You are on page 1of 90

UNIVERSIDADE TECNOL

´
OGICA FEDERAL DO PARAN
´
A
PROF. ADILANDRI M
´
ERCIO LOBEIRO (UTFPR-CM-COINF).
DISCIPLINAS: EA32F, ED3XA, ED3XB, EL32B
EQUAC¸
˜
OES DIFERENCIAIS ORDIN
´
ARIAS
CAMPO MOUR
˜
AO
2011/2
Estas notas seguem de muito perto a bibliografia referenciada e que
correspondem aos livros textos deste Curso. Sugere-se a sua aquisic¸ ˜ ao.
O ´ unico objetivo destas notas ´ e facilitar as atividades dos alunos em sala
de aula, pois n˜ ao precisar˜ ao anotar conte´ udos e enunciados de exerc´ı-
cios. De forma que o aluno tem um maior conforto em sala de aula e o
professor poder´ a explicar os temas de forma mais r´ apida. De nenhuma
maneira a leitura ou consulta da bibliografia est´ a descartada, isto ´ e dever
do aluno.
P.ALuno
Atendimento Quinta Sexta
Hor´ arios 18:40-20:20 18:40-20:20
Provas
Eventos EL32B EA32F ED3XB ED3XA
Primeira Prova 01/09/11 09/09/11 09/09/11 09/09/11
Segunda Prova 19/10/11 21/10/11 21/10/11 21/10/11
Terceira Prova 30/11/11 25/11/11 25/11/11 25/11/11
Reavaliac¸ ˜ ao 08/12/11 08/12/11 08/12/11 08/12/11
SUM
´
ARIO
1 INTRODUC¸
˜
AO
`
AS EQUAC¸
˜
OES DIFERENCIAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
INTRODUC¸
˜
AO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.1 TERMINOLOGIA E DEFINIC¸
˜
OES B
´
ASICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.1.1 Classificac¸ ˜ ao pelo Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.1.2 Classificac¸ ˜ ao pelo Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1.3 Classificac¸ ˜ ao como Linear e N˜ ao-Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1.4 Soluc¸ ˜ oes Expl´ıcitas e Impl´ıcitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2 PROBLEMA DE VALOR INICIAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
INTRODUC¸
˜
AO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3 CLASSIFICAC¸
˜
AO DAS EDO DE PRIMEIRA ORDEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.1 QUADRATURA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.2 VARI
´
AVEIS SEPAR
´
AVEIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.3 EQUAC¸
˜
OES HOMOG
ˆ
ENEAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3.3.1 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3.3.2 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
3.3.3 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.3.4 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
3.3.5 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe G . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
3.4 EQUAC¸
˜
OES EXATAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.5 EQUAC¸
˜
OES LINEARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
3.6 EQUAC¸
˜
AO DE BERNOULLI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.7 EQUAC¸
˜
AO DE RICATTI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.8 EQUAC¸
˜
AO DE CLAIRAUT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.9 EQUAC¸
˜
AO DE D’ALEMBERT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
4 APLICAC¸
˜
OES DE EQUAC¸
˜
OES LINEARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.1 CRESCIMENTO E DECRESCIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.2 MEIA-VIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
4.3 CRONOLOGIA DO CARBONO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
4.4 RESFRIAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
4.5 PROBLEMAS DE MISTURAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
4.6 CIRCUITOS EM S
´
ERIE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
5 EQUAC¸
˜
OES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM SUPERIOR . . . . . . . . . . . 54
INTRODUC¸
˜
AO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
5.1 TEORIA PRELIMINAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
5.1.1 Problema de Valor Inicial e de Valor de Contorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Problema de Valor Inicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Problema de Valor de Contorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
5.1.2 Dependˆ encia Linear e Independˆ encia Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Wronskiano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
5.1.3 Soluc¸ ˜ oes Para Equac¸ ˜ oes Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Princ´ıpio de Superposic¸ ˜ ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Soluc¸ ˜ oes Linearmente Independentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Equac¸ ˜ oes N˜ ao-Homogˆ eneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Func¸ ˜ ao Complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
5.2 CONSTRUINDO UMA SEGUNDA SOLUC¸
˜
AO A PARTIR DE UMA SOLUC¸
˜
AO
CONHECIDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Reduc¸ ˜ ao de Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Caso Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
5.3 EQUAC¸
˜
OES LINEARES HOMOG
ˆ
ENEAS COM COEFICIENTES CONSTANTES 70
Equac¸ ˜ ao Auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Equac¸ ˜ ao de Ordem Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
5.4 OPERADORES DIFERERENCIAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Derivadas de Ordem Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Equac¸ ˜ oes Diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Operador Anulador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
5.5 COEFICIENTES INDETERMINADOS - ABORDAGEM POR ANULADORES . . . 81
Resumo do M´ etodo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
5.6 VARIAC¸
˜
AO DOS PAR
ˆ
AMETROS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
5.6.1 Resoluc¸ ˜ ao de Equac¸ ˜ oes Lineares de Primeira Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
5.6.2 Equac¸ ˜ oes de Segunda Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
REFER
ˆ
ENCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
4
1 INTRODUC¸
˜
AO
`
AS EQUAC¸
˜
OES DIFERENCIAIS
As palavras equac¸ ˜ ao e diferencial sugerem certamente algum tipo de equac¸ ˜ ao que envolve
derivadas. Da mesma forma que um curso de ´ algebra e trigonometria, nos quais um bom tempo
´ e gasto na resoluc¸ ˜ ao de equac¸ ˜ oes como x
2
+5x +4 = 0 para a inc´ ognita x, neste curso uma de
nossas tarefas ser´ a resolver equac¸ ˜ oes diferenciais como y
′′
+2y

+y =0 para a func¸ ˜ ao inc´ ognita
y = φ(x).
O primeiro par´ agrafo acima nos fala algo, mas n˜ ao tudo, sobre o curso que vocˆ e est´ a prestes
a comec¸ar. No decorrer do curso, vocˆ e ver´ a que h´ a mais no estudo de equac¸ ˜ oes diferenciais que
t˜ ao somente o dom´ınio de m´ etodos idealizados por algu´ em para resolvˆ e-las. Mas, em primeiro
lugar, para ler, estudar e familiarizar-se com esse assunto t˜ ao especializado, ´ e necess´ ario conhe-
cer algumas definic¸ ˜ oes e terminologias b´ asicas sobre o mesmo (ZILL DENNIS G; CULLEN,
2006).
1.1 TERMINOLOGIA E DEFINIC¸
˜
OES B
´
ASICAS
No curso de c´ alculo, vocˆ e aprendeu que, dada uma func¸ ˜ ao y = f (x), a derivada
dy
dx
= f

(x)
´ e tamb´ em, ela mesma, uma func¸ ˜ ao de x e ´ e calculada por regras apropriadas. Por exemplo, se
y = e
x
2
, ent˜ ao
dy
dx
= 2xe
x
2
ou
dy
dx
= 2xy
O problema com o qual nos deparamos neste curso n˜ ao ´ e: dada uma func¸ ˜ ao y = f (x)
encontre sua derivada. Nosso problema ´ e: dada uma equac¸ ˜ ao como
dy
dx
= 2xy, encontre, de
algum modo, uma func¸ ˜ ao y = f (x) que satisfac¸a a equac¸ ˜ ao. O problema ´ e mais ou menos
equivalente ao familiar problema inverso do c´ alculo diferencial: dada uma derivada, encontrar
uma antiderivada. Em outras palavras, n´ os queremos resolver equac¸ ˜ oes diferenciais.
Definic¸ ˜ ao 1.1 (Equac¸ ˜ ao Diferencial) Uma equac¸ ˜ ao que cont´ em as derivadas ou diferenciais
5
de uma ou mais vari´ aveis dependentes, em relac¸ ˜ ao a uma ou mais vari´ aveis independentes, ´ e
chamada de equac¸ ˜ ao diferencial (ED).
Para poder discuti-las melhor, classificaremos as equac¸ ˜ oes diferenciais por tipo, ordem e
linearidade.
1.1.1 Classificac¸ ˜ ao pelo Tipo
Se uma equac¸ ˜ ao contiver somente derivadas ordin´ arias de uma ou mais vari´ aveis depen-
dentes em relac¸ ˜ ao a uma ´ unica vari´ avel independente, ela ser´ a chamada de equac¸ ˜ ao diferencial
ordin´ aria (EDO). Por exemplo,
dy
dt
−5y = 1
d
2
y
dx
2
−2
dy
dx
+6y = 0
(y −x)dx +4xdy = 0
du
dx

dv
dx
= x
(1.1.1)
s˜ ao equac¸ ˜ oes diferenciais ordin´ arias.
Uma equac¸ ˜ ao que envolve as derivadas parciais de uma ou mais vari´ aveis dependentes de
duas ou mais vari´ aveis independentes ´ e chamada de equac¸ ˜ ao diferencial parcial (EDP). Por
exemplo,
∂u
∂y
= −
∂v
∂x
x
∂u
∂x
+y
∂u
∂y
= u

2
u
∂x
2
=

2
u
∂t
2
−2
∂u
∂t
(1.1.2)
s˜ ao equac¸ ˜ oes diferenciais parciais.
As derivadas ordin´ arias ser˜ ao escritas ao longo deste texto como a notac¸ ˜ ao de Leibniz
dy
dx
,
d
2
y
dx
2
,
d
3
y
dx
3
, · · · ou com a notac¸ ˜ ao linha y

, y
′′
, y
′′′
, · · · . Usando a ´ ultima notac¸ ˜ ao, podemos
escrever as duas primeiras equac¸ ˜ oes diferenciais em (1.1.1) um pouco mais compactamente
como y

−5y = 1 e y
′′
−2y

+6y = 0. Na realidade, a notac¸ ˜ ao linha ´ e usada somente para
denotar as trˆ es primeiras derivadas; a quarta derivada ´ e escrita como y
(4)
, em vez de y
′′′′
. Em
geral, a n-´ esima derivada ´ e escrita como
d
n
y
dx
n
ou y
(n)
. Embora seja menos conveniente para
escrever e imprimir, a notac¸ ˜ ao de Leibniz tem, sobre a notac¸ ˜ ao linha, a vantagem de explicitar
claramente as vari´ aveis dependentes e independentes. Por exemplo, na equac¸ ˜ ao
d
2
x
dt
2
+16x = 0
vˆ e-se imediatamente que o s´ımbolo x representa uma vari´ avel dependente e t, uma vari´ avel
6
independente. Derivadas parciais s˜ ao freq¨ uentemente denotadas por uma notac¸ ˜ ao em subscrito
indicando as vari´ aveis independentes. Por exemplo, com a notac¸ ˜ ao em subscrito, a terceira
equac¸ ˜ ao em (1.1.2) torna-se u
xx
= u
tt
−2u
t
.
1.1.2 Classificac¸ ˜ ao pelo Ordem
A ordem de uma equac¸ ˜ ao diferencial (EDO) ou (EDP) ´ e a ordem da maior derivada na
equac¸ ˜ ao. Por exemplo,
d
2
y
dx
2
+5
_
dy
dx
_
3
−4y = e
x
´ e uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria de segunda ordem (ou de ordem dois). Como a equac¸ ˜ ao
diferencial (y −x)dx +4xdy = 0 pode ser escrita na forma
4x
dy
dx
+y = x
dividindo-se pela diferencial dx, trata-se ent˜ ao de uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria de primeira
ordem. A equac¸ ˜ ao
a
2

4
u
∂x
4
+

2
u
∂t
2
= 0
´ e uma equac¸ ˜ ao diferencial parcial de quarta ordem.
Embora as equac¸ ˜ oes diferenciais parciais sejam muito importante, seu estudo demanda um
bom conhecimento da teoria de equac¸ ˜ oes diferenciais ordin´ arias. Portanto, na discuss˜ ao que se
segue, limitaremos nossa atenc¸ ˜ ao ` as equac¸ ˜ oes diferenciais ordin´ arias.
Uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria geral de n-´ esima ordem ´ e frequentemente representada
pelo simbolismo
F
_
x, y,
dy
dx
, · · · ,
d
n
y
dx
n
_
= 0
onde x ´ e a vari´ avel independente.
Por exemplo, F em 4x
dy
dx
+y = x fica F
_
x, y,
dy
dx
_
= 4x
dy
dx
+y −x = 0
1.1.3 Classificac¸ ˜ ao como Linear e N˜ ao-Linear
Uma equac¸ ˜ ao diferencial ´ e chamada de linear quando pode ser escrita na forma
a
n
(x)
d
n
y
dx
n
+a
n−1
(x)
d
n−1
y
dx
n−1
+· · · +a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x)
Observe que as equac¸ ˜ oes diferenciais lineares s˜ ao caracterizadas por duas propriedades:
7
• A vari´ avel dependente y e todas as suas derivadas s˜ ao do primeiro grau: isto ´ e, a potˆ encia
de cada termo envolvendo y ´ e 1.
• Cada coeficiente depende apenas da vari´ avel independente x.
Uma equac¸ ˜ ao que n˜ ao ´ e linear ´ e chamada de n˜ ao-linear.
As equac¸ ˜ oes
xdy +ydx = 0
y
′′
−2y

+y = 0
x
3
d
3
y
dx
3
−x
2
d
2
y
dx
2
+3x
dy
dx
+5y = e
x
s˜ ao equac¸ ˜ oes diferenciais ordin´ arias lineares de primeira, segunda e terceira ordens, respectiva-
mente. Por outro lado,
yy
′′
−2y

= x e
d
3
y
dx
3
+y
2
= 0
s˜ ao equac¸ ˜ oes diferenciais ordin´ arias n˜ ao-lineares de segunda e terceira ordens, respectivamente.
Como mencionado antes, nosso objetivo neste curso ´ e resolver ou encontrar soluc¸ ˜ oes para
equac¸ ˜ oes diferenciais.
Definic¸ ˜ ao 1.2 (Soluc¸ ˜ ao para uma Equac¸ ˜ ao Diferencial) Qualquer func¸ ˜ ao f definida em al-
gum intervalo I, que, quando substitu´ıda na equac¸ ˜ ao diferencial, reduz a equac¸ ˜ ao a uma iden-
tidade, ´ e chamada de soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao no intervalo.
Em outras palavras, uma soluc¸ ˜ ao para uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria
F(x, y, y

, · · · , y
(n)
) = 0
´ e uma func¸ ˜ ao f que possui pelo menos n derivadas e satisfaz a equac¸ ˜ ao; isto ´ e,
F(x, f (x), f

(x), · · · , f
(n)
(x)) = 0
para todo x no intervalo I.
Exemplo 1.1 Verifique se y =
x
4
16
´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao n˜ ao-linear
dy
dx
−xy
1/2
= 0
no intervalo (−∞, +∞).
8
Exemplo 1.2 Verifique se y = xe
x
´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao linear
y
′′
−2y

+y = 0
no intervalo (−∞, +∞).
Note que, nos exemplos (1.1) e (1.2), a func¸ ˜ ao constante y = 0 tamb´ em satisfaz a equac¸ ˜ ao
diferencial dada para todo x real. Uma soluc¸ ˜ ao para uma equac¸ ˜ ao diferencial que ´ e identica-
mente nula em um intervalo I ´ e em geral referida como soluc¸ ˜ ao trivial.
Nem toda equac¸ ˜ ao diferencial que escrevemos possui necessariamente uma soluc¸ ˜ ao.
Exemplo 1.3 As equac¸ ˜ oes diferenciais de primeira ordem
_
dy
dx
_
2
+1 = 0 e (y

)
2
+y
2
+4 = 0
n˜ ao possuem soluc¸ ˜ ao. Por quˆ e? A equac¸ ˜ ao de segunda ordem
(y
′′
)
2
+10y
4
= 0
posuui somente uma soluc¸ ˜ ao real. Qual?
1.1.4 Soluc¸ ˜ oes Expl´ıcitas e Impl´ıcitas
Vocˆ e deve estar familiarizado com as noc¸ ˜ oes de func¸ ˜ oes expl´ıcitas vistas em seu estudo
de c´ alculo. Similarmente, soluc¸ ˜ oes de equac¸ ˜ oes diferenciais s˜ ao divididas em expl´ıcitas ou
impl´ıcitas. Uma soluc¸ ˜ ao para uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria (EDO) que pode ser escrita na
forma y = f (x) ´ e chamada de soluc¸ ˜ ao expl´ıcita. Vimos em nossa discus˜ ao inicial que y = e
x
2
´ e uma soluc¸ ˜ ao expl´ıcita de
dy
dx
= 2xy. Nos exemplos (1.1) e (1.2), y =
x
4
16
e y = xe
x
s˜ ao
soluc¸ ˜ oes expl´ıcitas de
dy
dx
=xy
1/2
e y
′′
−2y

+y =0, respectivamente. Dizemos que uma relac¸ ˜ ao
G(x, y) =0 ´ e uma soluc¸ ˜ ao impl´ıcita de uma equac¸ ˜ ao diferencial em um intervalo I, se ela define
uma ou mais soluc¸ ˜ oes expl´ıcitas em I.
Exemplo 1.4 Verifique que para −2 <x <2, a relac¸ ˜ ao x
2
+y
2
−4 =0 ´ e uma soluc¸ ˜ ao impl´ıcita
para a equac¸ ˜ ao diferencial
dy
dx
=−
x
y
9
Al´ em disso, note que qualquer relac¸ ˜ ao da forma x
2
+y
2
−c = 0 satisfaz, formalmente,
dy
dx
=−
x
y
para qualquer constante c. Por´ em, fica subentendido que a relac¸ ˜ ao deve sempre fazer
sentido no sistema dos n´ umeros reais; logo, n˜ ao podemos dizer que x
2
+y
2
+1 = 0 determina
uma soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao diferencial.
Como a distinc¸ ˜ ao entre uma soluc¸ ˜ ao expl´ıcita e uma soluc¸ ˜ ao impl´ıcita ´ e intuitivamente
clara, n˜ ao nos daremos ao trabelho de dizer “aqui temos uma soluc¸ ˜ ao expl´ıcita (impl´ıcita)”.
N´ umero de Soluc¸ ˜ oes - Vocˆ e deve se acostumar com o fato de que uma dada equac¸ ˜ ao
diferencial geralmente possui um n´ umero infinito de soluc¸ ˜ oes.
Exemplo 1.5 Verifique que para qualquer valor de c, a func¸ ˜ ao y =
c
x
+1 ´ e uma soluc¸ ˜ ao da
equac¸ ˜ ao diferencial de primeira ordem
x
dy
dx
+y −1 = 0
no intervalo (0, +∞).
Em alguns casos, quando somamos duas soluc¸ ˜ oes de uma equac¸ ˜ ao diferencial, obtemos
uma outra soluc¸ ˜ ao.
Exemplo 1.6 a) Verifique se as func¸ ˜ oes y
1
= c
1
cos4x e y
2
= c
2
sin4x, em que c
1
e c
2
s˜ ao
constantes arbitr´ arias, s˜ ao soluc¸ ˜ oes para equac¸ ˜ ao diferencial
y
′′
+16y = 0.
b) Verifique se a soma das duas soluc¸ ˜ oes da parte (a), ou seja, y
3
= c
1
cos4x +c
2
sin4x,
tamb´ em ´ e uma soluc¸ ˜ ao para y
′′
+16y = 0.
Observac¸ ˜ ao 1.1 Nem sempre a soma de duas soluc¸ ˜ oes de uma EDO ´ e uma soluc¸ ˜ ao da EDO.
Para exemplificar isto, basta tomar no exemplo (1.5), c
1
e c
2
n´ umeros reais diferentes de zero.
Exemplo 1.7 Verifique se
y
1
= c
1
e
x
, y
2
= c
2
e
−x
e y
3
= c
1
e
x
+c
2
e
−x
,
s˜ ao todas soluc¸ ˜ oes da equac¸ ˜ ao diferencial linear de segunda ordem
y
′′
−y = 0.
10
O pr´ oximo exemplo mostra que uma soluc¸ ˜ ao de uma equac¸ ˜ ao diferencial pode ser uma
func¸ ˜ ao definida por partes.
Exemplo 1.8 a) Verifique que qualquer func¸ ˜ ao da fam´ılia y =cx
4
´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao
diferencial
xy

−4y = 0.
b) Verifique se a func¸ ˜ ao definida por partes
y =
_
−x
4
se x < 0
x
4
se x ≥0
,
tamb´ em ´ e uma soluc¸ ˜ ao.
Observac¸ ˜ ao 1.2 Observe que a func¸ ˜ ao y =
_
−x
4
se x < 0
x
4
se x ≥0
n˜ ao pode ser obtida por in-
term´ edio de uma ´ unica escolha do parˆ ametro c, na fam´ılia de func¸ ˜ oes y = cx
4
a um parˆ ametro.
Mais Teminologia - O estudo de equac¸ ˜ oes diferenciais ´ e semelhante ao c´ alculo integral.
Quando calculamos uma antiderivada ou integral indefinida, utilizamos uma ´ unica constante
de integrac¸ ˜ ao. De maneira an´ aloga, quando resolvemos uma equac¸ ˜ ao diferencial de primeira
ordem F(x, y, y

) = 0, normalmente obtemos uma fam´ılia de curvas ou func¸ ˜ oes G(x, y, c) = 0,
contendo um parˆ ametro arbitr´ ario tal que cada membro da fam´ılia ´ e uma soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao di-
ferencial. Na verdade, quando resolvemos uma equac¸ ˜ ao de n-´ esima ordem F(x, y, y

, · · · , y
(n)
) =
0, em que y
(n)
significa
d
(n)
y
dx
n
, esperamos uma fam´ılia a n-parˆ ametros de soluc¸ ˜ oes
G(x, y, c
1
, · · · , c
n
) = 0.
Uma soluc¸ ˜ ao para uma equac¸ ˜ ao diferencial que n˜ ao depende de parˆ ametros arbitr´ arios ´ e chamada
de soluc¸ ˜ ao particular. Uma maneira de obter uma soluc¸ ˜ ao particular ´ e escolher valores es-
pec´ıficos para o(s) parˆ ametro(s) na fam´ılia de soluc¸ ˜ oes. Por exemplo, ´ e f´ acil ver que y = ce
x
´ e uma fam´ılia a um parˆ ametro de soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao de primeira ordem y

= y. Para
c = 0, −2e5, obtemos as soluc¸ ˜ oes particulares y = 0, y =−2e
x
e y = 5e
x
, respectivamente.
`
As vezes, uma equac¸ ˜ ao diferencial possui uma soluc¸ ˜ ao que n˜ ao pode ser obtida especifican-
do-se os parˆ ametros em uma fam´ılia de soluc¸ ˜ oes. Tal soluc¸ ˜ ao ´ e chamada de soluc¸ ˜ ao singular.
Por exemplo, provaremos no futuro pr´ oximo que uma fam´ılia a um parˆ ametro de soluc¸ ˜ oes para
y

