquadra grandes nações do mundo. rarn mutilados. ti a pa aram a atribuir a v 'I'ni un níirrn \I qu I II uma resistência ntanto. 1 87. enfrentou p. essa resistência era muito limitada. recuperaram a voz e os cooptados não tardaram a retirar o seu apoio ao regime. 298). engavetado desde 1937. que passou a ser alvo de oposição mais sistemática. ainda que sob controle. através de medidas que atendiam às reivindicações populares. Além da contradição político-ideológica. não se originou de um movimento de massas nem se caracterizou pelo aspecto mobilizador. e assim permaneceram na memória dos brasileiros da época. AS CONTRADIÇÕES DA DITADURA E S~A QÚEDA Com a vitória dos Aliados foram postas em xeque as ditaduras e isso favoreceu os opositores de Vargas. N d S 111 vim 'l1l • A 111'1 1 '11\ 1 \ "l. por quererem recuperar aspectos de um passado mar . tinham a preocupação de conquistar as elites. o aumento do custo dos produtos essenciais. Para contestar os oposicionistas. mercê d governo Vargas.o BRASIL REPUBLICANO o ESTADO NOVO: o QUE TROUXE DE NOVO? dos pracinhas foram cercadas de manifestações populares. a partir dos anos 30. invertendo uma fala que sempre imputou ao povo a responsabilidade dos males do país. Houve muitas mortes e muitos volta• meiros anos da ditadura. Getúlio Vargas acabou ganhando muitos adeptos. O desfile da vitória no Rio de Janeiro foi uma festa popular e os pracinhas foram recebidos como heróis. No entanto.t'P entre as s is Mas o enaltecimento dos feitos do Estado Novo não impediu a qu da cl r gime. a impopularidade do governo cresceu. l 1111'11. As contradições do Estado Novo. tendo como principal expressão os estudantes e professores do Largo de São Francisco. A novidade da política de massas consistia no fato de que esses atore foram chamados a estar presentes. n pri- v rn 111l'il nim sistemática. pouco a pouco. consideradas peças importantes na construção de um novo país. A fala apolpgética foi substituída pelo discurso de oposição. Esse tipo de argumento justificava a intervenção do Estad na organização social. " para educar as massas (Velloso.

alegava o seguinte: "Se lutamos contra o fascismo. O Estado Novo se encerrou em 1945. o Partido Social Democrático (PSD). As manifestações em favor da liberdade foram acontecendo 1943: o "Manifesto dos Mineiros". às manifestações pró-anistia. O jornal Resistência. por iniciativa dos correligionários de Vargas. Para finalizar." Esse argumento explicitava bem a contradição do governo. um golpe militar depôs Getúlio Vargas. quando elegeu para a Presidência Eurico Gaspar Dutra.rin importante tentar rc pondcr à questâ nuncindn 110 tíuil d 'SI' t ·x(o. 011 'j I. e ctúlio Vargas se impôs como um dos principais expoentes da política brasileira. a ele cabendo a presidência do partido. Os oficiais da FEB pediram ao general Eurico Gaspar Dutra. Estudantes e políticos foram presos por esse motivo. então ministro da Guerra. que voltaria ao poder em 1951. A União Democrática Nacional. de amplos setores sociais. exigiu a volta da legalidade e do sistema eleitoral mediante sufrágio universal." Os opositores reconheciam que o chefe do . 111 ão Paulo. a rnbu. ( qu er lixe d '11 v sta I Novo? 1 I I . Em meio às grevestontra a alta do custo de vida e os baixos salários. O ministro Oswaldo Aranha demitiu-se do posto de ministro em protesto contra a repressão promovida contra os que exigiam a volta da liberdade.o BRASIL REPUBLICANO o ESTADO NOVO: O QUE TROUXE DE NOVO? chefe. apoiou o nome do general Dutra. O Partido Trabalhista Brasileiro estabeleceu-se logo a seguir. retirando-se para sua terra natal em São Borja. Em julho. escolhido pelo voto e com a preferência res principalmente. que renunciou ao governo. concedeu a democracia aos brasileiros". o varguismo continua sendo uma referência essencial pnrn a compreensão da história política brasileira. ocorrido em São Paulo. governo promovera o progresso material dentro da ordem mas não souber~ conciliar a ordem com a liberdade. realizada no estádio d Pu. Mas cabe esclarecer que. Em 1945. que foi visitá-I os na Itália. 