You are on page 1of 42

Adoração e Louvor

1

Adoração e Louvor

&

ÍNDICE
ÍNDICE.........................................................................................................................................................2 DUAS PRÁTICAS DE GRANDE VALOR: LOUVOR E ADORAÇÃO...............................................3 A PRÁTICA DO LOUVOR......................................................................................................................3 A PRÁTICA DA ADORAÇÃO................................................................................................................7 COMO SER PRÓSPERO:.........................................................................................................................8 A DINÂMICA DO LOUVOR...................................................................................................................13 O LOUVOR DIRIGE NOSSO CORAÇÃO A DEUS. ..........................................................................13 O LOUVOR LIVRA O NOSSO CORAÇÃO DE CUIDADOS, TEMORES E PENSAMENTOS CENTRADOS NA TERRA. ...................................................................................................................13 O LOUVOR PRODUZ E AUMENTA A FÉ. ........................................................................................1 O LOUVOR INVOCA A PRESENÇA, O PODER E AS FORÇAS DE DEUS. ..................................1 O LOUVOR CONFUNDE, RESTRINGE, ATERRORIZA E DESTRÓI SATANÁS..........................1! A MÚSICA NO LOUVOR E ADORAÇÃO...........................................................................................16 SATANÁS E A M"SICA.......................................................................................................................1# A M"SICA PODE INSPIRAR A ADORAÇÃO $ DEUS.....................................................................17 A M"SICA E OS C%NTICOS NO NOVO TESTAMENTO.................................................................18 O CULTO A DEUS: AUXÍLIO AO DIRIGENTE.................................................................................21 O DIRIGENTE DO CULTO...................................................................................................................&& OS M"SICOS E O DIRIGENTE DO CULTO.......................................................................................&! CONVITE $ ADORAÇÃO....................................................................................................................&! COMO MINISTRAR UM LOUVOR CONGREGACIONAL..............................................................26 OS C%NTICOS CERTOS NAS OCASI'ES CERTAS.........................................................................&# A COMUNICAÇÃO IDEAL..................................................................................................................&7 POSTURA...............................................................................................................................................&8 ESPONTANEDADE...............................................................................................................................&8 LIDERANÇA..........................................................................................................................................3( FORMANDO UMA E UIPE...................................................................................................................33 COMO COMPOR CÂNTICOS AO SEN!OR .....................................................................................36 DIRETRIZES...........................................................................................................................................3# ESTILO MUSICAL DE LOUVOR.........................................................................................................37 A IMPORTÂNCIA DA T"CNICA PARA OS LEVITAS.....................................................................3# A IMPORT%NCIA DA TÉCNICA PARA O LEVITA .........................................................................3) 1. O Que É Técnica? ...........................................................................................................................39 2. Para Que Serve? .............................................................................................................................39 3. Como Ter Acesso? ..........................................................................................................................39 4. Em Que Ela Contri ui !a !ossa "i#a? .........................................................................................39 *UALIDADE TÉNICA DO LOUVOR É IMPORTANTE:................................................................... 1 A TÉCNICA NOS LEVA A SERMOS MESTRES:............................................................................... 1

Adoração e Louvor

3

DUAS PRÁTICAS DE GRANDE VALOR: LOUVOR E ADORAÇÃO
Transcrição de uma das Ministrações do irmão Bernardo Em Maceió, AL em abril de 1996.

Prometi alar!l"es "o#e a res$eito de mais duas $r%ticas es$irituais de &rande 'alor nos seus tem$os a sós com (eus) o lou'or e a adoração. A PRÁTICA DO LOUVOR *ue 'alor tem a $r%tica do Lou'or, +,ue não - .cantar na i&re#a./ $ara 'oc0, $essoalmente1 2 ,ue ela a31 4omo se desen'ol'e essa $r%tica1 5 isso ,ue dese#amos mostrar!l"e neste ensinamento. 6amos ler Salmo 146:1-10) "Aleluia! Louva, ó minha alma, ao Senhor. Louvarei ao Senhor durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus, enquanto eu viver. Não confieis em pr ncipes nem nos filhos dos homens, em quem não h! salva"ão. Sai#lhes o esp rito e eles tornam ao pó; nesse mesmo dia perecem todos os seus des $nios. %em# aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio , cu&a esperan"a est! no Senhor seu Deus..." 6oc0 #% $arou $ara $ensar $or ,ue (eus sem$re se e3 lembrar como sendo o (eus de Abraão, 7sa,ue e 8acó +o "omem torto, en&anador/, e não de Abraão, 7sa,ue e 7srael +Pr9nci$e de (eus/1 Mesmo sabendo o $ior est% em mim, (eus me amou assim mesmo. *ue &lória: 6erdadeiramente, . 'em#aventurado +totalmente eli3 e $lenamente reali3ado/ ( aquele que tem o Deus de )acó por seu au* lio., $ois Ele trans orma cada .8acó. ,ue nEle con ia num .7srael.. (eus, $or ;ua Pala'ra e na ;ua &raça, trans orma 'oc0 de $ecador $ara santo. 4ontinuemos a leitura) "...cu&a esperan"a est! no Senhor seu Deus, que fe+ os c(us e a ,erra, o mar e tudo o que neles h!, e mant(m para sempre a Sua fidelidade..." 2 ;eu (eus nunca se es,uecer% de 'oc0, #amais abandonar% 'oc0< Ele manter% $ara sem$re a ;ua idelidade a 'oc0. "-ue faz justiça aos oprimidos, e dá pão aos que t.m fome. / Senhor liberta os encarcerados..." 2bser'e atentamente ,ue .O Se !o" l#$e"%a o& e 'a"'e"a(o& .. Ten"o muita $ena das $essoas ,ue $assam dias c"orando +se&undo a doutrina de .libertação. ,ue est% $or a9/, mas icam do mesmo #eito. =% al&o errado. 2 nosso (eus l#$e"%a, meu irmão, e isso se d% atra'-s da $r%tica ,ue 'amos mostrar!l"e neste ensinamento.

Adoração e Louvor

"/ Senhor abre os olhos aos ce$os, o Senhor levanta os a'atidos, o Senhor ama os &ustos. / Senhor guarda o pere$rino, ampara o órfão e a vi0va..." ;e 'oc0 - 'i>'a, saiba ,ue (eus - o seu marido, se 'oc0 - ór ão, (eus - o seu $ai. Ele não sim$lesmente $rometeu ser, Ele - isso $ara 'oc0, tendo 'oc0 consci0ncia disso ou não. 7rmã 'i>'a, Ele não $rometeu ser o seu .marido., Ele 5 o seu marido. ?r ão, Ele não $rometeu ser o seu .$ai., (eus 5 o seu $ai +6e#a Salmo 6):*/, e Ele de ende 'oc0 dia e noite. @m dos maiores $roblemas da .i&re#a. - icar ol"ando $ara o $assado ou $ara o uturo, e es,uecendo ,ue (eus - muito $resente. Aicamos num abismo de incerte3as entre o $assado e o uturo sem con"ecermos o (eus do $resente momento. Preste atenção Bs $ala'ras &ri adas nas citações acima e entenda ,ue - isso ,ue (eus a3< essas .ações. são a eC$ressão da idelidade de ;eu (eus a 'oc0 no $resente. Lou'o a (eus $or tudo o ,ue Ele - $ara mim, no dia de "o#e. "...por(m 12le3 transtorna o caminho dos mpios." 1v.43 ;e 'oc0 re#eitar esse (eus< se 'oc0 recusar!se a aceitar a ;ua &raça, saiba, nada dar% certo em sua 'ida. E 'oc0 sabe $or ,u01 Por,ue 'oc0 est% andando +'i'endo/ numa mentira ,ue destrói. "/ Senhor reina para sempre; o teu Deus, ó Sião, reina de $era"ão em $era"ão" 1v.563. Dão im$orta como 'ão $iorando as coisas s-culo a$ós s-culo, o nosso (eus .reina para sempre. ! .de $era"ão em $era"ão.. 2 ;almo 1E6 - uma ótima base $ara o lou'or em todos os as$ectos, mas "% uma rase ,ue 'ou ilustrar $ara 'oc0s a&ora) . / Senhor li'erta os encarcerados.. @ma irmã me disse) 7rmão, sei ,ue eu ui curada, mas de ,uando em ,uando 'oltam os sintomas e eu ico em d>'idas. 2 ,ue $osso a3er1 *uando isso acontece, 'oc0 t0m duas alternati'as) 1/ 6oc0 $ode atentar $ara os sintomas e sucumbir B situação +ser 'encido $elo diabo/ ou F/ 6oc0 $ode resistir ao diabo e 'i'er. E como - ,ue 'oc0 e eu resistimos1 (ando lou'ores e &raças a (eus $or a,uilo ,ue Ele #% e3 $or nós, e tamb-m .ensinando. ao diabo a 6erdade de (eus a res$eito da nossa real situação. E o ,ue acontecer%1 ;atan%s u&ir%, $ois ele não tolera a 6erdade +6e#a +a%e,& 4:1-11 a res$eito de como 8esus resistiu a ;atan%s/. As duas ações $ara a 'itória são o lo,-o", a&radecendo a (eus, e o "e&#&%#" a ;atan%s. *uando 'oc0 resiste a ;atan%s, ele tem de u&ir, ele não tem o$ção.

Adoração e Louvor ! Para 'er como o lou'or unciona na $r%tica.ilas se ac"a'am encarcerados com $-s e mãos $resos ao tronco dentro do c%rcere interior da. Da $resença do . a apre$oar o ano aceit!vel do Senhor. porque o Senhor me un$iu. a perseveran"a deve ter a"ão completa.ue 'oc0 necessita. libertando!os com$letamente.abe $or . *uando 'oc0 lou'a a (eus.uilo . .uela cidade.#<.ue (eus en'iou.'este de lou'or.uilo .en"or. para que se&ais perfeitos e nte$ros.. 4omo $odemos saber isso1 Em ra3ão do terremoto .ilas oram libertos.ilas le'antaram a 'o3 em oração e lou'ores a (eus1 2 .. veste de louvor em vez de espírito angustiado.ue disseram em ra3ão da. e cabe a 'oc0 us%!la. 2 a$óstolo Tia&o ala nesse teor em relação Bs . E ainda . Então.u01 Por.uais eram os lou'ores de Paulo e . . em nossa 'ida.. Est% 'endo a $ro'id0ncia de (eus $ara 'oc0 na "ora da an&>stia1 Ele l"e deu uma .ue 'oc0 não tem.ilas.. enviou# me a curar os que'rantados de cora"ão. $odemos saber o . e consideremos a $r%tica do lou'or de outra maneira) "/ 2sp rito do Senhor Deus est! so're mim. obser'e comi&o A%o& 16:1. a." 2bser'e a rase &ri ada acima) . no meio de uma circunstGncia esma&adora.atan%s le'antou!se contra eles $ara os im$edir. e a p7r em li'erdade os al$emados.im$oss9'el al&u-m icar $reso ou o$rimido e assim. 2 . veste de louvor em ve+ de esp rito an$ustiado.ue o trec"o em Atos 16 não nos di&a . A&ora obser'e I&a1a& 61:1-0. 2s dois ser'os de (eus oram en'iados $elo Es$9rito $ara $re&ar o E'an&el"o em toda a re&ião da MacedHnia.. Paulo e . mas . óleo de ale$ria em ve+ de pranto.uilo não acontecer.'%rias $ro'ações. li'erta os encarcerados.ue (eus "abita ou como se di3 .uando Paulo e . ter%. e a p7r so're os que em Sião estão de luto uma coroa em ve+ de cin+as. ac"ando!se $resos e im$edidos de cum$rir a sua missão. 6amos ler o . tende por motivo de toda a ale$ria o passardes por v!rias prova"9es. em nada deficientes" # .. a proclamar li'erta"ão aos cativos.ue todos 'oc0s sabem desse acontecimento e como Paulo e . Ele se a3 $resente na sua circunstGncia e tudo tem de se submeter a Ele..ue o a$óstolo disse) "8eus irmãos.ue oi . entre os lou'ores de 7srael +6e#a Salmo //:0/. .ilas a&radeceram e lou'aram a (eus $ela liberdade de $re&ar o E'an&el"o. abre a sua boca e começa a lou'ar e a&radecer a (eus $elo . a.ue Ele -1 *uando 'oc0 $rocede assim.. /ra. se 'oc0.ue $ode 'oc0 es$erar.uilo . Deus +sem$re/ li'erta os encarcerados. 'oc0 receber%. uma ve+ confirmada. e como (eus . e Paulo e .entroni3ado.. .ue aconteceu.-/). para pre$ar 'oas#novas aos que'rantados. .ia$o 5:. todo o c%rcere oi abalado.ei . 5 im$oss9'el 'oc0 lou'ar a (eus $or al&o e a. produ+ perseveran"a.ue aconteceu . sa'endo que a prova"ão da vossa f(.

'amos considerar a outra $r%tica.anto e muitos outros 'alores es$irituais..ual . e se 'oc0 a$render a 'i'er . o seu es$9rito an&ustiado1 6estindo!se da 'este de lou'or. A$renda a entrar na 'itória.na alma. mas como .$erse'erar. ao in'-s de icarmos so rendo com o es$9rito an&ustiado. como i3eram Paulo e .ue as suas emoções não ten"am 'e3. Da $arte da man"ã de "o#e.dia.a mel"or maneira de . . irmão. mas a&ora B noite." . ortalecendo o seu es$9rito atra'-s do lou'or. tudo o . =ortanto não temeremos ainda que a . 2ra. (e .. os 'alores .ue 'oc0 $ermaneça .ue toda a o$eração do Es$9rito .tra3.1 6estindo!nos da 'este de lou'or. a Ale&ria no Es$9rito . *ual -1 A $r%tica do lou'or a (eus. esses 'alores se desen'ol'erão cada 'e3 mais em 'oc0.ue . e Ele .a adoração.ua Bondade. meu irmão. *uando 'oc0 lou'a a (eus.a. A $rimeira ação de . e saiba. Salmo 46:1 e 10 nos di3) "Deus ( o nosso ref0$io e fortale+a. a Lu3. nte$ros e em nada deficientes . .abe como .ue atra'-s do lou'or 'oc0 .Adoração e Louvor # (eus dese#a .anto em sua 'ida tem $or ob#eti'o desen'ol'er em 'oc0 os 'alores eternos. meu irmão. *uando 'em a $ro'ação. (eus $ara dentro da sua situação.acalmar.ue an&ustiado.perfeitos. Lou'ar a (eus . +abalado emocionalmente/ de tal maneira . Pon"a isso em $r%tica.ilas no c%rcere.um ato muit9ssimo sim$les.e nos seus lou'ores. ou se#a. entroni3ando!.ue Ele $ode nos le'ar a isso1 Pela $erse'erança na 6erdade. . $rocurei mostrar a 'oc0 o 'alor da $r%tica de Lou'or. de modo .ue maneira1 6estindo!se da 'este de lou'or. Aquietai#vos e sabei que eu sou Deus.ue a3er. ora das circunstGncias..ue L"e resista. $reciso 'oc0 entender . socorro 'em presente nas tri'ula"9es. não "% . . .ue o seu es$9rito i. 6oc0 $recisa entender .atan%s $rocura $ressionar 'oc0 de todos os lados e 'oc0 não sabe o .dissi$a.ue se#amos .uietar!se.ue esses 'alores não t0m nen"um relacionamento com as circunstGncias.c%rcere. o Todo!$oderoso desce na sua circunstGncia. mas de imenso 'alor $ara 'oc0..ue 'ão $erdurar em 'oc0 $ara todo o sem$re) a 6erdade. e os montes se a'alem no seio dos mares.. "% recurso $ara 'oc0 em toda circunstGncia.erra se transtorne. e 'oc0 ter% libertações e 'itórias como 'oc0 #amais ima&inou serem $oss9'eis +6e#a / C"2 #'a& /0:10-00/. meu irmão.atan%s contra 'oc0 . *uando 'oc0 nasceu em 4risto 8esus 'oc0 'i'eu o seu $rimeiro .aiba. da eternidade.1 Lou'ando e a&radecendo a (eus $or . . Meu irmão. a Pa3.abe .. .ue o o$rime. e como ela unciona $ara 'oc0.$rocurar a3er com . E como $odemos . Mas 'oc0 $ode sem$re in'erter a situação.

