You are on page 1of 32

Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Matemática

Limites

Exercícios sobre como calcular limites de uma função são apresentados.

O

principal objetivo dessa aula é apresentar o conceito de limites. Vamos começar com a definição informal de limites e suas propriedades e vamos analisar os diversos tipos de limites existentes.

Ao final dessa aula, o estudante deve ser capaz de: • • • •

Entender o que é o limite de uma função; Reconhecer cada propriedade de limite apresentada; Calcular o limite de uma função; Compreender o limite de uma função graficamente.

mo Va

s

Começ
Para iniciarmos nosso estudo sobre limites, vamos considerar a função f ( x ) = x3 − 2 x 2 ( 1 ). 3x − 6

Observe que f (x ) existe para todo x, exceto x = 2. Investigaremos os valores da função quando x está próximo de 2, porém excluindo o 2.

ar

x f (x )

1,9

1,99

1,999

1,9999

1,99999

1,999999

1,20333333 1,32003333 1,33200033 1,33320000 1,33332000 1,33333200

x

2,1

2,01

2,001

2,0001

2,00001

2,000001

f (x )

1,47000000 1,34670000 1,33466700 1,33346667 1,33334667 1,33333467

Note que, em ambas as tabelas, à medida que x fica cada vez mais próximo de 2,
f (x ) torna-se cada vez mais próximo de

4 . 3

Notas de Aula - Cálculo I - Limites

1

Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Matemática Fatorando a função ( 1 ), temos:
x 2 (x − 2) f (x ) = 3(x − 2 )

Se x ≠ 2 , temos que (x − 2 ) ≠ 0 , logo podemos cancelar esse fator comum. Daí, notemos que a função será dada por f ( x ) =
y= x2 . O gráfico de f ( x ) será a parábola 3

x2 ⎛ 4⎞ , com o ponto ⎜ 2, ⎟ excluído. Note que, graficamente, quanto mais próximo de 3 ⎝ 3⎠

2 estiver x, mais próximo de

4 estará f ( x ) . 3

y 4

3

2

1

x −4 −3 −2 −1 1

x→

2

←x

3

4

5

−1

−2

−3

−4

Notas de Aula - Cálculo I - Limites

2

Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Matemática Isto nos leva a seguinte idéia geral:
Definição informal de limites: Se os valores de f ( x ) puderem ser definidos tão

próximos quanto quisermos de certo número L, fazendo x suficientemente próximo de um número a ( mas não igual a a), então escrevemos:

lim f ( x ) = L
x→a

o qual deve ser lido como “o limite de f (x ) quando x tende a a é igual a L”.

Daí, então, podemos escrever, utilizando a função ( 1 ): x3 − 2x 2 4 = 3x − 6 3

lim
x→2

Exemplo

Seja f ( x ) = x 2 + 7 x − 5 . O lim f ( x ) = lim x 2 + 7 x − 5 = 25 .
x →3 x →3

Exemplo

O limite da função f ( x ) = x + 2 quando x tende a 7 é igual a 3.

Definição formal de limites: Seja f uma função definida para todo número em algum

intervalo aberto contendo a, exceto possivelmente no próprio número a. O limite de
f ( x) quando x tende a a será L, escrito como lim f ( x) = L , se a seguinte afirmação for
x→a

verdadeira: Dado ε > 0 qualquer, existe um δ > 0 , tal que se 0 < x − a < δ , então
f ( x) − L < ε . Para compreender melhor esta definição

Exemplo

Usando a definição formal de limites, mostre que lim(3x − 2) = 4 .
x→2

Solução: Para mostrarmos que lim(3x − 2) = 4 , devemos mostrar que para cada
x→2

ε > 0 , existe um δ > 0 tal que (3 x − 2) − 4 < ε sempre que 0 < x − 2 < δ . Pelo fato de

Notas de Aula - Cálculo I - Limites

3

você precisa estabelecer uma ligação entre os valores absolutos (3 x − 2 ) − 4 e x − 2 . Para todo x no intervalo (1. segue que. encontre δ tal que (2 x − 5) − 1 < 0. ⎝5⎠ Exemplo Dado o limite lim(2 x − 5) = 1 . podemos escolher δ = (2 x − 5) − 1 < 0. comecemos escrevendo x 2 − 4 = x − 2 x + 2 .01 .3) . sempre que ⎛ε ⎞ 0 < x − 2 < δ .01 ser equivalente a 1 (0. temos x 2 − 4 = x − 2 x + 2 < ⎜ ⎟(5) = ε . sempre que 0 < x − 2 < δ .01) = 0. Para encontrar um δ apropriado. (3x − 2) − 4 = 3x − 6 = 3 x − 2 Assim. notemos que: (2 x − 5) − 1 = 2x − 6 = 2 x − 3 Devido ao fato da desigualdade 2 x − 3 < 0. sabemos que x + 2 < 5 . existe um δ > 0 tal que x 2 − 4 < ε . Solução: Neste exemplo estamos trabalhando com um valor dado de ε .005 .Universidade Federal de Viçosa . Essa escolha funciona pois 2 Notas de Aula . x→2 Solução: Devemos mostrar que para cada ε > 0 . ε 3 ε⎞ (3x − 2) − 4 = 3 x − 2 < 3⎛ ⎜ ⎟=ε ⎝3⎠ Exemplo Use a definição de limite para provar que lim x 2 = 4 .01 .Limites 4 . você pode escolher δ = pois 0< x−2 <δ = implica que ε 3 . para um dado ε > 0 . Essa escolha funciona. Para encontrarmos um δ apropriado. Assim. ou seja. tomando-se δ como o mínimo entre ε 5 e1.01 x →3 sempre que 0 < x − 3 < δ . ε = 0.Departamento de Matemática sua escolha de δ depender de ε .Cálculo I .

