You are on page 1of 20

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA

EXERCÍCIO DE COLETA DE DADOS E ANÁLISE DA AVALIAÇÃO ESCOLAR NA REGIÃO DE SOROCABA – SP

SOROCABA Dezemb !"#$%&

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA

EXERCÍCIO DE COLETA DE DADOS E ANÁLISE DA AVALIAÇÃO ESCOLAR NA REGIÃO DE SOROCABA – SP

Trabalho apresentado à disciplina de Pesquisa e Práticas Pedagógicas IV, resultado da pesquisa realizada em uma escola estadual da cidade de Sorocaba, sob orientação do Pro ! "r! #arcos $rancisco #artins e Pro %! "r%! &ucia #aria S!S! &ombardi! 'ome dos alunos( *line "amazio Sil+a "ama *riel1 $erreira Ta+ares 5assiane &opes )odrigues Spin 5atarina Sólla de 6li+eira #a1ara 7ezerra 5a+alcanti )*( ,-.-/0 20334/ 2033-2040/. 2038./

SOROCABA Dezemb !"#$%&

scola T<cnica . a+aliação? erramenta disciplinar? usos da a+aliação? pesquisa de narrati+as? pesquisa qualitati+a! .stadual )ubens de $aria e Souza no munic=pio de Sorocaba > SP que escre+essem uma narrati+a sobre uma situação marcante de a+aliação em sua tra9etória escolar! *tra+<s da análise qualitati+a dos relatos os resultados apontam as percepç:es que estes estudantes tem sobre a a+aliação e mais ainda como estas a+aliaç:es podem orientar seu comportamento sem que eles consigam perceber! P'(') '*+.RESUMO 5om o ob9eti+o de analisar se as a+aliaç:es são utilizadas como erramentas disciplinar na escola a presente pesquisa solicitou a alunos da .-')e.

*'.G6 $ > Transcrição da narrati+a 3!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F3 *'. "6S ). > Transcrição da narrati+a 2!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F2 *'. * > #odelo de ormulário para preenchimento de relato!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F0 *'. *'C&IS.)E'5I*S!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!*PE'"I5.G6 H > Transcrição da narrati+a 4!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F4 .G6 7 > Transcrição da narrati+a /!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F/ *'.G6 5 > Transcrição da narrati+a . *'.$.S!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!8 ).!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F.&*T6S!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!2 56'5&@SD.G6 .G6 " > Transcrição da narrati+a .SUMÁRIO I'T)6"@AB6!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!F.G6 * > Transcrição da narrati+a F!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!FF *'.

iriamos solicitar que se izesse uma narrati+a sobre uma situação marcante de a+aliação pela qual ele ti+esse passado em sua tra9etória escolar e. sendo assim a escola recebe alunos de toda a cidade de Sorocaba e tamb<m da região se tornando um ambiente muito rico de tra9etórias escolares permitindo uma maior di+ersidade para a nossa pesquisa! "ecidimos trabalhar somente com os alunos do ensino m<dio. para os quais oi eita uma pr<+ia eIplanação em sala de aula sobre a pesquisa e uma integrante do grupo icou dispon=+el. se a a+aliação < uma erramenta disciplinadora no ambiente escolar! Procurando conseguir resultados mais precisos o grupo chegou a conclusão que seria necessário colher dados com aqueles que são mais a etados por esta orma de a+aliação. distribuindo as olhas para que e etuassem o preenchimento de orma +oluntária e anJnima! .scola .4 INTRODUÇÃO * presente pesquisa te+e como ob9eti+o. esta < uma escola de n=+el m<dio e t<cnico para qual o acesso se dá por meio de +estibulinho. no horário de inter+alo e sa=da dos alunos. e etuar uma análise qualitati+a +eri icando a presença da a+aliação como erramenta disciplinar e tamb<m se os discentes percebem que a a+aliação está sendo usada para este im! $oi escolhida para a pesquisa a . dentre as di+ersas possibilidades de uso da a+aliação. ou se9a. atra+<s destes relatos.stadual )ubens de $aria e Souza localizada na região central da cidade de Sorocaba. os discentes! Para não eIplicitar o ob9eti+o da pesquisa decidimos que em +ez de perguntar diretamente aos alunos se a a+aliação era ou não uma erramenta disciplinadora. +eri icar se esta < usada como orma de controlar o comportamento dos alunos.

