You are on page 1of 19

IGREJA VOZ DA VERDADE

INTRODUÇÃO
A Igreja Voz da Verdade é uma igreja unicista. Esse grupo religioso ficou conhecido no meio evangélico por causa do conjunto de mesmo nome. O Pastor e vocalista Carlos A Mo sés costuma distri!uir em seus sho"s# um C$ cujo t%tulo é O Mistério de $eus & Cristo. 'ele o referido pastor faz apologia das doutrinas unicistas# (ue sustenta haver uma )nica pessoa (ue se manifestou ora como Pai# ora como o *ilho e como Esp%rito +anto cujo nome seria ,esus. Prega ainda o !atismo somente em nome de ,esus.

I – História da Igreja Voz da Verdade
$ados do site oficial diz (ue esta igreja foi fundada oficialmente em -./0 em +anto André & +1o Paulo 2 por *ued Mo sés. Ele se converteu no cinema# durante uma sess1o do filme Quo Vadis. *ued conta (ue ,esus lhe tocou a face# saindo da tela de proje31o em carne e osso# e# na(uele momento# ter2lhe2ia dado a incum!4ncia de pregar o Evangelho# mas infelizmente o pastor de origem 5ra!e# rece!eu a influ4ncia de mission5rios unicistas americanos# (ue fundaram a Igreja Pentecostal 6nida no 7rasil. Conta o pastor Carlos Mo sés# (ue (uando seu pai come3ou a pregar a doutrina unicista# perdeu metade dos mem!ros da igreja. Os jovens gostam ou gostavam muito desse conjunto# por causa de seu estilo# (ue se ajusta ou ajustava !em ao esp%rito juvenil. 85 tr4s grupos religiosos (ue com muita facilidade ainda t4m acesso a p)lpitos de muitas igrejas genuinamente evangélicas e conseguem se camuflar no meio do povo de $eus. Eles n1o s1o ortodo9os# ou seja# s1o contra o Cristianismo hist:rico# revelado na 7%!lia e# por isso# representam uma amea3a ; unidade e a doutrina da Igreja. +1o eles< a Igreja =ocal de >itness =ee# a Igreja Voz da Verdade e a Igreja Adventista.

1 – onde está o problema? Antes de tudo é preciso escoimar a acusa31o por vezes perpetuada de (ue n:s estamos perseguindo o tal conjunto e sua igreja. =onge disso# t1o somente (ueremos alertar a(ueles (ue !uscam com sinceridade a verdade do evangelho a discernir melhor entre heresia

II –Antecedentes histórico .esus# e tam!ém a Grindade & era o pren)ncio do arianismo# (ue negava a eternidade de . ?espeitamos tais opini@es# todavia afirmar tal coisa é o mesmo (ue dizer (ue o Esp%rito +anto n1o est5 preocupado com a verdade# sendo (ue am!as as correntes< trinitarismo e unicismo se e9cluem mutuamente. Apresentava duas correntes< os dinImicos e os modais. Pra9eam HB.esus. Outros entendem (ue o pro!lema n1o é grave# dizendo (ue o Esp%rito +anto n1o est5 preocupado com sistemas teol:gicos como trinitarismo# nem com o unicismo.esus homemB.esusD Para tentar responder a estas (uest@es surgiram algumas tend4ncias heréticas# tais como< Monar !ianis"o & e9press1o derivada da e9clama31o< EMonarchiam tenemus. 'egando assim a divindade a!soluta de . Antes# porém# convém analisar as ra%zes hist:ricas da teologia unicista. .& $esenvolvimento 8ist:rico da 8eresia 'o segundo século da era crist1# a Igreja saiu ilesa contra o gnosticismo Adoutrina (ue negava o .esus é $eus a!soluto como fica o monote%smo judaicoCcrist1oD +e o Logos é su!ordinado ao Pai# isso n1o compromete a divindade de . $esenvolveram a idéia de (ue o Pai nasceu e o Pai sofreu# sendo eles jocosamente classificados por Cipriano de patripassionistas. Modais – ensinavam (ue as tr4s Pessoas da divindade se manifestavam por v5rios modos# da% o nome modalista. Econservamos a monar(uiaF A Gertuliano# Adv.e ortodo9ia..esus# adotando2o como *ilho. Dinâmicos & diziam (ue $eus deu for3a e poder Ad namis B a . Por isso# apresentaremos a raiz do pro!lema# para (ue cada crist1o possa discernir e compreender a (uest1o. $iziam (ue Ele teve um corpo docético & fantasma & e por isso n1o sofreu. Mas h5 (uem afirme (ue se trata de uma (uest1o meramente secund5ria# isso de am!as as partes. Perguntas (ue surgiram< +e .

McAlister foi notificado (ue seu ensino possu%a elementos heréticos. A ess4ncia da doutrina unicista é a centraliza31o no nome de ..esus. o Nome de Jesus. =ogo n1o s1o contra a Grindade pelo fato de n1o crer (ue .# – história do !nicis"o "oderno $o retorno da %e&ha heresia sa'e&iana( Essa doutrina surgiu em uma reuni1o pentecostal das igrejas Assem!léias de $eus realizada em a!ril de -.esus. ) – *rinci+ais gr!+os !nicistas "odernos 2Igreja Evangélica Voz da Verdade AIEVVBQ . O preletor# ?.-. f:rmula !atismal resultou na nega31o da doutrina da Grindade. McAlister# disse (ue os ap:stolos !atizavam em nome do +enhor . referindo ao Pai# *ilho e Esp%rito +anto s1o apenas nomes singulares de . conclus1o de (ue o nome de $eus seria ent1o somente o nome .esus seja $eus# mas ironicamente pelo fato de crer (ue $eus é s: . O verdade (ue o !atismo somente no nome de .-. E"art# australiano# adotou essa doutrina e em -L de a!ril de -. idéia de Grindade eles interpretam como sendo v5rias manifesta3@es de $eus ou de . Assim# em -L de a!ril de -. ou Pentecostalismo nicista.-M# *rancK .-H# em Arro o +eco# nos arredores de =os Angeles# na Calif:rnia# numa cerimJnia de !atismo.esus.esus. E"art e Plenn CooK se !atizaram mutuamente com a nova f:rmula.H0. Gam!ém *rancK . Os te:logos unicistas entendem (ue a e9press1o em nome. Assim# o (ue parecia ser apenas uma pol4mica referente . de Mateus N0. Os unicistas n1o aceitam a pluralidade de pessoas na unidade $ivina# (ual(uer refer4ncia . Esse movimento come3ou ent1o a crescer em cima dessa pol4mica e ficou conhecido por v5rios nomes como< Nova Questão.esus.esus.esus e n1o em nome do Pai# do *ilho e do Esp%rito +anto# e (uando as pessoas ouviram isso ficaram atJnitas. Comparando com Mt N0.esus desenvolveu teor teol:gico pr:prio. 6m de seus ouvintes era .ohn +heppe (ue ap:s a(uela mensagem# passou uma noite em ora31o# refletindo a mensagem de McAlister e concluiu (ue $eus havia revelado o !atismo verdadeiro (ue seria somente em nome de .esus era praticado por pastores pentecostais como 8o"ard Poss e Andre" 6rshan# mas foi somente com *rancK ..# chegou .. Apostólico. E. E"art (ue o !atismo em nome de .-M levantou uma tenda em 7elvedere# ainda nos arredores de =os Angeles# e passou a pregar so!re a f:rmula !atismal de Atos N. Ele tentou esclarecer sua prédica# mas ela j5 havia produzido efeito. movimento Somente Jesus.

