You are on page 1of 5

Eutanásia, ortotanásia e distanásia

:
breves considerações a partir do biodireito brasileiro
Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=7571

Roxana Cardoso Brasileiro Borges
doutora em Direito i!il pela "# /$"% mestre em &nstitui'(es )urídico*"olíticas pela #+$ % coordenadora do urso de ,speciali-a'.o em Direito i!il da #+/0% pro1essora nos ursos de Direito da #+/0% # $al e +T % ad!o2ada em $al!ador 3/04

Sumário: Introdução. 1 Dignidade da pessoa humana como fundamento do direito à morte digna. 2 Direito de morrer dignamente e direito à morte: distinção. 3 Eutanásia, aux !io a suic dio, distanásia e ortotanásia: de!imitaç"es conceituais necessárias. # Eutanásia e ortotanásia no Direito $ena! pro%etado. & 'estamento (ita!. )onc!usão. *i+!iografia. Introdução Tema milenar% a eutan5sia e outras express(es correlatas !oltam a ocupar o debate atual sobre os limites do poder humano sobre o pr6prio processo de morte. Desta !e-% o problema atrai a imprensa de!ido ao caso norteamericano en!ol!endo Terri $chia!o% 7ue 1aleceu em 81 de mar'o de 2995% ap6s encontrar*se em estado !e2etati!o por 15 anos% sendo alimentada e hidratada por uma sonda. Depois de uma lon2a disputa judicial entre seu marido e seus pais% a )usti'a americana determinou% em :ltima inst;ncia% a retirada da sonda 7ue a alimenta!a arti1icialmente% para 7ue o processo natural de morte pudesse ter lu2ar% o 7ue !eio a ocorrer depois de 18 dias sem a alimenta'.o e hidrata'.o arti1iciais. onsiderando oportuno o debate% propomos uma re1lex.o sobre o tema% !inculando*o ao princípio constitucional da di2nidade da pessoa humana e salientando a necessidade de uma delimita'.o conceitual sobre o si2ni1icado da eutan5sia e sua distin'.o 7uanto < ortotan5sia e o auxílio ao suicídio% al=m de bre!es considera'(es sobre a distan5sia e o testamento !ital. !ignidade da pessoa "u#ana co#o $unda#ento do direito % #orte digna 0 concep'.o de di2nidade da pessoa humana 7ue n6s temos li2a*se < possibilidade de a pessoa condu-ir sua !ida e reali-ar sua personalidade con1orme sua pr6pria consci>ncia% desde 7ue n.o sejam a1etados direitos de terceiros. ,sse poder de autonomia tamb=m alcan'a os momentos 1inais da !ida da pessoa ?91@. A a!an'o da medicina 7uanto <s tecnolo2ias < disposi'.o do m=dico tem pro!ocado n.o apenas bene1ícios < sa:de das pessoas% mas% tamb=m% em al2uns momentos% todo esse aparato tecnol62ico pode acabar a1etando a di2nidade da pessoa. ,sses a!an'os abran2em% sobretudo% o controle do processo de morte. /iolo2icamente% certos 6r2.os das pessoas podem ser mantidos em 1uncionamento

inde1inidamente% de 1orma arti1icial% sem 7ual7uer perspecti!a de cura ou melhora. 0l2uns procedimentos m=dicos% ao in!=s de curar ou de propiciar bene1ícios ao doente% apenas prolon2am o processo de morte. "ortanto% cabe inda2ar se se trata% realmente% de prolon2ar a (ida ou de prolon2ar a morte do paciente terminal. 0 Bobstina'.o terap>uticaB ou Bencarni'amento terap>uticoB pode ser de1inida como Buma pr5tica m=dica excessi!a e abusi!a decorrente diretamente das possibilidades o1erecidas pela tecnoci>ncia e como o 1ruto de uma obstina'.o de estender os e1eitos desmedidamente% em respeito < condi'.o da pessoa doenteB ?92@. C5 situa'(es em 7ue os tratamentos m=dicos se tornam um 1im em si mesmos e o ser humano passa a estar em se2undo plano. 0 aten'.o tem seu 1oco no procedimento% na tecnolo2ia% n.o na pessoa 7ue padece. Desta situa'.o o paciente sempre est5 em risco de so1rer medidas desproporcionais% pois os interesses da tecnolo2ia deixam de estar subordinados aos interesses do ser humano. Deste momento% Bem uma =poca consciente% mais 7ue nunca% dos limites do cientí1ico e das amea'as de atentado < di2nidade humana% a obstina'.o terap>utica sur2e como um ato pro1undamente anti*humano e atentat6rio < di2nidade da pessoa e a seus direitos mais 1undamentaisB ?98@. Coje rei!indica*se a reapropria'.o da morte pelo pr6prio doente. C5 uma preocupa'.o sobre a sal!a2uarda da 7ualidade de !ida da pessoa% mesmo na hora da morte. Eei!indica*se uma morte di2na% o 7ue si2ni1ica Ba recusa de se submeter <s manobras tecnol62icas 7ue s6 1a-em prolon2ar a a2onia. F um apelo ao direito de !i!er uma morte de 1ei'.o humana ?...