You are on page 1of 1

máquina

do tempo
variedades@oparana.com.br
1° de setembro de 2004
Prefeito de Cascavel, Edgar
Bueno (foto), desapropria o
Autódromo Internacional de
Cascavel. Seu sucessor, Lísias
C8 - O Paraná Domingo, 30/8/2009 Tomé, revogaria a medida.

HISTÓRIA

Um brasileiro nos domínios ingleses
Arthur Martins Franco veio ao Oeste em 1904 bisbilhotar propriedades estrangeiras
Divulgação
Cascavel - A viagem come- no Dálmata. O navio foi inici- situação das terras de domí-
çou em 3 de setembro de 1904. Na época, almente a Montevidéu, no nio paranaense. O capital in-
O engenheiro Arthur Martins
Franco partiu de Curitiba em
era preciso ir Uruguai, e daí para Buenos
Aires. A chegada a Foz do
glês, então, controlava a re-
gião através de empresas se-
direção ao Oeste do Paraná, primeiramente Iguaçu deu-se a 8 de outubro, diadas na Argentina.
mas ainda tardaria muito tem-
po até que pudesse finalmen-
ao litoral para mas somente no dia 24 de no-
vembro a turma de medição
Acompanhado pelo fotógra-
fo Max Kopf e uma turma de
te chegar. Se fosse hoje, o lú- viajar ao Oeste chegou até o local onde come- trabalhadores, Franco foi de-
cido engenheiro seria conside-
rado um maluco: para chegar
paranaense çou a demarcar as terras da
companhia Nuñes y Gibaja.
signado para a missão pelo
engenheiro Cândido de Abreu,
ao Oeste, ele começou se diri- Aos 28 anos, nascido em encarregado das terras devo-
gindo a Paranaguá, rumo ao tima que seria apenas a primei- Campo Largo em 10 de abril lutas do Estado, com o aval
extremo oposto. ra etapa da aventura. de 1876, Martins Franco veio do governador Vicente Ma-
Mas não havia outro jeito, há Para fazer os primeiros re- ao Oeste do Paraná “bisbilho- chado. A ordem era penetrar
105 anos. Na época, era preciso gistros do que hoje se tornou tar” o controle inglês sobre a no sertão do Alto Paraná e
ir primeiramente ao litoral para Cascavel, o engenheiro Mar- região, tomando notas sobre demarcar as terras concedidas
viajar ao Oeste paranaense, atra- tins Franco partiu de Parana- as dimensões das grandes às empresas ervateiras Nuñes
vés de uma longa viagem marí- guá a bordo do vapor argenti- obrages anglo-argentinas e a y Gibaja e Domingos Barthe. Engenheiro Arthur Martins Franco

