You are on page 1of 5

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE PERIFÉRICA DO DISCO DOSADOR E DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE SOJA POR UM DOSADOR DE DISCOS HORIZONTAIS Virgínia

Pillon¹, Dauto P. Carpes², Mateus P. Bellé³, Otávio D. da C. Machado³, Cristian J. Franck4, Tiago R. Franceto4 Orientador: Airton dos Santos Alonço5
1 2 3 4 5

Acadêmica de Agronomia, UFSM, Santa Maria – RS Engenheiro Agrônomo, Mestrando PPGEA/UFSM, Santa Maria – RS Engenheiro Agrônomo, Doutorando PPGEA/UFSM, Santa Maria – RS Engenheiro Agrícola, Mestrando PPGEA/UFSM, Santa Maria – RS Engenheiro Agrícola, Prof. Adjunto PPGEA/UFSM, Santa Maria - RS

INTRODUÇÃO No processo produtivo de qualquer cultura, a eficiência na semeadura é um dos fatores fundamentais para o sucesso no estabelecimento e posterior rendimento potencial da lavoura. Segundo Endres (1996), a distribuição desuniforme de plantas no campo implica em aproveitamento ineficiente dos recursos disponíveis como luz, água e nutrientes e conseqüentemente reflete em queda na produtividade da cultura. O tratamento fitossanitário de sementes propicia proteção à semente e após a germinação nos estádios iniciais das plântulas contra os principais fungos de solo e também os presentes em sementes de baixa qualidade. Porém, de acordo com Mohsenim (1974) & Mantovani et al. (1999), a utilização destes produtos promove alteração das características físicas das sementes devido ao fato de que os principais produtos do mercado conferem certa aderência entre as mesmas, alterando a rugosidade e dificultando o escoamento destas no reservatório de sementes fazendo com que o enchimento dos alvéolos e, conseqüentemente, o desempenho do sistema de dosagem seja prejudicado. Segundo Tourino (1993), a velocidade periférica do disco dosador também é um dos fatores mais importantes, pois, sendo maior que 15 cm/s o tempo de exposição da semente ao alvéolo é reduzido, e isto dificulta a deposição destas aos alvéolos dos discos, além de poder ocasionar falhas no mecanismo exclusor de sementes.

Este trabalho justifica-se por estudar se existe influência na qualidade da operação de semeadura em soja pela utilização de tratamento fitossanitário nas sementes e também pela elevação da velocidade periférica do disco dosador para obtenção de maiores populações de plantas.

OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi avaliar a influência do tratamento fitossanitário e da velocidade periférica do disco dosador na distribuição longitudinal das sementes de soja, utilizando-se um dosador de disco alveolado horizontal, classificando aos espaçamentos observados em aceitáveis, múltiplos e falhos.

METODOLOGIA O trabalho foi conduzido no Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Máquinas Agrícolas (LASERG), vinculado ao Departamento de Engenharia Rural/ UFSM-RS. Foi utilizada uma bancada de ensaio de mecanismos dosadores de sementes confeccionada pela equipe do laboratório, o controle e o comando da rotação do disco dosador de sementes são realizados com o uso de um inversor de freqüência CFW - 08, e um motor elétrico trifásico de indução assíncrono que possui potência de 0,74kW (1 CV). Para contagem de espaçamentos entre sementes foi utilizada uma esteira de borracha com 17,5 m de comprimento e 0,15m de largura que simula a velocidade de deslocamento de semeadora. Esta esteira é revestida com feltro de forração agulhado vertical, com 0,003m de espessura.. Seu acionamento é realizado por um motor elétrico trifásico de indução assíncrono de 2208 W (3 CV) acionado por um inversor de freqüência CFW – 10. (SILVEIRA et al., 2010). Para os ensaios foram utilizadas sementes de soja da cultivar 6411 Nidera, os tratamentos foram formados de um fatorial 2x3, composto por três populações de plantas (300, 350, 400 mil sementes ha-1), com e sem tratamento fitossanitário, a velocidade de deslocamento foi mantida em 1,67 m s-1. Foram variadas somente as velocidades periféricas do disco dosador de sementes, sendo utilizadas (0,11 m s-1; 0,13 m s-1; 0,15 m s-1). O produto utilizado para tratamento fitossanitário foi Derosal®1, fungicida registrado para o tratamento de sementes de soja. A dosagem foi estabelecida

1

A citação de marcas e modelos não implica em recomendação dos mesmos por parte dos autores.

conforme as recomendações agronômicas, 200 ml para 100 kg de sementes de soja. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado com 4 repetições. A regularidade de distribuição de sementes foi determinada conforme Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 1994). Essa variável foi avaliada por meio dos espaçamentos aceitáveis, duplos e falhos. Assim sendo, serão considerados como espaçamentos aceitáveis aqueles entre 0,5 e 1,5 vezes o espaçamento médio de referência (XREF); duplos, os espaçamentos menores que 0,5 vezes o XREF e falhos para espaçamentos maiores que 1,5 vezes o XREF. Os dados coletados dos espaçamentos foram submetidos à análise estatística utilizando-se o programa ASSISTAT® e as médias comparadas pelos testes de Tukey ao nível de 5% de probabilidade de erro.