= xy
1/2
´ e dada por y =
_
x
2
4
+c
_
2
, quando c = 0, a soluc¸ ˜ ao particular resultante ´ e y =
x
4
16
.
11
Neste caso, a soluc¸ ˜ ao trivial y = 0 ´ e uma soluc¸ ˜ ao singular para a equac¸ ˜ ao, pois ela n˜ ao pode ser
obtida da fam´ılia atrav´ es de uma escolha do parˆ ametro c.
Revis˜ ao - Classificamos uma equac¸ ˜ ao diferencial quanto ao tipo: ordin´ aria ou parcial;
quanto ` a ordem; e quanto ` a linearidade: linear ou n˜ ao-linear.
Uma soluc¸ ˜ ao para uma equac¸ ˜ ao diferencial ´ e qualquer func¸ ˜ ao relativamente diferenci´ avel
que satisfac¸a a equac¸ ˜ ao em algum intervalo.
Quando resolvemos uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria de n-´ esima ordem, esperamos en-
contrar uma fam´ılia de soluc¸ ˜ oes a n-parˆ ametros. Uma soluc¸ ˜ ao particular ´ e qualquer soluc¸ ˜ ao,
n˜ ao dependente de parˆ ametros, que satisfac¸a a equac¸ ˜ ao diferencial. Uma soluc¸ ˜ ao singular ´ e
qualquer soluc¸ ˜ ao que n˜ ao pode ser obtida da fam´ılia de soluc¸ ˜ oes a n-parˆ ametros atrav´ es de
escolha dos parˆ ametros. Quando uma fam´ılia de soluc¸ ˜ oes a n-parˆ ametros fornece todas as
soluc¸ ˜ oes para uma equac¸ ˜ ao diferencial em algum intervalo, ela ´ e chamada soluc¸ ˜ ao geral, ou
completa.
Exerc´ıcio 1.1 Classifique as equac¸ ˜ oes diferenciais dizendo se elas s˜ ao lineares ou n˜ ao-lineares.
Dˆ e tamb´ em a ordem de cada equac¸ ˜ ao,
1. (1−x)y
′′
−4xy

+5y = cosx;
2. yy

+2y = 1+x
2
;
3. x
3
y
(4)
−x
2
y
′′
+4xy

−3y = 0;
4.
dy
dx
=
¸
1+
_
d
2
y
dx
2
_
2
;
5. (sinx)y
′′′
−(cosx)y

= 2;
Exerc´ıcio 1.2 Verifique se a func¸ ˜ ao dada ´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao diferencial. (c
1
e c
2
s˜ ao constantes).
1. 2y

+y = 0; y = e
−x/2
2.
dy
dx
−2y = e
3x
; y = e
3x
+10e
2x
3. y

= 25+y
2
; y = 5tan5x
4. y

+y = sinx; y =
1
2
sinx −
1
2
cosx +10e
−x
12
5. x
2
dy +2xydx = 0; y =−
1
x
2
6. y


1
x
y = 1; y = xlnx, x > 0
7. y
′′
−6y

+13y = 0; y = e
3x
cos2x
8. x
d
2
y
dx
2
+2
dy
dx
= 0; y = c
1
+c
2
x
−1
9. x
2
y
′′
−3xy

+4y = 0; y = x
2
+x
2
lnx, x > 0
10. y
′′′
−3y
′′
+3y

−y = 0; y = x
2
e
x
Exerc´ıcio 1.3 Verifique se a func¸ ˜ ao definida por partes y =
_
−x
2
se x < 0
x
2
se x ≥0
´ e soluc¸ ˜ ao para
a equac¸ ˜ ao diferencial xy

−2y = 0.
Exerc´ıcio 1.4 Verifique que uma fam´ılia a um parˆ ametro de soluc¸ ˜ oes para
y = xy

+(y

)
2
´ e y = cx +c
2
.
Determine um valor de k para que y = kx
2
seja uma soluc¸ ˜ ao singular para a equac¸ ˜ ao diferen-
cial.
Exerc´ıcio 1.5 Encontre valores de m para que y = e
mx
seja uma soluc¸ ˜ ao para equac¸ ˜ ao difer-
encial
y
′′
−5y

+6y = 0.
Exerc´ıcio 1.6 Mostre que y
1
= x
2
e y
2
= x
3
s˜ ao ambas soluc¸ ˜ oes para
x
2
y
′′
−4xy

+6y = 0.
As func¸ ˜ oes c
1
y
1
e c
2
y
2
, com c
1
e c
2
constantes arbitr´ arias, s˜ ao tamb´ em soluc¸ ˜ oes? A soma
y
1
+y
2
´ e uma soluc¸ ˜ ao?
13
2 PROBLEMA DE VALOR INICIAL
Estamos interessados em resolver equac¸ ˜ oes de primeira ordem que podem ser escritas na
forma
dy
dx
= f (x, y)
sujeita ` a condic¸ ˜ ao inicial y(x
0
) = x
0
, em que x
0
´ e um n´ umero no intervalo I e y
0
´ e um n´ umero
real arbitr´ ario. O problema
Resolva :
dy
dx
= f (x, y)
Sujeita a : y(x
0
) = y
0
(2.0.1)
´ e chamado de problema de valor inicial PVI. Em termos geom´ etricos, estamos procurando
uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao diferencial, definida em algum intervalo I tal que o gr´ afico da
soluc¸ ˜ ao passe por um (x
0
, y
0
) determinado a priori.
Exemplo 2.1 Vimos que y = ce
x
´ e uma fam´ılia de soluc¸ ˜ oes para
dy
dx
= y no intervalo (−∞, ∞).
Encontre uma soluc¸ ˜ ao para o problema de valor inicial (PVI).
_
_
_
dy
dx
= y
y(0) = 3
.
A quest˜ ao fundamental surge quando consideramos um problema de valor inicial como
(2.0.1):
Existe uma soluc¸ ˜ ao para o problema?
Se existe uma soluc¸ ˜ ao, ela ´ e ´ unica?
Em outras palavras, a equac¸ ˜ ao diferencial
dy
dx
= f (x, y) possui uma soluc¸ ˜ ao cujo gr´ afico
passa pelo ponto (x
0
, y
0
)? E ser´ a que essa soluc¸ ˜ ao, se existir, ´ e ´ unica?
Exemplo 2.2 Verifique se cada uma das func¸ ˜ oes y = 0 e y =
x
4
16
satisfaz o problema de valor
14
inicial (PVI).
_
_
_
dy
dx
= xy
1/2
y(0) = 0
.
Em geral, deseja-se saber, antes de considerar um problema de valor inicial, se uma soluc¸ ˜ ao
existe e, quando existe, se ´ e a ´ unica soluc¸ ˜ ao para o problema.
Teorema 2.1 (Existˆ encia de uma
´
Unica Soluc¸ ˜ ao - Teorema de Picard) Seja R uma regi˜ ao re-
tangular no plano xy definida por a ≤ x ≤ b, c ≤ y ≤ d, que cont´ em o ponto (x
0
, y
0
) em seu
interior. Se f (x, y) e
∂ f
∂y
s˜ ao cont´ınuas em R, ent˜ ao existe um intervalo I centrado em x
0
e uma
´ unica func¸ ˜ ao y(x) definida em I que satisfaz o problema de valor inicial
_
_
_
dy
dx
= f (x, y)
y(x
0
) = y
0
. (2.0.2)
Exemplo 2.3 Use o teorema (2.1) para verificar a existˆ encia de uma ´ unica soluc¸ ˜ ao para o
problema de valor inicial (PVI)
_
_
_
dy
dx
= xy
1/2
y(x
0
) = y
0
.
Exemplo 2.4 Use o teorema (2.1) para garantir a existˆ encia de uma ´ unica soluc¸ ˜ ao para o
problema de valor inicial (PVI)
_
_
_
dy
dx
= y
y(0) = 3
.
Exemplo 2.5 Use o teorema (2.1) para garantir a existˆ encia de uma ´ unica soluc¸ ˜ ao para o
problema de valor inicial (PVI)
_
_
_
dy
dx
= x
2
+y
2
y(x
0
) = y
0
.
Observac¸ ˜ ao 2.1 Devemos estar cientes da distinc¸ ˜ ao entre a existˆ encia de uma soluc¸ ˜ ao e poder
exibir tal soluc¸ ˜ ao. Evidentemente, se encontrarmos uma soluc¸ ˜ ao exibindo-a, podemos dizer
15
que ela existe, mas, por outro lado, uma soluc¸ ˜ ao pode existir e n˜ ao ser poss´ıvel express´ a-la.
Pelo exemplo (2.5), sabemos que uma soluc¸ ˜ ao para o problema
_
_
_
dy
dx
= x
2
+y
2
y(0) = 1
,
existe em algum intervalo em torno de x =0 e ´ e ´ unica. Por´ em, a equac¸ ˜ ao n˜ ao pode ser resolvida
em termos de func¸ ˜ oes elementares.
Exerc´ıcio 2.1 Determine uma regi˜ ao do plano xy para a qual a equac¸ ˜ ao diferencial teria uma
´ unica soluc¸ ˜ ao passando por um ponto (x
0
, y
0
) na regi˜ ao.
1.
dy
dx
= y
2/3
;
2. x
dy
dx
= y ;
3. (4−y
2
)y

= x
2
;
4. (x
2
+y
2
)y

= y
2
;
5.
dy
dx
= x
3
cosy;
Exerc´ıcio 2.2 Verifique que y = cx ´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao diferencial xy

= y para
todo valor do parˆ ametro c. Encontre pelo menos duas soluc¸ ˜ oes para o problema de inicial
_
xy

= y
y(0) = 0
. Observe que a func¸ ˜ ao definida por partes y =
_
0 se x < 0
x se x ≥0
satisfaz a
condic¸ ˜ ao y(0) = 0. Ela ´ e uma soluc¸ ˜ ao para o problema de valor inicial?
Exerc´ıcio 2.3 Verifique se o Teorema (2.1) garante unicidade de soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao difer-
encial y

=
_
y
2
−9, passando pelo ponto dado.
1. (1, 4)
2. (2, −3)
16
3 CLASSIFICAC¸
˜
AO DAS EDO DE PRIMEIRA ORDEM
Apresentadas todas as terminologias necess´ arias, estamos agora aptos para estudar algumas
das equac¸ ˜ oes diferenciais ordin´ arias de primeira ordem segundo a classificac¸ ˜ ao do software
Maple 12 e resolvˆ e-las.
Se uma equac¸ ˜ ao diferencial de primeira ordem puder ser resolvida, veremos que a t´ ecnica
ou m´ etodo para resolvˆ e-la depende do tipo da equac¸ ˜ ao de primeira ordem com que estamos
lidando. Durante anos, muitos matem´ aticos se esforc¸aram para resolver diversos tipos particula-
res de equac¸ ˜ oes. Por isso, h´ a v´ arios m´ etodos de soluc¸ ˜ ao: o que funciona para umtipo de equac¸ ˜ ao
de primeira ordem n˜ ao se aplica necessariamente a outros tipos de equac¸ ˜ ao (MALUMBRES,
1996).
Estudaremos alguns tipos de EDO de primeira ordem mostrado na Figura (1), conforme a
classificac¸ ˜ ao do software Maple 12, ou vers˜ oes superiores.
Figura 1: EDO de primeira ordem.
Iniciaremos nossos estudos com o tipo “Quadrature”.
3.1 QUADRATURA
Comec¸amos nosso estudo sobre a resoluc¸ ˜ ao de equac¸ ˜ oes diferenciais de primeira ordem
F
_
x, y,
dy
dx
_
= 0 (3.1.1)
17
que pode ser escrita na forma expl´ıcita
dy
dx
= f (x, y)
(3.1.2)
com a mais simples dentre todas as equac¸ ˜ oes diferenciais, aquela onde f ´ e independente da
vari´ avel y, isto ´ e, f (x, y) = h(x). De (3.1.2), temos:
dy
dx
= h(x)
. (3.1.3)
Resolver esta equac¸ ˜ ao consiste em encontrar uma func¸ ˜ ao cuja derivada seja h(x), isto ´ e, encon-
trar a primitiva (integral indefinida) de h(x).
Integrando ambos os lados de (3.1.3), ou ainda, usando o primeiro teorema fundamental do
c´ alculo, obtemos
y(x) =
_
h(x)dx = H(x) +c
A func¸ ˜ ao y dada desta forma ´ e a soluc¸ ˜ ao geral da equac¸ ˜ ao (3.1.3). Geometricamente, a primitiva
´ e a equac¸ ˜ ao de uma fam´ılia de curvas e uma soluc¸ ˜ ao particular ´ e a equac¸ ˜ ao de uma dessas curvas.
Estas curvas s˜ ao denominadas curvas integrais da equac¸ ˜ ao diferencial. Se f ´ e independente da
vari´ avel x, isto ´ e, f (x, y) = g(y), resolvemos de maneira an´ aloga, veja .
Definic¸ ˜ ao 3.1 (Equac¸ ˜ ao Quadratura) Uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria de primeira ordem
da forma
dy
dx
= h(x)
(3.1.4)
ou
dy
dx
= g(y)
(3.1.5)
´ e chamada de quadratura.
Exemplo 3.1 Vamos encontrar a soluc¸ ˜ ao da quadratura,
dy
dx
= 2x.
Exemplo 3.2 Considere a equac¸ ˜ ao
dy
dx
= y
2
−4
, (3.1.6)
classificada como quadratura. Vamos encontrar a sua soluc¸ ˜ ao.
Exerc´ıcio 3.1 (Quadratura) Ache a soluc¸ ˜ ao geral das equac¸ ˜ oes diferenciais dadas.
1.
dy
dx
= sinx;
18
2.
dy
dx
= 1+e
2x
;
3.2 VARI
´
AVEIS SEPAR
´
AVEIS
Considerando a equac¸ ˜ ao diferencial de 1
a
ordem
dy
dx
= f (x, y)
(3.2.1)
podemos escrever a func¸ ˜ ao f = f (x, y) como o quociente de duas outras func¸ ˜ oes, a saber, M =
M(x, y) e N = N(x, y), logo:
dy
dx
=
M(x, y)
N(x, y)
´
E conveniente manter o sinal negativo no segundo membro da equac¸ ˜ ao, na forma:
dy
dx
= −
M(x, y)
N(x, y)
assim podemos escrever a equac¸ ˜ ao (3.2.1) na forma diferencial
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0 (3.2.2)
Exemplo 3.3 Escreva as equac¸ ˜ oes diferenciais a seguir na forma diferencial.
1.
dy
dx
= cos(x +y)
2.
dy
dx
=
x −3y
2y −5x
O problema de resolver equac¸ ˜ oes diferenciais de 1
a
ordem depende da soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao
(3.2.1) ou da soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao (3.2.2).
Se M ´ e uma func¸ ˜ ao apenas da vari´ avel x, isto ´ e, M = M(x) e N ´ e uma func¸ ˜ ao apenas da
vari´ avel y, isto ´ e N = N(y), ent˜ ao a equac¸ ˜ ao (3.2.2) fica na forma
M(x)dx +N(y)dy = 0 (3.2.3)
e ela ´ e chamada equac¸ ˜ ao separ´ avel.
Definic¸ ˜ ao 3.2 (Equac¸ ˜ ao Separ´ avel) Uma equac¸ ˜ ao diferencial de primeira ordem da forma
dy
dx
= f (x)g(y)
(3.2.4)
´ e chamada de separ´ avel ou de vari´ aveis separ´ aveis.
19
M´ etodo de soluc¸ ˜ ao: Para resolver a equac¸ ˜ ao (3.2.4), devemos considerar os seguintes
casos:
a) Se g(y) = a, onde a ´ e constante, temos uma EDO separ´ avel que ´ e, em particular, uma
quadratura. Temos da equac¸ ˜ ao (3.2.4) que
dy
dx
= af (x)
. (3.2.5)
Para obter a soluc¸ ˜ ao basta observar como resolvemos (3.1.4). Para reforc¸ar o entendi-
mento veja o exemplo (3.1).
b) Se f (x) = b, onde b ´ e constante, temos uma EDO separ´ avel que ´ e, em particular, uma
quadratura conforme (3.1.5). Da equac¸ ˜ ao (3.2.4), temos
dy
dx
= bg(y).
(3.2.6)
Nesta situac¸ ˜ ao vamos considerar dois casos:
(i) g(y) = 0;
Ao considerarmos g(y) = 0, obtemos:
1
g(y)
dy
dx
= b
_
dy
g(y)
= b
_
dx
_
dy
g(y)
= bx +c,
que ´ e a soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao.
(ii) g(y) = 0.
Se g(y) = 0 significa que existe y
0
tal que g(y
0
) = 0. Logo a soluc¸ ˜ ao ´ e y
0
= c, onde
c ´ e constante. De fato,
d
dx
(y
0
) = 0 = b· 0 = bg(y
0
).
Conclu´ımos que y
0
´ e uma soluc¸ ˜ ao singular.
c) Se nem f e nem g forem constantes temos uma equac¸ ˜ ao de vari´ avel separ´ avel. Para resolver-
mos consideraremos dois casos:
Caso 1: g(y) = 0;
20
Se para todo y temos g(y) = 0. Podemos escrever a equac¸ ˜ ao (3.2.4) da forma
1
g(y)
dy
dx
= f (x).
Ao calcularmos a integral
_
dy
g(y)
=
_
f (x)dx +c .
obtemos a soluc¸ ˜ ao.
Caso 2: g(y) = 0.
Se existe y
0
tal que g(y
0
) = 0. Temos que y
0
= c, onde c ´ e constante, ´ e soluc¸ ˜ ao. De
fato,
d
dx
(y
0
) = 0 = f (x) · 0 = f (x) · g(y
0
).
Observac¸ ˜ ao 3.1 Uma equac¸ ˜ ao diferencial de primeira ordem da forma
dy
dx
= f (x)g(y)
,
´ e chamada de separ´ avel ou de vari´ aveis separ´ aveis.
a) Se g(y) = a, onde a ´ e constante, temos uma EDO separ´ avel que ´ e, em particular, uma
quadratura.
b) Se f (x) = b temos uma situac¸ ˜ ao an´ aloga ao item anterior;
c) Se nem f e nem g forem constantes temos uma equac¸ ˜ ao de vari´ avel separ´ avel.
Observac¸ ˜ ao 3.2 1. Como este m´ etodo depende de escrevermos (3.2.1) ou (3.2.2) na forma
(3.2.3), onde as vari´ aveis est˜ ao “separadas” em dois termos, ele ´ e chamado de M´ etodo
de Separac¸ ˜ ao de Vari´ aveis, e as vari´ aveis s˜ ao ditas separ´ aveis.
2. N˜ ao se deve memoriar a f´ ormula obtida no final. O que fizemos aqui foi mostrar o cami-
nho que deve ser seguido para resolver uma “equac¸ ˜ ao separ´ avel”.
3. N˜ ao h´ a necessidade de usar duas constantes na integrac¸ ˜ ao de uma equac¸ ˜ ao separ´ avel,
pois
_
N(y)dy +c
1
=
_
−M(x)dx +c
2
_
N(y)dy =
_
−M(x)dx +c
2
−c
1
_
N(y)dy =
_
−M(x)dx +c
21
Apresentaremos agora alguns exemplos para melhor entendimento.
Exemplo 3.4 Considere a EDO
dy
dx
= x(y −1).
Vamos encontrar sua soluc¸ ˜ ao.
Exemplo 3.5 (Equac¸ ˜ ao Separ´ avel) Encontre a soluc¸ ˜ ao
1. Da equac¸ ˜ ao diferencial xy
4
dx +(y
2
+2)e
−3x
dy = 0 .
2. Do PVI
_
_
_
dy
dx
=
−x
y
y(4) = 3
.
Exerc´ıcio 3.2 1. Encontre a soluc¸ ˜ ao geral da
dy
dx
=
x
2
+1
2−y
(3.2.7)
2. Determine a soluc¸ ˜ ao particular para a qual y(−3) = 4.
Exerc´ıcio 3.3 Resolva a x
dy
dx
−y = 2x
2
y
Exerc´ıcio 3.4 Resolva a xe
−y
sinxdx −ydy = 0
Nem sempre, no entanto, essa situac¸ ˜ ao privilegiada ocorre, isto ´ e, nem sempre podemos
separar as vari´ aveis. Por exemplo, n˜ ao existe nenhuma maneira atrav´ es da qual a equac¸ ˜ ao
dy
dx
=
x −3y
2y −5x
pode ser escrita na forma (3.2.3). Nestes casos, somos obrigados a usar outros m´ etodos. A
procura de tais m´ etodos ´ e nosso objetivo neste cap´ıtulo.
`
As vezes, o fato de uma equac¸ ˜ ao ser
“separ´ avel” n˜ ao ´ e t˜ ao ´ obvio.
Dois pontos devem ser mencionados neste instante. Primeiro, a menos que seja importante
ou conveniente, n˜ ao h´ a necessidade de tentar resolver y como func¸ ˜ ao de x em uma express˜ ao
que representa uma fam´ılia de soluc¸ ˜ oes. Segundo, deve-se estar atento ` a separac¸ ˜ ao de vari´ avel
para ter certeza de que os divisores n˜ ao s˜ ao nulos. Uma soluc¸ ˜ ao constante pode facilmente ser
esquecida no embaralhamento do processo de resoluc¸ ˜ ao para o problema.
22
Exemplo 3.6 Resolva o problema de valor inicial (PVI)
_
_
_
dy
dx
= y
2
−4
y(0) = −2
Exemplo 3.7 Resolva o problema de valor inicial (PVI)
_
_
_
dy
dx
= xy
1/2
y(0) = 0
Exerc´ıcio 3.5 Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada por separac¸ ˜ ao de vari´ avel.
1.
dy
dx
= sin5x.
2. dx +e
3x
dy = 0 .
3. (x +1)
dy
dx
= x +6 .
4. x
dy
dx
= 4y .
5.
dy
dx
=
y
3
x
2
6.
dx
dy
=
x
2
y
2
1+x
.
7.
dy
dx
= e
3x+2y
.
8. 2y(x +1)dy = xdx.
9. ylnx
dx
dy
=
_
y +1
x
_
2
.
10.
dS
dr
= kS.
11.
dP
dt
= P−P
2
.
12. sec
2
xdy +cscydx = 0 .
13. e
y
sin2xdx +cosx(e
2y
−y)dy = 0 .
Exerc´ıcio 3.6 Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada sujeita ` a condic¸ ˜ ao inicial indicada.
1.
_
(e
−y
+1)sinxdx = (1+cosx)dy
y(0) = 0
23
2.
_
ydy = 4x(y
2
+1)
1/2
dx
y(0) = 1
3.
_
¸
_
¸
_
dx
dy
= 4(x
2
+1)
x
_
π
4
_
= 1
4.
_
x
2
y

