QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

1 a Quinzena de Setembro de 2009 Ano XXX - No. 1070 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

Ano XXIV – N.º 942

1ª Quinzena de Fevereiro de 2004

portuguesetribune@sbcglobal.net

$1.00

$35.00 anual

Ano XXIV – N.º 945

2ª Quinzena de Março de 2004

portuguesetribune@sbcglobal.net

$1.00

$35.00 anual

Ano XXIV – N.º 945

1ª Quinzena de Abril de 2004

portuguesetribune@sbcglobal.net

$1.00

$35.00 anual

Ano XXIV – N.º 946

2ª Quinzena de Abril de 2004 Congresso sobre Ensino e Educação

portuguesetribune@sbcglobal.net

$1.00

$35.00 anual

RELIGIÃO Padre Rubio pede para sair das Cinco Chagas
Segundo apurou o Portuguese Tribune junto de fonte da Paróquia Nacional Portuguesa das Cinco Chagas, o actual administrador Rev. José António Rubio terá pedido ao Bispo de San José, Dom Patrick McGrath para deixar aquele cargo com efeito a 8 de Fevereiro.
(continua na pág. 2)

CULTURA Espírito Santo é tese de doutoramento
O Pároco da Igreja da Sé de Angra do Heroísmo, Padre Helder Mendes defendeu o seu doutoramento em Salamanca, Espanha apresentando uma tese sobre o Espírito Santo “Del Espíritu Santo a la Trindade Un programa social de cristianismo inculturado”. É um assunto deveras importante para que se possa melhor entender este fenómeno de natureza religiosa e cultural que une os açorianos cada vez mais. A segunda grande publicação da Portuguese Heritage Publications of California, Inc., (PHPC), The Portuguese Californians: Immigrants in Agriculture estará pronta a 18 de Março. Este estudo da autoria do Dr. Alvin Graves é o segundo livro da série de projectos originais de pesquisa sobre a experiência portuguesa na California. Este livro examina a história da imigração dos portugueses, especialmente açorianos, para a California entre fins de 1800 até aos nossos dias. O seu poder económico, os locais de residência e o seu domínio em alguns aspectos da agricultura, agropecuária e lacticínios são analizados em pormenor. Com fotografias antigas, histórias de famílias e ilustrações gráficas, este livro é uma importante obra para adicionar à sua biblioteca e partilhar com familiares e amigos. Já estão marcados alguns encontros para o lançamento deste livro: em Tulare a 26 de Março pelas 6 da tarde no Tulare Historical Museum; em San José a 27 de Março pelas 7 da noite no Portuguese Athletic Club; em Berkeley a 3 de Março no 28° Congresso da Educação da Luso-American Education Foundation; e ainda em Fresno a 24 de Abril na Fresno Library.

HOMENAGEM Bernie Ferreira
A União Portuguesa do Estado da California (UPEC) vai homenagear com o seu mais alto galardão Bernie Ferreira em apreciação pela ajuda que tem desenvolvido ao longo dos anos em favor da comunidade portuguesa, com relevo para o Norte da California. A entrega do prémio irá ter lugar no dia 17 de Abril.

TAUROMAQUIA Dennis Borba—25 anos de actividade
Comemorar 25 anos de actividade taurina é sempre uma data importante na vida de qualquer profissional. Dennis Borba iniciou uma caminhada que se adivinhava difícil numa terra tão pouco taurina. Foi preciso sair da California para poder dar expressão à sua profissão de matador de toiros. O Portuguese Tribune próximamente apresentará uma entrevista com o nosso matador de Escalon.

CARNAVAL

Bailhinho de Artesia na Terceira

Fados e não só
Basta ler e ouvir as notícias das diversas futuras actuações de vários artistas portugueses - quer fadistas quer artistas de música ligeira, para nos apercebermos do impacto que a nossa música está a ter a nível da nossa comunidade bem como da comunidade americana. É tempo de darmos valor ao que é nosso e verdadeiro. Nunca deveremos também deixar de dar oportunidades aos nossos da California.
(Ver editorial na página 2)

MÚSICA

Lançamento do livro sobre o FADO
Donald Cohen vai estar no Restaurante Sousa no Sábado dia 17 de Abril das 7 às 9 horas da noite, para lançar o livro “Fado Português - Songs from the Soul of Portugal”. Haverá um “Porto de Honra” seguido de fados e guitarradas e a entrada é grátis. Este livro conta a história do fado e contém transcricções musicais dos mais castiços fados acompanhados pelas respectivas letras. O livro contém também um CD com 26 dos mais importantes Fados alguma vez cantados em Portugal. A não perder.

CULTURA

Zodiac lançou novo CD
Para quem gosta de música portuguesa e feita por jóvens da California aqui está uma boa notícia. O Conjunto Zodiac acabou de lançar um CD com o título ‘Olá” com 10 canções. Este conjunto com 10 anos de vida artística tem conquistado não só o público da California como todos os portugueses da Costa leste. Visite-os através de www.zodiacbandonline.com. Investir em novos valores também é cultura.

MUSICA

(pág. 6)

Venda do livro “The Portuguese Californians” em duas horas:

(ver edit. pág. 2)

Lançamento de CD

( pág. 14)

O Bailhinho de Artesia embarca para a Terceira no dia 19 de Fevereiro e levam saudades nossas. (pág. 9)

MUSICA Donald Cohen publica livro de Fados
Donald Cohen é um apaixonado pelo fado. Acaba de publicar um livro intitulado “Fado - Songs from the Soul of Portugal”. O livro foi publicado em “softcover” 9x12 e vem com um CD contendo 26 clássicos Fados. Custa $34.95 e estará à venda em Fevereiro em todas as lojas de discos e livrarias.
(pág. 23)

FESTA BRAVA O Adeus de Manuel Correia
Um dos decanos ganaderos da California vai-se reformar, acabando assim uma vida parcialmente dedicada à festa brava. Foi ele, Manuel de Sousa e Frank Borba, que foram os nossos verdadeiros três mosqueteiros da festa mais bonita - a festa dos toiros. Na nossa próxima edição vamos falar com Manuel Correia, para saber como é que ele viveu estes 31 anos de festa brava na California e para conhecermos melhor o princípio e as razões da mesma.

RADIO Frank Dias - Ecos Portugueses 107.3
A Estação de Rádio onde Frank Dias iniciou a sua vida na rádio há 35 anos, por motivos de programação teve necessidade de alterar o horário onde se podia ouvir português nas palavras doces deste homem de sabedoria. Frank Dias, irá estar no ar aos Domingos desde as 7:30 pm às 9:30 pm. A Missa será gravada e retransmitida às 7:30 pm e os Ecos irão para o ar das 8:30 pm até às 9:30 pm. Mudanças podem ser salutares.

CULTURA Teatro - para quando o seu regresso ?
As Danças de Carnaval (que não são mais do que teatro popular) vieram recordar-nos a falta que o Teatro faz. Já há muitos anos que o Teatro desapareceu da nossa Comunidade. É tempo de alguém tomar as rédeas outra vez e descobrir os novos talentos que andam por aí e muitos deles estão nas danças de carnaval.

Na página 20 deste jornal falamos de João Rodrigues da Silveira como líder da nossa comunidade e a falta que

COMEMORAÇÕES Dia de Portugal 2004 a 13 de Junho
Começam no dia 3 de Fevereiro as reuniões preparatórias para as comemorações do Dia de Portugal 2004. As próximas reuniões serão feitas na primeira terça-feira de cada mês em lugares a anunciar. É uma grande oportunidade para toda a gente que queira participar neste importante evento que de uma vez por todas tem de merecer a atenção de todos nós. Somos portugueses e é justo que celebremos uma vez por ano essa condição de sermos o que somos com muito orgulho. Já é tempo de mudarmos alguns radicalismos ou sentimentos “anti-comemoracionais” e juntar-nos todos numa festa, que seja a nossa MAIOR festa.

ele irá fazer no futuro. O João Rodrigues foi um homem de ideias, um homem controverso talvez, mas ao chegar ao fim da sua vida poude apresentar um currículo invejoso e obra feita. Nunca a comunidade poderá esquecer isso. Como quase tudo foi dito já numa maneira mais formal, o Portuguese Tribune não poderia esquecer o João Rodrigues da Silveira como atleta de eleição que foi e assim apresenta nesta primeira página uma pequena homenagem a recordar os tempos gloriosos quando ele era atleta do Faial e dos Açores. Grandes atletas deixam sempre saudades e o João Rodrigues era um deles - desde o andebol, hóquei em patins, atletismo e futebol, em todas estas àreas desportivas o João Rodrigues foi mestre. Que bem jogava ele... Paz à sua alma.

CINEMA As últimas 12 horas de Jesus
Quem não viu, deve ver. É violento, tem mensagem para todos os gostos, e é cinematográficamente falando muito bem feito e dirigido. Não é ainda fácil aos homens/ mulheres de hoje entender os acontecimentos de há dois mil anos, mas pode-se aplicar muitas das lições aprendidas (ver pág. 2, 11 e 21) desse tempo ao mundo de hoje.

TELEVISÃO Rádio Televisão de Artesia
Começou com Osvaldo Palhinha e o Vasco Matos em 1991 e agora Manuel Aguiar dá seguimento àquilo que foi o sonho de muitos artesianos - ter a sua própria informação, ser uma fonte de inspiração para outras comunidades espalhadas neste Estado. Percorrem a California e ao regressar a Artesia deliciam-se a mostrar tudo o que de melhor a nossa comunidade produz. Foi e continua a ser um acto de amor e inteligência.

BENEFICIÊNCIA Faleceu a “avó” da POSSO
Mary P. Machado, mais conhecida pela “Avó da POSSO” faleceu a 31 de Março em San José com 89 anos. Durante duas décadas serviu a nossa comunidade, especialmente os mais idosos. Natural de São Jorge, emigrou para os EUA onde casou com Joe A. Machado (já falecido). Deixa a chorar toda uma comunidade e seus filhos Marie Pacheco (já falecida), Joe Machado e Louise Ávila assim como 9 netos e 13 bisnetos . São pessoas deste calibre que deram o seu melhor àqueles que mais necessitavam, que devemos ter por referência.

(Pág. 13)

(pag. 13)

Helder Carvalheira, Manuel Escobar e João Cardadeiro - um trabalho excelente

(pág. 6)

Aspecto parcial da Sala do Museu Histórico de Tulare durante o lançamento do livro de Alvin Ray Graves

Mariza em Santa Cruz

ANIVERSÁRIOS I.E.S. e Banda Portuguesa de San José
Nos dias 14 e 15 de Fevereiro, duas das mais importantes associações portuguesas da California festejam os seus aniversários. A Irmandade do Espírito Santo de San José com 90 anos e a Banda Portuguesa da mesma cidade com 32 anos. Estas e outras tantas associações comunitárias mostram bem a vitalidade das nossas tradições, da nossa cultura e da força de vontade de homens e mulheres ao longo destes anos todos. Parabéns.

A cidade de Ponta Delgada, nos Açores, foi palco para um encontro magno da açorianidade. Sob os auspícios da Direcção Regional das Comunidades, aconteceu entre 4 e 8 de Janeiro, as segundas Jornadas Emigração/ Comunidades. A primeira edição ocorreu há dois anos na Casa dos Açores em Lisboa. Desta feita cerca de 6 dezenas de personalidades ligadas à nossa emigração estiveram presentes para debaterem o futuro das nossas comunidades e as suas ligações aos Açores. Desde a passagem da nossa herança cultural à educação, passando pela ciência e tecnologia, e a história, os conferencistas elaboraram um série de conclusões com o objectivo de serem linhas de actuação para as nossas comunidades. Da Califórnia estiveram presentes, Duarte Silva, da Universidade de Stanford, Elmano Costa da Universidade Estadual da Califórnia Stanislaus, Ramiro Dutra, professor emérito da Universidade Estadual da Califórnia em Pamona e Diniz Borges, professor de português na Tulare Union High School e no College of the Sequoias em Visalia. Estas segundas jornadas Emigração/Comunidades terminaram com um jantar oferecido pelo Presidente do

Governo Regional dos Açores, Carlos César, que também esteve na cerimónia de encerramento, onde foram lidas as conclusões. Nesse momento o Presidente do Governo anunciou que o seu governo continuará a apoiar as nossas comunidades com eventos culturais e na integração plena da nossa gente nas sociedades de acolhimento.

TAUROMAQUIA Ganadaria Açoriana
A fim de poder responder aos contratos para esta temporada teve a Ganadaria Açoriana de comprar toiros mexicanos da ganadaria de Gerardo Martinez, de Queretaro. Da primeira remessa vieram 22 e esta semana chegaram os restantes 20. Têm idades compreeendidas entre os 18 meses e os três anos. Alguns deles vão ser sómente corridos na temporada de 2005, devido à sua idade. Os responsáveis por esta ganadaria estão deveras satisfeitos com a camada de toiros que receberam. Agora é só esperar pelo comportamento deles nas arenas deste Vale.

RELIGIÃO O mega projecto de Tracy
O Padre Ivo Rocha tem uma ideia em grande para os paroquianos de Tracy. Custará $50 milhões de dólares o projecto da nova Igreja e Centro Paroquial da cidade de Tracy. O Portuguese Tribune vai publicar na próxima edição uma entrevista com o padre Ivo Rocha àcerca deste projecto. Falaremos também do passado, do presente e da visão futura que Ivo Rocha, um homem com os pés bem assentes na Terra, tem àcerca deste sonho de deixar um legado aos paroquianos de Tracy.

PESCA Francisco Ribeiro, pescador de S.Jorge
Um dia descobriu que fazia mais dinheiro num fim de semana a pescar do que numa semana de trabalho. Por isso tornou-se pescador profissional e construíu o seu próprio barco com 52 pés de comprido, nunca tendo olhado para o “blueprint”. História fantástica deste homem açoriano nascido na Ribeira Seca, São Jorge, em 1945.

Sabe jogar golfe ?
Então participe no Torneio de Golfe do Portuguese Athletic Club, no dia 15 de Maio de 2004 no Del Monte Golf Course Chame para 408-287-3313
(Pág. 18)

Gostava de conhecer os Estados do Noroeste dos Estados Unidos e Sudoeste do Canadá?

Gosta de Viajar?

Quer celebrar o 25 de Abril em beleza?
VISITE a Biblioteca J.A. Freitas em San Leandro e veja, toque, folheie os livros e sinta as fotografias dessa data tão importante da nossa história. Sinta a liberdade de poder falar, escolher, escrever e ser ouvido...

photo from Mariza’s web page

13 noites e 14 dias de sonho
18 a 31 de Julho de 2004

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

Fale com a POSSO - 408-293-0877

Alcides Machado, Ana Malhoa e Emanuel, na Festa dos 15 anos da KIGS, em Tulare

(pág. 14 e 15)

Viva o 25 de Abril, forever...

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

(pág. 6)

INDICE

Editorial 2 Açores 4 Continente/Madeira 5 Colaboradores 6,7,9,10,11,13,23 Desporto 22 Tauromaquia 24

Maré-Cheia English Section Reportagens: Festa de Gustine Assinaturas

20 26,27,28 3,14 a 19, 30,31 8,21 6

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA
2ª Quinzena de Janeiro de 2005 Ano XXV - No. 962 NEGOCIOS 2ª Quinzena de Fevereiro de 2005
1.00 / $35.00 Anual

2ª Quinzena de Maio de 2006
portuguesetribune@sbcglobal.net
1.00 / $35.00 Anual

portuguesetribune@sbcglobal.net

Ano XXV - No. 964 ESPECTACULO

Ano XXVI - No. 994 Modesto, California CIDADANIA

portuguesetribune@sbcglobal.net

2ª Quinzena de Junho de 2006
1.50 / $35.00 Anual

Espírito Santo 2006

Ano XXVI - No. 996 Modesto, California CUSTO

portuguesetribune@sbcglobal.net

1.50 / $35.00 Anual

Trade Winds adquire direitos à LusoLines
Para melhor servir a Comunidade Portuguesa da California, a Trade Winds Import Export, Inc., de Mateus Morais adquiriu os direitos operacionais da LusoLines/ Portuguese American Export Agency, para este Estado. Além da habitual movimentação de cargas da California para os Açores e Portugal, a Trade Winds, com escritórios em Oakland, está planeando oferecer aos seus clientes num futuro próximo a possibilidade de movimentar dois ou três contentores por ano directamente dos Açores para a California.

Noite Tauromáquica 2005 em Modesto
Joel Neto

A Semana de Portugal vai começar a 3 Junho
Este ano o Dia de Portugal que habitualmente é comemorado a 10 de Junho vai começar mais cedo - a 3 de Junho (ver programa na pagina 32). E para o ano, e se tudo correr como pensam os organizadores ainda começará mais cedo. E porquê? Porque nós merecemos celebrar a nossa vivência Portuguesa em mais vertentes do que aquelas até agora imaginadas. Viva Portugal, Viva Camões.

A Tribuna vai passar a custar $40.00 por ano
Há mais de um ano que andamos a fazer esforços para não aumentar o custo da subscrição anual, mas infelizmente não nos é possível adiar tal decisão. É um aumento de $5.00 dólares anuais, o que representa $0.42 cêntimos a mais por mês. Sabemos que muitos dos nossos assinantes são reformados e que este aumento poderá ser um problema para eles, mas queremos crer que compreenderão a nossa decisão. Todos neste jornal trabalham para que ele seja cada vez melhor, dando uma imagem justa e reflectida da nossa vida, nunca esquecendo que somos verdadeiramente um jornal comunitário. O nosso obrigado pela compreensão.

1ª Quinzena de Setembro de 2006 Ano XXVI - No. 1001 Modesto, California

portuguesetribune@sbcglobal.net

$1.50 / $40.00 Anual

Comissão e Convidados da NT 2001 em Turlock

A Noite Tauromáquica 2005 irá realizar-se no dia 9 de Abril no renovado e belo Salão do Modesto Pentecost. A contratação de artistas prossegue a ritmo normal esperando-se que os mesmos possam também actuar noutras cidades para atenuar as despesas devido ao euro estar altamente cotado (cerca de 30% mais alto do que o outrora forte dólar). Daremos mais notícias na nossa próxima edição. Viva a Festa Brava.

RELIGIÃO

POLITICA

Igreja da Serreta é Santuário
Devido à importância que a Festa de Nossa Senhora dos Milagres da Serreta tem, movimentando milhares de fiéis todos os anos, o Bispo de Angra, D. António Sousa Braga, resolveu elevar a Igreja da Serreta a Santuário Diocesano, no dia da Mãe, que decorreu no dia 7 de Maio. Esta era uma aspiração antiga do povo dessa freguesia.

Fernando Menezes no 10 de Junho
É Presidente da Assembleia Legislativa dos Açores, faialense e do Partido Socialista. É a figura política mais importante dos Açores. Veio este ano comemorar connosco o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Participou em muitos dos eventos da Semana Portuguesa e deve ter ficado ainda mais conhecedor das nossas realidades, pois não é a primeira vez que se desloca à California. Foi um prazer tê-lo connosco, Sr. Presidente.

RELIGIAO

MUSICA

Padre Eduino Silveira seguiu para Redding
Na nossa última edição demos a notícia que o Padre Eduino Silveira da Igreja de Santa Isabel de Sacramento afinal iria ficar na mesma paróquia segundo informações de fontes idóneas. Dias depois recebemos notícias que afinal o Padre Eduino iria seguir para Redding no dia 12 de Janeiro. Para melhor esclarecer a nossa comunidade este jornal solicitou via email ao Sr. Bispo uma explicação para o sucedido. Até hoje não recebemos qualquer resposta de Dom William Weigand. Convém esclarecer que qualquer Bispo tem o poder de movimentar padres entre paróquias ao fim de 5 ou 6 anos de colocação nas mesmas. Está no Direito Canónico e na obediência que os padres têm aos seus Bispos. Embora muito custe à comunidade Portuguesa, pelo excelente trabalho feito pelo Padre Eduino, como católicos devem respeitar a vontade do seu Bispo.

Daniel Arruda já não canta mais
Devido a doença, o popular cantador ao desafio Daniel Arruda deixou de cantar e a música tradicional ficou mais pobre. Os bodos de leite e as cantorias vão-lhe sentir a falta. Daniel Arruda nasceu na Ribeira dos Gatos, freguesia dos Altares, Ilha Terceira e reside actualmente em San José, California. Estreou-se a cantar em 1976 quando tinha 18 anos de idade numa “briança” que se fazia no tempo dos bodos nos Altares. Em 1983 emigrou para a California e desde então nunca mais parou de cantar e escrever. Recentemente foi o vencedor do Programa “O Mais Popular Cantador ao Desafio de 2004”, feito por este jornal.

AVIAÇÃO

COMEMORAÇÕES

Voos para os Açores seguem em bom ritmo
Os voos directos da California para a Terceira estão esgotados até Setembro, o que demonstra bem o interesse que a nossa Comunidade tem por este tipo de viagens. A Azores Express deve-se sentir recompensada pelo esforço que fez em cobrir esta importante rota.

Angela Costa a força do querer
É através desta jóvem que queremos agradecer a todos aqueles que projectaram a Semana de Portugal em todas as suas vertentes e que decorreu dentro das expectativas. O Kelley Park esteve festivo, tudo bem organizado e para o ano ainda será melhor. Assim se faz comunidade e da melhor...
Festa de Modesto - Britney Espland, Rainha Rachael Borba, Daisy Reis em frente à Câmara Municipal pág. 17,18

João Ignacio de Souza, nascido na ilha de São Jorge em 1849, filho de um carpinteiro que se suicidou em 1874 veio para a América em 1866, estabelecendo-se em Stanislaus como pastor e jornaleiro. (pág. 14,15,16,17)

Política

Festa de Nossa Senhora da Assunção - Missa da Juventude, uma maneira alegre e comunicativa de viver uma comunhão de fé
TAUROMAQUIA

( pág. 30,31)

ARTE

Maria Flores Faz capas para Rainhas
Nasceu na Calheta, Ilha de São Jorge e veio para a América há 43 anos. Quando a sua filha foi Rainha há 23 anos, foi ela que fez a sua capa e a partir daí nunca mais deixou de fazê-las. Uma capa pode ser feita numa semana, muito embora Maria Flores faça várias ao mesmo tempo. Esteve sem ir à sua ilha natal durante 28 anos mas desde há uns anos atrás tem-se desforrado e bem. Enquanto puder não deixa de trabalhar, porque tem toda uma estrutura montada que lhe facilita o seu apurado trabalho. Faleceu a Irmã Lúcia, a última vidente de Fátima ainda viva e que se encontrava em clausura nas Carmelitas de Coimbra. A irmã Lúcia tinha 97 anos e foi, com Jacinta e Francisco, uma das três crianças que disseram ter visto Nossa Senhora na Cova da Iria no início do século XX. Quando Nossa Senhora apareceu pela primeira vez em Fátima, no dia 13 de maio de 1917, Lúcia acabara de completar 10 anos; Francisco estava para completar 9; e Jacinta, a menor, tinha pouco mais de 7 anos. O corpo da Irmã Lúcia irá para a Catedral de Coimbra, onde decorrerá uma cerimónia fúnebre presidida pelo Bispo de Coimbra, D. António Cleto. O Bispo de Leiria/Fátima, D. Serafim Ferreira e Silva, estará também presente naquela cerimónia. O corpo da irmã Lúcia regressa depois ao Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra, onde ficará sepultado.

