You are on page 1of 11

FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA – Facinter

KAREN ABREU DE OLIVEIRA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO DA ESCOLA

CAXIAS DO SUL
2009
2

KAREN ABREU DE OLIVEIRA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO DA ESCOLA

Trabalho apresentado às disciplinas de Planejamento e


avaliação educacional, Gestão de recursos financeiros e
Sistema de Avaliação da Educação Básica do Curso de
Gestão do Trabalho Pedagógico, período 2008/02, da
Faculdade Internacional de Curitiba – Facinter.

Profa. Ana Paula P. P. de Castro


Profa. Josemary Morastoni
Profa. Simone Zampier da Silva

CAXIAS DO SUL
2009
3

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO........................................................................................ 4

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA.............................................................. 5

3. CONCLUSÃO.........................................................................................10

4. REFERÊNCIAS......................................................................................11
4

INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre o planejamento e a avaliação da


escola, tendo em vista sua importância na organização e na gestão, contribuindo para a
melhoria do processo ensino-aprendizagem e para a resolução dos problemas existentes
no cotidiano escolar. Propõe-se também apresentar essas questões à luz de pesquisa,
observação e entrevista realizadas em uma escola pública estadual, na cidade de Caxias
do Sul. Observa-se que a referida escola possui um bom estado de conservação e ocupa
um espaço físico amplo e adequado tanto para o número de alunos que atende como
para o desenvolvimento do trabalho administrativo, assim como para estoque de
materiais de consumo e permanente. Possui trinta e duas salas de aula, duas bibliotecas,
três laboratórios sendo um deles de informática, duas quadras externas e um ginásio.
Atualmente trabalham na escola cento e sessenta professores. A escola funciona nos
três turnos e oferece Ensino Médio e Ensino Fundamental, perfazendo uma média de
setenta e duas turmas com mais ou menos três mil e quinhentos alunos matriculados.
Verifica-se que no Regimento Escolar da escola constam normas administrativas
referentes à conservação do patrimônio escolar e que em seu Projeto Político
Pedagógico não existem dados relativos as avaliações externas e aos índices de
desenvolvimento da educação norteando e orientando seu trabalho pedagógico. Embora,
se note que aconteça na prática dos envolvidos com o processo de ensino-
aprendizagem.
Visa ainda, apresentar o resultado de pesquisa onde se investigou como acontece o
planejamento e a avaliação dos resultados nesta instituição de ensino, que mudanças os
programas de avaliação externa estão ocasionando no planejamento da escola e como a
escola trabalha com os recursos financeiros repassados pelo governo..
5

FUNDAMENTAÇÂO TEÓRICA

O planejamento da escola deve garantir a eficácia do trabalho como um todo levando em


consideração o ambiente físico escolar, os recursos humanos, didáticos e financeiros e
ainda os programas de avaliação externa dos governos estadual e federal. Sendo assim,
a avaliação da escola está diretamente associada ao seu planejamento, pois é através
dela que podemos traçar objetivos a curto, médio e longo prazo e repensá-los visando
estratégias cada vez mais definidas de ação para modificar e aperfeiçoar o nosso
trabalho.

“Podemos simplificar a compreensão da avaliação, definindo-a como o processo


de conhecer e julgar a relação entre metas estabelecidas, recursos, empenhos e
resultados obtidos pela administração e por professores e alunos em uma dada
situação de trabalho na instância pedagógica. Esse conhecimento serve
à tomada de decisão das intervenções que regulam e aperfeiçoam a função
escolar sob a inspiração de planos e projetos educacionais formalizados. Com tal
definição, a avaliação educacional compromete-se com processos de mudança
planejada”. (CERVI, 2008 p.75)

Cabe a escola organizar todas as suas ações, sejam elas de caráter administrativo,
pedagógico ou financeiro e para que as mesmas obtenham sucesso necessitam ser
planejadas, levando em conta a sua realidade, características, dificuldades e
necessidades. Esse planejamento deve estar explícito no Projeto Político Pedagógico de
cada estabelecimento de ensino, mas devido a sua importância para o desenvolvimento
de todas as ações o planejar não deve se esgotar aí, pois a escola precisa estar
constantemente planejando, para atender ao que dela se espera.
“Desta forma este preceito legal responsabiliza a escola pelo seu plano de trabalho em
consonância com a sua especificidade.” (FERREIRA, 2008, p.12).
6