= y −xy
y(−1) = −1
Exerc´ıcio 3.7 Encontre uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao diferencial
dy
dx
−y
2
=−9 que passe pelos
pontos indicados.
1. (0, 0)
2. (0, 3)
3.
_
1
3
, 1
_
Mudanc¸a de Vari ´ aveis
Como uma equac¸ ˜ ao diferencial cujas vari´ aveis s˜ ao separ´ aveis ´ e f´ acil de resolver, surge ent˜ ao
a seguinte pergunta:
“Existem outros tipos de equac¸ ˜ oes diferenciais cujas vari´ aveis n˜ ao s˜ ao separ´ aveis mas que
podem ser transformadas em equac¸ ˜ oes cujas vari´ aveis s˜ ao separ´ aveis?”
A resposta, a esta pergunta ´ e “sim”. De fato, uma das maneiras mais importantes de resolver
uma equac¸ ˜ ao diferencial dada ´ e fazer uma mudanc¸a de vari ´ avel conveniente, que reduza a
equac¸ ˜ ao num tipo que possamos resolver.
´
E uma situac¸ ˜ ao semelhante a que usamos em c´ alculo
I para resolver integrais por meio de uma mudanc¸a de vari´ aveis. Em alguns casos a mudanc¸a de
vari´ aveis a ser usada ´ e sugerida pela forma da equac¸ ˜ ao. Em outros casos a transformac¸ ˜ ao n˜ ao ´ e
t˜ ao ´ obvia.
3.3 EQUAC¸
˜
OES HOMOG
ˆ
ENEAS
Antes de considerar o conceito de equac¸ ˜ ao diferencial homogˆ enea de primeira ordem e
seu m´ etodo de soluc¸ ˜ ao, precisamos primeiro examinar a natureza de uma func¸ ˜ ao homogˆ enea.
Comec¸amos com a definic¸ ˜ ao deste conceito.
24
Definic¸ ˜ ao 3.3 (Func¸ ˜ ao Homogˆ enea) Se uma func¸ ˜ ao f satisfaz
f (tx, ty) =t
n
f (x, y) (3.3.8)
para algum n´ umero real n, ent˜ ao dizemos que f ´ e uma func¸ ˜ ao homogˆ enea de grau n.
Vamos apresentar um exemplo.
Exemplo 3.8 Dadas as func¸ ˜ oes abaixo vamos determinar se elas s˜ ao homogˆ eneas e especificar
o grau de homogeneidade, quando for o caso.
1. f (x, y) = x
2
−3xy +5y
2
2. f (x, y) =
3
_
x
2
+y
2
3. f (x, y) = x
3
+y
3
+1
4. f (x, y) =
x
2y
+4
Seja f (x, y) uma func¸ ˜ ao homogˆ enea de grau n, ou seja,
f (tx, ty) = t
n
f (x, y) ,
podemos escrever
f (x, y) =
_
1
t
_
n
f (tx, ty) . (3.3.9)
Fazendo tx = 1 temos x =
1
t
e t =
1
x
. De (3.3.9), obtemos:
f (x, y) = x
n
f
_
1,
y
x
_
. (3.3.10)
Fazendo ty = 1 temos y =
1
t
e t =
1
y
. Substituindo em (3.3.9), obtemos:
f (x, y) = y
n
f
_
x
y
, 1
_
. (3.3.11)
´
E importante observar que f
_
1,
y
x
_
e f
_
x
y
, 1
_
s˜ ao ambas homogˆ eneas de grau zero.
Uma equac¸ ˜ ao diferencial homogˆ enea de primeira ordem ´ e definida em termos das func¸ ˜ oes
homogˆ eneas.
25
Definic¸ ˜ ao 3.4 (Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea) Uma equac¸ ˜ ao diferencial da forma
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0
´ e chamada de homogˆ enea se ambos os coeficientes M e N s˜ ao func¸ ˜ oes homogˆ eneas do mesmo
grau.
Em outras palavras,
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0
´ e homogˆ enea se
M(tx, ty) =t
n
M(x, y) e N(tx, ty) =t
n
N(x, y)
ou ainda,
M(x, y) = x
n
M
_
1,
y
x
_
e M(x, y) = y
n
M
_
x
y
, 1
_
e
N(x, y) = x
n
N
_
1,
y
x
_
e N(x, y) = y
n
N
_
x
y
, 1
_
3.3.1 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe A
Uma equac¸ ˜ ao diferencial homogˆ enea pode sempre ser expressa na forma alternativa
dy
dx
= f
_
y
x
_
ou
dy
dx
= g
_
x
y
_
.
Para ver isso, consideramos a equac¸ ˜ ao homogˆ enea M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0 e escrevemos na
forma,
dy
dx
= f (x, y), onde
f (x, y) =−
M(x, y)
N(x, y)
.
Sabendo que M e N s˜ ao homogˆ eneas de grau n, observamos que f (x, y) deve ser necessari-
amente homogˆ enea de grau zero e
f (x, y) =−
x
n
M(1,
y
x
)
x
n
N(1,
y
x
)
=−
M(1,
y
x
)
N(1,
y
x
)
.
26
A ´ ultima raz˜ ao ´ e uma func¸ ˜ ao da forma f
_
y
x
_
. Analogamente,
f (x, y) =−
y
n
M(
x
y
, 1)
y
n
N(
x
y
, 1)
=−
M(
x
y
, 1)
N(
x
y
, 1)
.
A ´ ultima raz˜ ao ´ e uma func¸ ˜ ao da forma g
_
x
y
_
.
Definic¸ ˜ ao 3.5 (Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe A) A forma geral de uma equac¸ ˜ ao homogˆ enea
de classe A ´ e dada por
dy
dx
= f
_
y
x
_
(3.3.12)
ou
dy
dx
= g
_
x
y
_
(3.3.13)
onde f
_
y
x
_
e g
_
x
y
_
s˜ ao func¸ ˜ oes arbitr´ arias.
M´ etodo de soluc¸ ˜ ao: O m´ etodo consiste em transformar a EDO homogˆ enea de Classe A,
em uma equac¸ ˜ ao de vari´ aveis separ´ aveis com a substituic¸ ˜ ao
y(x)
x
= u(x)
, ou de uma forma
mais simples
y
x
= u , onde u = u(x) ´ e uma nova func¸ ˜ ao inc´ ognita.
Dada a equac¸ ˜ ao homogˆ enea M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0, podemos escrevˆ e-la na forma
dy
dx
= f
_
y
x
_
.
Fazendo
y
x
= u, temos
y = ux

dy
dx
= u+x
du
dx
podemos ent˜ ao separar as vari´ aveis
u+x
du
dx
= f (u)
ou ainda,
x
du
dx
= f (u) −u.
(3.3.14)
onde temos dois casos, a considerar:
Caso 1: f (u) −u = 0;
27
Se f (u) −u = 0 podemos escrever (3.3.14) da seguinte forma
1
f (u) −u
du =
dx
x
, .
Integrando, ambos os membros, obtemos
_
1
f (u) −u
du =
_
dx
x
ou ainda,
_
du
f (u) −u
= lnx +c
⇒ lnx −lnc =
_
1
f (u) −u
du
⇒ ln
x
c
=
_
1
f (u) −u
du

x
c
= e
_
1
f (u)−u
du
isolando x,
x = ce
_
1
f (u)−u
du
.
Fazendo
φ(u) =
_
1
f (u) −u
du
obtemos
x = ce
φ(u)
.
Como
y
x
= u
⇒ y = ux
⇒ y = cue
φ(u)
Portanto, obtemos
_
x = ce
φ(u)
y = cue
φ(u)
(3.3.15)
que s˜ ao as curvas de equac¸ ˜ oes param´ etricas que s˜ ao as soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao diferencial
homogˆ enea de Classe A para cada c ∈ IR.
Caso 2: f (u) −u = 0.
Suponhamos que existe algum u
0
tal que f (u
0
) = u
0
. Neste caso, ´ e imediato comprovar
que a reta y = u
0
x ´ e soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao diferencial (3.3.12), pois:
dy
dx
= u
0
.1 = u
0
= f (u
0
) = f
_
y
x
_
.
A reta y = u
0
x ´ e a soluc¸ ˜ ao singular da equac¸ ˜ ao (3.3.12).
28
Apresentaremos agora um exemplo de EDO homogˆ enea de Classe A.
Exemplo 3.9 Resolva a equac¸ ˜ ao homogˆ enea de classe A
dy
dx
=
2xy −y
2
x
2
.
3.3.2 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe B
Definic¸ ˜ ao 3.6 (Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe B) A forma geral de uma equac¸ ˜ ao homogˆ enea
de classe B ´ e dada por
F
_
dy
dx
,
y
x
_
= 0.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao:
Para resolvermos esta equac¸ ˜ ao vamos considerar a curva F(α, β) =0. Suponhamos, tamb´ em,
que temos uma representac¸ ˜ ao param´ etrica da curva dada por α = ψ(t) e β = ϕ(t), isto ´ e, que
satisfaz
F(ψ(t), ϕ(t)) = 0
Fac¸amos agora,
y
x
= ϕ(t)
e levamos em considerac¸ ˜ ao que
dy
dx
= ψ(t).
Se derivarmos y = xϕ(t) em relac¸ ˜ ao a x, obtemos
dy
dx
= ϕ(t) +xϕ

(t)
dt
dx
.
Como
dy
dx
= ψ(t), temos
ψ(t) = ϕ(t) +xϕ

(t)
dt
dx
⇒ ψ(t) −ϕ(t) = xϕ

(t)
dt
dx
que ´ e uma EDO de vari´ aveis separ´ aveis.
Devemos considerar os seguintes casos:
29
Caso 1: ψ(t) −ϕ(t) = 0;
Se ψ(t) −ϕ(t) = 0 temos
dx
x
=
ϕ

(t)
ψ(t) −ϕ(t)
dt
_
dx
x
=
_
ϕ

(t)
ψ(t) −ϕ(t)
dt +c
lnx =
_
ϕ

(t)
ψ(t) −ϕ(t)
dt +c
x = e
_
ϕ

(t)
ψ(t)−ϕ(t)
dt+c
x = e
_
ϕ

(t)
ψ(t)−ϕ(t)
dt
· e
c
x = ce
_
ϕ

(t)
ψ(t)−ϕ(t)
dt
x = ce
φ(t)
onde φ(t) =
_
ϕ

(t)
ψ(t) −ϕ(t)
. Como y = xϕ(t), temos y = cϕ(t)e
φ(t)
.
Portanto, obtemos a soluc¸ ˜ ao
_
x = ce
φ(t)
y = cϕ(t)e
φ(t)
na forma param´ etrica, onde c ∈ IR.
Caso 2: ψ(t) −ϕ(t) = 0;
Se ψ(t) −ϕ(t) = 0 ent˜ ao existe algum t
0
tal que ψ(t
0
) = ϕ(t
0
). Temos que y = xϕ(t
0
) ´ e
soluc¸ ˜ ao da EDO. De fato,
F
_
dy
dx
,
y
x
_
= F
_
d
dx
(xϕ(t
0
)),
xϕ(t
0
)
x
_
= F
_
d
dx
(xϕ(t
0
)),
xϕ(t
0
)
x
_
= F (ϕ(t
0
), ϕ(t
0
))
= F (ϕ(t
0
), ψ(t
0
))
= 0.
Conclu´ımos que a reta y = xϕ(t
0
) ´ e soluc¸ ˜ ao da EDO.
3.3.3 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe C.
Definiremos a seguir uma Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe C.
30
Definic¸ ˜ ao 3.7 (Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe C) A forma geral de uma equac¸ ˜ ao homogˆ enea
de classe C ´ e dada por
dy
dx
= f
_
ax +by +c
rx +sy +t
_
onde f ´ e uma func¸ ˜ ao arbitr´ aria e a, b, c, r, s e t s˜ ao constantes.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao:
Consideremos a equac¸ ˜ ao da forma
dy
dx
= f
_
ax +by +c
rx +sy +t
_
onde a, b, c, r, s e t s˜ ao constantes. Para esse tipo de equac¸ ˜ ao temos dois casos a considerar:
Caso 1: O
¸
¸
¸
¸
¸
a b
r s
¸
¸
¸
¸
¸
´ e diferente de zero.
Suponhamos em primeiro lugar que o
¸
¸
¸
¸
¸
a b
r s
¸
¸
¸
¸
¸
= 0, ou seja, que as retas ax+by+c = 0 e
rx+sy+t = 0 se interceptam em um ponto (α; β), ou ainda, ao considerarmos o sistema
_
ax +by +c = 0
rx +sy +t = 0
(3.3.16)
temos como soluc¸ ˜ ao x = α e y = β.
Fazendo
_
x = u+α
y = v +β
(3.3.17)
e substituindo no sistema (3.3.16), temos
dv
du
= f
_
a(u+α) +b(v +β) +c
r(u+α) +s(v +β) +t
_
que pode ser escrita como
dv
du
= f
_
au+bv +aα +bβ +c
ru+sv +rα +sβ +t
_
.
Como (α, β) ´ e soluc¸ ˜ ao do sistema, temos
dv
du
= f
_
au+bv
ru+sv
_
.
31
Obtemos assim uma equac¸ ˜ ao homogˆ enea de classe A,
dv
du
= f
_
a+b
_
v
u
_
r +s
_
v
u
_
_
,
para resolvermos essa equac¸ ˜ ao basta observamos (3.3.13). Observamos que, geometri-
camente, equivale a uma translac¸ ˜ ao dos eixos coordenados para o ponto (α, β) que ´ e a
intersec¸ ˜ ao das retas componentes do sistema, o que ´ e verdadeiro, uma vez que o determi-
nante considerado e diferente de zero.
Caso 2: O
¸
¸
¸
¸
¸
a b
r s
¸
¸
¸
¸
¸
´ e igual a zero.
Suponhamos agora, que o
¸
¸
¸
¸
¸
a b
r s
¸
¸
¸
¸
¸
=0, ou seja, que as retas ax+by+c =0 e rx+sy+t =
0 sejam paralelas distintas, ou seja, a soluc¸ ˜ ao do sistema ´ e vazia. Isto implica que o
m´ etodo aplicado no primeiro caso n˜ ao faz sentido.
Como
¸
¸
¸
¸
¸
a b
r s
¸
¸
¸
¸
¸
= 0 , os coeficentes de x e y s˜ ao proporcionais, de modo que se podemos
escrever as = rb, ou ainda,
s
b
=
r
a
. (3.3.18)
Chamando a relac¸ ˜ ao de m, temos:
s
b
=
r
a
= m =
c
t
(3.3.19)
logo
s
b
= m ⇒s = bm
e
r
a
= m ⇒r = am.
Como
dy
dx
= f
_
ax +by +c
rx +sy +t
_
e substituindo as relac¸ ˜ oes anteriores nesse sistema, obtemos
dy
dx
= f
_
ax +by +c
m(ax +by) +t
_
(3.3.20)
Fazendo ax +by = z, e sendo z = g(x), temos
y =
1
b
(z −ax). (3.3.21)
32
Derivando (3.3.21) em relac¸ ˜ ao a x, obtemos
dy
dx
=
1
b
_
dz
dx
−a
_
(3.3.22)
Substituindo as equac¸ ˜ oes (3.3.21) e (3.3.22) na equac¸ ˜ ao (3.3.20), temos:
1
b
_
dz
dx
−a
_
= f
_
z +c
mz +t
_
o que implica em
dz
dx
= a+bf
_
z +c
mz +t
_
que ´ e uma EDO de vari´ aveis separ´ aveis. Para resolvermos esta equac¸ ˜ ao basta observar
(3.2.4).
Apresentamos a seguir um exemplo de uma EDO homogˆ enea de classe C.
Exemplo 3.10 Resolva as equac¸ ˜ oes diferenciais homogˆ eneas de classe C.
1.
dy
dx
=
2x −3y −1
3x +y −2
;
2.
dy
dx
=
x −y −1
x −y −2
.
Exerc´ıcio 3.8 Resolva as equac¸ ˜ oes diferenciais homogˆ eneas de classe C.
1.
dy
dx
=
2x −3y
3x −y −1
;
2.
dy
dx
=
x +2y −4
2x +1y −5
.
3.
dy
dx
=
2x −y +1
6x −3y −1
;
4.
dy
dx
=
−2x −3y +1
2x +3y +2
.
3.3.4 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe D
Definic¸ ˜ ao 3.8 (Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe D) A forma geral de uma equac¸ ˜ ao homogˆ enea
de classe D ´ e dada por
dy
dx
=
y
x
+g(x) f
_
y
x
_
(3.3.23)
onde f e g s˜ ao func¸ ˜ oes arbitr´ arias.
33
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Fazendo
y
x
= u (3.3.24)
temos
y = u· x

dy
dx
= u
dx
dx
+x
du
dx
.
Da´ı
dy
dx
= u+x
du
dx
(3.3.25)
que ´ e uma equac¸ ˜ ao de vari´ aveis separ´ aveis.
Substituindo (3.3.24) e (3.3.25) em (3.3.23), temos
x
du
dx
= g(x) f (u). (3.3.26)
Temos dois casos, a considerar:
Caso 1: f (u) = 0
Se f (u) = 0 podemos escrever (3.3.26) da forma
1
f (u)
du =
1
x
g(x)dx
e, integrando,
_
1
f (u)
du =
_
1
x
g(x)dx +c
obtemos a soluc¸ ˜ ao geral da equac¸ ˜ ao diferencial.
Caso 2: f (u) = 0
Suponhamos que existe algum u
0
tal que f (u
0
) = 0. Neste caso, ´ e imediato comprovar
que a reta, y = u
0
x, ´ e soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao diferencial (3.3.23), pois
y
x
+g(x) f
_
y
x
_
=
u
0
x
x
+g(x) f (u
0
) = u
0
+g(x) · 0 = u
0
=
dy
dx
.
Temos que y = u
0
x ´ e chamada de soluc¸ ˜ ao soluc¸ ˜ ao singular da EDO.
Exemplo 3.11 Vamos aplicar o m´ etodo de soluc¸ ˜ ao para resolver a equac¸ ˜ ao diferencial ho-
mogˆ enea de classe D
x
dy
dx
−y =
2x
3
y
e
y
x
.
34
3.3.5 Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas de Classe G
Seja a equac¸ ˜ ao
dy
dx
= f (x, y), (3.3.27)
onde f satisfaz a condic¸ ˜ ao
f (λx, λ
α
y) = λ
α−1
f (x, y)
para algum α, ou ainda,
f (x, y) =
1
λ
α−1
f (λx, λ
α
y).
Note em primeiro lugar que, quando α = 0 e λ = x
−1
, temos:
dy
dx
= f (x, y) =
1
(x
−1
)
0−1
f
_
x
−1
x, (x
−1
)
0
y
_
= x
−1
f (1, y)
ent˜ ao
x
dy
dx
= f (1, y)
que ´ e uma EDO Separ´ avel, veja equac¸ ˜ ao (3.2.4).
Se α = 1 e λ = x
−1
, temos:
dy
dx
= f (x, y) =
1
(x
−1
)
1−1
f
_
x
−1
x, (x
−1
)
1
y
_
=
1
(x
−1
)
0
f
_
1,
y
x
_
= f
_
1,
y
x
_
ou seja,
dy
dx
= f
_
1,
y
x
_
que ´ e uma Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe A, veja definic¸ ˜ ao (3.5).
Em outros casos, fazendo
y = (ux)
α
(3.3.28)
temos
dy
dx
= α(ux)
α−1
_
u+x
du
dx
_
(3.3.29)
Substituindo (3.3.28) e (3.3.29) em (3.3.27), temos:
α(ux)
α−1
_
u+x
du
dx
_
= f (x, (ux)
α
)
da´ı,
u+x
du
dx
=
1
α
_
1
ux
_
α−1
f (x, (ux)
α
)
35
ou ainda,
u+x
du
dx
=
1
α
f
_
1
ux
x,
_
1
ux
_
α
(ux)
α
_
logo
u+x
du
dx
=
1
α
f
_
1
u
, 1
_
que ´ e uma EDO Separ´ avel, veja equac¸ ˜ ao (3.2.4).
Temos
dy
dx
= f (x, y) = f
_
x, x
α
y
x
α
_
= x
α−1
f
_
1,
y
x
α
_
= x
α−1
h
_
y
x
α
_
onde λ = x e x = 1.
Observac¸ ˜ ao 3.3 Se a equac¸ ˜ ao
dy
dx
= f (x, y) ´ e tal que para algum α = 0, f satisfaz
f (λx, λ
α
y) = λ
α−1
f (x, y)
ent˜ ao a mudanc¸a y = (ux)
α
transforma a equac¸ ˜ ao em uma EDO Separ´ avel. Se α =1 e λ =x
−1
a equac¸ ˜ ao ´ e Homogˆ enea de Classe A. Tamb´ em, se f satisfaz a relac¸ ˜ ao para α = 0 e λ = x
−1
,
a EDO ´ e separ´ avel.
Definic¸ ˜ ao 3.9 (Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea de Classe G) A forma geral de uma equac¸ ˜ ao homogˆ enea
de classe G ´ e dada por
dy
dx
=
y
x
F
_
y
x
α
_
(3.3.30)
onde F ´ e uma func¸ ˜ ao arbitr´ aria.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Considerando
y = (ux)
α
(3.3.31)
temos
dy
dx
= α(ux)
α−1
_
u+x
du
dx
_
. (3.3.32)
Substituindo (3.3.31) e (3.3.32) em (3.3.30), temos
α(ux)
α−1
_
u+x
du
dx
_
=
(ux)
α
x
F
_
(ux)
α
x
α
_
,
que acarreta em,
u+x
du
dx
=
1
α
(ux)
−α+1
(ux)
α
x
F(u
α
),
ou ainda,
u+x
du
dx
=
u
α
F(u
α
).
36
o que acarreta, em
x
du
dx
=−u+
u
α
F(u
α
),
que ´ e uma EDO Separ´ avel.
Vamos resolver um exemplo de uma EDO Homogˆ enea de Classe G.
Exemplo 3.12 Neste exemplo resolveremos a EDO Homogˆ enea de Classe G
dy
dx
=
y
2x