i&re#a. A rase) . orando no Es$9rito e meditando na Pala'ra.$ostura. .uilo em . se 'oc0 não dedicar tem$o a (eus +$assar tem$os a sós com Ele/ 'oc0 #amais saber% o . a#oel"ado.ma. pe"o#te.er% . o im$ortante .ue como .ue t0m o . E (eus di3. e ele responde: Não sei ler. .só da boca $ra ora1 2 $ior disso tudo . 2 .55#5?3. *uero . Meu irmão. tem o e eito de a3er com .selado. $or.uina. deitado. Dão im$orta .con essar na boca. alem.ue acontece1 7n eli3mente encontramos com mil"ares de $essoas .. mas o coração est% lon&e de (eus. mas não 'i'am em (eus.ue 'oc0 $asse de onde 'oc0 est% $ara uma situação totalmente outra.a res$eito da sal'ação..: . *uero tanto . A con issão da 6erdade sem$re e etua mudanças em sua 'ida.ue 'oc0 obser'e $rinci$almente) ".ue (eus di3.ue ten"am um $ala'reado todo a$ro$riado.m%.. . estão lembrando1 A -e"(a(e (e De.ue Ele $ode a3er em sua 'ida.li'ro. mas . . mas eu não conclu9 as min"as obser'ações.ue 'oc0 $ossa con essar com a boca a. de . meu irmão.ue não sabe ler. da derrota $ara a 'itória. e com a sua 'oca e com os seus l!'ios me honra.in'entou.ue o mali&no. di+endo: L. conse&uiu ade$tos na .ue a3 com . *uando 'oc0 con essa o . . em (eus.. 6e#a) "=orque com o cora"ão se cr. 4omo ac"o eC$ressi'a essa $ala'ra . andando.& %em (e &e" -#-#(a. 6amos abrir as nossas B9blias em I&a1a& /.muito interessante $or.Adoração e Louvor 7 A PRÁTICA DA ADORAÇÃO Pedi a 'oc0s re$etirem uma rase. isto -. e d!#se o livro ao que não sa'e ler.oda a visão &! se vos tornou como as palavras dum livro selado que se d! ao que sa'e ler di+endo: L..:. ou se#a. . para )usti"a e com a 'oca se confessa a respeito da salvação". isto.. 8% alamos um $ouco a res$eito de Roma o& 10:10. 5 im$rescind9'el 'oc0 icar muito na $resença de (eus. =onram a (eus com a boca. não im$orta.ue ensinamos tem $or ob#eti'o a3er com .ue o . a3 com .ue o coração cr0. Tudo o .. do seu coração...ue 'oc0s se conscienti3em disso. e ele responde: Não posso porque est! selado. isto. esses $rocedimentos $erniciosos.a . mas o seu coração está longe de mim e o seu temor para comi$o consiste só em mandamentos de homens que maquinalmente aprendeu" 1>.ue os "omens . / Senhor disse: . Mas lembre!se.uinalmente. ou se#a. .im$oss9'el 'oc0 $ermanecer como era.ue .ue essa condição a3 com .ue o teCto na l9n&ua ori&inal eC$rime . pe"o#te.ual a $ostura 9sica.ue o li'ro +a Pala'ra de (eus/ i. na citação acima. mas não o entendem em ra3ão de sua orma reli&iosa de ser.uem in'entou essa .ue a $essoa não conse&ue l0!lo.-10.este povo se Apro*ima de mim.ue .ue ensinam essas coisas e demais. da $erdição $ara a sal'ação. 'oc0 $ode orar em $-..

.. meu irmão.ue ol"os não 'iram. essa sabedoria 'em a nós atra'-s da oração em l9n&uas +6e#a I Co"6 14://... que se redu+em a nada." Est% 'endo1 2 . e =otifar.ue iniciamos com as citações de 7sa9as F9.. +'.$reciso . nem ouvidos ouviram. nas uni'ersidades. #as Deus no$lo revelou pelo %spírito.ue 'oc0 $ensa . 5 claro . ao c"e&armos ao 4-u. o a$óstolo não est% se re erindo a al&o no uturo.ue alamos boba&ens. e$ pcio. $ois 'oc0 c"e&ar% ine'ita'elmente B 'itória. O en!or era com Jos" que veio a ser !omem próspero.. Dada da sabedoria deste mundo $ode a#udar a sua 'ida es$iritual..como embarcar num Hnibus.ue estudei. Para Ter a sabedoria de (eus.$reciso in&ressar na . na con issão $ara c"e&ar B $lena 'itória. oficial de @araó..din"eiro. 2bser'e a&ora I Co"1 %#o& /:6-1/.anto.uena eC$licação a res$eito da $ros$eridade. sa'edoria essa que nenhum dos poderosos deste s(culo conheceu..uando o din"eiro não ti'er nen"um 'alor $ara 'oc0. comprou#o 1como escravo3 dos ismaelitas que o tinham levado para l!. . Por isso Paulo disse . CO+O SER PR3SPERO: Precisamos dar!l"e uma $e. nem a dos poderosos desta (poca. outrora oculta." 1v. e sim. 2bser'e) ". *uando (eus est% com 'oc0.Adoração e Louvor 8 .$rós$ero de 'erdade e não tem alta em %rea al&uma de sua 'ida.:15/) ")os( foi levado ao 2$ito...$erse'erar.I/. E como $ode ser isso1 . 'oc0 .de . em nada a#udou o meu relacionamento com (eus." 1v.ue . nem ou'idos ou'iram etc.@ni'ersidade do Es$9rito. ou se#a... mas falamos a sabedoria de Deus em mist"rio . $ois 'amos concluir o .ue 'oc0 $recisa em sua 'ida. E como $odemos di3er isto1 2bser'e como continua o a$óstolo Paulo) "Nem olhos viram. A. 2bser'e comi&o G4 e&#& 0. *uando 'oc0 con essa a sua . tudo o . alamos a sabedoria de (eus em mist-rio. nem &amais penetrou em cora"ão humano o que Deus tem preparado para aqueles que / amam. a sa'edoria deste s(culo.1não3 e*pomos. A#B3 Tudo o . mas 'ou eC$licar.. #o'em. de (eus.ue a$rendi da sabedoria do mundo.uele .ei .ue . 2 entendimento da 6erdade de (eus não 'em $elo estudo e sim $ela re'elação direta do Es$9rito . 6oc0 somente ser% $rós$ero de 'erdade .ue oi en'iado $ara nos ensinar toda a 6erdade.563. comandante da $uarda. 4. não . Ao alar!nos das coisas .

Para .muito maior e muito mais &loriosa do .5.. 6e#a a rase .ue oi .ue (eus #% $re$arou $ara 'oc0 em 8esus 4risto. em 8esus.ue estão em alta a.anto em nosso es$9rito "umano. Aora disso. A 'ida .lament%'el . +6e#a 8o9o 16:14/ e 'oc0. 6e#a 8o9o 4:1. (eus .Adoração e Louvor ) . oi dado. ou 'oc0 receber um discernimento es$iritual das coisas de (eus.ue 'em de (eus1 . 4omo . não "% entendimento al&um. re'eladas $elo Es$9rito . .:10 . essas coisas atra'-s da .&lori icar a 8esus. ou se#a..ue a. na Terra +no Jeino de (eus/ . seus adoradores 'erdadeiros $or. Toda a o$eração do Es$9rito .ue (eus #% $re$arou $ara 'oc0 'i'er a. Por isso se di3 em I&a1a& /. a&ora.$rocurar. e. Atente $ara a rase &ri ada na citação acima.ue $or (eus nos 7o# (a(o &ratuitamente.ue unciona a$enas como uma m%. nós não temos rece'ido o esp rito do mundo.ue (eus ten"a de . meu irmão) "/ra. tudo &ratuitamente. só em mandamentos de homens que maquinalmente aprendeu.oração dos mist-rios. =% entre nós $essoas . Mas obser'e . o homem natural não aceita as coisas do 2sp rito de Deus.ueles . Mas obser'e bem. $ois atra'-s de 8esus 'oc0 "e'e$e.anto atra'-s da oração dos mist-rios.uele cu#o coração est% lon&e de (eus tem um $rocedimento .. Mas ele est% alando de tudo o . e não pode entend&$las porque elas se discernem espiritualmente" 1v.ue &ri amos) .ue con"eçamos o .ue o "omem natural não $ode entender as coisas do Es$9rito de (eus.<3.Para .ue o 4-u a3 $arte disso. e 'ou comentar al&uns 'ers9culos a$enas) ">em a hora.-/4. Deus ( esp rito. ou se#a. E como se $ode c"e&ar a . o 2sp rito que vem de Deus. isso1 Pela re'elação do Es$9rito . 6oc0 tem duas alternati'as) ou mant-m uma tradição reli&iosa . e a$render como ela $ode ser ben.ue estão a3endo uma &in%stica mental im$oss9'el. direto do coração do Pai.?.. para que conhe"amos o que por Deus nos foi dado $ratuitamente 1em Cristo3" 1v. As coisas do Es$9rito são re'eladas $elo Es$9rito .ue 'oc0 ima&ina.3. Mas 'amos 'oltar a nossa atenção $ara a $r%tica da adoração.entender. porque lhe são loucura. $ela oração em l9n&uas.ui. e já c!egou quando os verdadeiros adoradores adorarão o =ai em esp rito e em >erdade.uina morta. E 'oc0 ainda du'ida da e ic%cia e im$ortGncia da oração em l9n&uas1 2bser'e como Paulo continua) "/ra.anto em 'oc0 $ara . $elo intelecto. e importa que os seus adoradores O adorem em espírito e em 'erdade" 1v.ica em nossa 'ida de todo dia.re'ela!nos. porque são estes que o =ai procura para seus adoradores.ue recebemos o Es$9rito .ue 2 adorarão em es$9rito e em 6erdade: . e 'i'er uma 'ida real em (eus.anto. estão $rocurando entender essas coisas naturalmente. sim.5<3. 2 irmão Bernardo não $ode entend0! las atra'-s do racioc9nio.

ue su$era toda circunstGncia.ue Abraão disse aos seus ser'os na citação acima) .o in'erso .er% .uando ele assim alou ele sabia eCatamente o .1 Dão: Absolutamente não: Ele sabia eCatamente o .ue +imolar seu il"o/ no altar1 .ue 'oc0.& 11:1.ue 'oc0 est% e o coloca na condição dEle mesmo.es$iritual. 4omo tin"a ele condições de alar dessa maneira .muito maior do .ue Abraão disse) "2ntão disse A'raão a seus servos: 2sperai aqui. eu e o rapa+ iremos at( l!.-1.ue sei. .em". mas a . 'amos considerar um e$isódio na 'ida de Abraão em G4 e&#& //:1-* com :e$"e. $or-m. !avendo adorado voltaremos para &unto de vós. meu irmão. 2bser'e o . como de ato aconteceu. +'.ue se 'oc0 $raticar o lou'or.ue acontecer% com 'oc0 se 'oc0 realmente adorar a (eus em es$9rito1 Da reunião da man"ã $rocuramos mostrar a 'oc0 .ue o .isso o .ue $ermitiria ..es$9rito< e im$orta . 1v.dando um $ulo no escuro.ual 'oc0 não .ue a3 esse ti$o de coisa1 4omo $ode (eus $roceder dessa maneira1 2 ..ue os seus adoradores o adorem em es$9rito e em 6erdade. .ue ele ia entrar +atra'-s da adoração/ na condição em (eus . Cor ntios <:5B3. E como se deu isso no caso de Abraão1 4omo oi . D3. meu irmão) . .ueremos ensinar a 'oc0. ou. Para eu $oder mostrar a 'oc0 como unciona na $r%tica a adoração. como a $r%tica da adoração condu3 'oc0 $ara uma dimensão em (eus +um entendimento/ .1 2bser'e atentamente comi&o :e$"e. Abraão não tin"a nen"uma condição .ue ia acontecer.ue tudo e todos em sua 'ida.ue Abraão esta'a . a adoração a3 com . ou se#a. 2 .ue ia o erecer 7sa. mas ele tin"a uma condição .uando 'oc0 entra 'erdadeiramente em adoração (eus ele'a 'oc0 ora da circunstGncia ou situação em . como (eus a enCer&a.ue 7sa. eu e o rapa+.ue os 'erdadeiros adoradores adoram o Pai em es$9rito e em 6erdade. FE/.ue se trata e de como (eus $ediu a Abraão .uando sabia . Assim nesta $arte .ca$a3 de ima&inar. !avendo adorado voltaremos para junto de vós". ou se#a. E . $ara assim alar.ue Abraão 'iu .-1.ue 'oc0 tem de entender. 6oc0s sabem muito bem de .essa1 5 a condição de es$9rito e de 6erdade na .enCer&a.ue.enCer&a. E . com o &umento.uer ser um adorador 'erdadeiro.e/ nos seus lou'ores e trans orma totalmente a circunstGncia em . *uando 'oc0 $raticar a adoração em es$9rito e 6erdade.natural.Adoração e Louvor 1( 4ertamente 'oc0 .(eus .em. $ara di3er o .ue disse aos ser'os. as coisas que não se v..& 11:1.ue 'oc0 se ac"a. mas nas que não se v.esse . mas muitos $ensam) *ue (eus .ue esta'a di3endo $or. como disse o a$óstolo Paulo. (eus desce +entroni3a!. A recom$ensa . .. E 'e#a o . E .ue 'oc0 . e.em.ue condição . 5 isso .eu (eus tem de ser maior . 1"Não atenta nas coisas que se v.ue 'oltasse com ele.ue L"e o erecesse 7sa.) . 8esus disse .uero mostrar!l"e o $ouco .ue ..ue a $r%tica da adoração 'erdadeira a3. a circunstGncia ou situação naturalmente... 6e#a.ue acontece.