@ si2ni1ica o desejo de reapropria'.o de sua pr6pria morte% n.o objeto da ci>ncia% mas sujeito da exist>nciaB ?9G@. "or isso% o 1undamento jurídico e =tico do direito < morte di2na = a di2nidade da pessoa humana. A prolon2amento arti1icial do processo de morte = alienante% retira a subjeti!idade da pessoa e atenta contra sua di2nidade en7uanto sujeito de direito. A conceito de di2nidade humana = cate2oria central na discuss.o do direito < !ida e do direito < morte di2na. ,ste conceito le!a a inda2a'(es como Bse o prolon2amento arti1icial da !ida apenas !e2etati!a n.o representa uma manipula'.o 7ue !iola a di2nidade humana e se certos tratamentos coati!os e n.o necess5rios n.o ultrajam a di2nidade da pessoaB ?95@. )ussara Heirelles e ,duardo Didonet Teixeira ponderam 7ue B= possí!el entender 7ue o acharnement sub!erte o direito < !ida e% com certe-a% 1ere o princípio constitucional da di2nidade da pessoa humana% assim como o pr6prio direito < !ida. $e a condena'.o do paciente = certa% se a morte = ine!it5!el% est5 sendo prote2ida a !ida? D.o% o 7ue h5 = poster2a'.o da morte com so1rimento e indi2nidade ?...@ $e !ida e morte s.o indissoci5!eis% e sendo esta :ltima um dos mais ele!ados momentos da !ida% n.o caber5 ao ser humano

o do "oder )udici5rio les. 0 n.o% por exemplo% de inter!en'(es n. 5 K 2arante% inclusi!e% o direito de o paciente recorrer ao )udici5rio para impedir 7ual7uer inter!en'. Do sentido 7ue tinha em sua ori2em% a pala!ra eutan5sia si2ni1icaria% ent.o ilícita em seu corpo contra sua !ontade. 0 inter!en'.o% morte doce% morte sem so1rimento.o era causar a morte% mesmo 7ue 1osse para 1a-er cessar os so1rimentos da pessoa doente. Acorre 7ue tais direitos n.o humana ser mortal.o% desejada pelo paciente% n.o do tratamento 7ue ele considera 1:til. F humano deixar 7ue a morte ocorra sem o recurso a meios arti1iciais 7ue prolon2uem inutilmente a a2onia. A direito do paciente de n. 0 in!iolabilidade < se2uran'a en!ol!e a in!iolabilidade < inte2ridade 1ísica e mental.o se submeter ao tratamento ou de interromp>*lo = conse7R>ncia da 2arantia constitucional de sua liberdade% de sua liberdade de consci>ncia 3como nos casos de Testemunhas de )eo!54% de sua autonomia jurídica% da in!iolabilidade de sua !ida pri!ada e intimidade e% al=m disso% da di2nidade da pessoa% eri2ida a 1undamento da Eep:blica +ederati!a do /rasil% no art.o% admite*se 7ue s6 se pode 1alar em eutan5sia 7uando ocorre a morte mo!ida por piedade% por compaix.o +ederal de 1LMM 2arante a in!iolabilidade do direito < !ida% < liberdade e < se2uran'a% dentre outros.o ou amea'a a direitoB.ste tem sido rei!indicado como sinJnimo de eutan5sia ou de auxílio a suicídio% 7ue s. A arti2o 5K n. .o 2arantidos: && N nin2u=m ser5 obri2ado a 1a-er ou deixar de 1a-er al2uma coisa sen. 0o in!=s de deixar a morte acontecer% a eutan5sia% no sentido atual% a2e sobre a morte% antecipando*a..o = uma 1orma de eutan5sia% com pro!oca'.O P&&& N nin2u=m ser5 pri!ado de direitos por moti!o de cren'a reli2iosa ou de con!ic'.o estabelece de!eres de !ida% liberdade e se2uran'a. aux(lio a suic(dio.dispor sobre ela% assim como disp(e sobre a sua !ida?B ?9I@.o em rela'.o s.o a morte% mas os cuidados paliati!os do so1rimento% como acompanhamento psicol62ico do doente e outros meios de controle da dor.