ATÉ 2030 PRECISAMOS DE 5 MILHÕES DE PROFESSORES EM TODO O MUNDO

POR: JOSÉ EVANGELISTA DAMASCENO A educação é uma construção social essencial para o desenvolvimento sustentável de uma sociedade. Mais este bem planetário é colocado à margem pela maioria dos governantes do planeta. O instituto de Estatística da UNESCO publicou em 7 de Outubro de 2013, um relatório que alerta a sociedade mundial para a necessidade da contratação de mais de 5 milhões de professores até 2030 objetivando, atingir o desenvolvimento do milênio até 2015, universalizado este objetivo, para ensino básico universal. Professores da rede pública de ensino do Rio de Janeiro na Avenida Presidente Antônio Carlos, no centro da cidade. Foto: Agência Brasil/Tomaz Silva.

Estimativa da UNESCO sobre a falta de professores para a educação do novo milênio, projeção para 2015 a 2030.
A agência estima que seja necessário adicionar 1,6 milhão de professores para alcançar a educação básica universal até 2015. Segundo o relatório publicado pelo Instituto de Estatísticas da UNESCO, este número vai subir para 3,3 milhões em 2030. Num entanto, o relatório também mostra que um total de 3,5 milhões de novos postos de trabalho no primeiro ciclo do ensino básico terá de ser estabelecidos até 2015, com 5,1 milhões de professores contratados para suprir as demandas necessárias até 2030. Em estudos anteriores, a UNESCO vem alertando a sociedade sobre a condição em que se encontra a educação no Brasil e no mundo. Mais está é a primeira vez que as projeções do Instituto estendem-se até 2030, e inclui dados sobre o primeiro ciclo do ensino básico. O estudo ainda aponta a falta de professores que é mais evidente no continente africano e países árabes, mais a situação é a nível mundial, cerca de 57 milhões de crianças em idade escolar, não estão frequentando a escola. Deste número, a maioria são meninas e as Nações Unidas calculam que metade nunca terá acesso à educação. Muito me entristece saber que muitas destas crianças nunca terão acesso à educação mais, é preciso que tenhamos ciência que nosso país Brasil, tem a condições suficientes para erradicar o analfabetismo em toda a sua extensão territorial. Mais a politicagem, ao invés de políticas educacionais voltadas para o fomento educacional de nossas crianças, jovens e adultos, é o entrave para o

desenvolvimento sistemático da educação “para todos” como reza um dos direitos e garantias fundamentais dos cidadãos brasileiros e naturalizados brasileiros explicitados da Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988.

A educação como construção social e profissional.
Para Gordon Brown “Educação não é a única maneira de fortalecer as oportunidades pessoais. Não é a única maneira de quebrar o ciclo de pobreza. Mas é uma forma de as nações se tornarem mais prósperas”. O desafio é ainda maior, vai além dos números, nos alerta Irina Bokova, Guy Ryder, Anthony Lake, Helen Clark, Fred van Leeuwen, em um comunicado conjunto das quatro agências das Nações Unidas. UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura. OIT – Organização Internacional do Trabalho. UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância. PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Neste comunicado, eles afirmam que “os professores são a solução para a crise da aprendizagem” mas “muitos são mal treinados, mal apoiados e excluídos das questões sobre políticas educacionais e das decisões que os interessam e os afetam”. Não é surpresa para nós brasileiros está afirmação, sabemos que nossos educadores são alijados do processo de escolher a melhor política para os nossos educandos. Muitas vezes, estas políticas são implantadas e impostas de cima para baixo, não sendo - lhes permitidas à contribuição na formatação e confecção dos projetos políticos pedagógicos - PPP de suas escolas. Tornandoos, engessados diante do ato de escolher a melhor adequação educacional para a política educacional do seu estado, município, localidade e ou escolas. O educador é um instrumento necessário para a construção social de uma sociedade, é através da educação desenvolvida pelo educador, que baliza o conhecimento e desenvolvimento das ciências na construção dos indivíduos que contribuem para o crescimento planetário das sociedades. Para a UNESCO “Os professores produzem cidadãos mundiais” por isso, é necessário promover a conscientização da sociedade para que os educadores sejam parte do processo na toma das decisões das políticas de educação para a educação do novo milênio.

