ler

Sobre AFF Bem-vindo ao Aspies para a Liberdade Este site tem fóruns de autismo, fóruns cerebrais, autismo

sala de chat, artigos e muita informação na wiki autismo. Qualquer um pode participar, e membros da comunidade de pais autismo são bem-vindos. Aspies para a Liberdade começou em junho de 2004. Temos a visão de que Asperger e autismo não são negativos, e nem sempre são uma deficiência. Este era um conceito novo para muitas pessoas, mas desde que começamos a idéia se espalhou ainda mais, e agora estamos unidos por muitas pessoas que compartilham a mesma visão positiva. Foi chamado para a liberdade Aspies como os fundadores eram todos Aspies, embora o grupo é para qualquer pessoa com autismo, Asperger ou qualquer outra condição espectro. Sabemos que o autismo não é uma doença, e somos contra qualquer tentativa de "curar" alguém de uma condição do espectro do autismo, ou qualquer tentativa de torná-las "normais" contra sua vontade. Nós somos parte da construção da cultura do autismo. Pretendemos reforçar os direitos de autismo, oporse a todas as formas de discriminação contra Aspies e auties e trabalhar para trazer a comunidade em conjunto, tanto online como offline. Sobre este site Os nossos objectivos são os seguintes: • Para evitar a eliminação eugênica de pessoas autistas, opondo-se testes de pré-natal para autismo. Com os serviços de apoio à direita no lugar, todas as pessoas autistas são capazes de viver significativa e vidas cumprindo. No entanto, a cobertura negativa da mídia e de campanha deliberada pena ter criado a opinião pública de que o autismo é uma "tragédia", e que as pessoas com autismo não têm esperança de conseguir alguma coisa. Como tal, a disponibilidade de um teste pré-natal faria com que a maioria das pessoas autistas para ser abortado. Um estudo recente mostrou que 91-93% dos fetos que teste positivo para Síndrome de Down são abortadas. Como o autismo é genético, se estes valores foram semelhantes para um teste de pré-natal para o autismo, a população autista seria dizimada e cultura autista seria destruída. Além disso, a maioria dos fundos autismo atualmente apoia a investigação genética. Se esse dinheiro fosse canalizado para os serviços de apoio, as pessoas autistas teriam uma

chance muito maior de viver uma vida produtiva. Como tal, Aspies Para os defensores da liberdade contra o financiamento para pesquisa genética que levaria a um teste pré-natal. • Para opor-se fisicamente ou mentalmente prejudicial "tratamentos" dirigidas aos jovens autistas. Devido à percepção pública do autismo, um grande número de tratamentos antiéticos tornaram-se bastante comum. Esses tratamentos incluem fisicamente prejudicial (como aversivas terapias comportamentais ou restrições), tratamentos mentais prejudiciais (como 20-40 h / semana ABA, a restrição de não-stimming nocivos e outros mecanismos de enfrentamento autistas), não perigosos medicamente aprovado terapias baseadas em desacreditadas teorias ou crenças religiosas (como quelação ou exorcismo), e terapias que poderia ser chamado de "tortura", se eles foram usados em crianças não-autistas (como o eletrochoque "comportamentais" dispositivos). Aspies For Freedom defende a eliminação de todas as terapias físicas ou mentais prejudiciais. • Para realçar o "espectro" visão do autismo, e de a sublinhar as diferenças entre os diversos rótulos do espectro autista. Existem vários rótulos diferentes usados para pessoas em todo o espectro autista. Estas incluem "Alto funcionamento autismo", "Low funcionamento autismo", Síndrome de Asperger e PDD-NOS. As diferenças entre esses rótulos são muitas vezes bastante obscura, e muitas vezes são baseadas em torno do desenvolvimento da infância, que tem pouca influência sobre a natureza de um adulto autista. Um dos maiores obstáculos ao serviço de apoio acessando é a utilização de sub-grupos para atribuir apoio, em vez de avaliar as necessidades do indivíduo. Isto significa que, por exemplo, alguém com "alto funcionamento autismo" pode ser negado necessário apoio à habitação, devido ao rótulo, enquanto que alguém com "baixo funcionamento" autismo podem ser considerados impróprios para atividades de que são inteiramente capazes. O espectro do autismo abrange um leque muito vasto de pessoas, e essas pessoas nem sempre se encaixam perfeitamente dentro dos grupos disponíveis. Muitas vezes, estes agrupamentos são barreiras à compreensão, ao invés de ferramentas para a compreensão. Essencialmente, as pessoas em todos os grupos acima são uma parte do espectro do autismo, e generalização dos grupos específicos dentro do

