You are on page 1of 11

1

LABORATÓRIO DE FÍSICA III: experimentos de eletrostática
!

RES"#O A realização deste artigo tem por objetivo principal reforçar os conceitos iniciais de eletrostática por meio da realização de experimentos desenvolvidos no laboratório de Física, no decurso da disciplina de aboratório de Física !!!" A maioria dos experimentos se utilizou do gerador eletrostático de correia # o gerador de $an de %raaff, cuja montagem e operacionalização tamb&m fazem parte do roteiro de estudo da referida disciplina" ' uso de medidores el&tricos como o multímetro, sua descrição e manuseio tamb&m se faz necessário para a (uantização das grandezas envolvidas de forma precisa" )onceitos como eletrização, campo el&trico, lin*as de força entre outros serão mel*or compreendidos" +ais atividades visam ainda promover a consolidação dos con*ecimentos teóricos, tendo sido realizados de modo criterioso, respeitando,se o rigor científico, mediante discussão e análise dos resultados obtidos na prática, sob a luz do referencias teóricos" $ala%ras&c'a%e: -edidores el&tricos" .letrização" .letroscópio" )ampo el&trico"

I(TROD")*O ' estudo da eletricidade & um fen/meno (ue remota 0 %r&cia Antiga" )oube a +ales de -ileto descrever como certos materiais, o 1mbar, por exemplo, (ue, ao serem atritados desenvolveram a propriedade de atraírem pe(uenos objetos como fios de cabelo" ' termo eletricidade foi citado pela primeira vez em 1233, por 4illiam %ilbert para se referir a esse efeito5 a palavra & derivada do termo grego para 61mbar7, 6ele8tron7" )ientistas continuaram seus estudos nessa área e descobriram (ue outros materiais como o vidro e peles de animais tamb&m apresentavam essa propriedade" 9essa mesma &poca, o físico franc:s )" F" du Fa; observou (ue dois objetos, após serem atritados, podiam se repelir ao inv&s de se atrair" .ste mesmo físico, por volta de 1<==, prop/s (ue a eletricidade existia em dois tipos, e o atrito entre dois corpos >vidro e papel? podem fazer com (ue eles tro(uem esses tipos entre si e concluiu (ue corpos com o mesmo tipo de eletricidade se
1

%raduando do @A período do )urso de icenciatura em Física do !nstituto Federal de .ducação, )i:ncias e +ecnologia do -aran*ão , )ampus !mperatriz # dami"marB*otmail"com" C %raduando do @A período do )urso de icenciatura em Física do !nstituto Federal de .ducação, )i:ncias e +ecnologia do -aran*ão , )ampus !mperatriz # dndopusD=B*otmail"com"

(ue deveria conter uma (uantidade exata do referido fluido5 se o *ouvesse em excesso.C repelem. convenção (ue & usada at& os dias atuais" Assim. e corpos com tipos diferentes se atraem" A forma de eletricidade presente no vidro atritado por lã foi c*amada de 6eletricidade vítrea7.Instr. tendo seu funcionamento baseado no efeito magn&tico da corrente el&trica" Km multímetro digital. tais comoJ corrente. ou simplesmente displa. oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor. o manuseio de e(uipamentos. sem termos (ue ficarmos fazendo multiplicaçIes >como ocorre com multímetros analógicos?" . como papel picado utilizados no processo de eletrização ou a c*ama de uma vela (ue se divide no processo de ionização das mol&culas de ar submetidas 0 ação de um campo el&trico (ue. voltagem e resist:ncia" ' galvan/metro & o instrumento de medidas el&tricas. segue abaixo a descrição do multiteste ou multímetro. Fenjamin Fran8lin.mentos de medidas el/tricas -ultímetro & o nome dado ao aparel*o capaz de realizar mediçIes das grandezas el&tricas. (ue c*amamos de displa. & muito importante con*ecer os instrumentos de medidas el&tricas" Assim.se como objetivos deste artigo a realização de experimentos. a mat&ria estaria positivamente carregada. e se o *ouvesse em falta. de cristal lí(uido. como o da Foto 1. no final do s&culo E$!!!. tem.TICA Hara auxiliar no desenvolvimento dos experimentos a seguir. e a eletricidade resinosa & negativa >falta de fluido?. são fatores (ue se somam com vistas 0 obtenção dos resultados mais fidedignos possíveis e a compreensão mais clara da física eletrostática" ! E+$ERI#E(TOS E# ELETROST. básico para a construção e funcionamento dos amperímetros e voltímetros analógicos. a análise comportamental de certos objetos envolvidos.. físico e estadista americano. preliminarmente 0 descrição dos experimentos propriamente ditos. a mat&ria estaria negativamente carregada" )onvencionou. após uma fundamentação teórica. se referiu 0 eletricidade como um fluido Gnico. e a presente no 1mbar de 6eletricidade resinosa7" -ais recentemente. tendo em vista (ue o uso incorreto desse instrumento pode comprometer o resultado dos trabal*os" !.se (ue a eletricidade vítrea & positiva >excesso de fluido?. presente em toda a mat&ria. o valor num&rico da grandeza medida.

