You are on page 1of 10

As cores do terror: a fotografia do “O Gabinete do Doutor Caligari”1

José Benedito DONADON-LEAL2 Tácito Yuri Dutra CHIMATO3 Samuel Perpétuo RODRIGUES4 Universidade federal de Ouro Preto, Mariana, MG

Resumo:
O presente artigo é uma análise da fotografia e da estética do filme O Escritório do Dr. Caligari, um dos principais filmes do expressionismo alemão. Procuramos analisar e entender suas principais características, usando como objeto de análise a imagem e a fotografia do filme em geral. Utilizamos como base alguns teóricos e estudiosos do movimento expressionista, fazendo também uma análise do contexto social da época e como ela influenciou em toda montagem cinematográfica da obra.

Palavras Chaves: Expressionismo alemão; fotografia; cenário; subjetividade.

O Expressionismo alemão: A época do surgimento do filme O Escritório do Dr. Caligari faz parte, na realidade, de um movimento estético em desenvolvimento especialmente na
1

Trabalho apresentado no GT História da Mídia Audiovisual e Visual – do 9 encontro nacional de história da mídia realizado de 31 de maio a 1 de junho de 2013 2 Doutor em Semiótica e Lingüística pela Universidade de São Paulo (USP) Professor Associado III do Departamento de Ciências Sociais, Comunicação Social – Jornalismo e Serviço Social da Universidade Federal de Ouro Preto–DECSO Grupo de Pesquisa do CNPq Linguagem, Narrativas, Processos Jornalísticos e Culturais 3 Estudante de graduação – 5 periodo da UFOP, bolsista do projeto de extensão Incubadora de empreendimentos sociais e solidários (INCOP). e-mail: tacito_dutra@hotmail.com 4 Estudante de graduação – 5 periodo da UFOP, bolsista do projeto de pesquisa Análise sócio semiótica da comunicação nas organizações após lei de acesso a informação pública – formação de banco de dados. e-mail: samuel.perpetuo@hotmail.com

A arte então deveria responder a altura: o mundo não era “impressionante”. com o objetivo de. Caligari (.. Para isso se usavam de histórias macabras. precisam desta patética agonia que conduz à enigmática "animação do inorgânico". Isso graças ao tratado de Versalhes. O povo alemão via isso como uma humilhação direta e uma forma de retaliação a unificação de um império que ameaçara a Europa anos antes. A energia vital presente no inorgânico. Ao contrário: era tenso. que encontra obstáculos quase insuperáveis. Os artistas então passaram a construir obras que refletissem sua visão do mundo – dai a saída pela abstração. atormentados por uma discordância interior. mas sim a um governo constituinte submisso a este tratado. Alfredo Rubinato nos transmite bem a lógica germânica desta arte em um de seus textos: “A abstração(. um “não pertencimento” ao mundo a sua volta.Alemanha: o expressionismo. Os povos germânicos.) nasce da grande inquietação que experimenta o homem aterrorizado pelos fenômenos que constata a seu redor e dos quais é incapaz de decifrar as relações.)...). tornando-o "único". (. O valor aqui ficava não em quão próximo cada arte ficava parecida com a realidade. atingir seu absoluto.. constituído como forma de oprimir o poder político do país e impedindo a república de responder diretamente a um imperador.. A República de Weimar chegou a ser chamada de “república sem republicanos”5 por jornalistas da época. a paisagem não era mais bela. O que havia era um saudosismo ao antigo império Reich.. pesado. pois não havia o que esperar de bom. tiradas do limite entre o real e o imaginário. o que está além de nós. Após a Primeira Guerra Mundial. Deve-se destacar o momento histórico e social em que a nação germânica se encontrava para entender a proposta. os misteriosos contrapontos. estado de animação suspensa em que se 5 Sebastian HAFFNER – “Alemanha Jekyll & Hyde” .) um papel fundamental em um filme como O Gabinete do Dr. Essa inquietação primordial diante do ilimitado faz com que o homem tenha o desejo de "arrancar" o objeto de seu contexto original (... a Alemanha (na época desintegrada e transformada na República de Weimar) via sua economia e poder territorial em frangalhos.