3

x
y
2
3.4 EQUAC¸
˜
OES EXATAS
Embora a EDO seja
ydx +xdy = 0
seja Separ´ avel e Homogˆ enea, podemos ver que ela ´ e tamb´ em equivalente ` a diferencial do pro-
duto de x e y, isto ´ e
d(xy) = ydx +xdy = 0.
Por integrac¸ ˜ ao, obtemos imediatamente a soluc¸ ˜ ao xy = c.
Vocˆ e deve se lembrar do c´ alculo que, se z = f (x, y) ´ e uma func¸ ˜ ao com derivadas parciais
cont´ınuas em uma regi˜ ao R do plano xy, ent˜ ao sua diferencial total ´ e
dz =
∂ f
∂x
dx +
∂ f
∂y
dy.
Agora, se f (x, y) = c, segue-se que
∂ f
∂x
dx +
∂ f
∂y
dy = 0
Em outras palavras, dada uma fam´ılia de curvas f (x, y) = c, podemos gerar uma equac¸ ˜ ao
diferencial de primeira ordem, calculando a diferencial total.
Exemplo 3.13 Dada f (x, y) = x
2
−5xy +y
3
= c encontraremos
dy
dx
. Para isso, basta calcular
a diferencial total.
Para nossos prop´ ositos, ´ e mais importante inverter o problema, isto ´ e, dada uma equac¸ ˜ ao
como
dy
dx
=
5y −2x
−5x +3y
2
, (3.4.33)
37
queremos encontrar uma func¸ ˜ ao, neste caso f (x, y) = x
2
−5xy +y
3
, onde
d(x
2
−5xy +y
3
) = 0.
Observac¸ ˜ ao 3.4 Note que a equac¸ ˜ ao (3.4.33) n˜ ao ´ e separ´ avel nem homogˆ enea.
Definic¸ ˜ ao 3.10 (Equac¸ ˜ ao Exata) Uma express˜ ao diferencial
M(x, y)dx +N(x, y)dy
´ e uma diferencial exata em uma regi˜ ao R do plano xy se ela corresponde ` a diferencial total de
algum func¸ ˜ ao f (x, y). Uma equac¸ ˜ ao diferencial da forma
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0
´ e chamada de uma equac¸ ˜ ao exata se a express˜ ao do lado esquerdo ´ e uma diferencial exata.
Exemplo 3.14 Dada a func¸ ˜ ao f (x, y) = x
3
y
3
, observe que, a equac¸ ˜ ao x
2
y
3
dx +x
3
y
2
dy = 0 ´ e
exata.
O teorema a seguir ´ e um teste para uma diferencial exata.
Teorema 3.1 (Crit´ erio para uma Diferencial Exa ta) SejamM(x, y) e N(x, y) func¸ ˜ oes cont´ınuas
com derivadas parciais cont´ınuas emuma regi˜ ao retangular R definida por a <x <b, c <y <d.
Ent˜ ao, uma condic¸ ˜ ao necess´ aria e suficiente para que
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0
seja uma diferencial exata ´ e
∂M
∂y
=
∂N
∂x
Prova de que a Condic¸ ˜ ao ´ e necess´ aria: Para simplificar, suponha que M(x, y) e N(x, y) tenham
derivadas parciais de primeira ordem cont´ınuas em todo plano (x, y). Agora, se a express˜ ao
M(x, y)dx +N(x, y)dy ´ e exata, existe algum func¸ ˜ ao f tal que
M(x, y)dx +N(x, y)dy =
∂ f
∂x
dx +
∂ f
∂y
dy
para todo (x, y) em R. Logo,
M(x, y) =
∂ f
∂x
, N(x, y) =
∂ f
∂y
,
38
e
∂M
∂y
=

∂y
_
∂ f
∂x
_
=

2
f
∂y∂x
=

∂x
_
∂ f
∂y
_
=
∂N
∂x
.
A igualdade das derivadas parciais mistas ´ e uma consequˆ encia da continuidade das derivadas
parciais de primeira ordem de M(x, y) e N(x, y).
A prova de que a condic¸ ˜ ao do teorema (3.1) ´ e suficiente consiste em mostrar que existe uma
func¸ ˜ ao f tal que
∂ f
∂x
= M(x, y) e
∂ f
∂y
= N(x, y). A construc¸ ˜ ao de tal func¸ ˜ ao na verdade reflete
um procedimento b´ asica na resoluc¸ ˜ ao para equac¸ ˜ oes exatas.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Dada a equac¸ ˜ ao
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0
mostre primeiro que
∂M
∂y
=
∂N
∂x
.
Depois suponha que
∂ f
∂x
= M(x, y),
da´ı podemos encontrar f integrando M(x, y) com relac¸ ˜ ao a x, considerando y constante. Es-
crevemos,
f (x, y) =
_
M(x, y)dx +g(y), (3.4.34)
em que a func¸ ˜ ao arbitr´ aria g(y) ´ e a constante de integrac¸ ˜ ao. Agora, derivando (3.4.34) com
relac¸ ˜ ao a y e supondo
∂ f
∂y
= N(x, y):
∂ f
∂y
=

∂y
_
M(x, y)dx +g

(y) = N(x, y).
Assim
g

(y) = N(x, y) −

∂y
_
M(x, y)dx (3.4.35)
Finalmente, integre (3.4.35) com relac¸ ˜ ao a y e substitua o resultado em (3.4.34). A soluc¸ ˜ ao
para a equac¸ ˜ ao ´ e f (x, y) = c.
Exemplo 3.15 Resolva a EDO
(1−2x
2
−2y)
dy
dx
= 4x
3
+4xy.
Algumas vezes, ´ e poss´ıvel convertermos uma equac¸ ˜ ao diferencial n˜ ao exata emuma equac¸ ˜ ao
39
exata multiplicando-a por uma func¸ ˜ ao µ(x, y) chamada “fator de integrac¸ ˜ ao”.
Definic¸ ˜ ao 3.11 (Fator de Integrac¸ ˜ ao) Se
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0
´ e multiplicada por µ(x, y) para obter
µ(x, y)M(x, y)dx +µ(x, y)N(x, y)dy = 0
cujo membro esquerdo ´ e uma diferencial exata, dizemos que obtivemos uma equac¸ ˜ ao diferencial
exata. A func¸ ˜ ao de multiplicac¸ ˜ ao µ ´ e chamada fator de integrac¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao diferencial
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0.
Dada a equac¸ ˜ ao n˜ ao exata
M(x, y)dx +N(x, y)dy = 0 (3.4.36)
queremos determinar um fator de integrac¸ ˜ ao µ, onde supomos que µ depende apenas de uma
vari´ avel. Temos dois casos, a considerar:
1. µ = µ(x)
Como µ ´ e um fator de integrac¸ ˜ ao para (3.4.36), ao multiplicarmos por µ, obtemos uma
equac¸ ˜ ao exata da forma
µ(x)M(x, y)dx +µ(x)N(x, y)dy = 0
assim
∂(µM)
∂y
=
∂(µN)
∂x
,
da´ı
µM
y
= µ
x
N+µN
x
⇒ µM
y
−µN
x
= µ
x
N
⇒ (M
y
−N
x
)µ = µ
x
N

µ
x
µ
=
M
y
−N
x
N
, N = 0.

_
µ
x
µ
=
_
M
y
−N
x
N
⇒ lnµ =
_
M
y
−N
x
N
.
Obtemos o fator de integrac¸ ˜ ao µ, que ´ e dado por
µ(x) = e
_
M
y
−N
x
N
dx
, N = 0.
(3.4.37)
40
2. µ = µ(y)
Raciocinando de forma an´ aloga ao item anterior obtemos,
µ(y) = e
_
N
x
−M
y
M
dx
, M = 0.
Para melhor entendimento, apresentaremos os exemplos a seguir.
Exemplo 3.16 Dada a EDO
(x +y)dx +xlnxdy = 0,
encontraremos a sua soluc¸ ˜ ao.
Exemplo 3.17 Resolva x
2
y
3
dx +x
3
y
2
dy = 0.
Exerc´ıcio 3.9 Resolva (5y −2x)dx +(5x −3y
2
)dy = 0.
Exerc´ıcio 3.10 1. Resolva 2xydx +(x
2
−1)dy = 0.
2. Resolva o problema de valor inicial (PVI).
_
(cosxsinx −xy
2
)dx +y(1−x
2
)dy = 0
y(0) = 2
3. Resolva (e
2y
−ycosxy)dx +(2xe
2y
−xcosxy +2y)dy = 0.
Exerc´ıcio 3.11 Calcule o fator integrante( µ(x) e µ(y))
1. e
y
(x
2
+1)dx −2dy = 0;
2. (x +2y)dx −xdy = 0;
3. (

x +y −3)dx −xdy = 0.
3.5 EQUAC¸
˜
OES LINEARES
No cap´ıtulo (1) sec¸ ˜ ao (1.1.3), definimos a forma geral para uma equac¸ ˜ ao diferencial de
ordem n, como
a
n
d
n
y
dx
n
+a
n−1
(x)
d
n−1
y
dx
n−1
+· · · +a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x)
41
Lembre-se de que linearidade significa que todos os coeficientes s˜ ao func¸ ˜ oes de x somente e
que y e todas as suas derivadas s˜ ao elevadas ` a primeira potˆ encia. Agora, quando n =1, obtemos
uma “EDO linear de Primeira Ordem”,
a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x).
Dividindo pelo coeficiente a
1
(x), temos
dy
dx
+P(x)y = f (x) (3.5.38)
onde P(x) =
a
0
(x)
a
1
(x)
e f (x) =
g(x)
a
1
(x)
.
Definic¸ ˜ ao 3.12 (Equac¸ ˜ ao Linear) Uma equac¸ ˜ ao diferencial da forma
dy
dx
+P(x)y = f (x) (3.5.39)
´ e chamada de equac¸ ˜ ao linear.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Usando diferenciais, podemos escrevˆ e-la, como
dy +[P(x)y − f (x)]dx = 0. (3.5.40)
Equac¸ ˜ oes lineares possuem a agrad´ avel propriedade atrav´ es da qual podemos sempre en-
contrar uma func¸ ˜ ao µ(x) em que
µ(x)dy +µ(x)[P(x)y − f (x)]dx = 0, (3.5.41)
´ e uma equac¸ ˜ ao diferencial exata. Logo

∂x
(µ(x)) =

∂y
[µ(x)(P(x)y − f (x))] (3.5.42)
ent˜ ao

dx
= µ(x)P(x).
Esta ´ e uma equac¸ ˜ ao separ´ avel em que podemos determinar µ(x). Sendo µ(x) = 0, temos

µ(x)
= P(x)dx. (3.5.43)
Ent˜ ao
lnµ =
_
P(x)dx (3.5.44)
42
assim
µ(x) = e
_
P(x)dx
(3.5.45)
A func¸ ˜ ao µ(x) definida em (3.5.45) ´ e um fator de integrac¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao linear (3.5.39).
Note que n˜ ao precisamos usar uma constante de integrac¸ ˜ ao em (3.5.44), pois (3.5.42) n˜ ao se
altera se multiplicarmos por uma constante. Observe que µ(x) = 0 para todo x em I.
Multiplicando a equac¸ ˜ ao (3.5.39) por (3.5.45), obtemos
e
_
P(x)dx
_
dy
dx
+P(x)y
_
= e
_
P(x)dx
f (x), (3.5.46)
da´ı
d
dx
_
e
_
P(x)dx
y
_
= e
_
P(x)dx
f (x). (3.5.47)
Integrando esta equac¸ ˜ ao, obtemos
y = e

_
P(x)dx
_
e
_
P(x)dx
f (x)dx +ce

_
P(x)dx
. (3.5.48)
Em outras palavras, se (3.5.39) tiver uma soluc¸ ˜ ao, ela dever´ a ser da forma (3.5.48). Reci-
procamente, ´ e imediato que (3.5.48) constitui uma fam´ılia a um parˆ ametro de soluc¸ ˜ oes para a
equac¸ ˜ ao (3.5.39).
Observac¸ ˜ ao 3.5 Uma equac¸ ˜ ao diferencial da forma
dy
dx
+P(x)y = f (x) (3.5.49)
´ e chamada de equac¸ ˜ ao linear.
a) Se P(x) = 0 temos, em particular, uma EDO Quadratura. Veja (3.1.4);
b) Se f (x) = 0 temos, em particular, uma EDO separ´ avel. Veja (3.2.4);
b) Se f e P forem constantes, temos uma EDO Quadratura. Veja (3.1.4);
Exemplo 3.18 Dada a equac¸ ˜ ao diferencial
dy
dx

4
x
y = x
5
e
x
(3.5.50)
vamos obter sua soluc¸ ˜ ao.
43
Soluc¸ ˜ ao Geral - Por hip´ otese P(x) e f (x) s˜ ao cont´ınuas em um intervalo I e x
0
´ e um ponto
desse intervalo. Ent˜ ao, segue-se do Teorema 2.1 que existe uma ´ unica soluc¸ ˜ ao para o problema
de valor inicial
_
_
_
dy
dx
+P(x)y = f (x)
y(x
0
) = y
0
(3.5.51)
Mas vimos antes que (3.5.39) possui uma fam´ılia de soluc¸ ˜ oes e que toda soluc¸ ˜ ao para a
equac¸ ˜ ao no intervalo I tem a forma (3.5.48). Logo, obter a soluc¸ ˜ ao para (3.5.51) ´ e uma simples
quest˜ ao de encontrar um valor apropriado de c em (3.5.48). Consequentemente estamos certos
em chamar (3.5.48) de soluc¸ ˜ ao geral da equac¸ ˜ ao diferencial. Vocˆ e deve se lembrar de que em
v´ arias ocasi ˜ oes encontramos soluc¸ ˜ oes singulares para equac¸ ˜ oes n˜ ao lineares. Isso n˜ ao pode
acontecer no caso de uma equac¸ ˜ ao linear em que P(x) e f (x) s˜ ao cont´ınuas.
Exemplo 3.19 Resolva o problema de valor inicial (P.V.I)
_
_
_
dy
dx
+2xy = x
y(0) = −3
(3.5.52)
Exerc´ıcio 3.12 1. Encontre a soluc¸ ˜ ao geral para
(x
2
+9)
dy
dx
+xy = 0
2. Resolva o problema de valor inicial (P.V.I)
_
_
_
x
dy
dx
+y = 2x
y(1) = 0
(3.5.53)
3. Resolva o problema de valor inicial (P.V.I)
_
_
_
dy
dx
=
1
x +y
2
y(−2) = 0
(3.5.54)
4. Encontre uma soluc¸ ˜ ao cont´ınua satisfazendo
_
_
_
dy
dx
+y = f (x)
y(0) = 0
(3.5.55)
em que f (x) =
_
1 se 0 ≤x ≤1
0 se x > 1
44
3.6 EQUAC¸
˜
AO DE BERNOULLI
Definic¸ ˜ ao 3.13 (Equac¸ ˜ ao de Bernoulli) A equac¸ ˜ ao diferencial
dy
dx
+P(x)y(x) = f (x)y(x)
n
(3.6.56)
em que n ´ e um n´ umero real qualquer, ´ e chamada de equac¸ ˜ ao de Bernoulli. Para n = 0 e n = 1,
a equac¸ ˜ ao (3.6.56) ´ e linear em y.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Se y = 0, a equac¸ ˜ ao (3.6.56) pode ser escrita como
y
−n
dy
dx
+P(x)y
−n
· y = f (x)
.
Ent˜ ao
y
−n
dy
dx
+P(x)y
1−n
= f (x)
. (3.6.57)
Se fizermos w = y
1−n
, com n = 0 e n = 1, temos
dw
dx
= (1−n)y
−n
dy
dx
Com esta substituic¸ ˜ ao, a equac¸ ˜ ao (3.6.57) transforma-se na equac¸ ˜ ao
dw
dx
+(1−n)P(x)w = (1−n) f (x)
, (3.6.58)
que ´ e uma EDO linear. Resolvendo (3.6.58) e depois substituindo y
1−n
= w, obtemos a soluc¸ ˜ ao
de (3.6.56).
Observac¸ ˜ ao 3.6 A equac¸ ˜ ao diferencial
dy
dx
+P(x)y(x) = f (x)y(x)
n
(3.6.59)
em que n ´ e um n´ umero real qualquer, ´ e chamada de equac¸ ˜ ao de Bernoulli (MURPHY, 1960).
a) Se n =0 ou n =1 temos, em particular, uma EDO Linear de Primeira Ordem. Veja (3.5.40);
b) Se P(x) = 0 ou f (x) = 0 temos, em particular, uma EDO separ´ avel. Veja (3.2.4);
b) Se f e P forem constantes, temos uma EDO Quadratura. Veja (3.1.4);
Exemplo 3.20 Vamos aplicar o m´ etodo de soluc¸ ˜ ao para resolver a equac¸ ˜ ao de Bernoulli
dy
dx
+
1
x
y = xy
2
.
(3.6.60)
45
3.7 EQUAC¸
˜
AO DE RICATTI
Definic¸ ˜ ao 3.14 (Equac¸ ˜ ao De Ricatti) A equac¸ ˜ ao diferencial n˜ ao linear
dy
dx
= P(x) +Q(x)y +R(x)y
2
(3.7.61)
´ e chamada de equac¸ ˜ ao de Ricatti.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Se y
1
´ e uma soluc¸ ˜ ao particular para a equac¸ ˜ ao (3.7.61), ent˜ ao as substituic¸ ˜ oes
y = y
1
+u e
dy
dx
=
dy
1
dx
+
du
dx
na equac¸ ˜ ao (3.7.61) produzem a seguinte equac¸ ˜ ao diferencial na vari´ avel u:
du
dx
−(Q+2y
1
R)u = Ru
2
(3.7.62)
Como (3.7.62) ´ e uma equac¸ ˜ ao de Bernoulli com n = 2, ela pode, por sua vez, pode ser
reduzida ` a Equac¸ ˜ ao Linear
dw
dx
+(Q+2y
1
R)w = −R
(3.7.63)
atrav´ es da substituic¸ ˜ ao w = u
−1
. Ao encontrarmos, u na equac¸ ˜ ao (3.7.63), basta substituirmos
na relac¸ ˜ ao
y = y
1
+u
e teremos a soluc¸ ˜ ao da EDO.
Observac¸ ˜ ao 3.7 A equac¸ ˜ ao diferencial n˜ ao linear
dy
dx
= P(x) +Q(x)y +R(x)y
2
(3.7.64)
a) Se P(x) = 0 a equac¸ ˜ ao (3.7.64) passa a ser uma EDO de Bernoulli;
b) Se R(x) = 0 a equac¸ ˜ ao (3.7.64) passa a ser EDO Linear de Primeira Ordem;
c) Se P, Q e R forem constantes, temos uma EDO Quadratura. Veja (3.1.4);
Exemplo 3.21 Dada a EDO
dy
dx
= 2−2xy +y
2
, (3.7.65)
encontre sua soluc¸ ˜ ao.
46
3.8 EQUAC¸
˜
AO DE CLAIRAUT
Definic¸ ˜ ao 3.15 (Equac¸ ˜ ao De Clairaut) Toda equac¸ ˜ ao diferencial de 1
a
ordem da forma
y = x
dy
dx
+g
_
dy
dx
_
(3.8.66)
´ e chamada de Equac¸ ˜ ao de Clairaut onde g ´ e uma func¸ ˜ ao diferenci´ avel.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Para resolver a equac¸ ˜ ao (3.8.66) fazemos a mudanc¸a de vari´ avel
dy
dx
= p. Assim, a equac¸ ˜ ao (3.8.66) passa a ser
y = xp+g(p) . (3.8.67)
Derivando (3.8.67) com relac¸ ˜ ao a x, obtemos
dy
dx
= p+xp

+g

(p).p

p = p+xp

+g

(p).p

(x +g

(p))p

= 0
ent˜ ao
p

= 0 ou x +g

(p) = 0
Caso 1: Soluc¸ ˜ ao geral
Se p

= 0 ent˜ ao p = c. Devido ao fato de
dy
dx
= p temos
dy
dx
= c. Portanto a soluc¸ ˜ ao geral
´ e
y = cx +g(c).
Conclu´ımos que y = cx+g(c) ´ e uma fam´ılia de retas em que c ´ e uma constante arbitr´ aria.
Caso 2: Soluc¸ ˜ ao singular
Se x +g

(p) = 0 podemos obter outra soluc¸ ˜ ao da equac¸ ˜ ao (3.8.67) eliminando p entre as
equac¸ ˜ oes
_
x +g

(p) = 0
y = xp+g(p)
Esta soluc¸ ˜ ao ´ e conhecida como soluc¸ ˜ ao singular da equac¸ ˜ ao de Clairaut a qual conduz
sempre a uma envolt ´ oria da fam´ılia de retas definida pela soluc¸ ˜ ao geral.
Observac¸ ˜ ao 3.8 Envolt´ oria ´ e uma curva que ´ e tangente a todas as curvas da fam´ılia de curvas.
47
Exemplo 3.22 Resolveremos a EDO
y = x
dy
dx
+
1
2
_
dy
dx
_
2
(3.8.68)
como exemplo de uma EDO de Clairaut.
3.9 EQUAC¸
˜
AO DE D’ALEMBERT
Definic¸ ˜ ao 3.16 (Equac¸ ˜ ao de D’Alembert) A forma geral da equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria de
d’Alembert ´ e dada por:
y = x f
_
dy
dx
_
+g
_
dy
dx
_
onde f e g s˜ ao func¸ ˜ oes arbitr´ arias. Esta EDO ´ e uma generalizac¸ ˜ ao da E.D.O. de Clairaut.
M´ etodo de Soluc¸ ˜ ao: Fazendo
dy
dx
= p
temos
y = x f (p) +g(p).
Da´ı
dy
dx
= 1f (p) +x f

(p)
dp
dx
+g

(p)
dp
dx
logo,
p = f (p) +x f

(p)
dp
dx
+g

(p)
dp
dx
,
ou ainda,
(x f

(p) +g

(p))
dp
dx
= p− f (p)
Caso 1: p− f (p) = 0;
Se p− f (p) = 0, temos:
_
x
f

(p)
p− f (p)
+
g

(p)
p− f (p)
_
dp
dx
= 1
ou ainda
x
f

(p)
p− f (p)
+
g

(p)
p− f (p)
=
dx
dp
ou seja,
dx
dp

f

(p)
p− f (p)
x =
g

(p)
p− f (p)
que ´ e uma equac¸ ˜ ao linear em x.
48
Caso 2: p− f (p) = 0.
Se existe algum p
0
tal que p
0
− f (p
0
) = 0, temos que,
y = p
0
x +g(p
0
)
´ e soluc¸ ˜ ao singular da EDO. De fato, dada a equac¸ ˜ ao,
y = x f
_
dy
dx
_
+g
_
dy
dx
_
e y = p
0
x +g(p
0
) temos
dy
dx
= p
0
e
y = x f (p
0
) +g(p
0
)
p
0
x +g(p
0
) = x f (p
0
) +g(p
0
)
p
0
x = x f (p
0
)
p
0
x −x f (p
0
) = 0
(p
0
− f (p
0
))x = 0
0 = 0
Exemplo 3.23 Resolva a equac¸ ˜ ao de D’Alembert
y = x
_
y