VIDA

LITERATURA

Lembrar um grande Homem
D. António Ferreira Gomes teria feito 100 anos de idade no dia 10 de Maio. Bispo do Porto e Homem de grande verticalidade, escreveu uma carta a Salazar e este expulsou-o de Portugal. Eram tempos de fascismo e obscurantismo. Regressou 10 anos depois, já o ditador tinha morrido. Leiam a sua obra que é sempre actual. A Festa do Espírito Santo da Casa dos Açores de Hilmar é muito especial porque é diferente de todas as outras. Esta festa não tem rainhas nem aias e desfilam representantes de todas as Ilhas dos Açores com as suas mais simples tradições como eram usadas nas ilhas. A Coroa, os bordões, os vestidos brancos, as bandeiras desfraldadas, os cestos à cabeça como no Pico, tudo isto numa Coroação digna de ser vista. De tão simples é tão bonita. Este ano veio muita gente assistir a esta bonita festa num dia soalheiro. No Sábado houve como é habitual o Bodo de Leite com Pézinho, oferta de massa sovada e queijo, arrematações e venda do gado oferecido. Houve concertos do Alcides Machado e Jorge Ferreira que atraíram muita gente. Na Segunda-feira houve Corrida de Toiros, com Praça cheia até às bandeiras. E ainda houve tempo para fazerem maldades na Praça de Stevinson durante a noite de Domingo, só que Homens bons que ainda os há, resolveram o problema a tempo e horas.

Cota Fagundes falou de poetas e suas vidas
Francisco Cota Fagundes, da Universidade de Amherst, Massachusetts, veio à California a convite da UPEC, na Semana de Portugal, falar sobre Camões, Bocage e Jorge de Sena. Este acontecimento de tão importante que é merece repetição em muitos outros lugares. É um meio eficaz de dar a conhecer as nossas artes em diferentes campos. Quem é o próximo? E para falar de quê?

Ganadero João Folque na California
A convite da Festa dos Milagres desloca-se à California para dirigir a Corrida de Toiros, João Folque de Mendonça, da Ganadaria Palha, triunfadora da Feira de Sevilha deste ano.

RELIGIÃO

Richard Pombo R-Tracy - Distrito 11

Devin Nunes R-Tulare - Distrito 21

Dennis Cardoza D-Merced - Distrito 18

Jim Costa D-Fresno - Distrito 20

(pág. 25)

Festa ao Divino em Turlock - Denise Faria e Dorisa Teixeira ladeiam a Rainha Melissa Faria

pág. 19,20

Padre Reis nas Cinco Chagas
Foi nomeado Vigário Assistente da Igreja Nacional das Cinco Chagas, o Rev. Padre António Reis, que nasceu no Brasil. A Comunidade está de parabéns.

INDICE

Editorial 2 Açores 4 Continente/Madeira 5 Artesia 8 Colaboradores 3,7,9,10,11 Desporto 18

Tauromaquia Maré-Cheia English Section John Enas Reportagens Dish Network

20,21 22 24,25,26,27 14,15,16,17 12,13 28

INDICE

Editorial 2 Açores 4 Continente/Madeira 5 Artesia/Colab. 8 Colaboradores 3,7,9,10,11,19 Desporto 18

Tauromaquia Maré-Cheia English Section Carnaval Reportagens Suntrips/DVD’s

20,21 22 24,25,26,27 13,14,15,16,17 12 28

INDICE

Editorial 2 Açores 4 Continente/Madeira 5 Colaboradores 3,7,8,9,10,12,28 Desporto 22,23 Tauromaquia 24

Maré-Cheia 26 English Section 35,36,37,38,39 Reportagens 11,16,17,19,20 30 Anos dos Forcados 21 Corridas de Toiros 29,31 Entrevista 13

INDICE

Editorial 2 Açores 4 Continente/Madeira 5 Colaboradores 7,8,9,10,11,13,28 Desporto 22 Tauromaquia 24,25

Maré-Cheia 26 English Section 30,31,32,33 Reportagens: 3,12,14,16,17,18,19,20,21,34,35 Corridas de Toiros 15 Assinaturas 6

CONVENÇÃO - pela segunda vez na história da Luso-American - Presidênçias femininas: Presidente dos 20-30’s Michelle
Stilwell, Presidente Estadual Linda Vieira e Presidente da Juventude Kayla Rodrigues

(pág. 14 a 19)

INDICE

Editorial 2 Açores 4 Continente/Madeira 5 Colaboradores 3,6,7,8,9,10,11,12,13,19 Desporto 22

Tauromaquia 24, 25 Maré-Cheia 26 English Section 28,29,30 Reportagens: 14 a 18, 20,31,32 Festival das Bandas 21 Assinaturas 6

INDICE

Editorial 2 Comunidade 15,21 Colaboradores 3 a 11,13,14,18,19,20 Desporto 22 Tauromaquia 24 Maré-Cheia 26

English Section Reportagens: Entrevista Dish Network

28 a 31 16,17 21 32

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

1 a Quinzena de Fevereiro de 2009 Ano XXIX - No. 1056 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

FESTAS NA TERCEIRA

Pág 24

Sanjoaninas na California
1ª Quinzena de Novembro de 2006 Ano XXVII - No. 1005 Modesto, California portuguesetribune@sbcglobal.net 2ª Quinzena de Dezembro de 2006
$1.50 / $40.00 Anual

Ano XXVII - No. 1008 Modesto, California

portuguesetribune@sbcglobal.net

2ª Quinzena de Fevereiro de 2008
$1.50 / $40.00 Anual

Ano XXVIII - No. 1034 Modesto, California

portuguesetribune@sbcglobal.net

$1.50 / $40.00 Anual

Com o intuito de convencer a nossa gente a visitar os Açores e a assistir as Sanjoaninas 2009, chega no dia 5 a California, uma comitiva angrense constituida pelos seguintes elementos - Miguel Costa, Presidente das Sanjoaninas 2009, José Couto, da Comissáo Taurina, Luisa Brasil, Vereadora da Camara Municipal de Angra, Miguel Brasil e Graziela Pereira, da Comissáo Cultural das Sanjoaninas. (poster by plugplug)

New Bethany

2 a Quinzena de Fevereiro de 2009 Ano XXIX - No. 1057 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

POLITICA

10 anos de vida a fazer o Bem

Vereador em Los Banos
Chama-se José Henrique Sousa, nasceu no Corpo Santo, Angra do Heroísmo e veio muito novo para a California. Estudou na San Jose State University, trabalhou no Departamento de Parques de Los Banos. Depois de se reformar concorreu a vereador da mesma cidade e ganhou. Um exemplo a seguir. EDUCAÇÃO

Nova Igreja

naugurada em Mode o

POLITICA

Pág 17

Directora Reg. das Comunidades
Tomou posse no dia 30 de Janeiro a nova Directora Regional das Comunidades, do Governo Regional dos Açores. Rita Dias tem 35 anos, é natural do Faial e possui uma licenciatura em Ciência Política, com especialização em Instituições Políticas e Administração Pública, e em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Matemáticas e Gestão da Universidade Lusófona.

Oferta de Bolsas de Estudo

MUSICA
sido mesmo de todas quer o Governo Quer o Governo da Repúblicaportugueses de se- N osesentanto temosFaial,bons eSão Jorge eprimeira classe quando ajudámos Miguel,asecrisísmicas do Pico, Terceira, as enchurradas de São teRegional pensam que somos mos sido mesmo muito bons quando mandamos milhares e milhares de dólares para recongunda classe. Sómente três exemplos. Basta ver o que Carlos César disse no Brasil àcerca das viagens entre a América e Canadá para os Açores - que iam ser mais baratas. Afinal uma meia verdade no Brasil sempre dá para receber algumas palmas. Só 10 % dos passageiros é que irão gozar do desconto de 30%. E quem serão esses 10 %? Os amigos da Agência, os que viajam em primeira classe, os amigos dos amigos, enfim uma autêntica baralhada de realezas feita por açorianos que não conhecem bem a realidade desta “malta” que vive além fronteiras. De Portugal vem a “extraordinária” notícia das eleições para o Conselho da Comunidades? Será esta uma notícia para rir? Ou para chorar? O Conselho das Comunidades que foi uma óptima ideia do consulado de Guterres, nunca foi aceite por todos os governos e até houve um que reduziu a California a um só conselheiro ficando nós em igualdade com a Namíbia que deve ter alguns 100 portugueses a viverem lá. Vejam lá que cabeças pensantes são estas que fazem isto? A montanha pariu realmente um rato. Esperamos que nenhum californiano se candidate ao Conselho das Comunidades, nem ninguém vote nesse mal compreendido e nunca aceite Conselho das Comunidades. Tenhamos vergonha na cara.

Pág. 28
Padre de New Bethany, Robert Gamel

Joana Carneiro em Berkeley
Joana Carneiro foi nomeada Directora Musical da Orquestra Sinfónica de Berkeley, California. Esta orquestra foi fundada em 1969 e tem sido reconhecida como uma das melhores da California. Joana Carneiro, nasceu em Lisboa e começou a sua carreira como violinista. Depois de cursar-se na Academia Nacional Superior de Lisboa, tirou o Mestrado em Condução de Orquestras na Northwestern University e está a doutorar-se na Michigan University. Em 2004 foi condecorada pelo Presidente da Republica Portuguesa Jorge Sampaio, com a Ordem do Infante D. Henrique, no grau de Comendador.

O Bispo de Fresno D. John Steinbock celebrando a Missa da Celebração dos 10 anos, coadjuvado pelo novo
Pág.32

POLITICA

Pág. 2

Já é altura da nossa Comunidade regressar às origens das nossas festas religiosas e ver como Hilmar, Turlock, San José e poucas outras continuam a mostrar a genuina festa dos nossos padroeiros. Deve-se exigir qualidade e não quantidade. Deve-se exigir respeito e não malabarismos. Deve-se exigir simplicidade e não ostentações. Monsenhor Myron Cotta em primeiro plano, celebrante da Festa de Hilmar. (Pág. 15 a 18)

ENERGIA

Conferência Internacional na Terceira
Vai realizar-se nos dias 8 e 9 de Dezembro de 2006, uma Conferência Internacional sobre Energias Renováveis, na Terceira. Esta conferência tem o patrocínio dos quatro congressistas americanos descendentes de açorianos, bem como deputados da União Europeia, Casa dos Comuns do Canadá, além da Universidade dos Açores. Tribuna Portuguesa irá estar atenta a este importante forum.

Há dias ouvimo-lo dizer que “we stay the course”. Hoje diz que o Iraque mais parece o Vietnam. Ainda há dias ouvimo-lo dizer “we are winning”. Hoje diz: “will carefully consider any proposal that will help us to achieve victory”. Será que esta tão aparente e cândida mudança não tem nada a ver com o 7 de Novembro (dia das eleições)? Será que um dos seus assessores ao ter-lhe sugerido esta mudança de atitude, pensa que o povo é ignorante? Já que nos pede ajuda, deixe-nos oferecer alguma: 1. Despeça da sua administração todos aqueles que lhe disseram que a Guerra do Iraque iria ser um passeio na Avenida da Liberdade, incluindo o Secretário da Defesa. 2. Admita novo sangue, nova gente, inteligentes e com uma particularidade - que saibam História do Mundo, não sómente a da California ou do Texas. 3. Nunca mais pronuncie a palavra democracia quando se referir ao Iraque. Nenhum país daquela área geográfica

foi, é ou será uma democracia. Esqueça-se dessa teoria, por favor. 4. Ouça o que o povo do Iraque diz, e se não aceita os resultados de dezenas de inquéritos feitos por organizações altamente responsáveis, mande fazer o seu próprio. Um erro pode-se sempre corrigir. Se quiser mais algumas ideias, o nosso telefone está na segunda página. Boa sorte, Senhor Presidente.

struir Igrejas. Temos sido bons também quando mandamos dinheiro para construir Sociedades e até as cozinhas das mesmas. Temos sido tão bons quando ajudamos equipas de futebol açorianas que estão na falência e aqui vem buscar alguns dólarzitos. Temos sido bons quando ajudamos as Filarmónicas que nos visitam e até temos sido muito bons quando ajudamos Danças de Carnaval, que por sinal até vêem falar mal da gente na nossa própria casa. Carnaval é uma coisa, mal-criação é outra música. Fomos aficionadamente bons quando ajudámos a construir a Praça de Toiros da Terceira, cuja maioria do capital social dessa Praça é pertença de duas irmãs que residem em Tulare. Os emigrantes de todo o mundo são bons quando mandaram 2.4 mil milhões de euros em 2006 para Portugal, com 224 milhões de euros vindos da América. ejam com a RTP nos trata. Nem em Portugal transmitem os Programas Contacto. Porquê? Ou porque têm vergonha da malta ou então para que os portugueses não vejam as nossas riquezas, o nosso sucesso, a defesa das nossas tradições, o amor que temos à nossa terra e mesmo os nossos falhanços. Nos Açores até só passam o Contacto da Nova Inglaterra. Afinal o que é que a RTP quer? uem não se lembra quando falavam mal de nós, da maneira como nos vestimos, da mosca-de-verão, da maneira como falamos, até da maneira como gastamos o nosso dinheiro, fruto do trabalho árduo nestas terras. E lembram-se da história do cão? E mesmo assim não nos queixamos. Se for preciso cá estaremos para ajudar todos os que precisam da nossa ajuda. E sabem porquê? Porque na realidade somos mesmo de primeira classe, quer queiram quer não. Aqui nem tudo são rosas. Entre nós também temos os nossos problemas e um dia os discutiremos. Este divórcio e estes mal entendidos entre a nossa comunidade e os que vivem além no Atlântico tem de mudar. Mas mudar requer que nos encontremos todos a alto nível. Por favor, não nos mandem Secretários de Estado nem Directores Regionais pois eles não têm, nem nunca tiveram capacidade de decisão. É um desperdício de tempo.

Alzira Silva

Já são dois na Casa Branca

despediu-se da California

SATA

Internacional
Escandalosos aumentos!
CULTURA

V
Q

CULTURA

A História dos Açores
Susana Goulart Costa escreveu, Deolinda Adão organizou/coordenou, e Rosa Neves Simas traduziu, esta obra que devia estar em casa de todos os açorianos. Escrito em Português e Inglês, este livro de 380 páginas foi publicado pelo Programa de Estudos Portugueses da Universidade da California, Berkeley. Susana Goulart Costa é professora do Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais da Universidade dos Açores. Uma obra a não perder.

A História dos Açores Oakland-Terceira = $1530.00 por pessoa
Na semana passada anunciámos a publicação de Uma História dos Açores. Esta semana foi publicada mais uma “História dos Açores - do Descobrimento ao Século XX”, da responsabilidade do Instituto Açoriano de Cultura (IAC). Esta obra tem um carácter mais científico, escrito por 30 autores, em dois volumes.

Uma família de 4 pagará $6746.20 dólares para visitar o Pico.
Numa altura de crise, quando todas as companhias aéreas estão a descer os seus preços, a SATA aumenta-os em 30% nas viagens para os Açores. No entanto, a mesma SATA diminuíu o custo das passagens Madeira/Lisboa, de 193.00 para 120.00 euros, ou seja 38 % de desconto. Dois pesos e duas medidas. Será que a nova Administração da SATA ainda não compreendeu a relação que deve haver entre os Açores, a America e o Canadá? A resposta a este escandaloso acto só poderá ser dada por todos nós. Duas opções - pomos a nossa cabeça entre as pernas e aceitamos este sujo jogo da SATA, ou fazemos um boicote à SATA e usamos outras companhias, tal como a TAP, a CONTINENTAL e

Venham cá, sim, os melhores, aqueles que estarão abertos a compreender o que nós representamos para Portugal.

Alzira Silva conquistou o respeito e a admiração de todas as Comunidades Açorianas

Pág. 16, 17

portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

1 a Quinzena de Março de 2009 Ano XXIX - No. 1058 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

2 a Quinzena de Março de 2009 Ano XXIX - No. 1059 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

Carnaval na California

Benvindos quem por bem vem! Feliz Páscoa!

1 a Quinzena de Abril de 2009 Ano XXIX - No. 1060 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

2 a Quinzena de Abril de 2009 Ano XXIX - No. 1061 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

25 de Abril f o re v e r & e v e r As Capas mais lindas do Mundo!
Grândola, vila morena Terra da fraternidade O povo é quem mais ordena Dentro de ti, ó cidade Dentro de ti, ó cidade O povo é quem mais ordena Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada esquina um amigo Em cada rosto igualdade Grândola, vila morena Terra da fraternidade Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada rosto igualdade O povo é quem mais ordena À sombra duma azinheira Que já não sabia a idade Jurei ter por companheira Grândola a tua vontade Grândola a tua vontade Jurei ter por companheira À sombra duma azinheira Que já não sabia a idade

1 a Quinzena de Maio de 2009 Ano XXIX - No. 1062 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

josé afonso

TAUROMAQUIA

Pág. 24

Faleceu Conchita Cintron
Com 86 anos de idade faleceu em Portugal a cavaleira Conchita Cintron, a primeira mulher com fama internacional no mundo dos toiros. Toureou muitas vezes em Portugal e esteve em 1950 na Terceira. Participou em mais de 400 corridas em todos os países taurinos do Mundo. Casou com Francisco Castelo Branco e já há muitos anos que vivia em Portugal. Esteve na California acompanhando o seu filho que toureou no P. Padres. EDUCAÇÃO Pág. 20, 30

com este jovem grupo homenageamos todos os outros que percorreram milhares de milhas para partilharem com todos nós a maior manifestação cultural da nossa Comunidade. Ver páginas 16,17,18. foto de jose avila

Grupo da Igreja de Nossa Senhora da Assunção

CINEMA

Praia da Vitória - uma cidade de futuro - esta extraordinária fotografia
panoramica de José Enes (parcialmente aqui representada) mostra bem a beleza da Cidade da Praia da Vitória. Saudamos a comitiva praiense de visita à California. Que levem todas as nossas saudades quando regressarem.

35 A nos de Liberdade
GOLFE

Salgueiro Maia, o mais puro Capitão de Abril (de braços abertos) tenta convencer as tropas governamentais a evitarem um banho de sangue, já que a VITÓRIA era certa.

Fajã de Santo Cristo, São Jorge - nesta extrordinária foto de Dejalme Vargas (residente
no Faial), pode-se ver que nos Açores ainda existem pequenos paraísos para gozar em tempo de Páscoa.

RELIGIÃO

Antero de Quental em filme
Produzido pela RTP Açores e dirigido por Zeca Medeiros, estreou-se no Teatro Micaelense no dia 9 de Março, o telefilme Antero - o Palácio de Aventura. Um filme que durou mais de cinco meses a realizar e que conta a história de um dos nossos maiores poetas e escritores, nascido e morto em Ponta Delagada. Este telefilme será exibido dentro de pouco tempo na Costa Leste. Seria importante que o pudessemos ver na California. CULTURA

novo Embaixador dos EU em Portugal?
Segundo corre no meios diplomáticos americanos é muito possivel que Marc Pacheco, senador estadual democrata de Massachusetts, se torne no primeiro luso-descendente a ser Embaixador dos Estados Unidos em Portugal. Marc Pacheco tem um Master’s Degree in Public Administration, Suffolk University; Bachelor’s Degree in Human Services, New Hampshire College; Associate’s Degree in Agronomy, University of Massachusetts Stockbridge School of Agriculture. Está no Senado Estadual desde 1993, tendo ocupado durante a sua vida politica importantes cargos naquele Estado. Tem sangue açoriano do lado paterno e de Coimbra, do lado materno. Foi já condecorado pelo Governo Português em 1998, com a Ordem do Infante D. Henrique no grau de Comendador.
portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com

Marc Pacheco

Vale de San Joaquin
é um autêntico poema

Tiger Woods no Torneio de Golfe do PAC
Com o patrocínio dos construtores Joe Cota e Luis Cabeceiras, Tiger Woods irá participar no Torneio Anual de Golfe do Portuguese Athletic Club no dia 16 de Maio em Monterey Desde que esta notícia foi divulgada nos meios golfistas dos Estados Unidos, os hoteis de Monterey e áreas vizinhas estão a ser muito procurados, o que vem ajudar aquela área turística em tempo de crise. Pensa-se que o número de participantes poderá triplicar neste torneio, devido à presença deste super dotado campeão de golfe.

Amigos da Praia
homenageados pela Câmara da sua Cidade

O Rev. Harvey Fonseca foi ordenado Padre em 1992. É pároco de St. Jude Thaddeus Catholic Church em Livingston desde 1995 e recentemente foi “honored by Pope Benedict XVI for “his faithful dedicated work and ministry for the good of God’s people.”” Anteriormente trabalhou nas paróquias de Tulare, Merced e Hanford. Parabéns. RELIGIÃO Pag 26

Monsenhor Harvey Fonseca

Antes um País que atravesse crises e as vença, do que uma ditadura caquéctica, hipócrita e odiada. Viva Portugal Livre!

António Menezes
Presidente do Grupo SATA
“... não obstante sermos uma empresa do Governo dos Açores, temos que ter uma performance económica positiva, para garantir a nossa existência. Assim, os preços praticados reflectem os custos da operação, tão somente. As nossas aeronaves não fazem voo directo, por limitações de “range”, o que implica paragens técnicas e pernoitas das tripulações fora da base. Estes custos são muito importantes, bem como é o combustível, claro está. Sobre este último factor, estamos a trabalhar com base nos mercados forward para o Verão 2009, altura em que voaremos. O preço do combustível hoje, no Inverno, não será necessáriamente igual ao preço que pagaremos neste próximo Verão, como se constata da comparação dos preços “spot” e “forward”. O que importa realçar é que a SATA procura apenas cobrir os custos operacionais da rota!”

