You are on page 1of 113

GRAMÁTICA DA

MULTIDÃO
Para uma Análise das Formas de Vida Contemporâneas
http://geocities.yahoo.com.br/autoconvocad/gramatica_da_multidao.html

por Paolo VIRNO


http://es.wikipedia.org/wiki/Paolo_Virno

GRAMMATICA DELLA MOLTITUDINE


Per un’analisi delle forme di vita contemporanee

per Paolo VIRNO

GRAMMAIRE DE LA MULTITUDE
Pour une analyse des formes de vie contemporaines

Par Paolo VIRNO

GRAMATICA DE LA MULTITUD
Para una Análisis de las Formas de Vida Contemporáneas

por Paolo VIRNO

Maruchicyûdo no Bunpou:
Gendaitekina Seikatsu-keishiki wo Bunsekisuru tameni

by Paolo VIRNO

A Grammar of the Multitude


For an Analysis of Contemporary Forms of Life

by Paolo VIRNO

1
Pubblicazione italiana: Rubbettino Editore
Catanzaro, Italia. 2001.

Pubblicazione italiana: DeriveApprodi


Roma, Italia. 2002.

Traduction française: Véronique Dassas


Editions de l’éclat, N”mes & Conjonctures
Montéal, Québec,Canada. 2002,

Traducción al español: Eduardo Sadier


Buenos Aires, Argentina. Abil de 2002.

Tradução para o português: Leonardo Retamoso Palma


Santa Maria, RS, Brasil. Setembro de 2003.

Traducción al español: Adriana Gómez


Edición: Traficantes de Sueños
Madrid, España. Diciembre de 2003

Translated from Italian into Japanese by Jun Fujita Hirose


The Japanese edition belongs to Getsuyosha Limited
Tokyo, Japan. 2004 January
Translated from the Italian: Isabella Bertoletti, James Cascaito
& Andrea Casson
Semiotext(e)
Distributed by The MIT Press, Cambridge,
Mass and London, England
Printed in the United States of America, 2004

DA APRESENTAÇÃO ITALIANA, 1º edição (Rubettino)

“Na crise do conceito moderno de “povo”, crise ligada inevitavelmente àquela


do conceito hobbesiano de Estado, a “multidão” re-emerge como categoria mais
adequada para traçar uma “gramática” das inquietudes do homem pós-moderno. O
volume de Paolo Virno tenta, portanto, uma análise das formas de vida
contemporâneas, através da “lente” privilegiada de tal categoria filosófica
redescoberta, a qual devém, desse modo, um eficaz princípio sociológico.”

• O presente volume reúne as lições levadas a cabo por Paolo


Virno no Doutorado de Investigação em “Ciência, Tecnologia
e Sociedade”, desenvolvido no Departamento de Sociologia e
Ciência Política da Universidade da Calábria, co-
financiado pelo Fundo Social Europeu.

2
• Paolo Virno é docente de Ética da Comunicação na
Universidade da Calábria.
• A transcrição das lições foi preparada pela Drª Giuseppina
Pellegrino. O texto foi revisado pelo autor e serviu de
base para as traduções para o espanhol, o francês e para o
português.
—————

ÍNDICE
PRÓLOGO (PREMISSAS) .................................................................. 04
1. Povo versus Multidão: Hobbes e Espinosa ...................................... 04
2. A pluralidade exorcizada: o “privado” e o “individual”....................... 06
3. Três aproximações aos Muitos....................................................... 07

1. PIMEIRA JORNADA: TEMORES E PROTEÇÕES ................................ 09


Ante a dupla medo/angústia ............................................................ 09
Lugares comuns e “intelecto geral”.................................................... 12
Publicidade sem esfera pública ........................................................ 16
Qual Um para os Muitos?.................................................................. 18

2. SEGUNDA JORNADA: TRABALHO, AÇÃO, INTELECTO ....................... 22


Justaposição de poiesis e práxis ....................................................... 23
Do virtuosismo. De Aristóteles a Glenn Gould ..................................... 24
O falante como artista executor......................................................... 27
Indústria cultural: antecipação e paradigma ....................................... 28
A linguagem em cena ...................................................................... 31
Virtuosismo do trabalho.................................................................. 33
O intelecto como partitura ............................................................... 35
Razão de Estado e Êxodo.................................................................. 38

3. TERCEIRA JORNADA: A MULTIDÃO COMO SUBJETIVIDADE ................ 43


O princípio de individuação .............................................................. 43
Um conceito equívoco: a biopolítica ................................................... 48
As tonalidades emotivas da multidão ................................................. 51
A tagarelice e a curiosidade .............................................................. 55

4. DEZ TESES SOBRE A MULTIDÃO E O CAPITALISMO PÓS-FORDISTA ... 61


Tese 1............................................................................................ 62
Tese 2............................................................................................ 63
Tese 3............................................................................................ 64
Tese 4............................................................................................ 66
Tese 5............................................................................................ 67
Tese 6............................................................................................ 68
Tese 7............................................................................................ 69
Tese 8............................................................................................ 71
Tese 9............................................................................................ 72
Tese 10.......................................................................................... 73

Bibliografia .................................................................................... 76
A.................................................................................................. 76
B.................................................................................................. 78

Apêndice
Multidão e princípio de individuação .................................................. 80

3
PRÓLOGO (PREMISSAS)

1. Povo versus Multidão: Hobbes e Espinosa

Considero que o conceito de “multidão”, por contrapor àquele,


mais familiar, de “povo”, seja uma ferramenta decisiva para toda
reflexão sobre a esfera pública contemporânea. É preciso ter presente
que a alternativa entre “povo” e “multidão” esteve no centro das
controvérsias práticas (fundação do Estado centralizado moderno,
guerras religiosas, etc.) e teórico-filosóficas do Século XVII. Esses
dois conceitos em luta, forjados no fogo de agudos contrastes,
jogaram um papel de enorme importância na definição das categorias
sócio-políticas da modernidade. A noção de “povo” foi a prevalecente.
“Multidão” foi o termo derrotado, o conceito que perdeu. Ao descrever
a forma de vida associada e o espírito público dos grandes Estados
recém constituídos, já não mais se falou de multidão, senão que de
povo. Resta hoje perguntar, se ao final de um prolongado ciclo, não
se reabriu aquela antiga disputa; se hoje, quando a teoria política da
modernidade padece de uma crise radical, aquela noção derrotada,
então, não mostra uma extraordinária vitalidade, assumindo assim
uma clamorosa revanche?
Ambas as polaridades, povo e multidão, reconhecem como pais
putativos a Hobbes e Espinosa. Para Espinosa, a multidão representa
uma pluralidade que persiste como tal na cena pública, na ação
coletiva, na atenção dos assuntos comuns, sem convergir no Uno,
sem evaporar-se em um movimento centrípeto. A multidão é a forma
de existência política e social dos muitos enquanto muitos: forma
permanente, não episódica nem intersticial. Para Espinosa, a
multitudo (multidão) é a arquitrave das liberdades civis (Espinosa,
1677).
Hobbes detesta — uso intencionalmente um vocábulo passional,
pouco científico — a multidão e investe contra ela. Na existência
social e política dos muitos enquanto muitos, na pluralidade que não
converge em uma unidade sintética, ele percebe o maior perigo para
o “supremo império”, isto é, para aquele monopólio das decisões
políticas que é o Estado. O melhor modo de compreender o alcance
de um conceito — a multidão em nosso caso — é examiná-lo com os
olhos daqueles que o combateram com tenacidade. Descobrir todas
as suas implicações e matizes é algo próprio daquele que deseja
expulsá-lo do horizonte teórico e prático.
Antes de expor concisamente de que modo Hobbes descreve a
detestada multidão, é útil precisar o objetivo que aqui se persegue.
Desejo mostrar que a categoria de multidão (tal como é considerada
por seu jurado inimigo Hobbes) ajuda-nos a explicar certo número de
comportamentos sociais contemporâneos. Após séculos de “povo” e,
por conseqüência, de Estado (Estado-Nação, Estado centralizado,

4
etc.), abolida nos albores da modernidade, a polaridade contraposta
finalmente volta a se manifestar. A multidão como último grito da
teoria social, política e filosófica? Talvez. Uma ampla e notável gama
de fenômenos — jogos lingüísticos, formas de vida, tendências éticas,
características fundamentais do modo atual de produção material —
resulta pouco ou nada compreensível se não é a partir do modo de
ser dos muitos. Para analisar este modo de ser é preciso recorrer a
um arranjo conceitual sumamente variado: antropologia, filosofia da
linguagem, crítica da economia política, reflexão ética. É preciso
cercar o continente-multidão, mudando muitas vezes o ângulo da
abordagem.
Como dissemos, vejamos brevemente como Hobbes, adversário
perspicaz, delineia o modo de ser dos “muitos”. Para Hobbes, o
antagonismo político decisivo é aquele entre a multidão e o povo. A
esfera pública moderna pôde ter como centro de gravidade a um ou
outro. A guerra civil, sempre uma ameaça, teve sua forma lógica
nessa alternativa. O conceito de povo, segundo Hobbes, está
estreitamente associado à existência do Estado; não é um reflexo,
uma reverberação: se for Estado, é povo. Se faltar o Estado, não
pode haver povo. Em De Cive, onde expôs longamente seu horror
pela multidão, lê-se: “O povo é um Uno, porque tem uma única
vontade e, a quem se lhe pode atribuir uma vontade única” (Hobbes,
1642: XII, 8; e também VI, 1, Nota)∗.
A multidão é, para Hobbes, inerente ao “estado de natureza”;
portanto, aquilo que precede à instituição do “corpo político”. Mas
esse distante antecedente pode reaparecer, como uma “restauração”
que pretende fazer-se valer, nas crises que sabem sacudir a
soberania estatal. Antes do Estado eram os muitos, depois da
instauração do Estado foi o povo — Uno, dotado de uma única
vontade. A multidão, segundo Hobbes, afasta-se da unidade política,
opõe-se à obediência, não aceita pactos duradouros, não alcança
jamais o status de pessoa jurídica, pois nunca transfere seus direitos
naturais ao soberano. A multidão está impossibilitada de efetuar esta
“transferência”, por seu modo de ser (por seu caráter plural) e de
atuar. Hobbes, que era um grande escritor, sublinhou com uma
precisão lapidar como a multidão era antiestatal, e, por isso,
antipopular: “Os cidadãos, quando se rebelam contra o Estado, são a
multidão contra o povo” (ibid.). A contraposição entre os dois
conceitos é levada aqui ao extremo: se povo, nada de multidão; se
multidão, nada de povo. Para Hobbes e os apologistas da soberania
estatal do Século XVI, a multidão é um conceito limite, puramente
negativo: coincide com os riscos que ameaçam o estatismo, o
obstáculo que pode chegar a atolar a “grande máquina”. Um conceito
negativo, a multidão: aquilo que não aceitou fazer-se povo,
enquanto que contradiz virtualmente ao monopólio estatal da
decisão política, isto é, uma reaparição do “estado de natureza” na
sociedade civil.

5
2. A pluralidade exorcizada: o “privado” e o “individual”

Como sobreviveu a multidão à criação dos Estados centrais? Em


que dissimuladas e raquíticas formas deu sinais de si, depois da plena
afirmação do moderno conceito de soberania? Onde se escuta seus
ecos? Estilizando ao extremo a questão, intentemos identificar o
modo em que foram concebidos os muitos enquanto muitos no
pensamento liberal e no pensamento social-democrata (isto é, na
tradição política que se desenvolveu a partir da unidade do povo
como ponto de referência indiscutível).
No pensamento liberal, a inquietude despertada pelos “muitos”
foi aquietada mediante o recurso à dupla público-privado. A multidão,
antípoda do povo, cobra a semelhança, algo fantasmagórica e
mortificante, do denominado privado. Tenha-se em conta: também a
dupla público-privado, antes de se tornar óbvia, forjou-se entre
sangue e lágrimas em mil contendas teóricas e práticas; e derivou,
portanto, em um resultado complexo. O que, para nós, pode ser mais
normal do que falar de experiência pública e de experiência privada?
Mas essa bifurcação não foi sempre tão óbvia. E é interessante esta
falida obviedade, pois hoje estamos, talvez, em um novo Seiscentos;
em uma época na qual explodem as antigas categorias e se devem
cunhar outras novas. Muitos conceitos que ainda parecem
extravagantes e não usuais — por exemplo, a noção de democracia
não representativa — tendem a tecer um novo sentido comum,
aspirando, por sua vez, a fazerem-se “óbvias”. Mas voltemos ao
tema. “Privado” não significa somente algo pessoal, atinente à
interioridade de tal ou qual; privado significa, antes de tudo, privo:
privado de voz, privado de presença pública. No pensamento liberal a
multidão sobrevive como dimensão privada. Os muitos estão
despojados e afastados da esfera dos assuntos comuns.
Onde achar, no pensamento social-democrata, algum eco da
arcaica multidão? Talvez no par coletivo-individual. Ou, melhor ainda,
no segundo termo, o da dimensão individual. O povo é o coletivo, a
multidão é a sombra da impotência, da desordem inquieta, do
indivíduo singular. O indivíduo é o resto sem importância, de divisões
e multiplicações que se efetuam longe dele. Naquilo que tem de
singular, o indivíduo resulta inefável. Como inefável é a multidão na
tradição social-democrata.
É conveniente antecipar uma convicção que emergirá
prontamente de meu discurso. Creio que na atual forma de vida,
como do mesmo modo na produção contemporânea (contanto que
não se abandone a produção — carregada como está de ethos, de
cultura, de interação lingüística — à análise econométrica, mas que
se a entenda como a enorme experiência do mundo), percebe-se
diretamente o fato de que tanto a dupla público-privado como a dupla
coletivo-individual não se sustentam mais, caducaram. Aquilo que

6
estava rigidamente subdividido confunde-se e se superpõe. É difícil
dizer onde finaliza a experiência coletiva e começa a experiência
individual. É difícil separar a experiência pública da considerada
privada. Nessa diluição das linhas delimitadoras, deixam de ser
confiáveis, também, as duas categorias do cidadão e do produtor, tão
importantes em Rousseau, Smith, Hegel, e depois, como alvo
polêmico, no próprio Marx.
A multidão contemporânea não está composta nem de
“cidadãos” nem de “produtores”; ocupa uma região intermediária
entre “individual” e “coletivo”; e por isso já não é válida, de modo
algum, a distinção entre “público” e “privado”. É por causa da
dissolução destas duplas, dadas por óbvias durante tanto tempo, que
já não é possível falar mais de um povo convergente na unidade
estatal. Para não proclamar estribilhos de tipo pós-moderno (“a
multiplicidade é boa, a unidade é a desgraça a evitar”), é preciso
reconhecer que a multidão não se contrapõe ao Uno, mas que o re-
determina. Também os muitos necessitam de uma forma de unidade,
um Uno: mas, ali está o ponto, essa unidade já não é o Estado, senão
que a linguagem, o intelecto, as faculdades comuns do gênero
humano. O Uno não é mais uma promessa, mas uma premissa. A
unidade não é algo mais (o Estado, o soberano) para onde convergir,
como era no caso do povo, mas algo que se deixa às costas, como
um fundo ou um pressuposto. Os muitos devem ser pensados como
individuações do universal, do genérico, do indiviso. E assim,
simetricamente, pode-se conceber um Uno que, longe de ser um
porquê concludente, seja a base que autoriza a diferenciação, que
consente a existência político-social dos muitos enquanto muitos.
Digo isto para assinalar que uma reflexão atual sobre a categoria de
multidão não tolera simplificações apressadas, abreviações
arbitrárias, mas que deverá enfrentar problemas ríspidos: em
primeiro lugar o problema lógico (para reformular, não para eliminar)
da relação Uno-Muitos.

3. Três aproximações aos Muitos

As determinações concretas da multidão contemporânea podem


ser abordadas desenvolvendo três blocos temáticos. O primeiro é
muito hobbesiano: a dialética entre medo e busca de segurança. É
evidente que também o conceito de “povo” (em sua articulação dos
Seiscentos, liberal ou social-democrata) identifica-se com certa
estratégia tendente a afastar o perigo e obter proteção. Sustentarei
(na presente exposição), que se acha debilitada, tanto no plano
empírico como no conceitual, a forma de medo e seu correspondente
tipo de resguardo, que se associou com a noção de “povo”. Em seu
lugar prevalece uma dialética temor-proteção [timore-riparo] muito
distinta: ela define alguns traços característicos da multidão atual.
Medo-segurança: eis aqui uma tira ou papel de tornassol filosófica e

7
sociologicamente relevante para mostrar como a figura da multidão
não é só “rosas e flores”; para individualizar que venenos específicos
contém nela. A multidão é um modo de ser, o modo de ser
prevalecente hoje em dia: mas como todo modo de ser é
ambivalente, já contém, em si mesmo, perda e salvação,
aquiescência e conflito, servilismo e liberdade. O ponto crucial, no
entanto, é que essa possibilidade alternativa possui uma fisionomia
peculiar, distinta daquela com a qual a comparamos na constelação
povo/vontade geral/Estado.
O segundo tema, que abordaremos nas sucessivas jornadas do
seminário, é a relação entre o conceito de multidão e a crise da
antiga tripartição da experiência humana em Trabalho, Política e
Pensamento. Trata-se de uma subdivisão proposta por Aristóteles,
retomada no Novecentos, em especial por Hannah Arendt, gravada
até ontem no senso comum. Subdivisão que hoje cai em pedaços.
O terceiro bloco temático consiste em analisar algumas
categorias a fim de avançar sobre a subjetividade da multidão.
Examinaremos em especial três: o princípio de individuação, a
tagarelice [Gerede, chiacchiera, conversa fiada, bate-papo,
conversação recreativa, de passa-tempo; N. do T.] e a curiosidade. A
primeira é uma austera e injustamente descuidada questão
metafísica: o que faz singular a uma singularidade? As outras duas,
em troca, concernem à vida cotidiana. Foi Heidegger quem conferiu à
tagarelice e à curiosidade a dignidade de conceitos filosóficos. Seu
modo de falar, como o provam algumas páginas de Ser e Tempo, é
substancialmente não-heideggeriano ou anti-heideggeriano.

8
1
PRIMEIRA JORNADA: TEMORES E PROTEÇÕES

Ante a dupla medo-angústia

A dialética do temor e da proteção encontra-se no centro da


“Analítica do sublime”, uma seção da Crítica da Razão (Kant, 1790:
Parte I, Livro II). Segundo Kant, quando observamos uma aterradora
avalanche, encontrando-nos protegidos, sentimo-nos tomados de
uma prazerosa sensação de segurança que, no entanto, mescla-se
com a percepção da própria falta de defesa. O sublime — pelo que
anteriormente foi dito — este sentimento dual, parcialmente
contraditório. A partir do princípio da proteção empírica que
usufruímos casualmente, perguntamo-nos o que pode nos garantir
uma proteção absoluta e sistemática para nossa existência. Pergunto-
me que coisa pode salvaguardar-me, não de um ou outro perigo
determinado, mas, da insegurança inerente ao estar no mundo. Onde
encontrar uma proteção incondicional? Kant responde: no Eu moral,
já que ali está o não-contingente, e até o supramundano. A lei moral
transcendente protege de modo absoluto a minha pessoa, já que
coloca aos valores que lhe competem, acima da existência finita e
seus múltiplos perigos. O sentimento do sublime (ou, ao menos, um
de dita espécie) consiste em transformar o alívio por ter encontrado
um refúgio ocasional na busca da segurança incondicional que só o
Eu moral pode garantir.
Mencionei Kant por um único motivo: ele oferece um modelo
muito nítido do modo no qual foi concebida a dialética temor-proteção
nos dois últimos séculos. Há uma rude bifurcação: por uma parte, um
perigo particular (a avalanche, a má vontade evidente na atenção do
Ministério do Interior, a perda do posto de trabalho, etc.); e por
outra, em troca, o perigo absoluto associado a nosso estar no mundo.
A essas duas formas de risco (e de temor) correspondem duas
formas de proteção (e de segurança). Frente a um fato desagradável
temos remédios concretos (por exemplo, o refúgio de montanha
quando cai a avalanche). Mas o perigo absoluto requer uma
proteção... do mundo como tal. Diz-se: o “mundo” do animal humano
não se pode equiparar ao ambiente do animal não-humano, isto é, o
habitat circunscrito, no qual este último orienta-se perfeitamente em
função de instintos especializados. O mundo sempre tem algo de
indeterminado; está carregado de surpresas e imprevistos, é um
contexto vital nunca dominável: por isso é fonte de permanente
insegurança. Enquanto o perigo relativo tem “nome e sobrenome”, a
insegurança absoluta não possui um rosto preciso nem conteúdo
unívoco.

9
A distinção kantiana entre dois tipos de risco e de segurança
prolonga-se na discriminação, traçada por Heidegger, entre medo e
angústia. O medo refere-se a um fato preciso, a avalanche ou o
desemprego; a angústia não possui, por sua parte, uma causa
desencadeadora precisa. Nas páginas de Ser e Tempo de Heidegger
(Heidegger, 1927: 40), a angústia é provocada pela pura e simples
exposição ao mundo, pela incerteza e pela indecisão com que se
manifesta nossa relação com ele. O medo é sempre circunscrito e
nominal; a angústia é multilateral, não se associa a nenhuma ocasião
privilegiada, pode sobrevir em qualquer momento ou lugar de perigo.
Essas duas formas de temor (medo e angústia, segundo explicamos)
e seu correspondente antídoto, prestam-se a uma análise histórico-
social.
A distinção entre temor circunscrito e temor indeterminado é
possível ali onde há uma comunidade substancial que constitui um
leito capaz de canalizar as práticas e experiências coletivas. Um leito
constituído por usos e costumes repetitivos e, por isso, confortáveis,
de um ethos consolidado. O medo situa-se no interior da
comunidade, de sua forma de vida e comunicação. A angústia faz sua
aparição, por outra parte, ao afastar-se da comunidade de
pertencimento, dos costumes compartilhados, dos “jogos lingüísticos”
já conhecidos, adentrando-se no vasto mundo. Fora da comunidade o
perigo é ubíquo, imprevisível, constante: em suma, angustiante. A
contrapartida do medo é uma segurança que a comunidade pode, em
princípio, garantir; a contrapartida da angústia (isto é, da exposição
ao mundo como tal) é o refúgio provido pela experiência religiosa.
Pois bem, a linha divisória entre medo e angústia, temor
relativo e temor absoluto, é precisamente aquilo que está
deteriorando-se. O conceito de “povo”, se bem que com múltiplas
variações históricas, está ligado à separação clara entre um “dentro”
habitual e um “fora” obscuro e hostil. O conceito de “multidão”, ao
contrário, está unido ao fim de dita separação. A distinção entre
medo e angústia, e entre resguardo relativo e resguardo absoluto,
ficam privadas de fundamento, ao menos, por três motivos.
O primeiro é que já não se pode falar mais, razoavelmente, de
comunidade substancial. Hoje, cada impetuosa inovação não
transtorna a forma de vida tradicional e repetitiva, mas intervém
sobre os indivíduos, agora habituados a já não ter costumes sólidos,
adaptados às mudanças repentinas, expostos ao insólito e ao
imprevisto. Há que se mover numa realidade sempre e de todos os
modos renovada múltiplas vezes. Já não é mais possível uma
distinção efetiva entre um “dentro” estável e um “fora” incerto e
telúrico. A transformação permanente da forma de vida e o
treinamento para afrontar uma aleatoriedade ilimitada, comportam
uma relação contínua e direta com o mundo enquanto tal, com o
contexto indeterminado de nossa existência.

10
Existe, portanto, uma completa superposição de temor e
angústia. Quando perco o trabalho devo afrontar um perigo bem
definido, que suscita um temor específico; mas este perigo, de fato,
tinge-se imediatamente de uma angústia indeterminada, confunde-se
com uma desorientação mais geral frente à presença no mundo, une-
se à insegurança absoluta do animal humano, devido a sua carência
de instintos especializados. Poder-se-ia dizer: o medo é sempre
angustiante, o perigo circunscrito inclui sempre o risco geral de estar
no mundo. Se a comunidade substancial ocultava ou amortecia a
relação com o mundo, sua atual dissolução expõe esta última à plena
luz: a perda do posto de trabalho, as inovações que modificam as
conotações das tarefas de trabalho, a solidão metropolitana que
carrega em si muito do que antes correspondia ao terror sentido fora
dos muros da comunidade. Necessitaríamos poder contar com um
termo distinto de “medo” e “angústia”, um termo que desse conta da
sua fusão. E me vem à mente perturbação. Mas seria muito extensa a
justificação desta escolha, nessa ocasião (ver: Virno, 1994: 65-7).
Passemos à segunda aproximação crítica. Segundo a
representação tradicional, o medo é como um sentimento público,
enquanto que a angústia associa-se ao indivíduo isolado de seu
próximo. Distintamente do medo, provocado por um perigo que
corresponde virtualmente a muitos membros da comunidade e que
pode ser neutralizado com a ajuda alheia, a desorientação angustiosa
descarta a esfera pública e concerne unicamente à denominada
interioridade do indivíduo. Essa representação torna-se totalmente
não fidedigna. E por isso deve ser eliminada. Hoje, toda forma de
vida experimenta aquele “não se sentir em sua própria casa” que,
segundo Heidegger, é a origem da angústia. De modo que não há
nada mais compartilhado e comum, em certo sentido, mais público,
que o sentimento de “não se sentir em sua própria casa”. Ninguém se
acha menos isolado que aquele que suporta a espantosa pressão do
mundo indeterminado. Dito de outro modo: o sentimento em que
confluem medo e angústia é imediatamente assunto de muitos.
Poder-se-ia dizer, talvez, que o “não se sentir na própria casa” é nada
mais que um traço distintivo do conceito de multidão, enquanto que a
separação entre o “dentro” e o “fora”, entre o medo e a angústia,
marca a idéia hobbesiana (e não só hobbesiana) do povo. O povo é
uno porque a comunidade substancial coopera para acalmar os
medos que emanam dos perigos circunscritos. A multidão, por outra
parte, está unida pelo perigo de “não se sentir na própria casa”, da
exposição multilateral ao mundo.
Terceiro e último aspecto crítico, talvez o mais radical. Concerne
ao conjunto temor-proteção. É errônea a idéia segundo a qual
primeiro experimentamos um temor e, só depois, buscaremos
encontrar uma proteção. Está totalmente fora de lugar um esquema
estímulo-resposta ou causa-efeito. Bem mais, é de supor que a
experiência inicial é a de se procurar proteção. Antes de tudo,

11
protegemo-nos; logo, enquanto intentamos proteger-nos, analisamos
quais são os perigos que devemos enfrentar. Arnold Gehlen dizia que
o transcorrer, para o animal humano, é uma tarefa incômoda; que
para enfrentá-la, deve-se, sobretudo, minimizar a desorientação
provocada por não dispor de um “ambiente” pré-estabelecido (Gehlen
1940: 60 e seg.). É algo básico isto de se engenhar, com cuidado, no
próprio contexto vital. Enquanto procuramos orientar-nos e
salvaguardar-nos, prevenimo-nos, com freqüência
retrospectivamente, das diversas formas de perigo.
Há mais. Não só o perigo define-se a partir da busca originária
de proteção, mas que — e este é o ponto verdadeiramente crucial —
manifesta-se para a maioria como forma especifica de proteção. O
perigo consiste, bem visto, em uma estratégia horripilante de
salvação (pensemos no culto de uma “pequena pátria” étnica). A
dialética entre perigo e proteção resolve-se, finalmente, na dialética
entre formas alternativas de proteção. À redobrada proteção se lhe
opõe uma proteção de segundo grau, capaz de ser o antídoto para os
venenos da primeira. Desde um ponto de vista histórico e sociológico
não é difícil dar-se conta que o mal se expressa precisamente como
horrível réplica à periculosidade do mundo, como perigosa busca de
proteção: basta pensar na tendência a confiar em um soberano
(robusto ou de opereta, pouco importa), na convulsiva obsessão pela
carreira profissional, na xenofobia. Também poderíamos dizer:
verdadeiramente angustiante é só um certo modo de enfrentar a
angústia. Repito: é decisiva a alternativa entre diversas estratégias
de segurança, a contraposição entre formas antípodas de proteção.
Por isso, digamos de passagem, é tão estúpido descuidar o tema da
segurança como (sobre tudo) brandi-lo sem qualificações ulteriores
(não detectando com isso o autêntico perigo em suas declinações).
É nessas modificações da dialética temor-proteção onde radica,
em primeiro lugar, a experiência da multidão contemporânea (ou, se
se prefere, pós-fordista). Os muitos enquanto muitos são aqueles que
compartilham o “não se sentir na própria casa” e, assim, instalam
essa experiência no centro da própria prática social e política. Além
disso, no modo de ser da multidão, pode-se observar, a olho nu, uma
contínua oscilação entre diversas — às vezes diametralmente opostas
— estratégias de segurança (oscilações que o “povo”, fazendo corpo
com o Estado soberano, desconhece).

Lugares comuns e “intelecto geral”

A fim de compreender melhor a noção contemporânea de


multidão, é oportuno refletir com mais profundidade acerca de quais
são os recursos essenciais com os quais ela pode contar para
proteger-se da periculosidade do mundo. Proponho identificar esses
recursos mediante um conceito aristotélico, um conceito lingüístico

12
(ou, melhor ainda, atinente à arte da retórica): os “lugares comuns”,
os topoi koinoi.
Quando hoje falamos de “lugares comuns”, referimo-nos a
locuções estereotipadas, privadas de todo significado, banalidades,
metáfora apagada, convenções lingüísticas conhecidas. No entanto,
esse não era o significado original da expressão “lugares comuns”.
Para Aristóteles (Retórica, I, 2, 1358ª), os topoi koinoi são a forma
lógica e lingüística de valor mais geral, também, a estrutura óssea de
todo nosso discurso, aquilo que possibilita e ordena qualquer locução
particular. São comuns, ditos lugares, porque ninguém (tanto o
orador refinado como o embriagado que, a duras penas, emite
palavras entrecortadas; o comerciante como o político) pode deixá-
los de lado. Aristóteles indica-nos três: a relação entre mais e menos;
a oposição dos contrários e a categoria da reciprocidade (“se eu sou
seu irmão, ela é minha irmã”).
Essa categoria, como toda estrutura óssea efetiva, nunca aparece
como tal. É a trama da “vida da mente”, mas uma trama não-
aparente. Mas o que é que se deixa ver em nosso discurso? Os
“lugares especiais”, como os denomina Aristóteles (topoi idioi). Eles
são os modos de dizer — metáforas, sutilezas, alocuções, etc. — que
somente se desenvolvem junto a um ou outro âmbito da vida
associada. “Lugares especiais” são os modos de dizer/pensar que
resultam apropriados numa sede partidária, ou na igreja, ou em uma
aula universitária, ou entre os aficionados de um time de futebol, etc.
A vida da cidade, como o ethos (hábitos compartilhados), articula-se
mediante “lugares especiais”, diversos e com freqüência
inconciliáveis. Uma certa expressão funciona aqui, mas não ali, um
tipo de argumentação serve para convencer a este interlocutor, mas
não àquele, etc.
As transformações que enfrentamos podem ser resumidas
assim: hoje, os “lugares especiais” do discurso e da argumentação se
decompõem e se dissolvem, enquanto adquirem uma visibilidade
imediata os “lugares comuns”, quer dizer, a forma lógico-lingüística
que alinhava todos os discursos. Isto significa que para nos
orientarmos no mundo e proteger-nos de seus perigos já não
podemos contar com as formas de pensamento, de raciocínio, de
discurso que se assentavam em um ou outro contexto particular. O
clã dos fanáticos, a comunidade religiosa, a seção do partido, o posto
de trabalho: todos estes “lugares”, obviamente, continuam
subsistindo, mas nenhum deles, caracterizado e caracterizador de tal
modo, é capaz de oferecer uma “rosa dos ventos”, isto é, um critério
de orientação, uma busca confiável, um conjunto de hábitos
específicos, de modos específicos de dizer/pensar. Em todas as partes
e em toda ocasião falamos/pensamos de um mesmo modo, sobre a
base de construções lógico-lingüísticas, tanto fundamentais como
gerais. Desaparece uma topografia ético-retórica. Aparecem em
primeiro plano os “lugares comuns”, esses descarnados princípios da

13
“vida da mente”: a relação entre mais e menos, a oposição dos
contrários, a relação de reciprocidade, etc. Eles, e somente eles,
podem oferecer um critério de orientação, e portanto, alguma
proteção ao curso do mundo.
Não mais invisíveis, mas elevados ao primeiro plano, os “lugares
comuns” são o recurso apotropêico∗ da multidão contemporânea.
Emergem à superfície como caixas de ferramentas de utilidade
imediata. Que outra coisa são os “lugares comuns” senão o núcleo
fundamental da “vida da mente”, o epicentro desse animal lingüístico
que é o ser humano?
Assim, se poderia dizer que a “vida da mente” transforma-se
em pública. Recorre-se a categorias gerais para se desempenhar nas
mais diversas situações determinadas, já não dispondo mais de
códigos ético-comunicativos “especiais”, setoriais. Não-se-sentir-na-
própria-casa indica a preeminência dos “lugares comuns”. O intelecto
como tal, o intelecto puro se faz a bússola concreta ali onde se
debilita a comunidade substancial, ficando expostos ao mundo em
seu conjunto. O intelecto, ainda em suas mais estranhas funções,
apresenta-se como algo comum e aparente. Os “lugares comuns” já
não são mais um fundo inadvertido, âmbito do pulular dos “lugares
especiais”. São um recurso compartilhado ao qual recorrem os
“muitos”, em qualquer situação. A “vida da mente” é o Um que subjaz
sob o modo de ser da multidão. Repito e insisto: a chegada ao
primeiro plano do intelecto como tal; o fato de que a estrutura
lingüística mais geral e abstrata se faça instrumento para orientar a
própria conduta é, em meu entender, uma das condições que definem
a multidão contemporânea.
Há pouco se falou de “intelecto público”. Mas a expressão
“intelecto público” contradiz uma longa tradição, segundo a qual o
pensamento era uma atividade solitária e apartada, que separa do
próximo uma atividade interior, privada de manifestações visíveis,
estranha ao tratamento dos assuntos comuns. A essa longa tradição,
segundo a qual a “vida da mente” é refratária à publicidade, somente
se lhe excetuam, segundo meu parecer, algumas páginas de Marx,
quem coloca o intelecto como algo exterior e coletivo, como um bem
público. No “Fragmento sobre as máquinas” dos Grundrisse (Marx,
1939-1941: II, 389-411), Marx fala de um intelecto geral, de um
general intellect: utiliza o idioma inglês para dar força à expressão,
como se desejasse sublinhá-la. A noção de “intelecto geral” pode ter
diversas origens: talvez seja uma réplica polêmica à “vontade geral”
de Rousseau (segundo Marx, não é a vontade, mas o intelecto o que
os produtores acumulam); ou talvez, o “intelecto geral” seja
continuação materialista do conceito aristotélico de nous poietikos (o
intelecto produtivo, poiético). Mas aqui, não importa a filologia.
Importa o caráter exterior, social, coletivo que compete à atividade
intelectual, enquanto que dali provém, segundo Marx, o verdadeiro
motor da produção de riqueza.

14
À exceção destas páginas de Marx, repito, ao intelecto se lhe
atribuiu sempre a característica da reserva e do estranho à esfera
pública. Em um escrito juvenil de Aristóteles (Protreptico, B43) a vida
do pensador é comparada à vida do estrangeiro. O pensador deve
estranhar-se de sua comunidade, alijar-se do rumor da multidão,
colocar surdina aos sons da agorá. A respeito da vida pública, da
comunidade político-social, tanto o pensador como o estrangeiro, em
sentido estrito, não se sentem em sua própria casa. Este é um bom
ponto de partida para analisar as condições da multidão
contemporânea. Bom ponto de partida, sob a condição de extrair
outras conclusões da analogia entre o estrangeiro e o pensador.
Ser estrangeiro, isto é, não se sentir em sua própria casa, é
hoje condição comum dos muitos, condição incontornável e
compartilhada. Bem, e aqueles que não se sentem em sua própria
casa, deverão , a fim de se orientarem e se protegerem, recorrer aos
“lugares comuns”, isto é, às categorias gerais do intelecto lingüístico;
em tal sentido, os estrangeiros são sempre pensadores. Como vêem,
inverto a direção da comparação: não é o pensador que se torna
estrangeiro na confrontação com sua comunidade de pertencimento,
mas que o estrangeiro, a multidão dos “sem casa”, os que adquirem
necessariamente o status de pensadores. Os “sem casa”, não podem
mais que, comportar-se como pensadores: não porque saibam de
biologia ou de matemática superior, mas porque devem recorrer às
categorias mais essenciais do intelecto abstrato a fim de resistir aos
golpes aleatórios, para se proteger das contingências e dos
imprevistos.
Para Aristóteles, o pensador é estrangeiro, sim, mas
provisoriamente: quando terminou de escrever a Metafísica pôde
ocupar-se novamente dos assuntos comuns. De igual modo, os
estrangeiros próximos, os espartanos chegados a Atenas, são
estrangeiros por um tempo determinado: antes ou depois poderão
retornar à pátria. Mas para a multidão contemporânea a condição de
“não se sentir em casa” é permanente e irreversível. A ausência de
uma comunidade substancial e de seus “lugares especiais”
associados, fazem à vida dos estrangeiros — ao não-se-sentir-em-
sua-casa — que o bios xenikós seja uma experiência inelutável e
duradoura. A multidão dos “sem casa” confia no intelecto, nos
“lugares comuns”: a seu modo, é uma multidão de pensadores (ainda
que tenham somente educação elementar e não leiam um livro nem
sob tortura).
Uma observação à margem: fala-se às vezes da puerilidade do
comportamento metropolitano. E, faz-se isso em tom depreciativo.
Indubitavelmente essa depreciação é absurda, mas vale a pena
perguntar-se se há algo de consistente, um indício de verdade, nessa
associação entre vida metropolitana e infância. Talvez a infância seja
a matriz ontogenética de toda busca ulterior de proteção contra os
golpes do mundo circundante; exemplifica a necessidade de vencer

15
uma indecisão constitutiva, uma insegurança originária (indecisão e
insegurança que logo originam a vergonha, sentimento desconhecido
para o cachorro não humano, que sabe sempre como se comportar).
A criança protege-se mediante a repetição (outra vez o mesmo conto,
o mesmo jogo, o mesmo gesto). A repetição resulta uma estratégia
de proteção para confrontar os chocs provocados pelo novo e pelo
imprevisto. Agora bem, o problema parece ser este: a experiência da
criança não se transfere à do adulto e ao comportamento
prevalecente dentro dos grandes conglomerados urbanos
(comportamentos descritos por Simmel, Benjamin e tantos outros)? A
Experiência infantil da repetição prolonga-se na vida adulta, já que
constitui a principal forma de proteção ali onde faltam os costumes
sólidos, comunidade substancial, um ethos completo. Na sociedade
tradicional (na experiência do “povo”) a repetição, cara à criança,
deixava seu lugar a formas de proteção mais completas e articuladas:
o ethos, os usos e costumes, os hábitos que constituíam a ordem da
comunidade substancial. Agora, no tempo da multidão, esta
substituição não tem mais lugar. A repetição, longe de ser
substituída, perdura. Foi Walter Benjamin quem compreendeu bem
esse ponto. Prestou uma grande atenção à infância, ao jogo infantil,
ao amor da criança pela repetição; e ao mesmo tempo, ao culto da
reprodutibilidade técnica da obra de arte como âmbito no qual se
forja novas formas de percepção (Benjamin, 1936). Bem, é de supor
que há um nexo entre esses dois aspectos. Na reprodutibilidade
técnica revive potencializada a instância infantil da “outra vez mais”,
o general intellect manifesta-se também como repetição
reafirmadora. É certo: a multidão tem algo de infantil; mas esse
algo, mais do que tudo, é o mais sério.

Publicidade sem esfera pública

Dissemos que a multidão define-se pelo não-se-sentir-em-sua-


casa, e pela conseqüente familiaridade com os “lugares comuns”, com
o intelecto abstrato. Falta agregar agora que a dialética medo-
proteção radica nessa familiaridade com o intelecto abstrato. O
caráter público e compartilhado da “vida da mente” está carregado de
ambivalências: hospeda em si, inclusive, possibilidades negativas,
figuras temíveis. O intelecto público é o tronco unitário do qual
podem brotar tanto horrendas formas de proteção como formas de
proteção capazes de buscar um bem estar real (na medida em que
possam salvar da primeira). O intelecto público que a multidão logra,
é o ponto de partida para desenvolvimentos contrapostos. A chegada
a um primeiro plano, das atitudes fundamentais do ser humano
(pensamento, linguagem, auto-reflexão, capacidade de
aprendizagem), pode derivar em aspectos inquietantes e opressivos,
ou originar uma esfera pública inédita, uma esfera pública não-
Estatal, longe dos mitos e dos ritos da soberania.

16
Para resumir ao extremo, minha tese, em ajustada síntese, é
esta: se a publicidade do intelecto não se inscreve em uma esfera
pública, em um espaço político no qual os muitos possam se ocupar
dos assuntos comuns, produzir-se-ão efeitos aterradores. Uma
publicidade sem esfera pública: eis ali a vertente negativa — o mal,
se assim se quer — da experiência da multidão. Freud, no ensaio “O
estranho” [Das Unheimliche] (Freud, 1919: 292-3), mostra como a
potência extrínseca do pensamento pode tomar aspectos
angustiantes. Diz que os males para os quais o pensamento tem um
poder exterior, prático, imediatamente operativo, devem ser
condicionados e dominados pelos outros. É a mesma situação, por
outro lado, que se determina em uma sessão espírita, na qual os
participantes estão estreitamente unidos numa relação de fusão que
parece anular todo traço individual. Pois bem, a crença na
“onipotência do pensamento” estudada por Freud, ou a situação-
limite da sessão espírita, exemplificam adequadamente o que pode
ser uma publicidade sem esfera pública; o que pode ser um “intelecto
geral”, um general intellect, que não se articule em um espaço
público.
O general intellect, ou intelecto público, se não se faz república,
esfera pública, comunidade política, multiplica demencialmente as
formas de submissão. Para aclarar o ponto, pensemos na produção
contemporânea. O compartilhar as atitudes lingüísticas e cognitivas é
o elemento constitutivo do processo de trabalho pós-fordista. Todos
os trabalhadores participam na produção enquanto pensantes-
falantes. Nenhuma relação, vemos, com a “profissionalidade”, ou com
o antigo “ofício”: falar/pensar são atitudes genéricas do animal
humano, o contrário de qualquer especialização. Esse compartilhar
preliminar, por um lado, caracteriza aos “muitos” enquanto “muitos”,
a multidão; por outro, é a mesma base da produção atual. O
compartilhar, enquanto pré-requisito técnico, opõe-se à divisão do
trabalho, a contradiz, a faz desmoronar. Isto não significa,
naturalmente, que o trabalho já não esteja subdividido, parcializado,
etc.; significa que a segmentação do âmbito do trabalho já não
responde a critérios objetivos, “técnicos”, mas, que é explicitamente
arbitrária, reversível, cambiante. Para o capital, o que conta
verdadeiramente é a unificação originária do dote lingüístico-
cognitivo, já que é isso o que garante a velocidade da reação frente
às inovações, a adaptabilidade, etc. Mas é evidente que essa
unificação dos dotes genéricos cognitivos e lingüísticos no interior do
processo de produção real, não se faz esfera pública, não se faz
comunidade política, princípio constitucional. Pois, que coisa sucede?
A publicidade do intelecto, sua situação de compartilhada, se
por um lado dinamiza a rígida área da divisão de trabalho, por outro,
fomenta a dependência pessoal. General intellect, fim da divisão de
trabalho, dependência pessoal: os três aspectos estão
correlacionados. A publicidade do intelecto, ali onde não se articula

17
em uma esfera pública se traduz em uma proliferação descontrolada
das hierarquias, tão infundada como poderosa. A dependência é
pessoal em duplo sentido: no trabalho se depende da pessoa para
isso ou aquilo, não desde regras dotadas de poder coercitivo
anônimo; além disso, intenta-se fazer submissa à totalidade da
pessoa, a suas atitudes comunicativas e cognitivas básicas.
Hierarquias proliferantes, minuciosas, personalizadas: eis ali a
contrapartida negativa da publicidade/unificação do intelecto. A
multidão, repetimos, é um modo de ser ambivalente.

