You are on page 1of 21

Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.

ciberescritas.com/?p=5113

O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem
26 Agosto 2009 - 12:23

(fotografia de Joyce Tenneson )

1 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Gay Talese na primeira pessoa

um dos seus textos emblemáticos, Sinatra está constipado, publicado pela Esquire, em 1966, o jornalista norte-americano Gay Talese fez um
perfil inesquecível do cantor sem nunca ter falado com ele. Durante a Festa Literária Internacional de Paraty o escritor explicou o que o levou
a partir em busca de uma jovem chinesa que para ele representava a ova China, uma reportagem que ninguém queria publicar. Um dos seus
livros, “Honra o Teu Pai”, foi este ano editado em Portugal. Por Isabel Coutinho

Se somos repórteres de investigação, investigadores sérios, não temos maneira de evitar o contacto directo com as pessoas que queremos
compreender e sobre as quais queremos escrever. Dou-vos um exemplo.
Em 1999, eu estava muito deprimido a ver televisão na minha casa em Nova Iorque. Era Verão, mês de Julho. Estava a meio da escrita de um livro
e não sabia para onde ir. Decidi ver televisão porque é uma maneira de não se pensar (mudar de canal, mudar de canal, mudar de canal sem parar).
Fui parar a um canal onde estava a ser transmitido um jogo de futebol feminino. A equipa chinesa versus a equipa norte-americana. O jogo estava a
ser realizado na Califórnia, no Rose Bowl, 90 mil pessoas estavam a assistir no estádio à final do campeonato mundial. Como não tinha mais nada
para fazer, assisti, sem sequer saber as regras do jogo.

Estava interessado nas mulheres chinesas porque uns meses antes, em Março de 1999, durante o conflito bósnio, os americanos tinham
acidentalmente bombardeado a embaixada chinesa na Jugoslávia. Houve uma grande controvérsia sobre se o bombardeamento da embaixada
chinesa em Belgrado tinha sido deliberado - como os chineses afirmavam ser -, ou se tinha sido um acidente, como os americanos defendiam,
explicando que o mapa de Belgrado estava desactualizado e que tinham atacado o sítio errado sem saber.

Meses depois, na final do campeonato mundial feminino de futebol, as mulheres da China estavam a jogar contra as mulheres dos Estados Unidos.
Isto não tinha nada a ver com política, mas o desporto tem tudo a ver com política. Este jogo de futebol tinha uma dimensão para além do desporto.
Juntava a China e os Estados Unidos como gigantescos adversários num novo mundo. Um mundo em que a Ásia estava a aproximar-se do
Ocidente.

Vi aquele jogo, estava 0-0 no marcador, mulheres a correrem de um lado para o outro do campo.
Tal como vos disse antes, estava a pensar nas mulheres, chinesas, porque me ocorreu que aquelas jovens que tinham 20, 23, 25 anos, eram as filhas
das mulheres da Revolução Cultural Chinesa dos anos 60.
Eram as netas das mulheres que viveram na China antes da revolução que Mao levou para aquela terra em 1949. Podiam ser netas de mulheres que
andaram com os pés ligados. Aqui tínhamos as netas com os pés livres, com chuteiras, fabricadas pela Adidas e pela Nike. Eu estava a ver
televisão, a ver um jogo que era importante, um campeonato do mundo, mas eu também estava a ver a evolução das mulheres chinesas. Mulheres
que vieram da Revolução Cultural de Mao ou até antes, do Período Imperial, até à Idade Moderna, até à era da tecnologia, até à era do triunfo.
Pensei: não é a um jogo que estou a assistir na televisão, isto é História.

Perseverança
Já tinham passado quase três horas deste jogo (Meu Deus!) e ainda estava 0-0 no marcador. Foi preciso um desempate por penáltis. As mulheres
chinesas e as americanas marcaram à vez. E das dez jogadoras só uma falhou.
Quem falhou o golo foi uma mulher chinesa e as chinesas perderam o jogo. As americanas desataram aos saltos, a abraçarem-se de alegria (o
presidente Clinton estava a assistir no estádio), os americanos abanavam as suas bandeiras, cheios de contentamento.

