You are on page 1of 120

Enriquecendo-se com a Bíblia

%

ENRIQUECENDO-SE COM A BÍBLIA A. W. Pink
Original em inglês: PROFITING FROM THE WORD Copyright © I. C. erendeen !rimeira edi"#o em português $ %&'& E(I)O*+ ,IE- -)(+. Cai.a !ostal/ 0%1 %0&21 $ +tibaia $ 3!. 4Contracapa:5 ENRIQUECENDO-SE COM A BÍBLIA De que maneira podemos ser benefi iados da B!b"ia# A passagem de 2 Timóteo 3:16-17, nos fornece clara resposta a essa pergunta: "Toda a escritura é inspirada por Deus e til para o ensino, para a repreens!o, para a corre"!o, para a educa"!o na #usti"a, a fim de $ue o %omem de Deus se#a perfeito e perfeitamente %a&ilitado para toda &oa o&ra"' (os de) cap*tulos deste li+ro o autor e,amina o $ue a -*&lia nos ensina acerca de: ./0AD1, D/23,
0453T1, 14A671, -1A3 1-4A3, 1-/D58(05A, 92(D1, .419/33A3, A:/;45A, A914'

Enriquecendo-se com a Bíblia

0

ÍNDICE 1 – As Escrituras e o Pecado . . . . . . . . . . . . . . 3 2 – As Escrituras e Deus . . . . . . . . . . . . . . . . 14 3 – As Escrituras e Cristo . . . . . . . . . . . . . . . 27 4 – As Escrituras e a Oração . . . . . . . . . . . . . 39 5 – As Escrituras e as Boas Obras . . . . . . . . . 52 6 – As Escrituras e a Obedi !cia . . . . . . . . . . 64 7 – As Escrituras e o "u!do . . . . . . . . . . . . . . 76 # – As Escrituras e as Pro$essas . . . . . . . . . #6 9 – As Escrituras e a A%e&ria . . . . . . . . . . . . . 9# 1' – As Escrituras e o A$or . . . . . . . . . . . . . . 11'

Enriquecendo-se com a Bíblia

F

AS ESCRITURAS E O PECADO
6 seriíssimas ra78es para crermos que grande parte da leitura e do estudo bíblicos/ nestes 9ltimos poucos anos/ n#o tem sido de grande pro:eito para aqueles que disso se tem ocupado. E :amos mais longe; pois tememos grandemente que/ em muitos casos/ isso tem sido antes uma maldi"#o do que uma bên"#o. Estamos per<eitamente c=nscios de que esta > uma linguagem dura/ mas n#o mais <orte do que o caso e.ige. Os dons di:inos podem ser su?eitados a uso err=neo/ e as miseric@rdias di:inas podem ser al:o de abusos. Aue assim tem sido/ naquilo que aqui salientamos/ > e:idente atra:>s dos <rutos produ7idos. +t> mesmo o homem natural pode Be com <reqCência o <a7D atirar-se ao estudo das Escrituras com o mesmo entusiasmo e pra7er que <aria se estudasse as ciências. Auando assim <a7/ aumenta o seu cabedal de conhecimentos/ mas tamb>m aumenta o seu orgulho. )al como o químico atare<ado em <a7er e.periências interessantes/ o pesquisador intelectual da !ala:ra > in:adido de satis<a"#o ao <a7er ali alguma descoberta; mas a alegria deste 9ltimo n#o > mais espiritual do que a alegria daquele primeiro. Outrossim/ tal como os sucessos de um químico geralmente acentuam o seu senso de importEncia pr@pria/ le:ando-o a olhar com desd>m para outros/ que se?am mais ignorantes que ele mesmo/ assim tamb>m/ desa<ortunadamente/ d6-se no caso daqueles que in:estigam a numerologia/ a tipologia/ a pro<ecia bíblica e outros temas dessa nature7a. O estudo da !ala:ra de (eus pode ser le:ado a e<eito com base em :6rios moti:os. +lguns lêem-na a <im de satis<a7erem seu orgulho liter6rio. Em certos círculos tornou-se algo respeit6:el e popular a obten"#o de um conhecimento geral do conte9do da Bíblia/ simplesmente por ser considerado como de<eito de educa"#o a ignorEncia dela. Outros lêem a Bíblia para satis<a7er seu senso de curiosidade/ como o <ariam com qualquer outro li:ro <amoso. +inda

Enriquecendo-se com a Bíblia 2 outros lêem-na para satis<a7er seu orgulho sectarista. Esses consideram um de:er estar bem <amiliari7ados com as cren"as particulares de sua pr@pria denomina"#o/ pelo que tamb>m buscam ansiosamente te.tos de pro:a que d#o apoio ao que eles chamam de GGnossas doutrinasGG. +inda h6 aqueles que lêem a Bíblia com a <inalidade de argumentar com ê.ito com aqueles que discordam de suas opini8es. Em toda essa ati:idade/ entretanto/ n#o h6 qualquer pensamento acerca de (eus/ n#o h6 qualquer anelo pela edi<ica"#o espiritual/ e/ portanto/ n#o h6 qualquer bene<icio real para a alma. +ssim sendo/ de que maneira nos podemos bene<iciar da BíbliaH + passagem de II )im@teo F:%I/%' n#o nos <ornece clara resposta para essa perguntaH -emos ali: J)oda Escritura > inspirada por (eus e 9til para o ensino/ para a repreens#o/ para a corre"#o/ para a educa"#o na ?usti"a/ a <im de que o homem de (eus se?a per<eito e per<eitamente habilitado para toda boa obra.J Obser:emos o que aqui > omitido: as 3agradas Escrituras n#o nos <oram dadas a <im de satis<a7er nossa curiosidade intelectual e nem nossas especula"8es carnais/ e sim para habilitar-nos para toda boa obra/ e isso mediante o ensino/ a repro:a"#o e a corre"#o. En:idaremos es<or"os por ampliar isso com a a?uda de outros trechos bíblicos. 1. O indivíduo se beneficia espiri ua!"en e #uando a Pa!avra o convence de pecado. Este > o seu primeiro pr>stimo: re:elar a nossa depra:a"#o/ desmascarar a nossa :ile7a/ tornar conhecida a nossa iniquidade. + :ida moral de um homem pode ser irrepreensí:el/ seu trato com os seus semelhantes pode ser sem <altas; mas quando o Espírito 3anto aplica a !ala:ra ao seu cora"#o e K sua consciência/ abrindo os seus olhos <echados pelo pecado para que perceba a sua rela"#o e a sua atitude para com (eus/ ent#o ele e.clama: J+i de mimL Estou perdidoLJ BIsaías I:MD. N desse modo que toda a alma :erdadeiramente sal:a > le:ada a perceber a necessidade que tem de Cristo. JOs s#os n#o precisam de m>dicos/ e/

Enriquecendo-se com a Bíblia M sim/ os doentesJ B-ucas M:F%D. Contudo/ somente quando o Espírito aplica a !ala:ra/ com poder di:ino/ > que qualquer indi:íduo > le:ado a sentir-se en<ermo/ en<ermo at> K morte. Essa con:ic"#o/ que impressiona o cora"#o com o <ato de que o pecado produ7iu tremenda de:asta"#o na constitui"#o humana/ n#o se restringe K e.periência inicial/ que precede de imediato K con:ers#o. (e cada :e7 que (eus bendi7 a sua !ala:ra em meu cora"#o/ sou le:ado a sentir qu#o longe ando do padr#o que Ele me apresenta/ a saber: J...tornai-:os santos tamb>m :@s mesmos em todo :osso procedimentoJ BI !edro %:%MD. +qui/ por conseguinte/ temos o primeiro teste a ser aplicado: quando leio acerca dos tristes <racassos de di<erentes personagens das Escrituras/ isso me <a7 perceber qu#o in<eli7mente parecido com eles eu souH E quando leio sabre a :ida bem-a:enturada e per<eita como a de Cristo/ isso me <a7 reconhecer qu#o terri:elmente di<erente sou eu dEleH $. O indivíduo se beneficia espiri ua!"en e #uando a Pa!avra o fa% en ris ecer&se por causa do pecado. Com respeito ao ou:inte do solo rochoso <oi dito que J...esse > o que ou:e a pala:ra e a recebe logo/ com alegria; mas n#o tem rai7 em si mesmo/ sendo antes de pouca dura"#o...J BOateus %F:01/ 0%D. !or>m/ acerca daqueles que <oram con:encidos de pecado/ sob a prega"#o de !edro/ est6 registrado que eles se sentiram compungidos em seus cora"8es B:er +tos 0:F'D. O mesmo contraste se :eri<ica ho?e. Ouitos ou:em um serm#o <loreado ou um discurso sobre a GG:erdade dispensacionalGG/ que e.ibe a capacidade de orat@ria ou mostra a habilidade intelectual do orador/ mas que/ usualmente/ n#o cont>m qualquer aplica"#o K consciência. +quela e.posi"#o > recebida com apro:a"#o/ mas ningu>m > humilhado diante de (eus e nem > le:ado a andar mais perto dEle/ por ela. !or>m/ dei.e-se que um ser:o <iel do 3enhor Bo qual pela gra"a di:ina n#o busca adquirir reputa"#o por GGbrilhantismoGGD <a"a os

Enriquecendo-se com a Bíblia I ensinamentos bíblicos e.ercerem press#o sabre o car6ter e a conduta/ des:endando os tristes <racassos at> mesmo dos melhores entre o po:o de (eus/ e embora a multid#o despre7e o mensageiro/ as pessoas realmente regeneradas sentir-se-#o gratas pela mensagem que as le:a a se lamentarem diante de (eus e a clamarem: J(es:enturado homem que souLJ B*omanos ':02D. +ssim acontece quando lemos pessoalmente a !ala:ra. E assim sucede quando o Espírito 3anto a aplica de tal maneira que sou le:ado a :er e a sentir minha corrup"#o íntima/ para que eu se?a :erdadeiramente aben"oado. Aue pala:ra encontramos no trecho de Peremias F%:%&: JQa :erdade/ depois que me con:erti/ arrependi-me; depois que <ui instruído/ bati no peito; <iquei en:ergonhado/ con<uso/ porque le:ei o opr@brio da minha mocidadeLJ Oeu pre7ado amigo/ :ocê conhece algo parecido com essa e.periênciaH Os seus estudos da !ala:ra de (eus produ7em um cora"#o quebrantado e o le:am a humilhar-se perante (eusH ,ica :ocê con:icto de seus pecados/ de tal modo que > le:ado a arrepender-se diariamente perante eleH O cordeiro pascal tinha de ser comido com GGer:as amargasGG BR.odo %0:SD. !or semelhante modo/ quando realmente nos alimentamos da !ala:ra/ o Espírito 3anto a torna JamargaJ para n@s/ antes de tornar-se doce ao nosso paladar. Qotemos a ordem das coisas/ no trecho de +pocalipse %1.&: J,ui pois/ ao an?o/ di7endo-lhe que me desse o li:rinho. Ele ent#o me <ala: )oma-o/ e de:ora-o; certamente ele ser6 amargo ao teu est=mago/ mas na tua boca/ doce coma melJ. Essa ser6 sempre a ordem da e.periência: primeiramente de:e :ir a lamenta"#o/ e somente depois :em o consolo BOateus M:2D; primeiro a humilha"#o/ e depois a e.alta"#o BI !edro M :ID. '. O indivíduo se beneficia espiri ua!"en e #uando a Pa!avra o condu% ( confiss)o de pecado. +s Escrituras s#o pro:eitosas para a Jrepreens#oJ BII )im@teo F:%ID; e a alma honesta est6 pronta a reconhecer as suas pr@prias <altas. Oas

Enriquecendo-se com a Bíblia ' acerca do indi:íduo carnal > declarado: J!ois todo aquele que pratica o mal/ aborrece a lu7 e n#o se chega para a lu7/ a <im de n#o serem argCidas as suas obrasJ BPo#o F:01D. J(eus tenha miseric@rdia de mim/ um pecadorJ/ > o clamor dos cora"8es reno:ados; e cada :e7 que somos re:i:i<icados pela !ala:ra B3almo %%&D/ recebemos no:a re:ela"#o e reno:ada con:ic"#o de nossas transgress8es aos olhos de (eus. JO que encobre as suas transgress8es/ ?amais prosperar6; mas o que as con<essa e dei.a/ alcan"ar6 miseric@rdiaJ B!ro:>rbios 0S:%FD. Q#o pode ha:er prosperidade nem <ruti<ica"#o espirituais B3almos %:FD/ enquanto ocultarmos em nosso seio as nossas culpas secretas; somente quando s#o li:remente reconhecidas perante (eus/ e isso com detalhes/ > que des<rutaremos de 3ua miseric@rdia. Q#o h6 pa7 real para a consciência e nem descanso para o cora"#o/ enquanto sepultarmos a carga do pecado n#o con<essado. O alí:io s@ nos > outorgado se con<essarmos o pecado a (eus. Qotemos bem a e.periência de (a:i: JEnquanto calei os meus pecados/ en:elheceram os meus ossos/ pelos meus constantes gemidos todo o dia. !orque a tua m#o pesa:a dia e noite sobre mim; e o meu :igor se tornou em sequid#o de estio.J B3almos F0:F/2D. Essa linguagem <igurada mas :igorosa lhe parece ininteligí:elH ou a sua pr@pria hist@ria espiritual a e.plicaH 6 muitos :ersículos nas Escrituras que nenhum coment6rio pode interpretar satis<atoriamente/ mas que a e.periência pessoal pode <a7ê-lo. Terdadeiramente bema:enturadas s#o as pala:ras seguintes: JCon<essei-te o meu pecado e a minha iniqCidade n#o mais ocultei. (isse: Con<essarei ao 3EQ O* as minhas transgress8es; e tu perdoaste a iniqCidade do meu pecado.J B3almos F0:MD *. O indivíduo se beneficia da Pa!avra+ espiri ua!"en e fa!ando+ #uando e!e odeia o pecado co" "aior profundidade. JT@s/ que amais o 3EQ O*/ detestai o mal: ele guarda as almas dos seus santos/ li:ra-os da m#o dos ímpiosJ B3almos &':%1D. JQ#o

Enriquecendo-se com a Bíblia S podemos amar a (eus sem odiar aquilo que Ele odeia. Q#o somente de:emos e:itar o mal/ recusando-nos a continuar nele/ mas tamb>m de:emos declarar guerra contra ele/ :oltando-nos contra ele com indigna"#o no íntimoJ BC. . 3purgeonD. Um dos testes mais seguros que se pode aplicar K pro<essada con:ers#o > a atitude do cora"#o para com o pecado. 3empre que o princípio de santidade hou:er sido implantado/ necessariamente ha:er6 repulsa por tudo quanto > pro<ano. E se nosso rep9dio ao mal <or genuíno/ ent#o seremos gratos quando a !ala:ra repro:ar at> mesmo o mal de que nem suspeit6:amos. Essa <oi tamb>m a e.periência de (a:i: J!or meio dos teus preceitos consigo entendimento; par isso detesto todo caminho de <alsidadeJ B3almos %%&:%12D. Obser:emos atentamente que n#o de:emos meramente Jabster-nos do pecadoJ/ pois JdetestoJ; e n#o somente a JalgunsJ ou JmuitosJ pecados/ mas antes/ a Jtodo caminho de <alsidadeJ/ e n#o apenas a Jtodo malJ mas a Jtodo caminho de <alsidadeJ. E continua o salmista: J!or isso tenho por em tudo retos os teus preceitos todos/ e aborre"o todo caminho de <alsidadeJ B3almos %%&:%0SD. Qo entanto/ d6-se e.atamente o contr6rio no caso do ímpio: J(e que te ser:e repetires os meus preceitos e teres nos l6bios a minha alian"a/ uma :e7 que aborreces a disciplina e re?eitas as minhas pala:rasH J B3almos M1:%I/%'D. E em !ro:>rbios S:%F/ lemos: JO temor do 3EQ O* consiste em aborrecer o mal; a soberba/ a arrogEncia/ o mau caminho/ e a boca per:ersa/ eu os aborre"oJ. Ora/ esse temor piedoso nos :em atra:>s da leitura da !ala:ra B:er a passagem de (euteron=mio %':%S/%&D. Com ra7#o/ pois/ > que algu>m declarou: JEnquanto n#o odiarmos ao pecado/ n#o poderemos morti<ic6-lo/ ningu>m clamar6 contra o pecado/ como os ?udeus clamaram contra o Cristo: GGCruci<ica-OL Cruci<ica-OLGG/ enquanto realmente n#o abominar o pecado como Ele <oi abominadoJ BEdVard *eyner/ %IFMD.

Enriquecendo-se com a Bíblia & ,. O indivíduo se beneficia espiri ua!"en e #uando a Pa!avra o !eva a abandonar o pecado. J+parte-se da in?usti"a todo aquele que pro<essa o nome do 3enhorJ BII )im@teo 0:%&D. Auanto mais lemos a !ala:ra com o ob?eti:o de<inido de descobrir o que > agrad6:el e o que > desagrad6:el ao 3enhor/ mais a 3ua :ontade tornar-se-6 conhecida por n@s; e se os nossos cora"8es <orem corretos diante dEle/ mais ainda os nossos caminhos se harmoni7ar#o com a 3ua :ontade. Ent#o > que andaremos Jna :erdadeJ BII Po#o 2D. Qo <im do se.to capítulo da segunda epístola aos Coríntios algumas promessas preciosas s#o dadas Kqueles que se separarem dos incr>dulos. Obser:emos/ naquela passagem/ a aplica"#o <eita pelo Espírito 3anto. Q#o di7 o 3enhor J)endo/ pois/ @ amados/ tais promessas/ consolemonos e nos entreguemos K complacência...J/ e/ sim: J)endo/ pois/ @ amados/ tais promessas/ purifiquemo-nos de toda impure7a/ tanto da carne/ como do espírito...J BII Coríntios ':%D. JT@s ?6 estais limpos/ pela pala:ra que :os tenho <aladoJ BPo#o IM:FD. Eis aqui uma outra importante regra/ par meio da qual nos de:eríamos testar com <reqCência: a leitura e o estudo da !ala:ra de (eus est6 produ7indo a purgação de minha condutaH (esde os dias antigos :inha sendo <eita a indaga"#o: J(e que maneira poder6 o ?o:em guardar puro o seu caminhoHJ E a resposta do salmista inspirado declara: GGObser:ando-o segundo a )ua !ala:raJ B3almo%%&:&D. 3im/ n#o basta ler a !ala:ra/ crer nela ou memori76-la; mas > preciso ha:er a aplica"#o pessoal da !ala:ra ao nosso JcaminhoJ. N quando Jdamos ou:idosJ a e.orta"8es como aquelas que estipulam: JFugi da impure7aLJ BI Coríntios I:%SD/ JFugi da idolatriaJ BI Coríntios %1:%2D/ J... foge destas cousas...J $ da cobi"a apai.onada pelo dinheiro B% )im. I:%%D e JFoge/ outrossim/ das pai.8es da mocidadeJ BII )im. 0:00D/ > que o crente > le:ado a separar-se do mal/ na pr6tica; pois ent#o o pecado n#o somente tem sido con<essado/ mas tamb>m tem sido Jdei.adoJ B:er !ro:>rbios 0S:%FD.

Enriquecendo-se com a Bíblia

%1

-. O indivíduo se beneficia espiri ua!"en e #uando a Pa!avra o for a!ece con ra o pecado. +s 3agradas Escrituras nos <oram dadas n#o somente com o prop@sito de re:elar-nos a nossa pecaminosidade inata/ ou a <im de mostrar as muitas e muitas maneiras mediante as quais carecemos Jda gl@ria de (eusJ B*omanos F:0FD/ mas igualmente para ensinar-nos como podemos obter li:ramento do pecado/ como podemos ser li:res de desagradar a (eus. JWuardo no cora"#o as tuas pala:ras/ para n#o pecar contra tiJ B3almos %%&:%%D. E de cada um de n@s > requerido o seguinte: J+ceita/ pego-te/ a instru"#o que pro<ere/ e p8e as suas pala:ras no teu cora"#oJ BP@ 00:00D. O de que precisamos >/ particularmente/ dos mandamentos/ das ad:ertências/ das e.orta"8es da Bíblia/ para que se?am como que nosso tesouro particular; de:emos memori76-los/ meditar sobre os mesmos/ orar a seu respeito e p=-los em pr6tica. Eis a 9nica maneira e<ica7 de se e:itar que um terreno qualquer se?a in:adido por er:as daninhas: > semear ali a boa semente: J...:ence o mal com o bemJ B*omanos %0:0%D. !or conseguinte/ quanto mais JricamenteJ esti:er habitando em n@s a !ala:ra de Cristo B:er Colossenses F:%ID/ menos espa"o ha:er6 para o e.ercício do pecado/ em nossos cora"8es e em nossas :idas. Q#o > su<iciente apenas assentirmos K :eracidade das Escrituras/ mas > necess6rio que elas se?am recebidas em nossos a<etos. N uma :erdade soleníssima aquela em que o Espírito 3anto especi<ica a base da apostasia/ J...porque ao amor da :erdade eles n#o receberamJ BII )essalonicenses 0:%1/ gregoD. J3e essa semente <icar apenas na língua ou na mente/ para que se?a apenas uma quest#o de pala:ras ou de especula"#o/ n#o demorar6 muito para que desapare"a. + semente que ?a7 K super<ície ser6 apanhada pelas a:es do c>u. !ortanto/ que cada qual a esconda no pro<undo do ser; que :6 dos ou:idos para a mente/ da mente para o cora"#o; e que ela penetre cada :e7 mais pro<undamente. 3omente ao e.ercer ela um domínio

Enriquecendo-se com a Bíblia %% soberano sobre o cora"#o/ > que a receberemos na <or"a de seu amor $ quando ela > mais cara para n@s que nossas concupiscências mais queridas/ ent#o nos apegamos a elaJ. B)homas OantonD. Q#o h6 qualquer outra coisa que nos preser:e das in<ec"8es deste mundo/ que nos li:re das tenta"8es de 3atan6s/ que se mostre preser:ati:o t#o e<ica7 contra o pecado/ como a !ala:ra de (eus recebida em nossos a<etos: JQo cora"#o tem ele a lei do seu (eus; os seus passos n#o :acilar#oJ B3almos F':F%D. Enquanto a :erdade mostrarse ati:a em nosso íntimo/ despertando-nos a consciência e sendo realmente amada par n@s/ seremos preser:ados da queda. Auando Pos> <oi tentado pela esposa de !oti<ar/ respondeu ele: J... como/ pois/ cometeria eu tamanha maldade/ e pecaria contra (eusHJ BWênesis F&:&D. + !ala:ra de (eus se acha:a em seu cora"#o/ pelo que tamb>m pre:aleceu sobre os seus dese?os. Essa > a ine<6:el santidade/ o grandioso poder de (eus/ o qual > poderoso tanto para sal:ar como para destruir. Qenhum de n@s sabemos em que ocasi#o ser6 su?eito Ks tenta"8es; portanto/ > mister estarmos preparados contra elas. JAuem h6 entre :@s que ou"a istoH que atenda e ou"a o que h6 de ser depoisHJ BIsaías 20:0FD. 3im/ compete-nos antecipar o <uturo e nos <ortalecermos intimamente para ele/ entesourando a !ala:ra em nossos cora"8es/ para as emergências <uturas. .. O indivíduo se beneficia espiri ua!"en e #uando a Pa!avra o !eva a pra icar o con r/rio do pecado. J... o pecado > a transgress#o da leiJ BI Po#o F :2D. (eus di7: J,ar6s...GG/ mas o pecado retruca: JQ#o queroJ. (eus di7: JQ#o <ar6s...J/ e o pecado di7: J,areiJ. +ssim/ pois/ o pecado > a rebeldia contra (eus/ > a determina"#o do indi:íduo seguir o seu pr@prio caminho B:er Isa. MF:ID. Isso capacita-nos a entender que o pecado > uma esp>cie de anarquia no campo espiritual/ o que pode ser comparado com o ato de sacudir uma bandeira :ermelha no rosto de (eus. Ora/ a atitude oposta

Enriquecendo-se com a Bíblia %0 ao pecado contra (eus > a submiss#o a Ele/ da mesma maneira que o contr6rio da iniqCidade > a su?ei"#o K lei. !ortanto/ praticar o contr6rio do pecado > andar na :ereda da obediência. Esta > uma das outras grandes ra78es pelas quais as Escrituras nos <oram dadas: tornar conhecida a senda pela qual de:emos andar/ o que agrada a (eus. +s Escrituras s#o pro:eitosas n#o somente para repreens#o e corre"#o/ mas tamb>m para a Jinstru"#o na ?usti"aJ. Qeste ponto/ pois/ encontramos outra importante regra mediante a qual de:emos testar <reqCentemente a n@s mesmos: Os meus pensamentos est#o sendo <ormados/ o meu cora"#o est6 sendo controlado e a minha conduta e as minhas obras est#o sendo regulamentadas pela !ala:ra de (eusH Eis o que o 3enhor e.ige: J)ornai-:os/ pois/ praticantes da pala:ra/ e n#o somente ou:intes/ enganando-:os a :@s mesmosJ B)iago %:00D. E aqui temos a declara"#o de como de:em ser e.pressos a nossa gratid#o e os nossos a<etos por Cristo: J3e Oe amais/ guardareis os Oeus mandamentosJ BPo#o %2:%MD. !ara tanto/ > necess6rio a a?uda di:ina. (a:i ora:a: JWuia-me pela :ereda dos teus mandamentos/ pois nela me compra7oJ B3almos I%&:FMD. J!recisamos n#o somente de lu7 para reconhecermos o nosso caminho/ mas tamb>m de um cora"#o bem disposto para andar por esse caminho. + orienta"#o > necess6ria por causa da cegueira das nossas mentes; e os impulsos e<ica7es da gra"a s#o necess6rios par causa da <raque7a dos nossos cora"8es. Q#o cumpriremos o nosso de:er mediante a mera no"#o das :erdades/ a menos que as abracemos e as sigamosJ. BOantonD. Qotemos que o salmista <ala:a sabre a J... :ereda dos )eus mandamentos...J Q#o aludia ele a algum caminho pessoal/ autoescolhido/ e/ sim/ a um caminho bem demarcado; n#o se trata de uma estrada Jp9blicaJ/ mas de uma :ereda GGparticularGG. Aue tanto o escritor como o leitor se aquilatem/ honesta e diligentemente/ como na presen"a de (eus/ pelas sete coisas acima enumeradas. O estudo da Bíblia/ pre7ado amigo/ o tem tornado uma pessoa mais humilde/ ou mais orgulhosa $ orgulhosa com o

Enriquecendo-se com a Bíblia %F conhecimento que assim adquiriuH Esse estudo o ele:ou na estima de seus semelhantes/ ou o rebai.ou a um lugar in<erior/ na presen"a de (eusH )em isso produ7ido/ em sua e.periência/ uma atitude de mais pro<unda repulsa e asco par si mesmo/ ou tornou-o mais complacenteH Isso tem <eito com que aqueles que entram em contato consigo/ aos quais tal:e7 :ocê ensine/ digam: JWostaria de ter o seu conhecimento sobre a BíbliaLJ; ou isso os tem le:ado a orar: J3enhor/ d6-me a <>/ a gra"a e a santidade que tens con<erido a meu amigo ou pro<essorHGG JOedita estas cousas/ e nelas sê diligente/ para que o teu progresso a todos se?a mani<estoJ B% )im@teo 2:%MD.

Enriquecendo-se com a Bíblia

%2

AS ESCRITURAS E DEUS
+s 3antas Escrituras s#o totalmente sobrenaturais. 3#o uma re:ela"#o di:ina. J)oda Escritura > inspirada por (eus. . .J BII )im@teo F:%ID. Q#o ocorreu apenas que (eus ele:ou as mentes de certos homens/ mas antes/ que dirigiu os seus pensamentos. Q#o > simplesmente que Ele transmitiu a eles determinados conceitos/ mas tamb>m ditou as pr@prias pala:ras que eles empregaram. J...porque nunca ?amais qualquer pro<ecia <oi dada por :ontade humana/ entretanto homens BsantosD <alaram da parte de (eus/ mo:idos pelo Espírito 3antoJ BII !edro %:0%D. Aualquer JteoriaJ humana que pretenda negar a inspira"#o verbal das Escrituras > um arti<ício de 3atan6s/ um ataque contra a :erdade di:ina. + imagem di:ina se acha estampada em cada uma de suas p6ginas. Escritos t#o santos/ t#o celestiais/ t#o pro<undamente criadores de temor n#o poderiam ser produ7idos pelos homens. +s Escrituras d#o a conhecer um (eus sobrenatural. )al:e7 essa se?a uma obser:a"#o per<eitamente @b:ia; mas/ ho?e em dia/ precisa ser <eita. O JdeusJ no qual crêem muitos crist#os pro<esses/ est6 sendo por eles pagani7ado cada :e7 mais. O lugar proeminente que o JesporteJ tem ocupado na :ida da na"#o/ o amor e.cessi:o pelos pra7eres/ a aboli"#o da :ida dom>stica/ a descarada imod>stia das mulheres/ s#o outros tantos sintomas da mesma en<ermidade que causou a queda e o desaparecimento de imp>rios como os da Babil=nia/ da !>rsia/ da Wr>cia e de *oma. E o conceito de (eus que se propaga neste nosso s>culo XX pela maioria das pessoas de países nominalmente Jcrist#osJ rapidamente se apro.ima do car6ter atribuído aos deuses da antigCidade. Em :iolento contraste com isso/ o (eus das 3antas Escrituras est6 re:estido de tais per<ei"8es e est6 re:estido de tais atributos que nenhum mero intelecto humano poderia tê-los in:entado. (eus s@ pode :ir a ser conhecido por meio da revelação sobrenatural sobre a 3ua pr@pria pessoa. Y parte das Escrituras/ > totalmente impossí:el at> mesmo a <amiliari7a"#o te@rica com (eus.