11 . A era Vargas é sempre mencionada por admirador 'N e opositores como um momento especial da história brasileira. a direção do PSD também convidou Getúlio Vargas para assumir a presidência dessa agremiação. apesar de exorcizado pelo seu aspecto claramente autoritário. Parn criticar ou elogiar. vencendo o candidato do Gomes. se. a legislação social represent li ( atendimento a uma antiga reivindicação dos trabalhadores. gritavam "Queremos do Ministério do Trabalho. a partir na qual o líder Luís Carlos Prestes lançou a campanha da "Constituinte COI11 Getúlio" e em agosto surgiu o movimento "queremista". que. a volta da democracia. pé político} e O movimento prosseguiu provocando a reação dos adversários. em fevereiro. benevolência e clarividência. foi o período em que ocorreram mudanças importantes como a C 11- solidação das Leis do Trabalho. por um ato de generosidade. o preço I 'SIHI conquista foi a perda de liberdade do movimento operário. o govemo assinou um Ato Adicional. Não é por acaso que os hist • riadores têm revisitado. . criado em Minas Gerais. mas a presença de Vargas na política foi bem mais longe. empresários. O general Góis Montei~o manifestou-se em favor das eleições. A presidência dos dois partidos evidencia a força política do líder do Estado Novo e seu prestígio tornou-se ainda mais visível a partir dos seguintes episódios: nesse mesmo mês houve uma manifestação dos comunistas. assinado por intelectuais. para que a liberdade e a democracia sejam restituídas a todos os povos. e não seu presidente. indicou o nome do brigadeiro Eduardo Gomes. Mas a história mostraria que o derrotado foi o Estado Novo. BALANÇO FINAL O regime caiu sem resistência. em passeata públiGetúlio! Queremos Getúlio!". circulava clandestinamente exigindo redemocratização do país. Vargas mostrava força política nas eleições de 1946. o I Congresso Brasileiro de Escritores. lançado por líderes sindicais e funcionários ca. por um lado. os partidos foram se constituindo e definindo candidatos à Presidência da República. certamente não pedimos demais reclamando para nós mesmos os direitos e as garantias que as c~racterizam. ao lado das Nações Unidas. fundado em 1944. mas sobretud Estado Novo. Em 29 de outubro. essa época. fixando eleições num prazo de 90 dias. que. fundada em fevereiro. populada República o seu candidat da oposição udenista EduarAntes disso. O período que se seguiu foi de intensa agitqção. que passou n s r controlado pel Esta I . considerada a maior herança do varguism . com tanto interesse. .

o Executivo solicitou mais uma vez a declaração do estado de guerra. decidiram por sustá-lo. pois. os jornais noticiaram que o estado-maior do Exército descobrira um plano de insurreição comunista planejado pelo Comintern e assinodo por um nome judaico. da impr '11 I. do cinema. em virtude de um plano recentern '11te descoberto. O controle foi mais intenso. Cabia a 'SN órgão realizar a censura do teatro.. outros se referem ao populismo relacionado apenas ao varguismo. havia fortes d 'sconfianças a respeito da veracidade do plano e alguns parlamentares expressaram isso. Vil r!} 18 M/d. foi reforçado nesse período. documentários. São Paulo. No entanto. nova cultura política. Paulo sofreu intervcn 50 e passou n 8 'gllli. 6. As liberdades relativas que existiam no período anterior foram extin-. por decreto do governo. que não leva em conta mudanças conjunturais importantes. que não se pretende abordar neste texto. afinado com os ideais do Estado Novo. Além disso. demonstrando que a meta primeira do governo estado-novista foi atingida em parte. Em 1931 foi criado o Departamento Oficial de Propaganda. jornais nacionais. Em cada estado havia um Departam '1110 Estadual de Imprensa e Propaganda. No entanto. sinôniino d~ desenvolvimento econômico. A segunda era produzida por intelectuais de menor peso e se diriall ao grande público. fazia proselirismo político.o BRASil REPUBLICANO o ESTADO NOVO: o QUE TROUXE DE NOVO? Esse regime implicou perdas e ganhos para as classes