You are on page 1of 6

Realismo A literatura do Realismo reflete a realidade da segunda metade do século XIX nas produções literárias.

Os autores desse período procuraram seguir a tendência filosófica do Positivismo, ao observar e analisar a realidade e ao reproduzi-la fielmente.

Ao contrário do Romantismo, fase literária anterior, os escritores realistas não expressavam subjetividade na linguagem, assumiram uma postura cientificista em relação aos fatos reais.

As características da literatura realista se contrapõem com as românticas. Os cenários passaram a ser urbanos e o ambiente social passou a ser valorizado ao invés do natural. O amor e o casamento, os quais eram elementos de felicidade no Romantismo, transformaram-se em convenções sociais de aparência.

Não houve uma idealização da figura masculina como herói e sim uma exposição do homem que trabalha e que luta para sair de uma condição medíocre. O próprio nome deste período fala a respeito de sua característica mais marcante: a realidade. A contemporaneidade é um atributo dos autores do Realismo que se preocupavam com o momento histórico, com o momento presente da sociedade em seus contextos políticos e econômicos. As personagens criadas foram baseadas em pessoas comuns encontradas no cotidiano dos escritores, com suas obrigações diárias condicionadas a fatores de raça, de clima, de classe social.

A linguagem no Realismo é mais simples, sem preocupações estéticas exacerbadas, de modo a abranger um público maior.

O início da literatura realista se dá com a publicação de Madame Bovary de Gustave Flaubert, na França, o qual é um espelho da realidade burguesa da época retratado na figura de uma mulher de classe média. No Brasil, Machado de Assis inicia os ideais do Realismo com Memórias Póstumas de Brás Cubas, o qual se trata de um romance psicológico, cuja personagem principal é Brás Cubas, um defunto-autor que expõe ao leitor suas experiências pessoais. Surgimento Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética chamada Realismo, que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades. O Iníciom europeu, que tinha

aprendido a utilizar o conhecimento científico e a técnica para interpretar e dominar a natureza, convenceu-se de que precisava ser realista, inclusive em suas criações artísticas, deixando de lado as visões subjetivas e emotivas da realidade. São características gerais: • o cientificismo • a valorização do objeto • o sóbrio e o minucioso • a expressão da realidade e dos aspectos descritivos. Contexto sócio-histórico As duas décadas de vigência do Realismo e do Naturalismo no país foram um período conturbado e de grandes transformações na nossa história social, política, econômica e literária. Entre os fatos mais importantes, podem ser elencados a abolição da escravatura (1888), a Proclamação da República (1889), as revoltas militares, especulação na Bolsa de Valores, o Encilhamento, o surgimento das primeiras escolas de direito, início da entrada de filosofia positivista.

Tanta transformação impulsionou a ficção literária, que por sua vez, fez aparecer outras áreas na literatura brasileira, antes quase inexistentes, como textos jornalísticos (José do Patrocínio), crítica literária (José Veríssimo e Araripe Júnior), estudos históricos (Joaquim Nabuco, Oliveira Lima e Capistrano de Abreu), pesquisas culturais e história da literatura (Sílvio Romero), ensaios (Tobias Barreto, Euclides da Cunha), além das crônicas e, principalmente, os contos.

Nessa época Machado de Assis fundou a Academia Brasileira de Letras (1897), que segundo os críticos, oficializou a literatura brasileira. Mas o movimento se encerra na primeira década do século 20, com as publicações de "Os Sertões", de Euclides da Cunha, "Canaã", de Graça Aranha, ambos em 1902, e com o surgimento de Lima Barreto, que ainda tem uma obra impregnada das tendências sociais do Realismo, apesar de se encontrar na fronteira, e também ser considerado um pré-modernista. Contexto histórico

Extinguiu-se o Trafico negreiro gerou duas consequências? Capitais vultosos , que saiam do pais para ´pagar a importação de escravos estavam agora dispostos. Foram então,reinvestidos, geralmente em atividades urbanas , incrementado o progresso da burguesia mercantil Após abolição da escravatura , um novo tipo de mão de obra deu entrada no mercado o imigrante assalariado . os negros , em gera, foram marfinizados da sociedade, pois não tinha condição de competir com o imigrante, que era mais bem qualificado profissionalmente. Como era a sociedade : O Realismo começou na França em 1857, com a publicação do romance Madame Bovary, de Gustave Flaubert. Abandonando o idealismo romântico, os escritores realistas propõem uma representação mais objetiva e fiel da vida social. Negam-se a encarar a literatura apenas como uma forma de entretenimento e fazem dela um instrumento de denúncia dos vícios e da corrupção da sociedade burguesa.

