You are on page 1of 3

Tratamento Térmico de Alívio de Tensões na soldagem

http://www.esab.com.br/br/por/Instrucao/artigos_dissertacoes/tratamen...

Home > Conhecimento > Artigos Técnicos e Dissertações > Tratamento Térmico de Alívio de Tensões na soldagem

Visit http://www.esabna.com/ for more information about our products.

Tratamento Térmico de Alívio de Tensões na soldagem
Durante a operação de soldagem, tensões residuais surgem na peça soldada devido ao fenômeno da dilatação térmica, causada pelo calor gerado durante o processo. Como se sabe, a dilatação térmica é diretamente proporcional à variação de temperatura. Portanto, numa junta soldada, a região mais próxima ao arco elétrico é fundida e, na medida em que a distância aumenta, ou seja, que o ponto está mais afastado da zona fundida, a temperatura máxima, também chamada de temperatura de pico, diminui.

Essa variação de temperatura provoca um aquecimento heterogêneo, causando tensões de contração e expansão na peça, visto que o metal, a uma alta temperatura, tende a expandir, e suas adjacências resistem a essa expansão. Da mesma forma, quando a poça de fusão começa a resfriar, o metal que estava aquecido se contrai, gerando o aparecimento de tensões de tração nas regiões de interface. Se a resultante dessas forças de tração e compressão não é nula, surgem, assim, tensões residuais. Como resultado dessas tensões, podem ser geradas distorções e falhas prematuras na peça. Uma das maneiras de se minimizar essas tensões, ou seja, aliviá-las, é pela utilização do tratamento térmico de alívio de tensões (TTAT) que, como o próprio nome já sugere, consiste na operação de aquecimento da peça de trabalho após a operação de soldagem. A peça soldada deve ser aquecida a uma temperatura inferior à temperatura crítica de transformação do material, ou seja, antes que ocorra alguma mudança de fase. Depois de atingida essa temperatura, a peça é mantida aquecida durante um determinado tempo, denominado tempo de patamar ou de encharque. Segue-se então o resfriamento uniforme e controlado da peça, geralmente a uma taxa pequena, não superior a 150°C/h. A figura 1 contempla as principais etapas operacionais do alívio de tensões. Os principais objetivos do TTAT são: • Aumento da ductilidade; • Diminuição da dureza tanto da zona fundida quanto da zona termicamente afetada; • Redução de empeno; • Aumento da resistência à fadiga; • Aumento da resistência à corrosão sob tensão. QUANDO O ALÍVIO DE TENSÕES É NECESSÁRIO? O alívio de tensões se faz necessário quando materiais estão sujeitos a falha devido à presença de tensões residuais. Essa situação é encontrada com mais frequência nas seguintes condições: Aços com elevado teor de elementos de liga: Nesse caso, o parâmetro mais utilizado para avaliar se é necessário o TTAT é o Carbono Equivalente (Ceq), sendo a fórmula proposta pelo IIW (International Institute of Welding) a mais usada no mercado de soldagem. Esse parâmetro leva em consideração não só o teor de carbono, mas o de outros elementos que influenciam significativamente na temperabilidade dos aços, sendo quanto maior o Ceq, maior a temperabilidade do material. O carbono equivalente pode ser calculado pela fórmula apresentada abaixo:

Quanto maior for a temperabilidade do aço, maiores são as chances de se ter a formação de microestrutura frágil, como martensita, na ZF (Zona Fundida) e, principalmente, na ZTA (Zona Termicamente Afetada). A presença desse tipo de microestrutura confere ao aço alta dureza e baixa ductilidade, aumentando a tendência de fissuração por hidrogênio. Nesse caso, o alívio de tensões atua