% principalmente% n. A inciso QQQP do art. .o inter!en'(es 7ue causam a morte. De1ender o direito de morrer di2namente n.o dos conceitos de eutan5sia !erdadeira% distan5sia% ortotan5sia e auxílio ao suicídio.o de!e ser con1undido com direito < morte.o le2al a todos imposta e recusar*se a cumprir presta'. #tili-ando a concep'.o !isaria < morte% mas a deixar 7ue esta ocorra da 1orma menos dolorosa possí!el.o admitidas pelo paciente em sua sa:de 1ísica ou mental 3ou mesmo na aus>ncia de sa:de completa4.o absolutos. . A respeito pela di2nidade da !ida exi2e o reconhecimento de 7ue BtratamentosB in:teis ou 1:teis apenas prolon2am uma mera B!ida biol62icaB ?97@% sem nenhum outro resultado..o pelo dano material ou moral decorrente de sua !iola'. "ara uma aborda2em jurídica do tema% = necess5ria a delimita'..sta decis. Da !erdade% con1orme o sentido ori2in5rio da express.o.o da eutan5sia% em sua ori2em% n. Ee1ere*se ao desejo de se ter uma morte natural% humani-ada% sem o prolon2amento da a2onia por parte de um tratamento in:til.o atual da express.o da morte ou acelera'. 0 pessoa tem a prote'. &sso le!a < proibi'. 0tualmente% por=m% tem se 1alado de eutan5sia como uma morte pro!ocada por sentimento de piedade < pessoa 7ue so1re.o*1utilidade exi2e o respeito pela di2nidade da !ida.o se admite 7ue o paciente seja obri2ado a se submeter a tratamento.le pode decidir pelo n.o se trata de de1ender 7ual7uer procedimento 7ue cause a morte do paciente% mas de reconhecer sua liberdade e sua autodetermina'.o ao doente.o tratamento% desde o início% e pode tamb=m decidir pela interrup'.o o de!er4 < !ida% e n. A conceito 1oi modi1icado e tem causado muita con1us. 0 inten'.o terap>utica contra a !ontade do paciente = um atentado contra sua di2nidade. Tamb=m seria uma medida eutan5sica a interrup'.o alternati!a% 1ixada em leiO Q N s.o de pensamento. A primeiro sentido de euthanatos 1are1er>ncia a 1acilitar o processo de morte% sem% entretanto% inter1er>ncia neste.o a esta express..o em !irtude de leiO &&& N nin2u=m ser5 submetido a tortura nem a tratamento de2radanteO &P N = li!re a mani1esta'.o desta% = o reconhecimento da morte como elemento da !ida humana% = da condi'.o de!eres. 1 K da onstitui'.o. Au seja: a eutan5sia n.o s.stando in1ormado sobre o dia2n6stico e o pro2n6stico% o paciente decide se !ai se submeter ou se !ai continuar se submetendo a tratamento. .o% seriam medidas eutan5sicas n. A princípio da n.o inter!en'.O P& N = in!iol5!el a liberdade de consci>ncia e de cren'a. ' Eutanásia. A arti2o 5K da onstitui'. . Deri!a dos !oc5bulos 2re2os eu% 7ue pode si2ni1icar bem% bom e thanatos% morte. 0ssim% = asse2urado o direito 3n.o !ariados os si2ni1icados 7ue os autores d.o in!iol5!eis a intimidade% a !ida pri!ada% a honra e a ima2em das pessoas% asse2urado o direito a indeni-a'.o de tratamentos in:teis ou 7ue prolon2assem a a2onia.timolo2icamente% a pala!ra eutan5sia si2ni1ica boa morte ou morte sem dor% tran7Rila% sem so1rimento.o 1ilos61ica ou política% sal!o se as in!ocar para eximir*se de obri2a'. A direito de morrer di2namente = a rei!indica'.o precisa ser respeitada.o +ederal. .o se con1unde com o direito de morrer. As incisos do arti2o 5K estabelecem os termos nos 7uais estes direitos s. & !ireito de #orrer digna#ente e direito % #orte: distinção A direito de morrer di2namente n.o jurídica de sua di2nidade e% para isso% = 1undamental o exercício do direito de liberdade% o direito de exercer sua autonomia e de decidir sobre os :ltimos momentos de sua !ida.o e a termos a ela correlatos.o por !5rios direitos e situa'(es jurídicas% como a di2nidade da pessoa% a liberdade% a autonomia% a consci>ncia% os direitos de personalidade.o excluir5 da aprecia'. distanásia e ortotanásia: deli#itações conceituais necessárias 0l=m de serem di!ersos os posicionamentos a respeito da eutan5sia% tamb=m s.oO QQQP N a lei n. &sso n. 0 eutanásia !erdadeira = a morte pro!ocada em paciente !ítima de 1orte so1rimento e doen'a incur5!el% moti!ada por .

