You are on page 1of 14

COLÉGIO SÃO LUÍS

DOUGLAS GUILHERME DE SOUZA – Nº 08
FERNANDA ALVES SILVEIRA - Nº 09
FERNANDA MANFRON SEFFRIN – Nº 10
JÚLIA GUEDES ALVES – Nº 14

Tensão Superficial

Professor Leonardo Postay
Turma: 201
Disciplina: Física

São Leopoldo, 18 agosto de 2008
SUMÁRIO

 RESUMO.............................................................................................................3

 INTRODUÇÃO.....................................................................................................4
 1.1 Problema....................................................................................................................4
 1.2 Justificativa...............................................................................................................4
 1.3 Objetivos....................................................................................................................4

 HIPÓTESES........................................................................................................5

 REFERENCIAL TEÓRICO .................................................................................6

 METODOLOGIA..................................................................................................7

 RESULTADOS.....................................................................................................9

1 CONSIDERAÇÕES FINAIS.............................................................................11

 REFERÊNCIAS.................................................................................................12

 ANEXOS 

 IMAGEM A.........................................................................................................13
RESUMO

Tensão superficial é a força que existe na superfície de líquidos em repouso, o que
gera uma membrana que impede que os objetos afundem se colocados em cima do
líquido.

A tensão superficial está presente em situações interessantes, como quando se coloca
cuidadosamente uma pequena agulha sobre a superfície da água, pode-se observar que
ela pode permanecer sobre a película superficial sem afundar no líquido, apesar de ser
muito mais densa que a água. Outra situação é a gota de água que se forma em uma
torneira e mantém sua forma devido à elasticidade na superfície da gota. Em um copo
cheio de água, podem-se acrescentar pequenos objetos sem que a água transborde. Isto
ocorre porque a superfície da água comporta-se elasticamente, devido à força que se
exerce contra eles.
INTRODUÇÃO

O presente trabalho apresenta como tema: Tensão Superficial. Inicialmente
mostram-se a definição para este assunto, como ocorre e o porquê disto. E em seguida
são apresentadas experiências realizadas com o intuito de comprovar as afirmações
redigidas no decorrer do trabalho.

1.1 Problema
Ao ver uma aranha sob a água, surge o questionamento: Como ela consegue
permanecer naquele ambiente sem afundar? Surge neste momento à necessidade de se
responder esta questão.

1.2 Justificativa
Após o questionamento já apresentado, surgiu a idéia de pesquisa para o presente
trabalho, sanando assim a curiosidade e trazendo cultura pelo seguinte tema a todos os
envolvidos na pesquisa e a todos que dela usufruirão.

1.3 Objetivos
Com este trabalho, pode-se ter o objetivo de compreender como objetos flutuam
sob a água, sem que afundem. Pergunta a qual foi a maior questão do presente
problema, previamente já apresentado.
HIPÓTESES

Ao analisarmos a questão central da pesquisa, podemos encontrar uma hipótese
física para a solução da mesma.

As moléculas de um líquido interagem entre si de várias maneiras. Uma delas é a
atração ou repulsão elétrica, se estiverem carregadas ou se suas cargas positivas e
negativas não estiverem igualmente distribuídas no espaço. Além disso, sofrem a ação
da gravidade e da agitação térmica. Se o líquido estiver em um recipiente, como um
copo, por exemplo, as forças de atração preponderam e impedem que as moléculas se
espalhem pelo espaço. O líquido ocupa um volume determinado, formando uma
superfície bem definida entre ele e o ar que circula pelo ambiente. Surge daí uma
diferença clara entre as moléculas da superfície e as que ficam internas no líquido. As
que ficam dentro interagem com as demais em todas as direções. Em média, portanto,
essas interações (ou forças) se anulam. Já as que ficam na superfície só podem interagir
com as que estão do lado de dentro. Do lado de fora só existe o ar e as moléculas do ar
estão tão separadas uma das outras que seu efeito imediato sobre a superfície líquida
pode ser desprezado.

O resultado é que a película que fica na superfície sofre uma atração para dentro do
próprio líquido. Essa tendência é contrabalançada pela resistência das moléculas de
dentro que só podem ceder espaço até certo ponto. Quando o equilíbrio é alcançado a
tendência das moléculas superficiais de penetrarem no líquido é equilibrada pela
resistência das demais que estão no interior.
REFERENCIAL TEÓRICO 

A hipótese anteriormente sugerida foi baseada nos estudo das forças de atração e
repulsão.
METODOLOGIA

Para confirmar a hipótese e a teoria apresentada neste presente trabalho, foram
elaboradas quatro experiências.

I. Pó na superfície:

Foram preenchidos com água, dois copos e em cada um foi adicionado talco até
cobrir toda a superfície. Em seguida, molhou-se a ponta de um palito em
algumas gotas de shampoo. Após ele foi tocado no centro da superfície de pó de
talco de um dos copos e a mesma que era plana e lisa, quebrou-se em alguns
pedaços. Outro palito foi molhado em detergente e tocado no centro da
superfície de pó de outro copo, onde a mesma foi completamente desmanchada.