apenas 4 oram de+ol+idos! * análise interpretati+a destas 4 narrati+as possibilitou análises de di+ersas naturezas que deram suporte às nossas conclus:es! * primeira obser+ação que pudemos azer sobre as narrati+as oi sobre a orma de a+aliação relatada. oi +eri icado que trMs narrati+as trata+am de situaç:es de a+aliação ormal. p 20L( O6 comportamento do pro essor < tão in luenciado pela a+aliação in ormal como pela ormal. sabendo que a a+aliação pode ocorrer tanto ormalmente como in ormalmente.2 ormulários para preenchimento K*PE'"I5. particularmente quando atribui a cada aluno uma imagem do seu +alor escolarP! Podemos +er claramente em um dos relatos a atitude de uma aluna que apesar de 9á ter apresentado a sua tare a para a pro essora decidiu re azMQla para manter a sua imagem como uma aluna caprichosa! RST a pro essora passou uma lição de Ultima hora. só que a aluna era muito caprichosa e ela re ez a lição para a pro essora dar +isto no+amente RST! K*'.IT*S K/00. at< a data pre+ista em nosso cronograma de aulas para apresentação dos resultados da pesquisa.)). onde a a+aliação se torna uma OentidadeP que acaba por controlar os processos educacionais.5 ANÁLISE DOS RELATOS Para realização desta pesquisa oram distribu=dos . e a aluna te+e que azer de maneira desleiIada.'6@" F-83. destes ormulários.. duas de situaç:es de a+aliação in ormal e duas engloba+am em seu relato ambas situaç:es! * importNncia desta di erenciação para as conclus:es de nossa pesquisa < que o aluno tem a percepção de que a imagem que o pro essor tem dele poderá in luenciar na sua a+aliação inal. o oco das ati+idades escolares não são conteUdos ou +i+Mncias e como isso será assimilado pelos alunos. *L com os relatos dos alunos em orma de narrati+a. como se obser+a neste trecho de um relato( . p! F28. apud P. con orme obser+amos em $). mas sim a a+aliação do pro essor.G6 5L 6 trecho acima tamb<m remete ao conceito de etichismo apresentado por &ucVesi. neste processo a aprendizagem assume papel secundário.

ia Opegar o bonde andandoP! K*'. quer ser bemQaceita e isso en+ol+erá a+aliaç:es in ormais e sub9eti+as tanto de seus pro essores como colegas. o que pode ser +isto como uma orma de orçar a autocensura da aluna numa situação posterior! . principalmente porque ia entrar no meio do ano. ela dese9a preser+ar seu status social e em seu relato se demonstra interessada em mudar seu comportamento caso se9a necessário para se adaptar às no+as situaç:es.SI.m .6 RST * maioria dos pro essores le+ou a gincana em conta em relação à m<dia. P!/. na qual a pro essora pulou a seleção de desenhos de todos os alunos e pediu especi icamente para mim!R!!!T. mas sim uma utilidade psicológica que aos poucos +ai desen+ol+endo no indi+=duo uma autocensura e passa a orientar a ação! Podemos con rontar essa in luMncia psicológica em dois relatos( RST $iquei muito preocupada( OSerá que conseguirei azer amigosXP. OSerá que +ou conseguir acompanhar a mat<riaXP.sta prática pedagógica +oltada para a a+aliação tem como seu auIiliar o medo que OInternalizado. pois não auIilia a construir a aprendizagem e tamb<m não < utilizada para orientar a ação do pro essor.G6 7L 'o primeiro a aluna tem uma grande preocupação ao mudar de escola no meio do ano.L portanto centraliza a atenção não só na a+aliação ormal como tamb<m na in ormal. que sem ter argumentos pedagógicos para azer uma cr=tica à redação da aluna a az passar por uma humilhação em sala de aula. está preparada para se autocensurar! Yá no segundo relato a aluna dese9a azer um protesto e ser di erente do restante dos alunos e so re uma reação eItremada da pro essora.G6 "L . não apresentando nenhuma utilidade pedagógica. alunos! K*'. O5omo será que +ai icar a minha +idaXP! . < um eIcelente reio às aç:es indese9á+eisP K&@5W. /0F0.u esta+a com medo de ir para a escola.G6 HL R!!!T eu iz uma redação um pouco di erente do resto da classe!R!!!T como uma orma de protesto contra o estado precário do nosso go+erno R!!!T e por isso ela [a professora] me Iingou loucamente! K*'. e eu achei uma ótima maneira de a+aliar a nós.m outro relato podemos obser+ar que mesmo o aluno que < in ormalmente a+aliado pelo pro essor como OmelhorP que os outros tamb<m compreende que essa a+aliação sem crit<rios claros pode ser considera in9usta com os outros estudantes! RST em um concurso cultural.