diversos exemplos no uso das 6 RUBINATO. como fotos diagonais. A fotografia expressionista teve seu auge na segunda metade da década de 1920. buscando a relação geométrica entre seus ângulos. Essa fotografia dialoga com diversos elementos do cinema expressionista e do “Doutor Caligari”.br/01-10/expressionismoalemao. ou seja. um objeto/pessoa/local poderia se tornar muito maior do que realmente parecia.html . contudo de forma a fugir dos padrões ditados mundo afora. a fotografia expressionista revolucionou o mundo ao dar novo contexto a diversos cenários comuns à paisagem alemã. já que o filme foi lançado no ano de 1919. Diversos fotógrafos expressionistas ilustram exemplos.contracampo.encontram os objetos. por exemplo. ou seja. A ideia da distorção contribui. os formatos de “Caligari” antecedem os padrões dessa fotografia. mas nas luzes a sua volta – luzes manipuladas – e o uso de formas maximizadas. A riqueza está nos detalhes. são o caminho para atingir a essência de seu "absoluto".”6 A técnica Expressionista na fotografia: A fotografia no início do século XX substituiu a função que as pinturas tinham anos antes. na textura de cada objeto. a de servir uma tradição de arte burguesa. como retratos e paisagens encomendados por comerciantes abonados da época.com. O objeto deve ser estudado friamente. cada detalhe da obra deveria ser estudado para somente ai se transformar em fotografia. A câmera não abusa de formatos. Contudo. pequenos objetos ou detalhes em escala macro. ou possuem grande profundidade. Alfredo – O Despertar da Besta: A alma do expressionismo alemão e sua tradução estética do cinema – Revista Contracampo. Para isso. disponível em http://www. nos tamanhos: dependendo do ponto de vista. A partir da fundação da República de Weimar o que se viu foi uma ânsia de captar a realidade sobre uma lente ótica. Através de técnicas de medição fotométrica não só no objeto. contudo aqui cabe destacar o pioneirismo de Robert Wiene no “Gabinete do Doutor Caligari”.

mas pelo que atrai os olhos.sombras. pelo diferente. na textura do objeto estudado e na construção geométrica do cenário podem ser comparados. Em ambas as fotos. Seguem. o primeiro da personagem Caligari no filme homônimo. o corpo não está rígido. batemos nossos olhos e nos deparamos com personagens incomuns ao cotidiano. prezando não por uma personagem esteticamente aceitável. Dois retratos. notamos a distorção do objeto na forma de capturá-lo. Além o uso de sombras na construção do cenário. ambas personagens estão em posições incomuns “tortas” – voltando para a ideia de distorção da forma. . a expressão de choque. Em ambos. Cena do Filme comparada com a fotografia “Croix” do expressionista Willy Zielke. a dizer: 1. o segundo um retrato de August Sander da série Retratos do Século XX. ao contrário. 2. Ambos autores buscam fugir do senso comum de retrato. estranhamento ao nossos olhos.

Albert Renger-Patzsch foi um fotógrafo conhecido pelos trabalhos com ângulos diferentes. Por fim. o que faz ainda mais esse contraste. O alemão Willy Hameister. Analise técnica Em O Gabinete do Dr. “Caligari” abusa muito desse recurso em prol da impressão de gigantismo. permitindo a variação de tonalidades cenário X personagem. não está exatamente respondendo aos anseios imediatos do espectador.3. e o clima fantasmagórico deixa um ar de tensão durante todo o filme. partindo de baixo para cima rente a algum objeto. mas sim provocando uma imersão deste na história do filme. dá esse clima de terror para a obra. Caligari a fotografia do filme apresenta um aspecto distorcido da realidade. Ele brinca com o preto e o branco. Recursos para esse trabalho eram parcos na época. A montagem. sempre com um corte “seco” alternando cenário X personagem provoca o clima de tensão no filme. contudo Hameister contornou dado dois aspectos importantes do filme: a maquiagem dos atores. seguindo poucas passagens entre um plano e outro. Tudo procura ser invertido. extremamente carregada. seguindo das fortes características do movimento expressionista – a subjetividade do autor frente a realidade. Outro recurso – junto com o cenário do filme – está na câmera: não há paradas panorâmicas no filme. A manipulação dos ângulos da câmera para construção do cenário. a montagem do filme. responsável pela fotografia do filme. É uma montagem “proibida”: . a ideia de maximização do objeto fotografado. apesar de seguir uma linearidade temporal.