onde c ∈ ℜ . Se o lim g ( x ) = M ≠ 0 . (n é um inteiro positivo qualquer) n n x→a x→a [ ] 6.01 sempre que 0 < x − 3 < δ .Cálculo I . então: x→a x→a 1.Departamento de Matemática 0 < x − 3 < 0. lim[ f ( x ) ⋅ g ( x )] = lim f ( x ) ⋅ lim g ( x ) = L ⋅ M . então L = M.005 também serviria. = x→a = g ( x ) lim g ( x ) M x→a 5. Qualquer valor positivo menor que 0.005 é o maior valor de δ que irá garantir que (2 x − 5) − 1 < 0.Limites 5 . x→a x→a 3. lim[c ⋅ f ( x )] = c ⋅ lim f (x ) = c ⋅ L . Proposição (unicidade do limite): Se lim f ( x ) = L e lim f ( x ) = M .005) = 0. x→a x→a x→a 4.Universidade Federal de Viçosa . x →a x→a x →a 2. Notas de Aula . x →a x →a Propriedades dos Limites Suponha que lim f ( x ) = L e que lim g ( x ) = M .01 Observação Nesse exemplo. se L ≥ 0 e n é um inteiro positivo ou se L < 0 e n x→a x→a é um inteiro positivo ímpar. lim[ f (x )] = lim f ( x ) = Ln .005 implica que (2 x − 5) − 1 = 2 x − 3 < 2(0. lim n f ( x ) = n lim f ( x ) = n L . lim[ f ( x ) ± g (x )] = lim f ( x ) ± lim g ( x ) = L ± M . então lim x →a x→a f (x ) L f ( x ) lim . perceba que 0.

x→a Exemplo Calcule lim 4 x 2 + 5 x − 7 . temos: lim x 2 + 5 x + 3 = 27 e lim x 2 − 1 = 8 x →3 x →3 Assim. x →a x→a 8. x→2 Solução: lim 4 x 2 + 5 x − 7 = lim 4 x 2 + lim 5 x + lim(− 7 ) x→2 x→2 x→2 x→2 Propriedade 1 Propriedade 2 Propriedade 9 Propriedade 8 Propriedade 5 Propriedade 9 = 4 lim x 2 + 5 lim x − lim 7 x→2 x→2 x→2 = 4 lim x 2 + 5 ⋅ 2 − lim 7 x→2 x→2 = 4 lim x 2 + 10 − 7 = 4 lim x + 3 2 x→2 ( ) 2 x→2 = 4 ⋅ (2) + 3 = 19 Exemplo Calcule lim 3 x →3 x 2 + 5x + 3 .Universidade Federal de Viçosa . 8 x2 −1 Consequentemente. usando a propriedade 6. c ∈ ℜ . pela propriedade 4. lim f ( x ) = lim f ( x ) = L . lim c = c . x →a 9.Limites 6 .Departamento de Matemática 7. lim x = a . obtemos: Notas de Aula . x2 −1 Solução: Procedendo como no exemplo anterior. lim x →3 x 2 + 5 x + 3 27 = .Cálculo I .

Universidade Federal de Viçosa . temos que: lim x →7 (x − 7 )(x + 7 ) = lim x + 7 = 7 + 7 = 14 x 2 − 49 = lim x →7 x →7 x−7 x−7 4+ x −2 . Aqui.Departamento de Matemática x 2 + 5x + 3 3 x 2 + 5 x + 3 3 27 3 = = = lim x →3 8 2 x2 −1 x2 −1 lim 3 x →3 Exemplo Calcule lim x →7 x 2 − 49 . Entretanto. lim x →0 4+ x −2 = lim x →0 x ( 1 4+ x +2 ) = lim 4 + x + 2 x →0 ( lim1 x →0 ) = 1 4+2 = 1 4 Exemplo Se f ( x ) = 2 x 2 − 5x + 2 . pois o denominador tende a 0. Esse artifício é chamado multiplicação pelo conjugado. pois lim x − 7 = 0 . x →7 x 2 − 49 ( x + 7 )( x − 7 ) = x + 7 é válido note que x − 49 = x − 7 = ( x + 7 )( x − 7 ) e = (x − 7 ) x−7 2 2 2 para todos os valores de x. para x ≠ 0 4+ x +2 ( )( 4+ x +2 ) )= ( x 4+ x +2 ( 4+ x ) 2 − 22 ) = x 4+ x +2 ( 4+ x−4 ) x( = x 4+ x +2 ) ) Assim. com exceção do valor x = 7. novamente não podemos aplicar a propriedade 4. x−7 Solução: A propriedade 4 não é aplicável aqui. Dessa forma. para racionalizar o numerador. temos: 4+ x −2 = x = ( ( 4+ x −2 x 4+ x +2 1 .Limites 7 . x→2 5x 2 − 7 x − 6 Notas de Aula . devemos aplicar o seguinte artifício matemático: multiplicar o numerador e o denominador por 4 + x + 2 . assim.Cálculo I . encontre lim f ( x ) . x Exemplo Calcule lim x →0 Solução: Note que.

Então.Universidade Federal de Viçosa . c ) . fatorando o numerador e o denominador: f (x ) = (x − 2)(2 x − 1) (x − 2)(5 x + 3) Como no processo de limite os valores de x considerados são próximos de 2. porém menor que a. então escrevemos lim f (x ) = L x→a − Definição formal de limites laterais à direita: Seja f uma função que está definida em todos os números de algum intervalo aberto (a.Departamento de Matemática Solução: O número 2 não está no domínio de f. Da mesma forma. temos. 2x 2 − 5x + 2 = lim 2 x→2 5 x − 7 x − 6 x → 2 ( x − 2 )(5 x + 3) x→2 5 x + 3 13 x≠2 Limites Laterais Definição informal de limites laterais: Se pudermos tornar os valores de f (x ) tão próximos quanto quisermos de L. temos: lim f ( x ) = lim x→2 (x − 2)(2 x − 1) = lim 2 x − 1 = 3 . em que x' e x" são as raízes da equação. Lembrando que a fatoração de uma equação 0 do 2º grau ax 2 + bx + c é dada por a ( x − x')( x − x") . fazendo x suficientemente próximo de a. obteremos a expressão indeterminada 0 . o limite de f ( x ) quando x Notas de Aula . fazendo x suficientemente próximo de a. pois.Limites 8 . porém diferentes de 2. se fizermos x = 2. porém maior que a.Cálculo I . se pudermos tornar os valores de f ( x ) tão próximos quanto quisermos de L. então escrevemos x→a + lim f ( x ) = L o qual é lido como “o limite de f ( x ) quando x aproxima-se de a à direita é L”.