No que diz respeito ao planejamento, nota-se que no estabelecimento de ensino que é


objeto de estudo ele está presente e formalizado em seu Projeto Político e Pedagógico e
no Regimento Escolar, mas esta formalização não ocorre quanto à organização do
trabalho pedagógico, pelo menos a longo prazo. Nessa escola, mesmo assim o ato de
planejar é uma constante no trabalho diário de seus gestores e professores, o que falta é
colocar no papel todas essas idéias para que não se percam no cotidiano e para que
possam ser percorridas todas as etapas do planejamento visando produzir bons
resultados.
Deve-se proceder à avaliação, pois é ela que fornecerá os elementos necessários para
ver se os resultados pretendidos foram alcançados ou não. A partir dessa análise, pode-
se concluir ou retomá-lo através do replanejamento das ações.
As avaliações externas nos dão subsídios e informações importantes para o
replanejamento do trabalho escolar. A escola deve ser entendida como um todo, como
uma organização e para que isso ocorra, à cultura do planejamento deve estar presente
em todas as suas ações.

“Com os programas de avaliação externa (SAEB, ENEM e SAERS) a nossa


escola tem trabalhado a fim de reverter esse processo da cultura do
planejamento e avaliação, pois precisamos nos avaliar constantemente para
vermos como estão nossos índices de aprendizagem frente às outras escolas do
sistema estadual e municipal de ensino, visando focar todas as nossas questões
em prol do nosso aluno garantindo assim, uma melhor qualidade dos nossos
serviços.” (Profa. Joana, 2009).

Nota-se que a escola do passado era bem menos complexa, que tinha regras que eram
cumpridas pela maioria dos alunos. Era uma escola mais familiar onde os docentes eram
mais respeitados, onde tudo era mais tranqüilo com menos conflitos e menos
intervenções. A escola era menos criticada, pois era forte as vistas da sociedade. Hoje
tudo mudou e esta escola que é nosso objeto de estudo, assim como também todas as
7

outras precisam correr atrás, buscar como trabalhar esse novo contexto não deixando
seu papel se confundir com o da família, deve-se profissionalizar mais a escola e para
isso, temos que ter regras estabelecidas e a questão do planejamento e da avaliação
deve ser algo contínuo dentro da educação.

“Se nos remetermos à escola brasileira do início do século passado, com certeza
a identificamos como uma instituição menos complexa, mais familiar, com uma
rotina regulada por um controle mais ou menos simples em que o improviso não
se instalava com grandeza porque o improviso causava grande impacto.”
(CERVI, 2008, pág. 45).

A escola deve trabalhar com a memória organizacional considerando o que aconteceu no


ano anterior e partir daí. Não se deve partir do zero por que assim não se leva em conta
as experiências adquiridas no ano anterior que poderão ser de grande valia para o
planejamento da instituição.

“Outro fator que fortalece ”a construção do sentido do cotidiano escolar” é a


memória da organização escolar. O que se observa, de um modo geral, é que as
escolas se comportam com amnésia. Tudo se começa do zero, ou quase zero, a
cada ano. Não ocorre a apropriação da experiência por socialização.” (CERVI,
2008, pág.143).

Com os programas de avaliação externa pretende-se saber em que medida a


organização do trabalho pedagógico está dando um suporte para que o aluno aprenda,
como a escola está garantindo o acesso, a permanência e a qualidade do seu ensino.
O Brasil não possui um sistema de educação nacional para todos, mas possui um
sistema nacional de avaliação. A prova é universalizada e tem como grandes eixos a
Língua Portuguesa (leitura, produção e compreensão de textos) e a Matemática
(resolução de problemas). Em nosso país, a Prova Brasil norteia as decisões das
políticas educacionais.
8

Estamos vivendo em tempos de avaliação, onde se pode retratar detalhadamente as


habilidades e competências dos nossos alunos e podemos nos orgulhar desse feito, pois
levamos apenas um pouco mais de dez anos para chegarmos a esse patamar de
avaliação dos sistemas educacionais.
Mesmo não tendo informações dos resultados dessas avaliações na escola que é objeto
de nosso estudo, pode-se dizer que não basta ter acesso aos mesmos, é preciso
analisar as variáveis, pois neste imenso país onde é desenvolvido este tipo de avaliação
de larga escala, existem diferentes realidades entre escolas e dentro da mesma escola,
e, todas essas diferenças devem ser levadas em conta.