RECONHECIMENTO

São Jorge reconhece Batista Vieira e Tributo
A Câmara Municipal das Velas, São Jorge, no dia do seu padroeiro a 23 de Abril, atribuíu Medalhas de Prata a Batista Vieira e ao Conjunto Musical Tributo, pelo grande contributo que ambos têm dado ao desenvolvimento social e cultural do Municipio das Velas. Parabéns a todos. ARTE

Extraordinária foto de Jackson Nichols, fotógrafo freelance, em Gustine 2008. Jackson vai publicar um livro de fotos sobre as Festas.

SATA reduz $400.00
na viagem de 8 de Junho
Como resposta à pouca afluência de viajantes para os Açores, devido à crise económica, a SATA resolveu reduzir em $400.00 dólares o preço da passagem do dia 8 de Junho, com regresso a 29 do mesmo mês. A passagem ida e volta custará $850.00 mais taxas. Ver anúncio na página 23.

HOMENAGEM

Mais uma Conferência
Será que é desta vez? Será que esta conferência terá gente bastante para ser considerada uma verdadeira conferência? Será que aprendemos algo com todas as outras que foram passando em frente a nós, sem a maioria dos nossos estudantes dar por isso? Será mesmo possível? Será? Temos uma boa equipa, só falta mesmo todos eles serem Josés Mourinhos para entusiasmar esta malta nova a compreender ainda melhor o futuro e as suas responsabilidades. Esperemos que tudo corra bem! Vejam os programas nas páginas 20 e 30.

Maria F. Simões publica livro
No dia 22 de Março na Casa dos Açores de Hilmar terá lugar a apresentação do livro de Maria F. Simões intitulado “As Lavadeiras, suas lidas”. A Casa dos Açores aproveita a ocasião para estrear o seu Grupo de Matanças, de Violas e Mar Bravo. Não faltem.

Tribuna vai ter nome de Rua em San José
Para comemorar os 30 anos do Tribuna Portuguesa, a cidade de San José está a pensar dar o nome de Portuguese Tribune à actual Rua 33 no Little Portugal. Esta homenagem ao único jornal português da California é do agrado da nossa comunidade e espelha bem o respeito que o poder político do Silicon Valley tem em relação a uma comunidade que tem trabalhado muito para o engrandecimento do nosso Estado. Estamos todos de parabéns. Bye-bye 33!

Donald Morgan novo Pároco das Cinco Chagas
O Rev. Donald Morgan irá substituir o Rev. Tony Mancuso como pároco da Igreja Nacional Portuguesa das Cinco Chagas em San José a partir de 1 de Julho. O Padre Morgan é actualmente o Vigário Paroquial na Igreja de Saint Simon em Los Altos.

Que é feito do nosso Teatro?
Já nem nos lembramos qual foi a ultima vez que houve teatro na nossa Comunidade. Já foi há tanto tempo. Vimos outro dia uma foto de 1986 de uma peça de teatro, onde estava Cunha de Oliveira, Antonieta, Luciano Cardoso, Inês Eiras, Hélio Paiva. Outros tempos. Com tantos bons actores que temos na nossa comunidade (basta vê-los nos Bailinhos de Carnaval) podia-se e bem fazer um bom grupo de teatro a nível de toda a California. Quem dá o primeiro passo?

Convenção Especial em Junho vai decidir

União da IDES, SES, UPEC e UPPEC
O Conselho Supremo da Irmandade do Espírito Santo do Estado da California (I.D.E.S), Conselho Supremo da Sociedade do Espírito Santo do Estado da California (S.E.S.), Conselho Supremo da União Portuguesa do Estado da California (U.P.E.C.) e o Conselho Supremo da União Protectora do Estado da California (U.P.P.E.C.) resolveram unir-se, tomando o nome de PORTUGUESE FRATERNAL SOCIETY OF AMERICA. Nos dias 20 e 21 de Junho vai haver uma Convenção Especial para a aprovação oficial da união. Tudo leva a crer que esta convenção dará o seu apoio a esta união de fraternais.

portuguesetribune@sbcglobal net • www portuguesetribune com • www tribunaportuguesa com
Amendoeiras em Flor na estrada de acesso ao Pico dos Padres, Turlock
foto de jose avila

Amigos da Praia - Luciano Pinheiro, Celestino Aguiar, Jose Mendes, Luis Cabeceiras, Roberto Monteiro (Presidente da Câmara da Praia da Vitoria), Norberto Azevedo, Nelo Bettencourt e Diane Mendes. Falta o Richard Mendes, Presidente dos Amigos, que na sua função de actor do Bailinho de Carnaval, estava a ser maquilhado. foto jose avila
portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com

Leia a entrevista na página 16.

portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com

portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com

portuguesetribune@sbcglobal.net • www.portuguesetribune.com • www.tribunaportuguesa.com

2

SEGUNDA PÁGINA

1 de Setembro de 2009

EDITORIAL 30 Anos de Comunidade
Nos tempos que vão correndo, para um jornal da diáspora fazer 30 anos, dá para tirar alguns chapéus e beber um bom copo de Curral Atlântico. Depois de ter visto o nome de José Avila e o seu grupo, sido mencionado tantas vezes pelos nossos colaboradores nesta edição festiva, e já que estamos em tempo de festa, recordei-me daquela anedota do enterro do Manuel Jarroca. Toda a aldeia veio cumprimentar a viúva e só diziam elogios e louvores do marido. A viuva desconfiando desta manifestação tão expontânea e carinhosa, chamou o filho e disse: ”Oh João, vai ver se é o teu pai que está no caixão!” Isto só para dizer, que o sucesso deste jornal, não se deve sómente ao José Ávila e ao seu grupo, mas sim a todos aqueles que enchem as páginas deste quinzenário com os seus excelentes escritos, aos nossos patrocinadores e às nossas organizações festivaleiras que tradicionalmente enchem as nossas páginas de cor, alegria e juventude. Todos eles são mesmo os nossos heróis, num tempo internético e global que não deixa muito tempo para se ler jornais. Gostaria de mencionar que todos aqueles que fizeram este jornal, durante anos a fio, estão também de parabéns, pois sem eles nunca poderia ter havido os 5, 10, 20 e os 30 anos. O importante agora é olhar para o futuro e desenhá-lo de uma maneira certa, justa e que o Tribuna continue a ser um farol na nossa Comunidade. E já agora um pedido - porque é que cada assinante não arranja outro e assim poderíamos multiplicar por dois o número daqueles que nos lêem. Aos nossos amigos que apreciam Desporto as nossas desculpas por não termos a vossa página nesta edição, e a razão é que este jornal esta a ser feito a 16 de Agosto, para assim podermos ir aos Açores gozar uns dias de férias. jose avila

Que poderia eu dizer do semanário que foi a menina dos meus olhos, até que o vendaval financeiro me “destronou”? Alegra-me, porém, que o TRIBUNA tenha sido sempre TRIBUNA, ao fim de 30 anos. O título não se refere apenas ao molho do papel que se publica periódicamente, mas engloba a inteligência e esforço, a clarividência que o faz singrar por tantos anos. Parabéns. Aos parabéns junto um abraço de regozijo ao seu proprietário e director, que à roda do leme faz respingar e galgar as ondas que lhe batem no casco, rasgando-as altaneiramente. Não é fácil manter um jornal aproado ao rumo, para mais quando dedicado a quem escolhe ver (televisão) e ouvir (rádio) a ler. Sim, não é fácil manter, ano após ano, altaneiro, um jornal, nomeadamente um que bate às portas da diáspora. É admirável que o “Tribuna” tenha singrado de ilhéus para escolhos e destes para marés favoráveis. Para sobreviver, um jornal de diáspora tem de ziguezaguear até atingir a meta, de edição a edição. Na minha idade (71 anos) não verei o “Tribuna” atingir o centenário, uma data de grande celebração, contudo as seus 30 anos é data que penetra na mente e solavanca o coração. Ele ainda é bebé que criei em 1979, com os maiores interesses e esmero que um jornalista comunitário possa ter. Foram raízes transmissíveis, e ainda bem. Hoje, sinto-lhe ainda o pulsar, um pulsar que é de regozijo e aplauso por sua continuidade.

Parabéns, Tribuna

Requisitos para um jornal vencer na ambiência diaspórica: Tenho nas mãos um bom exemplo - antes de tudo, limpo, layout com gosto, a cor contrabalançada com o preto e branco, boa colaboração em bom português ou inglês, existência e boa distribuição da publicidade, notícias que abranjam os acontecimentos ou actividades da comunidade portuguesa no Estado, em Portugal e no Região Autónoma... portanto que tenha mais do que simplesmente internet e blogues. Não esquecendo uma revisão cuidada, que conserte as gralhas e a pontuação. Gostei de folhear a edição da segunda quinzena de Junho (2009). Estas características lá estão, com maior ou menor

viço. No conjunto, esta “Tribuna” é preciosa. Há uma alegria que me brota do fundo do alma: ao fundo da página 2, lá aparece o meu nome como fundador. Isso leva-me ao tempo em que o “Tribuna” foi considerado, com muita honra, “o jornal mais literário da diáspora portuguesa nos Estados Unido”. Isso sem desmerecer do como e quanto nele hoje se publica. O que interessa é que das raízes brotou árvore frondosa, e quem cuida dela é sr. Jose Ávila. É por isso que espontâneamente exclamo: PARABÉNS, TRIBUNA.

João Brum
Agosto 2009

Year XXX, Number 1070, Sept 1, 2009

COLABORAÇÃO

3

Tribuna da Saudade

Ferreira Moreno

A Senhora de

Monserrate
cente da pequena sacristia contígua. Esta ermida deve vir intacta do seu início e assim oferece-nos um modelo puro do referido século 17”. Seguidamente, Ataíde descreve pormenorizadamente quer o exterior quer o interior da ermida. Porém, a fim de poupar espaço e tempo, abstenho-me em transcrever, ainda que resumidamente, todas essas valiosas referências. Aqui e agora, julgo ser mais conveniente investigar as origens de Monserrate. Aparentemente, o curioso título da Senhora derivou do latim mons serratus, traduzido por Monte Serrado em espanhol e localizado a cerca de trinta milhas noroeste de Barcelona, aonde teria parado uma imagem de Nossa Senhora esculpida pelo Evangelistas S. Lucas. Durante a invasão dos mouros no ano 718, a imagem foi transferida de Barcelona e escondida numa gruta (Santa Cova) nas montanhas de Montserrat, ali permanecendo até ser descoberta no ano 890. Evidentemente que tudo isto, em associação com tantas outras histórias fabulosas, é o directo produto das mais diversas narrativas lendárias que seria fastidioso repetir nesta ligeira crónica. O certo é que se construiu um santuário a Nuestra Señora de Montserrat, também conhecida por La Moreneta, devido à sua aparência trigueira.

C

reio que a “presença” de Nossa Senhora de Monserrate nos Açores encontra-se circuns- crita unicamente à ermida dessa invocação no sítio da Galera, na Caloura em S. Miguel. Galera, ou Galé, foi assim denominada pela ponta de terra avançada mar adentro, e que (no dizer de Frutuoso) por parecer de longe desta figura e feição, ou seja, semelhando antiga galé, ficou na toponímia local com tal designação. Há quem diga, no entanto, que foi por causa de em tempos recuados se ter afundado nessas paragens uma galé, vinda das Índias, carregada de especiarias. Seja como for, a Galera (como descreveu Carreiro da Costa) é incontestavelmente uma das muitas regiões pitorescas de S. Miguel, pela vastidão do panorama que se divisa, quer p’rós lados de Vila Franca, quer p’ràs bandas de Ponta Delgada, quer ainda p’rós sítios onde a Serra do Vulcão se ergue como gigante da lenda. A Ermida de Nossa Senhora de Monserrate foi erguida entre os anos de 1665 e 1668, pois que em 1668 junto a ela já existia uma albergaria p’ró abrigo dos romeiros. A sua construção deveu-se ao padre Manuel de Oliveira Pimentel. Em 1846, devido a estar muito arruinada e ser invadida de animais, a ermida esteve na iminência de ser demolida, mas foi reparada e ainda existe. (Padre João José Tavares, A Vila da Lagoa & O Seu Concelho). Carreiro da Costa escreveu a este respeito:

“A ermida de Monserrate, no lugar da Galera na Caloura, é um templo que possui diversos e valiosos motivos artísticos. Fica situada numa propriedade de Alexandre Raposo d’Amaral e encontra-se presentemente restaurada. Era outrora objecto duma curiosa romaria”. (História das Igrejas & Ermidas do Concelho da Lagoa). Frei Agostinho de Santa Maria (16421728), no décimo volume do “Santuário Mariano”, descreveu que a ermida de N.S. de Monserrate estava situada não muito distante do mar no alto dum monte, “numa granja de terras do pão, vinhas e pomares, donde se descobre uma larga vista e uns formosos horizontes. É este sítio muito alegre, delicioso e fresco, onde muitas pessoas edificaram casas p’ra lá viverem e gozarem da presença da milagrosa imagem da Senhora colocada no altar-mór, onde se vê assentada com o Menino Jesus em seu regaço, mostrando que está serrando um penhasco. É uma escultura de madeira com alguns cinco palmos de estatura, de muita devoção e romagem, e operando muitos prodígios e milagres. A sua festa celebra-se a 8 de Setembro, dia da sua natividade”. o quarto volume de “Etnografia, Arte & Vida Antiga dos Açores”, Luís Bernardo Leite de Ataíde anotou: “Em outro recanto da nossa paisagem, no sítio da Galera, na Caloura, aparece a ermida de N.S. de Monserrate, sobressaindo do miúdo enxaquetado de muros tisnados que servem de abrigo aos vinhedos. Há cerca

N

de duzentos anos ali se encontra presidindo às vindimas, e projectando p’ró mar os reflexos da sua luz divina. O padre Manuel de Oliveira mandou-a construir no século 17. Os sentimentos piedosos deste sacerdote ficaram mais revelados no albergue que, junto dela, mandou edificar p’ra abrigo dos romeiros, ainda existente em 1688 e do qual julgo ser um vestígio o arco, hoje tapado mas visível e sem explicação, que se vê na face de nas-

4

COLABORAÇÃO

1 de Setembro de 2009

Portuguese Heritage Projectar
apresenta dois novos livros
A Portuguese Heritage Publications of California acaba de editar mais dois livros: My Californian Friends (poesia) da autoria do Dr. Vasco Pereira da Costa, terceirense residente em Coimbra, que até recentemente desempenhou as funções de Director Regional da Cultura do Governo Regional dos Açores e, The Portuguese Presence in California (prosa) da autoria do conhecidíssimo professor aposentado de Português da UCLA e colaborador deste jornal, Dr. Eduardo Mayone Dias, um dos mais ávidos investigadores e escritores sobre a temática da emigração portuguesa para a Califórnia. Estas duas novas edições em inglês são o resultado do trabalho de tradução de Katharine Baker, Dr. Bobby Chamberlain e do professor Diniz Borges. Desde há longos anos que o Dr. Vasco Pereira da Costa - especialista em Pedagogia - toma parte em actividades culturais na Califórnia, particularmente como convidado nas Conferências sobre Educação da Luso-American Education Foundation de Dublin e no Simpósio Literário Filamentos da Herança Atlântica, que se realizou em Tulare durante mais de uma década sob a orientação de Diniz Borges. Dessas viagens brotou o My Californian Friends, uma colectânea de poemas sobre a temática da emigração e da cumplicidade e empatia geradas no autor pelos muitos açorianos com quem conviveu neste estado. The Portuguese Presence in California do Prof. Mayone Dias, vem preencher uma lacuna que se faz sentir a algum tempo sobre a história dos portugueses na Califórnia. É uma abordagem geral, apresentada em estilo muito agradável e de leitura fácil que já notabilizaram o acreditado autor. O seu poder de síntese e de grande comunicador são nota fundamental desta análise introdutória à nossa emigração para a Califórnia, Esperamos que este pequeno livro venha a ser leitura recomendada a todos os jovens luso-descendentes e a todos aqueles que se interessam pela nossa história neste Estado. A edição deste livro pela PHPC é também um tributo e reconhecimento por quem tanto tem escrito acerca dos açorianos na Califórnia. Colabore com mais uma iniciativa de inquestionável valor da nossa editora comunitária, marcando presença numa das várias apresentações que estão planeadas para o próximo mês de Setembro (dias 20 a 26). Consulte o anúncio com o calendário das apresentações na página 5 desta edição). As pessoas que não poderem comparecer nas apresentações poderão adquirir exemplares destas duas novas edições através de:

O

o poder

Do Tempo e dos Homens

Manuel Calado
mbcalado@aol.com
da de gente rica e poderosa. Mas, a nação que assumiu voluntáriamente o papel de guardiã, de líder e mantenedora da paz americana, está sofrendo o peso dessa responsabilidade.Como nação nuclear, ela assumiu a responsabilidade de servir de “umbrela” defensiva das nações democráticas . E até algumas não democráticas E as antigas nações dominantes, agora sem os fumos do orgulho imperialista e as rivalidades que as dividiam,sentaram-se à sombra do “guarda-chuva” americano, e deixaram que fosse este país a gastar os bilões do trabalho da sua gente, em armas cada vez mais sofisticadas e dispendiosas, e muitas delas já obsoletas.Como aviões a custar biliões de dolares cada cópia. E era isso que os dois homens, na NPR, estavam discutindo: a “projecção” do poder militar e o encargo explícito de velar pela segurança dessas nações, e a estabilidade através do mundo.Papel que a nação americana se julga no direito e no dever de representar,uma vez que é, para todos os efeitos, a nação mais poderosa,militar, económica, científica e tecnologicamente.E no desempenho dessa missão,que os estrategas julgam justa e necessária,já queimamos e continuamos a queimar a vida de dezenas de milhares de americanos e milhares de biliões de dollars. E assim discutiam os dois interlocutores, um defendendo o papel dos Estados Unidos, e criticando a atitude passiva e pacifista da Europa,muito regalada à sombra da “umbrela” nuclear americana, reduzindo ao máximo as suas despezas militares, enquanto a América continua a manter bases à volta do mundo,mais de 60 anos depois da guerra que se julgaria seria o último conflito mundial. Depois de todos os outros, o sistema democrático de governo é, ainda, aquele que melhor se ajusta aos “handicaps” da psicologia humana. Debaixo do “páraáguas” democrático, há lugar para todos as políticas, credos, religiões , crendices,ganância mercantilista, ciência, bruxaria e até a violência.Todas as caracteristicas da imperfeita natureza humana. Uma ditadurainha às vezes, até nem seria mau,como muitos julgam, se não fossem as consequências futuras .Porque a ditadura, é como a mula. não assegura continuidade e, eventualmente, vem tudo a acabar num banho de sangue. Os dois homens da NPR, não pediram a minha opinião.Mas isto de “projectar” o poder militar como meio de manter a paz, por vezes é pior emenda que o soneto.E perguntaria: porque raio é que o sr. W. Bush, concordou em meter misseis na Polónia, em volta da fronteira da Russia ? Não sabia ele, perfeitamente, que os russos iam encarar a decisão, como um insulto e um desafio ? Não esteve o mundo prestes a ir pelos ares, quando os sovietes tentaram meter misseis em Cuba ? Há coisas que estamos fazendo lá por fora, aparentemente com boas intenções,que não tolerariamos perto das nossas fronteiras. Julgo que é importante ter em conta não apenas os nossos interesses, mas tambem a sensibilidade, a cultura e os interesses dos que julgamos nossosrivais ou inimigos.Ou esta maneira de ver, é apenas um pacifismo ingénuo e idealista, de tipo cristão, ultrapassado e perigoso no mundo de hoje? Se tal é o caso, é pena que assim seja.

s dois homens falavam sobre a “Projecção do poder militar”.Isto é, estar num determinado canto do Globo, e projectar o poder até aos quatro cantos do mundo.No tempo dos impérios, projectar o poder, fazia-se com a anexação ou conquista de paises ou territórios, cultural e economicamente subdesenvolvidos. Assentar arraiais, tomar conta,dominar os povos desses territórios,impor-lhes a cultura, a língua e a religião,como imperativo civilizacional, e explorar tudo o que houvesse para explorar.Explorar não apenas as potencialidades e riquezas da terra,mas os próprios povos desses territórios. Sabemos de um desses impérios, que baptizava piedosamente os negros, arrancados às familias, antes de os embarcar com destino às plantações americanas.Essa era então a forma de “projectar” o poder imperialista da força, da cultura, da língua , da religião e da rapina.Enfim, tempos que lá vão. Depois da queda de todos esses impérios clássicos, ficou em campo apenas um.Graças à sorte na guerra, ao poder económico, ao avanço tecnológico e industrial, houve uma nação que passou a substituir os antigos impérios tradicionais da Inglaterra, da França, de Portugal, da Hespanha, da Holanda, etc.Os povos nativos, passaram a ter consciência dos seus direitos e poderes,graças ao avanço que as nações imperiais lhes foram concedendo, e o resto, é da história.E os impérios, que “projectavam” o seu poder até aos confins do mundo, reduziram-se à sua insignificância territorial. E, aparentemente, sem grande dificuldade.Porque as riquezas vindas desses territórios, beneficiavam apenas uma cama-

www.PortugueseBooks.Org

Português para Crianças
A Escola JARDIM INFANTIL DOM DINIS apresenta Português Para Crianças, que terá início em Setembro. Este programa tem como objectivo assistir famílias que tentam ensinar as suas crianças a manter e desenvolver a língua portuguesa durante a infância. Crianças entre os três e os seis anos de idade: Segundas-feiras e/ou Quintasfeiras das 9.30h às 11.00h Crianças entre os cinco e os nove anos de idade: Segundas-feiras e/ou Quintasfeiras das 15:30h às 17.00h ou visite

Chame já e reserve um espaço para a sua criança para Setembro. Para mais informações chame para o número