Enriquecendo-se com a Bíblia %M Continua sendo uma :erdade que J... o mundo n#o O conheceu por sua pr@pria sabedoria...J BI Coríntios %:0%D. Em todos os lugares onde as 3agradas Escrituras s#o ignoradas/ (eus > o J....(EU3 (E3COQ ECI(OJ B+tos %' :0FD. !or>m/ algo mais do que apenas as Escrituras se requer/ antes que a alma possa conhecer a (eus/ antes que possa conhecê--o de <orma real/ pessoal e :ital. Oas isso parece ser reconhecido por bem poucos/ ho?e em dia. + pr6tica pre:alecente d6 a entender que se pode obter o conhecimento de (eus atra:>s do mero estudo da Bíblia/ da mesma maneira que o conhecimento acerca da química pode ser obtido atra:>s do estudo de compêndios de química. O conhecimento intelectual de (eus tal:e7 possa ser obtido desta maneira; mas nunca o conhecimento espiritual. !ois o (eus sobrenatural s@ pode ser conhecido sobrenaturalmente Bisto >/ de um modo superior Kquilo que a mera nature7a humana pode adquirirD/ ou se?a/ mediante a re:ela"#o sobrenatural do pr@prio (eus ao cora"#o humano. J!orque (eus que disse: (e tre:as resplandecer6 lu7 $/ ele mesmo resplandeceu em nossos cora"8es/ para ilumina"#o do conhecimento da gl@ria de (eus na <ace de CristoJ BII Coríntios 2:ID. +quele que ?6 <oi <a:orecido com essa e.periência sobrenatural ?6 aprendeu que J... na )ua lu7 :emos a lu7J B3almos FI:&D. (eus s@ pode ser conhecido atra:>s da faculdade sobrenatural. Isso Cristo dei.ou bem claro/ ao di7er: JEm :erdade/ em :erdade te digo que se algu>m n#o nascer de no:o/ n#o pode :er o reino de (eusJ BPo#o F:FD. Os indi:íduos sem regenera"#o n#o têm qualquer conhecimento espiritual de (eus. JOra/ o homem natural n#o aceita as cousas do Espírito de (eus/ porque lhe s#o loucura; e n#o pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmenteJ BI Coríntios 0:%2D. + 6gua/ por si mesma/ ?amais se ele:a acima de seu pr@prio ní:el. +ssim tamb>m o homem natural > incapa7 de perceber aquilo que transcende K mera nature7a. Qo entanto/ J... a :ida eterna > esta: que te conhecem a )i/ o 9nico (eus :erdadeiro/ e a Pesus Cristo/ a quem en:iasteJ BPo#o %':FD. + :ida eterna

Enriquecendo-se com a Bíblia %I precisa ser outorgada/ antes que se possa conhecer o J:erdadeiro (eusJ. Isso > a<irmado claramente na passagem de I Po#o M:01: J)amb>m sabemos que o ,ilho de (eus > :indo/ e nos tem dada entendimento para reconhecermos o :erdadeiro; e estamos no :erdadeiro/ em seu ,ilho Pesus Cristo.... J 3im/ o JentendimentoJ/ um entendimento de nature7a espiritual/ par meio de uma no:a cria"#o/ precisa ser-nos dada/ antes que possamos conhecer a (eus de maneira espiritual. O conhecimento sobrenatural de (eus produ7 uma experiência sobrenatural/ mas isso > algo para o que multid8es de membros de igre?as s#o totalmente estranhos. + maior parte da JreligiosidadeJ de nossa >poca > apenas um J:elho +d#oJ retocado. N meramente o adornar de sepulcros cheios de corrup"#o. N apenas uma <ormalidade Je.ternaJ. E at> nos casos onde h6 um credo saud6:el/ com e.agerada <reqCência tal ortodo.ia > morta. E tamb>m n#o nos de:eríamos admirar com tal estado de coisas. 3empre <oi assim. +ssim sucedia quando Cristo esta:a neste mundo. Os ?udeus eram muito ortodo.os. Qaquela ocasi#o eles esta:am isentos de idolatria. O templo permanecia de p> em Perusal>m/ a lei mosaica era e.posta e o 3enhor era adorado. Qo entanto/ Cristo disse a respeito deles: J... +quele que me en:iou > :erdadeiro/ aquele a quem :@s n#o conheceisJ BPo#o ':0SD. JQ#o Oe conheceis a Oim nem a Oeu !ai; se conhecêsseis a Oim/ tamb>m conheceríeis a Oeu !aiJ BPo#o S:%&D. J...Auem Oe glori<ica > Oeu !ai/ o Aual :@s di7eis que > :osso (eus/ entretanto :@s n#o O tendes conhecido; eu/ por>m/ O conhe"o. 3e disser que n#o O conhe"o/ serei como :@s/ mentiroso; mas eu O conhe"o e guardo a 3ua pala:raJ BPoio S:M2/MMD. E n#o nos ol:idemos de que tudo isso <oi dito a um po:o que tinha as Escrituras e que as rebusca:am diligentemente/ :enerando-as como a !ala:ra de (eusL BPo#o M:F&D )eoricamente/ pelo menos/ esta:am bem <amiliari7ados com a id>ia de (eus/ mas n#o possuíam o conhecimento espiritual a 3eu respeito. +ssim como ocorria no mundo do ?udaísmo/ assim tamb>m sucede na cristandade. Oultid8es que JacreditamJ no Espírito 3anto s#o

Enriquecendo-se com a Bíblia %' completamente despidas de conhecimento sobrenatural ou espiritual de (eus. E como podemos ter tanta certe7a a esse respeitoH (a seguinte maneira: o car6ter do <ruto re:ela o car6ter da 6r:ore que o produ7; a nature7a da 6gua d6 a conhecer a nature7a do manancial de onde ela <lui. O conhecimento sobrenatural de (eus produ7 uma e.periência sobrenatural/ e a e.periência sobrenatural resulta em fruto espiritual. Isso eqCi:ale a di7er que quando (eus :em realmente residir em um cora"#o/ aquela :ida > su?eita a uma re:olu"#o/ > trans<ormada. E ent#o > produ7ido aquilo que a simples nature7a n#o pode produ7ir/ sim/ aquilo que > diretamente contr6rio a essa nature7a. Oas isso se <a7 nota:elmente ausente nas :idas de tal:e7 no:enta e cinco entre cada cem pessoas que atualmente pro<essam ser <ilhos de (eus. Qa :ida dos crist#os pro<essos comuns nada e.iste que n#o possa ser e.plicado com base em quest8es naturais. Qo caso de um genuíno <ilho de (eus a quest#o > totalmente di<erente. )al <ilho de (eus >/ na :erdade/ um milagre da gra"a di:ina $ ele > J... no:a criatura...J BII Coríntios M:%'D. )anto a sua e.periência como a sua :ida s#o sobrenaturais. + e.periência sobrenatural do crente se :ê em sua atitude para com Deus. !ossuindo intimamente a pr@pria :ida de (eus/ ele se torna participante da Jnature7a di:inaJ B:er II !edro %:2D/ e necessariamente ama a (eus/ ama aquilo que pertence a (eus/ ama aquilo que (eus ama; e/ por outro lado/ abomina aquilo que (eus abomina. Essa e.periência sobrenatural > e<etuada no crente pelo Espírito de (eus/ e isso por interm>dio da !ala:ra de (eus. (e <ato/ o Espírito nunca opera K parte da !ala:ra. N por meio dessa !ala:ra que Ele re:i:i<ica. N por meio dessa !ala:ra que Ele produ7 con:ic"#o de pecado. N por meio dessa !ala:ra que Ele santi<ica. N por meio dessa !ala:ra que Ele con<ere seguran"a. E > por meio dessa !ala:ra que Ele <a7 o santo se desen:ol:er espiritualmente. (esse modo/ qualquer um de n@s pode a:eriguar at> que ponto est6 tirando pro:eito de sua leitura e de seu estudo das Escrituras/ mediante os efeitos que elas est#o produzindo em nós/ atra:>s da aplica"#o que

Enriquecendo-se com a Bíblia %S delas <a7 o Espírito. Entremos em seguida nos pormenores. +quele que se bene<icia das Escrituras :erdadeira e espiritualmente: 1. Recebe u" "ais c!aro recon0eci"en o das reivindica12es de Deus. + grande contro:>rsia entre o Criador e a criatura tem girado em torno de se Ele ou ela de:e ser (eus/ se a sabedoria dEle ou a sabedoria dela de:e ser o princípio orientador de suas a"8es/ se a :ontade di:ina ou a :ontade da criatura de:e ser suprema. O que produ7iu a queda de -9ci<er <oi o seu ressentimento por estar em su?ei"#o ao 3enhor: J)u di7ias no teu cora"#o: Eu subirei ao c>u; acima das estrelas de (eus e.altarei o meu trono. . . subirei acima das mais altas nu:ens/ e serei semelhante ao +ltíssimoJ BIsaías %2:%F/%2D. + mentira da serpente que encantou nossos primeiros pais e os le:ou K destrui"#o/ <oi a seguinte: J...como (eus/ sereis conhecedores do bem e do malJ BWênesis F:MD. E desde essa ocasi#o/ o sentimento do cora"#o do homem natural tem sido: J*etira-te de n@sL Q#o dese?amos conhecer as teus caminhos. Aue > o )odo-poderoso/ para que n@s o sir:amosH E que nos apro:eitar6 que lhe <a"amos ora"8esHJ BP@ 0%:%2/%MD. J... pois di7em: Com a língua pre:aleceremos/ os l6bios s#o nossos: quem > senhor sabre n@sH J B3almos %0:2D. J!or que/ pois/ di7 o Oeu po:o: 3omos li:resL Pamais tornaremos a tiHJ BPeremias 0:F%D. O pecado alienou o homem para longe de (eus BE<>sios 2:%SD. O cora"#o humano se tornou a:esso a (eus/ sua :ontade oposta K 3ua :ontade/ a sua mente em inimi7ade contra (eus. Em contraste com isso/ a sal:a"#o signi<ica ser algu>m restaurado a (eus: J!ois tamb>m Cristo morreu/ uma 9nica :e7/ pelos pecados/ o ?usto pelos in?ustos/ para conduzir-vos a (eus. . . J B% !edro F:%SD. -egalmente <alando/ isso ?6 <oi <eito; e.perimentalmente/ por>m/ acha-se no processo de reali7a"#o. 3er sal:o signi<ica ter sido reconciliado com (eus; e isso en:ol:e e inclui o <ato de que o domínio do pecado sobre n@s <oi interrompido/ que a inimi7ade <oi descontinuada/ e que o cora"#o <oi conquistado para

Enriquecendo-se com a Bíblia %& (eus. (isso > que consiste a :erdadeira con:ers#o $ da derrubada de todo ídolo/ da ren9ncia das :aidades ocas de um mundo enganador/ em que tomamos a (eus como a nossa por"#o/ o nosso dirigente/ o nosso tudo em tudo. + respeito dos coríntios lemos que J... deram-se a si mesmos primeiro ao 3enhorJ BII Coríntios S:MD. O dese?o e a determina"#o daqueles que :erdadeiramente se con:erteram > que Jn#o :i:iam mais para si mesmos/ mas para +quele que por eles morreu e ressuscitouJ BII Coríntios M:%MD. Ent#o as rei:indica"8es de (eus passam a ser reconhecidas/ e admitimos o 3eu legítimo domínio sobre n@s mesmos/ porque Ele > reconhecido como (eus. Os con:ertidos se entregam a (eus como Jressurretos dentre os mortosJ/ e os seus membros s#o entregues como Jinstrumentos de ?usti"aJ B*omanos I:%FD. Essa > a e.igência que o 3enhor nos imp8e: ser o nosso (eus/ ser ser:ido por n@s como tal; e que n@s se?amos e <a"amos/ de <orma absoluta e sem reser:as/ tudo quanto Ele nos ordenar/ rendendo-nos totalmente a Ele B-ucas %2:0I/0'/FFD. + (eus cabe/ porque > (eus/ legislar/ prescre:er e determinar tudo o que nos concerne; e a n@s compete/ como de:er obrigat@rio/ sermos dirigidos/ go:ernados e sermos li:remente usados por Ele/ segundo o 3eu benepl6cito. *econhecer que (eus > o nosso (eus eqCi:ale a dar--he o trono dos nossos cora"8es. N a mesma coisa dita na linguagem de Isaías 0I:%F: JZ 3enhor (eus nosso/ outros senhores têm tido domínio sobre n@s; mas gra"as a )i somente > que lou:amos o )eu nomeJ. )amb>m > declarar/ ?untamente com o salmista/ sem hipocrisia/ mas com sinceridade: JZ (eus/ tu >s o meu (eus <orte/ eu te busco ansiosamenteJ B3almos IF :%D. Ora/ > na propor"#o em que isso se torna nossa e.periência real que nos bene<iciamos com as Escrituras. N nelas/ e somente nelas/ que as rei:indica"8es de (eus s#o re:eladas e postas em :igor; na medida e.ata em que esti:ermos obtendo um ponto de :ista mais claro e mais completo sobre os direitos de (eus/ em que nos esti:ermos submetendo a eles > que estaremos sendo realmente aben"oados.

Enriquecendo-se com a Bíblia 01 $. Sen e "aior e"or pe!a "a3es ade de Deus. J)ema ao 3EQ O* toda a terra/ temam-no todos as habitantes do mundoJ B3almos FF:SD. (eus est6 t#o acima de n@s que o simples pensamento de 3ua ma?estade nos de:eria <a7er estremecer. O 3eu poder > t#o grande que a percep"#o dele de:eria aterrori7ar-nos. E Ele > t#o ine<a:elmente santo/ e 3eu @dio ao pecado > t#o in<inito/ que o pr@prio pensamento de atos errados nos de:eria encher de horror. J(eus > sobremodo tremendo na assembl>ia dos santos/ e temí:el sobre todos o que o rodeiamJ B3almos S&:'D. JO temor do 3EQ O* > o princípio da sabedoria/ e o conhecimento do 3anto > prudênciaJ B!ro:>rbios &:%1D. Ora/ a JsabedoriaJ consiste do correto uso do JconhecimentoJ. +t> ao ponto onde (eus > verdadeiramente conhecido/ at> esse ponto ser6 de:idamente temido. +cerca dos ímpios/ por>m/ est6 escrito: JQ#o h6 temor de (eus diante de seus olhosJ B*omanos F :%SD. Esses homens n#o têm qualquer percep"#o acerca da ma?estade de (eus/ n#o tem nenhuma preocupa"#o com a 3ua autoridade/ n#o tem qualquer respeito pelos 3eus mandamentos/ n#o se alarmam ante o <ato de que Ele os ?ulgar6. Qo entanto/ no tocante ao po:o que entrou em pacto com (eus/ o 3enhor prometeu: J!orei o meu temor no seu cora"#o/ para que nunca se apartem de mimJ BPeremias F0:21D. !ar essa ra7#o > que os remidos tremem ante a 3ua !ala:ra BIsaías II:MD/ e andam cautelosamente diante dos 3eus olhos. JO temor do 3EQ O* consiste em aborrecer o malJ B!ro:>rbios S:%FD. E no:amente: J... pelo temor do 3enhor os homens e:itam o malJ B!ro:>rbios %I:ID. O homem que :i:e no temor de (eus tem consciência que Jos olhos do 3EQ O* est#o em todo lugar/ contemplando os maus e os bonsJ B!ro:>rbios %M:FD. !or isso mesmo/ :i:e conscienciosamente tanto em sua conduta particular como em sua conduta em p9blico. O homem que e:ita cometer determinados pecados/ porque os olhos dos homens est#o <i.os sobre ele/ mas que n#o hesita em cometê-los quando est6 so7inho/ > destituído do temor de (eus. !or semelhante modo/ o indi:íduo que modera a sua linguagem quando h6 crentes ao seu

Enriquecendo-se com a Bíblia 0% redor/ mas que n#o age assim noutras ocasi8es/ n#o tem temor a (eus. Q#o sente a consciência inspiradora de respeito de que (eus o :ê e ou:e a todos os momentos. + alma :erdadeiramente regenerada teme desobedecer a (eus e desa<i6--o. E nem mesmo dese?a <a7er tal. Q#o/ porquanto seu real e mais pro<undo anelo consiste em agradar ao Senhor em todas as coisas/ em todas as oportunidades e em todos os lugares. 3ua ora"#o intensa >: J(isp8e-me o cora"#o para s@ temer o )eu nomeJ B3almos SI:%%D. Ora/ at> mesmo aos santos > mister ensinar o temor de (eus/ segundo se :ê em 3almos F2:%%. E nesse aspecto/ como em tudo o mais/ > atra:>s das Escrituras que esse ensinamento nos > con<erido B!ro:>rbios 0 :MD. N por meio das Escrituras que aprendemos que os olhos do 3enhor est#o continuamente <i.os sabre n@s/ assinalando as nossas a"8es e pesando os nossos moti:os. Qa medida em que o Espírito 3anto :ai aplicando as Escrituras ao nosso cora"#o/ assim tamb>m :amos obedecendo crescentemente aquele mandamento que di7: GG... no temor do 3EQ O* perse:erar6s todo diaJ B!ro:>rbios 0F:%'D. !or conseguinte/ na medida e.ata em que <ormos tomados pelo senso de respeito da tremenda ma?estade di:ina/ nessa medida tamb>m teremos consciência de que J)u >s (eus que :êsJ BWênesis %I:%FD/ pondo em a"#o a nossa sal:a"#o com Jtemor e tremorJ B,ilipenses 0:%0D/ e assim tiramos real pro:eito de nossos estudos bíblicos e da leitura das Escrituras. '. Te" "ais profunda rever4ncia pe!os "anda"en os de Deus. O pecado entrou no mundo atra:>s da desobediência de +d#o contra a lei de (eus/ e todos os seus <ilhos decaídos s#o gerados com similar depra:a"#o BWênesis M:FD. JO pecado > a transgress#o da leiJ BI Po#o F:2D. O pecado > uma <orma de alta trai"#o/ de anarquia espiritual. N o rep9dio ao domínio e.ercido por (eus/ em que a 3ua autoridade > repelida/ em que o indi:íduo se rebela contra a 3ua :ontade. O pecado consiste em seguirmos por nosso pr@prio caminho. Ora/ a sal:a"#o

Enriquecendo-se com a Bíblia 00 consiste em sermos li:rados do pecado/ de sua culpa/ de seu poder e at> mesmo de sua penalidade. O mesmo Espírito que nos con:ence sobre a necessidade da gra"a de (eus tamb>m nos con:ence da necessidade que temos de ser dirigidos pelo go:erno de (eus. + promessa de (eus ao po:o que com Ele entrou em pacto/ >: JQas suas mentes imprimirei as Oinhas leis/ tamb>m sobre os seus cora"8es as inscre:erei; e Eu serei o seu (eus/ e eles ser#o o Oeu po:oJ B ebreus S:%1D. O espírito de obediência > proporcionado a toda a alma regenerada. Cristo Pesus disse: J3e algu>m Oe ama/ guardar a Oinha pala:raJ BPo#o %2:0FD. !ortanto/ esse > o grande teste: JOra/ sabemos que O temos conhecido por isto: se guardamos os 3eus mandamentosJ BI Poio 0:FD. Qenhum de n@s obser:a os mandamentos de (eus com per<ei"#o; mas todo o :erdadeiro crente tanto dese?a <a7ê-lo como se es<or"a nesse sentido. O crente :erdadeiro di7 ?untamente com !aulo: J!orque/ no tocante ao homem interior/ tenho pra7er na lei de (eusJ B*omanos ':00D. E tamb>m declara/ ?untamente com o salmista: JEscolhi o caminho da <idelidade; decidi-me pelos teus ?uí7os. Os teus testemunhos recebi-os por legado perp>tuoJ B3almo %%&:F1/ %%%D. E todo e qualquer ensinamento que a:ilta a autoridade de (eus/ que ignora as seus mandamentos/ que a<irma que o crente/ em nenhum sentido/ est6 sob a lei/ :em da parte do diabo/ sem importar qu#o sua:es se?am as pala:ras do seu instrumento humano. Cristo redimiu o 3eu po:o da maldi"#o da lei/ e n#o dos mandamentos que ela cont>m; Cristo os sal:ou da ira de (eus/ mas n#o para <icarem <ora do 3eu go:erno. Qunca <oram e nunca ser#o re:ogadas as pala:ras que di7em: J+mar6s o 3enhor teu (eus de todo o teu cora"#oJ BOateus 00:F'D. + passagem de I Coríntios &:0% a<irma e.pressamente que estamos GGdebai.o da lei de Cristo.J E o trecho de I Po#o 0:I estipula: J+quele que di7 que permanece nele/ esse de:e tamb>m andar assim como Ele andouJ. Ora/ como <oi que Cristo JandouJH Qa per<eita obediência a (eus !ai; em total su?ei"#o Ks 3uas leis/ honrando-as e obedecendo-as em 3eus pensamentos/ em 3uas pala:ras e em 3eus atos. Cristo n#o :eio

Enriquecendo-se com a Bíblia 0F a <im de destruir a lei/ e/ sim/ a <im de cumpri-la B:er Oateus M:%'D. E o nosso amor por Ele > e.presso/ n#o em emo"8es agrad6:eis ou em pala:ras bonitas/ e/ sim/ na obser:Encia aos seus mandamentos BPo#o %2:%MD. E os mandamentos de Cristo s#o os mandamentos de (eus Bcon<erir R.odo 01:ID. + ora"#o intensa do crente autêntico >: J!uia-me pela :ereda dos )eus mandamentos/ pois nela me compra7oJ B3almos %%&:FMD. +t> ao ponto em que nossa leitura e nossos estudos da Bíblia/ mediante a aplica"#o do Espírito 3anto/ :ai gerando em n@s um maior amor e um mais pro<undo respeito/ al>m da obser:Encia mais e.ata dos mandamentos de (eus/ nessa propor"#o :amos sendo realmente bene<iciados. *. U"a confian1a "ais fir"e na sufici4ncia de Deus. +quilo ou aquele em quem um homem mais con<ia/ esse > o seu JdeusJ. +lgumas pessoas con<iam na sa9de/ e outros nas rique7as; alguns con<iam em si mesmos/ e outros con<iam em seus amigos. E a atitude que caracteri7a a todos os indi:íduos sem regenera"#o > que dependem do bra"o da carne. !or>m/ a elei"#o da gra"a des:ia os seus cora"8es de todos os apoios dados pela criatura/ para que se estribe no (eus :i:o. O po:o de (eus s#o os <ilhos da <>. + linguagem emitida pelos seus cora"8es >: J(eus meu/ em ti con<io/ n#o se?a eu en:ergonhadoJ B3almos 0M:0D. E uma :e7 mais: JEis que me matar6/ ?6 n#o tenho esperan"a; contudo de<enderei o meu procedimentoJ BP@ %F:%MD. Esses dependem de (eus/ para que lhes pro:e?a o necess6rio/ para que os prote?a e aben"oe. Olham continuamente para um recurso in:isí:el/ <icam na dependência ao (eus in:isí:el/ apoiam-se em um Bra"o oculto. N :erdade que h6 ocasi8es em que a <> dos :erdadeiros crentes hesita; mas/ embora tropecem/ n#o <icam inteiramente prostrados. Embora isso n#o re<lita a e.periência uni<orme deles/ contudo o 3almo MI:%% e.pressa o estado geral de suas almas: J... neste (eus ponho a minha con<ian"a e nada temerei. Aue me pode <a7er o homemH J B-ucas

Enriquecendo-se com a Bíblia 02 %'.MD. E a ora"#o anelante deles >: J3enhor/ aumenta a nossa <>LJ Con<orme di7 a passagem de *omanos %1:%': JE assim/ a <> :em pela prega"#o e a prega"#o pela pala:ra de CristoJ. E dessa maneira/ enquanto meditamos sobre as Escrituras/ em que as suas promessas s#o acolhidas em nossa mente/ a nossa <> > <ortalecida/ a nossa con<ian"a em (eus aumenta/ e a nossa seguran"a se apro<unda. (esse modo podemos descobrir que estamos tirando pro:eito ou n#o de nosso estudo da Bíblia. ,. De!ei a&se "ais p!ena"en e nas perfei12es de Deus. +quilo em que um homem mais se deleita > o seu JdeusJ. O pobre indi:íduo mundano procura satis<a"#o em suas ati:idades/ pra7eres e possess8es materiais. Ignorando a JsubstEnciaJ/ ele persegue inutilmente as sombras. O crente/ entretanto/ se deleita nas admir6:eis per<ei"8es de (eus. *ealmente/ reconhecermos a (eus como o nosso (eus consiste n#o somente em nos submetermos ao 3eu cetro/ mas em am6--o mais do que ao mundo/ e :alori76--o acima de tudo e de todos. Consiste tamb>m em termos/ paralelamente ao salmista/ a percep"#o e.perimental de que J. . .)odas as minhas <ontes s#o em )iJ B3almos S':'D. Os remidos n#o apenas receberam alegria da parte de (eus/ tal alegria que este nosso pobre mundo ?amais nos poderia outorgar/ mas tamb>m se gloriam e rego7i?am em (eus B:er *omanos M:%%D; e acerca disso o indi:íduo mundano nada sabe. + linguagem dos remidos > aquela que a<irma: J+ minha por"#o > o 3EQ O*. . .J B-amenta"8es F:02D. Os e.ercícios espirituais s#o en<adonhos para a carne. Oas o crente autêntico di7: JAuanto a mim/ bom > estar ?unto a (eus...J B3al. 'F:0SD. O homem carnal > arrastado por muitas pai.8es e ambi"8es; por>m/ a alma regenerada asse:era: JUma cousa pe"o ao 3EQ O*/ e a buscarei: que eu possa morar na casa do 3EQ O* todos os dias da minha :ida/ para contemplar a bele7a do 3EQ O*/ e meditar no seu tempoJ B3almos 0':2D. E/ por queH !or que o :erdadeiro sentimento de seu cora"#o di7: JAuem mais tenho eu no c>uH Q#o h6 outro em quem eu me compra7a na terraJ B3almos 'F:0MD. +h/ pre7ado leitor/ se o seu cora"#o n#o tem

Enriquecendo-se com a Bíblia 0M sido impelido a amar a (eus e a deleitar-se nEle/ ent#o > que ainda est6 morto para com Ele. + linguagem dos santos > a que di7: J+inda que a <igueira n#o <loresce/ nem h6 <ruto na :ide; o produto da oli:eira mente/ e os campos n#o produ7em mantimento; as o:elhas <oram arrebatadas do aprisco e nos currais n#o h6 gado/ toda:ia eu me alegro no 3EQ O*/ e.ulto no (eus da minha sal:a"#oJ B ab. F:%'/%SD. +hL essa > :erdadeiramente uma e.periência sobrenaturalL 3im/ o crente pode rego7i?ar-se quando todas as suas possess8es materiais lhe s#o tiradas B:er ebreus %1:F2D. Auando ?a7 em uma masmorra/ com as costas a sangrar/ ainda assim pode entoar lou:ores a (eus B+tos %I:0MD. !ortanto/ na propor"#o em que :ocê esti:er sendo desmamado dos pra7eres ocos deste mundo/ tamb>m estar6 aprendendo que n#o h6 bên"#o <ora de (eus/ estar6 descobrindo que Ele > a <onte e a s9mula de toda a e.celência/ e o seu cora"#o estar6 sendo atraído para o 3enhor/ a sua mente estar6 se apegando a Ele/ a sua alma estar6 encontrando nEle a sua alegria e satis<a"#o/ e :ocê estar6 realmente se bene<iciando com as Escrituras. -. 5aior sub"iss)o aos a os providenciais de Deus. N natural murmurarmos quando as coisas n#o nos correm bem/ mas > sobrenatural conser:ar a tranqCilidade nessas ocasi8es B-e:ítico %1:FD. N natural sentirmo-nos desapontados quando nossos planos abortam/ mas > sobrenatural inclinarmo-nos ante as determina"8es di:inas. N natural querermos as coisas a nosso ?eito/ mas > sobrenatural poder di7er: JQ#o se?a <eita a minha :ontade/ mas a tuaJ B-ucas 0%.20D. N natural rebelarmo-nos quando algum ente querido nos > arrebatado pela morte; mas > sobrenatural poder di7er de todo o cora"#o: J. . .o 3EQ O* o deu/ e o 3EQ O* o tomou: bendito se?a o nome do 3EQ O*LJ BP@ %:0%D. Auando (eus 3e tem tornado :erdadeiramente a nossa por"#o/ ent#o aprendemos a admirar a 3ua sabedoria/ e > ent#o tamb>m que reconhecemos que Ele <a7 bem <eitas todas as coisas.

Enriquecendo-se com a Bíblia 0I (essa maneira/ por igual modo/ o cora"#o > conser:ado J...em per<eita pa7...J/ quando a mente se <i.a no 3enhor BIsaías 0I:FD. Qeste particular/ pois/ encontramos um outro teste seguro: se a Bíblia que :ocê estuda est6 lhe ensinando que o caminho de Deus > o melhor/ se isso o est6 le:ando a submeter-se sem quei.umes a todas as 3uas dispensa"8es/ se :ocê se sente capa7 de dar gra"as a (eus por todas as coisas BE<>sios M:01D/ ent#o :ocê realmente est6 se bene<iciando das Escrituras. .. 5ais fervorosos !ouvores devido ( bondade de Deus. O lou:or > o e.tra:asamento de um cora"#o que encontra satis<a"#o em (eus. + linguagem de tal pessoa >: JBendirei ao 3enhor em todo o tempo/ o 3eu lou:or estar6 sempre nos meus l6biosJ B3almos F2:%D. Au#o +bundantes s#o os moti:os que tem o po:o de (eus para lou:6-oL +mados com um amor eterno/ <eitos <ilhos e herdeiros/ todas as coisas cooperam para o bem deles/ cada uma de suas necessidades > suprida/ uma eternidade de bem-a:enturan"a lhes > assegurada $ suas harpas de alegria ?amais de:eriam <icar silentes. (e <ato/ n#o se silenciar#o enquanto des<rutarem de companheirismo com o 3enhor/ o qual > J...totalmente dese?6:el...J BCantares M:%ID. Auanto mais crescemos no Jconhecimento de (eusJ BCol. %:%1D/ mais ha:eremos de ador6--o. !or>m/ > somente na medida em que a !ala:ra :ier habitar ricamente em n@s que <icaremos in:adidos de cEnticos espirituais BCol. F:%ID/ pois ent#o poderemos entoar melodias ao 3enhor/ em nossos cora"8es. Auanto mais as nossas almas s#o impulsionadas a uma :erdadeira adora"#o/ tanto mais nos sentiremos impelidos a agradecer e a lou:ar ao nosso grande (eus/ o que > e:idência claríssima de que nossos estudos na !ala:ra de (eus nos est#o bene<iciando.

Enriquecendo-se com a Bíblia

0'

AS ESCRITURAS E CRISTO
+ ordem que seguimos nesta s>rie > a ordem da experiência comum a todos. Q#o > sen#o quando o homem :em a <icar inteiramente insatis<eito consigo mesmo que come"a a aspirar a (eus. + criatura decaída/ iludida por 3atan6s/ sente-se satis<eita consigo mesma at> que os seus olhos/ cegados pelo pecado/ se?am abertos para que possa contemplar a si mesma. O Espírito 3anto primeiramente insu<la em n@s o senso de nossa pr@pria ignorEncia/ :aidade/ pobre7a espiritual e depra:a"#o/ antes que nos le:e a perceber e a reconhecer que somente em (eus podem ser encontradas a :erdadeira sabedoria/ a bên"#o real/ a bondade per<eita e a ?usti"a imaculada. Qossa consciência precisa ser despertada para as nossas pr@prias imper<ei"8es/ antes que possamos apreciar de <ato as per<ei"8es di:inas. E/ quando as per<ei"8es de (eus s#o contempladas/ ent#o > que o homem se torna ainda mais c=nscio da in<inita distEncia que o separa do (eus +ltíssimo. Auando aprende algo sobre as prementes rei:indica"8es de (eus sabre ele/ e tamb>m sobre sua total incapacidade de satis<a7er a essas rei:indica"8es/ > que <ica capacitado para ou:ir e para dar acolhida Ks boas no:as de que Outro satis<e7 plenamente essas rei:indica"8es/ para todos quantos <orem le:ados a depositar con<ian"a nEle. JE.aminais as EscriturasJ/ declarou o 3enhor Pesus; e acrescentou: J... e s#o elas mesmas que testi<icam de OimJ BPo#o M:F&D. 3im/ as Escrituras testi<icam acerca de Cristo como o [nico 3al:ador dos pecadores que perecem/ como o [nico Oediador entre (eus e os homens/ como o [nico por interm>dio de quem nos podemos apro.imar de (eus !ai. Elas testi<icam/ igualmente/ acerca das admir6:eis per<ei"8es de 3ua pessoa/ das gl@rias :ariegadas de 3eus o<ícios/ da su<iciência de 3ua Obra terminada. Y parte das Escrituras/ Cristo n#o pode ser conhecido. 3omente por meio delas > que Ele > re:elado. Auando o Espírito 3anto toma aquilo que pertence a Cristo e as mostra a 3eu po:o/ dessa maneira tornando essas coisas conhecidas Ks

Enriquecendo-se com a Bíblia 0S almas remidas/ n#o usa Ele outra coisa al>m daquilo que est6 escrito. E apesar de ser :erdade que Cristo > a cha:e para a compreens#o das Escrituras 3agradas/ > igualmente :erdadeiro que somente nas Escrituras nos > des:endado o Jmist>rio de CristoJ/ sobre o qual se lê em E<>sios F:2. Ora/ a medida em que tiramos pro:eito de nossa leitura e estudo das Escrituras pode ser :eri<icada pela e.tens#o em que "risto 3e est6 tornando mais real e mais precioso para os nossos cora"8es. O Jcrescimento na gra"aJ > de<inido como um desen:ol:imento J...na gra"a e no conhecimento de nosso 3enhor e 3al:ador Pesus CristoJ BII !edro F:%SD. E na segunda cl6usula n#o > acrescentado algo K primeira; antes/ h6 uma e.plica"#o sabre a primeira cl6usula. JConhecerJ a Cristo B,ilipenses F:%1D era o supremo anseio e o grande al:o do ap@stolo !aulo/ um anelo e um al:o ao que ele subordina:a todos os demais interesses. Oas/ con:>m que prestemos toda a aten"#o/ que o JconhecimentoJ re<erido nesses :ersículos n#o > o conhecimento intelectual/ mas o espiritual/ n#o > o te@rico/ mas o e.perimental/ n#o > de nature7a geral/ e/ sim/ pessoal. )rata-se de um conhecimento sobrenatural/ propiciado ao cora"#o regenerado de:ido Ks opera"8es do Espírito 3anto/ con<orme Ele :ai interpretando e aplicando em n@s as passagens bíblicas concernentes a Cristo. Ora/ o conhecimento de Cristo que o bendito Espírito 3anto outorga ao crente/ por interm>dio das 3agradas Escrituras/ lhe > pro:eitoso de di<erentes maneiras/ de acordo com suas :ariadas situa"8es/ circunstEncias e necessidades. Qo tocante ao p#o que (eus deu aos <ilhos de Israel/ durante suas peregrina"8es pelo deserto/ est6 registrado que eles J...colheram/ uns mais/ outros menosJ BR.odo %I:%'D. Outro tanto se d6 no caso de nosso recebimento d+quele de quem o man6 era um tipo simb@lico. E.iste algo/ na admir6:el pessoa de Cristo/ que se adapta e.atamente a todas as nossas condi"8es/ a todas as nossas circunstEncias e a todas as nossas necessidades/ tanto para o tempo como para a

Enriquecendo-se com a Bíblia 0& eternidade; no entanto/ mostramo-nos lentos para perceber tal :erdade/ e mais lentos ainda para agir de con<ormidade com essa :erdade. E.iste uma plenitude na pessoa de Cristo BPo#o %:%ID/ e que > posta em disponibilidade para dela tirarmos pro:eito. E o princípio que regula a pro<undidade com que nos tornaremos <ortes na J... gra"a que est6 em Cristo PesusJ BII )im@teo 0:%D/ > J,a"a-se-:os con<orme a :ossa <>J BOateus &:0&D. 1. O indivíduo se beneficia do es udo das Escri uras #uando e!as !0e reve!a" a sua necessidade de Cris o. O homem/ em seu estado natural/ se considera auto-su<iciente. Qaturalmente que ele tem uma apagada percep"#o de que nem tudo est6 per<eitamente certo entre ele mesmo e (eus; no entanto/ n#o tem di<iculdade alguma para persuadir a si pr@prio de que > capa7 de <a7er aquilo que propicie a (eus. Isso <a7 parte do <undamento mesmo da religi#o de todo o homem/ e que te:e início em Caim/ e em cu?o JcaminhoJ BPudas %%D as multid8es continuam andando. Basta que se diga ao homem religioso comum que J... os que est#o na carne n#o podem agradar a (eusJ B*omanos S:SD/ para que esse homem se sinta imediatamente o<endido. E basta que se pressione sabre ele o <ato de que J... todas as nossas ?usti"as Bs#oD como trapo de imundíciaJ BIsaías I2:ID/ para que sua urbanidade hip@crita imediatamente dê lugar K ira. +ssim acontecia nos dias em que Cristo esta:a na terra. O po:o mais religioso de todos/ os ?udeus/ n#o tinha qualquer senso de que eles esta:am JperdidosJ/ como tamb>m da urgente necessidade de um 3al:ador )odopoderoso. JOs s#os n#o precisam de m>dico/ e/ sim/ os doentesJ BOateus &:%0D. ,a7 parte do o<icio especí<ico do Espírito 3anto/ mediante a 3ua aplica"#o das :erdades bíblicas/ o con:encer os pecadores de sua desesperadora situa"#o/ para que assim possam perceber que o seu estado > tal que J(esde a planta do p> at> K cabe"a n#o h6 nele cousa s#/ sen#o <eridas/ contus8es e chagas in<lamadas/ umas e outras n#o

Enriquecendo-se com a Bíblia F1 espremidas/ nem atadas/ nem amolecidas com @leoJ BIsaías %:ID. Oas/ na propor"#o em que o Espírito nos con:ence de nossos pecados $ de nossas ingratid8es contra (eus/ de nossas murmura"8es contra Ele/ de nosso a<astamento para longe dEle $ e K medida em que nos impressiona com as rei:indica"8es de (eus $ os direitos que Ele tem ao nosso amor/ K nossa obediência e K nossa adora"#o bem como de nossas tristes e <racassadas tentati:as de prestar--he aquilo que -he de:emos/ ent#o somos le:ados a reconhecer que Cristo > a nossa [nica esperan"a/ e que/ a menos que nos abriguemos nEle/ qual re<9gio/ a ?usta indigna"#o de (eus mui certamente ha:er6 de cair sobre n@s. Entretanto/ n#o de:emos limitar isso K e.periência inicial da con:ers#o. Auanto mais o Espírito 3anto apro<unda a 3ua obra graciosa na alma regenerada/ tanto mais o indi:íduo se torna c=nscio de sua pr@pria corrup"#o/ de sua pecaminosidade e de sua :ile7a; e percebe ainda mais a sua necessidade de dar :alor Kquele precioso sangue que o puri<ica de todo pecado. O Espírito 3anto est6 aqui a <im de glori<icar a Cristo; e uma das principais maneiras pela qual Ele <a7 isso > abrindo mais e mais os olhos daqueles em <a:or de quem Cristo morreu/ para que percebam qu#o apropriado > Ele para criaturas t#o miser6:eis/ t#o imundas/ t#o merecedoras do in<erno. 3im/ quanto mais :erdadeiramente tiramos pro:eito de nossa leitura das Escrituras/ tanto mais sentimos que precisamos de Cristo. $. O indivíduo se beneficia das Escri uras #uando e!as orna" Cris o "ais rea! para e!e. + grande massa da na"#o israelita nada mais :ia sen#o a casca e.terna/ nos ritos e cerim=nias que (eus lhes deu para que os obser:assem; mas um remanescente regenerado te:e o pri:il>gio de contemplar o pr@prio Cristo. JTosso pai +bra#o alegrou-se por :er o meu dia/ :iu-o e rego7i?ou-se... J/ declarou o 3enhor Pesus/ em Po#o S: MI. Oois>s J... considerou o opr@brio de Cristo por maiores rique7as do que os tesouros do Egito... J B ebreus %%:0ID.

