DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Na doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), o fluxo de ar pelas vias aéreas é impedido.

Existem quatro mecanismos principais, produtores de estreitamento das vias aéreas, em especial dos bronquíolos de tamanho pequeno a médio, que quando combinados produzem três variedades principais da DPOC (asma, bronquite crônica e enfisema). Os mecanismos: 1 - Espasmo dos músculos, dispostos de forma espiralada e presentes na parede dos bronquíolos; 2 – Edema (Inchaço) inflamatório da mucosa das vias aéreas; 3 Secreção excessiva, principalmente de muco e; 4 - Perda do tecido elástico, que normalmente mantém abertas as vias aéreas de menor calibre. Asma A característica mais importante é o espasmo intermitente da musculatura lisa que circunda os brônquios e bronquíolos. O processo pode ser desencadeado por diversos motivos (alergias e alterações dos padrões de exposição aos microrganismos). Bronquite crônica e Enfisema São caracterizados pela presença persistente e irreversível da restrição das vias aéreas, com tosse crônica produtiva. Ocorre disfunção progressiva das trocas gasosas com hipercapnia e hipoxemia. A bronquite crônica está associada à lesão das vias mais calibrosas, com aumento das células secretoras de muco, e perda das células ciliadas. As membranas mucosas ficam inflamadas e espessas. A delicada estrutura elástica dos pulmões é destruída. Essas últimas alterações é que levam ao enfisema. O Enfisema é um esttado de irritação respiratória crônica, de lenta evolução, quase sempre causada pelo fumo, embora outros agentes (poeira, poluentes, vapores químicos) também possam provocá-lo. No enfisema, os alvéolos transformam-se em grandes sacos cheios de ar que dificultam o contato do ar com o sangue, uma vez que foram destruídos os septos alveolares por onde passavam os vasos.

PNEUMONIAS Pneumonias são infecções que se instalam nos pulmões e que podem acometer a região dos alvéolos pulmonares onde desembocam as ramificações terminais dos brônquios e, às vezes, os septos alveolares (espaços entre um alvéolo e outro). Basicamente, pneumonias são provocadas pela penetração de agentes infecciosos ou irritantes (bactérias, vírus, fungos e alergenos) no espaço alveolar, onde ocorre a troca gasosa. E que deve estar sempre livre de substâncias que possam impedir o contacto do ar com o sangue.

Deterioração mental(idosos) Fatores de risco como alcoolismo. Infecção respiratória superior 2. geralmente acomete os bronquíolos e os sacos alveolares. Nesse espaço existe pequena quantidade de líquido pleural que diminui o atrito durante os movimentos pulmonares. As vias aéreas têm como função principal conduzir o ar entre o meio ambiente e os pulmões (alvéolos pulmonares). 1. Para tomar mais preciso o diagnóstico são usados termos como: broncopneumonia. para fins de tratamento e diagnóstico 1. Insuficiência respiratória 2. 2. A pleura reveste a cavidade torácica internamente (pleura parietal) e os pulmões externamente (pleura visceral). proporcionando a entrada de ar filtrado e rico em oxigênio. para fins de tratamento e diagnóstico Os pulmões são dois órgãos localizados no interior da cavidade torácica. 3. Para tomar mais preciso o diagnóstico são usados termos como: broncopneumonia. Fatores de risco como alcoolismo. tabagismo. vírus. Vias aéreas superiores: cavidade nasal. Rx de tórax 4. bronquíolos. Exame físico 3. Febre 3. faringe. Choque séptico (falência circulatória aguda) . participando assim do processo de respiração. geralmente acomete os bronquíolos e os sacos alveolares. traquéia. parasitas. Processo inflamatório do parênquima pulmonar. identificando pacientes com quadros clínicos característicos. doenças agudas e crônicas. Vias aéreas inferiores: laringe. podendo estar aumentando em condições patológicas. Pode ser causada por bactérias. Exame microscópico de escarro Insuficiência respiratória 1. Tosse produtiva com escarro purulento ou ferruginoso 6. cavidade oral. identificando pacientes com quadros clínicos característicos. devem ser sempre investigadas 2. pulmões e alvéolos pulmonares. fungos. 1. Os pulmões são dois órgãos localizados no interior da cavidade torácica. doenças agudas e crônicas. inalação química. Entre as pleuras. pneumonia intersticial ou pneumonia lobar. tabagismo. Episódios de calafrios 4. revestidos externamente por uma membrana denominada pleura. 2. Infecção respiratória superior 1. existe um espaço virtual denominado de espaço pleural. pneumonia intersticial ou pneumonia lobar. aspiração de conteúdo gástrico ou acúmulo de líquido nas bases pulmonares. revestidos externamente por uma membrana denominada pleura. 1. devem ser sempre investigadas 1. cavidade oral.Pneumonias Processo inflamatório do parênquima pulmonar. 2. onde a pressão é negativa. Vias aéreas superiores: cavidade nasal. assim como a saída de ar rico em dióxido de carbônico do aparelho respiratório. faringe. Dor torácica 5. 2. 1. Dividem-se em vias aéreas superiores e inferiores. brônquios. Contagem de leucócitos 5.