p! F23L *pesar de alguns relatos apresentarem uma resistMncia a esta inconsistMncia nos processos a+aliati+os pelos quais passaram. nela se percebe a tendMncia predominante de a educação se submetida ao mercadoP e tamb<m no relato a seguir( . não tendo nenhuma utilidade de orientar a prática educati+a! 'o entanto são representados nas narrati+as como necessários e insepará+eis da prática. p!.. pois ti+emos que aprender a trabalhar em grupo.sse trabalho oi muito importante al<m de marcante. em nenhum relato oi poss=+el obser+ar uma cr=tica à a+aliação que não tem unção diagnóstica ou ormati+a. al<m de que as +ezes sua ideia não +ai em prática e nem por isso +amos deiIar de dar o melhor de si para que a realização do trabalho se9a a melhor poss=+el! K*'. a respeitar a opinião dos outros. rente a di iculdade de se azer o aluno ter interesse pela disciplina! K*'.. por tanto. consciente ou inconscientemente. mantenedora da ordem social +igente.G6 . con orme se obser+a em #*)TI'S K/0F0.G6 $L *o analisar este trecho podemos então citar $). RST eram eitas da seguinte orma( "e+er=amos trazer um mapa em branco e a pro+a consistia em pintar determinados pa=ses com a cor correta! RST estes mapas orma+am um porti ólio! 5reio ser uma maneira di erente e mais atrati+a de agregar conhecimento.7 ambas situaç:es acho in9usto o ato dos outros alunos não terem a oportunidade de mostrarem seu potencial! K*'.L Otraduzida tal compreensão de educação como prática ou como PpráIis reiterati+a ou imitati+aP para a realidade atual. o in+estimento que o pro essor ará neste ou naquele aluno!K/00.G6 *L . e +oltada para o mercado. em um relato a a+aliação < at< representada como um est=mulo para que o aluno estude! RST minhas a+aliaç:es de história.IT*S( RST começa a ser 9ogado o destino dos alunos > para o sucesso ou para o racasso! *s estrat<gias de trabalho do pro essor em sala de aula icam permeadas por tais 9u=zos e determinam. para os alunos as a+aliaç:es são representaç:es somente classi icatórias.L Podemos ressaltar tamb<m que a prática pedagógica +oltada para este controle do comportamento pode ser considerado uma prática reiterati+a.

L Oa educação < determinada e determinante das relaç:es sociais! RST < determinante porque orma os homens que comp:em a sociedade e por sua prática social e eti+am um determinado modo de +ida socialP! 'ão oi poss=+el +eri icar em nenhum dos relatos um posicionamento contrário a utilização das a+aliaç:es somente para a classi icação dos alunos. e • 6s alunos não percebem que a a+aliação < usada para este im e consideram as ormas de a+aliação que conhecem como indissociá+eis da ormação escolar! . p!. que en+ol+e ser pontual e caprichoso na entrega dos trabalhos solicitados. representando uma ideia de preser+ação da situação atual e di icultando a emancipação dos su9eitos! 5on orme obser+amos em #*)TI'S K/0F0. se9a esta ormal ou in ormal. o que < compreens=+el uma +ez que a atenção tanto dos alunos como dos pais desde o in=cio da +ida escolar < +oltada para a promoção que só < poss=+el com boas notas e bom comportamento! 5onclu=mos portanto. saber trabalhar em grupo e não questionar o pro essor.. a coerção social eIercida pelos instrumentos a+aliati+os no ambiente escolar orçam os alunos a um comportamento considerado socialmente aceito.8 CONCLUS/ES *pós as análises eitas oi poss=+el concluir que nos relatos dos alunos mesmo quando não há uma ameaça direta de punição. < utilizada como instrumento disciplinador. essas Oqualidades do bom alunoP são um espelho dos +alores dese9á+eis atualmente em nossa sociedade. atra+<s de uma pro+a ou nota baiIa. em resposta às perguntas que orientaram esta pesquisa que( • * a+aliação. principalmente a in ormal. e não para orientação de um processo de construção de aprendizagens signi icati+as.

