You are on page 1of 2

ESTUDOS DE HISTÓRIA E SUAS ABORDAGENS EM SALA DE AULA

Universidade do Estado do Rio de Janeiro

NOVAS

As diversas formas de abordar uma História sendo vistas de uma perspectiva didática analisa uma construção de fatos com o intuito de formar uma visão contemporânea do ensino de História, buscando aproximar o aluno da História.

A forma de trabalhar história em sala de aula e o jeito no qual desenvolve uma forma que crie uma problemática, mas de modo que os alunos compreendam facilmente o que está sendo ensinado é o principal desafio do professor de História. Destrinchando meios de formação de uma identidade nacional e de uma “história nacional” na qual em determinados períodos figuras de heroísmo e nacionalismo era por parte do governo exaltadas, sendo estas uma nova forma de ensinar História e de criar valores nas crianças com o intuito de ter no futuro “bons” cidadãos. Esse conceito de trabalhar História também depende da região onde está sendo lecionada, segundo Bittencourt existe clara influência de regionalismos no ensino de História. Uma história sendo desenvolvida em Porto Alegre difere de uma em Salvador. E não só de estados essa forma de ensinar é diferente, mas dentro desses mesmos lugares existem formas de se tratar um mesmo assunto. É levado em conta as diferentes condições tanto social quanto econômicas, fora interesses locais. Um país com um território tão amplo que de certa forma se assemelha com um continente coexistem diferentes culturas e diferentes lados disputando o poder que somado a uma ampla desigualdade influencia na forma pela qual é trabalhada o ensino, portanto o fator do professor é fazer o seu trabalho buscando diminuir essas diferenças. O trabalho na sala de aula com os alunos se torna mais compreensível se a História for contada de uma forma mais crível. Para isso o uso de fontes historiográficas se tornam indispensáveis como fotografias, jornais, documentos e até um simples filme que trata de um período específico se torna de fácil entendimento por parte do aluno, mas sendo sempre dito que nunca será possível saber o que realmente se passou, mostrando para o aluno uma espécie de quebra-cabeça na qual ele também está inserido. Em tempos de novas mídias onde os alunos em suma maioria estão todos conectados às redes sociais,e certa forma dificulta o entendimento de algumas fontes, até para os alunos não se imaginarem em um passado talvez não tão distante onde a informação não vinha tal facilmente. Contrastando com isso a internet e a globalização também facilitam a informação, e, até mesmo o trabalho do professor e como citado por Kamal, “Afinal o professor é o elemento que estabelece a intermediação entre o patrimônio cultural da humanidade e a cultura do educando é necessário que ele conheça bem tanto

sendo uma das mais importantes à globalização. Selva Guimarães: Tudo é História: O que Ensinar no Mundo Multicultural?” BEZERRA.um como o outro”. BITTENCOURT. pois mídias com visões que atendam determinado tipo de interesse e de público se encontram facilmente ao alcance dos jovens. Sumariamente. Essas reflexões precisam ser. o uso das fontes em sala de aula como já citado é essencial e somada a internet se torna ainda mais interessante para o professor. Holien Gonçalves: Ensino de História: Conteúdos e Conceitos Básicos KARNAL. O currículo escolar. como visitar museus em outros países. sendo essas fontes de certa forma mais úteis tanto para o aluno quanto para o professor do que o livro didático. tornando as aulas mais dinâmicas e interativas. MARCOS e FONSECA. O uso de novas fontes para facilitar o ensino de Historia se deu principalmente com as mudanças do século XX. melhor discernidas exaltando ou diminuindo determinado fato. O professor tem o dever de usar essa informação para formar conhecimento e não se negar a ver as novas formas de interação com os jovens. O problema disso seria as condições que a escola oferece para que tais métodos sejam praticados. Circe: Identidade Nacional e Ensino de História do Brasil SILVA. REFERÊNCIAS BITTENCOURT. aonde de certa maneira vimos diversas vezes a História sendo feita ao vivo. REBECA: Nacional e ensino de História a diversidade como “patrimônio sociocultural . é que as fontes precisam ser filtradas. LEANDRO: O que e como ensinar?Por uma História prazerosa e consequente. Circe: Ensino de História: fundamentos e métodos GONTIJO. outro fator que contribui negativamente para essas práticas. atendendo a essa demanda de novos tempos se renovou e aos poucos foi modificando o processo de aprendizagem. culturais e econômicas. por vezes. pois pode oferecer novas experiências para os alunos. O olhar para essas fontes partindo da análise do historiador pode contribuir para visões políticas.