não se canta.uietar diante de seu (eus em adoração. $or a.ue Ele -) . Então. A adoração 'erdadeira a3 isso.ser . A adoração 'erdadeira a3 com .ue (eus l"e di3.ue aconteceu1 Ele .ue. a meditação e con issão da Pala'ra..ue a circunstGncia cede lu&ar $ara a su$remacia do seu (eus.ue se $ratica a adoração 'erdadeira1 Dão se ala nada.ue (eus l"e dissera com relação ao seu il"o osse enc"endo o seu coração.nito aquele 1A'raão3 -ue acolheu ale$remente as promessas. A $romessa) . +=eb 11)19/. (eus .ue 'oc0 .ue o (eus .ue não $ode mentir . (e o &e. porque 1o'serve porque3 considerou que Deus era poderoso at" para ressuscitá$lo dentre os mortos .ual Ele $ossa nos a3er enCer&ar .ncia . Dão ande como o mundo. Abraão deiCou . Aoi o $rimeiro "omem a descobrir essa 6erdade. se#a ela .ue ele icou totalmente consumido $ela 6erdade no seu es$9rito.oberano absoluto em todo o uni'erso.ual or. e o .2m Esaque ser! chamada a tua descend. +'erdadeiramente eli3 e $lenamente reali3ado/. o . e 'oc0 '0 somente o eterno. a oração em l9n&uas. +:e$ 11:1)/ oi tomando conta do seu es$9rito at. nem &eme. 2 $roblema $ara nós . Ele 'ai assumindo em 'oc0 a su$remacia absoluta e $ouco a $ouco Ele tem condição $ara abrir o seu entendimento + ol"o es$iritual/ e 'oc0 somente '0 o seu (eus. não se a3 es$et%culo. a adoração. +c"e&ou a entender/ .desli&armo!nos das circunstGncias o su iciente $ara $odermos entrar na condição em (eus na . (eus o ele'ar% acima da circunstGncia e 'oc0 enCer&ar% tudo como Ele o enCer&a.ueles tr0s dias no Monte Mori% com 7sa. inde$endente das circunstGncias. meu irmão. (urante a.. enc"endo o seu es$9rito com a 6erdade . se 'oc0 se a. estava mesmo para Sacrificar o seu uni$. as coisas se&undo o es$9rito e a 6erdade.ue tudo o . quando posto a prova.e a3 $resente na sua circunstGncia e a arrebenta.ue a morte/ e . /fereceu Esaque.bem!a'enturado. Da $r%tica do lou'or. fi$uradamente o reco'rou". Prati.ue o lou'or. sem d>'ida. e 'oc0 descobrir%.uilo . Minist-rio 6erdade 6i'a 4aiCa Postal K1 LM161!9IM Belo =ori3onte ! MN Brasil . A(o"a"a-&e a De.considerou. *uando 'oc0 se ac"ar em circunstGncia ad'ersa. Dão $roceda com reli&iosidade.considere..uanto 'oc0 contem$la o Alt9ssimo no seu interior. a quem se havia dito: 2m Esaque ser! chamada a tua descend. ou se#a.ue .o (eus su$remo em tudo +maior . e&>1"#%o.e a Ve"(a(e (e De.ue (eus l"e dissera. era poderoso at" para ressuscitar Esaque dentre os mortos. mas na $r%tica da adoração 'oc0 entra na condição de (eus de modo .as coisas . como . de onde tam'(m.ncia.Adoração e Louvor 11 "=ela f( 1nada do 2sp rito e >erdade funciona sem a f(3 A'raão. E o .ue não se '0em. e en.& (e#<a (o =.& # .

br Todos os direitos reser'ados! 2 Minist-rio 6erdade 6i'a . $rocurando ser'ir ao .ue se dedica eCclusi'amente a #udar o cristão a desen'ol'er um relacionamento $essoal com o . .br ministerPinetminas.en"or nosso (eus com sinceridade e dedicação na di usão da sã doutrina do Do'o Testamento. oi &entilmente concedida $elo irmão Eduardo. numa 'ida realmente es$iritual.com. atra'-s da oração no Es$9rito .com.uma instituição brasileira . A di'ul&ação deste li'ro na internet atra'-s do $ro#eto 4i raDet.Adoração e Louvor 1& Aone) +ML1/ EOF 1O I9 +ML1/ EOF 19 19 e!mail) ministerP&old.en"or 8esus 4risto.anto e da meditação na Pala'ra de (eus.estaminas. / 8inist(rio >erdade >iva não tem li$a"ão com nenhuma i$re&a ou denomina"ão.

Adoração e Louvor 13 A DIN?+ICA DO LOUVOR ECtra9do do li'ro) A oração $oderosa .uece de si mesma. O LOUVOR DIRIGE NOSSO CORAÇÃO A DEUS6 2 lou'or ele'a nosso coração a (eus em adoração. 2 lou'or ec"a a cortina sobre as coisas estran"as.ue nossa oração ten"a 'alor. 2 lou'or concentra todo o nosso ser em (eus.ue $re'alece . =allesbR escre'e) U*uando a&radeço.ue o lou'or tem a 'er com a oração . (e'emos lou'%!lo a&ora e eternamente +'. 'endo e lou'ando a$enas a ma#estade e o $oder de (eus. Para .ue ela .em si mesmo um meio sa&rado de $re'alecer durante a oração.ua &raça e redençãoV..ua adoração com lou'or +. mas de'emos 'er (eus in initamente maior. (e'emos começar a .ue $re'alece como . com cGnticos +1EI)1/ e com m(sica +1KM)L/. Ele nos UtrancaV com (eus e com os seus an#os. Assim sendo. Ele se re#ubila em nosso lou'or. 2 . (ueSel Editora) 4andeia 4a$9tulo FK T $%&inas 169 a 1I1 (eus $redestinou . . Para $re'alecer e ica3mente. .eita a (eus. nossos $ensamentos cotidianos e as su&estões satGnicas. (e'emos lou'%!Lo com nossos l%bios +. 2 ato mais im$ortante da oração .l 1MM)E< 7s 6M)1O/. e nossas $ró$rias 'idas de'em lou'ar a (eus +1 Pe F)9/.ue nos se$ara do mundo eCterior. de'emos es.ue $re'alece Autor) QesleR L.ue a nossa 'ida cristã de'e tra3er lou'or e &lória a Ele +E 1)K!6/.ue es. 2 lou'or ec"a a $orta sobre as id-ias intrusas.ue $re'alece1 2 lou'or tanto $re$ara $ara a oração . mas no lou'or da min"a alma ascende em adoração . (e'emos 'estir!nos de lou'or +7s 61)L/. $recisamos estar su$remamente conscientes de (eus.l LE)1/. ca$a3 de satis a3er todas as nossas necessidades.ual oramos $ode $arecer imenso. 1E/. 2 $roblema ou necessidade sobre o .uecer todos os outros de'eres. culto e amor. en'ol'imentos e $reocu$ações. O LOUVOR LIVRA O NOSSO CORAÇÃO DE CUIDADOS5 TE+ORES E PENSA+ENTOS CENTRADOS NA TERRA6 Precisamos entrar na $resença de (eus e ec"ar a $orta . meus $ensamentos ainda &iram em redor de mim mesmo. nossos l%bios e nosso estilo de 'ida de'em constantemente lou'ar a (eus. ati'idades.

ue 2 lou'am.ue todos . (eus le'ou!o a recordar a bondade do . as $essoas não entenderam e icaram $edindo e su$licando coisas a (eus. Ele nos le'anta acima das batal"as. um ami&o de ArancWe oi 'isit%!lo. 2 lou'or de (eus $arece c"am%!Lo de maneira es$ecial $ara atuar entre o seu $o'o.ue entre&ou então a ArancWe uma soma consider%'el .en"or.ue Ele #% e3. re$ortando!se at. U. ala de uma -$oca em . Ali esta'a o tesoureiro a&uardando o din"eiro e a seu lado um "omem . Mas o $astor re$etiu . 2s dois "omens oraram #untos. A .eu enorme $oder.$or nós. ArancWe $ediu .ue ele 'oltasse de$ois do almoço. na Aleman"a. $ara a $ers$ecti'a do trono de (eus.ue dese#a'a um no'o des$ertamento em sua i&re#a.ue retornasse B noite.ue o "omem $ode a3er .uando (eus est% do seu lado1 +. 2 lou'or lembra!nos de tudo o .eu lou'or. .uando $re'alecemos em oração a3em isso ainda mais. Ele con'ocou durante uma semana reuniões só de lou'or.ua $resença em meio ao . 2 tesoureiro 'oltou e ArancWe $ediu . *uando ArancWe começou a orar.en"or $ara com a "umanidade. tanto mais nos tornamos conscientes de (eus e absor'idos na .ue (eus $ode a3er e das &randes coisas . idelidade e amor. ArancWe acom$an"ou!o at.uem ser% contra nós1V +Jm O)L1/. ArancWe lou'ou a (eus re$etidamente $ela .ua bondade e idelidade no correr dos s-culos. 2 lou'or nos incendeia com 3elo santo. =ue&el conta a res$eito de um $astor . . 2s an#os ministram incessantemente a nós +=b 1)1E/.ue .l 11O)6< =b 1L)6/. ArancWe. O LOUVOR INVOCA A PRESENÇA5 O PODER E AS AORÇAS DE DEUS6 (eus mani esta a . Dada nos une mais com os an#os de (eus do . da mesma orma . ministro luterano $or 'olta de 1IMM e undador de um or anato em =alles.a 4riação. mas sentiu!se im$edido de alar de sua ur&ente $etição. e tal'e3 o nosso lou'or e adoração os unam a nosso a'or e na res$osta Bs nossas orações. 2 . sabedoria. Au&ust =.a $orta. *uando o ami&o oi embora.ue nos a#untar em lou'or a (eus. in'ocando a mani estação e o uso do .'em $ela Pala'ra de (eus e $or meio do lou'or.ue lou'amos o .ue esta'a $recisando de uma &rande soma de din"eiro.e (eus . 2 lou'or redu3 as orças inimi&as. 2s eC-rcitos an&-licos de (eus a nosso a'or são muito maiores do .ue ministraram a 8esus no Nets0mani.ua &rande3a. mas . 2 lou'or nos d% o es$9rito de triun o e 'itória. A cresce B medida . (eus est% entroni3ado em meio Bs criaturas . Desse inter'alo de tem$o.ue cobriu $er eitamente as suas d9'idas.ue se o$õem a nós +F Js 6)16/. Do começo.eu tesoureiro oi buscar o din"eiro.Adoração e Louvor 1 O LOUVOR PRODU@ E AU+ENTA A AB6 *uanto mais lou'amos a (eus.

(urante os meus dias de mission%rio na Xndia. A mais alta eC$ressão de . "ou'e muito lou'or.. a maneira idiom%tica de di3er ULou'ado se#a o . E3e. A distinção entre os dois . A &lória de (eus enc"eu o tem$lo.en"orV na l9n&ua dela.uias.. $ode atacar as ortale3as de satan%s mediante o lou'or.uando $Hde inalmente abri!los.ue muitas 'e3es em . 2 (omin&o oi um dia como a i&re#a nunca tin"a 'isto. Aicou instantaneamente liberta.ueria nada al-m de lou'or. senti o im$ulso de a$roCimar!me da moça semi!inconsciente. e3 um es orço $ara controlar seus l%bios cerrados e. um eC$eriente mission%rio do M-Cico. A se&uir. 2s corações se derreteram.um meio e ica3 de resistir a satan%s e a30! lo u&ir. me senti inca$a3. @m crente c"eio do Es$9rito. mas.Adoração e Louvor 1! não . 2 lou'or tira a iniciati'a das mãos de satan%s. 7sa9as e o $o'o de 7srael da sua -$oca não oram os >nicos . Aalei no ou'ido dela) U8ai Masi" YiV +'itória $ara 4risto/. ECtra9do do li'ro) A oração $oderosa .ue $re'alece Autor) QesleR L.uanto ora'a. En. Da *uarta! eira o culto começou a mudar. un&ido e ca$acitado. ela começou a res$onder.não . Ele a irma) UECiste no lou'or um $oder . Ele . 2s crentes 'oltaram ao seu $rimeiro amor. Uum no'o dia tin"a raiado.. mas o lou'or oi a arma do Es$9rito $ara libert%!la. 2 lou'or conse&uira issoV. *uinta! eira.ue uma estudante $ossessa $elo demHnio osse libertada. . A oração e o #e#um $ro'a'elmente a#udaram a $re$arar o camin"o. es$al"a os o$onentes demon9acos e rustra as estrat-&ias de satan%s.ue a u&entaram o inimi&o $or meio do lou'or. O LOUVOR CONAUNDE5 RESTRINGE5 ATERRORI@A E DESTR3I SATANÁS6 2 lou'or a asta os $oderes das tre'as. os alunos e os $ro essores da escola b9blica $ara moças de outra con&re&ação esta'am orando e #e#uando a im de .ue a oração não tra3 a res$osta o acr-scimo do lou'or le'a B 'itória. @m 'erdadeiro rea'i'amento. Aui c"amado $ara a#udar. .eCta! eira. Do (omin&o. Al&o mara'il"oso acontecera. como se $udesse ou'ir min"as $ala'ras. mas oração em sua eC$ressão mais sublime de lou'orV.ue esta'a ainda mais e'idente na . (ueSel Editora) 4andeia 4a$9tulo FK T $%&inas 169 a 1I1 . disse . disse em 'o3 alta) U8ai Masi" YiV. *uando $ronunciei esta rase em seu ou'ido.naturalmente arti icial.oração em seu sentido ordin%rio de $etição. .ue '%rios adultos se&ura'am a im de controlar as contorções e os es$asmos.. =ue&el.ue a oração não tem.

A $rimeira menção b9blica de m>sica e cGnticos encontra!se em N0nesis L1)FI e associa!se com a eC$ressão de #>bilo... . 7sto .atan%s usa a m>sica muito e icientemente $ara alcançar os seus $ro$ósitos.ão uma eC$ressão 'ital. "ar$as e c9mbalos. os cantores.ue se i3essem ou'ir. 5 ob'io .G L>ci er era um .uiel FO)1L nos di3) Fa o'ra dos teus tam'ores e de teus p faros estava em ti: no dia em que foste criado foram preparados. =% muito tem$o atr%s. +1 4r 1K)16/. *uatro mil le'itas lou'aram ao .ue .G +8ó LO)I/. no in9cio da 4riação) Fas estrelas da alva &untas ale$remente cantavam. A adoração com cGnticos $rimeiramente mencionada em ZCodo 1K)1!F1. com ala>des. $ara . L>ci er era um c"e e dos m>sicos.Adoração e Louvor 1# A +CSICA NO LOUVOR E ADORAÇÃO A m>sica sem$re te'e um $a$el im$ortante na adoração a (eus.uando .1O/. Miriã e todas as mul"eres.en"or com instrumentos . res$onderam ao cGntico de Mois-s. le'antando a 'o3 com ale&riaV. com instrumentos musicais.ue constitu9ssem a seus irmãos. As mul"eres de 7srael celebraram a 'itória de (a'i sobre Nolias com cGnticos +1 . com $andeiros e danças. A 'o3 "umana era o instrumento mais acess9'el e $o$ular com o . F2 os filhos de Esrael.en"or. e todos os filhos de Deus re&u'ilavam.I/.ue a m>sica e os cGnticos são uma $arte 'ital do lou'or e adoração a (eus. Mois-s e os il"os de 7srael cantaram ao .ue celebraram sua 'itória com cGnticos +83 K)1!L1/.ual a m>sica $odia ser eita. E3e.G +F 4r LM)F1/. cele'raram a festa dos pães asmos sete dias com $rande ale$ria: e os levitas e os sacerdotes louvaram ao Senhor de dia em dia. Antes de sua .assim. =o#e em dia ainda . A esca'ação do $oço em Beer oi celebrada com cGnticos +Dm F1)1I.retratado em toda a B9blia de N0nesis a A$ocali$se. com instrumentos fortemente retinintes ao Senhor. SATANÁS E A +CSICA 5 tamb-m 'erdade . A m>sica "ebraica era $redominantemente 'ocal.m 1O)6. &loriosa e $ositi'a de lou'or a (eus. =a'ia bem $oucos instrumentos nos $rimeiros dias de sua "istória. (-bora e Bara.ueda.alomão oi le'antado como rei sobre 7srael. UE disse (a'i aos $r9nci$es dos le'itas .