espectro é contraproducente. A personalidade ea avaliação das necessidades de uma pessoa sobre o espectro deve ser olhado de forma individual, e não com base em uma etiqueta. Como tal, Aspies For Freedom apóia a visão do espectro do autismo, e defende o de ênfase das diferenças entre os rótulos do espectro autista. • Para se opor à idéia de um autismo "cura". Parte do problema com o autismo "como tragédia" ponto de vista é que ele carrega consigo a idéia de que uma pessoa é de alguma forma separável do autismo, e que há uma pessoa "normal" preso "atrás" do autismo. Ser autista é algo que influencia cada um dos elementos que uma pessoa é - a partir do interesse que temos, os sistemas éticos que usamos, a forma como vemos o mundo, ea maneira como vivemos nossas vidas. Como tal, o autismo é uma parte do que somos. Para "curar" alguém do autismo seria a de tirar a pessoa que eles são, e substituí-los com outra pessoa. Além disso, o financiamento para "curar" a investigação é improvável que alguma vez produzir um resultado. Entretanto, os serviços de apoio para as pessoas autistas são insuficiente. Esse dinheiro seria muito melhor usado para ajudar as pessoas autistas existentes. A mentalidade de cura também influencia o tratamento cultural de pessoas com autismo. Muitos pais foco na idéia de encontrar uma cura para seu filho, e pode ajudar a negligência real e apoio no processo. Além disso, ensinar as crianças que estão "quebrados" e precisam ser "fixo" tem conseqüências de longo prazo para a sua saúde mental. Aspies For Freedom se opõe à idéia de um autismo "cura", como uma cura real seria anti-ético, e do mito atual da cura é prejudicial. • Para avaliar supostos tratamentos de abordagens éticas. Um dos problemas com o estado atual do tratamento do autismo é que há pouco em termos de controle de qualidade, e muitas vezes um tratamento sugerido é iniciado sem o pensamento para a ética envolvida. Alguns exemplos de práticas antiéticas incluem o uso de estímulos aversivos (por exemplo, "mal" comportamento físico, negação de alimentos, provocando deliberada de sobrecargas sensoriais), exageradamente longas horas (por exemplo, muitas pessoas defendem 40hrs/week da ABA), tratamentos

potencialmente perigosos (por exemplo, a quelação ), e incidindo sobre "normalização" em vez de ajudar (por exemplo, restringindo não danificar comportamentos autistas, como stims). Aspies For Freedom visa avaliar as dimensões éticas de tratamentos de autismo novos e existentes. • Para aumentar o financiamento e acesso a serviços de apoio e formas autistas éticos do tratamento. Muitas formas de tratamento são altamente benéficos para muitas pessoas autistas - Por exemplo, a terapia da fala, terapia de integração sensorial e aconselhamento geral. Além disso, serviços de apoio em curso pode ajudar as pessoas a viver vidas mais produtivas - por exemplo, alojamento de emergência, serviços médicos especializados, e serviços de apoio ao emprego. Aspies Para os defensores da Liberdade aumento do financiamento para serviços de apoio, e apoia os esforços de angariação de apoio baseado em instituições de caridade autismo. • Para opor-se campanhas de publicidade negativa contra as pessoas autistas, como um grupo. A maioria dos fundos autismo é atualmente gerado com "pena" de campanha, sugerindo que o autismo é tragédia, doença ou epidemia que precisa ser interrompido. Infelizmente, este ponto de vista, tem-se propagado através de talk shows, notícias, e outras formas de cobertura da mídia. A técnica usual é para mostrar nada além de imagens de (presumivelmente) de crianças autistas com as birras e, em seguida imagens de pais reclamando sobre suas vidas. É muito raro ver imagens de uma criança autista que exercem actividades comuns, e ainda mais raro ver cenas de um adulto autista. Esta tragédia "visão do autismo é extremamente prejudicial para as pessoas autistas, muito além do alcance que os fundos gerados poderia justificar. Isso faz com que a discriminação no emprego, agrava o isolamento social, e que leva alguns pais a desistir de ajudar os seus filhos, em favor de agarrar uma falsa esperança de cura. Algumas organizações ainda mais longe, usando frases como "sem alma", "pior do que o cancro", ou "incapazes de amar". Uma das maiores organizações anti-autista, Autism Speaks, chegou mesmo a criar um filme de propaganda em que uma mulher fala sobre o desejo de unidade de si mesma e seu filho autista de uma ponte. A afirmação foi feita quando