rio %oz da %erdade +rega e cr.esus é uma pessoa muito amada a (uem tri!utamos honra# gl:ria e louvor AAp L.e não .# SAN.7site oficial8 N2 An5lise das Cren3as 6nicistas da Igreja Voz da Verdade Para n:s# trinitaristas# .veio resgatar o 4omem do pecado e como +SP5-1.se manifestando de v/rias formas0 como PA1. Este falso conceito de $eus divide a su!stIncia divina conse(Tentemente em tr4s +eres separados.# est/ atuando 4o6e em nossas vidas.$i%%( # $inist%rio Vo& da Verdade cr' "ue e(iste $ S) *+ S... In(uestionavelmente# aceitamos (ue .# (ue diz< Por"ue nele 4a!ita corporalmente toda a plenitude da divindade. $uas naturezas & .esusQ 2Igreja =ocal A>itness =eeB 2Adeptos do 'ome Rehoshua e +uas VariantesQ 2Ga!ern5culo da *é. $emais disso# n1o cremos tampouco em tr4s deuses# isto se chama trite%smo. 4 .como 21L3#.S *+ S+S..esus# o Cordeiro# rece!e com $eus# o Pai# adora31o de todos os anjos do céu. 'estes vers%culos !%!licos# .2Igreja +: . iii – a nat!reza de de!s $a do!trina da trindade( 1–o !e o "inist. Por outro lado# a cren3a ortodo9a na Grindade nunca admite isso# pois as escrituras falam de um s: $eus e n1o tr4s.criador do mundo. 2A Voz da Pedra Angular A>illian +oto +antiagoB 2Ministério Internacional Creciendo en Pracia 2Igreja Cristo Vive Ado apostolo Miguel SngeloB 2Pentecostal 'ovo 'ascimento em Cristo e outras. m só *eus .& A natureza de $eus AA $outrina da GrindadeBQ N & A natureza de CristoQ H & A f:rmula !atismal eQ M & O significado do !atismo.--2-HB.esus é verdadeiramente $eus e verdadeiramente homem# com apoio de Cl N.Os !atro Erros São !asicamente "uatro os erros principais (ue polemiza a teologia da igreja ivv# s1o eles< .-.

'o entanto# $eus é uma palavra poliss4mica (ue se emprega para o Pai AEf -. A palavra Elohim aparece cerca de N.. Grindade# pluralidade em unidade.esus é o verdadeiro $eus< + sa!emos "ue 6/ o 2il4o de *eus % vindo e nos deu entendimento para con4ecermos o "ue % verdadeiro9 e no "ue % verdadeiro estamos.NUB e para o Esp%rito +anto AAt L..o1o L.se aplica .o -.NW< + disse *eus0 2a<amos o 4omem = nossa imagem. com refer4ncia .o -.'&ia – !" &i%ro cristoc-ntrico Vue a 7%!lia fala de uma pessoa central e (ue a 7%!lia é um livro cristoc4ntrico# n1o h5 d)vidas.o L. Este " o #erdadeiro De!s e a #ida eterna Adesta(ue nossoB..a divina . ) – a '. Nota0 O uso do ver!o fa<amos e do pronome nossa é revelador do sentido de (ue +lo4im serve para indicar a pluralidade de pessoas./B. O uso de +lo4im.. Grindade# se torna mais acentuado pelo fato de (ue a palavra se usa algumas vezes em concordIncia com ver!os e pronomes no plural# enfatizando2se a forma plural da palavra. isto %.pio criou *eus AElohimB o c%u e a terra. Vue outra maneira haveria de e9plicar2se o emprego dessa palavra sen1o para indicar a pluralidade de pessoas nesse )nico $eusD Acresce de importIncia (uando se sa!e (ue e9iste uma palavra +loa4 para referir2se a $eus de modo singular.NU# (ue . Paralelamente# afirmamos com . +a!emos (ue o nome +lo4im por si s: n1o prova a unidade composta# .HB# para o *ilho A... Vue h5 um s: $eus e (ue o primeiro mandamento pro%!e a e9ist4ncia de outros deuses# nenhum crist1o genu%no nega Não ter/s outros deuses diante de mim A$t L.. em seu 2il4o Jesus :risto. conforme a nossa semel4an<a.NW (uando o ver!o fa<amos e o pronome nossa aparecem no plural indicando uma pluralidade na unidade.-MB em uma s: pessoa. a&g!ns e/e"+&os0 P4nesis -. Pluralidade de pessoas e unidade de natureza.-BQ e a humana . Isso é repetido em Pn -.e o Ver!o se fe& carne A.LUU vezes nas Escrituras he!raicas. Ganto é (ue $eus em Pn -. Mas a IVV n1o cr4 assim# como lemos na sua declara31o de fé citada< colocam o Pai e o *ilho como personifica3@es e n1o como personalidades distintas na Grindade. No princ.H2MB.e o Ver!o era *eus A...