o. .o = obri2ado a prolon2ar a !ida do paciente contra a !ontade deste. $i2ni1ica o n. on1orme a conduta% esta pode se encaixar na pre!is. Haria Celena Dini. De outro lado% admite*se% amplamente% 7ue% diante de dores intensas so1ridas pelo paciente terminal% consideradas por este como intoler5!eis e in:teis% o m=dico de!e a2ir para ameni-5*las% mesmo 7ue a conse7R>ncia !enha a ser% indiretamente% a morte do paciente ?12@. Diante do 6di2o "enal brasileiro% o 7ue acabamos de chamar de eutan5sia pode atualmente ser considerada homicídio pri!ile2iado.m oposi'. .o de auxílio a suicídio tenha a !alora'.ntende*se 7ue o m=dico n. 0o in!=s de se prolon2ar arti1icialmente o processo de morte 3distan5sia4% deixa*se 7ue este se desen!ol!a naturalmente 3ortotan5sia4.o 1or incur5!el% a1asta*se a eutan5sia. 0 ortotan5sia ser!iria% ent. 0ssim% um m=dico% en1ermeiro% ami2o ou parente% ou 7ual7uer outra pessoa% ao deixar disponí!el e ao alcance do paciente certa dro2a em dose capa.o se caracteri-a como eutan5sia% mas como o simples auxílio a suicídio pre!isto no 6di2o "enal.o = obri2ado a inter!ir no prolon2amento da !ida do paciente al=m do seu período natural% sal!o de tal lhe 1or expressamente re7uerido pelo doenteB ?11@. "ara 7ue a a'. "or isso% a eutan5sia eu2>nica% utili-ada pelo na-ismo alem.o se encontram em estado terminal e submetidos a 1orte so1rimento% tamb=m n.o prolon2amento arti1icial do processo de morte% al=m do 7ue seria o processo natural. 0 ortotan5sia = conduta atípica 1rente ao 6di2o "enal% pois n.relata 7ue os 6di2os "enais da 0lemanha% da $uí'a e da &t5lia encaixam a eutan5sia no tipo de homicídio atenuado por moti!o piedoso% n. 0o in!=s de se permitir ao paciente uma morte natural% prolon2a*se sua a2onia% sem 7ue nem o paciente nem a e7uipe m=dica tenham reais expectati!as de sucesso ou de uma 7ualidade de !ida melhor para o paciente.o ao doente. $e n. A auxílio a suicídio de pessoa 7ue n. .o da !ítima% o jui. Da situa'. &nclusi!e o m=dico pode cometer a eutan5sia e sua conduta se subsume ao re1erido tipo le2al.o 1are1er>ncia < eutan5sia.o ao ser humano.o de eutan5sia% = preciso 7ue o paciente tenha solicitado a ajuda para morrer% diante do 1racasso dos m=todos terap>uticos e dos paliati!os contra as dores% o 7ue acaba por retirar a di2nidade do paciente% se2undo seu pr6prio entendimento. 0 eutan5sia = comumente pro!ocada por parentes% ami2os e m=dicos do paciente.o por auxílio ao suicídio.o terap>utica pelo tratamento e pela tecnolo2ia% sem a de!ida aten'.o se pode 1alar sobre eutan5sia. Do /rasil n.o do m=dico no sentido de deixar 7ue esse estado se desen!ol!a no seu curso natural. Suem executa o ato 7ue !ai causar a morte = a pr6pria !ítima. 0 ortotan5sia de!e ser praticada pelo m=dico.o para com o doente% aplica*se a causa de diminui'. 0penas o m=dico pode reali-ar a ortotan5sia.o !isa prolon2ar a !ida% mas sim o processo de morteB ?9L@. hama*se de distanásia o prolon2amento arti1icial do processo de morte% com so1rimento do doente. Haria eleste ordeiro dos $antos entende 7ue este auxílio < morte B= lícito sempre 7ue ocorra sem encurtamento da !idaB ?19@O a autora chama a ortotan5sia tamb=m de Bauxílio m=dico < morteB% entendendo 7ue Bo m=dico 3e s. 0l=m disso% o m=dico n. . . 