You are on page 1of 6

24/12/13

GLEE - Gnose - Glossário

GLOSSÁRIO
P E Q U E N OV O C A B U L Á R I OEN O T A SE X P L I C A T I V A S
[] AEON [] AMEN [] APPARELHAMENTUM [] APÓSTOLO [] ARCANO [] ARCONTE [] [] ARQUÉTIPO [] CARIDADE [] CÁTARO [] CONSOLAMENTUM [] CONVENENZA [] [] CREDO [] DEMIURGO [] DEUS [] ENDURA [] EVANGELHO [] DIÁCONO [] [] GNOSIS [] IEHOSHUAH [] KYRIE ELEISON [] LOGOS [] MARANATHA [] [] MELHORAMENTO [] NAG HAMMADI [] [] PARÁCLITO [] PLÉROMA [] [] SINAL DA CRUZ [] SINCRETISMO [] SOPHIA [] THEOTOKOS [] VALENTINUS [] AEON ( ÆON ) - O mesmo que EON, um período de tempo extremamente longo e indefinido; milhões e milhões de anos. Em Geologia um período de tempo maior que uma ERA, como o Eon Fanerozóico, ou um bilhão de anos. (Etmologia: aion - uma idade, vida, eternidade). Emanções de Ser a partir do desconhecido e último princípio metafísico ou Pleroma. Utiliza-se na Gnose como "categorias e/ou lugares onde os espíritos habitam" ou entidade espiritual maior criada pelo Sem-Nome e Sem-Pincípio: "o Deus que foi criado deu aos AEONS o poder da vida para que eles dependessem dele e ele os estabeleceu: O primeiro Aeon ele estabeleceu sobre o primeiro: Armedon, Nousanios, Armoze; o segundo ele estabeleceu sobre o segundo Aeon: Phaionios, Ainios, Oroeiael, o terceiro Aeon: Mellephaneus, Loios, Daveithai; o quarto sobre o quarto: Mousanios, Amethes, Eleleth." (extraído do texto Gnóstico "Trimorphic Protennoia" encontrado em Nag Hammadi). => AMEN - Esta é uma palavra Hebraica, não Grega e existe em diversas linguas Semíticas. Jurar por Amen era um compromisso que ninguém imaginaria poder quebrar. Ninguem que chamasse Amen, por testemunha do que tinha sido dito, arriscaria dizer nada menos que a verdade. Um exemplo do seu uso original pode ser encontrado em Isaias 65:16; a palavra Hebraica aqui traduzida como "de Verdade" é Amen. Seu significado, em nossos dias é "Asim Seja" ou "Assim é". (Etmologia: Hebraico - amen, verdadeiramente, certamente). => APPARELHAMENTUM - Termo de origem Cátara, relacionado a Liturgia da Confissão, significando aparelhar-se ou dispor-se novamente a uma observação mais rigorosa das regras da vida perfeita, onde repete-se o moto "Benedicte, Parcite Nobis, Domine", literalmente: "Oh Bendito, Poupai a Nós, Senhor". (Etmologia - occitânico, de aparelhar, preparar ou preparar-se para) => APÓSTOLO - Uma pessoa enviada em uma missão especial. Pessoa que advoga ou líder de uma nova doutrina. Discípulo, dedicado a uma missão ou escola. Usualmente qualquer dos doze discípulos de Cristo,
www.eon.com.br/unilae/unil351.htm 1/6