Enriquecendo-se com a Bíblia F% Outro tanto ocorre na cristandade. !ara as multid8es/ Cristo > apenas um nome/ ou/ quando muito/ um car6ter hist@rico. Esses n#o têm contatos pessoais com Ele/ n#o des<rutaram de qualquer companheirismo espiritual com Ele. 3e por:entura ou:irem algu>m <alar/ arrebatado/ sobre as e.celências de 3ua pessoa/ ha:er#o de consider6-lo um entusiasta ou um <an6tico. !ara tais indi:íduos/ Cristo > irreal/ :ago/ intangí:el. Qo caso do crente autêntico/ toda:ia/ a atitude > inteiramente outra. + linguagem de seu cora"#o >:
(e!)o ou*ido a *o+ de ,esus. Para $i$- s. E%e / 0er1eito. (e!)o *isto a 1ace de ,esus"i!)a a%$a 1icou satis1eita.

Contudo/ essa :is#o bem-a:enturada n#o > a e.periência constante e in:ari6:el dos santos. +ssim como as nu:ens se interp8em entre o sol e a terra/ assim tamb>m as <alhas/ em nosso andar di6rio/ interrompem a nossa comunh#o com Cristo e ser:em para ocultar de n@s o resplendor de 3ua <ace. J+quele que tem os Oeus mandamentos e os guarda/ esse > o que me ama; e aquele que me ama/ ser6 amado por Oeu !ai/ e Eu tamb>m o amarei e Oe mani<estarei a eleJ BPo#o %2:0%D. 3im/ > aquele que/ pela gra"a/ palmilha pela senda da obediência/ que recebe as mani<esta"8es con<eridas pelo pr@prio 3enhor Pesus. E quanto mais <reqCentes e prolongadas <orem essas mani<esta"8es/ mais real Ele se torna para a alma/ at> sermos capa7es de di7er ?untamente com P@: JEu te conhecia s@ de ou:ir/ mas agora os meus olhos )e :êemJ BP@ 20:MD. +ssim/ pois/ quanto mais Cristo <or 3e tornando uma realidade :i:a para mim/ mais tirarei pro:eito da !ala:ra. '. O indivíduo se beneficia das Escri uras #uando se ocupa das perfei12es de Cris o. N o senso de necessidade que lan"a a alma aos bra"os de Cristo/ no princípio; mas > a percep"#o de 3uas e.celências que nos <a7 achegarmo-nos a Ele/ desde ent#o. Auanto mais real Cristo 3e torna para

Enriquecendo-se com a Bíblia F0 n@s/ tanto mais :amos sendo atraídos pelas 3uas per<ei"8es. Qo come"o Ele > :isto apenas como 3al:ador; mas/ na propor"#o em que o Espírito 3anto continua a destacar diante de nossos olhos aquilo que pertence a Cristo/ descobrimos que sobre a 3ua cabe"a h6 J... muitos diademas... J B+pocalipse %&:%0D. (esde a antigCidade que <oi dito: J... e o seu nome ser6: Oara:ilhoso... J BIsaías &:ID. E o nome de Cristo signi<ica tudo quanto dEle as Escrituras d#o a conhecer. JOara:ilhososJ s#o os 3eus o<ícios/ quanto ao seu n9mero/ quanto K sua :ariedade e quanto K 3ua su<iciência. Ele > o +migo que nos > mais chegado do que um irm#o/ que nos a?uda em cada momento de necessidade. Ele > o grande 3umo 3acerdote/ que 3e dei.a como:er diante das nossas debilidades. Ele > o nosso +d:ogado ?unto a (eus !ai/ o qual nos <a7 a de<esa quando 3atan6s nos acusa. Qossa grande necessidade > ocuparmo-nos com Cristo/ assentarmonos a 3eus p>s/ con<orme <e7 Oaria/ recebendo assim de 3ua plenitude. Qosso principal deleite de:e ser considerar J. . . atentamente o +p@stolo e 3umo 3acerdote da nossa con<iss#o/ PesusJ B ebreus F:%D; de:e ser contemplar as :6rias rela"8es que Ele mant>m para conosco/ meditar acerca das muitas promessas que Ele nos tem <eito/ demorarmo-nos na contempla"#o de 3eu admir6:el e imut6:el amor por n@s. +o <a7ermos assim/ ha:eremos de deleitar-nos no 3enhor de tal modo que as :o7es de sereia deste mundo perder#o todo o seu encantamento em nosso caso. +h/ pre7ado amigo/ :ocê conhece e.periência assim/ em sua :ida di6riaH Cristo >/ para a sua alma/ o principal entre de7 milharesH Conquistou Ele o seu cora"#oH 3ua principal alegria > <icar so7inho com Ele/ a con:ersar com o 3enhorH Caso contr6rio/ a sua leitura e o seu estudo da Bíblia bem pouco lhe tem apro:eitado. *. O indivíduo se beneficia das Escri uras #uando Cris o se orna "ais precioso para e!e. Cristo > precioso na estima de todos os crentes BI !edro 0:'D. Esses consideram todas as coisas como perda/ em <ace da e.celência do

Enriquecendo-se com a Bíblia FF conhecimento de Cristo Pesus/ seu 3enhor B,ilipenses F:SD. O nome dEle/ para eles/ > um ungCento derramado BCantares %:FD. +ssim como a gl@ria de (eus/ que aparecia em bele7a indescrití:el/ no templo/ bem como na sabedoria e no resplendor da corte de 3alom#o/ atraía adoradores desde as regi8es mais distantes da terra/ assim tamb>m a e.celência sem paralelos de Cristo $ ali pre<igurada $ atrai ainda mais poderosamente os cora"8es de 3eu po:o. O diabo sabe disso per<eitamente bem/ pelo que ele tamb>m procura enegrecer as mentes daqueles que n#o crêem/ colocando entre eles e Cristo as atra"8es deste mundo. E (eus permite ao diabo assediar igualmente ao crente. Entretanto/ est6 escrito: J...resisti ao diabo/ e ele <ugir6 de :@sJ B)iago 2:'D. (e:emos resistir-lhe mediante ora"#o de<inida e sincera/ rogando ao Espírito 3anto que incline as nossas a<ei"8es para Cristo. Auanto mais nos ocuparmos com as per<ei"8es de Cristo/ mais ha:eremos de am6--o e de ador6--o. N a <alta de <amiliaridade e.perimental com Ele que <a7 nossos cora"8es se tornarem t#o <rios para com Ele. Oas/ sempre que uma comunh#o real e di6ria > culti:ada/ o crente ser6 capacitado a di7er ?unto com o salmista: JAuem mais tenho eu no C>uH Q#o h6 outro em quem eu me compra7a na terraJ B3almo 'F:0MD. Essa > a pr@pria essência e a nature7a distinta do :erdadeiro cristianismo. Os 7elotes legalistas tal:e7 se ocupem atare<adamente em di7imar a hortel#/ o endro e o cominho/ e tal:e7 percorram mares e terras para <a7er um pros>lito/ e contudo n#o têm amor a (eus/ em Cristo. (eus olha para o cora"#o: J(6-me/ <ilho meu/ o teu cora"#o... J B!ro:>rbios 0F:0ID > a 3ua e.igência. E quanto mais precioso Cristo > para n@s/ tanto maior > o deleite que Ele tem em n@s. ,. O indivíduo #ue ira provei o das Escri uras e" u"a confian1a crescen e e" Cris o. 6 Jpequena <>J BOateus %2:F%D e tamb>m h6 Jgrande <>J BOateus S:%1D. 6 tamb>m a Jplena certe7a de <>J/ segundo se lê em ebreus %1:00/ como h6 tamb>m o con<iar no 3enhor de todo o Jcora"#oJ/

Enriquecendo-se com a Bíblia F2 con<orme se :ê em !ro:>rbios F:M. +ssim como h6 o crescimento que :ai J... de <or"a em <or"a... J B3almo S2:'D/ assim tamb>m lemos em subir J... de <> em <>... J B*omanos %:%'D. Auanto mais <orte e mais constante <or a nossa <>/ tanto mais o 3enhor Pesus ser6 honrado. +t> mesmo a leitura apressada dos quatro e:angelhos re:ela o <ato de que coisa alguma agrada:a tanto ao 3al:ador como a <irme dependência que aqueles que permaneceram em 3ua companhia demonstraram ter dEle. O pr@prio Cristo :i:eu e andou pela <>/ e quanto mais o <i7ermos/ mais estaremos sendo trans<ormados em 3ua imagem/ como os membros para com a 3ua cabe"a. +cima de tudo h6 uma coisa que de:e ser nosso al:o/ e que de:emos buscar diligentemente/ atra:>s de ora"#o intensa: que a nossa <> aumente. !aulo <oi capa7 de di7er: J... a :ossa <> cresce sobremaneira... J BII )essalonicenses %:FD. Ora/ ningu>m pode con<iar em Cristo/ a menos que se?a Ele conhecido; e quanto melhor <or Ele conhecido/ tanto mais con<iaremos nEle: JEm )i/ pois/ con<iam os que conhecem o teu nome/ porque )u/ 3EQ O*/ n#o desamparas os que te buscamJ B3almos &:%1D. Qa propor"#o em que Cristo 3e :ai tornando mais real para nossos cora"8es/ e na medida em que n@s :amos crescentemente nos ocupando com 3uas multi<ormes per<ei"8es e Ele se torna mais e mais precioso para n@s/ a con<ian"a em 3ua pessoa se :ai acentuando de tal maneira que chega a ser natural con<iarmos nEle/ como natural > o respirar. + :ida crist# > um JandarJ de <> BII Coríntios M:'D/ e essa pr@pria e.press#o denota um progresso contínuo/ o li:ramento crescente de todas as d9:idas e temores/ a mais ampla certe7a de que tudo quanto Ele prometeu ha:er6 de cumprir. +bra#o > o pai de todos aqueles que crêem/ pelo que tamb>m o registro de sua :ida terrena <ornece-nos a indica"#o do que signi<ica ter uma con<ian"a dependente no 3enhor. !rimeiramente/ ante a simples pala:ra di:ina +bra#o :oltou as costas para tudo quanto lhe era caro na carne. Em segundo lugar/ ele partiu dependendo simplesmente de (eus/ e habitou como estrangeiro e <orasteiro na )erra da !romessa/ onde

Enriquecendo-se com a Bíblia FM ?amais possuiu um simples acre de 6rea. Em terceiro lugar/ quando <oi <eita a promessa de que geraria um <ilho em sua idade a:an"ada/ ele n#o le:ou em conta os obst6culos que pareciam impedir a concreti7a"#o dessa promessa. ,inalmente/ quando lhe <oi ordenado que o<erecesse a Isaque em sacri<ício/ par meio de quem aquelas promessas de:eriam concreti7ar-se/ ele considerou que (eus era capa7 de at> mesmo Jressuscit6-lo dentre os mortosGG B ebreus %%:%&D. Qa hist@ria de +bra#o nos > demonstrado como a gra"a > capa7 de sub?ugar um maldoso cora"#o cheio de incredulidade/ como o espírito pode ser :itorioso sabre a carne/ como os <rutos sobrenaturais de uma <> dada e sustentada por (eus podem ser produ7idos por um homem de pai.8es semelhantes Ks nossas. )udo isso <oi registrado :isando ao nosso encora?amento/ para que oremos a <im de que o 3enhor 3e agrade por operar em n@s aquilo que Ele operou no pai dos <i>is e atra:>s dele. Q#o h6 outra coisa que tanto agrade/ honre e glori<ique a Cristo do que a con<ian"a nEle/ do que a con<ian"a que espera/ do que a <> similar K de uma crian"a/ da parte daqueles para quem Ele deu todos os moti:os para nEle con<iarem de todo o cora"#o. E n#o e.iste outra coisa que tanto e:idencie o <ato de que estamos sendo bene<iciados pelas Escrituras do que a nossa <> crescente em Cristo. -. O indivíduo se beneficia das Escri uras #uando es as 6era" ne!e o profundo dese3o de a6radar a Cris o. J+caso n#o sabeis que o :osso corpo > santu6rio do Espírito 3anto que est6 em :@s/ o qual tendes da parte de (eus/ e que n#o sois de :@s mesmosH !orque <ostes comprados por pre"o. +gora/ pois/ glori<icai a (eus no :osso corpoJ BI Coríntios I:%&/%1D. Esse > o primeiro grande <ato que os crentes precisam aprender. (esse ponto em diante > mister que os crentes J... n#o :i:am mais para si mesmos/ mas para aquele que por eles morreu e ressuscitouJ BII Coríntios M:%MD. O amor se deleita por agradar a seu ob?eto/ e quanto mais os nossos a<etos se :oltam para Cristo/ mais ha:eremos de dese?ar honr6--o mediante uma :ida de

Enriquecendo-se com a Bíblia FI obediência K 3ua :ontade conhecida. J3e algu>m me ama/ guardar6 a Oinha pala:ra. . .J BPo#o %2:0FD. Q#o > com emo"8es <eli7es e nem em pro<iss8es ou de:o"8es :erbais/ e/ sim/ na aceita"#o real do ?ugo de Cristo/ quando nos submetemos de maneira pr6tica a 3eus preceitos/ que o 3enhor Pesus > :erdadeiramente honrado. N particularmente neste ponto que a genuinidade de nossa pro<iss#o crist# pode ser testada e pro:ada. )emos n@s real <> em Cristo se por:entura n#o <a7emos qualquer es<or"o para aprender a 3ua :ontadeH Aue despre7o para um rei se os seus s9ditos se recusassem a ler as suas proclama"8esL 3empre que hou:er <> em Cristo ha:er6 tamb>m o deleite em 3eus mandamentos/ bem como a triste7a quando qualquer um deles > desobedecido por n@s. Auando desagradamos a Cristo/ cumpre-nos lamentar t#o grande <alha. N impossí:el crer seriamente que <oram os meus pecados que le:aram o ,ilho de (eus a derramar o seu precioso sangue/ se eu mesmo n#o odiar esses pecados. 3e Cristo gemeu sob o peso do pecado/ igualmente n@s de:emos gemer. E quanto mais sinceros <orem esses gemidos/ mais intensamente de:eremos buscar a gra"a para ser libertos de tudo quanto desagrada a nosso bendito *edentor/ e para ser <ortalecidos e capacitados a <a7er o que -he agrada. .. O indivíduo se beneficia das Escri uras #uando es as fa%e"& no ansiar pe!o re orno de Cris o. O amor n#o pode satis<a7er-se com qualquer coisa menos que a :ista do ob?eto amado. N :erdade que at> mesmo agora contemplamos a Cristo pela <>/ contudo/ <a7emo-lo Jcomo em espelho/ obscuramente.J !or>m/ por ocasi#o de 3ua :inda/ ha:eremos de contempl6--o J... <ace a <ace... J BI Coríntios %F:%0D. Qaquela oportunidade > que se cumprir#o as pala:ras de Cristo: J!ai/ a minha :ontade > que onde eu estou/ este?am tamb>m comigo os que me deste/ para que :e?am a minha gl@ria que me con<eriste/ porque me amaste antes da <unda"#o do mundoJ BPo#o %':02D. 3omente isso cumprir6 per<eitamente os anelos de 3eu cora"#o/ e somente isso satis<ar6 os anseios daqueles que <oram remidos por Ele. E

Enriquecendo-se com a Bíblia F' somente ent#o > que Ele J... :er6 o <ruto do penoso trabalho da sua alma/ e <icar6 satis<eito... J BIsa. MF:%%D. JEu/ por>m/ na ?usti"a contemplarei a tua <ace; quando acordar eu me satis<arei com a )ua semelhan"aJ B3al. %':%MD. !or ocasi#o da :olta de Cristo liquidaremos a conta com o pecado para todo o sempre. Os eleitos <oram predestinados a serem con<ormados segundo a imagem do ,ilho de (eus/ e esse prop@sito di:ino s@ ser6 concreti7ado quando Cristo receber para 3i mesmo o 3eu po:o. J3abemos que/ quando Ele 3e mani<estar/ seremos semelhantes a Ele/ porque ha:emos de :ê--o como Ele >J BI Po#o F:0D. Qunca mais se interromper6 a nossa comunh#o com Ele/ nunca mais gemeremos e nos lamentaremos por causa de nossa corrup"#o no íntimo: nunca mais seremos assaltados pela incredulidade. Oas Ele apresentar6 a 3i mesmo a 3ua igre?a/ como J... igre?a gloriosa/ sem m6cula/ nem ruga/ nem cousa semelhante/ por>m santa e sem de<eitoJ BE<>sios M:0'D. Estamos aguardando ansiosamente par aquela hora. Esperamos amorosamente pelo nosso *edentor. E quanto mais anelarmos por +quele que :em/ mais ha:eremos de preparar as nossas lEmpadas/ em ardente e.pecta"#o pela 3ua :inda/ e mais daremos e:idências de que estamos nos bene<iciando espiritualmente de nosso conhecimento da !ala:ra. Aue tanto os ou:intes como o orador se perscrutem honestamente/ na presen"a mesma de (eus. Busquemos as respostas :era7es para as perguntas seguintes: )emos um senso mais pro<undo de nossa necessidade de CristoH !ara n@s/ Cristo est6 3e tornando uma realidade :i:a cada :e7 mais resplendenteH Estamos encontrando um crescente deleite em nos ocuparmos na contempla"#o de suas per<ei"8esH O pr@prio Cristo est6 3e tornando mais e mais precioso para n@s/ a cada diaH + nossa <> em 3ua pessoa est6 crescendo de tal modo que con<iamos nEle quanto a tudoH Estamos realmente procurando agrad6-o/ em todos os detalhes de nossa :idaH Estamos anelando t#o ardorosamente por Ele que <icaríamos in:adidos de ?9bilo se

Enriquecendo-se com a Bíblia FS soub>ssemos com certe7a que Ele :oltaria dentro das pr@.imas :inte e quatro horasH Aue o Espírito 3anto sonde os nossos cora"8es com essas incisi:as perguntasL

Enriquecendo-se com a Bíblia

F&

AS ESCRITURAS E A ORA78O
Um crente que n#o ora > uma contradi"#o de termos. )al como um aborto > uma crian"a morta/ assim tamb>m o crente pro<esso que n#o ora est6 destituído de :ida espiritual. + ora"#o > como que a respira"#o da no:a :ida dos santos/ do mesmo modo que a !ala:ra de (eus > o seu alimento. Auando o 3enhor quis assegurar ao 3eu discípulo de (amasco que 3aulo de )arso :erdadeiramente se con:ertera/ disse-lhe: J... pois ele est6 orandoJ B+tos &:%%D. Em muitas ocasi8es anteriores aquele <ariseu/ t#o ?usto a seus pr@prios olhos/ tinha dobrado os ?oelhos diante de (eus em suas Jde:o"8esJ; mas aquela era a primeira :e7 em que ele realmente orava. Essa importantíssima distin"#o precisa ser <risada nesta nossa >poca de <ormalidades e.ternas mas sem poder BII )im@teo F:MD. +queles que se contentam em dirigir-se <ormalmente a (eus/ na realidade n#o o conhecem; e isso porque Jo espírito de gra"a e de s9plicasJ B\acarias %0:%1D ?amais poder#o ser separados. (eus n#o possui <ilhos mudos em 3ua <amília de regenerados: JQ#o <ar6 (eus ?usti"a aos seus escolhidos/ que a Ele clamam dia e noite/ embora pare"a demorado em de<endê-losHGG B-ucas %S:'D. 3im/ os escolhidos JclamamJ ao 3enhor/ e n#o meramente Jre7amJ. Oas/ <icar6 o pre7ado ou:inte surpreendido se este pregador lhe disser que a sua pro<unda con:ic"#o > que o po:o do 3enhor/ com toda a probabilidade/ peca mais em seus es<or"os para orar do que em cone.#o com qualquer outra coisa que costumam <a7erH Auanta hipocrisia e.iste/ onde de:eria ha:er sinceridadeL Auantas e.igências presun"osas/ onde de:eria ha:er submiss#oL Auanta <ormalidade/ onde de:eria ha:er quebrantamento de cora"#oL Au#o pouco realmente sentimos os pecados que con<essamos/ e qu#o super<icial > nosso senso de necessidade das miseric@rdias que buscamosL E at> mesmo nos casos em que (eus nos con<ere certa medida de li:ramento desses tremendos pecados/ quanta <rie7a de cora"#o/ quanta incredulidade/ quanta atitude :oluntariosa e quanto dese?o de agradar a n@s mesmos de:eríamos lamentarL +queles

Enriquecendo-se com a Bíblia 21 que n#o têm consciência dessas coisas s#o inteiramente estranhos para o espírito de santidade. Ora/ a !ala:ra de (eus de:eria ser o nosso manual de ora"8es. In<eli7mente/ por>m/ com quanta <reqCência as nossas pr@prias inclina"8es carnais ser:em de regra para as nossas peti"8es. +s 3agradas Escrituras nos <oram outorgadas a <im de que J... o homem de (eus se?a per<eito e per<eitamente habilitado para toda boa obraJ BII )im@teo F:%'D. Tisto que de nos > requerido orar J... no Espírito 3anto... J BPudas 01D/ segue-se que as nossas ora"8es de:eriam seguir o padr#o das Escrituras/ pasto que Ele > o 3eu autor do princípio ao <im. E disso se conclui/ por semelhante modo/ que segundo a medida em que esti:er habitando em n@s GGricamenteJ BColossenses F:%ID a !ala:ra de (eus $ ou ent#o com pobre7a $ as nossas ora"8es estar#o mais ou menos em harmonia com a mente do Espírito/ porquanto J... a boca <ala do que est6 cheio o cora"#oJ BOateus %0:F2D. Qa propor"#o em que entesourarmos a !ala:ra/ em nossos cora"8es/ e na medida em que ela limpar/ amoldar e regulamentar nosso homem interior/ assim tamb>m as nossas ora"8es ser#o aceit6:eis aos olhos de (eus. E ent#o seremos capa7es de di7er/ con<orme <e7 (a:i em outra cone.#o: J!orque tudo :em de ti/ e das tuas m#os to damosJ B% Cr=nicas 0&:%2D. !or conseguinte/ a pure7a e a potência de nossa :ida de ora"#o ser:em de um outro índice mediante o qual podemos determinar at> que ponto nos estamos bene<iciando de nossa leitura e pesquisa bíblicas. 3e/ debai.o da bên"#o do Espírito 3anto/ nossos estudos da Bíblia n#o nos est#o con:encendo de que n#o orar > pecado/ e nem nos est#o re:elando o papel que a ora"#o de:eria ocupar em nossas :idas di6rias/ para que dediquemos mais tempo real a nos abrigarmos no lugar secreto do +ltíssimo; a menos que isso nos este?a ensinando como orar de maneira mais aceit6:el a (eus/ como nos apossarmos de 3uas promessas e como <a7er-lhe os nossos rogos/ como nos apropriarmos de 3eus preceitos para que os trans<ormemos em peti"8es/ ent#o n#o somente o tempo que gastamos com a Bíblia em pouco ou nada tem contribuído para o

Enriquecendo-se com a Bíblia 2% enriquecimento da alma/ mas tamb>m o pr@prio conhecimento que ti:ermos adquirido com a letra das Escrituras contribuir6 para a nossa condena"#o/ naquele dia :indouro. J)ornai-:os/ pois/ praticantes da pala:ra/ e n#o somente ou:intes/ enganando-:os a :@s mesmosJ B)iago %:00D. Essa declara"#o se aplica Ks admoesta"8es da Bíblia relati:as K ora"#o/ como a todas as demais instru"8es que nela h6. (ese?amos/ em seguida/ salientar sete crit>rios a respeito. 1.Tira"os provei o das Escri uras #uando so"os !evados a perceber a i"por 9ncia profunda da ora1)o. N de temer-se que/ de <ato/ muitos dos ou:intes Be at> mesmo estudiososD da Bíblia n#o tenham qualquer con:ic"#o <ormada de que uma de<inida :ida de ora"#o > absolutamente essencial para andarmos e comungarmos diariamente com (eus/ tal como > essencial para que se?amos libertados do poder do pecado no íntimo/ das sedu"8es do mundo e dos ass>dios de 3atan6s. 3e tal con:ic"#o realmente se ti:esse apossado de seus cora"8es/ n#o passariam muito mais tempo de rosto em terra/ perante (eusH N mais do que em :#o di7er: JUma multid#o de de:eres impedem que eu me entregue K ora"#o/ embora isso se?a contra os meus dese?osJ. !or>m/ permanece de p> o <ato de que cada um de n@s dedica tempo para qualquer coisa que consideramos imperati:o. Auem ?amais :i:eu uma :ida t#o atare<ada como o nosso 3al:adorH Qo entanto/ quem encontra:a mais tempo do que Ele para orarH 3e :erdadeiramente anelamos por ser s9plices e intercessores perante (eus/ e usamos todo o tempo disponí:el/ Ele por6 as coisas em tal ordem que nos sobrar6 mais tempo. + <alta de con:ic"#o positi:a sabre a pro<unda importEncia da ora"#o se e:idencia claramente na :ida coleti:a dos crentes pro<essos. (eus declarou com toda a clare7a: J+ Oinha casa ser6 chamada casa de ora"#oJ BOateus 0%:%FD. Qotemos que n#o se trata de uma casa para JpregarJ ou para JcantarJ/ e/ sim/ uma casa de oração. Qo entanto/ na maioria at> mesmo das chamadas igre?as ortodo.as/ o minist>rio da

Enriquecendo-se com a Bíblia 20 ora"#o se tem redu7ido a um ponto despre7í:el. Continua ha:endo campanhas e:angelísticas e con<erências bíblicas/ mas qu#o raramente se ou:e <alar na dedica"#o de duas semanas a ora"8es especiaisL E quanto bem podem <a7er essas Jcon<erências bíblicasJ/ se a :ida de ora"#o das igre?as n#o <or <ortalecidaH !or>m/ quando o Espírito 3anto aplica poderosamente aos nossos cora"8es pala:ras como JTigiai e orai/ para que n#o entreis em tenta"#oJ BOarcos %2:FSD/ J. . . em tudo/ por>m/ se?am conhecidas diante de (eus as :ossas peti"8es/ pela ora"#o e pela s9plica/ com a"8es de gra"aJ B,ilipenses 2:ID/ e J!erse:erai na ora"#o/ :igiando com a"8es de gra"aJ BColossenses 2:0D/ ent#o > que estamos nos bene<iciando de nossos estudos das Escrituras. $. Tira"os provei o das Escri uras #uando so"os !evados a ref!e ir #ue n)o sabe"os co"o orar. J. . .n#o sabemos orar como con:>m... J B*omanos S:0ID. Au#o poucos crentes pro<essos realmente acreditam nissoL + id>ia mais generali7ada entre os homens > que eles sabem bem acerca do que de:em orar/ mas que por serem descuidados e ímpios/ n#o oram em <a:or daquilo que sabem com certe7a ser o seu de:er. Esse conceito/ entretanto/ est6 em total desarmonia com a inspirada declara"#o de *omanos S:0I. (e:emos tamb>m obser:ar que essa a<irma"#o/ t#o humilhante para a carne/ n#o di7 respeito aos homens em geral/ t#osomente/ mas dirige-se particularmente aos santos de (eus/ entre os quais o ap@stolo n#o hesitou em incluir a si pr@prio: J... n#o sabemos orar como con:>m.... GG Ora/ se essa > a condi"#o que pre:alece entre os regenerados/ quanto mais no caso dos n#o regeneradosL Contudo/ uma coisa > lermos e assentirmos mentalmente ao que este :ersículo asse:era; mas > coisa inteiramente di:ersa perceber e.perimentalmente a sua :erdade/ pois/ para que o cora"#o se?a le:ado a sentir aquilo que (eus requer de n@s/ > necess6rio que Ele mesmo opere em n@s e por nosso interm>dio.

Enriquecendo-se com a Bíblia
Co$ 1re23 !cia di&o $i!)as oraç4es"as- rea%$e!te c)e&o a orar5 E )ar$o!i+o os dese6os do coração Co$ as 0a%a*ras 2ue 0ro1iro5 E23i*a%eria a a6oe%)ar7$e E a adorar deuses de 0edra8e a0e!as o1ereço ao Deus *i*o Oraç4es 2ue são so$e!te 0a%a*ras.

2F

,a7 muitos anos que essas linhas <oram ensinadas a um te@logo pela sua m#e $ que ?6 > <alecida $ mas a sua perscrutadora mensagem ainda o impressiona muitíssimo. O crente n#o pode orar sem a aptid#o dada diretamente pelo Espírito 3anto/ como tamb>m n#o pode criar um mundo. +ssim realmente de:e ser/ pois a ora"#o :erdadeira > uma necessidade sentida e despertada em n@s pelo Espírito/ porquanto pedimos a (eus/ em nome de Cristo/ aquilo que est6 de con<ormidade com a 3ua santa :ontade. JE esta > a con<ian"a que temos para com ele/ que/ se pedirmos alguma cousa segundo a sua :ontade/ ele nos ou:eJ BI Poio M:%2D. !or outro lado/ pedir qualquer coisa que n#o este?a de acordo com a :ontade de (eus n#o > ora"#o/ > presun"#o. N :erdade que a :ontade re:elada de (eus se <a7 conhecida em sua !ala:ra; mas n#o da mesma maneira que um li:ro de receitas de co7inha cont>m receitas para o preparo de :6rios pratos. +s Escrituras <reqCentemente enumeram princípios que e.igem um contínuo e.ercício do cora"#o/ bem como a a?uda di:ina/ para que nos se?a mostrada a sua aplica"#o a di<erentes casos e circunstEncias. !ortanto/ estamos realmente tirando pro:eito das Escrituras quando nos > ensinada a nossa pro<unda necessidade de clamar: J3enhor/ ensinanos a orarJ B-ucas %%:%D. !orque ent#o > que realmente somos constrangidos a pedir dEle o espírito de ora"#o. '. :eneficia"o&nos de nossos es udos bíb!icos #uando fica"os conscien es da necessidade #ue e"os da a3uda do Espíri o San o. Em primeiro lugar/ para que Ele nos torne conhecidas as nossas autênticas necessidades. )omemos/ par e.emplo/ as nossas necessidades

Enriquecendo-se com a Bíblia 22 temporais. Com quanta <reqCência achamo-nos em alguma situa"#o a<liti:a; e.ternamente <alando/ as coisas nos pressionam <ortemente/ e dese?amos muito ser libertos desses testes e dessas di<iculdades. Certamente que/ nesse caso/ sabemos/ por n@s mesmos/ acerca do que nos con:>m orar. Oas n#oL (e <ato/ as coisas s#o bem di<erentes dissoL !ois a :erdade > que/ a despeito de nosso dese?o natural de alí:io/ t#o ignorantes somos n@s e t#o embotado > o nosso discernimento/ que Bat> mesmo quando nossa consciência est6 despertaD n#o sabemos em que ponto (eus quer que nos submetamos K 3ua :ontade/ ou de que modo poderemos ser santi<icados nessas a<li"8es/ <a7endo-as redundar em nosso bem interno. !or conseguinte/ (eus designa as peti"8es da maioria daqueles que buscam alí:io/ de:ido a a<li"8es e.ternas/ de Jui:osJ/ e n#o Jclamores de cora"#oJ BOs>ias ':%2D. J!ois quem sabe o que > bom para o homem/ durante os poucos dias da sua :ida de :aidade os quais gasta como sombraHJ BEclesiastes I:%0D. +h/ a sabedoria celestial se torna necess6ria/ para ensinar-nos a orar acerca das nossas JnecessidadesJ temporais/ de con<ormidade com a mente de (eus. )al:e7 algumas poucas pala:ras precisem ser acrescentadas Kquilo que acabamos de di7er. !odemos orar/ com san"#o bíblica/ pelas coisas temporais BOateus I:%%ss.D; mas isso com a seguinte tríplice limita"#o: Incidentalmente/ mas n#o primariamente/ podemos orar par elas/ pois n#o s#o essas as coisas que mais preocupam o crente BOateus I:FFD. +s realidades celestiais e eternas BColossenses F:%D > que de:em ser procuradas primeira e principalmente/ por serem de muito maior importEncia do que as coisas de :alor meramente temporal. )amb>m podemos orar subordinadamente/ como um meio para obten"#o de um <im qualquer. +o pedirmos as coisas materiais da parte de (eus/ n#o de:emos <a7ê-lo a <im de obter satis<a"#o pr@pria/ e/ sim/ como a?uda que nos permita agradar melhor ao 3enhor. !or <im/ podemos orar de maneira submissa/ e n#o como ditadores/ porquanto isso importaria no pecado de presun"#o. Outrossim/ n#o sabemos di7er

Enriquecendo-se com a Bíblia 2M com certe7a se qualquer misericórdia temporal realmente contribuiria para nosso maior bem B3almo %1I:%SD/ pelo que tamb>m de:emos permitir que (eus decida a quest#o. )emos dese?os internos; tanto quanta dese?os e.ternos. +lguns desses dese?os podem ser discernidos K lu7 da consciência/ tal como a culpa e a contamina"#o do pecado/ como os pecados contra a lu7 e contra a nature7a de acordo com a clara letra da lei. Q#o obstante/ o conhecimento que temos de n@s mesmos/ atra:>s da consciência/ > t#o obscuro e con<uso que/ K parte do au.ílio do Espírito 3anto/ de <orma alguma seremos capa7es de descobrir a :erdadeira <onte da puri<ica"#o. +s coisas a respeito das quais os crentes de:em tratar primariamente com (eus/ e geralmente o <a7em/ em suas s9plicas/ s#o as atitudes intimas e as disposi"8es espirituais de suas almas. +ssim > que (a:i n#o se satis<e7 somente em con<essar todas as transgress8es conhecidas e o seu pecado original B3almo M%:%-MD/ nem ainda em reconhecer que ningu>m poderia compreender os seus erros pr@prios/ em ra7#o de que alme?a:a ser purgado de suas GG<altas ocultasJ B3almo %&:%0D; mas tamb>m implorou a (eus que le:asse a e<eito a sondagem pro<unda de seu cora"#o/ para que des:endasse o que ha:ia de errado ali B3almo %F&:0F/02D/ porque sabia que (eus/ antes de tudo/ requer a J... :erdade no íntimo... J B3almos M%:ID. !ortanto/ em <ace do trecho de I Coríntios 0:%1-%0/ de:emos buscar/ de maneira bem de<inida/ a a?uda do Espírito 3anto/ a <im de podermos orar de modo aceit6:el a (eus. *. E; raí"os benefícios das Escri uras #uando o Espíri o San o nos ensina a corre a fina!idade da ora1)o. (eus determinou a ordenan"a da ora"#o com/ pelo menos/ um designo tríplice. !rimeiro/ para que o grande (eus triuno se?a honrado/ ?6 que a ora"#o > um ato de adora"#o/ a presta"#o de uma homenagem $ a (eus !ai/ como o (oador/ em nome do ,ilho/ o [nico por interm>dio de quem nos apro.imamos dEle/ de:ido ao poder impulsionador e