121% homicídio.o de pena do par52ra1o 1 K do arti2o 121% 7ue pre!>: B$e o a2ente comete o crime impelido por moti!o de rele!ante !alor social ou moral% ou sob domínio de !iolenta emo'. Suando se busca simplesmente causar morte% sem a moti!a'.o da obstina'.o se encontra em estado terminal e com 1ortes dores% da mesma 1orma% n. F uma ocasi.o ou piedade em rela'. D. .o em 7ue se prolon2a a a2onia% arti1icialmente% mesmo 7ue os conhecimentos m=dicos% no momento% n.o do homicídio% do auxílio ao suicídio ou pode% ainda% ser atípica. A 6di2o "enal brasileiro n.o nem perd.o h5 tipo especí1ico para a eutan5sia. A suicídio assistido% ou o auxílio ao suicídio% = tamb=m crime.o = causa de morte da pessoa% uma !e. on1orme Haria Celena Dini-% Btrata*se do prolon2amento exa2erado da morte de um paciente terminal ou tratamento in:til.pode redu-ir a pena de um sexto a um ter'oB. $6 = eutan5sia a morte pro!ocada em doente com doen'a incur5!el% em estado terminal e 7ue passa por 1ortes so1rimentos% mo!ida por compaix.o est5 obri2ado a prolon2ar o processo de morte do paciente% por meios arti1iciais% sem 7ue este tenha re7uerido 7ue o m=dico assim a2isse. 0 !ítima = 7uem pro!oca% por atos seus% sua pr6pria morte.o em 7ue ocorre a ortotan5sia% o doente j5 se encontra em processo natural de morte% processo este 7ue recebe uma contribui'.o ou o consentimento do o1endido n.o a1astam a ilicitude da conduta. Do /rasil% o 7ue se chama de eutan5sia = considerado crime. 0l2uns c6di2os penais em outros países pre!>em diminui'.o do art. $e a doen'a n.de lhe causar a morte% mesmo com a solicita'. F express.timolo2icamente% ortotan5sia si2ni1ica morte correta: orto: certo% thanatos: morte.ncaixa*se na pre!is.o material% 7uando al2u=m ajuda a !ítima a se matar o1erecendo*lhe meios idJneos para tal.compaix.o esti!erem presentes a7ueles re7uisitos% cai* se na hip6tese de homicídio simples ou 7uali1icado% dependendo do caso.o pre!ejam possibilidade de cura ou de melhora. $e se trata mesmo da eutan5sia !erdadeira% cometida por moti!o de piedade ou compaix.o deste% incorre nas penas do auxílio ao suicídio.o% lo2o em se2uida a injusta pro!oca'.7ue o processo de morte j5 est5 instalado. Tamb=m a morte de !elhos% pessoas com de1orma'(es e doentes% mesmo incur5!eis% mas 7ue n.o < distan5sia% sur2e o conceito de ortotanásia.o = eutan5sia 37ue se encaixa% no direito brasileiro atual% na hip6tese de homicídio pri!ile2iado4.o judicial ?9M@. 0 solicita'.o de pena para a eutan5sia.o se admitindo absol!i'.o = considerada eutan5sia pr6pria% mas hip6tese de homicídio simples ou 7uali1icado. #m outro termo relacionado < eutan5sia = a distan5sia. $e o ato 7ue !isa < morte = reali-ado por outrem% este responde por homicídio% n.o% para e!itar a distan5sia.o em rela'.o humanística% n. e!e4 n. Acorre com a participa'. constitui crime de homicídio% perante o atual 6di2o "enal.o contra judeus e doentes% n.

