You are on page 1of 139

    Material de Apoio às videoaulas 

Biologia – Polícia Civil São Paulo
Professor Augusto Afonso Borba

Amplie seu conhecimento! Aproveite para revisar e reforçar o estudo das aulas 05 a 07 da disciplina de Biologia e através deste material complementar às aulas que integram o curso preparatório para o concurso PC-SP. Utilize o material para consultas, aprofundamento e revisão de conteúdos apresentados pelo professor Augusto Afonso Borba durante as aulas. Como esta apostila contempla todos os tópicos que serão abordados nas aulas 05 a 07 de Biologia não serão disponibilizados arquivos em PDF isolados em cada aula.

Bons estudos. Equipe Aprova Concursos

Este material é parte integrante do acervo do Aprova Concursos, mais informações www.aprovaconcursos.com.br

Biotecnologia
1. Conceito
• Conjunto de conhecimentos e técnicas
que permite o emprego de material genético, enzimas isoladas, células vivas, cultura de tecidos ou organismos vivos para a obtenção e/ou modificação de produtos e solução de problemas.

Biotecnologia
2. Enzimas de restrição

.

Reintrodução do plasmídeo com o DNA recombinante no interior da bactéria. Extração do DNA nuclear.Células bacterianas DNA recombinante Cromossomo bacteriano Plasmídeo Enzima (DNA ligase) reúne o gene da célula doadora ao plasmídeo bacteriano. Ruptura e isolamento dos plasmídeos. Células doadoras do gene que se deseja transferir. Tratamento com enzima de restrição quebra o DNA bacteriano. Ex: insulina. . DNA RECOMBINANTE Gene da célula doadora que codifica a proteína de interesse. originando clones que passam a produzir a insulina humana. Multiplicação das bactérias recombinantes no meio de cultura.

Terapia gênica Modificar o patrimônio genético das células de um indivíduo introduzindo nelas um gene que lhes dá a capacidade de sintetizar uma substância que não era produzida.Biotecnologia 4. possibilitando a cura de doenças hereditárias. .

.

• O DNA a ser analisado é fragmentado por uma série de enzimas de restrição. • Os fragmentos de DNA de diversos tamanhos são aplicados no gel, que

é submetido a uma corrente elétrica.
• O DNA, que é negativamente carregado, é atraído para o polo positivo do gel.

• Nessas condições, os fragmentos de DNA se movem em velocidades
proporcionais ao seu tamanho: os menores se movimentam mais rapidamente que os maiores. • Quando o campo elétrico é desligado, fragmentos de mesmo tamanho estacionam juntos em determinada posição do gel, formando uma faixa ou banda. • O padrão de faixas (bandas) que surge é característico para cada indivíduo e corresponde aos seus genes, ou seja, à sua “impressão

digital” genética.

.

.

locus 2 e locus 3) que foram amplificadas. pela reação em cadeia da polimerase (PCR). em diferentes cromossomos homólogos.A figura mostra sequências (representadas por locus 1. .

assim como o sangue nas roupas dos demais suspeitos não é da vítima em questão. que permitem afirmar que o sangue na roupa do suspeito B é da vítima.Pode-se afirmar corretamente que as sequências utilizadas nessa análise são (A) número variável de repetições em tandem. .

em 75% no da ligado a um descendência afetada. polimórfico dapolimorfismo mãe. .Análise de regiões polimórficas do DNA com o objetivo de estabelecer vínculos genéticos. OHerança gene que de causa a doença é um gene que co-herdado o marcador causa umacom doença genética. DNA. identificar restos mortais ou realizar perícias criminais.

que consiste na remoção de fragmentos não codificantes (íntrons) de um RNA recém-sintetizado (chamado pré-RNA).Nas células eucarióticas. . expressed regions) e regiões não codificadoras denominadas íntrons (do inglês. intragenic regions). cada um dos genes é constituído por regiões codificadoras denominadas éxons (do inglês. Após o processo de transcrição de uma molécula de RNAm ocorre um mecanismo chamado splicing.

Clonagem (transferência nuclear) .

Células-tronco Lei Nº 11.Biotecnologia 5.105. 5º. a utilização de células-tronco embrionárias obtidas de embriões humanos produzidos por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento. É permitida. para fins de pesquisa e terapia. de 24 de março de 2005 Art. atendidas as seguintes condições: .

já congelados na data da publicação desta Lei. . na data da publicação desta Lei. ou que. depois de completarem 3 (três) anos.Biotecnologia 5. II – sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou mais. contados a partir da data de congelamento. Células-tronco I – sejam embriões inviáveis.

