You are on page 1of 9

C.E.E.M.

“Casemiro de Abreu”
Disciplina: Português
Professora: Mª das Graças

Claudiane Diniz
Leidiane da Paz
Conceição
Ozélia do
Carmo Carvalho
Simone Diniz

Tutóia
18/08/2009

Introdução
Gêneros são formas verbais de ação social relativamente
estáveis realizadas em textos situados em comunidades práticas sociais e
em domínios discursivos específicos. Importante é perceber que os
gêneros não são entidades formais, mas sim entidades comunicativas.
Os gêneros textuais desempenham papel importante em nossa
vida social, já que estamos nos comunicando o tempo todo. No processo
comunicativo, os textos têm uma função e cada esfera de utilização da
língua, cada campo de atividade, elabora determinados tipos de textos
que são estáveis, ou seja, se repetem tanto no assunto, como na função,
no estilo, na forma.
O que é falado, a maneira como é falado e a forma que é dado
ao texto são características diretamente ligadas ao gênero. Como as
situações de comunicação em nossa vida social são inúmeras, inúmeros
são os gêneros textuais: bilhete, carta pessoal, carta comercial,
telefonema, notícia jornalística, cardápio, piada, contos românticos, bula
de remédios, etc.
Os textos, independentemente do gênero a que pertencem se
constituem de sequências com determinadas características linguísticas,
como classe gramatical predominante, estrutura sintática, predomínio de
determinados tempos e modos verbais, relações lógicas. Assim
dependendo dessas características temos os diferentes tipos textuais.
Os gêneros textuais são vários,dependendo da função de cada
texto e das diferentes situações comunicacionais. O mesmo não acontece
com os tipos textuais que são poucos: narrativo, descritivo,
argumentativo, explicativo ou expositivo, injuntivo ou instrucional.