ela era criança autista, na mesma sala. Essas campanhas são baseadas em estereótipos, preconceitos e deturpação deliberada, e eles precisam de ser interrompido. Aspies For Freedom defende um fim à campanha piedade, e um fim desvirtuado ou falsas histórias de mídia. • Para ajudar a promover uma imagem positiva ainda precisa de autismo. Um dos objetivos do site é ajudar a criar uma visão mais positiva das pessoas autistas, mostrando as coisas que realmente fazem, e salientando notícias positivas sobre os grupos e as pessoas autistas. Os autistas são um grupo muito diversificado, e as nossas diferenças são uma parte muito importante da diversidade humana. A razão para incluir a palavra "preciso" é que, embora as pessoas autistas têm realizado grandes coisas na arte, ciência, matemática, redação e outros empreendimentos criativos, muitas vezes é o caso de que isso é exagero dizer que todos os autistas são gênios -- que tem o efeito colateral de sugerir que uma pessoa autista precisa ser um gênio para ser considerado um ser humano vale a pena. Outro extremo é o desejo de alguns grupos de atribuir qualidades místicas para as pessoas autistas, que tem o efeito colateral de desumanização das pessoas autistas. Pessoas autistas estão por toda parte. Há uma boa chance de que você trabalha com ou conhece uma pessoa autista, sem o saberem. O autismo não é uma tragédia, ou um efeito colateral do gênio - é uma diferença a ser valorizada. Como tal, Aspies For Freedom tenta destruir estereótipos para criar uma ideia positiva e realista do que significa ser autista. • Para combater todas as formas de preconceito e intolerância. Muitos problemas associados com o autismo são causados, ou piorou, por preconceito. A raiz do preconceito em si - se lidamos com apenas as formas de preconceito que atualmente dizem respeito ao autismo, uma outra forma de preconceito se levantará para substituí-los. Devido a isso, Aspies For Freedom escolhe a combater todas as formas de preconceito e intolerância. Ele inclui as formas de intolerância relacionadas com a

cultura autista, tais como: • A idéia de que sendo neurotypical (ou seja, não autista, ou outro neurotype psicológico) é "melhor" do que ser autista. (Nota: isto não diz respeito a falar de habilidades específicas, apenas com a idéia de geral "Betterness") • A idéia de que sendo autista é "melhor" do que ser neurotypical. (Nota: mais uma vez, ela não diz respeito a falar de habilidades específicas, apenas com a idéia de geral "Betterness") • A idéia de que alguns rótulos no espectro do autismo são aceitáveis, mas outros são tragédias. • A idéia de que a Síndrome de Asperger e PDD-NOS não deve ser parte do espectro autista. • A idéia de que as pessoas não têm direito à autoidentificam como autistas

Notícias recentes Novo vídeo no YouTube AutTV Enviado por: Gareth - 04-12-2009 10:35 AM - Respostas (14) Um novo vídeo foi postado no canal AutTV, parodiando a atitude de autismo fala: http://www.youtube.com/watch?v=xz2X8f15x5k