+
1
y

_
+(y

)
4
. (3.9.69)
Exerc´ıcio 3.13 Resolva a equac¸ ˜ ao de Bernoulli dada.
1. x
dy
dx
+y =
1
y
2
;
2.
dy
dx
= y(xy
3
−1);
3. x
2
dy
dx
+y
2
= xy
Exerc´ıcio 3.14 Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada sujeita ` a condic¸ ˜ ao inicial indicada.
1.
_
¸
_
¸
_
x
2
dy
dx
−2xy = 3y
4
y(1) =
1
2
2.
_
_
_
xy(1+xy
2
)
dy
dx
= 1
y(1) = 0
49
Exerc´ıcio 3.15 Resolva a equac¸ ˜ ao de Ricatti dada: y
1
´ e uma soluc¸ ˜ ao conhecida para a equac¸ ˜ ao.
1.
_
_
_
dy
dx
= −2−y +y
2
y
1
= 2
2.
_
¸
_
¸
_
dy
dx
= −
4
x
2

1
x
y +y
2
y
1
=
2
x
Exerc´ıcio 3.16 Resolva a equac¸ ˜ ao de Clairaut dada. Obtenha uma soluc¸ ˜ ao singular.
1. y = xy

+1−lny

;
2. y = x
dy
dx

_
dy
dx
_
3
.
Exerc´ıcio 3.17 Resolva as Equac¸ ˜ oes Diferenciais de D’Alembert.
1. y = 2x
_
dy
dx
_
−x
_
dy
dx
_
2
2. y = 2x
dy
dx
+
1
dy
dx
3. y = x
dx
dy

dy
dx
4. y =
_
1+
dy
dx
_
x +
_
dy
dx
_
2
5. y =−
1
2
_
dy
dx
__
2x +
dy
dx
_
;
6. y = 2x
_
dy
dx
_
+
_
dy
dx
_
2
;
7. y = y
_
dy
dx
_
2
+2x
_
dy
dx
_
.
50
4 APLICAC¸
˜
OES DE EQUAC¸
˜
OES LINEARES
4.1 CRESCIMENTO E DECRESCIMENTO
O problema de valor inicial
_
_
_
dx
dt
= kx
x(t
0
) = x
0
(4.1.1)
em que k ´ e uma constante de proporcionalidade, ocorre em muitas teorias f´ısicas envolvendo
crescimento ou decrescimento. Por exemplo, em biologia, ´ e freq¨ uentemente observado que a
taxa de crescimento de certas bact´ erias ´ e proporcional ao n´ umero de bact´ erias presente no dado
instante. Durante um curto intervalo de tempo, a populac¸ ˜ ao de pequenos animais, tais como
roedores, pode ser prevista com alto grau de precis˜ ao pela soluc¸ ˜ ao para (4.1.1). Em f´ısica, um
problema de valor inicial como (4.1.1) proporciona um modelo para o c´ alculo aproximado da
quantidade remanescente de uma substˆ ancia que est´ a sendo desintegrada atrav´ es de radioati-
vidade. A equac¸ ˜ ao diferencial em (4.1.1) pode ainda determinar a temperatura de um corpo
em resfriamento. Em qu´ımica, a quantidade remanescente de uma substˆ ancia durante certas
reac¸ ˜ oes tamb´ em pode ser descrita por (4.1.1).
Exemplo 4.1 Em uma cultura, h´ a inicialmente N
0
bact´ erias. Uma hora depois, t =1, o n´ umero
de bact´ erias passa a ser
3
2
N
0
. Se a taxa de crescimento ´ e proporcional ao n´ umero de bact´ erias
presentes, determine o tempo necess´ ario para que o n´ umero de bact´ erias triplique.
Exemplo 4.2 Sabe-se que a populac¸ ˜ ao de uma certa comunidade cresce a uma taxa propor-
cional ao n´ umero de pessoas presentes em qualquer instante. Se a populac¸ ˜ ao duplicou em 5
anos, quando ele triplicar´ a? Quando quadruplicar´ a?
4.2 MEIA-VIDA
Em f´ısica, meia-vida ´ e uma medida de estabilidade de uma substˆ ancia radioativa. A meia-
vida ´ e simplesmente o tempo gasto para metade dos ´ atomos de uma quantidade inicial A
0
se
51
desintegrar ou se transmutar em ´ atomos de outro elemento. Quanto maior a meia-vida de uma
substˆ ancia, mais est´ avel ela ´ e. Por exemplo, a meia-vida do ultra-radioativo r´ adio, Ra−226, ´ e
cerca de 1700 anos. Em 1700 anos, metade de uma dada quantidade de Ra−226 ´ e transmutada
em radˆ onio, Rn −222. O is´ otopo de urˆ anio mais comum, U −238, tem uma meia-vida de
aproximadamente 4.500.000.000 de anos. Nesse tempo, metade de uma quantidade de U−238
´ e transmutada em chumbo, Pb−206.
Exemplo 4.3 Um reator converte urˆ anio 238 em is´ otopo de plutˆ onio 239. Ap´ os 15 anos, foi
detectado que 0, 043% da quantidade inicial A
0
de plutˆ onio se desintegrou. Encontre a meia-
vida desse is´ otopo, se a taxa de desintegrac¸ ˜ ao ´ e proporcional ` a quantidade remanescente.
4.3 CRONOLOGIA DO CARBONO
Por volta de 1950, o qu´ımico Willard Libby inventou um m´ etodo para determinar a idade
de f´ osseis usando o carbono radioativo. A teoria da cronologia do carbono se baseia no fato
de que o is´ otopo do carbono 14 ´ e produzido na atmosfera pela ac¸ ˜ ao de radiac¸ ˜ oes c´ osmicas no
nitrogˆ enio. A raz˜ ao entre a quantidade de C−14 para carbono ordin´ ario na atmosfera parece ser
uma constante e, como conseq¨ uˆ encia, a proporc¸ ˜ ao da quantidade de is´ otopo presente em todos
os organismos vivos ´ e a mesma proporc¸ ˜ ao da quantidade na atmosfera. Quando um organismo
morre, a absorc¸ ˜ ao de C−14, atrav´ es da respirac¸ ˜ ao ou alimentac¸ ˜ ao, cessa. Logo, comparando
a quantidade proporcional de C−14 presente, digamos, em um f´ ossil com a raz˜ ao constante
encontrada na atmosfera, ´ e poss´ıvel obter uma razo´ avel estimativa da idade do f´ ossil. O m´ etodo
se baseia no conhecimento da meia-vida do carbono radioativo C−14, cerca de 5.600 anos.
Por esse trabalho, Libby ganhou o Prˆ emion Nobel de qu´ımica em 1960. O m´ etodo de Libby
tem sido usado para datar mob´ılias de madeira nos t ´ umulos eg´ıpcios e os pergaminhos do Mar
Morto.
Exemplo 4.4 Um osso fossilizado cont´ em
1
1.000
da quantidade original do C−14. Determine
a idade do f´ ossil.
4.4 RESFRIAMENTO
A lei de resfriamento de Newton diz que a taxa de variac¸ ˜ ao de temperatura T(t) de um
corpo em resfriamento ´ e proporcional ` a diferenc¸a entre a temperatura do corpo e a temper-
atura constante T
m
do meio ambiente, isto ´ e,
dT
dt
= k(T −T
m
), em que k ´ e uma constante de
proporcionalidade.
52
Exemplo 4.5 Quando um bolo ´ e retirado do forno, sua temperatura ´ e de 300

F. Trˆ es minutos
depois, sua temperatura passa para 200

F. Quanto tempo levar´ a para sua temperatura chegar
a 70 graus, se a temperatura do meio ambiente em que ele foi colocado for de exatamente
70

F?
4.5 PROBLEMAS DE MISTURAS
Na mistura de dois flu´ıdos, muitas vezes temos de lidar com equac¸ ˜ oes diferenciais lineares
de primeira ordem. No pr´ oximo exemplo, consideramos a mistura de duas soluc¸ ˜ oes salinas com
diferentes concentrac¸ ˜ oes.
Exemplo 4.6 Inicialmente, 50 gramas de sal s˜ ao dissolvidos em um tanque contendo 300 litros
de ´ agua. Uma soluc¸ ˜ ao salina ´ e bombeada para dentro do tanque a uma taxa de 3 litros por
minuto, e a soluc¸ ˜ ao bem misturada ´ e ent˜ ao drenada na mesma taxa. Se a concentrac¸ ˜ ao da
soluc¸ ˜ ao que entra ´ e 2 gramas por litro, determine a quantidade de sal no tanque em qualquer
instante. Quantas gramas de sal est˜ ao presentes ap´ os 50 minutos? E depois de um longo
tempo?
4.6 CIRCUITOS EM S
´
ERIE
Em um circuito em s´ erie contendo somente um resistor e um indutor, a seguda lei de Kirch-
hoff diz que a soma da queda de tens˜ ao do indutor
_
L
_
di
dt
__
e da queda de tens˜ ao do resistor
(iR) ´ e igual ` a voltagem (E(t)) no circuito.
Logo, obtemos a equac¸ ˜ ao diferencial linear para a corrente i(t),
L
di
dt
+Ri = E(t)
(4.6.2)
em que L e R s˜ ao constantes conhecidas como a indutˆ ancia e a resistˆ encia, respectivamente. A
corrente ´ e algumas vezes chamada de resposta do sistema.
A queda de potencial em um capacitor com capacitˆ ancia C ´ e dada por
q(t)
C
, em que q ´ e a
carga no capacitor. Ent˜ ao, para o circuito em s´ erie mencionado anteriormente, a segunda lei de
kirchhoff nos d´ a
Ri +
1
C
q = E(t) (4.6.3)
Mas a corrente i e a carga q est˜ ao relacionadas por i =
dq
dt
, logo, (4.6.3) torna-se a equac¸ ˜ ao
53
diferencial linear
R
dq
dt
+
1
C
q = E(t) (4.6.4)
Exemplo 4.7 Uma bateria de 12volts ´ e conectada a um circuito em s´ erie no qual a indutˆ ancia
´ e de
1
2
henry e a resistˆ encia, 10ohms. Determine a corrente i se a corrente inicial ´ e zero.
Exerc´ıcio 4.1 Uma barra de metal com uma temperatura de 100

F ´ e colocada em um ambiente
com temperatura constante de 0

F. Se ap´ os 20 minutos a temperatura da barra ´ e de 50

F,
determinar o tempo (t) necess´ ario para que a barra atinja uma temperatura de 25

F. Qual a
temperatura que estar´ a esta barra depois de decorridos 10 minutos?
Exerc´ıcio 4.2 Um p´ ara-quedista, pesando 70kg, salta de um avi˜ ao e abre o paraquedas ap´ os
10s. Antes da abertura do p´ ara-quedas, o seu coeficiente de atrito ´ e k
spq
= 5kgs
−1
, depois ´ e
k
cpq
= 100kgs
−1
. Qual a velocidade do p´ ara-quedista no instante em que se abre o paraque-
das? Qual a distˆ ancia percorrida em queda livre? Qual a velocidade m´ınima que o p´ ara-
quedista poder´ a atingir ap´ os a abertura do paraquedas?
Exerc´ıcio 4.3 O sud´ ario de Turim mostra a imagem em negativo do corpo de um homem cru-
cificado, que muitos acreditam ser de Jesus de Nazar´ e. Em 1988, o Vaticano deu a permiss˜ ao
para datar por carbono o sud´ ario. Trˆ es laborat´ orios cient´ıficos e independentes analisaram o
tecido e conclu´ıram que o sud´ ario tinha aproximadamente 660 anos, idade consistente com seu
aparecimento hist´ orico. Usando essa idade, determine a porcentagem da quantidade original
de C−14 remanescente no tecido em 1988.
Exerc´ıcio 4.4 O is´ otopo radioativo de chumbo, Pb−209, decresce a uma taxa proporcional ` a
quantidade presente em qualquer tempo. Sua meia-vida ´ e 3, 3 horas. Se 1 grama de chumbo
est´ a presente inicialmente, quanto tempo levar´ a para 90% de chumpo desaparecer?
Exerc´ıcio 4.5 Um termˆ ometro ´ e removido de uma sala, em que a temperatura ´ e de 70

F, e
colocado do lado de fora, em que a temperatura ´ e de 10

F. Ap´ os 0, 5 minuto, o termˆ ometro
marcava 50

F. Qual ser´ a a temperatura marcada no termˆ ometro no instante t = 1 minuto?
Quanto tempo levar´ a para o termˆ ometro marcar 15

F?
Exerc´ıcio 4.6 Um tanque cont´ em 200 litros de flu´ıdo no qual s˜ ao dissolvidos 30g de sal. Uma
soluc¸ ˜ ao salina contendo 1g de sal por litro ´ e ent˜ ao bombeada para dentro do tanque a uma taxa
de 4 litros por minuto; a mistura ´ e drenada ` a mesma taxa. Encontre a quantidade de gramas
de sal A(t) no tanque em qualquer instante.
54
5 EQUAC¸
˜
OES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM SUPERIOR
5.1 TEORIA PRELIMINAR
Comec¸amos a discuss˜ ao sobre equac¸ ˜ oes diferenciais de ordem maior, como fize-
mos com equac¸ ˜ oes de primeira ordem, com a noc¸ ˜ ao de um problema de valor inicial. Por´ em,
concentramos nossa atenc¸ ˜ ao nas equac¸ ˜ oes diferenciais lineares.
5.1.1 Problema de Valor Inicial e de Valor de Contorno
Problema de Valor Inicial
Para uma equac¸ ˜ ao diferencial de n-´ esima ordem, o problema
_
_
_
Resolva : a
n
(x)
d
n
y
dx
n
+a
n−1
(x)
d
n−1
y
dx
n−1
+· · · +a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x)
Sujeita : y(x
0
) = y
0
, y

(x
0
) = y

0
, · · · , y
(n−1)
(x
0
) = y
(n−1)
0
(5.1.1)
em que y
0
, y

0
, · · · , y
(n−1)
0
s˜ ao constantes arbitr´ arias, ´ e chamado de um problema de valor ini-
cial. Os valores espec´ıficos y(x
0
) = y
0
, y

(x
0
) = y

0
, · · · , y
(n−1)
(x
0
) = y
(n−1)
0
s˜ ao chamados de
condic¸ ˜ oes iniciais. Procuramos uma soluc¸ ˜ ao em algum intervalo I contendo x
0
.
No caso de uma equac¸ ˜ ao linear de segunda ordem, uma soluc¸ ˜ ao para o problema de valor
inicial
_
_
_
Resolva : a
2
(x)
d
2
y
dx
2
+a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x)
Sujeita : y(x
0
) = y
0
, y

(x
0
) = y

0
(5.1.2)
´ e uma func¸ ˜ ao que satisfac¸a a equac¸ ˜ ao diferencial em I cujo gr´ afico passa pelo ponto (x
0
, y
0
)
com inclinac¸ ˜ ao igual a y

0
.
Opr´ oximo teorema nos fornece condic¸ ˜ oes suficientes para a existˆ encia de uma ´ unica soluc¸ ˜ ao
para (5.1.1).
Teorema 5.1 (Existˆ encia de uma
´
Unica Soluc¸ ˜ ao) - Sejam a
n
(x), a
(n−1)
(x), · · · , a
1
(x), a
0
(x) e
g(x) cont´ınuas em um intervalo I com a
n
(x) = 0 para todo x neste intervalo. Se x = x
0
´ e algum
55
ponto deste iintervalo, ent˜ ao existe uma ´ unica soluc¸ ˜ ao y(x) para o problema de valor inicial
(5.1.1) neste intervalo.
Exemplo 5.1 Verifique se y = 3e
2x
+e
−2x
−3x ´ e a ´ unica soluc¸ ˜ ao para o
_
y
′′
−4y = 12x
y(0) = 4, y

(0) = 1
Exemplo 5.2 Verifique se y ≡0 ´ e a ´ unica soluc¸ ˜ ao para o
_
3y
′′′
+5y
′′
−y

+7y = 0
y(1) = 0, y

(1) = 0, y
′′
(1) = 0
Exemplo 5.3 Verifique se a func¸ ˜ ao y =
1
4
sin4x ´ e uma soluc¸ ˜ ao para o
_
y
′′
+16y = 0x
y(0) = 0, y

(0) = 1
Observac¸ ˜ ao 5.1 No teorema (5.1), a continuidade de a
i
(x); i =0, 1, 2, · · · , n e a hip´ otese a
n
(x) =
0 para todo x em I s˜ ao ambas importantes. Especificamente, se a
n
(x) = 0 para algum x no in-
tervalo, ent˜ ao a soluc¸ ˜ ao para um problema de valor inicial linear pode n˜ ao ser ´ unica ou nem
mesmo existir.
Exemplo 5.4 Verifique se a func¸ ˜ ao y = cx
2
+x +3 ´ e uma soluc¸ ˜ ao para o problema de valor
inicial
_
x
2
y
′′
−2xy

+2y = 6
y(0) = 3, y

(0) = 1
no intervalo de (−∞, +∞) para qualquer escolha do parˆ ametro c.
Problema de Valor de Contorno
Um outro tipo de problema consiste em resolver uma equac¸ ˜ ao diferencial de ordem dois ou
maior na qual a vari´ avel dependente y ou suas derivadas s˜ ao especificadas em pontos diferentes.
Um problema como
_
_
_
Resolva : a
2
(x)
d
2
y
dx
2
+a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x)
Sujeita : y(a) = y
0
, y(b) = y
1
56
´ e chamado de problema de valor de contorno. Os valores especificados y(a) = y
0
e y(b) = y
1
s˜ ao chamados de condic¸ ˜ oes de contorno ou de fronteira. Uma soluc¸ ˜ ao para o problema em
quest˜ ao ´ e uma func¸ ˜ ao que satisfac¸a a equac¸ ˜ ao diferencial em algum intervalo I, contendo a e b,
cujo gr´ afico passa pelos pontos (a, y
0
) e (b, y
1
).
Exemplo 5.5 Verifique que, no intervalo (0, +∞), a func¸ ˜ ao y = 3x
2
−6x+3 satisfaz a equac¸ ˜ ao
diferencial e as condic¸ ˜ oes de contorno do problema de valor de contorno
_
x
2
y
′′
−2xy

+2y = 6
y(1) = 0, y(2) = 3
Para uma equac¸ ˜ ao diferencial de segunda ordem, outras condic¸ ˜ oes de contorno podem ser
1. y

(a) = y

0
, y(b) = y
1
;
2. y(a) = y
0
, y

(b) = y

1
;
3. y

(a) = y

0
, y

(b) = y

1
.
em que y
0
, y

0
, y
1
ey

1
denotam constantes arbitr´ arias.
Os pr´ oximos exemplos mostram que, mesmo quando as condic¸ ˜ oes do teorema (5.1) s˜ ao
satisfeitas, um problema de valor de contorno pode ter:
1. v´ arias soluc¸ ˜ oes;
2. uma ´ unica soluc¸ ˜ ao;
3. nenhuma soluc¸ ˜ ao.
Exemplo 5.6 Verifique se y = c
1
cos4x +c
2
sin4x ´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao
y
′′
+16y = 0
Suponha agora que queiramos determinar aquela soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao que tamb´ emsatisfac¸a
as condic¸ ˜ oes de contorno.
1. y(0) = 0 , y(
π
2
) = 0;
2. y(0) = 0 , y(
π
8
) = 0;
3. y(0) = 0 , y(
π
2
) = 1.
57
LISTA DE EXERC
´
ICIOS
1. Sabe-se que y =c
1
e
x
+c
2
e
−x
´ e uma fam´ılia a dois parˆ ametros de soluc¸ ˜ oes para y
′′
−y =0
no intervalo (−∞, +∞). Encontre um membro dessa fam´ılia satisfazendo as condic¸ ˜ oes
iniciais y(0) = 0 , y

(0) = 1.
2. Sabe-se que y = c
1
e
4x
+c
2
e
−x
´ e uma fam´ılia a dois parˆ ametros de soluc¸ ˜ oes para y
′′

3y

−4y = 0 no intervalo (−∞, +∞). Encontre um membro dessa fam´ılia satisfazendo as
condic¸ ˜ oes iniciais y(0) = 1 , y

(0) = 2.
3. Sabe-se que y = c
1
x +c
2
xlnx ´ e uma fam´ılia a dois parˆ ametros de soluc¸ ˜ oes para x
2
y
′′

xy

+y = 0 no intervalo (−∞, +∞). Encontre um membro dessa fam´ılia satisfazendo as
condic¸ ˜ oes iniciais y(1) = 3 , y

(1) =−1.
4. Sabe-se que y = c
1
e
x
cosx +c
2
e
x
sinx ´ e uma fam´ılia a dois parˆ ametros de soluc¸ ˜ oes para
y
′′
−2y

+2y = 0 no intervalo (−∞, +∞). Encontre, se existir, um membro dessa fam´ılia
satisfac¸a as condic¸ ˜ oes.
(a) y(0) = 1, y

