You are on page 1of 6

Material e Métodos O trabalho foi realizado no município de Colatina que está localizado na região noroeste do estado do Espírito Santo

e inserido na área de abrangência da bacia hidrográfica do Rio Doce. O clima da região é classificado de acordo com Köppen-Geiger como Aw, o que caracteriza o clima tropical com inverno seco. Foram utilizados os dados das vazões obtidos pela estação fluviométrica Colatina (56994500), os quais estão disponíveis no site da Agência Nacional de Águas (ANA) (http://hidroweb.ana.gov.br/), que apresenta uma série histórica de 74 anos, compreendendo o período 1939 a 2012.

Figura 01. Informações sobre a Estação Fluviométrica Colatina (56994500). Para este estudo foram utilizadas os dados referentes às vazões mínimas diárias observadas durante um determinado mês, pois são as vazões consideradas limitantes à captação de água para usos diversos e abastecimento populacional. Os dados foram organizados em planilhas eletrônicas, em seguida foram calculadas as médias mensais, obtendo-se sua distribuição ao longo de um ano. De acordo PMC (2013), a cota da lâmina de água do Rio Doce que impede a capitação pelas bombas do sistema de abastecimento urbano municipal na parte sul da cidade é de 0,20 m. Para a estimativa da vazão associada a esta cota foi utilizada a equação da continuidade, conforme (AZEVEDO NETO, 1998): (eq. 1) em que: - Q = vazão (m3.s-1); - A = área (m2); - V = velocidade (m3.s-1). A régua de leitura das cotas de vazão se encontra nas imediações da Ponte Florentino Avidos, e neste trecho a largura média do Rio doce é de aproximadamente 600m, e foi definida a velocidade média das águas de 1,0 m.s-1. Considerando os valores de cota, largura do rio e velocidade de escoamento das águas, e aplicando a Equação 1, obtém-se a vazão de 120 m3.s-1. Este valor foi utilizado como referência, de forma que, ao longo do período analisado, quando as vazões forem abaixo de 120 m3.s-1, haverá

aumento populacional e exigência por parte de industrias e outros serviços provocam essas reduções. . RESULTADOS E DISCUSSÃO A Figura 02 apresenta a distribuição das vazões mínimas médias mensais ao longo de um ano. Tal fato é apresentado em diversos trabalhos que indicam reduções ao longo dos anos nos registro de dados fluviométricos. foram realizadas estimativas do consumo de água pela população do município ao longo dos anos e esses dados foram contrastados à disponibilidade hídrica média anual. maior demanda por parte da irrigação em áreas produtivas. As causas ocorrem em áreas a montante. para estimativa da população do município de Colatina ao longo dos anos. Estas se apresentam em faixas de valores e variam de acordo com a época do ano. é de 200 litros por habitante e por dia. obtidas para o período 1939 a 2012. Observa-se que existe um período longo que começa no mês de maio até novembro no qual as vazões observadas se encontram abaixo da vazão de referência (120m3. permitindo a geração de gráficos para avaliar o crescimento populacional e disponibilidade hídrica para cenários futuros. Essas variações de vazão ao longo dos meses durante um determinado ano representou a disponibilidade hídrica anual média do Rio Doce.16%. Foi definido também que ao longo dos anos haveria uma taxa de redução nos valores das vazões do Rio Doce. fatores que. objetivando a geração de cenários futuros. no entanto. Isso indica que nesse período. assim foi estabelecido. Foi utilizada uma taxa de crescimento de consumo de água duas vezes maior que aquela indicada para o crescimento populacional. Os dados referentes à população do município de Colatina-ES foram obtidos junto ao site do IBGE e representam o número de total pessoas residentes na localidade para um determinado ano.s-1). Este valor foi obtido como valor médio no período de 1991 a 2010. que haveria uma redução anual de 1% nos valores das vazões mínimas. Utilizou-se a taxa de crescimento médio de 1. Para se estimar a quantidade de água necessária para atender a população foi utilizado como parâmetro o consumo médio diário de água de um indivíduo. comumentemente denominado de quota “per capita” que. de acordo com estudos apresentados pela Organização das Nações Unidas (ONU). segundo Azevedo Neto (1998). tal fato não indica que sempre se manteve abaixo. pelo menos em um dia durante um mês o valor da vazão esteve abaixo da vazão de referência. o consumo médio. para este estudo.impedimento na captação por pelo menos uma vez durante um determinado dia no mês de referência. associados ao assoreamento da calha do rio. mas que neste dia o sistema de captação foi interrompido. Assim. conforme Atlas do Desenvolvimento Humano (2013). podendo-se relacionar a sazonalidade e má distribuição das chuvas. mínimo admitido.