Museu e universidade Histórias do Paraná (67)
Depois dessa grande aven- ao lado de Nilo Cairo, Vitor do Em 1948, a atual sede Paranaense de Colonização
tura, Martins Franco faria Amaral e Plínio Tourinho, fun- municipal de Cafelândia era e Imigração, Aldino Formi-
carreira política. Foi eleito dador da atual Universidade Fe- conhecida pelo nome de Cai- ghieri chegou à região de
deputado estadual em 1916, deral do Paraná. xão, resultante do fato de Corbélia em 1949, para
mas seu estofo moral o fez re- Essa trajetória de suces- que seus primeiros morado- logo em seguida trazer as
nunciar ao mandato, indigna- so teve origem na compe- res encontraram à beira de famílias de João Fridolino
do com as arbitrariedades co- tência, patriotismo – e pa- um riacho uma urna mor tuá- Dillemburg, Homero Baú e
metidas na disputa que reti- ranismo – demonstrados ria abandonada pelos er va- Francisco Mânica. Passa-
rou parte do Estado do Para- em sua célebre jornada ao teiros paraguaios. Foi assim ram a desmatar áreas para
ná, incorporando-a ao Estado Oeste paranaense. Foram a formação de lavouras e
que o ataúde fúnebre deu
de Santa Catarina. seis meses de viagem até
nome ao rio e ao povoado abrir as primeiras estradas
O Paraná tinha então limi- chegar à região da atual Cas-
que se instalou no local. a par tir das mar gens dos
tes com o Rio Grande do Sul. cavel, em 9 de março de 1905,
As margens do rio Caixão córregos Rancho Mundo e
Com a perda de sua porção junto ao acampamento central
eram habitadas inicialmente Arroio dos Porcos e do rio
Sudoeste para Santa Catari- da empresa ervateira Domin- TP: território tirado do Paraná e
por safreiros descendentes de Sapucaia, onde plantaram
na, as Araucárias se privaram gos Barthe, a Central Barthe. incorporado a Santa Catarina
de uma importante parte de Ao concluir seu trabalho, caboclos e índios. “Abriam o as primeiras moradias.
seu território. Hoje, a única Franco afirmou que as conces- Além de seu relato sobre a mato e plantavam milho para (A seguir: o “Xerifão”)
lembrança de que aquela re- sões dadas aos estrangeiros aventura no Oeste, o engenhei- engordar porcos que soltavam
gião foi paranaense é o nome não significavam a entrega do ro, também historiador e pre- nas roças. Em 1948 aqui che-
de uma cidade: Curitibanos. território: “O Paraná jamais sidente do Museu Paranaen- garam as primeiras famílias Na internet:
Martins Franco seria eleito vai abrir mão dessa rica re- se, escreveu o livro Diogo Pin- do Sul, para aventurarem http://dihitt.com.br/Cascavel
deputado federal em 1924, quan- gião”. De fato, não abriu: em to de Azevedo Portugal e a uma vida nova” (jornal Hoje-
do o Paraná só tinha quatro va- 1930 o Estado tomou aquelas Conquista dos Campos de Regional, de Cascavel). E-mail: naroda@ig.com.br
gas. Reeleito em 1927 e 1930, foi, terras de volta. Guarapuava. Fiscal geral da Fundação

Embrião do Mercosul Calendário
Mar tins Franco veio ao que as próprias autoridades Era o povo fazendo o Merco- 1º de setembro de 1931 3 de setembro de 1991
Oeste mantendo a impres- também o falavam. sul já no século XIX! Foz do Iguaçu pede ao gover- Surge o Programa Oeste Mo-
são de que a região estava no do Estado a posse das dernidade, destinado a trans-
completamente tomada pe- terras da atual Cascavel. formar a região em pólo de
los argentinos, quando teve ciência e tecnologia, por inici-
uma surpresa. 1º de setembro de 1943 ativa da Unioeste, Amop, Aca-
– Os animais da minha tur- Criado o 1º Batalhão de Fron- mop, Caciopar, Itaipu, Se-
teira, em Foz do Iguaçu. brae, Seic, Ocepar, Cotrigua-
ma achavam-se bem trata-
çu e outras entidades.
dos, entregues como foram,
1º de setembro de 1979
a um tropeiro dedicado e co- Comissão Mista Brasil–Argen- 4 de setembro de 1933
nhecedor do ser viço, Ar thur tina Pró Construção da Ponte Foz do Iguaçu adquire as ter-
Almeida, e, que tomou por mim Internacional sobre o Rio ras da futura Cascavel junto
tal amizade, que, terminado o Iguaçu faz manifestação re- ao governo do Estado e inicia
ser viço quis acompanhar-me clamando urgência do go- a criação do Patrimônio Mu-
para Curitiba. Era natural de S. verno brasileiro para o iní- nicipal de Aparecida dos Por-
Pedro (Argentina), falava corre- cio da obra. tos de Cascavel.
tamente o por tuguês. Como
2 de setembro de 1934 5 de setembro de 2005
eu estranhasse sendo ele ar-
Primeira transmissão espor- Índios avás-guaranis, da reser-
gentino e falasse tão bem o tiva do Paraná: Atlético 1 x va Santa Rosa do Ocoy, São Mi-
por tuguês, informou-me que, Coritiba 1, no Estádio da Bai- guel do Iguaçu, ocupam área do
em S. Pedro, povoado argenti- Uma das primeiras imagens de Cascavel: o acampamento de xada, em Curitiba. Parque Nacional do Iguaçu.
no, só se falava o português e Martins Franco (1905)