24/12/13

GLEE - Gnose - Glossário

enviados para pregar o Evangelho: André, Bartolomeu, Tiago (o jóven, filho de Alpheus), Tiago (o velho) e João (filhos de Zebedeu), Judas (ou Lebaeus ou Tadeu), Judas Iscariotes, Mateys (ou Levi), Felipe, Simão o Cananita, Simão (chamado Pedro) e Tomás (ou Didymus); Paulo o Apóstolo dos Gentios, não estava entre os doze originais. Judas foi substituído por Matias. (Etmologia: apostolus - Lat, apostolos - Gr, pessoa enviada, apostellein - apo, proveniente de + stellein, enviar.) => ARCANO - Um segredo, um mistério. Remédio secreto, elixir. Utiliza-se como símbolos secretos: O Grande Arcano da Magia, os Arcanos Maiores do Taro. (Etmologia: arcanum - fechado, secreto). => ARCONTE - (ARCHON) - Antigo magistrado grego ou magistrado da antiga Athenas. Também legislador ou executor de leis. (Etmologia: arch - arca, antigo arcaico, ou arco). Utiliza-se na Gnose como seres superiores bons ou máus como os Senhores deste Mundo, no sentido de Senhores do Mal, Satan o Arconte. Diz o Senhor Jesus Cristo a Tiago: "… Mas deixe Jerusalem. Pois é ela que sempre dá uma taça de amargura aos filhos da luz. Ela é um lugar onde habitam um grande numero de Arcontes. Mas sua redençao será preservada deles. E então poderás entender quem eles são e de que tipos eles são, voce irá […] E ouça: eles não são […] mas […Arcontes]. Estes doze […] para baixo […] Arcontes […] sobre seus próprios sete dias da semana." (extraído do Primeiro Apocalipse de Tiago, fragmentos de texto Gnóstico encontrado em Nag Hammadi) => ARQUÉTIPO - O padrão original ou modelo, a partir do qual outras coisas da mesma natureza são feitas. Protótipo Ideal das coisas, idéia que serve de modelo em relação a outras. Na psicologia de Jung, qualquer de diversas idéias inatas ou padões na psique, expressos em sonhos, artes, visões, etc, como certos símbolos básicos ou imagens. (Etmologia - Lat - artchetypus, Gr - archetypon - archos + typos). => CARIDADE - Virtude sobrenatural através da qual amamos Deus em sí mesmo e acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, por amor a Deus. Laço de amor que une os anjos entre sí, os homens entre sí, e os homens e os anjos ao seu Criador. Não poderíamos amar a Deus, se Deus não nos tivesse amado primeiramente. Deus é Caridade. Baseando-se em João (1 Ep. IV-16): Deus Caritas est; qui manet in charitate in Deo manet , os Cátaros afirmavam que o amor fazia parte da essência de Deus. Assim consideravam o pão supersubstancial da Oração Dominical, como sendo a própria Caridade. "A Caridade é chamada de pão supersubstancial porque está acima de todas as outras substâncias" - Glosa Cátara sobre o Pater. (Etmologia - Latim, caritas; occitânico, caritat ) => CÁTARO - A palavra Cátaro, que significa ‘PURO’, foi usada para designar um dos mais famosos e prósperos movimentos Gnósticos de toda a história, que começou no ano de 1030. Cátaros referia-se aos membros de uma comunidade religiosa na Itália, em Motefeltro. Posteriormente a Religião Cátara ou Catarismo desenvolveu-se em muitos países da Europa, mas principalmente no Sul da França, na Occitânia, onde se falava a Languedoc - "Língua do Oc" (Oc = sim, no Sul da França, em oposição a Langue d'Oui, do Norte da França). No catarismo a autoridade dos Bispos, Diáconos e ‘Perfeitos’, pois viviam em estado de graça, sobre os ‘Crentes’ (membros da comunidade em geral), era um autoridade moral, sem constrangimentos nem disciplinas impostas, e exercia-se igualmente entre os homens e as mulheres. As mulheres tornadas ‘Perfeitas’, embora não podendo ascender aos gráus mais altos da hierarquia, o diaconato e o episcopado, tinham porém os mesmos direitos, e podiam administrar o Consolamentum, sendo reverenciadas pelos Crentes. O dogma ensinava que não só as almas eram assexuadas, mas iguais; e além disso que as re-encarnações transformavam tanto homens em mulheres como mulheres em homens. Os Cátaros, também eram conhecidos como Albigenses, termo muito parecido com o movimento Italiano, dos chamados Albaneses, que também adotava uma filosofia dualista ou maniqueista. Os Albaneses, oriundos de Desenzano na Albânia, na Itália, eram chefiados pelo bispo Jean de Lugio, autor do famoso ‘Liber de duobus principiis’, considerado um dos teóricos do Catarismo. Contam que os Cátaros, tendo atingido elevado gráu de iluminação, possuiam o dom da palavra, pregando facilmente e transmitindo uma mensagem
www.eon.com.br/unilae/unil351.htm 2/6