Este ti$o de m>sica. $ois ele . Tal'e3 ela nos moti'e.anto tamb-m $ode usar a m>sica $ara a &lória de (eus e $ara a edi icação das $essoas.ue os il"os de 7srael "a'iam se a astado de (eus e 'oltado B adoração de 9dolos.ue in'entaram tanto os instrumentos de m>sica como os instrumentos de &uerra +Nn E)F1.uando a cidade da BabilHnia or derribada.o dia de "o#e.um en&anador.uele som.. usa'a instrumentos musicais de '%rias es$-cies $ara indu3ir as $essoas a adoração da ima&em de ouro . tan$endo o tan$edor.m 16)FL/. Ele de'eria usar este dom $ara a &lória de (eus. *uando toca'a e canta'a sob a unção do Es$9rito. Muitas m>sicas modernas estão re$letas de con usão. A +CSICA PODE INSPIRAR A ADORAÇÃO D DEUS 2 Es$9rito . Ele tem eito isto muito e icientemente at. A m>sica de'ota. (a'i "a'ia sido un&ido $or (eus +'ers. A m>sica ob'iamente a#udou a criar uma . Dabucodonosor. Transtornam e $erturbam as $essoas.ue a m>sica un&ida tin"a sobre . mas nunca a3 com $ercamos o controle das nossas emoções. o es$9rito mali&no se retira'a de . F2 sucedeu que.1L/. Ela nos ortalece.ue ser eC$ulso do 4-u ele $rostituiu este dom e começou a us%!lo $ara o mal ao in'-s do bem. ao in'-s de nos en ra.atan%s. o . 2bser'e o $oderoso e eito tera$0utico . +A$ 1O)FF/.en"or e te'e . =erodes sucumbiu B m>sica e dança sedutoras da il"a de =erodias e tolamente ordenou a morte de 8oão Batista +Mt 1E)6/. veio so're ele 12liseu3 a mão do Senhor. ele c"amou Eliseu.Adoração e Louvor 17 m>sico mestre.uando se rebelou contra o . ele descobriu . mas .aul +1 . rei da BabilHnia. Aoram os descendentes de 4aim . *uando Mois-s 'oltou do seu encontro com (eus na montan"a.G +F Js L)11.aul.ual $assa'a a se sentir reno'ado e mel"or. 2 som de suas m>sicas era tão con uso aos ou'idos de Mois-s .16/. 2 som de sua m>sica não mais ser% ou'ido. *uando 8osa % $recisou de um $ro eta numa ocasião de crise nacional. Ela acalma ao in'-s de con undir. 2 $ro eta c"amou um m>sico. c"eio de con usão.ue ele "a'ia eri&ido +(n L)K!I/.1K. tem a marca re&istrada de . um com$ositor dotado e um doce cantor. $iedosa tem um e eito eCatamente o$osto.uecer. A m>sica satanicamente ins$irada da BabilHnia ser% inalmente destru9da . Esta'am dançando e cantando ao redor do be3erro de ouro. Ele era um m>sico "abilidoso.. 2 disse: Assim di+ o Senhor.FF/.ue ele não $odia discernir imediatamente o si&ni icado da.

ilas cantaram lou'ores a (eus na $risão +At 16)FK/. salt-rios e c9mbalos +1 4r FK)1/. 'oltaram $ara casa com cGnticos ale&res e com risos. 2 rei (a'i desi&nou E. *uando os seus ca$tores babilHnicos os incita'am a . Dão canta'am $ara causarem um im$acto ou $ara entreterem os outros.muito raro na 7&re#a "o#e. diri&idos a (eus com lou'or e adoração . F. e nos seus %trios com "inos de lou'or< rendei!l"e &raças e bendi3ei!l"e o nome. Eles de'eriam cantar) a. . b.ue o dom de $ro etas o$erasse.eu $o'o. Eram diri&idos B (eus.l 1MM)E/ .ue $ro eti3assem com "ar$as.l 1LI/. (eus est% restaurando este minist-rio ao . A +CSICA E OS C?NTICOS NO NOVO TESTA+ENTO 1. o lou'or e as danças e os risos são todos a elas restaurados.V +. 4omece todas as reuniões com ações de &raças e lou'ores em orma de cGnticos.ue cantassem.l 1F6)1.uando a 7&re#a est% em cati'eiro es$iritual . =inos +cGnticos de lou'or a (eus/. +Mt F6)LM< Mc 1E)F6/.almos musicados/.eu $ra3er somente.rom$ido e as $essoas no'amente se libertam.almos +os .uando 7srael esta'a em cati'eiro na BabilHnia . os cGnticos.ue eles cessaram de cantar e tocar.Adoração e Louvor 18 atmos era e uma dis$osição $ara . $ara o . A.F/. 2 seu ob#eti'o $rim%rio nos cGnticos era lou'ar e en&randecer a (eus. =a'ia lou'or em seus l%bios +. A m>sica un&ida deles cessou e $enduraram suas "ar$as nos sal&ueiros +.MMM "omens $ara . 4ontudo.en"or. Aoi somente .ui estão al&umas su&estões $ara a#ud%!lo introdu3ir a sua comunidade num minist-rio de m>sica un&ida com lou'ores a (eus) 1. 2s disc9$ulos cantaram "inos #untos. *uando este cati'eiro . 2s seus cGnticos não eram centrali3ados no "omem. 2s cGnticos da 7&re#a Primiti'a eram lou'ores ao . Paulo e . L. 5 somente .ue a sua m>sica un&ida cessa. Este ti$o de m>sica e cGnticos un&idos. a m>sica. UEntrai $or suas $ortas com ações de &raça. c. a$ós IM anos. 2 A$óstolo Paulo instruiu a 7&re#a com relação aos cGnticos un&idos. 4Gnticos Es$irituais +cGnticos es$ontGneos dados $elo Es$9rito/. re$lica'am) FComo entoaremos o cHntico do Senhor em terra estranhaIG *uando o cati'eiro deles terminou.

Permita . lou'ar e adorar.ue .ue entrem na adoração . I.eito e a maneira com . Estes são os atos mais im$ortantes da nossa reunião.a nossa tradição e costume cant%!lo. seus lou'ores atra'-s deles. .ue . ou diri&ir a nossa atenção $ara o 4-u atra'-s de cGnticos. FDeus não ( autor de confusão. cGnticos a$ro$riados $re$aram o camin"o $ara o tema ou mensa&em. (0 o$ortunidades $ara a $artici$ação da con&re&ação. . tome a .eito tem .ue &eram con usões. Al&u-m $ode diri&ir a con&re&ação em oração. Dão U aça correndoV o culto de lou'or. Muitos $astores consideram esta $arte do culto como uma U$reliminarV uma necessidade maçante. L.en"orV.ue ser $ara a edi icação de toda a con&re&ação +1 4o 1E)F6/. 4ontudo o l9der desi&nado e un&ido de'eria em todo o tem$o reter a autoridade es$iritual sobre o culto. 5 bem $oss9'el cantarmos muitos "inos e cGnticos sem eC$ressarmos nen"um lou'or 'erdadeiro. Dão ten"a medo de cantar cGnticos mais de uma 'e3.ue o lembre de cGnticos ou "inos a$ro$riados. 2s cGnticos não são lou'ores em si mesmos.ue as $essoas eC$ressem &enuinamente. cantar ao . E'ite UcontribuiçõesV . ou se#a. as $essoas $assam $ro&ressi'amente $ara os '%rios n9'eis do mesmo at. ou ainda. Em &eral. 7ncenti'e as eC$ressões es$ontGneas. K. Tal'e3 al&u-m mais $ro eti3e e a eCortação 'en"a a ornecer o tema $ara o resto do culto. Em &eral começamos com o lou'or e em se&uida. 2s "inos são muitas 'e3es cantados $or.ão meros 'e9culos atra'-s dos .G +1 4M 1E)LL/. 9. um $ro$ósito muito mais 'alioso .en"or. 11. O. 4onceda este tem$o $ara cantar.ue . Dão Ua$a&ueV o Es$9rito +1 Ts K)19/. $or-m tradicional. As mani estações do Es$9rito de'eriam ser eC$ressas nos cultos de adoração dos crentes +1 4o 1F)O!11/.Adoração e Louvor 1) F. 1M.ue $oder% resultar na direção $ara a reunião. Todas as coisas de'eriam ser eitas $ara a edi icação m>tua. 7ncenti'e a $artici$ação e eC$ressão atra'-s destes dons es$irituais. E. Peça em oração ao Es$9rito .ue . 4omece com cGnticos de lou'or e ações de &raças. Temos $or-m..uais $odemos eC$ressar o nosso lou'or. (eus tem um tema ou mensa&em $ara cada culto. 2s cGnticos de lou'or ins$iram as $essoas a adorarem.o n9'el ele'ado de lou'or. mas tudo . uma $arte es$ec9 ica deles $ode $arecer es$ecialmente un&ida ou abençoada.ue este. 6.anto . ECorte as $essoas a realmente Ucantarem ao . o .e o culto começar a icar con uso. Todas as mani estações b9blicas são le&9timas e a$ro$riadas.

Austr%lia. esclarecendo assim a situação. As $essoas não 'ieram $ara 'erem ou nos ou'irem. com todo o cuidado. @se situações assim $ara ensinar a maneira certa e errada de se a3er as coisas. Lembre!se . E isto de'eria ser o ob#eti'o mais im$ortante de todos os ser'os de 4risto . A nossa tare a.ue subiam B.ue est% acontecendo. com a a#uda do Es$9rito. 5 claro .ue diri&em cultos de lou'or. . A liberdade de Es$9rito e a es$ontaneidade são mais im$ortantes . 'i al&umas $ala'ras ental"adas nele. ainda . 6ieram $ara ou'irem a 8esus.Adoração e Louvor &( rente e tire!o da con usão. Da $rimeira 'e3 . ministrarem.e#a leC9'el.ue todos os ol"os $ossam 'er o . mas 'oc0 $recisa e'itar. Eu me lembro de uma i&re#a . Dão insista se&uir o $ro&rama. 1E.ue "a#a uma liberdade sub#acente.en"or de coração. @se um li'reto de cGnticos ou um retro$ro#etor $ara . 1K.necess%rio muito mais do . Procure icar escondido.e necess%rio. 1L. Elas con ronta'am todos . Dão ten"a medo de num dado momento.ue o al'o de todas as reuniões .ue B con&re&ação o .en"or e $ara a &lória de (eus. . abrir o '-u.ue subi ao $>l$ito.ue a $recisão t-cnica. .ue isto $ossa ser eito corretamente.e#a sem$re leC9'el Bs direções do Es$9rito e este#a dis$osto a se&u9!las. Permita . Tudo de'eria ser eito $ara o .em$re de'er9amos ter isto em nossas mentes.en"or e adorar diante d[Ele.ue $astoreei $or muitos anos em Brisbane. . tornar!se muito mecGnico ou ormal. aça uma $ausa e eC$li. As $ala'ras eram) U*ueremos 'er a 8esusV +8o 1F)F1/.ue "% certas Ut-cnicasV $ara a direção de um culto de cGnticos ou de lou'or. $ara .ue as $essoas $ossam $artici$ar. $ara . colocar de lado o li'reto e a letra dos cGnticos e sim$lesmente adorar ao . 1F.uele $>l$ito $ara alarem. senão unicamente a )esusG +Mt 1I)O/.ue a mo'imentação dos braços.ue as $essoas $ossam Fver a nin$u(m. .&lori icar a (eus e edi icar os crentes. Para uma boa direção de lou'or e cGnticos .

en"or na con&re&ação. . não ser% necess%rio tecer coment%rios e. os lou'ores.uer momento usar da $ala'ra.uele dia no coração de cada um.uando.ue não adora a (eus não $ode le'ar outros a adorarem. uma $essoa .uele .ue $oss9'el. se#a na direção do culto. @ma $essoa $assou todo o dia com um cGntico de #>bilo no coração. Esse $eri&o .ue tem res$onsabilidade con&re&acional. 5 o caso de Miriã. sem .ue t0m os seus "inos $re eridos . $ois. $rinci$almente.comum em reuniões nos lares ou de $e. o res$ons%'el $elo andamento da reunião. um irmão de'e coordenar.ui al&umas su&estões ao diri&ente. onde tendem a se destacar a.ue se#a o n>mero de $essoas. Mas tamb-m não deiCa de "a'er um certo $eri&o .ue $erdurou $or centenas de anos.ue ministra diante do . ECiste uma maneira de correta de nos c"e&armos a (eus. se&ue a.ue os irmãos $eçam seus cGnticos. 2 diri&ente do lou'or e adoração -. e um deles toma a rente. uma $essoa . 6%rios irmãos se aconsel"am mutuamente. Por isso sou da o$inião de .o de (a'i instituindo uma ordem de culto em 7srael . mesmo num $e. 7sto .ue são solicitados nas "oras im$ró$rias. onde todos t0m liberdade de o$inar. As res$ostas são di erentes.ue "a#a liderança ou al&u-m diri&indo uma reunião.bom "a'er al&u-m coordenando. usar de al&uns eCem$los b9blicos #% mencionados neste li'ro. $edir cGnticos e testemun"ar. Do culto a (eus.ue o culto se#a $roduto do &osto $essoal do diri&ente.uer irmão . 2utro eCem$lo .mesmo ocorrer . o . de'e ser $lural. e ser. Al-m disso. . sem$re .ue diri#a a reunião dis$or% de consel"o e orientação se&ura.ue cGntico soou durante a.ue o diri&ente se sinta o endido. sim. .ue de'e "a'er liberdade $ara .ue $odem a . Desse sentido. Assim.ue al&u-m de'e ser res$ons%'el $ela direção das reuniões da i&re#a. Em $rimeiro lu&ar. na 'ida da. Pode at. sem$re assessorando $elos demais. $or menor .ueno &ru$o.uenos &ru$os. . do contr%rio os lou'ores serão dis$ersos e os cGnticos serão cantados con orme cada um dese#a.Adoração e Louvor &1 O CULTO A DEUS: AUEÍLIO AO DIRIGENTE Al&umas $essoas não ac"am '%lido "a'er na i&re#a al&u-m res$ons%'el $ela direção das reuniões. com receio de .ueles de $ersonalidade mais orte.ual. liderança de &ru$os e. creio. \s 'e3es costumo $er&untar numa reunião $e. "% undamento escritur9stico $ara . outra com um cGntico de contrição. .ue ministra ao $o'o de (eus.ue saiu liderando as mul"eres em danças e lou'or a (eus. lo&o a$ós a $assa&em $elo mar 'ermel"o.bem latente nas con&re&ações reno'adas. 2 &osto $essoal de cada um acaba $redominando e al&uns cGnticos são solicitados no momento im$ró$rio. condu3 a con&re&ação B sua $resença. recebendo de (eus. "% $essoas .uando as reuniões t0m li're curso. Assim. Partindo do $ressu$osto de . diante da con&re&ação e diante de (eus.uena . Ministra ao $o'o .ual.ue d% lu&ar B $redominGncia de &osto $essoal.ue a direção do culto. A adoração de'e a3er $arte da 'ida de toda $essoa . Em se&undo lu&ar. $ois al&uns irmãos de Gnimo mais orte tendem a dominar o culto.uando o diri&ente ac"a . onde não "% mais uma ordem $r-!estabelecida $ara as reuniões.

