You are on page 1of 2

REVOGAÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA E TEMPORÁRIA AULA 1.1 PRISÃO E LIBERDADE Prisão Cautelar 1.1. Medida Cautelar – Processo Cautelar 1.2.

Características: - acessoriedade; - instrumentalidade hipotética – instrumento de garantia do processo principal para cumprimento de pena numa eventual condenação. - provisoriedade – dura até que outra seja decretada ou o tempo estabelecido em lei. - preventividade – como forma de suprir o requisito da preventiva “garantia da ordem pública”. - homogeneidade – assemelha-se a proporcionalidade. Obs.: três máximas do princípio da proporcionalidade: 1) adequação; 2) necessidade e 3) proporcionalidade em sentido estrito. 1.3. Requisitos da Prisão Cautelar - legitimidade – salvo prisão em flagrante, depende de ordem judicial. - legalidade – deve estar prevista na lei. - pressupostos a) fumus comissi delicti b) periculum libertatis 2. Espécies de Prisão Processual - Prisão em Flagrante - Prisão Temporária - Prisão Preventiva Obs.: riscar o art. 585, do CPP. PRISÃO TEMPORÁRIA (Lei 7.960/89) 1. Hipóteses de Admissibilidade 1.1. Pressupostos: - Art. 1º incisos I e II – periculum libertatis - Art. 1º inciso III – fumus comissi delicti Obs.: 1. Fundamentação: I e III II e III I, II e III 2. As discussões maiores são quanto ao cabimento da prisão temporária nos crimes de quadrilha e tortura. 2. Legitimidade / Sujeito Ativo Não poderá ser decretada de ofício pelo juiz. 3. Prazo da prisão 5 dias + 5 dias Crimes hediondos ou assemelhados (30 + 30 dias). 4. (Des)necessidade de expedição de alvará de soltura (art. 4º da Lei 7.960/89 e art. 4º, alínea i da Lei 4.898/65). 5. Discussão sobre a Constitucionalidade PRISÃO PREVENTIVA 1. Requisitos 1.1. Legitimidade (art. 311) – do Juiz. (Im)possibilidade de preventiva de ofício em fase de Inquérito Policial (Sistema Acusatório). 1.2. Pressupostos (art. 312)
GOE ou GOPE ou CIC ou ALP  prova da infração e indícios suficientes de autoria

1.4. Legalidade (art. 313) RELAXAMENTO DE PRISÃO, LIBERDADE PROVISÓRIA E REVOGAÇÃO DA PREVENTIVA Quadro Comparativo
Medidas de Contracautela Relaxamento de Prisão Liberdade Provisória Causa ou Cautela Prisão Ilegal Efeitos Liberdade Plena

Prisão em Liberdade Vinculada* Flagrante Legal Revogação da Prisão Preventiva Liberdade Plena* preventiva Legal * hoje é possível a cumulação com as medidas cautelares não prisionais previstas no art. 319, do CPP.

Observações: 1. A medida revogação da preventiva é adequada para prisão preventiva decretada legalmente cujos motivos se encontravam presentes e desapareceram. 2. As contracautelas são requeridas através de petições endereçadas ao juiz processante, portanto, em regra , ao Juízo de 1º Grau. 3. Fundamentação: 3.1 Relaxamento de Prisão - art. 5º, LXV, CF/88 LXV – a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária. - art. 310, I, CPP Art. 310. Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente: I – relaxar a prisão ilegal; 3.2 Liberdade Provisória - art. 5º, LXVI, CF/88 LXVI – ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança. - art. 310, III, e 321, CPP Art. 310. Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente: III - conceder liberdade provisória, com ou sem fiança. Art. 321. Ausentes os requisitos que autorizam a decretação da prisão preventiva, o juiz deverá conceder liberdade provisória, impondo, se for o caso, as medidas cautelares previstas no art. 319 deste Código e observados os critérios constantes do art. 282 deste Código. 3.3 Revogação da Preventiva - arts. 282, § 5º, e 316, CPP Art. 282. § 5º - O juiz poderá revogar a medida cautelar ou substituí-la quando verificar a falta de motivo para que subsista, bem como voltar a decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem. 3.4 Revogação da Temporária - art. 282, § 5º, CPP Art. 282. § 5º - O juiz poderá revogar a medida cautelar ou substituí-la quando verificar a falta de motivo para que subsista,

319. 2º . DO DIREITO 1º .motivos que justificavam a prisão quando da sua decretação. optando a lei por sua substituição pelas medidas do ART. JURISPRUDÊNCIA STF e STJ sobre a REVOGAÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA Doutrinadores garantistas: a) Aury Lopes Jr. b) Paulo Rangel c) Geraldo Prado d) André Nicolite . 3º . CPP.indicação da existência da prisão. 319.: a única hipótese que dispensa a oitiva do MP é no pedido de liberdade provisória mediante fiança.indicar o desaparecimento dos motivos. Modelo da Peça Processual Esqueleto: DOS FATOS = 1º. 2º . 316 c/c 282. 3º . Obs.prisão como última ratio.bem como voltar a decretá-la. DO PEDIDO (revogação da preventiva) Requer seja desconhecido o desaparecimento dos motivos que justificavam sua prisão com a consequente revogação da prisão preventiva com fundamento no art.direito à revogação. subsidiariamente caso entenda Vossa Excelência que aplique uma das medidas cautelares do art. § 5º. do CPP. se sobrevierem razões que a justifiquem. do CPP.desaparecimento dos motivos que justificavam a custódia cautelar (prisão). com a consequente expedição do alvará de soltura.