(408) 993-0383
www.domdinis.com

COLABORAÇÃO

5

Muito Bons Somos Nós

Joel Neto
neto.joel@gmail.com

A outra tragédia
de magoar alguém que caminhava pela berma, alguém que vinha no carro em frente ou mesmo alguém que viajava ao meu lado. A questão é que, na maior parte das ocasiões, a decisão que faz pender a nossa história pessoal para o Céu ou para o Inferno não chega sequer a ser uma decisão, mas apenas um impulso. Mesmo no que diz respeito a uma coisa tão importante como a edução (e a protecção) dos nossos filhos, muitos gestos do nosso quotidiano são fundamentados em impulsos. Assim é a vida do século XXI. Assim se define aquilo a que chamamos stress: a necessidade de fazer escolhas – e de fazê-las no mais curto espaço de tempo possível, porque entretanto há outras escolhas a fazer. É isso que nos distingue dos animais. O que nos distingue dos animais não é ter filhos e cuidar deles. Até os cãezinhos da rua têm filhos e cuidam deles. O que nos distingue dos animais é a possibilidade de nos esquecermos dos nossos filhos, ainda que apenas por um instante fatídico. Só os cãezinhos da rua não se esquecem nunca dos filhos pequenos. Pois àqueles que, apesar de tudo, persistiram em ver na história de João Carlos Moreira um conto de desamor, eu gostava apenas de lembrar-lhes que são como os cãezinhos da rua. Ora, os cãezinhos da rua vão entregar os seus filhos à vida assim que os considerarem autónomos. Vão olhar para eles, fazer as contas ao tempo e à sua própria biologia – e simplesmente lavar as mãos a tudo o resto. E por quem eu mais temo, neste momento, é precisamente pelas crianças desses pais que tão cruel e sumariamente condenaram João Carlos Moreira. Nenhum dos que esta sema-

S

“O que nos distingue dos animais não é ter filhos e cuidar deles. Até os cãezinhos da rua têm filhos e cuidam deles. O que nos distingue dos animais é a possibilidade de nos esquecermos dos nossos filhos, ainda que apenas por um instante fatídico.”
na gritaram: “Mas como é que alguém se pode esquecer de um filho durante três horas?!” sabe que o seu maior desafio ainda está para vir: a fase da vida em que os filhos já não serão apenas o seu brinquedo predilecto. E essa, até porque ocorre todos os dias sem as atenções do Ministério Público ou da imprensa, é uma tragédia ainda maior.

e alguma coisa me confortou nos últimos dias, foi constatar a forma civilizada como muitos portugueses reagiram à história de João Carlos Moreira, o técnico de informática de Aveiro que se esqueceu do filho dentro do automóvel durante uma manhã de sol. Talvez tenha sido da recessão, talvez tenha sido da insegurança – talvez tenha sido do medo que sentimos e do instinto de relativização moral que desenvolvemos quando o medo começa a transformar-se em terror. Não sei. A verdade é que muitos portugueses compreenderam que uma tragédia daquele tipo também podia acontecer-lhes a eles – e que, perante a imputação a João Carlos do crime de negligência grosseira, com direito a pena de prisão até cinco anos, se empenharam em recordar ao Ministério Público que os pais de Maddie McCann nem sequer haviam ido trabalhar, mas sim para a farra, sem que por isso tenham vindo a ser acusados do que quer que fosse (pelo contrário, foram e continuam a ser tratados como príncipes pela justiça e como estrelas pop pela imprensa). Morreram duas pessoas em Aveiro – e muitos portugueses perceberam-no. Perceberam que houve uma menina que perdeu um irmão de quem já gostava. Perceberam que houve uma mãe a quem foi arrancado como que um pedaço

T

do corpo. Mas perceberam também que morreu uma criança – e perceberam que houve um pai que morreu com ela. Confirmese o género humano como se tem verificado até hoje e a vida de João Carlos, tal como existia, terminou no mesmo instante que a do filho João Pedro. Para além do desabamento familiar previsível em casos como este, João Carlos Moreira terá agora de lidar com a culpa. E a culpa é um elixir muito poderoso – provavelmente o mais poderoso dos elixires, mais poderoso até do que o medo, o ódio ou o amor. Se “uma vida não cabe no percurso entre Alvalade e as Portas de Benfica”, como cantam os Deolinda, a verdade é que toda ela pode resolver-se apenas na paragem de Sete Rios. João Carlos Moreira, infelizmente, saiu em Sete Rios. E, a partir agora, vai ter de viver com isso – perpetuamente, o que é muito mais do que cinco anos. udo isso já nós sabemos – e, se me dedico aqui a constatar o óbvio, é porque este caso me tocou. Toda a gente tem as suas histórias sobre esses delicados instantes em que uma decisão apressada pode fazer toda a diferença. Eu, infelizmente, tenho várias. Já feri a mão esquerda de uma mulher boa e generosa, já parti um braço a um amigo com quem jogava futebol – e não raras foram as vezes em que, ao volante, estive perto

6

COLABORAÇÃO

1 de Setembro de 2009

Agradecimentos
A «Tribuna Portuguesa” Merece esta menção: É um jornal com beleza Vinda da grande nação! É um jornal de virtude, Com visual cativante; Deus lhe dê muita saúde Para o levar sempre avante. As luso-comunidades Têm nele o paradeiro: Quinzenário de saudades “On-line” pró mundo inteiro. E bem trato o Editor E seus colaboradores Que se dão com tal fulgor Às crónicas de valores. Nossas Festas são lembradas No registo da quinzena Para sempre são içadas Cantigas que vêm à cena. Intercâmbio cultural Que reluz além fronteira: Saudade é ponto fulcral E se chama ilha Terceira. Viva a ilha e as cidades, Viva América e Portugal, Vivam as Comunidades E o povo em geral. Me despeço com ternura E na rima habitual, Um abraço, com doçura, Ao editor do Jornal.

Traços do Quotidiano

Margarida da Silva
santamarense67@yahoo.com

PARABÉNS TRIBUNA!
a comemoração dos 30 anos da fundação do “nosso” Tribuna, não poderia passar sem dedicar alguns “traços” sobre esta notável efeméride. Foi com o amigo e conterrâneo João Brum como mestre que o Tribuna foi lançado à água na cidade de San José, em Setembro de 1979. Com excelentes colaboradores e uma óptima apresentação gráfica, o Tribuna foi muito bem recebido pela nossa comunidade e, durante algum tempo, navegou em águas bonan-

N

Rosa Maria Silva “Azoriana”

çosas. Mas, como nem sempre o mar é de rosas, começaram a encresparem-se algumas ondas que fizeram o Tribuna mudar de rumo com novos mestres e novas campanhas, e, para que não encalhasse contra os rochedos, foram tomadas algumas preventivas mas nem sempre positivas medidas. Porém, o Tribuna continuou a enfrentar os contratempos sempre com a esperança de melhores dias. Nos últimos anos, graças ao seu destemido e dedicado timoneiro, o Tribuna tem sulcado mares mais calmos ainda, que, por vezes, alguma vaga mais traiçoeira lhe atravesse pela proa e lhe cause certa e imprevista oscilação.

Tenho muito orgulho em ser assinante do Tribuna desde a sua fundação e por o nosso filho mais velho, o Ruben Anthony, ter sido o primeiro bebé a ser anunciado no “nosso” jornal. Desde então, tenho dado o meu modesto e periódico contributo e fico muito grata aos estimados leitores pela prova do seu interesse e apreço. Ao Sr. José Ávila, toda a sua família, colaboradores, assinantes, anunciantes e leitores vai a minha profunda gratidão. Só com a colaboração e apoio de todos nós, o Tribuna poderá prolongar a sua viagem por mais 30 anos. PARABÉNS TRIBUNA!

Crónica de Montreal

Antonio Vallacorba
avallacorba@aol.com

CASAL OFERECE-SE PARA TRABALHAR em limpesas, quer em casas particulares ou em escritórios. Contactar 209-664-0352

Parabéns à
Tribuna Portuguesa

LÍDER DO FUTEBOL
AGORA PODE VER A LIGA ESPANHOLA NO ESPN LIGA PORTUGUESA NA RTP E SPT NO PACOTE LUSO $24.99
RTP $4.00+100 CANAIS TURBO BRONZE $19.99 AO MÊS

É

Especial válido por 12 meses

Instalamos de 1 a 4 Tv’s com contrato de 2 anos
ANTENA ESPECIAL SÓ PARA A RTP E RADIO E CANÇÃO NOVA COMPRE A ANTENA E NÃO PAGA NADA POR MÊS

LIGUE AGORA MESMO PARA LUCIANO COSTA 1-559-435-1276 CELL 1-559-347-8257

DEALER AUTORIZADO DO DISH NETWORK

COSTA ELECTRONICS

Falamos Português

com muito prazer e com um senso de dever que venho aqui hoje saudar a Tribuna Portuguesa por ocasião da passagem do seu 30º aniversário. Mais do que nas pessoas, cujo fim se vai acentuando conforme a passagem de cada aniversário, a acumulação de anos numa instituição é signal de prestígio e idoneidade. Daí o orgulho com que uma empresa costuma divulgar a data da sua fundação nos cartazes publicitários, entre outros. Contrariamente, as pessoas, em especial as mulheres, nada gostam de “descobrir” as suas idades. Quando comecei a colaborar para a Tribuna, fi-lo com a ideia de levar o abraço da minha comunidade até às da Califórnia, na forma de algumas notícias e de maneira a estarmos mais “próximos” uns dos outros, pois já basta o facto de estarmos longe das nossas terras de origem. Infelizmente, a minha doença há obstado a que eu colabore mais regularmente como seria para desejar. No entanto, para mim tem sido muito en-

riquecedora toda esta experiência, atravéz da qual me tem sido proporcionada a oportunidade de “conhecer” mais profundamente alguns dos seus ilustres colaboradores, e viver os sucessos e problemas das vossas comunidades. Sobretudo, acho relevante a importância que o jornal dispensa às actividades religiosas e sócio-culturais do nosso povo aí radicado, muitas das quais acompanhadas de lindíssimas reportagens fotográficas. Evidentemente, nem tudo tem sido um mar de rosas. E, como director do jornal “A Voz de Portugal”, de Montreal, sinto as dificuldades porque de vez em quando o amigo José Ávila possa enfrentar para garantir a feitura regular e a sobrevivência deste importante Orgão da Comunicação Social da diáspora portuguesa. Felicito o distinto amigo José Ávila, com votos das maiores prosperidades e para que continue a acreditar neste projecto; e uma saudação muito especial para todos os colaboradores, com um forte abraço da minha comunidade para a vossa. E, da minha humilde inspiração, aqui vai esta... Parabéns à Tribuna neste querido dia; longa vida e fortuna, com paz e alegria.

Rasgos d’Alma

Luciano Cardoso
lucianoac@comcast.net

Trintão

COLABORAÇÃO

7

É

Verão. O calor aperta. O corpo geme. A mente escalda. A inspiração entrou de férias. Mas o jornal não tem culpa. Quer festejar a tempo e horas os seus fulgurantes trinta anos ao serviço da comunidade, com edição condigna que muito nos orgulhe. É orgulho nosso este celebrado trintão Tribuna que nos bate regularmente à porta de quinze em quinze dias. Ao longo de três décadas, no cuidado exercicio da palavra escrita e da reportagem retratada, resistindo às mais diversas intempéries, tem sabido impôr-se aos poucos nos milhares de corações imigrados que para cá vieram e ficaram sem nunca descurarem o culto apego à mimosa lingua berço. Apesar de crescentemente portinglesada, americanizando-se de ano para ano a olhos vistos, a vasta comunidade lusoamericana da longinqua costa do Pacifico cada vez mais reconhece neste brioso jornal local um marco digno de relevo, indispensável ao registo editado da nossa afirmação étnica cá por estas longinquas paragens. Com a explosão massiva da internet nesta nova era medática, os

jornais deixaram de ser muito do que eram. Com múltiplas opções e montes de material a perder de vista, os leitores do século XXI tem muito mais para lerem e muito menos tempo para o fazerem. Quase toda a gente se queixa que anda p’ráí “superbusy” e excessivamente stressada. A leitura é terapia cada vez mais seletiva. Jornal que presentemente não se adapte às pressionantes exigências hodiernas corre eminente perigo de vida. A vida do Tribuna, ao longo dos anos, não foi fácil. A vida do Tribuna, hoje em dia, continua a não ser fácil. Os desafios aumentam enquanto a capacidade de resposta teima em resumir-se pràticamente ao empreendedor José Ávila que – com um belíssimo computador, uma ótima máquina fotográfica e um fraterno telefone em contacto permanente com o seu deligente grupo de colaboradores – teima em fazer maravilhas. Para muitos leitores, sobretudo dos mais adiantados na Terceira Idade e já há muitos anos cá radicados, o Tribuna é mesmo aquela pequena maravilha bisemanal – companhia ideal que esperam ansiosamente para lhes encher periòdicamente aquele vazio próprio de quem se resignou a viver

E

pacatamente na diáspora, longe da saudosa terra mãe e sem o dócil aconchego da lingua materna que os filhos vão esquecendo e os netos camuflando bem a seu gosto.

TRIBUNA
que nos assaltará num futuro não muito distante. Para tal, a seção em inglês teria que começar a alargar-se e a impôr-se paulatinamente com mais vigor. Quer queiramos quer não, o futuro é agora. A tradição é bonita mas o saudosismo não resolve nem a rapaziada nova se compadece com a nossa teimosa inabilidade em não irmos ao seu encontro nem comunicarmos nos seus termos. Este é o seu país que lhe oferece e facilita válidas alternativas. Já não são poucos os que se afastam. Se não aprendermos a cativá-los nem nos atrevermos a lançar a tempo e horas plataforma jornalistica que os seduza, em breve, seremos história encadernada em edição bilingue de mais ou menos luxo exposto ao vil pó das luzidias prateleiras comunitárias. O que não é lá muito prudente fa-

zermos é darmo-nos ao luxo de nos contertarmos fàcilmente com o que temos, adiando em demasia o que já devíamos ter. Apesar das lamúrias, a meu ver, a Tribuna Portuguesa, que debutou há três longas décadas sob a pena sonhadora de João Brum e o simbolo voador de Duarte Santos continua em muito boas mãos e tem mesmo pés para andar. O importante é não lhe atarmos os braços ou cortarmos as asas. Claro que, nisto de voluntarioso jornalismo na diáspora, todos concordamos: sonhar é fácil. Mas tambem não podemos discordar que, dado o nosso potencial, o céu é o limite.

u não desgosto do Tribuna nos seus moldes actuais. Acho que serve adequadamente a nossa geração e a geração dos nossos pais e avós. Ainda há por cá muita gente que fala, escreve, lê e se revê confortàvelmente em bom português no interior destas páginas. Embora sem conseguir agradar por completo a gregos e trioanos – há sempre os ranhosos velhos do Restelo que nicam e se picam por tudo e por nada – o Tribuna vai conseguindo matar graciosamente o desconsolo à esmagadora maioria dos que o folheiam com renovado entusiasmo. Creio, no entanto, que não vai levar muitos anos para que essa realidade comece a mudar consideràvelmente. Sei que não é fácil. Mas os alicerces jornalisticos da ponte de transição para o futuro comunitario, a meu ver, teriam de ser lançados quanto antes. Seria muitissimo interessante termos nos nossos lares pais, filhos e netos com interesse comum em passar de mão em mão o mesmo “periódico” inserido na realidade

Ad multos annos, Tribuna!

8

PATROCINADORES

1 de Setembro de 2009

L! L A C T S LA

COLABORAÇÃO Do Pacifíco ao Atlântico

9

Rufino Vargas

Tony Silveira na Convenção da LAFF
Quero, antes de mais, agradecer a confiança que em mim depositou o Concelho 47-B de San Jose, para vos dirigir algumas palavras por ocasião desta Convenção. Que me desculpem aqueles que não falam português, mas, depois de quase 20 anos a leccionar a língua portuguesa em 2 escolas comunitárias nesta área, é justo que vos dirija a palavra na língua que melhor domino, português. Na verdade, e sendo esta, tal como o próprio nome indica, uma Fderação Fraternal “LusoAmericana”, o ideal seria que os dois idiomas se usassem, sempre que possível, mas também há que compreender que o inglês é o idioma oficial deste país. Talvez seja por isso que em todas as Convenções a que assistimos predomina o inglês, e o português parece ser utilizado quase que “por favor” ou “por caridade” ... Já por algumas vezes observei a presença em Convenções anteriores, de jovens portugueses que estão radicados em Portugal, mas que vieram participar nas Convenções e, confesso, que fico muito feliz e, orgulhoso até, ao vê-los e ouvi-los falar os dois idiomas, português e inglês, com o mesmo nível de fluência e correcção. O mesmo já não acontece com muitos dos nossos jovens e adultos inclusivé, que, claro, falam correctamente a língua inglesa, mas cujos conhecimentos da língua portuguesa estão muito aquém daquilo que seria de esperar. Seria talvez aqui o momento para reconhecer publicamente o empenho de muitos pais e avós, alguns aqui presentes, que não se poupam a esforços para que os seus filhos e netos aprendam português, quer em suas casas, quer nos Liceus, Colégios e Universidades, ou até mesmo nas ditas escolas comunitárias que existem por toda a Nação. Desde há muito que tenho dentro de mim este descontentamento, sempre que ouço alguém dissertar sobre a nossa cultura, as nossas tradições, os nossos costumes, etc., mas poucos são os que vão mais além e enumeram a língua portuguesa. A nossa língua faz parte integrante da nossa cultura. Ela é o elo de ligação entre o povo e povos que a partilham, como sejam, e para além do Brazil, os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, ou PALOP. Esta semana, e a pedido do jovem Aníbal, que ainda não pertence a esta família Luso-Americana, seguia-o de San José a San Leandro, para ajudá-lo como intérprete nuns assuntos que ele tinha que tratar com o Sindicato sediado na referida cidade. Durante a viagem de aproximadamente 40 minutos, os autocolantes que o jovem havia afixado no vidro e na caixa da sua carrinha, deram-me, digamos, uma inspiração para este meu discurso: Na parte cimeira da janela traseira do seu veículo, o Escudo Portugês, o centro da nossa Bandeira Portuguesa e, na caixa da carrinha, um emblema contendo à esquerda a Bandeira Portuguesa e, à sua direita, a Bandeira dos E.U.A. Afinal, ali mesmo à minha frente, encontrava-se o esquema e o plano para esta minha dissertação. Na mensagem que consta do programa e que Liz Rodrigues, Gary Resendes e Liz Alves escreveram, respectivamente Presidente, Presidente da Juventude e Presidente dos 20-30, lê-se que ao longo dos anos a Sociedade tem sido objecto de muitas mudanças, mas que os seus objectivos e propósitos mantêmse intactos: “Unindo um povo com laços comuns numa força de preservação da sua cultura e tradições”. E, se me dão licença, gostaria de adicionar a palavra “língua”. Os autocolantes no veículo do referido jovem, fizeram-me evocar a célebra afirmação poética “ A MINHA LÍNGUA É A MINHA PÁTRIA”. Consequentemente, falar-se de cultura, de tradições, de heranças e de costumes, e deixar de lado a língua, é, a meu ver, incompleto. Daí a temática escolhida para esta minha apresentação, que pretende ser apenas uma semente que, como qualquer outra, irá encontrar algum terreno pedregoso, mas na esperança de que alguma semente venha a cair em solo fértil. É essa a minha intenção, o meu objectivo, o meu sonho! A Federação, a Sociedade e a Fundação têm feito muito, e continuarão fazendo em prol dos seus membros, não esquecendo os milhares de jovens que, de Costa a Costa, são recipientes dos mais diversos benefícios que a Luso-America oferece, de forma muito especial as Bolsas de Estudo de que os jovens académicos são recipientes. Tudo isto é digno do nosso apreço, do nosso estímulo e do nosso profundo reconhecimento. Á semelhança do Presidente Kennedy, que sempre demonstrou um enorme respeito pelos portugueses e luso-americanos, devemos ter sempre em mente que o mais importante e mais eficaz é o que podemos nós fazer pela Sociedade Fraternal Luso-Americana, e não o que ela poderá fazer por nós. Se assim pensarmos e assim agirmos, entregando-nos de alma e coração às suas louváveis causas, às suas metas e aos seus propósitos, podemos ter a certeza de que os benefícios, o fruto e as regalias virão por acréscimo. O mais importante, é fazermos a diferença, através do nosso trabalho, do nosso contributo, da nossa adesão às firmes convicções desta prestigiosa Sociedade. E, na minha modesta opinião, muitos são os que sofrem daquela que eu considero, a incurável enfermidade do nosso século e que podemos denominar de “indiferença”. Se metermos a mão na consciência, chegaremos à conclusão de que podemos e devemos fazer um pouco mais em prol da Sociedade e da Federação. Aliás, querer é poder. A nossa contribuição, qualquer que seja a forma como é feita, vai contribuir, claro, para o bem comum. Temos que ser mais activos nos nossos Concelhos locais, a começar por mim, como Secretário do Concelho 47-B de San Jose, tendo sempre em mente e em vista a noção de que o nosso esforço, grande ou pequeno, irá fazer a diferença, destruindo pouco a pouco a contagiosa e maléfica doença da indiferença. Não seja cada qual mais um ou um a mais, mas sim aquele ou aquela que se diferencia e se distingue pelos seus actos, mais do que pelas palavras. Considero sumamente importante e fundamental que tenhamos sempre presente a riqueza que brota da UNIDADE NA DIVERSIDADE, respeitando sempre as opiniões alheias e a liberdade de quem nos rodeia. A nossa prioridade deverá ser o Bem da Organização, e não os interesses pessoais, que podem converter-se num ápice em autênticos caprichos. Estou plenamente convicto de que o sonho que tiveram os fundadores da organização ou organizações que, ao longo dos anos sofreram a sua metamorfose e desta surgiu a que hoje conhecemos por F. F. L.A., foi , sem dúvida, o bem-fazer e servir os seus membros em particular, e o público em geral , ajudando-os nas mais diversas formas e nos mais diversos sectores da vida sócio-política e económica. Um ideal puro e são que, custe o que custar, e doa a quem doer, deverá ser mantido como força motriz da Organização. A própria terminologia de “Fraternal” e “Fraternalismo”, lembram-nos, ou deviam lembrar-nos a toda a hora, da grande realidade que somos todos irmãos e partilhamos deste abraço fraterno de origem e bem comuns, na manutenção e propagação da nossa cultura, das nossas tradições e, desculpem o atrevimento, da nossa língua. Falando português ou inglês, ou misturando até os dois idiomas, há que reconhecer o enorme trabalho e os grandes sacrifícios que muitos fazem, não só durante a Convenção anual, mas também ao longo do ano, por essas cidades fora, em prol da família da Luso-America. A língua é, afinal, um instrumento de comunicação e desde que nos façamos entender e levemos a bom porto a nossa mensagem , é quanto basta. Aqui deixo o meu grito, a minha sugestão, o meu sonho: ajudem a divulgar cada vez mais e sobretudo entre os nossos jovens, o orgulho das nossas origens e o interesse pela língua portuguesa, a sexta língua mais falada em todo o mundo.