uele . o diri&ente da reunião de'e ser uma $essoa sens9'el ao Es$9rito . na obra da cru3. como (eus orte. E ele $oder% condu3ir a reunião. 2 $rimeiro cGntico . (a mesma orma. L/ Em terceiro lu&ar.uele dia.. atra'-s do diri&ente. a $ro undas eC$eri0ncias. então o diri&ente demorar% um $ouco a direcionar a reunião $ara cum$rir a 'ontade do Es$9rito. alma e es$9rito. o diri&ente da reunião não $ode estar ner'oso.e o diri&ente boce#ar.um adorador1 Ela transmite 'ida não só B rente da reunião. .o UalimentoV de (eus. Muitas 'e3es. não $oder% &uiar outros na adoração e lou'ores ao . como um &uerreiro ou um ami&o.ue o Es$9rito &lori ica a 8esus.ue estão cansados e abatidos a terem um encontro com (eus. Assim.ue os $resb9teros ou. Muitas 'e3es o diri&ente ou os m>sicos $odem estar sob o$ressão mali&na e. $or. $ara então ter condições de ministrar ao $o'o.. toda a con&re&ação notar%.ue esse . tendo em 'ista .ue mais a&radar% ao Jei 8esus na. se sua alma e es$9rito não esti'erem 9nte&ros e retos diante do . ele a#udar% os .a c"a'e . o cansaço $oder% trans$arecer e a etar a con&re&ação. 4om seu 9sico descansado e seu es$9rito a'i'ado. 4omo saber se a $essoa . A adoração . E/ 2utrossim. O DIRIGENTE DO CULTO 1/ 2 diri&ente do culto de'e estar bem $re$arado ! cor$o.uer #>bilo ou $rostração.en"or.ue não estamos $re$arados nesse dia $ara le'ar o $o'o B $resença de (eus.o conte>do de todo o ser'iço e adoração. isto a etar% o lou'or con&re&acional. dor de cabeça ou canseira. o diri&ente de'e $ensar $re'iamente como começar.al'ador.uela direção. A.e discutiu em casa.$ara le'ar a con&re&ação a &lori icar a 8esus como Jei e o $rimeiro cGntico a$resenta como . outros irmãos ministrem a ele. F/ Em se&undo lu&ar. no lou'or e adoração.uem diri&ir% o lou'or nesta ou na. isto $oder% deiC%!lo sem condições de diri&ir a reunião. . ou se al&o não est% bem com ele. somente de$ois do terceiro ou . ao serem ministrados antes de ministrarem aos outros.ue abre a reunião. 2 Es$9rito .ue se descobre a UmenteV do Es$9rito.anto.uer ser eCaltado como Jei ou como um $ai amoroso. mas tamb-m na sua 'ida 9ntima e $essoal. no seu amor.Adoração e Louvor && Ministra ao .e seu estado de sa>de não o a'orece.ue não $ossui uma 'ida intensa de comun"ão e adoração.en"or. mel"or ser bem sincero e $edir .uarto cGntico . icarão libertos e $uri icados de todo o mal.muito im$ortante. disse certo $re&ador. A B9blia di3 .en"or. na aus0ncia destes.e a unção de (eus na reunião . (e'e ter uma boa dis$osição bem antes do in9cio do culto. $rocurando saber dele o . .ue o in9cio .en"or . . Muitas 'e3es temos .e o . a$oiar!se no $>l$ito e descansar sobre uma das $ernas.ue ser sinceros e di3er aos nossos cole&as de minist-rio . como uma dor de dente. *uando ele est% isicamente cansado. o Es$9rito sabe se o Pai . no trabal"o. . .

(e$ois de al&um tem$o de lou'or. . com orça. 2s irmãos de'em ser a#udados e eCortados a se santi icarem $ara uma adoração $ro unda diante do .ue cGntico ou de .uentarV o ambiente .uer $ara a reunião. muitas 'e3es.obra $uramente carnal. $ois "% momentos . 2 animador est% nos clubes. sem $arar.uando a reunião tem car%ter $>blico.$reciso $edir. 4om isso o camin"o $ara a adoração ica li're. os irmãos mais c"e&ados.ue maneira de'e!se começar uma reunião. dos meios de comunicação. Assim. re$reender toda a $otestade mali&na. Do culto "% o ministro. Elas luem.ainda necess%rio $arar o lou'or. limita o lou'or aos cGnticos. *uando o diri&ente do culto se limita a cGnticos a$ós cGnticos. o diri&ente $oder% icar em atitude de .moti'ar e eCortar os irmãos a uma 'ida de santi icação. inibe as eC$ressões es$ontGneas. K/ 2 diri&ente de'e sem$re incenti'ar os irmãos B santi icação. . a adoração lui lo&o. (a9 a necessidade de uma $uri icação de nossa 'ida diante do . $odemos entrar em adoração lo&o no $rimeiro cGntico. e. de'e $rocurar seus cole&as $astores.e o diri&ente não est% certo do . . de en&randecimento do nome do .ue o Es$9rito . A Pala'ra de (eus di3 .en"or.uenos &ru$os de oração. como um todo. 7rmão a$ós outro irrom$e em eC$ressões de a&radecimento. do trabal"o. Dem sem$re isso . saber a 'ontade do Es$9rito.recomend%'el começar uma reunião com adoração. 7ntre$ide3 si&ni ica ousadia.ue de'emos ter Uintre$ide3 $ara entrar no . 7sto tamb-m $oder% ser eito começando!se a reunião com $e. e assim todo o es$9rito de incredulidade ser% dominado na reunião. 6/ 2 diri&ente de'e acilitar as mani estações simultGneas e es$ontGneas das $essoas.en"or. de orma .necess%rio. A eC$eri0ncia tem mostrado . dos coleti'os urbanos. mesmo os crentes. Animador de corin"os $ara Ues.ue um irmão ministre a outro. 5 muito comum icarmos. *uando todos somos com$rometidos com 4risto. Mas cabe ao diri&ente acilitar essas eC$ressões.uando a con&re&ação es$ontaneamente eC$ressa seu lou'or e adoração.ue somente se $reocu$a em cantar com o $o'o e a alar todo o tem$o. emissoras de r%dio e T6.necess%rio começar com lou'or e #>bilo. de #>bilo. e assim se#am todos mutuamente $uri icados nos amor. etc.antosV +=b 1M)19/. e a con&re&ação. contaminados $ela U uli&emV do mundo. Ao contr%rio. UAnimadorV de culto não eCiste. e $er&untar!l"es com . na alta destes. .Adoração e Louvor &3 *uando $rocuramos. isto -.en"or.anto dos . uma reunião $ode ser iniciada com todos orando em &ru$os ou todos saudando uns aos outros. numa oração de autoridade.eu $a$el .ue. $rinci$almente . aberta a $essoas não cristãs. tal a unidade de es$9rito e -. $a3 e relacionamento com 4risto.uando "% a $resença de muitos incr-dulos. cora&em e sem temor. Dunca . Dão . . 2 diri&ente . do ambiente da escola. contudo. de contentamento.

.irme e se&uro. Mas. . se na reunião "ou'e lou'or e adoração. mas tamb-m em cGntico es$iritual. Por estar ora da sintonia da reunião e interessado em di'ul&ar seu $ro&rama de e'an&eli3ação.ue (eus dese#a. demorar% muito a entrar num luir dinGmico do Es$9rito. (e'e!se alar $ara le'ar .ue nos ora recomendado $or cole&as. Pode ser .ue o diri&ente .e ele não sentir a reação do $o'o.ue ser% o $re&ador saber% icar calado e deiCar o culto tomar os rumos . @ma 'e3 con"ecido o tema.uer di3er .en"or. contudo.ue ica titubeando. . I/ 2 diri&ente de'e tamb-m cuidar do com$ortamento con&re&acional.de #>bilo e de danças.ue t0m de alar ao $o'o. . e t9n"amos um $re&ador de uma outra cidade . 7sto não . cura. Muitas 'e3es.uando o lou'or e adoração lu9ram no meio do $o'o com muitas $ala'ras $ro -ticas. A con&re&ação se acostumar% aos &estos do diri&ente e saber% . .ue todos es$era'am. .uem est% diri&indo a reunião $recisa ou'ir o Es$9rito atra'-s da con&re&ação. o culto tomou uma direção contr%ria B . tamb-m entender% . transmite tudo B con&re&ação.uando o diri&ente . eCaltação da santidade de (eus. a. etc.ue de'e ditar o rumo do culto.e o $re&ador con'idado B reunião or uma $essoa com$reensi'a. $ara saberem ..de adoração e de $rostração.ue costumam icar alando durante um $er9odo de sil0ncio e adoração ou mesmo no meio #>bilos. mas o clima entre o $o'o .ue deiCa trans$arecer indecisão.uando com$rometidos em dar a $ala'ra a $re&adores con'idados. mas o ambiente na con&re&ação . o muito alar $re#udica o luir do Es$9rito na reunião. .ueira adorar. ou com as mãos le'antadas ou de cabeça baiCa. =% diri&entes . 9/ 2 diri&ente de'e atuar em -. 2u $oder% ser .ue o $o'o #% ou'iu muitos testemun"os e te'e um lon&o tem$o de lou'or.ue o momento $ara se eC$ressarem diante do . O/ (e$ois de descobrir o luCo do Es$9rito no culto. testemun"os. . $ala'ra $ro -tica e ministração indi'idual.uanto tem$o de'em usar. Esta $ode ser sobre o amor. não somente em $ala'ras e rases curtas.ue o estado emocional da con&re&ação .uando de'em alar e . libertação.uele .ueira #ubilar!se e lou'ar a (eus.uando o $re&ador or $re&ar o $o'o se sentir% cansado. Muitas 'e3es icamos com$rometidos com $re&adores . Ele de'e ser $rudente $ara não dar a $ala'ra ao $re&ador de$ois . Esta se sente se&ura. 2s $re&adores $recisam ser restaurados. *uando os $astores da con&re&ação acom$an"am o luCo da reunião. Ele de'e condu3ir as $essoas a (eus. Podemos limitar a obra de (eus num culto. Ele de'e sentir o ambiente e o $o'o. diri&ir a reunião com se&urança e irme3a.Adoração e Louvor & adoração. o diri&ente de'e $rocurar a nota dominante da reunião. Muitas 'e3es. Jecordo! me de uma ocasião.ue não "% lu&ar $ara uma $re&ação lon&a.ue o diri&ente . @m diri&ente .

uilo .ue mant-m cultos de adoração como ati'idade normal. As cam$an"as de oração dão lu&ar a uma . $odem dar a 'ibração certa na bateria ou deiCar de toc%!la< dar o to. eCecutar cGnticos es$irituais.uma i&re#a 'itoriosa na comunidade onde 'i'e: 6emos $essoas sendo sal'as. ati3adas. inte&radas ao 4or$o de 4risto e se tornando um canal de b0nçãos Bs $essoas . 8% dissemos . acabam diri&indo a reunião. 2 &uitarrista. 2s m>sicos.uando unidos em (eus. 2 es orço e'an&el9stico.ue um m>sico não con'ertido $ode tornar U$ro anoV a. no es$9rito. colaborando assim com o diri&ente.ue est% 'i'endo intensamente essa 'erdade. o or&anista $odem com seus acordes. pre$a e canta so're ela . . Tamb-m . 2 diri&ente . o culto $ro&ramado na orientação do Es$9rito .. e . . estas serão as 'erdades 'i'idas $or ela de orma mais intensa.Adoração e Louvor &! $essoas a (eus. batismo no Es$9rito. cura. os m>sicos de nossas i&re#as são #o'ens.ue certo na &uitarra ou $arar e deiCar somente o ór&ão tocando. todos $odem $arar de tocar e icar em adoração.uando uma con&re&ação entoa somente "inos de eCaltação ao &o'erno de (eus. Em re&ra &eral. 2s m>sicos de'em se "armoni3ar de tal orma com o Es$9rito .ue o diri&ente se a$erceba< e. OS +CSICOS E O DIRIGENTE DO CULTO 2s m>sicos de'em se "armoni3ar com o luir da unção e adoração.ue (eus trans orme muitas 'idas.ue le'em a reunião a um cl9maC de adoração. tocar um solo com seu instrumento de so$ro. distribuição de dons entre os irmãos. . A con$re$a"ão que vive uma verdade.ue estão ao seu redor.necess%rio . Eles $odem ter a ins$iração de começar um outro cGntico antes . Assim. .ue ele ins$ire -. não estão desem$en"ando seu $a$el no culto. assim normalmente eC$resso. Aalar demais torna a reunião cansati'a. d% lu&ar a uma e'an&eli3ação natural. . etc.ue estamos 'i'endo. seu Jeino e seu $oderio.anto . *ue (eus le'ante muitos diri&entes c"eios do Es$9rito. Do meio dos lou'ores e da adoração $oder% ocorrer sal'ação. 2u. o culto lui no mo'er de (eus: E.e seus cGnticos orem somente de cura ou sal'ação.necess%rio . ruto da 'ida normal da i&re#a. $ara inali3ar. Precisamos ter nossa "inolo&ia restaurada.$or. 2s cGnticos comunicam o . se começarem a toc%!lo. *uando os m>sicos se "armoni3am com o luir da adoração. . mas somente o necess%rio.ue de'eria ser santo.uem tem a res$onsabilidade de tra3er essa mudança. Basta uma $ala'ra de .do diri&ente $ara .ue o $ro&ramado $elo "omem. 2 trom$etista $ode. de $oder e de sabedoria: CONVITE D ADORAÇÃO @ma i&re#a local .e eles tocam seus instrumentos a$enas $or acom$an"amento.ue eles ten"am a 'ida $uri icada.mel"or .

ue $odem ensinar . @ma con&re&ação .ter a certe3a de estar no centro da 'ontade de (eus e do seu c"amado es$ec9 ico $ara o Lou'or. um luir do . 2 cristão .anto na con&re&ação atra'-s de cGnticos. de santidade. Desse li'ro tratamos basicamente da adoração cor$orati'a.ual.Adoração e Louvor &# 'ida normal de oração.uela ocasião. 2 . contudo não "a'er% i&re#a orte no lou'or e adoração. $ois ima&ine só 'oc0 cantando um cGntico de busca e entre&a ao Es$irito .en"or. como ministrar um Lou'or. se na 'ida $articular de seus membros a adoração or rele&ada a se&undo $lano. (entre as in>meras .ue ministra lou'or tem .aconsel"%'el mudar a direção dos temas e mensa&ens dos cGnticos. Dão . Dão .uando começa a sentir um to.odos os direitos reservados3 CO+O +INISTRAR U+ LOUVOR CONGREGACIONAL ECistem '%rias t-cnicas . Estes F ca$9tulos oram eCtra9dos do li'ro) 2 minist-rio de Lou'or da 7&re#a +uma no'a dimensão de intimidade com (eus no lou'or con&re&acional.necess%rio a3er cultos $ara cura di'ina $or. sem$re buscando uma lin"a cu#o os temas e mensa&ens estão de acordo entre si. reta e a&rad%'el aos ol"os do .le'ar $essoas a adoração a (eus.ue estar ministrando tamb-m eCem$lo de 'ida.ue se restaure a adoração na 'ida da i&re#a.ncias encora#arão a . OS C?NTICOS CERTOS NAS OCASIFES CERTAS6 2 ministro de Lou'or tem . Ministrar Lou'or . de amor. Dão cabe a. Ministrar Lou'or .ue anda $ela casa com cGnticos de ações de &raça em seus l%bios.ui um $onto inal neste li'ro< certamente muitos ca$9tulos serão acrescentados $or 'oc0< suas e*peri. o luir normal na 'ida da i&re#a.en"or ter% condições de abençoar e ensinar a cada dia mais. tornando!se.en"or. de cada am9lia.uais os cGnticos certos $ara a./ P%&inas) 1FI a 1LI Autor: )oão A. e . de cada &ru$o de disci$ulado.ue ter a $erce$ção es$iritual $ara saber . este tem .]entemente. Assim o .anto. T-cnicas eCistem e a#udam.uer irmão ou irmã a ministrar um lou'or diante de (eus $ara a con&re&ação. de Sou+a @ilho 2ditora: %etHnia 1.ue a$rende a adorar carre&ar% tamb-m o $eso $elos $erdidos< ter% a car&a da intercessão e 'i'er% intensamente a comun"ão m>tua entre os irmãos.ue.buscar o mo'er do Es$irito . desunião e de "umildade.ualidades de um Ministro de Lou'or. certamente conta&iar% a reunião da i&re#a e o $ró$rio (eus: A adoração começa dentro de cada 'ida.ue $rimeiro estar com uma 'ida santa. mas o mais im$ortante . $rinci$almente no momento de adoração ao . conse.ue elas ocorrem de orma "abitual nas reuniões e na 'ida di%ria do $o'o.