rnest . uma l1mina de alumínio e dois eletrodos puntuais de transfer:ncia" $ersIes pe(uenas do gerador de $an de %raaff são fre(uentemente vistas em demonstraçIes sobre eletricidade. produzindo o efeito de arrepiar os cabelos de (uem tocar na cGpula. descargas em gases a altas pressIes. eletrodos auxiliares. um frasco de pó caulin. com capacidade de C@3"333 voltsN Oua constituição se faz basicamente de uma cGpula esf&rica removível . processos de eletrização. configuraçIes de lin*as de força. vide Foto C. sem emendas. duas conexIes el&tricas. desenvolveu pes(uisas em Física nuclear por acreditar. isolado da terra. um eletrodo com ganc*o para eletroscópio. base de sustentação metálica com motor el&trico. um torni(uete el&trico com piv/. esfera auxiliar de descarga. constitui. pois o cabelo fica eletrizado com cargas da mesma polaridade. coluna principal # isolada e articulável com eixos tracionadores e alin*adores. cuba cilíndrica. (ue conse(uentemente se repelem" Pobert Qemison $an de %raaff >1R31 # 1R2<? foi um físico americano (ue.Migital"*tml !-! Experimentos com o 0erador de 1an de 2raa33 ' gerador eletrostático de $an de %raaff. assim como .se de um instrumento destinado ao estudo da ei das cargas. entre outras atividades.= Foto 1 # -ultímetro digital FonteJ *ttpJLLcontrolesecia"com"brLprodutoL-ultimetro. entre outras aplicaçIes.

se a esfera superior" +ornou. segurou. apontou.se.se a l1mpada.2 Elevando tiras de papel .2.2.se a esfera com cabo da cabeça do gerador. ocorrendo um faiscamento com fre(u:ncia regular" 2. fluorescente ou n&on. (ue partículas poderiam ser aceleradas ao ponto de nGcleo at/mico desintegrar.se a l1mpada para a esfera do aparel*o em funcionamento. isto provocou o assentamento da correia" Mesligou.@ Put*eford.se o aparel*o em velocidade m&dia por tr:s minutos.1 Acendendo uma lâmpada )om o aparel*o ligado. ligou.se o gerador e colocou. com a mão cerca de C3 cm do extremo (ue foi aproximado do gerador. participando inclusive de pes(uisas sobre radiação com -arie )urie" Foto C # %erador eletrostático de $an de %raaff FonteJ os próprios autores Mepois de realizar os ajustes iniciais.se (ue a l1mpada irá emitir luz" 2.se a ligar a c*ave geral e aproximou. observou.

na parte externa da esfera do gerador na altura 6da lin*a do e(uador7" )om o aparel*o ligado. entrou em rotação" Foto @ # ' poder das pontas # torni(uete .se o pino banana com agul*a no orifício existente no topo da esfera do gerador" . Foto @.se. observou.ncaixou.se (ue as tiras afastaram.se a agul*a no torni(uete de forma a mant:.se o gerador e observou. colocou.3 O poder das pontas – o torniquete )om o aparel*o desligado e descarregado.2. Foto =.se (ue o torni(uete. tiras de papel alumínio.levando tiras de papel FonteJ os próprios autores 2.se da esfera" Foto = # .lo na posição *orizontal" igou. com fita adesiva.D )olou.

com o uso do gerador de $an de %raaff.2 FonteJ os próprios autores 2. tal (ual nos experimentos anteriores" Foto D # Pepresentação de um eletroscópio de fol*as FonteJ *ttpJLLg@terceiraob"blogspot"com"brLC31CL3=Leletroscopio"*tml Me acordo com Anjos e Arruda >1RRD.2. p" 1C?J .4 O eletroscópio de folhas ' objetivo deste experimento foi con*ecer e descrever o funcionamento do eletroscópio de fol*as. al&m de compreender (ue as cargas el&tricas estáticas se distribuem na superfície externa do condutor. Foto D.