Aniversário do

F

Tribuna Portuguesa
oi um pedido, privilégio e honra que não ousaria recusar, quando recebi a mensagem electrónica (e-mail) do Director – Editor deste jornal - José Ávila, para rabiscar algumas linhas referentes à efeméride em causa – 30 anos de existência e serviço à diáspora Portuguesa, na costa ocidental dos Estados Unidos. Julgo oportuno vincular a relevância de servir sobre o mero facto de existir, porque existir sem servir é equivalente a um zero à esquerda , como se propalava na boa giria popular há meio século. O Tribuna foi fundado em San José da California em 1979, sendo o seu primeiro Director , o picoense João Brum e depois de muitas vicíssitudes e metarmofoses ao longo de 30 anos, transformou-se no que eu considero ser o arauto Português no «Far-West Americano». A imprensa escrita, na época actual está declaradamente na mó de baixo, problema este provocado pela nova realidade electrónica denominada internet. Os grandes periódicos estão sofrer revezes que ameaçam a sua própria sobrevivência. Alguns jornais estão a desaparecer, estabelecem parcerias com outros ou contraem-se em peso e qualidade, como posso constatar com o periódico – San Jose Mercury News- que diáriamente chega à minha porta. São sinais dos tempos turbulentos que estamos a singrar, em que a solução mais viável é apertar o cinto e usar o nosso talento para suplantar este novo desafio. Não podemos ignorar o facto real que estamos a viver na América, um país diferente do nosso Portugal. A maioria de nós foi bem acolhida, inseriu-se na sociedade Americana sem entraves significantes e alcançou a prosperidade almejada, sonho que o torrão natal e Pátria que lhe deveria ter sido Mãe e cruelmente a enjeitou. Em sinal de reconhecimento por todo este maná, não é mais que justo que respeitemos os usos e costumes desta grande nação, actualmente a viver quiçá um dos momentos mais dificeis e dramáticos da sua gloriosa história. Em Roma sê Romano – na América sê Americano, assim reza o velho dictum. Em suma, seja lá onde fôr, temos que demonstrar respeito se pretendemos ser respeitados. Claro que esta teoria constitui quási um Mandamento universal. A nossa preocupação mais premente , é de transmitir com enaltecimento às gerações futuras o que temos de bom e nos orgulhamos e excluir-eradicar os nossos usos e costumes considerados perniciosos ou menos apelativos, que por vezes erroniamente persistimos em perpetuar. Na opinião deste plebeu, isto representa o Azímute (direcção) para guiar este forum da comunidade Portuguesa.Três décadas de assistência à primeira geração de emigrantes utilizando a língua de Camões e concomitantemente usando o idioma e língua franca de Shakespeare na secção de Inglês destinada aos que não falam a nossa língua., é de facto um pormenor de realçar e que merece o nosso encómio e admiração. Nesta sociedade que é práticamente uma mini-Nações Unidas, autêntica Babilónia, em que se fala mais de 150 línguas, não podemos ser uma Ilha, temos que ser um continente sem fronteiras. ”Cria fama e deita-te a dormir”, asssim dizia a vox populi do povo de antanho, em plena contradicção com vox Dei (voz de Deus). Perfeito é só um-Deus-, mas todos nós incluindo este periódico devemos prosseguir no caminho da perfeição. A emigração para estas paragens estagnou, o que vai consequentemente constituir um desafio e ameaça à preservação e continuidade do uso de Português nesta terra. Este prognóstico não se restringe exclusivamente a este jornal, mas também a todas outras organizações, óra cívicas ou religiosas, que se ufanam de ostentar o pavilhão Lusitano. Felicidades, longa vida e ad multos annos.

10

COLABORAÇÃO

1 de Setembro de 2009

Reflexos do Dia–a–Dia

Diniz Borges
d.borges@comcast.net

é imperativo que continuemos com esta voz
...
que salvaguardar e apostar nestes órgãos de informação. Não nos iludamos com o romantismo de que os órgãos do mainstream americano serão voz de um grupo étnico, muito menos de um grupo étnico, numericamente limitado e geograficamente disperso, como é o nosso na Califórnia. É que embora com números, como é o caso dos hispânicos, os média americanos não respondem às necessidades desse grupo. Daí a existência de jornais hispânicos. E o mesmo acontece com outros grupos, que há muito perderam a língua materna, mas que continuam com a sua própria voz colectiva, embora no idioma inglês. Aliás, a denominada alternative press—imprensa alternativa está a florescer cada vez mais nos Estados Unidos. Com os grandes órgãos a serem cada vez menos a voz do povo, e cada vez mais a voz das multinacionais e pluricontinentais, cada grupo tenta erguer a sua própria voz com os pequenos meios de comunicação, quer em formato de jornal ou revista tradicional, quer através das populares revistas electrónicas, através da Internet. ntretanto, e com a inevitável assimilação das gerações vindouras, que cada vez menos se expressam na língua portuguesa, ou pelo menos não têm conhecimentos suficientes para uma leitura séria e complexa, não será paradoxal pensar-se num jornal português na Califórnia? Se estamos pensando em fazer os mesmos jornais, claro que sim. Se estamos pensando em modificar, radicalmente, as estruturas e o conteúdo, penso que não. Continuará a necessidade de órgãos que falem dos nossos anseios e dos nossos triunfos, que apesar da inevitável metamorfose, continuem a expressar a identidade lusa em terras de Cabrilho. Que mesmo em inglês poderão ser a voz da identidade portuguesa. Há que ter órgãos da comunicação que exprimem as idiossincrasias de americanos—que os nossos filhos são—mas conscientes das suas raízes e do seu legado cultural. Há que passar do folclorismo, e do saudosismo, que por vezes preenchem as páginas dos jornais portugueses da Califórnia, para um formato que fale dos assuntos que serão pertinentes em poucos anos, aliás, já o são: o nosso envolvimento político, a educação dos nossos filhos, a passagem da nossa herança cultural, a nossa história colectiva e individual, e o contacto com uma cultura de origem portuguesa viva e dinâmica. Em género de conclusão poderse-á dizer que temos de salvaguardar a nossa frágil imprensa portuguesa na Califórnia. Como comunidade temos a necessidade de órgãos que sejam porta-vozes da nossa maneira de estar no mundo. Como comunidade temos, diria mesmo, o dever cultural de apoiarmos a nossa imprensa, que por seu turno tem obrigação de se adaptar às realidades de uma comunidade em transição.” Foi o que escrevi em 1999. Penso que continuamos a necessitar duma imprensa em língua portuguesa, ou bilingue, como o Tribuna já o é. Penso que há modificações a fazer-se, porém o tempo encarregar-se-á das mesmas. Continuo a acreditar que a comunidade necessita duma voz sua e o Tribuna, neste momento, e ainda bem, é essa única voz. Também penso que é imperativo que tenhamos uma voz assente nos valores do nosso legado cultural, mas virada para um futuro que já é o nosso amanhã de manhã. Se há uma coisa que pecamos, em termos de comunicação social, é fazer-se a mesma virada para o passado. Não há que ter medo do futuro nem a ousadia de desafiar o presente. Por último, e já mesmo com a saborear o bolo do aniversariante, desejo fazer o que nunca o fiz. Um agradecimento público ao meu amigo José Ávila, com quem nem sempre concordo quanto ao conteúdo do jornal (diga-se que também não me tenho que preocupar com o pagamento das contas do mesmo), mas por quem tenho imenso respeito. Um agradecimento colectivo— sem procuração de ninguém, é óbvio—mas como elemento da comunidade portuguesa, a minha gratidão pelo trabalho que faz e a dedicação em manter este jornal. Tenho a certeza que a comunidade está grata! Segundo, um agradecimento muito particular, porque sei que as minhas opiniões politicas, sociais e culturais, fogem à ortodoxia, e nem sempre são vistas pelos leitores (por vezes até por alguns colaboradores) com bons olhos. Porém, o José Ávila sempre teve a coragem de as publicar. Daí que estou-lhe grato por acreditar na verdadeira liberdade de expressão. Parabéns, Tribuna Portuguesa! Obrigado, José Ávila!

O

jornal Tribuna Portuguesa celebra 30 anos. Um marco importante na vida dum órgão da comunicação social, particularmente, nas comunidades de origem portuguesa nos EUA, e de uma forma mais particular no mundo de hoje, onde as novas tecnologias predominam. Numa era em que todos os dias fecham jornais nos EUA, há que reconhecer e agradecer a persistência deste quinzenário. Daí que, no momento em que colocamos as merecidas trinta velas no bolo do aniversariante e ao soprá-las fazemos o desejo “secreto” que o Tribuna Portuguesa tenha muitos anos de vida, gostaria, de reflectir um pouco sobre a imprensa em língua portuguesa no estado da Califórnia. É uma reflexão feita no ano de 1999, há 10 anos, num crónica incluída no livro O Outro Lado do Sonho: Reflexos das Comunidades Açor-Americanas, e que foi feita em resposta a uma pergunta feita por John Melo, então editor do extinto Portuguese-American Chronicle. O excerto que aqui reproduzo vinha em resposta à pergunta se a comunidade precisava ou não de um periódico, qualquer, periódico, em língua portuguesa. Desois de dissertar sobre o meu vício pelos jornais. É que ao contrário do Presidente da Republica, Cavaco Silva, que quando era primeiro-ministro dizia que raramente lia jornais e revistas, eu sou um consumidor de jornais e revistas. Das tradicionais e das electrónicas. Hoje, ao contrário de 1999, faço uma grande parte das minhas leituras, particularmente de jornais e revistas, onli-

ne. Mas tal há dez anos, e hoje com o Tribuna Portuguesa sendo o único jornal em língua portuguesa na Califórnia, é imperativo que continuemos com esta voz, que é o único registo que temos das nossas vivências portuguesas neste estado do pacífico. Tal como escrevi em 1999, continuo a pensar que “apesar da nossa assimilação ao mainstream (desejada em muitos aspectos), sem a imprensa de língua portuguesa ficaríamos sem voz. Ou será que há quem pense que o San Jose Mercury News, o Sacramento Bee, o San Diego Tribune ou mesmo os mais pequenos como o Turlock Journal ou o Tulare AdvanceRegister poderão ser a nossa voz colectiva? Para além da ocasional referência às nossas festas, que acham uma piada tremenda, pouco ou nada dão das nossas vivências comunitárias. Não esperemos que os jornais acima referidos, e tantos outros nas cidades californianas onde vivem os portugueses, sejam porta-vozes das nossas realizações, dos nossos anseios, da nossa necessidade de nos afirmarmos como grupo étnico possuidor da sua cultura e das suas tradições.” Depois de divagar para um episódio anedótico do sempre surpreendente Instituto Camões, tratei o que para mim ainda é pertinente, talvez, com o avanço de uma década, ainda mais pertinente, ou seja a necessidade de termos a nossa voz e da mesma ser uma voz evolucionista: “sem esquecer que as futuras gerações serão mais americanas do que portuguesas, e que os jornais que temos hoje, possivelmente, não servirão num amanhã não muito longínquo, há

E

Memorandum
João-Luís de Medeiros
jlmedeiros@aol.com

jornalismo missionário (parabéns, Tribuna Portuguesa)
Muitas décadas antes da vinda de Cristo, já havia nas ruas de Roma uma espécie de boletim informativo chamado “Acta Diurna”. Muito mais tarde, começaram a surgir leis para defender a liberdade da imprensa: em 1766, a Suécia apresentou a sua primeira lei nessa matéria; depois, veio a primeira emenda constitucional que afirma, claramente , “Congress shall make no law abriging the freedom of speech, or of the press...” presença de jornais de expressão portuguesa em terras da Califórnia vem do tempo em que já era tecnicamente possível “exibir” fotografias na imprensa (1880). Nesse ano “nasceu” em S. Francisco, o mais antigo jornal português “A Voz Portuguesa” (cuja publicação durou cerca de sete anos). Seria porventura interessante referenciar a constelação de títulos de jornais que iluminaram o firmamento da opinião pública de expressão portuguesa. Limito-me aos contornos duma opinião pessoal: a nossa Comunidade é portadora de honrosa tradicão no jornalismo – tradição que tem sido mantida e enaltecida nas páginas de Tribuna Portuguesa. A nossa voz colectiva merece ser escutada nas suas legítimas reivindicações. Temos o dever de cultivar um regime de permanente alerta cívico: a imprensa da Diaspora corre o risco de ser instrumentalizada como “palaquim” para o desfile feudal das pequenas-vaidades associativas e governamentais. Na minha dupla qualidade de veterano democrata e de signatário do “memorandum” (cordialmente reproduzido nesta página) gostaria de saudar a valentia cívica do jornalista José Avila, director da Tribuna Portuguesa : um cavalheiro conhecedor dos labirintos empresariais do sector privado da economia, que já provou que não aceita subordinar a integridade dos princípios do pluralismo democrático ao clientelismo do mercenariato político da moda. Parabéns! Votos de longa vida para Tribuna Portuguesa, e à sua prestimosa Direcção.

V

imos aqui com justificado orgulho participar na celebração da festa de aniversário natalício da Tribuna Portuguesa. Trinta anos... bonito rol. Suponho que estamos de acordo com a noção elementar de que o valor cívico-cultural dum jornal não se mede pelo volume das suas páginas, ou pelo esplendor fotogénico das suas imagens. Face à consistência do relacionamento cordial existente entre a sua direcção e o signatário, admito que o leitor mais apressado possa ser induzido na dúbia percepcão de estarmos a pisar as margens da parcialidade étnica. Não há perigo! O relacionamento entre a direcção de Tribuna Portuguesa e o signatário continua em franco vigor, porque nasceu na vertente de solidariedade democrática (de que me sinto muito lisonjeado, como “caloiro” da comunidade californiana). Diria que a dispersão geográfica da “açorianidade” em terras da Califórnia tem sido positivamente contrariada por um instrumento de confirmada valia cívicocultural. Sinto-me honrado em subscrever o veredito popular que considera Tribuna Portuguesa o valioso denominador comum do pluralismo comunitário...

Socorro-me nesta circunstância dos dizeres do dr. Mário Mesquita, um dos mais cotados especialistas nacionais no âmbito do Jornalismo moderno: “... a imprensa compreendeu que a tendência para ignorar,disfarçar ou camuflar os seus próprios erros se reflectia negativamentwe na sua própria imagem e reputação”. E mais adiante perguntava: para que leitores escrevem os jornalistas? Quem é o famoso destinatário do texto jornalístico, tantas vezes invocado em vão? Perguntas que continuam pertinentes. Pessoalmente, creio que os jornais têm que cuidar dos seus percursos, sem se deixarem cegar pelo imediatismo dos interesses. Não se pretende ignorar os dilemas empresariais, mas é pena que tais factos sirvam de justificação para que alguns jornais tenham de apequenar o seu conteúdo até ao limite da “foto-memória” do infantilismo jornalístico... Para não fatigar o prezado leitor, não vamos “estoriar” o percurso de um Jornal que é, aliás, sobejamente conhecido na diáspora. Muitos reconhecem que o jornalismo é uma das pioneiras vacinas contra a alienação cívica, por sinal uma vacina mais antiga do que a língua portuguesa.

A

COLABORAÇÃO

11

Temas de Agropecuária

Egídio Almeida
egidioisilda@charter.net
A grande transformação no panorama da agropecuária não é apenas na California, até o Estado de maior reputação na produção de queijo está mudando. em só reconhecido como America’s Dairyland, Wisconsin tem sido reconhecido como terra dos compradores de leite, com os seus braços abertos e também os seus livros de “checks”, mas o panorama no “Badjer State” está mudando. Entre 1988 e 2002, a produção de leite em Wisconsin caíu aproximadamente 12%, mas desde 2002 a esta data, a produção aumentou cerca de 11% e rápidamente estará no seu ponto mais alto de 25 biliões de libras em 1988. Num passado não muito distante, a maioria das explorações produtoras de leite em Wisconsin teriam elevado número de Cooperativas e fábricas de quejo impacientes para comprar o seu leite. Os prémios e abonos pagos para competir pelo leite resultaram em que o Estado alcançou preços relativamente altos. Esses dias talvez tenham acabado. Os produtores de leite em Wisconsin estão presentemente procurando novos compradores de leite, muitos deles vendem à Companhia Canadiana “Saputo”, de que falamos recentemente, e acham as suas opções reduzidas. Há uma grande inquietação no que respeita à capacidade processadora para o leite, especialmente esses produzindo altos volumes. Esta nuvem negra no horizonte de Wisconsin tem sido causada por modernas, enormes e eficientes fábricas de queijo na California, Idaho e agora em Texas e New México. Por algum tempo, peritos na indústria estavam prevendo que esta oferta de prémios e abonos não poderia continuar. Mais que um gerente geral de cooperativas assumiram a desagradável missão de informar os seus produtores que eles estavam recebendo demasiado pelo seu leite. Que representam estes prémios nos preços do leite? Nós comparámos o preço mínimo recebido nos ultimos 7 anos pelos produtores de Wisconsin, com os preços pagos em outras regiões do País e concluímos que os preços pagos pela classe III nas ordens Federais foi de 10 a 15% menos que os preços de Wisconsin, mas a diferença diminuiu para 5-7% em 2007 -2008. o entanto não está bem claro quando comparamos os preços de Wisconsin com todas as áreas do mercado.

Wisconsin também sofre com a crise
No ano 2008 indicadores apontam que os preços em Wisconsin foram 1.2% mais altos de que todas as áreas do mercado cobertas por esta sondagem. Os preços são apenas um dos muitos factores que afectam a produção numa determinada área. Wisconsin tem ainda uma enorme abundância de forragens, milho, grão, e a baixos fretes, adequada quantidade de água, reconhecidas organizações da agropequária, infraestruturas adequadas à cultura da produção do leite, e principalmente um significante apoio Estadual. Há uns quantos anos duas Cooperativas estavam planeando juntar as suas forças para construir uma grande e moderna fábrica de queijo, em Wisconsin, mas desistiram, principalmente pela incerteza na produção do leite, mas agora que esta está fugindo da California é talvez tempo para repensar essa aventura na chamada “Dairyland”. Substânciais mudanças estão acontecendo nesta indústria, e a presente mudança desta década será muito mais acentuada de que as mudancas das ultimas três décadas.

Graduação
Licenciou-se em Sociologia com um “Minor in Criminal Justice” na California State University, Sacramento, Ashely Marie Barbosa, filha de Lubélia e Agostinho Barbosa, residentes em Half Moon Bay. O Tribuna quer saudar a Ashely, bem como seus pais, amigos deste jornal há longos anos.

N

N

SJGI tem o prazer de apresentar

Eduardo da Silveira, M.D.
Diplomado em Gastroenterologia. Especialista em Doenças do Fígado e do Aparelho Digestivo.

O Dr. Eduardo da Silveira fala múltiplas línguas incluindo o Português, Inglês, Espanhol e Francês. Bem-vindos a San Jose Gastroenterology (SJGI)

Agradecemos a oportunidade de oferecer os melhores cuidados médicos em Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva.

Dois escritórios para o servir em San Jose MONTPELIER OFFICE: 2340 Montpelier Dr., Suite A O'CONNOR OFFICE: 231 O'Connor Dr.

Telefone: (408) 347-9001

12

FESTAS

1 de Setembro de 2009

Grande Corrida de Toiros
Festa de Nossa Senhora dos Milagres
Bella Vista Park, Gustine

14 de Setembro de 2009, pelas 8:00 pm

6 Bravos e Nobres Toiros 6
da Ganadaria do Pico dos Padres
Cavaleiros

Paulo Ferreira Pedro Salvador
Matador

Luís Procuna
Grupo de Forcados de Turlock
Admissão: $20.00 - crianças com menos de 12 anos, entrada grátis.

NOTA: a venda à porta de bilhetes será limitada.

COLABORAÇÃO

13

Agua Viva

Filomena Rocha
filomenarocha@sbcglobal.net

Festa do Bom Jesus em San José

U

...a nossa língua

M

m dos meus temas preferidos para levar até aos ouvintes, sempre que tenho oportunidade de fazer Rádio, é o da história do nosso País, da nossa lingua, (tão bela quando bem falada), contar histórias da nossa História que são as milenárias lendas, povoadas de reis e raínhas, príncipes e princesas. E quem é que no seu imaginário infantil não teve ou não quis ter um castelo, ter sido rei, príncipe, pagem, raínha, princesa ou no mínimo aia, e poder avistar das suas altas janelas ou ameias, o mundo de outra forma… À medida que crescemos e as realidades se definem, quase deixamos de sonhar e os castelos que alguma vez construímos acabaram por ruir. Na minha vida profissional habituei-me a ver o mundo pela vida dos demais, escutando histórias de vidas, umas mais felizes que outras e isso conduziu-me a ser talvez demasiado observadora, ajudando-me no entanto a compreender, a ser tolerante, paciente para com os menos afoitos, mas rebelde com os abusadores de confiança. E se os tenho encontrado… São mais abundantes do que alguém pense ou deles tenha conhecimento. Na minha condição de repórter tenho encontrado de toda a casta e alguns nem cêpa tiveram mas foram-se arrimando nas raízes dos outros e sugaram-lhes a seiva como o míldeo na videira até vê-las secar. São os chamados parasitas sem remédio. E como não têm remédio, para quê falar deles? São tão velhos e tão caducos que mesmo com nova enxertia nunca haveriam de dar vinho bom. as tenho encontrado gente boa também. Ainda me lembro de quando me pediram para ser Editora desta Tribuna. Nem todas as experiências são gratas, e ser responsável por um Órgão de Comunicação Social, é assunto sério, se deveras se tem a verdadeira noção do que isso significa, mas nunca me hei-de esquecer do voto de confiança que me foi dado pela então figura da nossa praça comercial, João Rodrigues da Silveira, para que eu adquirisse este jornal. Segundo ele, ou eu ficaria com Tribuna e este teria continuidade, ou com muita tristeza de todos, haveria de fechar. Um dilema pelo qual eu não queria ser responsável. E resolvi pelo sim, apesar das dificuldades do momento com computadores e outras máquinas que trabalhavam à base de químicos e papel especial, com sucessíveis avarias e sem peças no mercado para substituir as já velhas e cansadas, de modo a que o semanário saísse a tempo e horas. Foram tempos conturbados, de amor e sacrifício, apenas compensados pela sensação agradável da victória do dever cumprido de cada vez que saía mais uma edição, que haveriam de ficar para as minhas memórias de jornalista, junto com meu marido e filha, pessoas amigas e colaboradores que nunca esquecerei. Entre tantos, José Ávila, sempre com a sua página de Tauromaquia, e agora ele como editor e proprietário, a celebrar os 30 anos deste quinzenário Tribuna, único registo escrito de ocasiões sempre especiais da Comunidade Portuguesa na California. Apesar da nova tecnologia, e por isso tudo ser mais fácil e perfeito, é sempre uma tarefa árdua que deveriam todos apoiar a fim de celebrar-se com dignidade quem somos na Diáspora. Felicidades Tribuna! Parabéns a todos os que fazem de ti o nosso Arauto.