Prioridades estratégicas da UNESCO para a educação.
1. Preencher a lacuna da falta de professores* 2. Elevar a qualidade docente* Para a estratégia *1 a UNESCO estabelece que: o foco está no desenvolvimento da capacidade dos sistemas de ação docente para treinar e adequar o número de professores qualificados, especialmente em países onde a falta de professores está combinada com a baixa capacidade de treinamentos. Para isso, é necessário promover estratégias diversificadas de formação de professores, incluindo soluções com apoio das TICs, como aprendizagem aberta e a distância. Suporte técnico adequado é fornecido aos formadores (treinadores) do professorado para elevar suas competências e assegurar que seus perfis profissionais e abordagens pedagógicas estejam alinhados com os mais recentes desenvolvimentos das ciências e das pesquisas educacionais”. Neste contexto a UNESCO pretende fortalecer as capacidades dos Estados-membros para avaliar suas necessidades pedagógicas e desenvolver

políticas baseadas em evidências em relação ao recrutamento, formação, desenvolvimento gerencial e profissional dos docentes, enquanto facilita a provisão de mecanismos de retorno (feedback) para que as práticas e os pontos de vista dos docentes também possam servir de insumo para as políticas educacionais. Toda via a estratégia *2 que trata de “Elevar a qualidade do docente” Estar comprovado em estudos apresentados recentemente pelo censo EAD Brasil publicado em 25 de Setembro de 2013 que, uma das soluções para o desenvolvimento educacional e profissional dos docentes e discentes é a utilização das TICs e da Educação à Distância como estratégias para melhoria do ensino e da aprendizagem em nosso país, e no mundo. Para a UNESCO 2013. Dependendo das necessidades do país, a prioridade é dada à alfabetização na educação primária (leitura, escrita e cálculo), e matemática e ciências na educação secundária, bem como temas transversais – com abordagens de gênero, HIV/Aids, educação para o desenvolvimento sustentável e integração de TIC. (UNESCO 2013). Num entanto, a UNESCO pretende promover a “disseminação das melhores práticas no apoio aos professores visando promover melhores resultados de ensino e aprendizagem, especialmente para novos profissionais que precisam avançar na carreira, enquanto desenvolvem suas práticas diárias de ensino”. Ainda nesta linha de pensamento a UNESCO “trabalha para fortalecer a capacidade de líderes escolares com o objetivo de orientar e apoiar os professores, ao identificar as melhores práticas e as características críticas de liderança escolar para a aprendizagem de qualidade”. (UNESCO 2013). Para o Prof. Fredric Michael Litto “Se acreditamos que, numa democracia, todos os cidadãos têm o direito de estudar; e se acreditamos que, quanto mais brasileiros tiverem contato com conhecimentos, melhor será para a sociedade, então temos que embarcar num caminho de usar a EAD para modernizar e flexibilizar a aprendizagem e, com isso, dar acesso ao conhecimento avançado para todos da nossa sociedade”. (LITTO, 2008).

Os 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio estabelecidos em 1990 até o final de 2015.
Redução da Pobreza Atingir o ensino básico universal Igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Reduzir a mortalidade na infância Melhorar a saúde materna Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças Garantir a sustentabilidade ambiental Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento O Brasil conseguiu avançar em alguns objetivos, mais ainda falta muito para que todos os itens estabelecidos sejam alcançados até o final de 2015. Estudos apontam que talvez tenhamos que estabelecer novos prazos para a plenitude dos objetivos. No cenário mundial a situação educacional também estar precarizada, as metas e os objetivos estabelecidos não

foram alcançados. É necessário que as políticas educacionais mundiais, através dos órgãos fomentadores do processo educacional para o mundo, estabeleçam novas diretrizes para alcance das metas estabelecidas para o desenvolvimento do milênio.

