You are on page 1of 4

27/06/13

Cultura e desenvolvimento econômico

Cultura e desenvolvimento econômico
Olavo de Carvalho Revista Leader (Porto Alegre), agosto de 2003

Se a cultura fosse um efeito da economia, como pensava Marx, a pergunta sobre as condições culturais propícias ao desenvolvimento não faria o menor sentido: o processo econômico, a cada passo, produziria as condições culturais de que necessitasse, e elas, passivamente, se limitariam a expressar um estado de coisas sobre o qual não exerceriam, em retorno, grande influência. Foi Max Weber quem inverteu a equação marxista, mostrando que as mudanças culturais -- especialmente morais e religiosas -- muitas vezes se antecipam às econômicas e as determinam. A aplicação dessa hipótese às origens do capitalismo -- para explicá-las pelo influxo da ética protestante -- acabou se revelando mais difícil do que parecia, e para tirar a dúvida Weber mergulhou numa investigação abrangente das relações entre religião, moral, economia e sociedade, donde saíram os brilhantes estudos sobre "O Judaísmo Antigo", "As Religiões da China" e "As Religiões da Índia". As análises parciais deveriam convergir numa teoria geral segundo os princípios esboçados em "Economia e Sociedade", mas Weber morreu antes de completá-la. Quatro décadas de discussões não bastaram para resolver o problema, mas fixaram na imaginação das classes letradas,
www.olavodecarvalho.org/semana/leader_ago_2003.htm 1/4

27/06/13 Cultura e desenvolvimento econômico como um lugar-comum. em suma. Em contrapartida. Max Weber. os grupos religiosos independentes encontraram na convivência igualitária. o critério comum para a arbitragem de todas as disputas). mas a centralização burocrática. eliminando o que restava do pluralismo medieval e sufocando a iniciativa de auto-organização da sociedade. desfibradas. a causa da paralisia econômica não foi a moral da Igreja.org/semana/leader_ago_2003. ouvira o galo cantar sem saber onde. (b) a homogeneidade moral. o autoritarismo papal e monárquico criou sociedades anêmicas. interpretados segundo a consciência de cada qual. inversa e complementarmente. Alain Peyrefitte. fechou-se numa hierarquia rígida e numa reivindicação de poder absoluto. (c) o ambiente de confiança. Três elementos foram decisivos para o bom resultado econômico do capitalismo: (a) a liberdade de auto-organização. intimidadas e corrompidas pela subserviência à burocracia onipotente. Nos países católicos. assustado com a rebelião protestante. acabou-se realizando entre os "infiéis" protestantes. especialmente Portugal e Espanha. Na década de 70.olavodecarvalho. Seu exemplo não demorou a ser seguido pelas monarquias sob a sua influência. Tomás. O Papado. O sonho de Sto. mas sim pela forma da organização das suas igrejas. diretamente.htm 2/4 . unidos tão-somente como membros do corpo místico de Cristo. o cientista político e ex-ministro francês da Justiça. os princípios de uma nova ordem social e econômica que floresceu no capitalismo moderno. Desprovidos de uma autoridade central como a do Papado. como supusera Weber. resultado da fidelidade geral ao Evangelho (tanto mais estrita porque. honradez e seriedade criado pelos dois fatores anteriores. não havendo autoridade formal superior. de uma sociedade cristã de homens livres. e ao mesmo tempo fortalecido pela súbita ascensão das monarquias católicas que as navegações haviam enriquecido. a associação referida no título "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo". www. defendeu com profusão de provas e documentos a tese de que o protestantismo não fomentara o desenvolvimento capitalista em razão do seu conteúdo moral. no livre comércio e na fidelidade aos mandamentos evangélicos. a Bíblia se tornava. atormentado de suspeitas contra tudo e contra todos.

transformando cidadãos pacatos em militantes furiosos. fascista e socialista.27/06/13 Cultura e desenvolvimento econômico Nas modernas ditaduras nazista. ocorre nas ditaduras. mas é apenas um disfarce neurótico destinado a sufocar a consciência de culpas superiores à capacidade de arrependimento do homem comum. à corrupção endêmica. da acusação projetiva. Uma cultura que destrói a confiança dos homens uns nos outros convoca à existência o Grande Inquisidor que arbitrará todas as relações humanas. na ascensão de uma autoridade ainda mais temível do que todas as anarquias. Se o "ethos" que favorece o desenvolvimento capitalista é baseado na síntese da liberdade político-econômica com a homogeneidade dos códigos morais. seja a dos líderes revolucionários que professam destruí-la. que induz a população a apegar-se neuroticamente à autoridade -. na Renascença como hoje. a centralização burocrática foi levada às últimas conseqüências. centralizador e burocrático do nazismo. resultando na criação de um ambiente de confiança e responsabilidade. os militantes revolucionários condenam o capitalismo com uma indignação histérica que nada tem a ver com o verdadeiro sentimento moral.seja a autoridade do Estado. semiditaduras e pseudo-democracias do Terceiro Mundo. em escala menor mas não menos notável. Uma cultura que destrói a fé antiga produz a anarquia moral que desembocará.olavodecarvalho. O mesmo. perto da qual os monarcas absolutos e os papas da Renascença parecem anjos de tolerância. forçado na base do terror e do trabalho escravo. acaba sempre cedendo o passo à anarquia mal disfarçada. Herdeiros e cúmplices de crueldades sem fim. www. Essa monstruosidade. à paralisia econômica e à derrota inevitável. criando o totalitarismo propriamente dito. o fator principal que leva à paralisia é. a cultura da suspeita universal. do ressentimento e do medo.org/semana/leader_ago_2003.htm 3/4 . do fascismo e do socialismo. Em todos os regimes totalitários. executores de ordens macabras que repugnam à consciência humana. todas infectadas do vírus estatizante. criou novas formas de corrupção e degradação verdadeiramente demoníacas. o projeto da sociedade inteiramente controlada e planejada. interpondo-se entre patrão e empregado. o progresso inicial. fatalmente.

A condição sine qua non da prosperidade é a total destruição dessa cultura.E-mail www. Uma cultura que não busca a síntese do rigor moral e da liberdade política extingue ao mesmo tempo a moral e a liberdade.Textos . pais e filhos. Home .Informações .olavodecarvalho.org/semana/leader_ago_2003. Toda riqueza construída com base nessa cultura é de obtenção dolorosa e duração efêmera.27/06/13 Cultura e desenvolvimento econômico marido e esposa.Links .htm 4/4 .