o pode pertencer < e7uipe de m=dicos respons5!el pelos transplantes de 6r2.o de tr>s 1ormas: a4 declara'.o do paciente 7ue j5 se encontra em morte cerebral ou ence15lica.o sobre os limites ou possibilidades do conhecimento cientí1ico num determinado momento.o por parte do representante le2al especí1ico% ou seja% de um curador com compet>ncia especí1ica de tomar decis(es 7uanto < sa:de do paciente% 1i2ura admitida tamb=m no 6di2o i!il de SuebecO c4 decis.o da declara'.o% a pedido da !ítima imput5!el e maior% para abre!iar* lhe so1rimento 1ísico insuport5!el% em ra-. A 0nteprojeto de Ee1orma da "arte .o apenas 7ue os aparelhos sejam desli2ados% mas 7ue seus 6r2.o do paciente% o hospital de!e in1orm5*lo sobre seu direito de aceitar ou recusar o tratamento% !isando*se% com isso% < 2arantia da autodetermina'.o 1eita por Haria Celena Dini. Deste caso% a pessoa j5 est5 morta% permitindo a lei% inclusi!e% n. . ) Eutanásia e ortotanásia no !ireito *enal pro+etado .o riscos pr6prios dos limites do conhecimento tecnol62ico 7ue exi2em cuidado nos crit=rios sobre a morte.o de eutan5sia di1ere das de1ini'(es 7ue a maioria da doutrina d5 para a express.os. Di1erente de ortotan5sia = a situa'.o = a pre!is. Trata*se da inda2a'. Da eutan5sia produ-*se a causa imediata da morte% o 7ue = crime% encaixando*se a conduta na pre!is.ste detalhe% na !erdade% = um dos mais di1íceis% na pr5tica% com o 7ual lidar: como !alorar o consentimento? Haria Celena Dini.os determina 7ue o m=dico 7ue atesta a morte n. A principal ar2umento contr5rio = o de 7ue% com o intenso desen!ol!imento do conhecimento m=dico% a determina'.o de ilicitude.o expressa do pr6prio paciente% atra!=s de testamento !ital 3 !i(ing -i!!4O b4 decis.o m=dica a despeito da recusa do paciente. Do 6di2o "enal atual% o pedido da !ítima n.o de doen'a 2ra!e: "ena N Eeclus.special do 6di2o "enal /rasileiro pre!ia expressamente a ortotan5sia% no art.o da eutan5sia% em 7ue tal processo ainda n. Suanto ao par52ra1o 8K% entende*se 7ue o 1ato de a doen'a ser 2ra!e apenas n.sta tipi1ica'.o: necessariamente% n. 0 ortotan5sia% pre!ista no par52ra1o G K% = causa de exclus.o dada < ortotan5sia e n. Desta situa'.o do 7ue se chama de eutan5sia.special do 6di2o "enal /rasileiro pre!>% no art.o de !ontade do paciente: B"oder*se*ia exaltar esse poder decis6rio do doente% .o ocorreu. "ara Eam6n Hartín Hateo% n.utan5sia U 8K $e o autor do crime a2iu por compaix.o do paciente% The "atient $el1* Determination 0ct N "$D0.o da ortotan5sia% 7ue = excludente de ilicitude% se bem 7ue% neste :ltimo caso% a proposta admite 7ue o consentimento seja dado por ascendente% descendente% cJnju2e% companheiro ou irm.o pode a1astar uma inda2a'.oB.o do paciente e < participa'. .o < eutan5sia.7uanto a possí!eis de1eitos na 1orma'. Do entanto% a de1esa da autonomia do paciente n.o em 7ue o processo de morte j5 se iniciou% estando a !ida mantida arti1icialmente% sem chance de cura ou melhora.o da eutan5sia 7uanto para a con1i2ura'.o h5 apenas o prolon2amento do processo de morte natural% por !ia arti1icial.xclus.o do homicídio pri!ile2iado do texto do 6di2o "enal atual. Peri1ica*se 7ue em ambos os casos h5 a exi2>ncia do Bpedido da !