+ssa doutrina de "ue e(istem ? Pessoas distintas % tão contraditória. Voc$s n%o cr$em na &rindade? ?esposta< ANão cremos neste conceito de . "ue "uem tenta e(plic/@la.separadas. e de nada % confundido. para "ue não entenda um a l.NNQ --. e coma e viva eternamente. aca!a se confundindo e diminuindo o poder de *eus.BAsite oficialB ?esposta Apologética< +e estas palavras partissem de uma Gestemunha de . P4nesis H./B.ntimo com *eus e sa!e muito !em "uem % *eus. P4nesis --.B A+ste conceito de trindade coloca Jesus em segundo lugar.no entanto o conte9to ap:ia a unidade composta de $eus APn -.ngua do outro.-1N*A*+ onde apresentam ? pessoas distintas.eov5 entender%amos a falta de critério usado na a!ordagem da (uest1o# . $e modo algum podemos dizer (ue h5 uma s: pessoa na divindade# os fatos (uando claramente analisados n1o comportam tal idéia.pois neste conceito Jesus fica menor e sa!emos "ue Jesus não % o fil4o eterno. Nota0 O uso do pronome plural nós indica pluralidade de pessoas./< +ia. des<amos e confundamos ali a sua l.NWQ H. Nota0 En(uanto o su!stantivo *eus est5 no singular# os ver!os des<amos e confundamos fle9ionam2se na primeira pessoa do plural indicando pluralidade de pessoas na unidade. para "ue não estenda a sua mão. 1 2 contra a trindade O senhor Antonio 3ar&os *rieto Martins4 no artigo $anifesta<>es de *eus e não de Pessoas *istintas no site oficial do Conjunto Voz da Verdade declara< # principal motivo da doutrina romana % confundir os crentes salvos em :risto Jesus.ngua.NN< +ntão disse o Sen4or *eus0 +is "ue o 4omem % como um de nós. os "uais possuem um contato . sa!endo o !em e o mal9 ora.tirando a glória *ele. e tome tam!%m da /rvore da vida.

Mas é justamente isso (ue fazem os unicistas da IVV. Erra !ar!aramente (uem pensa (ue esta se(T4ncia prova algum tipo de desigualdade entre os mem!ros da Grindade. A doutrina da Grindade j5 e9istia muito antes de aparecer a Igreja Cat:lica.esus uma criatura de $eus.mas partindo do site de um conjunto (ue se diz comungar com as igrejas evangélicas# isto é tanto inadmiss%vel como perigoso.rindade não aparece no Novo . O termo foi cunhado j5 no in%cio do II século em sua forma grega# primeiramente por Ge:filoQ e em sua forma latina# por Gertuliano. $a% a se(T4ncia< -Y 2 Pai# NY 2 *ilho e HY 2 Esp%rito +anto.esus# contestando a doutrina de Xrio# (ue ensinava ser . 85 como uma divis1o de tarefas para cada mem!ro da Grindade< primeiro o Pai planejou# segundo o *ilho e9ecutou esse plano de reden31o dei9ando a )ltima parte ao Esp%rito +anto# o (ual aplica a regenera31o e a santifica31o desta o!ra no cora31o do salvo. .$.5 a Grindade EconJmica é como esse mesmo $eus Gri)no se manifestou na hist:ria do mundo# em espec%fico na salva31o do homem.estamento9 % uma e(pressão teológica. A esse respeito declarou M er Pearlman< C verdade "ue a palavra . $as o planeta JDpiter .'&icas *re(Tentemente os unicistas desafiam para provar (ue se mostre na 7%!lia a palavra Grindade# alegando (ue essa palavra n1o se encontra na 7%!lia. O preciso ainda diferenciar tecnicamente entre Grindade Ontol:gica e Grindade EconJmica para n1o cairmos no mesmo erro da cita31o acima de (ue +ste conceito de trindade coloca Jesus em segundo lugar. '1o devemos supor# (ue pelo fato de o nome do senhor Carlos Mo sés n1o estar escrito em sua casa# (ue n1o deve morar l5 nenhum Carlos Mo sés. reconheceu a deidade a!soluta de . "ue surgiu no segundo s%culo para descrever a divindade. ?esposta Apologética< Primeiramente# a argumenta31o de (ue a palavra Grindade n1o é encontrada na 7%!lia é algo de pouca monta# j5 (ue a doutrina da Grindade é evidente através das Escrituras +agradas. 5 2 Uso de *a&a%ras N6o2'. O puramente uma (uest1o funcional e n1o de natureza. Por Grindade Ontol:gica (ueremos dizer (ue a divindade co2e9istiu por toda a eternidade tendo a mesma su!stIncia# poder e gl:ria iguais.O Conc%lio de 'icéia em HNL a.tirando a glória *ele.