“... Há desigualdades entre escolas. Alunos de perfis socioeconômicos distintos


freqüentam escolas distintas. As condições de escolarização são diferentes -
tipicamente, reforçando as diferenças sociais preexistentes - e há aprendizado
diferenciado... Mas notem que há um segundo tipo de desigualdade: dentro da
mesma escola, há diferenças sociais entre os alunos e há diferenças no
aprendizado...” (FRANCO, 2008, pág. 56).

Uma das variáveis que se deve levar em conta e que é de grande importância são os
recursos dos quais a escola dispõe para se manter e atender sua clientela. Todas as
transferências de recursos são repassadas as escolas com base no Censo Escolar do
ano anterior.
A escola foco da pesquisa recebe através da unidade executora - Conselho Escolar e
CPM - 80% do recurso para despesas com material de custeio (consumo) e 20% para
material de capital (permanente).

‘Aquisição de material permanente e equipamento que dispensa licitação em


nossa escola se dá de uma forma bem participativa, ou seja, é feita uma
pesquisa principalmente envolvendo o Conselho Escolar que é formado por
todos os segmentos da nossa comunidade para darem sua opinião sobre estes
gastos e, além disso, esta previsão de compra deve estar contemplada no
Planejamento Anual do Estado e também quando é preciso realizar obras e
serviços que envolvam construção com dispensa de licitação deve-se através da
9

unidade executora prestar contas com regularidade, ou seja, protocolar


autorização para realizar a despesa, registrar tudo o que foi adquirido com este
dinheiro e apresentar as notas fiscais.” (Profa. Cristiane, 2009).

A verba do PDDE – Programa Dinheiro Direto na Escola é calculada pelo número de


alunos matriculados no Ensino Fundamental. Essa verba tem repasse anual.

“... a escola pode receber outros recursos que não se destinam especificamente
à manutenção e a conservação predial e no pagamento de prestação de
serviços, como é o caso do PDDE, que são instrumentos de transferências
automáticas da União.” (CASTRO 2008, pág. 128).

Para usar o recurso do PDDE é importante que a escola tenha um planejamento onde
este recurso seja gasto na sua totalidade, pois este não pode ser devolvido aos cofres
públicos porque evidência o mau gerenciamento dos recursos financeiros por parte do
gestor.
Deve-se ter bem claro que o gestor escolar tem como atividade principal a administração
do estabelecimento de ensino e que seu objetivo maior é o de proporcionar que toda a
comunidade escolar seja atendida com excelência e qualidade em todos os seus
aspectos.
10

CONCLUSÂO

Conclui-se com este trabalho que o planejamento e a avaliação da escola são guias de
orientação para efetivar o objetivo maior da educação que á aprendizagem do aluno, pois
estes norteiam todo o trabalho que nela é realizado.
Percebe-se que as escolas ainda trabalham muito no improviso. A cultura do
planejamento é algo bem recente. A escola está sendo quase que obrigada a adotá-lo,
pois as avaliações externas requerem que se planejem formalmente ações que revertam
em melhorias do ensino em vistas aos resultados apresentados nas recentes avaliações
feitas pelos sistemas federal e estadual de educação.
Além dessas questões, um bom gestor deve ter clareza de como organizar uma
instituição, levando em conta as questões legais e os recursos disponíveis. Precisa tomar
decisões em cima de dados concretos, por isso, tem que ter indicadores e pensar na
escola como um todo, visando melhorias, tendo como foco principal o aluno.
Assim sendo, o gestor deve organizar o trabalho escolar junto a todos os profissionais de
educação que atuam no estabelecimento de ensino tentando superar a fragmentação
entre o pensar, o planejar, o fazer e o avaliar.
11

REFERÊNCIAS

BONAMINO, A.; BESSA, N.; FRANCO, C. Avaliação da Educação Básica. São Paulo:
Edições Loyola, 2004.
CASTRO A.P.P.P. A gestão dos recursos financeiros e patrimoniais da escola.
Curitiba: Ibpex, 2008.
CERVI, R.M. Planejamento e avaliação educacional. Curitiba: Ibpex, 2008.
FERREIRA, N.S. C. Projeto Política Pedagógico. Curitiba: Ibpex, 2008.