24/12/13

GLEE - Gnose - Glossário

clara e sincera, capaz de atrair muitos fiéis. Vislumbraram também a realidade da Igreja Romana da época, cujo interesse principal era o Poder Temporal, e não o Espiritual, denunciando isto ao público. Em 1207, o Papa Católico Inocêncio III, com ajuda dos senhores feudais do Norte da França, (que falavan a Languedoui e eram contrários aos sulistas), convocou a destruição do Catarismo florescente. E 1295 caiu o mais famoso bastião Cátaro, o castelo de Montségur; na ocasião mais de 200 Cátaros foram queimados vivos, como hereges, pela Igreja Católica Romana. => CONSOLAMENTUM - Batismo espiritual Cátaro, na Igreja Gnóstica, conhecido como "Batismo do Fogo e do Ar", realizado após o "Batismo da Água e do Sal". O Consolamentum é realizado pela imposição das mãos, e fornece a ‘consolação’ do Paráclito, segundo a Tradição Apostólica. O Consolamentum era realizado pelos Cátaros, em duas ocasiões: · Batismo dos Perfeitos - para os Perfeitos, quando entravam nas Ordens Cátaras e renunciavam às coisas deste mundo. · Batismo dos moribundos ou consolados ministrado apenas quando um Crente estava próximo a morte, conferindo-lhe a esperança de que seus pecados seriam perdoados. Se o agonizante sobrevivia, este consolamentum caducava e, este devia voltar à sua vida de Crente, ou preparar-se para receber, a longo prazo, o Consolamentum dos Perfeitos. => CONVENENZA - Pela convenenza, o Crente ‘convencionava’ com a Igreja Cátara que seria ‘consolado’(receberia o consolamentum) na hora da morte. Mesmo que não se encontrasse consciente, e sem condições de dizer o Pater em voz alta, o consolamentum lhe seia ministrado. Esta convencão entrou em vigor no século XIII, devido ao perigo de morte, frequentemente enfrentado pelos crentes, em função das guerras e perseguições da Igreja Católica. (Etmologia - Palavra occitânica: acordo, pacto). => CREDO - Breve afirmativa de crença religiosa; confissão de fé. Asserrtiva específica de uma facção aceita por uma Igreja. Um conjunto de declarações, crenças, princípios ou opiniões sobre qualquer subjeto. Credo dos Apóstolos o Credo da Igreja Católica Apostólica Romana. Este Credo possui afirmações não aceitas por outras Igrejas, como por exemplo os Gnósticos não aceitam que Jesus ressucitou em seu corpo de carne, conforme aquele Credo, mas sim em seu corpo de Luz ou corpo Glorioso - "o Salvador apareceu, não em sua forma prévia, mas no espírito invisível. E sua aparência lembrava um grande anjo de luz. Mas sua aparência, eu não posso descrever. Nenhuma carne mortal poderia suportá-la, mas somente a carne pura e perfeita, como aquela que ele nos ensinou na montanha chamada, das Oliveiras, na Galiléia." (extraído do texto A Sophia de Jesus Cristo do Códice III de Nag Hammadi). (Etomlogia: crede, credere, eu acredito, confio; kred-dhe, atribuir poder mágico a; red, poder mágico de uma coisa, dhe, colocar.) => CREDO DA IGREJA GNÓSTICA - segundo John Bricaud - Eu creio em um só Deus, eterno Protetor e Pai Todo-Poderoso, Criador de todos os seres, visíveis e invisíveis, o primeiro nome da trindade de todos os divinos Eons. E em teu único Filho, o Logos Divino, o protótipo do homem, o segundo nome da trindade, Cristo, luz espiritual e física, nascido do tesouro da luz, verdadeiro Deus como o Pai e consubstancial com Ele, sem o qual nada foi feito. Que tornou-se encarnado na terra, na pessoa de Jesus, o salvador e estrela do pleroma, que desceu aqui por nós, tomando um corpo e uma alma como os nossos, no seio da abençoada Maria. Que foi manifesto em Jesus desde o tempo de seu batismo até o tempo de sua paixão; Que nos falou através de sua boca e nos ensinou a verdadeira e sagrada gnose e a santa vida, para livrar-nos da escravidão do Demiurgo e de seu Archon terrestre, para então permitir o nosso retorno, ao pleroma espiritual, nosso lar original, assim como ele mesmo retornou para lá depois da sua morte; Que voltará à terra outra vez em completa glória, para julgar os vivos e os mortos; Cujo reino não deverá ter fim. Eu creio no Espírito Santo, terceiro nome da trindade, que provém do Pai como o Filho; Que nos dá amor com a vida, que nos coloca na senda da verdade e da santidade, que unifica todos os seres, que é adorado e glorificado juntamente com o Pai e o Filho. Eu creio em uma só Igreja verdadeiramente universal ou católica, a origem na terra que advém juntamente com a raça humana, mas que nos céus constitui o sagrado pleroma, que é tão velho quando ao Próprio Deus, o Ser Perfeito. Eu confesso os dois batismos e os tres outros mistérios para a
www.eon.com.br/unilae/unil351.htm 3/6