Declaração sobre Gary McKinnon Enviado por: Gareth - 11-09-2008 12:51 PM - Respostas (99) Várias pessoas na nossa comunidade e da mídia foram reunindo em torno do caso de Gary McKinnon - um cracker que invadiu E.U. militares, acadêmicos e servidores da NASA, devido à sua crença em um encobrimento de OVNIs. Muitos mobilizar em torno desta causa têm chamado a atenção para as questões de extradição e questões julgamento justo - isto é algo que não é o meu lugar para comentar. No entanto, muitos têm tomado para retratar isso como uma questão de direitos autismo:

No que me diz respeito, qualquer pessoa promovendo-a como uma questão de direitos autismo é prejudicial para a nossa causa - por Gary implicando que deve ser dado tratamento preferencial diferente devido a seu diagnóstico de Asperger são automaticamente implicando que aspergers / autismo torna-o menos culpado por sua ações. Tenho visto muitos comentários ao longo das linhas de "ele tem aspergers, vá

com calma", em petições relacionadas a este. Quando tantas histórias mídia tem retratado Aspies como criminosos violentos incapazes de controlar suas ações, ou como incapaz de pensar nas conseqüências de suas ações, esse tipo de atividade faz mal imenso. Cada vez que um indivíduo autista é reivindicada a ser incapazes de controlar suas ações em casos criminais, esse preconceito contra os aumentos de todos nós. Caso de Gary podem ter problemas em matéria de extradição desleal e assuntos afins que se aplicaria a alguém de qualquer neurotype - estas questões são as que devem ser levados ao conhecimento das autoridades. Seu diagnóstico não deve ter qualquer relevância. A fechar o pensamento: Se Gary era negro que vemos a Londres "black movimento pelos direitos civis", protestando contra a sua extradição? Se ele era gay veríamos manifestantes dos direitos dos homossexuais?

Estudo relaciona genética do autismo mecanismos de sincronismo Enviado por: Gareth - 03-07-2007 06:30 PM - Respostas (43) Recentemente, recebi um comunicado de imprensa enviado pela Universidade de Bangor: Estudo relaciona genética do autismo mecanismos de sincronismo Apesar de o autismo tem sido reconhecida como uma doença genética, os novos trabalhos, pela primeira vez, identificou dois genes que interagem específicos que parecem estar envolvidos e os resultados podem parecer inesperado. Uma pesquisa feita por cientistas do País de Gales relatado em Molecular Psychiatry (edição em linha avançada 30 de janeiro 07) identificou que o Transtorno Autista está associado a dois genes envolvidos no calendário e relógios biológicos: per1 e NPAS2. Investigação sobre as espécies mostra que esses dois genes do relógio calendário regular de mecanismos de controle que as coisas, como o ciclo do sono, da memória e sincronismo de comunicação, um conceito menos familiar. O trabalho, identificar uma ligação entre autismo e estes genes do

relógio, foi conduzido pelo Dr. Dawn Wimpory, LecturerPractitioner/Consultant Psicólogo Clínico para o autismo, praticando com o NWWales NHS Trust e Universidade de Bangor. Colaborou com os colegas da Universidade de Bangor, tanto na Faculdade de Psicologia e do Noroeste do Cancer Research Fund (Instituto NWCRFI), juntamente com a equipe do professor Michael J Owen em Cardiff University's Department of Psychological Medicine. Trabalho clínico Dr. Wimpory e das observações da falta de oportunidade social / comunicativa no Transtorno Autista foi complementado pelo colega Brad Nicolau de A NWCRFI sugerindo que os genes do relógio podem estar envolvidos. Essa idéia esperou muitos anos para ser testado, mas novas informações do projeto genoma humano, a evolução no domínio dos relógios biológicos ea construção de bancos de genes do autismo foi recentemente permitiu que o experimento a ser realizado. O transtorno autista é caracterizado por três áreas de anormalidade: deficiência na comunicação (verbal e não verbal) e interações sociais recíprocas, juntamente com um repertório marcadamente restrito de atividades e interesses, em todas as provas antes de três anos de idade. (Transtornos do Espectro Autista ou ASD incluem mais leves e mais variadas dificuldades relacionadas.) Dr. Wimpory trabalha com a hipótese de que uma deficiência no calendário social contribui muito para as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com Transtorno Autista. "O tempo é a essência do desenvolvimento infantil normal. No Transtorno Autista, avaria de tempo de adaptação pode levar a uma cascata de outros problemas de desenvolvimento. Nos primeiros meses, uma criança afetada podem participar de intercâmbio social, a partilha de contato com os olhos e balbuciando em que nós reconhecemos como "padrões" natural "de comunicação. Esta facilidade de comunicação verbal aparece em falta ou diminuição no Transtorno Autista ", explica o Dr. Wimpory. É através da comunicação verbal de tal forma que uma criança afetada antecipa e prevê o comportamento dos outros, progredindo para a participação social cada vez mais sofisticados, por exemplo, provocando o intercâmbio. Peep mutuamente agradável preverbal teasing jogos (por exemplo '-bo! ") São dependentes do tempo. Eles aparecem como uma fase inicial no desenvolvimento da empatia e pretensão social. Empatia e fingindo que estão entre as dificuldades da vida longa para os indivíduos com Transtorno Autista. Estes podem ser developmentally associados a dificuldades no início da sincronização com os ritmos inerente de comunicação, incluindo contato visual.