Em segundo lugar# é importante lem!rar (ue os unicistas tam!ém utilizam palavras (ue n1o se encontram na 7%!lia. 'o entanto# os m:rmons admitem uma m1e celestial e (ue o Pai celestial desceu do céu com um corpo de carne e ossos e gerou de Maria a .rito Santo outra pessoa. Vuando n:s# com !ase nas Escrituras# chamamos a $eus de Pai e .//# p.rindade encontrava@se na E.se o Pai fosse uma pessoa distinta e o +sp.e(istiu antes de rece!er este nome9 e a doutrina da .N2HB e . Essa admiss1o é encontrada em mitologias pag1s# mas completamente estranha .esus# ou de . revela31o !%!lica. Inclusive a e9press1o A Vo& da Verdade n1o se encontra na 7%!lia.esus foi conce!ido pelo Esp%rito +anto A=c -. Essa analogia de M er Pearlmen é suficiente para refutarmos a argumenta31o de (ue a palavra Grindade n1o aparece na 7%!lia# j5 (ue o fato da palavra n1o aparecer na 7%!lia n1o significa (ue essa doutrina n1o seja !%!lica. modos do Pai# *ilho e Esp%rito +anto# n1o se encontram na 7%!lia. 7 – O 8igni9icado de *ai e :i&ho na Di%indade Os unicistas afirmam (ue se a doutrina da Grindade for aceita isto conduz a uma a!surda conclus1o de . Palavras como manifesta<>es.esus como sendo de literal prog'nie de $eus Pai.esus ser chamado *ilho de $eus e ao mesmo tempo ser gerado pelo Esp%rito +antoD .!lia antes "ue fosse tecnicamente c4amada .esus ter dois pais divinos# pois a 7%!lia afirma (ue . Vida#-. +eus livros est1o cheios de e9press@es como Paternidade de :risto.esus# retornando ao céu.F M er Pearlmen.. Como poderia ."uem seria o Pai do 4omem JesusF Asite oficialB Como poderia# perguntam# a segunda pessoa da Grindade ser gerada pela terceira Pessoa da GrindadeD ?esposta Apologética< Esse argumento é igual ao usado pelos m:rmons (uando falam da Grindade.esus como *ilho de $eus n1o est5 e9pressando (ue $eus foi literalmente o progenitor de . L-B. Ed.esus de o 2il4o estamos falando sim!olicamente e n1o literalmente. . Vuando a 7%!lia fala so!re o Pai de nosso Sen4or Jesus :risto AEf -.HLB e ainda foi chamado *ilho de $eus. Gal conceito leva a admitir (ue $eus tem caracter%sticas se9uais humanas.. o *eus 4omem etc.rindade AEConhecendo as $outrinas da 7%!lia.

Vou escrever novamente para "ue não 4a6a dDvidas0 *eus % o PA1.# SAN.como % pregado.#. A I=R>?A VO@ DA V>RDAD> D>3AARA0 *i&emos "ue são manifesta<>es de $ *+ S S). +omos monote%stas AIs MH.esus é semelhante ao amor de um pai para com o seu filho# mas sem as caracter%sticas (ue e9istem no relacionamento entre pai e filho# fisicamente falando. Assim como o Pr.. '1o somos trite%stas. Carlos Al!erto Mo sés declara v5rias vezes (ue $eus n1o tem s:cios# sociedade ou semelhantes# Maomé no sétimo século declarava tam!ém.+ sa!emos "ue *+ S C $.Estamos dizendo (ue o relacionamento amoroso (ue e9iste entre $eus Pai e ..# $+S$# *+ S +S.!lia nos alerta "uanto = "uantidade variada de deuses.!lia onde encontramos a afirma<ão "ue não 4/ trindade ou variedade de deuses. % na própria E.B.# $+S$# *+ S C # 21L3#. Am!os confundem a unidade composta de $eus# e por n1o entenderem a pluralidade de pessoas na unidade divina# concluem precipitadamente (ue se trata de uma sociedade ou s:cios. Outra o!serva31o importante (ue devemos fazer é (ue estranhamente este argumento utilizado pela Igreja Voz da Verdade é o mesmo usado no islamismo. pois sendo assim seriam ? *euses e não $. .NW comparado com Mt N0. – a !est6o das e/+ress<es0 sociedade4 sócios o! se"e&hantes O Conjunto Voz da Verdade declara< #!serva<ão0 A E. pois 6amais o Sen4or permitiria sociedade em sua divindade.esus foi o Esp%rito +anto A.-UQ MM.G 3#J+ :#N#S:# :#$# +SP5-1.somente não cremos "ue se6am ? Pessoas distintas 7separadas8 cada um com a sua personalidade. ?esposta Apologética< Cremos na e9ist4ncia de um s: $eus eternamente su!sistente em tr4s Pessoas< O Pai# o *ilho e o Esp%rito +anto APn -.7 8ite o9icia& 2 8!e&B MoBs.-NB.o -.-/Q M0. Portanto.-MB# muito em!ora o Pai e o Esp%rito +anto sejam pessoas distintas na divindade.-.W comparado com Ap -.s 3!9one( . Vuando entendemos isso# n1o vemos pro!lemas em afirmar (ue a(uele (ue criou o corpo humano de .

-W2-/B. a"uele +sp.esus é tanto o Pai como é o *ilho ent1o por(ue .esus estava na terra e o Pai estava no céu. + eis "ue uma vo& dos c%us di&ia0 +ste % o meu 2il4o amado. por"ue não sou eu só. vós orareis assim0 Pai nosso. $as.rito de *eus descendo como pom!a e vindo so!re ele.7conf.1srael0Adonai +lo4enu Adonai +c4adF . Krego@Portugu's.B A(ui o termo empregado para outro foi allos (ue denota# mais uma vez# uma pessoa diferente da(uela (ue est5 falando.B.-W2-0BD Essa defesa de . 1. O E$icion5rio VineF declara # termo allos denota uma diferen<a num%rica e denota Aoutro do mesmo tipoB7p/g. +er5 (ue as palavras perderam o sentidoD +e n1o perderam vemos ent1o duas pessoas< o Pai# dando testemunho de .o1o L.. +. '1o podemos perder de vista tam!ém o fato de (ue em . "ue est/s nos c%us. e eis "ue se l4e a!riram os c%us. +u sou o "ue testifico de mim mesmo.esus sa%a das 5guasD . H?I8.o -L. . +e .rito de verdade.o1o L.esus apelou para o Pai como sua testemunha< +.o 0. "ue eu da parte do Pai vos 4ei de enviar. e viu o +sp. santificado se6a o teu nome AMt W. sendo Jesus !ati&ado. mas eu e o Pai "ue me enviou.esus perante seus advers5rios s: teria validade se o Pai fosse uma pessoa diferente da do *ilho e n1o o pr:prio *ilho.?esposta Apologética< Primeiramente# o Esp%rito +anto procede do Pai e n1o é o Pai.&o % verdadeiro. p/g.HN est5 escrito< A3/ outro "ue testifica de mim. Perguntamos< (uem falava do céu# en(uanto . o meu 6u. se na verdade 6ulgo. em "uem me compra&o AMt H. "uando vier o :onsolador.. :oncordJncia 2iel do Novo ./2MH para falar de outra pessoa distinta e n1o de meras manifesta<>es. W0NB . saiu logo da /gua. '!e procede do (ai) ele testificar/ de mim A. ?L8. +egundo o PreeK English =e9icon of the 'e" Gestament and Other Earl Christian =iterature# significa outro da mesma ra3a Acitado na Geologia +istem5tica# +tanle M. Este termo é o mesmo (ue aparece em .estamento Vol.. Orton & CPA$ P5g.esus n1o é o Pai# pois ensinou a orar< Portanto.esus. +egundo# . + na vossa lei est/ tam!%m escrito "ue o testemun4o de dois 4omens % verdadeiro. e de mim testifica tam!%m o Pai "ue me enviou A.NWB. 2 *ode de!s ser "ais de !"a +essoaC O!servemos a confiss1o de fé judaica (ue reza< E S4ema.