o logo após" !nternamente não *ouve nen*uma alteração com a tira de alumínio.m seguida. desligando. fixou. atrav&s de uma *aste tamb&m de cobre (ue passa por uma rol*a de borrac*a ou cortiça adaptada ao gargalo de um frasco de vidro" )om o eletroscópio acoplado na esfera do gerador o aparel*o foi ligado e. imerge.ssas l1minas >fol*as? são interligadas a uma esfera de cobre. classificar os gases em termos de condutividade el&trica.< . carregando. (ue são ligadas aos pólos de um gerador" As peças metálicas são c*amadas eletrodos" ' eletrodo ligado ao pólo positivo & c*amado 1nodo5 o outro & . recon*ecer a import1ncia da pressão e da dist1ncia entre os eletrodos na capacidade de condução el&trica do gás.o negativamente. separadas por uma dist1ncia d.letroscópio de fol*as & um aparel*o em (ue se destacam as l1minas metálicas finíssimas >feitas de ouro (uando se necessita de muita sensibilidade ou de papel alumínio no caso mais comum?" .2.5 escar!a el"trica em !ases so# press$o atmosf"rica )om a realização deste experimento foi possível identificar os eletrodos 1nodo e cátodo. diferentemente do (ue ocorreu na parte externa da esfera" 2. conforme Foto 2" Foto 2 # Pepresentação de descarga em gases sob pressão atmosf&rica FonteJ os próprios autores Hara a corrente el&trica percorrer um gás. após alguns instantes.se nele duas peças metálicas. bem como descrever as condiçIes necessárias para (ue ocorra a descarga el&trica por meio de um gás sob pressão atmosf&rica. desligado. ocorrendo a distribuição das cargas ao longo da superfície externa da esfera" .se o gerador. como condutores de terceira esp&cie.se uma tira de papel alumínio interna e externamente 0 esfera5 ligou.

um gás pode ser condutor ou isolante.las representam geometricamente o campo el&trico" Oão lin*as imaginárias (ue permitem visualizar a configuração do campo el&trico no espaço" Foto < # Pepresentação de lin*as de força . por meio da ionização das mol&culas de ar" )om a vela acesa e o e(uipamento montado. então. de uma ou mais atmosferas.ntre os eletrodos existe.2. de alguns centímetros. foram atraídos para mais próximos da placa. presente entre as placas do capacitor. dependendo da sua pressão.se. pois a c*ama & constituída por determinados íons excitados. ligou. sob a ação de um campo el&trico. então o gás & isolante.S c*amado cátodo" . uma diferença de potencial" Oe a dist1ncia d for pe(uena. se a dist1ncia d for grande da ordem de um ou vários metros. os (uais foram submetidos 0 ação do campo el&trico. e abaixo da (ual não conduz" -as.) *onfi!ura'+es das linhas de for'a de um campo el"trico ' conceito de lin*as de força introduzido por Farada.2. mesmo (ue a diferença de potencial entre os eletrodos seja enorme" Assim. e foi criado com o objetivo de facilitar a visualização do campo el&trico. fazendo com (ue os íons procurem se depositar de modo mais intenso na(uela região" 2.se o gerador eletrostático de correia e constatou. foram necessárias duas conexIes el&tricas com pinos de pressão. da dist1ncia entre os eletrodos e da diferença de potencial existente entre eles" 2. ou seja. aumentando sua espessura" A diminuição do taman*o da c*ama se justifica pelo fato do campo ser mais intenso na região mais central 0s placas. Foto <" . para cada pressão do gás sempre existe certa diferença de potencial $ acima da (ual o gás conduz. uma caixa de fósforos" ' objetivo desse experimento foi compreender a divisão ocorrida na c*ama da vela.se (ue a c*ama da vela dividiu. uma vela.% A ioni&a'$o das mol"culas de ar su#metidas ( a'$o de um campo el"trico Hara a realização desta atividade. um condensador de placas paralelas para acoplamento ao gerador eletrostático. e a pressão alta.