Qual Um para os Muitos?

O ponto de partida da presente análise foi a contraposição entre


“povo” e “multidão”. De toda a argumentação resulta evidente que a
multidão não se desvencilha do Uno, quer dizer, do universal, o
comum/conjunto, senão que o re-determina. O Uno da multidão não
tem nada em comum com o Uno constituído pelo Estado, com o Uno
para onde converge o povo.
O povo é o resultado de um movimento centrípeto: dos
indivíduos atomizados à unidade do “corpo político”, à soberania. O
Uno é o maior resultado desse movimento centrípeto. A multidão, ao
contrário, é o resultado de um movimento centrífugo: do Uno ao
Muitos. Mas qual é o Uno a partir do qual os muitos se diferenciam e
persistem como tais? Não pode ser o Estado, deve tratar-se de outra
forma de unidade/universalidade. Podemos retomar agora um ponto
que assinalávamos no começo.
A unidade que a multidão tem às suas costas está constituída
por “lugares comuns” da mente, das faculdades lingüístico-cognitivas
comuns à espécie, do general intellect. Trata-se de uma
unidade/universalidade visivelmente heterogênea com respeito à
estatal. Sejamos claros: as atitudes cognitivo-linguísticas da espécie
não sobem a um primeiro plano porque alguém o decida, mas por
necessidade, porque constitui uma forma de proteção numa
sociedade privada de comunidade substancial (quer dizer, de “lugares
especiais”).
O Uno da multidão não é, por isso, o Uno do povo. A multidão
não converge numa vontade geral, por um motivo simples: porque já
dispõe de um general intellect. O intelecto público que no pós-
fordismo aparece como mero recurso produtivo, pode constituir um
diferente “princípio constituinte”, pode buscar uma esfera pública
não-estatal. Os muitos enquanto muitos têm como base o pedestal
da publicidade do intelecto: para o bem e para o mal.
Há certamente, uma diferença substancial entre a multidão
contemporânea e a estudada pelos filósofos políticos do Mil e
Seiscentos. No alvorecer da modernidade, os “muitos” coincidiam
com os cidadãos das repúblicas comunais, anteriores ao nascimento
do grande Estado nacional. Aqueles “muitos” asseguravam o “direito

18
à resistência”, a jus resistentiae. Dito direito, não significa
banalmente legítima defesa, mas algo mais sutil e complexo. O
“direito à defesa” consiste em fazer valer a prerrogativa de um
indivíduo, ou de uma comunidade local, ou de uma corporação,
contra o poder central, salvaguardando formas de vida já instaladas.
Trata-se, portanto, de defender algo positivo: é uma violência
conservadora (no bom sentido do termo). Talvez o jus resistentiae, o
direito a defender qualquer coisa que esteja e seja digna de perdurar,
seja o que mais aproxima a multidão do Seiscentos à multidão pós-
fordista. Não se trata, porém, de “alcançar o poder”, de construir um
novo Estado, um novo monopólio da decisão política, mas de
defender as experiências plurais, as formas de democracia não-
representativa, usos e costumes, não-estatais. Quanto ao resto, não
é difícil ver as diferenças: a multidão atual tem como pressuposto um
Uno não menos, senão que mais universal que o Estado: o intelecto
público, a linguagem, os “lugares comuns” (pensar na web...). Além
disso, a multidão contemporânea leva em si a história do capitalismo,
acha-se ligada duplamente às vicissitudes da classe trabalhadora.
É conveniente vigiar o demônio da analogia, do curto-circuito
entre antigo e moderno; é preciso sublinhar os traços historicamente
originais da multidão contemporânea, evitando considerá-la uma
simples reedição de algo que já foi. Um exemplo: é típico da multidão
pós-fordista fomentar o colapso da representação política, não como
gesto anárquico, mas como busca realista e tranqüila de novas
formas políticas. É verdade que Hobbes já advertia sobre a tendência
da multidão a prover-se de organismos políticos irregulares: “não
outra coisa mais que reuniões e assembléias de gente privada de
uma finalidade ou projeto particular, ou determinada por obrigações
de uns para com outros” (Hobbes, 1651: 197). Mas é óbvio que a
democracia não-representativa baseada no general intellect possui
outro alcance: nada intersticial, marginal ou residual; bem mais, a
concreta apropriação e rearticulação do saber/poder, hoje congelado
no aparato administrativo do Estado.
Falando de “multidão”, encontramo-nos perante um problema
complexo: procuramos um conceito sem história, sem léxico,
enquanto que o conceito de “povo” está completamente codificado,
com palavras concretas e matizes de todo tipo. É óbvio que é assim.
Já dissemos que, nas reflexões político-filosóficas do Seiscentos,
prevaleceu o “povo” sobre a “multidão”: por isso, o povo usufruiu um
léxico adequado. A propósito da multidão descontamos, em troca, a
absoluta ausência de codificação, a ausência de um vocabulário
conceitual perspicaz. E esse é um belo desafio para filósofos e
sociólogos, em especial pela riqueza do tema. Trata-se de trabalhar
sobre materiais concretos, examinando-os em detalhe e, ao mesmo
tempo, obtendo deles categorias teóricas. Um duplo movimento, da
coisa à palavra, da palavra à coisa: isso é o que demanda a multidão
pós-fordista. É, repito, uma tarefa atrativa.

19
É certo que “povo” e “multidão” são duas categorias mais
atinentes ao pensamento político (indicando que são alternativas de
existência política) que à sociologia. Mas, em minha opinião, a noção
de multidão é extraordinariamente fértil para compreender e
recensear o modo de ser do trabalho dependente pós-fordista, cujos
comportamentos resultam tão enigmáticos à primeira vista. Como
desenvolverei melhor na segunda jornada, é uma categoria do
pensamento político — derrotada, em seu momento, no debate
teórico — que hoje representa um precioso instrumento de análise do
trabalho vivo do pós-fordismo. Dissemos que a multidão é uma
categoria anfíbia: por um lado, falamos da produção social baseada
no saber e na linguagem, por outro, da crise da forma Estado. Talvez,
atrás de ambos, exista um forte nexo. Carl Schmitt, alguém que fez
um culto ao Estado e um dos maiores teóricos políticos do século
transcorrido, nos anos sessenta, já velho, escreveu uma frase amarga
(para ele) cujo sentido é a reaparição da multidão e o ocaso do povo:
“A era do estatismo está chegando ao seu fim (...) O Estado como
modelo na unidade política, o Estado como titular do mais
extraordinário de todos os monopólios, o monopólio das decisões
políticas, está por ser destronado” (Schmitt, 1963: 90). Com um
acréscimo importante: esse monopólio das decisões tem sido
verdadeiramente subtraído do Estado, somente cessará de uma vez
por todas de ser um monopólio quando a multidão fizer valer seu
caráter centrífugo.
Desejo concluir dissipando, na medida do possível, um equívoco
no qual é fácil cair. Pode parecer que a multidão marca o fim da
classe trabalhadora. No universo dos “muitos” já não há lugar para os
rebanhos de ovelhas, todos iguais, um atrás do outro, pouco
sensíveis ao caleidoscópio das “diferenças”. Essa é uma bobagem de
alguém que desejaria simplificar a questão e emitir frases de efeito
(aplicar eletro-choque em um babuíno, diria um amigo). A classe
trabalhadora não coincide, nem em Marx, nem na opinião de
nenhuma pessoa séria, com determinados hábitos, usos e costumes,
etc. Classe trabalhadora é um conceito teórico, não um cartão postal:
indica o sujeito que produz mais-valia absoluta e relativa. Pois bem, a
classe trabalhadora contemporânea, o trabalho vivo subordinado, sua
cooperação cognitivo-lingüística, possui os traços da multidão, antes
que do povo. Já não tem a vocação “popular” pelo estatismo. A noção
de “multidão” não invalida o conceito de classe trabalhadora, já que
este último não se ligava, por definição, ao de “povo”. Ser multidão
não impede, em absoluto, de produzir mais-valia. É certo que, desde
que a classe trabalhadora não possui mais o modo de ser do povo,
mas o da multidão, mudaram muitas coisas: mentalidade, formas da
organização e dos conflitos. Tudo se complica. Seria muito mais
simples dizer que agora a multidão não é mais a classe
trabalhadora...mas se se deseja simplicidade a todo custo, basta
tomar uma garrafa de vinho tinto.

20
Por outro lado, também em Marx a classe trabalhadora perde a
semelhança a “povo” e adquire a de “multidão”. Somente um
exemplo: pensemos nas páginas do último capítulo do primeiro livro
de O capital, onde Marx analisa as condições da classe trabalhadora
nos Estados Unidos (Marx, 1867: cap. XXV, “A teoria moderna da
colonização”). São longas páginas sobre o oeste americano, sobre o
êxodo, sobre as iniciativas individuais dos “muitos”. Os trabalhadores
europeus expulsos de seu país pelas epidemias, a carestia, as crises
econômicas, chegam para trabalhar na costa leste dos Estados
Unidos. Mas atenção, ficam alguns anos, somente alguns anos. Logo
desertam das fábricas, dirigindo-se para o oeste, para a terra livre. O
trabalho assalariado, antes que uma prisão, apresenta-se como um
transitório episódio. Durante uns vinte anos os assalariados tiveram a
possibilidade de semear a desordem nas férreas leis do mercado de
trabalho: abandonando as próprias condições iniciais, determinaram a
relativa escassez da mão-de-obra e, com isso, a elevação dos
salários. Marx, descrevendo essa situação, oferece um retrato muito
vívido de uma classe trabalhadora que é também multidão.

21
2
SEGUNDA JORNADA: TRABALHO, AÇÃO, INTELECTO

Da última vez, intentei ilustrar o modo de ser da multidão, a


partir da dialética temor-proteção. Hoje, desejo discutir a clássica
divisão da experiência humana em três âmbitos fundamentais:
Trabalho (ou poiesis), Ação política (ou práxis), Intelecto (ou vida da
mente). O objetivo é sempre o mesmo: articular e aprofundar a
noção de multidão.
Como se recordará aqui, “multidão” é uma categoria central do
pensamento político: a utilizamos para desenvolver alguns traços
sobressalentes do modo de produção pós-fordista. Sob a condição de
entender por “modo de produção” não somente uma configuração
econômica particular, mas também um conjunto composto por formas
de vida, uma constelação social, antropológica, ética (“ética”,
atenção, não “moral”: o tema são os hábitos, os usos e costumes,
não o dever-ser). Pois bem, desejo sustentar que a multidão
contemporânea tem por pano de fundo a crise da subdivisão da
experiência humana em Trabalho, Ação (política) e Intelecto. A
multidão afirma-se como modo de ser, em alto grau, ali onde há
justaposição ou ao menos hibridação entre âmbitos que, desde não
muito tempo atrás, ainda na época fordista, pareciam claramente
distintos e separados.
Trabalho, Ação e Intelecto: de acordo com uma tradição que
inicia com Aristóteles e foi retomada com particular paixão e eficácia
por Hannah Arendt (Arendt, 1958), esta tripartição pareceu
perspicaz, realista, quase inquestionável. Enraizou-se no senso
comum: não se trata, por isso, de uma questão somente filosófica,
mas de um esquema amplamente compartilhado. Exemplo
autobiográfico: quando comecei a ocupar-me de política, nos anos
60, essa subdivisão me parecia óbvia; resultava-me irrefutável, como
uma percepção visual ou tátil. Não era preciso ter lido a Ética
Nicomaqueia de Aristóteles para saber que trabalho, ação política e
reflexão intelectual constituíam três esferas de princípios e critérios
radicalmente heterogêneos. Obviamente, a heterogeneidade não
excluía as intersecções: a reflexão intelectual podia aplicar-se à
política; por sua vez, a ação política nutria-se, com freqüência e de
boa vontade, de termos atinentes ao âmbito da produção, etc. Mas,
por numerosas que fossem as intersecções, Trabalho, Intelecto,
Política eram essencialmente distintos. Por motivos estruturais.
O trabalho é troca orgânica com a natureza, produção de novos
objetos, processo repetitivo e previsível. O Intelecto puro possui uma
índole solitária e não-aparente: a meditação do pensador escapa do
olhar dos outros; a reflexão teórica silencia o mundo das aparências.
Diferentemente do Trabalho, a Ação política intervém nas relações
sociais, não sobre os materiais naturais; tem a ver com o possível e o

22
imprevisto; não preenche de objetos ulteriores o contexto onde
opera, mas, modifica esse contexto mesmo. Diferentemente do
Intelecto, a Ação política é pública, entregue à exterioridade, à
contingência, ao rumor dos “muitos”; implica, para utilizar palavras
de Hannah Arendt, “a exposição ante os olhos dos demais” (ibid: cap.
V, “A ação”). O conceito de Ação política pode ser produzido por
oposição com respeito aos outros dois âmbitos.
Pois bem, essa antiga tripartição, todavia, gravada no senso
comum da geração que debutou na cena pública nos anos 60, é
precisamente a que entrou em decadência. Dissolveram-se os confins
entre a pura atividade intelectual, a ação política e o trabalho. Em
especial, o trabalho denominado pós-fordista absorveu em si muitas
das características típicas da ação política. E esta fusão entre Política
e Trabalho constitui um traço fisionômico decisivo da multidão
contemporânea.

Justaposição de poiesis e práxis

O trabalho contemporâneo introjetou muitas características que


antes distinguiam a experiência política. A poiesis incluiu em si
numerosos aspectos da práxis. Esse é o primeiro aspecto da
hibridação geral que desejo tratar.
Vejamos: mesmo Hannah Arendt denuncia insistentemente o
fim dos limites entre trabalho e política (sempre que por “política”
não se entenda a vida em uma seção do partido, mas a experiência
genericamente humana de começar de novo qualquer coisa, uma
relação íntima com a contingência e o imprevisto, a exposição à vista
dos outros). A política, segundo Arendt, passou a imitar o trabalho. A
política do Novecentos, a seu juízo, derivou em uma espécie de
construção de novos objetos: o Estado, o partido, a história, etc. Pois
bem, afirmo que foi tudo o oposto do que acredita Hannah Arendt:
não é a política que se conformou como o trabalho, mas o trabalho é
que adquiriu as conotações tradicionais da ação política. A minha, é
uma argumentação oposta e simétrica à de Hannah Arendt. Sustento
que no trabalho contemporâneo descobre-se a “exposição à vista dos
demais”, a relação com a presença dos outros, o início de processos
inéditos, a familiaridade constitutiva com a contingência, o imprevisto
e o possível. Sustento que o trabalho pós-fordista, o trabalho
produtivo de mais-valia, o trabalho subordinado, introduz na cena
dotes e requisitos que, segundo uma tradição secular, pertenciam à
ação política.
Para guardar. Isso explica, segundo o meu parecer, a crise da
política, o desprezo que circunda hoje a práxis política, o descrédito
no qual caiu a ação. Com efeito, a ação política aparece fatalmente
como uma duplicação supérflua da experiência do trabalho, já que
esta última, também de modo deformado e despótico, subsumiu em
si certos traços estruturais da primeira. O âmbito da política copia

23
estreitamente procedimentos e estilos que distinguem o âmbito do
trabalho, mas dita cópia, resulta uma versão empobrecida, pálida,
simplificada. A política oferece uma rede comunicativa e um conteúdo
cognitivo mais pobre que o derivado do atual processo produtivo.
Menos complexa que a do trabalho e, no entanto, muito similar a ela,
a ação política aparece como algo pouco desejável.
A inclusão na produção contemporânea de certos traços da
práxis política, ajuda a compreender porque a multidão pós-fordista,
é hoje uma multidão politizada. Já existe muita política no trabalho
assalariado (enquanto trabalho assalariado), porque a política como
tal, pode também gozar de uma autônoma dignidade.

Do virtuosismo. De Aristóteles a Glenn Gould

A subsunção no processo de trabalho, daquilo que


anteriormente outorgava à Ação pública sua fisionomia inconfundível,
pode ser aclarada mediante uma categoria vetusta, mas eficaz: o
virtuosismo.
Seguindo, por ora, a acepção ordinária, por “virtuosismo”
entendo a capacidade peculiar de um artista executante. Virtuoso é,
por exemplo, o pianista que oferece uma execução memorável de
Schubert; ou o bailarino experimentado, ou o orador persuasivo, ou o
docente não enfadonho, ou o sacerdote de sermão sugestivo.
Consideremos atentamente o que é que distingue a atividade do
virtuoso, isto é, do artista executante. Em primeiro lugar, a sua é
uma atividade que encontra seu próprio cumprimento (seu próprio
fim) em si mesma, sem se objetivar em uma obra duradoura, sem se
depositar em um “produto acabado”, vale dizer, em um objeto que
sobreviva à execução. Em segundo lugar, é uma atividade que exige
a presença de outros, que existe somente na presença de um público.
Atividade sem obra: a execução de um pianista ou de um
bailarino não deixa atrás de si um objeto determinado, separável da
própria execução, em condições de persistir quando aquela já
finalizou.
Atividade que exige a presença de outros: a performance tem
sentido somente quando é vista ou escutada. Intui-se que essas duas
características estão correlacionadas: o virtuoso necessita da
presença de um público, pelo fato de não produzir uma obra, um
objeto que fique girando no mundo depois de haver cessado sua
atividade. Na falta de um produto extrínseco específico, o virtuoso
deve dar conta de seu testemunho.
A categoria do virtuosismo é discutida na Ética Nicomaquéia;
aflora aqui e lá no pensamento político moderno, também do
Novecentos; possui um pequeno lugar na crítica da economia política
de Marx. Na Ética Nicomaquéia, Aristóteles distingue o trabalho, ou
poiesis, da ação política, ou práxis, utilizando para isso a noção de
virtuosismo: há trabalho quando se produz um objeto, uma obra

24
separada do ato; há práxis quando o ato tem em si mesmo seu
próprio fim. Aristóteles escreve: “o fim da produção é distinto da
própria produção, enquanto que não pode sê-lo, aquele da ação:
porque a ação (compreendida tanto como conduta ética ou como
ação política) é um fim em si mesma” (Et. Nic., VI, 1139 b).
Retomando implicitamente Aristóteles, Hannah Arendt compara os
artistas executantes, os virtuosos, com aqueles que estão
impregnados da ação política. Escreve: “A arte que não produz
nenhuma ‘obra’ possui grande afinidade com a política. Os artistas
que a produzem — bailarinos, atores, músicos e similares — têm
necessidade de um público para o qual mostrar seu virtuosismo,
como aqueles homens que atuam [politicamente] necessitam de
outros ante cuja presença poder aparecer: uns e outros, para poder
‘trabalhar’, requerem um espaço de estrutura pública, e em ambos,
sua ‘execução’ depende da presença alheia”. (Arendt, 1961: 206).
Poderia-se dizer que toda ação política é virtuosa. Com o
virtuosismo compartilha, com efeito, a contingência, a ausência de
um “produto acabado”, a imediata e inevitável relação com a
presença alheia. Opostamente, todo virtuosismo é intrinsecamente
político. Pensemos no caso de Glenn Gould (Gould, 1984: 15-24;
Schneider, 1989). Esse grande artista odiava, paradoxalmente, o
traço distintivo de sua atividade de artista executante; dito de outro
modo: detestava a exibição pública. Por toda a vida, combateu a
“politicidade” inerente à sua atividade. Em certo momento Gould
declarou querer “abandonar a vita activa”, isto é, a exposição ao
olhar alheio (note-se que “vita activa” é a denominação tradicional da
política). Por tornar não-político o próprio virtuosismo, intentou
aproximar, o mais possível, a atividade do artista executante ao
trabalho propriamente dito, que acaba dentro de seu produto
extrínseco. Isso significou encerrar-se em um estúdio de gravação,
contrabandeando a produção de discos (por outro lado, excelentes),
por uma “obra”. Para evadir-se da dimensão público-política própria
do virtuosismo, teve de fingir que suas execuções magistrais
produziam um objeto definido (independente da execução mesma).
Assim, eram uma obra, um produto autônomo, eram trabalho, já não
mais virtuosismo nem, tampouco, política.
Também Marx fala de pianistas, oradores, bailarinos, etc. Fala
deles em alguns dos seus textos mais significativos: no Capítulo VI
inédito (Marx, 1933: 83) e depois, em termos quase idênticos, em
Teorias da mais-valia (Marx, 1905: I, 357-8). Marx analisa o trabalho
intelectual distinguindo nele duas espécies principais. Por um lado, a
atividade imaterial ou mental, que “tem por resultado mercadorias
com uma existência independente do produtor (...) livros, quadros,
objetos de arte em geral, enquanto distintos das prestações artísticas
daqueles que os escrevem, pintam ou criam” (Marx, 1933: 83). Essa
é a primeira espécie de trabalho intelectual. Por outro lado — escreve
Marx — consideremos toda aquela atividade na qual “o produto é

25
inseparável do ato de produzir” (Ibid.), aquela atividade que encontra
em si mesma o próprio cumprimento, sem objetivar-se em uma obra
que a exceda. É a mesma discriminação entre produção material e
ação política já ilustrada por Aristóteles. Salvo que aqui, Marx não se
ocupa da ação política, mas sim, analisa duas figuras do trabalho. Ele
explica a distinção entre atividade-com-obra e atividade-sem-obra,
em determinados tipos de poiesis. A segunda espécie de trabalho
intelectual (a atividade na qual “o produto é inseparável do ato de
produzir”) compreende, segundo Marx, todas aquelas nas quais o
trabalho resolve-se numa execução virtuosa: pianistas, mordomos,
bailarinos, docentes, oradores, médicos, sacerdotes, etc.
Agora, se o trabalho intelectual que produz uma obra não
apresenta problemas particulares, o trabalho sem obra (virtuoso, pelo
indicado) resulta embaraçoso para Marx. O primeiro tipo de trabalho
intelectual acomoda-se mais à definição de “trabalho produtivo”. Mas,
e o segundo tipo? Recordo a passagem na qual, para Marx, trabalho
produtivo não é trabalho subordinado, fatigante ou humilde, mas
justa e tão-somente, trabalho que produz mais-valia. É certo que
também as prestações [de algum serviço, p.ex.; N. do T.] virtuosas
podem, em princípio, produzir mais-valia: se a atividade do bailarino,
do pianista, etc. se organizam de modo capitalista, podem ser fonte
de mais-valia. Contudo, Marx está perturbado pela forte semelhança
entre a atividade do artista executante e a tarefa servil, a qual, ainda
que ingrata e frustrante, não produz mais-valia, e por isso, pertence
ao âmbito do trabalho improdutivo. Trabalho servil é aquele pelo qual
não se investe capital, mas se gasta uma renda (por exemplo, o
serviço pessoal de um mordomo). O trabalhador “virtuoso”, segundo
Marx, se por um lado representa uma exceção pouco significativa,
desde o ponto de vista quantitativo, por outro — e isto é o que mais
importa — converge quase sempre no trabalho servil/improdutivo. Tal
convergência está sancionada pelo fato de que sua atividade não dá
lugar a uma obra independente: onde falta um produto acabado
autônomo, geralmente não se achará um trabalho produtivo (de
mais-valor). Marx aceita, de fato, a equação trabalho-sem-
obra=serviço pessoal. Em conclusão, o virtuosismo é, para Marx,
“trabalho assalariado que não é ao mesmo tempo trabalho produtivo”
(Marx, 1905: I, 358).
Tiremos as conclusões. O virtuosismo está aberto a duas
alternativas: ou esboça o caráter estrutural da atividade política (falta
de uma obra, exposição ante os demais, contingência, etc.), como
sugerem Aristóteles e Hannah Arendt; ou bem, em Marx, toma a
semelhança do “trabalho assalariado que não é, todavia, trabalho
produtivo”. Essa bifurcação decai e se faz em pedaços quando o
trabalho produtivo, em sua totalidade, faz suas as características
peculiares do artista executante. No pós-fordismo, aquele que produz
mais-valia, comporta-se — desde um ponto de vista estrutural,
certamente — como um pianista, bailarino, etc. e, portanto, como um

26
homem político. Com referência à produção contemporânea, resulta
perspicaz a observação de Hannah Arendt sobre a atividade dos
artistas executantes e dos homens políticos: para trabalhar
necessitam de um “espaço de estrutura pública”. No pós-fordismo, o
Trabalho requer um “espaço de estrutura pública” e se assemelha a
uma execução virtuosa (sem obra). A este espaço de estrutura
pública, Marx chama “cooperação”. Poder-se-ia dizer: a um certo grau
de desenvolvimento das forças sociais produtivas, a cooperação do
trabalho introjeta em si a comunicação verbal, assemelhando-se,
assim, a uma execução virtuosa ou, precisamente, a um complexo de
ações políticas.
Recordam o celebre texto de Max Weber sobre a política como
profissão (Weber, 1919: 133-5)? Weber enumera uma série de
qualidades que distinguem o homem político: saber pôr em perigo a
saúde da própria alma, um justo equilíbrio entre a ética das
convicções e a da responsabilidade, dedicação aos objetivos, etc.
Devemos reler esse texto em referência ao toyotismo [pós-fordismo],
ao trabalho baseado na linguagem, à mobilização produtiva das
faculdades cognitivas. O ensaio de Weber fala das qualidades hoje
requeridas pela produção material.

O falante como artista executor

Todos nós somos, desde sempre, virtuosos, artistas


executantes. Talvez medíocres ou torpes, mas, para todos os efeitos,
virtuosos. Com efeito, o modelo básico do virtuosismo, a experiência
em que se funda o conceito, é a atividade do falante. Não a atividade
de um locutor sábio, mas a de qualquer locutor. A linguagem verbal
humana, não sendo um simples utensílio ou apenas um complexo de
sinais instrumentais (característica essa que assemelha, no pior dos
casos, à linguagem dos animais não humanos: pensemos nas
abelhas, nos sinais mediante os quais coordenam a provisão de
comida), possui em si mesma sua própria realização, não produz (ao
menos não necessariamente, não regularmente) um “objeto”
independente da própria execução enunciativa.
A linguagem é “sem obra”. Toda enunciação é uma prestação
virtuosa. E o é, obviamente, porque está conectada (direta ou
indiretamente) à presença alheia. A linguagem pressupõe e ao
mesmo tempo institui sempre de novo, o “espaço de estrutura
pública” do qual fala Arendt. Devemos reler a passagem da Ética
Nicomaquéia sobre a diferença entre poiesis (produção) e práxis
(política) em estreita referência à noção de palavra em Saussure
(Saussure, 1922: 28-30) e sobretudo, a análise de Emile Benveniste
(Benveniste, 1970) sobre a enunciação (onde por enunciação
entende-se não o conteúdo do enunciado, o “que se diz”, mas a
tomada da palavra como tal, o fato mesmo de falar). De tal modo
constata-se que os traços diferenciais da práxis com relação à

27
poiesis, coincidem em tudo e por tudo com os traços diferenciais da
linguagem verbal em relação com a motilidade ou também à
comunicação não-verbal.
E mais ainda. Só o falante — diferente do pianista, do bailarino,
do ator — pode atuar sem uma cópia [“cola”] ou uma partitura. O seu
é um virtuosismo dual: não somente não produz uma obra que seja
distinguível na execução, mas ainda, nem sequer tem à suas costas
uma obra para atualizar mediante a execução. Com efeito, o ato de
palavra serve-se somente da potencialidade da língua, ou melhor, da
faculdade genérica da linguagem: não de um texto pré-fixado, ao
pormenor. O virtuosismo do falante é protótipo e culminação de todo
outro virtuosismo, exatamente porque inclui em si a relação
potência/ato, ali onde o virtuosismo ordinário ou derivado pressupõe
um ato determinado (as Variações Goldberg de Bach, por exemplo),
para ser revivido, sempre, de novo. Voltaremos sobre este ponto.
Basta dizer, por ora, que a produção contemporânea torna-se
“virtuosística” (e portanto, política) porque inclui em si a experiência
lingüística como tal. Se isto é assim, a matriz do pós-fordismo se
encontrará no setor industrial em que exista “produção de
comunicação por meio de comunicação”. Portanto, na indústria
cultural.

Indústria cultural: antecipação e paradigma

O virtuosismo torna-se trabalho massificado com o nascimento


da indústria cultural. É aqui onde o virtuoso começa a imprimir sua
marca. Na indústria cultural, com efeito, a atividade sem obra, isto é,
a atividade comunicativa que tem em si mesma sua própria missão, é
o elemento caracterizador, central, necessário. E é por esse motivo
que, sobretudo na indústria cultural, a estrutura do trabalho
assalariado coincidiu com a ação política.
No setor em que se produz comunicação com meios de
comunicação, a tarefa e a função são, conjuntamente, “virtuosísticas”
e “políticas”. Um grande escritor italiano, Luciano Bianciardi, em seu
romance mais importante, La vita agra, conta misérias e esplendores
da indústria cultural em Milão nos anos cinqüenta. Uma página
admirável desse livro ilustra eficazmente aquilo que distingue a
indústria cultural da indústria tradicional e da agricultura. O
protagonista de La vita agra, chegando a Milão, de Grosseto, com a
intenção de vingar a recente morte do trabalho em sua região,
termina empregando-se na nascente indústria cultural. Mas, após um
breve período, é licenciado [suspenso]. Eis aqui o fragmento que hoje
possui um indubitável valor teórico: “...E me licenciaram, pelo único
fato de arrastar os pés, de mover-me lentamente; fico de um lado
olhando em volta, mesmo quando não seja indispensável. Em nossa
ocupação, pelo contrário, é preciso separar bem a terra, os pés, e
golpear sonoramente, é necessário mover-se, sapatear, saltar, fazer

28
poeira, uma nuvem de pó e depois se esconder dentro dela. Não é
como fazem o camponês ou o operário. O camponês se move lento,
porque, como seu trabalho segue as estações, ele não pode semear
em julho e colher em fevereiro. O operário se move rapidamente,
mas está na cadeia, porque lhe contam em tempo de produção, e se
não caminha nesse ritmo, está em apuros (...). Mas o fato é que o
camponês pertence à atividade primária, e o operário à secundária.
Um produz do nada, o outro transforma uma coisa em outra. A
medida de valorização para o operário e o camponês é fácil,
quantitativa: quantas peças a fábrica retira do forno, quanto rende a
propriedade rural. Em nossa tarefa é diferente, não somos
mensuráveis quantitativamente. Como se mede a destreza de um
sacerdote, de um publicitário, de um RP? Eles não produzem do nada
nem transformam. Não são nem primários nem secundários. São
aparentemente terciários, e até podemos dizer, diretamente
quaternários. Não são instrumentos de produção, e nem sequer
correia de transmissão. São lubrificantes ao máximo, são vaselina
pura. Como se pode valorar a um sacerdote, a um publicitário, a um
RP? Como se calcula a quantidade de fé, de desejo de compra, de
simpatia, que aqueles lograram obter? Não, não temos outro método
que não seja a capacidade de cada um de se manter flutuando, de
emergir por si mesmo, em suma, de chegar a bispo. Em outras
palavras, aquele que escolha uma profissão terciária ou quaternária,
necessita de qualidades e aptidões de tipo político. A política, como
todos sabemos, deixou faz tempo de ser a ciência do bom governo,
tornando-se, em seu lugar, a arte da conquista e da conservação do
poder. Desse modo, a bondade de um homem político não se mede
segundo o bem que faça aos demais, mas pela rapidez com que
alcance o cume e o tempo que possa manter-se ali. (...) Do mesmo
modo, nas profissões terciárias e quaternárias, não existindo
nenhuma produção visível de bens que sirvam de medida, o critério
será o mesmo” (Bianciardi, 1962: 129-32).
Em muitos sentidos a análise de Bianciardi está visivelmente
desatualizada, já que nele as tarefas da indústria cultural aparecem
como uma exceção marginal e extravagante. E mais ainda: é, quando
menos, superficial a redução da política a simples e pura
transgressão. Contudo, no fragmento que lemos, brota ante os olhos
uma formidável intuição, que mescla e retoma, a seu modo, a tese de
Arendt sobre a semelhança entre virtuosismo e política, e as
anotações de Marx acerca do trabalho que não tem por resultado
uma “obra” independente. Bianciardi sublinha a crescente
“politicidade” do trabalho na indústria cultural. Mas, e isto é o
importante, associa essa politicidade ao fato de que em tal indústria
não se produzem obras separadas do próprio ato. Ali onde falta uma
“obra” extrínseca , há ação política. Sejamos claros: na indústria
cultural (como depois, hoje, na época pós-fordista, na indústria em
geral) não faltam alguns produtos acabados para a venda ao final do

29
processo produtivo. O ponto crucial é que, enquanto que a produção
material de objetos é demandada ao sistema de máquinas
automatizadas, as prestações do trabalho vivo assemelham-se cada
vez mais às prestações lingüístico-virtuosisticas.
É de se perguntar que papel jogou a indústria cultural na
superação do fordismo-taylorismo. Acredito que ela havia colocado
oportunamente o paradigma da produção pós-fordista em seu
conjunto. Creio, em conseqüência, que os procedimentos da indústria
fizeram-se, a partir de em certo momento, exemplares e invasivos.
Na indústria cultural, inclusive naquela arcaica examinada por
Benjamin e Adorno, é possível encontrar o prenúncio de um modo de
produzir que logo, com o pós-fordismo, generalizar-se-á, alcançando
a categoria de cânon.
Para entender melhor isso, retornemos momentaneamente à
crítica da indústria da comunicação por parte dos pensadores da
Escola de Frankfurt. Em Dialética do esclarecimento (Adorno e
Horkheimer, 1947: 130-80), os autores sustentavam, de forma geral,
que também as “fábricas de alma” (editoriais, cinema, rádio,
televisão, etc.), conformavam-se segundo os critérios fordistas da
serialidade e da parcelarização. Nelas, parecia afirmar-se a cadeia de
montagem, símbolo ilustre das fábricas de automóveis. O capitalismo
— esta é a tese — mostra poder mecanizar e especializar inclusive a
produção espiritual, tal como fez com a agricultura e a elaboração dos
metais. Serialidade, insignificância da tarefa única, econometria das
emoções e dos sentimentos: são os estribilhos permanentes. Essa
aproximação crítica admitia, bem entendido, que no caso peculiar da
indústria cultural, permaneceram alguns aspectos refratários a uma
assimilação completa à organização fordista do processo de trabalho.
Na indústria cultural, por isso, era necessário manter aberto um
determinado espaço para a informalidade, para o não programado, a
fuga imprevista, a improvisação comunicativa e ideativa: não para
favorecer a criatividade humana, mas, a fim de obter uma
produtividade empresarial satisfatória. Mas para a Escola de
Frankfurt, esses aspectos eram nada mais que resíduos sem
importância, escória do passado, detritos. Só importava a fordização
geral da indústria cultural. Agora, parece-me que observando tudo
isso desde a perspectiva do nosso presente, não é difícil reconhecer
que aqueles pretendidos resíduos (um certo espaço concedido ao
informal, ao imprevisto, ao “fora do programa”), eram na verdade,
avanços do futuro.
Não se tratava de resíduos, mas de presságios antecipatórios. A
informalidade do acionar comunicativo, a interação competitiva típica
de uma reunião, as bruscas variações que podem animar um
programa televisivo, em geral, tudo aquilo que está
disfuncionalmente rígido e regulamentado até um certo limite, é visto
hoje, na época pós-fordista, como um traço típico da totalidade da
produção social. E não só da atual indústria cultural, mas até da Fiat

30
de Melfi. Se Bianciardi falava do trabalho, no qual regia um nexo
entre atividade-sem-obra (virtuosa) e aptidões políticas, como se
fosse uma extravagância marginal, hoje se trata da regra. A trama
entre virtuosismo, política e trabalho, está hoje propagada por todas
as partes. Resta perguntar-se, no mais alto grau, que função
específica assume hoje a indústria das comunicações, quando todos
os setores industriais inspiram-se em seu modelo? Aquela que em
seu tempo antecipou a virada pós-fordista, que função cumpre agora
que o pós-fordismo está plenamente estendido? Para responder,
convém deter-se, por um momento, nos conceitos de “espetáculo” e
“sociedade do espetáculo”.

A linguagem em cena

Creio que a noção de “espetáculo”, não pouco equívoca de per


si, constitui ainda um instrumento útil para decifrar alguns aspectos
da multidão pós-fordista (que é, se quisermos, uma multidão de
virtuosos, de trabalhadores que, para trabalhar, recorrem a
qualidades genericamente “políticas”).
O conceito de “espetáculo”, cunhado durante os anos sessenta
pelos situacionistas, é um conceito propriamente teórico, não
estranho à trama de argumentações marxianas. Para Guy Debord
(Debord, 1967), o “espetáculo” é a comunicação humana tornada
mercadoria. Aquilo que se dá no espetáculo é, precisamente, a
faculdade humana de se comunicar, a linguagem verbal enquanto tal.
Como se pode ver, não se trata de uma acusação rancorosa contra a
sociedade de consumo (sempre um pouco desconfiada, porque se
corre o risco, como sucede a Pasolini, de ter saudade da boa
convivência em meio ao baixo consumo e à miséria). A comunicação
humana, enquanto espetáculo, é uma mercadoria entre as demais,
desprovida de prerrogativas ou qualidades especiais. Mas, por outro
lado, é uma mercadoria que concerne, a partir de um certo ponto, a
todos os setores industriais. Aqui está o problema.
Por um lado, o espetáculo é o produto particular de uma
indústria particular, a indústria chamada cultural, pelo indicado. Por
outro lado, no pós-fordismo, a comunicação humana é também um
ingrediente essencial da cooperação produtiva em geral; portanto, é a
rainha das forças produtivas, algo que ultrapassa o próprio âmbito
setorial, amparando, bem mais, a indústria em seu conjunto, à
poiesis em sua totalidade... No espetáculo são exibidas, na forma
separada e fetichizada, as forças produtivas mais relevantes da
sociedade, aquelas forças produtivas que devem alcançar qualquer
processo laboral contemporâneo: competência lingüística, saber,
imaginação, etc. O espetáculo possui, portanto, uma dupla natureza:
produto específico de uma indústria particular, mas também, ao
mesmo tempo, quintessência do modo de produção em seu conjunto.
Debord escreve que o espetáculo é “a exposição geral da

31
racionalidade do sistema” (ibd. 28). Dão espetáculo, por assim dizer,
as próprias forças produtivas da sociedade enquanto coincidem, em
medida crescente, com a competência lingüíistico-comunicativa e com
o general intellect.
A dupla natureza do espetáculo, trás à mente, por certo, a
dupla natureza do dinheiro. Como é sabido, o dinheiro é uma
mercadoria entre as demais, fabricada na ceca∗ [Casa da moeda ou
Banco Central, para nós; N. do T] do Estado, em Roma, dotada de
um corpo metálico ou de papel. Mas também tem uma segunda
natureza: é o equivalente, a unidade de medida de todas as demais
mercadorias. Particular e universal ao mesmo tempo, o dinheiro;
particular e universal ao mesmo tempo, o espetáculo. A comparação,
sem dúvida atrativa, é, no entanto, errônea. Diferentemente do
dinheiro, que mede o resultado de um processo produtivo concluído,
o espetáculo concerne bem mais ao processo produtivo em si, em si
mesmo, em sua potencialidade. O espetáculo, segundo Debord,
mostra o que homens e mulheres podem fazer. Enquanto que o
dinheiro reflete em si o valor das mercadorias, portanto, aquilo que a
sociedade já fez, o espetáculo exibe, de forma separada, aquilo que o
conjunto da sociedade pode ser ou fazer. Se o dinheiro é a “abstração
real” (para usar uma clássica expressão marxiana) que se refere às
obras concluídas, ao passado do trabalho, o espetáculo, ao contrário,
segundo Debord, é a “abstração real” que representa ao trabalhar
mesmo, ao presente do trabalho. Se o dinheiro sinaliza para as
trocas, o espetáculo — comunicação humana tornada mercadoria —
sinaliza a cooperação produtiva. Deve-se concluir, portanto, que o
espetáculo, a capacidade comunicativa humana tornada mercadoria,
possui uma dupla natureza, mas distinta daquela do dinheiro. Qual?
Minha hipótese é que a indústria da comunicação (ou ainda
melhor, do espetáculo, ou também, da indústria cultural) é uma
indústria dentro das outras, com suas técnicas específicas, seus
procedimentos particulares, suas peculiares utilidades, etc., mas ,
que por outra parte, leva também a cabo o papel de indústria dos
meios de produção. Tradicionalmente a indústria dos meios de
produção é a indústria que produz máquinas e demais instrumentos
para serem empregados, depois, nos mais diversos setores
produtivos. No entanto, em uma situação na qual os instrumentos de
produção não se reduzem a máquinas, mas consistem em
competência lingüístico-cognitiva indissociável do trabalho vivo, é
lícito pensar que uma parte notável dos denominados “meios de
produção” consista em técnicas e procedimentos comunicativos. Pois
bem, onde são forjadas essas técnicas e esses procedimentos, senão
na indústria cultural? A indústria cultural produz (inova, experimenta)
os procedimentos comunicativos que são depois destinados a fazer a
vez de meios de produção até nos setores mais tradicionais da
economia contemporânea. Eis aí o papel da indústria da

32
comunicação, uma vez que o pós-fordismo afirmou-se plenamente:
indústria dos meios de comunicação.