24/12/13

GLEE - Gnose - Glossário

remissão dos pecados. Eu espero pela compleição do pleroma terrestre, o arrependimento dos mortos, a ascenção do pleroma, e por último a destruição final dos espíritos resistentes a qualquer conversão, ao mesmo tempo que a destruição do mundo físico, trabalho do Demiurgo. Amen. => DEMIURGO - No platonismo, uma divindade ou força criativa que deu forma ao mundo material. No Gnosticismo, uma divindade subordinada à Divindade suprema, algumas vezes considerada como o criador do mal. Uma força que governa ou poder criativo. (Etmologia: demiourgos, aquele que trabalha para o povo, trabalhador especializado, criador; demios, que pertence ao povo; demos, povo). => DEUS - A Causa Primeira ou Raiz de toda a criação e existência. Nosso "Verdadeiro Eu" ou "Eu Real" ou "Eu Superior". OS NOMES HEBRAICOS DE DEUS: Os Hebreus tinham muitos nomes para Deus e cada um tinha um sentido particular. Infelizmente nas versões inglesas da Bíblia todos estes nomes são apenas traduzidos por "Deus". Em algumas versões, entretanto, um esforço foi realizado para manter uma parte do sentido original, como por exemplo: Senhor das Hostes; Deus Vivente Todo-Poderoso, e assim por diante. IAO é particularnente utilizado no trabalho de cura. => ENDURA - Espécie de suicídio místico, praticado por alguns Cátaros presos e torturados, de modo nenhum condenável - abandonar a vida por amor do ser. A endura consistia geralmente em se deixar morrer de inanição ou de frio. Nunca foi estimuldada pelos Perfeitos, nem de modo nenhum imposta por eles. Esta prática, divulgou-se no final do século XIII, principalmente no condado de Foix, sobre a influência do Pastor Pedro Autier, numa época em que a Inquisição se encarregava de deixar a vida impossível para os Crentes e para os Perfeitos. (Etmologia: occitânico, privação, jejum) => EVANGELHO - Escritura que apresenta a vida de Jesus Cristo, como filho de Deus, pregador, curador, etc. Os Evangelistas oficiais da Igreja Romana no Novo Testamento são: Mateus, Marcos, Lucas e João. Estes evangelhos são chamados Evangelhos Sinópticos ou seja, que possuem uma mesma óptica ou o mesmo ponto de vista. Outros Evangelhos, são os Evangelhos chamados Gnósticos ou Apócrifos. Obs: Paulo ou Saulo, embora não tendo sido apóstolo, nem tenha conhecido Jesus, assim como Lucas, que também não conheceu o Mestre, escreveu a base da doutrina da Igreja Romana. => DIÁCONO - Pastor Cátaro que servia de intermediário entre os Bispos e os Perfeitos e, que se ocupava igualmente dos Crentes. Na Igreja Gnóstica, é um dos gráus de Ordenação, entre Exorcista e Presbítero. (etomologia - Latim - diaconus, servo da igreja; Grego - diakonos - dia, através + konein, que tenta arduamente) => GNOSIS - Conhecimento de coisas espirituais, por exemplo: esotérico, sincretista, alegadamente conhecimento espiritual superior, ganho por auto-iluminação e limitado a um pequena elite, como os Gnósticos diziam possuir. (Etmologia: gnosis - conhecimento - gignaskein - saber). Gnosticismo - sistema oculto de salvação, que enfoca a gnosis como essencial. Combina diversas ideias derivadas da filosofia Grega antiga, de algumas religiões antigas e do Cristianismo. Segundo Aurélio Buarque de Hollanda Ferreira em seu Dicionário, "Sistema teológico e filosófico cujos sectários se arrogam um conhecimento sublime da natureza e dos atributos divinos." => IEHOSHUAH - O nome hebraico, através do qual Jesus era conhecido pelos Apóstolos. Composto pelas letras IOD, HE, SHIN, VAU, HE. (Etmologia: Hebraico - IEHOSHUA contração de IAHOSHIAH, textualmente ajuda de Jehovah - Yah, Jehovah - Hoshia, ajudar.) Iesus (Latim). Iesous (Grego). => KYRIE ELEISON - Literalmente "Senhor, derrame-Te para diante" ou "Flua Senhor" ou ainda "Venha Senhor"; no ingles (Lord, pour Thyself forth). Senhor tende piedade (sobre nós). - Salmo 123.3. =>
www.eon.com.br/unilae/unil351.htm 4/6