2 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Pouco depois as mulheres chinesas, cabisbaixas, abandonaram calmamente o campo.
Estava a olhar para a mulher que falhou o golo e pensei: aquela mulher experimentou aquilo que poucas mulheres chinesas da sua geração
experimentaram. Se calhar até nunca ninguém na China o experimentou: estar exposta no momento em que se falha. Falhar em frente a milhões e
milhões de pessoas (o jogo estava a ser transmitido mundialmente). Na China as pessoas tinham ficado acordadas madrugada dentro para assistir.

E agora, aquela rapariga tinha de se meter num avião com as suas colegas e regressar a Pequim. Era uma viagem demasiado longa.
Eu tinha que conhecer aquela mulher. Não há maneira de “googlar” esta rapariga. Não se pode fazer isto à distância. Tinha que a encontrar. Mas
como se encontra aquela mulher chinesa quando não se fala uma única palavra de mandarim ou de cantonês? Eu nunca tinha ido à China, não
conhecia ninguém na China, mas precisava de a ver. Precisava de ir lá.

Talvez algum dos editores de revistas que conheço me enviasse à China para eu escrever a história desta asiática. Os jornais do dia seguinte nos
Estados Unidos e as revistas que foram uma semana depois para as bancas, todos tinham nas suas capas o triunfo das jogadoras americanas.
Ninguém tinha uma entrevista com as chinesas e ninguém falou com a rapariga que falhou.
Eu acredito que há sempre histórias interessantes nas pessoas que perdem.
Isto passou-se quando eu tinha 67 anos, era dez anos mais novo do que sou agora, mas quando eu tinha 27 era repórter desportivo e escrevia para o
ew York Times.

O meu primeiro trabalho como jornalista foi na secção de desporto. Nessa altura aprendi que os jogadores mais interessantes com quem ter uma
conversa eram aqueles que tinham tido uma experiência triste, que tinham feito alguma coisa errada, porque experimentaram algo que era
devastador no final do jogo, mas era também uma experiência de vida. No futuro eles tinham que esquecer e ultrapassar o acontecido para
conseguirem persistir como atletas.
Em 1999, quando estava a ver aquele jogo e vi aquela rapariga a abandonar o campo, lembrei-me disso e achei que ela tinha alguma coisa para me
contar.

No dia seguinte vi que os jornalistas desportivos tinham ignorado a rapariga completamente. Liguei então aos editores amigos - conheço muitos em
Nova Iorque - a perguntar se queriam que eu escrevesse alguma coisa sobre esta mulher porque, explicava-lhes eu, ela representava algo de novo
na China.
É uma mulher que se transforma numa figura pública, tem a sua cara na televisão, no seu país todos sabem quem ela é, de certa maneira encarna e
representa a derrota da China. Ninguém estava interessado. Só me diziam que não havia história nenhuma aí. “Não vamos gastar dinheiro para te
meter num avião para a China, quem é que quer ler sobre isso?”, perguntavam. Eu queria, mas eles não.
Só havia uma maneira de o fazer: ir às minhas custas.

Fiquei umas semanas a pensar naquilo e meti-me num avião para a China. Disse à minha mulher que ia. Ela perguntou: “Porquê?” Respondi que
precisava de ver aquela mulher. “Quem quer saber? Quem vai publicar isso?”, perguntou ela. “Não sei”, respondi. “Ninguém quer publicar isto.
Mas eu tenho que ir, tenho 67 anos. Quanto tempo irei viver mais? Se não o fizer agora, quando o poderei fazer?”
Meti-me num avião, fui de Nova Iorque para Hong Kong, arranjei um visto. Fui para um hotel bom. Quando estou no estrangeiro costumo ir para
hotéis caros porque quando estamos num país de que não percebemos a língua, os porteiros dos hotéis caros sabem sempre falar línguas
estrangeiras e falam inglês. Apanhei dali um avião para Pequim, apanhei um táxi e fui para o hotel que me aconselharam, o China World. Entrei,
levaram-me as malas, fui ter com o porteiro e disse-lhe que queria saber se em Pequim existia um escritório da Nike ou da Adidas. Enquanto