edema e derrame pleural 2. 1. pele fria e pegajosa. abaixo do normal. cianose e bradicardia. apatia (pneumonia pneumocócica). Choque. taquicardia 3. náuseas e vômito. pneumonia complicada. Íleo paralítico (cessação dos movimentos intestinais) 4. respirações rápidas e curtas. Geralmente acomete um ou mais lobos Medicações: penicilina. insuficiência cardíaca. respirações rápidas e curtas. 3. pele fria e pegajosa. insuficiência renal). taquicardia. Medicações: penicilina. Sedação com benzodiazepínicos em pacientes agitados Choque. . 6. cefalosporina. eritromicina. 7. estado de imunocomprometimento. ruídos respiratórios diminuídos ou ausentes. 2. hipotensão. Monitorar o estado respiratório e investigar os sinais e sintomas de hipóxia: aumento da FR. Repouso. mal-estar. abaixo do normal. calafrios. 2. 4. tosse produtiva. estado de imunocomprometimento. sendo desnecessário a identificação específica do microorganismo. tosse persistente e produtiva com escarro escuro e espesso. PNEUMONIA POR PSEUDOMONAS: Causada pela pseudomonas aeruginosa 3. Iniciar antibióticoterapia conforme prescrição. 4. 5. Analgésicos e antipiréticos 8. eritromicina. MANIFESTAÇÕES: Inicio súbito. META de Enfermagem = detectar sinais e sintomas precoces de hipóxia e de choque séptico e intervir em colaboração para estabilizar o paciente Monitorar de perto os indivíduos de alto risco: idade > 65 a. doença subjacente grave (DPOC. pulso fraco. 5ºc. 2.5-40°C). Hidratação VO ou parenteral adequada. Monitorar os sinais e sintomas do choque séptico: temp. calafrios. BACTERIANAS 1. insuficiência cardíaca. cefalosporina. Favorecida pelas infecções virais (gripes) e pelo clima frio (inverno). 4. Monitorar os sinais e sintomas de hipertemia: febre de 39. Enfermeiro necessita A grande maioria dos casos responde satisfatoriamente ao uso de antibióticos escolhidos com base nos achados clínicos Iaboratoriais. 1.3. PNEUMONIA ESTREPTOCÓCICA : Causada pelo Streptococus pneumoniae (60 70%). edema e derrame pleural 1. febre. insuficiência renal). 3. Monitorar os sinais e sintomas do choque séptico: temp. doença hepática. Dieta líquida nos primeiros dias. nível de consciência diminuído. pulso fraco. Monitorar de perto os indivíduos de alto risco: idade > 65 a. A grande maioria dos casos responde satisfatoriamente ao uso de antibióticos escolhidos com base nos achados clínicos Iaboratoriais. calafrios. 1. sendo desnecessário a identificação específica do microorganismo. distensão abdominal. nível de consciência diminuído. Monitorar os sinais e sintomas de íleo paralítico: ausência de movimentos e ruídos intestinais. Oxigenoterapia. pneumonia complicada. Fluidificação de secreções. DM. doença hepática. Manifestações: confusão. febre elevada (39. 5. hipotensão. Proporcionar fisioterapia respiratória para movimentar as secreções espessas Enfermeiro necessita 1. 3. BACTERIANAS 2. DM. doença subjacente grave (DPOC. cianose. dor torácica. 1.