e o $o'o não est% batendo $almas com irme3a e união. Mila&res. Muitos só di3em) 6amos a$laudir ao . mas nem sem$re isto de'e acontecer.conse&uir manter o n9'el eCcelente de $artici$ação dos membros no Lou'or e le'ar $essoas a abrirem seus corações ao .Adoração e Louvor &7 Es$irito.uando o $o'o esti'er lou'ando e adorando o . $re&ar ou at. o ministro muda a direção do cGntico e começa a cantar uma m>sica sobre libertação. a$enas deiCar . en. $ara cada culto e situação.en"or e se entre&arem ao Es$irito . deiCe isso $ara o decorrer da $ro&ramação do culto ou $odem $ensar . Nlorias a (eus e Am-m. e não o Ministro de Lou'or da 7&re#a. de a&radecimento e sinceridade ao .en"or em Es$9rito e 6erdade. 2utros alam demais e acabam trans$arecendo .e no momento de Lou'or $erceber .mesmo a$arecer.uanto ministra e se comunica com a 7&re#a.en"or.ue batem $almas todos os $o'os seno momento de adoração a maioria esti'er desli&ada e destru9da $ode!se $or eCem$lo $edir $ara . mas no momento de adoração a 'o3 tem . Adoração.ue conse&uir le'ar $essoas a 'erdadeira adoração atra'-s de uma comunicação ideal. $rocurar não alar nada.]ilamente $edir aos m>sicos . sensata e un&ida. ou abra a B9blia e comece a ler lon&os 'ers9culos e dar eC$lanações. . 5 claro . ou sobre o $erdão dos $ecados. de acordo com o cGntico.en"or. ormando um lindo coral de 'o3es ao . Eis a. Libertação. ou $re&ue a $ala'ra. canta bem. 8amais d0 testemun"os $essoais durante o lou'or. 4omunicar certo .ue todos ec"em os ol"os.anto. Perdão.anto. Batismo no Es$9rito .ue "% eCceções. Poder.ue sem$re ser bem sua'e. .ue o $o'o não est% cantando e corres$ondendo $ode!se tran.ue $arem de tocar $ara ou'ir a$enas as 'o3es da con&re&ação cantando #untos. Dos "inos de Lou'ores com ritmos r%$idos $ode!se se eC$ressar com uma 'o3 mais alta e un&ida. Aalar demais acaba atra$al"ando o mo'er do Es$irito .ue . e tem unção.uerem diri&ir um culto. sobre união entre os membros da 7&re#a. @m Ministro de Lou'or tem . 5 $reciso sem$re manter o controle da situação e . .al'ação e outros mais.a. ou $ro essor de escola dominical e de no'os con'ertidos.en"or. ou mesmo sal'ação.uele .ue comecem a alar $ala'ras de amor. de'e! se alar e $edir ao $o'o . Momentos de adoração de'em sem$re se&uir com uma $erce$ção musical sua'e dos instrumentos e na 'o3 e comunicação do Ministro. 5 $reciso saber alar na "ora certa se&uindo sem$re o luCo es$iritual da con&re&ação.ue 'oc0 de'eria ser um $re&ador.ue le'ante as mãos e . 4ultos or&ani3ados tem "ora certa $ara cada momento. $rudente. Aleluias.ue o $ró$rio cGntico ale ao coração das $essoas. causa 'a3io no Lou'or 4on&re&acional. A CO+UNICAÇÃO IDEAL6 2 bom Ministro .ui al&uns temas e mensa&ens dos cGnticos con&re&acionais) ECaltação. .ue se comunica bem. .anto nas $essoas e não alar nada. 5 $reciso descobrir o luCo e sentido das canções de cada cGntico.

ECistem Ministros . a9 "% liberdade.ue mais $arecem atletas eCce$cionais ou $ro essores de aeróbica. ra&ilidade e medo de encarar as $essoas. 5 ob'io .ue os m>sicos continuem tocando a melodia da canção $ara .ue aça sil0ncio absoluto $ara uma maior busca.$re$arar os corações $ara a $ala'ra de (eus.ue não . icam $arados no mesmo lu&ar durante todo o Lou'or. 2utros se meCem tanto. mais baiCo ou mais alto. ^s 'e3es se a3 necess%rio dar um re'ira'olta na maneira de cantar e tocar os cGnticos. 4ansa a con&re&ação só de ol"ar e acom$an"ar.ue tra3 a con&re&ação. 2nde "% o Es$irito . .anto e tudo ser% uma benção $ara 'oc0 e a 7&re#a.anto.ue "a'er leCibilidade. ou .ue se re$ita '%rias 'e3es o mesmo coro.uecem do resto e de obser'ar o luCo na 7&re#a/ de se a#oel"ar em momentos de adoração +mostra submissão e "umildade/.ue camin"ar $or todos os lados. es$ontaneidade no Ministro e no $er9odo de Lou'or.ue ter a liberdade de camin"ar +isto im$õe se&urança/ de se eC$ressar com &estos em al&uns cGnticos +&era $artici$ação da 7&re#a/ de ol"ar nos ol"os da con&re&ação em &eral + mostra con iança e autoridade. @m bom &ru$o de Lou'or tem de saber eC$lorar os bene 9cios . entre&a e sensibilidade ao mo'er do Es$9rito .normal icar mudando a direção dos cGnticos e lou'or. Assim seu 0Cito ser% certo.anto. A 7&re#a acaba icando $arada. &eralmente os momentos . Tudo isto de'e ser com $rud0ncia.en"or com danças. nem se .Adoração e Louvor &8 Manten"a suas $ala'ras de acordo com a rec9$roca do $o'o. #>bilo mas sem$re com a re'er0ncia . 4omo .ue .mara'il"oso estar diante de um &ru$o de lou'or.ue. $ois a 'ontade de (eus nem sem$re .uando de'e!se a3er sinal aos m>sicos $ara tocarem mais sua'e. lembre!se .ue esta'a $ro&ramado nos ensaios e antes dos cultos. ria e imó'el tamb-m. 2 Ministro de Lou'or tem . $or mais .ue realmente busca ministrar atra'-s de cGnticos de adoração. 2bedeça sem$re o Es$irito .ue a 7&re#a $ossa cantar um cGntico no'o $essoal e es$iritual.li're $ara adorar ao .$reciso estar atento $ara saber . cGnticos.ue se&uem eCatamente a.ue estar a 'ontade no altar. Ele tem . correm tanto e a3em tantos &estos . e não inse&urança.uilo .ue ec"am os ol"os e es. . sabedoria e sensibilidade es$iritual. POSTURA 2 Ministro de Lou'or tem .ue deiCem só a con&re&ação cantando #unta. mas sem$re . . $odem estar al"ando na sensibilidade musical e es$iritual.ue se inicie mais uma 'e3 a canção $ara maior a$ro'eitamento ou .uando conse&ue realmente ministrar a $resença do Es$9rito .ue se#amos or&ani3ados e $ro&ramados.ue são como est%tuas. o$erar. Tem . $ois tem Ministros . . .ue 'oc0 .libertar. abençoar os irmãos.de'ida ao nosso (eus. A tare a do Lou'or . .a do "omem.uer estão sendo cantados . ESPONTANEDADE6 Ministros de Lou'or .anto de (eus.

F .ue a $artir da. de reno'ação e restauração de 'idas.ue a le'ou at. e comecei a lou'ar ao . 2 Lou'or . os instrumentos tocando uma melodia es$ontGnea de adoração. de mila&res. na melodia.ue .ue ela 'iesse at.anto.ue "a'ia uma orça contr%ria tentando im$edir ela de se libertar na $resença de (eus. . .uela $essoa caiu endemoniada e começa'a a se raste#ar $elo c"ão como uma cobra .en"or em cGnticos es$irituais es$ontGneos.uma arma de libertação. 5 $reciso 'er de 'erdade o lou'or o$erar e nem sem$re o mo'er est% nas canções em si. En. 4omo . são os . Para isso .ue ou'indo o som das musicas +mesmo sendo de ori&em "is$Gnica/ ela $odia entender o si&ni icado das musicas e uma $a3 'ia sobre ela. buscando a $resença de (eus.ue a con&re&ação tanto &osta.ue o Nru$o de Lou'or este#a totalmente unido e Es$9rito e amor.ue este#am entrosados. 4ante '%rias 'e3es o re rão da. 7sto . . 4ontinuamos ensaiando. $ois ter9amos uma luta es$iritual $ela rente. mas o mo'er de (eus no lou'or se $ercebe. L. disse .uebra corações duros.nos momentos de ministração es$iritual e musical dos cGnticos . En.arma .ue eC$ulsa todo $oder das tre'as. $edi . Aoi .ue o 'ocal do .ue acontecem coisas tremendas. mas essa $orta .ue meu irmão mais no'o abrisse a $orta. e comun"ão com (eus. se '0. E 'e3es. Ela concordou. $eça ao $o'o . En.ue 8esus "a'ia l"e tra3ido ali $ara $oder o$erar em sua 'ida.ue te'e sua cabeça $isada e destru9da. muda'a de cadeira.ue mais tocam.uma $ro'a real . *uando comecei a orar lou'ando ao . .bonito 'er e ou'ir um &ru$o inteiro &lori icando a (eus.ue comece a a&radecer. 7m$us as min"as mãos sobre ela e eC$ulsei toda as tre'as no nome de 8esus. A 7&re#a esta'a aberta. entre&a. somente eu. en im. o Tecladista e meu irmão. . na oração de con issão $erceber .uela "ora. .ue comece a orar em 'o3 alta. sem $ressa. eram $oucas $essoas na.uanto o tecladista toca'a numa unção tremenda e eu ali sentindo a $resença de (eus cantando. tendo um $er9odo de K!1M minutos de busca. 1. @ma 'e3 eu esta'a com o &ru$o de Lou'or ensaiando na 7&re#a. as 'o3es bem sua'es dos com$onentes do &ru$o dando &loria. e . Ai3 o a$elo e ela aceitou 8esus. Então a$areceu uma mul"er do lado de ora.ali.uele momento $udesse tocar de todo o seu ser.uanto o tecladista toca'a.uando dei dois $assos $ara tr%s. no coral de 'o3es nem no som dos instrumentos. 4omecei a alar $ara a. $ude notar .ue o lou'or .ue toca e sal'a. Ela c"e&a'a mais $erto.ue cura e o$era &randes coisas.Adoração e Louvor &) $or eCem$lo. 2 Nru$o ainda não tin"a c"e&ado. $ercebi . determinação e -.uela musica de adoração .ue da'a entrada ao Tem$lo esta'a ec"ada.uela irmã .ue "a'iam es$9ritos mali&nos dentro dela .ue .$reciso .ue esta'a de $assa&em $or ali.en"or. 7mediatamente a. li&ados e concentrados no mo'er do Es$irito . ec"a'a os ol"os e se a#oel"a'a.isso. 5 uma arma $oderosa $ara tra3er reno'o de 'ida a muitas almas.uanto toc%'amos ali e busc%'amos a $resença de (eus no Lou'or. ela começa'a a ou'ir os cGnticos e aos $oucos oi se a$roCimando ao $onto de icar ol"ando atr%s da #anela de 'idro na $orta.a rente $ara receber uma oração.ue a im$ediam de con essar. Da mesma "ora $edi $ara .ue na. Ela a irmou ter sentido al&o dentro dela . 4ada 'e3 mais sua'e. . todos adorando e lou'ando. $edi a ele .uela mul"er "a'ia al&o mo'endo seu coração. aleluia. com unção. .

LIDERANÇA 5 undamental .ue esta $essoa tem .ue eCista um l9der a rente de um &ru$o de Lou'or. cuidar $ara .ue acima de tudo ter um Es$9rito de "umildade.ue seu &ru$o #% ten"a uma or. $ianistas e um baiCista tocando ao mesmo tem$o. em #>bilo. não sabe ler $artitura e ci ras. 2 L9der tem . 2 Ministro de Lou'or tem .e "ou'er muitos m>sicos em sua 7&re#a.uestra toda ormada.ue ministra os cGnticos. e $ermitir . Neralmente .er l9der . . Pelo menos uma 'e3 $or m0s reser'e um tem$o $ara .uem assume esta $osição .ue estamos tratando de seres "umanos.ue 'em do Es$9rito . de união e de adorador. caso se obser'a uma boa e $ositi'a atuação. . a dec0ncia. de m>sica &os$el e alem de tudo tem o dom de se comunicar bem e com$or cGnticos.ue en'ie tamb-m $essoas ca$acitadas $ara a obra do lou'or no 'ocal e instrumentos.claro. .ue estes a$resentem tamb-m re. @m &ru$o de Lou'or tem . 5 manter a or&ani3ação em &eral. tem .ue ter um curso su$erior.ue dois tecladistas. orar $ara .saber manter todo o &ru$o em união. =% sem$re es$aço $ara mais um no &ru$o de Lou'or.ue ter reuniões re.ue Ter em $rimeiro lu&ar o dom. Muitas $essoas ac"am .'%lido a o$ção do L9der de selecionar no'os &ru$os.ue est% ac"ando de $ositi'o no &ru$o e tamb-m a. cada membro $ossa di3er a. 5 a. .ue o lou'or a (eus conta&ie toda a con&re&ação.ue ainda altam. Do entanto não se $ode Ter mais .ue estar sem$re buscando alcançar no'os de&raus. $ara mel"orar a $er ormance do &ru$o e não uma reunião de cr9ticas.]entes. obri&atório e eCi&ido. o autor e consumador da nossa -. A 'erdadeira escola est% na $r%tica. e a$ós uma oração eita $or cada um.]entemente.uela $essoa . .Adoração e Louvor 3( &ru$o comece a &lori icar ao . . o c"amado $ara ser Ministro de Lou'or. a não ser .ue ter di$loma e $artici$ado de .uilo . Eu $enso assim tamb-m. .ue canta e se comunica com a con&re&ação durante o $er9odo de lou'or.saber ou'ir e recon"ecer .ue sem$re anotar os $ontos $rinci$ais da reunião $ara a$resentar ao &ru$o. . 5 saber di'idir as res$onsabilidades com as $essoas certas.ue isso não de'e ser determinado. &osta de Lou'or.ue tem . do treinamento es$ec9 ico e na orça de 'ontade e determinação . cantar com #>bilo e adoração.emin%rios Teoló&icos e de M>sica.uilo . Ela sabe sim.anto. &uitarra. 5 uma reunião $ara buscar no'as metas. comece a cantar cGnticos no'os e deiCar .ue (eus en'ie os m>sicos . mas ac"o .ue se $ode mel"orar.ue todo o &ru$o $ossa se reunir. .ue tudo ocorra bem. de mãos dadas. muitas 'e3es essa $essoa nem mesmo sabe tocar um teclado. Jeno'ar o re$ertório dos cGnticos. Este tem .em$re ol"ando $ara rente. $ortadores de o$iniões e sentimentos. . $ara 8esus. no a$er eiçoamento.o Ministro+a/ de Lou'or.en"or.

