You are on page 1of 7

CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado

Direito Previdenciário Frederico Amado REGIME PÚBLICO § 14 - A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, desde que instituam regime de previdência complementar para os seus respectivos servidores titulares de cargo efetivo, poderão fixar, para o valor das aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo regime de que trata este artigo, o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 15/12/98) § 15. O regime de previdência complementar de que trata o § 14 será instituído por lei de iniciativa do respectivo Poder Executivo, observado o disposto no art. 202 e seus parágrafos, no que couber, por intermédio de entidades fechadas de previdência complementar, de natureza pública, que oferecerão aos respectivos participantes planos de benefícios somente na modalidade de contribuição definida. § 16 - Somente mediante sua prévia e expressa opção, o disposto nos §§ 14 e 15 poderá ser aplicado ao servidor que tiver ingressado no serviço público até a data da publicação do ato de instituição do correspondente regime de previdência complementar

dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) § 2° As contribuições do empregador, os benefícios e as condições contratuais previstas nos estatutos, regulamentos e planos de benefícios das entidades de previdência privada não integram o contrato de trabalho dos participantes, assim como, à exceção dos benefícios concedidos, não integram a remuneração dos participantes, nos termos da lei. § 3º É vedado o aporte de recursos a entidade de previdência privada pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, suas autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista e outras entidades públicas, salvo na qualidade de patrocinador, situação na qual, em hipótese alguma, sua contribuição normal poderá exceder a do segurado § 4º Lei complementar disciplinará a relação entre a União, Estados, Distrito Federal ou Municípios, inclusive suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas controladas direta ou indiretamente, enquanto patrocinadoras de entidades fechadas de previdência privada, e suas respectivas entidades fechadas de previdência privada. (LC 108/2001) § 5º A lei complementar de que trata o parágrafo anterior aplicar-se-á, no que couber, às empresas privadas permissionárias ou concessionárias de prestação de serviços públicos, quando patrocinadoras de entidades fechadas de previdência privada. § 6º A lei complementar a que se refere o § 4° deste artigo estabelecerá os requisitos para a designação dos membros das diretorias das entidades fechadas de previdência privada e disciplinará a inserção dos participantes nos colegiados e instâncias de decisão em que seus interesses sejam objeto de discussão e deliberação. SLIDES EXTRAÍDOS DE PARTE DO LIVRO DIREITO E PROCESSO PREVIDENCIÁRIO SISTEMATIZADO, PUBLICADO PELA ED. JUSPODIVM (AMADO, Frederico Augusto Di Trindade, 3ED, 2012).

REGIME PRIVADO Art. 202. O regime de previdência privada, de caráter complementar e organizado de forma autônoma em relação ao regime geral de previdência social, será facultativo, baseado na constituição de reservas que garantam o benefício contratado, e regulado por lei complementar. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) § 1° A lei complementar de que trata este artigo assegurará ao participante de planos de benefícios de entidades de previdência privada o pleno acesso às informações relativas à gestão de seus respectivos planos. (Redação