As condições mais alarmantes ocorrem quando as amplitudes (vazão observada – vazão de referência) se tornam mais negativas. atingindo valores máximos em janeiro.75 m3. Foi utilizado como data inicial o ano de 2010. Figura 02. .70% maior. sendo o maior déficit obtido para o mês de setembro que foi de 29. Estimativa da disponibilidade hídrica mensal para o ano de 2013.s-1. Observação está de acordo com as informações apresentadas pelo SANEAR (2013) no dia 28 de agosto de 2013. e reduzindo até março. quando a população era de 111. são os chamados déficts. neste mesmo período. No período de novembro a maio é observado que os valores das vazões estão acima do valor da vazão de referência.O período chuvoso se inicia em outubro.82 m 3. Figura 03.26 m3.113 será de 368.057. Vazão de referência e vazão mínima média obtida no período de 1939 a 2012. aumentará 1.s-1 de água.565 habitantes. A Figura 03 apresenta a estimativa de crescimento populacional e aumento no consumo de água para os próximos 100 anos. quando finaliza este período. o que indica que o período de indisponibilidade hídrica foi mais prolongado. e o consumo de água estimado será 2.788 habitantes e consumo diário de 0. enquanto que o consumo de água.69 %. Os valores indicam que a população será 329. quando se observa o aumento dos valores das vazões mínimas. o que indica que existe disponibilidade hídrica para atendimento à população.s-1. A Figura 03 apresenta um exemplo para o ano corrente de 2013. Os resultados dessa simulação indicam que a população estimada para o ano de 2.

Analisando o cenário estabelecido para os próximo 100 anos.s-1. conforme observado para o mês de setembro deste ano (Figura 05). Observa-se que para este mesmo ano.80 vezes maior que o observado em 2010. uma redução muito elevada das vazões mínimas médias em relação a vazão de referência. a situação apresentada é considerada alarmante. o que indica indisponibilidade hídrica em grandes períodos no ano.s-1. houve indisponibilidade hídrica. durante todo este ano. Estimativa da disponibilidade hídrica mensal para o ano de 2.s-1. . de acordo com os resultados obtidos a partir das simulações. Estimativa de crescimento populacional e consumo de água nos próximo 100 anos no município de Colatina-ES.Figura 03.99 m 3.81 m3. atingindo valores acima de 100 m3. valor 10.188. com 2.113. os resultados apresentam aumento expressivo no consumo por parte da população para o ano de 2. apresentado déficits que chegam a 86. De acordo com os resultados obtidos pelas simulações. no entanto. principalmente na época de estiagem (Figura 04). No entanto.188. em pelo menos um dia. pois o déficit é muito elevado. Figura 04. o momento no qual os valores do consumo populacional e disponibilidade hídrica do Rio Doce se igualam ocorrerá em setembro de 2. Tal fato indica que para essa condição.

observa-se que tal condição ocorre a partir do ano de 2. Estimativa da disponibilidade hídrica mensal para o ano de 2. conforme causa já apresentadas. De acordo com os cenários apresentados. no período de 2013.M.PMC – Assessoria de impressa da Prefeitura Municipal de Colatina. Edgard Blücher.simnoticias.br/2013/perfil_print/colatina_es. No entanto.AZEVEDO NETTO. ano corrente.org. em todos os anos foi observado pelo menos um mês de ocorrência de vazões mínimas menores que a de referência. .Figura 05.br/2012/index.041. . REFERENCIAS Atlas do Desenvolvimento Humano. até o ano de 2041. Isso indica uma tendência de aumento das observações nos casos de déficit hídrico ao longo dos anos. 1998. São Paulo. ou seja. 8ª ed. <Acesso em: 10 de outubro de 2013>.com. daqui a 28 anos.041. Figura 06.php/geral/item/7474volume-do-rio-doce-esta-abaixo-do-normal-e-prejudica-captacao-em-colatina. <Acesso em: 10 de outubro de 2013>. este é o primeiro ano de ocorrência de pelo menos um dia em todos os meses os valores das vazões mínimas médias serem menores que a vazão de referência.. .113. Analisando anos mais recentes. Disponível em: http://www. conforme apresentado no Figura 06. J. Estimativa da disponibilidade hídrica mensal para o ano de 2. Disponível em: http://atlasbrasil. Manual de Hidráulica.

Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos. et al. .gov. 2001. 3ª ed. Serviço Colatinense de Meio Ambiente e Saneamento Ambiental.es. php?id=MTQ1 <Acesso em: 10 de outubro de 2013>. 328 p. Agência Nacional de Águas..br/noticias/noticia_aberta. A. Brasília: Agência Nacional de Energia Elétrica.. Disponível em: http://www.SETTI. .sanear.: il. A.SANEAR.