er um 'aso de "onra nas mãos do . das decisões.uem muito . 2 L9der tem a condição de im$lantar seu $ró$rio estilo.uer erro. o inimi&o tem mais ódio e $erse&uição $elo l9der do &ru$o de Lou'or. aberto. recon"ecido. ser um 'erdadeiro . Peça ao .não somente saber liderar e se comunicar bem. Jeuna com o &ru$o e se#a sincero.realmente muito 'isado $elo $o'o e tamb-m $elo 7nimi&o. 5 muito bom mesmo estar no $>l$ito.en"or em todas as suas atitudes e $ala'ras colocando!o sem$re em $rimeiro lu&ar. e recon"eça o . 2re sem$re de mãos dadas e d0 a o$ortunidade aos membros de orarem e $edirem as b0nçãos de (eus. $essoas &lori icando.ue ter a 'isão do Lou'or.ue todos &ostam) 4Gnticos de Lou'or e Adoração.ue de$ois do Pastor Presidente da 7&re#a. uma determinação) . $ecado e desobedi0ncia de um L9der de Lou'or. outros não sabem alar sim.ue todas as coisas contribuem $ara o bem da.ue!se nas mãos do .acerdote.e#a um .ue $ara Nlori icar o nome de 8esus na sua 'ida. 4on ie sem$re Dele. do luCo musical nos lou'ores. o da "umildade. 5 muito bom mesmo saber . muito se l"e ser% cobrado. al"a. tem . sem$re em acordo com o Pastor.ue um #e#um &eral de todos os $artici$antes do &ru$o. Tem l9deres . Todos os seus $assos.en"or e $eça a ele . c"orando e sendo restauradas. e saiba se$arar ami3ade de $ro issionalismo. os $lanos.ter um c"amado.e#a um L9der de 'erdade. &osto e 'isão. . 2 Preço da olaria de (eus.ueles . conte a eles as di iculdades. colo.ue se tem o controle do &ru$o. se#a um l9der c"eio do . educado.ue est% no cam$o em . (i3em .Adoração e Louvor 31 2 L9der do Nru$o tem .en"or. um ministrador de b0nçãos no lou'or.ue não sabem alar não.en"or o dom da sabedoria. $ala'ras e atitudes estão sendo 'i&iados.ue manter todo o relacionamento do &ru$o em si.er l9der .aiba . 5 uma benção de (eus. $eça a#uda ao seu Pastor.ue amam a (eus e são amados $or ele. . se#a res$eitado. e sem$re $er&unte aos irmãos +as/ o . . . 2l"e nos ol"os. mas $or outro lado.ue molde sua 'ida e car%ter. ECiste um $reço a $a&ar. . 5 um car&o 'is9'el. e nos momentos de mais luta e tribulação con'o. 2uça muito e ale $ouco.dado. 'er a 7&re#a lou'ando. 5 uma benção de (eus ser o Ministro+a/ de Lou'or na con&re&ação. anotados.ue eles mais &ostam na $er ormance de &ru$o. Tome as decisões certas e $rudentes.A . do &ru$o $ara com seu Pastor. . $eça a#uda e oração. *ual. a $ala'ra de (eus di3) . Esses são seus dois al'os $rinci$ais. $ode manc"ar toda a credibilidade do Minist-rio em Neral. E . e do &ru$o $ara com a 7&re#a em $er eita "armonia.ue sabe "armoni3ar tudo com a sensate3 e $rud0ncia. 2 Lou'or .

Ten"a uma 'ida di%ria de oração e comun"ão com 8esus e 'er% . 8esus te ama e conta com 'oc0 e o Es$9rito . . (eus te escol"eu.ue seu desem$en"o como Ministro de Lou'or.anto te ca$acita mesmo.er'o de (eus e irmão em 4risto 'ai &an"ar no'os rumos. da ousadia e intre$ide3 na $ala'ra. .Adoração e Louvor 3& $oder de (eus.

'em de l%&rimas sinceras derramadas nas madru&adas e at. e sa>de es$iritual do cor$o de 4risto. . isto -. @ma escol"a errada mata es$iritualmente não somente a $er ormance do &ru$o. 5 al&o .ui$e de Lou'or . 5 $reciso ter a sensibilidade. e .ue (eus não c"ama a$enas os ca$acitados . tudo isso $or uma mal escol"a. a'eri&uar e descobrir como anda a 'ida es$iritual dos mesmos. $essoal ou ora da 'ontade de (eus. e isto sem$re de'e ser eito tamb-m na escol"a dos com$onentes do &ru$o de Lou'or. Muitas 'e3es a$arecem irmãos+as/ . .uer. (eus desde os $rimórdios (eus se$arou um $o'o eCclusi'o $ara lou'ar! 2s Le'itas. e $rinci$almente o mo'er de (eus nunca luir% durante o Lou'or da maneira . Le'itas consa&rados e c"amados $elo .ue (eus .abedores tamb-m . +Dm 1)KM . $ara de$ois ser consa&rado e c"amado $ara a obra. Muitas 'e3es $or a 7&re#a estar iniciando. 2 Lou'or nunca crescer% dessa maneira. ECistem mil"ares de &ru$os de lou'or .ue tem o c"amado $ara o Lou'or. não somente $ara o desem$en"o do &ru$o de lou'or mas tamb-m $ara todo o crescimento da obra local.ue sabem tocar ou cantar muito bem . e a&ora estes estão sendo como .Adoração e Louvor 33 AOR+ANDO U+A EGUIPE Aormar uma e..mesmo de auCilio de $ro issionais nesta %rea.uer maneira $or muitos lideres.7 4r FL)LM/ e "o#e não .2 estran"o . mas $rinci$almente a $essoa .ue antes de mais nada .$ouco.$reciso muita oração e re'elação de (eus.ue muitas 'e3es . Todo cuidado . *ue coisa s-ria.di erente. 5 de undamental necessidade.ue analisar o car%ter do escol"ido+a/ $ara o Lou'or.ue se a$roCimar morrer%.ual. $ois uma escol"a errada sem$re tra3 &randes e $eri&osos $roblemas no uturo. Todo o obreiro de'e $rimeiramente ser testado. e $elo em$ol&amento colocam na rente da batal"a sem orar.ue ormar um Minist-rio de obreiros dentro da 7&re#a. Pastores ou lideres de Lou'or c"amam . discernimento e t-cnica necess%ria $ara estar em $rimeiro lu&ar escol"endo $essoas . o mesmo de'e ser tratado e encarado como al&o de eCtrema im$ortGncia.ual.o mesmo . #e#uar e orar ortemente $ara .ue erraram nesta ormação inicial e "o#e $assam tremendas lutas e $ro'ações $or.en"or ter% di iculdades.ue não tem c"amado $ara o Lou'or. A maneira certa $ara a escol"a 'em de #oel"os dobrados.uer $essoa . o desem$en"o sem$re icar% esta&nado. mas . 5 realmente al&o muito delicado a ormação de uma e. temos .ue $edra de tro$eço. tocar ou cantar.tratada de . Dm L)6 e I .ue (eus disse e determinou) .ue demonstra &ostar de lou'ar. o l9der ou Ministro de Lou'or #unto com o Pastor da 7&re#a. Leia D>meros 1)K1 e 'er% . a obra do .ue ca$acita os c"amados $or ele.ui$e de Lou'or.ue a escol"a não se#a $reci$itada.ue colocaram $essoas sem o c"amado $ara o Lou'or.en"or.ue a$arece na 7&re#a . antes de escol"er as $essoas $ara com$or um &ru$o de lou'or.

e os . Dem mesmo o $ró$rio Pai de (a'i acredita'a .aiba . isso não . *ue realidade triste::: Aormar uma e. Pois (eus 'ai ca$acitando os c"amados a cada dia.ue são usados eCatamente $ara este $ro$ósito) o de ensinar.ue $e&ar aulas de canto. este Pastor me escol"eu $or ter sentido de (eus uma 'ocação em min $ara esta obra.ual. se sabe ou'ir.e este irmão+a/ tem uma $ersonalidade .ue . Pois a 7&re#a notar% o crescimento do mesmo e sentir% .ue o Es$irito .ue $reciso a$render muito mesmo/ e mesmo assim ele acreditou em min.uer car&o ministerial na 7&re#a. $ara de$ois tir%!la do &ru$o .mesmo $or rebelião sair da 7&re#a e se a astar dos camin"os do . Eu era como (a'i.ue a3er1 Em $rimeiro lu&ar como disse orar muito antes de tomar . .ual. .Adoração e Louvor 3 . Pois (eus tem seus $ro essores . Mas (a'i era o escol"ido. e . $ois sem isso. E o $ior . . $ois os . se sabe mesmo contra sua 'ontade se&uir o consel"o e acatar com a decisão do Pastor ou L9der. t-cnica e aulas de ensino.ue $reciso ser em $rimeiro lu&ar ser'o de (eus e do cor$o de 4risto $ara a3er $arte de . Para cantar ou tocar num &ru$o de Lou'or .uando estes c"e&am e conse&uem a$render al&o.ue os Le'itas #% nascem sabendo . 2 4antor+a/ tem .ue o entrosamento est% . Da escol"a $ara o Jei de 7srael .uma benção de (eus . en ra.uer decisão. ac"a'a .ue mesmo $elo seu $ai era des$re3ado e nin&u-m recon"ecia seu 'alor."o#e recon"eço . .. tomar aulas e se a$er eiçoar.ue os escol"idos a$rendem %cil e os .anto de (eus est% ca$acitando cada um. (a'i oi o >ltimo a ser a$resentado ao Pro eta .$reciso ter c"amado e não . $ois embora se#am escol"idos desde o 'entre.c"amado nunca ir% muito lon&e em seu minist-rio de Lou'or.uecendo o cor$o de 4risto e atra$al"ando o mo'er do Es$irito .ue esta'a iniciando em nossa 7&re#a.en"or. *ue $eri&o::: *ue situação::: 2 . e não demonstram os rutos do Es$irito . dando o 'oto de con iança e cobrindo min"a 'ida de orações.errHnea.ue ele teria o 'alor necess%rio $ara ser Jei.amuel.uando meu Pastor me c"amou $ara liderar o lou'or .ue não $recisam de auCilio.uando acertamos na escol"a.ue o Pastor Maciel Ai&ueiredo te'e antes de mais nada muita ousadia $or esta escol"a.ue não tem o c"amado $ara o Lou'or estão na rente da batal"a.ui$e de lou'or . Essa "istória .ualidade 'ocal e instrumental.ue não sabia cantar + e at.ue . *ue cora&em::: Eu era desa inado.necess%rio $ara trabal"ar na seara do . Mas $or ser um ser'o de (eus.ue cada um cresça em sua %rea. *uando ol"o $ara tr%s 'e#o .aiba . o instrumentista aula com $ro essores un&idos $ara .ue não são le'itas demoram muito $ara a$reender. tem car%ter di 9cil.en"or. mesmo o . Muitas 'e3es os escol"idos estão nos bancos das 7&re#as.ue não tem c"amando &eralmente nunca concordam com as decisões dos lideres.ue .ue $ermite liderar. 5 $reciso tamb-m treinar.uando se coloca tal $essoa no &ru$o de Lou'or. a$rimorar e a$er eiçoar os c"amados de (eus.anto durante o Lou'or. Lembro!me de . $ois o mesmo+a/ $oderia at.uer di3er . se este tem es$irito de submissão.muito di 9cil.

Adoração e Louvor 3! c"e&ando. saiba .e a 7&re#a lou'a de coração. libertas os cati'os.ue a união . em Es$irito e em 'erdade. sal'ar os $erdidos. o &ru$o de Lou'or de sua 7&re#a est% no camin"o certo. se almas são libertas no $oder do Lou'or.o $a$el de um &ru$o un&ido) restaurar 'idas. almas e Es$9ritos dos membros $ara ou'ir a Pala'ra de (eus .'is9'el e real. .$ro'a de escol"a certa. Aleluias::: *ue mara'il"a . 7sto . se a 7&re#a c"ora no $oder de (eus.not%'el e sens9'el.ue medir% a o luCo es$iritual no Lou'or.ue as 'o3es do coral estão se encaiCando e a "armonia musical . se acontecem sal'ação de 'idas nos cultos. e $re$arar os corações. Este . . .tal &ru$o de Lou'or. A 7&re#a sem$re ser% o termHmetro .

en"or $or. Abra mesmo seu coração e cante ao .ue i3 isto: DIRETRI@ES 5 im$ressionante como se '0 "o#e no mercado. Pois criar e com$or . Pois .eu Dome.ue não saem das $rateleiras.en"or.. . solte!se na $resença do Es$9rito .ue de mais $ro undo eCiste dentro de 'oc0.ual. e Ele te usar% $ara =onra e Nlória do .en"or em orma de cGnticos. dos $lanos. . ao $onto de "a'er uma comunicação entre 'oc0 e (eus e 'ice!'ersa.en"or. c"eio de ra3ões $ara adorar.uada.almos. 4antai ao .dir%) PuCa. Por.ue sem$re o ..ueles .ual $>blico $rinci$al. .ue .ue eCistem os com$ositores+as/ .ue estão a3endo tanto sucesso e atraindo tantas $rodutoras de $eso.ue descobrem . .en"or um cGntico no'o.ue o estudo e a t-cnica ade. assim como Ele $ró$rio nos $ede) .al&o . colo. E se eCiste em 'oc0 a 'ontade e certe3a de um c"amado $ara Lou'or) Acredite mesmo.ue Ele $ossa tomar todo o seu ser. e uma delas. e icou tão bonito. .ue antes de com$or suas m>sicas e 4(. . sabemos . +. *ual a lin&ua&em .com$or cGnticos no'os. Dunca de uma maneira orçada e $reci$itada.uela m>sica. s traçam suas diretri3es. 4(.ue adotar%. A.ue estão e sem$re estarão em mais e'id0ncia no mercado.uer eC$eri0ncia como esta.ue oi eu . 'oc0 então ter% condições de reali3ar &randes coisas nas mãos do . s com m>sicas boas.anto e deiCe Ele colocar em seus l%bios cGnticos no'os. e le'ar!te a ador%!Lo de uma maneira mara'il"osa.uerer lembrar de como cantou a.(i&no de Lou'or.4antai um cGntico no'o. na.4antai ao . son"os e outros . 'oc0 at. (eus est% $rocurando $or 'erdadeiros adoradores.ueles momentos seus de mais comun"ão e intimidade com o . não acredito .en"or.uando nos entre&amos e temos comun"ão com o .en"or o . .en"or em $rimeiro lu&ar.uando descobre um uni'erso lindo. lute. $ois a&radam a &rande maioria do $o'o de (eus es$al"ado $elas 7&re#as.Adoração e Louvor 3# CO+O CO+POR C?NTICOS AO SEN:OR . bus.ó não es.ueça de &ra'ar antes .uais os temas a serem usados nas canções e 4(.ual seu $ró$rio $er il. e etc. sincera.ue na.en"or na sua $ró$ria 'ida.uele momento $odemos reali3ar &randes coisas. a&radecer e en&randecer o . al&uns . $ois 'oc0 certamente 'ai . e ao escutar uma m>sica cristã instrumental tocando sua'emente no undo tente ec"ar os seus ol"os e comece orando ao . *uando 'oc0 se $osiciona de dentro $ara ora.almos 96)1 e E / 4omece lendo o li'ro de .ue isso1 Por . são os .ue de'e sair de dentro de 'oc0 naturalmente. .ual 'ocação certa $ossuem dentro de um estilo musical.