À semelhança de anos anteriores, e sempre no primeiro fim-de-semana de Agosto, realizou-se a Festa do Senhor Bom Jesus, na Igreja Nacional Portuguesa das Cincos Chagas, uma festa naturalmente trazida há já muitos anos por imigrantes da Ilha do Pico, desejosos de perpectuar uma das festas religiosas mais concorridas dos Açores. Enquanto lá na Ilha, ainda que esteja mau

tempo e dia de chuva, por milagre ou empatia de São Pedro, há 49 anos não chove até que a procissão não recolha à igreja, na California o calor aperta e embora o percurso da procissão seja pequeno, alguns fiéis abrigam-se do Sol quentíssimo da época E bem que precisaríamos era de um milagre de chuva por aqui… Seja como for, há sempre alguém confiante. A Igreja e o andor esta-

vam lindos e a Banda de São José acompanhou com a sua juventude o Santo da devoção do povo que nesta altura se divide por muitas festas, mas que sempre sente necessidade de uma força do Altíssimo, pois em tempos de crise Ele é muito reconfortante.

Texto e fotos de Filomena Rocha

1600 Colorado Avenue Turlock, CA 95382 Telefone 209-634-9069

14 CONVENÇÃO

380 jovens encheram o palco de Alegria

1 de Setembro de 2009

Depois de três horas de um excelente espectáculo dirigido por Brian Martins, a Grande Final. O adeus a um ano de muito trabalho

Contra Costa Youth Council # 16 - A Nova Onda. Director: Joe Peixoto Newcastle Youth Council # 33 - The Larry Luso Show. Director: Gina da Guia-Carlson

Newark Youth Council # 30 - Radio Waves. Director: Maria Braga

Newark Youth Council # 30 - Radio Waves

Sacramento Youth Council # 4 - An Old World Through New Eyes. Director: Judy Teixeira

Realizou-se no dia 8 de Agosto de 2009, pela 1 hora da tarde no Center for the Performing Arts em San José, o “LusoAmerican 54th Annual Youth Theatrical Program”. Desfilaram naquele palco 380 jovens com uma assistência de cerca de 2400 pessoas. Foram doze os “Youth Councils” que concorreram a este programa. Como se pode observar pelas fotografias, foi uma tarde

muito bonita, com muito empenho de todos os participantes e com muito “barulho” dos seus apoiantes. O Director do Programa foi Brian Martins, coadjuvado por Michelle da Silva, sendo Gary Resendes o Mestre de Cerimónias. Havia três prémios em disputa neste certame - Best Individual Performer, Best Dancing e Best Musical/Variety. Os vencedores foram:

Best Dancing 1º lugar - Youth Council # 4 Sacramento 2º lugar - Youth Council # 24 Northern San Joaquin Valley 3º lugar - Youth Council # 18 Gustine/ Los Banos

Best Musical/Variety 1º lugar - Youth Council #11 Mountain View / Santa Clara 2º lugar - Youth Council # 28 Norco Corona 3º lugar - Youth Council # 33 Newcastle

Best Individual Performer

Michael Rosa, Youth Council #2 San José

CONVENÇÃO

15

San José Youth Council # 2 - On a Boat. Director: Lina Vieira

Gustine/Los Banos Youth Council # 18 - We are “The New Onda”. Director: Debra Silveira

Northern San Joaquin Valley Youth Council # 24 - The New Portuguese Wave with an Old Folklore Flare. Director: Michelle Morris-Rocha

Norco Corona Youth Council # 28 - Hollywood goes to Coimbra. Director: Diana Sales

Artesia Youth Council # 13 - Uma Civilização Desconhecida. Director: Suzie da Rosa

Tracy Youth Council # 25 - SS Luso #25. Director: Liz Ferreira

Em todas as convenções há sempre uma história para contar. A melhor aconteceu a um amigo nosso, que tem ranchos de vacas leiteiras, e veio à Convenção para ver as suas filhas dançarem e bem, no Center for the Performing Arts em San José. Regressaram ao Hotel e como ele adora leite pediu que levassem ao quarto meio galão. Qual não foi o seu espanto quando que lhe pediram $7.00 por meio galão de leite. Se o mercado, a meados de Agosto, está a pagar $11.00 por 11 galões de leite (cem libras), como é que se percebe este preço praticado num Hotel?

Gustine/Los Banos Youth Council # 18 - We are “The New Onda”. Director: Debra Silveira

16

CONVENÇÃO

1 de Setembro de 2009

A Juventude da Luso-American em boas ondas

Mountain View / Santa Clara Youth Council # 11 - New Wave Encounter. Director: Jeannie Hylkema

Dir/Esq - Fremont / Union City Youth Council # 1 - Uma Onda de Tradição. Director: Carla Moreira

Chairman da LALIS João Manuel Dias e esposa, José Luís da Silva, Chairman da Luso-American Education Foundation, Antoinette Machado, Rainha da Convenção

Recipientes do Youth Awards com Gary Resendes, State Youth President, que foi o MC no Sábado

A bonita e elegante presença da Fadista Natalie Pires, acompanhada por Chico Avila e , foi o fecho ideal para o penúltimo dia da Convenção

Recipientes do RIM Awards com Michelle da Silva, Chair of Young Directors Esq: Brian Martins, Director of Young Programs, responsável pelo excelente espectáculo no Center for the Performing Arts em San José e Alyssa Ferreira, mestra de cerimónias no Jantar da Juventude, realizado no Sábado, finalizando um dia de grandes emoções.

No domingo houve Missa pelo Padre Robert Barcelos e diga-se de passagem que a homília do jovem padre, que se ordenou há um ano, na Igreja das Cinco Chagas,

causou grande sensação, pela sinceridade, pela facilidade de se ligar com aqueles que o estavam o ouvir, pelo bom humor, tudo isso fez que ele fosse a sensação

do dia, e quando isso acontece é um bom sinal para a Igreja e para aqueles que a seguem. Parabéns à Luso e ao jovem pároco de Buena Park.

CONVENÇÃO

17

LAFF 20-30’s State President August Correia Jr., LAFF State President Daniel Sequeira, LAFF State Youth President Sara Rodrigues

LALIS Board of Directors: Standing L-R: Jose M. Machado, Jose da Costa, Hermano de Melo, Tony Martins, Linda Vieira, Jose da Silva, Narcie Ferreira, Carlos Amaral, and Joseph B. Vieira. Sitting L-R: Cecelia Souza, Michelle Machado Moreira (Vice-Chair), John Manuel Dias (Chairman), Edite Furtado (President) and Joan Peros

LAFF Line of Officers: Standing L-R : John Perdigão, Danny Sequeira, Paulo Matos Sitting L-R: Mize Violante, Ilda Ribeiro, Maria Batista

SPRSI Board of Directors: Sitting L/R: Marshall Susan Goodman, Mistress of Ceremonies Angie Brasil, President Tisha Marie Cardoza, Vice President Constance Brasil, Inside Guard Esther Rocha, Director Audrey Burman Standing L/R: Directors Julianna Piatek, Manuela Wyatt, Patricia Languemi, Marie Edwards, Maria George, Pam Smith, Caroline Silva, Outside Guard Geraldine Thomas

Standing L-R: Danny Pinto, August Correia Jr., Anthony Pio, Francisco Trovão Sitting L-R: Sandy Garcia, Liz Alves, Nancy Nunes

LAFF 20-30’s State Board:

LAFF 2009-2010 State Directors: Standing L-R:Frank Correia, Paulo Teixeira,

Arnold Rodrigues, Liz Rodrigues, Joseph Silva and Jose Tavares. Sitting L-R: Joe Machado, Barbara Martins, Cynthia Weekley and George Madruga da Silva.

LAFF 2009-2010 State Youth Board: Standing L-R: Stephanie Cunha, Brandon Simões, Victoria Rocha, Mimi Rocha, Gary Resendes, Briana Rebolo, Sara Pepe, Anthony Machado. Sitting L-R: Kyle Martins, Matthew Teixeira, Sara Rodrigues, Christina Souto, and Antoinette Machado.

SPRSI Youth Board: Sitting, L/R, Secretary/Treasurer Jasmine Wyatt, Past President Brianne Mattos, President Tanya Nieto, Mistress of Ceremonies Cristina Nieto Standing L/R, Trustee Jocelyn Thomas, Past Officer Sara Dutra, Vice President Jessica Wyatt, Outside Guard Monica Menese, Inside Guard Victoria Brasil, Marshall Ashley Glenn SPRSI 20-30 Board: Sitting L/R, Immediate Past President Constance Brasil, President Sara Dutra; Standing L/R, Mistress of Ceremonies Lydia Peros, Vice President Manuela Brasil, Parlimentarian Brianne Mattos

As Fotos desta página são de José Enes

18

CONVENÇÃO

1 de Setembro de 2009

Convenção da Luso-American Fraternal Federation

A Sociedade Filarmónica União Portuguesa de Santa Clara abriu a festa dos jovens

Agradecimento

Antoinette Machado
“I would like to thank everybody who supported me, the LUSOAmerican Fraternal Federation, and LUSO- American Education Foundation. None of this could have been accomplished without your support. I am so grateful to have this wonderful opportunity, and I could not have done it with out all your support. Thank you. Eu queria agradecer a todos que ajudaram na minha campanha para ser a Rainha da Convenção da LUSOAmerican. Nada podia ser feito sem o seu donativo para o Luso-American Fraternal Federation e Luso-American Education Foundation. Estou muito agradecida por esta oportunidade, eu sei que nada podia ser possível sem o vosso apoio, obrigada.”

da Rainha

Tony Silveira foi o orador principal do Banquete da Luso-American Fraternal Federation realizado no Domingo. O seu discurso foi em prol da defesa intransigente da Língua Portuguesa. Disse: “Muitas das vezes quando se fala em tradições, cultura, esquecemo-nos da Língua”. No final ainda disse: “Aqui deixo o meu grito, o meu sonho... Leiam o discurso completo na página 9.

PATROCINADORES

19

20

COLABORAÇÃO

1 de Setembro de 2009

Sabor Tropical

Elen de Moraes
elendemoraes_rj@globo.com

TRIBUNA PORTUGUESA

O

e a sua receita de sucesso

jornal Tribuna Portuguesa comemora seus trinta anos e recebe as congratulações da Comunidade Portuguesa – e não só - dentro e fora da Califórnia e os merecidos aplausos são por conta da excelência do seu trabalho e da seriedade na divulgação da notícia, na fidelidade dos acontecimentos expostos através de fotografias, pela gentileza no trato com parceiros e patrocinadores, pelo incentivo e acolhida aos seus colaboradores e pelo valor e atenção que dispensa aos seus leitores. Concilia muito bem o seu papel de imprensa moderna ao seu princípio ético, opinando sobre os variados casos que podem atrair a atenção dos seus leitores, mas sempre priorizando aqueles que são de interesse público. Paga-se um alto preço para se fazer um jornal sério, que tenha credibilidade, formador de opinião, que não apela para aspectos popularescos, que não vive da desgraça do povo, que não manipula os leitores divulgando casos sensacionalistas. Um bom jornal não deve se contentar em somente apresentar a notícia, mas, também, levar educação e cultura para todos que o lêem, como tem feito o Tribuna Portuguesa. Em meio às gratas lembranças que sempre gosto de remexer, está o momento em que fui apresentada a este jornal. Fazíamos, eu e José Raposo, a campanha

O

para arrecadar fundos para imprimir e lançar o livro do Daniel Arruda, quando recebi, aqui no Brasil, um exemplar - o 1º que vi - do Tribuna, de Setembro de 2005. Uma surpresa que o amigo Raposo me fez enviando a matéria publicada sobre o “sonho” do Daniel. A emoção bateu forte! Enfim, estava sendo apresentada a um jornal sério, feito por pessoas sérias e comprometidas em fazer o bem sem escolher a quem, empenhadas em ajudar sem pedir nada em troca. E foi através dele que muitos amigos do Daniel tomaram conhecimento do seu “sonho” e contribuíram financeiramente, inclusive os de Gustine - a quem Daniel chamou carinhosamente de “anjos” - que também abraçaram a idéia e decidiram financiar a maior parte da publicação do livro. jornal, além de noticiar toda campanha, em janeiro de 2006 deu-nos o “Just cause” AWARD pelo nosso trabalho e se fez presente no lançamento do livro, cobrindo todo evento, ocasião em que tive o imenso prazer de conhecer o seu Editor e Diretor, Jose Ávila, e compreender o motivo do grande sucesso do jornal, pelo perfeito desempenho e bonito trabalho desse homem incansável. Em Outubro de 2008 vi a realização de um novo sonho, só que desta vez o sonho era meu e de

A

milhares de pessoas que não têm acesso a assinatura do jornal, por morarem em outros países: ler o Tribuna na íntegra, online, toda quinzena. Um grande e admirável passo do jornal em direção ao futuro, de mãos entrelaçadas com a modernidade. o mencionarmos o jornal não podemos omitir os créditos devidos a quem está no seu comando: o José Ávila. Um homem de visão, um Ser humano por excelência, um sonhador! E se assim não fora não teríamos, certamente, em nossas mãos, o Tribuna, como temos tido toda quinzena. Para o Tribuna Portuguesa, seus leitores, colaboradores, anunciantes, parceiros e todos que dele participam, de um modo ou de outro, deste distante Brasil mando o meu abraço, os meus votos de um feliz aniversário, de um novo ano de muitos sucessos e prosperidade e quero registrar o orgulho que sinto em ser uma pequena partícula deste conceituado jornal.

Vende- se Leitaria de Cabras
8.9 acres com irrigação própria Casa com 3700 pés quadrados, 5 quartos de cama, 3 quartos de banho, toda remodulada. Perto da auto-estrada e Shopping Center Fica situada a 1 milha do novo Hospital do Kaiser Permanente, em Dale Road, Modesto, California Perto do novo Liceu Extraordinário investimento de $990K dolares Os animais existentes não estão incluídos Contactar AHMAD SHAMA

(209) 505-5268

Ao Sabor do Vento

José Raposo
raposo5@comcast.net

A nossa Língua
sequer molharam os pés. O jornal tem sido um veículo de informação e até certo ponto de educação e instrução. Na minha opinião, a imprensa escrita terá sempre um lugar de destaque pois que já diz e muito bem o ditado: - Palavras leva-as o vento. As páginas do Tribuna chegam a todo o lado que há Portugueses. Muitas das nossas organizações recebem o jornal sem pagarem um centavo. O jornal publica anúncios a informar certos eventos sem que receba remuneração alguma. Sei de fonte segura que ele já pagou pela deslocação de certas pessoas menos protegidas pela sorte e o Zé tem feito benefícios no anonimato e nunca usou as Páginas do nosso jornal para se vangloriar ou se enaltecer, quer seja pessoal ou profissionalmente.

é a nossa Pátria
Durante o tempo que estou nesta terra, vi jornais nascerem, desaparecerem e até alguns serem entregues já moribundos a novos donos que lhes cortaram o oxigénio e nem sequer tiveram a delicadeza de informarem à família de assinantes que haviam morrido. Vamos trabalhar em conjunto para que o Tribuna cresça e não seja acometido pela “swine flu” ou nenhuma “doença incurável” e para que a nossa gente continue a patrocinar o único jornal Português que temos nestas paragens. Os assinantes, os colaboradores, a equipa de redação, tu Zé e todos nós, estamos de parabéns. Com toiradas ou com festas, com crónicas ou com críticas, com anúncios ou fotografias, continua Zé, porque a nossa língua é a nossa Pátria!

T

rinta anos?!

A Tribuna está a ficar velha e o Zé Ávila cada vez mais novo! Durante esse tempo tenho contribuído com os meus artigos sobre vários assuntos, dando a minha opinião em muitas coisas que se passam na comunidade e procuro sempre escrever acerca do que vejo ou ouço. Sei que algumas pessoas ameaçaram cancelar a assinatura do jornal ou até, talvez, tenham cancelado por causa de algo que eu tenha escrito. Por incrível que pareça alguns que sabem escrever tanto ou melhor do que eu, me têm pedido uma vez que outra para que eu escreva abordando este ou aquele assunto. Outros, porém, me congratulam por ter

coragem de debruçar-me sobre temas controversos, como tenho feito. Há anos, quando o Tribuna tinha outros donos, fui convidado para ir a San Jose a fim de ser entrevistado sobre algo que se passou na comunidade e do qual eu fui um dos protagonistas. Era uma hora da madrugada quando a entrevista terminou e ela nunca foi publicada, porque houve alguém que telefonou a ameaçar que se tal coisa acontecesse, levaria o Jornal ao Tribunal. A pessoa que me entrevistou meteu o rabo entre as pernas e por aí ficou. Nesse ponto tenho de congratular o Zé Ávila por não ser medricas. Durante o tempo que ele tem estado ao leme do Tribuna, sei que tem enfrentado todas as tempestades e tem conseguido navegar em mares tumultuosos onde muitos, anteriormente, nem

COMUNIDADE

21

Reunião da Família Borba em Escalon

Fotos de Jorge Ávila “Yauca”

Alguns nasceram na Ladeira Grande na Ilha Terceira, mas outros nasceram já na America. Esta montanha de gente são os descendentes dos Borbas, da Ladeira Grande

No dia seguinte à reunião e numa festa surpresa, Lícia e Alvarinho Borba, celebraram os seus 50 anos de casados.

Os Borbas - João, Elsie, Belmira, Alvarinho, Velma e na cadeira Maria. O João, Maria e Belmira nasceram na America (Visalia); Alvarinho, Elsie e Velma na Ladeira Grande

Custo: $150,000.00 dolares. Aceitam-se ofertas

22

HISTÓRIA

1 de Setembro de 2009

Historiador Picoense mantém-se na sua:
Novo Livro de Manuel da Silva Rosa
sim Colon 3- Colombo já sabia da existência das terras para onde foi. 4- Colon nunca viajou em busca da verdadeira India 5- Colon era muito nobre e muito conhecido em Portugal antes de mudar o seu nome e fugir para Espanha 6- Colon nunca andou perdido mas sim deu informações incorrectas aos Espanhóis 7- Americo Vespucci trabalhava para Colon 8- Filipa Moniz esposa de Colon era Comendadora e Membro da Ordem de Santiago 9- D. João II como Mestre de Santiago tinha que autorizar o seu casamento 10- Colon foi para Lisboa de Propósito na viagem de regresso para ver D. João II antes de ir para Espanha. 11- O Conde de Abrantes, o Marquês de Montemor, o Conde de Penamacor e o Mordomo de D. João II eram todos sobrinhso de Filipa Moniz esposa de Colon... 12- A lingua materna de Colon era o mesmo Português de D. João II.... 13- Cristóvão Colon era um agente secreto do Rei D. João II trabalhando em Espanha que recebeu uma carta de D. João II em 1488 chamdo-lhe «Cristóvão Colo Nosso Especial Amigo em Sevilha» Enfim são muitas coisas que não se pode escrever num breve artigo mas estão todas bem explicadas do livro. “Entre os livros que não pude ainda preparar para o prelo, deixo uma obra com o título de ‘Cristóvão Colombo de Portugal’ de que pude reunir uma larga cópia de argumentos nos últimos 20 anos. Devo confessar que muito contribuíram para a minha investigação as oportunas pesquisas que Manuel da Silva Rosa teceu acerca do problema do Colombo português. Na paixão sem limites que consagrou à biografia do descobridor do Novo Mundo, esse historiador nascido na ilha do Pico (...) construiu um dos sonhos grandes da sua vida. Quero eu dizer que procedeu ao estudo meticuloso da vida e obra de Colombo (...).” --- Joaquim Veríssimo Serrão, no Perfácio. O Livro está à venda no www.amazon.com

Cristovão Colombo era Português

O Professor Joaquim Veríssimo Serrão (Presidente da Academia Portuguesa de História de 1975 a 2006. Catedrático jubilado da Universidade de Lisboa), que redigiu o prefácio do novo livro, adiantou que ficou convencido do argumento apresentado por Manuel Rosa, após ler e reler o seu primeiro livro. “Posso dizer que estou 99 por cento de acordo com os pontos que oferece para o leitor contemplar,” adiantou Serrão. Depois do êxito de “O Mistério Colombo Revelado”, Manuel da Silva Rosa oferece ao leitor uma síntese actualizada das suas investigações sobre a portugalidade de Cristóvão Colombo no novo livro COLOMBO PORTUGUÊS - NOVAS REVELAÇÕES. A 1ª edição, lançada em Maio de 2009, esgutou em 2 meses. Uma 2ª edição está a chegar às livrarias. O novo livro COLOMBO PORTUGUÊSNOVAS REVELAÇÔES, Ésquilo, 2009, (http://esquilo.com/colomboportugues. html ) junta 18 anos de investigação mostrando que Cristóvão Colombo só poderia ter sido um nobre português e filho do Rei Ladislao III que vivia escondido na Madeira desde 1450 com o nome falso de Henrique Alemão. “Já efectuámos análises de ADN com D. Duarte de Bragança e esperamos poder efectuar análises de ADN em breve para poder comprovar estes novos indícios” adiantou o autor. A historiadora portuguesa Fina D’Armada realçou que o trabalho de Rosa devia ter sido feito pelas universidades portuguesas. “Como Portuguesa e Historiadora, muito obrigado ao Manuel Rosa. O trabalho que aqui demonstra devia ter sido feito pelas nossas Universidades. Acontece que as nossas universidades são conservadoras e para perseguimento de carreiras os mais novos são seguidistas dos mais velhos... vai dar muito trabalho aos historiadores daqui para a frente continuarem a afirmar que era um tecelão genovês sem demonstrarem má fé ou ignorância,” escreveu a historiadora. ( http://esquilo.com/colomboportugues.html ) O Dr. Manuel Luciano da Silva, de Bristol, R.I., que há muitos anos que pesquisa as raízes portuguesas do navegador e também já escreveu um livro sobre o assunto, elogiou a investigação de Rosa. “Ele tem feito um trabalho admirável para divulgar a verdade, que o navegador era 100 por cento português,” salientou Silva. “Tem sido um lutador para trazer a lume a verdade. Só tenho que louvar com muito respeito e entusiasmo o trabalho que tem feito.” Manuel Rosa sublinhou que é difícil contestar a sua teoria porque se baseia em inúmeros documentos. ( h t t p: // w w w. z w i r e .c o m /s i t e / n e w s . cfm?BRD=2677&dept_id=543384&newsi d=20333980&PAG=461&rfi=9) A investigação de Manuel Rosa é cientifica e rigorosa. O primeiro livro de Manuel Rosa continha 650 páginas de documentção e derrubou a tese oficial. Este segundo livro é uma sintese daquele com mais factos descobertos nos últimos 3 anos. Nos últimos 100 anos mais nenhum historiador tem apresentado nova infromação sobre o descobridor das Américas o que faz deste livro uma obra monumental para entendermos a história mundial. Algumas dessas provas que ele apresenta são que: 1- A nau Santa Maria nunca afundeou 2- O nome dele nunca foi Colombo mas

PATROCINADORES

23

Super Promoções:
Mateus Rosé $5.99 Grão Vasco $7.99 Esporão Reserva Branco $12.99
Segunda garrafa

Scotch Whisky

5 cents

Johnny Walker
Blue label $147.99

Linguiça das melhores Companhias: Goulart, Barcelos, São Jorge Pão fresco das Padarias Hiser, Santa Clara, Nine Islands

A Revista da Tertúlia Tauromáquica Terceirense “Festa na Ilha” já chegou à California. Custa $4.50 euros ou seja $6.50 dólares. Estará à venda na Padaria Popular (San José), Rosa Trade Rite Market (San José), Fernandes Linguiça (Tracy), Tribuna Portuguesa (Modesto). Sao 93 páginas de belas fotos e bons artigos sobre a Festa Brava da Terceira, Graciosa, São Jorge e até da California. Não perca o melhor das Ilhas.