www.cers.com.br

1

A previdência privada divide-se em dois regimes: ABERTO. consoante a Súmula 321. do Banco do Brasil.2010. os valores aportados e os benefícios pagos.CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado A Lei Complementar 109 traz as regras gerais sobre a previdência complementar privada. CARACTERÍSTICAS GERAIS O regime de previdência privada é complementar e organizado de maneira autônoma ao Regime Geral de Previdência Social. ressaltando que a legislação previdenciária de maneira atécnica se referiu a sociedade sem A legislação prevê que poderão ser aprovados os seguintes planos de benefícios: A) Benefício definido . B) Contribuição definida – aquele cujos benefícios programados têm seu valor permanentemente ajustado ao saldo de conta mantido em favor do participante. Há a incidência do Código de Defesa do Consumidor. G) Dividida em regime aberto e fechado. tendo revogado expressamente as Leis 6. considerando o resultado líquido de sua aplicação.cers.br 2 . do STJ: “Súmula 321 STJ: O Código de Defesa do Consumidor é aplicável à relação jurídica entre a entidade de previdência privada e seus participantes”. de 04. D) Contratual sui generis. Por sua autonomia.aquele cujos benefícios programados apresentem a conjugação das características das modalidades de contribuição definida e benefício definido. de forma a assegurar sua concessão e manutenção. Será considerado como PARTICIPANTE a pessoa física que aderir aos planos de benefícios. os servidores do órgão regulador e fiscalizador www. sendo necessariamente administrado por pessoas jurídicas organizadas sob a forma de sociedades anônimas. ao passo que a Lei Complementar 108 regula a relação jurídica entre as entidades componentes da Administração Pública com as suas respectivas entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão). fins lucrativos. O STJ já se pronunciou expressamente no sentido de que o parceiro homoafetivo deverá ser considerado como beneficiário em plano de previdência privada. Por tudo isso. C) Contribuição variável . na forma do artigo 981.462/77. que conta com 1.com. é possível listar as seguintes características gerais da previdência privada: A) Complementar. obrigatoriamente regulamentado por lei complementar por determinação constitucional. F) Regulamentada por lei complementar. a exemplo da PREVI – Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil. Por sua vez.19 milhões de segurados.435/77 e 6. vale ressaltar que a relação previdenciária privada não integra o contrato de trabalho dos participantes. C) Autônoma ao RGPS. No desempenho das atividades de fiscalização das entidades de previdência complementar. REsp 1026981. sendo o custeio determinado atuarialmente. FECHADO. pois apenas poderão ingressar no regime os empregados do patrocinador ou os membros/associados do instituidor. pois não se confunde ou depende da relação laborativa. H) Inconfundível com o contrato de trabalho. O regime fechado será integrado por entidades sem fins lucrativos (associações e fundações). ASSISTIDO é o participante ou seu beneficiário em gozo de benefício de prestação continuada. inclusive na fase de percepção de benefícios. quando ainda não gozar de benefício. E) Baseada na constituição de reservas. conquanto se saiba que as sociedades pressupõem finalidade econômica.02. sendo a sua filiação de natureza facultativa. em que é admitida a filiação de qualquer pessoa. do Código Civil.aquele cujos benefícios programados têm seu valor ou nível previamente estabelecidos. O regime aberto será composto por entidades abertas de previdência complementar. a exemplo da BRASILPREV. por também ser a relação apta a instituir entidade familiar. B) Facultativa.

prestarem a seus participantes e assistidos serviços assistenciais à saúde poderão continuar a fazêlo. As Entidades Fechadas e os seus Planos de Benefícios As entidades fechadas ou fundos de pensão organizar-se-ão sob a forma de fundação ou sociedade (rectius associação) civil. devendo manter estrutura mínima composta por conselho deliberativo. qualquer dificuldade oposta à consecução desse objetivo. os Estados. 150. Apenas as entidades fechadas que não exijam contribuição dos beneficiários serão alcançadas pela imunidade tributária (impostos) que favorece as entidades de assistência social. sem fins lucrativos.154/2009.com. Deverá o estatuto do ente fechado prever.cers. desde que seja estabelecido um custeio específico para os planos assistenciais e que a sua contabilização e o seu patrimônio sejam mantidos em separado em relação ao plano previdenciário). (Art. conselheiros ocupantes de cargo eletivos e outros dirigentes de patrocinadores e instituidores. bem como aos associados ou membros dos instituidores. terão livre acesso às respectivas entidades. Súmula 427.n.br 3 . conselho fiscal e diretoria-executiva. que instituam para os seus associados ou membros planos de benefícios previdenciários privados através de entidade fechada. somente alcança as entidades fechadas de previdência social privada se não houver contribuição dos beneficiários”.Superintendência Nacional de Previdência Complementar a fiscalização e supervisão das atividades das entidades fechadas de previdência complementar e execução das políticas para o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar. B) Com multiplano. Compete à PREVIC . quando congregarem mais de um patrocinador ou instituidor. O artigo 75 da Lei Complementar 109 instituiu o prazo prescricional de 05 anos sobre a pretensão das prestações não pagas nem reclamadas na época própria. Tem como objeto a administração e execução de planos de benefícios de natureza previdenciária. quando administram planos ou conjunto de planos de benefícios para diversos grupos de participantes. notas técnicas e quaisquer documentos. As entidades fechadas que. do STF: www. com independência patrimonial. salvo o disposto no artigo 76. 76. vedada às entidades fechadas a prestação de quaisquer serviços que não estejam no âmbito de seu objeto. ao menos.A imunidade tributária conferida a instituições de assistência social sem fins lucrativos pelo art. classista ou setorial. as entidades fechadas poderão ser qualificadas em: A) De plano comum. diretores. o Distrito Federal e os Municípios que instituam para seus empregados e servidores planos de previdência privada por intermédio de entidade fechada. delas podendo requisitar e apreender livros. ressaltando que não correrá a prescrição contra os absolutamente incapazes. A legislação equiparou aos empregados ou associados os gerentes. criada pela Lei 12. a composição do conselho fiscal e do deliberativo com 1/3 de participantes e assistidos. da Constituição. Já os INSTITUIDORES são as pessoas jurídicas de caráter profissional.A ação de cobrança de diferenças de valores de complementação de aposentadoria prescreve em cinco anos contados da data do pagamento” (g. B) Multipatrocinados. assim como a União. Serão PATROCINADORES a empresa ou grupo de empresas. c. da LC 109/2001. caracterizando-se embaraço a fiscalização. VI. quando administram planos ou conjunto de planos acessíveis ao universo de participantes. na data da publicação desta Lei Complementar. Os planos previdenciários fechados apenas serão acessíveis aos empregados e servidores dos patrocinadores. nos termos da Súmula 730. De acordo com os planos oferecidos. quando estiverem vinculados a apenas um patrocinador ou instituidor. do STJ: “Súmula: 427. sujeito às penalidades previstas em lei. os entes fechados ainda poderão ser qualificados: A) Singulares. Conforme os patrocinadores ou instituidores.). sendo uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Previdência Social.CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado “Súmula 730.