Enriquecendo-se com a Bíblia 2I orientador do Espírito 3anto. 3egundo/ para humilhar os nossos cora"8es/ ?6 que a ora"#o <oi determinada para le:ar-nos a uma posi"#o de dependência/ para que em n@s se desen:ol:a o senso de incapacidade reconhecendo que sem o 3enhor nada podemos <a7er/ porquanto tamb>m dependemos da 3ua caridade por tudo quanto somos e temos. !or>m/ qu#o debilmente isso > percebido Bse > que > percebidoD por qualquer de n@s/ at> que o Espírito 3anto nos tome em 3ua m#o/ remo:a de n@s o orgulho e dê a (eus o lugar que a Ele compete/ em nossos cora"8es e em nossos pensamentos. )erceiro/ como meio pelo que obtenhamos para n@s mesmos as coisas boas que pedimos. N de temer-se grandemente que uma das principais ra78es pelas quais tantas de nossas ora"8es <icam sem resposta > que temos alguma <inalidade err=nea e indigna em mira. Qosso 3al:ador disse: J!edi/ e darse-:os-6J BOateus ' :'D. Qo entanto/ )iago ensina a respeito de certos homens: J. . . pedis/ e n#o recebeis/ porque pedis mal/ para esban?ardes em :ossos pra7eresJ B)iago 2:FD. Orar em prol de qualquer coisa/ mas n#o e.pressamente para a <inalidade designada por (eus/ > Jpedir malJ/ e/ portanto/ > pedir sem prop@sito algum. Aualquer que se?a a con<ian"a que podemos ter em nossa pr@pria sabedoria e integridade/ se <ormos abandonados aos nossos pr@prios recursos/ nossos al:os ?amais se harmoni7ar#o com a :ontade de (eus. + menos que o Espírito 3anto re<reie a nature7a carnal que h6 em n@s/ nossos pr@prios a<etos naturais e insubmissos se imiscuir#o em nossas s9plicas/ e estas se tomar#o :#s. JAuer comais/ quer bebais/ ou <a"ais outra coisa qualquer/ <a7ei tudo para a gl@ria de (eusJ BI Coríntios %1:F%D. Contudo/ somente o Espírito pode capacitar-nos a subordinar todos os nossos dese?os K gl@ria di:ina. ,. Tira"os provei o das Escri uras #uando a!i so"os ensinados sobre co"o deve"os p!ei ear as pro"essas de Deus. )oda a ora"#o de:e ser <eita na atmos<era da <> B*omanos %1:%2D/ pois/ do contr6rio/ (eus n#o a ou:ir6. Ora/ a <> di7 respeito Ks promessas de (eus B ebreus 2:%; *om. 2:0%D; por conseguinte/ se n#o entendermos

Enriquecendo-se com a Bíblia 2' o que (eus 3e comprometeu a dar-nos/ n#o poderemos nem ao menos orar. +s promessas de (eus contêm a mat>ria da ora"#o e de<inem as suas dimens8es. +quilo que (eus tem prometido/ tudo quanto Ele tem prometido/ e nada mais/ sobre isso podemos orar. J+s cousas encobertas pertencem ao 3EQ O* nosso (eus. . .J B(eut. 0&:0&D/ mas aquilo que Ele tem mostrado ser de 3ua :ontade/ como re:ela"#o de 3ua igre?a/ pertence a n@s; e isso nos ser:e de regra. Q#o h6 nada de que tenhamos necessidade que (eus n#o tenha prometido suprir; mas o <a7 de tal maneira e sob tais limita"8es que se?am boas e 9teis para n@s. !or semelhante modo/ nada h6 que (eus tenha prometido/ e de que n#o tenhamos necessidade/ ou que/ de um modo ou de outro/ n#o se re<ira a n@s/ na qualidade de membros do corpo místico de Cristo. !ortanto/ quanto melhor esti:ermos <amiliari7ados com as promessas di:inas/ e quanto mais <ormos capa7es de compreender a bondade/ a gra"a e a miseric@rdia preparadas e propostas naquelas promessas/ tanto melhor equipados estaremos para <a7er ora"8es aceit6:eis ao 3enhor. +lgumas das promessas de (eus s#o gerais/ e n#o especí<icas; algumas delas s#o condicionais/ ao passo que outras s#o incondicionais; algumas se cumprem ainda nesta :ida/ mas outras/ somente no mundo :indouro. !or n@s mesmos n#o somos capa7es de discernir qual promessa se adapta melhor para nosso caso especí<ico e para nossa presente urgência e necessidade/ para que dela nos apropriemos pela <> e <a"amos um apelo correto perante (eus. N por isso que nos > e.pressamente dito: J!orque qual dos homens sabe as cousas do homem/ sen#o o seu pr@prio espírito que nele est6H +ssim tamb>m as cousas de (eus ningu>m as conhece/ sen#o o Espírito de (eus. Ora/ n@s n#o temos recebido o espírito do mundo/ e/ sim/ o Espírito que :em de (eus/ para que conhe"amos o que por (eus nos <oi dada gratuitamenteJ BI Coríntios 0:%%/%0D. 3e por:entura algu>m replicar: J3e tanta coisa > e.igida para que se <a"am ora"8es aceit6:eis/ e se n#o se podem <a7er s9plicas corretas a

Enriquecendo-se com a Bíblia 2S (eus sem tanta di<iculdade como aqui > indicado/ poucos se dedicar#o por muito tempo a este misterJ/ ent#o a resposta > que a pessoa que assim ob?eta n#o sabe o que > orar/ e nem est6 disposta a aprender a <a7ê-lo. -. Tira"os rea! provei o das Escri uras #uando so"os !evados a u"a co"p!e a sub"iss)o a Deus. Con<orme <oi declarado acima/ uma das <inalidades di:inas/ ao determinar a ordenan"a da ora"#o/ > que assim <=ssemos humilhados. Isso > e.ternamente denotado quando nos prostramos de ?oelhos perante o 3enhor. + ora"#o > o reconhecimento de nossa incapacidade e impotência/ em que olhamos para +quele de onde chega toda a nossa a?uda. Isso reconhece a 3ua su<iciência para suprir cada uma das nossas necessidades. Orar > tornar conhecidas as nossas Jpeti"8esJ B,ilipenses 2:ID a (eus; mas peti"8es s#o bem di<erentes de exigências. JO trono da gra"a n#o <oi erigido para que ali cheguemos e descarreguemos nossos sentimentos indignados perante (eusJ B]m. WurnallD. Compete-nos e.por o nosso caso na presen"a de (eus/ mas permitir que a 3ua sabedoria superior prescre:a como a quest#o de:e ser solucionada. Q#o podemos ditar a (eus/ e nem podemos Jrei:indicarJ qualquer coisa da parte de (eus/ porquanto somos esmoleiros que dependem de 3ua pura miseric@rdia. Em todas as ora"8es de:emos acrescentar: JQo entanto/ n#o se?a <eita a minha :ontade/ e/ sim/ a )uaJ. !or>m/ n#o pode a <> pleitear as promessas de (eus e esperar a respostaH Certamente/ mas de:e ser a resposta de (eus. O ap@stolo !aulo rogou ao 3enhor/ por três :e7es/ que lhe remo:esse certo espinho na carne; ao in:>s de <a7ê-lo/ o 3enhor lhe con<eriu a gra"a para suportar tal espinho BII Coríntios %0:'-&D. Ouitas das promessas de (eus s#o coleti:as/ e n#o pessoais. Ele prometeu dar K 3ua Igre?a pastores/ mestres e e:angelistas; no entanto/ muitas das comunidades de 3eus santos tem de<inhado por longo tempo sem esses minist>rios. Outras promessas di:inas s#o inde<inidas e gerais/ ao in:>s de serem absolutas e uni:ersais. Isso se :eri<ica/ por e.emplo/ no trecho de E<>sios I:0/F. (eus ?amais 3e

Enriquecendo-se com a Bíblia 2& comprometeu a dar-nos bens de<inidos em esp>cie ou tipo/ a con<erir-nos aquela coisa especí<ica que pedimos/ embora a pe"amos com <>. Outrossim/ Ele reser:a para 3i mesmo o direito de determinar o tempo pr@prio/ a ocasi#o certa/ para derramar sabre n@s a 3ua mercê. JBuscai o 3EQ O*/ :@s todos os mansos da terra... por:entura lograreis esconder-:os no dia da ira do 3EQ O*J B3o<onias 0:FD. Pustamente porque JpodeJ <a7er parte da :ontade de (eus proporcionar-me determinada bên"#o temporal/ > meu de:er lan"ar-me aos 3eus cuidados e pleitear essa bên"#o; mas sempre com inteira submiss#o ao 3eu benepl6cito/ para que isso se reali7e. .. :eneficia"o&nos das Escri uras #uando a ora1)o se orna u"a a!e6ria rea! e profunda. Oeramente Jdi7er as ora"8esJ a cada manh# e tarde > uma tare<a en<adonha/ um de:er que produ7 um suspiro de alí:io ao ser reali7ado. !or>m/ realmente chegar K presen"a consciente de (eus/ contemplar a lu7 gloriosa de 3ua <ace/ ter comunh#o com Ele diante do propiciat@rio/ > preliba"#o da bem-a:enturan"a eterna que nos espera nos C>us. +quele que > aben"oado com essa e.periência pode di7er ?untamente com o salmista: JAuanto a mim/ bom > estar ?unto a (eus... J B3almo 'F:0SD. 3im/ > bom para o cora"#o/ porque esse > aquietado; > bom para a <>/ pois essa > <ortalecida; > bom para a alma/ pois ela > aben"oada. + ausência dessa comunh#o de alma com (eus > a rai7 que impede a resposta Ks nossas ora"8es: J+grada-te do 3EQ O*/ e Ele satis<ar6 aos dese?os do teu cora"#oJ B3almo F':2D. Aual > o <ator que/ sob a bên"#o do Espírito 3anto/ produ7 e promo:e essa alegria na ora"#oH Em primeiro lugar/ > o deleite do pr@prio cora"#o em (eus/ como o grande Ob?eto da ora"#o; e/ mais particularmente/ o reconhecimento e a percep"#o de (eus como nosso !ai. !or essa ra7#o > que quando os discípulos pediram ao 3enhor Pesus que lhes ensinasse a orar/ Ele respondeu: J... :@s orareis assim: !ai nosso que est6s nos C>us...J BOateus I:&D. E tamb>m se lê : JE/ porque :@s sois

Enriquecendo-se com a Bíblia M1 <ilhos/ en:iou (eus aos nossos cora"8es o Espírito de seu ,ilho/ que clama: +ba Btermo hebraico que signi<ica J!aiJD W6latas 2:I. E isso inclui um deleite <ilial e santo em (eus/ tal como as crian"as têm em seus progenitores/ quando se dirigem de maneira mais amorosa a eles. !or essa ra7#o/ por semelhante modo/ > que nos > dito/ em E<>sios 0:%S/ para <ortalecimento da <> e para consolo de nossos cora"8es que J...por Ele Bou se?a/ CristoD/ ambos temos acesso ao #ai em um EspíritoJ. Aue pa7/ que certe7a e que liberdade isso nos con<ere K alma $ sabermos que nos apro.imamos de nosso !aiL Em segundo lugar/ a alegria na ora"#o > promo:ida pelo <ato de que o cora"#o aprende e a alma :ê a (eus/ como +lgu>m assentado no trono da graça $ uma :is#o de e.pecta"#o/ con<erida/ n#o pela imagina"#o carnal/ e/ sim/ pela ilumina"#o espiritual/ ?6 que > pela <> que :emos J...aquele que > in:isí:elJ B ebreus %%:0'D/ porque tamb>m a <> > J... a con:ic"#o de <atos que se n#o :êemJ B ebreus %%:%D/ o que <a7 com que o seu ob?eto se torne e:idente e presente para aqueles que crêem. )al :ista de (eus sobre um JtronoJ n#o pode dei.ar de arrebatar a alma. !or isso mesmo/ somos e.ortados: J+cheguemo-nos/ portanto/ con<iadamente/ ?unto ao trono da gra"a/ a <im de recebermos miseric@rdia e acharmos gra"a para socorro em ocasi#o oportunaJ B ebreus 2:%ID. Em terceiro lugar/ e isso com base no 9ltimo trecho bíblico citado/ a liberdade e o deleite na ora"#o s#o estimulados polo consciência de que (eus/ por interm>dio de Pesus Cristo/ est6 disposto e pronto a dispensar gra"a e miseric@rdia aos pecadores s9plices. Q#o h6 nEle qualquer relutEncia que precisamos :encer. !or esse moti:o > que ele > representado/ em Isaías F1:%S/ do seguinte modo: J!or isso o 3EQ O* espera/ para ter miseric@rdia de :@s/ e se det>m para se compadecer de :@s/ porque o 3EQ O* > (eus de ?usti"a; bem-a:enturados todos os que nele esperamJ. 3im/ (eus espera ser solicitado por n@s; Ele espera que depositemos <> em 3ua pronta disposi"#o para aben"oar-nos. 3eus

Enriquecendo-se com a Bíblia M% ou:idos est#o perenemente abertos para os clamores dos ?ustos. +ssim sendo/ J... apro.imemo-nos/ com sincero cora"#o/ em plena certe7a de <>... J B ebreus %1:00D. E tamb>m se lê em ,ilipenses 2:I/' : J... em tudo/ por>m/ se?am conhecidas diante de (eus as :ossas peti"8es/ pela ora"#o e pela s9plica/ com a"8es de gra"a. E a pa7 de (eus/ que e.cede todo o entendimento/ guardar6 os :ossos cora"8es e as :ossas mentes em Cristo PesusJ.

Enriquecendo-se com a Bíblia

M0

AS ESCRITURAS E AS :OAS O:RAS
+ :erdade de (eus bem poderia ser assemelhada a uma :ereda estreita/ a cada margem ladeada por um precipício perigoso e destruidor: em outras pala:ras/ <ica entre dois gol<os de erro. Essa <igura simb@lica/ como se pode perceber/ > apropriada de:ido K nossa tendência de passar de um ponto e.tremo para outro. 3omente a aptid#o outorgada pelo Espírito 3anto pode permitir-nos preser:ar o equilíbrio/ pois a <alta de tal equilíbrio ine:ita:elmente nos le:aria a cair no erro; pois o erro n#o > tanto a nega"#o da :erdade/ mas antes/ > a per:ers#o da :erdade/ em que lan"amos uma parte dela contra a outra. + hist@ria da teologia ilustra :igorosa e solenemente esse <ato. Uma gera"#o de homens tem contendido correta e sinceramente por aquele aspecto da :erdade que era mais urgentemente necess6rio em seus dias. + gera"#o seguinte/ ao in:>s de palmilhar pela mesma senda e seguir a:ante/ <ica a guerrear intelectualmente por ela/ como se <ora o sinal distinti:o do partido deles/ e usualmente/ na de<esa do que passa a ser al:o de ass>dios e.ternos/ recusa-se a dar ou:idos K :erdade que > o e.tremo oposto acerca do qual seus oponentes tanto insistiam e que poderia dar-lhes equilíbrio. O resultado > que perde seu senso de perspecti:a/ <risando aquilo que acreditam de maneira alheia Ks proporç$es b%blicas. Consequentemente/ na gera"#o seguinte/ os :erdadeiros ser:os de (eus s#o <or"ados quase a ignorar o que era t#o :alioso aos olhos da gera"#o anterior/ pre<erindo salientar aquilo que os primeiros/ se n#o negaram/ pelo menos desconsideraram quase completamente. +lgu>m disse que JOs raios de lu7/ sem importar se procedem do sol/ das estrelas ou de uma lEmpada/ mo:em-se em linhas per<eitamente retas; contudo/ t#o in<eriores s#o as nossas obras/ em contraste com as obras de (eus/ que a m#o mais <irme n#o sabe tra"ar uma linha per<eitamente reta; e a despeito de todas as suas habilidades/ o homem nunca <oi capa7 de in:entar um instrumento capa7 de <a7er uma coisa

Enriquecendo-se com a Bíblia MF aparentemente t#o simplesJ B). Wuthrie/ %SI'D. 3e?a assim ou n#o/ o <ato > que os homens/ dei.ados a depender de seus pr@prios recursos/ têm achado impossí:el manter a linha certa da :erdade que <ica entre o que parecem estar em con<lito. Entre esses casos poderíamos citar as doutrinas da soberania de (eus e da responsabilidade do homem; da elei"#o pela gra"a e da proclama"#o uni:ersal do e:angelho; da <> ?usti<icadora/ ensinada par !aulo/ e das obras ?usti<icadoras/ ensinadas por )iago. Com grande <reqCência/ sempre que se tem insistido acerca da soberania absoluta de (eus/ isso > <eito ignorando-se a necessidade que os homens têm de prestar contas ao 3enhor; e sempre que a elei"#o incondicional tem sido ressaltada/ a prega"#o generali7ada do e:angelho/ entre os perdidos/ tem sido esquecida. !or outro lado/ sempre que a responsabilidade humana tem sido destacada e que o minist>rio e:angeli7ador tem sido <risado/ a soberania de (eus e a :erdade da elei"#o geralmente têm sido ol:idados ou mesmo completamente ignorados. Ouitos de nossos eleitores têm testemunhado e.emplos que ilustram a :erdade do que dissemos acima; mas poucos parecem perceber que e.atamente a mesma di<iculdade > e.perimentada quando se <a7 a tentati:a de demonstrar as rela"8es e.atas entre a <> e as boas obras. 3e/ por um lado/ alguns têm errado par atribuir Ks boas obras um lugar que as Escrituras n#o ensinam/ o que > certo tamb>m > que/ por outro lado/ outros têm dei.ado de atribuir Ks boas obras a pro:íncia que as Escrituras lhes d#o. E assim tamb>m/ se por um lado/ > erro s>rio atribuirmos a nossa ?usti<ica"#o perante (eus a qualquer reali7a"#o pessoal/ por outro lado/ tornam-se igualmente culpados de erro aqueles que negam que as boas obras s#o necess6rias para chegarmos ao C>u/ nada mais admitindo sen#o que s#o meras e:idências ou <rutos de nossa ?usti<ica"#o. E temos per<eita consciência de que a esta altura/ Bpor assim di7erD pisamos sobre cascas de o:os/ correndo o s>rio risco de sermos por nossa

Enriquecendo-se com a Bíblia M2 :e7 acusados de heresia. Q#o obstante/ consideramos e.pediente buscar a a?uda di:ina para manusearmos essa di<iculdade/ entregando a quest#o e seus resultados ao pr@prio (eus. Em alguns segmentos da cristandade as rei:indica"8es da <>/ embora n#o tenham sido inteiramente negadas/ têm sido despre7adas/ de:ido ao 7elo que ali têm pelas obras boas. Em outros círculos/ reputados como ortodo.os Be esses > que temos agora principalmente em <ocoD/ somente com grande raridade as boas obras recebem o seu de:ido lugar/ e apenas uma :e7 ou outra os crist#os pro<esses s#o e.ortados/ com 7elo apost@lico/ a se dedicarem Ks boas obras. Q#o h6 que du:idar que/ em certos casos/ essa atitude > tomada por receio de n#o dar o de:ido :alor K <>/ como se tal e.orta"#o encora?asse os pecadores a caírem no erro <atal de con<iarem em suas pr@prias reali7a"8es/ e n#o na ?usti"a de Cristo. Qenhuma apreens#o dessa nature7a/ por>m/ de:eria impedir o pregador de declarar Jtodo o conselho de (eusJ B+tos 01:0'D. 3e o tema do pregador > a <> em Pesus Cristo/ como 3al:ador dos perdidos/ que ele e.ponha per<eitamente aquela :erdade sem quaisquer modi<ica"8es/ proporcionando K gra"a di:ina o lugar que o ap@stolo lhe deu/ na resposta ao carcereiro de ,ilipos B+tos %I:F%D. Entretanto/ se o seu tema > as boas obras/ que ele se?a igualmente <iel/ nada retendo de tudo quanto as Escrituras ensinam a respeito; e que n#o se esque"a daquele mandamento di:ino/ que di7: J... quero que/ no tocante a estas cousas/ <a"as a<irma"#o/ con<iadamente/ para que os que têm crido em (eus se?am solícitos na pr6tica de boas obras...J B)ito F:SD. + passagem citada em 9ltimo lugar > o trecho bíblico mais pertinente para estes dias de lassid#o e <rou.id#o/ de pro<iss8es de <> sem :alor/ de ?actEncias :a7ias. + e.press#o Jboas obrasJ encontra-se/ no singular ou no plural/ nas p6ginas do Qo:o )estamento/ por n#o menos de trinta :e7es; contudo/ a ?ulgar pela raridade com que muitos pregadores $ que s#o considerados ortodo.os a usam/ salientam e a e.planam/ muitos de seus ou:intes ha:er#o de concluir que essas pala:ras <iguram apenas por uma ou duas :e7es na Bíblia inteira.

Enriquecendo-se com a Bíblia MM ,alando aos ?udeus e abordando um outro assunto/ disse o 3enhor: J...o que (eus a?untou n#o o separe o homemJ BOarcos %1:%&D. Ora/ em E<>sios 0:S-%1/ (eus re9ne duas das mais :itais e benditas realidades/ Ks quais ?amais de:eriam ser separadas em nossas mentes e em nossos cora"8es/ embora assim suceda com <reqCência/ nos p9lpitos modernos. Au#o grande > o n9mero de serm8es alicer"ados sabre os dois primeiros desses :ersículos/ os quais declaram en<aticamente que a sal:a"#o :em pela gra"a/ mediante a <>/ e n#o atra:>s das obras. Qo entanto/ qu#o raramente somos relembrados de que a declara"#o que come"a a <alar sabre a gra"a e a <> s@ se completa no d>cimo :ersículo/ onde somos in<ormados: J!ois somos <eitura dele/ criados em Cristo Pesus para boas obras/ as quais (eus de antem#o preparou para que and6ssemos nelasJ. Esta s>rie <oi iniciada <icando ressaltado o <ato de que a !ala:ra de (eus pode ser estudada com base em di:ersos moti:os ou lida com di<erentes desígnios/ mas que o trecho de II )im@teo F:%I/%' esclarece para o que as Escrituras 3agradas s#o realmente Jpro:eitosasJ/ a saber/ para ensinar/ para repreender/ para corrigir e para instruir na ?usti"a; e tudo isso para que o homem de (eus J... se?a per<eito e per<eitamente habilitado para toda boa obraJ. )endo-nos demorado em torno dos ensinamentos bíblicos acerca de (eus/ de Cristo/ de reprimendas e corre"8es do pecado/ de instru"8es relati:as K ora"#o/ consideremos agora como esses ensinamentos nos prepararam para Jtoda boa obraJ. )emos nesse ponto um outro crit>rio :ital mediante o qual toda a alma honesta/ com a a?uda do Espírito 3anto/ pode :eri<icar se seu estudo e sua leitura da !ala:ra realmente lhe est#o sendo ben><icos ou n#o. 1.Tira"os provei o da Pa!avra #uando aprende"os a!i #ua! < o verdadeiro !u6ar das boas obras. JOuitas pessoas/ em seu a<# de dar apoio K ortodo.ia como um sistema/ <alam sobre a sal:a"#o mediante a gra"a e a <> de tal maneira que subestimam a santidade e a :ida consagrada a (eus. Oas as pr@prias

Enriquecendo-se com a Bíblia MI 3agradas Escrituras n#o d#o margem a isso. O mesmo e:angelho que declara que a sal:a"#o :em pela gratuita gra"a de (eus/ atra:>s da <> no sangue de Cristo/ e que nos termos mais <ortes possí:eis asse:era que os pecadores s#o ?usti<icados pela ?usti"a do 3al:ador/ lan"ada na conta daqueles que nEle con<iam/ independentemente das obras/ tamb>m nos asseguram que/ sem a santi<ica"#o nenhum homem ?amais :er6 a (eus. J)amb>m ensinam que os crentes s#o puri<icados pelo sangue e.piat@rio de Cristo; que os seus cora"8es s#o limpos pela <>/ a qual opera por interm>dio do amor/ a qual tamb>m :ence o mundo; e que a gra"a di:ina que o<erece a sal:a"#o a todos os homens tamb>m ensina que aqueles que a recebem de:em negar a impiedade e as pai.8es mundanas/ a <im de que :i:am s@bria/ ?usta e piedosamente neste mundo. JE qualquer temor de que a doutrina da gra"a so<rer6 alguma perda/ de:ido a saliência dada Ks boas obras/ com base bíblica/ dei.a transparecer o conhecimento inadequado e grandemente de<eituoso da :erdade di:ina; e qualquer manuseio das :erdades bíblicas/ a <im de silenciar o testemunho das Escrituras em <a:or dos <rutos da ?usti"a/ como algo absolutamente necess rio para o crente/ > t#o-somente uma per:ers#o e uma id>ia <or?ada no tocante K !ala:ra de (eusJ B+le.ander CarsonD. Oas alguns indagam: JAue <or"a tem essa ordena"#o ou mandamento de (eus/ que nos recomenda as boas obras/ se/ apesar de n#o aplicarmos diligentemente nossos es<or"os para obedecer-lhe/ ainda assim <ormos ?usti<icados de:ido K imputa"#o da ?usti"a de Cristo/ e desse modo sermos sal:osHJ Uma ob?e"#o t#o sem sentido procede da total ignorEncia sobre o presente estado e das presentes rela"8es do crente para com (eus. 3upor que os cora"8es dos homens regenerados n#o s#o t#o pro<unda e e<ica7mente in<luenciados pela autoridade e pelos mandamentos di:inos/ para que se inclinem K obediência/ tanto quanto ti:essem sido dados para sua ?usti<ica"#o/ > ignorar a :erdadeira nature7a da <>/ bem como os argumentos e os moti:os que a<etam e constrangem

Enriquecendo-se com a Bíblia M' principalmente aos crentes. +l>m disso/ <a7er tal ob?e"#o > perder de :ista a cone.#o insepar6:el que (eus estabeleceu entre a nossa ?usti<ica"#o e a nossa santi<ica"#o. 3upor que uma dessas duas :erdades pode e.istir sem a outra > des<a7er o e:angelho inteiro. O ap@stolo !aulo trata e.atamente dessa ob?e"#o/ em *omanos I:%-F. $. Tira"os provei o da Pa!avra #uando a!i aprende"os a abso!u a necessidade das boas obras. 3e por um lado est6 escrito que J... sem derramamento de sangue n#o h6 remiss#oJ B ebreus &:00D/ e que J... sem <> > impossí:el agradar a (eus... J B ebreus I%:ID/ por outro lado a Escritura da Terdade tamb>m declara: J3egui a pa7 com todos/ e a santi<ica"#o/ sem a qual ningu>m :er6 o 3enhorJ B ebreus %0:%2D. + :ida que os santos des<rutar#o nos lugares celestiais ser6 t#o-somente o t>rmino e a consuma"#o daquela :ida que/ ap@s terem sido regenerados/ :i:eram nesta terra. + di<eren"a entre essas duas <ases n#o > de tipo/ e/ sim/ apenas uma di<eren"a de grau. JOas a :ereda dos ?ustos > como a lu7 da aurora que :ai brilhando mais e mais at> ser dia per<eito B!ro:>rbios 2:%SD. 3e por:entura algu>m n#o ti:er andado com (eus neste ní:el terreno/ tamb>m n#o poder6 habitar com (eus/ l6 nas alturas. 3e n#o ti:er ha:ido real comunh#o com (eus/ dentro do tempo/ n#o ha:er6 comunh#o com (eus na eternidade. + morte <ísica n#o produ7 qualquer trans<orma"#o :ital no cora"#o. N :erdade que/ no caso dos santos/ por ocasi#o da morte <ísica/ os remanescentes do pecado <icar#o para sempre dei.ados para tr6s/ mas nenhuma nature7a no:a lhes > con<erida naquela ocasi#o. !ortanto/ se algu>m n#o odiou ao pecado e n#o amou K santidade/ antes da morte/ certamente n#o o <ar6 depois. Qingu>m dese?a realmente ir para o in<erno/ embora poucos se?am :erdadeiramente aqueles que est#o dispostos a abandonar aquela estrada larga que ine:ita:elmente termina ali. )odos os homens gostariam de ir para o c>u; mas quem/ dentre as multid8es de crist#os pro<essos/ est6 realmente disposto e resol:ido a palmilhar por aquele caminho estreito

Enriquecendo-se com a Bíblia MS que > o 9nico que condu7 at> aliH N neste ponto que podemos discernir o lugar preciso que tem as boas obras/ em cone.#o com a sal:a"#o. +s boas obras n#o merecem a sal:a"#o; mas est#o insepara:elmente ligadas a ela. Q#o ganham um título de posse dos c>us/ mas se encontram entre os meios que (eus determinou para que 3eu po:o chegasse nos lugares celestiais. Em sentido algum as boas obras s#o a causa e<iciente da :ida eterna; mas <a7em parte dos meios Btal como s#o meios a opera"#o do Espírito em nosso interior/ o que nos con<ere o arrependimento/ a <> e a atitude de obediênciaD que le:am K :ida eterna. (eus determinou o caminho pelo qual de:emos andar/ a <im de chegarmos K heran"a que Cristo adquiriu para n@s. + :ida de obediência di6ria a (eus > a 9nica <orma de :ida di6ria que nos d6 real admissão K <rui"#o daquilo que Cristo comprou para o 3eu po:o $ tanto a admiss#o agora/ pela <>/ como a admiss#o por ocasi#o da morte <ísica/ ou como a admiss#o quando de 3ua Tinda/ em sua total amplitude. '. :eneficia"o&nos da Pa!avra #uando a!i aprende"os #ua! < o desí6nio das boas obras. Isso <ica per<eitamente esclarecido no trecho de Oateus M:%I: J+ssim brilhe tamb>m a :ossa lu7 diante dos homens/ para que :e?am as :ossas boas obras e glori<iquem a :osso !ai que est6 nos c>us.J N digno de nossa aten"#o o <ato de que essa > a primeira ocorrência dessa e.press#o/ e/ con<orme geralmente > o caso/ a primeira men"#o de qualquer :erdade/ nas Escrituras/ d6 a entender seu escopo e seu uso subsequentes. Qesta altura aprendemos que os discípulos de Cristo precisam autenticar a sua pro<iss#o crist# pelo silencioso mas impressionante testemunho de suas :idas Bpois a Jlu7J n#o <a7 nenhum ruído ao JiluminarJD/ a <im de que os homens possam :er Be n#o ou:ir as ?actEnciasD as boas obras dos crentes; pois > assim que nosso !ai celestial/ que est6 nos c>us/ pode ser glori<icado. +qui/ pois/ temos o seu desígnio <undamental $ a honra de (eus.