24/12/13

GLEE - Gnose - Glossário

LOGOS - (filosofia Grega) Razão, colocada como o princípio constituinte e controlador do universo, e sendo manifestado pela fala. (teologia Cristã) o Eterno pensamento ou palavra de Deus, encarnada em Jesus Cristo: São João 1. - "No princípio era o Verbo ou No princípio era o Logos…" (Etmologia: logos, lógica) => MARANATHA - Aramaico - Vinde a mim. Usado como "Vinde a mim, Senhor Jesus Cristo". ‘Maranatha Iehoshuah’. => MELHORAMENTO - Praticamento o único rito que os Crentes Cátaros eram obrigados a praticar. É uma saudação, uma ‘adoração’ no sentido liturgico de homenagem, devido apenas à mejstade Divina, que os Crentes faziam simbolicamente, quando se dirigiam ou estavam na presença dos Perfeitos. Consistia em tres reverências ou genuflexões e um pedido de benção. (Etmologia - Latim, melioramentum, Occitânico, amélioration) => NAG HAMMADI - Pequena localidade no Alto Egito, onde em 1945, o camponês Muhamad Ali asSalmman, encontrou um grande pote vermelho de cerâmica, contendo treze livros de papiro encadernados em couro. No total descobriram cinquenta e dois textos naquele sítio. Na primeira análise, para surpresa do Dr. Quispel, a primeira linha traduzida do copta foi: "Essas são as palavras secretas que Jesus, O Vivo, proferiu, e que seu gêmeo, Judas Tomé, anotou". Os manuscritos, hoje conhecidos como Evangelhos Gnósticos, ou Apócrifos (Apocryphom literalmente livro secreto), revelam ensinamentos, apresentados segundo perpectivas bastante diversas daquelas dos Evagelhos Oficiais da Igreja Romana; como por exemplo este trecho atribuído a Jesus, O Vivo: "Se manifestarem aquilo que têm em sí, isso que manifestarem os salvará. Se não manisfestarem o que têm em sí, isso que não manifestarem os destruirá." Além dos Evangelhos (ensinamentos atribuídos a Jeus Cristo através de seus apóstolos) outros textos compõe o legado de Nag Hammadi, de cunho teológico e filosófico. Os papiros encontrados em Nag Hammadi, tinham cerca de 1.500 anos, e eram traduções em copta de manuscritos ainda mais antigos feitos em grego e na língua do Novo Testamento, como constatou-se, ao verificar que parte destes manuscritos tinham sido encontrados em outros locais, como por exemplo alguns fragmentos do chamado Evangelho de Tomé. As datas dos textos originais estão estimadas entre os anos 50 e 180, pois em 180, Irineu o bispo ortodoxo de Lyon, declarou que os hereges "dizem possuir mais evangelhos do que os que realmente existem". Acredita-se que os manuscritos foram enterrados por volta do século IV, quando na época da conversão do imperador Constantino, os bispos cristãos, passaram ao poder e desencadearam uma campanha contra as heresias. Então, algum monge do mosteiro de São Pacômio, nas cercanias de Nag Hammadi, tomou os livros proibidos e os escondeu no pote de barro, onde permaneceram enterrados por 1.600 anos ! => PARÁCLITO - Um advogado, intercessor, que faz petições. No Cristianismo significa o Espírito Santo, considerado como confortador, intercessor ou advogado. (Etmologia: paracletus ou parakletos - parakalein, chamar, confortar, atrair; para + kalein, chamar - clamar) => PLÉROMA - Plenitude (grego); tecido ou zona de crescimento no caule ou na raiz das plantas. Usado pelos Gnósticos para significar o mais alto princípio do Ser onde habita o desconhecido Deus. Utilizado no Novo Testamento como "plenitude-em-Cristo". Na doutrina Gnóstica o Pleroma é o lugar de onde viemos como espíritos e para onde devemos ir, quando nos re-integrarmos. Abaixo trechos da "Doutrina Cristã Esotérica, do bispo John Bricaud: "… certas cabeças da hierarquia angélica recusaram-se a obedecer a lei que governa o pleroma; que eles quiseram ir para um gráu mais elevado que a sua classe, sem preencher as condições requeridas, o que causou grande desordem no pleroma". "Jesus Cristo … um espírito superior dos filhos de Deus, a quem nós chamamos o SALVADOR, ou A ESTRÊLA DO PLEROMA". "o mundo hílico ou material… tudo em volta e no final do luminoso pleroma sob a forma de uma nuven imensa chamada nebulae original". =>
www.eon.com.br/unilae/unil351.htm 5/6