Virtuosismo do trabalho

O virtuosismo, com sua intrínseca politicidade, caracteriza não


só à indústria cultural, mas ao conjunto da produção social
contemporânea. Poder-se-ia dizer que na organização do trabalho
pós-fordista, a atividade sem obra, caso especial e problemático
(recordemos as dúvidas de Marx a respeito), faz-se o protótipo geral
do trabalho assalariado. Repito um ponto já dito: isso não significa,
naturalmente, que não se produzam mais produtos máquino-
faturados, mas, que para uma parte crescente das tarefas do
trabalho, o cumprimento das ações é interno à ação mesma (não
consiste em dar lugar a um semitrabalho independente).
Uma situação desse tipo é esboçada pelo próprio Marx, nos
Grundrisse, quando escreve que com a grande indústria automatizada
e a aplicação intensiva e sistemática das ciências da natureza ao
processo produtivo, a atividade do trabalho “coloca-se ‘junto’ ao
processo de produção imediato como o agente principal” (Marx,
1939-1941: II, 401). Este se colocar “junto” ao processo de produção
imediato significa, diz agora Marx, que o trabalho coincide sempre
mais com uma “atividade de vigilância e de coordenação”. Dito de
outro modo: a tarefa do trabalhador ou do empregado já não consiste
na obtenção de um único fim determinado, senão, em variar e
intensificar a cooperação social. Permitam-me agregar algo. O
conceito de cooperação social, que em Marx é tão complexo e
delicado, pode ser pensado de dois modos distintos. É, antes de tudo,
uma acepção “objetiva”: cada indivíduo faz coisas diversas,
específicas, que são recolhidas pelo engenheiro ou o dono da fábrica:
a cooperação, nesse caso, transcende a atividade do indivíduo, não é
relevante no próprio fato do trabalho. Em segundo lugar, no entanto,
é preciso considerar também uma noção “subjetiva” de cooperação:
ela toma corpo quando uma parte consistente do trabalho individual,
consiste em desenvolver, afinar, intensificar a cooperação mesma. No
pós-fordismo prevalece a segunda acepção de cooperação. Tratarei de
explicar melhor com uma comparação. Desde sempre, um recurso da
empresa capitalista, foi o denominado “roubo da informação
operária”. Vale dizer: quando os trabalhadores buscavam o modo de
cumprir o trabalho com menos fadiga, fazendo uma pausa, etc., a
hierarquia empresarial explorava esta mínima conquista, inclusive
cognitiva, para modificar a organização do trabalho. Segundo parece-
me, há sim mudanças relevantes quanto às tarefas do trabalhador ou
do empregado, essa consiste, em boa medida, em achar recursos,
“truques”, soluções que melhorem a organização do trabalho. Neste
último caso, a informação operária não é utilizada às escondidas, mas
sim que é explicitamente requerida, e inclusive constitui um dos

33
deveres do trabalho. Assiste-se ao mesmo tipo de mudanças,
certamente, a propósito da cooperação: não é a mesma coisa que os
trabalhadores sejam coordenados de fato pelo engenheiro ou, que se
disponham a inventar e produzir novos procedimentos cooperativos.
Antes que ficar ao fundo, o comportamento concertado, a interação
lingüística, coloca-se em primeiro plano.
Quando a cooperação “subjetiva” torna-se a principal força
produtiva, as ações do trabalho mostram uma pronunciada índole
lingüístico-comunicativa, implicando a exposição perante os demais.
Diminui o caráter monológico do trabalho: a relação com os outros é
um elemento originário, básico, de modo algum acessório. Ali onde o
trabalho aparece junto ao processo produtivo imediato, antes que um
componente, a cooperação produtiva é um “espaço de estrutura
pública”. Este “espaço de estrutura pública” — configurado no
processo de trabalho — mobiliza aptidões tradicionalmente políticas.
A política (em sentido amplo) faz-se força produtiva, função, “cofre
de ferramentas”. Poder-se-ia dizer que o lema heráldico do pós-
fordismo é, sarcasticamente, “política antes de tudo”. De resto, que
outra coisa significa o discurso sobre a “qualidade total” se não a
solicitação de por à disposição da produção o gosto pela ação, a
atitude para afrontar o possível e o imprevisto, a capacidade de
começar qualquer coisa de novo?
Quando o trabalho, sob a autoridade do patrão, assume o gosto
pela ação, pela capacidade relacional, pela exposição ante os demais
— todas aquelas coisas que as gerações precedentes
experimentavam nas sessões do partido —, poderíamos dizer que
alguns traços distintivos do animal humano, em especial seu ter-
linguagem, estão subsumidos dentro da produção capitalista. A
inclusão da antropogênese mesma no modo de produção vigente é
um evento extremo. Outra coisa que a tagarelice heideggeriana sobre
a “época da técnica”... Esse evento não atenua, senão que radicaliza
a antinomia da formação sócio-econômica capitalista. Ninguém é tão
pobre como aqueles que vêem a própria relação com a presença dos
outros, isto é, a própria faculdade comunicativa, o próprio ter-
linguagem, reduzido a trabalho assalariado.

O intelecto como partitura

Se o conjunto do trabalho pós-fordista é trabalho produtivo (de


mais-valia) porque se desenrola de modo político-virtuosístico, a
pergunta é, qual é a partitura que os trabalhadores-virtuosos
executam? Qual é o libreto das apresentações lingüístico-
comunicativas?
O pianista executa uma valsa de Chopin, o ator mantém-se
mais ou menos fiel a um roteiro preliminar, o orador possui ao menos
alguma anotação à qual se referir: todos os artistas executantes
contam com alguma partitura. Mas quando o virtuosismo implica à

34
totalidade do trabalho social, qual é a partitura? Por minha parte,
afirmo sem duvidar que a partitura seguida pela multidão pós-fordista
é o Intelecto, o intelecto enquanto faculdade humana genérica. Nos
termos de Marx, a partitura dos virtuosos modernos é o general
intellect, o intelecto geral da sociedade, o pensamento abstrato
tornado coluna vertebral da produção social. Voltemos assim a um
tema (general intellect, intelecto público, “lugares comuns”, etc.)
tratado na primeira jornada.
Por general intellect Marx entende à ciência, o conhecimento em
geral, o saber do qual hoje depende a produtividade social. O
virtuosismo consiste em modular, articular, variar o general intellect.
A politização do trabalho (isto é, a subsunção no âmbito do trabalho
de tudo aquilo que antes era atinente à ação política) inicia-se
quando o pensamento torna-se mola principal da produção de
riqueza. O pensamento deixa de ser uma atividade não-aparente e se
faz algo exterior ou “público”, quando irrompe no processo produtivo.
Poder-se-ia dizer: só agora, somente quando tem como o próprio
centro de gravidade o intelecto lingüístico, a atividade do trabalho
pode absorver em si muitas das características que antes pertenciam
à ação política.
Até agora tenho discutido a justaposição do Trabalho e da
Política. Mas agora aparece o terceiro âmbito da experiência humana,
o Intelecto. Essa é a “partitura” sempre de novo seguida pelos
trabalhadores-virtuosos. Penso que a hibridação entre estas diversas
esferas (pensamento puro, vida política e trabalho) começam
precisamente quando o Intelecto, enquanto principal força produtiva,
faz-se público. Só agora o trabalho toma uma semelhança
virtuosística (ou comunicativa) e, por isso, colore-se de tonalidade
“política”.
Marx atribui ao pensamento um caráter exterior, uma índole
pública, em duas distintas ocasiões. Primeiro, quando utiliza a
expressão, também muito bela, desde o ponto de vista filosófico, de
“abstração real”; depois, quando fala de “general intellect”. Uma
abstração real é, por exemplo, o dinheiro. No dinheiro, de fato, um
dos princípios guia do pensamento humano se encarna, se faz real: a
idéia de equivalência. Essa idéia, de per si muito abstrata, apenas
tilinta na carteira e adquire uma existência concreta. O fazer-se coisa
de um pensamento: isso o que uma abstração real é. Bem visto, o
conceito de general intellect não faz mais que desenvolver
desmesuradamente a noção de abstração real. Com general intellect,
Marx indica a fase na qual já não são mais certos fatos (guardávamos
a moeda) os que assinam o valor e o estatuto de pensamento, mas
na qual são nossos pensamentos , como tais, os que imediatamente
assinam valor aos fatos materiais. Se no caso da abstração real é um
fato empírico (por exemplo, a troca de equivalentes) o que mostra a
sofisticada estrutura de um pensamento puro, no caso do general
intellect a relação se inverte: agora são nossos pensamentos que se

35
apresentam com o peso e a incidência típica dos fatos. O general
intellect é o estágio no qual as abstrações mentais são
imediatamente, de per si, abstrações reais.
Aqui, no entanto, surgem os problemas. Ou, se preferirmos,
aflora uma certa insatisfação com respeito às formulações de Marx. A
dificuldade nasce do fato de que Marx concebe ao “intelecto geral”
como capacidade científica objetivada, como sistema de máquinas.
Obviamente este aspecto conta, mas não é tudo. Deve-se considerar
o aspecto no qual o intelecto geral, antes que se encarnar (ou melhor,
se aferrar) no sistema de máquinas, existe enquanto atributo do
trabalho vivo. O general intellect apresenta-se hoje, antes de tudo,
como comunicação, abstração, auto-reflexão dos sujeitos viventes.
Parece lícito afirmar que pela própria lógica do desenvolvimento
econômico, é necessário que uma parte do general intellect não se
coagule em capital fixo, mas que se desenvolva na interação
comunicativa, na forma de paradigmas epidêmicos, representações
dialógicas, jogos lingüísticos. Dito em outros termos: o intelecto
público é um só com a cooperação, com o comportamento concertado
do trabalho vivo, com a competência comunicativa dos indivíduos.
No capítulo quinto do primeiro livro de O capital, Marx escreve:
“O processo de trabalho, em seus movimentos simples e abstratos,
assim como temos exposto, é atividade final para a produção de
valores de uso (...) por isso não quiséramos apresentar o trabalhador
em relação com outros trabalhadores. Foi suficiente, por uma parte, o
homem e seu trabalho, por outra, a natureza e seus materiais.”
(Marx, 1867: 218). Nesse capítulo, Marx descreve o processo de
trabalho como processo natural de transformação orgânica entre o
homem e a natureza, por isso, em termos gerais e abstratos, sem
considerar a relação histórico-social. E ainda podemos perguntar-nos
se, ficando nesse plano tão geral (quase antropológico), é lícito
separar do conceito de trabalho os aspectos interativos, isto é, a
relação com os demais trabalhadores? Certamente não é lícito
quando a atividade de trabalho tem seu ponto nodal nas prestações
comunicativas. É impossível, agora, esboçar o processo de trabalho
sem apresentar, desde o começo, o trabalhador em relação com
outros trabalhadores; ou sem utilizar agora à categoria do
virtuosismo, em ralação com seu “público”.
O conceito de cooperação implica em si, inteiramente, à atitude
comunicativa dos seres humanos. Isso vale sobretudo ali aonde a
cooperação vai para um “produto” específico da atividade de trabalho,
para qualquer coisa promovida, elaborada, afinada pelos cooperantes
mesmos. O general inellect requer um trabalhar virtuosístico (isto é,
um trabalhar político), porque uma importante parte sua não se verte
no sistema de máquinas, mas se manifesta na atividade direta do
trabalho vivo, em sua cooperação lingüística.
O intelecto, a pura faculdade de pensamento, o simples ter-
linguagem: eis aqui, repitamo-lo, a partitura seguida sempre de novo

36
pelos virtuosos pós-fordistas. (Nota-se a diferença de enfoque entre a
exposição de hoje e a da jornada prévia do seminário: aquilo que
hoje é “partitura” do virtuoso, o intelecto, no dia anterior aparecia
como recurso apotropêico fundamental, como proteção da
periculosidade indeterminada do contexto mundano. É conveniente
considerar conjuntamente ambos os aspectos: a multidão
contemporânea, com sua forma de vida e seus jogos lingüísticos,
coloca-se na interseção dessas duas acepções do “intelecto público”).
Vou retomar e sublinhar aqui um ponto importante, já aludido antes.
Enquanto que o virtuoso propriamente dito (o pianista ou o bailarino,
por exemplo), faz uso de uma partitura bem definida, isto é, de uma
obra em sentido estrito, o virtuoso pós-fordista, “executando” sua
própria faculdade lingüística, não tem pressuposta uma obra
determinada. Por general intellect não se deve entender o conjunto
dos conhecimentos adquiridos pela espécie, mas a faculdade de
pensar; a potência como tal, não suas inumeráveis realizações
particulares. O “intelecto geral” não é outra coisa que o intelecto em
geral. Serve aqui o exemplo, já dado, do falante. Tendo como única
“partitura” a infinita potencialidade da própria faculdade de
linguagem, um locutor (qualquer locutor), articula seus atos de
palavra determinados: pois bem, a faculdade da linguagem é o
oposto a um determinado roteiro, a uma obra com estas ou aquelas
características inconfundíveis. O virtuosismo da multidão pós-fordista
equivale ao virtuosismo do falante: virtuosismo sem apontamentos,
dotado de um roteiro coincidente com a pura e simples dynamis, com
a pura e simples potência.
É oportuno agregar que a relação entre “partitura” e execução
virtuosa se acha regulada pelas normas da empresa capitalista. O pôr
a trabalhar (e a lucrar) as faculdades comunicativas e cognitivas mais
genéricas do animal humano, possui um índice histórico, uma forma
historicamente determinada. O general intellect manifesta-se, hoje,
como perpetuação do trabalho assalariado, do sistema de hierarquias,
eixo importante da produção de mais-valor.

Razão de Estado e Êxodo

Pode-se delinear neste ponto algumas conseqüências da


hibridação entre Trabalho, Ação (política) e Intelecto. Conseqüências
tanto no plano da produção como na da esfera pública (Estado,
aparatos administrativos).
O intelecto faz-se público quando se entrelaça ao trabalho; no
entanto, observemos que é um enlace aparentado com o trabalho
assalariado, com sua típica publicidade, inibida e distorcida inclusive.
Sempre evocado de novo enquanto força produtiva, é também
sempre reprimido enquanto esfera pública propriamente dita,
eventual raiz da ação política, diferente princípio constituinte.

37
O general intellect é o fundamento de uma cooperação social
mais ampla que aquela especificamente do trabalho. Mais ampla e,
por sua vez, de todo heterogênea. Reaparece aqui um tema já
tratado na primeira jornada do seminário. Enquanto as conexões do
processo produtivo baseiam-se nas divisões técnicas e hierárquicas
das tarefas, a ação concertada empreendida sob o general intellct
move-se desde a participação comum à “vida da mente”, vale dizer,
ao original compartilhar de aptidões comunicativas e cognitivas. No
entanto, a cooperação excedente do Intelecto, antes de descartar a
coação da produção capitalista, aparece como o recurso mais
importante desta. Sua heterogeneidade não é visível nem audível.
Pelo contrário, já que a aparição do Intelecto volta-se o pré-requisito
técnico do Trabalho, o comportamento do conjunto extra-trabalho que
ela provoca é, por sua vez, submetido aos critérios e hierarquias que
caracterizam o regime de fábrica.
São duas as principais conseqüências dessa situação paradoxal.
A primeira referida à forma e à natureza do poder político. A
publicidade peculiar do Intelecto, privada de uma expressão própria
daquele trabalho que também a reclama como força produtiva,
manifesta-se indiretamente no âmbito do Estado, mediante o
crescimento hipertrófico dos aparatos administrativos. A
administração, já não mais o sistema político-parlamentar, é o
coração da estatalidade: mas o é precisamente porque representa
uma concreção autoritária do general intellect, o ponto de fusão entre
saber e comando, a imagem invertida da cooperação excedente. É
certo que durante decênios advertiu-se do peso crescente e
determinante da burocracia no “corpo político”, a premência dos
decretos sobre as leis: mas aqui pretendo marcar um umbral inédito.
Em resumo, não nos achamos mais perante os tão conhecidos
processos de racionalização do Estado, mas, pelo contrário,
constatamos hoje a chegada da estatização do Intelecto. A antiga
expressão “razão de Estado” adquire pela primeira vez um significado
não metafórico. Se Hobbes vislumbrava o princípio de legitimação do
poder absoluto na transferência do direito natural de cada indivíduo à
pessoa do soberano, hoje, contrariamente, podemos falar da
transferência do Intelecto, ou, melhor dizendo, de sua publicidade
imediata e irredutível, à administração estatal.
A segunda conseqüência está referida à natureza efetiva do
regime pós-fordista. Já que o “espaço de estrutura pública” aberto
pelo Intelecto se reduz totalmente à cooperação do trabalho, isto é, a
uma densa rede de relações hierárquicas, as funções concludentes
que a “presença alheia” cumpre em todas as operações produtivas
concretas tomam a forma de dependência pessoal. Dito de outro
modo: a atividade virtuosística mostra-se como trabalho servil
universal. A afinidade entre o pianista e o camareiro, que Marx havia
suspeitado, encontra uma inesperada confirmação na época na qual
todo o trabalho assalariado tem algo do “artista executante”. Só que,

38
pese a semelhança com o trabalho servil, é o mesmo trabalho
produtivo de mais-valor. Quando “o produto é inseparável do ato
mesmo de produção”, esse ato refere-se à pessoa que o executa, e
,sobretudo, à relação entre ela e aqueles que a organizaram ou a
quem está dirigido. A ação de pôr a trabalhar aquilo que é comum,
vale dizer, do intelecto e da linguagem, se por uma parte torna fictícia
a divisão técnica impessoal das tarefas, por outra, não se traduzindo,
aquele comunitário, em uma esfera pública (isto é, em uma
comunidade política), induz uma viscosa personalização do
submetimento.
A pergunta crucial é esta: é possível cindir aquilo que está
unido, isto é, o Intelecto (o general intellect) e o Trabalho
(assalariado), e unir aquilo que hoje está cindido, o Intelecto e a Ação
política? É possível passar da “antiga aliança” Intelecto/Trabalho a
uma “nova aliança” Intelecto/Ação política?
Subtrair a ação política da atual paralisia não é diferente de
desenvolver a publicidade do Intelecto por fora do Trabalho
assalariado, em oposição a ele. O assunto apresenta dois aspectos
distintos, atrás dos quais, no entanto, subsiste a mais estreita
complementaridade. Por uma parte, o general intellect afirma-se
como esfera pública autônoma tão só na medida em que se vão
cortando os laços que o unem à produção de mercadorias e ao
trabalho assalariado. Por outra parte, a subversão das relações
capitalistas de produção já pode se manifestar somente mediante a
instituição de uma esfera pública não-estatal, de uma comunidade
política que possua como fundamento próprio o general intellect. Os
traços salientes da experiência pós-fordista (virtuosismo servil,
valorização da faculdade de linguagem mesma, indefectível relação
com a “presença alheia”, etc.) postulam, como contrapartida conflitiva
nada menos que uma forma radicalmente nova de democracia.
A esfera pública não-estatal é a esfera pública que se conforma
segundo o modo de ser da multidão. Ela se serve da “publicidade” da
linguagem/pensamento, de caráter extrínseco, aparente, conjunto, do
Intelecto enquanto partitura dos virtuosos. Trata-se de uma
“publicidade — como já observamos na primeira jornada do seminário
— de toda heterogênea com respeito àquela instituída pela soberania
estatal, ou para dizer como Hobbes, pela ‘unidade do corpo político’”.
Essa “publicidade” que se manifesta hoje como um recurso produtivo
privilegiado, pode fazer-se princípio constituinte, uma esfera pública
como o assinalamos.
Como é possível um virtuosismo não-servil? Como se passa,
hipoteticamente, do virtuosismo servil a um virtuosismo “republicano”
(entendendo por “república da multidão” a um âmbito não-estatal dos
assuntos comuns)? Como conceber, em princípio, a ação política
baseada no general intellect? Sobre este terreno convém se mover
com cautela. Tudo o que podemos fazer hoje é indicar a forma lógica
de todas aquelas coisas de que hoje carecemos de uma sólida

39
experiência empírica∗. Proponho duas palavras-chave: desobediência
civil e êxodo.
A “desobediência civil” representa talvez, a forma básica da
ação política da multidão. Sob a condição de emancipá-la da tradição
liberal, na qual está encapsulada. Não se trata de desatender uma lei
específica, porque é incoerente ou contraditória com outras normas
fundamentais, a constituição, por exemplo: em dito caso, a
resistência estaria testemunhando só uma profunda lealdade ao
comando estatal. De forma inversa, a desobediência radical que nos
interessa questiona a faculdade mesma de comando do Estado. Uma
pequena digressão para compreender melhor.
Segundo Hobbes, com a instituição do “corpo político”,
obrigamo-nos a obedecer antes de saber que coisas nos será
ordenada: “A obrigação de obediência, por cuja força são válidas as
leis civis, precede a toda lei civil” (Hobbes, 1642: XIV, 21). É por isso
que não acharemos alguma lei especial que intime a não se rebelar.
Se a aceitação incondicional do comando não fosse já pressuposta, as
disposições legislativas concretas (incluindo aquelas que indiquem
“não se rebelar”) careceriam de toda validez. Hobbes sustenta que o
vínculo original de obediência deriva das “leis naturais”, isto é, do
interesse comum pela segurança e pela conservação. Então, apressa-
se a acrescentar, aquelas “naturais”, a saber, as Super-leis que
impõem respeitar todas as ordens do soberano, voltam-se
efetivamente uma lei “só quando se tenha saído do estado de
natureza, isto é, quando o Estado está já instituído”. Delineia-se
assim um autêntico paradoxo: a obrigação de obediência é, ao
mesmo tempo, causa e efeito da existência do Estado, é sustentáculo
daquilo que também constitui seu fundamento, precede e segue ao
mesmo tempo à formação do “império supremo”.
Pois bem, a multidão toma como objetivo próprio a obediência
preliminar e sem conteúdo, sobre cuja base somente pode
desenvolver-se depois a melancólica dialética entre aquiescência e
“transgressão”. Transgredindo uma prescrição particular sobre o
desmantelamento da saúde pública ou sobre o bloqueio da imigração,
a multidão levanta-se ante o pressuposto oculto de toda prescrição
imperativa e rechaça sua vigência. Também a desobediência radical
“precede às leis civis”, já que não se limita a violá-las, mas que
coloca em causa o fundamento mesmo de sua própria validade.
E assim chagamos à segunda palavra-chave: êxodo. Terreno de
cultivo da desobediência são os conflitos sociais que se manifestam
não só como protesto, mas sobretudo, como defecção (para falar
como Albert O. Hirschman [Hirschman, 1970], não como voice [voz],
mas como exit [saída; em inglês no original]).
Nada é menos passivo que uma fuga, que um êxodo. A
defecção modifica as condições nas quais teve lugar a contenda,
antes pressupostas como horizonte inamovível; muda o contexto no
qual está inserido um problema, em lugar de afrontar a este último

40
elegendo uma ou outra das alternativas previstas. Em suma, o exit
(saída), consiste em uma invenção desrespeitosa que altera as regras
do jogo e enlouquece a bússola do adversário. Basta pensar —
recordemos tudo que foi dito a respeito na primeira jornada — na
fuga massiva do regime de fábrica, colocada em exercício pelos
trabalhadores americano em meados do Oitocentos: entrando na
“fronteira” para colonizar terras a baixo custo, tiveram oportunidade
de tornar reversível sua própria condição de partida. Algo similar
produziu-se na Itália em fins dos anos 70, quando a força de trabalho
juvenil, contradizendo todas as expectativas, preferiu a precariedade
e o part-time [em inglês no original] ao posto fixo na grande em
presa. Ainda que por um breve período, a mobilidade ocupacional
funcionou como recurso político, provocando o eclipse da disciplina
industrial e consistindo em um certo grau de autodeterminação.
O êxodo, isto é, a defesa, está na antípoda do desesperado “não
ter para perder mais que as próprias correntes”: sustenta-se , ao
contrário, sobre uma riqueza latente, sobre exuberantes
possibilidades, em suma, sobre o princípio do tertium datur. Mas qual
é, para a multidão contemporânea, a abundância virtual que impele
para a opção-fuga a despeito da opção-resistência? Não está em
jogo, obviamente, uma “fronteira” espacial, mas a soma de saberes,
comunicações, atuações virtuosísticas de conjunto implicadas na
publicidade do general intellect. A defecção outorga uma expressão
autônoma, afirmativa em alto nível, a esta soma, impedindo deste
modo sua “transferência” ao poder da administração estatal, ou sua
configuração como recurso produtivo da empresa capitalista.
Desobediência, êxodo. Fica claro que se trata só de alusões
àquilo que pode ser o virtuosismo político, isto é, não-servil, da
multidão.

41
3
TERCEIRA JORNADA: A MULTIDÃO COMO SUBJETIVIDADE

O conceito de multidão merece, talvez, o mesmo tratamento


que o grande epistemólogo francês Gaston Bachelard propunha
reservar para o problema e os paradoxos suscitados pela mecânica
quântica. Bachelard afirmava (Bachelard, 1940: 19-20) que a
mecânica quântica corresponde a um sujeito gramatical que, para ser
pensado adequadamente, deve poder servir-se de múltiplos
“predicados” filosóficos dentro de suas heterogeneidades: uma vez
serve um conceito kantiano, outra resulta adequada uma noção
extraída da psicologia da Gestalt, ou, por que não, alguma sutileza da
lógica escolástica. O mesmo vale para nosso caso. Também a
multidão deve ser indagada mediante conceitos solicitados de
âmbitos e autores diversos.
E é o que temos feito desde a primeira jornada do seminário.
Naquela primeira jornada nos aproximamos ao modo de ser dos
“muitos”, desde a dialética temor-proteção. Como recordarão,
utilizamos palavras-chaves de Hobbes, Kant, Heidegger, Aristóteles
(os topoi koinoi, isto é, os “lugares comuns”), Marx, Freud. Na
segunda jornada, o reconhecimento da multidão contemporânea foi
procurado discutindo a justaposição de poiesis e práxis, Trabalho e
Ação política. Os “predicados” utilizados em referência a isto foram
encontrados entre Hannah Arendt, Glenn Gould, o novelista Luciano
Bianciardi, Saussure, Guy Debord, também Marx, Hirschman e
outros. Hoje examinaremos outro grupo de conceitos, a fim, espero,
de trazer luz, desde uma perspectiva diferente, sobre a multidão.
Essa perspectiva diferente está constituída pela forma da
subjetividade.
Os predicados atribuíveis ao sujeito gramatical “multidão” são:
a) o princípio de individuação, isto é, a antiga questão filosófica que
trata sobre que coisa faz singular a uma singularidade, individual a
um indivíduo; b) a noção foucaultiana de “biopolítica”; c) a tonalidade
emotiva ou Stimmungen, que qualifica hoje a forma de vida dos
“muitos”: oportunismo e cinismo (atenção: por tonalidade emotiva
não entendo um traço psicológico passageiro, mas uma relação
característica com seu próprio estar no mundo); d) e por fim, dois
fenômenos que, também analisados por Agostinho e Pascal,
ascenderam à dignidade de termos filosóficos em Ser e Tempo de
Heidegger: a tagarelice [Gerede] e a curiosidade.

O princípio de individuação

Multidão significa: a pluralidade — literalmente: o ser-muitos —


como forma duradoura de existência social e política, contraposta à

42
unidade coesiva do povo. Pois bem, a multidão consiste em uma rede
de indivíduos; os muitos são numerosas singularidades.
O ponto decisivo é considerar estas singularidades como um
ponto de chegada, não como um dado desde o qual partir; como o
resultado final de um processo de individuação, não como átomos
solipsistas. Porque são o resultado complexo de uma diferenciação
progressiva, os “muitos” não postulam uma síntese ulterior. O
indivíduo da multidão é o termo final de um processo, depois do qual
não há outro, porque todo o resto (a passagem do Uno ao Muitos) já
se deu.
Quando se fala de um processo, ou de um princípio de
individuação, convém ter em conta aquilo que precede à individuação
mesma. Trata-se, antes de tudo, de uma realidade pré-individual, isto
é, de algo comum, universal, indiferenciado. O processo que produz a
singularidade tem um incipit não individual, pré-individual. A
singularidade mergulha suas raízes em seu oposto, provém daquilo
que se encontra em suas antípodas. A noção de multidão parece ter
algum parentesco com o pensamento liberal, posto que valoriza a
individualidade, mas, ao mesmo tempo, diferencia-se radicalmente
porque dita individualidade é o fruto final de uma individuação que
provém do universal, do genérico, do pré-individual. A aparente
vizinhança se destrói na maior distância.
Digamos: em que consiste a realidade pré-individual que está
na base da individuação? Muitas, e todas legítimas, são as respostas
possíveis.
Em primeiro lugar, pré-individual é o fundo biológico da espécie,
como os órgãos sensoriais, o aparato motor, as prestações
perceptivas. É muito interessante o que afirma Merleau-Ponty
(Merleau-Ponty, 1945: 293): “Eu não tenho mais consciência de ser o
verdadeiro sujeito de minhas sensações que de meu nascimento e de
minha morte”. E logo: “a visão, a audição, o tato, com seus campos,
são anteriores e permanecem estranhos à minha vida pessoal.”
(Ibid.: 451). A percepção não é descritível mediante a primeira
pessoa do singular. Não é um “eu” individual o que sente, vê, toca,
mas a espécie como tal. Às sensações se lhes associou muitas vezes
o pronome anônimo e impessoal “se”: vê-se, toca-se, sente-se. O
pré-individual incluído nas sensações é dotação biológica genérica,
não suscetível de individuação.
Em segundo lugar, pré-individual é a língua, a língua histórico-
cultural conjunta de todos os locutores de uma certa comunidade. A
língua é de todos e de ninguém. Também neste caso não há um “eu”
individualizado, mas um “se”: fala-se. O uso da palavra é,
primeiramente, interpsíquico, social e público. Não existe — em
nenhum caso, muito menos no do neonatal — uma “linguagem
privada”. É a tal propósito que se compreende todo o alcance do
conceito de “intelecto público” ou general intellect. Todavia a língua,
diferente das percepções sensoriais, é um âmbito pré-individual em

43
cujo interior enraíza-se o processo de individuação. A ontogênese,
isto é, a fase de desenvolvimento do ser vivente individual, consiste
pelo indicado, na passagem da linguagem como experiência pública
ou interpsíquica à linguagem como experiência singularizante e
intrapsíquica. Esse processo, em minha opinião, cumpre-se quando a
criança se dá conta de que seu ato de palavra não depende somente
de uma língua determinada (que em muitos aspectos assemelha-se
ao líquido amniótico ou a um ambiente zoológico anônimo), mas que
está relacionado a uma faculdade genérica de palavra, com uma
indeterminada potência de dizer (que não se resolve jamais em uma
ou outra língua histórico-natural). A explicação progressiva da relação
entre a faculdade (ou potência) de falar e o ato particular da palavra:
eis aqui o que possibilita superar o caráter pré-individual da língua
histórico-natural, provocando a individuação do locutor. Com afeito,
enquanto a língua é de todos e de ninguém, a passagem do simples e
puro poder-dizer uma enunciação particular e contingente determina
o espaço do “propriamente meu”. Mas este é um assunto complicado,
ao qual só lhe dedico aqui uma alusão. Para concluir, tenha-se
presente que, enquanto o pré-individual perceptivo fica como tal, sem
dar lugar a uma individuação, o pré-individual lingüístico é
contrariamente, a base ou o âmbito no qual toma forma a
singularidade individuada.
Em terceiro lugar, pré-individual é a relação de produção
dominante. Tem a ver, por isso, com uma realidade pré-individual
extraordinariamente histórica. No capitalismo desenvolvido, o
processo de trabalho mobiliza os requisitos mais universais da
espécie: percepção, linguagem, memória, afetos. Funções e tarefas,
em épocas pós-fordistas, coincidem grandemente com o
gattungswesen, ou “existência genérica”, da qual falava Marx nos
Manuscritos econômico-filosóficos de 1844 (Marx, 1932: 227-8). Pré-
individual é o conjunto das forças produtivas. É a cooperação social
como tarefa concertada, conjunto de relações poiéticas, cognitivas,
emotivas. É o general intellect, o intelecto geral, objetivo, extrínseco.
A multidão contemporânea está composta de indivíduos individuados,
que levam à suas costas também esta realidade pré-individual (além
de, naturalmente, a percepção sensorial anônima e a língua, de todos
e de ninguém).

Um Sujeito anfíbio. Está para ser publicado na Itália (pela editora


Derive Approdi) um texto importante de Gilbert Simondon, filósofo
francês muito caro a Gilles Deleuze, até agora bastante desconhecido
(também na França, segundo creio). O livro intitula-se A individuação
psíquica e coletiva (Simondon, 1989). As reflexões de Simondon
acerca do princípio de individuação, nos oferecem outros “predicados”
conceituais para aplicar ao sujeito gramatical que está no centro, a
multidão.

44
Duas teses de Simondon são particularmente relevantes para
qualquer discurso sobre a subjetividade na época da multidão. A
primeira tese afirma que a individuação nunca é completa, que o pré-
individual nunca se traduz de todo em singularidade. Em
conseqüência, segundo Simondon, o sujeito consiste na trama
permanente de elementos pré-individuais e aspectos individuados;
isto é: é esta trama. Seria um grande erro, segundo Simondon,
identificar o sujeito com uma de suas partes, aquela singularizada. É,
ao contrário, um composto: “eu”, mas também “se”, unicidade
irrepetível, mas também universalidade anônima.
Se o “eu” individuado convive com o fundo biológico da espécie
(as percepções sensoriais, etc.), com os caracteres públicos ou inter-
psíquicos da língua materna, com a cooperação produtiva e o general
intellect, convém acrescentar que esta convivência não é sempre
pacífica. Ao contrário, dá lugar a crises de diversos gêneros. O sujeito
é um campo de batalha. Não é estranho que os aspectos pré-
individuais pareçam questionar a individuação: que esta última
mostre-se como um resultado precário, sempre reversível. Por outro
lado, contrariamente, é o “eu” pontual o que parece querer reduzir a
si, com paradoxal voracidade, todos os aspectos pré-individuais de
nossa experiência. Em ambos os casos não estão ausentes certos
fenômenos de temor, pânico, angústia, patologias de diversos
gêneros. Ou um Eu sem mundo ou um mundo sem Eu: esses são os
dois extremos de uma oscilação que, de forma contida, nunca está de
todo ausente. Desta oscilação são testemunhas perspícuas, segundo
Simondon, os afetos e as paixões. A relação entre pré-individuais e
individuados é, de fato, mediada pelos afetos.
Algo mais: a trama nem sempre harmônica entre aqueles
aspectos pré-individuais e aqueles singularizados do sujeito
concernem estreitamente à relação entre cada um dos “muitos” e o
general intellect. Na primeira jornada do seminário insistiu-se
bastante sobre a fisionomia aterrorizante que pode assumir o
“intelecto geral” quando não se traduz em uma esfera pública,
pressionando como um poder impessoal e despótico. Em tal caso, o
pré-individual faz-se ameaçador e absorvente. O pensamento crítico
do Novecentos — pensemos na Escola de Frankfurt — sustentou que
a infelicidade deriva da separação do indivíduo das forças produtivas
universais. Assim se representa um indivíduo confinado em um nicho
frio e obscuro, enquanto distante de si resplandece a potência
anônima da sociedade (e da espécie). É essa uma idéia totalmente
errônea. A infelicidade é a insegurança derivada não da separação
entre existência individual e potência pré-individual, mas de sua
férrea trama quando esta última manifesta-se como desarmonia,
oscilação patológica, crise.
Chegamos agora à segunda tese de Simondon. Nela afirma que
o coletivo, a experiência coletiva, a vida de grupo, não é, como se
pode acreditar, o âmbito no qual se moderam e diminuem os traços

45
sobressalentes do indivíduo singular, mas ao contrário, é o terreno de
uma nova individuação, ainda mais radical. Na participação em um
coletivo, o sujeito, longe de renunciar aos seus traços mais
peculiares, tem a ocasião de individuar, ao menos em parte, a cota de
realidade pré-individual que leva sempre consigo. Segundo
Simondon, no coletivo busca-se afinar a própria singularidade,
ajustá-la segundo o diapasão. Só no coletivo, não no indivíduo
isolado, a percepção, a língua, as forças produtivas podem se
configurar como uma experiência individuada.
Esta tese permite compreender melhor a oposição entre “povo”
e “multidão”. Para a multidão o coletivo não é centrípeto, fusionante.
Não é o lugar no qual se forma a “vontade geral” e se prefigura a
unidade estatal. Já que a experiência coletiva da multidão não
entorpece, mas que radicaliza o processo de individuação, exclui-se
por princípio que de dita experiência se possa extrapolar um traço
homogêneo; exclui-se que se possa “delegar” ou “transferir” algo ao
soberano. O coletivo da multidão, enquanto individuação ulterior ou
de segundo grau, funda a possibilidade de uma democracia não-
representativa. Reciprocamente, pode-se definir à “democracia não-
representativa” como uma individuação do pré-individual histórico-
social: ciência, saberes, cooperação produtiva, general intellect. Os
“muitos” persistem como “muitos”, sem aspirar à unidade estatal,
porque: 1) quanto à singularidade individuada carregam já sobre
suas costas a unidade/universalidade inerente às diversas espécies de
pré-individuais; 2) em suas ações coletivas acentuam e perseguem o
processo de individuação.

O indivíduo social. No “Fragmento sobre as máquinas” dos


Grundrisse (Marx, 1939-1941: II, 401), Marx cunha um conceito que,
em meu parecer, é central para compreender a subjetividade da
multidão contemporânea. Um conceito, digo-o rapidamente,
objetivamente correlacionado com as teses de Simondon sobre a
trama entre realidade pré-individual e singularidade. É o conceito de
“indivíduo social”. Não é casual, parece-me, que Marx utilize esta
expressão nas mesmas páginas nas quais discute sobre o general
intellect, o intelecto público. O indivíduo é social porque nele está
presente o general intellect. Ou também, recordando de novo o Marx
dos Manuscritos, porque nele manifesta-se abertamente, junto ao
singular, o gattungswesen, a “existência genérica”, o conjunto de
requisitos e faculdades da espécie Homo sapiens sapiens.
“Indivíduo social” é um oxímoro, uma unidade dos opostos:
poderia parecer uma paquera hegeliana, sugestiva e inconsistente, de
não poder contar com Simondon para decifrar seu sentido. “Social” se
traduz por pré-individual, “individuo” pelo resultado último do
processo de individuação. Já que por “pré-individual” queremos
entender as percepções sensoriais, a língua, as forças produtivas,
poderia se dizer, então, que o “indivíduo social” é o indivíduo que

46
exibe abertamente a própria ontogênese, a própria formação (com
seus diversos estados ou elementos constituintes).
Eis aí uma espécie de cadeia lexicológica que une
conjuntamente o ser-muitos à antiga questão do princípio de
individuação, à noção marxiana de “indivíduo social”, às teses de
Simondon sobre a convivência de elementos pré-individuais (língua,
cooperação social, etc.) e elementos individuados, em cada sujeito.
Proponho chamar multidão ao conjunto de “indivíduos sociais”. Poder-
se-ia dizer — junto com Marx, mas contra grande parte do marxismo
— que as transformações radicais do presente estado de coisas
consiste em conferir o maior valor e ressaltar a existência de cada
membro singular da espécie. Poderá parecer paradoxal, mas creio
que a teoria de Marx, poderia (e mais, deveria), hoje, considerar-se
como uma teoria realista e complexa do indivíduo. Como um
individualismo rigoroso: portanto, como uma teoria da individuação.