Enriquecendo-se com a Bíblia M& !osto que o conte9do do trecho de Oateus M:%I > t#o geralmente mal entendido e per:ertido/ acrescentamos aqui um outro pensamento. Com e.agerada <reqCência as Jboas obrasJ s#o con<undidas com a pr@pria Jlu7J. Entretanto/ s#o per<eitamente distintas/ posto que este?am insepara:elmente :inculadas entre si. + Jlu7J > o nosso testemunho em <a:or de Cristo; mas/ que :alor teria esse testemunho/ se a pr@pria :ida n#o o e.empli<icasseH +s Jboas obrasJ n#o :isam a chamar a aten"#o dos homens para n@s mesmos/ mas antes/ para +quele B(eusD que as la:rou em n@s. E essas boas obras de:em re:estir-se de tal qualidade e car6ter que at> mesmo os ímpios reconhe"am que elas procedem de alguma <onte superior K nature7a humana decaída. Um <ruto sobrenatural requer uma rai7 sobrenatural; e quando isso > reconhecido/ o di:ino Titicultor > de:idamente glori<icado. Igualmente signi<icati:a > a &ltima re<erência Ks boas obras/ e.istente nas Escrituras: J... mantendo e.emplar o :osso procedimento no meio dos gentios/ para que/ naquilo que <alam contra :@s outros como de mal<eitores/ obser:ando-:os em :ossas boas obras/ glori<iquem a (eus no da :isita"#oJ BI !edro 0:%0D. !or conseguinte/ a primeira e a 9ltima men"#o Ks Jboas obrasJ <risam o seu desígnio: glori<icar a (eus/ de:ido Ks 3uas obras/ reali7adas por meio de 3eu po:o/ neste mundo. *. Tira"os provei o da Pa!avra #uando a!i aprende"os a verdadeira na ure%a das boas obras. Eis alguma coisa sobre o que os indi:íduos n#o regenerados s#o totalmente ignorantes. + ?ulgar meramente pelas coisas e.ternas/ a aquilatar as coisas apenas pelos padr8es humanos/ aquelas e estes s#o totalmente incompetentes para determinar quais obras s#o boas/ segundo o pensamento di:ino/ e quais n#o s#o boas. 3upondo que aquilo que os homens reputam como boas obras tamb>m se?a apro:ado pelo 3enhor/ ainda assim os homens permanecem nas tre:as de seu entendimento embotado pelo pecado; e ningu>m pode con:encê-los sabre seu erro/ enquanto o Espírito 3anto n#o os :i:i<ica para que recebam no:idade de

Enriquecendo-se com a Bíblia I1 :ida/ arrebatando-os das tre:as e tra7endo-os para a mara:ilhosa lu7 de (eus. Ent#o transparecer6 claramente que boas obras s#o somente aquelas que s#o reali7adas em obediência K :ontade de (eus B*omanos I:%ID/ com base no princípio de amor a Ele B ebreus %1:02D/ em nome de Cristo BColossenses F:%'D/ :isando sempre K gl@ria de (eus por interm>dio dEle BI Coríntios %1:F%D. + nature7a autêntica das Jboas obrasJ <oi per<eitamente e.empli<icada pelo 3enhor Pesus. )udo quanto Ele praticou/ <ê-lo em obediência a 3eu !ai. Cristo J... n#o 3e agradou a 3i mesmo...J B*om. %M:FD/ mas sempre obedeceu Yquele que O en:iara BPo#o I:FSD. !or isso mesmo/ Cristo p=de di7er: J...Eu <a"o sempre o que -he agradaJ BPo#o S:0&D. Q#o ha:ia limites K su?ei"#o de Cristo K :ontade do !ai. Ele tornou-3e J... obediente at> K morte/ e morte de cru7J B,ilipenses 0:SD. !or semelhante modo/ tudo quanto Cristo <e7 procedia de 3eu amor ao !ai/ bem como do amor a 3eus semelhantes humanos. (e <ato/ o amor > o cumprimento da lei; sem amor/ a anuência K lei nada > sen#o uma su?ei"#o ser:il/ e isso n#o pode ser aceito par +quele que > o pr@prio +mor. + pro:a que a obediência de Cristo/ em todos os seus aspectos/ <luía do amor/ se encontra em 3uas pr@prias pala:ras: J...agrada-me <a7er a tua :ontade/ @ (eus meu...J B3almo 21:SD. E/ por igual modo/ tudo quanto Cristo <e7 tinha em :ista a gl@ria do !ai. (isse Ele: J!ai/ glori<ica o teu nome...J BPo#o %0:0SD. E essas pala:ras re:elam-nos o ob?eti:o que Ele tinha constantemente em mira. ,. Tira"os provei o da Pa!avra #uando a!i aprende"os #ua! < a verdadeira fon e das boas obras. Os homens n#o regenerados s#o capa7es de reali7ar obras que s#o boas/ em sentido natural e ci:il/ embora n#o em sentido espiritual. Esses homens podem <a7er aquelas coisas que/ e.ternamente/ no que di7 respeito K sua mat>ria e substEncia/ s#o boas/ como a leitura da Bíblia/ o recebimento de instru"8es bíblicas/ a d6di:a de esmolas para os pobres/ etc.; contudo/ o manancial dessas a"8es/ bem com a ausência de

Enriquecendo-se com a Bíblia I% moti:os realmente piedosos/ torna tais obras como trapos de imundícia aos olhos do (eus três :e7es santo. Os homens n#o regenerados n#o têm a capacidade de reali7ar obras de <orma espiritual/ ra7#o por que est6 escrito: J... n#o h6 quem <a"a o bem/ n#o h6 nem um sequer...J B*omanos F:%0D. (e <ato/ para tais homens isso > simplesmente impossí:el $ eles têm uma nature7a que J...n#o est6 su?eita K lei de (eus/ nem mesmo pode estarJ B*omanos S:'D. !or conseguinte/ as boas obras dos ímpios s#o inaceit6:eis para (eus. E os pr@prios crentes n#o s#o capa7es de ter um bom pensamento ou <a7er qualquer boa obra par si mesmos B:er II Coríntios F:MD; porquanto > (eus quem opera neles J...tanto o querer como o reali7ar/ segundo a sua boa :ontadeJ B,ilipenses 0:%FD. Auando um etíope puder mudar a cor de sua pele/ ou o leopardo puder trocar as manchas de seu couro/ ent#o tamb>m poder#o <a7er o bem aqueles que est#o acostumados a <a7er o mal BPeremias %F:0FD. N mais <6cil os homens esperarem poder colher u:as dos espinheiros ou <igos dos abrolhos do que poderem os n#o regenerados dar bom <ruto ou produ7ir boas obras. N mister que primeiramente se?amos J...criados em Cristo Pesus...J BE<>sios 0:%1D/ que o 3eu 3anto Espírito nos se?a outorgado BW6latas 2:ID e tamb>m que a 3ua gra"a se?a implantada em nossos cora"8es/ BE<>sios 2:' e I Coríntios %M:%1D/ para que tenhamos qualquer capacidade para praticar as boas obras. E mesmo depois dessa e.periência/ nada poderemos <a7er K parte de Cristo BPo#o %M:MD. Com grande <reqCência/ n@s/ os crentes/ temos :ontade de <a7er coisas boas; mas n#o sabemos como reali76-las B*omanos ':%SD. Isso nos le:a a cair de ?oelhos/ implorando para que (eus nos <a"a Jper<eitos para toda boa obra/ operando em n@s J...o que > agrad6:el diante dEle...J B ebreus %F:0%D. (essa maneira > que somos libertados de nosso senso de autosu<iciência/ sendo le:ados a perceber que todas as nossas <ontes se encontram em (eus B3almos S':'D; e dessa maneira tamb>m descobrimos que tudo podemos/ mediante Cristo/ que nos <ortalece B,ilipenses 2:%FD.

Enriquecendo-se com a Bíblia I0 -. Tira"os provei o da Pa!avra #uando a!i aprende"os #ua! < a 6rande i"por 9ncia das boas obras. Condensando a quest#o o mais possí:el/ diremos que as Jboas obrasJ se re:estem de capital importEncia porque/ por meio delas (eus > glori<icado BOateus M:%ID/ por meio delas s#o caladas as bocas daqueles que <alam contra n@s BI !edro 0:%0D/ e por meio delas e:idenciamos a genuinidade de nossa pro<iss#o de <> B)iago 0:%F-%'D. N altamente dese?6:el e :6lido que ornemos J... em todas as coisas a doutrina de (eus/ nosso 3al:adorJ B)ito 0 :%1D. Qada redunda em maior honra para Cristo do que o <ato de que aqueles que receberam o 3eu nome s#o encontrados a viver constantemente Bde:ido K <or"a capacitadora dada por EleD de maneira crist#/ no espírito crist#o. Q#o <oi sem ra7#o que o mesmo Espírito que le:ou o ap@stolo a pre<aciar sua declara"#o concernente K :ida de Cristo a este mundo/ para sal:ar aos pecadores/ com as pala:ras J,iel > a pala:ra...J/ tamb>m o impulsionou para que escre:esse: J,iel > a pala:ra...que os que tem crido em (eus se?am solícitos na pr6tica de boas obrasJ B)ito F:SD. Aue todos n@s :erdadeiramente se?amos 7elosos J...de boas obrasJ B)ito 0:%2D. .. Tira"os provei o da Pa!avra #uando a!i aprende"os #ua! < o verdadeiro escopo das boas obras. Isso > t#o amplo que inclui a reali7a"#o de nossos de:eres/ em todas as rela"8es em que (eus nos colocou. N de:eras interessante e instruti:o obser:armos que a primeira Jboa obraJ Bassim descrita nas 3antas EscriturasD <oi a un"#o do 3al:ador por parte de Oaria de BetEnia BOateus 0I:%1 e Oarcos %2:ID. Indi<erente tanto para com as acusa"8es como para com as aplausos dos homens/ tendo olhos somente para o Jmais distinguido entre de7 milJ BCantares M:%1D/ ela derramou abundantemente sobre Ele o seu precioso ungCento. E uma outra mulher/ de nome (orcas B+tos &:FID/ tamb>m > mencionada como mulher J...not6:el pelas boas obras... GG

Enriquecendo-se com a Bíblia IF 3im/ ap@s a adora"#o :em o ser:i"o/ em que glori<icamos a (eus entre os homens e nos tornamos bene<icentes para com o pr@.imo. J... + <im de :i:erdes de modo digno do 3enhor/ para o seu inteiro agrado/ <ruti<icando em toda boa obra...J BColossenses %:%1D. + cria"#o dos <ilhos Bem que n#o > preciso arrast6-los K <or"aLD/ a hospitalidade para com os estrangeiros BespirituaisD/ a la:agem dos p>s dos santos Bque tamb>m indica a ministra"#o a seus con<ortos temporaisD e o alí:io dado aos a<litos BI )im@teo M:%1D/ tudo > considerado como Jboas obrasJ. + menos que nossa leitura e estudo das Escrituras este?am contribuindo para nos tornarmos melhores soldados de Pesus Cristo/ melhores cidad#os do país onde :i:emos como <orasteiro/ e melhores membros de nossos lares terrenos Bmais gentis/ mais bondosos/ mais altruístasD/ <icando assim preparados para Jtoda boa obraJ/ aquilo de pouco ou nada nos est6 apro:eitando.

Enriquecendo-se com a Bíblia

I2

AS ESCRITURAS E A O:EDI=NCIA
)odos os crentes pro<essos est#o acordes/ pelo menos quanto K teoria em que > de:er obrigat@rio daqueles que tra7em o nome de Cristo honr6--o e glori<ic6--o neste mundo. )oda:ia/ acerca de como isso de:e ser <eito/ acerca do que (eus e.ige de n@s quanto a essa <inalidade/ h6 imensa gama de opini8es. Ouitos sup8em que honrar a Cristo meramente signi<ica unir-se a alguma Jigre?aJ/ tomando parte de suas :6rias ati:idades e dando-lhes apoio. Outros imaginam que honrar a Cristo signi<ica <alar a 3eu respeito a outros/ ocupando-se diligentemente no Jtrabalho pessoal de e:angeli7a"#oJ. Outros parecem sentir que honrar a Cristo signi<ica pouco mais do que <a7er contribui"8es <inanceiras liberais em bene<ício de 3ua causa. !oucos/ realmente/ s#o os que percebem que Cristo s@ > honrado quando vivemos santamente para Ele/ e isso se andarmos em su?ei"#o K 3ua :ontade re:elada. !oucos s#o os que :erdadeiramente acreditam naquela pala:ra que di7: JEis que o obedecer > melhor do que o sacri<icar/ e o atender melhor do que a gordura de carneirosJ BI 3amuel %M :00D. Q#o seremos crentes/ sob hip@tese alguma/ a menos que nos tenhamos rendido totalmente a Cristo e que tenhamos recebido a Cristo/ J... o Senhor... J BCol. 0:ID. Aueremos instar com o pre7ado leitor para que pondere diligentemente sobre essa declara"#o acima. 3atan6s anda enganando a muitos/ ho?e em dia/ le:ando-os a suporem que est#o con<iando na Jobra consumadaJ de Cristo/ para sal:a"#o de suas almas/ ao mesmo tempo que seus cora"8es permanecem inalterados e que o JegoJ continua a go:ernar as suas :idas. Ou"amos o que di7 a !ala:ra de (eus: J+ sal:a"#o est6 longe dos ímpios/ pois não procuram os teus decretosJ B3almos %%&:%MMD. O pre7ado leitor realmente busca os decretos de (eusH Tocê pesquisa com diligência a 3ua !ala:ra/ para descobrir o que Ele ordenouH J+quele que di7: Eu o conhe"o/ e n#o guarda os seus

Enriquecendo-se com a Bíblia IM mandamentos/ > mentiroso/ e nele n#o est6 a :erdadeJ BI Po#o 0:2D. O que poderia ser mais claro do que issoH J!or que me chamais/ 3enhor/ 3enhor/ e não fazeis o que :os mandoH J B-ucas I:2ID. + obediência ao 3enhor na :ida di6ria/ e n#o apenas na <orma de pala:ras ribombantes nos l6bios/ > o que Cristo e.ige. Aue mensagem perscrutadora e solene > aquela que se acha em )iago %:00: J)ornai-:os/ pois/ praticantes da pala:ra/ e n#o somente ou:intes/ enganando-:os a :@s mesmosLJ E.istem muitos Jou:intesJ da !ala:ra/ ou:intes regulares/ ou:intes re:erentes/ ou:intes interessados; mas/ in<eli7mente/ aquilo que ou:em n#o incorporam em suas :idas $ a !ala:ra n#o guia o seu caminho. E Deus > quem di7 que aqueles que n#o s#o praticantes da !ala:ra meramente enganam a si mesmosL (esa<ortunadamente/ quantos e.istem assim na Cristandade/ nesta nossa >pocaL Q#o s#o hip@critas desa:ergonhados/ mas apenas est#o iludidos. 3up8em os tais que em <ace de serem t#o claros seus conceitos sobre a sal:a"#o s@ pela gra"a/ que eles est#o sal:os. 3up8em/ igualmente/ que por estarem sob o minist>rio de um homem que J<e7 da Bíblia um li:ro no:oJ para eles/ que ?6 cresceram na gra"a. 3up8em que por terem aumentado o cabedal de seus conhecimentos bíblicos/ aumentou tamb>m a sua espiritualidade. 3up8em que o mero ou:ir a um ser:o de (eus/ ou que a mera leitura de seus escritos os alimenta com a !ala:ra. Qada dissoL J+limentamo-nosJ com a !ala:ra de (eus somente quando nos apropriamos dela pessoalmente/ quando mastigamos e assimilamos em nossas vidas aquilo que ou:imos ou lemos: 3empre que a :ida n#o se amolda mais per<eitamente K !ala:ra de (eus/ desde o cora"#o/ o conhecimento acrescido somente ser:ir6 para agra:ar a condena"#o da alma. J+quele ser:o/ por>m/ que conheceu a :ontade de seu senhor e n#o se aprontou/ nem <e7 segundo a sua :ontade/ ser6 punido com muitos a"oitesJ B-ucas %0 :2'D. J. . .que aprendem sempre e ?amais podem chegar ao conhecimento da :erdadeJ BII )im@teo F:'D. Essa > uma das mais proeminentes características dos Jtempos perigososJ que atualmente atra:essamos. +s

Enriquecendo-se com a Bíblia II pessoas ou:em um pregador ap@s outro/ :#o a esta e aquela con<erência/ lêem li:ros e mais li:ros sobre temas bíblicos/ e/ no entanto/ ?amais chegam a ter um conhecimento :ital e pr6tico da :erdade/ de tal modo que o seu poder e e<ic6cia <iquem impressos sobre suas almas. E.iste aquilo que poderíamos chamar de hidropisia espiritual/ e multid8es est#o so<rendo desse mal. Auanto mais ou:em/ tanto mais dese?am ou:ir: bebem serm8es e discursos com a:ide7/ mas suas :idas em nada se modi<icam para melhor. +ntes/ sentem-se orgulhosos de seu conhecimento/ e n#o se humilham no p@ diante de (eus. Oas a <> dos eleitos de (eus consiste no J... pleno conhecimento da :erdade segundo a piedade.... J B)ito %:%D/ ainda que isso se?a ignorado pela :asta maioria. (eus nos deu a 3ua !ala:ra n#o apenas com o intuito de instruirnos/ mas tamb>m com o prop@sito de orientar-nos $ para que soub>ssemos o que Ele requer que <a"amos. + primeira coisa de que precisamos/ pois/ > do claro e distinto conhecimento de nosso de:er; e a primeira coisa que (eus requer de n@s > a pr tica conscienciosa do de:er/ que corresponda ao nosso conhecimento. JE que > o que o 3enhor pede de ti/ sen#o que pratiques a ?usti"a e ames a miseric@rdia/ e andes humildemente com o teu (eusH J BOiqu>ias I:SD. J(e tudo o que se tem ou:ido/ a suma >: )eme a (eus/ e guarda os seus mandamentos; porque isto > o de:er de todo homemJ BEclesiastes %0:%FD. O 3enhor Pesus salientou a mesma particularidade/ quando disse: JT@s sois meus amigos/ se <a7eis o que eu :os mandoJ BPo#o %M:%2D. +ssim sendo: 1. O indivíduo se beneficia da Pa!avra ao descobrir #uais s)o as e;i64ncias #ue Deus !0e i"p2e. Esses s#o os 3eus mandamentos inalter6:eis/ pois (eus n#o so<re sombra de :aria"#o. N gra:e e grande erro supormos que/ nesta presente (ispensa"#o (eus rebaixou as 3uas e.igências/ porquanto isso necessariamente implicaria em que 3uas e.igências anteriores eram se:eras demais e in?ustas.

Enriquecendo-se com a Bíblia I' Oas/ n#o > assimL J!or conseguinte/ a -ei > santa; e o mandamento/ santo e ?usto e bomJ B*omanos ' :%0D. + s9mula das e.igências de (eus > a seguinte : J+mar6s/ pois/ o 3EQ O* teu (eus de todo o teu cora"#o/ de toda a tua alma/ e de toda a tua <or"aJ B(euteron=mio I:M D. E o 3enhor Pesus reiterou esse conceito no trecho de Oateus 00:F'. O ap@stolo !aulo/ por sua :e7/ re<or"ou o ponto/ quando escre:eu: J3e algu>m n#o ama ao 3enhor/ se?a an6temaLJ BI Coríntios %I:00D. $. O 0o"e" ira provei o da Pa!avra #uando descobre #u)o o a! e peca"inosa"en e e" dei;ado de sa isfa%er (s e;i64ncias de Deus. E apressamo-nos por salientar/ para bene<ício de qualquer pessoa que ponha em d9:ida a :eracidade daquele 9ltimo par6gra<o/ que ningu>m pode perceber qu#o pro<undamente pecador ele >/ qu#o in<initamente aqu>m da medida dos padr8es de (eus :i:e ele/ enquanto n#o hou:er recebido a clara :is#o das e.altadas e.igências que (eus lhe imp8eL Qa propor"#o e.ata em que os pregadores rebaixam os padr8es di:inos/ sobre aquilo que o 3enhor requer de todos os seres humanos/ nessa mesma propor"#o os seus ou:intes obter#o a id>ia inadequada e distorcida de sua pr@pria pecaminosidade/ e menos perceber#o eles a necessidade que têm do 3al:ador )odo-poderoso. !or>m/ uma :e7 que uma alma realmente perceba quais s#o as e.igências que (eus lhe <a7/ e tamb>m chegue a perceber que tem dei.ado completa e constantemente de <a7er o que lhe compete/ ent#o > que ela reconhece qu#o desesperadora > a situa"#o em que se encontra. + lei precisa ser ressaltada/ antes que algu>m este?a pronto para ou:ir com pro:eito o e:angelho. '. U" 0o"e" se beneficia da Pa!avra #uando a!i aprende #ue Deus+ e" Sua infini a 6ra1a+ providenciou p!ena"en e para #ue Seu povo cu"pra as Suas e;i64ncias. Auanto a esse particular/ igualmente/ grande parte da prega"#o de nossos dias en:ol:e de<eitos s>rios. +tualmente se anuncia aquilo que

Enriquecendo-se com a Bíblia IS poderia ser chamado de Jmeio-e:angelhoJ/ mas que/ na realidade/ :irtualmente nega o :erdadeiro e:angelho. Cristo > incluído/ mas t#osomente como um contrapeso. Aue Cristo satis<e7 :icariamente a cada e.igência que (eus imp8e Kqueles que crêem > uma bendita :erdade; mas isso > apenas metade da :erdade. O 3enhor Pesus n#o apenas satis<e7/ em <a:or de 3eu po:o/ os requisitos da ?usti"a di:ina/ mas igualmente assegurou que 3eus discípulos os satis<ariam pessoalmente. Cristo garantiu-nos o Espírito 3anto/ o qual opera em n@s aquilo que o *edentor <e7 por n@s. O grandioso e glorioso milagre da sal:a"#o consiste do <ato de que os sal:os s#o regenerados. 6 um trabalho de trans<orma"#o operado neles. 3eu entendimento > iluminado/ seus cora"8es s#o modi<icados e sua :ontade > reno:ada. 3#o <eitos Jno:as criaturasJ/ con<orme se aprende em II Coríntios M:%'. (eus tece coment6rios sobre esse milagre da gra"a sob os seguintes termos: JQas suas mentes imprimirei as minhas leis/ tamb>m sobre os seus cora"8es as inscre:erei; e Eu serei o 3eu (eus e eles ser#o o Oeu po:oJ B ebreus S:%1D. + partir daí o cora"#o se inclina para a lei de (eus: certa disposi"#o <oi transmitida ao cora"#o que corresponde Ks e.igências da lei; h6 um dese?o sincero de e.ecut6-la. !or essa ra7#o tamb>m > que a alma :i:i<icada pode di7er: J+o meu cora"#o me ocorre: Buscai a Oinha presen"a; buscarei/ pois/ 3EQ O*/ a )ua presen"aJ B3almo 0':SD. Cristo n#o apenas prestou obediência per<eita K lei/ :isando K ?usti<ica"#o de 3eu po:o/ que nEle con<ia/ mas tamb>m mereceu para eles aqueles suprimentos de 3eu 3anto Espírito que s#o essenciais para a santi<ica"#o deles/ e que > a 9nica coisa que pode trans<ormar criaturas carnais/ capacitando-as a prestar obediência aceit6:el a (eus. Embora Cristo tenha morrido a seu tempo pelos JímpiosJ B*omanos M:ID/ e embora Ele os ache ímpios B*omanos 2:MD/ contudo/ quando os ?usti<ica/ n#o os abandona nesse estado abomin6:el. !elo contr6rio/ ensina-lhes com e<ic6cia/ pelo 3eu Espírito/ a negarem a impiedade e as pai.8es mundanas B:er )ito 0:%0D. +ssim como n#o se pode separar uma pedra

Enriquecendo-se com a Bíblia I& de seu pr@prio peso/ e nem o <ogo ser separado de seu calor/ assim tamb>m n#o se pode separar a ?usti<ica"#o da santi<ica"#o. Auando (eus realmente perdoa a um pecador/ no tribunal de sua consciência/ e sob o senso daquela gra"a admir6:el/ o cora"#o > puri<icado/ a :ida > reti<icada e o indi:íduo inteiro > santi<icado. J...Cristo Pesus ... a 3i mesmo se deu por n@s/ a <im de remir-nos de toda iniqCidade/ e puri<icar para si mesmo um po:o e.clusi:amente 3eu/ Bn#o descuidado e indi<erente/ masD 7eloso de boas obrasJ B)ito 0:%2D. )al como uma substEncia > insepar6:el de suas propriedades/ ou como as causas e seus e<eitos necess6rios n#o se podem separar/ assim tamb>m a <> sal:adora e a obediência consciente a (eus s#o insepar6:eis. !or isso mesmo > que lemos acerca da J...obediência por <>...J/ em *omanos %I:0I. O 3enhor Pesus disse de certa <eita: J+quele que tem os Oeus mandamentos e os guarda/ esse > o que me ama...J BPo#o %2:0%D. Qem no +ntigo )estamento/ nem nos E:angelhos e nem nas Epístolas (eus reconhece que algu>m O ama/ e.ceto aqueles que obser:a as 3uas ordens. !ois o amor inclui algo mais que meros sentimentos e emo"8es; antes/ > um princípio em a"#o/ que se e.pressa em algo mais do que melosas e.press8es de a<eto/ ?6 que se mani<esta por meio de atos que agradam ao ob?eto amado. J!orque este > o amor de (eus/ que guardemos os seus mandamentos...J BI Po#o M:FD. Oh/ meu pre7ado amigo/ :ocê estar6 se enganando a si mesmo se pensa que ama a (eus/ mas/ no entanto/ n#o tem o pro<undo dese?o de obedecer ao 3enhor e nem <a7 qualquer es<or"o real de andar obedientemente perante EleL !or>m/ do que consiste a obediência a (eusH Consiste em muito mais do que na reali7a"#o mecEnica de certos de:eres. )al:e7 eu tenha sido criado por pais crentes/ e sob a educa"#o dada por eles tenha adquirido certos h6bitos morais; no entanto/ minha absten"#o de n#o tomar o nome do 3enhor em :#o e de n#o <urtar/ pode n#o ser de:ido K minha obediência consciente ao terceiro e ao oita:o mandamentos. !ois/

Enriquecendo-se com a Bíblia '1 uma :e7 mais di7emos que a obediência a (eus consiste de muito mais do que nos amoldarmos K conduta normal de 3eu po:o. )al:e7 eu este?a em um lar onde o descanso semanal > estritamente obser:ado; e ent#o/ por moti:o de respeito aos demais/ ou ent#o porque eu penso que > bom e s6bio descansar nesse dia/ tal:e7 eu me re<reie de todo o labor desnecess6rio naquele dia; mas nem por isso estarei obser:ando o quarto mandamento/ de modo algumL !ois a obediência n#o consiste apenas da su?ei"#o a algum preceito e.terno/ mas consiste em render eu a minha :ontade K autoridade de outrem. !or conseguinte/ a obediência a (eus depende do reconhecimento/ :indo do cora"#o/ de que (eus > o 3enhor/ de que Ele tem o direito de determinar/ e de que o meu de:er > anuir. Obedecer > su?eitar totalmente a alma ao ?ugo bendito de Cristo. +quela <orma de obediência que (eus requer s@ pode proceder de um cora"#o que O ama. J)udo quanto <i7erdes/ <a7ei-o de todo o cora"#o/ como para o 3enhor/ e n#o para homens...J BColossenses F :0FD. + obediência que se origina do temor do castigo > uma obediência ser:il. +quela obediência prestada a <im de obter <a:ores da parte de (eus > egoísta e carnal. Oas a obediência espiritual e aceit6:el > prestada com alegria: trata-se da li:re rea"#o <a:or6:el do cora"#o agradecido pela considera"#o e pelo amor desmerecidos de (eus por n@s. *. Tira"os provei o da Pa!avra #uando percebe"os #ue n)o so"en e e"os o dever obri6a >rio de obedecer a Deus+ "as a"b<" #uando e" n>s se cria o a"or pe!os Seus "anda"en os. O homem Jbem-a:enturadoJ > aquele cu?o pra7er J...est6 na lei do 3EQ O*...J B3almo %:0D. E noutra passagem lemos: JBem-a:enturado o homem que teme ao 3EQ O*/ e se compra7 nos seus mandamentosJ B3almo %%0:%D. Qossos cora"8es s#o :erdadeiramente pro:ados quando en<rentamos com honestidade a seguinte pergunta: (ou realmente :alor aos JmandamentosJ de (eus/ tanto quanto dou :alor Ks 3uas promessasH E n#o de:e ser essa a minha atitudeH Q#o h6 o que du:idar de que assim

Enriquecendo-se com a Bíblia '% de:a ser/ pois tanto uma coisa como a outra :erdadeiramente procedem do 3eu amor. + anuência do cora"#o/ ante a :o7 de Cristo > o <undamento de toda a santidade pr6tica. Qeste ponto dese?amos tamb>m rogar intensa e amorosamente ao pre7ado leitor que dê toda a aten"#o a este detalhe. )odo o indi:íduo que se considera sal:o/ mas que n#o tem amor genuíno pelos mandamentos de (eus/ na realidade est6 se iludindo a si mesmo. (eclarou o salmista: JAuanto amo a tua -eiLJ B3al. %%&:&'D. E no:amente: J+mo os teus mandamentos mais do que o ouro/ mais do que o ouro re<inadoJ B3al. %%&:%0'D. E se por:entura algu>m ob?etar que assim acontecia durante o tempo do +ntigo )estamento/ ent#o lhe perguntamos: GG3up8e o amigo que o Espírito de Pesus produ7 uma trans<orma"#o in<erior/ nos cora"8es daqueles que Ele agora regenera/ K que <a7ia nos cora"8es dos antigos crentesHJ Qa :erdade/ um santo do Qo:o )estamento registrou: J...no tocante ao homem interior/ tenho pra7er na lei de (eusJ B*omanos ':00D. Ora/ meu pre7ado leitor/ a menos que o seu cora"#o se deleite na Jlei de (eusJ/ algo de radicalmente errado estar6 ocorrendo consigo; sim/ > realmente de temer-se que :ocê este?a espiritualmente morto. ,. U" 0o"e" ira provei o da Pa!avra #uando o seu cora1)o e a sua von ade cede" dian e de odos os "anda"en os de Deus. + obediência parcial nem pode ser reputada como obediência. + mente santa declina do tudo aquilo que > proibido por (eus/ e pre<ere praticar o que Ele requer/ sem <a7er qualquer e.ce"#o. 3e as nossas mentes n#o se submetem a (eus/ em todos os 3eus mandamentos/ ent#o > que n#o nos submetemos K 3ua autoridade em qualquer coisa que Ele nos determina. 3e n#o apro:amos a totalidade de nossos de:eres crist#os/ de todo o cora"#o/ ent#o estaremos grandemente equi:ocados se imaginarmos que temos qualquer pra7er com qualquer por"#o dos mesmos. O indi:íduo que n#o possui em si mesmo qualquer princípio de santidade/ ainda assim pode sentir repulsa por muitos :ícios e ser

Enriquecendo-se com a Bíblia '0 praticante de muitas :irtudes/ pois percebe que os primeiros n#o s#o atos apropriados e que estas 9ltimas/ por si mesmas/ s#o a"8es con:enientes; toda:ia/ a sua desapro:a"#o aos :ícios e a sua apro:a"#o Ks :irtudes n#o se originar#o de qualquer disposi"#o de submeter-se ' vontade de Deus. + :erdadeira obediência espiritual > imparcial. O cora"#o reno:ado n#o seleciona e nem escolhe entre os mandamentos de (eus: o indi:íduo que age dessa maneira n#o procura cumprir a :ontade de (eus/ mas a sua pr@pria. Q#o nos equi:oquemos quanto a esse particular $ se n#o dese?amos sinceramente agradar a (eus em todas as coisas/ ent#o na realidade n#o dese?amos agrad6--o em qualquer coisa. !recisamos renegar ao pr@prio JeuJ; n#o renegar meramente algumas das coisas que antes dese?6ramos/ mas ao pr@prio JeuJL 3e permitirmos :oluntariamente a presen"a de qualquer pecado conhecido/ isso quebrar6 a lei inteira/ con<orme nos de<ine a passagem de )iago 0:%1/%%. JEnt#o n#o terei de que me en:ergonhar/ quando considerar em todos os teus mandamentosJ B3almo %%&:ID. (eclarou o 3enhor Pesus: JT@s sois meus amigos/ se <a7eis o que Eu :os mandoJ BPo#o %M:%2D. Ora/ se por:entura eu n#o <or amigo de Cristo/ ent#o terei de ser 3eu inimigo/ porquanto n#o h6 uma terceira alternati:a B:er -ucas %&:0'D. -. Tira"os provei o da Pa!avra #uando nossa a!"a < i"pe!ida a orar in ensa"en e pedindo a 6ra1a capaci adora. Auando da regenera"#o/ o Espírito 3anto nos transmite uma tendência que se inclina para a obediência de acordo com a !ala:ra de (eus. O cora"#o @ conquistado por (eus. 6 um no:o e pro<undo dese?o de agradar ao 3enhor. Oas a no:a inclina"#o n#o possui qualquer poder inerente a si mesma/ e a :elha nature7a/ tamb>m chamada de JcarneJ/ se es<or"a contra ela/ sem <alarmos nas oposi"8es do diabo. !or isso > que o crente pode e.clamar: J...o querer o bem est6 em mim; n#o/ por>m o efetu -loJ B*omanos ':%SD. Isso n#o signi<ica que o crente se?a escra:o do pecado/ con<orme era antes de sua con:ers#o/ mas signi<ica que agora ele n#o sabe como

Enriquecendo-se com a Bíblia 'F cumprir plenamente as suas aspira"8es espirituais. !or essa ra7#o > que ora: JWuia-me pela :ereda dos )eus mandamentos/ pois nela me compra7oJ B3almos %%&:FMD. E no:amente: J,irma os meus passos na tua !ala:ra; e n#o me domine iniqCidade algumaJ B3almo %%&:%FFD. Qesta altura/ poderíamos replicar a uma ob?e"#o que as declara"8es <eitas acima mui pro:a:elmente le:antaram em muitas mentes: O pregador est6 a<irmando que (eus requer perfeita obediência de nossa parte/ nesta :idaH E a nossa resposta >: 3imL (eus nunca 3e satis<ar6 com qualquer padr#o in<erior a esse BI !edro %:%MD. Qesse caso/ o :erdadeiro crente est6 K altura desse ele:adíssimo padr#oH 3im e n#oL 3im/ em meu coração; e > para o cora"#o que (eus olha BI 3amuel %I:'D. Qo seu cora"#o/ cada pessoa regenerada tem :erdadeiro amor pelos mandamentos de (eus/ e dese(a genuinamente obser:ar a todos eles/ completamente. N nesse sentido/ mas somente nesse/ que o crente > e.perimentalmente Jper<eitoGG. + pala:ra Jper<eitoJ/ tanto no +ntigo )estamento BP@ %:% e 3almos F':F'D como no Qo:o )estamento B,ilipenses F:%MD/ quer di7er JretoJ/ JsinceroJ/ em contraste com Jhip@critaJ. J)ens ou:ido/ 3EQ O*/ o dese?o dos humildes; tu lhes <ortalecer6s o cora"#o e lhes acudir6sJ B3almos %1:%'D. Os Jdese?osJ dos santos s#o a linguagem de sua alma; e a promessa di:ina/ <eita a eles/ > a seguinte: JEle acode K :ontade dos que o temem; atende-lhes ao clamor e os sal:aJ B3almos %2M:%&D. O dese?o do crente > obedecer a (eus em todas as coisas/ con<ormar-se inteiramente K imagem de Cristo. Oas isso s@ se concreti7ar6 quando por ocasi#o da ressurrei"#o. Entrementes/ por amor a Cristo/ (eus aceita graciosamente a :ontade dos crentes/ em lugar de seus <eitos n#o reali7ados BI !edro 0:MD. (eus conhece os nossos cora"8es e :ê nos 3eus <ilhos um amor genuíno e o dese?o sincero de observar todos os 3eus mandamentos; e aceita os anelos <er:orosos e o es<or"o cordial/ em lugar de uma reali7a"#o e.ata BII Coríntios S:%0D. !or>m/ que todo aquele que :i:e em desobediência :olunt6ria n#o e.traia desse <ato uma pa7 <alsa e per:ersa/ porquanto isso contribuiria

Enriquecendo-se com a Bíblia '2 somente para a sua pr@pria destrui"#o/ ao passo que ser:e para o consolo daqueles que/ de todo o cora"#o/ dese?am cumprir a :ontade de (eus/ agradando-O em todos os detalhes de suas :idas. E se algu>m indagar: JComo > que saberei que os meus dese?os realmente s#o os dese?os de uma alma regeneradaHJ/ nossa resposta ser6: + gra"a da sal:a"#o transmite ao cora"#o uma disposição habitual na dire"#o de atos santos. Os Jdese?osJ do leitor de:em ser testados como segue: 3#o eles constantes e contínuos/ ou obedecem a impulsos e interrup"8esH 3#o eles intensos e s>rios/ de tal modo/ que têm <ome e sede de ?usti"a BOateus M:ID e JsuspiraJ pelo (eus :i:o B3almo 20:%DH Esses dese?os s#o operantes e e<ica7esH Ouitos dese?am escapar do in<erno; mas seus dese?os n#o s#o su<icientemente <ortes para que abominem aos seus pecados/ abandonando-os/ os quais/ ine:ita:elmente/ os condu7ir#o ao in<erno/ a saber/ os pecados :olunt6rios contra (eus. Ouitos dese?am escapar do in<erno; mas seus dese?os n#o s#o su<icientemente <ortes para que abominem aos seus pecados/ abandonando-os/ os quais/ ine:ita:elmente/ os condu7ir#o ao in<erno/ a saber/ os pecados :olunt6rios contra (eus. Ouitos outros dese?am ir para os c>us/ mas n#o intensamente que entrem naquele Jcaminho estreitoJ e por ele sigam/ sendo esse o 9nico caminho que condu7 aos lugares celestiais. Os autênticos Jdese?osJ espirituais usam os meios da gra"a e n#o poupam es<or"os por obter a concreti7a"#o deles/ mas pressionam continuamente/ sob ora"#o/ na dire"#o do al:o proposto. .. Tira"os provei o da Pa!avra #uando+ desde a6ora+ 3/ desfru a"os da reco"pensa da obedi4ncia. J+ piedade para tudo > pro:eitosa...J BI )im@teo 2:SD. N por interm>dio da obediência K !ala:ra que puri<icamos as nossas pr@prias almas BI !edro %:0%D. N por meio da obediência que obtemos a aten"#o dos ou:idos de (eus BI Po#o F:00D. !or outro lado/ a desobediência > uma barreira para as nossas ora"8es BIsaías M&:0 e Peremias M:0MD. +tra:>s da obediência obtemos preciosas e íntimas mani<esta"8es de

Enriquecendo-se com a Bíblia 'M Cristo para a nossa alma BPo#o %2:0%D. 3e esti:ermos palmilhando a senda da sabedoria Bem completa su?ei"#o a (eusD/ ent#o descobriremos que JOs seus caminhos s#o caminhos deliciosos/ e todas as suas :eredas pa7J B!ro:>rbios F:%'D. J...os 3eus mandamentos n#o s#o penososJ BI Po#o M :FD. GGOuita pa7 tem os que guardam a )ua leiGG B3almo %%&:%IMD e J...em os guardar h6 grande recompensaJ B3almos %&:%%D.