! &@5W.2'( e 9 !9!*256! 4e 1m 9e <2( 4e 2:3e(e.S&*'". +elhas ormas de subordinação! Re)2*3' E41. > F40! "ispon=+el em( Zhttp([[\\\!scielo!br [pd [es[+/2n83[+/2n83a08!pd ] *cesso( 'o+![/0F.S. /0F0! p! F4 > /3! #*)TI'S.'4! *!.'56! 7 S!. /00. /0FF! $). n!83.. p! F. S! $!! Pe*012*' *!. &! 5!! * a+aliação e as re ormas dos anos de F--0( 'o+as ormas de eIclusão.!8 *bril de /0F0 KmimeoL .SI.2e4'4e8 5ampinas.9 REFERÊNCIAS ". 5! 5!! *+aliação da aprendizagem escolar( estudos e proposiç:es! In( ^^^^^^^^^^^^! A)'(2'56! 4' '9 e:42z'. #! $!!F! m'56! 4! e41. +! /2.2'(( teoria..31'( ! .!(' ( apontamentos sobre a pedagogia do eIame! /F ed! São Paulo( 5ortez.IT*S. )Y( Vozes. m<todo e criati+idade! .em e*.0 ed! Petrópolis.=:2.

10 APÊNDICE A – #odelo de ormulário para preenchimento de relato! .

11 ANEXO A > Transcrição da narrati+a F! R I T .stadual Sorocaba[/0F. do ensino m<dio. essa oi uma das coisas que mais me marcou no .n im. a respeitar a opinião dos outros.nsino #<dio. pois ti+emos que aprender a trabalhar em grupo.scola . apresentar para uma bancada de pro essores. montar uma tese.sse trabalho oi muito importante al<m de marcante. nessa grande escola( O)! $! S!P . al<m de montar uma sala com o tema escolhido > que oi Oo poder da Unica históriaP > e apresentar para os alunos da escola! . al<m de que as +ezes sua ideia não +ai em prática e nem por isso +amos deiIar de dar o melhor de si para que a realização do trabalho se9a a melhor poss=+el! .nsino #<dio R I T . @m momento muito marcante na minha +ida escolar oi no meu T55. onde a sala tinha que 9untos escolher um tema.

me Iingou loucamente! Isso me marcou pois oi a= que eu inalmente compreendi algo que. escre+i O.le não <!P. como orma de protesto contra o estado precário do nosso go+erno.. eu iz uma redação um pouco di erente do resto da classe! 6 tema da redação era OPor que < importanteXP e eu. < essencial na +ida( a teoria da ca+erna! . mas esquecem de mencionar que pesadelos são sonhos tamb<m! . se tratando de redaç:es. in elizmente.nsino $undamental R I T .12 ANEXO B > Transcrição da narrati+a /! R I T . pois me ensinaram que sonhos podem se realizar.scola #unicipal Votorantim[/0FF @m dia. eu entendi que seria muito di =cil realizar meu sonho de azer do mundo um lugar melhor. em uma aula de &=ngua Portuguesa. mais importante. por isso. apenas! #inha pro essora era algu<m com preguiça de pensar por si própria e deiIa+a o go+erno pensar por ela Kcomo a maioria dos brasileirosL e.

ela disse que a aluna tinha alsi icado e a chamou de otária por tentar azer ela de otária. só que a aluna era muito caprichosa e ela re ez a lição para a pro essora dar +isto no+amente.13 ANEXO C > Transcrição da narrati+a . por<m a pro essora ao +er a lição e o +isto que 9á esta+a dado. e a aluna te+e que azer de maneira desleiIada.scola .nsino $undamental R I T . os outros alunos apoiaram a pro essora e a aluna oi esculaIada dentro da sala de aula! .! [ I T .stadual Piedade[/008 @m belo dia a pro essora passou uma lição de Ultima hora.