Um conceito equívoco: a biopolítica

O termo “biopolítica” foi introduzido por Foucault em alguns de


seus cursos dos anos 70 no Collège de France (Foucault, 1989: 71-
83), dedicados às mudanças do conceito de “população” entre fins do
século XVIII e princípios do XIX. Para Foucault, é naquela época,
quando a vida, a vida como tal, a vida como mero processo biológico,
começa a ser governada, administrada politicamente. Nos últimos
anos, o conceito de “biopolítica” pôs-se em moda: recorre-se a ele
com freqüência e de boa vontade para todo tipo de propósito.
Devemos evitar esse uso automático e irreflexivo. Perguntemo-nos,
portanto, como e por que a vida irrompe no centro da cena pública,
como e por que o Estado a regula e governa.
Parece-me que para compreender o nó racional do termo
“biopolítica”, pode-se partir de um conceito distinto, muito mais
complicado sob o ângulo filosófico: o de força de trabalho. Dessa
noção fala-se onde quer que seja nas ciências sociais, descuidando de
seu caráter áspero e paradoxal. Se os filósofos profissionais ocupam-
se de algo seriamente, deveriam dedicar-lhe muito esforço e atenção.
Que significa “força de trabalho”? Significa potência de produzir.
Potência, isto é, faculdade, capacidade, dynamis. Potência genérica,
indeterminada: nela não está prescrita uma ou outra espécie
particular de ato de trabalho, mas toda espécie, tanto a fabricação de
uma porta como a colheita de pêras, tanto o falatório de um
telefonista das chat-lines (em inglês no original, N. do T.) como a
correção de texto. Força de trabalho é “a soma de todas as aptidões
físicas e intelectuais existentes na corporeidade” (Marx, 1867: I,
195). Note-se: todas. Falando da força de trabalho nos referimos,
implicitamente, a toda classe de faculdade: competência lingüística,
memória, mobilidade, etc. Só hoje, na época pós-fordista, a realidade
da força de trabalho está plenamente à altura de seu conceito. Só

47
hoje, isto é, a noção de força de trabalho não é redutível (como na
época de Gramsci) a um conjunto de qualidades físicas, mecânicas,
mas inclui em si, plenamente, a “vida da mente”.
Vamos ao ponto. A relação capitalista de produção se baseia na
diferença entre força de trabalho e trabalho efetivo. A força de
trabalho, repito, é pura potência, muito diferente dos atos
correspondentes. Marx escreve: “Quem diz capacidade de trabalho
não diz trabalho, como quem diz capacidade de digerir não diz
digestão” (ibid.: 203). Trata-se pois de uma potência que se vangloria
da prerrogativa concreta da mercadoria. A potência é algo não
presente, não real; mas no caso da força de trabalho, este algo não
presente está, no entanto, sujeito à demanda e oferta (ver Virno,
1999: 121-3). O capitalista adquire a faculdade de produzir enquanto
tal (“a soma de todas as aptidões físicas e intelectuais existentes na
corporeidade”), já não uma ou mais prestações determinadas. Depois
que se efetuou a compra e venda, ele utiliza segundo seu parecer a
mercadoria que agora possui: “O adquirente da força de trabalho a
consome fazendo o seu vendedor trabalhar. É assim que este último
transforma em actu aquilo que antes era potentia.” (Marx, 1867: I,
209). O trabalho realmente efetivado não se limita a ressarcir ao
capitalista o dinheiro desembolsado antes, com a finalidade de
assegurar-se a potência do trabalhar alheio, mas que prossegue por
um lapso de tempo suplementar: aqui está a gênese da mais-valia, o
arcano da acumulação capitalista.
A força de trabalho encarna (literalmente) uma categoria
fundamental do pensamento filosófico: a potência, a dynamis. E
“potência”, como acabo de dizer, significa que não é atual, que não é
presente. Pois bem, algo que não é presente (ou real) torna-se, no
capitalismo, uma mercadoria de importância excepcional. A potência,
a dynamis, a não-presença, antes que ficar como conceito abstrato
assume semelhança pragmática, empírica, socioeconômica. A
faculdade como tal, agora desaplicada, está no centro das trocas
entre o capitalista e o trabalhador. Objeto de compra e venda, não é
uma entidade real (prestações de trabalho efetivamente executadas),
mas algo que, em si, não possui uma existência espaço-temporal
autônoma (a capacidade genérica de trabalhar).
As características paradoxais da força de trabalho (algo de
irreal, que, entretanto, é vendida e comprada como qualquer
mercadoria) são as premissas da biopolítica. Para nos darmos conta
é conveniente agora uma inclusão argumentativa. Nos Grundrisse
Marx escreve que “o valor de uso que o trabalhador há de oferecer
[no intercâmbio com o capitalista] não se materializa em um produto,
não existe fora dele, não existe realmente mais que caminho
possível, isto é, como sua capacidade” (Marx, 1939-1941: I, 244-5;
itálico do autor). Vê-se o ponto decisivo: ali onde se vende algo que
existe só como possibilidade, este algo não é separável da pessoa
vivente do vendedor. O corpo vivo do trabalhador é o substrato

48
daquela força de trabalho que, em si, não tem existência
independente. A “vida”, o puro e simples bios, adquire uma
importância específica enquanto tabernáculo da dynamis, da simples
potência.
Ao capitalista interessa a vida do trabalhador, seu corpo, só por
um motivo indireto: esse corpo, essa vida, são eles que contêm a
faculdade, a potência, a dynamis. O corpo vivente faz-se objeto de
governar, não por seu valor intrínseco, mas porque é o substrato da
única coisa que verdadeiramente importa: a força de trabalho como
soma das mais diversas faculdades humanas (potência de falar, de
pensar, de recordar, de atuar, etc.). A vida se coloca no centro da
política quando o que é colocado em jogo é a imaterial (e, em si, não-
presente) força de trabalho. Por isso, e só por isso, é lícito falar de
“biopolítica”. O corpo vivente, do qual se ocupam os aparatos
administrativos do Estado, é o signo tangível de uma potência ainda
irrealizada, o simulacro do trabalho ainda não objetivado, ou como
disse Marx numa expressão muito bela, do “trabalho como
subjetividade”. Poderia se dizer que enquanto o dinheiro é o
representante universal dos valores de troca, ou da trocabilidade
mesma dos produtos, a vida faz as vezes, bem mais, da potência de
produzir, da invisível dynamis.
A origem não mitológica daquele dispositivo de saberes e
poderes que Foucault chama biopolítica acha-se, sem dúvida, no
modo de ser da força de trabalho. A importância prática assumida
pela potência enquanto potência (o fato que ela é vendida e
comprada como tal), e sua inseparabilidade da existência corpórea
imediata do trabalhador: esse é o fundamento efetivo da biopolítica.
Foucault zomba dos teóricos libertários como Wilhelm Reich (os
psicanalistas heterodoxos), segundo os quais uma atenção
espasmódica à vida seria fruto de um propósito repressivo: disciplinar
os corpos para realçar a produtividade do trabalho. E Foucault tem
razão de sobra, mas contra um alvo fácil. É certo: o governo da vida
é muito variado e articulado, movendo-se desde a contenção dos
impulsos até a licença mais desenfreada, da interdição minuciosa ao
alarde de tolerância, do gueto para os pobres aos altos salários
keynesianos, das prisões de segurança máxima ao Estado de Bem-
estar. Dito isto, fica a pergunta crucial: por que a vida como tal é
tomada como encargo e governada? A resposta é unívoca: porque
serve de substrato de uma mera faculdade, a força de trabalho, a
qual adquiriu a consistência de uma mercadoria. Não é questão, aqui,
da produtividade do trabalho em ato, mas a trocabilidade da potência
de trabalhar. Só pelo fato de ser comprada e vendida, esta potência
inclui também o receptáculo do qual ela é inseparável, isto é, o corpo
vivente; além do mais, o coloca à vista como objeto de inumeráveis e
diferenciadas estratégias governativas.
Não é conveniente acreditar, portanto, que a biopolítica
compreende em si, como articulação particular, a gestão da força de

49
trabalho. O assunto é o inverso: a biopolítica é só um efeito, um
reflexo, ou precisamente uma articulação daquele fato primário —
histórico e filosófico ao mesmo tempo — que consiste na compra e
venda da potência enquanto potência. Há biopolítica ali onde alcança
o primeiro plano, na experiência imediata, o atinente às dimensões
potenciais da existência humana: não a palavra dita, mas a faculdade
de falar como tal; não o trabalho cumprido, mas a capacidade
genérica de produzir. A dimensão potencial da existência torna-se
proeminente precisamente e tão só com a aparência da força de
trabalho. É nesta última onde se compendiam todas as diversas
faculdades ou potências de animal humano. Olhando-o bem, “força
de trabalho” não designa uma faculdade específica, mas o conjunto
das faculdades humanas enquanto elas são incorporadas à práxis
produtiva. “Força de trabalho” não é um nome próprio, mas um nome
comum.

As tonalidades emotivas da multidão

Desejo agora falar brevemente da situação emotiva da multidão


contemporânea. Com a expressão “situação emotiva” não me refiro,
que fique claro, a uma mescla de propensões psicológicas, mas a
modos de ser e de sentir tão estendidos que resultam comuns aos
mais diversos contextos da experiência (trabalho, ócio, afetos,
política, etc.). A situação emotiva, além de ubíqua, é sempre
ambivalente. Ela pode manifestar-se, além disso, tanto como
aquiescência ou como conflito, seja com a semelhança da resignação
como com a da inquietude crítica. Dito de outro modo: a situação
emotiva tem um núcleo neutro, sujeito a declinações diversas e,
inclusive, opostas. Este núcleo neutro indica um modo de ser
fundamental. Agora, é incontestável que a situação emotiva da
multidão, hoje, se manifesta com “maus sentimentos”: oportunismo,
cinismo, integração social, abjuração incansável, alegre resignação.
Todavia, necessita-se remontar desde estes “maus sentimentos” até o
núcleo neutro, isto é, ao modo de ser fundamental que, em princípio,
poderia dar origem a desenvolvimentos muito diferentes aos que
prevalecem hoje. O difícil de entender é que o antídoto, por assim
dizer, pode ser encontrado naquilo que hoje se mostra como veneno.
A situação emotiva da multidão pós-fordista caracteriza-se pela
coincidência imediata entre produção e ética, “estrutura” e
“superestrutura”, revolução do processo de trabalho e sentimentos,
tecnologia e tonalidades emotivas, desenvolvimento material e
cultural. Detenhamo-nos um momento nessas coincidências. Quais
são hoje os principais requisitos exigidos aos trabalhadores
dependentes? O acostumar-se à mobilidade, capacidade de se
adaptar às reconversões mais bruscas, adaptabilidade associada com
algumas iniciativas, flexibilidade no transcorrer entre um ou outro
grupo de regras, disposição a uma interação lingüística tão banalizada

50
quanto multilateral, capacidade de engenhar-se mais além de
possibilidades alternativas limitadas. Pois bem, esses requisitos não
são o fruto do disciplinamento industrial, são bem mais o resultado
de uma socialização que tem seu epicentro fora do trabalho. A
“profissionalidade” efetivamente requerida e oferecida consiste nas
qualidades adquiridas durante uma prolongada permanência em um
estágio pré-laboral ou precário. Diria: na espera de um emprego, viu-
se desenvolvendo aqueles talentos genericamente sociais e aquele
hábito de não contrair hábitos perduráveis, que funcionam, depois,
uma vez que se encontrou trabalho, como verdadeiros “ossos do
ofício”.
A empresa pós-fordista usufrui estes hábitos de não ter hábitos,
este adestramento para a precariedade e a variabilidade. Mas o fato
decisivo é uma socialização (com esse termo designo à relação com o
mundo, com os outros e consigo mesmo) que provem essencialmente
de fora do trabalho, uma socialização essencialmente extratrabalho.
São os chocs metropolitanos dos quais falava Benjamin, a
proliferação de jogos lingüísticos, as variações ininterruptas das
regras e das técnicas que constituirão a escola onde se forjarão as
aptidões e requisitos que, na continuação, voltar-se-ão qualidades e
requisitos “profissionais”. Entendamos bem: a socialização
extratrabalho (que depois conflui no “âmbito do trabalho” pós-
fordista) consiste em experiências e sentimentos nos quais a principal
filosofia e sociologia do último século — desde Heidegger e Simmel
em diante — reconheceu os traços distintivos do niilismo. Niilista é
uma práxis que já não goza de um fundamento sólido, de estrutura
recursiva da qual dar conta, de hábitos protetores. Durante o
Novecentos o niilismo pareceu um contraponto colateral aos
processos de racionalização da produção e do Estado. Diria: por uma
parte, o trabalho, por outra a precariedade e a variabilidade da vida
metropolitana. Agora, em troca, o niilismo (habituar-se a não ter
hábitos, etc.) entra em produção, faz-se requisito profissional, é
posto a trabalhar. Só aquele que é especialista na aleatória
variabilidade da forma de vida metropolitana sabe como se comportar
na fábrica do just in time (em inglês no original. N. do T.).
Quase é inútil agregar que, deste modo, faz-se em pedaços o
esquema mediante o qual a maior parte da tradição sociológica e
filosófica representou os processos de “modernização”. De acordo
com tais esquemas, as inovações (tecnológicas, emotivas, éticas)
desconcertam às sociedades tradicionais, onde prevalecem costumes
repetitivos. Filemón e Bauci, os pacíficos camponeses que Goethe em
Fausto, souberam separar-se do empresário moderno. Hoje, nada
mais disso tudo. Não se pode mais falar de “modernização” ali onde
intervêm as inovações, quanto ao mais, com periodicidade cada vez
mais breve, sobre um cenário completamente caracterizado pelo
desenraizamento, pela aleatoriedade, pelo anonimato, etc. O ponto
crucial é que o atual movimento produtivo serve-se, como seu mais

51
precioso recurso, de tudo aquilo que o esquema da modernização
considerava dentro de seus efeitos: incerteza de expectativas,
contingência das colocações, identidades frágeis, valores sempre
cambiantes. A tecnologia avançada não provoca uma “desorientação”
para dissipar uma progressiva “familiaridade”, mas sim que reduz a
perfil profissional a experiência mesma da desorientação mais radical.
O niilismo, em princípio à sombra da potência técnico-produtiva, faz-
se logo um ingrediente fundamental, qualidade muito estimada no
mercado de trabalho.
Esse é o pano de fundo oculto sobre o qual se destacam
sobretudo duas tonalidades emotivas não exatamente edificantes: o
oportunismo e o cinismo. Tratemos de peneirar estes “maus
sentimentos”, identificando neles um modo de ser que, de per si,
pode ser expresso de modo não desdenhoso.

Oportunismo. O oportunismo mergulha suas raízes em uma


socialização extra laboral indicada por manobras repentinas, chocs
perceptivos, inovações permanentes, instabilidade crônica.
Oportunista é aquele que afronta um fluxo de possibilidades sempre
intercambiáveis, estando disponível para o maior número delas,
submetendo-se à mais próxima e depois desviando-se com agilidade
de uma a outra. Essa é uma definição estrutural, sóbria, não-
moralista do oportunismo. Em questão está uma sensibilidade
aguçada pelas mutáveis oportunidades, uma familiaridade com o
caleidoscópio das oportunidades, uma íntima relação com o possível
enquanto tal. No modo pós-fordista de produção o oportunismo
adquire um indubitável relevo técnico. É a relação cognitiva e de
comportamento da multidão contemporânea ao fato de que a práxis
já não está ordenada segundo diretrizes uniformes, mas sim que
apresenta um alto grau de indeterminação. Agora, a mesma
capacidade de se engenhar entre oportunidades abstratas e
intercambiáveis constitui uma qualidade profissional em certos
setores da produção pós-fordista, ali onde o processo de trabalho não
está regulado por uma finalidade particular única, mas por uma
classe de possibilidades equivalentes, a especificar cada vez. A
máquina informática, antes que meio para um fim unívoco, é
premissa de elaborações sucessivas e “oportunistas”. O oportunismo,
faz-se valer como recurso indispensável, cada vez que o processo de
trabalho concreto está invadido de um difuso “agir comunicativo”,
sem se identificar mais com o “agir instrumental” mudo. Ou também,
retomando um tema tratado na segunda jornada do seminário, toda
vez que o Trabalho inclui em si os traços salientes da Ação política.
No fundo, que outra coisa é o oportunismo se não uma qualidade do
homem político?

Cinismo. Também o cinismo é conexo à instabilidade crônica da


forma de vida e dos jogos lingüísticos. Esta instabilidade crônica

52
expõe à vista, tanto no trabalho como no tempo livre, as regras nuas
que estruturam artificialmente os âmbitos de ação. A situação
emotiva da multidão está caracterizada, pelo indicado, pela extrema
vizinhança dos “muitos” às regras que dão nervura aos contextos
singulares. Na base do cinismo contemporâneo está o fato de que os
homens e as mulheres experimentam sobretudo as regras mais do
que os “fatos”, antes que o experimento com eventos concretos. Mas
ter uma experiência direta das regras significa, também, reconhecer
seu convencionalismo e falta de fundamentos. De modo que não se
está imerso em um “jogo” pré-definido, participando com verdadeira
adesão, mas sim que se vislumbra um “jogo” singular, despojado de
toda obviedade e seriedade, agora só o lugar da imediata afirmação
de si. Afirmação de si tanto mais brutal e arrogante, em suma, cínica,
quanto mais se serve, sem ilusão mas com perfeita adesão
momentânea, daquelas mesmas regras das quais havia se apercebido
o convencionalismo e a mutabilidade.
Penso que há uma relação muito forte entre o general intellect e
o cinismo contemporâneo. Ou melhor: penso que o cinismo é um dos
modos possíveis de reagir ao general intellect (não o único, certo:
retorna aqui o tema da ambivalência das situações emotivas).
Vejamos melhor esse nexo. O general intellect é o saber social
tornado principal força produtiva; é o conjunto de paradigmas
epistêmicos, de linguagens artificiais, de constelações conceituais que
dão nervura à comunicação social e à forma de vida. O general
intellect distingue-se das “abstrações reais” típicas da modernidade,
todas ancoradas ao princípio de equivalência. “Abstração real” é,
sobretudo, o dinheiro, que representa a comensurabilidade dos
trabalhos, dos produtos, dos sujeitos. Pois bem, o general intellect
nada tem a ver com o princípio de equivalência. Os modelos do saber
social não são unidade de medida, mas sim que constituem o
pressuposto para possibilidades operativas heterogêneas. Os códigos
e paradigmas técnico-científicos se apresentam como “força produtiva
imediata”, isto é, como princípios construtivos. Não se equiparam a
nada, mas fazem às vezes de premissas para todo gênero de ações.
O fato de que o ordenamento das relações sociais provenha do
saber abstrato antes que do intercâmbio de equivalentes, reflete-se
na figura contemporânea do cínico. Por que? Porque o princípio de
equivalência constituía a base, ainda contraditória, para as ideologias
igualitárias que defendiam o ideal de um reconhecimento recíproco
sem restrições, aquele de uma comunicação lingüística universal e
transparente. De forma inversa, o general intellect, enquanto
premissa apodíctica [demonstrativa. N. do T.] da práxis social, não
oferece nenhuma unidade de medida para uma equiparação. O cínico
reconhece, no contexto particular no qual atua, o papel preeminente
de certas premissas epistêmicas e da simultânea ausência de
equivalências reais. Comprime preventivamente a aspiração a uma
comunicação dialógica paritária. Renuncia desde o princípio à busca

53
de um fundamento intersubjetivo para sua práxis, como também à
reivindicação de um critério unificado de valoração moral. A queda do
princípio de equivalência, intimamente correlacionada com as trocas
de mercadorias, é vestida, no comportamento do cínico, como
insuportável abandono da instância de igualdade. Ao ponto que ele
confia a afirmação de si à multiplicação (e fluidificação) de
hierarquias e desigualdades, que a manifesta centralidade do saber
na produção parece comportar.
Oportunismo e cinismo: “maus sentimentos”, sem dúvida.
Todavia, é lícito fazer a hipótese que cada conflito ou protesto da
multidão arraigará no próprio modo de ser (o “núcleo neutro” ao qual
aludíamos antes) que, por ora, manifesta-se com essa modalidade
algo repugnante. O núcleo neutro da situação emotiva
contemporânea, suscetível de manifestações opostas, consiste na
familiaridade com o possível enquanto possível e em uma extrema
aproximação às regras convencionais que estruturam os diversos
contextos de ação. Aquela familiaridade e esta proximidade, das
quais derivam agora o oportunismo e o cinismo, constituem, de todo
modo, um signo distintivo indelével da multidão.

A tagarelice e a curiosidade

Por último, quero me deter em dois fenômenos muito


conhecidos, e mal vistos, da vida cotidiana, aos quais Heidegger
conferiu a dignidade de temas filosóficos. Em primeiro lugar a
tagarelice [Gerede, a conversa fiada, o bate-papo; N. do T.], isto é,
um discurso sem estrutura óssea, indiferente ao conteúdo que cada
tanto aflora, contagioso e extensivo. Depois, a curiosidade, isto é, a
insaciável voracidade pelo novo enquanto novo. Parece-me que esses
são outros dois predicados inerentes ao sujeito gramatical “multidão”.
Sob a condição de utilizar, como se verá, a palavra de Heidegger
contra ele mesmo. Discutindo sobre a “tagarelice” quero avançar
sobre uma faceta ulterior da relação multidão/linguagem verbal; a
“curiosidade”, em troca tem a ver com certa virtude epistemológica
da multidão (fique claro que estamos discutindo nada mais que uma
epistemologia espontânea e não-reflexiva).
A tagarelice e a curiosidade são estados analisados por
Heidegger em Ser e tempo (Heidegger, 1927: 35 e 36). Ambos são
considerados como típicas manifestações da “vida inautêntica”. Esta
última está caracterizada pelo nivelamento conformista de todo sentir
e compreender. Nela, é incontestavelmente o pronome impessoal “se”
que domina: diz-se, faz-se, acredita-se em uma ou outra coisa. Em
termos de Simondon, é o pré-individual o que domina a cena,
impedindo qualquer individuação. O “se” é anônimo e extensivo.
Alimenta seguranças tranqüilizantes, difunde opiniões sempre
compartilhadas. É o sujeito sem rosto da comunicação midiática. O
“se” alimenta a tagarelice e desencadeia uma curiosidade sem recato.

54
Este “se” mexeriqueiro e intrometido oculta o traço
sobressalente da existência humana: o ser no mundo. Cuidado:
pertencer ao mundo não significa contemplá-lo desinteressadamente.
Esse pertencimento representa antes de tudo uma implicação
pragmática. A relação com meu contexto vital não consiste
primeiramente em conhecimentos e representações, mas em uma
práxis adaptativa, na busca de proteção, em uma orientação prática,
na intervenção manipuladora dos objetos circundantes. A vida
autêntica, para Heidegger, parece encontrar uma expressão adequada
no trabalho. O mundo é, em primeiro lugar um mundo-canteiro-de-
obra, um conjunto de meios e finalidades produtivas, o teatro de um
vigor geral. Segundo Heidegger, esta relação fundamental com o
mundo acha-se desvirtuada pela tagarelice e pela curiosidade. Aquele
que se põe a tagarelar e se deixa levar à curiosidade não trabalha,
distrai-se da execução de uma tarefa determinada, suspende o
“fazer-se responsável”. O “se”, além de anônimo, é também ocioso. O
mundo-canteiro-de-obra é transformado em um mundo-espetáculo.
Perguntamo-nos: é certo, então, que a tagarelice e a
curiosidade estão confinadas ao exterior do trabalho, no tempo do
ócio e da distração? Sobre a base do que se argumentou neste
seminário, não devemos supor, bem mais, que essas atitudes
fizeram-se o eixo da produção contemporânea, na qual domina o
atuar comunicativo e é valorizada ao máximo grau a capacidade de
“se virar” frente ao ambiente de inovações contínuas?
Comecemos pela tagarelice. Ela testemunha o papel
preeminente da comunicação social, sua independência de todo
vínculo ou pressuposto, sua plena autonomia. Autonomia de objetivos
pré-definidos, de empregos circunscritos, da obrigação de reproduzir
fielmente a realidade. Na tagarelice diminui teatralmente a
correspondência denotativa entre palavras e coisas. O discurso não
mais requer uma legitimação externa, buscada desde os eventos
sobre os quais versa. Ele mesmo constitui agora um evento em si,
consistente, que se justifica só pelo fato de ocorrer. Heidegger
escreve: “Em virtude da compreensão média que a linguagem
expressa possui em si, o discurso comunicante (...) pode ser
compreendido inclusive sem que aquele que escuta coloque-se na
compreensão originária daquilo sobre o que discorre o discurso”
(Heidegger, 1927: 212). E depois: “a tagarelice é a possibilidade de
compreender tudo sem nenhuma apropriação da coisa a
compreender” (Ibid. 213).
A tagarelice rechaça o paradigma referencialista. A crise desse
paradigma encontra-se na origem dos mass media (em inglês no
original. N. do T.). Uma vez emancipados do peso de corresponder
ponto a ponto ao mundo não lingüístico, os enunciados podem
multiplicar-se indefinidamente, gerando-se uns aos outros. A
tagarelice é infundada. Essa falta de fundamento explica seu caráter
lábil, e às vezes vago, das interações cotidianas. Todavia, a mesma

55
falta de fundamento autoriza a todo o momento a invenção e
experimentação de novos discursos. A comunicação, antes que
refletir e transmitir aquilo que é, produz esses estados de coisa
mesmos, experiências inéditas, fatos novos [aquilo que pode ser; N.
do T.]. Estamos tentados a dizer que a tagarelice se parece a um
rumor de fundo: de per si insignificante (diferentemente dos rumores
ligados a fenômenos particulares, por exemplo, uma moto em
movimento ou uma broca), mas que oferece a trama da qual se
extraem variantes significativas, modulações insólitas, articulações
imprevistas.
Parece-me que a tagarelice constitui a matéria-prima do
virtuosismo pós-fordista do qual falamos na segunda jornada do
seminário. O virtuoso, como recordarão, é aquele que produz algo
não distinguível nem separável do ato mesmo de produzir. Virtuoso
por excelência é o simples locutor. Mas, agreguemos agora, o locutor
não-referencialista; o locutor que, falando, não reflete um ou outro
estado de coisas, mas que o determina de novo mediante sua palavra
mesma. Aquele que, segundo Heidegger, põe-se a tagarelar. A
tagarelice é performativa: nela, as palavras determinam fatos,
eventos, estados das coisas (ref. Austin, 1962). Ou, querendo-se, na
tagarelice se pode reconhecer o performativo básico: não “Eu aposto”
ou “Eu juro” ou “Eu tomo esta mulher como esposa”, mas, em
primeiro lugar, “Eu falo”. Na afirmação “Eu falo”, faço algo o dizendo,
e, além disso, declaro aquilo que faço enquanto o faço.
Contrariamente ao que supõe Heidegger, a tagarelice não só
não é uma experiência pobre e depreciável, mas que concerne
diretamente ao trabalho, à produção social. Trinta anos atrás, em
muitas fábricas, havia cartazes que intimavam: “Silêncio, trabalha-
se!”. Quem trabalhava calava. Começava-se a tagarelar só à saída da
fábrica ou do trabalho. A principal novidade do pós-fordismo consiste
em ter colocado a linguagem a trabalhar. Hoje, em algumas fábricas,
podemos fixar dignamente cartazes invertidos aos de outros tempos:
“Aqui se trabalha. Fale!”.
Ao trabalhador não se pede um certo número de frases por
média, mas um atuar comunicativo informal, flexível, em condições
de enfrentar as mais diversas eventualidades (com uma boa dose de
oportunismo, diríamos). Em termos de filosofia da linguagem, diria
que o que se mobilizou não foi a palavra, mas a língua; a faculdade
mesma, isto é, a potência genérica de articular todo tipo de
enunciações, adquire um relevo empírico próprio na tagarelice
informática. Ali, com efeito, não conta tanto “que coisa diz”, mas o
puro e simples “poder dizer”.
E passemos à curiosidade. Também ela tem por sujeito o
anônimo “se”, protagonista indiscutível da “vida inautêntica”. E
também ela situa-se, para Heidegger, por fora do processo de
trabalho. O “ver”, que no trabalho finaliza com o cumprimento de
uma tarefa particular, no tempo livre faz-se intranqüilo, móvel,

56
volúvel. Escreve Heidegger: “o ocupar-se se detém em dois casos: ou
para tomar força ou porque a obra finalizou. Esse aquietamento não
suprime a ocupação, senão que deixa livre a visão, liberando-a do
mundo da obra” (ibid.: 217). A liberação do mundo da obra faz com
que a “visão” nutra-se de qualquer coisa, fatos, eventos, reduzidos,
todavia, a outros tantos espetáculos.
Heidegger cita Agostinho, que da curiosidade havia efetuado
uma análise admirável no livro décimo das Confissões. O curioso,
para Agostinho, é aquele que se deixa levar à concupiscentia
oculorum, à concupiscência da vista, cobiçando assistir a espetáculos
insólitos e inclusive horríveis: “o prazer corre atrás daquilo que é
belo, gostoso, harmonioso, suave, mórbido; a curiosidade deseja
experimentar também o contrário (...) por afã de provar, de conhecer.
E na verdade, que prazer se pode provar à horrível visão de um
cadáver feito em pedaços? Todavia, se aparece um em qualquer
parte, todos acodem ali” (Confissões: X, 35). Tanto Agostinho quanto
Heidegger consideravam a curiosidade como uma forma degradada e
perversa de amor pelo saber. Uma paixão epistêmica, em suma. A
paródia plebéia do bios theoretikos, da vida contemplativa dedicada
ao conhecimento puro. Nem o filósofo nem o curioso têm interesses
práticos, ambos aspiram a uma aprendizagem como fim em si
mesmo, a uma visão sem finalidade extrínseca. Mas na curiosidade os
sentidos usurpam as prerrogativas do pensamento: são os olhos do
corpo, não aquela metáfora da mente, os que observarão,
remexerão, valorarão todos os fenômenos. A ascética theoria
transforma-se no “afã de provar, de conhecer” do voyeur.
O juízo de Heidegger é sem apelação: na curiosidade aninha-se
um estranhamento radical; o curioso “está interessado só pelo
aspecto do mundo; deste modo intenta se libertar de si mesmo
enquanto ser-no-mundo” (Heidegger, 1927: 217). Desejo confrontar
este juízo de Heidegger com a postura de Walter Benjamin. Em A
obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica, Benjamin
propôs, por sua vez, um diagnóstico do “se”, do modo de ser da
sociedade de massas, em suma, da “vida inautêntica”. Com outra
terminologia, desde logo. E alcançando conclusões muito distintas das
de Heidegger. Benjamin entende como uma promessa, ou ao menos
como uma ocasião importante, aquilo que, contrariamente, Heidegger
considera uma ameaça. A reprodutibilidade técnica da arte e de toda
classe de experiências, realizada pelos mass media, não é outra coisa
mais que o instrumento mais adequado para satisfazer uma
curiosidade universal e onívora. Benjamin elogia aquele “afã de
conhecer” por meio dos sentidos, aquela “concupiscência da vista”,
que Heidegger, por sua parte, difama. Vejamos isso mais
detalhadamente.
Tanto a curiosidade (para Heidegger), como a reprodutibilidade
técnica (para Benjamin), esforçam-se para abolir a distância, para
colocar todas as coisas ao alcance da mão (ou melhor, do olhar). Esta

57
vocação para a proximidade possui, no entanto, significados opostos
em ambos os autores. Para Heidegger, na ausência de um trabalhoso
“pôr mãos à obra”, a aproximação ao que é distante e estranho dá
por resultado a anulação desastrosa da perspectiva: o olhar não
distingue entre “primeiro plano” e “fundo”. Quando todas as coisas
convergem numa proximidade indiferenciada (como, segundo
Heidegger, ocorre ao curioso), desaparece o centro estável que
permite poder observá-las. A curiosidade assemelha-se a um tapete
voador que, iludindo a lei da gravidade, voa a baixa altura sobre os
fenômenos (sem arraigar neles). Em troca, Benjamin, a propósito da
curiosidade mass-mediática, escreve: “restituir as coisas
espacialmente, humanamente mais próximas, é para as massas
atuais uma exigência primordial como a tendência à superação da
unicidade de todo o dado mediante a recepção de sua reprodução”
(Benjamin, 1936: 25). Para Benjamin, a curiosidade enquanto
aproximação ao mundo, amplia e enriquece a capacidade perceptiva
humana. O olhar móvel do curioso, realizado mediante os mass
media, não se limita a receber passivamente um espetáculo dado,
mas, ao contrário, decide todas as vezes que coisa ver, que coisa
merece colocar-se em primeiro plano e que coisa deve permanecer ao
fundo. Os meios exercitam os sentidos à considerar o conhecido
como se fosse ignorado, isto é, a vislumbrar uma “margem de
liberdade enorme e imprevista” inclusive naqueles aspectos mais
trilhados e repetitivos da experiência cotidiana. Mas, ao mesmo
tempo, exercitam os sentidos também para a tarefa oposta:
considerar o ignoto como se fosse conhecido, adquirir familiaridade
com o insólito e surpreendente, habituar-se à carência de costumes
sólidos.
Outra analogia significativa. Tanto para Heidegger como para
Benjamin, o curioso está permanentemente distraído. Ele olha,
aprende, experimenta todas as coisas, mas sem prestar atenção.
Também neste tema o juízo de ambos os autores é divergente. Para
Heidegger a distração, correlacionada com a curiosidade, é a prova
evidente de um desenraizamento total e ausência de autenticidade.
Distraído é quem sempre persegue possibilidades distintas mas
equivalentes e intercambiáveis (o oportunista na acepção proposta
anteriormente). Pelo contrário, Benjamin elogia explicitamente à
distração, percebendo nela o modo mais eficaz de receber uma
experiência artificial, construída tecnicamente. Escreve: “Mediante a
distração (...) pode-se controlar de antemão em que medida a
percepção encontra-se em condições de absorver novas tarefas (...).
O cinema desvaloriza os valores de culto [tal o culto da obra de arte
considerada algo único] não só induzindo o público a uma atitude
valorativa [ele decide que coisa é fundo e qual é primeiro plano, como
falávamos antes], mas também pelo fato de que no cinema a atitude
valorativa não implica atenção: o público [podemos dizer: a multidão

58
enquanto público] é um examinador, mas um examinador distraído”.
(Ibid.: 46)
De per si, a distração é um obstáculo para a aprendizagem
intelectual. O fato muda radicalmente, todavia, se o que está em jogo
é uma aprendizagem sensorial: esta última é favorecida e
potencializada pela distração; reclama um certo grau de dispersão e
inconstância. Pois bem, a curiosidade midiática é aprendizagem
sensorial de artifícios tecnicamente reproduzíveis, percepção imediata
de produtos intelectuais, visões corporais de paradigmas científicos.
Os sentidos — ou melhor, a “concupiscência do olhar” — apropriam-
se de uma realidade abstrata, isto é, de conceitos materializados em
técnica, não se mostrando com atenção, mas fazendo alardes de
distração.
A curiosidade (distraída), assim como a tagarelice (não
referencialista), são atributos da multidão contemporânea. Atributos
carregados de ambivalência, naturalmente. Mas iniludíveis.

59
4
DEZ TESES SOBRE A MULTIDÃO E O CAPITALISMO PÓS-
FORDISTA

Intentei descrever o modo de produção contemporâneo, o


denominado pós-fordismo, sobre a base de categorias extraídas da
filosofia política, da ética, da epistemologia, da filosofia da linguagem.
Não por costume profissional, mas porque estou convencido de que o
modo de produção contemporâneo exige, para ser descrito de modo
adequado, este instrumental, esta amplitude de abordagem. Não se
compreende o pós-fordismo sem recorrer a uma constelação
conceitual ético-lingüística. Como é obvio, de resto, ali o matter of
fact [em inglês no original; N. do T.] deve consistir na identificação
progressiva entre poiesis e linguagem, produção e comunicação.
Para denominar com um termo unitário a forma de vida e os
jogos lingüísticos que caracterizam nossa época, utilizei a noção de
“multidão”. Esta noção, antípoda daquela de “povo”, define-se pelo
conjunto de quebras, desmoronamentos, inovações que intentei
indicar. Citando desordenadamente: a vida dos estrangeiros (bios
xenikos) como condição ordinária; a prevalência dos “lugares
comuns”, do discurso, sobre aqueles “especiais”; a publicidade do
intelecto, tanto como recurso apotropêico ou como base da produção
social; a atividade sem obra (isto é, o virtuosismo); a centralidade do
princípio de individuação; a relação com o possível enquanto tal
(oportunismo); o desenvolvimento hipertrófico dos aspectos não
referenciais da linguagem (tagarelice). Na multidão se dá a plena
exibição histórica, fenomênica, empírica da condição ontológica do
animal humano: carências biológicas, caráter indefinido ou potencial
de sua existência, ausência de um ambiente determinado, intelecto
lingüístico como “ressarcimento” pela escassez de instintos
especializados. É como se as raízes houvessem saído para a
superfície, ficando expostas à vista. Aquilo que sempre foi verdade,
vê-se agora sem velamentos. A multidão é isto: configuração
biológica fundamental que se faz modo de ser historicamente
determinado, ontologia que se revela fenomenicamente. Pode-se
dizer também que a multidão pós-fordista ressalta sobre o plano
histórico-empírico a antropogênese como tal, isto é, a gênese mesma
do animal humano, seus caracteres diferenciais. A recorre em
compêndio, recapitula-a. Temos pensado nessas considerações bem
mais abstratas como outra forma para dizer que o capitalismo
contemporâneo tem seu principal recurso produtivo nas atitudes
lingüístico-relacionais do ser humano, no conjunto de faculdades
(dynameis, potência) comunicativas e cognitivas que o distinguem.
O seminário foi concluído. O que podia dizer já está (bem ou
mal) dito. Agora, ao término de nossa circunavegação do continente
“multidão”, só cabe insistir sobre alguns aspectos importantes por

60
dirimir. Com tal finalidade, proponho dez asserções sobre a multidão
e o capitalismo pós-fordista. Asserções que só por comodidade chamo
teses. Elas não pretendem ser exaustivas, nem querem se contrapor
a outras possíveis análises ou definições do pós-fordismo. De teses
autênticas só têm o aspecto apodítico e (espero) a concisão. Algumas
dessas asserções poderiam, talvez, convergir entre si, fundindo-se
em uma única “tese”. Além disso, a seqüência é arbitrária: aquela
que aparece como “tese x” não perderia nada figurando como “tese
y” (e vice-versa). Devo aclarar, enfim, que muitas vezes afirmo ou
nego com mais clareza, ou menos matizes, do que seria justo (ou
prudente). Em alguns casos, quase diria, mais do que penso.

Tese 1

O pós-fordismo (e com ele a multidão) fizeram sua


aparição na Itália com as lutas sociais que por convenção são
recordadas como o “movimento de 1977”.

O pós-fordismo foi inaugurado na Itália pelos tumultos de uma


força de trabalho escolarizada, precária, móvel, que odiava a ética do
trabalho e opunha-se, por vezes frontalmente, às tradições e à
cultura da esquerda histórica, marcando uma clara descontinuidade
com o operário da linha de montagem, seus usos e costumes, sua
forma de vida. O pós-fordismo foi inaugurado por conflitos centrados
em figuras sociais que, apesar de sua aparente marginalidade,
estavam se convertendo no autêntico fulcro do novo ciclo de
desenvolvimento capitalista. Por outro lado, já sucedeu que uma
mudança radical do modo de produção seja acompanhada pela
precoce conflitividade daqueles estratos da força de trabalho que
pouco a pouco foram se constituindo no eixo de sustentação da
produção de mais-valor. Basta pensar na periculosidade atribuída, no
Setecentos, aos vagabundos ingleses, já expulsos do campo, e a
ponto de submergirem nas primeiras manufaturas. Ou nas lutas dos
trabalhadores não qualificados, estadunidenses, nos anos 10 de
nosso século, lutas que precederam às mudanças fordistas e
tayloristas baseadas na desqualificação sistemática do trabalho. Toda
metamorfose drástica da organização produtiva está destinada, num
princípio, a evocar aos afãs da “acumulação originária”, devendo
transformar desde o início uma relação entre coisas (nova tecnologia,
distintos destinos dos investimentos, etc.) em uma relação social. É
nesse intermédio delicado onde se manifesta, às vezes, o aspecto
subjetivo daquilo que, mais tarde, faz-se irrefutável decurso factual.
A obra mestra do capitalismo italiano foi transformar em recurso
produtivo precisamente os comportamentos que, num primeiro
momento, manifestavam-se com a semelhança do conflito radical. A
conversão das propensões coletivas do movimento do 77 — êxodo da
fábrica, rechaço ao emprego estável, familiaridade com os saberes e

61
as redes comunicativas — em um conceito inovado de
profissionalidade (oportunismo, tagarelice, virtuosismo, etc.): esse é
o resultado mais precioso da contra-revolução italiana (entendendo
por “contra-revolução” não a simples restauração do precedente
estado de coisas, mas, literalmente, uma revolução ao contrário, isto
é, uma inovação drástica da economia e das instituições com a
finalidade de lançar de novo a produtividade e o domínio político).
O movimento do 77 teve a desdita de ser tratado como um
movimento de marginais e de parasitas. De fato, marginal e parasita
era o ponto de vista adotado por aqueles que emitiam essas
acusações. Com afeito, esses se identificavam de todo com o
paradigma fordista, considerando “central” e “produtivo” só o
trabalho estável na fábrica de bens de consumo duráveis.
Identificavam-se, portanto, com o ciclo de desenvolvimento em
declínio. Vejamos bem, o movimento do 77 antecipou alguns traços
da multidão pós-fordista. Pálido e tosco, quanto se queira, o seu foi
nada menos que um virtuosismo não servil.

Tese 2

O pós-fordismo é a realização empírica do “Fragmento


sobre as máquinas” de Marx.

Escreve Marx: “O roubo do tempo de trabalho alheio sobre o


qual se apóia a atual riqueza se apresenta como uma base miserável
com respeito a esta nova base [o sistema de máquinas
automatizadas] que se desenvolveu, entretanto, sendo criada pela
grande indústria mesma. Apenas o trabalho na forma imediata cessou
de ser a grande fonte da riqueza, o tempo de trabalho cessa e deve
cessar de ser sua medida, e por conseguinte, o valor de troca deve
cessar de ser a medida do valor de uso” (Marx, 1939-1941: II, 401).
No “Fragmento sobre as máquinas” dos Grundrisse, de onde extraí a
citação, Marx sustenta uma tese muito pouco marxista: o saber
abstrato — aquele científico, em primeiro lugar, mas não só ele —
encaminha-se para se converter em nada menos que a principal força
produtiva, relegando ao trabalho parcializado e repetitivo uma
posição residual. Sabemos que Marx recorre a uma imagem tão
sugestiva para indicar o conjunto de conhecimentos que constituem o
epicentro da produção social e, ao mesmo tempo, pré-ordenam todos
os âmbitos vitais: general intellect, intelecto geral. A preeminência
tendencial do saber faz do tempo de trabalho uma “base miserável”.
A denominada “lei do valor” (segundo a qual o valor de uma
mercadoria está determinado pelo tempo de trabalho incorporado
nela), que Marx considera a arquitrave das atuais relações sociais, é,
todavia, refutada e rechaçada pelo próprio desenvolvimento
capitalista.

62
É neste ponto onde Marx coloca uma hipótese de superação da
relação de produção dominante muito distinta daquela, e das
expostas em outros textos. No “Fragmento” a crise do capitalismo já
não está mais imputada às desproporções internas de um modo de
produção realmente baseado no tempo de trabalho consagrado pelos
indivíduos (não está mais imputada, pois, aos desequilíbrios conexos
à plena vigência das leis, como por exemplo, à queda da taxa de
lucro). Chegam ao primeiro plano, bem mais, as contradições
dilacerantes entre um processo produtivo, que hoje gira direta e
exclusivamente sobre a ciência, e uma unidade de medida da riqueza
todavia concernente à quantidade de trabalho incorporada aos
produtos. A progressiva ampliação desta contradição conduz,
segundo Marx, à “derrubada da produção baseada sobre o valor de
troca” e, portanto, ao comunismo.
Isto que salta à vista, na época pós-fordista, é a plena
realização factual da tendência descrita por Marx, mas sem algum
aspecto emancipador. Antes que foco da crise, a desproporção entre o
papel absoluto do saber e a importância decrescente do tempo de
trabalho deu lugar a uma nova e estável forma de domínio. As
metamorfoses radicais do conceito mesmo de produção estão
inscritas para sempre no âmbito do trabalho sob patrão. Mais que
aludir a uma superação do existente, o “Fragmento” é uma caixa de
ferramentas para o Sociólogo. Descreve uma realidade empírica ante
o olhar de todos: a realidade empírica do ordenamento pós-fordista.