populares. mas os resultados não chegaram a beneficiar as classes populares como um todo. os jornais A Manhã do Rio de Janeiro. que sempre marcou presença na so-! ciedade brasileira. tas nesse momento em nome do progresso dentro da ordem. A Rádio Nacional f i 11. nroduzir cartilhas para crianças. ~ I. o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). Tratase de um conceito muito abrangente. alguns autores tomam como periodização para a definição do populismo o período de 1930 a 1964. Em 30 de setembro de 1937. o DIP ficou encarregado ti ' ln '01'porar jornais oposicionistas e criar órgãos novos.ru subordinado à Presidência da República. As instruções teriam sido apreendidas pela polícia do Partido Integralista e encaminhadas a um oficial integralista que servia O estado-maior do Exército. caracterizou-se como "escola de patriotismo". é necessário apenas indicar um aspecto importante da crítica que certos autores fazem às análises que o utilizam como referencial para interpretação. que se transformou 111 Departamento Nacional de Propaganda e Difusão Cultural. 3. de fato ocorreu. Esta é a razão que e. o . Jorge (2001). mas passou a ser um caso de Estado e muitas lutas tiveram de ser travadas para que esse passado fosse superado. Paulo. dirigido por Cassian Ri nrdo. a concessão do estado de guerra foi aprovada por 138 votos contra 52. também. . deu um salto em termos de superação do "atraso". desde o levante cornunist I até junho de 1937. sob pret ixto da iminência de um novo golpe comunista. "Cohen". da literatura. O documento serviu de pretexto para o golp do Estado Novo. O Brasil. quando líderes das bancadas e o ministro da Justiça. lIlIl público seleto. O estado de guerra foi prorrogado ininterruptamente. O progresso material. em outubro do mesmo ano. Pelas discussões realizadas na Câmara. exposições para demonstrar as realizações do governo. No caso do Brasil. que transformou a cidadania numa peça do jogo do poder. além da censura. NOTAS 1. 2. o autoritarismo. co rdcnar. Tratava-se do Plano Cohen. diretam . Todos os jornalistas tinham de ter registro IIl'. tendo como funções centralizar. difundindo os ensinamentos do Estado Novo. 27 de novembro de 1935. O DIP passou a ser dirigido pelo jornalista Lourival FOIIIl' . mp id \ em 1940. expressavam a voz d g VCI'I10. de exibição olwlK. 4. que ultrapassa a era Vargas. Ma 'do Soares. orientar e superintender a propaganda nacional interna ou externa. Retomando a questão do conceito de "populismo". Levando em conta os aspectos positivos e negativos do regime de 1937. Foi introduzida no país umaF . Em 1939 foi criado.10 governo como se fosse verdadeiro com o intuito de prolongar a excepcionalidnd ' . Na imprensa e no rddlo.tória em todos os cinemas. A questão social deixou de ser um "caso de polícia" como no período anterior. 111 1941 e A N itc de 5 Paulo. S. forjado pelos integralistas e manipulado habilmente p . • uúlio VII'H I .xplica o grande interesse dos historiadores atuais pelo tema. O Estado de S. • se órgão. é possível concluir que as mudanças ocorridas nesse período foram de enorme importância para o futuro do país. posta a questão em votação. Deveria. nessa época. das atividades recreativas e esportivas. Em mnrçu de 1940 jornal IIsllt/o ti S. do rádio. p. No plano político. di 1111' (I (11 or 'l'ldo III SIIII ( 4(). m J 942.ti ork-utt çi10 d gov 'I'IlO. A primeira publicava artigos elaborados por intelectuais orgânicos qu ' pl'O' duziam discursos de orientação ideológica sobre o Estado Novo. Outr S ainda consideram apenas este período como "populista". destinados. promover e potro '11111' manifestações cívicas. a alta do custo de vida e os baixos salários foram responsáveis pela insatisfação daqueles que o governo elegera como os principais beneficiários de sua política. pois o desemprego era apontado como um dos problemas mais sérios do momento. Ele foi responsável pela criação de duas revistas: Cultura Politica e Ci 11 /11 Política. Ver Ferreira. levando em conta as décadas de 1930 e 40 e o governo presidencial de 1951 a 1954.