para acharmos o lim h(x ) . lim+ f ( x ) e lim− f ( x ) x→a x→a x→a existirem e forem iguais a L. Se laterais para acharmos lim f ( x ) . devemos usar limites f ( x ) = 1 . Logo. Então. Se x > 0 . lim f ( x ) . Definição formal de limites laterais à esquerda: Seja f uma função que está definida em todos os números de algum intervalo aberto (d . Devido a essa situação. ⎧ x 2 + 1. se x ≤ 1 e 3 x − 1 . x →0 Solução: A função f não está definida para x = 0. e somente se. para todo ε > 0 . lim h(x ) = lim x 2 + 1 = 2 e lim − + + x →1 x →1 x →1 x →1− Daí.Cálculo I .Departamento de Matemática tende a a pela direita é L. Logo. e escrevemos lim+ f ( x ) = L se. x = x e f ( x ) = 1 . h( x ) = lim 3x − 1 = 2 . se x > 1 . a ) . x →1 Exemplo Se f ( x ) = x x . ache se possível. existir x→a um δ > 0 tal que se 0 < a − x < δ então f ( x) − L < ε . existir um x→a δ > 0 tal que se 0 < x − a < δ então f ( x) − L < ε . lim + x →0 x →0 Notas de Aula . devemos calcular os limites laterais de h( x ) x →1 em x = 1 . x →1 ⎩3x − 1. o limite de f (x ) quando x tende a a pela esquerda é L. se x ≤ 1 Seja h a função definida por h( x ) = ⎨ . Ache lim h( x ) .Universidade Federal de Viçosa . se x > 1 Exemplo Solução: Observe que h( x ) é igual a x 2 + 1 .Limites 9 . e escrevemos lim− f (x ) = L se. Teorema: O lim f ( x ) existe e será igual a L se. temos que lim h( x ) = 2 . para todo ε > 0 . Logo. como os limites laterais à esquerda e à direita são iguais.

Como lim f ( x ) ≠ lim− f ( x ) . existir um número N < 0 tal que se x < N então f ( x) − L < ε . Para compreender melhor esta definição x → +∞ lim f (x ) = L se para todo ε > 0 . é L. é L. é de utilidade ter em mente que para qualquer inteiro positivo p. lim f ( x ) = −1 . então escrevemos lim f (x ) = L x → −∞ Definição formal de limites no infinito: Seja f uma função definida em um intervalo (a. então − + x →0 x →0 x →0 não existe lim f ( x ) . escrito lim f (x ) = L se para todo ε > 0 . Logo. escrito x > N então f ( x) − L < ε .Limites 10 p p . à medida que x decresce sem limitação. 1 1 ⎛1⎞ ⎛1⎞ lim ⎜ ⎟ = lim p = 0 e lim ⎜ ⎟ = lim p = 0 x → +∞ x x → +∞ x x → −∞ x x → −∞ x ⎝ ⎠ ⎝ ⎠ Notas de Aula .+∞ ) . a ) . existir um número N > 0 tal que se Da mesma maneira: Seja f uma função definida em um intervalo (− ∞.Departamento de Matemática x < 0 . não importa x → −∞ quão pequeno.Cálculo I . x = − x e f ( x ) = −1 . se os valores de f ( x ) subsequentemente ficam cada vez mais próximos de um número L. O limite de f (x ) quando x cresce indefinidamente. não importa quão pequeno. então escrevemos x → +∞ lim f (x ) = L Analogamente. Observação No cálculo de limites no infinito. O limite de f (x ) quando x decresce indefinidamente. Para compreender melhor este exemplo x →0 Limites no Infinito Definição informal de limites no infinito: Se os valores de f ( x ) subsequentemente ficam cada vez mais próximos de um número L. à medida que x cresce sem limitação.Universidade Federal de Viçosa .

p ímpar xp y 3 f (x ) = 1 .Departamento de Matemática Esses fatos estão ilustrados para valores ímpares e pares de p: f (x ) = 4 1 . x → +∞ 2 x 2 − 3 Solução: Dividindo tanto o numerador quanto o denominador por x 2 . p par xp y 4 3 2 2 1 1 x x −4 −3 −2 −1 1 2 3 4 5 −4 −3 −2 −1 1 2 3 4 5 −1 −1 −2 −2 −3 −3 −4 −4 É bastante útil também. 1 3 tende a zero. sabemos que Dessa forma. temos: 5x 2 5 = = 2 2 3 2x − 3 2x 3 − 2 − x2 x2 x2 5x 2 x2 Quando x tende a infinito. Exemplo Calcule lim 5x 2 . dividir o numerador e o denominador pela variável independente elevada à maior potência que apareça na fração.Cálculo I .Universidade Federal de Viçosa . 2 x x 5 5 5x 2 5 = lim = lim = = 2 2 x → +∞ 2 x − 3 x → +∞ 2 x x → +∞ 3 2−0 2 3 2− 2 − 2 2 x x x lim 5x 2 x2 Notas de Aula .Limites 11 . ao se trabalhar com limites no infinito de funções racionais. logo 2 tende a zero.

Departamento de Matemática Exemplo Calcule lim x3 + 1 . x → +∞ x 2 − 1 Solução: Dividindo tanto o numerador quanto o denominador por x 3 . então: a xn p(x ) = lim n m x → ±∞ q ( x ) x → ±∞ b x m lim Solução: Temos que.Universidade Federal de Viçosa .Cálculo I . temos: x3 1 1 1+ 3 + 3 3 3 x +1 x = +∞ = lim x 2 x = lim lim 2 x → +∞ x − 1 x → +∞ x x → +∞ 1 1 1 − 3 − 3 3 x x x x Exemplo Calcule lim x2 − x x → +∞ x 3 + 1 Solução: Dividindo tanto o numerador quanto o denominador por x 3 . Notas de Aula .Limites 12 . temos: x2 x 1 1 − 3 − 2 3 0 x2 − x lim 3 =0 = lim x 3 x = lim x x = x → +∞ x + 1 x → +∞ x x → +∞ 1 1+ 0 1 1+ 3 + x x3 x3 Para visualizar uma análise gráfica deste exemplo Observação Note isso: Mostrar que se p( x ) = a n x n + a n −1 x n −1 + L + a 0 e q( x ) = bm x m + bm−1 x m−1 + L + b0 .