Enriquecendo-se com a Bíblia

'I

AS ESCRITURAS E O 5UNDO
Q#o > pouco o que est6 escrito no Qo:o )estamento/ ao crente/ acerca do JmundoJ e da atitude que os crentes de:em ter para com o mundo. 3ua nature7a real > claramente de<inida; e o crente > solenemente ad:ertido a seu respeito. + santa !ala:ra de (eus > qual lEmpada descida dos c>us/ que brilha em J... lugar tenebroso...J BII !edro %:%&D. Os seus raios di:inos e.ibem as coisas segundo as suas :erdadeiras cores/ penetrando pro<undamente e desmascarando o <also :erni7 e encanto de que muitas coisas est#o en:oltas. +quele mundo/ em <a:or do qual tanto labor > dedicado e tanto dinheiro > gasto/ e que > t#o altamente e.altado e admirado por seus ingênuos e <ascinados habitantes/ declaradamente se encontra em Jinimi7ade contra (eusJ. !or esse moti:o/ os <ilhos de (eus s#o proibidos de se dei.arem JamoldarJ a este mundo/ ou mesmo de <i.arem nele os seus a<etos. + presente <ase de nosso tema de <orma alguma > o aspecto menos importante dentre aqueles que nos temos proposto a considerar; e o leitor s>rio <ar6 bem se buscar a gra"a di:ina para poder aquilatar-se por meio desse crit>rio. Uma das e.orta"8es que (eus dirige a 3eus <ilhos di7 como segue: J... dese?ai ardentemente/ como crian"as rec>m-nascidas/ o genuíno leite espiritual/ para que por ele :os se?a dado crescimento para sal:a"#oJ BII !edro 0:0D. E con:>m que cada um deles se e.amine/ honesta e diligentemente/ a <im de descobrir se isso ocorre em 3eu caso ou n#o. !or semelhante modo/ n#o nos de:emos contentar com o mero aumento do conhecimento intelectual sobre as Escrituras $ pois aquilo que mais necessitamos buscar > o nosso desen:ol:imento pr6tico/ a nossa con<orma"#o e.perimental com a imagem de Cristo. E um dos pontos onde nos podemos submeter a teste > o seguinte: + leitura e o estudo que <a"o da Bíblia me est#o tornando menos mundanoH

Enriquecendo-se com a Bíblia '' 1. Es a"os irando provei o da Pa!avra #uando os nossos o!0os s)o aber os para discernir o verdadeiro car/ er do "undo. Certo poeta escre:eu: J(eus est6 nos c>us $ tudo :ai bem com o mundoJ. (e certo Engulo/ isso > uma bendita :erdade; mas/ de outro ponto de :ista/ > um conceito que peca pela base/ porquanto Jo mundo inteiro ?a7 no malignoJ BI Po#o M :%&D. !or>m/ somente quando o cora"#o humano > sobrenaturalmente iluminado/ pelo Espírito 3anto/ que se :ê capacitado a perceber que aquilo que > altamente considerado entre os homens/ na realidade > Jabomina"#o diante de (eusJ B-ucas %I:%MD. Ouito agradecidos de:emos sentir-nos quando nossa pr@pria alma > capa7 de :er que o JmundoJ > uma <raude gigantesca/ uma ninhada oca/ uma coisa :il/ que algum dia ser6 consumida nas chamas. +ntes de prosseguirmos/ con:>m que de<inamos o JmundoJ que ao crente > :edado amar. E.istem poucas pala:ras/ encontradas nas p6ginas das 3antas Escrituras/ usadas com mais ampla :ariedade de sentidos do que esta. Qo entanto/ a aten"#o cuidadosa ao conte.to usualmente basta para determinar o seu escopo. O JmundoJ > um sistema ou ordem de coisas/ completo em si mesmo. Qenhum elemento estranho pode ali intrometer-se; e ainda que o <a"a/ n#o demora a ser assimilado ou tem de so<rer certa acomoda"#o. O JmundoJ consiste da nature7a decaída/ que se mani<esta no seio da <amília humana/ amoldando o arcabou"o da sociedade humana de con<ormidade com as suas pr@prias tendências. N o reino organi7ado da Jmente carnalJ que se encontra em Jinimi7ade contra (eusJ/ e essa mente/ ou seu pendor J... n#o est6 su?eito K lei de (eus/ nem mesmo pode estarJ B*omanos S:'D. Onde quer que se mani<este a Jmente carnalJ/ aí est6 igualmente o JmundoJ. !ortanto/ o mundanismo > o mundo sem (eus. $. Tira"os provei o da Pa!avra #uando aprende"os #ue o "undo < u" ini"i6o ao #ua! deve"os resis ir e vencer. +o crente > ordenado combater o J...bom combate da <>...J BI )im@teo I:%0D/ o que subentende que h6 ad:ers6rios a ser en<rentados e

Enriquecendo-se com a Bíblia 'S derrotados. )al como e.iste a 3anta )rindade $ o !ai/ o ,ilho e o Espírito 3anto $ assim tamb>m h6 uma mal><ica trindade a carne/ o mundo e o diabo. O <ilho de (eus > chamado a entrar em combate mortal contra essa trindade mal><ica; e di7emos JmortalJ porque ou o crente obt>m a :it@ria sobre esses três ad:ers6rios/ ou > destruído por eles. !ortanto/ meu pre7ado leitor/ ponha na sua mente que o mundo > um inimigo mortí<ero; e/ se :ocê n#o o :encer no seu cora"#o/ ent#o > que n#o > <ilho de (eus/ porquanto est6 escrito: J...tudo o que > nascido de (eus :ence o mundo.GG Bl Po#o M:2D. (entre muitas outras ra78es/ poderíamos apresentar as seguintes/ que mostram por que o mundo deve ser J:encidoJ. Em primeiro lugar/ todos os seus ob?etos tendem a des:iar a nossa aten"#o/ alienando da de (eus as a<ei"8es da alma. +ssim > necess6rio que se?a/ porquanto a tendência das coisas :isí:eis > des:iar-nos o cora"#o das realidades in:isí:eis. Em segundo lugar/ o espírito do mundo > diametralmente contr6rio ao Espírito de Cristo; por isso mesmo > que o ap@stolo escre:eu: JOra/ n@s n#o temos recebido o espírito do mundo/ e/ sim/ o Espírito que :em de (eus...J BI Coríntios 0:%0D. O ,ilho de (eus :eio a este mundo/ mas J...o mundo n#o O conheceu...J BPo#o %:%1D. E/ por esse moti:o/ os seus JpoderososJ e go:ernantes O cruci<icaram BI Coríntios 0:SD. Em terceiro lugar/ as preocupa"8es e cuidados do mundo s#o hostis para com uma :ida de:ota e celestial. Os crentes/ tal como o resto da humanidade/ têm por de:er trabalhar seis dias na semana; por>m/ estando assim atare<ados/ precisam estar constantemente de sobrea:iso/ a <im de que interesses cobiçosos n#o :enham go:ern6-los/ ao in:>s de serem dirigidos pelo senso do cumprimento do dever. JE esta > a :it@ria que :ence o mundo/ a nossa <>J B% Po#o M:2D. Qada/ sen#o a <> con<erida por (eus/ pode :encer ao mundo. !or>m/ assim como o cora"#o se ocupa com realidades in:isí:eis e eternas/ assim tamb>m :ai sendo libertado da in<luência corruptora dos ob?etos mundanos. Os olhos da <> discernem aquilo que <ere os sentidos <ísicos em suas :erdadeiras cores/ percebendo que as coisas terrenas s#o :a7ias

Enriquecendo-se com a Bíblia '& e :#s/ que n#o s#o dignas de compara"#o com os grandes e gloriosos ob?eti:os da eternidade. O senso das per<ei"8es e da presen"a de (eus <a7 o mundo parecer menos do que nada. Auando o crente :ê que o di:ino *edentor morreu pelos seus pecados/ :i:endo para interceder pela sua perse:eran"a/ bem como para manobrar os acontecimentos/ com :istas K sua sal:a"#o <inal/ e.clama: JQingu>m h6 na terra que eu dese?e al>m de ti/ @ 3enhorLJ E como se d6 no seu caso/ pre7ado leitor/ enquanto ou:e essas considera"8esH )al:e7 :ocê concorde cordialmente com o que acabamos de di7er. Oas/ na realidade/ como as coisas correm em sua e.periênciaH Tocê pratica as coisas que os homens n#o regenerados tanto apreciam/ qual pessoa en<eiti"adaH Basta que se tire do indi:íduo mundano aquilo em que ele se deleita/ para que se sinta um miser6:el. E isso tamb>m sucede no seu casoH Ou a sua alegria e satis<a"#o presentes se encontram em ob?etos que (amais poder#o ser-lhe arrebatadosH E n#o cuide o pre7ado leitor que essas coisas s#o destituídas de importEncia/ rogamos-lhe; antes/ que pondere seriamente sobre elas/ na presen"a de (eus. + resposta honesta/ apresentada a essas perguntas/ ser:ir6 de índice para que perceba se est6 sendo enganado ou n#o ao pensar que > uma Jno:a criaturaJ em Cristo Pesus. '. Tira"os provei o da Pa!avra #uando aprende"os #ue Cris o "orreu a fi" de !ivrar&nos ?des e "undo perverso? @A/!a as 1B*C. O ,ilho de (eus :eio a este mundo n#o somente com o <ito de JcumprirJ os requisitos da lei mosaica BOateus M:%'D/ de Jdestruir as obras do diaboJ BI Po#o F:SD/ de li:rar-nos Jda ira :indouraJ BI )essalonicenses %:%1D e de sal:ar-nos dos nossos pecados BOateus %:0%D/ mas tamb>m :eio a <im de li:rar-nos da ser:id#o a este mundo/ liberando-nos a alma de suas in<luências en<eiti"adoras. Isso <oi pre<igurado na antigCidade/ quando das rela"8es entre (eus e o po:o de Israel. Os israelitas tinham sido escra:os no Egito; e o JEgitoJ > um dos símbolos deste mundo. +li se encontra:am em

Enriquecendo-se com a Bíblia S1 ser:id#o cruel/ passando todo o tempo a <a7er ti?olos para ,ara@. Eram incapa7es de libertar-se. Oas o 3enhor/ em seu grande poder/ os emancipou e os tirou da J<ornalha de <erroJ. Outro tanto <a7 Cristo em <a:or dos que -he pertencem. )amb>m interrompe o poder que o mundo tem de atrair seus cora"8es. )orna-os independentes do mundo/ de tal maneira que nem corte?am os seus <a:ores e nem temem as suas amea"as. Cristo deu-3e como sacri<ício pelos pecados de 3eu po:o a <im de que/ em conseqCência disso/ se?am eles libertados do poder condenat@rio e das in<luências dominadoras de todos os males que e.istem neste mundo: de 3atan6s/ que > o seu príncipe; das concupiscências que ali predominam; das con:ersas tolas dos mundanos. E o Espírito 3anto/ por habitar nos santos/ coopera com Cristo nessa obra bendita. Ele des:ia seus pensamentos e a<etos para longe das coisas terrenas/ para que se <i.em nas realidades celestiais. (e:ido K opera"#o de 3eu poder/ Ele os li:ra da in<luência desmorali7adora que os circunda/ amoldando-os aos padr8es celestiais. E K medida que o crente :ai crescendo na gra"a/ :ai reconhecendo esse <ato mais e mais/ agindo de con<ormidade com esse reconhecimento. E assim o crente busca liberta"#o ainda mais completa deste Jpresente mundo mauJ/ implorando a (eus que o li:re totalmente do mesmo. E assim/ aquilo que antes o atraía/ agora lhe causa n6useas. +nela pelo momento em que ser6 tirado deste palco terrestre/ onde o seu bendito 3enhor <oi t#o :ilmente desonrado. *. So"os beneficiados co" o uso da Pa!avra #uando nossos cora12es s)o des!i6ados do "undo. JQ#o ameis o mundo nem as cousas que h6 no mundo.J BI Po#o 0:%MD. JO que a pedra de trope"o > para o pedestre/ no caminho/ o que a carga > para o <undista e os ramos de <olhas para o p6ssaro em seu :=o/ assim tamb>m > o amor ao mundo para o crente/ em seu curso $ ou des:iando-lhe completamente a aten"#o desse curso/ porque o <ascina/

Enriquecendo-se com a Bíblia S% ou <or"ando-o a des:iar-se do mesmoJ BQathaniel ardy/ %II1D. + :erdade > que enquanto o cora"#o n#o <or e.purgado de suas corrup"8es/ o ou:ido ser6 surdo para com as instru"8es di:inas. Enquanto n#o <ormos ele:ados acima das coisas pertencentes ao tempo e aos sentidos <ísicos/ tamb>m n#o seremos le:ados a obedecer a (eus. +s :erdades celestiais escapam da mente carnal como a 6gua escorre de qualquer corpo es<>rico sobre o qual caia. O mundo :oltou as costas para Cristo; e embora o 3eu nome se?a pro<essado em muitíssimos lugares/ nada quer ter a :er com Ele. )odos os dese?os e desígnios dos indi:íduos mundanos :isam K satis<a"#o do pr@prio JeuJ. Aue esses al:os e inquiri"8es se?am t#o :ariados quanto o queiram tais homens/ o <ato > que o pr@prio JeuJ reina supremamente/ e tudo tem por escopo agradar ao pr@prio JeuJ. Ora/ os crentes se encontram no mundo/ n#o podendo sair dele; precisam :i:er o tempo que o 3enhor lhes determinou. E/ estando aqui/ têm de ganhar o pr@prio sustento e de cuidar de seus <amiliares/ al>m de darem a de:ida aten"#o Ks suas ati:idades pro<issionais. Qo entanto/ aos crentes > proibido amarem ao mundo/ porquanto este n#o pode torn6-los <eli7es. 3eu JtesouroJ e sua Jpor"#oJ se encontram algures. O mundo mostra-se atraente para cada instinto do homem decaído. Cont>m mil e um ob?etos que o encantam $ esses ob?etos atraem a sua aten"#o/ a aten"#o cria o dese?o e o amor por esses ob?etos/ e/ de maneira insensí:el mas segura/ :#o <a7endo impress8es cada :e7 mais pro<undas em seu cora"#o. O mundo e.erce a mesma in<luência <atal sobre todas as classes de homens. !or>m/ por mais sedutores e atraentes que se?am seus :ariados ob?etos/ todos os interesses e pra7eres do mundo têm por intuito promo:er a <elicidade somente nesta vida/ para isso estando adaptados $ pelo que tamb>m <oi <eita a indaga"#o: J!ois/ que apro:eitar6 o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua almaH J BOateus %I:0ID. Os crentes s#o ensinados pelo Espírito 3anto/ e atra:>s da apresenta"#o que Ele nos <a7 de Cristo/ K nossa alma/ os nossos pensamentos se des:iam para longe do mundo. )al como uma criancinha

Enriquecendo-se com a Bíblia S0 abandona um ob?eto su?o qualquer/ quando algo mais agrad6:el lhe > o<erecido/ assim tamb>m o cora"#o que se acha em comunh#o com (eus/ dir6: JConsidero tudo como perda/ por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Pesus meu 3enhor... e as considero como re<ugo/ para ganhar a CristoJ B,ilipenses F:SD. ,. :eneficia"o&nos da Pa!avra #uando anda"os separados do "undo. JQ#o compreendeis que a ami7ade do mundo > inimiga de (eusH +quele/ pois/ que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de (eusJ B)iago 2:2D. Um :ersículo como esse de:eria ser capa7 de sondarnos de um lado a outro/ <a7endo-nos estremecer. Como posso con<raterni7ar com aquilo ou buscar o meu pra7er naquilo que condenou o ,ilho de (eusH 3e por:entura eu :ier a assim <a7ê-lo/ de imediato serei identi<icado como um dos seus inimigos. Oh/ meu pre7ado leitor/ n#o se equi:oque quanto a esse particular. Est6 escrito: J3e algu>m amar o mundo/ o amor do !ai n#o est6 neleJ BI Po#o 0:%MD. (esde os dias antigos <oi dito acerca do po:o de (eus que eles seriam um J...po:o que habita s@...J BQ9meros 0F:&D. Q#o h6 que du:idar que a disparidade de car6ter e de conduta/ de dese?os e de al:os/ que distingue os regenerados dos n#o regenerados deve ser um <ator que os conser:a separados uns dos outros. Q@s/ que pro<essamos ser cidad#os de um outro mundo/ que nos reputamos orientados por outro Espírito/ que nos consideramos dirigidos por outra regra/ que nos imaginamos como quem :ia?a para outro país/ n#o podemos andar de bra"os dados com aqueles que desprezam essas realidadesL !or conseguinte/ que todas as coisas/ em n@s e ao nosso derredor/ e.ibam o car6ter de peregrinos crentes. 3empre seremos: J...homens de press6gio...J/ ou se?a/ de signi<icEncia B\acarias F:SD; e isso porque n#o nos amoldamos a este mundo B*omanos %0:0D.

Enriquecendo-se com a Bíblia SF -. Tira"os provei o da Pa!avra #uando desper a"os con ra n>s o >dio do "undo. Auanto es<or"o este mundo en:ida para sal:ar as aparências e para conser:ar um estado bom e decenteL 3uas con:en"8es e ci:ilidades/ suas cortesias e caridades/ s#o outros tantos arti<ícios que lhe emprestam certo ar de respeitabilidade. !or semelhante modo/ seus templos e catedrais/ seus sacerdotes e prelados s#o necess6rios para encobrir as corrup"8es que <er:ilham logo abai.o da super<ície. E/ como contrapeso/ o JcristianismoJ > acrescentado/ ao passo que o nome de Cristo > pro<erido com os l6bios por milhares e milhares de pessoas que nunca aceitaram o seu J?ugoJ. + respeito dessas pessoas/ declara o 3enhor (eus: JEste po:o honra-me com os l6bios/ mas o seu cora"#o est6 longe de mimJ BOat.%M:SD. E qual de:e ser a atitude de todos os :erdadeiros crentes em rela"#o a issoH + resposta/ dada pelas 3agradas Escrituras/ > per<eitamente clara: J,oge tamb>m destesJ BII )im@teo F:MD. J...retirai-:os do meio deles/ separai-:os/ di7 o 3enhor...J BII Coríntios I:%'D. E qual ser6 o resultado/ quando essas ordens bíblicas s#o atendidasH Ora/ > ent#o que pro:aremos o sabor da :eracidade daquelas pala:ras de Cristo: J3e :@s <=sseis do mundo/ o mundo amaria o que era seu; como/ toda:ia/ n#o sois do mundo/ pelo contr6rio dele :os escolhi/ por isso o mundo :os odeiaJ BPo#o %M:%&D. Aual JmundoJ est6 especi<icamente em <oco aquiH Aue o :ersículo pr>:io o responda: J3e o mundo :os odeia/ sabei que/ primeiro do que a :@s outros/ Oe odiou a mimJ BPo#o %M:%SD. Ora/ qual <oi o JmundoJ que odiou a Cristo e o condenou K morteH ,oi o mundo religioso/ aqueles que <ingiam ser os elementos mais 7elosos em prol da gl@ria de (eus. +ssim tamb>m acontece at> ho?e. Aue o crente :olte as costas para a cristandade que desonra a Cristo/ e os seus ad:ers6rios mais <ero7es e mais incans6:eis e inescrupulosos ser#o aqueles que se a<irmam crist#osL !or>m/ JBem-a:enturados sois quando/ por Oinha causa/ :os in?uriarem e :os perseguirem... *ego7i?ai-:os e e.ultai/ porque > grande o :osso galard#o nos c>us...J BOateus M:%%/%0D.

Enriquecendo-se com a Bíblia S2 +h/ meu pre7ado irm#o/ > um bom e claro sinal/ > marca segura de que :ocê est6 tirando pro:eito da !ala:ra de (eus/ quando o mundo dos religiosos passa a odi6-lo. Oas/ por outro lado/ se :ocê ainda go7a de boa reputa"#o nas Jigre?asJ ou Jassembl>iasJ/ isso > moti:o gra:e para temer que continua amando mais o lou:or dos homens do que a apro:a"#o di:inaL .. Tira"os provei o da Pa!avra #uando so"os e!evados aci"a do "undo. +ntes de tudo/ acima de seus costumes e de suas modas. Os indi:íduos mundanos s#o :erdadeiros escra:os dos h6bitos e estilos que pre:alecem em seus dias. Oas isso n#o acontece com aquele que anda com (eus $ pois a sua principal preocupa"#o > Jcon<ormar-se com a imagem do ,ilho de (eusJ. Em segundo lugar/ somos ele:ados acima dos cuidados e das tristezas do mundo. ,oi dito acerca dos antigos santos que eles aceita:am de bom grado o esp@lio de seus bens/ sabendo que nos c>us/ tinham J...patrim=nio superior e dur6:elJ B ebreus %1:F2D. Em terceiro lugar/ quando somos ele:ados acima das tentaç$es e.ercidas pelo mundo $ que atra"#o têm o brilho e o resplendor do mundo para aqueles que se deleitam no 3enhorH QenhumaL Em quarto lugar/ quando somos ele:ados acima de suas opini$es e aprovaç$es. Tocê ?6 aprendeu a ser independente e a desa<iar o mundoH 3e todo o seu cora"#o est6 resol:ido a agradar a (eus/ ent#o nunca se preocupar6 com a desapro:a"#o dos ímpios. Ora/ meu pre7ado leitor/ :ocê dese?a :erdadeiramente aquilatar-se de acordo com o conte9do desta mensagemH Ent#o procure dar respostas honestas Ks seguintes perguntas: !rimeiramente/ quais s#o os seus ob?eti:os/ na mente/ em períodos de recrea"#oH 3obre o que se ocupam os seus pensamentos/ antes de tudoH

Enriquecendo-se com a Bíblia SM Em segundo lugar/ quais s#o os ob?etos de sua pre<erênciaH Auando :ocê resol:e como passar uma tarde ou um domingo K tarde/ o que selecionaH Em terceiro lugar/ quais destas duas coisas :ocê mais lamenta: a perda de bens materiais/ ou a <alta de comunh#o com (eusH O que lhe causa maior pesar Bou en<adoD/ a derrocada dos seus planos ou a <rie7a de seu cora"#o para com CristoH Em quarto lugar/ qual > o seu t@pico <a:orito de con:ersa"#oH Tocê <ica debatendo sobre as no:idades do dia/ ou pre<ere encontrar-se com aqueles que <alam sobre +quele que > Jinteiramente am6:elJH Em quinto lugar/ as suas Jboas inten"8esJ passam a ser cumpridas/ ou elas s#o apenas sonhos :a7ios de determina"#oH Tocê est6 gastando mais tempo ou menos tempo do que antes/ de ?oelhosH + !ala:ra de (eus parece mais doce ao seu paladar/ ou sua alma perdeu o gosto para elaH

Enriquecendo-se com a Bíblia

SI

AS ESCRITURAS E AS PRO5ESSAS
+s promessas di:inas tornam conhecido o benepl6cito da :ontade de (eus relati:amente a 3eu po:o/ de que queria derramar sobre eles as rique7as de 3ua gra"a. Essas promessas s#o os testemunhos e.ternos do seu cora"#o/ o qual/ desde toda a eternidade os ama e determinou pre:iamente todas as coisas em <a:or deles e acerca deles. Qa pessoa e na obra reali7ada por 3eu ,ilho/ (eus estabeleceu uma pro:is#o todasu<iciente para a completa sal:a"#o deles/ tanto quanto ao tempo como quanto K eternidade. Com a <inalidade de que 3eus remidos ti:essem um conhecimento autêntico/ claro e espiritual/ dessa pro:is#o/ pareceu bem ao 3enhor apresent6-la dentro das grandes e preciosíssimas promessas que se encontram dispersas por todas as Escrituras 3agradas/ como outras tantas estrelas/ no glorioso <irmamento da gra"a di:ina. E/ atra:>s delas/ podem eles <icar certos da :ontade de (eus/ em Cristo Pesus/ a respeito deles/ abrigando-se em Cristo qual seu santu6rio/ para que/ por esse interm>dio/ go7em de real comunh#o com (eus/ em 3ua gra"a e miseric@rdia/ a todo o tempo/ sem importar quais se?am o seu caso e as suas circunstEncias. +s promessas di:inas s#o outras tantas declara"8es de que (eus nos propiciar6 algum bem ou remo:er6 algum mal. Qesse sentido/ elas tornam conhecido e mani<estam o amor de (eus a 3eu po:o/ da maneira mais aben"oada possí:el. 6 três passos :inculados ao amor de (eus: !rimeiro/ h6 o 3eu prop@sito íntimo de e.ercê-lo; por <im/ h6 a real e.ecu"#o desse prop@sito; mas/ entre uma e outra coisa h6 o desvendamento gracioso desse prop@sito aos 3eus bene<ici6rios. Enquanto o amor conser:ar-se oculto/ n#o poderemos ser consolados pelo mesmo. Ora/ (eus/ que > JamorJ/ n#o somente ama aos que -he pertencem/ e n#o somente mostrar6 plenamente o 3eu amor a eles/ no tempo de:ido/ mas tamb>m/ nesse ínterim/ conser:a-os informados acerca dos 3eus ben>:olos desígnios/ a <im de que possam descansar docemente em 3eu amor/ dependendo con<orta:elmente de

Enriquecendo-se com a Bíblia S' 3uas <irmes promessas. !or esse moti:o > que somos capacitados a di7er: JAue preciosos para mim/ 3EQ O*/ s#o os teus pensamentosL E como > grande a soma delesLJ B3almo %F&:%'D. Qa passagem de II !edro %:2/ as promessas di:inas s#o re<eridas como J...preciosas e mui grandes...J Con<orme 3purgeon salientou/ J...a grandiosidade e a preciosidade di<icilmente andam ?untas; mas/ no presente caso/ acham-se unidas de <orma admir6:elJ. Auando o 3enhor acha por bem abrir a 3ua boca/ re:elando 3eu cora"#o/ <6-lo de maneira digna de 3i mesmo/ com pala:ras de poder e rique7a superlati:os. Citando no:amente aquele amado pastor londrino: J!rocedem de um grande (eus/ dirigem-se a grandes pecadores/ operam em nosso <a:or grandes resultados/ e abordam grandes quest8esJ. E apesar de que o intelecto natural > capa7 de perceber muito dessa grande7a/ somente o cora"#o reno:ado pode sentir o gosto de suas ine<6:eis promessas/ di7endo/ ?untamente com (a:i: JAu#o doces s#o as tuas pala:ras ao meu paladarL mais do que o mel K minha bocaJ B3almo %%&:%1FD. 1. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando percebe"os a #ue" per ence" as pro"essas. Essas promessas <oram postas K disposi"#o e.clusi:amente daqueles que est#o em Cristo. J!orque quantas s#o as promessas de (eus tantas têm nele Bem Cristo PesusD o sim; porquanto tamb>m por ele > o am>m para gl@ria de (eus/ por nosso interm>dioJ BII Coríntios %:01D. Q#o pode ha:er qualquer relacionamento entre o (eus três :e7es santo e as criaturas pecaminosas/ a n#o ser atra:>s de um Oediador que tenha satis<eito a (eus em nosso <a:or. !or essa mesma ra7#o/ esse Oediador de:e receber/ da parte de (eus/ todas as bên"#os para 3eu po:o/ recebendo-as este das m#os desse Oediador. Um pecador/ se despre7a e re?eita a Cristo/ poderia implorar miseric@rdia de uma 6r:ore/ tanto quanto a implora de (eus $ e nada receberia. )anto as promessas como as bên"#os prometidas s#o entregues ao 3enhor Pesus e s#o transmitidas aos santos por interm>dio dEle. JE esta >

Enriquecendo-se com a Bíblia SS a Bprincipal e maiorD promessa que ele mesmo nos <e7/ a :ida eternaJ BI Po#o 0:0MD. E con<orme somos in<ormados/ nessa mesma epístola: Jesta :ida est6 no seu ,ilhoJ BI Po#o M:%%D. 3endo as coisas assim/ qual > o bene<ício que podem ter aqueles que n#o est#o em Cristo/ com base nessas promessasH Qenhum bene<ício. O indi:íduo <ora de Cristo tamb>m n#o des<ruta do <a:or di:ino; de <ato/ est6 debai.o de 3ua ?usta indigna"#o. 3ua por"#o s#o as amea"as di:inas/ e n#o as promessas de (eus. 3olene/ soleníssima considera"#o > aquela que di7 que aqueles que est#o Jsem CristoJ s#o J...separados da comunidade de Israel/ e estranhos Ks alian"as da promessa/ n#o tendo esperan"a/ e sem (eus no mundoJ BE<>sios 0:%0D. 3omente os <ilhos de (eus s#o igualmente J<ilhos da promessaJ B*om. &:SD. Certi<ique-se/ meu pre7ado leitor/ de que :ocê > um deles tamb>m. Au#o terrí:el/ pois/ > a cegueira/ e qu#o pro<undo > o pecado daqueles pregadores que aplicam indiscriminadamente as promessas di:inas a sal:os e perdidos igualmenteL Esses n#o somente tomam o Jp#o dos <ilhosJ e os lan"am aos Jc#esJ/ mas tamb>m adulteram J...a pala:ra de (eus...J BII Coríntios 2:0D/ al>m de enganarem a almas mortais. E aqueles que lhes d#o ou:idos s#o pouco menos culpados/ porquanto (eus reputa a todos respons6:eis por e.aminarem as Escrituras por si mesmos/ submetendo a teste tudo quanto lêem ou escutam/ atra:>s desse padr#o inso<ism6:el. 3e por:entura algu>m > por demais pregui"oso para <a7er tal e.ame/ pre<erindo seguir cegamente os seus guias cegos/ ent#o que o seu sangue recaia sobre suas pr@prias cabe"as. + :erdade tem de ser JcompradaJ B!ro:>rbios 0F:0FD/ e aqueles que n#o est#o dispostos a pagar o pre"o pela sua possess#o/ de:em <atalmente <icar sem ela. $. Tira"os provei o da Pa!avra #uando nos esfor1a"os por ornar nossas as pro"essas de Deus. !ara tanto de:emos/ antes de tudo/ estar dispostos ao trabalho de nos <amiliari7armos :erdadeiramente com essas promessas. N

Enriquecendo-se com a Bíblia S& surpreendente o grande n9mero de promessas e.istentes nas Escrituras/ acerca das quais os santos nada sabem/ sobretudo quando le:amos em conta que essas promessas s#o o tesouro peculiar dos remidos/ ?6 que a substEncia da heran"a da <> depende delas. N :erdade que os crentes ?6 s#o os bene<ici6rios de bên"#os admir6:eis; no entanto o capital de suas rique7as/ a parte principal de suas propriedades encontra-se ainda em estado latente. P6 receberam o JpenhorJ das promessas; mas a por"#o melhor daquilo que Cristo adquiriu para eles/ ?a7 ainda nas promessas di:inas. Au#o diligentes/ portanto/ de:eriam mostrar-se os crentes/ no estudo de seu testamento/ <amiliari7ando-se com aquelas coisas boas que o Espírito nos J...re:elou...J BI Coríntios 0:%1D/ pois assim procurariam <a7er o in:ent6rio de seus tesouros espirituaisL Q#o somente con:>m que eu pesquise as p6ginas da Bíblia para descobrir o que ?6 me <oi entregue/ de:ido ao pacto eterno; mas tamb>m preciso meditar sobre as promessas/ re:ol:endo-as sempre na minha mente e clamando ao 3enhor para que me se?a con<erido entendimento espiritual delas. Uma abelha n#o e.trai mel da <lor/ enquanto <ica somente a contempl6-la. !or igual modo/ o crente n#o deri:a qualquer consolo real e nem qualquer <or"a espiritual das promessas di:inas/ enquanto a sua <> n#o se apossa delas/ e enquanto elas n#o penetram em seu cora"#o. (eus n#o dei.ou qualquer promessa de que os desinteressados ser#o espiritualmente alimentados/ mas declarou: J...a alma dos diligentes se <artaJ B!ro:>rbios %F:2D. !or essa mesma ra7#o > que Cristo ensinou: J)rabalhai/ n#o pela comida que perece/ mas pela que subsiste para a :ida eternaJ BPo#o I:0'D. 3omente quando as promessas di:inas s#o entesouradas em nossas mentes > que o Espírito as tra7 K nossa mem@ria/ naquelas ocasi8es de desEnimo quando delas mais necessitarmos. '. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando recon0ece"os o bendi o escopo das pro"essas de Deus. J 6 certa <orma de a<eta"#o que impede alguns crentes de inquirirem pelas realidades religiosas/ como se a sua es<era esti:esse

Enriquecendo-se com a Bíblia &1 entre as tri:ialidades da :ida di6ria. !ara eles/ essas promessas parecem transcendentais/ sonhadoras; mais uma cria"#o da <ic"#o pia do que uma realidade palp6:el. Crêem em (eus de certo modo/ como tamb>m assim acreditam nas coisas espirituais e na :ida :indoura; mas andam totalmente esquecidos de que a :erdadeira piedade tem a promessa da :ida que agora >/ e daquela que ha:er6 no <uturo. !ara esses/ a ora"#o acerca das pequenas quest8es di6rias de que se comp8e a :ida/ seria quase uma pro<ana"#o. )al:e7 <icassem boquiabertos se eu me a:enturasse a sugerir que isso de:eria le:6-los a p=r em d9:ida a realidade de sua <>. 3e esta n#o pode a?ud6-los nas pequenas di<iculdades da :ida/ por:entura poder6 sustent6-los nas tribula"8es maiores da morteH J+ piedade para tudo > pro:eitosa/ porque tem a promessa da :ida que agora > e da que h6 de serJ BI )im@teo 2:SD. !re7ado leitor/ :ocê realmente crê que as promessas de (eus en:ol:em cada aspecto e particularidade de sua :ida di6riaH Ou os JdispensacionalistasJ conseguiram iludi-lo/ le:ando-o a supor que o +ntigo )estamento pertence e.clusi:amente aos ?udeus carnais/ e que as Jnossas promessasJ di7em respeito a bên"#os espirituais/ mas n#o materiaisH Auantos e quantos crentes têm deri:ado consolo das pala:ras que di7em: J(e maneira alguma te dei.arei/ nunca ?amais te abandonareiJ B eb. %F:MD. !ois bem/ essa > uma cita"#o e.traída do trecho de Posu> %:ML !or semelhante modo/ a passagem de II Coríntios ':% <ala em termos de J...tais promessas...J Oas uma delas/ citada em II Coríntios I:%S/ <oi tirada do li:ro de -e:íticoL Oas algu>m poderia indagar: JOnde de:o tra"ar a linha di:is@riaH Auais das promessas do +ntigo )estamento realmente me pertencemHJ *espondemos com a declara"#o do trecho de 3almos S2:%%: JO 3enhor d6 gra"a e gl@ria; nenhum bem sonega aos que andam retamenteJ. 3e :ocê realmente est6 andando em Jretid#oJ/ ent#o tem o direito de apropriar-se dessa bendita promessa/ dependendo do 3enhor/ o qual lhe con<erir6 qualquer Jcoisa boaJ de que :ocê realmente precisar. JE o meu (eus/ segundo a 3ua rique7a em gl@ria/ h6 de suprir em Cristo Pesus/

Enriquecendo-se com a Bíblia &% cada uma de :ossas necessidadesJ B,ilipenses 2:%&D. !or conseguinte/ se em qualquer segmento da Bíblia h6 alguma promessa que se encai.a K situa"#o e Ks circunstEncias presentes do pre7ado leitor/ que se aposse dela pela <>/ segundo a sua JnecessidadeJ. E que o pre7ado leitor resista <irmemente a qualquer tentati:a de 3atan6s de <urtar-lhe qualquer por"#o da !ala:ra do !ai. *. :eneficia"o&nos rea!"en e da Pa!avra #uando discri"ina"os acer ada"en e en re as pro"essas de Deus. Ouitos/ dentre o po:o de (eus/ tornam-se culpados do pecado de <urto espiritual. +o assim di7ermos/ re<erimo-nos ao <ato de que esses se apropriam de coisas a que n#o têm direito/ porquanto pertencem a outrem. J+lguns termos do pacto/ estabelecidos entre o 3enhor Pesus Cristo e 3eus eleitos remidos/ s#o inteiramente incondicionais naquilo que concerne a estes 9ltimos; mas e.istem muitas outras ricas declara"8es do 3enhor que contêm estipula"8es que de:em ser ciosamente resguardadas/ pois/ de outro modo/ n#o obteremos as bên"#os ali prometidas. Uma parte das pesquisas diligentes que :ocê <a7 de:e :isar a esse importantíssimo ponto. (eus ha:er6 de cumprir no seu caso as promessas que <e7; t#o-somente :ocê de:e obser:ar 7elosamente as condi"8es estipuladas no pacto. !ois somente quando cumprimos as e.igências de uma promessa condicional > que podemos esperar que aquela promessa se?a concreti7ada para n@sJ. BC. . 3purgeonD. Ouitas das promessas di:inas se dirigem a caracteres particulares/ ou/ usando de uma linguagem mais correta/ :isam ao derramamento de gra"as particulares. !or e.emplo/ em 3almos 0M:&/ o 3enhor declara que ele JWuia os humildes na ?usti"a/ e ensina aos mansos o seu caminhoJ. !or>m/ se por acaso eu esti:er <ora de comunh#o com Ele/ e esti:er palmilhando uma :ereda de minha pr@pria escolha teimosa/ se meu cora"#o <or alti:o/ ent#o n#o estarei com a ra7#o ao pensar que esse citado :ersículo pode consolar-me.