em março de 1938. Goulart. A política da era Vargas.). Rio de Janeiro: Vértice/Iuperj. Sobre a verdade oficial. Propaganda poiitica no varguismo e peronismo. nação e modernidade.o BRASIL REPUBLICANO o ESTADO NOVO: o OUE TROUXE DE NOVO? 7. mas os rebeldes logo se rende. Maria Luiza Tucci. 2001. Em 1934. A sacralização da política. 8. Haussen. Rio de Janeiro: DIP. Argila. Campinas: Papirus/São Paulo: FAPESP. São Paulo. São Paulo: Brasiliense. Foi criado. onde praticavam atos de violência. O ardil totalitário. Garcia. 10 de maio ocorreu nova tentativa na Guanabara. Mello. Mônica Pimenta. O populismo e sua história: Debate e crítica. p. O tempo do nacional-estatismo. USp' São Paulo. Citado em Barreto Filho. Multidões em cena. 11. O imaginário popular. Jorge. (Coleção O Brasil Republicano. São Paulo: FAPESP/Anna Blume. São Paulo. a Bélgica e a França. Rádio e política: Tempos de Vargas e Perón. Brasil novo: música. 1988. Idem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Campinas: Papirus. O bloco dos Aliados foi liderado pela Inglaterra e França. Doris Fagundes. 1986. o Círculo Teuto-brasileiro com o mesmo objetivo. Velloso. Em . Edgar. 2003. O primeiro núcleo do Partido Nacional-socialista surgiu em 1931 em Porto Alegre e chegou a fundar um jornal dirigido à colônia alemã na região. . 1988. Condições de vida da classe trabalhadora na cidade de S/10 Paulo durante o Estado Novo. José Rogério da. o Exército alemão atacou a União Soviética. In: Ferreira. Elizabeth. Anchieta e Getúlio Vargas. Ferreira. Delgado.). 1990. Capelato. os Países Baixos. a Itália e o Japão. 1976. com o auxílio de tropas romenas. 1998. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Tese de livre-docência (mimeo. apoiado pela Rússia e Estados Unidos. Maria Helena. 12. S50 Paulo: Edusp/Nova Fr nteira. Estado Novo. 9.. 1988. Começaram a expandir-se em 1933 no sul do Brasil. 13. uma cena do Estado Novo. Na guerra. Trabalhadores do Brasil. 1999. Carneiro. São Paulo: CNPq/Marco Zero. PUC. Claudio Aguiar. 1941. Tese de doutorado (mimeo. 2003.135-136. Em 1941 alemães. USp' São Paulo. O mundo da violência. que entraram na guerra posteriormente. tentou dar um golpe. 1993.). Houve várias prisões que logo foram relaxadas. Gomes. Brasília: UnB. Cancelli. 1984. Alcir. húngaros e búlgaros tomaram a Iugoslávia. São Paulo: Loyola. 1992. 1997. Em 1940 as tropas alemãs invadiram a Dinamarca e Noruega. John Fuster. Dulles. Um grupo de integralistas. A Faculdade de Direito de São Paulo e a resistência anti-Vargas (1938-1945). conseguiram organizar uma manifestação no 1 de maio com 6. "Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo". ram ou fugiram. Imaginário político no Brasil dos anos 30. 1981. Ideologia e propaganda política. Arnaldo. Carone. Belo Horizonte: UFRJ/UFMG. Jorge. No ano seguinte Plínio Salgado foi deportado para • Portugal. A invenção do trabalhismo. as forças estavam divididas por países: compuseram o Eixo a Alemanha. A Noite. Lenharo. Rio de Janeiro: Difel. em 1935.). Livro 2). 10. mas foi então que sofreu a primeira derrota significativa. 119. Contier. Lucilia de Almeida Neves (orgs. Silva. Rio de Janeiro. 1992. A seguir. 28 de fevereiro de 1945. Os anos 20-30. Alguns foram fuzilados perto do palácio do governo e cerca de ~ 1.). 0 < Dutra.500 foram presos no Rio. húngaras e finlandesas. O anti-semitismo na era Vargas. Angela Castro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Nelson Jahar. Silvana. que foi reprimido pelas forças do governo.000 pessoas em Porto Alegre. Nesse ano a sede do partido foi instalada no Rio de Janeiro. Citado em idem. --o (org. BIBLIOGRAFIA Almeida. O êxito das investidas alemãs era surpreendente. Dissertação de mestrado (mimeo. 1997. O cinema como "agitador das almas". Estado Novo. p. Eliana Regina Freitas.