Departamento de Matemática a a ⎞ a ⎛ x n ⎜ a n + n −1 + L n1 + 0 ⎟ −1 a n x + a n −1 x + L + a 0 x p( x ) x xn ⎠ ⎝ = lim = lim = lim m −1 x → ±∞ q ( x ) x → ±∞ b x m + b x → ±∞ b b b L x b + + ⎛ ⎞ m m 1 0 − 1 m m −1 0 x ⎜ bm + + L m −1 + m ⎟ x x x ⎠ ⎝ n n −1 a a ⎞ a ⎛ + 0 ⎜ a n + n −1 + L n1 ⎟ −1 a xn x x xn a x xn ⎠ ⎝ = lim m ⋅ n = lim n m = lim m ⋅ lim x → ±∞ x x → ±∞ ⎛ b b ⎞ x →±∞ x bm x→ ±∞ bm x b ⎜ bm + m −1 + L m1−1 + 0 ⎟ x x xm ⎠ ⎝ n Note que o resultado acima só vale se x → +∞ ou x → −∞ . pela direita ou pela esquerda. então escrevemos lim f (x ) = +∞ ou lim− f ( x ) = +∞ x →a x →a + Analogamente. então f ( x) > N . Da mesma forma: Notas de Aula . existir um δ > 0 tal que se 0 < x − a < δ . então escrevemos lim f ( x ) = −∞ ou lim− f ( x ) = +∞ x →a x →a + Definição formal de limites infinitos: Seja f uma função definida em todo número de um intervalo aberto I contendo a. f ( x ) cresce indefinidamente e escrevemos lim f ( x) = +∞ se para qualquer número x →a N > 0 . se os valores de f ( x ) decrescem indefinidamente quando x tende a a. Limites Infinitos Definição informal de limites infinitos: Se os valores de f ( x ) crescem indefinidamente quando x tende a a.Universidade Federal de Viçosa . pela direita ou pela esquerda.Cálculo I .Limites 13 . Quando x tende a a. exceto possivelmente no próprio a.

Limites 14 . f ( x ) decresce indefinidamente e escrevemos lim f ( x) = −∞ se para qualquer número N < 0 . então f ( x) < N . Assim. Dessa forma. Quando x tende a a. x → −1 x + 1 lim Exemplo Calcule lim x→2 x 2 + 3x + 1 . x2 + x − 6 Notas de Aula . 1 ⎧+ ∞. mas não é raiz do numerador. x 2 + x − 6 x →2+ ( x − 2 )( x + 3) Para visualizar uma análise gráfica deste exemplo x 2 + 3x + 1 x 2 + 3x + 1 lim = lim− = −∞ x→2− x 2 + x − 6 x → 2 ( x − 2 )( x + 3) Logo. x + 1 tende a 0 por valores positivos. exceto possivelmente no próprio a. Observação No cálculo de limites infinitos. 5x + 2 = −∞ . é de utilidade ter em mente que.Universidade Federal de Viçosa .se p é ímpar 5x + 2 x +1 x →0 lim + Exemplo Determinar lim x → −1 Solução: Quando x tende a − 1 . não existe lim x→2 x 2 + 3x + 1 . x2 + x − 6 Solução: Substituindo x = 2 na função acima. observamos que 2 é raiz do denominador. se p é par 1 = +∞ e lim− p = ⎨ p x →0 x x ⎩− ∞. existir um δ > 0 tal que se x →a 0 < x − a < δ .Departamento de Matemática Seja f uma função definida em todo número de um intervalo aberto I contendo a.Cálculo I . temos que usar limites laterais: Assim. x→2 lim+ x 2 + 3x + 1 x 2 + 3x + 1 lim = = +∞ e. para qualquer inteiro positivo p.

Se c > 0 e se f ( x ) → 0 por valores positivos de f ( x ) . lim x→a g (x ) = −∞ f (x ) iii.Limites 15 . onde c é x→a x→a uma constante não-nula.Universidade Federal de Viçosa . lim x→a g (x ) = +∞ f (x ) ii. lim x→a g (x ) = −∞ f (x ) iv. então: i. lim x→a g (x ) = +∞ f (x ) Exemplo Calcule lim − x →1 2x x −1 Solução: Temos que lim x − 1 = 0 .Departamento de Matemática Teorema: Se a for um número real qualquer e se lim f ( x ) = 0 e lim g ( x ) = c . Dessa forma. por valores negativos.Cálculo I . x →1 lim − 2x = −∞ x −1 Notas de Aula . Logo 2 x = 2 e lim − − x →1 x →1 podemos aplicar o Teorema acima. Se c < 0 e se f ( x ) → 0 por valores positivos de f ( x ) . Se c > 0 e se f ( x ) → 0 por valores negativos de f ( x ) . Se c < 0 e se f ( x ) → 0 por valores negativos de f ( x ) .