calculado de acordo com as normas do plano de benefícios. portar os recursos financeiros correspondentes ao seu direito acumulado para outro plano de benefícios operado por entidade de previdência complementar ou sociedade seguradora autorizada a operar planos de benefícios de previdência complementar. a ser concedido quando cumpridos os requisitos de elegibilidade. nos termos da lei. por índice que recomponha a efetiva desvalorização da moeda”. Vale ressaltar que os planos de benefícios devem ser. em tempo futuro. sendo www. B) Portabilidade do direito acumulado pelo participante para outro plano. no caso de perda parcial ou total da remuneração recebida (autopatrocínio). A portabilidade não caracteriza resgate. é o instituto que faculta ao participante. obrigatoriamente. De acordo com o artigo 2º. sendo composto por contribuições normais (para pagamento dos benefícios) ou extraordinárias (para o custeio de déficits. oferecidos a todos os empregados dos patrocinadores ou associados dos instituidores. O plano de custeio terá periodicidade mínima anual. De acordo com a Súmula 289 do STJ. que não poderá ser superior a 05 anos para os planos de benefícios instituídos após 30 de maio de 2001. “Súmula: 290. descontadas as parcelas do custeio administrativo. serviços passados e outras finalidades não incluídas na contribuição normal). observada a carência fixada pelo órgão regulador. para assegurar a percepção dos benefícios nos níveis correspondentes àquela remuneração ou em outros definidos em normas regulamentares. na proporção existente entre as suas contribuições. da Resolução 13/2002. observadas as normas estabelecidas pelo órgão regulador e fiscalizador. sem prejuízo de ação regressiva contra dirigentes ou terceiros que deram causa a dano ou prejuízo à entidade de previdência complementar.Nos planos de previdência privada. em razão da cessação do vínculo empregatício com o patrocinador ou associativo com o instituidor antes da aquisição do direito ao benefício pleno. Os planos de benefícios deverão prever os seguintes institutos: A) Benefício proporcional diferido. por meio do aumento do valor das contribuições. em razão da cessação do vínculo empregatício com o patrocinador ou associativo com o instituidor e antes da aquisição do direito ao benefício pleno programado. não cabe ao beneficiário a devolução da contribuição efetuada pelo patrocinador”.CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado Com propriedade. acessíveis a quaisquer pessoas físicas. D) Faculdade de o participante manter o valor de sua contribuição e a do patrocinador. optar por receber. os planos de benefícios das entidades fechadas poderão ser instituídos por patrocinadores e instituidores.br 4 . Cuida-se do instituto que faculta ao participante. O equacionamento referido poderá ser feito. não se aplicando a redução dos valores dos benefícios aos assistidos. O resultado deficitário nos planos ou nas entidades fechadas será equacionado por patrocinadores.com. dentre outras formas. sendo obrigatório o regime financeiro de capitalização para os benefícios de pagamento em prestações que sejam programadas e continuadas. na forma regulamentada. participantes e assistidos. instituição de contribuição adicional ou redução do valor dos benefícios a conceder. apenas devida na hipótese de cessação de vínculo empregatício com o empregador. benefício de renda programada.cers. do Conselho de Gestão da Previdência Complementar. I. “a restituição das parcelas pagas a plano de previdência privada deve ser objeto de correção plena. não podendo o participante receber os recursos diretamente C) Resgate da totalidade das contribuições vertidas ao plano pelo participante. As Entidades Abertas e os seus Planos de Benefícios As entidades de previdência privada aberta são constituídas unicamente sob a forma de sociedades anônimas e têm por objetivo instituir e operar planos de benefícios de caráter previdenciário concedido em forma de renda continuada ou pagamento único.