O estudo analisou 11 marcadores genéticos em genes relacionados com clock de 110 indivíduos com Transtorno Autista e cada um de seus pais (o que evita os temas mais variados ASD e aquelas com adicional substancial / deficiência intelectual freqüentemente incluídos em estudos genéticos do autismo). Os resultados mostraram que os marcadores em dois dos genes, NPAS2 e per1, teve associação significativa com o Transtorno Autista. Estes dois genes já foram identificados como a regulação da memória emocional complexa, o calendário de comunicação e os padrões de sono em ratos e a mosca da fruta, organismos que são usados pelos cientistas para estudar o papel dos genes do relógio. Problemas no sono, memória e tempo são características do Transtorno Autista; cada um pode desempenhar um papel importante no seu desenvolvimento. "O autismo é uma desordem de herança complexa, onde a interacção de vários genes podem estar envolvidos. Este é o primeiro estudo do autismo para identificar genes que interagem, é também o primeiro a identificar os genes que regulam o comportamento reconhecido como afetadas no autismo: tempo e memória. Ele adiciona mais provas para a função do relógio biológico do autismo ". A pesquisa foi financiada pelo Fundo de Thomas Baily Charitable com apoio adicional da Autism Cymru, os pesquisadores agora pretendem repetir o estudo com uma amostra maior.

2007 Primeira reunião de amanhã Enviado por: Gareth - 01-02-2007 10:34 AM - Respostas (20) A primeira reunião de 2007 está sendo realizada amanhã, às 9 GMT, como sempre. Essa é a janurary 3. Espero ver vocês todos lá .......

Novo servidor, novo software Enviado por: Gareth - 01-02-2007 10:33 AM - Sem Respostas Como vocês sabem, nós já ordenou o novo servidor eo site foi movido sobre. Avançar para vir é o novo software (bastante atrasado na chegada eu admito). O erro que causou tópicos sobre os fóruns de fusão foi corrigido e era de fato um problema com o banco de dados antigo phpBB. O bug tracking Trac eo sistema de gestão do projeto será instalado mais rápido possível, assim como o Asterisk. Isso permitirá que os voluntários para ajudar no desenvolvimento dos blogs (que deve ser integrado com o fórum). Vários de

nossos outros sites também precisam ser movidos para o novo servidor. Veja este espaço ......

Blogs (espero) em breve Enviado por: Gareth - 12-08-2006 01:41 AM - Respostas (5) Entre outras coisas, os blogs para atuar como diários de campanha será em breve se conseguirmos levantar o dinheiro. Por favor, veja os resultados da reunião deste mês, se você gostaria de ver isso acontecer e ajudar.

Adicionando novo conteúdo etc Enviado por: Gareth - 12-04-2006 09:15 PM - Respostas (6) Enquanto o site é novo, eu abri os fóruns de novo e trabalhando para adicionar o conteúdo antigo e outros recursos, para todos os links quebrados ou outros bugs não hesite em informar-me.