-2WQ Ez. o Sen4or nosso *eus % o Dnico Sen4or A$t W.MB . usada em P4nesis NN. !"a +or si "es"a4 e n6o o'stante s6o inse+arE%eis !"a da o!traD est6o !nidas j!nta"ente e 9or"a" !" só todo F AE:omo -esponder =s . 1.. +1o Paulo & -. H/.. O terceiro é o caminho (ue est5 de!ai9o# isto é# o Esp%rito +anto (ue nos mostra o caminho# e estes tr4s s1o umF.avé é o pai de cima# o segundo é a descend4ncia de .essé passando por $avid.unta2se a este testemunho uma cita31o de [oar# um dos cl5ssicos da literatura judaica< EEscuta# : Israel< Ravé nosso $eus# Ravé é uno. +se"uias Soares da Silva. AAs +eitas Perante a 7%!lia & p5g. W.eov5 é E)nicoF ou EumF# esta unidade# entretanto# n1o é a!soluta.estemun4as de Jeov/B Vol. Ainda levando em considera31o o fato de os judeus em seus confrontos com os crist1os n1o sa!erem responder a estes so!re a Grindade# resolveram em seu EPrinc%pios de *éF trocar a palavra EechadF por E achidF# mostrando uma flagrante contradi31o com o te9to he!raico original.-/I Co.-W2-/B. Ai!dem B E=O8IM A palavra he!raica Elohim (ue se encontra em Pn -<-# -W#NW e em muitos outros é a forma plural de Eloah.rio da +a&a%ra >&oi"Dencerra tr-s gra!s4tr-s +artesDcada !"a destas +artes .oachi pronunciou a respeito dessa palavra o seguinte< E O'ser%ai o "ist.. Por(ue haver5 de mencionar o nome de $eus nesse vers%culoD O primeiro .2W-# César Vidal Manzanares# ed. Muitos t4m alegado (ue essa palavra e9pressa apenas um plural majest5tico# mas n1o h5 um consenso entre os estudiosos e mesmo entre os ra!inos judaicos# pois eles n1o entendendo perfeitamente essa palavra e tentando preservar o monote%smo judaico# deram o nome de plural de majestade# entretanto um dos maiores ra!inos de Israel# +himeon 7en .N onde diz EGoma agora o teu filho o teu )nico filho. editora :andeiaB . distinta4e .serão am!os uma só carne Acf.F e tam!ém Provér!ios M<H . A palavra )nico no original EechadF est5 no construto# revelando uma unidade composta. 'inguém jamais pensou em fa!ricar uma imagem de Ad1o com duas m5scarasZ A IVV deveria sa!er (ue a palavra com idéia de unidade a!soluta é Mac4id.MB# diga (ue .essé# o messias (ue vir5 da fam%lia de .NM onde diz (ue Ad1o e Eva .Em!ora o te9to 5ureo do monote%smo< #uve. +emelhantemente# a palavra 7ec4ad8 aparece com a mesma idéia de pluralidade em P4nesis N.. L.eremias WQNW# e n1o achad usada no te9to em lide. --.. 1srael.

Gal circunstIncia leva confus1o aos grupos evangélicos de todo o 7rasil# onde o Conjunto Voz da Verdade é muito apreciado. segundo a sua grande misericórdia.Pe -. 1 – *ai – *ersona&idade o! Nat!reza Di%inaC O Voz da Verdade $eclara< Quando falamos Pai % a divindade e "uando falamos Jesus % o 2il4oF Sim.AS #E-AS Q + + 2AQ# NP# 2AQ# P#. pela ressurrei<ão de Jesus :risto dentre os mortos A.HB. O Pai é uma pessoa espiritual# com vontade pr:pria A.+$P# +S.G +$ $1$ RC Q +$ AS 2AS.-UBQ e sensi!ilidade 7+f N.esus orava# saem pela tangente com a resposta de (ue a carne estava orando ao esp%rito# o (ue é a!solutamente irracional do . *ersona&idade0 é individualidade consciente.rito Santo. Personalidade indica um ser (ue tem intelig4ncia# vontade pr:pria e sensi!ilidade# tal é a Persona *eitatis.--B# intelig4ncia A.Jesus falou0 3G .+N*+S :#N3+:1*#. Ali5s# (uando s1o pressionados a responderem para (uem . Mas é lament5vel (ue um pastor (ue sai em defesa de suas convic3@es doutrin5rias ignore esses princ%pios elementares do significado dessas palavras.% o "ue nos !asta.AN.# .$1$ $+S$# $AS #R PA1 Q + +S. assim tam!%m % o 2il4o e o +sp. ?esposta Apologética< Em nenhum momento a 7%!lia aponta esta sutil diferen3a criada pelos unicistas da IVV.?O8."uando 2ilipe perguntou a Jesus mostra@nos o Pai. nos gerou de novo para uma viva esperan<a.# :#NV#S:# + NP# $+ . O Pai é uma pessoa espiritual e sua natureza é a!solutamente divina.Co -N.IV –Nat!reza / *ersona&idade Vue uma pessoa sem muito conhecimento !%!lico confunda natureza com personalidade é desculp5vel. Eendito se6a o *eus e Pai de nosso Sen4or Jesus :risto "ue.Co N. Vual a diferen3a entre natureza e personalidadeD Nat!reza0 é a ess4ncia ou condi31o pr:pria de um ser.