24

TAUROMAQUIA

1 de Setembro de 2009

Alguém anda a brincar com o fogo!
É pena que às vezes algumas pessoas da nossa comunidade não compreendam que nós não vivemos nos Açores, nem em Portugal Continental e que este País tem as leis que tem e nós temos de obedecê-las, a não ser que queiramos deitar tudo a perder e voltar ao tempo da maria cachucha. Já é tempo que todos compreendam que não vivemos isolados em guetos e que à nossa volta há toda uma sociedade diferente da nossa e com outras tradições, com outras maneiras de ver e viver o mundo e que nós, por muitos direitos que tenhamos por viver aqui, temos que respeitar as leis, e muitas delas custaram os olhos da cara a muita boa gente. O que nós vimos em Laton não se pode repetir. Não interessa se Laton é uma pequena aldeia perdida no Vale de San Joaquin. Hoje em dia não há segredos de localizações, nem de eventos. Todo o mundo sabe de todo o mundo e não me venham com a cantilena de “quem é que vem a Laton?” Artesia possívelmente ainda é mais pequena que Laton e um dia foram visitados por quem não tem nada para fazer se não chatear os outros. O problema é que eles conhecem a lei, além de ter um apoio de milhões de dólares e milhares de pessoas influentes neste Estado, que os subsidiampodendo manobrar os cordelinhos à sua maneira. Não nos armemos em espertos, porque sabemos que assim vamos perder. A união faz a força, mas, enquanto uns estão a trabalhar para tentar preservar algumas tradições, não muito queridas de muita gente, há outros que fazem o que querem e depois quem se lixa é o mexilhão aficionado. Todo o cuidado é pouco nas três ultimas corridas até ao fim da temporada - a dos Milagres e as duas da Feira de Thornton.

Quarto Tércio

José Ávila
josebavila@gmail.com

Atiro o meu chapéu ao ar,

dou três tiros nele e fico marado com o que vi em Laton. Como é possivel fazer-se aquilo? Para bom entendedor meia palavra basta. Andamos a brincar aos cowboys? Quem é que foi responsável por aquilo? E se a festa brava acabasse hoje, de quem era a culpa? Iriam rezar para as Igrejas para ver se ela voltava?

Para que todos compreendam o perigo que existe

Ao meu amigo Hélio

quando se enfrenta um toiro, como os nossos forcados o fazem, vou deixar aqui algumas fotos de pegas que não foram consumadas, para que possam admirar o perigo que os nossos jovens enfrentam, para satisfação de todos aqueles que enchem as nossas praças. Esta é a minha homengem a todos os jovens da forcadagem da California. Chapéus para ar!

O meu amigo Hélio da Cunha Melo celebrou outro dia os seus 80 anos e não me foi possível estar com ele na Terceira nesse dia tão importante da sua vida. Em compensação, vou contar-vos uma muita pequena história do meu amigo Hélio, durante uma Corrida das Sanjoaninas há uns anos atrás. O Hélio não é o que se pode chamar um aficionado de gema, mas gosta de ir aos toiros, para ver os cavalos, cavaleiros, as pegas, apreciar os matadores, enfim, para se distrair, numa funçãao tão bonita como é uma corrida de toiros. Nesse ano as Sanjoaninas trouxeram bons artistas e o meu amigo Hélio comprou bilhetes para as corridas que pensava ser do seu agrado. No dia marcado, entrou feliz e contente na Monumental de Angra, sentou-se no seu lugar, á sombra e esperou pelo começo da corrida. A praça estava muito bem composta de gente. Por azar, no primeiro toiro, que era manso, não houve manifestações de alegria de ninguém e o meu amigo Hélio seguia com muita atenção todos os pormenores. No segundo toiro as coisas mudaram e o cavaleiro começou a entender o toiro e o Hélio, contente, comecou a bater as palmas do costume. No primeiro ferro curto achou que tinha sido muito bom e deu azo à sua alegria batendo ruidosamente palmas ao cavaleiro. O cavalheiro que se sentava ao seu lado perguntou assim com uma voz importante: ”Ouça lá, porque é que você está a bater palmas?” O Hélio virou-se para ele e disse, assim a meia voz: “Sabe, eu penso que este ferro foi muito bom”. Responde-lhe o outro com voz de calmeirão: “Você não percebe nada disto, não viu que o cavaleiro nem citou o toiro, cravou o ferro a cilhas muito passadas Helio da Cunha Melo no Yosemite Park, durante a sua e que nem rematou?” O Hélio nem sabia o que queria di- visita à California em Junho passado zer “cilhas passadas”. Torceu-se no lugar e o outro tipo resmungava alto e bom som: “É por isso que a festa não com o seu amigo e vizinho Aurélio Sousa, grande aficiovai para a frente, estes tipos não percebem nada de toiros, nado e conhecedor de toiros. Acabado o intervalo, o Hélio compram o seu bilhete e pensam que têm licença para dar deu a volta por dentro da praça até ir para o sector do Sol palmas por tudo e nada”. mais longe da Sombra possível e daquele chato gajo. O Hélio pensou com os seus botões “o melhor é estar ca- Sentou-se no meio de malta da Ribeirinha, amiga de lado, se não este tipo ainda vai dar barraca”. toiros, mais do que artistas. Toda a segunda parte bateu Até ao fim do segundo toiro nunca mais deu palmas. No palmas, consolou-se com os amigos que ficaram ao pé terceiro toiro, só dava palmas quando o outro dava. dele e quando chegou a casa, a Fernanda, perguntou-lhe: Chegou-se ao intervalo e o nosso amigo Hélio disse para “Estás com as mãos tão vermelhas e inchadas. O que é consigo: “Eu aqui não fico mais, vou procurar outro lugar, que andaste a fazer com elas? talvez ao Sol, para poder bater as palmas que eu quiser”. Bem pensou, bem fez, depois de ter bebido uma cerveja

PATROCINADORES

25

26

ARTES & LETRAS

1 de Setembro de 2009

Norberto Ávila

Das tintas e vernizes
naquele mesmo restaurante nazareno, diálogo que esteve na origem de todas aquelas peripécias rocambolescas dos últimos tempos. Haveria então cerca duma dezena de anos, Adalfredo Cordato, já entrado nos 40 e ainda celibatário, adquirira uma fabriqueta de tintas e vernizes em vias de falência, que, com raro instinto industrial e financeiro, conseguiu trazer a primeiro plano no quadro variadíssimo da produção distrital. E convém desde já dizer que, entre tão diversos artigos constantes do vistoso catálogo da fábrica TrovisColor, figuravam as famigeradas latas de spray com que os grafiteiros se dignam animar as macilentas, mortiças paredes das nossas tristes moradias. Ora acontece que entretanto, a bem poucos quilómetros dali, numa terra chamada Montalvim, falecera um honrado e discreto empresariote, de nome Daniel Canaverde, cuja prestação de serviços se traduzia em limpezas várias (em interior e exterior) e até desinfestações as mais eficientes. E a filha, a já referida Sandrina Canaverde, vivia então em Inglaterra, estudava Engenharia do Ambiente, ou coisa que o valha, e estava a pouco mais de um ano de terminar o seu curso. Regressa a laboriosa moça a Portugal e, herdeira única, toma as rédeas do negócio paterno; incrementa-o, com alguma prudência, e aparece com um novo serviço, de grande interesse regional: remoção de grafitos das paredes e muros das principais cidades e vilas do concelho e do distrito. Foi então que se conheceram Sandrina e Adalfredo, por intermédio duns amigos de ambas as partes. E certo dia, indo já a confiança mútua em bom andamento, deulhes para um passeio até à Nazaré. Duas horas de praia e sequente almoço no referido restaurante Tá-Mar. Saboreando uma caldeirada de enguias, iam falando de tudo e de nada. Até que, inevitavelmente, vieram à baila os miudinhos negócios de cada qual. E o próspero empresário achou engraçadíssima aquela descoincidência de empenhos. “Anda a minha boa amiga a limpar as paredes de todo o nosso concelho e eu a tratar de as sujar com os meus tão apreciados sprays das mais variadas cores! Bem poderíamos, Sandrina, fazer uma tentativa de unir esforços, de trabalhar para o bem… (digo: a bolsa) comum!” “Como assim?” “Casando.” Casaram. Se o primeiro ano de matrimónio ainda foi de razoável estabilidade (assim o testemunham a um e outro lado), já o segundo e o terceiro se mostraram periclitantes. Incompatibilidade de temperamentos, diziase. Pelo que cada qual se refugiava muito no seu trabalho individual: ele com as suas tintas e vernizes; ela, com as suas limpezas e desinfestações. De qualquer modo, ainda concordaram em passar juntos alguns reduzidos períodos de férias, quer pelo Verão quer pelo Natal, fosse no Algarve ou na Califórnia, na Suécia ou nas ilhas gregas. Falou-se sobretudo duma disparidade de sentimentos religiosos. Uma treta. Sandrina, embora achasse uma tontaria pegada a ligação do marido com a tal Igreja Mosaica dos Doze Mandamentos (o que eles haviam de inventar!), não se lhe opunha, pelo menos abertamente, nesse domínio. Ora ela, tendo crescido sob a influência dum catolicismo mitigado, era tida por não-praticante, o que facilitara a opção do consórcio não-religioso. Tanto melhor para o processo de divórcio, que ela foi a primeira a reclamar. E, tendo casado em

Para o João Pimentel e para a Maria do Carmo Mas que reviravolta no ânimo (ou desânimo) dum homem! A vida, assim num repente, surpreeende-nos e deixa-nos mesmo esparvoados e boquiabertos! Pois não é que, a um tal Adalfredo Cordato, em pensamento preparado para amargar uns largos anos… eis que lhe é dado escutar a voz autorizada (embora não muito jubilosa ou entusiástica) de quem em jurídica matéria pontificava! Os primeiros abraços brotaram de Benvindo Salvador e de outros fiéis da Igreja Mosaica dos Doze Mandamentos, logo seguidos de equivalentes manifestações de apreço e regozijo por parte de uns tantos colaboradores profissionais, e até parceiros de comércio e indústria, de mais íntimo contacto. Na verdade, o conhecidíssimo empresário das não menos reputadas tintas TrovisColor não sabia como reagir à face de semelhante desfecho, que seriamente o confundia e embaraçava. E, sendo sextafeira, a sua vontade imediata foi a de abalar naquela mesma tarde, directo ao Algarve, hospedar-se no familiar hotel de 5 estrelas, deveras sobranceiro ao Atlântico, e, abandonando-se à mornidão do Outono, deixar-se recompor, física e mentalmente, dos enormes sobressaltos ocorridos naqueles últimos 10 meses. Mas o Benvindo Salvador logo lhe disse que nem pensar! Para isso teria ele muito tempo! Foi então mais preciso nas intenções: “Hoje, meu amigo, havemos de jantar juntos! Que me diz… na Nazaré?, já que tanto suspira pelo marulho das ondas?” Depois, descarregando um cachação amistoso no seu faz-tudo, avançou a segunda proposta: “Aqui o nosso querido companheiro Firmino Marchante fará o obséquio de convocar o maior número possível de confrades, para uma sessão de geral regozijo e, – digamos as coisas como elas são! – de tributo justíssimo, à figura exemplar do cidadão Adalfredo Cordato!” Então o Marchante perguntou, de pronto, em que local se haveria de realizar a dita sessão de homenagem, tanto mais que já não disporiam de muito tempo para o efeito. E Benvindo Salvador respondeu que teria de ser na própria sede da Igreja Mosaica, nas Caldas da Rainha. O salão não era tão amplo quanto seria para desejar… mas paciência! “Pela Internet e pelo telemóvel,” tornou o ajudante, “consigo enviar a mensagem convocatória a umas boas centenas dos nossos fiéis. E se aí uns 10% puderem comparecer…” “Sim, admitamos 100 a 150 pessoas… já não seria nada mau.” Assentaram portanto os últimos pormenores. Adalfredo iria a casa (que distava de Leiria apenas uns 9 ou 10 kms), tomar um duche, tratar dos cães e resolver outros assuntos, que não especificou. O Salvador voltaria para as Caldas, a fim de acelerar os preparativos para a festança de congratulação, que foi marcada para as 22 horas. Entretanto, o jantar na Nazaré – ele apenas com o homenageado – ficava combinado para as 19 em ponto, em restaurante bem conhecido, Tá-Mar de seu nome. Já no automóvel (um Maserati vermelhão), a caminho da faustuosa residência, as ideias e as lembranças – as mais e as menos felizes – atropelavam-se-lhe na cabeça. Acudiu-lhe à memória, por exemplo, o jocoso diálogo que, passado algum tempo de desenfadado convívio com a empresária Sandrina Canaverde, com ela travara,

regime de separação de bens, e não havendo filhos, não foi difícil estabelecer aquilo a que cada qual teria direito pela legítima desunião. Ela, embora mantendo a quinta de Montalvim, fora viver com Adalfredo no Troviscal. Pois arrebanhou as suas roupas, livros e pouco mais; regressou ao refúgio de solteira, admitindo perfeitamente a hipótese de vir a congraçar-se com o género masculino (tomadas as devidas cautelas) e caso o destino assim o entendesse. As quezílias entre ambos nem por isso findaram de todo. E consta até que por mais duma vez se teriam engalfinhado (pelo telefone, felizmente); isto porque a Canaverde acusava o Cordato de sonegar correspondência vária que a ela fora ultimamente endereçada para a sua ex-residência do Troviscal. E, ao que tudo indica, o impertinente empresário mandaria, de quando em vez, um dos seus colaboradores mais manobráveis a espiar, de um arvoredo fronteiro, quem entrava e saía o portão de Montalvim. Ciúmes despontantes? Em todo o caso serôdios, convenhamos. Até que, certa manhã, Sandrina empalideceu mais que o muro da quinta, no qual o vitupério se evidenciava. Escarrapachada em letras garrafais, num violento vermelho de spray, a soez recomendação de que deveria antes lavar e desinfestar a… (Não sei se me entendem.) Com pessoal habilitado para o efeito, a infeliz tratou logo de… apagar o insulto repugnante. Bem pouco depois desta peripécia, passando Adalfredo por Montalvim, viu um homem ainda jovem (uns 30 anos, se tanto), conhecido mas cujo nome não lhe ocorria de momento. Viu-o entrar no Lisandro, o café principal da povoação. E, dando primeiro uma volta pelo jardim adjacente, como quem não quer a coisa, a fazer tempo, entrou então, estando o dito homem já sentado a uma mesa a tomar a sua cerveja. E, não precisando de apresentar-se, superconhecido como era por toda a região, disse que gostaria de dar-lhe uma palavrinha, um pouco mais em particular, pelo que o convidava a tomar um uísque, não indo muito longe, ali pela Marinha Grande. (Era isto ao fim da tarde.) O homem, que afinal se chamava Serrabulho, Arménio Serrabulho mais exactamente, era há dois ou três anos empregado da Canaverde. Isso sabia ele muito bem. Arménio entrou no carro do industrial e ambos rumaram, despreocupados, à Marinha Grande. Já a meio do percurso, porém, interrogava-se o inopinado viajante sobre o que pretenderia o Adalfredo Cordato. Que deixasse de trabalhar para a Sandrina e passasse a trabalhar para ele? Era uma hipótese. Mas não abriu o bico. Preferia que fosse o outro a abrir o jogo, como se costuma dizer. Depois, sentados a uma mesa obscurecida, a um extremo vazio do café Cova do Lobo, cada qual com o seu uísque bem fresquinho, começou o empresário, assim à maneira de intróito, a perguntar-lhe se era solteiro ou casado e onde trabalhara antes de entrar ao serviço de D. Sandrina. Era solteiro e contava 29 anos. E tinha trabalhado numa lavandaria. Mas, por se haver metido nuns lamentáveis consumos e trafegâncias de drogas, os patrões apontaram-lhe a porta da rua. Ficou sem emprego e quase ao deus-dará, socorrendo-se dos pais, pobre gente. Foi então que D. Sandrina confiou nele e lhe deitou a mão e lhe ofereceu um lugar na sua empresa. O empresário desvalorizava a generosidade da sua ex-mulher, insistindo que, trabalhando para semelhante criatura, nunca ele passaria da cepa torta.

Apenas Duas Palavras

Diniz Borges
d.borges@comcast.net
No seguimento da nossa homenagem ao dramaturgo, poeta e ficcionista açoriano Norberto Ávila, pelos seus 50 anos de vida literária, apresentamos nesta edição um trabalho do próprio autor, um conto. Abraços e os nossos renovados parabéns a Norberto Ávila. diniz “O que ela me paga chega muito bem para viver decentemente,” e sorveu mais um gole de uísque. “Tanto mais que, abandonando o vício da droga, que era realmente a minha ruína, e morando com os meus velhotes, não preciso assim de mundos e fundos…” “Quanto é que ela te paga por mês?” “550 euros.” Adalfredo remoeu um brusco sorriso sarcástico. “Que dirias tu se eu te propusesse um trabalhinho muito especial… extra… coisa que te daria, assim de repente, um salário único… mas equivalente a um ano de esfalfadelas nessa empresariola de meia-tigela?” Espantou-se o modesto convidado, e agitou-se, ansioso por apanhar mais pormenores da proposta.E o outro insistiu: “Repara bem que estou a falar duma importância que poderá atingir os… digamos… qualquer coisa como uns… 6 mil euros! Ou mais!” O olhar de Arménio derivou para o rectângulo da porta, interceptado por um ramo de sabugueiro balanceante. “Depois, executada a tarefa,” acrescentou Adalfredo, “inda te arranjarei outros 6 mil euros, para que possas sair imediatamente do país. Enfim, dinheiro para a viagem e para os primeiros tempos na estranja, até que refaças a tua vida como muito bem entenderes.” O ex-drogado impacientava-se. Remexiase na cadeira. “Pelo avultado preço que te proponho, amigo Arménio, creio que não hesitarás em… com muita firmeza de mão, disparar um tiro certeiro à cabeça de alguém. (Se forem dois, melhor ainda.) Embora receando a brutal confirmação da resposta, o induzido quis saber quem deveria ser a vítima. E o empresário, como era de esperar, soletrou o nome de Sandrina Canaverde, sua ex-mulher. Depois, deixando-se o homem convencer, a pouco e pouco, foram ajustados os pormenores. “Mesmo que não sejas abelhudo por natureza,” conjecturou o Adalfredo, “deves saber melhor que eu a vida actual da tua patroa.” “Ora o que se deixa ver… mais abertamente… não digo que não.” “A cavalheira, ao que me dizem, depois que se viu livre da minha tutela, costuma ir desopilar, descontrair-se numa discoteca.” “Sim? Não sabia.”