Podemos escrever a função dada como x2 + x + 2 (x − 3)(x + 1) f (x ) = Apliquemos os limites laterais para acharmos lim x→3 x2 + x + 2 : x2 − 2x − 3 x →3 lim − x2 + x + 2 x2 + x + 2 lim = = −∞ e. então x →a x →a lim[ f ( x ) + g (x )] = +∞ . Se lim f ( x ) = +∞ e lim g ( x ) = c . onde c é uma constante qualquer.Cálculo I . as propriedades dos limites não são válidas para limites infinitos.Universidade Federal de Viçosa . então x →a x →a Notas de Aula .Limites 16 . x →a 3.Departamento de Matemática Exemplo Calcule lim x →3 x2 + x + 2 x 2 − 2x − 3 Solução: O limite do numerador é 14 e o limite do denominador tende a zero quando x tende a três. onde c é uma constante qualquer. onde c é uma constante não-nula. x →a 2. Para esses tipos de limites. Se lim f ( x ) = −∞ e lim g ( x ) = c . Se lim f ( x ) = +∞ e lim g ( x ) = c . x 2 − 2 x − 3 x →3− ( x − 3)( x + 1) x2 + x + 2 x2 + x + 2 lim = lim = +∞ x →3+ x 2 − 2 x − 3 x →3+ ( x − 3)( x + 1) Como + ∞ e − ∞ não são números reais. temos as seguintes propriedades: 1. então x →a x →a lim[ f ( x ) + g ( x )] = −∞ .

então x →a x →a i. então x 2 = − x e. Se lim f ( x ) = −∞ e lim g ( x ) = c .Universidade Federal de Viçosa .Cálculo I . lim[ f (x ) ⋅ g ( x )] = +∞ x →a ii. Notas de Aula . Se c < 0. +⎢ x →2 ⎣ x − 2 x + 2⎥ ⎦ Exemplo Se f (x ) = 9x2 + 2 . lim[ f ( x ) ⋅ g ( x )] = +∞ x →a Exemplo 1 ⎤ ⎡ 1 Calcule lim + +⎢ x →2 ⎣ x − 2 x + 2⎥ ⎦ Solução: Como lim + x →2 1 1 1 = +∞ e lim = . pela propriedade 1 temos que + x →2 x + 2 x−2 4 1 ⎤ ⎡ 1 + lim = +∞ . então x 2 = x e. lim[ f ( x ) ⋅ g ( x )] = −∞ x →a ii. Se c > 0. x → +∞ lim 9x + 2 = lim x → +∞ 4x + 3 2 2 ⎞ ⎛ 2 x2 ⎜9 + 2 ⎟ x 9+ 2 x ⎠ 3 ⎝ x = lim = x → +∞ 3⎞ 3⎞ 4 ⎛ ⎛ x⎜ 4 + ⎟ x⎜ 4 + ⎟ x⎠ x⎠ ⎝ ⎝ b) Se x → −∞ . Se c > 0. calcule: 4x + 3 a) lim f ( x ) x → +∞ b) lim f ( x ) x → −∞ Solução: a) Se x → +∞ . lim[ f ( x ) ⋅ g ( x )] = −∞ x →a 4.Departamento de Matemática i. Se c < 0.Limites 17 . onde c é uma constante não-nula.

então. “imprensada” entre f ( x ) e g ( x ) .Universidade Federal de Viçosa .Cálculo I . Se f e g tem um limite comum L quando x tende para a. ou seja.Departamento de Matemática 2 ⎞ ⎛ 2 x2 ⎜9 + 2 ⎟ − x 9+ 2 x ⎠ 3 ⎝ x = lim =− x → +∞ 3⎞ 3⎞ 4 ⎛ ⎛ x⎜ 4 + ⎟ x⎜ 4 + ⎟ x⎠ x⎠ ⎝ ⎝ x → +∞ lim 9x + 2 = lim x → +∞ 4x + 3 2 Observação Limite infinito no infinito: Se os valores de f (x ) crescem sem limitação quando x → +∞ ou x → −∞ . então escrevemos lim f ( x ) = −∞ ou lim f ( x ) = −∞ x → −∞ x → +∞ Exemplo x → +∞ lim x 3 = +∞ lim (− x 3 ) = −∞ Exemplo x → +∞ Exemplo x → −∞ lim x 3 = −∞ Exemplo x → −∞ lim − x 3 = +∞ ( ) Sejam três funções f. g e h tais que h( x ) esteja entre f (x ) e g ( x ) . h deve ter o mesmo limite L. então escrevemos lim f ( x ) = +∞ ou lim f ( x ) = +∞ x → −∞ x → +∞ Se os valores de f ( x ) decrescem sem limitação quando x → +∞ ou x → −∞ . Isso enuncia o seguinte teorema: Notas de Aula .Limites 18 .

1 1 = x ⋅ sen ≤ x x x 0 ≤ xsen 1 ≤ x .Departamento de Matemática Teorema do Confronto ou Teorema do Sanduíche: Suponhamos f ( x ) ≤ h( x ) ≤ g ( x ) para todo x em um intervalo aberto contendo a. exceto possivelmente para o próprio a.Universidade Federal de Viçosa . Se lim f ( x ) = L = lim g ( x ) . se x ≠ 0 x Notas de Aula . pelo gráfico. Se f e g tem o mesmo limite L quando x tende para a. então. para todo x. se x ≠ 0 1 ≤ 1 .Limites 19 . então o gráfico de h estará entre os gráficos de f e g naquele intervalo. se x ≠ 0 x xsen Assim. h tem o mesmo limite L.Cálculo I . então: 0 ≤ sen Logo. então lim h( x ) = L x→a x→a x→a Se f ( x ) ≤ h( x ) ≤ g ( x ) para todo x em um intervalo aberto contendo x. y L y =g(x) y =h(x) y = f(x) x a Exemplo Mostre que lim xsen x →0 1 =0 x Solução: Como − 1 ≤ senx ≤ 1 .

Cálculo I . x Exemplo Se f ( x ) ≤ M para todo x. Para mostrarmos que o limite à direita é igual a 1. temos que: − M ≤ f (x ) ≤ M Multiplicando por x 2 .Limites 20 . pelo teorema do confronto que x →0 x →0 lim xsen x →0 1 = 0. consideremos 0 < θ < π 2 . Solução: Como f ( x ) ≤ M . temos: − x 2 M ≤ x 2 f (x ) ≤ x 2 M Como lim x 2 f ( x ) = 0 . x →0 lim − x 2 M = 0 x →0 ( ) e lim x 2 M = 0 . onde M é uma constante. use o teorema do x →0 confronto pra provar que lim x 2 f ( x ) = 0 .Universidade Federal de Viçosa . x →0 pelo teorema do confronto. Notas de Aula . segue. 1º Limite Fundamental Teorema: lim θ →0 senθ θ =1 ( θ em radianos) Demonstração: Verifiquemos os limites laterais.Departamento de Matemática Como lim 0 = 0 e lim x = 0 .