alunos! _o9e. tudo era no+o e eItremamente empolgante! #al podia esperar pela gincana. tais como pro+as e seminários! . mas iz amigos que le+o at< ho9e! * maioria dos pro essores le+ou a gincana em conta em relação à m<dia.ntretanto. e eu achei uma ótima maneira de a+aliar a nós. passei por di+ersas a+aliaç:es. e quando inalmente chegou o mMs de Yulho e eu 9á azia parte da equipe OTiriscoP.ra meu primeiro ano.nsino #<dio R I T .14 ANEXO D > Transcrição da narrati+a .! R I T . meu Ultimo dia de aula nessa escola. oi ao entrar na . eu +e9o o quanto aprendi atra+<s de uma ati+idade tão Unica quanto a gincana! . como todos os OcalourosP.scola . pre eri ir à escola a icar em casa! Participei de pro+as di+ertidas e in elizmente minha equipe não +enceu naquele ano. pela primeira +ez em minha +ida.T. eu.stadual Sorocaba[/0FF "urante toda a minha +ida escolar.5 )ubens de $aria e Souza que pude +i+enciar uma das a+aliaç:es mais di+ertidas( a Hincana 5ultural! .

rente a di iculdade de se azer o aluno ter interesse pela disciplina! 6utra questão < que +ocM 9unta conhecimentos similares. americano.$. dada pela pro essora .scola .stes mapas orma+am um porti ólio! 5reio ser uma maneira di erente e mais atrati+a de agregar conhecimento. no caso a geogra ia. ao conhecimento de história! H! )! S! .stadual Sorocaba[/002 `uando esta+a na 2% do .!.I( `ual pa=s atual corresponde a eItinta @)SSX KVermelhoL )esposta( )Ussia .nsino $undamental R I T .! . asiático.! "! V! eram eitas da seguinte orma( "e+er=amos trazer um mapa Kmundi. minhas a+aliaç:es de história.15 ANEXO E > Transcrição da narrati+a 2! R I T . na . etcL em branco e a pro+a consistia em pintar determinados pa=ses com a cor correta! .

na qual a pro essora pulou a seleção de desenhos de todos os alunos e pediu especi icamente para mim! * segunda quando minha sala ia azer uma apresentação musical e minha colega oi escolhida para azer o papel principal! .scola .nsino $undamenta R I T .stadual Porto $eliz[/0F0 *conteceu duas +ezes! a o tipo de situação na qual o pro essor mostra predileção para um determinado aluno! * primeira oi em um concurso cultural.m ambas situaç:es acho in9usto o ato dos outros alunos não terem a oportunidade de mostrarem seu potencial! .16 ANEXO F > Transcrição da narrati+a 3! R I T .

tMnis de mesa. +Jlei. utebol. cansati+a. tão bem organizada e estruturada! #inha rotina diária era OpuIadaP. eu ti+e que abandonar tudo e encarar o desconhecido.stadual Sorocaba[/0F. nossos amigos e todas as perspecti+as uturas! .T. mas me preenchia completamente( chega+a às 4 na escola.nsino #<dio na .5 )! $! *pesar de estar aqui. #eu nome < "!. sou estudante do . um pa=s Ono+oP para mim.u treina+a tMnis e gosta+a muito! * rotina dentro de uma escola 9aponesa en+ol+ia uma participação integral dos alunos! 5ada classe tinha / representantes.b ano do . de+o dizer que mais da metade da minha +ida estudei no Yapão. tMnis. a escola. morando com meus pais e irmão! _á / anos e . meses não imagina+a que minha +ida osse dar uma re+ira+olta tão grande( com o alecimento de minha a+ó. mas tinha medos e incertezas! .n im. handebol.0! 6s esportes são muito incenti+ados no Yapão e todos podem optar por aquele que mais lhe atrai Kbasquete. um menino e uma meninas e ha+ia reuni:es para discutir assuntos pertinentes ao bom uncionamento da escola! . dentre outrosL e isso signi ica dedicação total a esse esporte.u ha+ia acabado de ingressar numa concorrida _igh School Kequi+alente ao ensino m<dioL e ainda esta+a na ase do encantamento pelo uni orme no+o e rente a uma escola tão bonita.0L e +olta+a para casa F-(. essa era minha rotina e. so t ball. prestes a me ormar. 9udJ. tenho F8 anos. com teinos eIausti+os todos os dias e campeonatos durante todo o ano. apesar de ser minha +erdadeira pátria! Tinha que aprender a gostar do 7rasil. badmingtom. incluindo sábados e domingos! 5ada um le+a+a sua marmita pois icá+amos o dia inteiro na escola! *ulas de manhã e a tarde e treinos antes e após as aulas! .17 ANEXO G > Transcrição da narrati+a 4! R I T . beisebol.scola . de repente. pois tinha o treino de esporte antes de iniciarem as aulas K8(.nsino #<dio R I T . omos obrigados a +oltar imediatamente para o 7rasil para cuidar do meu a+J! #eus pais ti+eram que abandonar o emprego e eu e meu irmão.