3 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

assistia ao jogo de futebol eu tinha notado que as mulheres tinham o patrocínio destas marcas. Se eu chegasse aos patrocinadores, talvez eles
tivessem acesso ao treinador ou ao ministro do Desporto chinês. O porteiro disse-me que havia um escritório da Nike em Pequim. Pedi-lhe que
telefonasse para lá e perguntasse se existia alguém no escritório da Nike que falasse inglês. Havia um senhor que sabia falar inglês na Nike, era o
senhor Li. “Ah, sr. Li”, disse-lhe ao telefone. “Vim de Nova Iorque, fui jornalista desportivo, Gay Talese, blá, blá, blá e gostaria de almoçar
consigo.”
“Quando?”, perguntou ele. “É possível hoje?” Ele disse: “Está bem, almoço consigo. Qual é o assunto?”. “Deixe-me dizer-lhe ao almoço qual é o
assunto”, retorqui. Primeira regra: nunca dar ao telefone demasiada informação sobre o assunto que queremos abordar porque a pessoa pode dizer
que não quer falar. (Nunca expliquem, pelo telefone marquem só um encontro.)

Enfiei-me num táxi, demorei meia hora a chegar àquele quarteirão em Pequim, havia muito trânsito naquela altura, em 1999. Cheguei ao escritório,
a secretária disse-me que o senhor Li já vinha, saímos para almoçar do outro lado da rua. Explicou-me que tinha vivido no Oregon, nos EUA, onde
trabalhava nos escritórios da Nike e foi assim que aprendeu a falar inglês.

Ao almoço quis saber a razão para eu estar ali. Disse-lhe que queria que me ajudasse. “Ohhhh. O que quer que eu faça?” Quero que me apresente
ao treinador da equipa feminina de futebol. “Porquê?” Quero falar com ele e quero que ele me apresente a mulher que falhou o penálti no jogo
contra os Estados Unidos. “Porque é que quer fazer isso?” Porque ela representa a Nova China. “O que é que quer dizer com isso?” Aquela mulher
vai ter que persistir na China depois de ter vivido um momento triste no Rose Bowl. A China é o país da perseverança, atravessou séculos de
colonialismo, as guerras do ópio, ultrapassou todas as adversidades. A China e aquela jovem mulher são o símbolo da perseverança - eu ia
imaginando todo este discurso à medida que o fazia e o senhor Li disse-me: “Vai ter que fazer esse pedido por escrito. Tem que explicar por que é
que quer falar com essa mulher. Por que razão quer que o Ministério do Desporto a disponibilize para uma conversa consigo. Escreva isso, amanhã
telefone-me.”

Olhei-a nos olhos
Regressei ao hotel, tinham um escritório, tinham computadores - eu não uso computadores, mas escrevo rápido neles -, mas fiz esse ensaio de duas
páginas sobre a China e a perseverança e no dia seguinte o senhor Li veio ao hotel, leu-o e levou-o para o ministro. Passaram dois dias, vagueei
pela cidade, havia muita gente ainda vestida com os uniformes cinzentos do tempo de Mao - evocando a velha China - contrastando com uma outra
China moderna, jovens vestidos à maneira ocidental com bonés e com ténis. Dois dias depois, o senhor Li telefonou-me a avisar que um intérprete
e dois chineses do Ministério do Desporto me viriam buscar e me levariam para o estádio de futebol onde as atletas treinavam. Poderia falar com o
treinador e dizer algumas palavras à jovem chinesa, miss Liu Ying. Agradeci-lhe.