Sequências Textuais
Sequência Narrativa: marcada pela temporalidade; como o seu
material é o fato e a ação, a progressão temporal é essencial para seu
desenrolar, ou seja, desenvolve-se necessariamente numa linha de tempo
e num determinado espaço. Gramaticalmente, percebe-se o predomínio de
frases verbais indicando um processo ou uma ação; predomínio do tempo
passado; advérbios de tempo ou de lugar.
As expressões adverbiais
É importante assinalar que advérbios como antes e depois não
podem ser interpretados fora de uma situação contextual. O sentido deles
dependerá de referentes que irão orientar o interlocutor para a sequencia
temporal dos fatos. Assim, depois assinala a ocorrência de um fato no
tempo relativamente a outro anteriormente ocorrido.
Tais advérbios podem estar modificados por outros advérbios,
cuja função é ampliar ou reduzir o intervalo de tempo marcado por eles
em relação ao tempo que tomam como referência.
Os verbos
Como o material da narrativa é o fato e a ação, no plano
gramatical, quanto a estruturação sintática das frases, há o predomínio da
predicação verbal, isto é, da atribuição de processos representados por
verbos de ação, em geral e m tempos do pretérito.
A escolha do tempo verbal está intimamente ligada à opção do
narrador por apresentar os fatos como concluídos ou não, bem como ao
momento que toma como referência para situar algo no tempo, que pode
ser o da enunciação ou algum marco temporal inserido no próprio texto-
uma data ou uma indicação de um ano, por exemplo.
Ainda em relação aos verbos de uma sequencia narrativa, é
fundamental atentar para a pessoa em que estão empregados, uma vez
que ela indica um foco narrativo, isto é, se quem relata os fatos participa
deles ( sequencia narrativa em primeira pessoa) ou se é apenas um
observador dos fatos que relata( sequencia narrativa em terceira
pessoa).Evidentemente,a pessoa em que se emprega o verbo determina a
flexão em pessoa dos pronomes.
São exemplos de gêneros em que prevalece a sequência
narrativa: relato, crônica, romance, fábula, conto de fada, piada, etc.
Sequência Descritiva: nesse tipo de sequência, não há
sucessão de acontecimentos no tempo, de sorte que não haverá
transformações de estado da pessoa, coisa ou ambiente que está sendo
descrito, mas sim a apresentação pura e simples do estado do ser descrito
em um determinado momento.
Gramaticalmente, percebe-se o predomínio das frases nominais,
de orações centradas em predicados nominais; prevalecem formas verbais
no presente ou no imperfeito; os adjetivos ganham expressividade tanto
na função de adjunto adnominal quanto na de predicativo; os períodos são
curtos e prevalece a coordenação.
Nos textos verbais,as sequencias descritivas são expressas por
palavras que se organizam em frases que podem ou não vir
acompanhadas por sequencias explicativas.No plano lingüístico, as
seqüência descritivas caracterizam-se:
*Pela presença de substativo, que identificam os traços
genéricos do que se descreve, e de adjetivo e locuções adjetivas na
função de adjunto adnominal ou predicativo. Os adjetivos e as locuções
adjetiva pode esta representados por orações equivalentes (orações
subordinada adjetivas).
*Pela presença de verbos de ligação.
A presença de verbos de ligação e de adjetivos na função de
predicativo determina que, nas sequencias descritivas, prevalecem os
predicados nominais.
*Pelo predomínio da coordenação à subordinação de idéias.
*Pelo predomínio de verbos no pretérito imperfeito e no presente
do indicativo.
Como nas sequencias descritivas o autor procura fazer com que
aquilo que se descreve apareça como um quadro vivo à nossa frente no
momento em que tomamos contato com a descrição, o uso desses tempos
verbais é fundamental. O uso do pretérito imperfeito permite ao autor
recuar no tempo, tornando presente aquilo que é passado.
*Pelo emprego de metáforas e de comparações.
O uso de comparações e metáforas possibilita que o interlocutor
tenha mais elemento para montar a imagem do ser descrito.
São exemplos de gêneros em que predomina a sequência
descritiva: folheto turístico, (auto-) retrato, anúncio classificado, listas de
compras, cardápio, etc.
Sequência Argumentativa: é aquela em que se faz a defesa
de um ponto de vista, de uma ideia, ou em que se questiona algum fato.
Ao opinar, ou seja, expressar um parecer sobre alguma pessoa,
acontecimento ou coisa, intenta-se persuadir o leitor ou o ouvinte
fundamentando o que se diz com argumentos de acordo com assunto ou
tema, a situação ou contexto e o interlocutor. Caracteriza-se pela
progressão lógica de ideias e requer uma linguagem mais sóbria, objetiva,
denotativa. Algumas características de um texto argumentativo:
Uso de palavras que nomeiam idéias e conceitos
(trabalho, dever, direito, capacidade, solidariedade, retribuição,
satisfação, respeito, etc.): enquantos os textos narrativos e descritivos
tratam dos seres em particular, os textos argumentativos remetem a
conceitos genéricos, abstratos; por isso, há grande ocorrência de
substantivos abstratos.
Ausência de temporalidade: ao contrario das sequencias
narrativas, os textos argumentativos não apresentam temporalidade, ou
seja, não há progressão de acontecimentos no tempo; por isso neles
predominam verbos no presente do indicativo com valor atemporal.
Encadeamento de idéias: se nos textos narrativos o
encadeamento dos enunciados decorre da sequencia cronológica dos
acontecimentos, nos textos argumentativos ele decorre das relações
lógicas existente entre os segmentos de que o compõe, ou seja, os
enunciados relacionam-se por idéias de causa, conseqüência, oposição,
conclusão, etc.; por isso, o uso adequado dos conectivos tem papel
fundamental na amarração das idéias.
Presença de operadores argumentativos: operadores
argumentativos são palavras e expressões presentes na estrutura
gramatical do texto cuja função é introduzir variados tipos de argumentos.
São exemplos de gênero em que predomina a sequência
argumentativa: sermão, ensaio, editorial de jornal ou revista, crítica,
monografia, redações dissertativas, etc.
Sequência Explicativa ou Expositiva: intenta explicar ou dar
informação a respeito de alguma coisa. O objetivo é fazer com que o
interlocutor/leitor adquira um saber, um conhecimento que até então não
tinha. É fundamental destacar que, nos textos explicativos, não se faz a
defesa de uma ideia, de um ponto de vista, características básicas de um
texto argumentativo. Os textos explicativos tratam da identificação de
fenômenos, de conceitos, de definições.
Gramaticalmente, os textos explicativos apresentam varias
marcas como:
*Distanciamento do falante em relação àquilo que fala,
resultanto num texto objetivo, escrito, via de regra em terceira pessoa;
*Predicados organizados em torno de verbos como ser, ter,
conter, consistir, compreender, indicar, significar, constituir,
denominar, designar;
*Sinais de pontuação que introduzem explicações ou citações(
dois pontos, parênteses, aspas, travessões);
*Orações coordenadas explicativas introduzidas pelas conjuçoes
pois e porque;
*Orações adjetivas explicativas;
*Marcas de reiteração(isto é, ou seja, melhor dizendo, em outras
palavras), com o objetivo de aclarar, esclarecer, dirimir dúvidas.
São exemplos de gêneros em que predomina a sequência
explicativa ou expositiva: textos de divulgação científica, de manuais, de
revistas especializadas, de cadernos, jornais, de livros didáticos, de
verbetes de dicionário e enciclopédias, etc.
Sequência Injuntiva ou Instrucional: a marca fundamental da
sequencia injuntiva ou instrucional é o verbo no imperativo (injuntivo é
sinônimo de “obrigatório”, “imperativo”), ou outras formas que indicam
ordem, orientação.
São exemplos de gêneros em que predomina a sequência
injuntiva instrucional: propaganda, receita culinária (modo de fazer),
manual de instruções de um aparelho, horóscopo, livros de auto-ajuda,
etc.

Conclusão

Diante do exposto podemos concluir que os gêneros são fundamentais na


nossa comunicação. Podemos identificá-los através de algumas marcas
lingüísticas como classe gramatical, modos verbais, etc. É o que faz com
que o texto possa ser reconhecido como narrativo, descritivo,
argumentativo, explicativo, instrucional, estes são chamados tipos
textuais.