para ele. Rio de Janeiro. Jacques.)portanto. a montagem será proibida(. Graal/Embrafilme. A estética do filme. Mas é na arte cinematográfica que se abrem as melhores perspectivas de utilização desses recursos expressivos adicionais que emanam do ambiente.. antes. evento” só pode designar “o essencial do essa famosa precisamente “ambiguidade”. essa definição só tem significado se dissermos o que consideramos “essencial” para o evento (o “sentido” do evento)(. invertida e inusitada. que reflete as paixões da mente. que o resultado for imprevisível.Naturalmente. das formas e dos movimentos. O cinema americano de terror convencional de 1930. Consequëntemente.49. Ismail.)toda vez que o evento real – ou.. 7 No expressionismo o que está em jogo é a subjetividade. abstração. o delírio. jamais 7 8 AUMONT. o clima de terror com o real. toda a construção do cenário e da fotografia do filme são pensados esteticamente e o cenário utilizado para representar a dramaticidade.. realista. Totalmente antirrealista.8 Hugo Münsterberg sobre o Portando. P. essa ausência de significação imposta à qual ele da tanto valor(. mas se mistura com surreal. Como afirma um dos primeiros estudiosos do cinema alemão Expressionista: O Efeito gerado pelo ambiente pode e deve ser muito explorado na arte dramática. São Paulo. por exemplo. O real está presente.). aliás. Todos os elementos cênicos deveriam estar em harmonia com as emoções fundamentais da peça.. o resultado está em uma obra de grande ousadia estética para sua época. 73. Do palco ao estilo de Reinhardt com seus efeitos estéticos de cor e forma – ao melodrama barato – com luz azul e música suave na cena final – a cenografia conta a estória da emoção íntima. 1995 XAVIER. não são poucos os atos cujo sucesso se deve à coerência da impressão emocional decorrente de uma ambientação perfeita. das linhas. 1991. Papirus. A cenografia de Willy tem uma perspectiva. o imaginário.. A Experiência do Cinema: antologia p.. o evento referencial do evento diegético em questão – for fortemente “ambíguo”: toda vez. dos elementos cênicos. . deixa um clima sobrenatural no filme.

abruptos que harmonizam com os ângulos do cenário. As sombras sempre presentes no contexto. Na foto. vemos um exemplo dos efeitos da fotografia na personagem em conjunto com o cenário. vivem em outro universo paralelo ao nosso. onde não há conexão e sentido com a realidade. com casas disformes. A interpretação dos atores é carregada das marcas do expressionismo em todo o tempo. dando ao espectador a impressão de observador de um universo flutuante. Suas ações não são humanas. o valor artístico de todo o elenco. que também são uma das características do expressionismo. substituído por gestos pensados. Nota-se a câmera em um ponto de vista diferenciado e a variação de tonalidades entre rosto X cenário Não se pode deixar de ressaltar na obra. As expressões que dizem sem palavras. . eles agem como se fossem seres das trevas. como se não fossem desse mundo e pertencessem a um mundo estranho. são a chave da atuação no filme. Outro ponto que vale destacar é que o cenário transmite uma sensação muito impressisa. vale destacar os atores Werner Krauss como Caligari e Conrad Veidt como Cesare. com excelente atuação. acompanhadas de uma fotografia que complementa a ideia que deseja ser transmitida. parece existir algum ser divino que os controla. essas atitudes parecem serem evitadas. As expressões dos atores. A atuação em sintonia com o cenário.conseguiu provocar a mesma sensação do expressionismo. Não há movimentos naturais.

ele mata sem motivo e lógica. transformando em um dos primeiros filmes de terror da história do cinema. O próprio enredo mostra isso. as expressões habituais são trocadas por expressões carregadas de significados místicos. um ser abstrato e inconsciente. Na Obra de Wiene a sensação de agonia e terror consegue ser transmitida para o público em toda obra. Com a utilização do cenário em prol do filme. Caligari é a junção de todas as características expressionistas. Todos os personagens são pensados para o estilo expressionista e adequados para o contexto. um grande passo no cinema. É inegável considerar sua influência. em diretores modernos com . que se acha capaz de decidir pela vida de uma pessoa. Conseguiram o domínio da imagem em movimento. foram ideias novas que deram origem a uma nova arte. um ser totalmente desligado do mundo real. Destacamos um dos personagens principais. A fotografia do filme é também impactante. até então não conhecidas. figurino e maquiagem antirrealista e interpretação anti-naturalista. as expressões são pensadas. Um ser sem escrúpulos. dos sentidos. se considera acima do bem e do mal. apenas obedecendo a ordens do seu mestre. O Escritório do Dr. O filme faz uma desconstrução da realidade. caminhando para a modernidade. atores. o foco é colocado nas expressões dos atores para realçar as marcas do expressionismo. O cinema expressionista alemão quebrando todos os paradigmas espirituais da época alcançou o máximo grau de abstração do real. por exemplo. sem princípios humanos.Como os gestos. integrando. e brinca com o inconsciente do público. Foi uma grande influência não só para o cinema alemão. causando admiração e espanto do público e serviu de base para produções de diversos cineastas em volta do mundo. o sonâmbulo. isolado da vida cotidiana. mas também para mundo. O filme faz parte de ações experimentais na cinematografia. Conclusão As mudanças provocadas pelo “Gabinete do Doutor Caligari” foram de suma importância para evolução do cinema em sua forma estética de trabalho.

até hoje é cotestado se o filme realmente seguiu a visão estética do diretor. 9 CÁNEPA. O gabinete do dr. o filme não é perfeito: cercado de polêmicas. SP: Papirus.. Para alguns autores. sua tendência expressionista. influenciando diretores por eras. Laura Louguercio . Contudo. . Ao invés de monstros. admirada e assim. provavelmente o artefato mais celebrado da república Weimar foi um filme exibido em Berlim em fevereiro de 1920. P. ele e partes da sua equipe entraram em desentendimento. até. Caligari continua personificando o espírito de Weimar para a posteridade (.Tim Burton. Caligari. cruel". o apelo psicológico propõe uma profundidade muito maior do espectador.9 Obviamente. uma experiência que gerou uma série de outras experiências. um dos maiores produtos exportados mundo afora: Próximo da Bauhaus. desastres e mocinhas ululantes. imortalizado. sinistra. sua atmosfera obscura. Willy Haas escreveu mais tarde: "Aí estava a Alemanha gótica. demoníaca. já que em uma altura da produção. É uma obra a ser estudada. 2006. Com seu enredo de pesadelo.. 63. “Caligari” mostrou uma nova visão de terror ao mundo.) É um filme que merece integralmente sua imortalidade. História do Cinema Mundial.

1995. 2013.com.org/wiki/Cinema_expressionista_alem%C3%A3o Acesso em 03 abril. 2006 http://www.Referencial Bibliográfico XAVIER. 15:40. CÁNEPA. Ismail.org/wiki/Expressionismo Acesso em 03 abril. http://pt.html . 1991.São Paulo. . História do Cinema Mundial. Rio de Janeiro. Graal/Embrafilme.Acesso em 02 abril.wikipedia. Jacques. 14:30 . http://www. A Experiência do Cinema: antologia. Papirus. AUMONT.wikipedia.net/claudiowww/trabalho-sobre-o-expressionismo-alemono-cinema . 2013. 2013.Acesso em 02 abril. 14:30 http://pt.slideshare. Laura Louguercio .contracampo.br/01-10/expressionismoalemao. SP: Papirus. A estética do filme. 15:40. 2013.