No dia seguinte, vieram buscar-me, trocámos cartões-de-visita - eu tinha mandado fazer uns também em chinês - e fomos para uma zona onde
havia uma base militar com um campo de futebol. Era numa zona isolada de Pequim e as atletas chinesas naquela altura (Agosto de 1999) estavam
a treinar-se para os Jogos Olímpicos que iriam realizar-se na Austrália. O meu intérprete explicou ao treinador que eu tinha vindo de Nova Iorque,
que era um escritor, e que queria falar com a jovem que falhou o penálti. Ele olhou-me com cara de poucos amigos e disse que eu tinha cinco
minutos.

Levaram-me para outro sítio, disseram-me para esperar e pouco depois um outro homem apareceu com a rapariga que eu tinha visto na televisão
há um mês, Liu Ying. Ela era muito pequena, muito tímida e não falava uma única palavra de inglês. Eu não falava mandarim e o intérprete não era
muito bom. Eu disse qualquer coisa e ele demorou dez minutos a traduzir para chinês aquilo que eu disse. Ela estava estupefacta e aquilo

4 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

continuou. Ela disse qualquer coisa e aquilo continuou. A tradução era um desastre. Mas olhei-a nos olhos. Cinco minutos depois disseram: “A
entrevista acabou, muito obrigada. Conseguiu aquilo que queria?” Respondi: “Não, não consegui nada.” “Bem, é só o que tem.”

O carro estava à minha espera e eles levaram-me do sítio onde aquelas mulheres estavam a treinar de regresso ao meu hotel. Acredito que eles
achavam que tinha conseguido o que queria, mas eu não tinha nada, não havia uma palavra que pudesse aproveitar daquela entrevista. Mas, como
repórteres de investigação, como escritores de não-ficção, temos que ser perseverantes, a palavra que eu insistentemente tinha referido ao treinador
chinês.
Por isso perguntei, então, ao homem da Nike se haveria alguma possibilidade de eu falar com a mãe da rapariga, porque ela não estaria controlada
por ninguém do Ministério do Desporto como a sua filha estava.

Sabia que a mãe vivia em Pequim. Ele disse que ia tentar saber onde, e eu, desta vez, pedi um intérprete que fosse muito bom, que soubesse falar
mandarim e inglês muito bem.

Três gerações
Por que é que eu queria conhecer a mãe? Pareceu-me que a história daquela rapariga seria mais bem contada pela mãe. Queria que aquela história
fosse contada pela mãe, pela filha e pela avó, se ela estivesse viva. Esqueçam a jogadora de futebol, a mãe tinha-se tornado a personagem que me
interessava.

Uma semana depois descobriram onde a mãe da rapariga morava. Conheci-a no átrio do hotel, levei-a a almoçar, disse-lhe o quanto admirava a
perseverança da filha, mas o que eu queria é que ela falasse dela. E a mãe começou a falar.
Tinha vivido numa quinta, era de uma família culta. Quando ela era pequena, a sua família pertencia à minoria que tinha recebido educação. Em
consequência disso, os seus pais, durante a Revolução Cultural, tinham sido condenados como burgueses, tinham sido castigados e ostracizados.
Quando ela me contava isto explicou que a mãe dela vivia numa casa ao lado da sua. Pedi para a conhecer. Fui então no dia seguinte à sua casa -
uma casa tradicional chinesa - e conheci a avó. Tinha perto de 77 anos, tão velha como sou agora, e contou-me como era a vida na China quando
ela era uma rapariga, antes da Revolução, no tempo do Último Imperador (eu tinha visto o filme de Bernardo Bertolucci e aquela era uma mulher
que tinha estado lá).