RESULTADOS E DISCUSSÃO Tabela1. Espaçamentos aceitáveis, múltiplos e falhos para as sementes com e sem tratamento fitossanitário. Espaçamentos(%) Aceitáveis Múltiplos Falhos Sem Tratamento Fitossanitário 63.84 a 19.53 b 16.62 a Com Tratamento Fitossanitário 52.17 b 29.88 a 17.93 a *As médias seguidas pela mesma letra na coluna, não diferem estatisticamente entre si. Foi utilizado o Teste Tukey à 5% de probabilidade. Tratamentos Para a condição com tratamento, à nível de 5% de probabilidade houve redução significativa dos espaçamentos aceitáveis, tal fato pode estar atribuído pela utilização do tratamento fitossanitário propiciar certa aderência entre as sementes e destas com as paredes do reservatório dificultando o escoamento das sementes e consequentemente ocasionando falhas no preenchimento dos alvéolos do disco dosador. Resultados semelhantes foram encontrados por Mohsenim (1974) & Mantovani et al. (1999) ao avaliar a distribuição de sementes com tratamento fitossanitário. Houve aumento significativo dos espaçamentos múltiplos para as sementes com tratamento, podendo isto estar relacionado à baixa eficiência do mecanismo raspador de sementes duplas ao permitir a presença de duas sementes em um alvéolo corroborando as conclusões de (TOURINO 1993). Para os espaçamentos falhos, não houve diferença significativa entre os tratamentos avaliados.

Tabela2. Espaçamentos aceitáveis, múltiplos e falhos e sementes por metro com variação da velocidade periférica do disco dosador. Velocidades Espaçamentos(%) Aceitáveis Múltiplos Falhos Sementes m-1 60.25b 23.31a 16.67a 13.94c 0.11 m s-1 -1 57.57b 23.10a 19.32a 15.51b 0.13 m s 67.77a 16.35b 16.24a 17,71 a 0.15 m s-1 *As médias seguidas pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si. Foi aplicado o teste de Tukey a 5 % de probabilidade. Para a velocidade periférica de 0.15 m.s-¹, foi obtido o maior percentual de espaçamentos aceitáveis, resultados semelhantes foram encontrados por Camilo et al. (2004) que ao elevar a velocidade de deslocamento concluiu que a distribuição longitudinal de sementes não foi afetada, tal fato pode ser explicado devido a velocidade periférica do dosador estar próxima a uma faixa ideal de operação, isto também pode ser utilizado para explicar a redução do percentual de espaçamentos múltiplos. O número de sementes m-1 manteve-se abaixo do planejado para o experimento, concordando com os resultados encontrados por Morgado (2008), que observou uma diminuição na quantidade de sementes distribuídas por unidade de área com elevação da velocidade periférica dos discos dosadores e também de deslocamento.

CONCLUSÃO Após análise dos resultados obtidos conclui-se que, o uso do tratamento de sementes influencia na qualidade da distribuição longitudinal de sementes, de modo que o uso do produto fitossanitário reduz o percentual de espaçamentos aceitáveis e contribui para o aumento dos espaçamentos múltiplos. Nas condições em que foram realizados os ensaios, o aumento da velocidade periférica do disco dosador proporcionou elevação dos espaçamentos aceitáveis e redução dos múltiplos, podendo esta velocidade ser uma faixa próxima a ideal de utilização deste dosador de sementes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.

Projeto

de

norma 04: 015.06 – 004: Semeadora de precisão – ensaio de laboratório – método de ensaio. São Paulo, 1994. 26p.

CAMILO, A.J.; FERNANDES, H.C.; MODOLO, A.J.; RESENDE, R.C.; Influência de mecanismos rompedores e velocidades de trabalho no desempenho de uma semeadora-adubadora de plantio direto do feijão. Engenharia na Agricultura, Viçosa, v.12, n.3, 203-211, jul/ago 2004

ENDRES, V. C. Espaçamento, densidade e época de semadura. In: EMBRAPA. Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste ( Dourados, MS). Soja: Recomendações técnicas para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Dourados, 1996. p. 82 – 85. (Circular técnica,3).

MANTOVANI, E. C.; MANTOVANI, B.H.M.; CRUZ, I.; MEWES, W. L. C.; OLIVEIRA, A. C.; Desempenho de dois sistemas distribuidores de sementes utilizados em semeadoras de milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.34, n.1, p.9398, 1999.

MOHSENIN, N.N. Physical properties of plant and animal materials . New York: Gordan and Breach, 1974. 734 p.

MORGADO C. B., Comparação de bancadas simuladoras do processo de semeadura em milho. 28 p. Monografia (Trabalho de conclusão de curso em Agronomia) Setor de Ciências Agrárias e de Tecnologia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa – PR, 2008.

SILVEIRA,H.A.T. da et al. Projeto e desenvolvimento de uma bancada de ensaios de dosadores pneumáticos: fase preliminar e detalhada. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola. 39, 2010, Vitória, ES, Anais... Jaboticabal: SBEA, 2010, CDroom.

TOURINO, M. C.C. Influência na velocidade tangencial dos discos de distribuição e dos condutores de sementes de soja, na precisão de semadoras. 1993. 114f. Dissertação de mestrado – UNICAMP, Campinas.