Enriquecendo-se com a Bíblia &0 Qo:amente/ na passagem de Po#o %M:'/ o 3enhor nos ensina como segue: J3e permanecerdes em mim e as minhas pala:ras permanecerem em :@s/ pedireis o que quiserdes/ e :os ser6 <eitoJ. !or>m/ se eu n#o go7o de comunh#o e.perimental com o 3enhor/ e se os 3eus preceitos n#o est#o regulamentando a minha conduta/ ent#o minhas ora"8es <icar#o sem resposta. !ois/ apesar do <ato de que as promessas de (eus se deri:am de 3ua pura gra"a/ contudo/ nunca nos de:eríamos ol:idar que a gra"a reina J...pela ?usti"a...J/ segundo se lê em *omanos M:0%/ ?amais <icando eliminada a <aceta da responsabilidade humana. 3e por:entura eu ignorar as leis da sa9de/ n#o poderei <icar surpreendido se as en<ermidades me impedirem de des<rutar de muitas das miseric@rdias temporais de (eus; e/ por semelhante modo/ se eu esti:er negligenciando aos preceitos di:inos/ terei de culpar somente a mim mesmo/ se por:entura n#o receber o cumprimento de muitas das promessas do 3enhor. Aue ningu>m suponha que/ de:ido Ks 3uas promessas/ (eus se obrigou a ignorar as e.igências de sua santidade/ porquanto Ele ?amais e.erceu qualquer de 3uas per<ei"8es Ks e.pensas de outra. E que ningu>m imagine/ por semelhante modo/ que (eus ha:eria de magni<icar a obra e.piat@ria do Cal:6rio se por:entura proporcionasse de seus <rutos a almas impenitentes e descuidadas. Qeste ponto/ h6 certo equil%brio da :erdade que precisa ser preser:ado; in<eli7mente/ esse equilíbrio/ nestes nossos dias/ com <reqCência > ol:idado/ e isso sob a pretens#o de e.altar a gra"a di:ina/ que assim os homens/ na realidade/ tornam em Jlascí:iaJ. Com quanta <reqCência se ou:e a seguinte cita"#o: JIn:oca-me no dia da ang9stia: eu te li:rarei/ e tu me glori<icar6sJ B3almos M1:%MD. Oas esse :ersículo come"a somente depois das pala:ras antecedentes. JCumpre os teus :otos para com o +ltíssimo.J +ssim tamb>m/ com grande <reqCência se ou:e repetir: J3ob as minhas :istas/ te darei conselhoJ B3almos F0:SD. Oas isso > dito por pessoas que n#o d#o a mínima aten"#o ao conte.to dessa passagemL Contudo/ temos aqui a

Enriquecendo-se com a Bíblia &F promessa de (eus para aqueles que ti:erem con<essado a sua JiniqCidadeJ B:er 3almos F0:MD. +ssim sendo/ se :ocê ti:er dei.ado de con<essar algum pecado que lhe pesa sobre a consciência/ dependendo do bra"o da carne ou buscando a?uda da parte de seus semelhantes/ ao in:>s de esperar somente em (eus B3almo I0:MD/ ent#o n#o ter6 qualquer direito de esperar pela orienta"#o sob as :istas de (eus. Esta orienta"#o di:ina necessariamente pressup8e que :ocê estar6 andando em comunh#o com Ele/ ?6 que n#o posso estar sob a :igilEncia de algu>m se estou distante desse algu>m. ,. Tira"os provei o da Pa!avra #uando so"os capaci ados de fa%er das pro"essas de Deus nosso apoio e arri"o. Essa > uma das ra78es que e.plicam por que (eus nos deu as 3uas promessas $ n#o somente a <im de mani<estar o 3eu amor/ tornando-nos conhecidos os 3eus ben>:olos desígnios/ mas tamb>m a <im de consolar nossos cora"8es e desen:ol:er a nossa <>. 3e (eus assim ti:esse querido/ poderia proporcionar-nos as 3uas bên"#os sem a:isar-nos de antem#o acerca dos 3eus prop@sitos. O 3enhor poderia con<erir-nos todas as miseric@rdias de que necessitamos/ sem comprometer-3e de <orma alguma a <a7ê-lo. Qesse caso/ entretanto/ n#o poderíamos ser crentes; pois a <> sem qualquer promessa seria como um p> sem ch#o onde pisar. Qosso terno !ai celestial plane?ou que des<rut6ssemos por duas :e7es em seguida de 3uas bên"#os $ primeiramente/ atra:>s da <>; e ent#o pelo recebimento concreti7ado das promessas <eitas. !or esses meios Ele/ mui sabiamente/ desliga os nossos cora"8es daquelas coisas que :emos e que perecem/ con:ocando-nos para olhar para a <rente e para o alto/ isto >/ para aquelas realidades espirituais e eternas. +l>m disso/ se n#o hou:esse nenhuma promessa/ n#o somente seria ine.istente a <>/ mas tamb>m n#o ha:eria esperan"a. !ois/ do que consiste a esperan"a sen#o da expectação daquelas coisas que (eus declarou que nos dariaH + <> olha para a !ala:ra que <a7 a promessa; e a esperan"a espera a concreti7a"#o da promessa. +ssim tamb>m sucedeu

Enriquecendo-se com a Bíblia &2 no caso de +bra#o: GG...esperando contra a esperan"a/ creu... E/ sem en<raquecer na <>/ embora le:asse em conta o seu pr@prio corpo amortecido/ sendo ?6 de cem anos/ e a idade a:an"ada de 3ara/ n#o du:idou da promessa de (eus.J B*omanos 2:%S-01D. Outro tanto aconteceu na :ida de Oois>s: J...porquanto considerou o opr@brio de Cristo por maiores rique7as do que os tesouros do Egito/ porque contempla:a o galard#oJ B ebreus %%:0ID. E a mesma atitude sustentou o ap@stolo !aulo: J...pois eu con<io em (eus/ que suceder6 do modo por que me <oi ditoJ B+tos 0':0MD. +ssim tamb>m acontece em seu caso/ pre7ado leitorH +s promessas d+quele que n#o pode mentir s#o o lugar de descanso de seu pobre cora"#oH -. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando espera"os co" paci4ncia pe!o cu"pri"en o das pro"essas de Deus. (eus prometeu K +bra#o um <ilho; mas +bra#o te:e de esperar por muitos anos/ at> que essa promessa ti:esse cumprimento. 3ime#o recebeu a promessa de que n#o pro:aria a morte <ísica enquanto n#o :isse ao Ungido do 3enhor B-ucas 0:0ID. Contudo/ essa promessa s@ se cumpriu quando ele ?6 esta:a praticamente com um dos p>s no sepulcro. Weralmente ocorre um longo e di<ícil in:erno entre o tempo da semeadura da ora"#o e a colheita da resposta. O pr@prio 3enhor Pesus ainda n#o recebeu plena resposta para a ora"#o que <e7/ e que se acha registrada no %'o capítulo do e:angelho de Po#o/ embora a tenha <eito h6 quase 0111 anos. Ouitas das melhores promessas di:inas para o 3eu po:o n#o receber#o 3ua mais rica reali7a"#o enquanto n#o 3e acharem os remidos ?6 na gl@ria. +quele que tem a eternidade inteira K 3ua disposi"#o/ n#o precisa de pressa. Com <reqCência (eus nos <a7 esperar/ a <im de que a paciência se?a Japer<ei"oadaJ; n#o de:emos/ pois/ descon<iar dEle. J!orque a :is#o ainda est6 para cumprir-se no tempo determinado/ mas se apressa para o <im/ e n#o <alhar6; se tardar/ espera-o/ porque certamente :ir6/ n#o tardar6J B abacuque 0:FD.

Enriquecendo-se com a Bíblia &M J)odos estes morreram na <>/ sem ter obtido as promessas/ :endo-as por>m/ de longe/ e saudando-as/ e con<essando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terraJ B ebreus %%:%FD. Qeste :ersículo podemos perceber o escopo inteiro da <> $ conhecimento/ con<ian"a e aderência amorosa. +s pala:ras J...de longe...J se re<erem Ks realidades prometidas; essas os santos antigos J:iramJ com a mente/ discernindo a substEncia e.istente por detr6s da sombra simb@lica/ descobrindo nesta 9ltima a sabedoria e a bondade de (eus. E tamb>m JsaudaramJ Ks promessas porque esta:am JpersuadidosJ a seu respeito. Q#o du:idaram/ mas antes/ <icaram con:ictos de que ha:eriam de participar daquelas promessas/ sabendo que n#o <icariam desapontados. Essa pala:ra tamb>m e.pressa o deleite e a :enera"#o que ti:eram/ em que seus cora"8es se a<erraram Ks promessas com amor/ saudando cordialmente Ks mesmas. +s promessas <oram o consolo e o arrimo daquelas almas crentes/ em suas peregrina"8es/ tenta"8es e so<rimentos. T6rias <inalidades s#o alcan"adas por (eus quando 3e demora na e.ecu"#o de 3uas promessas. Q#o somente a nossa <> > submetida a grande teste/ de <orma que assim transparece mais claramente o seu car6ter genuíno; n#o somente a paciência ou constEncia se desen:ol:e e K esperan"a > con<erida a oportunidade de e.ercitar-se; mas tamb>m a submiss#o K :ontade di:ina > <omentada. JO processo de desligamento ainda n#o se cumpriu por essa altura: ainda alme?amos pelos consolos que o 3enhor dese?a que ultrapassemos. +bra#o muito <este?ou quando Isaque/ seu <ilho/ <oi desmamado; e tal:e7 nosso !ai celestial <a7 outro tanto conosco. (eita-te/ cora"#o orgulhoso. +bandona os teus ídolos; esquece-te dos teus <eitos queridos; e a pa7 prometida te ser6 con<eridaJ. BC. . 3purgeonD. .. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando nos u i!i%a"os corre a"en e de suas pro"essas. Em primeiro lugar/ em nosso relacionamento com o pr@prio (eus. Auando nos a:i7inhamos de 3eu trono/ isso de:eria ser <eito para

Enriquecendo-se com a Bíblia &I pleitearmos alguma de 3uas promessas. Elas <ormam n#o apenas o alicerce de nossa <>/ mas tamb>m a substEncia dos nossos pedidos. !recisamos <a7er nossas peti"8es de con<ormidade com a :ontade de (eus/ se quisermos ser ou:idos; e a :ontade do 3enhor acha-se re:elada naquelas boas coisas que Ele declarou que h6 de nos dar. !ortanto/ compete-nos tomar posse das certe7as que Ele nos con<ere/ e.pondo-as perante Ele e di7endo: J,a7e como <alasteJ BII 3amuel ':0MD. Obser:amos como Pac@ pleiteou certa promessa/ no trecho de Wênesis F0:%0; como Oois>s/ o <e7/ na narrati:a bíblica de R.odo F0:%F; como (a:i agiu/ segundo se lê em 3almo %%&:MS; e como <e7 3alom#o/ con<orme se aprende em I *eis S:0M. Auanto a :ocê/ pre7ado leitor/ a?a por semelhante modo. Em segundo lugar/ utili7amo-nos corretamente das promessas de (eus segundo a <orma de :ida que :i:ermos neste mundo. Qa passagem de ebreus %%:%F/ lemos que os patriarcas n#o somente discerniram as promessas di:inas/ con<iando nelas e saudando-as de longe/ mas tamb>m somos in<ormados acerca dos efeitos que essas promessas produ7iram sobre eles: J...con<essando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terraJ/ o que signi<ica que se mani<estaram publicamente acerca de sua <>. *econheceram eles Be demonstraram-no atra:>s de sua condutaD que os seus interesses n#o esta:am <i.ados nas coisas deste mundo; antes/ sua por"#o satis<at@ria eram as promessas de que se tinham apropriado pela <>. 3eus cora"8es se :olta:am para as realidades celestes; pois/ onde esti:er <irmado o cora"#o de um homem/ aí estar6 igualmente o seu tesouro. J)endo/ pois/ @ amados/ tais promessas/ puri<iquemo-nos de toda impure7a/ tanto da carne/ como do espírito/ aper<ei"oando a nossa santidade no temor do 3enhor.GG BII Coríntios ':%D. Esse > o e<eito que essas promessas de:em produ7ir em n@s; e assim suceder6/ de fato/ se nossa <> apossar-se delas. J...pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas para que por elas :os tomeis coparticipantes da nature7a di:ina/ li:rando-:os da corrup"#o das pai.8es

Enriquecendo-se com a Bíblia &' que h6 no mundoJ BII !edro %:2D. Ora/ quando o e:angelho e suas preciosas promessas s#o graciosamente con<eridos e poderosamente aplicados/ e.ercem pro<unda in<luência sobre a conduta e sobre a pure7a de cora"#o/ ensinando os homens a negarem a impiedade e as concupiscências mundanas/ a <im de que :i:am s@bria/ ?usta e piedosamente. Estes s#o os poderosíssimos e<eitos das promessas contidas no e:angelho/ debai.o da in<luência di:ina/ o que le:a os remidos a se tomarem participantes/ no íntimo/ da pr@pria nature7a di:ina/ e para que/ e.ternamente/ se abstenham das corrup"8es pre:alecentes e e:item os :ícios que caracteri7am os homens em seus dias.

Enriquecendo-se com a Bíblia

&S

AS ESCRITURAS E A ADEARIA
Os ímpios :i:em na busca incessante da alegria/ mas sem nunca a encontrarem: ocupam-se e e.aurem-se em sua procura/ mas tudo em :#o. Tisto que os seus cora"8es se a<astaram decididamente do 3enhor/ olham para este mundo em busca de alegria/ ainda que aqui ela n#o e.ista; re?eitando a substEncia/ correm diligentemente ap@s as suas sombras/ somente para serem escarnecidos por elas. ,a7 parte dos decretos soberanos dos c>us que coisa alguma pode tornar <eli7es aos pecadores/ sen#o (eus/ na pessoa de Pesus Cristo. Oas > e.atamente nisso que os incr>dulos n#o crêem/ pelo que tamb>m :#o de criatura a criatura/ de uma cisterna rota para outra/ perguntando onde se pode encontrar a melhor alegria. Cada coisa terrena que os atrai/ promete-lhes: J+ alegria s@ pode ser achada em mimJ. Oas logo <icam desapontados. Q#o obstante/ n#o cessam de procurar a alegria/ ho?e/ naquilo que ontem os tinha enganado. 3e/ ap@s muitas tentati:as eles descobrem a <utilidade de um con<orto promissor/ :oltam-se para outro qualquer/ dando-se com eles o que disse o 3enhor Pesus: JAuem beber desta 6gua tornar6 a ter sedeJ BPo#o 2:%FD. Toltando-nos agora para o outro e.tremo: 6 certos crentes que imaginam que rego7i?ar-se > um pecado. Q#o du:ido que muitos de :ocês se surpreender#o ao ou:ir o que diremos agora; mas que esses se mostrem gratos ao 3enhor por terem sido espiritualmente criados em um ambiente mais ensolarado/ suportando tolerantemente aqueles que <oram menos <a:orecidos. +lguns crentes têm sido ensinados $ principalmente pela <or"a do e.emplo/ ou como um subentendido/ e n#o por ensinamento direto $ que o seu de:er > :i:erem na melancolia. Esses imaginam que os sentimentos de alegria s#o produ7idos pelo diabo/ que se dis<ar"ada em an?o de lu7. Concluem eles que a <elicidade/ em um mundo de pecado/ como aquele em que :i:emos/ > praticamente uma esp>cie de iniqCidade. Pulgam ser uma presun"#o se rego7i?arem no conhecimento do <ato de que os seus pecados <oram perdoados; e se

Enriquecendo-se com a Bíblia && por:entura :êem no:os con:ertidos se rego7i?ando no 3enhor/ n#o se demoram a di7er-lhes que em bre:e estar#o <lutuando no !o"o do (esEnimo. + todos quantos concebem tais pensamentos/ e.ortamos/ sob ora"#o/ que ponderem sobre o assunto durante os minutos seguintes. J*ego7i?ai-:os sempreJ BI )essalonicenses M:%ID. 3em d9:ida n#o pode ser inseguro <a7er aquilo que (eus nos ordenou. O 3enhor nunca estabeleceu qualquer embargo contra a alegria. Q#o/ mas > 3atan6s quem se es<or"a por <a7er-nos dependurar as nossas harpas. Q#o e.iste qualquer preceito nas Escrituras que nos ordene: JEntristecei-:os no 3enhor sempre: uma :e7 mais o digo/ entristecei-:osJ. !elo contr6rio/ h6 uma e.orta"#o :a7ada nos seguintes termos: JE.ultai/ @ ?ustos/ no 3EQ O*L +os retos <ica bem lou:6--oJ B3almos FF:%D. !re7ado leitor/ se :ocê > um crente :erdadeiro Be ?6 > tempo de :ocê submeter-se ao teste das Escrituras/ certi<icando-se sobre esse particularD/ ent#o Cristo lhe pertence/ e tudo quanto se acha nEle tamb>m > seu. Ele lhe ordena: JComei e bebei/ amigos; bebei fartamente/ @ amadosJ BCantares M:%D. O 9nico pecado que algu>m pode cometer contra o banquete de amor do 3enhor > <icar encolhido a um canto. JOu:i-me atentamente/ comei o que > bom/ e :os deleitareis com <inos man?aresJ BIsaías MM:0D. E essas pala:ras n#o <oram ditas para aqueles que ?6 se encontram nos c>us/ e/ sim/ para os santos que ainda :i:em K <ace da terra. E isso permite-nos di7er que: 1. Tira"os provei o rea! da Pa!avra #uando percebe"os #ue a a!e6ria < u" dever. J+legrai-:os sempre no 3enhor; outra :e7 digo/ alegrai-:osJ B,ilipenses 2:2D. O Espírito 3anto/ neste ponto/ <ala acerca da alegria como um de:er pessoal/ presente e permanente/ para todos quantos <a7em parte do po:o de (eus. O 3enhor n#o dei.ou a nosso bel-pra7er estar alegres ou estar tristes/ mas antes/ estabeleceu que a <elicidade > um de:er para n@s. Q#o rego7i?ar-se > um pecado de omiss#o. (a pr@.ima :e7 que :ocê se encontrar com um crente que transborda de alegria/ n#o

Enriquecendo-se com a Bíblia %11 o repreenda; ao in:>s de p=r em d9:ida a <onte di:ina de seu ?9bilo/ ?ulgue a si mesmo de:ido ao seu estado de desEnimo. Qaturalmente que n#o de:emos pensar aqui em alguma alegria carnal/ isto >/ uma alegria que tem origem em quest8es carnais. N in9til algu>m buscar a alegria nas rique7as terrenas/ porquanto/ com <reqCência/ adquirem asas e se :#o embora. Outros procuram des<rutar alegria em seu círculo <amiliar; mas este permanece completo apenas por alguns anos/ quando muito. !or isso mesmo/ se nos de:emos alegrar JsempreJ/ nossa alegria de:er6 estar <irmada em ob?etos que perduram para sempre. !or semelhante modo/ n#o de:emos pensar aqui em alguma alegria <an6tica. E.istem certas pessoas/ dotadas de nature7a muito emoti:a/ que s@ se sentem <eli7es quando est#o meio des:airadas; mas terrí:el > a rea"#o. Q#o/ aludimos aqui a um deleite inteligente/ constante/ pro:eniente do cora"#o/ <irmado no pr@prio (eus. Cada atributo di:ino/ quando > contemplado pelos olhos da <>/ <a7 o cora"#o remido entoar lou:ores. Cada doutrina do e:angelho/ quando > :erdadeiramente apreendida/ pro:oca satis<a"#o e lou:or. + alegria > mesmo um de:er crist#o. )al:e7 :ocê/ por esta altura/ este?a prestes a e.clamar: JOas minhas emo"8es de alegria e de triste7a n#o est#o sob o meu controle; n#o posso e:itar de <icar triste ou alegre/ con<orme o ditarem as circunstEnciasJ. !or>m/ repetimos: +legrar-se no 3enhor > um mandamento di:ino; e a obediência a Ele depende em grande parte de n@s mesmos. )enho a responsabilidade de controlar as minhas pr@prias emo"8es. Qaturalmente que n#o poderei e:itar <icar triste na presen"a de pensamentos entristecedores/ mas poderei recusarme a permitir que minha mente se demore nos mesmos. !oderei derramar meu cora"#o diante do 3enhor/ pedindo alí:io/ lan"ando sobre Ele os meus <ardos. !osso buscar a gra"a para meditar acerca da 3ua bondade/ de 3uas promessas e do glorioso <uturo que me aguarda. !reciso decidir se prosseguirei e me postarei de p> sob a lu7/ ou se me ocultarei entre as sombras. Q#o rego7i?ar-se no 3enhor > muito mais

Enriquecendo-se com a Bíblia %1% do que um in<ort9nio; > um pecado que precisa ser con<essado e abandonado. $. Tira"os provei o rea! da Pa!avra #uando aprende"os o se6redo da verdadeira a!e6ria. Esse segredo nos > re:elado em % Po#o %:F/2; JOra/ a nossa comunh#o > com o !ai e com seu ,ilho Pesus Cristo. Estas cousas/ pois/ :os escre:emos para que a :ossa alegria se?a completaJ. Auando consideramos qu#o pequena Bín<imaD > a nossa comunh#o com (eus/ qu#o super<icial > ela/ n#o > para admirar que tantos crentes se sintam comparati:amente destituídos de alegria. +lgumas :e7es cantamos: JOhL (ia alegre/ eu abracei Pesus e nEle a sal:a"#o; O go7o deste cora"#o eu mais e mais publicareiJ. 3im/ mas se por:entura essa <elicidade ti:er de ser mantida continuamente/ que a mente e o cora"#o se ocupem de Cristo. 3omente onde impera a <>/ e o amor conseqCente/ > que pode transbordar a alegria. J+legrai-:os sempre no SenhorJ B,ilipenses 2.2D. Q#o h6 outro ob?eto no qual nos possamos rego7i?ar JsempreJ. )udo o mais :aria e > inconstante. +quilo que nos agrada no dia de ho?e pode pro:ocar-nos asco amanh#. Oas o 3enhor > sempre o mesmo/ podendo Ele ser moti:o da nossa alegria nos períodos de ad:ersidade/ tanto quanto nos períodos de prosperidade. Como re<or"o desse pensamento/ declara o :ersículo imediato: J3e?a a :ossa modera"#o conhecida de todos os homens. !erto est6 o 3enhorJ B,ilipenses 2:MD. Aue se?amos equilibrados em todas as coisas e.ternas; n#o nos dei.emos en:ol:er arrebatadamente por elas/ quando <orem muito agrad6:eis/ e nem nos perturbemos quando elas nos derem moti:o de desgosto. Q#o nos dei.emos e.altar quando o mundo nos sorri/ e nem <iquemos descoro"oados quando parece que o mundo ralha conosco. Oantenhamos uma est@ica indi<eren"a para com os con<ortos e.ternos $ por que ra7#o <icaríamos t#o ocupados com essas coisas/ quando o próprio Senhor est6 Jpr@.imoJH

Enriquecendo-se com a Bíblia %10 3e por:entura somos :iolentamente perseguidos/ se as nossas perdas temporais s#o pesadas/ consideremos que o 3enhor > Jsocorro bem presente nas tribula"8esJ B3almos 2I:%D $ sempre pronto a dar-nos 3eu apoio e socorro/ contanto que nos abriguemos em 3eus bra"os. Ele cuidar6 de n@s de modo que n#o nos permitir6 andar Jansiosos de cousa algumaJ B,ilipenses 2:ID. Os indi:íduos mundanos :i:em sobrecarregados de cuidados os mais e.igentes; mas essa n#o de:eria ser ?amais a atitude dos crentes. J)enho-:os dito estas cousas para que o meu go7o este?a em :@s/ e o :osso go7o se?a completoJ BPo#o %M:%%D. Auando ponderamos sobre essas preciosas pala:ras de Cristo com a mente/ e as entesouramos no cora"#o/ > impossí:el que n#o produ7am em n@s a alegria. O cora"#o alegre se <irma no conhecimento crescente da :erdade e em am6-la/ con<orme a :erdade se acha em Pesus. J+chadas as tuas pala:ras/ logo as comi; as tuas pala:ras me <oram go7o e alegria para o cora"#oJ BPeremias %M:%ID. 3im/ > quando nos alimentamos e banqueteamos com as pala:ras do 3enhor que nossa alma se <ortalece/ e ent#o somos impelidos a cantar e a <a7er melodia em nossos cora"8es/ lou:ando ao 3enhor. JEnt#o irei ao altar de (eus/ de (eus que > a minha grande alegriaJ B3almos 2F:2D. Con<orme 3purgeon disse com grande aptid#o: JCom que e.ulta"#o os crentes de:em apro.imar-se de Cristo/ o qual > o antítipo do altarL Uma lu7 mais clara de:eria intensi<icar-nos o dese?o. O salmista n#o se importa:a com o altar como tal/ porquanto n#o cria no paganismo dos rituais $ mas a sua alma dese?a:a comunh#o espiritual/ comunh#o com o pr@prio (eus/ na :erdade. (e que :aleriam todos os ritos de adora"#o/ se (eus n#o esti:esse nelesH O que seriam/ realmente/ sen#o conchas :a7ias e ressequidas cascasH Qotemos o santo arrebatamento com que (a:i considera o seu 3enhorL (eus n#o era apenas a sua alegria/ mas tamb>m a sua grande alegria: n#o era apenas a <onte da alegria/ o doador da alegria ou o mantenedor da alegria/ mas antes/ era a própria alegria. + margem das tradu"8es inglesas di7: Jo rego7i?o de

Enriquecendo-se com a Bíblia %1F minha alegriaJ/ isto >/ a alma/ a essência/ as pr@prias entranhas da minha alegria. J+inda que a <igueira n#o <loresce/ nem h6 <ruto na :ide; o produto da oli:eira mente/ e os campos n#o produ7em mantimento; as o:elhas <oram arrebatadas do aprisco e nos currais n#o h6 gado/ toda:ia eu me alegro no 3EQ O*/ e.ulto no (eus da minha sal:a"#oJ B abacuque F:%'/%SD. Ora/ isso > algo acerca do que os indi:íduos mundanos nada conhecem/ em absoluto; mas/ in<eli7mente/ tamb>m > uma e.periência desconhecida para muitos crentes pro<essosL N em (eus que se origina a <onte da alegria espiritual e eterna; pois dEle > que tudo <lui. Isso <oi reconhecido pela antiga congrega"#o ?udaica/ quando <oi dito: J)odas as minhas <ontes s#o em )iJ B3almos S':'D. '. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando a!i nos < ensinado #ua! o 6rande va!or da a!e6ria. !ara a alma/ a alegria > o que as asas s#o para um passarinho/ capacitando-nos a subir bem acima das coisas deste mundo. Isso <ica claramente destacado em Qeemias S:%1/ onde se lê: J+ alegria do 3enhor > a :ossa <or"aJ. Os dias de Qeemias assinalaram um ponto crucial na hist@ria do po:o de Israel. (a Babil=nia retornara um remanescente ?udeu para a !alestina. + lei/ que desde h6 muito :inha sendo ignorada pelos cati:os/ agora esta:a sendo no:amente estabelecida como a norma da comunidade recentemente <undada. Eles tinham se lembrado dos muitíssimos pecados cometidos no passado/ e as l6grimas muito naturalmente se tinham misturado com as a"8es de gra"as/ de:ido ao <ato de que agora eles eram no:amente uma na"#o/ dotados da adora"#o di:ina e da lei di:ina entre eles. E o líder da no:a na"#o/ conhecendo per<eitamente bem que se o espírito do po:o come"asse a hesitar n#o poderia en<rentar e dominar as di<iculdades de sua posi"#o/ disse-lhe: JEste dia > consagrado ao nosso 3enhor; portanto n#o :os entriste"ais/ porque a alegria do 3enhor > a :ossa <or"aJ BQeemias S: l1D.