dispnéia 11. neurite dos nervos cranianos ou periférica. relativa bradicardia 5. febre. consolidação. prostração. sinais de bronquite e bronquiolite. 2. 1. tosse. salas de sala. Infiltrados. 2. Alto índice de mortalidade PNEUMONIA VIRAL: causada por agentes virais como: adenovírus. mialgia 10. Vacinação profilática (sarampo) em casos de epidemias 5. MANIFESTAÇÕES: paciente jovem com manifestações gerais insidiosas como: 3. COMPLICAÇÕES: meningite asséptica. vírus parainfluenza. sintomas similares ao resfriado 4. Manifestações: 3. Caráter endêmico: familiar. Atinge pessoas com doença pulmonar pré-existente e pessoas debilitadas. salas de sala. Causada pela bactéria LEGIONELLA PNEUMOPHILA 2. expectoração Tratamento: 1.4. influenza A e B. renovírus e coronavírus. vírus parainfluenza. creches. miocardite. dor pleurítica 8. febre alta 7. Hidratação adequada 4. tosse produtiva 6. influenza A e B. confusão mental 9. Aciclovir 3. 1. cefaléia intensa associada a tosse 6. quartel. 2. PNEUMONIA VIRAL: causada por agentes virais como: adenovírus. apatia. COMPLICAÇÕES: . Antitussígenos para casos de tosse inconveniente(sono. COMPLICAÇÕES: Consolidação pulmonar maciça evoluindo para a necrose e formação de abcessos múltiplos 3. pericardite. TRATAMENTO: Eritromicina e Rifampicina 4. possível derrame pleural 3. Gentamicina + carbenicilina Aminoglicosideo + ceftazedina 1. Antibioticoterapia específica para complicações com infecção bacteriana Causada pela bactéria Mycoplasma pneumoniae. Causada pela bactéria LEGIONELLA PNEUMOPHILA 1. 4. quartel. O equipamento de respiração pode estar contaminado. hemoptise Ao raio X de tórax. Manifestações: 3. renovírus e coronavírus. mialgias. creches. febre (menor que 39. Ao raio X de tórax. cefaléia. trabalho) 5.5°). percebe-se: 2. Tratamento: 2. percebe-se: 1. Causada pela bactéria Mycoplasma pneumoniae. Repouso 4. Gentamicina + carbenicilina Aminoglicosideo + ceftazedina 2. dor torácica 5. escarro mucoso e com estrias de sangue 7. Caráter endêmico: familiar. TRATAMENTO: eritromicina 3. tosse seca. 1.