A sociedade nesse tepo era dividida em alta burguesia, media burguesia e baixa burguesia, e o proletariado. As maquinas e os meios de produção fizeram crescer a renda dos burgueses de classe alta, e fazia com que o emprego se tornasse quezito de luxo. A europa esse tempo sofreu varias alterações, na economia, sociedade, estudos, mas o idealismo realista, nao ajudou muito, ao contrario. Com cotidiano muito massacrante,com altas carga horaria e baixo salario. A democracia ganha força, e tambem os estudos. A população urbana almenta muito, e o valor do proletariado cai mais ainda. E no periodo da segunda fase da revolução industrial, aumentou mais ainda o valor que os estudos tinham. Arquitetura tambem mudou ! O Brasil ainda tava muito diferente da europa, nem começado a industrialização, com escravidão, monarquia e pais agrario. Ocorreram varias manifestações, mas nenhuma surtiu efeito positivo. Era uma sociedade agricola, com cultura cafeeira. O contexto cultural e histórico foi marcado pelo Materialismo e pelo Cientificismo.

Materialismo Prega que tudo deve ser entendido e explicado com base a matéria, em fatos reais e concretos, rejeitando qualquer explicação ou concepção divina acerca do homem no mundo. Esse pensamento materialista teve como consequências profundas mudanças científicas e filosóficas. Cientificismo Houve a construção da primeira pilha (Volta); a invenção do telefone; O estudo da quantidade de eletricidade por Columbo e a Teoria do Evolucionismo por Charles Darwin.

Filosofia Doutrina do Positivismo de August A firma que só é verdade o que for cientificamente comprovado.

Comte:

Determinismo de Taine:

Prega que o homem é produto do meio (social e/ ou natural), do momento e da raça a que pertence. Como era a vestimentas das pessoas . As mulheres usavam vestidos longos e fofos...daqueles que eram cheios de saias e que fizessem barulho. geralmente eram espartilhadas e os vestidos de noite tinham decotes, nos pés usavam botinhas ou sapatinhos. As mais pobres usavam vestido também, mas de um tecido menos nobree com menos enfeites ou saias e botinhas , joias tambem eram muito utilizadas, e os cabelos deveriam estar no alto. chapeus somente para sair de dia. Os homens, usavam casacas a noite, e de dia uma espécie de terno( que poderia ser de varios tecidos e cores, dependendo da ocasiao) que levava colete e as golas deveriam ser bem engomadas, para que o colarinho ficasse sempre no alto. chapéus e bengalas poderiam ser usadas de dia e cartolas a noite. nas gravatas poderia-se colocar um grampo com alguma pedra preciosa e a roupa branca(camisas etc) eram muito importantes e deveriam ser muito bem passadas e engomadas. em casa, permitia-se usar o famoso robe de chambre.

A arte ARQUITETURA Os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações, ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia. Em 1889, Gustavo Eiffel levanta, em Paris, a Torre Eiffel, hoje logotipo da "Cidade Luz".

ESCULTURA

Auguste Rodin - não se preocupou com a idealização da realidade. Ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são. Além disso, os escultores preferiam os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras. Sua característica principal é a fixação do momento significativo de um gesto humano. Obras destacadas: Balzac, Os Burgueses de Calais, O Beijo e O Pensador.

PINTURA Características da pintura: • Representação da realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza, ou seja o pintor buscava representar o mundo de maneira documental; • Ao artista não cabe "melhorar" artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é; e. • Revelação dos aspectos mais característicos e expressivos da realidade. Temas da pintura: • Politização: a arte passa a ser um meio para denunciar uma ordem social que consideram injusta; a arte manifesta um protesto em favor dos oprimidos. • Pintura social denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. As pessoas das classes menos favorecidas - o povo, em resumo - tornaram-se assunto frequente da pintura realista. Os artistas incorporavam a rudeza, a fealdade, a vulgaridade dos tipos que pintavam, elevando esses tipos à categoria de heróis. Heróis que nada têm a ver com os idealizados heróis da pintura romântica.