(0) = 0;
(b) y(0) = 1, y

(π) =−1;
(c) y(0) = 1, y(
π
2
) = 1;
(d) y(0) = 1, y(π) = 0.
5.1.2 Dependˆ encia Linear e Independˆ encia Linear
Os dois pr´ oximos conceitos s˜ ao b´ asicos para o estudo de equac¸ ˜ oes diferenciais lineares.
Definic¸ ˜ ao 5.1 (Dependˆ encia Linear) - Dizemos que um conjunto de func¸ ˜ oes
f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x)
´ e linearmente dependente em um intervalo I se existirem constantes c
1
, c
2
, · · · , c
n
n˜ ao todas
nulas, tais que
c
1
f
1
(x) +c
2
f
2
(x) +· · · +c
n
f
n
(x) = 0
para todo x no intervalo.
Definic¸ ˜ ao 5.2 (Independˆ encia Linear) - Dizemos que um conjunto de func¸ ˜ oes
f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x)
58
´ e linearmente independente em um intervalo I se ela n˜ ao ´ e linearmente dependente no inter-
valo.
Em outras palavras, um conjunto de func¸ ˜ oes ´ e linearmente independente em um intervalo
se as ´ unicas constantes para as quais
c
1
f
1
(x) +c
2
f
2
(x) +· · · +c
n
f
n
(x) = 0
para todo x no intervalo, s˜ ao c
1
= c
2
=· · · = c
n
= 0.
´
E f´ acil de entender essas definic¸ ˜ oes no caso de duas func¸ ˜ oes f
1
(x) e f
2
(x). Se as func¸ ˜ oes
s˜ ao linearmente dependentes em um intervalo, ent˜ ao existem constantes c
1
e c
2
, que n˜ ao s˜ ao
ambas nulas, tais que, para todo x no intervalo,
c
1
f
1
(x) +c
2
f
2
(x) = 0
Portanto, se supomos c
1
= 0, segue-se que
f
1
(x) =−
c
2
c
1
f
2
(x)
isto ´ e, se duas func¸ ˜ oes s˜ ao linearmente dependentes, ent˜ ao uma ´ e simplesmente uma constante
m´ ultipla da outra.
Reciprocamente, se f
1
(x) = c
2
f
2
(x) para alguma constante c
2
, ent˜ ao
(−1) f
1
(x) +c
2
f
2
(x) = 0
para todo x em algum intervalo. Logo, as func¸ ˜ oes s˜ ao linearmente dependentes, pois pelo menos
uma das constantes (a saber c
1
=−1) n˜ ao ´ e nula. Conclu´ımos que duas func¸ ˜ oes s˜ ao linearmente
independentes quando nenhuma delas ´ e m´ ultipla da outra em um intervalo.
Exemplo 5.7 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
(x) =sin2x e f
2
(x) =sinxcosx s˜ ao linearmente depen-
dentes no intervalo de (−∞, +∞).
Exemplo 5.8 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
(x) = x e f
2
(x) = |x| s˜ ao linearmente dependentes ou
linearmente independentes no intervalo de (−∞, +∞).
Observac¸ ˜ ao 5.2 Na considerac¸ ˜ ao de dependˆ encia linear ou independˆ encia linear, o intervalo
no qual as func¸ ˜ oes s˜ ao definidas ´ e importante. As func¸ ˜ oes f
1
(x) = x e f
2
(x) = |x| do exemplo
(5.8) s˜ ao linearmente dependentes no intervalo (0, +∞), pois
c
1
x +c
2
|x| = c
1
x +c
2
x = 0
59
´ e satisfeita se, por exemplo, c
1
= 1 e c
2
=−1.
Exemplo 5.9 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
(x) = cos
2
x, f
2
(x) = sin
2
x, f
3
(x) = sec
2
x e f
4
(x) =
tan
2
x s˜ ao linearmente dependentes no intervalo de
_

π
2
, +
π
2
_
.
Dizemos que um conjunto de func¸ ˜ oes
f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x)
´ e linearmente dependentes em um intervalo se pelo menos uma func¸ ˜ ao pode ser expressa como
uma combinac¸ ˜ ao linear das outras func¸ ˜ oes.
Exemplo 5.10 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
(x) =

x+5, f
2
(x) =

x+5x, f
3
(x) =x−1 e f
4
(x) =
x
2
s˜ ao linearmente dependentes no intervalo de (0, +∞).
Wronskiano
Oseguinte teorema proporciona condic¸ ˜ ao suficiente para a independˆ encia linear de n func¸ ˜ oes
em um intervalo. Supomos que cada func¸ ˜ ao seja diferenci´ avel pelo menos n−1 vezes.
Teorema 5.2 (Crit´ erio para Independˆ encia Linear de Func¸ ˜ oes)- Suponha que
f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x)
sejam diferenci´ aveis pelo menos n−1 vezes. Se o determinante
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
f
1
f
2
· · · f
n
f

1
f

2
· · · f

n
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
f
(n−1)
1
f
(n−1)
2
· · · f
(n−1)
n
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
for diferente de zero empelo menos umponto do intervalo I, ent˜ ao as func¸ ˜ oes f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x)
ser˜ ao linearmente independentes no intervalo.
O determinante do teorema precedente ´ e denotado por
W( f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x))
e ´ e chamado o Wronskiano das func¸ ˜ oes.
60
Observac¸ ˜ ao 5.3 Josef Maria Ho¨ ene Wronski (1778-1853) Nascido na Polˆ onia e educado
na Alemanha, Wronski passou a maior parte de sua vida na Franc¸a. Mais um fil´ osofo do
que um matem´ atico, ele acreditou que a verdade absoluta poderia ser alcanc¸ada atrav´ es da
matem´ atica. Sua ´ unica contribuic¸ ˜ ao digna de nota ` a matem´ atica foi o determinante acima.
Sempre um excˆ entrico, eventualmente tinha crises de insanidade.
Corol´ ario 5.1 Se f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x) possuem pelo menos (n −1) derivadas e s˜ ao linear-
mente dependentes em I, ent˜ ao
W( f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x)) = 0
para todo x no intervalo.
Exemplo 5.11 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
(x) = sin
2
x e f
2
(x) = 1 −cos2x s˜ ao linearmente de-
pendentes no intervalo de (−∞, +∞), depois calcule o W( f
1
(x), f
2
(x)).
Exemplo 5.12 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
(x) = e
m
1
x
e f
2
(x) = e
m
2
x
tal que m
1
= m
2
s˜ ao L.I.
Exemplo 5.13 Verifique que se α e β s˜ ao n´ umeros reais, β = 0, ent˜ ao y
1
= e
αx
cos(βx) e
y
2
= e
αx
sin(βx) s˜ ao linearmente independentes em qualquer intervalo do eixo x.
Exemplo 5.14 Verifique se as func¸ ˜ oes f
1
= e
x
, f
2
= xe
x
e f
3
= x
2
e
x
s˜ ao linearmente indepen-
dentes em qualquer intervalo do eixo x.
Observac¸ ˜ ao 5.4 Vimos no exemplo (5.8) que f
1
(x) = x e f
2
(x) =|x| s˜ ao linearmente indepen-
dentes no intervalo (−∞, +∞), por´ em, n˜ ao ´ e poss´ıvel calcular o Wronskiano, pois f
2
n˜ ao ´ e
difetenci´ avel em x = 0.
Um conjunto de func¸ ˜ oes f
1
(x), f
2
(x), · · · , f
n
(x) pode ser linearmente independente em al-
gum intervalo, mesmo que o Wronskiano seja nulo.
Exemplo 5.15 Verifique que:
1. f
1
= x
2
e f
2
= x|x| s˜ ao linearmente independentes em (−∞, +∞).
2. W( f
1
(x), f
2
(x)) = 0 para todo n´ umero real.
61
Exerc´ıcio 5.1 Determine se as func¸ ˜ oes dadas s˜ ao linearmente independentes ou dependentes
em (−∞, +∞).
1. f
1
(x) = x, f
2
(x) = x
2
, f
3
(x) = 4x −3x
2
;
2. f
1
(x) = 5, f
2
(x) = cos
2
x, f
3
(x) = sin
2
x;
3. f
1
(x) = x, f
2
(x) = x −1, f
3
(x) = x +3;
4. f
1
(x) = 1+x, f
2
(x) = x, f
3
(x) = x
2
.
Exerc´ıcio 5.2 Mostre, calculando o Wronskiano, que as func¸ ˜ oes dadas s˜ ao linearmente inde-
pendentes no intervalo indicado.
1. x
1
2
, x
2
; (0, +∞).
2. sinx, cscx; (0, π).
3. e
x
, e
−x
, e
4x
; (−∞, +∞).
5.1.3 Soluc¸ ˜ oes Para Equac¸ ˜ oes Lineares
Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas
Uma equac¸ ˜ ao diferencial de n-´ esima ordem da forma
a
n
(x)
d
n
y
dx
n
+a
n−1
(x)
d
(n−1)
y
dx
(n−1)
+· · · +a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = 0
(5.1.1)
´ e chamada homogˆ enea, enquanto
a
n
(x)
d
n
y
dx
n
+a
n−1
(x)
d
(n−1)
y
dx
(n−1)
+· · · +a
1
(x)
dy
dx
+a
0
(x)y = g(x)
(5.1.2)
com g(x) n˜ ao identicamente zero, ´ e chamada de n˜ ao-homogˆ enea
Observac¸ ˜ ao 5.5 1. A palavra homogˆ enea neste contexto n˜ ao se refere aos coeficientes como
sendo func¸ ˜ oes homogˆ eneas.
2. A equac¸ ˜ ao 2y
′′
+3y

−5y = 0 ´ e uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria linear de segunda
ordem homogˆ enea.
3. A equac¸ ˜ ao x
3
y
′′′
−2xy
′′
+5y

+6y = e
x
´ e uma equac¸ ˜ ao diferencial ordin´ aria linear de
terceira ordem n˜ ao-homogˆ enea.
62
4. Veremos, que, para resolver uma equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea, devemos primeiro resolver a
equac¸ ˜ ao homogˆ enea associada.
5. Para evitar repetic¸ ˜ oes desnecess´ arias no decorrer do texto, faremos sempre as seguintes
suposic¸ ˜ oes com relac¸ ˜ ao ` as equac¸ ˜ oes lineares (5.1.1) e (5.1.2). Em algum intervalo I,
(a) os coeficientes a
i
(x); i = 0, 1, · · · , n s˜ ao cont´ınuas;
(b) a func¸ ˜ ao g(x) ´ e cont´ınua;
(c) a
n
(x) = 0 para todo x no intervalo.
Princ´ıpio de Superposic¸ ˜ ao
No pr´ oximo teorema, veremos que a soma, ou superposic¸ ˜ ao, de duas ou mais soluc¸ ˜ oes para
uma equac¸ ˜ ao diferencial linear homogˆ enea ´ e tamb´ em uma soluc¸ ˜ ao.
Teorema 5.3 (Princip´ıo de Superposic¸ ˜ ao - Equac¸ ˜ ao Homogˆ enea)
Sejamy
1
, y
2
, · · · , y
k
soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao diferencial linear de n-´ esima ordemhomogˆ enea
(5.1.1) em um intervalo I. Ent˜ ao, a combinac¸ ˜ ao linear
y = c
1
y
1
(x) +c
2
y
2
(x) +· · · +c
k
y
k
(x)
em que os c
i
, i = 1, 2, · · · , k s˜ ao constantes arbitr´ arias, ´ e tamb´ em uma soluc¸ ˜ ao no intervalo.
Corol´ ario 5.2 1. Um m´ ultiplo y = c
1
y
1
(x) de uma soluc¸ ˜ ao y
1
(x) para uma equac¸ ˜ ao dife-
rencial linear homogˆ enea ´ e tamb´ em uma soluc¸ ˜ ao;
2. Uma equac¸ ˜ ao diferencial linear homogˆ enea sempre possui a soluc¸ ˜ ao trivial y = 0.
Exemplo 5.16 Verifique usando o princ´ıpio de superposic¸ ˜ ao que, a combinac¸ ˜ ao linear
y = c
1
x
2
+c
2
x
2
lnx
´ e soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea
x
3
y
′′′
−2xy

+4y = 0
no intervalo (0, +∞).
63
Exemplo 5.17 Verifique usando o princ´ıpio de superposic¸ ˜ ao que, a combinac¸ ˜ ao linear
y = c
1
e
x
+c
2
e
2x
+c
3
e
3x
´ e soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea
d
3
y
dx
3
−6
d
2
y
dx
2
+11
dy
dx
−6y = 0
em (−∞, +∞).
Exemplo 5.18 Verifique se y = cx
2
´ e soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao linear homogˆ enea
x
2
y
′′
−3xy

+4y = 0
em (0, +∞), usando o corol´ ario (5.2).
Soluc¸ ˜ oes Linearmente Independentes
Estamos interessados em determinar quando n soluc¸ ˜ oes y
1
, y
2
, · · · , y
n
para a equac¸ ˜ ao di-
ferencial homogˆ enea (5.1.1) s˜ ao linearmente independentes. Surpreendentemente, o Wrons-
kiano n˜ ao nulo em um conjunto de n soluc¸ ˜ oes em um intervalo I ´ e necess´ ario e suficiente para
a independˆ encia linear.
Teorema 5.4 (Crit´ erio para Independˆ encia Linear de Soluc¸ ˜ oes)
Sejam y
1
, y
2
, · · · , y
n
n soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao diferencial linear homogˆ enea de n-´ esima
ordem (5.1.1) em um intervalo I. Ent˜ ao, o conjunto de soluc¸ ˜ oes ´ e linearmente independente
em I se e somente se
W(y
1
, y
2
, · · · , y
n
) = 0
para todo x no intervalo.
Definic¸ ˜ ao 5.3 (Conjunto Fundamental de Soluc¸ ˜ oes)
Qualquer conjunto y
1
, y
2
, · · · , y
n
de n soluc¸ ˜ oes linearmente independentes para a equac¸ ˜ ao
diferencial linear homogˆ enea de n-´ esima ordem (5.1.1) em um intervalo I ´ e chamado de con-
junto fundamental de soluc¸ ˜ oes no intervalo.
Teorema 5.5 Sejam y
1
, y
2
, · · · , y
n
n soluc¸ ˜ oes linearmente independentes para a equac¸ ˜ ao dife-
rencial linear homogˆ enea de n-´ esima ordem (5.1.1) em um intervalo I. Ent˜ ao, toda soluc¸ ˜ ao
64
Y(x) para (5.1.1) ´ e uma combinac¸ ˜ ao linear das n soluc¸ ˜ oes independentes y
1
, y
2
, · · · , y
n
, ou
seja, podemos encontrar constantes C
1
,C
2
, · · · ,C
n
, tais que
Y =C
1
y
1
+C
2
y
2
+· · · +C
n
y
n
A quest˜ ao b´ asica de existˆ encia de um conjunto fundamental para uma equac¸ ˜ ao linear ´ e
respondida no pr´ oximo teorema.
Teorema 5.6 (Existˆ encia de um Conjunto Fundamental)
Existe um conjunto fundamental de soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao diferencial linear homogˆ enea
de n-´ esima ordem (5.1.1) em um intervalo I.
Definic¸ ˜ ao 5.4 (Soluc¸ ˜ ao Geral - Equac¸ ˜ oes Homogˆ eneas)
Sejamy
1
, y
2
, · · · , y
n
n soluc¸ ˜ oes linearmente independentes para a equac¸ ˜ ao diferencial linear
homogˆ enea de n-´ esima ordem (5.1.1) em um intervalo I. A soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao no
intervalo ´ e definida por
y = c
1
y
1
+c
2
y
2
+· · · +c
n
y
n
em que os c
i
, i = 1, 2, · · · , n s˜ ao constantes arbitr´ arias.
Lembre-se de que a soluc¸ ˜ ao geral, ´ e tamb´ em chamada de soluc¸ ˜ ao completa para a equac¸ ˜ ao
diferencial.
Exemplo 5.19 Sabendo que a equac¸ ˜ ao diferencial de segunda ordem
y
′′
−9y = 0
possui duas soluc¸ ˜ oes
y
1
= e
3x
e y
2
= e
−3x
encontre a soluc¸ ˜ ao geral.
Exemplo 5.20 Sabendo que as func¸ ˜ oes
y
1
= e
x
, y
2
= e
2x
e y
3
= e
3x
satisfazem a equac¸ ˜ ao de terceira ordem
d
3
y
dx
3
−6
d
2
y
dx
2
+11
dy
dx
−6y = 0
65
encontre a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao diferencial no intervalo (−∞, +∞).
Equac¸ ˜ oes N˜ ao-Homogˆ eneas
Voltamos agora nossa atenc¸ ˜ ao para a definic¸ ˜ ao de soluc¸ ˜ ao geral para uma equac¸ ˜ ao linear
n˜ ao-homogˆ enea. Qualquer func¸ ˜ ao y
p
, independente de parˆ ametros, que satisfac¸a (5.1.2) ´ e
chamada de soluc¸ ˜ ao particular para a equac¸ ˜ ao (algumas vezes ´ e chamada de integral partic-
ular).
Exemplo 5.21 1. Verifique se y
p
= 3 ´ e uma soluc¸ ˜ ao particular para y
′′
+9y = 27.
2. Verifique se y
p
= x
3
−x ´ e uma soluc¸ ˜ ao particular para x
2
y
′′
+2xy

−8y = 4x
3
+6x.
Teorema 5.7 Sejam y
1
, y
2
, · · · , y
n
soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao diferencial linear homogˆ enea de
n-´ esima ordem (5.1.1) em um intervalo I e seja y
p
qualquer soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao n˜ ao-
homogˆ enea (5.1.2) no mesmo intervalo. Ent˜ ao
y = c
1
y
1
+c
2
y
2
+· · · +c
n
y
n
+y
p
(x)
´ e tamb´ em uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea no intervalo para qualquer constantes
c
1
, c
2
, · · · , c
n
.
Podemos agora provar o an´ alogo do Teorema (5.5) para as equac¸ ˜ oes diferenciais n˜ ao-
homogˆ eneas.
Teorema 5.8 Seja y
p
uma dada soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao diferencial linear n˜ ao-homogˆ enea de
n-´ esima ordem (5.1.2) em um intervalo I e sejam {y
1
, y
2
, · · · , y
n
} um conjunto fundamental de
soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea associada (5.1.1) no intervalo. Ent˜ ao, para qualquer
soluc¸ ˜ ao Y(x) de (5.1.2) em I, podemos encontrar constantes C
1
,C
2
, · · · ,C
n
tais que
Y =C
1
y
1
(x) +C
2
y
2
(x) +· · · +C
n
y
n
(x) +y
p
(x).
Definic¸ ˜ ao 5.5 (Soluc¸ ˜ ao Geral - Equac¸ ˜ oes N˜ ao-homogˆ eneas) Seja y
p
uma dada soluc¸ ˜ ao para
a equac¸ ˜ ao diferencial linear n˜ ao-homogˆ enea de n-´ esima ordem (5.1.2) em um intervalo I e seja
y
c
= c
1
y
1
(x) +c
2
y
2
(x) +· · · +c
n
y
n
(x)
a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea associada (5.1.1) no intervalo. A soluc¸ ˜ ao geral
para a equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea no intervalo ´ e definida por
y = c
1
y
1
(x) +c
2
y
2
(x) +· · · +c
n
y
n
(x) +y
p
(x) = y
c
(x) +y
p
(x)
66
Func¸ ˜ ao Complementar
Na definic¸ ˜ ao (5.5), a combinac¸ ˜ ao linear
y
c
= c
1
y
1
(x) +c
2
y
2
(x) +· · · +c
n
y
n
(x)
que ´ e a soluc¸ ˜ ao geral para (5.1.1), ´ e chamada de func¸ ˜ ao complementar para a equac¸ ˜ ao (5.1.2).
Em outras palavras, a soluc¸ ˜ ao geral para uma equac¸ ˜ ao diferencial linear n˜ ao-homogˆ enea ´ e
y = func¸ ˜ ao complementar + qualquer soluc¸ ˜ ao particular
Exemplo 5.22 Verifique se a func¸ ˜ ao y
p
=−
11
12

1
2
x ´ e uma soluc¸ ˜ ao particular para a equac¸ ˜ ao
n˜ ao-homogˆ enea
d
3
y
dx
3
−6
d
2
y
dx
2
+11
dy
dx
−6y = 3x
depois, descreva a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao.
Exerc´ıcio 5.3 Verifique que as func¸ ˜ oes dadas formam um conjunto fundamental de soluc¸ ˜ oes
para a equac¸ ˜ ao diferencial no intervalo indicado. Forme a soluc¸ ˜ ao geral.
1. y
′′
−y

−12y = 0; e
−3x
, e
4x
, (−∞, +∞).
2. y
′′
−2y

+5y = 0; e
x
cos2x, e
x
sin2x, (−∞, +∞).
3. x
2
y
′′
−6xy

+12y = 0; x
3
, x
4
, (0, +∞).
4. x
3
y
′′′
+6x
2
y
′′
+4xy

−4y = 0; x, x
−2
, x
−2
lnx, (0, +∞).
Exerc´ıcio 5.4 Verifique que a dada fam´ılia a dois parˆ ametros de func¸ ˜ oes ´ e a soluc¸ ˜ ao geral para
a equac¸ ˜ ao diferencial n˜ ao-homogˆ enea no intervalo indicado.
1. y
′′
−7y

+10y = 24e
x
; y = c
1
e
2x
+c
2
e
5x
+6e
x
, (−∞, +∞).
2. y
′′
−4y

+4y = 2e
2x
+4x −12; y = c
1
e
2x
+c
2
xe
2x
+x
2
e
2x
+x −2, (−∞, +∞).
67
5.2 CONSTRUINDO UMA SEGUNDA SOLUC¸
˜
AO A PARTIR DE UMA SOLUC¸
˜
AO CON-
HECIDA
Reduc¸ ˜ ao de Ordem
Um dos fatos mais interessantes e importantes no estudo de equac¸ ˜ oes diferenciais lineares
de segunda ordem ´ e que podemos construir uma segunda soluc¸ ˜ ao a partir de uma soluc¸ ˜ ao con-
hecida. Suponha que y
1
(x) seja uma soluc¸ ˜ ao n˜ ao trivial para a equac¸ ˜ ao
a
2
(x)y
′′
+a
1
(x)y

+a
0
(x)y = 0 (5.2.1)
Supomos, como fizemos na sec¸ ˜ ao precedente, que os coeficientes em (5.2.1) s˜ ao cont´ınuos
e a
2
(x) = 0 para todo x em um intervalo I. O processo que usaremos para encontrar uma
segunda soluc¸ ˜ ao y
2
(x) consiste em reduzir a ordem da equac¸ ˜ ao (5.2.1), transformando-a em
uma equac¸ ˜ ao de primeira ordem. Por exemplo, verifica-se facilmente que y
1
= e
x
satisfaz a
equac¸ ˜ ao diferencial y
′′
−y = 0. Se tentarmos determinar uma soluc¸ ˜ ao da forma y = u(x)e
x
ent˜ ao
y

= ue
x
+e
x
u

y
′′
= ue
x
+2e
x
u

+e
x
u
′′
assim
y
′′
−y = e
x
(u
′′
+2u

) = 0
Como e
x
= 0, esta ´ ultima equac¸ ˜ ao implica que u
′′
+2u

= 0.
Se fizermos w = u

, ent˜ ao a equac¸ ˜ ao acima ser´ a uma equac¸ ˜ ao linear de primeira ordem em
w, w

+2w = 0. Usando o fator de integrac¸ ˜ ao e
2x
, podemos escrever,
d
dx
[e
2x
w] = 0
w = c
1
e
−2x
ou u

= c
1
e
−2x
Logo,
u =−
c
1
2
e
−2x
+c
2
assim, y = u(x)e
x
=−
c
1
2
e
−x
+c
2
e
x
. Escolhendo c
2
= 0 e c
1
=−2, obtemos a segunda soluc¸ ˜ ao
y
2
= e
−x
. Como
W(e
x
, e
−x
) = 0
para todo x, as soluc¸ ˜ oes s˜ ao linearmente independentes em (−∞, +∞), portanto a express˜ ao
para y ´ e de fato a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao dada.
68
Exemplo 5.23 Verifique se y
1
= x
3
´ e soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao x
2
y
′′
−6y = 0. Se for soluc¸ ˜ ao,
use reduc¸ ˜ ao de ordem para encontrar uma segunda soluc¸ ˜ ao no intervalo de (0, +∞).
Caso Geral
Dividindo a equac¸ ˜ ao (5.2.1) por a
2
(x), esta toma a forma padr˜ ao
y
′′
+P(x)y