.C .rito. A 7%!lia nunca faz confus1o (uanto a identidade e natureza do Pai e do *ilho. Esse ensinamento é t1o grave# t1o herético (ue em .esus Vista pela IVV C lógico a parte 4umana c4amava@se R21L3#R A# an6o disse a $aria0 . A E. senão a"uele "ue nega "ue Jesus % o :ristoF C o anticristo esse mesmo "ue nega o Pai e o 2il4o. ?aciocinemos< +e o nome de $eus Pai é . $emais disso diz ainda (ue escreveria o nome do seu $eus na nova . # – :i&ho – *ersona&idade o! Nat!reza H!"anaC A 'atureza de .o ente santo "ue 4/ de nascer AS+-G Ac4amado 21L3# *+ *+ S.ritos.esus tem nomes diferentes# conse(Tentemente duas pessoas distintas.ud5# pois *ilho é apenas a natureza humana de . não era 2il4o antes. # minist%rio de R2il4oRveio com o seu nascimento a"ui na .!lia % !em clara $ S) +SP5-1.erusalém.esus.foi c4amado de Pai e veio ao mundo como 4omem morrer pelos nossos pecados.esus# ent1o por (ue o pr:prio .esus n1o tem anda a ver com a natureza de *ilho.ponto de vista !%!lico. Para eles# o *ilho# como pessoa espiritual# nunca e9istiu.erra.esus foi dado (uando o *ilho de $eus se fez carne.#.B ANão e(istem U +sp... Ser/ c4amado .esus é o nome humano do *ilho de $eus dado pelo anjo Pa!riel a Maria< + eis "ue em teu ventre conce!er/s e dar/s = lu& um fil4o.o1o N.rito 8anto – *essoa *ró+ria o! O *aiC A*eus "ue % +sp. e pTr@l4e@/s o nome de Jesus A=c -. ) – >s+.H-B. O nome .NN lemos< Quem % o mentiroso. 2oi revelado seu nome aos 4omens0 J+S S.esus# como *ilho de $eus# passou a e9istir s: depois do seu nascimento em 7elém de .B Asite oficialB ?esposta Apologética< Como é poss%vel (ue pessoas t1o despreparadas venham argumentar so!re a(uilo (ue desconhecemD O nome ..rito do Pai "ue % *eus e o +sp.N-B .rito Santo.ou se6a o +sp. Ent1o $eus e . + dar/ = lu& um fil4o e c4amar/ o seu nome Jesus9 por"ue ele salvar/ o seu povo dos seus pecados AMt -.esus disse (ue teria um novo nome.

e ele vos dar/ outroVallosW :onsolador Ao Esp%rito +antoB# para "ue fi"ue convosco para sempre. Pode2se afirmar (ue uma pessoa é alguém (ue# (uando fala# diz< E6Q (uando alguém se dirige a ela# diz< G6Q e (uando se fala dela se diz< E=A. E a idéia de +atan5s e9igir resgate pela humanidade é !lasf4mia# por causa das implica3@es.o -W. +ua personalidade é demonstrada pelos atri!utos de pessoa (ue possui< aB intelig4ncia A. Ao contr5rio< o resgate foi pago ao $eus Grino e 6no para satisfazer as plenas reivindica3@es da justi3a divina contra o pecador ca%do< + andai em amor.NWBQ dB Ele guia em toda a verdade A.rito Santo "ue est/ atuando no nosso meio. Isso se v4 do Esp%rito +anto em< + eu A.NB Adesta(ue nossoB.o -M. e vai com eles. ':s# porém# nada devemos a +atan5s.Co -N. Além disso# o Esp%rito +anto e9erce atividades pessoais# tais como< !B Ele ensina e faz lem!rar os crentes A.NWB.rito Santo. +o!raria# portanto# +atan5s.esusB vos ten4o dito A.rito0 +is "ue tr's 4omens te !uscam. Posto (ue a humanidade est5 morta em transgress@es e em pecados AEf N.o -M.-W2NWB.--B e sensi!ilidade ou emo31o AEf M.o -W.Co N. Levanta@te pois.-HBQ eB Ele glorifica a .erta e sacri.-cio a De!s) em c4eiro suave AEf L. ra3a humana ou a +atan5s.o -L.este +sp. e se entre*o! a si mesmo por n+s) em o. não duvidando9 por"ue eu vos enviei AAt -U. o +sp. $as a"uele :onsolador.-.-UBQ vontade pr:pria A. e vos far/ AEleB lem!rar de tudo "uanto Aeu# .HUB.4o6e.-MBQ fB Ele intercede pelos santos A?m 0.esus A.2NUB. . 1 – A F!e" :oi *aga a Nossa RedenG6o A (uem Cristo pagou o resgateD +e for negada a doutrina ortodo9a da Grindade Anegando2se uma distin31o entre as Pessoas da $eidade# conforme (uer o modalismoB# Cristo teria de pagar o resgate ou . Asite oficialB ?esposta Apologética< A 7%!lia mostra a personalidade do Esp%rito +anto e n1o (ue o Esp%rito +anto é o Pai.esusB rogarei ao Pai.NWBQ cB Ele testifica de Cristo A. disse@l4e o +sp. pensando Pedro na"uela visão. +. como tam!%m :risto vos amou. "ue o Pai AEleB enviar/ em meu nome AEuB# esse vos ensinar/ todas as coisas. desce.-B# nenhum ser humano teria o direito de e9igir (ue o Cristo lhe pagasse resgate.