Dez dias depois de ter chegado a Pequim já tinha conhecido três mulheres da mesma família e percebi que a jogadora de futebol não era o
interessante. As mulheres mais velhas é que eram a minha história. Telefonei à minha mulher a dizer que ia ficar mais tempo. Fiquei em Pequim
mais três meses.
Nesse tempo conversei com a mãe - levava-lhe presentes, levava-a a almoçar naqueles restaurantes tradicionais -, e nesses três meses fiquei a saber
a história daquela família. Estabeleci-me, com boas intenções, como uma espécie de amigo. Às vezes os jornalistas estão numa relação adversa com
as pessoas sobre as quais estão a escrever. É preciso ultrapassar isso e podemos fazê-lo com tempo, com paciência e com boas maneiras. Não sei se
há alguma coisa que ajude mais um escritor de não ficção do que as boas maneiras. Saber aproximar-se de pessoas diferentes com deferência, com
cortesia.

Espero que não se sintam ofendidos [dirige-se aos jornalistas, na conferência de imprensa na Festa Literária Internacional de Paraty], mas também
é importante estar bem vestido. Como já devem saber, o meu pai era alfaiate, nasceu em Itália e quando estamos em países diferentes do nosso,
seja no Brasil, seja na China, em África, estar bem vestido pode fazer a diferença na decisão das pessoas nos abrirem ou fecharem as portas.

5 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Quando um jornalista bate à porta de alguém o que está a fazer? Está a vender qualquer coisa. E o que está a vender? Está a vender-se a si próprio.
Está a dizer: “Aqui estou eu, à sua porta, não sou nenhum ladrão, não sou um gangster, não estou aqui para lhe pedir dinheiro.”

Sei que isto pode parecer pateta, mas resulta comigo, as boas maneiras e estar apresentável. Afinal de contas, estamos à porta de casa das pessoas e
para nos deixarem entrar têm que pensar: “Ele não tem ar de quem vai aproveitar-se de mim”. Depois de nos deixarem entrar temos que justificar a
razão para estarmos ali. No meu caso queria escrever sobre a nova China do ponto de vista das mulheres. E foi isso que fiz.

Em Agosto de 2000 fui acompanhar os Jogos Olímpicos, em Sydney, na Austrália. Queria assistir ao jogo em que os Estados Unidos iriam jogar
contra a China e imaginava que a rapariga que tinha falhado o penálti naquele dia de Julho de 1999, na Califórnia, iria agora marcar um golo que
daria a vitória. Seria um grande final para a minha história.
Nada disto aconteceu.

A pequena rapariga lesionou-se na primeira fase dos Jogos Olímpicos. A China não ganhou, perdeu contra a Noruega, acho eu, nas semifinais.
Nada aconteceu como eu previa. Isto importa? Não. Porque eu tinha uma personagem, tinha uma família.

A arte de andar por aí
Às vezes como escritores, como jornalistas (desportivos, políticos ou culturais), temos noção de que determinada coisa vai ser a nossa história e não
é. A nossa história muda e não se pode prever o que vai acontecer. O que temos a fazer é estar lá.
Deixo-vos a minha frase: Pratiquem a arte de hanging out, a arte do andar por aí. É o que faço desde que comecei aos 27 anos a ser jornalista
desportivo: convivo com as pessoas. Vocês não têm que as entrevistar, não têm que fazer perguntas e ter as respostas de alguém.
Frank Sinatra nunca falou comigo. Quando fui a Havana com Mohamed Ali ele nunca falou comigo porque já estava demasiado doente com
Parkinson para eu conseguir perceber o que dizia. Não precisamos de Sinatra nem de Ali. Falámos com as “pequenas” pessoas que andam à volta
deles.
Na China fiz a mesma coisa. Nunca falei de verdade com Liu Ying, a jogadora de futebol, eu não a percebia e ela não me percebia. O que é que
isso interessa?
Escrever não é o som das palavras, é o que vocês fazem com as palavras no papel. E como vocês vêem a história. Vejam a história como um filme,
como se vê uma cena num filme.
Eu tinha a história destas três mulheres e a história da desilusão, do desapontamento, com que todos nós, em qualquer parte do mundo, nos
podemos identificar. Tinha a história daquela jovem jogadora, hoje treinadora de futebol num liceu, que nunca tinha conseguido fazer um golo de
vitória, nunca se tinha redimido daquele incidente na Califórnia. Mas isso não abalou a minha história. Porque a minha história era sobre carácter,
sobre redenção, resignação, perseverança.
Escrevi esta história. Aparece no meu livro The Writer’s Life (ed. Knopf). É assim que se investiga. Temos que estar lá. Na pré-era do Google, não
se podia ‘googlar’ nada disto, era preciso apanhar um avião, levantar o rabo da cadeira e ir lá.
Podem dizer-me: não temos dinheiro para ir à China. Se vocês quiserem mesmo ir , vão arranjar maneira de ir. O dinheiro não é o factor essencial.
A persistência e a determinação é que são.

