You are on page 1of 3

Carta dos Direitos da Criança no Esporte

Alvaro Ribeiro alvaro em cev.org.br Sexta Setembro 10 14:39:38 BRT 2004
  

Mensagem anterior: [Cevdopagem] Drogas para fins terapeuticos nas escolas Próxima mensagem: [Cevdopagem] Morte - Uso de Anabolizante Mensagens classificadas por: [ date ] [ thread ] [ subject ] [ author ]

Carta dos Direitos da Criança no Esporte http://www.geneve.ch/slj/Manifestations/chartescalad.html A Carta dos Direitos da Criança no Esporte foi elaborada por treinadores esportivos de Genebra. Através dela, se comprometem a respeitar o ritmo de cada um e a proteger crianças e jovens sob sua responsabilidade. Faz-se necessário difundi-la o máximo possível para que aos poucos cada clube, cada treinador e cada pai possam realmente levar em consideração os interesses da criança. Muitas crianças e jovens praticam algum esporte. Mas temos nós consideramos verdadeiramente sua opinião, suas aspirações? Prestamos atenção suficiente à sua saúde e ao seu bom desenvolvimento físico? A moda ou “a obrigação de obter resultados” em competições, às vezes, por acaso, não são contrárias aos interesses vitais da criança? [A Carta é afixada nos locais de prática, aos cuidados das associações esportivas e dos monitores adeptos do princípio segundo o qual o bem estar da criança deve prevalecer]. Toda criança tem o 1. Direito de praticar esportes 2. Direito de praticar o esporte por prazer e de jogar como uma criança 3. Direito de desfrutar de um ambiente são 4. Direito de ser tratado com dignidade 5. Direito de ser treinado e acompanhado por pessoas competentes 6. Direito de participar de treinamentos e competições adaptados às suas capacidades 7. Direito de competir com crianças que tenham as mesmas probabilidades de êxito 8. Direito de praticar esportes para sua saúde com toda a segurança e sem doping 9. Direito de ter momentos de descanso 10. Direito de ser ou não um campeão

Visão geral

Para 2008. são nesses locais que se concentram o maior número de crianças e adolescentes que desejam fazer do esporte um caminho para a inclusão e a ascensão social. especialmente as localizadas nas regiões menos favorecidas das cidades brasileiras. No entanto. No entanto. As ações do Segundo Tempo são realizadas tanto nos espaços físicos da escola quanto em quadras ou locais comunitários. A ação Projetos Esportivos Sociais permite que pessoas físicas e jurídicas destinem valores para o Fundo Nacional da Infância e da Adolescência. de acordo com a ONG Contas Abertas. o bem-estar físico. Outro projeto desenvolvido pelo Ministério do Esporte. sobretudo quando se sabe que apenas 44.763 das 160 mil escolas de ensino . a Carta dos Direitos da Criança no Esporte – posteriormente relançada em 1995 em Avignon (França) – o esporte é um direito de crianças e adolescentes de todo o mundo. com vistas a promover a inclusão social.25 bilhão. foram disponibilizados pouco mais de R$ 1. Praticar esportes pode ajudar no desenvolvimento social. para o desenvolvimento pleno e saudável. somente 10. comunidades e escolas. é o Segundo Tempo. este para facilitar o acesso de crianças e adolescentes à prática desportiva. A iniciativa consiste no incentivo à realização de atividades esportivas e de lazer no contra-turno escolar. aliás. pretende-se ampliar o atendimento e firmar novas parcerias com diversos setores da sociedade brasileira. Desta forma. eles exerçam seus direitos fundamentais enquanto pessoas em processo de formação. essa conquista foi ratificada por documentos como a Constituição Federal (1988) e o Estatuto da Criança e do Adolescente (1990). Nesse cenário. por meio da prática desportiva. iniciativas que busquem captar mais recursos para o esporte são fundamentais. o Ministério do Esporte é a pasta com o menor orçamento da Esplanada dos Ministérios. escolas. A parceria entre o governo e a comunidade é estratégica. psíquico e motor. para projetos já aprovados. No Brasil. Por isso. à população infanto-juvenil. desde 1988.54% desse dinheiro havia sido efetivamente gasto até meados de outubro.Apesar da relevância que a prática esportiva possui para o bem-estar da população em geral. comunidades e governos têm responsabilidade por fazer com que meninos e meninas usufruam dessa garantia. A falta de locais adequados e materiais apropriados para a prática de esportes é uma realidade em muitos bairros. além de assegurar o exercício da cidadania. de forma prioritária. Apesar da relevância que a prática esportiva possui para o bem-estar da população em geral. o Ministério do Esporte é a pasta com o menor orçamento da Esplanada dos Ministérios. Contraditoriamente. por exemplo. Famílias. quando foi lançada em Genebra (Suíça). é o objetivo da parceria firmada entre o Ministério do Esporte e o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). que incluem a prática desportiva no elenco de direitos que devem ser assegurados. assegurar a democratização do acesso ao esporte ainda é um desafio para um país com tamanha desigualdade social como o Brasil. a promoção da saúde e do desenvolvimento intelectual e humano. o mais importante é que. Este. No entanto.

No entanto. de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC). . apenas 24% das escolas públicas contam com esse espaço. o retrato da desigualdade de oportunidades fica evidente: enquanto 60% das unidades privadas possuem quadras para a prática de atividades esportivas. se a estrutura física das escolas públicas e particulares for analisada de forma separada.fundamental do Brasil tinham quadras de esporte em 2006. segundo o Inep.