ítimaB e do Bconsentimento do pacienteB% tanto para a con1i2ura'.o de!e ser su1iciente para o pri!il=2io da pena redu-ida do crime de homicídio% de!endo a doen'a ser tamb=m incur5!el e tratar*se de paciente terminal.o h5 d:!idas sobre a licitude da ortotan5sia ?1G@.o constitui crime deixar de manter a !ida de al2u=m por meio arti1icial% se pre!iamente atestada por dois m=dicos% a morte como iminente e ine!it5!el% e desde 7ue haja consentimento do paciente% ou na sua impossibilidade% de ascendente% descendente% cJnju2e% companheiro ou irm.o a1asta a ilicitude% sendo o consentimento% no texto% irrele!ante para a caracteri-a'.os sejam retirados para 1ins de transplantes.o da morte como j5 ocorrida = 1alha e al2umas pessoas% dadas como mortas% despertam durante o !el6rio ou at= mesmo depois 7ue o enterro j5 1inali-ou.stados #nidos sobre a autodetermina'. "or causa da consci>ncia da exist>ncia desses limites% os cuidados contra o arbítrio de!em ser maximi-ados.o se iniciou% embora so1ra o paciente de doen'a incur5!el.sse anteprojeto da "arte .m 1LMG% juntamente com a proposta de re1orma da "arte Teral do 6di2o "enal% ha!ia tamb=m um anteprojeto para modi1ica'. 0 modi1ica'.o. 0 lei recomenda% inclusi!e% 7ue o paciente se utili-e de Bordens antecipadas 3ad(ance directi(es4B sobre o tratamento ?15@. $.o da irre!ersibilidade de um 7uadro de sa:de pode ser 1alha.o da "arte . . 121% U GK: BD. Abser!e*se 7ue o texto se re1eria < de1ini'. $e2undo o autor% Besta jurisprud>ncia se2ue uma linha e7ui!ocada% ao hipostasiar o direito < !ida% 7uando est5 demonstrado < saciedade 7ue para muitos sujeitos este bem = in1erior ao implicado em respeito a determinados !alores e cren'asB ?18@. 121: B.special n. D.A autor espanhol Eam6n Hartín Hateo teceu críticas a certa jurisprud>ncia espanhola 7ue ordenou a inter!en'. De!e*se lembrar 7ue a lei de transplante de 6r2.o de ilicitude U GK D. "or=m% h5 al2umas obje'(es na doutrina.special. $e2undo a lei% no momento da admiss.oB. De acordo com a autora% com base na lei "$D0% o paciente pode estabelecer sua decis. A par52ra1o 8 K pre!ia a situa'. Da !erdade% a discuss. .in1orma 7ue em 1LL1% 1oi apro!ada uma lei nos .o constitui crime deixar de manter a !ida de al2u=m% por meio arti1icial% se pre!iamente atestada% por dois m=dicos% a morte como iminente e ine!it5!el% e desde 7ue haja consentimento do doente ou% na sua impossibilidade% de ascendente% descendente% cJnju2e ou irm.o se exi2e o consentimento do paciente na maioria das de1ini'(es.o do paciente% diri2ida ao m=dico% ap6s consulta a este% sobre o tipo de tratamento 7ue deseja receber num 1uturo estado terminal% em documentos escrito ?1I@.o = muito mais ampla 7ue a licitude ou a ilicitude da ortotan5sia.o deste nas decis(es 7uanto < sua sa:de e < sua !ida. 0l=m disso% h5 casos em 7ue a determina'.o de tr>s a seis anos.o da "arte .