esus Cristo é o Pai e o Esp%rito +anto ao mesmo tempo# s1o< .Co W. N 2 *isse@l4e Jesus0 +stou 4/ tanto tempo convosco. e n1o no masculino# 4eis.rito9 e onde est/ o +sp.o1o -U. . mas 4aveis sido lavados.Em!ora mere3amos o castigo decorrente da justi3a de $eus A?m W. e mostra assim duas pessoas numa s: $eidade. CPA$# -. mas 4aveis sido santificados. a. e não me tendes con4ecido. -.o -U..2 +u e o Pai somos um A.B M 2 +. anula a o!ra da cru& AEGeologia +istem5ticaF# +tanle M.# p. 4/ li!erdade AN Co H.. assoprou so!re eles e disse@l4es0 -ece!ei o +sp.rito Santo A. E! e o (ai somos !m $?o 1HI)H(I ?esposta Apologética< O artigo E6mF no grego# nesse vers%culo# est5 no neutro# 4en. e pelo +sp. Portanto# . # unicismo su!verte o conceito !.esus da sua unicidade de natureza essencial com $eus# isto é# (ue Ele é essencialmente igual a $eus .--B.o -M.rito do Sen4or. 5 2 Arg!"entos de 9Eci& re9!taG6o 7asicamente os te9tos !%!licos utilizados pelos grupos (ue defendem a idéia de (ue .. 4avendo dito isto.!lico da morte penal e vic/ria de :risto como satisfa<ão da 6usti<a de *eus e.-/B.rito do nosso *eus A.o NU. mas 4aveis sido 6ustificados em nome do Sen4or Jesus.NNB. em Dltima an/lise. -0UB. 8orton. o Sen4or % +sp. *ica claro (ue a doutrina essencial da e9pia31o vic5ria# na (ual Cristo carregou nossos pecados na sua morte# depende do conceito trinitariano. L 2 #ra.HU deve ser entendido como uma declara31o de .NHB# somos justificados pela gra3a mediante a fé em .esus n1o est5 dizendo (ue é a mesma pessoa do Pai# mas (ue Ele e o Pai# s1o duas pessoas distintas# em unidade divina.esus Cristo# somente< + % o "ue alguns t'm sido. Além disso# o ver!o est5 no plural EsomosF e n1o no singular EsouF# n1o pode# portanto# Pai e *ilho serem a mesma pessoa. 2ilipeF ? @Quem me @ v' a mim v' o Pai9 e como di&es tu0 $ostra@nos o PaiF A.HUB.

or " Esp-rito1 e onde está o Esp-rito do 3en. O vers%culo seguinte destr:i completamente os argumentos modalistas< EAs palavras (ue eu vos digo# n1o as digo de mim mesmo# mas o Pai# (ue est5 em mim# é (uem faz as o!rasF. Porém o +enhor .H.-LQ 8! -.e Jes!s/ Esto! . O *ilho é o )nico e9positor do Pai aos homens AMt --. *ica su!entendido (ue n1o ver o Pai# na pessoa de . tam!%m con4ecer.o -M.. Ora) o 3en.MM2MLQ Cl -.esus pelas o!ras realizadas através $ele.a#endo dito isto) assopro! sobre eles e dissel.esus faz a(ui uma doa31o preliminar do Esp%rito +anto# (ue era o s%m!olo da promessa e a garantia de (ue seria concretizada a vinda do Esp%rito +anto# (uando o +enhor . Essa vinda# em seu total poder# n1o poderia anteceder de forma alguma a ascens1o de .esus e a sua glorifica31o A.á tanto tempo con#osco) e n%o me tendes con.o /. Por ventura se eu orasse< E+enhor# permita (ue as pessoas te vejam em mimF# iria voc4 pensar (ue eu e $eus somos a mesma pessoaD Claro (ue n1oZ.eis a meu Pai9 e 6/ desde agora o con4eceis. M.N.-W2NWB# por isso concedeu aos seus disc%pulos algo sim!:lico do poder (ue haveriam de rece!er mais tarde em plena medida AAtos NB. Ver o Pai n1o consiste em meramente contemplar a sua presen3a corporal# mas em conhec42lo.o -W. E) . e o tendes visto.esus tampouco estava tentando incutir em *ilipe (ue Ele e o Pai eram a mesma pessoa# mas (ue t1o somente $eus poderia ser visto mais facilmente em .esus# é o mesmo (ue n1o conhec42lo. .B.es/ Recebei o Esp-rito 3anto $?o #HI##(I ?esposta Apologética< O +enhor .HQ .ecido) 0ilipe? !em me #$ a mim #$ o (ai1 e como di2es t!/ Mostra-nos o (ai? $?o 11IJ(I ?esposta Apologética< Encontramos a(ui uma reitera31o da mesma su!stIncia da declara31o do vers%culo / deste cap%tulo< Se vós me con4ec'sseis a mim./B. Disse-l.á liberdade $# 3o )I1.-WB.or) a.Gm W. H.esus (uis mostrar (ue essa pessoa divina viria A.o -N.esus fosse glorificado A.(I .N/Q .

eu o confessarei diante de meu Pai. eu o negarei tam!%m diante de meu Pai. e Jesus.HB. como pelo +sp. 7asta o!servar (ue no vers%culo seguinte# o ap:stolo separa as pessoas< $as todos nós. e dou a min4a vida pelas ovel4as A.MWB.-0B. refletindo como um espel4o a glória do Sen4or. Jesus :risto.esus e n1o .esus conhecia o Pai# mas n1o era o Pai< Assim como o Pai me con4ece a mim. 4avendo dito isto.?esposta Apologética< 'este vers%culo# a e9press1o +enhor se refere a Cristo# identificando o Esp%rito +anto com a mesma natureza e divindade de . com rosto desco!erto.-WB.LM2LWB. 7 2 A&g!"as *ro%as K. e o 2il4o do 4omem.esus entregou o seu esp%rito a seu Pai e n1o a si pr:prio< +. da parte de *eus Pai e da do Sen4or Jesus :risto. misericórdia e pa&. destra do Pai< +.o HB.esus esteve na terra# o Pai esteve no céu< Assim resplande<a a vossa lu& diante dos 4omens.-LB. .rito. clamando Jesus com grande vo&. "ue est/ nos c%us AMt -U. $as ele.esus disse (ue confessaria os homens (ue O confessassem# diante do Pai< Portanto. o 2il4o do Pai. "ue est/ nos c%us AMt L. ouvindo eles isto. Sede vós pois perfeitos. "ue estava = direita de *eus9 + disse0 +is "ue ve6o os c%us a!ertos.rito do Sen4or AN Co H. . viu a glória de *eus.esus# e n1o (ue Ele seja a mesma pessoa. o "ual nos a!en<oou com todas as !'n<ãos espirituais nos lugares celestiais em :risto AEf -. "ue est/ em p% = mão direita de *eus AAt /.rito Santo.HN2HHB.'&icas de F!e ?es!s N6o . e rangiam os dentes contra ele. $eus Pai é Pai de . . se6a convosco na verdade e amor AN . +.M0B. O +enhor . como % perfeito o vosso Pai "ue est/ nos c%us AMt L. somos transformados de glória em glória na mesma imagem. para "ue ve6am as vossas !oas o!ras e glorifi"uem a vosso Pai. . Kra<a. nas tuas mãos entrego o meu esp. estando c4eio do +sp. o *ai0 Em todo o tempo em (ue . fi(ando os ol4os no c%u.esus é Pai de si mesmo< Eendito o *eus e Pai de nosso Sen4or. e(pirou A=c NH.esus Cristo est5 hoje .o -U. tam!%m eu con4e<o o Pai. enfureciam@se em seus cora<>es. disse0 Pai. $as "ual"uer "ue me negar diante dos 4omens. "ue est/ nos c%us. "ual"uer "ue me confessar diante dos 4omens.