experimento para provar os efeitos da c*amada blindagem eletrostática" . proporcional ao módulo do vetor campo el&trico7" 2.R FonteJ *ttpJLLcepa"if"usp"brLe.sse experimento ficou con*ecido por 6%aiola de Farada. físico brit1nico. as lin*as de força são paralelas e igualmente espaçadas.7" Ao acoplar a gaiola metálica. – #linda!em eletrost/tica -ic*ael Farada. numa dada região.2. entrou na gaiola para provar (ue seu interior era seguro" .. nunca se cruzam e apresentam concentração.fisicaLimagensLeletricidadeTmagnetismoLbasicoLcap3=LfigD="gif ' vetor campo el&trico e as lin*as de força relaciona m&se da se0. pois em cada ponto do espaço só existe um vetor campo el&trico" Uuando o campo el&trico & uniforme.inte 3orma: em cada ponta. realizou. como na relação central entre duas placas planas" Hara Anjos e Arruda >1RRD. p" =@? as 6lin*as de força do campo el&trico são orientadas sempre da carga positiva para a negativa. o vetor el&trico & tangente 0s lin*as de força" ' campo & mais intenso onde as lin*as de força estão mais próximas" As lin*as de força divergem das cargas positivas e convergem para as cargas negativas5 as lin*as de força nunca se cruzam. A !aiola de -arada. isso ocorre devido 0 blindagem eletrostática" !sso ocorre pois as cargas el&tricas tendem a se depositar na superfície externa de um condutor. em 1S=2. tornando o campo el&trico interno nulo" Hara comprovarmos a eletrização da gaiola basta colocar esta em contato com um eletroscópio de fol*as e percebermos (ue as fol*as se afastarão" . com um p:ndulo el&trico suspenso em seu interior.. ao gerador eletrostático percebemos (ue o p:ndulo não sofre ação alguma.le construiu uma gaiola de metal carregada por um gerador eletrostático de alta voltagem e colocou um eletroscópio em seu interior para provar (ue os efeitos do campo el&trico gerado pela gaiola eram nulos" ' próprio Farada.

of t*is discipline" +*e use of electric meters as t*e multimeter.D cm x C1 cm. for t*e (uantization of t*e magnitudes involved accuratel. ficando a tira de plástico com sinal negativo e o pano de lã com sinal positivo.D cm x C1 cm. uma ao lado da outra. (uatro ret1ngulos de plástico de 11 cm x C1 cm. t*e $an de %raaff generator. lines of force and ot*ers Vill be better . (ue envolvem o uso de laboratório. electric field.sics developed in t*e course of t*e discipline of H*. essa (uantidade for alterada. com o uso de material alternativo. com o mesmo nGmero de prótons e el&trons" Oe. mas com objetivos bem definidos. como foi o caso.sics aborator. conclui. conducting experiments in t*e laborator. superam o caráter meramente didático e nos convida a desvendar os mist&rios (ue o mundo da Física nos apresenta" Hortanto. oito tiras plásticas transparentes de 3.se por meio deste artigo." )oncepts suc* as electrification. and operation are also part of t*e script stud. ficou comprovado a necessidade (ue certos conteGdos da Física possuem de serem postos 0 prova. após ter sido atritada com a lã. o corpo ficará eletrizado" . its description and *andling is also necessar.se de forma neutra. sem prejuízo da (ualidade da aprendizagem e resultados desejados" ABSTRACT +*e accomplis*ment of t*is article aims to reinforce t*e main concepts of t*e initial electrostatic b. para (ue se possam compreender visualmente os efeitos microscópicos (ue envolvem a eletricidade" . (uatro tiras de papel de 3. !!!" -ost of t*e experiments Vas used electrostatic generator belt . um pano de lã e uma fol*a de papel ofício" Murante o experimento. V*ose assembl. foi aproximada da outra tira. of p*.13 !-4 $rocessos de eletri5a67o 's corpos em geral apresentam. contato ou por indução" Hara este experimento foram necessários dez pe(uenos pedaços de papel picado. em seguida. de posse de materiais simples. de alguma maneira.ssas atividades.ssa alteração constitui os c*amados processos de eletrização e pode ocorrer por atrito. (ue atividades dessa natureza. 0s (uais se repeliram. foram colocadas sobre uma fol*a de papel ofício sobre a mesa" Kma das tiras foi esfregada várias vezes com um pano de lã e. confirmando o processo de eletrização por atrito" 4 CO(CL"S8ES Após a realização dos experimentos descritos neste artigo. duas tiras de plástico. enri(uecem e fixam mel*or os conteGdos. ou seja.

11 understood" Ouc* activities also aim to promote t*e consolidation of t*eoretical 8noVledge. !" %onçalves" F>sica na Escola At.lectric field < REFER=(CIAS APPKMA. -" A" de +oledo5 A9Q'O.sis of results obtained in practice. fisicaLimagensLeletricidadeTmagnetismoLbasicoLcap3=LfigD="gifX" Acesso emJ 13 out" C31C" .lectroscope" .lectric meters" .lectrification" . 1RRD" Misponível emJ W*ttpJLLg@terceiraob"blogspot"com"brLC31CL3=Leletroscopio"*tmlX" Acesso emJ 1C out" C31C" Misponível emJ W*ttpJLLcepa"if"usp"brLe. respecting t*e scientific rigor t*roug* discussion and anal.ordsJ . *aving been made so judicious.al: eletricidade e ondulatória" Oão HauloJ Atual. in t*e lig*t of t*eoretical references" 9e:.