total ou parcialmente.cers. isolada ou cumulativamente. A intervenção durará o prazo necessário ao exame da situação da entidade. se reconhecer a inviabilidade de recuperação da entidade aberta ou a ausência de qualquer condição para o seu funcionamento. provisões e fundos de forma inadequada ou em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos competentes. por intermédio do Conselho Nacional de Seguros Privados .irregularidade ou insuficiência na constituição das reservas técnicas. inciso II. prorrogável a seu critério e a expensas da respectiva entidade. observados os critérios fixados pelo órgão regulador. uma das seguintes hipóteses: I . Aliás. V . conquanto o artigo 47. devido nos planos de renda por sobrevivência. quando tenham por objetivo garantir benefícios previdenciários a pessoas físicas vinculadas. assim como o resgate de recursos das reservas técnicas. direta ou indiretamente. quando acessíveis a quaisquer pessoas físicas.aplicação dos recursos das reservas técnicas. As entidades abertas serão reguladas e fiscalizadas pelo Ministério da Fazenda.com. provisões e fundos. Intervenção e Liquidação Extrajudicial dos Entes Previdenciários Privados A PREVIC poderá. Os planos oferecidos poderão ser individuais. em nome de terceiros. 26 desta Lei Complementar. da Lei 11. convênios de adesão ou contratos dos planos coletivos de que trata o inciso II do art.outras anormalidades definidas em regulamento. IV . inclusive para plano de benefício de entidade fechada. em relação às entidades fechadas. da Lei Complementar 109/2001.101/2005. com o objetivo de sanear plano de benefícios específico. planos de benefícios coletivos.br 5 . as sociedades seguradoras que operam exclusivamente no ramo vida poderão ser autorizadas a operar esses planos de benefícios. cessando quando aprovado o plano de recuperação da www. no que couber. É assegurado aos participantes o direito à portabilidade. sendo que a utilização de corretores na venda dos planos de benefícios das entidades abertas é facultativa. por força do artigo 2º. ou na sua cobertura por ativos garantidores. nomear administrador especial. sem poderes de gestão. É vedada à entidade aberta a contratação de plano coletivo com pessoa jurídica cujo objetivo principal seja estipular. Com propriedade.CNSP e da Superintendência de Seguros Privados – SUSEP. VI . caso seja constatada na sua administração e execução alguma das hipóteses previstas para a intervenção ou liquidação extrajudicial.situação atuarial desequilibrada. por prazo determinado. que. com poderes próprios de intervenção e de liquidação extrajudicial. III descumprimento de disposições estatutárias ou de obrigações previstas nos regulamentos dos planos de benefícios.CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado reguladas. da Lei Complementar 109/2001. a uma pessoa jurídica contratante. uma vez realizada uma das hipóteses de intervenção extrajudicial. provisões e fundos. só tenha excluído as entidades fechadas. se houver previsão. desde que se verifique. um diretorfiscal. proporá a decretação da intervenção ou da liquidação extrajudicial. De acordo com o artigo 44.situação econômico-financeira insuficiente à preservação da liquidez e solvência de cada um dos planos de benefícios e da entidade no conjunto de suas atividades. apenas haverá direito a resgate caso o plano tenha sido estruturado no regime financeiro de capitalização. pela legislação aplicável às sociedades seguradoras. II . No caso de entidade aberta. a ser custado pela entidade. até que seja constituída uma entidade específica. poderá ser decretada a intervenção na entidade de previdência complementar. Destaque-se que as entidades de previdência complementas abertas e fechadas não estarão sujeitas à recuperação judicial ou falência. ou coletivos. a SUSEP poderá nomear. para resguardar os direitos dos participantes e assistidos.