A partir da conferência de imprensa que o escritor e jornalista Gay Talese, uma das referências do jornalismo literário, deu durante a FLIP -
Festa Literária Internacional de Paraty, Brasil

6 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

(artigo publicado no suplemento P2 do jornal PÚBLICO no dia 24 de Agosto de 2009)

Partilhar esta Entrada

***

Deixe um comentário

Nome (Obrigatório)

E-Mail (Não será publicado) (Obrigatório)

Página pessoal

Sobre

Este é um blogue do PÚBLICO, escrito por Isabel Coutinho. Desde 1996, a jornalista assina semanalmente a coluna Ciberescritas sobre o futuro
dos livros, a presença de escritores na Internet e a relação entre as novas tecnologias e a literatura. isabel.coutinho@publico.pt

Isabel is at home in Lisbon.
Isabel Coutinho's Profile

7 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Create Your Badge

Entradas recentes

O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem
Uma semana noutro mundo
Ai que bom é O Cheiro do Ralo
A semana em que o meu mundo encolheu
Finalistas do Prémio Jabuti já são conhecidos

Categorias

Agenda
Ípsilon
Bibliotecas
Blogosfera
Ciberescritas
Concurso
Desarrumados
Despedida
Ebooks
Editoras
Editores e Livreiros
Em viagem
Encontros literários
Entrevista

8 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Erro
Escritor
Exposição
Feira
Ficção
Filme
Gay
Internet
Leituras & Sons
Livrarias
Livros
Marketing
Meta
Morte
Opinião
Podcast
Poesia
Prémio
Prémios
Regresso ao passado
Revista
Som
Twitter
Vídeo

Tags no del.icio.us
AgentesLiterários AliceSebold Amazon biografia blogues BookExpo books Brasil e-book ebooks editoras; ELPAIS Frankfurt2008 Gregory Internet
iPhone JKRowling Kindle ManBooker2008 media newspapers NYT PatKavanagh Philippa RosaMontero Technology&Science Tendências TheGargoyle
Twilight twitter

Arquivos
Agosto 2009
Julho 2009
Junho 2009
Maio 2009

9 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Abril 2009
Março 2009
Fevereiro 2009
Janeiro 2009
Dezembro 2008
Novembro 2008
Outubro 2008
Setembro 2008
Agosto 2008
Julho 2008
Junho 2008
Maio 2008
Abril 2008
Março 2008

Tradutor

Miniaplicações fornecidas pela
Google

Agentes Literários
Brillig
The Swivet

Ao início do dia
A Viagem do Elefante - Rota portuguesa
Beatrice
Beyond Hall 8
Bibliofilmes
Bibliotecário de Babel
BlogTailors
Blogue de Flavio Moura (director de programação da FLIP)
Blogue Feira de Frankfurt
Blogue Fundação José Saramago
Blogues da Publishers Weekly