que me receberam tamb<m na .0 da manhã para pegar o Jnibus para Sorocaba e chegar na .T.T. mais uma +ez ti+e que sair da área de con orto. sempre me a9udaram.5 )! $! Sempre perdia grande parte da Ultima aula e corria para não perder o Jnibus para Sorocaba! *cho que lancei a moda de comer marmita dentro do Jnibus! Iniciar na . em casa minha mãe me a9uda+a a deci rar! *s pessoas me receberam muito bem. dos amigos que 9á tinha eito! 5ontudo. consegui passar e!!! me matriculeic .5 que nunca +ou me esquecer! . pois ha+ia muitos termos t<cnicos que nunca tinha ou+ido alar.5 às 4! 'essa trans erMncia de escolas.T.5 )! $!! Yá não ia mais precisar continuar naquera correria de sair no meio da aula e correr para pegar o Jnibus. tamb<m quero mencionar que no começo deste ano me matricurei no . do dia a dia que eu 9á tinha me acostumado. O5omo será que +ai icar a minha +idaXP! . iquei muito preocupada( OSerá que conseguirei azer amigosXP. mais uma +ez.T. principalmente dos pro essores e dos colegas de classe! 'este ano consegui apresentar o T55 com meu grupo de trabalho e senti que todo o es orço +aleu a pena! *ntes que me esqueça. mas no+amente contei com o apoio e carinho das pessoas.T. o primeiro impacto oi tranquilo apesar de tudo ser di erente do Yapão! 'o começo ti+e muita di iculdade em entender a letra dos pro essores e praticamente copia+a tal qual esta+a escrito.5 oi um grande desa io para mim. "eus colocou pessoas boas no meu caminho.5 e resol+i prestar o Vestibulinho para o curso t<cnico em alimentos! Por incr=+el que pareça. ia Opegar o bonde andandoP! Por<m.# tamb<m na .(. me trataram com gentireza. tal+ez um pouco pior. porque dessa +ez esta+a indo sozinha para uma escola que ica+a em outra cidade! #eu ritmo acelerou e ti+e at< que azer uns malabarismos.m /0F/ senti no+amente as mesmas preocupaç:es.18 `uando oi decidido +oltarmos para o 7rasil em *gosto de /0FF. OSerá que +ou conseguir acompanhar a mat<riaXP. principalmente porque ia entrar no meio do ano. pois estuda+a o /b anos .T.u esta+a com medo de ir para a escola.studar na . mas por outro lado ti+e que me acostumar a acordar .b ano . ningu<m me o endeu pelo sotaque da l=ngua e pelos erros de portuguMs! Sou muito grata por isso e pude perceber que os brasileiros são muito solidários! 'esse ano iquei sabendo da .# em Pilar do Sul e à tarde começa+a meu curso t<cnico na .

principalmente com os seminários e apresentaç:es de trabalho! "urante esse dois anos que +oltei. pois agora eu sou uma estudante brasileirac . azer muitas coisas que não ia conseguir azer no Yapão! *tualmente estou prestando +estibular com meus colegas do 7rasil. conheci muitas pessoas e iz +árias amizades! Participei de +árias ati+idades e aprendi muito e percebi +árias di erenças com o Yapão! *inda tenho muita di iculdade no PortuguMs e em algumas mat<rias. mas estou me es orçando e graças ao apoio da minha am=lia e dos amigos! Tem horas que sinto tanta saudade do Yapão.5 me acrescentou muito.19 . mas sei que consegui aprender muito.T.