Universidade Federal de Viçosa . do teorema do confronto temos que θ →0 θ →0 lim+ senθ θ =1 Notas de Aula .0) x área do setor OAP = área ΔOAT = temos. 1 θ 1 senθ < < tgθ 2 2 2 Dividindo por 1< Assim. 1> 1 1 ⋅ (1) ⋅ tgθ = tgθ 2 2 senθ : 2 < 1 cos θ θ senθ senθ θ > cos θ θ →0 Uma vez que lim+ 1 = 1 e lim+ cos θ = 1 .Cálculo I .Limites 21 .Departamento de Matemática y T P tg θ 1 sen θ θ 0 cos θ Q 1 Observe que área ΔOAP < área do setor OAP < área ΔOAT Como: área ΔOAP = 1 1 ⋅ (1) ⋅ senθ = senθ 2 2 1 2 1 θ 2 r θ = ⋅ (1) ⋅ θ = 2 2 2 A (1.

f (θ ) é uma função par e portanto. Então: 1 − cos x sen 2 s = x s De modo que. x →0 x Solução: Chamemos t = 5x e notemos que t se aproxima de zero quando x se aproxima de zero. Como x = t . sen 2 ⎜ ⎟ = 2 ⎝2⎠ ⎛ x⎞ ⎛ x⎞ 2 sen 2 ⎜ ⎟ sen 2 ⎜ ⎟ 1 − cos x ⎝2⎠ = ⎝2⎠ = x x x 2 Chamaremos s = de zero. lim θ →0 senθ θ = 1. logo: Solução: Pela fórmula do ângulo-metade. lim 1 − cos x sen 2 s sen s ⎤ sen s ⎡ = lim = lim ⎢ sen s ⋅ = lim sen s ⋅ lim = 0. f (− θ ) = sen(− θ ) − senθ senθ = = = f (θ ) .1 = 0 ⎥ x →0 s →0 s →0 s →0 x s s ⎦ s →0 s ⎣ x e notemos que s se aproxima de zero.Cálculo I . segue que: 5 Notas de Aula . θ −θ −θ Logo.Limites 22 . Exemplo Mostre que lim 1 − cos x =0 x →0 x ⎛ x ⎞ 1 − cos x .Departamento de Matemática Observe que se f (θ ) = senθ θ .Universidade Federal de Viçosa . quando x se aproxima 2 Exemplo Calcule lim sen5 x . seu gráfico é simétrico em relação ao eixo y. Essa simetria implica que θ →0 + lim senθ θ = 1 = lim− θ →0 senθ θ Logo.

Se f está definida em x→a a e f ( x ) existe.Universidade Federal de Viçosa . u e v tendem a zero também. porém diferentes de a. analisamos o comportamento da função f ( x ) para x→a valores de x próximos de a. pode ocorrer que este limite seja diferente de f (a ) . Em muitos exemplos. Notas de Aula . temos: sen u sen7 x 7 u →0 u 7 1 7 = = ⋅ = lim x →0 sen9 x sen v 9 1 9 9 lim v →0 v lim Continuidade De modo informal Quando definimos lim f ( x ) .Cálculo I . que f é x→a contínua em a. vimos que lim f (x ) pode existir. mesmo que f não esteja definida no ponto a. Definição: Uma função f é contínua em um número a se satisfaz as seguintes condições: i. x →0 sen9 x Solução: Temos que: sen7 x 7 sen7 x sen7 x 7 lim = lim x = lim 7 x = lim x →0 sen9 x x →0 sen9 x x →0 9 sen9 x 9 x →0 x 9x sen7 x sen7 x lim 7 x → 0 7x = 7x sen9 x 9 sen9 x lim x→0 9x 9x Fazendo u = 7x e v = 9x.Limites 23 . f (a ) é definida. e lembrando que se x tende a zero.Departamento de Matemática 5sent sen5 x sent sent 5sent lim = lim = lim 5 = lim = 5 ⋅ lim = 5 ⋅1 = 5 x →0 t → 0 t → 0 t → 0 t → 0 t t x t t 5 5 Exemplo Calcule lim sen7 x . Quando lim f ( x ) = f (a ) diremos. de acordo com a definição abaixo.

conforme o gráfico ( IV ). temos uma descontinuidade infinita em a.Cálculo I . dizemos que f é descontínua em a. y Para ver a animação deste exemplo y a x a x (I) y y ( II ) a a x x ( III) ( IV) Se uma (ou mais) das três condições da definição não forem satisfeitas. Notas de Aula . pois podemos removê-las definindo adequadamente o valor de f (a ) . lim f ( x ) = f (a ) .Limites 24 . A descontinuidade em ( II ) é do tipo salto. x →a Segue alguns esboços de gráficos de funções que não são contínuas em a. conforme a aparência do gráfico. lim f (x ) existe.Universidade Federal de Viçosa . As descontinuidades em ( I ) e ( III ) são descontinuidades removíveis. x→a iii. Observe os gráficos acima.Departamento de Matemática ii. Se f ( x ) tende para + ∞ ou − ∞ quando x tende para a pela esquerda ou pela direita.