10 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Book Fox
Books the Blog
Bookslut
Booktrade
Cadeirão Voltaire
Ciberescrituras
Collision Detection (Clive Thompson)
Critical Mass
Da Literatura
Dear Author
Dicas & Tricas da Língua Portuguesa
EarlyWord
eCuaderno (J.L. Orihuela)
Ediciona
Elocuencias de un Tartamudo (Eduardo Halfon)
Galley Cat
Grumpy Old Bookman
Indústrias Culturais
Jacket Copy
Journalism.co.uk
La République des Livres (Pierre Assouline)
Letra de Forma (Augusto M. Seabra)
MediumAtLarge
O Caderno de Saramago
Odisséia Literária (Leandro Oliveira)
Off the Shelf
Origem das Espécies (Francisco José Viegas)
Palavra de Homem (Felipe Machado)
Papel en Blanco
Paulo Roberto Pires (blog na Bravo)
PersonaNonData
Phenix & Phenix Literary Publicists
Prosa Online
Reluctant Habits (Edward Champion)
Reluctant Habits (Edward Champion)
Rui Tavares
Sara Nelson
Sinusite Crónica

11 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

The Book Publicity Blog
The Connected Republic
The Elegant Variation
The Reading Experience

Doida por comida

All Things Chill
Épices et Compagnie…
C’est moi qui l’ai fait!
Clea Cuisine
Cuisine Guylaine
La Popotte de Manue
Recipe Book
The Wednesday Chef
Trem Bom

E a pedalar me encantam
Cenas a Pedal
Copenhagen Girls on Bikes
Cyclechic
Massa Crítica
Riding Pretty
Utilizar a Bicicleta na Cidade
Vélo Vogue

Editores & Livreiros
1979
ArtBookTalk
Assírio & Alvim Blogue
Blogue da Bico de Pena
Bookpublishing
Leya
Livraria Poesia Incompleta
Livros de Areia
Meet at The Gate

12 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Oficina do Livro (o blogue)
Pó dos Livros
Publishers Marketplace
Quetzal
Rua de Castela
Textos de Contracapa, 2
The Barnes & Noble Review

Em arrumação

João Tordo
Los Dias contados
Mal Menor
Nerve Blogs
Nuno Júdice
O Caderno de Teoria e Técnicas de Edição
O Papalagui
O que cai dos dias
Prazer Inculto
Richard Zimler
Rita Redshoes
Rititi
Rui Zink versus livro
Sem bikini
Sobre Edición
Steven Shaviro
Stuff White People Like
TeleRead
The Midnight Bell

Engenhoqueiros
Appleinsider
Biovolts
Blogue da Patrícia Furtado
Celso Martinho
Centopeia
David Pogue

13 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Engadget
FactorMac
GadgetoBlog
Gizmodo
KeroDicas.com
Marcre 2.0
O’ Reilly Radar
Paulo Querido
Peopleware
Ponto Media
Quatro Paredes
Reflexões de um cão com pulgas…(Pedro Aniceto)
Sociedade Global (Carlos Duarte)
Steven Levy
Tec&Net (Alexandre Brito)
Tecnopolis
The Frontal Cortex (Jonah Lehrer)
Webismo

Jornais & Revistas
Ípsilon
Babelia do El País
Blogue da revista Ler
Blogue do JL
BookBrunch
Bookforum
Bookseller+Publisher
Contracapas
El Mundo
Folha de São Paulo
Folha online
Fray
Granta
La Vanguardia
Le magazine-litteraire
Le Monde
Lire

14 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Livres Hebdo
London Review of Books
Los Angeles Times
Newgeek Magazine
Nouvel Obs
O Estado de São Paulo
O Globo
Público.pt
Portal Literal
Prosa & Verso Online
Pub Crawl
Publishers Weekly
Publishing 2.0
Publishing News
Que Leer
Revista Atlântico
Revista Bravo
Revista Piauí
Revista Sábado
Revista Veja
Salon
Shelf Awareness
Slate
Spectator Magazine
The Bookseller
The Boston Globe
The Independent
The New York Observer
The New York Review Of Books
The New York Times Book Review
The New Yorker
The Paris Review
The Times Literary Supplement
USAToday Life
Wired