Tese 3

A multidão reflete em si a crise da sociedade do trabalho

A crise da sociedade do trabalho, certamente, não coincide com


uma contração linear do tempo de trabalho. Este último, pelo
contrário, mostra hoje uma inaudita persistência. As posições de Gorz
e Rifkin sobre o “fim do trabalho” (Gorz, 1997; Rifkin, 1995) estão
equivocadas; semeadas de erros de todas as classes; e o que é pior,
impedem de analisar a questão que evocam.
A crise da sociedade do trabalho consiste antes de tudo no fato
(tese 2) de que a riqueza social é produzida pela ciência, pelo general
intellect, antes que pelo trabalho devotado pelo indivíduo. Parece que
o trabalho dependente pode ser reduzido a uma porção quase
desprezível da vida. A ciência, a informação, o saber em geral, a
cooperação, apresentam-se como as pilastras da produção. Eles, já
não mais o tempo de trabalho. Todavia, este tempo continua valendo
como parâmetro do desenvolvimento e da riqueza social. A saída da
sociedade do trabalho constitui, por isso, um processo contraditório,
teatro de furiosas antinomias e de desconcertantes paradoxos. O
tempo de trabalho é a unidade de medida vigente, mas já não mais
verdadeira. Ignorar um dos lados — sublinhar só a vigência ou só a

63
não-verdade — não nos leva longe: no primeiro caso, nem sequer nos
damos conta da crise da sociedade do trabalho, no segundo, termina-
se na avalizada representação pacífica a lá Gorz ou a lá Rifkin.
A superação da sociedade do trabalho sobrevém na forma
prescrita do sistema social baseado no trabalho assalariado. O tempo
excedente, isto é, riqueza potencial, manifesta-se como miséria:
dependência, desemprego estrutural (provocado pelos investimentos,
não por sua falta), flexibilização ilimitada no emprego da força de
trabalho, proliferação de hierarquias, restabelecimento de arcaísmos
disciplinares para controlar o indivíduo, já não submetido aos
preceitos do sistema fabril. Essa é a tempestade magnética com a
qual se desdobra, no plano fenomênico, uma “superação”, tão
paradoxal de cumprir, sobre a mesma base daquilo que quer superar.
Repito a frase chave: a superação da sociedade do trabalho
cumpre-se segundo regras do trabalho assalariado. Esta frase não faz
mais que aplicar à situação pós-fordista o que Marx observou a
propósito da primeira sociedade por ações. Segundo Marx, com a
sociedade por ações se “superou a propriedade privada sobre a base
mesma da sociedade privada”. Vale dizer: a sociedade por ações
testemunha a possibilidade de saída do regime da propriedade
privada, mas esta afirmação conduz para sempre ao interior da
propriedade privada, dizendo melhor, potencializa esta última
desmesuradamente. Toda a dificuldade, no caso do pós-fordismo
como no daquela sociedade por ações, está em poder considerar
simultaneamente os dois perfis contraditórios, a subsistência e o
final, a vigência e a superação.
A crise da sociedade do trabalho (acordemos) implica que toda
a força de trabalho pós-fordista pode ser descrita mediante a
categoria com a qual Marx analisou ao “exército industrial de
reserva”, isto é, o desemprego. Marx acreditava que o “exército
industrial de reserva” era subdivisível em três espécies de figuras:
fluído (hoje falamos de turn-over [em inglês no original; N. do T.],
aposentadoria antecipada, etc.), latente (ali onde a qualquer
momento pode chegar uma inovação tecnológica a ceifar a
ocupação), estagnado (em termos atuais: o trabalho in nero [no
mercado negro, informal; N. do T.], precário, atípico). Fluída, latente,
ou estagnada é, segundo Marx, a massa de desempregados, não a
classe trabalhadora empregada; um setor marginal da força de
trabalho, não sua seção central. Pois bem, a crise da sociedade do
trabalho (com as características complexas que intentamos esboçar)
faz com que essas três determinações sejam aplicáveis,
efetivamente, à totalidade da força de trabalho. Fluída ou latente ou
estagnada é a classe trabalhadora ocupada enquanto tal. Qualquer
prestação de trabalho assalariado deixa transparecer sua não-
necessidade, seu caráter de custo social excessivo. Mas esta não-
necessidade manifesta-se sempre como perpetuação do trabalho
assalariado precário ou “flexibilizado”.

64
Tese 4

Para a multidão pós-fordista cada vez há menos


diferença qualitativa entre tempo de trabalho e de não-
trabalho.

Hoje o tempo social parece saído de suas dobradiças, pois já


não há nada que distinga ao tempo de trabalho do resto das
atividades humanas. Portanto, como o trabalho deixa de constituir
uma práxis especial e separada, em cujo interior regem critérios e
procedimentos peculiares, tudo é distinto dos critérios e
procedimentos que regulam o tempo de não-trabalho. Não há mais
um limite claro que separe o tempo de trabalho do de não-trabalho.
No fordismo, segundo Gramsci, o intelecto fica fora da produção; só
ao finalizar o trabalho o operário fordista lê o diário, acode à sessão
do partido, dialoga. Pelo contrário, no pós-fordismo já que a “vida da
mente” está plenamente incluída no espaço-tempo da produção,
prevalece uma homogeneidade essencial.
Trabalho e não-trabalho desenvolvem idêntica produtividade,
baseada sobre o exercício de faculdades humanas genéricas:
linguagem, memória, sociabilidade, inclinações éticas e estéticas,
capacidade de abstração e de aprendizagem. Desde o ponto de vista
de “que coisa” se faz e do “como” se faz não há nenhuma diferença
substancial entre emprego e desemprego. Podemos dizer: o
desemprego é trabalho não remunerado; o trabalho, por sua parte, é
desemprego remunerado. Pode-se afirmar, com bons motivos, tanto
que nunca se deixe de trabalhar como que se trabalha cada vez
menos. Essa formulação paradoxal, e também contraditória,
testemunha, em seu conjunto, a saída do tempo social de suas
dobradiças, seu descarrilar.
A antiga distinção entre “trabalho” e “não-trabalho” resolve-se
entre vida retribuída e vida não-retribuída. O limite entre uma e outra
é arbitrário, cambiante, sujeito a decisões políticas.
A cooperação produtiva da qual participa a força de trabalho é
cada vez mais ampla e mais rica que a colocada em ação no processo
de trabalho. Compreende também ao não-trabalho, as experiências e
conhecimentos maturados fora da fábrica e do ofício. A força de
trabalho valoriza ao capital somente porque não perde mais sua
qualidade de não-trabalho (isto é, sua inerência a uma cooperação
produtiva mais rica que aquela integrada ao processo de trabalho
estreitamente acordado).
Já que a cooperação do trabalho precede e excede ao processo
de trabalho, o trabalho pós-fordista é sempre, além disso, trabalho
invisível. Com esta expressão não se entende aqui um emprego não-
contratualizado, “in nero” [“ilegal”; N.do T.]. Trabalho invisível é,
antes de tudo, a vida não paga, isto é, a parte da atividade humana

65
que, homogênea em todo àquela vida trabalhadora, não é todavia
computada como força produtiva.
O ponto decisivo é reconhecer que, no trabalho, tem um peso
preponderante a experiência maturada por fora dele, sabendo todavia
que esta esfera de experiência mais geral, uma vez incluída no
processo produtivo, submete-se às regras do modo de produção
capitalista. Também aqui há um duplo risco: ou negar a dimensão de
quanto vem incluído no modo de produção, ou bem, em nome de dita
dimensão, negar a existência de um modo específico de produção.

Tese 5

No pós-fordismo, existe um afastamento permanente


entre “tempo de trabalho” e um mais amplo “tempo de
produção”.

Marx distingue entre “tempo de trabalho” e “tempo de


produção” no capítulo XII e XIII do livro segundo de O capital.
Pensemos no ciclo semear-colher. O bóia-fria fatiga-se durante um
mês (tempo de trabalho); depois vem o longo intervalo de maturação
do grão (agora, tempo de produção, mas não de trabalho);
finalmente chega a época da colheita (outra vez tempo de trabalho).
Na agricultura e em outros setores a produção é mais extensa que a
atividade de trabalho mesma; pelo que esta última constitui apenas
uma fração do ciclo total. Pois bem, a dupla “tempo de trabalho” /
“tempo de produção” é uma ferramenta conceitual
extraordinariamente pertinente para compreender a realidade pós-
fordista, as articulações atuais da jornada social de trabalho.
Daqueles exemplos bucólicos de Marx, a separação entre “produção”
e “trabalho” adapta-se muito bem à situação descrita por Marx no
“Fragmento sobre as máquinas”, uma situação na qual o tempo de
trabalho apresenta-se como um “resíduo miserável”.
A desproporção toma duas formas distintas. Em primeiro lugar,
acha-se dentro de cada jornada de trabalho de cada trabalhador
dependente individual. O operário vigia e coordena (tempo de
trabalho) o sistema automático de máquinas (cujo funcionamento
define o tempo de produção); a atividade do trabalhador torna-se
muitas vezes uma espécie de manutenção. Poder-se ia dizer que, no
âmbito pós-fordista o tempo de produção só se interrompe a
expensas do tempo de trabalho. Enquanto a semeadura é condição
necessária para a posterior fase de crescimento do grão, a atual
atividade de vigilância e coordenação é colocada, desde o princípio
até a final, ao lado do processo automatizado.
Temos depois um segundo e mais radical modo de conceber a
desproporção. No pós-fordismo o “tempo de produção” compreende
ao tempo de não-trabalho, à cooperação social que se enraíza nele
(tese 4). Denomino por isso “tempo de produção” à unidade

66
indissolúvel de vida paga e vida não-paga, trabalho e não-trabalho,
cooperação social visível e cooperação social invisível. O “tempo de
trabalho” é só um componente, e não necessariamente o mais
relevante, do “tempo de produção” assim acordado. Essa constatação
nos força a reformular, em parte ou de todo, a teoria do mais-valor.
Segundo Marx, o mais-valor emana do mais-trabalho, isto é, da
diferença entre trabalho necessário (que reembolsa o capitalista da
compra efetuada para adquirir a força de trabalho) e o conjunto da
jornada de trabalho. Pois bem, devemos dizer que o mais-valor, na
época pós-fordista, está determinado, sobretudo, pelo hiato entre
um tempo de produção não computado como tempo de trabalho, e o
tempo de trabalho propriamente dito. Não conta só o afastamento,
interno ao tempo de trabalho, entre trabalho necessário e mais-valor,
mas também (ou talvez mais) o afastamento entre tempo de
produção (que inclui em si ao não-trabalho, a sua peculiar
produtividade) e tempo de trabalho.

Tese 6

O pós-fordismo caracteriza-se pela convivência dos mais


diversos modelos produtivos e, por outro lado, por uma
socialização extra-trabalho essencialmente homogênea.

Contrariamente à organização fordista do trabalho, a


organização pós-fordista do trabalho é sempre e de toda maneira
comparável às manchas do leopardo. As inovações tecnológicas não
são universais: mais que determinar um modelo produtivo único e
condutor, elas mantêm com vida uma miríade de modelos
diferenciados, ressuscitado-os de seus anacronismos e superações. O
pós-fordismo reedita todo o passado da história do trabalho∗, desde
ilhas de trabalhadores-massa a enclaves de trabalhadores
profissionais, desde o inflado trabalho autônomo a restabelecidas
formas de domínio pessoal. Os modelos de produção que foram se
sucedendo através de um longo período se apresentam
sincronicamente, quase do mesmo modo que em uma Exposição
Universal. O fundo é a suposição que essa proliferação de diferenças,
essa fratura de formas organizativas, está construída pelo general
intellect, pela tecnologia informático-telemática, por uma cooperação
produtiva que inclui em si o tempo de não-trabalho. Paradoxalmente,
quando o saber e a linguagem tornam-se a principal força produtiva,
dá-se uma desenfreada multiplicação de modelos de organização do
trabalho, ainda que em eclética convivência.
Há que se perguntar que coisa tem em comum o técnico de
software, o operário da Fiat ou o trabalhador precário? E devemos ter
a coragem de responder: bem pouco, quanto ao plano do salário, das
tarefas, da competência profissional, das características do processo
de trabalho. Mas também: tudo, quanto aos modos e conteúdos da

67
socialização extra-trabalho de qualquer indivíduo particular. São
comuns, por exemplo, as tonalidades emotivas, as inclinações, a
mentalidade, as expectativas. Só que esse ethos homogêneo
(oportunismo, tagarelice, etc.), enquanto nos setores avançados está
incluído na produção e delineia perfis profissionais, para aqueles que
estão destinados a setores tradicionais, como para o diarista sazonal
que oscila entre trabalho e desocupação, incorpora-se antes de tudo
ao “mundo da vida”. Para dizê-lo de outro modo: o ponto de sutura
encontra-se entre o oportunismo posto a trabalhar e o oportunismo
universalmente solicitado da experiência metropolitana. À
fragmentação dos modelos produtivos, a sua convivência na forma de
Exposição Universal, se lhe contrapõe o caráter substancialmente
unitário da socialização desconectado do processo de trabalho.

Tese 7

No pós-fordismo, o general intellect não coincide com o


capital fixo, mas manifesta-se sobretudo como interação
lingüística do trabalho vivo.

Como já se falou na segunda jornada do seminário, Marx


identificou, sem dúvidas, ao general intellect (o saber enquanto
principal força produtiva) com o capital fixo, com a “capacidade
científica objetivada” no sistema de máquinas. Assim, descuidou o
lado, hoje absolutamente preeminente, pelo qual o general intellect
se apresenta como trabalho vivo. Esta crítica obriga a análise da
produção pós-fordista. No denominado “trabalho autônomo de
segunda geração”, e também nos procedimentos operativos de uma
fábrica radicalmente inovada como a Fiat de Melfi, não é difícil
reconhecer que a conexão entre saber e produção não se esgota em
absoluto no sistema de máquinas, mas que se articula na cooperação
lingüística de homens e mulheres, em seu concreto atuar conjunto.
No âmbito pós-fordista jogam um papel decisivo constelações
conceituais e esquemas lógicos que não podem já coagular em capital
fixo, sendo inseparável da interação de uma pluralidade de sujeitos
viventes. O “intelecto geral” compreende, portanto, conhecimentos
formais e informais, imaginação, inclinações estéticas, mentalidade,
“jogos lingüísticos”. Nos processos de trabalho contemporâneos, é o
pensamento e o discurso que funcionam por eles mesmos, como
“máquinas” de produção, sem que deva adotar um corpo mecânico
nem tampouco uma alma eletrônica.
O general intellect torna-se um atributo do trabalho vivo quando
a atividade desse último consiste, em crescente medida, em
prestações lingüísticas. É palpável aqui a falta de fundamento da
posição de Jürgen Habermas. Ele, baseando-se nas lições de Hegel
em Jena (Habermas, 1968), opõe o trabalho à interação, o “agir
instrumental” (ou estratégico) ao “agir comunicativo”. A seu juízo, os

68
dois âmbitos respondem a critérios incomensuráveis: o trabalho
segue a lógica meios/fins, a interação lingüística apóia-se nas trocas,
no reconhecimento mútuo, no compartilhar um idêntico ethos. Hoje,
todavia, o trabalho (dependente, assalariado, produtivo de mais-
valor) é interação. O processo de trabalho já não é mais taciturno, ele
é loquaz. O “agir comunicativo” não pertence mais a um terreno
privilegiado, ou a fortiori exclusivo, nas relações ético-culturais e na
política, estendendo-se, em troca, ao âmbito da reprodução material
da vida. Ao contrário, a palavra dialógica instala-se no coração
mesmo da produção capitalista. Para empregar uma fórmula: para
compreender verdadeiramente a práxis trabalhadora pós-frodista
devemos nos dirigir cada vez mais a Saussure e Wittgenstein. É certo
que estes autores se desinteressaram das relações sociais de
produção: todavia refletiram profundamente sobre a experiência
lingüística, com eles podemos aprender muito mais acerca da “fábrica
loquaz” do que poderíamos com os economistas profissionais.
Já falamos que uma parte do tempo de trabalho do indivíduo
está destinada a enriquecer e potencializar a própria cooperação
produtiva, isto é, o mosaico do qual é um fragmento. Mais
claramente: é tarefa do trabalhador melhorar e variar a conexão
entre seu próprio trabalho e as prestações dos demais. É este caráter
reflexivo da atividade de trabalho o que assume uma importância
crescente nos aspectos lingüístico-relacionais, e o oportunismo e a
tagarelice se convertem em utensílios de grande relevo. Hegel havia
falado de uma “astúcia do trabalhar”, entendendo com isso a
capacidade de secundarizar a causalidade natural a fim de utilizar a
potência com uma finalidade determinada. Pois bem, no pós-fordismo
a “astúcia” hegeliana foi suplantada pela “tagarelice” heideggeriana.

Tese 8

O conjunto da força de trabalho pós-fordista, mesmo a


mais desqualificada, é força de trabalho intelectual,
“intelectualidade de massas”∗ .

Denomino “intelectualidade de massas” ao conjunto do trabalho


vivo pós-fordista (atenção, já não só àqueles setores particularmente
qualificados do terciário) enquanto é depositário de competência
cognitiva e comunicativa não objetivável no sistema de máquinas. A
intelectualidade de massas é a forma privilegiada com a qual se
mostra hoje o general intellect (tese 7). É inútil aclarar que não me
refiro de nenhum modo a uma erudição fantasmagórica do trabalho
dependente; não penso que os trabalhadores atuais sejam
especialistas em temas de biologia molecular ou de filologia clássica.
Como disse nas jornadas precedentes, o que vem sobressaindo é o
intelecto em geral, isto é, as atitudes mais genéricas da mente: a
faculdade da linguagem, a disposição à aprendizagem, a memória, a

69
capacidade de abstração e correlação, a inclinação para a auto-
reflexão. A intelectualidade de massas não tem nada a ver com a
obra do pensador (livros, fórmulas algébricas, etc.), mas com a
simples faculdade de pensar e de falar. A língua (como o intelecto ou
a memória) é o mais difusa e menos “especializada” que se pode
conceber. Não o cientista, mas o simples falante é um bom exemplo
da intelectualidade de massas. E esta última não tem nada a
compartilhar com uma nova “aristocracia operária”; ao contrário, está
localizada em suas antípodas. Vejamos mais de perto, a
intelectualidade de massas não faz mais que tornar verdadeira, pela
primeira vez, a já citada definição marxiana de força de trabalho: “a
soma de todas as aptidões físicas e intelectuais existentes na
corporeidade”.
Em relação à intelectualidade de massas, é preciso evitar aquela
mortífera simplificação na qual caíam os que buscavam sempre
confortáveis repetições de experiências transcorridas. Um modo de
ser que tem seu fulcro no saber e na linguagem não pode ser
definido segundo categorias econômico-produtivas. Não se trata, em
suma, do elo seguinte daquela cadeia cujos precedentes são o
trabalhador de ofício e o operário da linha de montagem. Os aspectos
característicos da intelectualidade de massas, digamos, sua
identidade, não podem ser encontrados na relação com o trabalho,
senão, antes de tudo, sobre o plano da forma de vida, do consumo
cultural, dos usos lingüísticos. Ainda, e esta é a outra cara da moeda,
quando a produção não é mais, de modo algum, o lugar específico da
formação da identidade, agora mesmo ela se projeta sobre os
aspectos da experiência, subsumindo dentro de si a competência
lingüística, as inclinações éticas, os matizes da subjetividade.
A intelectualidade de massas encontra-se no coração desta
dialética. Dificilmente descritível em termos econômico-produtivos,
justamente por isso (não: apesar disso) é um componente
fundamental da atual acumulação capitalista. A intelectualidade de
massas (outro nome da multidão) está no centro da economia pós-
fordista exatamente porque seu modo de ser escapa totalmente aos
conceitos da economia política.

Tese 9

A multidão põe fora do jogo a “teoria da proletarização”.

Nas discussões teóricas marxistas a confrontação entre trabalho


“complexo” (intelectual) e trabalho “simples” (sem qualidade)
provocou não poucas dores de cabeça. Que unidade de medida
permite esta confrontação? Resposta habitual: a unidade de medida
coincide com o trabalho “simples”, com o puro dispêndio de energia
psicofísica; O trabalho “complexo” é tão só um múltiplo do “simples”.
A proporção entre um e outro pode ser determinada considerando os

70
distintos custos de formação (escola, especializações várias, etc.) da
força de trabalho intelectual com respeito à desqualificada. Dessa
antiga e controvertida questão pouco me importa aqui; desejo,
todavia, aproveitar-me instrumentalmente da terminologia
empregada para este propósito. Afirmo que a intelectualidade de
massas (tese 8), em sua totalidade, é trabalho “complexo”, mas
trabalho “complexo” irredutível a trabalho “simples”. A complexidade,
e também a irredutibilidade, derivam do fato de que esta força de
trabalho mobiliza, no cumprimento de suas tarefas, competências
lingüístico-cognitivas genericamente humanas. Estas competências,
ou faculdades, fazem com que as prestações do indivíduo estejam
sempre assinaladas por uma elevada taxa de sociabilidade e
inteligência, ainda não sendo assuntos especializados (aqui não
falamos de engenheiros ou de filósofos, mas de trabalhadores
ordinários). O que não é redutível a trabalho “simples” é, se
quiserem, a qualidade cooperativa das operações concretas
executadas pela intelectualidade de massas.
Dizer que todo o trabalho pós-fordista é trabalho complexo, não
redutível a trabalho simples, significa, também que a “teoria da
proletarização” resulta, na atualidade, totalmente fora de foco, fora
do jogo. Essa teoria centrava-se em afirmar a tendência à
equiparação do trabalho intelectual com o manual. Por isso, resulta
inadequada para explicar a intelectualidade de massas, ou, o que é o
mesmo, o trabalho vivo enquanto general intellect. A teoria da
proletarização fracassa também enquanto o trabalho intelectual (ou
complexo) não é identificável com uma rede de saberes
especializados, mas que se identifica com o uso de faculdades
genéricas lingüístico-cognitivas do animal humano. Esta é a
passagem conceitual (e prática) que modifica todos os termos da
questão.
A falida proletarização não significa que os trabalhadores
qualificados conservem nichos privilegiados. Significa antes de tudo
que toda a força de trabalho pós-fordista, enquanto complexa ou
intelectual, não se caracteriza por aquela sorte de homogeneidade
por subtração que implica por si o conceito de “proletariado”. Dito de
outro modo: significa que o trabalho pós-fordista é multidão, e não
povo.

Tese 10

O pós-fordismo é o “comunismo do capital”.

A metamorfose dos sistemas sociais do Ocidente durante os


anos 30 foram, às vezes, designadas com uma expressão tão
perspícua como aparentemente paradoxal: socialismo do capital. Com
ela alude-se ao papel determinante assumido pelo Estado no ciclo
econômico, ao finalizar o laissez-faire liberal, aos processos de

71
centralização e de planificação dirigida da indústria pública, à política
de pleno emprego, ao princípio do Welfare. A resposta capitalista à
Revolução de Outubro e a crise de 29 foi uma gigantesca socialização
(ou melhor, estatização) das relações de produção. Para dizê-lo com a
frase de Marx que citávamos faz pouco: “uma superação da
propriedade privada sobre o terreno mesmo da propriedade privada”.
As metamorfoses dos sistemas sociais do Ocidente durante os
anos 80 e 90 podem ser sintetizadas de modo mais ou menos
pertinente com a expressão: comunismo do capital. Isso significa que
a iniciativa capitalista orquestra em seu próprio benefício
precisamente àquelas condições materiais e culturais que
asseguravam um calmo realismo à perspectiva comunista. Se
pensarmos nos objetivos que constituíam o eixo daquela perspectiva:
abolição desse escândalo intolerável que é o trabalho assalariado;
extinção do Estado enquanto indústria da coerção e “monopólio das
decisões políticas”; valorização de tudo aquilo que torna irrepetível a
vida do indivíduo. Pois bem, no curso dos últimos vinte anos pôs-se
em cena uma interpretação capciosa e terrível desses mesmos
objetivos. Em primeiro lugar: a irreversível contração do tempo de
trabalho socialmente necessário sucedeu-se com o aumento do
horário para os que estão “dentro” e a marginalização para os que
estão “fora”. Inclusive quando se está ante uma escassez
extraordinária, o conjunto dos trabalhadores dependentes é
apresentado como “superpopulação” ou “exército industrial de
reserva”. Em segundo lugar, a crise radical ou até a desagregação dos
Estados nacionais se explica como reprodução em miniatura, à moda
de caixinha chinesa, da forma-Estado. Em terceiro lugar, à
continuação da queda de um “equivalente universal” capaz de ter
vigência efetiva, assistimos a um culto fetichista das diferenças: só
que estas últimas, reivindicando um sub-reptício fundamento
substancial, derivam em toda classe de hierarquias vexatórias e
discriminantes.
Se o fordismo havia incorporado, e transcrito ao seu modo,
alguns aspectos da experiência socialista, o pós-fordismo destituiu de
fundamentos tanto ao keynesianismo como ao socialismo. O pós-
fordismo, baseado no general intellect e na multidão, declina a seu
modo instâncias típicas do comunismo (abolição do trabalho,
dissolução do Estado, etc.). O pós-fordismo é o comunismo do
capital.
Às costas do fordismo esteve a revolução socialista na Rússia
(e, ainda que derrotado, um intento de revolução na Europa
ocidental). É lícito perguntar qual tumulto social fez o prelúdio do
pós-fordismo. Pois bem, creio que nos anos 60 e 70 deu-se no
Ocidente uma revolução derrotada. A primeira revolução não
insurrecional contra a pobreza e o atraso, mais especificamente,
contra o modo de produção capitalista portanto, contra o trabalho
assalariado. Se eu falo de revolução derrotada não é porque muitos

72
falassem de revolução. Não me refiro ao carnaval da subjetividade,
mas a um dado de fato mais sóbrio: por um longo período de tempo,
tanto nas fábricas como nos bairros populares, nas escolas como em
certas delicadas instituições estatais, enfrentaram-se dois poderes
contrapostos, com a conseguinte paralisação das decisões políticas.
Desde este ponto de vista — objetivo, sóbrio — pode-se sustentar
que na Itália e outros países ocidentais, houve uma revolução
derrotada. O pós-fordismo, isto é, o “comunismo do capital”, é a
resposta àquela revolução derrotada, tão distinta da dos anos 20. A
qualidade da “resposta” é igual e contrária à qualidade da “demanda”.
Creio que as lutas sociais dos 60 e 70 possuíam expressas instâncias
não socialistas, e mais, anti-socialistas: crítica radical do trabalho;
um acentuado gosto pelas diferenças ou, caso se prefira, um
refinamento do “princípio de individuação”; já não mais a aspiração a
apoderar-se do Estado, mas a atitude (às vezes muito violenta) de
defender-se do Estado, de dissolver o vínculo estatal como tal. Não é
difícil reconhecer princípios e orientações comunistas na falida
revolução dos anos 60 e 70. Por isso o pós-fordismo, que constitui
uma resposta a dita revolução, deu vida a uma paradoxal forma de
“comunismo do capital”.

73
Bibliografia

A
AGOSTINO D’IPPONA (1997), Confessiones, trd. It. Con texto latino enfrente
Confessioni, Rizzoli (Bur), Milano.
ADORNO Th. W., HORCKHEIMER M. (1947), Dialektik der Aufklaerung; trad. It.
Dialettica dell’illuminismo, Einaudi, Torino, 1966.
ARISTOTELE, Etica Nicomachea, ed. It. Con texto griego enfrente, Mondadori
(Oscar), Milano 1996.
ARISTOTELE, Protreptico, trad. It. En Id. , Opere Complete, vol XI, Laterza, Bari
1984.
ARENDT H. (1958), The Human Condition; trad. It. Vita activa. La condizione
umana, Bompiani, Milano 1988.
ARENDT H. (1961), Between Past and Future: Six Exercises in Political Thought;
trad. It. Tra passato e futuro, Garzanti, Milano 1991.
AUSTIN J. (1962), How to do things with Words; trad. It. Come fare cose con le
parole. Marietti, Genova 1987.
BACHELARD G. (1940), La philosophie du non; trad. It. Parz. La filosofía del no, en
Id. Epistemología, Laterza, Bari 1975.
BENJAMIN W. (1936), Das Kunstwerk im Seitalter seiner technischen
Reproduzerbarkeit; trad. It. L’opera d’arte nell’epoca della sua riproducibilitá
tecnica, Einaudi, Torino 1966.
BENVENISTE E. (1970), L’appareil formel de l’enonciation; trad. It. L’apparato
formale dell’enunciazione, en id. Problemi di lingüística generale II, Il Saggiatore,
Milano 1985.
BIANCIARDI L. (1962), La vita agra, Rizzoli, Milano.
DEBORD G. (1967), La societé du spectacle; trad. It. La societá dello spettacolo,
Vallecchi, Firenze 1979.
FOUCAULT M. (1989 post.), Résumé des cours 1970-1982; trad. It. Résumé des
cours 1970-1982, BFS Edizioni, Livorno 1994.
FREUD S. (1919), Das Unheimliche; trad. It. Il perturbante, in Id. Saggi sull’arte la
letterartura il linguaggio, Boringhieri, Torino 1969, pp. 267-310.
GEHLEN A. (1940), Der Mensch. Seine Natur und seine Stellung in der Welt; trad.
It. L’uomo. La sua natura e il suo posto nel mondo. Feltrinelli, Milano 1983.
GOULD G. (1984 post.), The Glenn Gould Reader; trad. It. L’ala del turbine
intelligente. Scritti sulla musica. Adelphi, Milano 1988.
GORZ A. (1997), Miséres du présent, richesse du possible; trad. It. Miseria del
presente, ricchezza del possibile, Manifestolibri, Roma 1999.
HABERMAS J. (1968), Arbeit und Interaktion; trad. It. Lavoro e interazione,
Feltrinelli, Milano 1975.
HEIDEGGER M. (1927), Sein und Zeit, trad. It. Essere e tempo, Longanesi, Milano
1976.
HIRSCHMAN A.O. (1970), Exit, Voice and Loyalty; trad. It. Lealtá Defezione
Protesta, Bompiani, Milano 1982.
HOBBES Th. (1642), De Cive; trad. It. De Cive, Editori Riuniti, Roma 1979.

74
HOBBES Th. (1651), Leviathan; trad. It. Leviatano, Laterza, Bari 1989.
KANT I. (1790), Kritik der Urtheilskraft; trad. It. Critica del giudizio, Laterza, Bari
1974.
MARX K. (1932 post.), Oekonomisch-philosophische Manuskripte aus dem Jahre
1844; trad. It. Manoscritti Economico-filosofici del 1844, in Id. Opere filosofiche
giovanili, Editori Riuniti, Roma 1950.
MARX K. (1939-1941 post.), Grundrisse der politischen Oekonomie; trad. It.
Linemanenti fondamentali della critica dell’economia politica, 2 vol., La Nuova Italia,
Firenze 1968-1970.
MARX K. (1867), Das Kapital. Kritik der politischen Oekonomie; trad. It. Il Capitale.
Critica dell’economia politica, Avanzini e Torraca Editori, 6 vol., Roma 1965.
MARX K. (1933 post.), Sechstes Kapitel. Resultate des unmittelbaren
Produktionsprozesses; trad. It. Capitolo VI inedito, La Nuova Italia, Firenze 1969.
MARX K. (1905 post.), Theorien ueber den Mehrwert; trad. It. Storia delle teorie
economiche, Newton Compton, 3 vol. Roma 1974.
MERLEAU-PONTY M. (1945), Phénoménologie de la perception; trad. It.
Fenomenologia della percezione, Il saggiatore, Milano 1965.
RIFKIN J. (1995), The End of Work; trad. It. La fine del lavoro, Baldini & Castoldi,
Milano, 1996.
SAUSSURE F.de (1992 post.), Cours de linguístique générale; trad. It. Corso di
lingüística generale, Laterza (UL), Bari 1970.
SCHMITT C. (1963), Der Begriff des Polischen. Text von 1932 mit einem Vorwort
und drei Corollarien; trad. It. Premessa, del 1963, a Il concetto del politico (1932),
in Id. Le categorie del ‘politico’, Il Mulino, Bologna 1972, pp. 89-100.
SCHNEIDER M. (1989), Glenn Gould. Piano solo. Aria et trente variations; trad. It.
Glenn Gould, Einaudi, Torino 1991.
SIMONDON G. (1989), L’individuation psychique et collective; trad. It. (en
preparación) L’individuazione psichica e collettiva, DeriveApprodi, Roma 2001.
SPINOZA B. (1677), Tractatus politicus, trad. It. Con texto original enfrente
Trattato politico, edizioni ETS, Pisa 1999.
VIRNO P. (1994), Mondanitá. L’idea di mondo tra esperienza sensibile e sfera
pubblica, Manifestolibri, Roma.
VIRNO P. (1999), Il ricordo del presente. Saggio sul tempo storico, Bollati
Boringhieri, Torino.
WEBER M. (1919), Politik als Beruf; trad. It. La politica come professione, en Id. Il
lavoro intellettuale come professione, Einaudi, Torino 1966, pp. 79-153.

B
Augustin, Confessions in Oeuvres I, édition publiée sous la direction de Lucien
Jerphagnon, Bibliothèque de la pléiade, Gallimard, Paris, 1998.
Adorno Th. W., Horkheimer M. (1947), La dialectique de la raison, Gallimard, Paris,
1974.

75
Aristote, Ethique à Nicomaque, trad. J. Tricot, Vrin, Paris, 1994.
Aristote, Rhétorique, introduction de Michel Meyer, Livre de Poche, Paris, 1991.
Aristote, Invitation à la philosophie (Protreptique), traduction du grec et postface de
J. Follon, «Mille et une nuits», Paris, 2000.
Arendt H. (1958), «Qu’est-ce que la liberté ?», dans La crise de la culture,
Gallimard, Paris, 1972.
Arendt H. (1961), Condition de l’homme moderne, Calmann-Lévy, Paris, 1961.
Austin J. (1962), Quand dire, c’est faire, Seuil, Paris, 1970.
Bachelard G. (1940), La philosophie du non, Quadrige/PUF, Paris, 1983.
Benjamin W. (1936), «L’œuvre d’art à l’époque de sa reproductibilité technique», in
Îuvres III, «Folio Essais», Gallimard, Paris, 2000.
Benveniste E. (1970), «L’appareil formel de l’énonciation», in Problèmes de
linguistique générale, II, Gallimard, Paris, 1974.
Bianciardi L. (1962), La vita agra, Rizzoli, Milan, 1962.
Debord, G. (1967), La société du spectacle, Buchet-Chastel (première édition);
Gallimard, Paris, 1992.
Foucault M. (1989 post.), Résumé des cours 1970-1984, Julliard, Paris, 1989.
Freud S. (1919), «L’inquiétante étrangeté» in Essais de psychanalyse appliquée,
Gallimard, 1933; et aussi in L’inquiétante étrangeté et autres essais, «Folio essais»,
Gallimard, Paris, 1985.
Gehlen A. (1940), Man: His Nature and Place in the World, Columbia University
Press, 1988.
Gould G. (1984 post.), The Glenn Gould Reader, édité par Tim Page; Lester &
Orpen Dennys, Toronto, 1984.
Gorz A. (1997), Misère du présent, richesse du possible, Galilée, Paris, 1997.
Habermas J. (1968), «Travail et interaction» in La technique et la science comme
«idéologie», traduit de l’allemand et préfacé par Jean-René Ladmiral, Gallimard,
Paris, 1973.
Heidegger M. (1927), Etre et Temps, traduit de l’allemand par François Vezin,
Bibliothèque de philosophie, Gallimard, Paris, 1986.
Hirschman A. O. (1970), Défection et prise de parole, Fayard, Paris, 1995.
Hobbes Th. (1642), Le Citoyen ou les Fondements de la politique, traduction de
Sorbiere, Flammarion, 1982.
Hobbes Th. (1651), Leviathan ou Matière, forme et puissance de l’état chrétien et
civil, traduction de l’anglais par Gérard Mairet, collection Folio essais, Gallimard,
Paris, 2000.
Kant I. (1790), Critique de la faculté de juger in Oeuvres philosophiques II,
Bibliothèque de la Pléiade, Gallimard, Paris, 1984.
Marx K. (1867), «La théorie moderne de la colonisation», Le Capital, livre I in
Îuvres/ƒconomie I, édition établie par M. Rubel, Bibliothèque de la Pléiade,
Gallimard, Paris, 1968.
Marx K. (1905), Principes d’une critique de l’économie politique, in
Îuvres/Economie II, Bibliothèque de la Pléiade, Gallimard, Paris, 1968.
Marx K. (1932 post.), Les Manuscrits de 1844, in Oeuvres/Economie II,
Bibliothèque de la Pléiade, Gallimard, Paris, 1968.
Marx K. (1933 post.), Le Capital, Livre I, chapitre VI inédit, in Îuvres/Economie II,
«Matériaux pour l’économie», Bibliothèque de la Pléiade, Gallimard, Paris, 1968.
Marx K. (1939-1941 post.), Grundrisse in Oeuvres/Economie II, Bibliothèque de la
Pléiade, Gallimard, Paris, 1968.
Merleau-Ponty M. (1945), Phénoménologie de la perception, Gallimard, Paris, 1945.
Rifkin J. (1995), La fin du travail, La Découverte, Paris, 1996.
Saussure F. de (1922 post.), Cours de linguistique générale, appareil critique établi
par Tullio de Mauro, Editions Payot, Paris, 1995.
Schmitt C. (1963), avant-propos de 1963 à La Notion de politique, Calmann-Lévy,
Paris, 1972.
Schneider, M. (1989), Glenn Gould, piano solo, Gallimard, Paris, 1989.
Simondon G. (1989), L’individuation psychique et collective, Aubier, Paris, 1989.

76
Spinoza B. (1677), Tractatus politicus, in Oeuvres complètes, Bibliothèque de la
Pléiade, Paris, 1955.
Virno P. (1994), Miracle, virtuosité et «déjà vu». Trois essais sur l’idée de
«monde», éditions de l’éclat, Combas, 1996.
Virno P. (1999), Le souvenir du présent. Essai sur le temps historique, éditions de
l’éclat, Paris, 1999.
Weber M. (1919), «Le métier et la vocation d’homme politique» in Le savant et le
politique, Librairie Plon, Paris, 1959.


[“...um erro que contraria o governo civil, ..., é não distinguir suficientemente entre povo e multidão.
Povo é um corpo, um ser com uma vontade, e a quem se pode atribuir uma ação.” (HOBBES; 1993:
p. 161); “1. Há que considerar, antes de tudo, o que é esta multidão de homens que se reúne por sua
livre vontade para formar a Cidade, a saber: não é um ajuntamento qualquer, mas são muitos homens,
cada um dos quais tem seu próprio modo de julgar todas as propostas.” (HOBBES; 1993: p.102),
conforme a tradução de Ingeborg Soler para a edição brasileira de DE CIVE: elementos filosóficos a
respeito do cidadão, publicada pela Editora Vozes em 1993]

Qualquer ritual, fórmula, sinal, símbolo ou amuleto reputado capaz de afastar influências malignas, má-
sorte e trazer proteção, do grego απο−τροπη´ : ação de apartar, de prevenir, de conjurar um mal.

Antigamente, casa na qual se cunhavam moedas. Na Espanha medieval eram célebres as cecas dos
muçulmanos. Presente na expressão popular: “da Ceca à Meca”; de uma parte à outra ou daqui para lá.
(N. do T)

Chamamos a atenção para o fato de que quando o presente estudo de Paolo Virno foi levado a efeito,
ainda não havia ganho evidência o experimento multitudinário argentino, que desde os dias 19 e 20 de
dezembro de 2001 vem materializando muitas das hipóteses sugeridas neste ponto, do presente texto.
Podemos recorrer aos experimentos em questão a partir dos seguintes endereços na rede mundial de
computadores: http://nuevproyhist.tripod.com.ar/,
http://www.lafogata.org/recopilacion/listadomattini.htm, http://www.situaciones.org/,
http://www.rebelion.org/argentina.htm, http://argentina.indymedia.org/,
http://usuarios.lycos.es/pete_baumann/diálogo.pdf. [N. do T.]

Também nesse sentido podemos compreender a “compressão dos tempos” de que fala Milton Santos e a
“compressão do tempo-espaço” de que fala David Harvey, ainda que aspectos distintos de uma mesma
realidade. No sentido de evento, podemos experimentar o sentimento de “compressão” subversiva
quando, por exemplo, no ato coletivo de uma ocupação urbana ou rural afirma-se o valor de uso, da vida e
do desejo sobre a construção histórica da soberania do valor de troca sobre a vida, o desejo (o pensar com
o corpo todo) e o valor de uso. Questão importante também para a compreensão da passagem da
subsunção formal à subsunção real ao capital.[N. do T.]

Talvez uma expressão mais em sintonia com a própria argumentação do autor fosse “intelectualidade
multitudinária”. [N. do T.]