tosse) 3. capacidade do paciente desempenhar higiene oral e estado de hidratação 3. miopatias). RX de tórax revelando infiltrados difusos ( vírus) ou localizados (bactérias. sinais e sintomas de recorrência e atendimento de acompanhamento 1. protozoários. Agressiva higiene transbrônquica com aspiração e drenagem vigorosas. O paciente imunossuprimido pode apresentar infecção por bactérias. Tratamento de apoio e alívio ao desconforto: 5. 1. Alto risco para mucosa oral prejudicada relacionado à respiração pela boca. Avaliar: prontidão e capacidade para aprender e reter a informação. doenças neurológicas como AVC. 5. 7. Pneumonia ocorrendo no intervalo de 2-4 semanas após transplante de órgão. Antibioticoterapia com ampla cobertura tipo CEFTRIAXONE ( Rocefim) 2. 2. Pneumonia mais fulminante (bacteriana) enquanto que a pneumonia insidiosa (meses) é geralmente causada por vírus. RX de tórax revelando infiltrados difusos ( vírus) ou localizados (bactérias. micobactérias. Associar aminoglicosideos S/N. doenças neurológicas como AVC. dieta. . Nutrição e hidratação adequadas ( oral e parenteral). Avaliar: a condição geral e umidade da cavidade oral e dos lábios. 1. fungos. fungos. 1. Alto risco para controle ineficaz do regime terapêutico relacionado à falta de conhecimento sobre condição. dieta. Paciente imunossuprimido com manifestações de infecção respiratória (febre. Antibioticoterapia com ampla cobertura tipo CEFTRIAXONE ( Rocefim) 1. fungos). protozoários ou vírus. com taxa de mortalidade de 15 a 50 %. expectoração frequente e diminuição da ingestão de líquidos secundária ao mal-estar. prevenção da recorrência. O paciente imunossuprimido pode apresentar infecção por bactérias. Defeitos na imunidade humoral favorecem infecções bacterianas (deficiência de anticorpos) enquanto que defeitos na imunidade celular predispõem as infecções virais. expectoração purulenta. transmissão da infecção. conforme agente(s) provável (is). dispnéia perda de apetite e mal-estar. micobactérias. 2. 2. protozoários ou vírus. 3. Traqueostomia em casos específicos Alto risco para mucosa oral prejudicada relacionado à respiração pela boca. 3. sinais e sintomas de recorrência e atendimento de acompanhamento 2. 2. é altamente LETAL. Cirurgia para corrigir refluxo gastroesofágico. fungos). fungos. fúngicas. transmissão da infecção. 6. MANIFESTAÇÕES: 2. 1. A aspiração de líquidos para o trato respiratório e a ocorrência de pneumonia bacteriana é um fenômeno que ocorre em pacientes com distúrbios graves de deglutição( carcinoma de esôfago. 1. micobactérias. 8. expectoração frequente e diminuição da ingestão de líquidos secundária ao mal-estar. Ocorrem pneumonias recorrentes caracterizadas por febre. miopatias). TRATAMENTO: tratamento empírico é justificado na dificuldade diagnóstica. escarro purulento e infiltrados ao exame radiológico.hipotensão choque insuficiência renal aguda A pneumonia causada por LEGIONELLA. Uso de lemofloxacina (MAXAQUIN). 4. A aspiração de líquidos para o trato respiratório e a ocorrência de pneumonia bacteriana é um fenômeno que ocorre em pacientes com distúrbios graves de deglutição( carcinoma de esôfago. prevenção da recorrência. Meta: o paciente exibirá a mucosa oral úmida e íntegra Alto risco para controle ineficaz do regime terapêutico relacionado à falta de conhecimento sobre condição.

1. Na clínica pneumológica as pneumonias são freqüentes. Oxigenoterapia: conforme o indicado. 1. ingestão de álcool. em acordo com resultado gasométrico Educar o paciente a prevenção de doenças pulmonares. e geralmente com bom prognóstico. Recomendar exames e controle ambulatorial após a alta Na clínica pneumológica as pneumonias são freqüentes. boa nutrição) 3. Manter equilíbrio hidroeletrolítico 5. mas podem ocorrer complicações importantes. qual a conduta que devemos adotar para ter maior sucesso em seu tratamento? . Em assistência de enfermagem ao paciente com pneumonia. e geralmente com bom prognóstico. 2. evitar o excesso de fadiga. Tratamento de apoio e alívio ao desconforto: 2. mas podem ocorrer complicações importantes. Educar o paciente a prevenção de doenças pulmonares. frio. Ajudar a tossir 3. conservar a resistência natural (repouso. 4. comunicar o médico quaisquer sintomas de infecção respiratória 5. 2. 1. Cite algumas destas. Reduzir a dor 4. que diminui a resistência. Cite algumas destas.