+le me glorificar/.NWQ-W. por ainda Jesus não ter sido glorificado A.rito Santo AMt N0. "uando vier a"uele.NMB nem o Esp%rito +anto A. +. e(altado pela destra de *eus. Isto prova haver duas Pessoas< Portanto.esus afirmou# mesmo depois da ressurrei31o# (ue Ele n1o era esp. !ati&andoas em nome do Pai.NWB. A gra<a do Sen4or Jesus :risto. fa&ei disc. como vedes "ue eu ten4o A=c NM. Mas# se o Esp%rito +anto for !lasfemado# essa pessoa n1o encontra perd1o. e vo@lo 4/ de anunciar A. e a comun4ão do +sp. destra de $eus Pai< + isto disse ele do +sp.esus< $as.rito Santo ainda não fora dado. "ue sou eu mesmo9 apalpai@me e vede.esus havia chegado ao céu# onde se assentou .o /.rito Santo.rito de verdade.rito.'&icas de F!e o >s+. pois um esp. se algu%m falar contra o +sp./2-LB# pois esses s1o seres espirituais< Vede as min4as mãos e os meus p%s.pulos de todas as na<>es.odo o pecado e !lasf'mia se perdoar/ aos 4omens9 mas a !lasf'mia contra o +sp. mas dir/ tudo o "ue tiver ouvido. *e sorte "ue.rito "ue 4aviam de rece!er os "ue nele cressem9 por"ue o +sp. e o amor de *eus.H-2HNB. Portanto# Ele n1o podia ser nem o Pai A. derramou isto "ue vós agora vedes e ouvis AAt N. O Esp%rito +anto n1o veio falar de si mesmo ou glorificar a si mesmo# mas sim para glorificar a .o -M. não l4e ser/ perdoado. A descida do Esp%rito +anto no dia de Pentecostes foi a prova de (ue . $as.. .rito não ser/ perdoada aos 4omens. por"ue 4/ de rece!er do "ue % meu.rito 8anto N6o L ?es!s0 O Esp%rito +anto é um outro Consolador# procedente do Pai e do *ilho< + eu rogarei ao Pai.o -W. Am%m AN Co -H. – A&g!"as *ro%as K.-MB. "ue eu da parte do Pai vos 4ei de enviar. o +sp. nem neste s%culo nem no futuro AMt -N. eu vos digo0 . se "ual"uer disser alguma palavra contra o 2il4o do 4omem. a"uele +sp. e ele vos dar/ outro :onsolador. e tendo rece!ido do Pai a promessa do +sp.rito não tem carne nem ossos.H.-W2-/2NWQ -L.B.B.o -M. ser@l4e@/ perdoado9 mas.-WB.rito Santo se6a com todos vós.H. para "ue fi"ue convosco para sempre A.o M.HHB. O *ilho pode ser !lasfemado e o pecador culpado disso encontra perd1o. "ue procede do Pai.rito de verdade. e do 2il4o.rito Santo. $istin31o muito clara é feita entre as tr4s Pessoas da Grindade< Portanto ide. e vos anunciar/ o "ue 4/ de vir. e do +sp.-H2-MB. "uando vier o :onsolador. %i – consideraG<es 9inais .o -L.-. ele vos guiar/ em toda a verdade9 por"ue não falar/ de si mesmo.B. ele testificar/ de mim A.

Dados col. ou crer num *eus "ue % relativamente f/cil de ser compreendido. #s trinit/rios estão dispostos a conviver com um *eus a "uem não conseguem compreender plenamente. entre crer no *eus verdadeiro conforme +le se revelou. Outra o!serva31o (ue devemos fazer é (ue os antitrinitaristas# na maioria das vezes# rejeitam a doutrina !%!lica da Grindade# por n1o compreenderem a pluralidade de pessoas na deidade# j5 (ue para eles é imposs%vel conce!er a pluralidade de pessoas com o monote%smo de $euteronJmio W. mas "ue tem pouca semel4an<a com o *eus verdadeiro.-/ & Vers1o AtualizadaB.rindade % mist%rio – Verdadeiramente t! "s o De!s misterioso) o De!s de Israel) o 3al#ador AIs ML. Entendemos a dedica31o e os muitos esfor3os humanos dos unicistas# em especial seu racioc%nio para descrever e e9plicar A"uele (ue é essencialmente ine9plic5vel ou como dizem os trinitarianos< A doutrina da .icial do 4on5!nto Vo2 da Verdade . portanto.M. com mist%rios e tudo.esus# n1o compreende a unidade composta de $eus.As igrejas evangélicas unicistas s1o antitrinitaristas. Assim# acreditam eles (ue a doutrina da Grindade n1o passa de um trite%smo mascarado# logo polite%smo# contr5rio ao monote%smo. Ironicamente os unicistas s1o antitrinitaristas pelo fato de acharem (ue a divindade é e9clusivamente a pessoa de .esus# como é o caso do unitarismo.# declara com muita propriedade e profundo senso de responsa!ilidade< +(iste a escol4a. *inalmente# o autor evangélico ?o!ert M. Pois os unicistas n1o nutrem idéias preconceituosas contra a divindade de .eov5B. j5 (ue adoramos a $eus conforme Ele se tem revelado.ttp/667778#o2da#erdade8com8br) do minist"rio Vo2 da Verdade8 .r.idos do site o. 'o entanto# devemos apontar (ue seu antitrinitarismo n1o é igual . posi31o adotada pelos unitaristas AGestemunhas de . 7ro"man .