77
MULTIDÃO E PRINCÍPIO DE INDIVIDUAÇÃO *

http://www.generation-online.org/p/fpvirno3.htm

http://geocities.yahoo.com.br/autoconvocad/multitud_individuacao.htm

Paolo VIRNO **

As formas de vida contemporâneas testemunham a dissolução do conceito de “povo” e


da renovada pertinência do conceito de “multidão”. Estrelas fixas do grande debate do
século XVII, e encontrando-se na origem de uma boa parte do nosso léxico ético-
político, esses dois conceitos situam-se nas antípodas um do outro. O “povo” é de
natureza centrípeta, converge numa vontade geral, é a interface ou o reflexo do Estado;
a “multidão” é plural, foge da unidade política, não firma pactos com o soberano, não
porque não lhe relegue direitos, mas porque é reativa à obediência, porque tem
inclinação para certas formas de democracia não-representativa. Na multidão, Hobbes
verá o maior perigo para o aparato do Estado (“Os cidadãos, quando se rebelam contra o
Estado, representam a multidão contra o povo.” [Hobbes, 1652: XI, I e XII, 8]).
Espinosa descobrirá precisamente aí, na multidão, a raiz da liberdade. Desde o século
XVII, e quase sem exceções, é o “povo” quem a obtém e gestiona. A existência política
d@s múltipl@s *** , enquanto múltipl@s, foi afastada do horizonte da modernidade:
não somente pelos teóricos do Estado absolutista, mas também por Rousseau, pela
tradição liberal e pelo próprio movimento socialista. No entanto, hoje, a multidão
desforra-se, ao caracterizar todos os aspectos da vida social: os hábitos e a mentalidade
do trabalho pós-fordista, os jogos de linguagem, as paixões e os afetos, as formas de
conceber a ação coletiva. Quando constatamos essa revanche, é necessário evitar ao
menos duas ou três tolices. Não é que a classe trabalhadora tenha se dissipado com
entusiasmo para deixar lugar aos “múltiplos”, mas bem mais – e a coisa resulta muito
mais complicada e muito mais interessante – que os trabalhadores de hoje em dia,
permanecendo trabalhadores, não têm a fisionomia do povo, mas são o exemplo perfeito
do modo de ser da multidão. Além do mais, afirmar que @s “múltipl@s” caracterizam
as formas de vida contemporâneas não tem nada de idílico: caracterizam-na tanto para o
bem como para o mal, tanto no servilismo como no conflito. Trata-se de um modo de
ser, diferente do modo de ser “popular”, é certo, mas, em si, não desprovido de
ambivalência, com uma dose de venenos específicos. A multidão não afasta com gesto
brincalhão a questão do universal, do que é comum, compartilhado: a questão do Uno;
bem mais, a redefine por completo. Temos, para começar, uma inversão da ordem dos
fatores: o povo tende para o Uno, @s “múltipl@s” derivam-se do Uno. Para o povo, a
universalidade é uma promessa; para @s “múltipl@s”, é uma premissa. Muda também a
própria definição do que é comum, do que se compartilha. O Uno ao redor do qual
gravita o povo é o Estado, o soberano, a vontade geral; o Uno que a multidão tem atrás
de si é a linguagem, o intelecto como recurso público e interpsíquico, as faculdades
genéricas da espécie. Se a multidão foge da unidade do Estado, é somente porque
comunica com um Uno diferente, preliminar antes que concluído. E é sobre essa
correlação que há que se perguntar mais profundamente. A contribuição de Gilbert
Simondon, filósofo muito querido por Deleuze, sobre esta questão é muito importante.
Sua reflexão trata dos processos de individuação. A individuação, isto é, o passo da
bagagem psicossomática genérica do animal humano à configuração de uma
singularidade única é, quem sabe, a categoria que, mais que qualquer outra, é inerente à

78
multidão. Se prestarmos atenção à categoria de povo, veremos que se refere a uma
miríade de indivíduos não individualizados, quer dizer, compreendidos como
substâncias simples ou átomos solipsistas. Justo porque constituem um ponto de partida
imediato, antes que o resultado último de um processo cheio de imprevistos, tais
indivíduos têm a necessidade da unidade/universalidade que a estrutura do Estado
proporciona. Ao contrário, se falamos da multidão, colocamos o acento precisamente na
individuação, ou na derivação de cada um(a) d@s “múltipl@s” a partir de algo de
unitário/universal. Simondon, tal como, por outras razões, o psicólogo soviético Lev
Semenovitch Vigotski e o antropólogo italiano Ernesto de Martino, chamaram a atenção
sobre semelhante desvio. Para esses autores, a ontogênese, quer dizer, as fases de
desenvolvimento do “eu” [“yo”; “je”] singular, é consciente de si mesma, é a
philosophia prima, única análise clara em tudo e para tudo com o “princípio de
individuação”. A individuação permite modelar uma relação Uno/múltipl@s diferente
da que se esboça um pouco antes (diferente da que identifica o Uno com o Estado).
Trata-se, assim, de uma categoria que contribui para fundar a noção ético-política de
multidão. Gaston Bachelard, epistemólogo entre os maiores do século XX, escreveu que
a Física Quântica é um “sujeito gramatical” em relação ao qual parece oportuno
empregar os mais heterogêneos predicados filosóficos: se a um problema singular
adapta-se bem um conceito filosófico, em outro pode convir, por que não, um plano da
lógica hegeliana ou uma noção extraída da psicologia gestaltista. Da mesma maneira, o
modo de ser da multidão há de qualificar-se com atributos que se encontram em
contextos muito diferentes, por vezes inclusive excludentes entre eles: reparemos por
exemplo na Antropologia Filosófica de Gehlen (indigência biológica do animal humano,
falta de um “meio” [“medio”; “milieu”] definido, pobreza dos instintos especializados);
nas páginas de Ser e tempo consagradas à vida cotidiana (falatórios, curiosidade,
equívoco etc.); na discussão dos diversos jogos de linguagem efetuados por
Wittgenstein nas Investigações filosóficas. Exemplos todos discutíveis. Ao contrário,
incontestavelmente, duas teses de Simondon são absolutamente importantes enquanto
“predicados” do conceito de multidão: 1) o sujeito é uma individuação sempre parcial e
incompleta, consistente bem mais nos traços cambiantes de aspectos pré-individuais e
de aspectos efetivamente singulares; 2) a experiência coletiva, longe de assinalar sua
desintegração ou eclipse, persegue e afina a individuação. Se esquecermos muitas outras
considerações (incluída a questão, evidentemente central, de como se realiza a
individuação, segundo Simondon) vale a pena aqui se concentrar nestas teses, enquanto
contrárias à intuição e inclusive escabrosas.

PRÉ-INDIVIDUAL

Voltemos ao começo. A multidão é uma rede de indivíduos. O termo “multidão” indica


um conjunto de singularidades contingentes. Essas singularidades não são, no entanto,
uma circunstância sem nome, mas, ao contrário, o resultado complexo de um processo
de individuação. Resulta evidente que o ponto de partida de toda verdadeira
individuação é algo ainda não individual. O que é único, não reprodutível, passageiro,
provém, de fato, do que é mais indiferenciado e genérico. As características particulares
da individualidade enraízam-se em um conjunto de paradigmas universais. Já falar de
principium individuationis significa postular uma inerência extremamente sólida entre o

79
singular e uma forma ou outra de potência anônima. O individual é tal, não porque se
sustenta no limite do que é potente, como um zumbi débil e rancoroso, mas porque é
potência individuada; e é potência individuada porque é tão somente uma das
individuações possíveis da potência. Para estabelecer o que precedeu à individuação,
Simondon em-prega a expressão, bem pouco crítica, de realidade pré-individual. A cada
um(a) d@s “múltipl@s”, lhe é familiar esse plano antitético. Mas o que é exatamente o
pré-individual? Simondon escreve: “Poder-se-ia chamar natureza a esta realidade pré-
individual que o indivíduo leva consigo, tratando de encontrar na palavra natureza o
significado que lhe davam os filósofos pré-socráticos: os Fisiólogos [Físicos, na
tradição tradutória e filosófica brasileira] jônicos encontravam aí a origem de todas as
espécies de ser, anterior à individuação: a natureza é realidade do possível que, sob as
espécies do ápeiron de que fala Anaximandro, faz surgir toda forma individuada; a
Natureza não é o contrário do Homem, mas a primeira fase do ser, sendo a segunda a
oposição entre o individuo e o entorno [milieu]”. Natureza, ápeiron (indeterminado),
realidade do possível, ser ainda desprovido de fases; poderíamos continuar com
diferentes variações sobre o tema. No entanto, aqui parece oportuno propor uma
definição autônoma do “pré-individual”, não contraditória a respeito da de Simondon,
mas independente dela. Não é difícil reconhecer que, sob a mesma etiqueta, existem
contextos e níveis muito diferentes. O pré-individual é, em primeiro lugar, a percepção
sensorial, a motricidade, o fundo biológico da espécie. É Merleau-Ponty, em seu
Phénoménologie de la perception, quem observa que “eu não tenho mais consciência de
ser o verdadeiro sujeito de minha sensação que [a que tenho] de meu nascimento ou de
minha morte”. (Merleau-Ponty, 1945: 249). E também: “A visão, a audição, tocar, com
seus campos que são anteriores e permanecem estranhos à minha vida pessoal”
(Merleau-Ponty, 1945: 399). A sensação escapa à descrição em primeira pessoa: quando
percebo, não é um indivíduo singular que percebe, mas a espécie como tal. À
motricidade e à sensibilidade se lhe acrescenta tão somente o pronome anônimo “se”:
vê-se, ouve-se, experimenta-se prazer ou dor. É certo que a percepção tem às vezes uma
tonalidade auto-reflexiva: basta pensar

em tocar, nesse tocar que é também sempre ser tocad@ pelo objeto que se manipula.
Quem percebe, percebe-se a si mesm@ avançando para a coisa. Mas trata-se de uma
auto-referência sem individuação. É a espécie quem autopercebe-se da conduta e não
uma singularidade autoconsciente. Equivocamo-nos e identificamos, se vemos relação
entre dois conceitos independentes, se mantemos que aí onde há auto-reflexão podemos
também constatar uma individuação; ou, inversamente, que se não há individuação já
não podemos falar de auto-reflexão. O pré-individual, no nível mais determinado, é a
língua histórico-natural de sua própria comunidade de pertencimento. A língua é
inerente a todos os locutores da comunidade dada, como o é um “meio” [milieu]
zoológico ou um líquido amniótico, há um tempo envolvente e indiferenciado. A
comunicação lingüística é intersubjetiva e existe muito antes que se formem verdadeiros
“sujeitos” propriamente ditos: está em tod@s e em ninguém, também para ela reina o
anônimo “se”: fala-se. Foi sobretudo Vigotski quem assinalou o caráter pré-individual,
imediatamente social, da locução humana: o uso da palavra, primeiramente, é
interpsíquico, quer dizer, público, compartilhado, impessoal. Contrariamente ao que
pensava Piaget, não se trata de evadir-se de uma condição original autista (quer dizer,
hiper-individual) tomando a via de uma socialização progressiva; ao contrário, o
essencial da ontogênese consiste, para Vigotski, no passo de uma sociabilidade
completa à individuação do ser falante: “o movimento real do processo de
desenvolvimento do pensamento da criança não se realiza do individual ao social, mas

80
do social ao individual” (Vigotski, 1985 1 ). O reconhecimento do caráter pré-individual
(“interpsíquico”) da língua possibilita que, de algum modo, Vigotski antecipe-se a
Wittgenstein na refutação de “uma linguagem privada”, do tipo que seja. Por outro lado,
e é o que mais importa, isso lhe permite inscrever-se na curta lista de pensadores que
trataram a questão do principium individuationis. Tanto para Vigotski como para
Simondon, a “individuação” (quer dizer, a construção do Eu [“Yo”; Moi] consciente)
sobrevém no terreno lingüístico, e não no da percepção. Em outros termos: enquanto o
pré-individual inerente à sensação parece destinado a permanecer para sempre qual é, o
pré-individual que corresponde à língua é suscetível de uma diferenciação interna que
desemboca na individualidade. Não se trata, aqui, de examinar de maneira crítica o
modo como, para Vigotski e para Simondon, realiza-se a singularização d@ falante; e
menos ainda de acrescentar hipótese suplementar alguma. O importante é unicamente
estabelecer a diferença entre o domínio perceptivo (bagagem biológica sem
individuação) e o domínio lingüístico (bagagem biológica como base da individuação).
Finalmente, o pré-individual é a relação de produção dominante. No capitalismo
desenvolvido, o processo de trabalho requer as qualidades de trabalho mais universais: a
percepção, a linguagem, a memória, os afetos. Papéis e funções, no marco do pós-
fordismo, coincidem profundamente com a “existência genérica”, com o
Gattungswesen de que falam Feuerbach e o Marx dos Manuscritos econômicos e
filosóficos, a propósito das faculdades mais elementares do gênero humano. O conjunto
das forças produtivas é, certamente, pré-individual. No entanto, o pensamento tem uma
importância particular entre essas forças; atenção: o pensamento objetivo, sem relação
com tal ou tal “eu” [“yo”; moi] psicológico, o pensamento no qual a verdade não
depende do assentimento dos seres singulares. Com respeito a isso, Gottlob Frege
utilizou uma fórmula quem sabe pouco hábil, mas que não carece de eficácia:
“pensamento sem suporte” (cf. Frege, 1918). Ao contrário, Marx forjou a célebre e
controvertida expressão do General Intellect, intelecto geral: o General Intellect (quer
dizer, o saber abstrato, a ciência, o conhecimento impessoal) é também o “pilar
principal da produção de riqueza”, aí onde por riqueza devemos entender, aqui e agora,
mais-valia absoluta e relativa. O pensamento sem suporte ou General Intellect deixa sua
marca no “processo vital da própria sociedade” (Marx, 1857-1858), ao instaurar
hierarquias e relações de poder. Resumindo: é uma realidade pré-individual
historicamente qualificada. Sobre este ponto não vale a pena insistir mais. Tão somente
reter que ao pré-individual perceptivo e ao pré-individual lingüístico é necessário
acrescentar um pré-individual histórico.

SUJEITO ANFÍBIO

O sujeito não coincide com o indivíduo individuado, porém, contém em si, sempre, uma
certa proporção irredutível de realidade pré-individual; é um precipitado instável, algo
composto. É esta a primeira das duas teses de Simondon sobre a qual gostaria de
chamar a atenção. “Existe nos seres individuados uma certa carga de indeterminado, isto
é, de realidade pré-individual, que passou através da operação de individuação sem ser
efetivamente individuada. Podemos chamar natureza

81
a esta ‘carga de indeterminado’.” (Simondon, 1989: 210). É completamente falso
reduzir o sujeito ao que é, nele, singular: “o nome de indivíduo é abusivamente dado a
uma realidade muito mais complexa, a do sujeito completo, que comporta nele, além da
realidade individuada, um aspecto inindividuado, pré-individual, natural” (Simondon,
1989: 204). O pré-individual é percebido antes de tudo como uma espécie de passado
não resolvido: a realidade do possível, de onde surge a singularidade bem definida,
persiste ainda nos limites desta última: a diacronia não exclui a concomitância. Por
outro lado, o pré-individual, que é o tecido íntimo do sujeito, constitui o meio [milieu]
do indivíduo. O contexto (perceptivo, lingüístico ou histórico) no qual inscreve-se a
experiência do indivíduo singular é, com efeito, um componente intrínseco (se se quiser,
interior) do sujeito. O sujeito não é um entorno [milieu]. De Locke a Fodor, os filósofos
que desconsideram a realidade pré-individual do sujeito, ignorando assim o que nele é
meio [milieu], estão condenados a não encontrar via de acesso entre “interior” e
“exterior”, entre o Eu [“Yo”; Moi] e o mundo. Desse modo entregam-se ao erro que
Simondon denuncia: assimilar o sujeito ao indivíduo individuado. A noção de
subjetividade é anfíbia: o “Eu falo” co-habita com o “fala-se”, o que não podemos
reproduzir está estreitamente mesclado com o recursivo e com o serial. Mais
precisamente: no tecido do sujeito encontram-se, como partes integrantes, a tonalidade
anônima do que é percebido (a sensação enquanto sensação da espécie) e o caráter
imediatamente interpsíquico ou “público” da língua materna, a participação no General
Intellect impessoal. A co-existência do pré-individual e do individuado no seio do
sujeito está mediada pelos afetos; emoções e paixões assinalam a integração provisória
dos dois aspectos, mas também seu eventual desapego: não faltam crises nem recessões
nem catástrofes. Há medo, pânico ou angústia quando não se sabe compor os aspectos
pré-individuais de sua própria experiência com os aspectos individuados: “Na angústia,
o sujeito sente-se existir como problema gasto por ele mesmo e sente sua divisão em
natureza pré-individual e em ser individuado. O ser individuado é aqui e agora, e este
aqui e este agora impedem a uma infinidade de outros aqui e agora virem à luz; o sujeito
toma consciência dele mesmo como natureza, como indeterminado (ápeiron) que nunca
poderá atualizar-se hic et nunc, que não poderá jamais viver” (Simondon, 1989: 111).
Há que constar aqui uma extraordinária coincidência objetiva entre a análise de
Simondon e o diagnóstico sobre os “apocalipses culturais” propostos por Ernesto de
Martino. O ponto crucial, tanto para de Martino como para Simondon, reside no fato de
que a ontogênese, quer dizer, a individuação, não está garantida de uma vez por todas:
pode regressar sobre seus passos, fragilizar-se, explodir. O “Eu penso”, além do fato de
que possua uma gênese imprevisível, é parcialmente retráctil, está transbordado pelo
que o supera. Para de Martino, o pré-individual parece, às vezes, inundar a
singularidade: esta última é como que aspirada no anonimato do “se”. Outras vezes, de
maneira oposta e simétrica, força-nos em vão a reduzir todos os aspectos pré-individuais
de nossa experiência à singularidade pontual. As duas patologias – “catástrofes da
fronteira eu-mundo nas duas modalidades da irrupção do mundo dentro do ser-aí e do
refluxo do ser-aí no mundo” (E. de Martino, 1977) – são os extremos de uma oscilação
que, sob formas mais contidas é, no entanto, constante e não suprimível. Com
demasiada freqüência o pensamento crítico do século XX (pensamos em particular na
Escola de Frankfurt) entoou uma cantilena melancólica acerca do suposto afastamento
do indivíduo com respeito às forças produtivas e sociais, assim como com respeito à
potência inerente às faculdades universais da espécie (linguagem, pensamento etc.). A
desgraça do ser singular foi atribuída precisamente a esse afastamento ou a essa
separação. Uma idéia sugestiva, mas falsa. As “paixões tristes”, para dizê-lo com
Espinosa, surgem bem mais da máxima proximidade, e inclusive simbiose, entre o

82
indivíduo individuado e o pré-individual, aí onde essa simbiose apresenta-se como
desequilíbrio e desgarramento. Para o bem e para o mal, a multidão mostra a mescla
inextricável de “eu” [“yo”; je] e de “se”, singularidade não reprodutível e anônima da
espécie, individuação e realidade pré-individual. Para o bem: ao ter, cada um(a) d@s
“múltipl@s”, atrás de si o universal, a modo de premissa ou de antecedente, não tem a
necessidade desta universalidade postiça que constitui o Estado. Para o mal: cada um(a)
d@s múltipl@s, enquanto sujeito anfíbio, pode sempre distinguir uma ameaça em sua
própria realidade pré-individual, ou ao menos uma causa de insegurança. O conceito
ético-político de multidão funda-se tanto sobre o princípio de individuação como sobre
sua incompletude constitutiva.

MARX, SIMONDON, VIGOTSKI: O CONCEITO DE “INDIVÍDUO SOCIAL”

Em uma passagem célebre dos Grundrisse (que intitula-se “Fragmento sobre as


máquinas”), Marx designa o “indivíduo social” como o verdadeiro protagonista de
qualquer transformação radical do estado de coisas presente (cf. Marx, 1857-1858). Em
um primeiro momento, o “indivíduo social” parece-se a um oxímoro rebuscado
[coqueto], à unidade desalinhada dos contrários; em suma, a um maneirismo hegeliano.
É possível, ao contrário, tomar esse conceito ao pé da letra até convertê-lo em um
instrumento de precisão, para fazer com que ressurjam formas de ser, as inclinações e as
formas de vida contemporâneas. Mas isso é possível, em boa medida, justamente graças
à reflexão de Simondon e de Vigotski sobre o princípio de individuação. No adjetivo
“social” há que reconhecer os traços desta realidade pré-individual que, segundo
Simondon, pertence a todos os sujeitos. Como no substantivo “indivíduo”,
reconhecemos a singularização advinda de cada componente da multidão atual. Quando
Marx fala de “indivíduo social”, refere-se ao emaranhado entre “existência genérica”
(Gattungswesen) e experiência não reprodutível, que é a marca da subjetividade. Não é
por acaso que o “indivíduo social” aparece nas mesmas páginas dos Grundrisse nas
quais introduz-se a noção de General Intellect, de um “intelecto geral” que constitui a
premissa universal (ou pré-individual), assim como a partitura comum universal para os
trabalhos e os dias d@s “múltipl@s”. A parte social do “indivíduo social” é, sem
nenhuma dúvida, o General Intellect, ou bem, com Frege, o “pensamento sem suporte”.
No entanto, não só: consiste também no

caráter de conjunto interpsíquico, quer dizer, público, da comunicação humana, posto


em relevo muito claramente por Vigotski. Além do mais, se traduzirmos corretamente
“social” por “pré-individual”, teremos de reconhecer que o indivíduo individuado de
que fala Marx perfila-se também sobre um fundo de percepção sensorial anônimo. Em
sentido forte, são sociais tanto o conjunto das forças produtivas historicamente definidas
como a bagagem biológica da espécie. Não se trata de uma conjunção extrínseca, ou de
uma simples superposição: o capitalismo plenamente desenvolvido implica a plena
coincidência entre as forças produtivas e os dois outros tipos de realidade pré-individual
(o “se percebe” e o “se fala”). O conceito de força de trabalho permite ver esta fusão
perfeita: enquanto capacidade física genérica e capacidade intelectual-lingüística de

83
produzir, a força de trabalho é, decididamente, uma determinação histórica, mas contém
em si mesma, completamente, esse ápeiron, essa natureza não individuada da qual fala,
assim como o caráter impessoal da língua, que Vigotski ilustra em vários lugares. O
“indivíduo social” marca a época na qual a co-habitação entre singular e pré-individual
deixa de ser uma hipótese heurística, ou um pressuposto oculto, para devir fenômeno
empírico, verdade lançada à superfície, estado de fato pragmático. Poder-se-ia dizer: a
antropogênese, isto é, a constituição mesma do animal humano, chega a manifestar-se
no plano histórico-social, devém finalmente visível, a descoberto, conhece uma sorte de
revelação materialista. O que se chama “as condições transcendentais da experiência”,
em lugar de permanecerem ocultas atrás da tela, apresenta-se em primeiro plano e, o que
é mais importante, devêm, também elas, objetos de experiência imediata. Uma última
observação, aparentemente marginal. O “indivíduo social” incorpora as forças
produtivas universais, não obstante decliná-las segundo modalidades diferenciadas e
contingentes; ao contrário, está efetivamente individuado justo porque lhes dá uma
configuração singular ao convertê-las em uma constelação muito especial de
conhecimentos e de afetos. É por isso que toda tentativa de circunscrever o indivíduo
pela negativa fracassa: não é a amplitude do que nele exclui-se o que chega a
caracterizá-lo, mas a intensidade do que converge. E não se trata de uma positividade
acidental, desajustada e, finalmente, inefável (seja dito de passagem, nada é mais
monótono e menos individual que o inefável). A individuação acompanha-se de
especificação progressiva, assim como pela especificação excêntrica de regras e
paradigmas gerais: não é o agulheiro da rede, mas o ponto em que as malhas estão mais
apertadas. A propósito da singularidade não reprodutível, poder-se-ia falar de um sobre-
valor de legislação. Para dizê-lo com a fraseologia da epistemologia, as leis que
qualificam o individual não são nem “asserções universais” (quer dizer, válidas para
todos os casos de um conjunto homogêneo de fenômenos) nem “asserções existenciais”
(relações de dados empíricos fora de qualquer realidade ou de um esquema conectivo);
trata-se bem mais de verdadeiras leis singulares. Leis porque, dotadas de uma estrutura
formal, compreendem virtualmente uma “espécie” inteira: singulares, enquanto regras
de um só caso, não generalizáveis. As leis singulares representam o individual com a
precisão e a transparência em princípio reservadas a uma classe “lógica”; mas atenção,
uma classe de um só indivíduo. Chamamos multidão ao conjunto dos “indivíduos
sociais”. Há uma sorte de encadeamento semântico preciso entre existência política d@s
múltipl@s enquanto múltipl@s, a velha obsessão filosófica em torno do principium
individuationis e a noção marxiana de “indivíduo social” (decifrada, com a ajuda de
Simondon, como a mescla inextricável de singularidade contingente e de realidade pré-
individual). Esse encadeamento semântico permite redefinir, desde sua base, a natureza
e as funções da esfera pública e da ação coletiva. Uma redefinição que põe abaixo o
cânon ético-político baseado no “povo” e na soberania estática. Poder-se-ia dizer – com
Marx, mas longe e em oposição a uma boa parte do marxismo – que a “substância das
coisas esperadas” encontra-se no fato de conceder o máximo de relevância e de valor à
existência não reprodutível de cada membro singular da espécie. Por paradoxal que isso
possa parecer, a teoria de Marx deveria, hoje em dia, compreender-se como uma teoria
rigorosa, quer dizer, realista e complexa, do indivíduo. Assim como uma teoria da
individuação.

84
O COLETIVO DA MULTIDÃO

Examinemos agora a segunda tese de Simondon. Não tem precedente. Vai contra a
intuição, viola as convicções mais arraigadas do sentido comum (como, quanto ao mais,
é o caso de muitos outros “predicados” conceituais da multidão). Habitualmente,
considera-se que o indivíduo, desde o momento em que participa de um coletivo, deve
desfazer-se de algumas de suas características individuais, renunciando a certos signos
distintivos que nele entremesclam-se e que são impenetráveis. Parece que no coletivo a
singularidade se dilui, que é desvantagem, regressão. Pois bem, segundo Simondon, isso
é uma superstição: obtusa, desde o ponto de vista epistemológico, e equívoca, desde o
ponto de vista da ética. Uma superstição alimentada por quem, tratando com
desenvoltura o processus de individuação, supõe que o indivíduo é um ponto de partida
imediato. Se, ao contrário, admitimos que o indivíduo provém do seu oposto, quer dizer,
do universal indiferenciado, o problema coletivo toma outro aspecto. Para Simondon,
contrariamente ao que afirma um sentido comum disforme, a vida de grupo é o
momento de uma ulterior e mais complexa individuação. Longe de ser regressiva, a
singularidade burila-se e alcança seu apogeu no atuar conjuntamente, na pluralidade de
vozes; em uma palavra, na esfera pública. O coletivo não prejudica, não atenua a
individuação, mas a persegue, aumentando desmesuradamente sua potência. Essa
continuação concerne à parte da realidade pré-individual que o primeiro processo de
individuação não havia logrado resolver. Simondon escreve: “Não devemos falar de
tendências do indivíduo que o levam para o grupo, já que falar dessas tendências não é
falar propriamente de tendências do indivíduo enquanto indivíduo: elas são a não-
resolução dos potenciais que precederam a gênese do indivíduo. O ser que precede ao
indivíduo não foi individuado sem mais, não foi totalmente resolvido em indivíduo e
meio [milieu]; o indivíduo conservou com ele o pré-individual, e todo o conjunto de
indivíduos tem também uma espécie de fundo não estruturado a partir do qual uma nova
individuação pode produzir-se” (Simondon, 1989: 193). E mais adiante: “Não é certo
que, enquanto indivíduos, os seres estejam atados uns aos outros no coletivo, mas
enquanto sujeitos, quer dizer, enquanto seres que contêm o pré-individual” (Simondon,
1989: 205). O fundamento do grupo é o elemento pré-individual (se percebe, se fala
etc.) presente em cada sujeito. Mas, no grupo, a realidade pré-individual, intrincada na
singularidade, individualiza-se, mostrando, por sua vez, uma particular fisionomia. A
instância do coletivo é ainda uma instância de individuação: o que está em jogo é dar
uma forma contingente e impossível de confundir com o ápeiron (o indeterminado),
quer dizer, com a “realidade do possível” que precede à singularidade; dar forma ao
universo anônimo da percepção sensorial, ao “pensamento sem suporte” ou General
Intellect. O pré-individual, inamovível no interior do sujeito isolado, pode adquirir um
aspecto singularizado nas ações e nas emoções d@s múltipl@s: como um violoncelista
que, interatuando dentro de um quarteto com o restante dos intérpretes, encontra algo de
sua partitura que justo aí lhe havia escapado. Cada um(a) d@s múltipl@s personaliza
(parcial e provisoriamente) sua própria componente impessoal através das vicissitudes
características da experiência pública. Expor-se à consideração dos outros, à ação
política sem garantias, à familiaridade com o possível e com o imprevisto, à amizade e à
inimizade, tudo isso alerta ao indivíduo e lhe permite, em certa medida, apropriar-se
deste anônimo “on” do qual provém, para transformar o Gattungswesen, a “existência
genérica da espécie”, em uma biografia absolutamente particular. Ao contrário do que
sustentava Heidegger, é somente na esfera pública que podemos passar do “se” ao “si

85
mesmo”. A individuação de segundo grau, que Simondon chama também a
“individuação coletiva” (um oxímoro próximo àquele que contém a locução “indivíduo
social”), é uma peça importante para pensar de maneira adequada a democracia não
representativa. Posto que o coletivo é o teatro de uma singularização acentuada da
experiência, constitui o lugar no qual pode finalmente explicar-se o que, em uma vida
humana, resulta incomensurável e impossível de reproduzir; nada disso presta-se para
ser explorado e, menos ainda, “delegado”. Mas cuidado: o coletivo da multidão,
enquanto individuação do General Intellect e do fundo biológico da espécie, é
exatamente o contrário de qualquer anarquismo ingênuo. Frente a ele, é bem mais o
modelo da representação política, com sua vontade geral e sua “soberania popular”, que
se converte em intolerável (e às vezes feroz) simplificação. O coletivo da multidão não
delega direitos ao soberano, embora possa estabelecer pactos com ele, porque se trata de
um coletivo de singularidades individuadas: para ele, repitamo-lo, o universal é uma
premissa e não uma promessa.

BIBLIOGRAFIA

DE MARTINO E. (1977), La fine del mondo. Contributo all'analisi delle apocalissi culturali,
Einaudi, Torino.

FREGE G. (1918), Der Gedanke. Eine Logische Untersuchung ; trad. it. Il pensiero. Una ricerca
logica, in Id., Ricerche logiche, Guerini e Associati, Milano 1988.

HOBBES Th. (1642), De Cive, trad. it. Editori Riuniti, Roma 1979.

MARX K. (1857-1858), Grundrisse der Kritik der politischen Oekonomie ; trad. it. Lineamenti
fondamentali della critica dell'economia politica, 2 voll., La Nuova Italia, Firenze 1968-1970.

MERLEAU-PONTY M. (1945), Phénoménologie de la perception ; trad. it. Fenomenologia della


percezione, Il Saggiatore, Milano 1965.

SIMONDON G. (1989), L'individuation psychique et collective ; trad. it. (in preparazione)


L'individuazione psichica e collettiva, DeriveApprodi, Roma 2001.

VYGOTSKIJ L. S. (1934), Myslenie i rec' ; trad. it. Pensiero e linguaggio, Laterza, Bari 1990.

1 VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem (texto integral, traduzido do russo Pensamento e


linguagem). Tradução: Paulo Bezerra; São Paulo: Martins Fontes; 2000. Em 1989, a mesma editora publicou um
resumo do livro de Vigotski, sob o título Pensamento e linguagem, a partir da publicação preparada por E. Hanfmann
e G. Vakar para o inglês, que por muito tempo passou por ser correspondente ao texto integral de Vigotski.
Justamente o capítulo 2, onde Vigotski analisa a teoria de Piaget, apresenta-se insuficientemente transposto no
resumo referido. O que é mais que lamentável é o fato de que Piaget conheceu do pensamento de Vigotski apenas tal

86
resumo, para o qual escreveu o prefácio. Do principal livro de Piaget abordado por Vigotski, A linguagem e o
pensamento da criança, no Brasil só possuímos a tradução do primeiro volume (nota de L.R.Palma).

*Tradução para o português de Leonardo Retamoso Palma (Santa Maria-RS; autoconvocad@yahoo.com.br), com
base na tradução para o espanhol, realizada por Beñat Baltza (muxuilunak@sindominio.net;
http://www.sindominio.net/arkitzean/multitudes/virno_multitud.html), do texto de Paolo Virno (virno@micanet.net)
escrito originalmente em francês: Multitude et principe d’individuation. Enviado por Beñat para a lista multitudes-
infos (multitudes-infos@samizdat.net; da revista http://www.samizdat.net/multitudes), em 4 de fevereiro de 2002,
segunda-feira, 12:33 PM.

**Filósofo e militante en primeira pessoa do movimento autônomo italiano desde os anos 70. Nasceu em Nápoles, em
1952, e, junto con Toni Negri, Sergio Bologna e Christian Marazzi, formou um pensamento e uma práxis novos sobre
o movimento, a revolução e a utopia social.

Optamos por manter a forma gráfica @ em “múltiplos” e “todos” utilizada pelo tradutor, que não só procura
***

desfazer a supremacia do gênero masculino na designação da forma-homem em nossa língua, como indica a potência
conectiva dos múltiplos nas redes informáticas (N. do E.).

Multitude et principe d’individuation


par Paolo Virno

Mise en ligne décembre 2001

Le concept de "multitude" s’oppose depuis toujours à celui de "peuple". Le peuple


est une unité homogène, tandis que la multitude est un réseau de singularités. Les
individus qui composent la multitude ne sont pourtant pas des atomes d’ un donné
mais le résultat d’un processus d’individuation. En quoi consiste cette
individuation qui produit l’individu à partir de conditions universelles ? On peut
tenter une réponse en utilisant les réflexions de Gilbert Simondon et de du
psychologue russe L. Vygotskij. Par le truchement de ces auteurs on aboutira peut-
être à une comprehension plus pertinente du concept marxien d’"individu social".

Les formes de vie contemporaines attestent de la dissolution du concept de " peuple " et
de la pertinence renouvelée du concept de " multitude ". Étoiles fixes du grand débat du
dix septième siècle qui est à l’origine d’une bonne partie de notre lexique éthico-
politique, ces deux concepts se situent aux antipodes l’un de l’autre. Le " peuple " est de
nature centripète, il converge en une volonté générale [1], il est l’interface ou le reflet
de l’État ; la multitude est plurielle, elle fuit l’unité politique, elle ne signe pas de pactes
avec le souverain, pas plus qu’elle ne lui délègue des droits, elle est récalcitrante à
l’obéissance, elle a un penchant pour certaines formes de démocratie non représentative.

87
Dans la multitude, Hobbes repéra le plus grand piège pour l’appareil de l’État ( les
citoyens, quand ils se rebellent contre l’État, représentent " la multitude contre le peuple
" : Hobbes, 1652 : voir VI,1 et XII, 8), Spinoza y décela la racine de la liberté. Depuis le
dix septième siècle, presque sans exceptions, c’est le " peuple " qui l’a emporté,
inconditionnellement. L’existence politique des multiples en tant que multiples a été
rayée de l’horizon de la modernité : non seulement par les théoriciens de l’État
absolutiste, mais aussi par Rousseau, par la tradition libérale et par le mouvement
socialiste même. Aujourd’hui cependant la multitude prend sa revanche en caractérisant
tous les aspects de la vie sociale : les habitudes et la mentalité du travail post-fordiste,
les jeux linguistiques, les passions et les affects, les façons de concevoir l’action
collective. Quand on constate cette revanche, il faut éviter au moins deux ou trois
sottises. Ce n’est pas que la classe ouvrière se soit béatement éteinte pour faire place
aux " multiples " : c’est plutôt, et la chose est de très loin plus compliquée et plus
intéressante, que les ouvriers d’aujourd’hui, en restant des ouvriers, n’ont plus la
physionomie du peuple, mais ils sont l’exemple parfait du mode d’être de la multitude.
De plus, affirmer que les " multiples " caractérisent les formes de vie contemporaines
n’a rien d’idyllique : ils la caractérisent tantôt en bien, tantôt en mal, dans la servilité
aussi bien que dans le conflit. Il s’agit d’un mode d’être : différent du mode d’être "
populaire ", certes, mais, en soi, non dépourvu d’ambivalence, avec une dose de poisons
spécifiques.

La multitude ne met pas de côté d’un geste espiègle la question de l’universel, de ce qui
est commun/partagé, bref la question de l’Un, mais elle la redéfinit de fond en comble.
On a, d’abord, un renversement de l’ordre des facteurs : le peuple tend vers l’Un, les "
multiples " dérivent de l’Un. Pour le peuple, l’universalité est une promesse, pour les "
multiples ", c’est une prémisse. Change aussi la définition même de ce qui est
commun/partagé. L’Un autour duquel gravite le peuple, c’est l’État, le souverain, la
volonté générale ; l’Un que la multitude a derrière elle, c’est le langage, l’intellect
comme ressource publique et inter-psychique, les facultés génériques de l’espèce. Si la
multitude fuit l’unité de l’État, c’est seulement parce que celle-ci est reliée à un Un tout
autre, préliminaire plutôt que conclusif. C’est sur cette corrélation qu’il faut s’interroger
un peu plus en profondeur.

L’apport de Gilbert Simondon, philosophe assez cher à Deleuze, est très important sur
cette question. Sa réflexion porte sur les processus d’individuation. L’individuation,
c’est-à-dire le passage du bagage psychosomatique générique de l’animal humain à la
configuration d’une singularité unique, est peut-être la catégorie qui, plus que tout autre,
est inhérente à la multitude. À regarder de près, la catégorie de peuple se rattache à une
myriade d’individus non individués, c’est-à-dire compris comme des substances simples
ou des atomes solipsistes. Justement parce qu’ils constituent un point de départ
immédiat plutôt que l’issue ultime d’un processus plein d’imprévus, de tels individus
ont besoin de l’unité/universalité fournie par la structure de l’État. En revanche, si on
parle de la multitude, on met précisément l’accent sur l’individuation ou sur la
dérivation de chacun des " multiples " à partir de quelque chose d’unitaire/universel.
Simondon, comme, pour d’autres raisons, le psychologue soviétique Lev Semenovitch
Vygotski et l’anthropologue italien Ernesto de Martino, ont justement attiré l’attention
sur semblable dérivation. Pour ces auteurs, l’ontogenèse, c’est-à-dire les phases de
développement du " je " singulier et conscient de lui-même, est la philosophia prima,
seule analyse claire de l’être et du devenir. Et l’ontogenèse est philosophia prima
précisément parce qu’elle coïncide en tout et pour tout avec le " principe d’individuation

88
". L’individuation permet de dessiner un rapport Un/multiples différent de celui qui
s’ébauchait peu de temps avant (différent, entendons-nous, de celui qui identifie l’Un
avec l’État). Il s’agit donc d’une catégorie qui contribue à fonder la notion éthico-
politique de multitude.

Gaston Bachelard, épistémologue parmi les plus grands du vingtième siècle, a écrit que
la physique quantique est un " sujet grammatical " par rapport auquel il semble opportun
d’employer les prédicats philosophiques les plus hétérogènes : si à un problème
singulier s’adapte bien un concept humien, à un autre peut convenir, pourquoi pas, un
pan de la logique hégélienne ou une notion tirée de la psychologie gestaltiste. De la
même façon, le mode d’être de la multitude doit être qualifié avec des attributs que l’on
trouve dans des contextes très différents, parfois même mutuellement exclusifs. Repérés
par exemple dans l’anthropologie philosophique de Gehlen (dénuement biologique de
l’animal humain, manque d’un " milieu " défini, pauvreté des instincts spécialisés), dans
les pages d’ Être et Temps consacrées à la vie quotidienne (bavardage, curiosité,
équivoque, etc.), dans la description de divers jeux linguistiques effectuée par
Wittgenstein dans Investigations philosophiques. Exemples tous discutables que ceux-
là. En revanche, incontestablement, deux thèses de Simondon sont très importantes en
tant que " prédicats " du concept de multitude : 1) le sujet est une individuation toujours
partiale et incomplète, consistant plutôt en l’entrelacs changeant d’aspects pré-
individuels et d’aspects effectivement singuliers ; 2) l’expérience collective, loin d’en
signaler la désintégration ou l’éclipse, poursuit et affine l’individuation. Si on oublie
bien d’autres considérations (y compris la question, centrale de toute évidence, de
comment se réalise l’individuation, selon Simondon) il vaut la peine, ici, de se
concentrer sur ces thèses en tant qu’elles sont contraires à l’intuition et même
scabreuses.

Pré-individuel

Revenons au commencement. La multitude est un réseau d’individus. Le terme "


multiples " indique un ensemble de singularités contingentes. Ces singularités ne sont
pas, cependant, une donnée de fait, sans appel, mais au contraire le résultat complexe
d’un processus d’individuation. Il va de soi que le point de départ de toute véritable
individuation est quelque chose de pas encore individuel. Ce qui est unique, non
reproductible, passager, vient en fait de ce qui est d’autant plus indifférencié et
générique. Les caractéristiques particulières de l’individualité prennent racine dans un
ensemble de paradigmes universels. Mais parler de principium individuationis, cela
signifie déjà postuler une inhérence extrêmement solide entre le singulier et une forme
ou une autre de puissance anonyme. L’individuel est effectivement tel non pas parce
qu’il se tient à la limite de ce qui est puissant, comme un zombie exsangue et rancunier,
mais parce qu’il est puissance individuée ; et il est puissance individuée parce qu’il est
seulement une des individuations possibles de la puissance.

Pour établir ce qui a précédé l’individuation, Simondon emploie l’expression, bien peu
cryptique, de réalité pré-individuelle. Chacun des " multiples " est familier avec ce pôle
antithétique. Mais qu’est-ce exactement que le pré-individuel ? Simondon écrit : " On
pourrait nommer nature cette réalité pré-individuelle que l’individu porte avec lui, en
cherchant à retrouver dans le mot de nature la signification que les philosophes
présocratiques y mettaient : les Physiologues ioniens y trouvaient l’origine de toutes les

89
espèces d’être, antérieure à l’individuation : la nature est réalité du possible, sous les
espèces de cet apeiron dont Anaximandre fait sortir toute forme individuée : la Nature
n’est pas le contraire de l’Homme, mais la première phase de l’être, la seconde étant
l’opposition de l’individu et du milieu ". Nature, apeiron (indéterminé), réalité du
possible, être encore dépourvu de phases : on pourrait continuer avec différentes
variations sur le thème. Ici, cependant, il semble opportun de proposer une définition
autonome du " pré-individuel " : pas contradictoire par rapport à celle de Simondon,
bien entendu, mais indépendante de celle-ci. Il n’est pas difficile de reconnaître que,
sous la même étiquette, existent des contextes et des niveaux assez différents.

Le pré-individuel, c’est en premier lieu la perception sensorielle, la motricité, le fond


biologique de l’espèce. C’est Merleau-Ponty, dans sa Phénoménologie de la perception,
qui observe que " Je n’ai pas plus conscience d’être le vrai sujet de ma sensation que de
ma naissance ou de ma mort " (Merleau Ponty, 1945, p. 249). Et encore : " la vision,
l’ouïe, le toucher, avec leurs champs qui sont antérieurs et demeurent étrangers à ma vie
personnelle " (Merleau Ponty, 1945, p. 399). La sensation échappe à la description à la
première personne : quand je perçois, ce n’est pas un individu singulier qui perçoit,
mais l’espèce comme telle. À la motricité et à la sensibilité s’ajoute seulement le
pronom anonyme " on " : on voit, on entend, on éprouve du plaisir ou de la douleur. Il
est bien vrai que la perception a parfois une tonalité autoréflexive : il suffit de penser au
toucher, à ce toucher qui est toujours, aussi, l’être touché par l’objet que l’on manipule.
Celui qui perçoit s’avertit lui-même en s’avançant vers la chose. Mais il s’agit d’une
autoréférence sans individuation. C’est l’espèce qui s’auto-avertit du manège, et pas une
singularité autoconsciente. On se trompe si on identifie l’un à l’autre deux concepts
indépendants, si on soutient que là où il y a auto-réflexion, on peut constater aussi une
individuation ; ou inversement, que s’il n’y a pas d’individuation, on ne peut pas non
plus parler d’autoréflexion.