Adoração e Louvor 37 . e ser uma benção nas mãos do .uem tem se destacado no mercado. e de mostrar aos $o'os o ruto do seu trabal"o. si&a o camin"o certo nesta %rea e estilo. L-a Mendonça. a sal'ação e bondade do . 4omunidade E'an&-lica `ona . basta &ra'ar um PlaRbacW. moti'o.ue o .en"or e Ele $oder% usar 'oc0 $ara ormar uma banda ideal.ui$e . assim ter% mais tem$o $ara amadurecer sua lin&ua&em e estilo musical. no'os ou modernos. Pre$are!se.ul.e tens mais #eito e dese#o de com$or cGnticos con&re&acionais. 2uça cantores+as/ e com$ositores+as/ . Pr.en"or. 5 $or isso .uirindo sucesso no mercado como) Aline Barros. de criar.ou3a. e se ac"a .ue 'em ad. de aos $oucos amadurecer a id-ia de $artici$ar do Nru$o de Lou'or da sua 7&re#a. $ra3er e determinação $ara ser usado $elo . + se ainda não est% $artici$ando/ de crescer na Nraça e con"ecimento de (eus. .essa $essoa.uado ao seu $er il.uanto antes mel"or.o .Nomes. .er&io Lo$es.ue $oderia cantar solo.necess%rio a $resença de um &ru$o de lou'or $ara l"e auCiliar nas a$resentações. *uem sabe em bre'e #% estar% a$to+a/ $ara &ra'ar seu $ró$rio 4d.esta $essoa. . anunciar o amor.en"or 8esus. 'isto ter uma boa comunicação em rente ao $>blico.ue &uarda dentro de si o interesse.Lou'ar. Alda 4-lia. 4assiane. ESTILO +USICAL DE LOUVOR +A/.e sua lin&ua&em mais $essoal.en"or : (escubra #% .en"or tem o $oder e misericórdia $ara te usar como instrumento de Lou'or. Marina de 2li'eira.ual estilo a adotar.ue . Adore ao . 4omece a&ora a traçar suas diretri3es. de com$or.ue 'oc0 a$recia e ainda acom$an"ar o trabal"o de .e 'oc0 . 4antar. tendo a certe3a e con"ecimento de . Deste caso nem sem$re . Ludmila Aeber .ue mais tocam o seu coração. dese#o e 'ocação de se eC$ressar e trabal"ar em &ru$o e $rinci$almente. 2re ao . Asa$" Borba. . aça seus $lanos. .iniciar um estilo no'o de m>sica.en"or no Lou'or _ Pre$are!se) 2 . buscar e traçar suas metas. *ual o mais ade.ue . Aernanda Brum.en"or #% est% trabal"ando na sua 'ida neste as$ecto. Mara Mara'il"a. . comece a son"ar. . si&a uma carreira solo com os temas . e 'oc0 ter% condições de eC$or seu trabal"o de uma maneira certa.uada. Delson Ded e muitos outros< +4/ Tal'e3 seu estilo se#a canções com ritmos atuais.uem sabe $oder% ormar uma banda e at. Ben. usando as diretri3es corretas e lin&ua&em ade. saiba .ue trabal"e em con#unto e . de $essoas como) (aniel . Jose Dascimento. uma banda e e.e#a um deles.ual o estilo musical de lou'or mais combina com 'oc0. Lui3 de 4ar'al"o. e &ostaria mais de eC$ressar em cGnticos suas $ró$rias eC$eri0ncias ou 'isão e modo de $ensar.e 'oc0 . 4arlin"o A-liC. de a$render mais e mais. Pr. de acordo com os $lanos do teu coração. com$ondo cGnticos de Lou'or e Adoração. 4laudio 4laro e muitos outros< +B/.ue 'oc0 est% iniciando a leitura deste sim$les li'ro de lou'or com tanta ale&ria e 'ontade de descobrir mais e mais.

$ercussão. estudar. ca$acita todos a. ou $eça ao . estilo e lin&ua&em.uele .ue mostre .teclado.ue $recisa.ual instrumento 'oc0 $oder% a$render a tocar.e#a .ue o Es$9rito . . o mais im$ortante . 2 icina NL. aça aula e cursos 'ocal.ue são c"amados $or ele. buscar. ter orte dese#o. e ter orça de 'ontade no .. &uitarra. Banda e 'o3. saC. baiCo. a$er eiçoar. sentir 'ocação $ró$ria. l"e ensinado tudo a.ser con iante.uilo . +continua/ TALEDT2.Adoração e Louvor 38 em $rol de uma meta.en"or $ara ser usado no cam$o da %rea Nos$el. bateria.ue $uder sobre Lou'or e Adoração. .anto l"e &uiar% $elas 'eredas mara'il"osas e estar% conti&o todos os dias. 4atedral.en"or 8esus não a$enas c"ama os ca$acitados. P2DT2. mas $rinci$almente.en"or 8esus . Leia todos li'ros . se .aiba .MA. Pro#eto 6ida Do'a de 7ra#% e outros. diretri3.en"or . Escute e a$recie bandas como) Yados"i.$oderoso $ara reali3ar coisas tremendas na sua 'ida. (2M.ue o .ual or seu estilo. $ois nosso . 4AJ7. T54D74A E 2@TJ2. e . .

t-cnica .im$ortante $ara $odermos crescer dentro de . 06 Como Te" A'e&&oI Atra'-s de escolas es$eciali3adas. se#am elas dentro ou ora do Minist-rio.uer %rea .ue .# Na No&&a V#(aI Todo trabal"o de ensino eCi&e da $essoa dedicação.t-cnica. 5 a $r%tica. A disci$lina &era na $essoa "umildade e tamb-m submissão . @m eCem$lo $r%tico no Lou'or são os m>sicos) eles estudam seus instrumentos em um determinado $er9odo $ara $oder eCercer suas unções dentro do Minist-rio de M>sica. *uanto mais con"ecimento ti'erem. em . 46 Em G.e Se"-eI Ela nos ser'e $ara a$rimorarmos os con"ecimentos de determinado assunto. mel"or ser% o n9'el do Nru$o de Lou'or.ue 'oc0 .ue nós 'amos 'er a&ora.Adoração e Louvor 3) A I+PORT?NCIA DA TBCNICA PARA OS LEVITAS Ylaus Eduardo (orte A I+PORT?NCIA DA TBCNICA PARA O LEVITA Mas.ue ela $ode contribuir $ara a nossa 'ida. Em suma.ual.o lado material de uma arte ou ci0ncia.uer %rea.e Ela Co %"#$. Essa dedicação só .ue .ue nós temos $elos nossos mestres.o estudo de determinada mat-ria.ueira atuar. ter% uma $essoa ou um &ru$o es$eciali3ado $ara $oder ensin%!lo. norma.e&undo o dicion%rio t-cnica . 5 o .ue desen'ol'emos a $r%tica. Para o cristão e acima de tudo o Le'ita a submissão e a "umildade em recon"ecermos a liderança do Minist-rio.eCercida atra'-s da disci$lina.ual. A disci$lina . Em .acima de tudo o res$eito . Esses mestres tamb-m #% $assaram $or isso e continuam sem$re se a$rimorando $ara $oder dar o mel"or nas suas $ro issões. .a es$eciali3ação.ue ser'e. 5 atra'-s dela .anto $ossa atuar orma . 16 O G. o . /6 Pa"a G. $r% .ue o Es$9rito . dos Pastores na 7&re#a a3 com .e B TH' #'aI .

en"or sem$re $ensando .im Mestre. Ledo en&ano. ser% .er% .ue (eus $udesse us%!los $ara a3er seus &randes eitos entre o seu $o'o. ao . ou se#a. curas.ue unção do Es$9rito . Das 7&re#as.anto trabal"ar na sua 'ida e . .uero mostrar um $ouco da necessidade de estudarmos os $adrões t-cnicos no Minist-rio de Lou'or e Adoração. na sua in Gncia.ue (eus o abençoe no seu Minist-rio.ue $odemos ter.atan%s antes de morrer e ressuscitar.ue (eus aria atra'-s dele) libertar seu $o'o do E&ito.o maior eCem$lo de disci$lina e "umildade .anto se mani este em nós atra'-s do Lou'or e Adoração a (eus. Poucos são escol"idos $or.en"or não $are $or alta de $essoas. Em$en"e!se nos estudos.ue a nossa dedicação ao Minist-rio tamb-m não conta:1 .anto a&ir% atra'-s de cada um $ara . basta se&uirmos o camin"o . oi $re$arado $ara iniciar sua 'ida $>blica e este . Asa$" Borba nos coloca . libertação e muito mais.uiV. . .Adoração e Louvor ( mais intensa atra'-s de seus membros dando!l"es $ro ecias. .ue o Es$9rito .ue a obra do . Mas. 8esus 4risto começou sua 'ida $>blica aos LM anos e $assou EM dias no deserto sendo tentado $or .o momento .. normalmente os le'itas dedica'am seu lou'or e adoração ao . Lembremos .ue 'oc0 cresça em Es$9rito e tamb-m no con"ecimento dos talentos . Portanto irmãos.ue o Es$9rito .ue Ele te deu .ue (eus c"ama a todos $ara a sua obra. como tamb-m o estudo t-cnico $ara um mel"or con"ecimento e dom9nio da. At.uando nasceu e a nós cabe!nos não des$erdiç%! las ale&ando alta de tem$o ou cansaço.anto $or si só #% era o su iciente. trabal"aram $ara . A unção do Es$9rito $ode a$arecer mais claramente dentro da 7&re#a.ue o nosso es orço de mel"orar cada 'e3 mais atra'-s do estudo da Pala'ra.ue não dedicam seu tem$o $ara o $ro$ósito de (eus na sua 'ida.ue (eus l"e $er&unte) U6oc0 est% $ronto $r% Batal"a1V e nós $ossamos di3er) U. Mas $ara isso de'emos ser disci$linados.ue '%rios $ro etas no Anti&o Testamento tamb-m obti'eram 0Cito no seu Minist-rio atra'-s de uma $re$aração es$ec9 ica.ue temos em nossas mãos não conta $ara darmos o mel"or de nós a (eus:1 (iante de tal $er&unta. A nós só cabe $erse'erarmos na nossa $re$aração at. (eiCe o Es$9rito . Lembre!se) (eus dar% todas as o$ortunidades $ara .uilo .ue Ele nos deiCou e termos .ue conta no crescimento es$iritual.. eis!me a.uebrados e deiCarmos (eus trabal"ar nas nossas 'idas.necess%ria $ara .e#a um escol"ido de (eus. Mois-s $assou EM anos no deserto se $re$arando $ara a &rande obra .8esus 4risto. A @nção realmente .

.ue ten"amos "abilidade ou se#a. (eus eCi&e . sem ter sido $re$arado uma "armonia.ue bemV $ara a astar um es$9rito mali&no .uilo .ue a$rimoram suas "abilidades $ara le'ar diante do .L nos di3) U4antai!l"e um cGntico no'o. Desse $er9odo de'emos ter acima de tudo disci$lina .1I!1O 'imos . L.ue temos.ue o Jei . . Esse U"omemV era (a'i.en"or tudo o .anto e sermos com$rometidos com a 7&re#a local e a sua missão. Mas $ara isso de'emos ter total consa&ração ao .ue aremos durante o Lou'or..ue omos c"amados) nesse tem$o. sermos c"eios do Es$9rito . le'antamos disc9$ulos $ara . 2 .ue $odemos dar atra'-s da.ue somos c"amados $elo .aul $ede .ue to. E o .en"or não $are na 7&re#a de'ido B nossa alta de con"ecimento ou $or sermos rela$so com o Minist-rio. F. de'emos ter em mente L coisas im$ortantes) 1.FF< 16. isto -.uilo . ou se#a.en"or a al&um Minist-rio. (e'emos nos dedicar cada 'e3 mais atra'-s de treinamento $ara $odermos le'ar ao . 2s ensaios tamb-m são muito im$ortante) de'emos ensaias eCausti'amente at.ueles .en"or o mel"or .uele U ei#ão com arro3V como determinados Minist-rios de M>sica em al&umas i&re#as a3em1 .termos a m>sica eCatamente como ela -.uemos bem o instrumento) em .ue o $ossu9a. não $ara .ue (eus nos diri#a atra'-s do Es$9rito .anto.ue o açamos crescer em nós $ara de$ois d%!los ao . Por im. de'emos tamb-m dedicarmos tem$o $ara o estudo. 'i'iam eCclusi'amente $ara le'ar o $o'o de (eus em adoração. mas $ara .ue a$rendemos de'emos $assar aos uturos Ministros. sem$re tocando a. al-m de orarmos $ara $edirmos . 2 . Todo este com$rometimento com a obra nos le'a a sermos mestres. A TBCNICA NOS LEVA A SER+OS +ESTRES: 6emos no li'ro de 4rHnicas .en"or mesmo disse Ule'antai disc9$ulosV.ue a obra do . to.ue os le'itas re$resenta'am os m>sicos +7 4r 1K.E!K e .en"or se a&radar% de nós.uando nascemos.en"or com #uros.m 16.. (eus nos c"amou e de'emos dedicar tem$o ao Minist-rio a .ue (eus só se a&rada da.uilo .ue .16! 19/ e consa&rados.ue cantamos ou tocamos.ue (eus se a&rada disso1 Todos nós .a ess0ncia do a$rendi3ado $ara de$ois termos (ecisão na.ue o enterremos.ue tra&am diante dele um U"omem .Adoração e Louvor 1 GUALIDADE TBNICA DO LOUVOR B I+PORTANTE: 6oc0 #% ima&inou cantar m>sicas de Lou'or e Adoração sem ter eito um ensaio $r-'io. tocai bem e com #>biloV.er% .ue eram escol"idos $or (eus $ela sua "abilidade +7 4r 1K. Podermos 'er .ue tudo a. 2s talentos são dados $or (eus . 7sto nos le'a a termos consci0ncia do nosso c"amado como 'erdadeiros adoradores.l LL.

ueno. a unção ser% $ouca. Mas se o co$o or maior.ue .en"or com o adu e e a lauta.en"or.ue 'oc0 tem.en"or. lembre!se) (eus usar% 'oc0 com a. com instrumentos de cordas.uero $assar aos Le'itas de outras 7&re#as.um $ouco da. lou'e ao . de nada adiantar%.ue este#a mel"or $re$arado. se o co$o or $e. com o salt-rio e a "ar$a.uilo .l 1KM.ue con&re&a e o seu &alardão no c-u ser% &randioso na $resença do . a unção tamb-m ser% cada 'e3 maior e maior.iel B.ue 'oc0 tem. Mas.como um co$o d[%&ua e a unção a %&ua. mais c"eia da unção ele icar%. Bem. mas sim $or ter le'antado disc9$ulos com unção dobrada dentro da 7&re#a a .V .Adoração e Louvor & Minist-rio e ao .uele .en"or .uilo .ue a t-cnica .e 'oc0 não $rocurar aumentar o . Por isso irmão. Lou'ai ao . Todo ser . o . Lembre!se) .en"or ao som da trombeta.ue res$ira.L!6 . Por isso. se#a um le'ita le&9timo e se#a substitu9do não $elo seu rela$so. 6oc0 ser% substitu9do $or outro . com s9balos sonoros e 'ibrantes. ULou'ai ao .en"or. *uanto maior or o co$o.ue se dedica B sua obra. Ben0 Nomes outro dia disse . 7sto .uando le'antamos disc9$ulos traremos unção dobrada B 7&re#a. .