(2 x + 1)(x + 1) = lim 2 x + 1 = −1 2 x 2 + 3x + 1 = lim lim f ( x ) = lim x → −1 x → −1 x → − 1 x → −1 x +1 x +1 Como f (− 1) = 3 ≠ −1 = lim f ( x ) . iii. a função é descontínua em x = − 1 .Departamento de Matemática A função f ( x ) = x →0 Exemplo x x não é contínua em a = 0. y x Descontinuidade tipo salto Exemplo A função f definida por f ( x ) = x 2 + 5 é contínua em x = 0? Solução: Como f (0) = 0 2 + 5 = 5 . x → −1 Notas de Aula . Temos que lim f ( x ) = lim(x 2 + 5) = 5 . temos: f (− 1) = 3 i. ii. concluímos que f é contínua em 0. ⎧ 2 x 2 + 3x + 1 se x ≠ −1 ⎪ Verifique se a função f definida por f ( x ) = ⎨ é x +1 ⎪3 se x = −1 ⎩ Para ver a animação deste exemplo Exemplo contínua em para o número − 1 . lim f ( x ) = 5 = f (0) x→0 Como as condições de (i) a (iii) da definição foram satisfeitas. pois f (0 ) não é definido e também lim f ( x ) não existe.Cálculo I .Universidade Federal de Viçosa . Solução: Testando as três condições da definição. f (0 ) está definida. x →0 x →0 Assim.Limites 25 .

x →0 − ii.Cálculo I . As funções exponencial e logarítmica são contínuas em todo seu domínio. As funções trigonométricas são contínuas em todo seu domínio. ⎧2 x − 3 se x ≤ 1 Determine os números nos quais a função f ( x ) = ⎨ 2 é se x > 1 ⎩x Exemplo contínua. então: i. f / g é contínua em a. ii. f − g é contínua em a. lim f ( x ) = 3 = f (0) x →0 Logo. lim f ( x ) = 3 x →0 iii. Solução: Pela definição de função contínua. iv. Uma função racional é contínua em todos os pontos de seu domínio. desde que g (a ) ≠ 0 . Propriedades das funções contínuas 1. Verifique se a ⎪ x x x + + < 3 se 0 ⎩ Exemplo função é contínua em x = 0. Uma função polinomial é contínua para todo número real.Limites 26 . 3. f ⋅ g é contínua em a. temos: Para ver a animação deste exemplo i. 4. lim f ( x ) = lim x 2 + x + 3 = 3 e lim f ( x ) = lim x+9 = 9 =3 − + − x →0 x →0 x →0 Logo. f + g é contínua em a. 5. 2.Departamento de Matemática ⎧ se x ≥ 0 ⎪ x+9 Seja a função definida por f ( x ) = ⎨ 2 . a função é contínua em x = 0. Se as funções f e g são funções contínuas em um ponto a. iii. Notas de Aula .Universidade Federal de Viçosa . f (0) = 0 + 9 = 9 = 3 .

logo k = 5. temos que k seja igual a 5. x →1 Continuidade à esquerda e à direita: Seja f a função definida em um intervalo fechado [a.Cálculo I .Departamento de Matemática Solução: As funções 2 x − 3 e x 2 são polinomiais e. lim f ( x) = lim 7x − 2 = 5 − x →1 lim f ( x) = lim kx 2 = k + x →1 x →1 Para que lim f ( x) exista. temos que não existe lim f (x ) − + x →1 x →1 x →1 Portanto. Dessa forma. contínuas em qualquer número. Exemplo Ache o valor para a constante k. i. portanto. Assim. se possível. temos que o único número cuja continuidade é questionável é x = 1. ii. que fará a função ⎧7 x − 2 se x ≤ 1 contínua para todos os números reais. se Notas de Aula . Para que a função f seja contínua para todos os números reais. iii. temos que lim f ( x) = f (1) . como lim f (x ) ≠ lim f ( x ) . f (1) = 2 ⋅ (1) − 3 = −1 x →1− x →1+ lim f ( x ) = lim 2 x − 3 = −1 − lim f ( x ) = lim x2 = 1 + x →1 x →1 Assim. Dizemos que uma função é contínua à esquerda no ponto c se lim f ( x) = f (b) x →b − e é contínua à direita no ponto c. verifiquemos as três condições da definição de continuidade: f (1) = 7 ⋅ 1 − 2 = 5 x →1− x →1+ i.Limites 27 . exceto x = 1. f (x ) = ⎨ 2 se x > 1 ⎩kx Solução: Sabemos que as funções 7 x − 2 e kx 2 são contínuas em todo seu domínio. Assim. basta verificarmos a continuidade de f para x = 1. b] .Universidade Federal de Viçosa . Para que a função f seja contínua para todos os números reais. a função será contínua em todos os números. ii.

b ) .3) .3) e nos pontos extremos. lim f ( x) = 9 − c 2 = f (c) x →c Logo. temos: f (c) = 9 − c 2 está definido pois c ∈ (− 3.Universidade Federal de Viçosa . Verifiquemos os extremos: x →3 − lim f ( x) = lim 9 − x 2 = 0 e f (3) = 9 − 3 2 = 0 . iii. pela definição de continuidade em um ponto. x→c x →c i. Seja c um ponto qualquer do intervalo (− 3. Além disso. f é contínua em (a. b] . logo f é contínua à esquerda − x →3 em 3. temos que f é contínua no intervalo fechado [− 3. ii. Dessa forma.3) .Cálculo I . lim f ( x) = lim 9 − x 2 = 9 − c 2 existe pois c ∈ (− 3. Notas de Aula . definimos continuidade em um intervalo fechado: Definição: Uma função f é dita contínua em um intervalo fechado [a. Exemplo Solução: Como o domínio da função f é o intervalo fechado [− 3. x → −3 lim+ f ( x) = lim+ 9 − x 2 = 0 e f (−3) = 9 − (− 3) = 0 . necessitamos investigar a continuidade de f no intervalo aberto (− 3. logo f é contínua à 2 x → −3 direita em − 3 . iii. Então. f é contínua à esquerda em b.3] .Departamento de Matemática x →a + lim f ( x) = f (a) Assim. se as seguintes condições são satisfeitas: i.3) .3) .3] . ii.Limites 28 . Verifique a continuidade da função f ( x ) = 9 − x 2 . f é contínua à direita em a. a função é contínua para todo ponto do intervalo (− 3.