Le pré-individuel, à un niveau plus déterminé, c’est la langue historico-naturelle de sa


propre communauté d’appartenance. La langue est inhérente à tous les locuteurs de la
communauté donnée, comme l’est un " milieu " zoologique, ou un liquide amniotique, à
la fois enveloppant et indifférencié. La communication linguistique est intersubjective
bien avant que ne se forment de véritables " sujets " proprement dits. Elle est à tous et à
personne, pour elle aussi règne l’anonyme " on " : on parle. C’est Vygotski surtout qui a
souligné le caractère pré-individuel, ou immédiatement social, de la locution humaine :
l’usage de la parole, d’abord, est inter-psychique, c’est-à-dire public, partagé,
impersonnel. Contrairement à ce que pensait Piaget, il ne s’agit pas de s’évader d’une
condition originaire autistique (c’est-à-dire hyper-individuelle) en prenant la voie d’une
socialisation progressive ; au contraire, l’essentiel de l’ontogenèse consiste pour
Vygotski dans le passage d’une socialité complète à l’individuation de l’être parlant : "
le mouvement réel du processus de développement de la pensée de l’enfant ne
s’accomplit pas de l’individuel au socialisé, mais du social à l’"individuel" " (Vygotski,
1985). La reconnaissance du caractère pré-individuel (" inter-psychique ") de la langue
fait en sorte que Vygotski anticipe Wittgenstein dans la réfutation d’un " langage privé "
quel qu’il soit ; par ailleurs, et c’est ce qui importe le plus, cela permet de l’inscrire à
bon droit sur la courte liste des penseurs qui ont mis à l’avant-scène la question du
principium individuationis. Tant pour Vygotski que pour Simondon, l’" individuation
psychique " (c’est-à-dire la constitution du Moi conscient) survient sur le terrain
linguistique, et pas sur celui de la perception. En d’autres termes : tandis que le pré-
individuel inhérent à la sensation semble destiné à demeurer tel pour toujours, le pré-

90
individuel qui correspond à la langue est en revanche susceptible d’une différenciation
interne qui débouche sur l’individualité. Il ne s’agira pas ici d’examiner de façon
critique la manière dont s’accomplit la singularisation de l’être parlant pour Vygotski et
pour Simondon ; et encore moins d’ajouter quelque hypothèse supplémentaire. Ce qui
est important, c’est seulement d’établir l’écart entre le domaine perceptif (bagage
biologique sans individuation) et le domaine linguistique (bagage biologique comme
base de l’individuation).

Le pré-individuel, enfin, c’est le rapport de production dominant. Dans le capitalisme


développé, le procès de travail requiert les qualités les plus universelles de l’espèce : la
perception, le langage, la mémoire, les affects. Rôles et fonctions, dans le cadre du post-
fordisme, coïncident largement avec l’" existence générique ", avec le Gattungswesen
dont parlent Feuerbach et le Marx des Manuscrits économico-philosophiques à propos
des facultés les plus élémentaires du genre humain. L’ensemble des forces productives
est certainement pré-individuel. Cependant parmi elles, la pensée a une importance
particulière. Attention : la pensée objective sans rapport avec tel ou tel " moi "
psychologique, la pensée dont la vérité ne dépend pas de l’assentiment des êtres
singuliers. À cet égard, Gottlob Frege a utilisé une formule maladroite peut-être mais
non sans efficace : " pensée sans porteur " (cf. Frege 1918). Marx en revanche a forgé
l’expression, célèbre et controversée, de general intellect, intellect général : à ceci près
que pour lui, le general intellect (c’est-à-dire le savoir abstrait, la science, la
connaissance impersonnelle) est aussi le " pilier principal de la production de la richesse
", là où par richesse on doit entendre, ici et maintenant, plus-value absolue et relative.
La pensée sans porteur, ou le general intellect, fait sa marque sur le " processus vital
même de la société " (Marx 1857-1858), en instaurant des hiérarchies et des relations de
pouvoir. Pour résumer : c’est une réalité pré-individuelle historiquement qualifiée. Sur
ce point, pas la peine d’insister beaucoup plus. Il suffit de retenir qu’au pré-individuel
perceptif et au pré-individuel linguistique, il faut ajouter un pré-individuel historique.

Sujet amphibie

Le sujet ne coïncide pas avec l’individu individué, mais contient en soi, toujours, une
certaine proportion irréductible de réalité pré-individuelle. C’est un composé instable,
quelque chose de composite. C’est là la première des deux thèses de Simondon sur
laquelle on aimerait attirer l’attention. " Il existe dans les êtres individués une certaine
charge d’indéterminé, c’est-à-dire de réalité pré-individuelle qui a passé à travers
l’opération d’individuation sans être effectivement individuée. On peut nommer nature
cette charge d’indéterminé " (Simondon, 1989, p. 210). Il est complètement faux de
réduire le sujet à ce qui est, en lui, singulier : " le nom d’individu est abusivement donné
à une réalité plus complexe, celle du sujet complet, qui comporte en lui, en plus de la
réalité individuée, un aspect inindividué, pré-individuel, ou encore naturel. "(Simondon,
1989. p. 204). Le pré-individuel est perçu avant tout comme une sorte de passé non
résolu : la réalité du possible, d’où jaillit la singularité bien définie, persiste encore aux
côtés de cette dernière ; la diachronie n’exclut pas la concomitance. Par ailleurs, le pré-
individuel, qui est le tissu intime du sujet, constitue le milieu de l’individu individué. Le
contexte ambiant (perceptif ou linguistique, ou historique), dans lequel s’inscrit
l’expérience de l’individu singulier est en effet une composante intrinsèque (si on veut :
intérieure) du sujet. Le sujet n’a pas un milieu, mais il est, pour une certaine part de lui-
même (celle qui n’est pas individuée) son milieu. De Locke à Fodor, les philosophies

91
qui négligent la réalité pré-individuelle du sujet, ignorant donc ce qui en lui est milieu,
sont vouées à ne pas trouver de voie de transit entre " intérieur " et " extérieur ", entre
Moi et le monde. Ils se livrent donc à la méprise que dénonce Simondon : assimiler le
sujet à l’individu individué.

La notion de subjectivité est amphibie. Le " Je parle " cohabite avec le " on parle " ; ce
que l’on ne peut reproduire est étroitement mêlé au récursif et au sériel. Plus
précisément : dans le tissu du sujet se trouvent, comme parties intégrantes, la tonalité
anonyme de ce qui est perçu (la sensation en tant que sensation de l’espèce), le caractère
immédiatement inter-psychique ou " public " de la langue maternelle, la participation au
general intellect impersonnel. La coexistence de pré-individuel et d’individué au sein
du sujet est médiatisée par les affects. Émotions et passions signalent l’intégration
provisoire des deux aspects. Mais aussi leur décollement éventuel : ce ne sont pas les
crises, les récessions, les catastrophes qui manquent. Il y a peur panique ou angoisse
quand on ne sait pas composer les aspects pré-individuels de sa propre expérience avec
les aspects qui sont individués : " dans l’angoisse, le sujet se sent exister comme
problème posé à lui-même et il sent sa division en nature pré-individuelle et en être
individué ; l’être individué est ici et maintenant, et cet ici et ce maintenant empêchent
une infinité d’autres ici et maintenant de venir au jour ; le sujet prend conscience de lui
comme nature, comme indéterminé (apeiron) qu’il ne pourra jamais actualiser en hic et
nunc, qu’il ne pourra jamais vivre " (Simondon, 1989, p. 111). Il faut constater ici une
extraordinaire coïncidence objective entre l’analyse de Simondon et le diagnostic sur les
" apocalypses culturelles " proposé par Ernesto de Martino. Le point crucial, pour de
Martino comme pour Simondon, réside dans le fait que l’ontogenèse, c’est-à-dire
l’individuation, n’est jamais garantie une fois pour toutes : elle peut revenir sur ses pas,
se fragiliser, éclater. Le " Je pense ", outre le fait qu’il ait une genèse hasardeuse, est
partiellement rétractile, débordé par ce qui le dépasse. Selon de Martino, le pré-
individuel semble parfois submerger le je singularisé : ce dernier est comme aspiré dans
l’anonymat du " on ". D’autres fois, de façon opposée et symétrique, on nous force en
vain à réduire tous les aspects pré-individuels de notre expérience à la singularité
ponctuelle. Les deux pathologies - " catastrophes de la frontière moi-monde dans les
deux modalités de l’irruption du monde dans l’être humain et du reflux de l’être humain
dans le monde " (E. de Martino 1977) - sont seulement les extrêmes d’une oscillation
qui, sous formes plus contenues, est cependant constante et non supprimable.

Trop souvent la pensée critique du vingtième siècle (on pense en particulier à l’" école
de Francfort ") a entonné une cantilène mélancolique sur l’éloignement supposé de
l’individu par rapport aux forces productives et sociales, ainsi que sur la séparation de la
puissance inhérente aux facultés universelles de l’espèce (langage, pensée, etc.). Le
malheur de l’être singulier a été attribué précisément à cet éloignement ou à cette
séparation. Une idée suggestive, mais fausse. Les " passions tristes ", pour le dire avec
Spinoza, ressortent plutôt de la proximité maximum, et même de la symbiose, entre
l’individu individué et le pré-individuel, là où cette symbiose se présente comme
déséquilibre et déchirement. En bien comme en mal, la multitude montre le mélange
inextricable de " je " et de " on ", singularité non reproductible et anonymat de l’espèce,
individuation et réalité pré-individuelle. En bien : chacun des " multiples " ayant
l’universel derrière lui, en guise de prémisse ou d’antécédent, n’a pas besoin de cette
universalité postiche que constitue l’État. En mal : chacun des " multiples ", en tant que
sujet amphibie, peut toujours distinguer une menace dans sa propre réalité pré-
individuelle, ou au moins une source d’insécurité. Le concept éthico-politique de

92
multitude est fondé tant sur le principe d’individuation que sur son incomplétude
constitutive.

Marx, Simondon, Vygotski : le concept d’"individu social "

Dans un passage célèbre des Grundrisse (que l’on appelle " Fragment sur les machines
"), Marx désigne comme " individu social " le seul protagoniste vraisemblable d’une
quelconque transformation radicale de l’état des choses présentes (cf. Marx, 1857-
1858). De prime abord, l’" individu social " ressemble à un oxymore coquet, à l’unité
ébouriffée des contraires, en somme, à un maniérisme hégélien. Il est possible en
revanche de prendre ce concept à la lettre, jusqu’à en faire un instrument de précision
pour faire ressortir certaines façons d’être, les inclinations et les formes de vies
contemporaines. Mais cela est possible, dans une bonne mesure, justement grâce à la
réflexion de Simondon et de Vygotski sur le principe d’individuation.

Dans l’adjectif " social ", il faut reconnaître les traits de cette réalité pré-individuelle
qui, selon Simondon, appartient à tous les sujets. Comme, dans le substantif " individu
", on reconnaît la singularisation advenue de chaque composant de la multitude
d’aujourd’hui. Quand il parle d’" individu social ", Marx se réfère à l’intrication entre "
existence générique " (Gattungswesen) et expérience non reproductible, qui est le sceau
de la subjectivité. Ce n’est pas un hasard si l’" individu social " fait son apparition dans
les pages mêmes des Grundrisse où est introduite la notion de general intellect, d’un "
intellect général ", qui constitue la prémisse universelle (ou pré-individuelle), ainsi que
la partition commune, pour les travaux et les jours des " multiples ". Le côté social de
l’" individu social " c’est, sans aucun doute, le general intellect, ou bien, avec Frege, la
" pensée sans porteur ". Pas seulement, cependant : il consiste aussi dans le caractère
d’emblée inter-psychique, c’est-à-dire public, de la communication humaine, mis en
lumière très efficacement par Vygotski. De plus, si on traduit correctement " social " par
" pré-individuel ", il faudra encore reconnaître que l’individu individué dont parle Marx
se profile aussi sur fond de perception sensorielle anonyme.

Au sens fort, sont sociaux tant l’ensemble des forces productives historiquement
définies, que le bagage biologique de l’espèce. Il ne s’agit pas d’une conjonction
extrinsèque, ou d’une simple superposition. Il y a plus. Le capitalisme pleinement
développé implique la pleine coïncidence entre les forces productives et les deux autres
types de réalité pré-individuelle (le " on perçoit " et le " on parle "). Le concept de force
de travail donne à voir cette fusion parfaite : en tant que capacité physique générique et
capacité intellectualo-linguistique de produire, la force de travail est décidément une
détermination historique, mais elle contient en elle-même complètement cet apeiron,
cette nature non individuée, dont parle Simondon ainsi que le caractère impersonnel de
la langue, que Vygotski illustre de long en large. L’" individu social " marque l’époque
dans laquelle la cohabitation entre singulier et pré-individuel cesse d’être une hypothèse
heuristique, ou un présupposé caché, mais devient un phénomène empirique, vérité jetée
à la surface, état de fait pragmatique. On pourrait dire ceci : l’anthropogenèse, c’est-à-
dire la constitution même de l’animal humain arrive à se manifester sur le plan
historico-social, devient enfin visible à l’œil nu, connaît une sorte de révélation
matérialiste. Ce que l’on appelle les " conditions transcendantales de l’expérience ", au
lieu de rester en arrière-fond, arrivent en tout premier plan et, ce qui est plus important,
deviennent elles aussi objets d’expérience immédiate.

93
Une dernière observation, marginale en apparence. L’" individu social " incorpore les
forces productives universelles, en les déclinant cependant selon des modalités
différenciées et contingentes ; il est au contraire effectivement individué, justement
parce qu’il leur donne une configuration singulière en les traduisant en une constellation
très particulière de cognitions et d’affects. C’est pour cela que toute tentative de
circonscrire l’individu par la négative échoue : ce n’est pas l’ampleur de ce qui en est
exclu qui parvient à le caractériser, mais l’intensité de ce qui y converge. Il ne s’agit pas
non plus d’une positivité accidentelle, déréglée et, ultimement, ineffable (soit dit en
passant : rien n’est plus monotone, et moins individuel, que l’ineffable). L’individuation
est scandée par la spécification progressive, ainsi que par la combinaison excentrique de
règles et de paradigmes généraux : ce n’est pas le trou du filet, mais l’endroit où les
mailles sont les plus serrées. À propos de la singularité non reproductible, on pourrait
parler d’un surplus de législation. Pour le dire selon la phraséologie de l’épistémologue,
les lois qui qualifient l’individuel ne sont ni des " assertions universelles " (c’est-à-dire
valides pour tous les cas d’un ensemble homogène de phénomènes), ni des " assertions
existentielles " (révélations de données empiriques en dehors d’une quelconque
régularité ou d’un schéma connectif) : il s’agit plutôt de véritables lois singulières. Lois,
parce que dotées d’une structure formelle comprenant virtuellement une " espèce "
entière. Singulières, parce que règles d’un seul cas, non généralisables. Les lois
singulières représentent l’individuel avec la précision et la transparence réservées en
principe à une " classe " logique : mais attention, une classe d’un seul individu.

Appelons multitude l’ensemble des " individus sociaux ". Il y a une sorte
d’enchaînement sémantique précieuse entre l’existence politique des multiples en tant
que multiples, la vieille obsession philosophique tournant autour du principium
individuationis et la notion marxienne d’" individu social " (déchiffrée, avec le concours
de Simondon, comme le mélange inextricable de singularité contingente et de réalité
pré-individuelle). Cet enchaînement sémantique permet de redéfinir à la base la nature
et les fonctions de la sphère publique et de l’action collective. Une redéfinition qui, cela
va de soi, déboulonne le canon éthico-politique fondé sur le " peuple " et la souveraineté
étatique. On pourrait dire avec Marx, mais en dehors et en opposition avec une bonne
partie du marxisme - que la " substance des choses espérées " se trouve dans le fait de
conférer le maximum de relief et de valeur à l’existence non reproductible de chaque
membre singulier de l’espèce. Aussi paradoxal que cela puisse paraître, la théorie de
Marx devrait être comprise aujourd’hui comme une théorie rigoureuse, c’est-à-dire
réaliste et complexe, de l’individu. Donc comme une théorie de l’individuation.

Le collectif de la multitude

Examinons maintenant la deuxième thèse de Simondon. Elle est sans précédent


d’aucune sorte. Elle va à l’encontre de l’intuition, c’est-à-dire qu’elle viole les
convictions enracinées du sens commun(commec’estlecas,du reste, de beaucoup
d’autres " prédicats " conceptuels de la multitude). D’habitude, on considère que
l’individu, du moment qu’il participe à un collectif, doit se défaire au moins de
quelques-unes de ses caractéristiques proprement individuelles, renonçant à certains
signes distinctifs bariolés et impénétrables. Dans le collectif, semble-t-il, la singularité
se délaye, elle est handicapée, elle régresse. Eh bien, selon Simondon, il s’agit là d’une
superstition : obtuse du point de vue de l’épistémologie et suspecte du point de vue de
l’éthique. Une superstition alimentée par ceux qui, traitant avec désinvolture du

94
processus de l’individuation, présument que l’individu est un point de départ immédiat.
Si au contraire on admet que l’individu provient de son opposé, c’est-à-dire de
l’universel indifférencié, le problème du collectif prend une tout autre allure. Pour
Simondon, contrairement à ce qu’affirme un sens commun difforme, la vie de groupe
est l’occasion d’une ultérieure et plus complexe individuation. Loin de régresser, la
singularité s’affine et atteint son acmé dans l’agir ensemble, dans la pluralité des voix,
bref, dans la sphère publique.

Le collectif ne lèse pas, n’atténue pas l’individuation, mais il la poursuit, en augmentant


sa puissance, démesurément. Cette suite concerne la part de réalité pré-individuelle que
le premier processus d’individuation avait laissée irrésolue. Simondon écrit : " On ne
doit pas parler des tendances de l’individu qui le portent vers le groupe ; car ces
tendances ne sont pas à proprement parler des tendances de l’individu en tant
qu’individu ; elles sont la non-résolution des potentiels qui ont précédé la genèse de
l’individu. L’être précédant l’individu n’a pas été individué sans reste ; il n’a pas été
totalement résolu en individu et milieu ; l’individu a conservé avec lui du pré-
individuel, et tous les individus ensemble ont ainsi une sorte de fond non structuré à
partir duquel une nouvelle individuation peut se produire." (Simondon, 1989, p. 193) Et
plus loin : " Ce n’est pas véritablement en tant qu’individus que les êtres sont rattachés
les uns aux autres dans le collectif, mais en tant que sujets c’est-à-dire en tant qu’êtres
qui contiennent du pré-individuel " (Simondon, 1989, p. 205). Le fondement du groupe,
c’est l’élément pré-individuel (on perçoit, on parle, etc.) présent dans chaque sujet.
Mais, dans le groupe, la réalité pré-individuelle, intriquée à la singularité,
s’individualise à son tour, arborant une physionomie particulière.

L’instance du collectif est encore une instance d’individuation : la mise qui est en jeu,
c’est de donner une forme contingente et impossible à confondre à l’apeiron
(l’indéterminé), c’est-à-dire à la " réalité du possible " qui précède la singularité ;
donner forme à l’univers anonyme de la perception sensorielle ; donner forme à la "
pensée sans porteur " ou general intellect. Le pré-individuel, inamovible à l’intérieur du
sujet, isolé, peut revêtir un aspect singularisé dans les actions et dans les émotions des
multiples. Comme un violoncelliste qui, en interagissant dans un quatuor avec les autres
interprètes, trouve quelque chose de sa partition qui jusque-là lui avait échappé. Chacun
des multiples personnalise (partiellement et provisoirement) sa propre composante
impersonnelle à travers les vicissitudes caractéristiques de l’expérience publique.
L’exposition aux regards des autres, l’action politique sans garanties, la familiarité avec
le possible et l’imprévu, l’amitié et l’inimitié, tout cela donne à l’individu l’éveil qui lui
permet, dans une certaine mesure, de s’approprier cet anonyme " on " d’où il vient, pour
transformer le Gattungswesen, l’" existence générique de l’espèce " en une biographie
tout à fait particulière. Contrairement à ce que soutenait Heidegger, c’est seulement
dans la sphère publique que l’on peut passer du " on " au " soi-même ".

L’individuation de second degré, que Simondon appelle aussi l’" individuation


collective " (un oxymore proche de celui que contient la locution " individu social "), est
une pièce importante pour penser de façon adéquate la démocratie non représentative.
Puisque le collectif est le théâtre d’une singularisation accentuée de l’expérience, ou
constitue le lieu dans lequel peut finalement s’expliquer ce qui dans une vie humaine est
incommensurable et impossible à reproduire, rien de cela ne se prête à être extrapolé ou,
moins que jamais, " délégué ". Mais attention : le collectif de la multitude, en tant
qu’individuation du general intellect et du fond biologique de l’espèce, c’est

95
exactement le contraire d’un quelconque anarchisme ingénu. En face de lui, c’est plutôt
le modèle de la représentation politique, avec tant de volonté générale et de "
souveraineté populaire ", qui fait figure d’intolérable (et parfois féroce) simplification.
Le collectif de la multitude ne délègue pas de droits au souverain, pas plus qu’il ne
pactise avec lui, parce qu’il s’agit d’un collectif de singularités individuées : pour lui,
répétons-le encore, l’universel est une prémisse et pas déjà une promesse.

février 2001

Traduit de l’italien par Véronique Dassas

BIBLIOGRAPHIE

DE MARTINO E. (1977), La fine del mondo. Contributo all’analisi delle apocalissi


culturali, Turin, Einaudi.
FREGE G. (1918), Der Gedanke. Eine Logische Untersuchung ; trad. française. " La
pensée " in Écrits Logiques et Philosophiques, Paris, Le Seuil, 1971.
HOBBES Th. (1642), De Cive, trad. française Le Citoyen, Paris, Garnier-Flammarion,
1982.
MARX K. (1857-1858), Grundrisse del Kritik del politischen Oekonomie ; trad.
française Fondements de la critique de l’économie politique, Paris, Anthropos , 1968.
MERLEAU-PONTY M. (1945), Phénoménologie de la perception, Paris, Gallimard.
SIMONDON G. (1989), L’individuation psychique et collective, Paris, Aubier.
VYGOTSKI L. S. (1934), Myslenie i rec ; trad. française Pensée et langage, Paris,
Scandéditions, 1997.

[1] En français tout au long du texte.

http://multitudes.samizdat.net/article.php3?id_article=65

Moltitudine et principio di
individuazione
par Paolo Virno

Mise en ligne décembre 2001

Version originale italienne de Multitude et principe d’individuation, Multitudes 7 :


décembre 2001, Majeure : Après Gênes, après New York

Le forme di vita contemporanee attestano la dissoluzione del concetto di "popolo" e la


rinnovata pertinenza del concetto di "moltitudine". Stelle fisse del grande dibattito
seicentesco da cui discende buona parte del nostro lessico etico-politico, questi due
concetti si collocano agli antipodi. Il "popolo" ha una indole centripeta, converge in una
volonté générale, è l’interfaccia o il riverbero dello Stato ; la moltitudine è plurale,

96
rifugge dall’unità politica, non stipula patti né trasferisce diritti al sovrano, recalcitra
all’obbedienza, inclina a forme di democrazia non rappresentativa. Nella moltitudine,
Hobbes ravvisò la massima insidia per l’apparato statale ("I cittadini, allorché si
ribellano allo Stato, sono la moltitudine contro il popolo" [Hobbes, 1652 : XII, 8]),
Spinoza la radice della libertà. Dal Seicento in poi, quasi senza eccezioni, ha prevalso
incondizionatamente il "popolo". L’esistenza politica dei molti in quanto molti è stata
espunta dall’orizzonte della modernità : non solo dai teorici dello Stato assoluto, ma
anche da Rousseau, dalla tradizione liberale, dallo stesso movimento socialista. Oggi,
però, la moltitudine prende la sua rivincita, caratterizzando tutti gli aspetti della vita
associata : costumi e mentalità del lavoro postfordista, giochi linguistici, passioni e
affetti, modi di intendere l’azione collettiva. Quando si constata questa rivincita bisogna
scansare almeno un paio di sciocchezze. Non è che la classe operaia si sia beatamente
estinta per far posto ai "molti" : piuttosto, e la faccenda è di gran lunga più complicata e
interessante, gli operai odierni, tali restando, non hanno più la fisionomia del popolo,
ma esemplificano a perfezione il modo di essere della moltitudine. Inoltre, affermare
che i "molti" caratterizzano le forme di vita contemporanee non ha nulla di idillico : le
caratterizzano tanto nel male quanto nel bene, nel servilismo non meno che nel
conflitto. Di un modo di essere si tratta : diverso da quello "popolare", certo, ma, in sé,
non poco ambivalente, essendo provvisto anche di suoi specifici veleni.
La moltitudine non accantona con gesto sbarazzino la questione dell’universale, del
comune/condiviso, insomma dell’Uno, ma la riqualifica da cima a fondo. Anzitutto, si
ha un rovesciamento nell’ordine dei fattori : il popolo tende all’Uno, i "molti" derivano
dall’Uno. Per il popolo l’universalità è una promessa, per i "molti" una premessa. Muta,
inoltre, la stessa definizione di ciò che è comune/condiviso. L’Uno verso cui il popolo
gravita, è lo Stato, il sovrano, la volonté générale ; l’Uno che la moltitudine ha alle
proprie spalle consiste, invece, nel linguaggio, nell’intelletto come risorsa pubblica o
interpsichica, nelle generiche facoltà della specie. Se la moltitudine rifugge dall’unità
statale, è soltanto perché essa è correlata a tutt’altro Uno, preliminare anziché
conclusivo. Su questa correlazione, già segnalata altre volte in passato, occorre
interrogarsi più a fondo.
Un contributo di gran conto è quello offerto da Gilbert Simondon, filosofo assai caro a
Deleuze, finora quasi sconosciuto in Italia. La sua riflessione verte sui processi di
individuazione. L’individuazione, ossia il passaggio dalla generica dotazione
psicosomatica dell’animale umano alla configurazione di una singolarità irripetibile, è
forse la categoria che, più di ogni altra, inerisce alla moltitudine. A guardar bene, la
categoria di popolo si attaglia a una miriade di individui non individuati, intesi cioè
come sostanze semplici o atomi solipsistici. Proprio perché costituiscono un immediato
punto di partenza, anziché l’esito estremo di un processo accidentato, tali individui
abbisognano dell’unità/universalità procacciata dalla compagine statale. Viceversa,
parlando di moltitudine, si mette l’accento precisamente sull’individuazione, ovvero
sulla derivazione di ciascuno dei "molti" da un che di unitario/universale. Simondon,
come per altri versi lo psicologo sovietico Lev S. Vygotskij e l’antropologo italiano
Ernesto de Martino, hanno posto al centro dell’attenzione proprio siffatta derivazione.
Per questi autori, l’ontogenesi, cioè le fasi di sviluppo del singolo "io" autocosciente, è
philosophia prima, unica analisi perspicua dell’essere e del divenire. Ed è philosophia
prima, l’ontogenesi, proprio perché coincide in tutto e per tutto con il "principio di
individuazione". L’individuazione consente di delineare il diverso rapporto Uno/molti
cui si accennava poc’anzi (diverso, per intendersi da quello che identifica l’Uno con lo
Stato). Essa, pertanto, è una categoria che concorre a fondare la nozione etico-politica di
moltitudine.

97
Gaston Bachelard, epistemologo tra i maggiori del XX secolo, ha scritto che la fisica
quantistica è un "soggetto grammaticale" al cui riguardo sembra opportuno impiegare i
più eterogenei "predicati" filosofici : se a un singolo problema ben si adatta un concetto
humeano, a un altro può convenire, perché no, un brano della logica hegeliana o una
nozione tratta dalla psicologia della Gestalt. Parimenti, il modo di essere della
moltitudine deve venir qualificato con attributi reperiti in ambiti diversissimi, talvolta
persino alternativi tra loro. Reperiti, per esempio, nell’antropologia filosofica di Gehlen
(sprovvedutezza biologica dell’animale umana, mancanza di un "ambiente" definito,
povertà di istinti specializzati), nelle pagine di Essere e tempo dedicate alla vita
quotidiana (chiacchiera, curiosità, equivoco ecc.), nella descrizione dei diversi giochi
linguistici eseguita da Wittgenstein nelle Ricerche filosofiche. Esempi tutti opinabili,
questi. Incontrovertibile, invece, è l’importanza che assumono, come "predicati" del
concetto di moltitudine, due tesi di Gilbert Simondon : 1) il soggetto è una
individuazione sempre parziale e incompleta, consistendo piuttosto nell’intreccio
mutevole di aspetti preindividuali e aspetti effettivamente singolari ; 2) l’esperienza
collettiva, lungi dal segnarne il decadimento o l’eclissi, prosegue e affina
l’individuazione. Trascurando molto altro (compresa la questione, ovviamente centrale,
di come si realizzi, secondo Simondon, l’individuazione), vale la pena, qui, concentrarsi
su queste tesi alquanto controintuitive e perfino scabrose.

Preindividuale

Ricominciamo da principio. La moltitudine è una rete di individui. Il termine "molti"


indica un insieme di singolarità contingenti. Queste singolarità non sono, però, un dato
di fatto inappellabile, bensì il risultato complesso di un processo di individuazione. Va
da sé che il punto di avvio di ogni autentica individuazione è qualcosa di non ancora
individuale. Ciò che è unico, irripetibile, labile, proviene da quanto invece è
indifferenziato e generico. I caratteri peculiari dell’individualità affondano radici in un
complesso di paradigmi universali. Già solo parlare di principium individuationis
significa postulare una inerenza saldissima tra il singolare e l’una o l’altra forma di
potenza anonima. L’individuale è effettivamente tale non perché si mantiene ai margini
di ciò che è potente, come uno zombie esangue e rancoroso, ma perché è potenza
individuata ; ed è potenza individuata perché è solo una delle possibili individuazioni
della potenza.
Per fissare l’antefatto dell’individuazione, Simondon impiega l’espressione, niente
affatto criptica, di realtà preindividuale. Ciascuno dei "molti" ha dimestichezza con
questo polo antitetico. Ma che cos’è, propriamente, il "preindividuale" ? Simondon
scrive : "Si potrebbe chiamare natura questa realtà preindividuale che l’individuo porta
con sé, sforzandosi di ritrovare nella parola ’natura’ il significato che le attribuivano i
filosofi presocratici : i Fisiologi ionici vi coglievano l’origine di tutte le specie di essere,
anteriore all’individuazione ; la natura è realtà del possibile, con le fattezze di
quell’apeiron da cui Anassimandro fa scaturire ogni forma individuata. La Natura non è
il contrario dell’Uomo, ma la prima fase dell’essere, là dove la seconda è l’opposizione
tra individuo e ambiente" (Simondon 1989:196). Natura, apeiron (indeterminato), realtà
del possibile, un essere ancora privo di fasi : e si potrebbe continuare con le variazioni
sul tema. Qui, però, sembra opportuno proporre una definizione autonoma di
"preindividuale" : non contraddittoria con quella di Simondon, beninteso, ma da essa
indipendente. Non è difficile riconoscere che, sotto la medesima etichetta, coesistono
ambiti e livelli assai diversi.
Preindividuale è, in primo luogo, la percezione sensoriale, la motilità, il fondo biologico

98
della specie. E’ stato Merleau-Ponty, nella sua Fenomenologia della percezione, a
osservare che "io non ho coscienza di essere il vero soggetto della mia sensazione più di
quanto abbia coscienza di essere il vero soggetto della mia nascita e della mia morte"
(Merleau-Ponty 1945 : 293). E ancora : "la vista, l’udito il tatto, con i loro campi, sono
anteriori e rimangono estranei alla mia vita personale" (ivi : 451). La sensazione rifugge
da una descrizione in prima persona : quando percepisco, non è un individuo
individuato a percepire, ma la specie come tale. Alla motilità e alla sensibilità si addice
solo l’anonimo pronome "si" : si vede, si ode, si prova dolore o piacere. E’ ben vero che
la percezione ha talvolta una tonalità autoriflessiva : basti pensare al tatto, a quel toccare
che è sempre, anche, un venir toccati dall’oggetto che si sta maneggiando. Colui che
percepisce, avverte sé medesimo allorché si protende verso la cosa. Ma si tratta di un
autoriferimento senza individuazione. E’ la specie che si autoavverte nel maneggio, non
una singolarità autocosciente. Sbaglia chi, identificando due concetti indipendenti,
sostiene che, dove vi è autoriflessione, lì si può constatare anche un’individuazione ; o,
viceversa, che, non essendovi individuazione, neanche è lecito parlare di autoriflessione.

Preindividuale, a un livello più determinato, è la lingua storico-naturale della propria


comunità di appartenenza. La lingua inerisce a tutti i locutori della comunità data, non
diversamente da un "ambiente" zoologico, o da un liquido amniotico tanto avvolgente
quanto indifferenziato. La comunicazione linguistica è intersoggettiva ben prima che si
formino dei veri e propri "soggetti". Essendo di tutti e di nessuno, anche al suo riguardo
primeggia l’anonimo "si" : si parla. E’ stato soprattutto Vygotskij a sottolineare il
carattere preindividuale, o immediatamente sociale, della locuzione umana : l’uso della
parola, da principio, è interpsichico, cioè pubblico, condiviso, impersonale.
Contrariamente a quanto riteneva Piaget, non si tratta di evadere da una originaria
condizione autistica (cioè iperindividuale), imboccando la via di una progressiva
socializzazione ; al contrario, il fulcro dell’ontogenesi consiste, per Vygotskij, nel
passaggio da una socialità a tutto tondo all’individuazione del parlante : "il movimento
reale del processo di sviluppo del pensiero infantile si compie non dall’individuale al
socializzato, ma dal sociale all’individuale" (Vygotskij 1934 : 350). Il riconoscimento
del carattere preindividuale ("interpsichico") della lingua fa sì che Vygotskij anticipi
Wittgenstein nella confutazione di qualsivoglia "linguaggio privato" ; inoltre, ed è ciò
che più conta, permette di includerlo a buon diritto nella scarna lista dei pensatori che
hanno messo al centro della scena la questione del principium individuationis. Tanto per
Vygotskij che per Simondon, l’"individuazione psichica" (ossia la costituzione dell’Io
autocosciente) avviene sul terreno linguistico, non su quello percettivo. Detto
altrimenti : mentre il preindividuale insito nella sensazione sembra destinato a rimanere
perennemente tale, il preindividuale coincidente con la lingua è invece suscettibile di
una differenziazione interna che ha per esito l’individualità. Non è il caso, qui, di
vagliare criticamente i modi con cui, per Simondon e per Vygotskij, si compie la
singolarizzazione del parlante ; né, tanto meno, di accludere qualche ipotesi
supplementare. Ciò che importa è solo fissare lo scarto tra ambito percettivo (dotazione
biologica senza individuazione) e ambito linguistico (dotazione biologica come base
dell’individuazione).
Preindividuale, infine, è il rapporto di produzione dominante. Nel capitalismo
sviluppato, il processo lavorativo mobilita i requisiti più universali della specie :
percezione, linguaggio, memoria, affetti. Ruoli e mansioni, in ambito postfordista,
coincidono largamente con l’"esistenza generica", con il Gattungswesen di cui parlano
Feuerbach e il Marx dei Manoscritti economico-filosofici a proposito delle più basilari
facoltà del genere umano. Preindividuale è certamente l’insieme delle forze produttive.

99
Tra esse, però, ha un rilievo eminente il pensiero. Si badi : il pensiero oggettivo, non
correlabile a questo o a quell’"io" psicologico, la cui verità non dipende dall’assenso dei
singoli. Al suo riguardo, Gottlob Frege ha utilizzato una formula forse goffa, ma non
poco efficace : "pensiero senza portatore" (cfr. Frege 1918) . Marx ha coniato invece
l’espressione, famosa e controversa, di general intellect, intelletto generale : solo che,
per lui, il general intellect (cioè il sapere astratto, la scienza, la conoscenza impersonale)
è anche il "pilastro centrale nella produzione della ricchezza", là dove per "ricchezza"
deve intendersi, qui e ora, plusvalore assoluto e relativo. Il pensiero senza portatore,
ossia il general intellect, imprime la sua forma al "processo vitale stesso della società"
(Marx 1857-1858 : 403), istituendo gerarchie e relazioni di potere. In breve : è una
realtà preindividuale storicamente qualificata. Su questo punto, non mette conto
insistere più di tanto. Basti tenere presente che, al preindividuale percettivo e a quello
linguistico, occorre aggiungere un preindividuale storico.

Soggetto anfibio

Il soggetto non coincide con l’individuo individuato, ma comprende in sé, sempre, una
certa quota ineliminabile di realtà preindividuale. E’ un composto instabile, un che di
spurio. Ecco la prima delle due tesi di Simondon su cui si vorrebbe richiamare
l’attenzione. "Esiste negli esseri individuati una certa carica di indeterminato, cioè di
realtà preindividuale, che è passata attraverso l’operazione di individuazione senza
essere effettivamente individuata. Si può chiamare natura questa carica di
indeterminato" (Simondon 1989 : 210). E’ del tutto errato ridurre il soggetto a quel che,
in esso, vi è di singolare : "Si attribuisce abusivamente il nome di individuo a una realtà
più complessa, quella del soggetto completo, che porta in sé, oltre alla realtà
individuata, un aspetto non individuato, preindividuale, ovvero naturale" (ivi : 204). Il
preindividuale è avvertito anzitutto come una sorta di passato irrisolto : la "realtà del
possibile", da cui scaturì la singolarità ben definita, persiste ancora a fianco di
quest’ultima ; la diacronia non esclude la concomitanza. Per altri versi, il preindividuale
di cui è intimamente intessuto il soggetto si manifesta come ambiente dell’individuo
individuato. Il contesto ambientale (percettivo, o linguistico, o storico), in cui si inscrive
l’esperienza del singolo, è, in effetti, una componente intrinseca (se si vuole : interiore)
del soggetto. Il soggetto non ha un ambiente, ma è, in una certa sua parte (quella non
individuata), ambiente. Da Locke a Fodor, le filosofie che trascurano la realtà
preindividuale del soggetto, ignorando dunque quel che in esso è ambiente, sono
destinate a non trovare più una via di transito tra "interno" ed "esterno, tra Io e mondo.
Cadono dunque nel fraintendimento denunciato da Simondon : equiparare il soggetto
all’individuo individuato.
La nozione di soggettività è anfibia. L’"io parlo"convive con il "si parla" ; l’irripetibile è
intrecciato al ricorsivo e al seriale. Più precisamente, nell’ordito del soggetto figurano,
come parti integranti, la tonalità anonima del percepito (la sensazione come sensazione
della specie), il carattere immediatamente interpsichico o "pubblico" della lingua
materna, la partecipazione all’impersonale general intellect. La coesistenza di
preindividuale e individuato in seno al soggetto è mediata, secondo Simondon, dagli
affetti. Emozioni e passioni segnalano la provvisoria integrazione dei due lati. Ma anche
l’eventuale loro scollamento : non mancano crisi, recessioni, catastrofi. Vi è timor
panico, o angoscia, allorché non si sappia comporre gli aspetti preindividuali della
propria esperienza con quelli individuati : "nell’angoscia il soggetto si sente esistere
come problema per sé medesimo, sente la sua divisione in natura preindividuale ed
essere individuato ; l’essere individuato è qui e ora, e questo qui e questo ora

100
impediscono a una infinità di altri qui e di altri ora di manifestarsi : il soggetto prende
coscienza di sé come natura, come indeterminato (apeiron) che non potrà mai
attualizzare in un hic et nunc, che non potrà mai vivere" (ivi : 111). E’ dato constatare,
qui, una straordinaria convergenza obiettiva tra l’analisi di Simondon e la diagnosi delle
"apocalissi culturali" proposta da Ernesto de Martino. Il punto cruciale, per de Martino
come per Simondon, sta nel fatto che l’ontogenesi, cioè l’individuazione, non è mai
garantita una volta per tutte : può tornare sui propri passi, infragilirsi, conflagrare. L’"Io
penso", oltre ad avere una genesi accidentata, è parzialmente retrattile, soverchiato da
quanto lo eccede. Secondo de Martino, talvolta il preindividuale sembra sommergere
l’io singolarizzato : quest’ultimo è come risucchiato nell’anonimia del "si". Talaltra, in
modo opposto e simmetrico, ci si sforza vanamente di ridurre tutti gli aspetti
preindividuali della nostra esperienza alla singolarità puntuale. Le due patologie -
"catastrofe del confine io-mondo nelle due modalità della irruzione del mondo
nell’esserci e del deflusso dell’esserci nel mondo" (E. de Martino 1977 : 76) - sono solo
gli estremi di una oscillazione che, in forme più contenute, è però costante e
insopprimibile.
Troppe volte il pensiero critico del Novecento (si pensi in particolare alla "scuola di
Francoforte") ha intonato una nenia malinconica sulla presunta lontananza
dell’individuo dalle forze produttive sociali, nonché sulla sua separazione dalla potenza
insita nelle facoltà universali della specie (linguaggio, pensiero ecc.). L’infelicità del
singolo è stata imputata, per l’appunto, a questa lontananza o separazione. Un’idea
suggestiva, ma sbagliata. Le "passioni tristi", per dirla con Spinoza, insorgono piuttosto
dalla massima vicinanza, anzi dalla simbiosi, tra individuo individuato e preindividuale,
laddove questa simbiosi si presenti come squilibrio e lacerazione. Nel bene come nel
male, la moltitudine mostra la commistione indistricabile di "io" e "si", singolarità
irripetibile e anonimia della specie, individuazione e realtà preindividuale. Nel bene :
ciascuno dei "molti", avendo l’universale alle proprie spalle, a mo’ di premessa o
antefatto, non abbisogna di quell’universalità posticcia che lo è Stato. Nel male :
ciascuno dei "molti", in quanto soggetto anfibio, può sempre scorgere nella sua propria
realtà preindividuale una minaccia, o almeno una fonte di insicurezza. Il concetto etico-
politico di moltitudine è incardinato sia al principio di individuazione che alla sua
costitutiva incompletezza.