os seguintes efeitos: I . se evitar os 109/2001. O seu plano de benefícios deverá observar: A) carência mínima de 60 contribuições mensais a plano de benefícios e cessação do vínculo com o patrocinador. constituídas por conselho deliberativo. II . não podendo. controladores e membros de conselhos estatutários das entidades de previdência complementar sob intervenção ou em liquidação extrajudicial ficarão com todos os seus bens indisponíveis. fundações.não fluência de juros contra a liquidanda enquanto não integralmente pago o passivo. Todavia. a decretação da liquidação extrajudicial produzirá. os tenham adquirido. de imediato.com.cers. VII . IV . os créditos dos participantes e assistidos não têm preferência sobre os créditos de natureza trabalhista ou tributária.suspensão de multa e juros em relação às dívidas da entidade. direta ou indireta. aliená-los ou onerá-los. Os administradores. VI . instituído depois da publicação da Lei Complementar 108/2001. ou que já tiverem adquirido este direito antes de decretada a liquidação extrajudicial.interrupção da prescrição em relação às obrigações da entidade em liquidação. a qualquer título. Lembre-se que as entidades de previdência privada fechada organizar-se-ão sob a forma de fundação ou “sociedade” civil sem fins lucrativos. Exceto no que concerne às ações e aos débitos de natureza tributária. que possuem privilégio especial sobre os ativos garantidores das reservas técnicas e.interrupção do pagamento à liquidanda das contribuições dos participantes e dos patrocinadores. III . terão preferência aqueles que já estiverem recebendo benefícios.vencimento antecipado das obrigações da liquidanda. privilégio geral sobre as demais partes não vinculadas ao ativo. que são prioritários.br 6 . quando se tratar de plano na modalidade benefício definido. B) concessão de benefício pelo regime de previdência ao qual o participante esteja filiado por intermédio de seu patrocinador. caso estes não sejam suficientes para a cobertura dos direitos respectivos. até a apuração e liquidação final de suas responsabilidades. efeitos da Lei Complementar Caso reconhecida a inviabilidade de recuperação da entidade de previdência complementar ou pela ausência de condição para seu funcionamento. A indisponibilidade decorre do ato que decretar a intervenção ou liquidação extrajudicial e atinge todos aqueles que tenham estado no exercício das funções nos doze meses anteriores.não incidência de penalidades contratuais contra a entidade por obrigações vencidas em decorrência da decretação da liquidação extrajudicial. por qualquer forma. será decretada a sua liquidação extrajudicial.inexigibilidade de penas pecuniárias por infrações de natureza administrativa. Dentro da classe dos participantes. podendo ser estendida aos bens de pessoas que. conselho fiscal e diretoriaexecutiva.CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado entidade pelo órgão competente ou decretada a sua liquidação extrajudicial. A Relação da Administração Pública com as suas Entidades Fechadas de Previdência Complementar A Lei Complementar 108/2001 regula a relação entre as entidades políticas. para se tornar elegível a um benefício de prestação que seja programada e continuada. visando realizar o ativo e liquidar o passivo. das pessoas acima referidas.suspensão das ações e execuções iniciadas sobre direitos e interesses relativos ao acervo da entidade liquidanda. empresas públicas e sociedades de economia mista e controladas enquanto patrocinadoras de entes fechados de previdência complementar. relativas aos planos de benefícios. V . VIII . suas autarquias. sendo dispensados os participantes e os assistidos da habilitação dos seus créditos. Os reajustes dos benefícios em manutenção serão efetuados de acordo com critérios www. desde que haja seguros elementos de convicção de que se trata de simulada transferência com o fim de Deverá o liquidante organizar um quadro geral de credores. nos últimos doze meses.

os planos poderão prever o aporte de recursos pelos participantes. em hipótese alguma. aos Estados. cabendo ao patrocinador. É facultada aos patrocinadores a cessão de pessoal às entidades de previdência complementar que patrocinam. vedado o repasse de ganhos de produtividade. empresas públicas.CARREIRAS JURÍDICAS 2013 Direito Previdenciário Frederico Amado estabelecidos nos regulamentos dos planos de benefícios. Além das contribuições normais. sociedades de economia mista e outras entidades públicas o aporte de recursos a entidades de previdência privada de caráter complementar. suas autarquias. É vedado à União. É vedado ao patrocinador assumir encargos adicionais para o financiamento dos planos de benefícios. www. participantes e assistidos o custeio da despesa administrativa da entidade de previdência complementar.cers. A contribuição normal do patrocinador para plano de benefícios. salvo na condição de patrocinador. fundações.br 7 . observada a regra de transição do artigo 5o da Emenda Constitucional no 20/98 e as regras específicas emanadas pela PREVIC. além daqueles previstos nos respectivos planos de custeio.com. excederá a do participante. sem contrapartida do patrocinador. a título de contribuição facultativa. às disposições da Lei Complementar 108/2001. ao Distrito Federal e aos Municípios. destaque-se que as entidades fechadas de previdência complementar patrocinadas por empresas privadas permissionárias ou concessionárias de prestação de serviços públicos subordinam-se. no que couber. desde que ressarcidos os custos correspondentes. Por fim. abono e vantagens de qualquer natureza para tais benefícios. na forma estabelecida pela PREVIC e pelo Conselho Nacional da Previdência Complementar.