L’air du temps

15 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Blogue da ModaLisboa
Cool Hunting
The Sartorialist

Onde passo as noites

Ana de Amsterdam
As aranhas (Luís Miguel Oliveira)
Blogue de anotações (João Paulo Cuenca)
Casa de Osso (valter hugo mãe)
Cidades Escritas (Paulinho Assunção)
Derek Powazek
Estado Civil (Pedro Mexia)
f-world
irmaolucia
João Pereira Coutinho
Jugular
Little Little Words
Loja de 300 (Fátima Ribeiro)
Maud Newton
Miss Dove
Os livros ardem mal
Pastoral Portuguesa (Rogério Casanova)
Pedro Rolo Duarte
Senhor Palomar
Shelfari
SushiLeblon
Titlepage.tv

Queer
all of me
Cacaoccinio
Hejin
Lésbica: simples ou com gelo?
Lesbosfera
Oráculo de Lesbos
Queer Girls

16 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Sem bikini

Queridos E-books
BlogKindle
Booksquare
Caffeine Nights Publishing
Cartwright Reed
Diário de José Afonso Furtado
E-reads
eBooks About
eBouquin
El blog del futuro del livro
Electronic Book Review
ePub Books
if:book
Joe Wikert’s Kindleville Blog: All Kindle, All the Time
Joe Wikert’s Publishing 2020 Blog
La Feuille
Ler Digital (blogue de Ricardo F. Diogo)
Libros & Tecnología
Lorenzo Soccavo
MobileRead News
O’Reilly’ Toc -Tools of Change for Publishing
Pirate Coelho
Print is Dead
Publishing Frontier
Reading Ahead (Harold Augenbraum)
Soybits
TeleRead:Bring the E-Books Home

Ver também
2008 (Patrícia Reis)
5dias.net
A Causa foi modificada
A Espuma dos Dias
A Terceira Noite

17 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Abrupto (José Pacheco Pereira)
Alcameh
Ar do Tempo
Blogue de Paulo Coelho
Blogue dos Marretas
Buzz, Ball & Hype (M.J.Rose)
Café da Manhã
Cartas Portuguesas
Casa da Leitura
Casimiro de Brito
Causa Nossa
Câmara Clara
Chico Buarque
Ciência ao Natural
Corta-fitas
Daniel Asa Rose
Desmitos
Era uma vez um rapaz
Impressões Digitais (Leonardo B.)
José Luís Peixoto no hi5
Livros [s]em critério
Meditação na Pastelaria
Miguel da Rocha Cavalcanti
Miniscente
Mundo de Series
Mundo Pessoa
O Absurdo (Eduarda Sousa)
Paulo Coelho
Prix-Litteraires : Le blog
Retortablog
Toda Palavra
Todoprosa (Sérgio Rodrigues)
Too (Sergey Brin)
Um blog sobre Kleist (Alexandre Andrade)
Viridarium

Vizinhos

18 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

A minha TV
Arte Photographica
Bordado Inglês
Discursos do Outro Mundo
Fugas
Laurinda Alves
Letra pequena (Rita Pimenta)
Manuel Jorge Marmelo
Multimediazine
Quintalito do Xanato
Repórter à Solta (Paulo Moura)
Sobre a natureza das coisas

8 online
Random books from my library
Loving Frank: A Novel by Nancy Horan

19 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

Little Face by Sophie Hannah

The Mistress's Daughter: A Memoir by A. M. Homes

The Other Queen: A Novel by Philippa Gregory

Lucky: A Memoir by Alice Sebold

powered by LibraryThing

20 de 21 26-08-2009 22:00
Ciberescritas » O escritor que acredita que há sempre boas histórias nas pessoas que perdem http://www.ciberescritas.com/?p=5113

NetworkedBlogs
Blog:
Ciberescritas
Topics:

Join my network

Ciberescritas - Um blogue da jornalista Isabel Coutinho - Gerido em Wordpress - Topo^^

21 de 21 26-08-2009 22:00