II. Papéis teimosos:

Em um copo, foi adicionado ¾ de água, logo em seguida foram colocados
sobre a superfície dois círculos de papel no centro do copo. O que pode-se
verificar que círculos se movimentam em direção à borda do copo. Com a
ajuda do palito, foram movimentados os papeis para o centro da superfície da
água. Verificando, novamente, que os círculos continuam a mover-se em
direção à parede do copo. Após isso, foi retirado os papeis e adicionado mais
água ao copo, até que se formou um calote acima do limite do copo. Foram
novamente colocados no centro da superfície os dois círculos, onde pode-se
verificar que o efeito anterior fora anulado já que os círculos não se
movimentaram para a borda do copo. Com a ajuda do palito, os círculos foram
movimentados para as bordas do copo. Depois de libertados, podes observar
que os papeis movimentam-se em direção ao centro do calote de água.
8

III. O fim da tensão

Foi adicionado leite em uma vasilha, e colocado pingos de corante de cores
diversas. Após isto, colocaram-se pingos de detergente sobre cada poça de
corante. Eis que as cores se movem para as bordas instantaneamente.
RESULTADOS

As moléculas de água que se encontram à superfície sofrem atrações fortes para o seio
do líquido, não sofrendo atrações no sentido oposto. Este fato implica que na superfície
da água existam forças não compensadas, conferindo à água um fenômeno chamado
tensão superficial.

- No experimento I.: Ao adicionar pó de talco à água vai-se estabelecer um equilíbrio
entre as moléculas de água e o pó. As partículas de pó de talco vão-se manter à
superfície, porque a água não as consegue cobrir, sendo isso devido à tensão superficial.
Com a adição do shampoo ou do detergente ao centro da superfície, a tensão superficial
vai baixar nesse ponto, fazendo com que a água se mova para as paredes do copo. O
movimento da água para as paredes do copo arrasta o pó de talco, quebrando a
superfície deste. Entretanto, existe uma diferença entre o detergente e o shampoo,
relativamente à sua capacidade de baixar a tensão superficial da água. O detergente é
um agente tenso ativo forte, enquanto que o shampoo é um agente tenso ativo
moderado. As fendas na superfície de pó observadas para o detergente são superiores às
observadas para o shampoo. Também se verifica que o detergente, por se um agente
forte faz com que as partículas de pó passem a ser cobertas pela água, submergindo até
ao fundo do copo.

- No experimento II.: Para a situação do copo parcialmente cheio, o centro da superfície
é praticamente plano, sendo o efeito da tensão superficial de menor intensidade. Por sua
vez, na borda do copo existe uma superfície curva resultante da minimização da área
superficial da água. Esta superfície curva é a zona onde a tensão superficial é maior. A
esta zona dá-se o nome de menisco. A água, junto ao papel, é puxada no sentido do
menisco, arrastando o círculo com ela. Para a situação do copo cheio, com um calote de
10

água, o menisco junto às bordas deixa de existir. A tensão superficial passa a ser maior
no centro do calote, desde que este não apresente uma superfície muito plana. Sendo
assim, o papel é arrastado pela água da sua superfície, para o centro do copo. Os papeis
não têm culpa de serem teimosos, a culpa é da tensão superficial.

- No experimento III.: O detergente tem como função baixar a tensão superficial do leite
e dos corantes, de maneira a que a remoção de gorduras seja facilitada. Quando o
detergente toca o centro dos corantes, a tensão superficial nesse local baixa
bruscamente. Os líquidos coloridos (corantes) são instantaneamente puxados pela
tensão superficial ainda existente, sendo a sua intensidade maior na periferia do copo,
pois a ligação foi quebrada, no momento em que se tocou com detergente.
1 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com o presente trabalho foi possível atingir as propostas de compreender as causas
e circunstâncias para o fim da tensão superficial, assim como sua definição e situações
em que ela se apresenta. Gerando meios de ser possível responder a pergunta que gerou
a questão central do trabalho de pesquisa e trazendo mais conhecimento no campo da
física sobre o estudo das forças de atração e repulsão.
REFERÊNCIAS

SILVA, V. Ciência em casa, Forças e energia. Tensão superficial. Disponível em:
<http://cienciaemcasa.cienciaviva.pt/tensao.html>. Acesso em: ago. 2008.

_______. Seara da ciência, A tensão superficial. Disponível em:
<http://www.seara.ufc.br/tintim/fisica/tensaosuperficial/tintim2-1.htm>. Acesso em:
ago. 2008.

_______. Tensão superficial. Disponível em:
<http://www.fisica.ufsc.br/~lalceu/_e_a_d/tensao_superficial.html>. Acesso em: ago.
2008.

_______. Alguns pássaros dependem da tensão superficial da água para se
alimentar. Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL583217-
5603,00.html>. Acesso em: ago. 2008.
ANEXOS 

 IMAGEM A

A) Sem a tensão superficial, o objeto não permaneceria sob o copo de água.
14

IMAGEM B

B) Reprodução do esquema das forças de atração e repulsão no efeito da tensão
superficial.