Marx, Simondon, Vygotskij : il concetto di "individuo sociale"

In un celebre brano dei Grundrisse (il cosiddetto "Frammento sulle macchine"), Marx
indica con l’epiteto di "individuo sociale" il solo protagonista verosimile di qualsivoglia
trasformazione radicale dello stato di cose presente (cfr. Marx 1857-1858 : 389-403). A
tutta prima, l’"individuo sociale" sembra un ossimoro civettuolo, una arruffata unità dei
contrari, insomma un manierismo hegeliano. E’ possibile, invece, prendere questo
concetto alla lettera, fino a farne uno strumento di precisione per rilevare modi di
essere, inclinazioni e forme di vita contemporanei. Ma ciò è possibile, in buona misura,
proprio grazie alla riflessione di Simondon e di Vygotskij sul principio di
individuazione.
Nell’aggettivo "sociale" occorre ravvisare le fattezze di quella realtà preindividuale,
che, secondo Simondon, pertiene a ogni soggetto. Così come nel sostantivo "individuo"
va riconosciuta l’avvenuta singolarizzazione di ciascun componente dell’odierna
moltitudine. Quando parla di "individuo sociale", Marx si riferisce all’intreccio tra
"esistenza generica" (Gattungswesen) ed esperienza irripetibile, che della soggettività è
il sigillo. Non è un caso se l’"individuo sociale" fa la sua comparsa nelle medesime

101
pagine dei Grundrisse in cui viene introdotta la nozione di general intellect, di un
"intelletto generale" che costituisce la premessa universale (o preindividuale), nonché il
comune spartito, per le opere e i giorni dei "molti". Il lato sociale dell’"individuo
sociale" è, senza dubbio, il general intellect, ovvero, con Frege, il "pensiero senza
portatore". Non solo, però : esso consiste anche nel carattere fin da subito interpsichico,
cioè pubblico, della comunicazione umana, messo a fuoco con grande efficacia da
Vygotskij. Inoltre, se si traduce correttamente ’sociale’ con ’preindividuale’, bisognerà
riconoscere che l’individuo individuato di cui parla Marx si staglia pure sullo sfondo
dell’anonima percezione sensoriale.
Sociale in senso forte è tanto l’insieme delle forze produttive storicamente definite,
quanto la dotazione biologica della specie. Non si tratta di una congiunzione estrinseca,
o di una mera sovrapposizione. C’è di più. Il capitalismo pienamente sviluppato implica
la piena coincidenza tra le forze produttive e gli altri due tipi di realtà preindividuale (il
"si percepisce" e il "si parla"). Il concetto di forza-lavoro dà a vedere questa perfetta
fusione : in quanto generica potenza fisica e linguistico-intellettiva di produrre, la forza-
lavoro è, sì, una determinazione storica, ma include in sé per intero quell’apeiron, o
natura non individuata, di cui discute Simondon, nonché il carattere impersonale della
lingua, che Vygotskij illustra in lungo e in largo. L’"individuo sociale" segna l’epoca in
cui la convivenza di singolare e preindividuale cessa di essere un’ipotesi euristica, o un
celato presupposto, ma diventa fenomeno empirico, verità sbalzata in superficie,
pragmatico dato di fatto. Si potrebbe dire : l’antropogenesi, ossia la stessa costituzione
dell’animale umano, giunge a manifestarsi sul piano storico-sociale, si fa infine visibile
a occhio nudo, conosce una sorta di materialistica rivelazione. Le cosiddette "condizioni
trascendentali dell’esperienza", anziché restare sullo sfondo, vengono in primissimo
piano e, quel che più conta, diventano, esse pure, oggetto di esperienza immediata.
Un’ultima osservazione, marginale ma non troppo. L’"individuo sociale" incorpora le
forze produttive universali, declinandole però secondo modalità differenziate e
contingenti ; è effettivamente individuato, anzi, proprio perché dà loro una
configurazione singolare, traducendole in una specialissima costellazione di cognizioni
e affetti. Per questo, fallisce ogni tentativo di circoscrivere l’individuo per via negativa :
non l’ampiezza di ciò che vi è escluso, ma l’intensità di ciò che vi converge provvede a
connotarlo. Né si tratta di una positività accidentale e sregolata, infine ineffabile (per
inciso : nulla è più monotono, e meno individuale, dell’ineffabile). L’individuazione è
scandita dalla progressiva specificazione, nonché dalla combinazione eccentrica, di
regole e paradigmi generali : non è il buco nella rete, ma il luogo in cui le maglie sono
più fitte. A proposito della singolarità irripetibile, si potrebbe parlare di un surplus di
legislazione. Per dirla con la fraseologia dell’epistemologo, le leggi che qualificano
l’individuale non sono né "asserzioni universali" (valide cioè per tutti casi di un
complesso omogeneo di fenomeni), né "asserzioni esistenziali" (rilevazioni di dati
empirici al di fuori di qualsiasi regolarità o schema connettivo) : sono invece vere e
proprie leggi singolari. Leggi, perché dotate di una struttura formale virtualmente
comprensiva di una "specie" intera. Singolari, perché regole di un unico caso, non
generalizzabile. Le leggi singolari raffigurano l’individuale con la precisione e la
trasparenza riservate di norma a una "classe" logica : ma, si badi, una classe di un
individuo solo.
Chiamiamo moltitudine l’insieme di "individui sociali". Vi è una sorta di preziosa
concatenazione semantica tra l’esistenza politica dei molti in quanto molti, l’antico
rovello filosofico circa il principium individuationis, lo nozione marxiana di "individuo
sociale" (decifrata, con l’ausilio di Simondon, come inestricabile impasto di contingente
singolarità e realtà preindividuale). Questa concatenazione semantica permette di

102
ridefinire alla radice natura e funzioni della sfera pubblica e dell’azione collettiva. Una
ridefinizione che, va da sé, scardina il canone etico-politico basato sul "popolo" e la
sovranità statale. Si potrebbe dire - con Marx, ma fuori e contro buona parte del
marxismo - che la "sostanza di cose sperate" sta nel conferire il massimo risalto e il
massimo valore all’esistenza irripetibile di ogni singolo membro della specie. Per
paradossale che possa sembrare, quella di Marx dovrebbe venire intesa, oggi, come una
teoria rigorosa, cioè realistica e complessa, dell’individuo. Dunque, come una teoria
dell’individuazione.

Il collettivo della moltitudine

Esaminiamo ora la seconda tesi di Simondon. Essa non ha precedenti di sorta. E’


controintuitiva, ossia viola radicati convincimenti del senso comune (come accade, del
resto, a molti altri "predicati" concettuali della moltitudine). Di solito si reputa che
l’individuo, non appena partecipi a un collettivo, debba dimettere almeno alcune delle
sue caratteristiche propriamente individuali, rinunciando a certi variopinti e
imperscrutabili segni distintivi. Nel collettivo, così sembra, la singolarità si stempera, è
menomata, regredisce. Ebbene, a giudizio di Simondon, questa è una superstizione :
epistemologicamente ottusa, eticamente sospetta. Una superstizione alimentata da
coloro che, trascurando con disinvoltura la questione del processo di individuazione,
presumono che il singolo sia un immediato punto di partenza. Se invece si ammette che
l’individuo proviene dal suo opposto, cioè dall’universale indifferenziato, il problema
del collettivo prende tutt’altro aspetto. Per Simondon, contrariamente a quanto asserisce
un senso comune deforme, la vita di gruppo è l’occasione di una ulteriore e più
complessa individuazione. Lungi dal regredire, la singolarità si affina e tocca il suo
acme nell’agire di concerto, nella pluralità delle voci, insomma nella sfera pubblica.
Il collettivo non lede, né attenua l’individuazione, ma la prosegue, potenziandola a
dismisura. Questa prosecuzione riguarda la quota di realtà preindividuale che il primo
processo di individuazione aveva lasciato irrisolta. Scrive Simondon : "Non si deve
parlare di tendenze dell’individuo al gruppo ; perché queste tendenze non sono, a
parlare propriamente, tendenze dell’individuo in quanto individuo ; esse sono la non-
risoluzione dei potenziali che hanno preceduto la genesi dell’individuo. L’essere che
precede l’individuo non è stato individuato senza resto ; non è stato totalmente risolto in
individuo e ambiente ; l’individuo ha conservato in sé un che di preindividuale, sicché
tutti gli individui insieme hanno una sorta di sfondo non strutturato a partire dal quale
una nuova individuazione può prodursi" (Simondon 1989 : 195, corsivo mio). E
ancora : "Non già in quanto individui gli esseri sono correlati gli uni agli altri nel
collettivo, ma in quanto soggetti, cioè in quanto esseri che hanno in sé un che di
preindividuale" (ivi : 205). Il gruppo ha il suo fondamento nell’elemento preindividuale
(si percepisce, si parla ecc.) presente in ogni soggetto. Ma, nel gruppo, la realtà
preindividuale intrecciata alla singolarità si individua a sua volta, assumendo una
fisionomia peculiare.
L’istanza del collettivo è ancora un’istanza di individuazione : la posta in gioco consiste
nell’imprimere una forma contingente e inconfondibile all’apeiron (indeterminato),
ossia alla "realtà del possibile" che precede la singolarità ; all’universo anonimo della
percezione sensoriale ; al "pensiero senza portatore" o general intellect. Il
preindividuale, inamovibile in seno al soggetto isolato, può assumere però un aspetto
singolarizzato nelle azioni e nelle emozioni dei molti. Così come in un quartetto il
violoncellista, interagendo con gli altri artisti esecutori, coglie qualcosa del suo stesso
spartito che fino ad allora gli era sfuggito. Ciascuno dei molti personalizza

103
(parzialmente e provvisoriamente) la propria componente impersonale tramite le
vicissitudini tipiche dell’esperienza pubblica. L’esposizione agli occhi degli altri,
l’azione politica priva di garanzie, la dimestichezza con il possibile e l’imprevisto,
l’amicizia e l’inimicizia, tutto ciò offre all’individuo il destro per appropriarsi in
qualche misura dell’anonimo "si" da cui proviene, per trasformare in biografia
inconfondibile il Gattungswesen, l’"esistenza generica" della specie. Contrariamente a
quanto riteneva Heidegger, è solo nella sfera pubblica che si può passare dal "si" al "se
stesso".
L’individuazione di secondo grado, che Simondon chiama anche "individuazione
collettiva" (un ossimoro affine a quello contenuto nella locuzione "individuo sociale"), è
un tassello importante per pensare in modo adeguato la democrazia non
rappresentativa. Poiché il collettivo è teatro di una accentuata singolarizzazione
dell’esperienza, ovvero costituisce il luogo in cui può finalmente esplicarsi ciò che in
ogni vita umana è incommensurabile e irripetibile, nulla di esso si presta a essere
estrapolato o, peggio che mai, "delegato". Ma si badi : il collettivo della moltitudine, in
quanto individuazione del general intellect e del fondo biologico della specie, è l’esatto
contrario di qualsivoglia anarchismo ingenuo. Al suo confronto, è piuttosto il modello
della rappresentanza politica, con tanto di volonté générale e "sovranità popolare", a
figurare come una intollerabile (e talvolta feroce) semplificazione. Il collettivo della
moltitudine non stringe patti, né trasferisce diritti al sovrano, perché è un collettivo di
singolarità individuate : per esso, ripetiamolo ancora una volta, l’universale è una
premessa, non già una promessa.

BIBLIOGRAFIA

DE MARTINO E. (1977), La fine del mondo. Contributo all’analisi delle apocalissi


culturali, Einaudi, Torino.

FREGE G. (1918), Der Gedanke. Eine Logische Untersuchung ; trad. it. Il pensiero.
Una ricerca logica, in Id., Ricerche logiche, Guerini e Associati, Milano 1988.

HOBBES Th. (1642), De Cive, trad. it. Editori Riuniti, Roma 1979.

MARX K. (1857-1858), Grundrisse der Kritik der politischen Oekonomie ; trad. it.
Lineamenti fondamentali della critica dell’economia politica, 2 voll., La Nuova Italia,
Firenze 1968-1970.

MERLEAU-PONTY M. (1945), Phénoménologie de la perception ; trad. it.


Fenomenologia della percezione, Il Saggiatore, Milano 1965.

SIMONDON G. (1989), L’individuation psychique et collective ; trad. it. (in


preparazione) L’individuazione psichica e collettiva, DeriveApprodi, Roma 2001.

VYGOTSKIJ L. S. (1934), Myslenie i rec’ ; trad. it. Pensiero e linguaggio, Laterza,


Bari 1990.

http://multitudes.samizdat.net/article.php3?id_article=332

104
Multitud y principio de individuación
par Paolo Virno

Mise en ligne décembre 2001

Traduction espagnole de Multitude et principe d’individuation, Multitudes 7 : décembre


2001, Majeure : Après Gênes, après New York

Las formas de vida contemporáneas atestiguan la disolución del concepto de "pueblo" y


de la renovada pertinencia del concepto de "multitud". Estrellas fijas del gran debate del
siglo XVII, y, hallándose en el origen de una buena parte de nuestro léxico ético-
político, estos dos conceptos se sitúan en las antípodas el uno del otro. El "pueblo" es de
naturaleza centrípeta, converge en una voluntad general, es el interfaz o el reflejo del
Estado ; la "multitud" es plural, huye de la unidad política, no firma pactos con el
soberano, no porque no le relegue derechos, sino porque es reacia a la obediencia,
porque tiene inclinación a ciertas formas de democracia no representativa. En la
multitud, Hobbes verá el mayor peligro para el aparato del Estado ("Los ciudadanos,
cuando se rebelan contra el estado, representan a la multitud contra el pueblo." Hobbes,
1652 : XI, I y XII, 8). Spinoza descubrirá precisamente ahí, en la multitud, la raíz de la
libertad. Desde el siglo XVII, y casi sin excepciones, es el "pueblo" quien la obtiene y
gestiona. La existencia política de las múltiples, en tanto que múltiples, fue apartada del
horizonte de la modernidad : no sólo por los teóricos del Estado absolutista, sino
también por Rousseau, por la tradición liberal y por el propio movimiento socialista. Sin
embargo, hoy la multitud se desquita al caracterizar todos los aspectos de la vida social :
los hábitos y la mentalidad del trabajo posfordista, los juegos de lenguaje, las pasiones y
los afectos, las formas de concebir la acción colectiva. Cuando constatamos este
desquite, es necesario evitar al menos dos o tres necedades. No es que la clase obrera se
haya disipado con arrobo para dejar sitio a las "múltiples", sino más bien, y la cosa
resulta mucho más complicada y mucho más interesante, que los obreros de hoy en día,
permaneciendo obreros, no tienen la fisonomía del pueblo, pero son el ejemplo perfecto
del modo de ser de la multitud. Además, afirmar que las "múltiples" caracterizan las
formas de vida contemporánea, no tiene nada de idílico : la caracterizan tanto para bien
como para mal, tanto en el servilismo como en el conflicto. Se trata de un modo de ser,
diferente del modo de ser "popular", es cierto, pero, en sí, no desprovisto de
ambivalencia, con una dosis de venenos específicos. La multitud no aparta con gesto de
travieso la cuestión del universal, de lo que es común, compartido : la cuestión del
Uno ; más bien la redefine por completo. Tenemos, para empezar, una inversión del
orden de los factores : el pueblo tiende hacia el Uno, las "múltiples" se derivan del Uno.
Para el pueblo, la universalidad es una promesa ; para las "múltiples", es una premisa.
Cambia también la propia definición de lo que es común, de lo que se comparte. El Uno
alrededor del cual gravita el pueblo es el Estado, el soberano, la voluntad general ; el
Uno que la multitud tiene tras de sí es el lenguaje, el intelecto como recurso público e
interpsíquico, las facultades genéricas de la especie. Si la multitud huye de la unidad del
Estado, es solamente porque comunica con un Uno diferente, preliminar antes que
concluso. Y es sobre esta correlación que hay que preguntarse más en profundidad. La
aportación de Gilbert Simondon, filósofo muy querido por Deleuze, sobre esta cuestión
es muy importante. Su reflexión trata de los procesos de individuación. La
individuación, esto es, el paso del bagaje psicosomático genérico del animal humano a

105
la configuración de una singularidad única es, quizá, la categoría que, más que ninguna
otra, le es inherente a la multitud. Si prestamos atención a la categoría de pueblo,
veremos que se refiere a una miríada de individuos no individualizados, es decir,
comprendidos como sustancias simples o átomos solipsistas. Justo porque constituyen
un punto de partida inmediato, antes que el resultado último de un proceso lleno de
imprevistos, tales individuos tienen la necesidad de la unidad/universalidad que
proporciona la estructura del Estado. Por el contrario, si hablamos de la multitud,
ponemos precisamente el acento en la individuación, o en la derivación de cada una de
las "múltiples" a partir de algo de unitario/universal. Simondon, al igual que, por otras
razones, el psicólogo soviético Lev Semenovitch Vygotski y el antropólogo italiano
Ernesto de Martino, han llamado la atención sobre parecida desviación. Para estos
autores, la ontogénesis, es decir, las fases del desarrollo del "yo" [je] singular, es
consciente de sí misma, es la philosophia prima, único análisis claro del ser y del
devenir. Y la ontogénesis es philosofia prima precisamente porque coincide en todo y
para todo con el "principio de individuación". La individuación permite modelar una
relación Uno/múltiples diferente de la que se esbozaba un poco antes (diferente de la
que identifica el Uno con el Estado). Se trata, así, de una categoría que contribuye a
fundar la noción ético-política de multitud. Gaston Bachelard, epistemólogo entre los
más grandes del siglo veinte, ha escrito que la física cuántica es un "sujeto gramatical"
en relación al cual parece oportuno emplear los más heterogéneos predicados
filosóficos : si a un problema singular se adapta bien un concepto filosófico, en otro
puede convenir, por qué no, un plano de la lógica hegeliana o una noción extraída de la
psicología gestaltista. Del mismo modo, la manera de ser de la multitud ha de calificarse
con atributos que se encuentran en contextos muy diferentes, a veces incluso exclusivos
entre ellos : Reparemos, por ejemplo, en la antropología filosófica de Gehlen
(indigencia biológica del animal humano, falta de un "medio" [milieu] definido, pobreza
de los instintos especializados ; en las páginas de Ser y Tiempo consagradas a la vida
cotidiana (habladurías, curiosidad, equívoco, etc.) ; en la descripción de los diversos
juegos de lenguaje efectuados por Wittgenstein en las Investigaciones filosóficas.
Ejemplos todos discutibles. Por el contrario, incontestablemente, dos tesis de Simondon
son absolutamente importantes en tanto que "predicados" del concepto de multitud : 1)
el sujeto es una individuación siempre parcial e incompleta, consistente más bien en los
rasgos cambiantes de aspectos pre-individuales y de aspectos efectivamente singulares ;
2) la experiencia colectiva, lejos de señalar su desintegración o eclipse, persigue y afina
la individuación. Si olvidamos otras muchas consideraciones (incluida la cuestión,
evidentemente central, de cómo se realiza la individuación, según Simondon) vale aquí
la pena concentrarse en estas tesis, en tanto que contrarias a la intuición, e incluso
escabrosas.

Pre-individual

Volvamos al comienzo. La multitud es una red de individuos. El término "múltiples"


indica un conjunto de singularidades contingentes. Estas singularidades no son, sin
embargo, una circunstancia sin nombre, sino, por el contrario, son el resultado complejo
de un proceso de individuación. Resulta evidente que el punto de partida de toda
verdadera individuación es algo aún no individual. Lo que es único, no reproducible,
pasajero, proviene, de hecho, de lo que es más indiferenciado y genérico. Las
características particulares de la individualidad arraigan en un conjunto de paradigmas
universales. Ya hablar de principium individuationis significa postular una inherencia
extremadamente sólida entre lo singular, y una forma u otra de potencia anónima. Lo

106
individual es tal, no porque se sostenga en el límite de lo que es potente, como un
zombie exangüe y rencoroso, sino porque es potencia individuada ; y es potencia
individuada porque es tan sólo una de las individuaciones posibles de la potencia. Para
establecer lo que ha precedido a la individuación, Simondon emplea la expresión, bien
poco críptica, de realidad pre-individual. A cada una de las "múltiples" le es familiar
este polo antitético. Pero, ¿qué es exactamente lo pre-individual ? Simondon escribe :
« Se podría llamar naturaleza a esta realidad pre-individual que el individuo lleva
consigo, tratando de encontrar en la palabra naturaleza el significado que le daban los
filósofos presocráticos : los Fisiólogos jónicos encontraban ahí el origen de todas las
especies de ser, anterior a la individuación : la naturaleza es realidad de lo posible que,
bajo las especies de este apeirón del que habla Anaximandro, hace surgir toda forma
individuada ; la Naturaleza no es lo contrario del Hombre, sino la primera fase del ser,
siendo la segunda la oposición entre el individuo y el entorno [milieu] ». Naturaleza,
apeirón (indeterminado), realidad de lo posible, ser aún desprovisto de fases ;
podríamos continuar con diferentes variaciones sobre el tema. Sin embargo, aquí parece
oportuno proponer una definición autónoma de lo "pre-individual", no contradictoria
respecto de la de Simondon, sino independiente de ella. No es difícil reconocer que,
bajo la misma etiqueta, existen contextos y niveles muy diferentes. Lo pre-individual es,
en primer lugar, la percepción sensorial, la motricidad, el fondo biológico de la especie.
Es Merleau-Ponty, en su Phénoménologie de la perception, quien observa que « Yo no
tengo más consciencia de ser el verdadero sujeto de mi sensación que [la que tengo] de
mi nacimiento o de mi muerte » (Merleau-Ponty, 1945, p.249). Y también : « La visión,
el oído, tocar, con sus campos que son anteriores y permanecen extraños a mi vida
personal » (Merleau-Ponty, 1945, p. 399). La sensación escapa a la descripción en
primera persona : cuando percibo, no es un individuo singular quien percibe, sino la
especie como tal. A la motricidad y a la sensibilidad se le añaden tan solo el pronombre
anónimo "se" : se ve, se oye, se experimenta placer o dolor. Es cierto que la percepción
tiene a veces una tonalidad autorreflexiva : basta con pensar en tocar, en ese tocar que es
también siempre ser tocado por el objeto que se manipula. Quien percibe se percibe a sí
mismo avanzando hacia la cosa. Pero se trata de una autorreferencia sin individuación.
Es la especie quien se auto-percibe de la conducta, y no una singularidad
autoconsciente. Nos equivocamos si identificamos, si vemos relación entre dos
conceptos independientes, si mantenemos que ahí en donde hay auto-reflexión podemos
también constatar una individuación ; o, inversamente, que si no hay individuación ya
no podemos hablar de autorreflexión. Lo pre-individual, en un nivel más determinado,
es la lengua histórico-natural de su propia comunidad de pertenencia. La lengua es
inherente a todos los locutores de la comunidad dada, como lo es un "medio" [milieu]
zoológico o un líquido amniótico, a un tiempo envolvente e indiferenciado. La
comunicación lingüística es intersubjetiva y existe mucho antes de que se formen
verdaderos "sujetos" propiamente dichos : está en todos y en nadie, para ella también
reina lo anónimo "se" : se habla. Es sobre todo Vygotski quien ha señalado el carácter
pre-individual, o inmediatamente social, de la locución humana : el uso de la palabra,
primeramente es inter-psíquico, es decir, público, compartido, impersonal.
Contrariamente a lo que pensaba Piaget, no se trata de evadirse de una condición
original autista (es decir, hiperindividual, tomando la vía de una socialización
progresiva ; al contrario, lo esencial de la ontogénesis consiste, para Vygotski, en el
paso de una socialidad completa a la individuación del ser hablante : « el movimiento
real del proceso de desarrollo del pensamiento del niño no se realiza de lo individual a
lo socializado, sino de lo social a lo individual » (Vygotski, 1985). El reconocimiento
del carácter pre-individual ("inter-psíquico") de la lengua posibilita que de algún modo

107
Vigotski se anticipe a Wittgenstein en la refutación de "un lenguaje privado", del tipo
que sea. Por otro lado, y es lo que aquí más importa, eso le permite inscribirse en la
corta lista de pensadores que han tratado la cuestión del principium individuationis.
Tanto para Vygotski como para Simondon, la "individuación psíquica" (es decir, la
construcción del Yo [Moi] consciente) sobreviene en el terreno lingüístico, y no en el de
la percepción. En otros términos : en tanto que lo pre-individual inherente a la sensación
parece destinado a permanecer por siempre tal cual es, lo pre-individual que
corresponde a la lengua es susceptible de una diferenciación interna que desemboca en
la individualidad. No se tratará, aquí, de examinar de manera crítica el modo en que
para Vygoski y para Simondon se realiza la singularización del ser hablante ; y menos
aún de añadir hipótesis suplementaria alguna. Lo importante es únicamente establecer la
diferencia entre el dominio perceptivo (bagaje biológico sin individuación) y el dominio
lingüístico (bagaje biológico como base de la individuación). Finalmente, lo pre-
individual es la relación de producción dominante. En el capitalismo desarrollado, el
proceso de trabajo requiere las cualidades de trabajo más universales : la percepción, el
lenguaje, la memoria, los afectos. Roles y funciones, en el marco del posfordismo,
coinciden profundamente con la "existencia genérica", con el Gattungswesen del que
hablan Feuerbach y el Marx de los Manuscritos económico-filosóficos a propósito de
las facultades más elementales del género humano. El conjunto de las fuerzas
productivas es, ciertamente, pre-individual. No obstante, el pensamiento tiene una
importancia particular entre esas fuerzas ; atención : el pensamiento objetivo, sin
relación con tal o tal "yo" [moi] psicológico, el pensamiento del cual la verdad no
depende del asentimiento de los seres singulares. Respecto a esto, Gottlob Frege ha
utilizado una fórmula quizá poco hábil, pero que no carece de eficacia : "pensamiento
sin soporte" (cf. Frege, 1918). Por el contrario, Marx ha forjado la célebre y
controvertida expresión de General intellect, intelecto general : el General intellect (es
decir, el saber abstracto, la ciencia, el conocimiento impersonal) es también el "principal
pilar de la producción de riqueza", ahí en donde por riqueza debemos entender aquí y
ahora, plusvalía absoluta y relativa. El pensamiento sin soporte o General intellect deja
su huella en el "proceso vital de la propia sociedad" (Marx, 1857-1858), al instaurar
jerarquías y relaciones de poder. Resumiendo : es una realidad pre-individual
históricamente cualificada. Sobre este punto no vale la pena insistir más ; únicamente
retener que a lo pre-individual perceptivo y a lo pre-individual lingüístico es necesario
añadirle un pre-individual histórico.

Sujeto anfibio

El sujeto no coincide con el individuo individuado sino contiene en sí, siempre, una
cierta proporción irreductible de realidad pre-individual ; es un precipitado inestable,
algo compuesto. Es ésta la primera de las dos tesis de Simondon sobre la cual quisiera
llamar la atención. "Existe en los seres individuados una cierta carga de indeterminado,
esto es, de realidad pre-individual, que ha pasado a través de la operación de
individuación sin ser efectivamente individuada. Podemos llamar naturaleza a esta
"carga de indeterminado" (Simondon, 1989, p. 210). Es completamente falso reducir el
sujeto a lo que es, en él, singular : "el nombre de individuo es abusivamente dado a una
realidad mucho más compleja, la del sujeto completo, que comporta en él, además de la
realidad individuada, un aspecto inindividuado, pre-individual, natural. " (Simondon,
1989, p. 204). Lo pre-individual es percibido ante todo como una suerte de pasado no
resuelto : la realidad de lo posible, de donde surge la singularidad bien definida, persiste
aún en los límites de esta última : la diacronía no excluye la concomitancia. Por otro

108
lado, lo pre-individual, que es el tejido íntimo del sujeto, constituye el medio [milieu]
del individuo individuado. El contexto (perceptivo, lingüístico o histórico) en el cual se
inscribe la experiencia del individuo singular es, en efecto, una componente intrínseca
(si se quiere, interior) del sujeto. El sujeto no es un entorno [milieu], sino que es, para
una cierta parte de él mismo (la no individuada) su entorno [milieu]. De Locke a Fodor,
los filósofos que desatienden la realidad pre-individual del sujeto, ignorando, así, lo que
en él es medio [milieu], están avocados a no encontrar vía de tránsito entre "interior" y
"exterior", entre el Yo [Moi] y el mundo. De ese modo se entregan al error que denuncia
Simondon : asimilar el sujeto al individuo individuado. La noción de subjetividad es
anfibia : el "Yo hablo" cohabita con el "se habla", lo que no podemos reproducir está
estrechamente mezclado con lo recursivo y con lo serial. Más precisamente : en el tejido
del sujeto se encuentran, como partes integrantes, la tonalidad anónima de lo que es
percibido (la sensación en tanto que sensación de la especie), el carácter
inmediatamente inter-psíquico o "público" de la lengua materna, la participación en el
General intellect impersonal. La coexistencia de lo pre-individual y de lo individuado en
el seno del sujeto está mediado por los afectos ; emociones y pasiones señalan la
integración provisional de los dos aspectos, pero también su eventual desapego : no
faltan crisis, ni recesiones ni catástrofes. Hay miedo, pánico o angustia cuando no se
sabe componer los aspectos pre-individuales de su propia experiencia con los aspectos
individuados : "En la angustia, el sujeto se siente existir como problema traído por él
mismo, y siente su división en naturaleza pre-individual y en ser individuado. El ser
individuado es aquí y ahora, y este aquí y este ahora impiden a una infinidad de otros
aquí y ahora venir a la luz ; el sujeto toma consciencia de él mismo como naturaleza,
como indeterminado (apeirón) que nunca podrá actualizarse hic et nunc, que no podrá
jamás vivir" (Simondon, 1989, p. 111). Hay que constatar aquí una extraordinaria
coincidencia objetiva entre el análisis de Simondon y el diagnóstico sobre los
"apocalipsis culturales" propuesto por Ernesto de Martino. El punto crucial, tanto para
de Martino como para Simondon, reside en el hecho de que la ontogénesis, es decir, la
individuación, no está garantizada de una vez por todas : puede regresar sobre sus
pasos, fragilizarse, estallar. El "Yo pienso", además del hecho de que posea una génesis
azarosa, es parcialmente retráctil, está desbordado por lo que le supera. Para de Martino,
lo pre-individual parece, a veces, inundar la singularidad : esta última es como aspirada
en el anonimato del "se". Otras veces, de manera opuesta y simétrica, nos fuerza en
vano a reducir todos los aspectos pre-individuales de nuestra experiencia a la
singularidad puntual. Las dos patologías -"catástrofes de la frontera yo-mundo en las
dos modalidades de la irrupción del mundo dentro del ser-ahí y del reflujo del ser-ahí en
el mundo" (E. de Martino, 1977) -son solamente los extremos de una oscilación que,
bajo formas más contenidas es, sin embargo, constante y no suprimible. Con demasiada
frecuencia el pensamiento crítico del siglo veinte (pensamos en particular en la escuela
de Francfort) ha entonado una cantinela melancólica acerca del supuesto alejamiento del
individuo con respecto a las fuerzas productivas y sociales, así como con respecto a la
potencia inherente a las facultades universales de la especie (lenguaje, pensamiento,
etc.). La desgracia del ser singular ha sido atribuida precisamente a este alejamiento o a
esta separación. Una idea sugestiva, pero falsa. Las "pasiones tristes", por decirlo con
Spinoza, surgen más bien de la proximidad máxima, e incluso de la simbiosis, entre el
individuo individuado y lo pre-individual, ahí en donde esta simbiosis se presenta como
desequilibrio y desgarro. Para bien y para mal, la multitud muestra la mezcla
inextricable de "yo" [je] y de "se", singularidad no reproducible y anónima de la
especie, individuación y realidad pre-individual. Para bien : al tener cada una de las
"múltiples" tras de sí el universal, a modo de premisa o de antecedente, no tiene la

109
necesidad de esta universalidad postiza que constituye el Estado. Para mal : cada una de
las "múltiples", en tanto que sujeto anfibio, puede siempre distinguir una amenaza en su
propia realidad pre-individual, o al menos una causa de inseguridad. El concepto ético-
político de multitud se funda tanto sobre el principio de individuación como sobre su
incomplitud constitutiva.

Marx, Simondon, Vygotski : el concepto de "individuo social". En un pasaje célebre de


losGrundrisse (que se titula "Fragmento sobre las máquinas"), Marx designa al
"individuo social" como al verdadero protagonista de cualquier transformación radical
del estado de las cosas presentes (cf. Marx, 1857-1858). En un primer momento, el
"individuo social" se parece a un oximoro coqueto, a la unidad desaliñada de los
contrarios ; en suma, a un manierismo hegeliano. Es posible, por el contrario, tomar este
concepto al pie de la letra, hasta convertirlo en un instrumento de precisión, para hacer
que resurgan formas de ser, las inclinaciones y las formas de vida contemporáneas. Pero
ello es posible, en buena medida, justamente gracias a la reflexión de Simondon y de
Vytgoski sobre el principio de individuación. En el adjetivo "social" hay que reconocer
los trazos de esta realidad pre-individual que, según Simondon, pertenece a todos los
sujetos. Como en el sustantivo "individuo", reconocemos la singularización advenida de
cada componente de la multitud actual. Cuando Marx habla de "individuo social", se
refiere a la intrincación entre "existencia genérica" ( Gattungswesen) y experiencia no
reproducible, que es la marca de la subjetividad. No es por azar que el "individuo
social" aparece en las mismas páginas de los Grundrisse en las que se introduce la
noción de Generall intellect, de un "intelecto general" que constituye la premisa
universal (o pre-individual), así como la partitura común para los trabajos y los días de
las "múltiples". La parte social del "individuo social" es, sin ninguna duda, el general
intellect , o bien, con Frege, el " pensamiento sin soporte ". Sin embargo, no sólo :
consiste también en el carácter de conjunto inter-psíquico, es decir, público, de la
comunicación humana, puesto de relieve muy claramente por Vygotski. Además, si
traducimos correctamente "social" por "pre-individual", tendremos que reconocer que el
individuo individuado del que habla Marx se perfila también sobre un fondo de
percepción sensorial anónimo. En sentido fuerte son sociales tanto el conjunto de las
fuerzas productivas históricamente definidas como el bagaje biológico de la especie. No
se trata de una conjunción extrínseca, o de una simple superposición : el capitalismo
plenamente desarrollado implica la plena coincidencia entre las fuerzas productivas y
los dos otros tipos de realidad pre-individual (el "se percibe" y el "se habla"). El
concepto de fuerza de trabajo permite ver esta fusión perfecta : en tanto que capacidad
física genérica y capacidad intelectual-lingüística de producir, la fuerza de trabajo es,
decididamente, una determinación histórica, pero contiene en sí misma, completamente,
ese apeirón, esa naturaleza no individuada de la que habla, así como el carácter
impersonal de la lengua, que Vygotski ilustra en varios lugares.El "individuosocial"
marca la época en la cual la cohabitación entre singular y pre-individual deja de ser una
hipótesis eurística, o un presupuesto oculto, para devenir fenómeno empírico, verdad
arrojada a la superficie, estado de hecho pragmático. Se podría decir : la antropogénesis,
esto es, la constitución misma del animal humano, llega a manifestarse en el plano
histórico-social, deviene finalmente visible, al descubierto, conoce una suerte de
revelación materialista. Lo que se llama "las condiciones trascendentales de la
experiencia", en lugar de permanecer ocultas tras el telón, se presentan en primer plano,
y, lo que es más importante, devienen ellas también objetos de experiencia inmediata.
Una última observación, aparentemente marginal. El "individuo social" incorpora las
fuerzas productivas universales, no obstante declinarlas según modalidades

110
diferenciadas y contingentes ; al contrario, está efectivamente individuado justo porque
les da una configuración singular al convertirlas en una constelación muy especial de
conocimientos y de afectos. Es por esto que, toda tentativa de circunscribir al individuo
por la negativa, fracasa : no es la amplitudde lo que en él se excluye lo que llega a
caracterizarlo, sino la intensidad de lo que converge. Y no se trata de un positividad
accidental, desajustada y, finalmente, inefable (dicho sea de paso, nada es más
monótono y menos individual que lo inefable). La individuación se acompaña de la
especificación progresiva, así como por la especificación excéntrica de reglas y de
paradigmas generales : no es el agujero de la red, sino el punto en que las mallas están
más apretadas. A propósito de la singularidad no reproducible, podría hablarse de un
plusvalor de legislación. Para decirlo con la fraseología de la epistemología, las leyes
que cualifican lo individual no son ni "aserciones universales" (es decir, válidas para
todos los casos de un conjunto homogéneo de fenómenos) ni "aserciones existenciales"
(revelaciones de datos empíricos fuera de cualquier realidad o de un esquema
conectivo) ; se trata más bien de verdaderas leyes singulares. Leyes, porque dotadas de
una estructura formal comprenden virtualmente una "especie" entera ; singulares, en
tanto reglas de un solo caso, no generalizables. Las leyes singulares representan lo
individual con la precisión y la transparencia en principio reservadas a una clase
"lógica" ; pero, atención, una clase de un solo individuo. Llamamos multitud al conjunto
de los "individuos sociales". Hay una suerte de encadenamiento semántico precioso
entre la existencia política de las múltiples en tanto que múltiples, la vieja obsesión
filosófica en torno alprincipium individuationis y la noción marxiana de "individuo
social" (descifrada, con ayuda de Simondon, como la mezcla inextricable de
singularidad contingente y de realidad pre-individual.) Este encadenamiento semántico
permite redefinir, desde su base, la naturaleza y las funciones de la esfera pública y de la
acción colectiva. Una redefinición que echa abajo el canon ético-político basado en el
"pueblo" y en la soberanía estática. Podría decirse -con Marx, pero lejos, y en oposición
a una buena parte del marxismo- que la "sustancia de las cosas esperadas" se encuentra
en el hecho de conceder el máximo de relieve y de valor a la existencia no reproducible
de cada miembro singular de la especie. Por paradójico que eso pueda parecer, la teoría
de Marx debería hoy día comprenderse como una teoría rigurosa, es decir, realista y
compleja, del individuo. Así, como una teoría de laindividuación .

Lo colectivo de la multitud

Examinemos ahora la segunda tesis de Simondon. No tiene precedentes. Va al encuentro


de la intuición, viola las convicciones arraigadas del sentido común (como, por lo
demás, es el caso de muchos otros "predicados" conceptuales de la multitud).
Habitualmente se considera que el individuo, desde el momento en que participa en un
colectivo, debe de zafarse de algunas de sus características individuales, renunciando a
ciertos signos distintivos que en él se entremezclan, y que son impenetrables. Parece
que en lo colectivo la singularidad se diluye, que es hándicap, regresión. Pues bien,
según Simondon, eso es una superstición : obtusa desde el punto de vista de la
epistemología, y equívoca desde el punto de vista de la ética. Una superstición
alimentada por quienes, tratando con desenvoltura elprocessus de individuación,
suponen que el individuo es un punto de partida inmediato. Si, al contrario, admitimos
que el individuo proviene de su opuesto, es decir, del universal indiferenciado, el
problema de lo colectivo toma otro aspecto. Para Simondon, contrariamente a lo que
afirma un sentido común disforme, la vida de grupo es el momento de una ulterior y
más compleja individuación. Lejos de ser regresiva, la singularidad se pule y alcanza su

111
apogeo en el actuar conjuntamente, en la pluralidad de voces ; en una palabra, en la
esfera pública. Lo colectivo no perjudica, no atenúa la individuación, sino que la
persigue, aumentando desmesuradamente su potencia. Esta continuación concierne a la
parte de realidad pre-individual que el primer proceso de individuación no había
logrado resolver. Simondon escribe : "No debemos hablar de tendencias del individuo
que le llevan hacia el grupo, ya que hablar de estas tendencias no es hablar propiamente
de tendencias del individuo en tanto que individuo : ellas son la no-resolución de los
potenciales que han precedido a la génesis del individuo. El ser que precede al individuo
no ha sido individuado sin más, no ha sido totalmente resuelto en individuo y medio
[ milieu] ; el individuo ha conservado con él lo pre-individual, y todo el conjunto de
individuos tiene también una especie de fondo no estructurado a partir del cual una
nueva individuación puede producirse" (Simondon, 1989, p.193). Y más adelante : "No
es cierto que, en tanto individuos, los seres estén atados los unos a los otros en lo
colectivo, sino en tanto que sujetos, es decir, en tanto que seres que contienen lo pre-
individual" (Simondon, 1989, p. 205). El fundamento de grupo es el elemento pre-
individual (se percibe,se habla, etc.) presente en cada sujeto. Pero en el grupo, la
realidad pre-individual, intrincada en la singularidad, se individualiza, mostrando, a su
vez, una particular fisionomía. La instancia de lo colectivo es aún una instancia de
individuación : lo que está en juego es dar una forma contingente e imposible de
confundir con el apeirón (lo indeterminado), es decir, con la "realidad de lo posible" que
precede a la singularidad ; dar forma al universo anónimo de la percepción sensorial, al
"pensamiento sin soporte " o general intellect. Lo pre-individual, inamovible en el
interior del sujeto aislado, puede adquirir un aspecto singularizado en las acciones y en
las emociones de las múltiples : Como un violoncelista que, interactuando dentro de un
cuarteto con el resto de intérpretes, encuentra algo de su partitura que justo ahí se le
había escapado. Cada una de las múltiples personaliza (parcial y provisoriamente) su
propia componente impersonal a través de las vicisitudes características de la
experiencia pública. Exponerse a la mirada de los otros, la acción política sin garantías,
la familiaridad con lo posible y con lo imprevisto, la amistad y la enemistad, todo eso
alerta al individuo y le permite, en cierta medida, apropiarse de este anónimo "on" del
que proviene, para transformar el Gattungswesen, la "existencia genérica de la especie",
en una biografía absolutamente particular. Al contrario de lo que sostenía Heidegger, es
solamente en la esfera pública que podemos pasar del "se" al "sí-mismo". La
individuación de segundo grado, que Simondon llama también la "individuación
colectiva" (un oximoro próximo a aquél que contiene la locución "individuo social"), es
una pieza importante para pensar de manera adecuada la democracia no representativa.
Puesto que lo colectivo es el teatro de una singularización acentuada de la experiencia, o
constituye el lugar en el cual puede finalmente explicarse lo que en una vida humana
resulta inconmensurable e imposible de reproducir, nada de eso se presta a ser
extrapolado, y, menos que nunca, "delegado". Pero cuidado : lo colectivo de la multitud,
en tanto que individuación del General intellect y del fondo biológico de la especie, es
exactamente lo contrario de cualquier anarquismo ingenuo. Frente a él, es más bien el
modelo de la representación política, con su voluntad general y su "soberanía popular",
el que se convierte en intolerable (y a veces feroz) simplificación. Lo colectivo de la
multitud no delega derechos al soberano, no ya que no pacte porque se trata de un
colectivo de singularidades individuadas : para él, repitámoslo, lo universal es una
premisa , y no una promesa .

BIBLIOGRAFIA

112
DE MARTINO E. (1977), La fine del mondo. Contributo all'analisi delle apocalissi culturali,
Einaudi, Torino.

FREGE G. (1918), Der Gedanke. Eine Logische Untersuchung ; trad. it. Il pensiero. Una ricerca
logica, in Id., Ricerche logiche, Guerini e Associati, Milano 1988.

HOBBES Th. (1642), De Cive, trad. it. Editori Riuniti, Roma 1979.

MARX K. (1857-1858), Grundrisse der Kritik der politischen Oekonomie ; trad. it. Lineamenti
fondamentali della critica dell'economia politica, 2 voll., La Nuova Italia, Firenze 1968-1970.

MERLEAU-PONTY M. (1945), Phénoménologie de la perception ; trad. it. Fenomenologia della


percezione, Il Saggiatore, Milano 1965.

SIMONDON G. (1989), L'individuation psychique et collective ; trad. it. (in preparazione)


L'individuazione psichica e collettiva, DeriveApprodi, Roma 2001.

VYGOTSKIJ L. S. (1934), Myslenie i rec' ; trad. it. Pensiero e linguaggio, Laterza, Bari 1990.

113