Novo Site Enviado por: Gareth - 12-04-2006 01:05 AM - Respostas (9) Temos vindo a trabalhar na implementação de um novo site para resolver os problemas com spam e uso malacious com o site anterior. O novo software tem recursos muito mais que nos permitirá fazer muito mais com o local e na hora de escrever eu estou preparando para relançar as políticas atualizadas e conteúdo.

Curso ABA - Applied Behavior Analysis Especialização aprovada pelo BACB 2009 – 2010 Programa: 225 horas académicas que incluem 5 módulos comportamentais 760 horas práticas Áreas de Especialização Opcionais: Intervenção na escola Perturbações desenvolvimentais Formadores: Amos Rolider (PhD., BCBA)

Angeleque Akin-Little (PhD., BCBA) Steven G. Little (PhD., BCBA) Convidados (a determinar) Localização: Lagoas Park Hotel, Oeiras Mensalidade: 200€/mês + IVA Inscrição: Candidatura – 50€ Inscrição - 250€ Certificado: A conclusão do curso com sucesso resultará na atribuição de um certificado na area de especialização escolhida. Os alunos que cumprem com os critérios realizarão o exame international do Behavior Analyst Certification Board, Inc. (BACB). Os alunos que passam ao exame do BACB poderão optar por uma das duas formas de certificação, de acordo com as habilitações apresentadas: Board Certified Associate Behavior Analyst (BCABA) – acessível a participantes que terminam o programa com o grau de licenciatura. Board Certified Behavior Analyst (BCBA) – acessível a participantes que terminam o programa com o grau de mestrado. Acerca da entidade internacional Analysis Certification Board (BACB): The Behavior Analyst Certification Board®, Inc. (BACB®) is a nonprofit 501(c)(3) corporation established to meet professional credentialing needs identified by behavior analysts, governments, and consumers of behavior analysis services. The BACB adheres to the national standards for boards that grant professional credentials. The BACB certification procedure undergoes regular psychometric review and validation, pursuant to a job analysis survey of the profession and standards established by content experts in the field. The BACB program is based on the successful Behavior Analysis Certification Program developed by the State of Florida. Similar programs were established in California, Texas, Pennsylvania, New York and Oklahoma. All of these programs transferred their certificants and credentialing responsibilities to the BACB and closed. The Behavior Analyst Certification Board's BCBA and BCABA credentialing programs are accredited by the National Council for Certifying Agencies in Washington, DC. The NCCA is the accreditation body of the National Organization for Competency Assurance. The BACB is endorsed by the Association of Professional Behavior

Analysts, the Association for Behavior Analysis International and Division 25 (Behavior Analysis) of the American Psychological Association. Estrutura do Curso O ABA (Applied Behaviour Analysis) é uma área de investigação e intervenção internacionalmente reconhecida. As estratégias delineadas são eficazes e aplicáveis nos mais variados contextos que implicam a mudança do comportamento humano, nomeadamente, no contexto educacional, no contexto clínico e organizacional. Apesar de tudo, esta área ainda não se encontra reconhecida em Portugal. Consequentemente a Ideiaba pretende provocar uma mudança social através de uma maior exposição e implementação. A entidade que certifica os profissionais na área do ABA a nível internacional é o BACB – Behaviour Analyst Certification Board – que se encontra sediado nos EUA e apresentase como uma entidade sem fins lucrativos, criada para satisfazer as necessidades identificadas pelos analistas, tais como, os governos e consumidores dos serviços da Análise Comportamental, entre outros. O BACB adere aos padrões internacionais das entidades que concedem credenciais profissionais. No intuito de formalizar esta área da Análise Comportamental Aplicada (ABA) e oferecer a oportunidade aos profissionais na área da saúde e da educação de desenvolverem uma formação nesta mesma área, irá ser realizado um curso intensivo aprovado pelo BACB e em fase de acreditação pelas normas nacionais. Todo o conteúdo do curso e os módulos em que se organizam estão fundamentados pelo sucesso do programa de certificação da Análise Comportamental desenvolvido pelo estado da Florida. Foram criados programas semelhantes na Califórnia, Texas, Pensilvânia, Nova York e Oklahoma, assim como outros países, onde todos estes transferiram as suas responsabilidades de certificação e credenciação para o BACB, que aprovou este curso que pretendemos desenvolver. Os formadores que irão desenvolver toda esta formação, são profissionais com uma vasta experiência científica, nas mais variadas áreas educacional, clínica e de formação profissional a nível internacional. Amos Rolider is a professor of behavioral sciences and the chair of the Institute for Research and Prevention of Antisocial Behavior of Children in Educational Settings. Amos is currently the president of IABA (Israeli Association for Behavior Analysis) and he is also the chair of the Research Committee of the Israeli Government Anti-Drug Authority. Dr. Rolider received his M.Sc. in Health Sciences and Phys. Ed. from Brigham Young University and his M.A. and Ph.D. in ABA and Special Education from The Ohio State University. He has been teaching, researching and practicing behavior analysis for over 20 years in a variety of settings in North America and Israel. Dr. Rolider has published articles in major journals including: Journal of Applied Behavior Analysis, Behavior Therapy, Journal of Behavior Therapy and Experimental Psychiatry, Education & Treatment of Children, Child and Family Behavior Therapy and many other educational publications in Hebrew and English. He has presented more than 250 papers at professional conferences in Europe and North America. In the last few years Dr. Rolider's research and clinical work has focused on studying anti-social behaviors of children in home and school settings. He developed two unique programs for assisting