Situação Educacional no Brasil
No Brasil, os dados mais recentes são do 4º Relatório Nacional de Acompanhamento dos ODM - Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, de 2010, com estatísticas de 2008: 94,9% das crianças e jovens entre 7 e 14 anos estão matriculados no ensino fundamental. Nas cidades, o percentual chega a 95,1%. O objetivo de universalizar o ensino básico de meninas e meninos foi praticamente alcançado, mas as taxas de frequência ainda são mais baixas entre os mais pobres e as crianças das regiões Norte e Nordeste. Outro desafio é com relação à qualidade do ensino recebida. (PNUD, 2013).

Situação Educacional Mundial
Houve progressos no aumento do número de crianças frequentando as escolas nos países em desenvolvimento, mas apesar de grandes avanços, é improvável que a meta seja atingida. As matrículas no ensino primário continuaram a subir, atingindo 89% nos países em desenvolvimento em 2008. Entre 1999 e 2008, as matrículas aumentaram 18 pontos percentuais na África Subsaariana, e 11 e 8 pontos percentuais no Sul da Ásia e da África do Norte, respectivamente. Alcançar o ensino primário universal exige mais do que a matrícula completa, significa assegurar que as crianças continuem a frequentar as aulas. Na África Subsaariana, mais de 30% dos alunos do ensino primário desistem antes da conclusão dos cursos. (PNUD, 2013). Pensar educação para o novo milênio seja, na modalidade presencial, semipresencial ou à distância, é necessário que as abordagens pedagógicas educacionais estejam alinhadas com os mais recentes desenvolvimentos das ciências, e dos recursos tecnológicos disponíveis para a inserção educacional que promove a formação de indivíduos formadores de conhecimentos na construção desta sociedade planetária para século XXI. Não basta apenas inserir tecnologias na educação é preciso disponibilizar recursos políticos, pedagógicos, condição humanizada de trabalho e reconhecimento dos professores como formadores e construtores de oportunidades para fortalecer as ciências e o desenvolvimento sustentável de uma nação. Sem educação uma nação não se desenvolve deixa seu povo alienado, inclusive seus governantes. BRASIL – Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Acessada em 08 out 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm ONU BR – Nações Unidas no Brasil – São necessários mais de 5 milhões de professores em todo o mundo até 2030, diz UNESCO. Acessado em 07 out 2013. Disponível em: http://www.onu.org.br/sao-necessarios-mais-de-5-milhoes-de-professores-em-todo-o-mundoate-2030-diz-unesco/ ODM Brasil - Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Acessado em: 08 out 2013. Disponível em: http://www.odmbrasil.gov.br/

PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Nosso trabalho pelo Objetivo. Acessado em: 08 out 2013. Disponível em: http://www.pnud.org.br/ODM2. aspx SEAD/UEPB – Secretária de Educação à Distância - Fredric Michael Litto - Educação a Distancia em Números. Fonte Folha Dirigida. Acessado em: 8 out 2012. Disponível em: http://ead.uepb.edu.br/noticias,306 UNESCO – Escritório Brasil, Representação da UNESCO no Brasil - Dia Mundial dos Professores, 5 de outubro - um apelo ao respeito e à valorização da profissão docente. Acessado em 07 out 2013. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-thisoffice/singleview/news/world_teachers_day_5_october_2013_a_joint_message/#.UlNSBlMs2dl _________ Dia Mundial dos Professores: por que 5 de outubro? Acessado em 08 out 2013. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/singleview/news/world_teachers_day_2013/#.UlNVbFMs2dl UNESCO - study shows Africa and Arab States are worst hit by teacher shortage. Acessado em 07 out 2013. Disponível em: http://www.unesco.org/new/en/mediaservices/singleview/news/unesco_study_shows_africa_and_arab_states_are_worst_hit_by_teacher_shortage/ back/9597/#.UlM5ilMs2dm UN News Centre - More teachers – better trained and supported – needed to reach education targets, UN warns. Acessado em 08 out 2013. Disponível em: http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=46198#.UlOihVMs2dn