apresenta um modelo de documento 7ue pode ter a mesma 1inalidade% chamado BDiretri-es 0ntecipadas Eelati!as a Tratamentos de $a:de e Autor2a de "rocura'. A estado de 1ase terminal de!e ser atestado por dois m=dicos.o em 7ue se encontrar doente% em estado incur5!el ou terminal% e incapa. Pisa*se% com o testamento !ital% a in1luir sobre os m=dicos no sentido de uma determinada 1orma de tratamento ou% simplesmente% no sentido do n. Tere-a Eodri2ues Pieira conta 7ue% nos .o li!re.mbito de autodetermina'.ante o 1ato de 7ue a autonomia de sua !ontade pode ser uma arma contra ele mesmo% por7ue a decis.o = um conceito objeti!o% absoluto% 2eral% possí!el de ser abstraído em padr(es morais de conduta e a serem impostos a todas as pessoas. Haria eleste ordeiro dos $antos apresenta% em sua obra 2 e3ui! +rio do p4ndu!o: a +io5tica e a !ei.stados #nidos esse documento tem !alor le2al% tendo sur2ido com o .o dos indi!íduos e para a ne2a'.xi2e*se 7ue o testamento !ital seja assinado por pessoa maior e capa-% perante duas testemunhas independentes e 7ue s6 tenha e1eitos depois de 7uator-e dias da assinatura% sendo re!o25!el a 7ual7uer tempo. A testamento !ital% ao lado de e!itar os procedimentos m=dicos desmedidos% e!ita 7ue o m=dico seja processado por n.o jurídica% pois a liberdade = imprescindí!el para a materiali-a'. Do /rasil n.o dos direitos de personalidade% para o li!re desen!ol!imento da pessoa% para sua di2nidade. Haria &sabel de 0-e!edo $ou-a% ao reconhecer o direito de autodetermina'.o?B ?17@.o a respeito dos :ltimos momentos de sua !ida% com poderes% inclusi!e% para elaborar documentos 7ue !inculem terceiros% como no caso do testamento !ital.atura! Death /ct% na ali16rnia% na d=cada de 1L79.o h5 re2ulamenta'.o )hoice in D1ing orienta sobre os direitos de pacientes terminais e o1erece modelos de procura'(es para 7ue outras pessoas possam tomar decis(es m=dicas em nome do paciente% caso este 1i7ue incapa.o da alteridade e da toler. A testamento !ital = um documento em 7ue a pessoa determina% de 1orma escrita% 7ue tipo de tratamento ou n. .o antecipada da pessoa sobre as medidas a serem tomadas para o caso em 7ue n.ncias em 7ue se 1orma a !ontade do paciente% de!endo*se a1astar% ao m5ximo% todos os 1atores 7ue possa inter1erir ou redu-ir sua capacidade de compreens.oB ?1L@. De!e*se compreender 7ue a di2nidade da pessoa humana n.o tratamento% como uma !ontade do paciente 7ue pode !ir a estar impedido de mani1estar sua !ontade em ra-. Haria Celena Dini. $em a considera'.o possa mais se mani1estar atra!=s dos chamados testamentos !itais 3!i(ing0-i!!4 e do consentimento por substitui'.o e de decis. .o da di2nidade.o acerca da mani1esta'. -esta#ento vital 0o lado da 1i2ura do consentimento in1ormado e esclarecido% aparece o testamento !ital% tamb=m chamado de testamento biol62ico% testamento em !ida% !i(ing -i!!% testament de (ie.oB% pelo 7ual uma pessoa poderia se posicionar sobre tratamentos m=dicos a 7ue !iesse se submeter% independentemente das conse7R>ncias de sua recusa ao tratamento e independentemente do posicionamento contr5rio de seus 1amiliares ?21@. . A m=dico 7ue desrespeita as disposi'(es do testamento so1re san'(es disciplinares ?1M@.ncia% i2norando*se a pluralidade e a complexidade da sociedade atual% o uso do princípio da di2nidade humana pode ser usado para a ne2a'. "or isso% embora no /rasil% atualmente% a eutan5sia e o auxílio ao suicídio sejam considerados condutas ilícita% n.o% em re2ra% !ale con1orme o seu 2rau de esclarecimento ou in1orma'.o da pessoa% para a homo2enei-a'.de tom5*las ?29@.de mani1estar sua !ontade. A reconhecimento da autonomia da pessoa 7uanto a esses momentos = imprescindí!el para a 2arantia de sua di2nidade. 0l=m disso% tem um !alor limitado no tempo% de aproximadamente cinco anos.o com as circunst.o do paciente% inclusi!e 7uanto ao momento de sua morte% a1irma 7ue% nesse caso% Btem lu2ar a discuss. F necess5rio re1letir sobre o 2rau de autonomia jurídica 7ue a pessoa tem 7uanto ao processo de morte. imp!icaç"es m5dico0!egais% um exemplo de testamento !ital. 01astando*se a eutan5sia% a id=ia de morte di2na permite < pessoa a autodetermina'.o sobre o testamento !ital% mas admitimos sua !alidade% diante da autonomia da pessoa e do princípio da di2nidade.stados #nidos% a or2ani-a'. Dos .o da doen'a. "ortanto% = imprescindí!el a preocupa'.o o = a ortotan5sia% procedimento utili-ado para se a1astar a distan5sia.o tratamento 7ue deseja para a ocasi.o ter procedido a um procedimento em paciente em 1ase terminal% con1orme solicitado por este no documento. ?22@ Conclusão A li!re desen!ol!imento da personalidade humana est5 intrinsecamente li2ado < id=ia de autonomia do sujeito% de .