(continua na página seguinte)

PATROCINADORES

27

209-545-8727
www.ModestoBacktoNeck.com sentara numa esquadra da PSP (em Leiria, mais exactamente) e denunciara o seu segredo angustioso ao chefe, que bem conhecia, dos seus próprios antecedentes criminais de toxicodependente. À guarda do qual, aliás, veio a confiar a volumosa quantia recebida do empresário troviscalense, com todos os pormenores de aliciamento ao homicídio a efectuar na pessoa de Sandrina Canaverde. E que, ouvidas e registadas as declarações do denunciante, o chefe da PSP lhe entregara documento comprovativo do depósito provisório da referida quantia. Daí à detenção do Adalfredo foi um instante. Logo lhe foi aplicada medida de coacção de uso de pulseira electrónica. Tão-pouco foi demorado o julgamento. Abreviemos também, abreviemos. E assim, dirigindo-se ao conhecidíssimo industrial das tintas e vernizes, disse o juiz Nicolau Salvaterra: “É com as entranhas inteiramente revoltadas que me vejo obrigado a comunicar-lhe esta decisão raríssima, se não mesmo inaudita: Mau grado o seu comportamento se ter revelado deplorável, e até execrável em todos os aspectos, serei obrigado a, nos termos da lei vigente neste País, declará-lo absolvido.” Desencadeou-se na sala um murmurinho de atenuada surpresa, a que o magistrado logo pôs termo, acrescentando: “Muito embora fique provado que o Sr. Cordato” (e acentuou a soletração do nome) “encomendou despudoradamente a morte da ex-mulher, a triste verdade é que não dispomos de enquadramento legal para condenar crimes encomendados mas não consumados.” Por isso o regozijo mais ou menos expresso dos íntimos colaboradores, de clientes, de parceiros industriais, especialmente fornecedores. Mas sobretudo dos fiéis o exterior da povoação, ruminando o diálogo que acabara de ter com o empresário-mor do concelho. E, neste vagabundear, acudiu-lhe à memória, também, a conversa que uns três anos antes tivera com a sua salvadora, D. Sandrina Canaverde. “Então, Sr. Arménio, ainda por aqui, sem fazer coisíssima nenhuma?” (Isto, passando ela pelo Jardim Dom Dinis e estando ele estirado num banco, ao sol primaveril.) “Por mais que procure, D. Sandrina, não encontro quem me queira dar trabalho.” “Olhe que eu sou muito capaz de confiar em si. Que lhe parece? Quer vir trabalhar para mim?” Deu logo um salto e seguiu-a, de pronto. (“Seis mil euros, assim, do pé prà mão, para dar conta do recado?!”) E, deslizando a mão no bolso interior do casaco, sentiu na ponta dos dedos a solidez do maço de notas. (“Chiça!, é muita massa!”) E fora o resto, já prometido, quando executasse a tarefa. Mais 6 mil euros, para viagem e instalação. Lembrou-se de Espanha, por não saber línguas, e ser país onde mais facilmente se poderia fazer entender. E por que não a Argentina? Ou a Venezuela!, onde lhe constava haver muitos portugueses? Ora, quem vai para a Argentina ou para a Venezuela… vai para o Brasil, que sempre é terra de língua portuguesa! Atormentou-se naquele dilema consciencial os dois primeiros dias, a ponto de nem conseguir concentrar-se convenientemente no trabalho, nem poder encarar a patroa. Ela pergunta-lhe se não está a sentir-se bem e ele inventa um mal-estar qualquer, pelo que ela o dispensa dos compromissos laborais o resto da tarde. Que vá para casa, descansar. Mudemos de cenário. Ao 3º dia, à noitinha, quando já Adalfredo Cordato ardia de impaciência e quase desesperava, aparece-lhe à porta um inspector da Polícia Judiciária. Ficou a saber que, na véspera, o Arménio Serrabulho se aprecompanheiros da Igreja Mosaica dos Doze Mandamentos. À sessão congratulatória no templo primordial das Caldas da Rainha compareceram cerca de 2 centenas de pessoas, provenientes de muitas terras do distrito, já que a mensagem convocatória correu célere por montes e vales. A parte mais substancial consistiu no discurso de saudação ao empresário (em tão boa hora desembaraçado e salvo das malhas da justiça) e na sábia maneira de tirar dividendos de tão favorável situação. Na verdade, explanadas as múltiplas qualidades morais do Adalfredo Cordato, o chefe da Igreja Mosaica agradeceu ao profeta padroeiro a graça concedida ao fidelíssimo servo troviscalense. E acabou por recordar ao festejado empresário, agora em público, e num almejo de compromisso definitivo, uma promessa em tempo feita: a de arcar inteiramente com as despesas de construção da nova sede, para a qual a comunidade já dispunha de terreno apropriado. E o apaziguado industrial agradeceu a calorosa recepção e o entusiástico discurso de Benvindo Salvador. E assumiu, desta vez à face do mundo, a obrigação natural do dito empreendimento. A sessão atingiu o auge do arrebatamento religioso e social ao ser cantado em coro (mais de 200 vozes!) o hino da Igreja Mosaica dos Doze Mandamentos: “Ó Igreja Mosaica, guerreira, és capaz, és audaz, és tenaz! Triunfante, serás a primeira! Vencerás, vencerás, vencerás!” Adalfredo sorria. Mesmo sem a colaboração de Lady Esfregona (também tinha piada, pois não tinha?) começava já a limpeza do seu nome!

Call Today For a Free Consultation

(conclusão da página anterior) “Ficas a saber.” Sorveu mais um trago de uísque. “Conheces uma que se chama Tamborim, toda vestida de heras e madressilvas, entre Almoster e Alvaiázere?” “De passar na estrada, Sr. Cordato. Mas nunca lá entrei.” “Nem precisas. Porque o cenário da diversão derradeira… há-de ser mais familiar.” Levou a mão ao interior da pesada pasta de couro e extraiu, envolto num retalho de camurça, aquilo que o Arménio presumiu ser um revólver. “Guarda isto no bolso.” Sem uma palavra, o ex-drogado executou. E apurou o ouvido para receber as complementares indicações. “Lady Esfregona (chamemos-lhe assim) apresenta-se por lá todas as noites de sexta-feira. Mas regressa bastante cedo, ao que me dizem. Entre a uma e as duas da manhã. O que há a fazer, portanto, é esperá-la naquele arvoredo, frente ao portão da quinta. Para maior segurança, dois tiros, ouviste? E deitas-lhe a mão à carteira. Para que fique bem evidente que se tratou dum assalto (de trágicas consequências)…” No seguimento de minuciosas recomendações quanto ao uso posterior do automóvel da vítima, o descarado instigador do crime sacou um macinho de cheques e passou logo um de 6 mil euros, ao portador. O resto, para a viagem e reacomodação no estrangeiro, – reclarificou –, seria pago de imediato após a execução do trabalhinho. O Serrabulho, entre deslumbrado e apreensivo, tomou nas mãos o documento e acabou por dizer: “Pensando bem, Sr. Cordato, acho que seria mais acertado

anular este cheque…” “Como assim? Duvidas que ele tenha cobertura?” “De modo nenhum! Mas tem de concordar que, tanto para mim como para si, quanto menos sinais do nosso envolvimento neste assunto… melhor!” “Pronto. Não há problema,” disse o empresário. “Preferes receber em dinheiro vivo? Seja! Será caso arrumado, mal cheguemos ao Troviscal.” Ficando as coisas assim combinadas, tomou cada um mais um uísque e iniciaram o regresso. Até que o das tintas e vernizes parou o carro junto à fábrica e pediu ao outro que aguardasse. Quando o mandante do crime regressou, procedeu à entrega da recompensa, em notas graúdas, num envelope sem timbre, imaculado. Arménio, receando um improvável vislumbre da secreta operação, voltou-se ligeiramente de costas para a rua; conferiu o dinheiro. E, fazendo menção de sair da viatura, logo Adalfredo se prontificou a levá-lo a casa, distante um quilómetro, quando muito. Mas o das limpezas recusou, dizendo que preferia ir a pé, que precisava de andar um bocado. Pelo que se despediram, na perspectiva de se falarem ainda, mais para o meio da semana. (Era isto numa segunda-feira.) E o impaciente condutor ainda lhe confidenciou, a meia voz, pela janela de vidro rebaixado: “Espero que tudo corra como se deseja.” “Há-de correr, se Deus quiser.” E logo se separaram. Acompanhemos agora, prioritariamente, o potencial candidato a homicida. E porque lhe apetecia na verdade perambular por aquelas várzeas, o ex-drogado meteu por um caminho que circundava

28

ENGLIH SECTION
serving the portuguese–american communities since 1979

1 de Setembro de 2009

Ideiafix

Miguel Valle Ávila
miguelvalleavila@tribunaportuguesa.com

portuguese

• engLish section

Parabéns, nossa TRIBUNA!

T

he Portuguese Tribune was founded in September 1979 in San José, California by Azorean immigrant João P. Brum as a weekly newspaper. The Portuguese Tribune was the 28th Portuguese newspaper to be founded in California since A Voz Portuguesa (Portuguese Voice) in 1884 in San Francisco, but the first since the Capelinhos wave of immigrants from the Azores. Since then, others were established, but none have survived — Notícia (1985-1986), Portugal-USA (1986-1987), Luso-Americano California (1992-1995), Portuguese-American Chronicle (1997-2006), and Lusitânia News (2006); even the old Jornal Português — a merger in 1932 of three earlier newspapers: O Imparcial (1903-1932), Jornal de Notícias (1917-1932, but previously O Arauto since 1896), and Colónia Portuguesa (1924-1932) — ceased to exist in 1997.

FC Porto had just won two backto-back league championships after a 19-year drought and totaled 7 total championship wins against Sporting’s 14 and Benfica’s 23 (now Benfica still leads with 31 followed by FC Porto with 24, and Sporting with 18). After coming to California, I used my first home PC to start the Clube Lusitânia newsletter at San José State University — the software had no spell check so multiple manual checks had to be made. During my years at SJSU, I met and became an admirer of Dr. Artur da Cunha Oliveira, editor of The Portuguese Tribune who was then elected to the European Parliament (1989-1994). In 1999, I became a regular contributor and eventually the English section editor for The Portuguese Tribune in 2003. In the early nineties, The Portuguese Tribune was prepared manually on light tables — columns were aligned manually onto light blue layout pages, photos were pixilated onto special photo paper and then hot glued onto the layout pages. Occasionally the hot glue would not stick properly and an ad, a column, or a photo would show up crooked on the final product.

1979 - 2009

Apple II and Apple iMac

Prime Ministers of Portugal and UK - Maria de Lourdes Pintassilgo, Margaret Thatcher, José Sócrates, Gordon Brown

Thirty years ago, things were so different... I was a young student at Ciclo Preparatório de Angra do Heroismo (5th and 6th grades) in the old Palacete Silveira e Paulo, a palace built in 1900-1902 by a rich cocoa farmer from Pico Island who made his fortune in a São Tomé and Principe plantation. I remember leading a demonstration against the school administration to prevent the school from becoming a closed campus. We really needed to be able to play soccer at the Escola Secundária asphalt fields a few blocks away if any of our teachers missed class (the second bell applied to students as well as teachers — this was democracy). My dream was to become a journalist (I would later add geologist to the list after the January 1st, 1980 devastating earthquake). I was unable to join the school newspaper because it was prepared during “Religião e Moral” (Religion and Morals) class and since this was an optional class, I did not sign up for it and did not believe that religion should be imposed in public school. I was publishing my own newspaper at home — Angra — to rival my brother’s — Terceira —, but since we only had one typewriter, we had to share it. His had better graphics (he turned out a designer and the Art Director of The Portuguese Tribune), but mine had better and more convincing ads and stories. A few years earlier, my dad had been the editor for O Lusitânia newspaper, the official paper for Sport Clube Lusitânia, at the time the winningest Azorean soccer team of all times; and my job was to place the mailing labels on the hundreds of copies he brought home.

19” all-transistor color TV and 55” LED TV

Even into the late nineties, The Portuguese Tribune was then prepared on a PC, printed onto paper, laid out on light tables, US Presidents and Secretaries of State: Jimmy Carter, Cyrus Vance, Barack Obama, Hllary Clinton and sent to the print shop. During this period, it relied on some contributors, but a significant number of pages were dedicated to news from Portugal. Under the current administration, significant changes were made — increase in number of contributors of all ages and opinions; focus on community events rather than news from Portugal that people can get to on the web, RTPi, or local Portuguese radio stations; commitment to a more in-depth English section; a website with the entire content of the newspaper with a worldwide readership; a new fresh layout and design; regular color pages; and a 100%+ increase in subscribers. From its original address on Alum Rock Avenue to the corner of 33rd Street to the rectory of Five Wounds Portuguese National Church to 27th Street to its current address in Modesto, The Portuguese Tribune has evolved and moved with the times.

Star Treck The Motion Picture ($56MM) and Star Trek The Future Begins ($382MM)

Concord Supersonic Jet and Airbus A380 Jetliner

Ford Pinto and Ford Taurus

Parabéns, nossa Tribuna!!! Que venham mais 30 anos.
Sony Walkman cassette player and Apple iPod/iPhone Space Invaders and EA Sports FIFA 2009 videogames

ENGLISH SECTION

29

Garrett Monteiro

All the Right Notes
Garrett, age 10. Last summer, Garrett and his family traveled to Lisbon, Portugal. Garrett studied with a music teacher there every day for a full month at the Academy of Portuguese Guitar music school. “It was an amazing place,” said Garrett. “The people and the culture was very different than here.” Garrett’s mom, Ines, said, “The instructor was very pleased with Garrett and had never had a student his age that took to the guitarra so well.” Garrett’s family has taken him to several Fado concerts in the Bay Area to give him inspiration. In addition to the guitarra, Garrett plays piano and saxophone. He practices about an hour or so a day. “You keep playing and playing a song over and over until you get good at it,” Garrett said. “It’s fun to practice because, when you finally get the song right, it feels great. It’s really a good feeling when you can play a song you have heard.” Garrett is a fifth grader at The Assumption School in San Leandro. “Music boosts my confidence and helps me raise my grades, too,” said Garrett. He is in the MUSE Program Honor Band. Playing before an audience can make anyone nervous. Garrett said, “To me, it depends on the audience. If it’s mostly people I know, like at school, I don’t get nervous before a performance. But if it’s a new audience, I can get stressed out.” Garrett’s dad was a drummer and always played music for Garrett when he was younger. Today Garrett enjoys a wide variety of music, from jazz to classical to rock. “I like Linkin Park and Rise Against. One of my favorite saxophone players is Stan Getz.” While music will always be an important part of Garrett’s life, at this time he isn’t sure what he wants to do for a career. Until then, he has a variety of interests.

Learning to play a musical instrument is never easy. But what if you wanted to learn to play an instrument that is rare? How do you find a teacher? For Garrett Monteiro, it meant traveling to Portugal! Garrett’s grandmother plays the Portuguese guitarra – an instrument that few people in the Bay Area have ever seen or heard. The 12-stringed guitarra is heard mainly in Fado (fah-doo) music, also known as the Portuguese blues. Why learn the guitarra? “I like a good challenge!” said

He is on the track and field team at school, loves video games (racing games are his favorite) and is fascinated with books about world records. Maybe he’s looking for his next challenges in those books. Source: Kidscoop.com Reprinting permission requested from NorCal Publishing

POSSO hosts The Undiscovered Island
Golf Tournament
The Portuguese Organization for Social Services and Opportunities (POSSO) of San Jose will be hosting its first golf tournament to benefit this non-profit community organization. The golf tournament will take place on Saturday, September 12, 2009 starting at 1 PM at the beautiful Eagle Ridge Golf Club in Gilroy. Following the tournament, a barbecued tri-tip and chicken dinner will be served at Gilroy’s IFDES Hall. Dinner is included with the tournament fees and is $40 for non-players. For more information, contact POSSO at 408.293.0877. The University of Massachusetts Dartmouth announces the publication of The Undiscovered Island, a novel by Darrell Kastin. This family novel is set in the Azores, to where Julia Castro, a second generation Portuguese-American, goes in search of her immigrant father who has mysteriously disappeared after moving back to his ancestral home. There Julia finds the mid-Atlantic islands abuzz with tales of ghost ships, seductive sirens and witchcraft. The mystery deepens when a drowned man’s body is discovered halfway up a mountainside and an unknown island emerges from the sea. As she pursues the search for her father, Julia gradually succumbs to the bewitching allure of the Azores—and to Nicolau, a fellow musician—eventually discovering a place where dreams lie just beyond the horizon, shrouded in mist. History, legend, poetry and myth are seamlessly interwoven as the novel explores relationships between personal and cultural identity, fate and self-determination, reality and illusion. /The Undiscovered Island/ is a lyrical evocation of a locale and a people, rendered with wonderful respect for Azorean tradition. Praise for The Undiscovered Island Karen Joy Fowler, author of The Jane Austen Book Club, avers that The Undiscovered Island is “a story of mystery and magic—magical appearances and mysterious disappearances, mysterious women and magical islands—beautifully and lyrically told.” Gregory Rabassa, the great translator of Gabriel Garcia Marquez’s One Hundred Years of Solitude, states the following: Blue Mesa Review and elsewhere. He is currently setting the poetry of Luís de Camões, Fernando Pessoa, and Florbela Espanca to music. The Undiscovered Island, which was sponsored in part by the Government of the Autonomous Region of the Azores (Carlos Cesar, President), is the twelfth volume of the Portuguese in the Americas Series published by the University of Massachusetts Dartmouth Center for Portuguese Studies and Culture. The Series documents the variety and complexity of the PortugueseAmerican experience by publishing books in the social sciences, history and literature. For more information visit: http:// www.portstudies.umassd.edu/pas/ index.html The books in the Series, which are distributed by Small Press Distribution of Berkeley, California, are available for purchase at Amazon. com, Baker Books in Dartmouth, and the UMass Dartmouth Campus Store. For more information, contact the Center for Portuguese Studies and Culture by calling 508999-8255 or sending an email to greis@umassd.edu Center for Portuguese Studies and Culture Frank F. Sousa, Director University of Massachusetts Dartmouth 285 Old Westport Road North Dartmouth, MA 02747 1.508.999.8255 portuguesestudiescenter@umassd.edu www.portstudies.umassd.edu

Eagle Ridge Golf Club is located at 2951 Club Drive in Gilroy, California. The Portuguese Organization for Social Services and Opportunities (POSSO) is a non-profit charitable corporation dedicated to the enrichment of the total community by improving the quality of life, community involvement, and opportunities of its Portuguese-speaking population. In pursuit of this mission, the organization acts as a bridge to the greater community, providing social, recreational, cultural and educational activities as well as mobilizing support for other community programs that protect and enhance the human potential. POSSO is located at 1115 East Santa Clara Street in San Jose, California

“After Ulysses founded Lisbon as legend has it, he sailed off into forbidden waters and landed on the isle that held the fountain of Purgatory as Dante had it. Might this have been the Azores? The Undiscovered Island could confirm the fact, as all of Portuguese history, so legendary as it is, comes to a kind of culmination on these isles. Time is of no avail as its end and passage convene in this novel in what is a romp of detective story, epic, and family quest. What a great read!” About the Author Darrell Kastin was born in Los Angeles, California. His maternal ancestors came from the Azores, settling in the United States at the end of World War II. He has spent considerable time on the islands over the years, using them as a setting for many of his short stories, which have appeared in The Seattle Review, The Crescent Review, The

30

ENGLISH SECTION

1 de Setembro de 2009

California Chronicles

Ferreira Moreno

August in the
Most Holy Savior of the World in Ribeirinha da Ribeira Grande, and ends with the festival of Senhor Born Jesus da Pedra at Vila Franca. In closing, it is worthwhile to mention that August is also the month allocated for the people of the Azores to pay homage to some of their favorite saints, such as St. Cajetan on the 7th, St. Laurence on the 10th, St. Clare on the 12th, St. Rock on the 17th and St. Bartholomew on the 24th. Throughout-the Azores Islands, we can find towns and parish churches named after those saints. Their feast—days have always been celebrated with much devotion and loving joy by the faithful.

A

Azores

t the moment, I don’t have an updated calendar listing all the festivals, religious or otherwise, occurring in the Azores Islands during the month of August. However, retroceding to the time of my departure from the Azores and my arrival in California half a century ago, precisely in August of 1955, I recall that the calendar for August was filled with a most diverse assortment of festivities, church processions and cheerful family excursions, transforming August into a month of wonderful memories. It all lasted from the beginning until the end of the month, like a well organized pilgrimage where piety would mix with exuberant joy. The weather seemed to concur with the all around merrymaking. To counterbalance the heat, there was always the option of enjoying a whiff of freshness and relaxation under a shady tree. The air was sweet with the fragrance of grapes, apples and apricots, cantaloupes and watermelons. Essentially, August was a month reserved and dedicated to Our Blessed Lady. On the Island of Sao Miguel, for instance, it opened with the feast of Our Lady of the Snows in the town of Relva, and closed with the feast of Our Lady of Victories at Santa Barbara da Ribeira rande. By the middle of the month, on August 15, the celebrations reached a high point, with the feast commemorating the Assumption of the Virgin Mary. According to Tradition, it is believed that Mary was taken up to Heaven by the Angels, so she became known as Our Lady of the Angels.

A

It is with that title that she is honored at Faja de Baixo and Agua de Pau, on Sao Miguel Island, as well as on Santa Maria Island in the hamlet called Anjos, where a little church named Our Lady of the Angels has stood since the early settlement of the island in the 15th century, when a makeshift chapel was built on the site. Curiously, in February of 1493, aboard the “Nina” on his return voyage of discovery, Christopher Columbus anchored in view of that site, and some of the crew went ashore to pray at that primitive chapel. With the invocation of Our Lady of Ajuda (Help), she is honored at Fenais da Ajuda, 8retanha and Covoada, on S, Miguel Island, at Santa Barbara on Terceira Island, at Santa Cruz on Graciosa island, at Pedro Miguel on Faial Island and at Prainha do Norte on Pico Island. s Our Lady of the Gloria (Glory), as well as Our Lady of the Assuncao (Assumption), she receives due homage, respectively, at Santo Espirito and at Vila do Porto, both on Santa Maria Island. As Our Lady of Livramento (Deliverance) she is honored on S Miguel Island at the locality called precisely Livramento. As Our Lady of Victory, she is still venerated at Vila do Porto on Santa Maria Island, and was equally venerated in the past at Vila Franca and at Relva, on Sao Miguel Island. Those little churches have since disappeared, but on the shores of Furnas Lake, on Sao Miguel, stands the beautiful Ermida Nossa Senhora das Vitorias. Also, on Sao Miguel Island, the month of August begins with the festival of the

Join us in bringing more content and even better quality to the oldest Portuguese bilingual newspaper on the West Coast. Subscribe TODAY for only $40/year!
Portuguese Historical and Cultural Society Established 1979 to preserve the history of the “Pocket” area of Sacramento.
In the mid 1800s Portuguese settlers arrived in the Sacramento area. Some sought gold; others established farms, dairies, orchards, and the like. Many settled south along the Sacramento River where the soil was rich and fertile, and where, together, they formed religious societies, cooperatives and schools. As Sacramento city spread to the suburbs in the ‘60s and ‘70s farmland was sold and developed. The history of the Portuguese settlers in the Riverside-Pocket was disappearing.

Gala Banquet Invitation

Portuguese Historical AND Cultural Society, Sacramento

30th Anniversary • 1979 – 2009
30th Anniversary Gala Banquet Join Us Sunday, September 13, 2009
1:00 p.m. - Reception 1:30 p.m. - Luncheon and Program Honoring past PHCS Presidents, followed by live Portuguese music. Gala Location: Sacramento Portuguese Holy Spirit Society SPHSS Hall, 6676 Pocket Road $35 per person includes: New York Steak & Scampi, Portuguese Wine and Dessert Table for 10 - $300 (reserved seating with name recognition) Limited seating available! Please make reservations by September 8, 2009

Sacramento Portuguese-American Historical Committee (PHCS) was formed in 1979 by a group of people to educate others on the important contributions made by the Portuguese and to honor those who had given so much of themselves to the land. Working with City, County and Portuguese governments and local residents, and through grants, contributions and fundraisers, PHCS established a Portuguese-themed community park and succeeded in having many streets and other area parks named for the early pioneers. The informational bulletin became a popular quarterly newsletter, “O Progresso” and membership increased. PHCS members participated in local civic events, exhibits, and parades, and published Portuguese Pioneers of the Sacramento Area (1990; Second Ed., 2003). Today PHCS continues to be active in civic events, to promote and support Portuguese in education, literature and arts, and wherever and whenever possible, to seek out venues by which to educate and inform the general public about Portugal, the Portuguese people and their contributions to California and its diverse culture and economy.

For more information call Ralph Nevis at (916) 421-7161 Remit to: PHCS, P.O. Box 161990, Sacramento, CA 95816

TAUROMAQUIA

31

32

ÚLTIMA PÁGINA

1 de Setembro de 2009