parents and educators to intervene effectively with children who exhibit severe and complex behavioral difficulties. Angelique Akin-Little received her Ph.D. in School Psychology from the University of Southern Mississippi in August 1999. She currently serves as part-time faculty in the School Psychology Program in the College of Social, Behaviora, and Health Sciences at Walden University. She teaches or has taught Psychological Consultation, Tests and Measurement, and Research Design at Walden. She has also taught Intellectual Assessment (child and adult); Exceptional Child; The Psychology of Learning; Applied Behavior Analysis; Prevention; Assessment of Infant, Toddler, and Preschool Children; Seminar in School Psychology; Practicum/Internship (graduate level); Introduction to Psychology (undergraduate); Adolescent Psychology; Learning Center Concerns (Educational Psychology, undergraduate course), and Research Design-Developmental (undergraduate) at other land-based universities including Hofstra University; University at Albany, State University at New York; and the University of the Pacific. Steven G. Little has held faculty positions at Hofstra University, California State University Northridge, Northern Illinois University, The University of Alabama, The University at Albany SUNY, University of the Pacific, and the University of California, Riverside. He has attained the rank of tenured full professor. Additionally, he has published (n = 90) and presented (n = 100) extensively in the school psychology literature, served as Editor of The School Psychologist from 1995-2000, served on numerous editorial boards, and was President of the Division of School Psychology of the American Psychological Association in 2002. He was one of the founding members of the Behavioral School Psychology Interest Group of the National Association of School Psychologists (NASP) and the founder of the Child and School Special Interest Group of the Association for the Advancement of Behavior Therapy. He is a Fellow of the American Psychological Association and is a licensed psychologist in New York. O curso inclui 225 horas teóricas e 760 horas práticas, divididas em duas especialidades, uma educacional e a outra clínica. A parte prática é desenvolvida através de trabalho supervisionado no campo, com indivíduos, organizações e/ou grupos; pelas discussões; e pelo trabalho interactivo. Após acabar o curso, os participantes que demonstraram sucesso (uma nota superior a 80%) têm o direito a realizar o exame aplicado pelo BACB de modo a obter a certificação nesta área. O BACB oferece dois níveis de certificação: o BACBA (Board Associate Certified Behavior Analyst) está disponível aos estudantes com um grau académica equivalente a um Bacharelato ou Licenciatura; e o BCBA (Board Certified Behavior Analyst) que está disponível aos estudantes com grau académica igual ou superior ao Mestrado. Os profissionais certificados são obrigados a participar anualmente em acções de formação relevantes para manter a certificação. A intenção da realização deste curso intensivo é desenvolver padrões profissionais nas áreas da saúde e da educação e promover os serviços oferecidos para a comunidade. Este curso terá início no ano de 2009, por um período alargado de dois anos consecutivos, onde a sua formação será dividida entre duas componentes dedicadas a 225 horas teóricas e 760 horas práticas. Esta última será composta por duas especializações, nomeadamente, a Área Escolar e a Área de Desenvolvimento. O Curso ABA vai ter a presença dos respectivos formadores uma vez por mês, durante

cerca de 20 horas “in loco”, divididas por um fim-de-semana, num período pós-laboral.