Clonagem (transferência nuclear) .

.Classificação e Diversidade Biológica • Reconhecer o desafio da classificação biológica. ter familiaridade com o sistema de nomenclatura e com as representações de parentesco entre os seres vivos.

Nomenclatura binominal. Categorias taxonômicas.Sistema Naturae (1735) Lineu Nomes em latim. .

Categorias Taxonômicas Reino Filo Classe Ordem Família Gênero Espécie .

.

Categorias Taxonômicas Categoria Reino Filo Classe Ordem Família Gênero Espécie Gato Animalia Chordata Mammalia Carnivora Felidae Felis Felis catus Rato castanho Animalia Chordata Mammalia Rodentia Muridae Rattus Rattus norvegicus Elefante africano Animalia Chordata Mammalia Proboscidea Elephantidae Elephas Elephas maximus .

ESPÉCIE UNIDADE BÁSICA DE CLASSIFICAÇÃO Mesmo patrimônio genético. . Cruzamentos naturais. Descendentes férteis.

ESPÉCIE UNIDADE BÁSICA DE CLASSIFICAÇÃO .

Leão X Tigreza (Panthera leo X Panthera tigris) Liger (Híbrido estéril) Não herda o gene inibidor do crescimento dos pais. .

ESPÉCIE Híbridos Ursus maritimus X Ursus arctos .

ESPÉCIE Híbridos Equus burchelli X Equus caballus .

CINCO GRANDES REINOS GRANDES GRUPOS DE SERES VIVOS O SISTEMA TAXONÔMICO ADMITE A EXISTÊNCIA DE CINCO REINOS. : .

.

Reino Monera CÉLULA PROCARIÓTICA .

Reino Monera Reprodução assexuada .

Reino Protista ALGAS e PROTOZOÁRIOS .

Reino Fungi M O F OS COGUMELOS ACLOROFILADOS – HETERÓTROFOS UNI OU PLURICELULARES EUCARIONTES .

Reino Plantae .

.

.

evitando o conhecimento meramente nomenclatural e valorizando padrões gerais e aspectos que evidenciem a evolução dos grupos e suas adaptações ao meio ambiente. tais como animais e plantas. .Seres vivos • Conhecer com profundidade a biologia de grandes grupos de seres vivos.

Reino Animalia .

Poríferos .

.

COANÓCITO.• Portadores de POROS. • Célula típica . • Sésseis (fixos) na fase adulta e larvas móveis. • Hábitat aquático (maioria marinho). • Maioria marinhos. . • Não formam tecidos verdadeiros.

Célula típica = Coanócito .

Reprodução Assexuada BROTAMENTO .

.

• Simetria radial • Apresentam tecidos diferenciados • Células urticantes (cnidoblastos) • Rede nervosa difusa • Maioria marinhos .

.

PÓLIPO MEDUSA .

.

CARAVELA (colônia de pólipos) .

Águas-vivas .

Anêmonas e Corais .

Anêmonas e Corais .

Corais .

• Corpo achatado • Primeiros com cefalização • Parasitas ou vida livre .

• Vida livre • Hermafroditas Planária .

Planária de vida livre .

.

• Parasitas • Com ventosas .

Schistosoma mansoni macho e fêmea em veia intestinal .

• Parasitas • Com ventosas • Hermafroditas (monoicos) Taenia solium • Ausência de tubo digestório .

.

Laceração .

Fecundação cruzada desenvolvimento direto .

Ascaris lumbricoides (lombriga / bichas ) .

cilíndrico e sem segmentos • Parasitas ou vida livre .• Corpo liso.

Esqueleto hidrostático .

.

.

• Vermes cilíndricos e segmentados • Corpo metamerizado .

Minhoca Sanguessuga Palolo (Nereis) .

.

EXOESQUELETO QUITINOSO Proteção e Impermeabilização .

ECDISE OU MUDA Troca do exoesqueleto Exoesqueleto Hormônio ecdisona EXÚVIA = exoesqueleto velho .

.

Um par de antenas CABEÇA Maioria dois pares de asas 2 olhos compostos 3 olhos simples Três pares de pernas ovopositor .

