You are on page 1of 4

A ÉPOCA MEDIEVAL

A Idade Média tem como marcos de seu começo e fim duas datas relacionadas com o Império Romano. O início é marcado pela queda do Império Romano do Ocidente séc. V e o fim está associada ao ataque de Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, conquistada pelos turcos no séc. XV. Este período, o mais longo da história da humanidade (aproximadamente mil anos), foi classificado pelo grupo de artistas e pensadores do chamado Renascimento, como “época das trevas” por consideraram este período do mundo ocidental, culturalmente atrasado e fortemente dominado pelo pensamento da Igreja católica. Para se compreender melhor esse vasto período, costuma usar-se uma subdivisão temporal entre Alta e Baixa Idade Média. A Alta Idade Média é o primeiro momento, quando ocorreu formação de diversas sociedades na Europa entre os séculos 5 e 10. Foi nesse período que se formaram os feudos, estabeleceram-se as relações de suserania e vassalagem, e o poder da Igreja Católica constituiu-se e fortaleceu-se. Já o período da Baixa Idade Média, sua segunda e última fase, foi aproximadamente do século 10 ao século 15. A partir dessa época, novas ideias e novas práticas foram surgindo e houve um processo de decadência das instituições feudais, que se formaram ao longo dos cinco séculos anteriores. A educação era para poucos, pois só os filhos dos nobres estudavam. Marcada pela influência da Igreja, ensinava-se o latim, doutrinas religiosas e táticas de guerras. Grande parte da população medieval era analfabeta e não tinha acesso aos livros.

A arte medieval também era fortemente marcada pela religiosidade da época. As pinturas retratavam passagens da Bíblia e ensinamentos religiosos. As pinturas medievais e os vitrais das igrejas eram formas de ensinar à população um pouco mais sobre a religião. Podemos dizer que, em geral, a cultura medieval foi fortemente influenciada pela religião. Na arquitetura destacou-se a construção de castelos, igrejas e catedrais. A Igreja católica surgiu durante o Império Romano, mas foi durante a Idade Média que se consolidou como a mais importante instituição da Europa ocidental. Naquela época, não havia quem duvidasse da existência de Deus: ser católico era tão natural quanto o ato de respirar. Principal poder espiritual e temporal na Europa durante a Idade Média, a Igreja Católica, além de ser a única instituição com ramificações em todas as regiões e lugarejos, possuía muitas terras e riquezas e era obedecida e temida pela quase totalidade dos habitantes. Junto a toda essa riqueza, a Igreja acumulou cultura e conhecimento, pois controlava grande parte do saber herdado da Antiguidade Clássica. Os mosteiros medievais ficaram célebres por sua

assim como as festas e o descanso semanal. a igreja católica irá também exercer. quando então evoluiu para formas arquitectónicas ditas góticas ou ogivais. o românico e o gótico A arte românica foi a arte cristã do Ocidente europeu desenvolvida entre os séculos XI e XII. o indivíduo recebia o sacramento do batismo. Para não enfraquecer as paredes. a Igreja assumia a tarefa de controlar e organizar a sociedade. durante este longo período da história. a Igreja impôs seus valores e crenças e criou na Europa daquele tempo uma atmosfera de religiosidade que se manifestava até nas mais simples atividades cotidianas: ao nascer. a contagem e divisão do tempo era baseada em acontecimentos religiosos. dando abrigo temporário a peregrinos e andarilhos e pelas minuciosas e caprichosas cópias manuais de textos e livros da Antiguidade Clássica. ao casar. usam-se e colunas grossas e paredes maciças.política de hospitalidade. de personagens da Bíblia. por contrafortes. o único documento da pessoa era o batistério (livro registo dos baptizados). segundo a visão predominante na época. os padres detinham praticamente o monopólio da cultura erudita que. do lado de fora. pois os pais queriam garantir aos seus filhos um lugar no Paraíso. num mundo agitado e inseguro. para transmitir a confiança na solidez da Igreja Católica. firmemente plantadas no solo. Um exemplo: como não havia registro público dos nascimentos. abandonados ou reaproveitados pelos cristãos. dos temas religiosos em todas as manifestações artísticas com principal destaque para a arquitetura. Para aguentar o peso das abóbadas de pedra. as janelas são poucas e estreitas. O românico tornou-se a expressão artística dos tempos dos cruzados. da proliferação das Ordens Religiosas. Com presença e atuação ostensivas. o do matrimónio e ao morrer. Um efeito visual perfeito. dos nomes de santos. Devido à elevada taxa de mortalidade infantil as crianças eram batizadas logo que nasciam. Sendo praticamente a única referência para a população. das constantes desavenças travadas entre o imperador e o papa e entre os reis e os barões feudais. Muitos dos templos religiosos e prédios públicos dos romanos e dos gregos foram destruídos. em sua maioria. Ela marcou a ruptura com o período clássico da Era Greco-Romana e serviu como ponte para o estilo seguinte. Os nomes dos bebés derivavam. Inicia-se então uma época dominada pelo aumento da construção de edifícios religiosos. das ruínas do passado mundo pagão. Na arquitetura. uma linha artística e estética que melhor expressou o sentimento religioso dos povos convertidos à Cruz e ao teocentrismo (Deus como centro de tudo). em quase todos os assuntos. pergaminhos. a impressão de solidez inabalável das construções. representava um perigo para as mentes e as crenças cristãs. Lentamente. Como os livros. criando . reforçadas. sem paralelo noutra época da nossa história. Como resultado. um novo estilo começou a ser idealizado. já que não havia Estados organizados e normas públicas. tendo surgido também dois novos estilos. das lutas dos mouros contra os cristãos. desde as pequenas capelas às majestosas Catedrais e mosteiros. Como consequência deste domínio. um forte controle sobre a produção científica e cultural fomentando e patrocinando a sua ligação ao cristianismo. a extrema-unção (também era enterrado no cemitério da Igreja). a pintura e a escultura. verifica-se uma predominância. manuscritos e documentos ficavam nos mosteiros e nas universidades da igreja.