24/12/13

GLEE - Gnose - Glossário

SINAL DA CRUZ - A notação † na liturgia, indica quando o Sinal deve ser feito. Para fazê-lo, proceda como a seguir: Toque a testa, traga a mão para baixo e toque o umbigo, com este movimento visualize uma flexa de Luz sendo trazida para baixo, toque o ombro direito, toque o ombro esquerdo, visualizando a mesma flexa de Luz, toque sobre o coração. Visualize fortemente a Cruz de Luz em você,e mentalmente veja cada ponto tocado como uma Esfera Flamejante de Luz em você. Obs: O sinal da cruz assim realizado, tocando-se inicialmente o ombro direito, é tradicionalmente Gnóstico e conforme a Igreja Ortodoxa, equanto que o sinal da cruz, realizado tocando-se inicialmente o ombro esquerdo, é conforme a tradição da Igreja Romana. => SINCRETISMO - A noção de que muitas religiões ou verdades/crenças de religiões diversas podem ser sintetizadas em um única infra-estrutura básica. => SOPHIA - A Sabedoria. Nome atribuído a Maria Mãe de Jesus - Nossa Senhora. Em alguns textos de filosofia Gnostica é utilizado como entidade feminina do início da criação do universo: ".. O Sagrado disse a ele: Eu quero que tu saibas que o Primeiro Homem é chamado O Criador (ou O que foi Gerado), Mente Auto-Aperfeiçoada. Ele refletia com a Grande Sophia, sua consorte, e revelou a primeira-criatura, filho andrógino. Seu nome masculino é designado Primeiro-Gerado, Filho de Deus, seu nome feminino: PrimeiraGerada, Sophia, Mãe do Universo, alguns a chamam de Amor." Em outro trecho: "…seus discípulos perguntaram: dizei-nos claramente como foi que ele vieram para baixo desde o invisível, da região imortal para o mundo que morre ? O perfeito Salvador disse: O Filho do Homem engajou-se com Sophia, sua consorte, e revelou uma grande luz andrógina. Seu nome masculino é designado Salvador, Criador de Todas as Coisas, Seu nome feminino é designado Toda-Criadora Sophia. Alguns a chamam de Pistis." (trechos extraídos de "A Sophia de Jesus Cristo" encontrado em Nag Hammadi). Em outro trecho, entitulado A Origem do Mundo, também encontrado em Nag Hammadi, temos: "Depois que a estrutura natural dos seres imortais desenvolveu-se completamente do infinito, uma similaridade então emanou de Pistis; é chamada Sophia. Ela exerceu a volição e tornou-se um produto, lembrando a luz primeva." => THEOTOKOS - Do grego literalmente Mãe-de-Deus. MARIA THEOTOKOS - Maria Mãe de Deus. => VALENTINUS - Influente Gnóstico do século II D.C. que pode ter autorizado o "Evangelho da Verdade" encontrado em Nag Hammadi. =>

www.eon.com.br/unilae/unil351.htm

6/6