+Q(x)y = 0 (5.2.2)
em que P(x) e Q(x) s˜ ao cont´ınuas em algum intervalo I. Vamos supor ainda que y
1
(x) seja uma
soluc¸ ˜ ao conhecida para (5.2.2) em I e que y
1
(x) = 0 para todo x no intervalo. Se definirmos
y = u(x)y
1
(x), segue-se que
y

= uy

1
+y
1
u

y
′′
= uy
′′
1
+2y

1
u

+y
1
u
′′
y
′′
+Py

+Qy = u[y
′′
1
+ py

1
+Qy
1
]
. ¸¸ .
zero
+y
1
u
′′
+(2y

1
+ py
1
u

) = 0
Isso implica que devemos ter
y
1
u
′′
+(2y

1
+Py
1
)u

= 0
ou
y
1
w

+(2y

1
+Py
1
)w = 0 (5.2.3)
em que substitu´ımos w = u

. Observe que a equac¸ ˜ ao (5.2.3) ´ e linear e separ´ avel. Aplicando
esta ´ ultima t´ ecnica, obtemos
dw
w
+2
y

1
y
1
dx +Pdx = 0
ln|w| +2ln|y
1
| = −
_
Pdx +C
ln|wy
2
1
| = −
_
Pdx +C
wy
2
1
= c
1
e

_
Pdx
w = c
1
e

_
Pdx
y
2
1
Integrando novamente
u = c
1
_
e

_
Pdx
y
2
1
dx +c
2
e portanto
y = u(x)y
1
= c
1
y
1
(x)
_
e

_
Pdx
y
2
1
dx +c
2
y
1
(x)
69
Escolhendo c
2
= 0 e c
1
= 1, conclu´ımos que uma segunda soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao (5.2.2) ´ e
y
2
= y
1
(x)
_
e

_
Pdx
y
2
1
dx (5.2.4)
´
E um bom exerc´ıcio de derivac¸ ˜ ao comec¸ar com a f´ ormula (5.2.4) e verificar que a equac¸ ˜ ao
(5.2.2) ´ e satisfeita.
Agora, y
1
(x) e y
2
(x) s˜ ao linearmente independentes, pois
w(y
1
(x), y
2
(x)) =
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
y
1
y
1
_
e

_
Pdx
y
2
1
dx
y

1
y

1
_
e

_
Pdx
y
2
1
dx +y
1
e

_
Pdx
y
2
1
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
= e

_
Pdx
´ e diferente de zero em qualquer intervalo em que y
1
(x) seja diferente de zero.
Exemplo 5.24 Verifique se a func¸ ˜ ao y
1
= x
2
´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao
x
2
y
′′
−3xy

+4y = 0
Encontre se poss´ıvel a soluc¸ ˜ ao geral no intervalo (0, +∞).
Exerc´ıcio 5.5 Encontre uma segunda soluc¸ ˜ ao para cada equac¸ ˜ ao diferencial. Use reduc¸ ˜ ao de
ordem ou a f´ ormula (5.2.4) como ensinada. Suponha um intervalo apropriado.
1. y
′′
+5y

= 0; y
1
= 1.
2. y
′′
−4y

+4y = 0; y
1
= e
2x
.
3. y
′′
+16y = 0; y
1
= cos4x.
4. xy
′′
+y

= 0; y
1
= lnx.
Exerc´ıcio 5.6 Use o m´ etodo de reduc¸ ˜ ao de ordem para encontrar uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao
n˜ ao-homogˆ enea dada. A func¸ ˜ ao indicada y
1
(x) ´ e uma soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea as-
sociada. Determine uma segunda soluc¸ ˜ ao para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea e uma soluc¸ ˜ ao particular
da equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea.
1. y
′′
−4y = 2; y
1
= e
−2x
.
2. y
′′
−3y

+2y = 5e
3x
; y
1
= e
x
.
70
5.3 EQUAC¸
˜
OES LINEARES HOMOG
ˆ
ENEAS COM COEFICIENTES CONSTANTES
Vimos que a equac¸ ˜ ao linear de primeira ordem
dy
dx
+ay = 0, em que a ´ e uma constante,
possui soluc¸ ˜ ao exponencial y = c
1
e
−ax
em (−∞, +∞). Portanto, ´ e natural procurar determinar
se soluc¸ ˜ oes exponenciais existem em (−∞, +∞) para equac¸ ˜ oes de ordem maior como
a
n
y
(n)
+a
(n−1)
y
(n−1)
+· · · +a
2
y
′′
+a
1
y

+a
0
y = 0 (5.3.1)
em que os a
i
, i = 0, 1, · · · , n s˜ ao constantes. O fato surpreendente ´ e que todas as soluc¸ ˜ oes para
(5.3.1) s˜ ao func¸ ˜ oes exponenciais ou constru´ıdas a partir de func¸ ˜ oes exponenciais. Comec¸amos
considerando o caso especial da equac¸ ˜ ao de segunda ordem
ay
′′
+by

+cy = 0 (5.3.2)
Equac¸ ˜ ao Auxiliar
Se tentarmos uma soluc¸ ˜ ao da forma y = e
mx
, ent˜ ao y

= me
mx
e y
′′
= m
2
e
mx
. Assim a
equac¸ ˜ ao (5.3.2) torna-se
am
2
e
mx
+bme
mx
+ce
mx
= 0
ou
e
mx
(am
2
+bm+c) = 0
Como e
mx
nunca se anula para valores reais de x, ent˜ ao a ´ unica maneira de fazer essa func¸ ˜ ao
exponencial satisfazer a equac¸ ˜ ao diferencial ´ e escolher m de tal forma que ele seja raiz da
equac¸ ˜ ao quadr´ atica
am
2
+bm+c = 0 (5.3.3)
Essa ´ ultima equac¸ ˜ ao ´ e chamada de equac¸ ˜ ao auxiliar ou equac¸ ˜ ao caracter´ıstica da equac¸ ˜ ao
diferencial (5.3.2). Consideramos trˆ es casos: as soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao auxiliar correspon-
dem as ra´ızes reais distintas, ra´ızes reais iguais e ra´ızes complexas conjugadas.
• Caso 1: Ra´ızes Reais Distintas - Com a hip´ otese de que a equac¸ ˜ ao auxiliar 5.3.3 possui
duas ra´ızes reais distintas m
1
e m
2
, encontramos duas soluc¸ ˜ oes
y
1
= e
m
1
x
e y
2
= e
m
2
x
Vimos que essas func¸ ˜ oes s˜ ao linearmente independentes em(−∞, +∞) e portanto formam
um conjunto fundamental. Segue-se que a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao (5.3.2) nesse
71
intervalo ´ e
y = c
1
e
m
1
x
+c
2
e
m
2
x
(5.3.4)
• Caso 2: Ra´ızes Reais Iguais - Quando m
1
= m
2
, obtemos somente uma soluc¸ ˜ ao expo-
nencial y
1
=e
m
1
x
. Por´ em, segue-se imediatamente da discus˜ ao da Sec¸ ˜ ao anterior que uma
soluc¸ ˜ ao ´ e
y
2
= e
m
1
x
_
e

b
a
x
e
2m
1
x
dx
(5.3.5)
Mas, da forma quadr´ atica, temos m
1
= −
b
2a
, pois a ´ unica maneira de ter m
1
= m
2
´ e ter
b
2
−4ac = 0. Em vista do fato de que 2m
1
=−
b
a
torna-se
y
2
= e
m
1
x
_
e
2m
1
x
e
2m
1
x
dx = xe
m
1
x
a soluc¸ ˜ ao para 5.3.2 ´ e ent˜ ao
y = c
1
e
m
1
x
+c
2
xe
m
1
x
(5.3.6)
• Caso 3: Ra´ızes Complexas Conjugadas - Se m
1
e m
2
s˜ ao complexas, ent˜ ao podemos
escrever
m
1
= α +iβ e m
2
= α −iβ
em α e β > 0 s˜ ao n´ umeros reais e i
2
= −1. Formalmente, n˜ ao h´ a diferenc¸a entre este
caso e o Caso 1, em que
y =C
1
e
(α+iβ)x
+C
2
e
(α−iβ)x
.
Por´ em, na pr´ atica, preferimos trabalhar com func¸ ˜ oes reais em vez de exponenciais com-
plexas. Para este fim, usamos a f´ ormula de Euler.
e

= cosθ +i sinθ
em que θ ´ e qualquer n´ umero real. Segue-se desta f´ ormula que
e
iβx
= cosβx +i sinβx e e
iβx
= cosβx −i sinβx (5.3.7)
em que usamos cos(−βx) = cosβx e sin(−βx) = −sinβx. Note que somando e depois
subtraindo as duas equac¸ ˜ oes em (5.3.7), obtemos, respectivamente,
e
iβx
+e
−iβx
= 2cosβx e e
iβx
−e
−iβx
= 2i sinβx
72
Como y = C
1
e
(α+iβ)x
+C
2
e
(α−iβ)x
´ e uma soluc¸ ˜ ao para (5.3.2) para qualquer escolha
das constantes C
1
e C
2
. Fazendo C
1
= C
2
= 1 e C
1
= 1, C
2
= −1, temos, nesta ordem,
soluc¸ ˜ oes:
y
1
= e
(α+iβ)x
+e
(α−iβ)x
e y
2
= e
(α+iβ)x
−e
(α−iβ)x
Mas,
y
1
= e
αx
(e
iβx
+e
−iβx
) = 2e
αx
cosβx
e
y
2
= e
αx
(e
iβx
−e
−iβx
) = 2ie
αx
sinβx
Portanto, pelo color´ ario (5.2) e o Teorema (5.3), os dois ´ ultimos resultados mostram que
as func¸ ˜ oes e
αx
cosβx e e
αx
sinβx s˜ ao soluc¸ ˜ oes para (5.3.2). Como
W(e
αx
cosβx, e
αx
sinβx) = βe
2αx
= 0
β > 0, e da´ı podemos concluir que as duas func¸ ˜ oes formam um conjunto fundamental
de soluc¸ ˜ oes para a equac¸ ˜ ao diferencial em (−∞, +∞). Pelo princip´ıo de superposic¸ ˜ ao, a
soluc¸ ˜ ao geral ´ e
y = c
1
e
αx
cosβx +c
2
e
αx
sinβx
y = e
αx
(c
1
cosβx +c
2
sinβx)
(5.3.8)
Exemplo 5.25 Resolva as seguintes equac¸ ˜ oes diferenciais
1. 2y
′′
−5y

−3y = 0;
2. y
′′
−10y

+25y = 0;
3. y
′′
+y

+y = 0.
Exemplo 5.26 Resolva o problema de valor inicial
_
y
′′
−4y

+13y = 0
y(0) =−1, y

(0) = 2
Equac¸ ˜ ao de Ordem Superior
No caso geral, para resolver uma equac¸ ˜ ao diferencial de n-´ esima ordem
a
n
y
(n)
+a
(n−1)
y
(n−1)
+· · · +a
2
y
′′
+a
1
y

+a
0
y = 0 (5.3.9)
73
em que os a
i
, i = 0, 1, · · · , n s˜ ao constantes reais, devemos resolver uma equac¸ ˜ ao polinomial de
grau n
a
n
m
n
+a
n−1
m
n−1
+· · · +a
2
m
2
+a
1
m+a
0
= 0 (5.3.10)
Se todas as ra´ızes de (5.3.10) s˜ ao reais e distintas, ent˜ ao a soluc¸ ˜ ao geral para (5.3.9) ´ e
y = c
1
e
m
1
x
+c
2
e
m
2
x
+· · · +c
n
e
m
n
x
(5.3.11)
´
E um pouco mais dif´ıcil resumir os an´ alogos dos Casos II e III porque as ra´ızes de uma equac¸ ˜ ao
auxiliar de grau maior que dois podem ocorrer com v´ arias combinac¸ ˜ oes. Por exemplo, uma
equac¸ ˜ ao de grau cinco pode ter cinco ra´ızes reais distintas, ou trˆ es ra´ızes reais distintas e duas
complexas, ou uma raiz real e quatro complexas, ou cinco ra´ızes reais iguais, ou cinco ra´ızes
reais, mas duas delas iguais etc. Quando m
1
´ e uma raiz de multiplicidade k de uma equac¸ ˜ ao au-
xiliar de grau n (isto ´ e, k ra´ızes s˜ ao iguais a m
1
), pode ser mostrado que as soluc¸ ˜ oes linearmente
independentes s˜ ao
e
m
1
x
, xe
m
1
x
, x
2
e
m
1
x
, · · · , x
k−1
e
m
1
x
e a soluc¸ ˜ ao geral tem de conter a combinac¸ ˜ ao linear
c
1
e
m
1
x
+c
2
xe
m
1
x
+c
3
x
2
e
m
1
x
+· · · +c
k
x
k−1
e
m
1
x
Por ´ ultimo, devemos lembrar que, quando os coeficientes s˜ ao reais, ra´ızes complexas de uma
equac¸ ˜ ao auxiliar sempre aparecem em pares conjugados. Logo, por exemplo, uma equac¸ ˜ ao
polinomial c´ ubica pode ter no m´ aximo duas ra´ızes complexas.
Exemplo 5.27 Resolva
1. y
′′′
+3y
′′
−4y = 0;
2. 3y
′′′
+5y
′′
+10y

−4y = 0;
3.
d
4
y
dx
4
+2
d
2
y
dx
2
+y = 0
O exemplo acima ilustra um caso especial quando a equac¸ ˜ ao auxiliar possui ra´ızes com-
plexas repetidas. No caso geral, se m
1
= α +iβ ´ e uma raiz complexa de multiplicidade k de
uma equac¸ ˜ ao auxiliar com coeficientes reais, ent˜ ao seu conjugado m
1
= α −iβ ´ e tamb´ em uma
raiz de multiplicidade k. A partir das 2k soluc¸ ˜ oes complexas
e
(α+iβ)x
, xe
(α+iβ)x
, x
2
e
(α+iβ)x
, · · · , x
k−1
e
(α+iβ)x
74
e
(α−iβ)x
, xe
(α−iβ)x
, x
2
e
(α−iβ)x
, · · · , x
k−1
e
(α−iβ)x
conclu´ımos, com a ajuda da f´ ormula de Euler, que a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao diferencial
correspondente tem ent˜ ao de conter uma combinac¸ ˜ ao linear das 2k soluc¸ ˜ oes reais linearmente
independentes
e
αx
cosβx, xe
αx
cosβx, x
2
e
αx
cosβx, · · · , x
k−1
e
αx
cosβx
e
αx
sinβx, xe
αx
sinβx, x
2
e
αx
sinβx, · · · , x
k−1
e
αx
sinβx
LISTA DE EXERC
´
ICIOS
1. Encontre a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao diferencial dada.
(a) 4y
′′
+y

= 0;
(b) y
′′
−36y = 0;
(c) y
′′
+9y = 0;
(d) y
′′
−y

−6y = 0;
(e)
d
2
y
dx
2
+
dy
dx
+16y = 0;
(f) y
′′
+3y

−5y = 0;
(g) 12y
′′
−5y

−2y = 0;
(h) y
′′
−4y

+5y = 0;
(i) 3y
′′
+2y

+y = 0;
(j) y
′′′
−4y
′′
−5y

= 0;
(k) y
′′′
−y = 0;
(l) y
′′′
−5y
′′
+3y

+9y = 0;
(m) y
′′′
+y
′′
−2y = 0;
(n) y
′′′
+3y
′′
+3y

+y = 0;
(o)
d
4
y
dx
4
+
d
3
y
dx
3
+
d
2
y
dx
2
= 0;
(p) 16
d
4
y
dx
4
+24
d
2
y
dx
2
+9y = 0;
(q)
d
5
y
dx
5
−16
dy
dx
= 0;
(r)
d
5
y
dx
5
+5
d
4
y
dx
4
−2
d
3
y
dx
3
−10
d
2
y
dx
2
+
dy
dx
+5y = 0.
2. Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada sujeita ` as condic¸ ˜ oes iniciais indicadas.
75
(a)
_
y
′′
+16y = 0
y(0) = 2, y

(0) =−2
(b)
_
y
′′
+6y

+5y = 0
y(0) = 0, y

(0) = 3
(c)
_
2y
′′
−2y

+y = 0
y(0) =−1, y

(0) = 0
(d)
_
y
′′
+y

+2y = 0
y(0) = y

(0) = 0
(e)
_
y
′′
−3y

+2y = 0
y(1) = 0, y

(1) = 1
(f)
_
y
′′′
+12y
′′
+36y

= 0
y(0) = 0, y

(0) = 1, y
′′
(0) =−7
(g)
_
y
′′′
−8y = 0
y(0) = 0, y

(0) =−1, y
′′
(0) = 0
(h)
_
_
_
d
4
y
dx
4
−3
d
3
y
dx
3
+3
d
2
y
dx
2

dy
dx
= 0
y(0) = y

(0) = 0, y
′′
(0) = y
′′′
(0) = 1
3. Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada sujeita ` as condic¸ ˜ oes de contorno indicada.
(a)
_
y
′′
−10y

+25y = 0
y(0) = 1, y(1) = 0
(b)
_
_
_
y
′′
+y = 0
y

(0) = 0, y

(
π
2
) = 2
4. As ra´ızes de uma equac¸ ˜ ao auxiliar s˜ ao m
1
= 4, m
2
= m
3
=−5. Qual ´ e a equac¸ ˜ ao diferen-
cial correspondente?
5. Encontre a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao y
′′′
−9y
′′
+25y

−17y = 0, em que y
1
= e
x
.
76
5.4 OPERADORES DIFERERENCIAIS
Em c´ alculo, usamos freq¨ uentemente a letra mai ´ uscula D para denotar derivac¸ ˜ ao; isto ´ e,
dy
dx
= Dy
O s´ımbolo D ´ e chamado de operador diferencial; ele transforma uma func¸ ˜ ao diferenci´ avel em
outra func¸ ˜ ao; por exemplo,
D(e
4x
) = 4e
4x
, D(5x
3
−6x
2
) = 15x
2
−12x e D(cos2x) =−2sin2x
O operador diferencial D tamb´ em possui uma propriedade de linearidade; D operando em
uma combinac¸ ˜ ao linear de duas func¸ ˜ oes diferenci´ aveis ´ e o mesmo que a combinac¸ ˜ ao linear de
D operando nas func¸ ˜ oes individualmente. Em s´ımbolos, isso significa
D{af (x) +bg(x)} = aDf (x) +bDg(x) (5.4.1)
em que a e b s˜ ao constantes. Por causa da igualdade (5.4.1), dizemos que D ´ e um operador
diferencial linear
Derivadas de Ordem Superior
Derivadas de ordem superior podem ser expressas em termos de D de uma maneira natural:
d
dx
_
dy
dx
_
=
d
2
y
dx
2
= D(Dy) = D
2
y , e no caso geral ,
d
n
y
dx
n
= D
n
y
em que y representa uma func¸ ˜ ao suficientemente diferenci´ avel. Express˜ oes polinomiais envol-
vendo D, tais como
D+3 , D
2
+3D−4 e 5D
3
−6D
2
+4D+9
s˜ ao tamb´ em operadores diferenciais lineares.
Equac¸ ˜ oes Diferenciais
Qualquer equac¸ ˜ ao diferencial linear pode ser expressa em termos de D. Por exemplo,
uma equac¸ ˜ ao diferencial de segunda ordem com coeficientes constantes ay
′′
+by

+cy = g(x)
pode ser escrita como
aD
2
y +bDy +cy = g(x) ou (aD
2
+bD+c)y = g(x)
77
Se definirmos L = aD
2
+bD+c, ent˜ ao a ´ ultima equac¸ ˜ ao pode ser escrita de maneira com-
pacta como
L(y) = g(x)
O operador L = aD
2
+bD+c ´ e chamado de operador diferencial linear de segunda ordem
com coeficientes cosntantes.
Exemplo 5.28 Escreva a equac¸ ˜ ao
y
′′
+y

+2y = 5x −3
em termos do operador diferencial.
Um operador diferencial linear de n-´ esima ordem
L = a
n
D
n
+a
n−1
D
n−1
+· · · +a
1
D+a
0
com coeficientes constantes pode ser fatorado quando o polinˆ omio caracter´ıstico
a
n
m
n
+a
n−1
m
n−1
+· · · +a
1
m+a
0
tamb´ em se fatora. Por exemplo, se tratarmos D como uma quantidade alg´ ebrica, ent˜ ao D
2
+
5D+6 pode ser fatorado como (D+2)(D+3) ou como (D+3)(D+2). Em outras palavras,
para uma func¸ ˜ ao y = f (x) duas vezes diferenci´ avel
(D
2
+5D+6)y = (D+2)(D+3)y = (D+3)(D+2)y
Para ver por que isso funciona assim, seja w = (D+3)y = y

+3y, ent˜ ao
(D+2)w = Dw+2w = (y
′′
+3y

) +(2y

+6y) = y
′′
+5y

+6y
Analogamente, se colocarmos w = (D+2)y = y

+2y, ent˜ ao
(D+3)w = Dw+3w = (y
′′
+2y

) +(3y

+6y) = y
′′
+5y

+6y
Isso ilustra uma propriedade geral:
Fatores de um operador linear com coeficientes constantes comutam
Exemplo 5.29 Escreva a equac¸ ˜ ao
y
′′
+4y