Para mais informação: Descarregar folheto / Ficha de Inscrição geral@centroaba.com 931440197

1 COMENTÁRIOS:
Mário Relvas disse... PROJECTO DE INTERVENÇÃO NAS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO - ABA – Análise Comportamental aplicado em crianças com AutismoA Sei – Consultório de Psicopedagogia iniciou um projecto para crianças com autismo desde Novembro 2005, com uma metodologia comprovada cientificamente como a mais eficaz e até agora inexistente em Portugal. Porquê Inovador? A terapia ABA diferencia-se das outras metodologias por ser significativamente mais eficaz. Vários estudos indicam que mais de 50% das crianças conseguem adquirir um comportamento adaptado (não distinguível das outras crianças). É também, actualmente, a metodologia com maior base científica. Para Quem? O projecto destina-se sobretudo a crianças diagnosticadas com perturbação do espectro do autismo. No entanto, o ABA é uma metodologia eficaz para todos os

indivíduos com perturbações de desenvolvimento ou comportamento. Como Funciona? A terapia é muito intensiva (20-40 horas semanais) sendo aplicada no ambiente natural da criança – em casa, na escola e outros espaços, com 3-4 terapeutas e 1 terapeuta líder por criança, com participação activa dos pais. As sessões são filmadas e analisadas posteriormente com os terapeutas e com os pais nas reuniões/formações semanais, ao longo da terapia. Resultados até agora: Nestes meses de terapia (desde Novembro 2005) já observámos resultados significativos na área da linguagem, da autonomia, da imitação, do jogo, da interacção social e na relação intra-familiar. Os pais, os professores e todas as pessoas que lidam com estas crianças mostram-se muito satisfeitos, referindo constantemente exemplos de progressos já há muito tempo procurados. A equipa do ABA está a registar estatisticamente os progressos em cada uma das áreas de desenvolvimento de cada criança. A Equipa: O projecto é supervisionado por uma analista de comportamento. A supervisora já implementou esta metodologia em Israel e em Inglaterra, continuando actualmente com supervisão profissional nestes dois países. Os restantes terapeutas são de diversas áreas como a Psicologia, a Psicopedagogia, a Educação Especial e Reabilitação. Estes terapeutas receberam uma formação inicial e semanalmente recebem supervisão com o objectivo da formação contínua. Acerca da Intervenção Comportamental: A análise comportamental surgiu entre os anos 20 e os anos 30, com os estudos de Skinner e Pavlov e com as teorias da educação emergentes. Desde aí, há já várias décadas, tem havido um grande investimento que procura entender as regras que guiam o

comportamento humano e a aprendizagem. Os estudos nesta área deram origem a estratégias eficazes para dar resposta a diversos problemas comportamentais e permitiram criar estratégias eficazes para a aprendizagem de diversas competências, nas várias etapas do desenvolvimento humano. Em 1987 Ivar Lovaas, da UCLA, publicou um estudo que consistiu na aplicação de um programa terapêutico, que fazia uso das estratégias da análise comportamental, para a intervenção com 20 crianças com perturbação do espectro autista. Cerca de metade destas crianças atingiram um nível funcional adaptado, tendo desenvolvido aptidões relacionadas com a linguagem e com a comunicação, competências de auto-ajuda, entre muitos outros. Posteriormente foi realizada uma reavaliação deste estudo, 11 anos mais tarde, que concluiu que as aprendizagens realizadas foram mantidas. Desde essa data, este estudo foi repetido diversas vezes, com indivíduos de etapas de desenvolvimento e com características diversas, sendo que os resultados foram similares. Actualmente a intervenção pela análise comportamental é considerada a metodologia principal, sendo mesmo, em vários países, promovida pelas autoridades educacionais. Para participar ou para saber mais: Contacte a SEI - Consultório Psicopedagogia: 214 57 03 22 ou 934 11 22 33

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful