You are on page 1of 18

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA PHD 2537 – Água em Ambientes Urbanos

Drenagem Urbana Sustentável

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Engenharia Civil PHD 2537 – Água em Ambientes Urbanos Fabiana Y. Kobayashi Flávio H. M. Faggion Lara M. Del Bosco Maria Letícia B. Chirinéa
Marília Fernandes

3695130 4912391 4913019 4912241
4912683

Novembro 2008

.....................7 Armazenamento e retenção em pavimentos impermeáveis...............13 CONCLUSÃO .........................................................................................12 Piscinões ...10 Recarga do lençol freático ..................................................................................................................11 Bacias de amortecimento ou dissipadores ........5 Planos e valos de infiltração ......................................................5 Pavimento permeável ...................................................................................................................................................................9 Drenagem em encostas ................................................................8 Infra-estrutura urbana ..................................................................................................................................Índice CONTEXTUALIZAÇÃO .....................................................................................5 Entorno imediato – espaços abertos .................................................4 Retardamento do deflúvio .............................................................................................................................................. 4 Escala do Edifício ............................................................................................................................ 1 DRENAGEM EM TRÊS ESCALAS ........... 14 BIBLIOGRAFIA ................................................................................................................................................................................................................................................................ 15 ............................................................................................................................................................................8 Valas revestidas ..................................................................................................................................................................................................................................13 Bacia de retenção.................................................................................4 Armazenamento ........................................................................ trincheiras de infiltração e bacia de percolação.............................................8 Poços de infiltração..............................................................................................................................................

descarregando sedimentos.Infra-estrutura urbana . A classificação foi feita pela escala em que intervém na cidade: . O assoreamento dos rios e represas é devido principalmente à erosão e à poluição. por inundações. A causa dos problemas está na impermeabilização do solo. classificando-as e ilustrando-as através de fotos ou desenhos. de grande declividade e pouca segurança. este trabalho tem como objetivo estudar os meios potencialmente sustentáveis que evitam ou controlam o escoamento de águas pluviais. Os rios também são retificados e canalizados. como forma de solucionar as enchentes. Assim. Além disso. e que tem como conseqüência enchentes que geram impactos econômicos e sociais. (principalmente no entorno dos reservatórios). reduzindo o tempo que a água permanece na bacia e a evapotranspiração. estruturação do sistema viário em vias de fundo de vale. só altera o comportamento das inundações e não resolve completamente o problema. especialmente em relação à drenagem de águas pluviais. ocupação das várzeas. desmatamento da vegetação. diminuindo a capacidade de vazão e aumentando a área de inundação. retificação e canalização de rios.CONTEXTUALIZAÇÃO Através do intenso processo de urbanização das cidades brasileiras. porém. desabamentos ou deslizamentos de terra. resultante do desenvolvimento urbano. A impermeabilização do solo e o desmatamento da vegetação. lixo e poluição. por se tratarem de áreas de solos de rochas decompostas. alteram as condições naturais de infiltração.Edifício 1 .áreas de proteção ambiental. como erosão e doenças. continuam a acontecer cada vez em escalas mais amplas e com planejamento deficiente. diminuindo o atrito da água com o solo e aumentando a velocidade de escoamento. e acrescentando o volume de água a ser escoado superficialmente. e principalmente a vida dos habitantes. que são geralmente áreas de risco. principalmente na formação de regiões metropolitanas. Este problema se agrava na medida em que geralmente há a conjugação a outros problemas ambientais e sanitários. lixo e entulhos de construção para os leitos naturais. provocando também erosão. têm-se gerado muitos problemas de infra-estrutura urbana. agravados ainda pela ausência de planos urbanísticos específicos.Entorno imediato e espaços abertos . erosão e assoreamento. já citadas. a população constrói habitações em áreas de ocupação ilegal . pois as outras causas. em todas as atividades e funções da cidade.

como também em qualidade. foi observado que outras classificações são estabelecidas. também. guias e sarjetas. A macro-drenagem é constituída em geral.Ainda. seja em conseqüência direta ou indireta das águas. Envolvem aspectos de natureza cultural e participação do público. causadas pelas inundações. como por exemplo. aquelas destinadas a escoar com maior rapidez e menores níveis as águas do escoamento superficial direto. com esta pesquisa. baseado principalmente na conscientização e educação das pessoas. Quando tem funcionamento adequado previne danos às propriedades. por um 2 . As medidas estruturais consistem em soluções físicas e diretas de engenharia. sistemas higienistas e compensatórios. não só em quantidade. projetados para vazões de 25 a 100 anos de período de retorno. contribuindo para o aumento nos volumes e vazões de água e a diminuição no tempo do escoamento. São formadas basicamente por soluções indiretas. indispensável para a implantação. As medidas não estruturais não utilizam instrumentos que alteram o regime de escoamento das águas do escoamento superficial direto. e ainda medidas estruturais e não estruturais. rede de galerias de águas pluviais e. canais de pequenas dimensões. como por exemplo. praticamente elimina as inconveniências ou as interrupções das funções ou atividades urbanas devidas às inundações. A detenção é caracterizada pelo armazenamento do deflúvio direto. bacias de sedimentação e diques. aquelas destinadas ao controle do uso e ocupação do solo (nas várzeas e nas bacias) ou à diminuição da vulnerabilidade dos ocupantes das áreas de risco das conseqüências das inundações. Quando manutenção é adequada. tais como redes de galerias de águas pluviais. Envolvem obras hidráulicas de grande porte com aplicação pesada de recursos. A micro-drenagem é composta por um sistema de menor escala. agindo de forma mais integrada ao espaço como um todo. Os compensatórios tentam compensar sistematicamente as conseqüências da urbanização. como por exemplo. com o investimento de recursos leve. macro e micro drenagem. Os sistemas higienistas de drenagem urbana são baseados no rápido escoamento do excesso pluvial. à saúde e à segurança da população habitante das cidades. com o urbanismo e com menor impacto ao meio ambiente. Os sistemas de armazenamento das águas pluviais podem ser classificados como de detenção e de retenção do deflúvio direto. feitos para vazões de 2 a 10 anos de período de retorno. evitando assim os danos e interrupções das funções ou atividades urbanas. canais. bocas de lobo. formada pelos pavimentos das vias. reservatórios de detenção e retenção. por canais (abertos ou fechados) de grandes dimensões.

3. É bastante claro que o principal enfoque desse tipo de drenagem é evitar os processos erosivos do solo. evitar as enchentes e o processo de perda das capacidades dos mananciais. e se possível. e prever e conjeturar o desenvolvimento para as gerações futuras. A partir dessas discussões surgiu o conceito da drenagem sustentável. No começo dos anos 90 começou-se a ter uma preocupação maior com o destino das águas no meio urbano. Assim. se compararmos com a maioria dos conceitos atuais de drenagem. principalmente através do aumento da permeabilidade ou re-naturalização. atenuar. há a necessidade de se fazer o monitoramento em tempo real da condição hidrológicas. garantindo saúde e sustentabilidade. principalmente através da educação e conscientização dos habitantes. O conceito de drenagem urbana sustentável é algo relativamente novo. erosões e assoreamento dos rios e lagos. preservar e conservar o meio ambiente. centros urbanos e metrópoles.período pouco maior que a duração do mesmo. é necessário desenvolver uma ação integrada entre poder público. A drenagem sustentável baseia-se basicamente em três tipos de ações: 1. completando uma a outra. enquanto que na retenção o armazenamento é muito maior que a duração do deflúvio direto.a drenagem urbana sustentável deve fazer parte do plano diretor da cidade. pode se concluir que para resolver o problema da drenagem nas cidades. 3 . 2. e ainda pela conjugação de medidas em diversas escalas. O controle da inundação na escala local é considerado atualmente como uma medida alternativa que pode ser aplicada de forma descentralizada. com dados que possibilitam a operação do sistema de alerta a inundações. iniciativa privada e população. Evitar desmatamento. Manutenção dos recursos hídricos e a qualidade das águas superficiais e subterrâneas. Gestão urbana . Ainda. como meio de dar qualidade de vida.

refrigeração) Pontos negativos: . utilizando pequenas áreas .Carga estrutural elevada .Reutilização da água recolhida (contra incêndios.Formação de ondas e cargas devidas às mesmas .Caso não haja manutenção adequada. irrigação. infiltração de água do telhado para o edifício .DRENAGEM EM TRÊS ESCALAS Escala do Edifício Armazenamento Pontos positivos: . processos industriais.Custo alto de instalação CALHA CALHA CALHA RESERVATÓRIO SUBTERRÂNEO RESERVATÓRIO NA COBERTURA CALHA RESERVATÓRIO TÉRREO 4 .Retardo do deflúvio superficial direto.

Custo alto de instalação e manutenção CHUVA CHUVA ACUMULAÇÃO CALHA CALHA TUBO CONDUTOR VERTICAL TUBO CONDUTOR VERTICAL Empregando tubos verticais estreitos EVAPORAÇÃO CHUVA INFILTRAÇÃO ESCOAMENTO Telhado verde Fukuoka building .Carga estrutural relativamente elevada .Retardamento do deflúvio Pontos positivos: .Redução dos níveis de ruído Pontos negativos: .Recarga do lençol freático 5 .Retardamento do deflúvio superficial direto .Redução do deflúvio superficial direto (infiltração) .Japão Entorno imediato – espaços abertos Pavimento permeável Pontos positivos: .

Dramas e ervas daninhas podem crescer no pavimento . Cascalho Nota de aula: Prof. .Dificuldade de manutenção . pois a sua eficiência pode diminuir.Entupimento dos furos ou poros . Joel A.Compactação da terra abaixo do pavimento ou diminuição da permeabilidade do solo devido ao cascalho..Pavimento de cascalho pode ser mais barato do que asfalto ou concreto Pontos negativos: . Goldenfum IPH/UFRGS Paralelepípedo Manejo de Águas Pluviais – Carlos Tucci Concreto poroso Manejo de Águas Pluviais – Carlos Tucci 6 .Não deve ser usado em ruas com tráfego intenso e/ou de carga pesada.

Áreas gramadas devem ser podadas ou cortadas periodicamente (custos de manutenção) 7 .O acúmulo de água no plano durante o período chuvoso não permite trânsito sobre a área . .Esteticamente agradável Pontos negativos: .Permite infiltração de parte da água para o subsolo .Retardo do deflúvio superficial direto .Planos com declividade maior que 0. o transporte de material sólido para a área de infiltração pode reduzir sua capacidade de infiltração.Blocos vazados Manejo de Águas Pluviais – Carlos Tucci Planos e valos de infiltração Planos: áreas com gramados laterais que recebem a precipitação de uma área permeável Valos: dispositivos de drenagem lateral que concentram o fluxo de áreas adjacentes e criam condições para uma infiltração ao longo do seu comprimento Pontos positivos: .1% não devem ser usados.

Restringe um pouco o movimento de veículos . algumas alterações de uso e ocupação do solo podem modificar o seu desempenho boca de lobo Infra-estrutura urbana Valas revestidas sarjeta Pequenos canais escavados no solo. provocando erosões neste ou na borda do acostamento.Retardo do deflúvio superficial direto .Captação de águas pluviais direcionando-as à rede condutora.Impedem que as águas precipitadas sobre uma plataforma escoem por um talude de aterro.Depressões juntam sujeira e entulho . . 2004 Armazenamento e retenção em pavimentos impermeáveis Pontos positivos: .Por serem dimensionados considerando guias rebaixadas. revestidos por uma fina camada de impermeabilização asfáltica ou argamassa.Interfere com o uso normal .Yazaki. Pontos negativos: . 8 .

Amortecimento em função do armazenamento Pontos negativos: .midiaindependente.Redução do escoamento superficial .Facilita o escoamento .Sua eficiência pode ser reduzida ao longo do tempo.Reduz a infiltração Pontos negativos: . 9 .Baixo custo .Maiores cuidados com manutenção .Impede a erosão ao longo da linha d'água .Rápida execução .Pouca durabilidade .org Poços de infiltração.Indicadas apenas para pequenas vazões www. trincheiras de infiltração e bacia de percolação Volume gerado no interior do solo que permite armazenar a água e infiltrar Pontos positivos: .Pontos positivos: . dependendo da quantidade do material sólido que drena para a área.

Coleta águas subterrâneas dos maciços situados a montante.Deve ser executada no local tomando cuidados no que se refere à direção preferencial das linhas d’água. com menos desgaste do concreto e sem necessidade de caixas de dissipação Pontos negativos: . com fundo construído em formas de degraus.Manejo de Águas Pluviais – Carlos Tucci Drenagem em encostas a) Barbacãs: tubos de PVC com inclinação de 5º.5m nas estruturas de contenção.Podem transportar grandes vazões. altura dos pontos de captação em relação ao nível do terreno e dimensionamento. 10 . b) Escadas d’água: canaletas abertas. rebaixando o nível do lençol freático e diminuindo a pressão da água sobre a estrutura .Drenagem de estruturas de contenção e de alguns revestimentos .Reduz velocidade das águas superficiais em encostas com inclinações elevadas . com no máximo 1. c) Canaletas e coletores (para casas) d) Canaletas principais (acopladas às escadarias) e) Canaletas de borda de talude f) Canaletas de pede talude g) Canaletas de descida (entre patamares) Pontos positivos: .

britada.Pequena perda por evaporação Pontos negativos: 11 .Redução do deflúvio superficial direto. de grande permeabilidade e que funciona como verdadeira galeria filtrante.Barbacã Escada d’água como canaleta principal Canaleta de borda e principal CANALETA DE PÉ CANALETA DE BORDA CANALETA DE CRISTA CANALETA DE DESCIDA CANALETA DE BORDA CASCALHO CANALETA DE DESCIDA CALHAS E COLETORES BARBACÃS CASCALHO CANALETAS PRINCIPAIS CANALETA DE PÉ CANALETA DE PÉ Recarga do lençol freático a) tubo ou mangueira furada b) dreno Frances: valetas revestidas com mantas geotêxteis preenchidas com material granular (pedra.Recarga do lençol freático com água relativamente limpa . com a infiltração . c) cano poroso d) poço seco e) tanque séptico transformado para armazenamento e recarga Pontos positivos: .Pode suprir água para jardins ou áreas secas . cascalho ou pedregulho).

es.Alto custo inicial de instalação (material) .Algumas vezes requer bombeamento para esvaziamento após a tormenta www.Amortecimento em função do armazenamento Pontos negativos: . como no deságüe para o terreno natural.gov.volcanes.Alto investimento .Retardo do deflúvio superficial direto . reduzindo sua velocidade tanto no escoamento através do dispositivo de drenagem.Entupimento dos poros ou furo perfilados .com www. para evitar a erosão.conceicaodocastelo.. Pontos positivos: .Execução demorada 12 .br Bacias de amortecimento ou dissipadores Dispositivos que dissipam a energia do fluxo.

Execução demorada .Alto investimento .drenagem.Retardo do deflúvio superficial direto .br Piscinões Pontos positivos: .www.SP Bacia de retenção Tanque com espelho d’água permanente Pontos positivos: .Requer grandes áreas Piscinão Parque Pinheiros – Taboão da Serra .ufjr.Retardo do deflúvio superficial direto 13 .Benefícios recreativos Pontos negativos: .

mas também no âmbito da gestão. com medidas simples que não afetam radicalmente a vida e as funções da cidade. integrando as políticas de base municipal. conjugadas ao desenvolvimento de uma consciência e uma educação ambiental da sociedade e para a produção das atividades econômicas. podem-se resolver. em parte. como resultado da eutrofização Retenção en. já que sustentabilidade visa garantir recursos para gerações futuras. herbicidas. liberando descargas relativamente pequenas .Requer grandes áreas . assim como classificá-las como meio de produzir um quadro geral de todas as possibilidades de aplicação em diferentes escalas. sociais e econômicos. o armazenamento e reutilização das águas de chuva.Pode haver crescimento intenso de algas.Custos de manutenção: poda da grama.Sedimentação do reservatório . estadual e até nacional.wikipedia. as inundações. Todas as medidas estudadas podem ser sustentáveis desde que sejam implantadas segundo estudos prévios de impactos ambientais.Pode controlar extensas áreas de drenagem.Benefícios recreativos . É importante destacar que.Área de proliferação de pernilongos .. Assim.Aumenta o valor dos terrenos adjacentes Pontos negativos: .org CONCLUSÃO O trabalho buscou agrupar as soluções potencialmente sustentáveis que têm como objetivo resolver a questão das enchentes nas cidades e metrópoles brasileiras. principalmente com o aumento de áreas permeáveis. limpezas periódicas . é necessário que se tenha um conjunto de ações em diversas escalas.Esteticamente agradável . para equacionar tal problemática. não apenas de dimensão física. 14 .

São Paulo Metrópole. 1979. São Paulo. o ser humano: diagnóstico e bases para a definição de políticas públicas para áreas verdes no Município de São Paulo. São Paulo. GROSTEIN. Delmar. São Paulo. Drenagem urbana: manual de projeto. São Paulo: SVMA. LIMA. drenagem de águas pluviais e rede de esgotos em São Paulo. Direito ambiental direito de quem? Políticas públicas do meio ambiente na metrópole paulista. 2002.BIBLIOGRAFIA ANCONA. São Paulo. 2004. MOREIRA. Mario Thadeu Leme de. 2004. 2002. São Paulo: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Marta Dora. 2004 São Paulo (Estado). Planejamento urbano no Paraná: a experiência de Curitiba. Sheila Walbe. José Luiz. ORNSTEIN. Ciro. 2003. 1992. 1990. São Paulo (Estado). Drenagem e impermeabilização. Gilson Lameira de. OSEKI. O Problema das inundações na Grande São Paulo: situação atual e implementação de diretrizes metropolitanas de drenagem. BARROS. MEYER. São Paulo (Cidade). Estudo analítico da morfologia urbana no processo de urbanização visando o planejamento do sistema de drenagem na cidade de São Carlos. A questão da água nas grandes cidades brasileiras. MATTES. FARACO. São Paulo: Fauusp/Fapesp/Lrav. O espaço das águas: as várzeas de inundação na cidade de São Paulo. São Paulo. BIDERMAN. o território. 2001. Andréa Regina Martins. Regina Maria Prosperi. 1991. Ana Lúcia. São Paulo: Empresa Metropolitana de Planejamento da 15 . Atlas ambiental do Município de São Paulo . São Paulo: EPUSP. 2000. São Paulo: EDUSP / IMESP. São Carlos: UFSCar. FONTES. Antonio Cláudio Moreira Lima. São Paulo. Política publica de proteção dos mananciais.o verde. Jorge Hajime. Segurando as águas: modelo de reabilitação de sistema de drenagem urbana com enfoque em retenção urbanística. Pensar e viver a construção da cidade: canteiros e desenhos de pavimentação.

br/scielo.br www. Renato Mattos. Sites www.sp. Algo do Tietê hoje: leito. São Paulo: Nova Bandeira Produções.htm www.pdf 16 .br/fau/docentes/deptecnologia/r_toledo/3textos/07drenag/dren-sp.br/orse/esp/ES00290.sp. TRAVASSOS. 2000. São Paulo. Luciana.prefeitura. A Bacia do Rio Aricanduva: urbanização e drenagem.gov.prefeitura. Proteção ambiental e desenvolvimento: uma reflexão sobre a Bacia Hidrográfica Billings. VIANA. 2004. ZUCCOLO.com www.. 1985. 2005. São Paulo.N. São Paulo: S. A dimensão sócio-ambiental da ocupação dos fundos de vale urbanos no município de São Paulo.gov.br/soscidade/enchentes. Luciana. Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos.gov.Grande São Paulo.sp. TRAVASSOS.daee. Brasília: UCB.pdf www. várzea e afluentuba. 2003.gov.usp.br www.se. Geraldo.scielo. SERRA. 1985. Mônica Antonia.php?script=sci_arttext&pid=S1413-41522006000100007 www.cehop. Governo do Estado de São Paulo.agua-de-chuva. O espaço natural e a forma urbana.