1 de 3

24/11/2013 01:18

as propriedades mecânicas do metal de solda. o metal depositado com um eletrodo revestido de classificação E7018 pode apresentar um limite de resistência de 500 MPa na condição como soldado. Esses são definidos com o auxílio de normas internacionais..Serviço Autorizado ESAB Saúde e Segurança Termo de Garantia CONHECIMENTO Apostilas Dissertações Processos de Soldagem Revista Solução NOTÍCIAS Novidades Eventos SOBRE A ESAB Acesso Restrito Atendimento Técnico ao Cliente Desenvolvimento Sustentável ESAB no Brasil Fale Conosco História Página de Procura | Mapa do Site | Privacidade e nota legal | Copyright 2013 ESAB 2 de 3 24/11/2013 01:18 . Um outro exemplo pode ser dado para o aço ASTM A335 P1.. A norma ASME seção VIII divisão 1 determina que. Por exemplo. Eletrodos revestidos contendo cromo e molibdênio.esab.br/br/por/Instrucao/artigos_dissertacoes/tratamen. por exemplo. em eixos automotivos. as tensões que aparecem na peça devido aos ciclos térmicos de soldagem não conseguem provocar deformações devido à rigidez da mesma. como o ABNT 4140. por isso. tem um requisito de limite de resistência mínimo de 550 MPa após alívio de tensões a 690°C por uma hora. são classificados pela norma AWS A5. por exemplo. por uma hora para cada polegada de espessura (25mm). o limite de resistência pode chegar até 825 Mpa. como. acelerando uma falha do componente por fadiga. provocando uma espécie de travamento e acarretando o surgimento de tensões residuais. em materiais de grandes espessuras. tais como o E8018-B2 e E9018-B3. os aços resistentes a fluência ligados ao cromo e ao molibdênio e os aços com alto teor de carbono. PRODUTOS Catálogo de Produtos Automatização Comparação com produtos da concorrência Consumíveis Corte Automático CNC EPI. Contudo.Tratamento Térmico de Alívio de Tensões na soldagem http://www. Já a norma ASME Seção II Part C define tratamentos térmicos pós-soldagem em função da classificação AWS do consumível de soldagem. São exemplos de aços com elevado teor de elementos de liga os aços temperados e revenidos. As propriedades mecânicas do metal depositado com o consumível em questão após tratamento térmico podem ser consideravelmente diferentes das propriedades do metal depositado como soldado.5 na condição após Tratamento Térmico de Alívio de Tensões. O eletrodo E8018-B2. após a aplicação de um alívio de tensões. do inglês as welded. respectivamente. revenindo a microestrutura martensítica. 15min). esse limite de resistência pode diminuir para 450 Mpa. a dissipação de calor favorece o resfriamento rápido e. Dessa forma. maior é a tendência de formação de microestruturas frágeis. aços carbono são tipicamente aquecidos entre 600 e 675°C. Acessórios & Ferramentas Equipamentos para Corte e Solda Manual Gas Apparatus Segmentos Serviços SUPORTE Armazenagem de Consumíveis Nota Fiscal Eletrônica Certificados de Qualidade Como selecionar seu Equipamento x Consumível Ficha de Segurança de Produto Manuais SAE . assim como as do metal de base. Peças com elevadas espessuras: Na soldagem de aços com elevadas espessuras. devem ser avaliadas. Já para espessuras superiores a 50mm. Contudo. na condição como soldado. para espessuras de até 50mm. como a ASME seção VIII divisão 1. a temperatura e o tempo de patamar devem ser de 595°C e 1h p/ cada 25mm (mín. Peças submetidas a carregamentos cíclicos: Peças que estão expostas a um carregamento cíclico podem ter sua vida diminuída devido à soma das tensões de trabalho com as tensões residuais. Por exemplo. de acordo com as dimensões da peça que sofrerá o tratamento e com a composição química do material. a temperatura e o tempo de patamar devem ser de 595°C e 2h + 15 min para 25mm adicional. COMO DETERMINAR OS PARÂMETROS DO TTAT? Os principais parâmetros para se definir um Tratamento Térmico de Alívio de Tensões são a taxa de aquecimento (TA).com. o tempo e a temperatura de patamar e a Taxa de Resfriamento (TR). Além disso.

Tratamento Térmico de Alívio de Tensões na soldagem http://www.esab.br/br/por/Instrucao/artigos_dissertacoes/tratamen.. 3 de 3 24/11/2013 01:18 ..com.