+4y = 0
78
em termos do operador diferencial (forma fatorada).
Operador Anulador
Se L ´ e um operador diferencial com coeficientes constantes e y = f (x) ´ e uma func¸ ˜ ao sufi-
cientemente diferenci´ avel, tal que
L(y) = 0
ent˜ ao dizemos que L ´ e um anulador da func¸ ˜ ao. Por exemplo, se y = k (uma constante), ent˜ ao
Dk = 0. Ainda, D
2
x = 0, D
3
x
2
= 0 e assim por diante.
O operador diferencial D
n
anula cada uma das func¸ ˜ oes
1, x, x
2
, x
3
, · · · , x
n−1
(5.4.2)
Como conseq¨ uˆ encia imediata de (5.4.2) e do fato de que a derivac¸ ˜ ao pode ser feita termo a
termo, um polinˆ omio
c
0
+c
1
x +c
2
x
2
+· · · +c
n−1
x
n−1
´ e anulado por um operador que anula a maior potˆ encia de x.
Exemplo 5.30 Encontre um operador diferencial que anula
1−5x
2
+8x
3
Observac¸ ˜ ao 5.6 As func¸ ˜ oes que s˜ ao anuladas por um operador diferencial linear de n-´ esima
ordem L s˜ ao simplesmente aquelas que podem ser obtidas a partir da soluc¸ ˜ ao geral para a
equac¸ ˜ ao homogˆ enea L(y) = 0.
O operador diferencial (D−α)
n
anula cada uma das func¸ ˜ oes
e
αx
, xe
αx
, x
2
e
αx
, · · · , x
n−1
e
αx
(5.4.3)
Para ver isso, note que a equac¸ ˜ ao auxiliar da equac¸ ˜ ao homogˆ enea (D−α)
n
y = 0 ´ e (m−
α)
n
= 0. Como α ´ e uma raiz de multiplicidade n, a soluc¸ ˜ ao geral ´ e
y = c
1
e
αx
+c
2
xe
αx
+c
3
x
2
e
αx
+· · · +c
n
x
n−1
e
αx
79
Exemplo 5.31 Encontre um operador anulador para
1. e
5x
;
2. 4e
2x
−6xe
2x
.
Quando α e β s˜ ao n´ umeros reais, a f´ ormula quadr´ atica mostra que
[m
2
−2αm+(α
2

2
)]
n
= 0
possui ra´ızes complexas α +βi, α −βi, ambas de multiplicidade n.
O operador diferencial [D
2
−2αD+(α
2

2
)]
n
anula cada uma das func¸ ˜ oes
e
αx
cosβx, xe
αx
cosβx, x
2
e
αx
cosβx, · · · , x
n−1
e
αx
cosβx
e
αx
sinβx, xe
αx
sinβx, x
2
e
αx
sinβx, · · · , x
n−1
e
αx
sinβx
(5.4.4)
Exemplo 5.32 Encontre um operador anulador para y = 5e
−x
cos2x −9e
−x
sin2x.
Exemplo 5.33 Encontre um operador anulador para
y = c
1
cosx +c
2
sinx +c
3
xcosx +c
4
xsinx
Estamos interessados em anuladores da soma de duas ou mais func¸ ˜ oes. Se L ´ e um operador
diferencial linear tal que L(y
1
) = 0 e L(y
2
) = 0, ent˜ ao L anula a combinac¸ ˜ ao linear c
1
y
1
(x) +
c
2
y
2
(x). Isto ´ e uma consequˆ encia direta do Teorema (5.3). Vamos supor agora que L
1
e L
2
s˜ ao
operadores diferenciais lineares com coeficientes constantes tais que, L
1
anula y
1
(x) e L
2
anula
y
2
(x), mas L
1
(y
2
) = 0 e L
2
(y
1
) = 0. Ent˜ ao, o o produto dos operadores diferenciais L
1
L
2
anula
a soma c
1
y
1
(x) +c
2
y
2
(x). Podemos facilmente demonstrar isso usando linearidade e o fato de
que L
1
L
2
= L
2
L
1
:
L
1
L
2
(y
1
+y
2
) = L
1
L
2
(y
1
) +L
1
L
2
(y
2
)
= L
2
L
1
(y
1
) +L
1
L
2
(y
2
)
= 0
(5.4.5)
Exemplo 5.34 Encontre um operador diferencial que anula 7−x +6sin3x.
Exemplo 5.35 Encontre um operador diferencial que anula e
−3x
+xe
x
.
Observac¸ ˜ ao 5.7 O operador diferencial que anula uma func¸ ˜ ao n˜ ao ´ e ´ unico. Por exemplo,
sabemos que D−5 anula e
5x
, mas tamb´ em os operadores diferenciais de ordem superior, como
80
(D−5)(D+1) e (D−5)D
2
, anulam essa func¸ ˜ ao. Quando procuramos um anulador diferen-
cial para uma func¸ ˜ ao y = f (x), queremos o operador de menor ordem poss´ıvel que fac¸a este
trabalho.
LISTA DE EXERC
´
ICIOS
1. Escreva a equac¸ ˜ ao diferencial na forma L(y) = g(x).
(a)
dy
dx
+5y = 9sinx;
(b) 3y
′′
−5y

+y = e
x
;
(c) y
′′′
−4y
′′
+5y

= 4x.
2. Se poss´ıvel, fatore o operador diferencial dado.
(a) 9D
2
−4;
(b) D
2
−4D−12;
(c) D
3
+2D−13D+10;
(d) D
4
+8D.
3. Verifique que o operador diferencial dado anula a func¸ ˜ ao indicada.
(a) D
4
; y = 10x
3
−2x;
(b) (D−2)(D+5) ; y = 4e
2x
.
4. Encontre um operador diferencial que anule a func¸ ˜ ao dada.
(a) 1+6x −2x
3
;
(b) 1+7e
2x
;
(c) cos2x;
(d) 13x +9x
2
−sin4x;
(e) e
−x
+2xe
x
−x
2
e
x
;
(f) 3+e
x
cos2x.
81
5.5 COEFICIENTES INDETERMINADOS - ABORDAGEM POR ANULADORES
Para obter a soluc¸ ˜ ao geral para uma equac¸ ˜ ao diferencial linear n˜ ao-homogˆ enea devemos
fazer duas coisas:
1. Encontrar a func¸ ˜ ao complementar y
c
.
2. Encontrar uma soluc¸ ˜ ao particular y
p
para a equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea.
Lembre-se de que uma soluc¸ ˜ ao particular ´ e qualquer func¸ ˜ ao, independente de constantes,
que satisfac¸a a equac¸ ˜ ao diferencial. A soluc¸ ˜ ao geral para uma equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea em um
intervalo ´ e ent˜ ao y = y
c
+y
p
.
Se L denota um operador diferencial linear da forma a
n
D
n
+a
n−1
D
n−1
+· · · +a
1
D+a
0
,
ent˜ ao uma equac¸ ˜ ao diferencial linear n˜ ao homogˆ enea pode ser escrita simplesmente como
L(y) = g(x) (5.5.6)
O m´ etodo dos coeficientes indeterminados apresentado nesta sec¸ ˜ ao limita-se a equac¸ ˜ oes
lineares n˜ ao-homogˆ eneas
• que tˆ em coeficiente constantes, e
• em que g(x) ´ e uma constante k, uma func¸ ˜ ao polinomial, uma func¸ ˜ ao exponencial e
αx
,
sinβx, cosβx ou somas e produtos finitos dessas func¸ ˜ oes.
Observac¸ ˜ ao 5.8 Precisamente, g(x) = k, (uma constante) ´ e uma func¸ ˜ ao polinomial. Como
uma func¸ ˜ ao constante n˜ ao ´ e provavelmente a primeira coisa que lhe vem ` a mente quando vocˆ e
pensa em func¸ ˜ oes polinomiais, para enfatizar, continuamos a usar a redundˆ ancia “func¸ ˜ oes
constantes, polinomiais, · · · ”
O que segue s˜ ao alguns exemplos de tipos de func¸ ˜ oes aplicadas g(x) que s˜ ao apropriados
para essa discuss˜ ao:
g(x) = 10
g(x) = x
2
−5x
g(x) = 15x −6+8e
4x
g(x) = sin3x −5xcos2x
g(x) = e
x
cosx −(3x
2
−1)e
−x
(5.5.7)
82
e assim por diante. Em outras palavras, g(x) ´ e uma combinac¸ ˜ ao linear de func¸ ˜ oes da forma
k(constante) , x
m
, x
m
e
αx
, x
m
e
αx
cosβx e x
m
e
αx
sinβx.
em que m ´ e um inteiro n˜ ao negativo e α e β s˜ ao n´ umeros reais. O m´ etodo dos coeficientes
indeterminados n˜ ao se aplica a equac¸ ˜ oes da forma (5.5.6) quando, por exemplo,
g(x) = lnx , g(x) =
1
x
, g(x) = tanx e g(x) = arcsinx.
Como vimos, uma combinac¸ ˜ ao linear de func¸ ˜ oes do tipo
k(constante) , x
m
, x
m
e
αx
, x
m
e
αx
cosβx e x
m
e
αx
sinβx
´ e precisamente o tipo de func¸ ˜ ao que pode ser anulada por um operador L
1
(de menor ordem)
consistindo em um produto de operadores tais como
D
n
, (D−α)
n
e [D
2
−2αD+(α
2

2
)]
n
Aplicando L
1
a ambos os membros de (5.5.6), obtemos
L
1
L(y) = L
1
(g(x)) = 0 (5.5.8)
Resolvendo a equac¸ ˜ ao homogˆ enea de ordem maior L
1
L(y) =0, podemos descobrir a forma
de uma soluc¸ ˜ ao particular y
p
para a equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea original L(y) = g(x).
Exemplo 5.36 Resolva a equac¸ ˜ ao y
′′
+3y

+2y = 4x
2
;
Exemplo 5.37 Resolva a equac¸ ˜ ao y
′′
−3y

= 8e
3x
+4sinx.
Resumo do M´ etodo
Para sua conveniˆ encia, o m´ etodo dos coeficientes indeterminados est´ a aqui resumido:
Coeficientes Indeterminados - Abordagem por Anuladores
A equac¸ ˜ ao diferencial L(y) =g(x) tem coeficientes constantes e a func¸ ˜ ao consiste em somas
e produtos finitos de constantes, func¸ ˜ oes polinomiais, func¸ ˜ oes exponenciais e
αx
, senos e co-
senos.
1. Encontre a soluc¸ ˜ ao complementar y
c
para a equac¸ ˜ ao homogˆ enea L(y) = 0.
83
2. Opere em ambos os lados da equac¸ ˜ ao n˜ ao-homogˆ enea L(y) = g(x) com um operador
diferencial L
1
, que anula a func¸ ˜ ao g(x).
3. Encontre a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao diferencial homogˆ enea de maior ordem L
1
L(y) =
0.
4. Desconsidere todos os termos da soluc¸ ˜ ao encontrada em (3) que est˜ ao duplicados na
soluc¸ ˜ ao complementar y
c
encontrado em (1). Forme uma combinac¸ ˜ ao linear y
p
dos ter-
mos restantes. Essa ´ e a forma de uma soluc¸ ˜ ao particular para L(y) = g(x).
5. Substitua y
p
encontrada em (4) na equac¸ ˜ ao L(y) = g(x). Agrupe os coeficientes das
func¸ ˜ oes em cada lado da igualdade e resolva o sistema resultante de equac¸ ˜ oes para os
coeficientes indeterminados em y
p
.
6. Com a soluc¸ ˜ ao particular encontrada em (5), forme a soluc¸ ˜ ao geral y = y
c
+y
p
para a
equac¸ ˜ ao diferencial dada.
LISTA DE EXERC
´
ICIOS
1. Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada pelo m´ etodo dos coeficientes indeterminados.
(a) y
′′
−9y = 54;
(b) y
′′
+y

= 3;
(c) y
′′
+4y

+4y = 2x +6;
(d) y
′′′
+y
′′
= 8x
2
;
(e) y
′′
−y

−12y = e
4x
;
(f) y
′′
−2y

−3y = 4e
x
−9;
(g) y
′′
+25y = 6sinx;
(h) y
′′
+6y

+9y =−xe
4x
;
(i) y
′′
−y = x
2
e
x
+5;
(j) y
′′
−2y

+5y = e
x
sinx;
(k) y
′′
+25y = 20sin5x;
(l) y
′′
+y

+y = xsinx;
(m) y
′′′
−3y
′′
+3y

−y = e
x
−x +16;
(n) y
(4)
−2y
′′′
+y
′′
= e
x
+1;
84
(o) 16y
(4)
−y = e
x
2
.
(p) y
′′
+8y = 5x +2e
−x
;
(q) y
′′
+y = xcosx −cosx;
(r) y
′′
−2y

+y = 10e
−2x
cosx;
(s) y
′′′
−4y
′′
+4y

= 5x
2
−6x +4x
2
e
2x
+3e
5x
.
2. Resolva a equac¸ ˜ ao diferencial dada sujeita ` as condic¸ ˜ oes iniciais indicadas.
(a)
_
y
′′
−64y = 16
y(0) = 1, y

(0) = 0
;
(b)
_
y
′′
−5y

= x −2
y(0) = 0, y

(0) = 2
;
(c)
_
_
_
y
′′
+y = 8cos2x −4sinx
y
_
π
2
_
=−1, y

_
π
2
_
= 0
;
(d)
_
y
′′
−4y

+8y = x
3
y(0) = 2, y

(0) = 4
.
5.6 VARIAC¸
˜
AO DOS PAR
ˆ
AMETROS
5.6.1 Resoluc¸ ˜ ao de Equac¸ ˜ oes Lineares de Primeira Ordem
No Cap´ıtulo 2, vimos que a soluc¸ ˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao diferencial linear de primeira
ordem
dy
dx
+P(x)y = f (x) (5.6.9)
em que P(x) e f (x) s˜ ao cont´ınuas em um intervalo I, ´ e
y = e

_
P(x)dx
_
e
_
P(x)dx
f (x)dx +c
1
e

_
P(x)dx
. (5.6.10)
Agora, (5.6.10) tem a forma y = y
c
+y
p
, em que y
c
= c
1
e

_
P(x)dx
´ e uma soluc¸ ˜ ao para
dy
dx
+P(x)y = 0 (5.6.11)
e
y
p
= e

_
P(x)dx
_
e
_
P(x)dx
f (x)dx (5.6.12)
85
´ e uma soluc¸ ˜ ao particular para (5.6.9). Para motivar um m´ etodo adicional para resolver equac¸ ˜ oes
lineares n˜ ao-homogˆ eneas de ordem superior, vamos novamente deduzir (5.6.12), agora por um
m´ etodo conhecido como variac¸ ˜ ao de parˆ ametros.
Suponha que y
1
seja uma soluc¸ ˜ ao conhecida para (5.6.11), isto ´ e,
dy
1
dx
+P(x)y
1
= 0
Sabemos que y
1
= e

_
P(x)dx
´ e uma soluc¸ ˜ ao e, como a equac¸ ˜ ao diferencial ´ e linear sua soluc¸ ˜ ao
´ e y = c
1
y
1
(x). Variac¸ ˜ ao dos parˆ ametros consiste em encontrar uma func¸ ˜ ao u
1
tal que
y
p
= u
1
(x)y
1
(x)
. seja uma soluc¸ ˜ ao particular para (5.6.9). Em outras palavras, trocamos o parˆ ametro c
1
por
uma vari´ avel u
1
.
Substituindo y
p
= u
1
y
1
em (5.6.9), obtemos
dy
dx
+P(x)y = f (x)
d
dx
[u
1
y
1
] +P(x)[u
1
y
1
] = f (x)
u
1
dy
1
dx
+y
1
du
1
dx
+P(x)u
1
y
1
= f (x)
u
1
_
dy
1
dx
+P(x)y
1
_
+y
1
du
1
dx
= f (x)
y
1
du
1
dx
= f (x)
assim
y
1
du
1
dx
= f (x)
Separando as vari´ aveis, encontramos
du
1
=
f (x)
y
1
(x)
dx e u
1
=
_
f (x)
y
1
(x)
dx
segue-se ent˜ ao que
y = u
1
y
1
= y
1
_
f (x)
y
1
(x)
dx
Como y
1
= e

_
P(x)dx
, temos que o ´ ultimo resultado ´ e
y = e

_
P(x)dx
_
e
_
P(x)dx
f (x)dx
86
5.6.2 Equac¸ ˜ oes de Segunda Ordem
Para adaptar o procedimento precedente a equac¸ ˜ oes diferenciais lineares se segunda ordem
a
2
(x)y
′′
+a
1
(x)y

+a
0
(x)y = g(x), (5.6.13)
colocamos (5.6.13) na forma padr˜ ao
y
′′
+P(x)y

+Q(x)y = f (x) (5.6.14)
dividindo por a
2
(x). Aqui, supomos P(x), Q(x) e f (x) s˜ ao cont´ınuas em alugm intervalo I. A
equac¸ ˜ ao (5.6.14) ´ e an´ aloga a (5.6.9). Como sabemos, quando P(x) e Q(x) s˜ ao constantes, n˜ ao
temos nenhuma dificuldade em escrever y
c
.
Suponha que y
1
e y
2
formem um conjunto fundamental de soluc¸ ˜ oes em I da forma ho-
mogˆ enea associada (5.6.14), isto ´ e,
y
′′
1
+P(x)y

1
+Q(x)y
1
= 0
e
y
′′
2
+P(x)y

2
+Q(x)y
2
= 0
Agora, perguntamos: podemos encontrar duas func¸ ˜ oes u
1
e u
2
tais que
y
p
= u
1
(x)y
1
(x) +u
2
(x)y
2
(x)
seja uma soluc¸ ˜ ao particular para (5.6.14)? Note que nossa suposic¸ ˜ ao para y
p
´ e a mesma que
y
c
= c
1
(x)y
1
(x) +c
2
(x)y
2
(x), mas substitu´ımos c
1
e c
2
pelos “parˆ ametros vari´ aveis” u
1
e u
2
.
Como queremos determinar duas func¸ ˜ oes desconhecidas, a raz˜ ao nos diz que precisamos de
duas equac¸ ˜ oes. Como na discuss˜ ao introdut ´ oria que resultou na descoberta de (5.6.12), uma
dessas equac¸ ˜ oes resulta na substituic¸ ˜ ao y
p
= u
1
y
1
+u
2
y
2
na equac¸ ˜ ao diferencial dada (5.6.14).
A outra equac¸ ˜ ao que impomos ´ e
y
1
u

1
+y
2
u

2
= 0 (5.6.15)
Essa equac¸ ˜ ao ´ e uma suposic¸ ˜ ao que fazemos para simplificar a primeira derivada e, consequente-
mente, a segunda derivada de y
p
. Usando a regra do produto para derivar y
p
, obtemos:
y

p
= u
1
y

1
+y
1
u

1
+u
2
y

2
+y
2
u

2
(5.6.16)
87
assim
y

p
= u
1
y

1
+u
2
y

2
.
Continuando, encontramos
y
′′
p
= u
1
y
′′
1
+u

1
y

1
+u
2
y
′′
2
+u

2
y

2
.
Substituindo esses resultados em (5.6.14), temos
y

1
u

1
+u

2
y

2
= f (x).
Em outras palavras, u
1
e u
2
tˆ em de ser func¸ ˜ oes que tamb´ em satisfac¸am a condic¸ ˜ ao
y

1
u

1
+u

2
y

2
= f (x) (5.6.17)
As equac¸ ˜ oes (5.6.15) e (5.6.17) constituem um sistema linear de equac¸ ˜ oes para determinar as
derivadas u

1
e u

2
. Pela regra de Cramer, a soluc¸ ˜ ao para
_
y
1
u

1
+y
2
u

2
= 0
y

1
u

1
+y

2
u

2
= f (x)
pode ser expressa em termos de determinantes:
u

1
=
W
1
W
e u

2
=
W
2
W
(5.6.18)
em que
W =
¸
¸
¸
¸
¸
y
1
y
2
y

1
y

2
¸
¸
¸
¸
¸
, W
1
=
¸
¸
¸
¸
¸
0 y
2
f (x) y

2
¸
¸
¸
¸
¸
e W
2
=
¸
¸
¸
¸
¸
y
1
0
y

1
f (x)
¸
¸
¸
¸
¸
(5.6.19)
O determinante W ´ e o Wronskiano de y
1
e y
2
. Pela independˆ encia linear de y
1
e y
2
em I,
sabemos que W(x) = 0 para todo x no intervalo.
Resumo do M´ etodo
Em geral, n˜ ao ´ e uma boa id´ eia memorizar f´ ormulas em vez de entender o processo. Por´ em,
o procedimento precedente ´ e muito longo e complicado de usar cada vez que queremos resolver
uma equac¸ ˜ ao direferencial. Neste caso, ´ e mais eficiente simplesmente usar as f´ ormulas de
(5.6.18). Ent˜ ao, para resolver a
2
(x)y
′′
+a
1
(x)y

+a
0
(x)y = g(x), primeiro encontre a func¸ ˜ ao
complementar y
c
= c
1
y
1
+c
2
y
2
e ent˜ ao calcule o Wronskiano
W =
¸
¸
¸
¸
¸
y
1
y
2
y

1
y

2
¸
¸
¸
¸
¸
.
88
Dividindo por a
2
, colocamos a equac¸ ˜ ao na forma y
′′
+P(x)y

+Q(x)y = f (x) para determinar
f (x). Encontramos u
1
e u
2
integrando u

1
=W
1
/W e u

2
=W
2
/W, emque W
1
e W
2
est˜ ao definidos
em (5.6.19). Uma soluc¸ ˜ ao particular ´ e y
p
= u
1
y
1
+u
2
y
2
. A soluc˜ ao geral para a equac¸ ˜ ao ´ e
portanto y = y
c
+y
p
.
Exemplo 5.38 Resolva y
′′
−4y

+4y = (x +1)e
2x
.
Exemplo 5.39 Resolva 4y
′′
+36y = csc3x.
Constantes de Integrac¸ ˜ ao Quando calculamos as integrais indefinidas u

1
e u

2
, n˜ ao pre-
cisamos introduzir constantes. Isso porque
y = y
c
+y
p
= c
1
y
1
+c
2
y
2
+(u
1
+a
1
)y
1
+(u
2
+b
2
)y
2
= (c
1
+a
1
)y
1
+(c
2
+b
1
)y
2
+u
1
y
1
+u
2
y
2
= C
1
y
1
+C
2
y
2
+u
1
y
1
+u
2
y
2
.
LISTA DE EXERC
´
ICIOS
1. Generalize o m´ etodo de variac¸ ˜ ao de parˆ ametros para equac¸ ˜ oes diferenciais n˜ ao-homogˆ eneas
de n-´ esima ordem.
2. Resolva cada equac¸ ˜ ao diferencial pelo m´ etodo da variac¸ ˜ ao dos parˆ ametros. Defina um
intervalo no qual a soluc¸ ˜ ao geral seja v´ alida.
(a) y
′′
+y = sinx;
(b) y
′′
+y = secx;
(c) y
′′
−4y =
e
2x
x
;
(d) y
′′′
+y

= tanx.
(e) y
′′
−2y

+y = e
−x
lnx.
89
REFER
ˆ
ENCIAS
MALUMBRES, J. L. V. Metodos Cl ´ asicos de Resolucion de Ecuaciones Diferenciales Or-
dinarias. 4. ed. Espanha: Servic¸o de Publicac¸ ˜ oes da Universidade de La Rioja, 1996.
MURPHY, G. M. Ordinary Differential Equations Their Solutions. 1. ed. New York: Litton
Educational Publishing, 1960.
ZILL DENNIS G; CULLEN, M. R. Equac¸ ˜ oes diferenciais, Volume I. 4. ed. S˜ ao Paulo:
Markon Books, 2006.