Ametábolo – sem metamorfose Formas jovens Adulto Traças .

cigarras. libélulas .Hemimetábolo – metamorfose incompleta Ninfas Adulto Gafanhotos. baratas.

Holometábolo – metamorfose completa Borboletas. mosquitos. formigas . moscas.

Antenas longas e carnívoros Um par de pernas por segmento Órgão inoculador de veneno ( FORCÍPULA ) Centopeias ou lacraias .

Antenas curtas Dois pares de pernas por segmento Piolhos-de-cobra (embuás) Não são venenosos e herbívoros .

Camarão

Caranguejo

lagosta Paguro

Exoesqueleto quitinoso impregnado de sais de cálcio

Hábitat: água salgada, doce e terrestre (solos úmidos)

2 urópodes

2 pinças

Télson 2 pares de antenas

<titulo> Funções vitais dos crustáceos <subtitulo> Estrutura interna estômago hepatopâncreas intestino boca ânus Tubo digestório completo e respiração branquial. .

<titulo> Funções vitais dos crustáceos <subtitulo> Estrutura interna Sangue com hemocianina (cobre) Excreção glândulas verdes ou antenais .amônia Fecundação cruzada Dioicos .

.

Aranha Escorpião Carrapato .

Quelíceras Cefalotórax e abdômen Áceros (sem antenas) 4 pares de pernas .

Loxosceles .

.

.

.

Sarna Cravo Carrapato Ácaro .

.

pé e massa visceral na maioria • Concha na maioria • Principalmente marinhos . viscoso e não segmentado • Cabeça.• De corpo mole.

.

Caramujo gigante africano – vetor de vermes .

com cabeça reduzida. massa visceral e pé Ostras Mariscos Mexilhões Vieiras Não têm rádula e são animais filtradores .Classe Pelecypoda ou Bivalva Concha com duas valvas São aquáticos.

.

Poluição por esgoto doméstico .

Polvo (sem concha e 8 tentáculos) .

.

Características gerais • Espinhos na pele • Exclusivamente marinhos • Simetria bilateral (larvas) e radial (adultos) .

Tegumento e Endoesqueleto calcário .

Sistema Ambulacrário .

Pés Ambulacrários .

Sistema Digestório Ouriço com lanterna-de-Aristóteles .

.

(pelo menos na fase embrionária) Tubo nervoso dorsal Fendas branquiais na faringe Notocorda .

Cordão nervoso dorsal Notocorda substituída pela coluna vertebral Fendas faringeanas .

Túnica de tunicina Urocordados Adulto sem notocorda Ascídia .

Tunicata adulto .Ascídias .

Cefalocordados Anfioxo .

.

AGNATAS SEM MANDÍBULA .ECTOPARASITAS .

AGNATAS SEM MANDÍBULA .

VERTEBRADOS - CRANIADOS

Esqueleto cartilaginoso e sem bexiga natatória.

Eletrorrecepção Ampola de Lorenzini

Esqueleto Ósseo Boca terminal ou anterior Bexiga natatória Intestino termina em ânus 4 pares de brânquias protegidas pelo opérculo .

Esqueleto ósseo e com bexiga natatória. .

ANFÍBIOS .

Pele úmida e bem vascularizada. Pecilotérmicos (ectotérmicos): temperatura variável. Respiração cutânea (principal).brânquias . Fase larval .

cobras-cegas Urodelos.Anuros .sapos Ápodes.salamandras .

.

Respiração Pulmonar 3.Anexos embrionários (âmnion para a proteção) . Tegumento seco e queratinizado 2.Ovo com casca .Fecundação interna . Reprodução .1.

Quelônios 2. Crocodilianos 3. Escamados Lacertílios Ofídios .1.

Anexos embrionários . Tegumento seco e queratinizado 2.1.Ovo com casca . Respiração Pulmonar 3.Fecundação interna . Reprodução .

.

.

Adaptações ao voo Penas Asas Ossos pneumáticos (ocos) Sacos aéreos Quilha ou carena .

.

Glândulas mamárias Pelos Músculo diafragma Circulação dupla e completa com aorta para a esquerda e com hemácias anucleadas .

MONOTREMADOS Ovíparos EQUIDNA ORNITORRINCO .

inicia no útero e termina no marsúpio.MARSUPIAIS Placenta rudimentar e gestação incompleta. Coala Canguru Gambá .

.PLACENTÁRIOS Placenta desenvolvida e gestação no útero.