foi a arte por excelência das magníficas catedrais europeias. não somente para melhor atrair o olhar protetor de Deus. dispondo-se a iniciar os novos fiéis nos dogmas da igreja. Os nus foram proibidos e até as imagens de corpos vestidos revelavam a ignorância da anatomia. das associações de ofícios em competição com as outras das demais cidades vizinhas. no estilo gótico. Os artistas medievais interessamse exclusivamente pela alma. e resultou da competição entre as cidades lentamente enriquecidas pela Revolução Comercial. O gótico. a escultura e a pintura são mais usadas como complementos da arquitetura. pinturas e esculturas mas. muitas vezes durante as festas. O estilo gótico originou-se de uma denominação utilizada pelos refinados artistas renascentistas para designar genericamente um estilo artístico que achavam de mau gosto. Na arquitectura. originalmente. na região do Flandres. declamar poesias ou cantar e encenar espetáculos de teatro nas praças.contrastes de luz e sombra no interior. Os teólogos acreditavam que os cristãos aprenderiam a apreciar a beleza divina através da beleza material. Cada cidade da Europa Ocidental tratou então de erguer uma catedral cuja torre fosse a mais alta possível. ao redor do rio Reno e do rio Sena tendo como consequência a ressurreição da vida urbana. A multiplicação delas por toda a Europa Ocidental deveu-se ao prestígio universal da Igreja Católica e da religião cristã. substituindo os arcos plenos do estilo românico. foi um estilo marcadamente francês. Os ideais greco-romanos de proporções harmoniosas e equilíbrio entre corpo e a mente desapareceram. na maioria das vezes religioso. pessoas só tinham acesso à literatura por meio de artistas que se apresentavam em público para ler e contar histórias. O gótico. carregado de apelos decorativos e pelo exagero da altura das suas torres. que ensina ao povo analfabeto os fundamentos da religião. caracterizou-se predominantemente por ser um estilo grandioso de construções religiosas. todas as linhas da construção apontam para o alto. . Na decoração. As figuras adquirem mais naturalidade. igualmente como o romântico. Retratavam as pessoas e os objetos de maneira altamente estilizada. Tanto no exterior como no interior. A arte torna-se assim. de modo geral sobre fundo dourado. transformação económica que deu seus primeiros passos ao redor dos séculos XI e XII. são comuns as pinturas em painéis de madeira e sobre relevos. ruas e tavernas das aldeias e cidades. não tinha qualquer conexão com o mundo real. como para celebrar a excelência dos seus trabalhadores. que transpira recolhimento e paz. como se quisesse enfatizar que o tema da pintura. embora a pintura seja frequentemente substituída pelos vitrais. Na pintura. Essa atração para cima é acentuada pelo uso de arcos pontudos (arcos ogivais). FORMA PAGÃ DE ACEDER A ALGUMA MANIFESTAÇÃO ARTISTICA Como não sabiam ler. Os temas são escolhidos e tratados de modo a formarem um catecismo visual. e o colorido é mais vivo. a catedral gótica é um movimento em direção ao céu. serva da igreja. é a Igreja que decide o que pintar. exótico. e o resultado foi uma profusão de mosaicos.

para diversão dos convidados. danças e músicas ( ex. gostavam de festas. . apesar do sofrimento e a da penúria. trovadores. Ainda hoje. dançarinos.Os camponeses. muitas das danças folclóricas europeias praticadas tiveram origem em festas e danças populares medievais. cantadores e poetas. acrobatas. Havia também apresentação de cómicos. As festas duravam dias com muita bebida e muita comida.: Dança dos camponeses de BRUEGEL).