tal que f (c) = 0 . um número c entre a e b tal que f (c) = 0 . então essa reta cruzará a curva y = f ( x) pelo menos uma vez em [a. Exemplo Dada a função f definida por f ( x) = x 2 + 5 x − 6 no intervalo [−1. b] .Departamento de Matemática Teorema do Valor Intermediário Observe o gráfico abaixo: y f(b) k f(a) a x b x Note que a função descrita por este gráfico é contínua no intervalo fechado [a. Um procedimento para aproximação de raízes está baseado na seguinte conseqüência do Teorema do Valor Intermediário: Conseqüência (Teorema de Bolzano): Se f for contínua em [a. b] tal que f ( x) = k .Cálculo I . então há no mínimo um número x no intervalo [a. b] e k é um número qualquer entre f (a ) e f (b) . Note também que. Notas de Aula . ache um número c no intervalo dado. Essa idéia está mais precisamente formulada no seguinte teorema: Teorema do Valor Intermediário: Se f for contínua em um intervalo fechado [a. se traçarmos qualquer linha reta horizontal y = k.Universidade Federal de Viçosa . b] e se f (a) e f (b) forem diferentes de zero e tiverem sinais opostos.Limites 29 .2] . b] . Uma infinidade de problemas pode ser reduzida a encontrar raízes da equação f ( x) = 0 . onde k está entre f (a) e f (b) . então há no mínimo. inclusive.

caso existam. o Teorema do Valor Intermediário garante que existe um número c entre − 1 e 2. ela será contínua em toda parte e assim. isto é: c 2 + 5c − 6 = 0 −5±7 c= 2 c' = 1 e c" = −6 Rejeitamos c = −6 .2] . os limites abaixo. Calcule. 1. será contínua no intervalo [−1. tal que f (c) = 0 . Resolva os exercícios abaixo para você compreender melhor a aula sobre limites e sanar suas dúvidas. Uma vez que f (−1) = −10 e f (2) = 8 .Cálculo I . Logo.2] . temos que o número procurado é c = 1. 3x 2 + 3x − 6 x →1 x 2 + 2 x − 3 3x 2 + 2 x − 1 1 9x 2 − 1 x→ 3 a) lim b) lim c) lim x →1 x2 −1 x2 − x d) lim x →1 2 − x2 −1 x −1 3 e) lim x → +∞ 5x 3 − 2 7x f) lim 3x 7 − x 10 x → +∞ 5 x 15 − x 10 g) lim 5x 5x 4 + 3 x → −∞ 4 6 x 3 + 5x 2 − 7 x + 3 h) lim x → −∞ 4x 3 − 5x + 1 x2 i) lim x →0 x j) lim + x →1 2 x −2 x 2 − 2x + 1 l) lim + x→ 2 x2 − 2 x− 2 m) lim+ x→ 2 3 5 3x − 2 Notas de Aula .Departamento de Matemática Solução: Como f é uma função polinomial. e f (1) = 0 . pois esse número não está no intervalo [−1.Universidade Federal de Viçosa . como c = 1 ∈ [− 1.2] .Limites 30 .

3x se x > 0 ⎩ ⎧ x 2 − 3x se x ≠ 0 e x ≠ 2 2 ⎪ . sendo f ( x) = ⎨7 se x = 0 x →0 ⎪1 .Departamento de Matemática x2 − 4 x2 − 4 x 2 − 3x + 1 x → −∞ 5 x 2 − 3 n) lim− x→2 o) lim ⎧ 1 se x > 2 ⎪ p) lim f ( x) . sendo f ( x) = ⎨ 2 − 5 x x →2 ⎪3 x − 3 se x ≤ 2 ⎩ ⎧5x + 1 se x < 0 ⎪ q) lim f ( x) . Calcule 2. Respostas: 1. verifique: x ⎪0 se x = 0 ⎩ a) se f é contínua em 1. a) 9 4 b) 2 3 5 5 c) 2 h) 3 2 d) − 1 i) 0 3 e) 5 7 f) 0 g) − 4 j) + ∞ Notas de Aula . Justifique. Sabendo que f dada por f ( x) = contínua em zero. 3. calcule f (0) . Sendo f a função definida por f ( x) = ⎨ .Universidade Federal de Viçosa . é uma função x2 − x ⎧ x−3 se x ≠ 3 ⎪ 4.Limites 31 . Seja a função f definida por f ( x) = ⎨ x 3 − 8 x ⎪1 − m se x = 0 ⎩ m para que f seja contínua em zero. b) se f é contínua em 0.Cálculo I . ⎧ 2 x2 ⎪x + se x ≠ 0 5. A função f definida por f ( x) = ⎨ x − 3 ⎪1 se x = 3 ⎩ é contínua em 3? Justifique. x 3 − 4x para x ≠ 0 e x ≠ 1 . Justifique.

. vol. Thomson Learning. G.Universidade Federal de Viçosa . BOULOS. 2ª edição. PENNEY e Jr.Departamento de Matemática l) + ∞ q) 1 2. Prentice-Hall.Cálculo I . H. Makron Books. vol..br/ Notas de Aula . 1. vol. 1 e 2. GUIDORIZZI. 1987 Par a os amant es da net . Addison Wesley.. Cálculo. vols. Cálculo com Geometria Analítica. 1. LTC. São Paulo. F. D. 2002. Cálculo com Geometria Analítica. 1994 G ost a de desaf i os?? • • • H. 1 e 2. Cálculo com Geometria Analítica. 1. Rio de Janeiro. C. Porto Alegre. L. Introdução ao Cálculo. E. 1. J. vol. EDWARDS. Ed.if. H. 1997. Um Curso de Cálculo. P. m = 5 8 3. 2001. W. 4 4. São Paulo. LEITHOLD. ANTON.usp. consulte as referências listadas abaixo. Cálculo um novo horizonte. McGraw-Hill. 2007. vol.Limites 32 . Cálculo. Quer apr of undar mai s um pouco? • • • L. a) Sim b) Não m) + ∞ n) − 1 1 5 o) p)NE Para saber mais sobre limites. Harbra. SIMMONS. 2003. 1994 E. 1. São Paulo. 1. Bookman. THOMAS. vol. Edgard Blücher. SWOKOWSKI. vol. 1974.. Ed. Par a você começar ! • • • G. • http://ecalculo. vols. 1. São Paulo. O Cálculo com Geometria Analítica. a) Não 5. STEWART.