Enriquecendo-se com a Bíblia %12 + con<iss#o de pecado e a lamenta"#o por ele têm o seu de:ido lugar; e a comunh#o com (eus n#o pode ser mantida sem esses elementos. Q#o obstante/ quando o :erdadeiro arrependimento > e.ercido e as coisas s#o corrigidas de<ronte de (eus/ precisamos ol:idar as coisas que para tr6s <icam/ Ja:an"ando para as que diante de mim est#oJ B,ilipenses F:%FD. E s@ podemos a:an"ar com alacridade quando os nossos cora"8es est#o cheios de alegria. Au#o pesados os passos daquele que se apro.ima do lugar onde ?a7/ <rio na morte/ um ente amadoL Au#o en>rgicos os seus mo:imentos/ por>m/ quando ele :ai ao encontro de sua noi:aL + lamenta"#o n#o basta para as batalhas desta :ida. 3empre que surge o desespero/ n#o h6 mais o poder da obediência. 3c n#o hou:er alegria/ tamb>m n#o poder6 ha:er adora"#o. Oeu pre7ado leitor/ h6 tare<as que precisam ser reali7adas/ ser:i"os ao pr@.imo que precisam ser cumpridos/ tenta"8es a ser :encidas/ batalhas a ser combatidas; e s@ estamos e.perimentalmente aptos para essas coisas quando os nossos cora"8es se rego7i?am no 3enhor. 3e nossas almas esti:erem descansando em Cristo/ se nossos cora"8es esti:erem repletos de tranqCila alegria/ ent#o o nosso trabalho ser6 <6cil/ nossos de:eres nos parecer#o agrad6:eis/ as triste7as nos parecer#o suport6:eis e a constEncia ser6 possí:el. Qem a mem@ria contrita dos <racassos do passado e nem resolu"8es :eementes nos <ar#o a:an"ar. 3e o bra"o ti:er de <erir com :igor/ > preciso que <ira sob as ordens de um cora"#o le:e. +cerca do pr@prio 3al:ador <icou registrado: JO qual/ em troca da alegria que lhe estava proposta/ suportou a cru7/ n#o <a7endo caso da ignomínia.J B ebreus %0:0D. *. Tira"os benefício da Pa!avra #uando da"os a en1)o ( rai% da a!e6ria. O manancial da alegria > a <>: JE o (eus da esperan"a :os encha de todo o go7o e pa7 no :osso crer.J B*omanos %M:%FD. 6 uma admir6:el pro:is#o no e:angelho/ tanto naquilo que e.ige de n@s como naquilo que nos con<ere/ outorgando aos cora"8es crentes uma aura de calma e de

Enriquecendo-se com a Bíblia %1M tranqCilidade. O e:angelho tira a carga da culpa <alando de pa7 Ks consciências pesadas. *emo:e o temor de (eus e o terror da morte que calcam a alma/ enquanto ela est6 sob a condena"#o. Con<ere-nos o pr@prio (eus como por"#o dos nossos cora"8es/ como o grande ob?eto de nossa comunh#o. O e:angelho outorga alegria/ porque a alma descansa em (eus. !or>m/ essas bên"#os se tornam nossas somente quando delas nos apropriarmos pessoalmente. N mister que a <> as receba; e quando isso ocorre/ o cora"#o > in:adido de pa7 e alegria. E o segredo da alegria constante consiste de mantermos aberto o canal/ continuando tal como come"6ramos. N a incredulidade que entope o canal. 3e hou:er apenas ín<imo calor em torno da ponta de um term=metro/ n#o nos poderemos admirar que o merc9rio assinale um grau t#o bai.o. +ssim tamb>m/ se hou:er uma <> <raca/ a alegria n#o poder6 ser intensa. !or isso/ precisamos orar diariamente para recebermos no:a percep"#o sobre a preciosidade do e:angelho/ no:a apropria"#o de seu bendito conte9do $ e ent#o ha:er6 a reno:a"#o do nosso rego7i?o. ,. :eneficia"o&nos rea!"en e da Pa!avra #uando e"os o cuidado de conservar a nossa a!e6ria. + Jalegria no Espírito 3antoJ > algo inteiramente di<erente da le:e7a natural de espírito. N produto do <ato de que o Consolador habita em nossos cora"8es e em nossos corpos/ re:elando-nos a !essoa de Cristo/ respondendo a todas as nossas necessidades de perd#o e de puri<ica"#o/ assim <a7endo-nos go7ar de pa7 com (eus; e <ormando em n@s a !essoa de Cristo/ para que Ele reine em nossas almas/ sub?ugandonos ao 3eu controle. Q#o e.iste circunstEncia de pro:a ou de tenta"#o que nos obrigue a interromper a nossa alegria/ porquanto a n@s <oi determinado: J*ego7i?ai-:os sempreJ BI )essalonicenses M:%ID. +quele que bai.ou essa ordem conhece tudo sobre o lado negro de nossas :idas/ os pecados e as triste7as que nos cercam/ a Jmuita tribula"#oJ mediante a qual nos con:>m entrar no reino de (eus.

Enriquecendo-se com a Bíblia %1I + hilaridade natural n#o le:a em conta os JaisJ de nossa sorte terrena. -ogo se a<rou.a/ na presen"a das dure7as pr@prias da :ida: n#o pode sobre:i:er K perda de parentes/ amigos ou da sa9de. !or>m/ a alegria K qual somos e.ortados/ n#o se limita a quaisquer s>ries de circunstEncias ou tipos de temperamento; e nem <lutua de acordo com nossos sentimentos e com nossa sorte. + nature7a poder6 impor-se aos que est#o su?eitos a ela/ con<orme o pr@prio Pesus chorou diante do sepulcro de -67aro. Qo entanto/ os crentes podem e.clamar ?untamente com !aulo: J... entristecidos/ mas sempre alegres...J BII Coríntios I:%1D. O crente pode ser sobrecarregado de responsabilidades e a sua :ida pode so<rer uma s>rie de re:eses; seus planos podem ser <rustrados e suas esperan"as podem ser arruinadas; o sepulcro pode <echar-se sobre entes amados que emprestaram Enimo e do"ura K sua :ida/ e contudo/ a despeito de todos os seus desapontamentos e triste7as/ o seu 3enhor lhe ordena: J*ego7i?a-teLJ Eis os ap@stolos/ no c6rcere de ,ilipos/ na masmorra interior/ com os p>s atados ao tronco/ com as costas sangrando e ardendo de:ido aos terrí:eis a"oites que tinham recebido. E em que esta:am ocupadosH Em quei.umes e aisH Indagando o que tinham <eito para merecer tal tratamentoH Q#oL Y meia-noite/ !aulo e 3ilas ora:am e entoavam lou:ores a (eus B+tos %I:0MD. Q#o ha:ia qualquer pecado em suas :idas/ porque esta:am andando na obediência/ pelo que tamb>m o Espírito 3anto sentia-se em liberdade para tomar aquilo que era de Cristo/ mostrando-o aos seus cora"8es/ de tal modo que transborda:am de alegria. 3im/ se ti:ermos de conser:ar nosso rego7i?o/ precisamos e:itar entristecer ao Espírito 3anto. Auando Cristo ocupa posi"#o suprema/ no nosso cora"#o/ a alegria o domina. Auando Ele > o 3enhor de cada dese?o/ a <onte de cada moti:o/ o sub?ugador de cada pai.#o/ ent#o > que a alegria toma conta dos nossos cora"8es e o lou:or nos ascende dos l6bios. + possess#o de tal alegria en:ol:e a necessidade de tomarmos a cru7 a cada hora do dia; (eus ordenou as coisas de tal modo que n#o podemos ter uma coisa sem

Enriquecendo-se com a Bíblia %1' a outra. O auto-sacri<ício/ o decepar da m#o direita Bespiritualmente <alandoD/ o arrancar do olho direito/ s#o as a:enidas atra:>s das quais o Espírito de (eus entra em nossas almas/ tra7endo ?untamente com Ele a alegria do sorriso apro:ador de (eus e a certe7a de 3eu amor e de 3ua presen"a. )amb>m muito depende da atitude com que iniciamos cada dia/ em nossa :ida neste mundo. 3e esperamos que as pessoas nos agradem ou nos elogiem/ os desapontamentos nos dei.ar#o aborrecidos. 3e queremos que os outros nos alimentem o orgulho/ nos sentiremos despre7ados quando assim n#o acontecer. O segredo da <elicidade consiste em nos esquecermos de n@s mesmos e em buscarmos a <elicidade alheia. +ssim como JOais bem-a:enturado > dar que receberJ B+tos 01:0MD/ assim tamb>m sentimos maior <elicidade em ser:ir aos outros do que em sermos ser:idos. -. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando nos "os ra"os cons an es e" evi ar os e"peci!0os #ue en rava" a a!e6ria. !or que ra7#o um t#o grande n9mero de crentes go7a de t#o pouca alegriaH !or:entura n#o nasceram todos eles <ilhos da lu7 e <ilhos do diaH Esse termo/ Jlu7J/ que > t#o <reqCentemente utili7ado nas Escrituras para descre:er-nos a nature7a de (eus e as nossas rela"8es com Ele/ e nosso destino <uturo/ > e.tremamente sugesti:o acerca da alegria e do rego7i?o. Aue outra coisa/ e.istente na nature7a/ seria t#o ben><ico e belo como a lu7H J(eus > lu7/ e n#o h6 nEle tre:a nenhumaJ BI Po#o %:MD. N somente quando andamos com (eus/ na lu7/ que nossos cora"8es podem ser realmente ?ubilosos. N quando permitimos deliberadamente a inter:en"#o de coisas que atrapalham nossa comunh#o com Ele que a nossa alma se torna g>lida e obscurecida. N a indulgência da carne/ a <raterni7a"#o com o mundo e o en:eredar por sendas proibidas que arruinam a nossa :ida espiritual/ tirando-nos toda a alegria. (a:i precisou clamar: J*estitui-me a alegria da tua sal:a"#o/ e sustenta-me com um espírito :olunt6rioJ B3almo M%:%0D. (a:i se tornara

Enriquecendo-se com a Bíblia %1S lasci:o e auto-indulgente. Auando as tenta"8es o assalta:am/ ele n#o tinha qualquer poder para resistir. !or isso ele cedia Ks tenta"8es/ e um pecado o condu7ia a outro. Esta:a des:iado/ <ora do contato com (eus. O pecado n#o con<essado pesa:a sobre a sua consciência. Oh/ meu irm#o e minha irm# em Cristo/ se ti:ermos de ser resguardados de tal queda/ se n#o quisermos perder nossa alegria espiritual/ ent#o precisamos negar ao pr@prio JeuJ/ precisamos cruci<icar os a<etos e as concupiscências da carne. !recisamos estar perenemente :igilantes contra a tenta"#o. (e:emos passar muito tempo de ?oelhos. !recisamos beber com <reqCência da ,onte de 6guas :i:as. !recisamos estar cem por cento dedicados ao 3enhor. .. :eneficia"o&nos da Pa!avra #uando preserva"os di!i6en e"en e o e#ui!íbrio en re a ris e%a e a a!e6ria. 3e a <> crist# se adapta admira:elmente bem K produ"#o da alegria/ tamb>m tem uma tendência e um desígnio quase idênticos para produ7ir a triste7a $ uma triste7a que > solene/ m6scula e nobre: JEntristecidos/ mas sempre alegres...J BII Coríntios I:%1D. Essa > a grande regra da :ida crist#. 3e a <> lan"ar a sua lu7 sobre as nossas condi"8es/ sobre a nossa nature7a/ sobre os nossos pecados/ ent#o a triste7a ser6 um dos e<eitos desse <ato. Q#o e.iste algo mais despre7í:el em si mesmo/ nem sinal mais certo de um car6ter super<icial e de ocupa"8es tri:iais do que uma alegria sem :aria"#o/ que n#o repouse nos alicerces pro<undos de uma triste7a calma e paciente $ triste7a/ porque sei o que sou e o que de:eria ser; triste7a/ porque contemplo o mundo e :e?o as chamas do in<erno a rebrilhar por detr6s do ?9bilo e das gargalhadas/ sabendo bem na dire"#o do que os homens se precipitam rapidamente. +quele que <oi ungido com o @leo da alegria/ mais do que os seus companheiros B3almos 2M:'D/ tamb>m era J omem de dores e que sabe o que > padecer.J BIsaías MF:FD. E ambos esses itens Bat> certo pontoD se repetem nas opera"8es do 3eu e:angelho/ em cada cora"#o daqueles que :erdadeiramente O acolhem.

Enriquecendo-se com a Bíblia %1& !or um lado/ pois $ de:ido aos temores que assim s#o remo:idos de n@s e Ks esperan"as que s#o insu<ladas em n@s/ e ao companheirismo a que assim somos introdu7idos/ somos ungidos com o @leo da alegria. !or outro lado $ de:ido ao senso de nossa pr@pria :ile7a/ que o e:angelho nos ensina/ de:ido ao con<lito entre a carne e o Espírito/ tamb>m nos assoberba uma triste7a que encontra e.press#o na e.clama"#o: J(es:enturado homem que souLJ B*omanos ':02D. Esses dois aspectos n#o se contradi7em um ao outro/ mas se complementam. O Cordeiro precisa:a ser consumido ?untamente com Jer:as amargasJ BR.odo %0:SD.

Enriquecendo-se com a Bíblia

%%1

AS ESCRITURAS E O A5OR
Qos primeiros capítulos/ procuramos salientar alguns dos meios pelos quais podemos :eri<icar se a nossa leitura e pesquisa das Escrituras realmente est#o ser:indo de bên"#o para as nossas almas. Ouitas pessoas andam equi:ocadas quanto a esse particular/ con<undindo o dese?o intenso de adquirir conhecimento com o amor espiritual K :erdade BII )essalonicenses 0:%1D/ na suposi"#o de que a adi"#o a seu cabedal de conhecimentos > a mesma coisa que o desen:ol:imento na gra"a. Entretanto/ muito depende da <inalidade ou al:o que temos/ quando e.aminamos a !ala:ra de (eus. 3e se trata da simples quest#o de nos <amiliari7armos com o seu conte9do/ de nos tornarmos melhor :ersados quanto a seus detalhes/ > bem pro:6:el que o canteiro de nossas almas permanecer6 na esterilidade; por>m/ se com dese?o regado por ora"#o a e.aminamos para ser corrigidos/ para sermos sondados pelo Espírito 3anto/ para amoldarmos os nossos cora"8es a 3eus santos requisitos/ ent#o podemos esperar a bên"#o di:ina. Qos capítulos precedentes temo-nos es<or"ado por salientar os itens :itais por meio dos quais podemos aquilatar o progresso que estamos <a7endo no campo da piedade pessoal. T6rios crit>rios <oram :entilados/ mediante os quais tanto o pregador como o ou:inte podem medir-se honestamente. )emos <risado testes tais como: Estou adquirindo @dio maior contra o pecado/ e estou sendo praticamente libertado de seu poder e de sua polui"#oH Estou obtendo maior intimidade com (eus e com o 3eu CristoH Oinha :ida de ora"#o est6 se tornando mais saud6:elH Oinhas boas obras se têm tornado mais abundantesH Oinha obediência > mais completa e mais ?ubilosaH )enho-me separado mais do mundo/ em meus a<etos e em minha condutaH Estou aprendendo a <a7er uso correto e pro:eitoso das promessas de (eus/ deleitando-me dessa maneira em 3ua pessoa/ para que a sua alegria se?a a minha <or"a di6riaH + menos que eu possa di7er/ :erdadeiramente/ que essas coisas correspondem K minha e.periência Bpelo menos at> certo pontoD/ ent#o >

Enriquecendo-se com a Bíblia %%% de temer grandemente que os meus estudos bíblicos de pouco ou nada me est#o apro:eitando. Oas/ di<icilmente poderíamos ?ulgar pr@prio que estes capítulos chegassem K sua conclus#o sem nos de:otarmos K considera"#o do amor crist#o. + e.tens#o em que essa gra"a espiritual est6 sendo culti:ada e regulada ou n#o/ <ornece outro índice para a medida em que minhas buscas/ na !ala:ra de (eus/ me est#o a?udando espiritualmente. Qingu>m poder6 ler as Escrituras/ com qualquer medida de aten"#o/ sem descobrir o quanto elas têm a di7er sobre o amor; portanto/ compete/ a cada um de n@s/ a:eriguar/ cuidadosamente e sob ora"#o/ se essa :irtude se encontra em n@s em estado rígido e se est6 sendo corretamente e.ercida. O tema do amor crist#o > amplo demais para considerarmos todas as suas :ariadas <acetas dentro dos limites de um 9nico capítulo. Qa realidade/ de:eríamos come"ar o e.ame contemplando o e.ercício do amor que temos para com (eus e para com o seu Cristo; por>m/ :isto que isso ?6 <oi abordado pelo menos super<icialmente nos capítulos anteriores/ dei.aremos esse aspecto de lado. !or igual modo/ muito poderia ser dito acerca do amor natural que de:emos ter para com os nossos semelhantes/ os quais pertencem K mesma <amília que n@s; por>m/ h6 menor necessidade de escre:ermos sobre esse tema do que sobre aquele que no momento sobe K nossa mente. Qeste ponto propomo-nos a <ocali7ar a nossa aten"#o sobre o amor espiritual aos irm#os/ aos nossos irm#os em Cristo. 1. Es a"os irando provei o das Escri uras #uando percebe"os a 6rande i"por 9ncia do a"or cris )o. Em parte alguma isso > ressaltado mais en<aticamente do que na epístola de I Coríntios %F. +li/ o Espírito 3anto di7-nos que embora um crente pro<esso possa <alar <luente e eloqCentemente sobre as realidades di:inas/ se n#o ti:er amor/ ser6 como o metal/ o qual/ embora <a"a ruído ao ser tangido/ n#o tem :ida alguma. Aue embora um crente pro<eti7e e

Enriquecendo-se com a Bíblia %%0 compreenda todos os mist>rios e possua todo o conhecimento/ e ainda que a sua <> se?a t#o potente ao ponto de reali7ar milagres/ contudo/ se lhe <altar o amor/ espiritualmente ser6 sem :alor. 3im/ que embora um crente se?a ben>:olo e dê todas as suas possess8es materiais para sustento dos pobres/ e ainda que entregue seu corpo ao martírio/ toda:ia/ se lhe <altar o amor/ isso n#o lhe ser6 de qualquer pro:eito. Au#o imenso > o :alor aqui con<erido ao amor; e qu#o essencial para mim > certi<icarme de que o possuoL (isse nosso 3enhor: JQisto conhecer#o todos que sois meus discípulos/ se ti:erdes amor uns aos outrosJ BPo#o %F:FMD. Tisto que Cristo <e7 do amor o grande sinal do discipulado crist#o/ isso nos permite :er/ uma :e7 mais/ a grande importEncia do amor. )rata-se de um teste essencial acerca da genuinidade de nossa pro<iss#o crist#: n#o podemos amar a Cristo a menos que amemos a 3eus irm#os/ porquanto est#o todos ligados no mesmo J<ei.e dos que :i:em com o 3EQ O*J BI 3amuel 0M:0&D. O amor por aqueles a quem o 3enhor remiu > uma e:idência segura de que possuímos o amor espiritual e sobrenatural do pr@prio 3enhor Pesus. 3empre que o Espírito 3anto reali7a um nascimento sobrenatural/ <ar6 igualmente que essa no:a :ida entre em e.ercício/ e tamb>m produ7ir6 nos cora"8es/ nas :idas e na conduta dos santos as suas gra"as sobrenaturais/ uma das quais consiste em amarmos a todos quantos pertencem a Cristo/ por amor a Cristo. $. Es a"os nos beneficiando co" a Pa!avra #uando aprende"os a perceber as !a"en /veis pervers2es do a"or cris )o. +ssim como a 6gua n#o se ele:a acima do seu pr@prio ní:el/ assim tamb>m o homem natural > incapa7 de compreender/ e/ menos ainda/ de apreciar/ qualquer realidade espiritual BI Coríntios 0:%2D. !ortanto/ n#o nos de:eríamos surpreender quando crist#os pro<essos/ n#o regenerados/ con<undem o sentimentalismo humano e aquilo que agrada K carne com o amor espiritual. O mais entristecedor ainda > :er alguns/ dentre o pr@prio po:o de (eus/ que :i:em em plano t#o in<erior que con<undem a

Enriquecendo-se com a Bíblia %%F amabilidade e a a<abilidade humanas com a rainha de todas as gra"as crist#s. !ois/ apesar de ser :erdade que o amor se caracteri7a pela mansid#o e pela gentile7a/ contudo/ > algo muito di<erente das cortesias e gentile7as carnais/ e muito superior a elas. Auantos pais hesitantes têm e:itado usar a :ara com seus <ilhos/ presas K err=nea no"#o de que o real a<eto por eles e o castigo s#o incompatí:eisL Auantas m#es insensatas se ?actam de que o JamorJ reina em seus lares/ ao mesmo tempo que desdenham de toda a disciplina corporalL Uma das e.periências mais tristes/ > passar algum tempo hospedado em lares onde as crian"as s#o completamente estragadas pelos mimos. Isso > uma ímpia per:ers#o do :oc6bulo JamorJ $ aplic6-lo K <rou.id#o moral e K negligência dos de:eres paternos. !or>m/ essa mesma id>ia perniciosa go:erna as mentes de muitas pessoas/ em outras cone.8es e rela"8es. 3e um ser:o de (eus repreende os m>todos carnais e mundanos dessas pessoas/ se ele <a7 press#o sobre a necessidade de atendermos Ks rei:indica"8es intransigentes de (eus/ imediatamente > acusado de ser algu>m a quem J<alta o amorJ. Oh/ qu#o terri:elmente as multid8es andam enganadas por 3atan6s/ quanto a esse mui importante assuntoL '. Tira"os rea! provei o da Pa!avra #uando aprende"os a verdadeira na ure%a do a"or cris )o. O amor crist#o > uma gra"a espiritual que permanece nas almas dos santos/ ?untamente com a <> e a esperan"a BI Coríntios %F:%FD. )rata-se de santa disposi"#o/ insu<lada neles/ quando s#o regenerados BI Po#o M:%D. Q#o > menos que o amor de (eus derramado em seus cora"8es pelo Espírito 3anto B*omanos M:MD. O amor > um princípio ?usto/ que busca o mais alto bem do pr@.imo. N o re:erso mesmo do princípio do egoísmo e do interesse pr@prio/ que se encontra em n@s por nature7a. Consiste n#o apenas de considera"#o a<etuosa por todos quantos tra7em a imagem de Cristo/ mas tamb>m en:ol:e o poderoso dese?o de promo:er o bem estar dos mesmos.

Enriquecendo-se com a Bíblia %%2 E n#o > nenhum sentimento passageiro/ que <acilmente se sente o<endido/ porque > antes uma <or"a dinEmica permanente/ que as Jmuitas 6guasJ da <ria indi<eren"a ou que os Jdil9:iosJ da desapro:a"#o n#o podem apagar e nem a<ogar BCantares S:'D. E embora <iquemos muito aqu>m do grande e.emplo de amor/ tem idêntica essência ao amor daquele sobre quem <oi dito: J...tendo amado os seus que esta:am no mundo/ amou-os at> ao <imJ BPo#o %F:%D. Q#o h6 meio mais seguro e mais certo de obtermos a correta concep"#o da nature7a do amor crist#o do que <a7ermos um estudo completo dele/ em sua per<eita e.empli<ica"#o/ que > o 3enhor Pesus. E quando <alamos em Jestudo completoJ/ indicamos a reali7a"#o de uma pesquisa ampla de tudo quanto est6 registrado a seu respeito/ nos quatro e:angelhos/ n#o nos limitando a algumas poucas passagens ou incidentes <a:oritos. Auando assim <a7emos/ ent#o descobrimos que o amor de Cristo n#o somente era ben>:olo e magnEnimo/ re<letido e gentil/ altruísta e inclinado K abnega"#o/ paciente e imut6:el/ mas que tamb>m ha:ia muitos outros elementos componentes. +ssim > que o amor <oi capa7 de negar um pedido urgente BPo#o %%:ID/ de repreender 3ua m#e BPo#o 0:2D/ de usar um a"oite de cordas BPo#o 0:%MD/ de repreender se:eramente 3eus discípulos que du:ida:am B-ucas 02:0MD/ e de denunciar a indi:íduos hip@critas BOateus 0F:%F-FFD. 3im/ o amor pode ser ríspido BOateus %I:0FD/ indignado BOarcos F:MD. O amor espiritual > uma realidade santa: > <iel a (eus/ e n#o transige perante qualquer coisa m6. *. Tira"os verdadeiro provei o da Pa!avra #uando descobri"os #ue o a"or cris )o < divina"en e rans"i ido. JQ@s sabemos que ?6 passamos da morte para a :ida/ porque amamos os irm#os; aquele que n#o ama permanece na morteJ BI Po#o F: %2D. JO amor aos irm#os > o <ruto e o e<eito de um no:o e sobrenatural nascimento/ operado em nossas almas pelo Espírito 3anto/ sendo uma bendita e:idência do <ato de que <omos escolhidos em Cristo pelo !ai

Enriquecendo-se com a Bíblia %%M di:ino/ antes de ha:er mundo. +mar a Cristo e Kqueles que -he pertencem/ <a7 parte congênita da nature7a di:ina de que Ele nos tornou participantes atra:>s do 3eu 3anto Espírito... Esse amor aos irm#os de:e ser um amor peculiar/ de modo que ningu>m/ sen#o os regenerados/ pode possuir/ e como ningu>m/ al>m deles/ pode e.ercer; doutro modo/ o ap@stolo n#o o teria mencionado t#o particularmente: > de sorte tal que aqueles que n#o o possuem tamb>m n#o s#o regenerados; por isso mesmo est6 escrito: Gaquele que n#o ama permanece na morteG J. B3. E. !ierceD. O amor aos irm#os en:ol:e muito/ muito mais do que simpati7armos com a companhia daqueles cu?o temperamento > semelhante ao nosso/ daqueles cu?os pontos de :ista concordam com os nossos. Q#o > algo que perten"a apenas K nature7a humana/ mas > antes algo espiritual e sobrenatural. O amor nos liga de cora"#o Kqueles em quem percebemos algo de "risto. !ortanto/ trata-se de muito mais do que de espírito <raterno: abrange a todos em quem podemos :er a imagem do ,ilho de (eus. !or conseguinte trata-se de amarmos aos homens por amor a Cristo/ de:ido aquilo que :e?o de Cristo na pessoa deles. E > o Espírito 3anto quem me atrai e conquista para o Cristo que habita em meus irm#os e irm#s na <>. +ssim sendo/ o :erdadeiro amor crist#o n#o > apenas um dom di:ino/ mas > algo que depende inteiramente de (eus/ para seu <ortalecimento e e.ercício. !recisamos orar diariamente para que o Espírito 3anto ponha o amor em a"#o e o mani<este/ dirigindo-o tanto a (eus como ao 3eu po:o aquele amor que o 3enhor derramou em nossos cora"8es. ,. Tira"os provei o da Pa!avra #uando e;erce"os corre a"en e o a"or cris )o. Isso > <eito n#o quando buscamos agradar aos nossos irm#os ou nos tornarmos simp6ticos segundo a estima deles/ mas quando buscamos :erdadeiramente o bem deles. JQisto conhecemos que amamos os <ilhos

Enriquecendo-se com a Bíblia %%I de (eus/ quando amamos a (eus e praticamos os seus mandamentosJ BI Po#o M:0D. E qual ser6 o teste que :eri<ica o grau de meu amor pessoal ao pr@prio (eusH Esse teste > a minha obser:Encia dos 3eus mandamentos B:er Po#o %2:%M/ 0%/ 02; %M:%1/ %2D. O car6ter genuíno e a intensidade de meu amor a (eus n#o podem ser aquilatados pelas minhas pala:ras/ nem pela bele7a com que ent=o os 3eus lou:ores/ e/ sim/ pela minha obediência K 3ua !ala:ra. E o mesmo princípio opera no caso de minhas rela"8es com os meus irm#os na <>. 3im/ Jnisto conhecemos que amamos os <ilhos de (eus quando amamos a (eus e praticamos os 3eus mandamentosJ. 3e por:entura e.ploro demoradamente as <alhas de meus irm#os e irm#s/ se estou andando em companhia deles mas procurando sempre a minha :ontade pr@pria e o que me agrada/ ent#o > que n#o os JamoJ. JQ#o aborrecer6s a teu irm#o no teu íntimo; mas repreender6s o teu pr@.imo/ e por causa dele n#o le:ar6s sobre ti pecadoJ B-e:ítico l1:%'D. O amor de:e ser e.ercido segundo os moldes di:inos/ e nunca Ks custas de dei.ar eu de amar a (eus; de <ato/ > somente quando (eus recebe o lugar que -he con:>m/ em meu cora"#o/ > que o amor espiritual pode ser e.ercido por mim para com meus irm#os. O :erdadeiro amor espiritual n#o consiste em procurar satis<a7ê-los/ e/ sim/ de agradar a (eus e de a?ud6-los. Oas s@ poderei a(ud -los na :ereda ordenada por (eus. Oimar e a<agar uns aos outros n#o > demonstra"#o de amor <raternal; e.ortarmo-nos uns aos outros/ para que prossigamos a:ante na carreira que nos est6 proposta/ pro<erindo pala:ras Bre<or"adas pelo e.emplo do nossa :ida di6riaD que encora?em a outros a Jolhar <i.amente para PesusJ/ > atitude muito mais 9til do que aquela outra. O amor <raternal > algo santo/ e n#o algum sentimento carnal ou alguma indi<eren"a <rou.a acerca da senda que nos con:>m palmilhar. Os JmandamentosJ de (eus s#o e.press8es do seu amor/ bem como de sua autoridade; por isso mesmo/ se os ignoramos/ apesar de buscarmos ser gentilmente a<ei"oados uns aos outros/ isso n#o ser6 JamarJ/ sob hip@tese

Enriquecendo-se com a Bíblia %%' alguma. O exerc%cio do amor de:e estar em per<eita con<ormidade com a :erdade re:elada de (eus. Cumpre-nos amar Jna :erdadeJ BIII Po#o %D. -. :eneficia"o&nos rea!"en e da Pa!avra #uando aprende"os sobre as variadas "anifes a12es do a"or cris )o. +mar aos irm#os e mani<estar o amor de todas as maneiras possí:eis > nosso de:er inequí:oco. !or>m/ em ponto algum podemos <a7er isso mais :erdadeira e e<ica7mente/ e com menos a<eta"#o e ostenta"#o/ do que em termos comunh#o com os irm#os na <>/ diante do trono da gra"a. E.istem irm#os e irm#s em Cristo/ nos quatro cantos da terra/ acerca de quem nada sei/ no tocante aos detalhes de suas pro:a"8es e con<litos/ de suas tenta"8es e triste7as; a despeito disso/ posso mostrarlhes o meu amor/ derramando o meu cora"#o diante de (eus em <a:or deles/ mediante a s9plica e a intercess#o intensas. Q#o h6 outra maneira do crente mani<estar melhor sua a<etuosa considera"#o para com seus companheiros de peregrina"#o sen#o utili7ar-se de toda a sua participa"#o no 3enhor Pesus em <a:or deles/ implorando-lhe a miseric@rdia e a gra"a em prol dos mesmos. JOra/ aquele que possuir recursos deste mundo e :ir a seu irm#o padecer necessidade e <echar-lhe o seu cora"#o/ como pode permanecer nele o amor de (eusH ,ilhinhos/ n#o amemos de pala:ra/ nem de língua/ mas de <ato e de :erdadeJ BI Po#o %:%'/%SD. Ouitos dentre o po:o de (eus s#o e.tremamente pobres quanto a bens deste mundo. E chegam a indagar por que as coisas lhes correm assim; > tudo uma grande pro:a"#o por que passam. Uma das ra78es pelas quais o 3enhor permite isso > dar oportunidade/ a outros de 3eus santos/ para que se compade"am daqueles e ministrem Ks suas necessidades temporais/ dentre a abundEncia que (eus lhes propiciou. O :erdadeiro amor > intensamente pr6tico: n#o considera por demais :il a qualquer empreendimento/ nem por demais humilhante a qualquer tare<a/ sempre que os so<rimentos de algum irm#o em Cristo possam ser ali:iados. Auando o 3enhor do amor 3e

Enriquecendo-se com a Bíblia %%S encontra:a na <ace da terra/ os 3eus pensamentos se :oltaram para a <ome <ísica das multid8es e para o con<orto dos p>s de 3eus discípulosL Oas e.istem alguns/ dentre o po:o do 3enhor/ que s#o t#o pobres que pouquíssimos bens possuem para distribuí-los a outros. Qesse caso/ que poder#o <a7erH Ora/ que tornem suas as preocupa"8es espirituais de todos os santos; que se interessem em <a:or deles diante do trono da gra"aL Com base em nossas pr@prias circunstEncias e em nossas :idas/ sabemos quais de:em ser os sentimentos/ as triste7as e as quei.as de outros santos. Com base em nossa triste e.periência/ sabemos qu#o <6cil > nos dei.armos in:adir pelo espírito de descontentamento e de murmura"#o. Oas tamb>m sabemos que/ sempre que clamamos ao 3enhor/ para que a 3ua m#o aquietadora se?a imposta em n@s/ ou quando Ele nos tra7 K mem@ria alguma promessa preciosa/ grande pa7 e consolo nos enche o cora"#o. +ssim/ pois/ roguemos a (eus para que se?a igualmente gracioso para com todas as a<li"8es dos santos. !rocuremos sentir e tornar nossas as cargas alheias/ chorando com aqueles que choram/ rego7i?ando-nos com aqueles que se rego7i?am. (esse modo ha:eremos de e.pressar :erdadeiro amor em Cristo/ pelas suas pessoas/ interessando o 3enhor deles e nosso/ para que use de sua bondade eterna para com eles. ) dessa maneira que o 3enhor Pesus atualmente mani<esta o Seu amor pelos 3eus santos: J!or isso tamb>m pode sal:ar totalmente os que por eles se chegam a (eus/ :i:endo sempre para interceder por elesJ B ebreus ':0MD. Cristo torna 3uas a causas e as preocupa"8es deles. Ti:e rogando em <a:or deles diante de (eus !ai. Qingu>m > esquecido por Ele $ cada o:elha solit6ria o Bom !astor a le:a no cora"#o. !or conseguinte/ quando e.pressamos nosso amor aos irm#os/ em ora"8es di6rias/ para que se?am supridas 3uas :ariadas necessidades/ somos le:ados a des<rutar de comunh#o com o nosso grande 3umo 3acerdote. E n#o somente isso/ mas os santos/ nesse processo/ se nos tornar#o mais caros $ nossas pr@prias ora"8es em <a:or daqueles que s#o amados por (eus/ aumentar6 o nosso amor e a nossa estima por eles/ como tais.

Enriquecendo-se com a Bíblia %%& Q#o poderíamos mesmo tra7ê-los no cora"#o/ at> ao trono da gra"a/ se em nossos cora"8es n#o ti:>ssemos um :erdadeiro a<eto por eles. + melhor maneira de dominarmos qualquer sentimento de amargura contra algum irm#o em Cristo que nos tenha o<endido/ > dedicarmo-nos K ora"#o em <a:or dele. .. Deriva"os provei o au 4n ico da Pa!avra #uando a!i so"os ensinados co"o se deve cu! ivar apropriada"en e o a"or cris )o. 3ugerimos aqui duas ou três regras a respeito da quest#o. Em primeiro lugar/ reconhecendo desde o come"o que h6 muito no pre7ado leitor Bcomo em mim tamb>mD que ser:e para testar se:eramente o amor dos irm#os/ tamb>m muito ha:er6 neles que sir:a de teste ao nosso amor Jsuportando-nos uns aos outros em amor...J BE<>sios 2:FD. Essa > uma grande admoesta"#o acerca desse problema/ e que todos n@s precisarmos entesourar no cora"#o. 3em d9:ida > impressionante o <ato de que a primeira qualidade do amor espiritual > que JO amor > pacienteJ BI Cor. %F:2D. Em segundo lugar/ a melhor maneira de culti:ar qualquer :irtude ou gra"a crist# consiste em exercê-la. ,alar e tra"ar teorias a respeito de alguma :irtude de nada :ale/ a n#o ser que a ponhamos em a"#o. Ouitas s#o as quei.as que se ou:em/ em nossos dias/ acerca das parcas mani<esta"8es do amor em tantos lugares $ e isso > um moti:o a mais pelo qual de:o procurar dar melhor e.emploL Q#o permitamos que a <rie7a e a <alta de gentile7a dos outros :enham a aba<ar o nosso amor/ mas antes/ <a"amos o que se lê em *omanos %0:%0: JTence o mal com o bemJ. Aue :ocê pondere/ sob ora"#o/ pelo menos uma :e7 por semana/ acerca do que se di7 em I Coríntios %F. Em terceiro lugar/ que :ocê :eri<ique se o seu cora"#o est6 se aquecendo na lu7 e no calor do amor de (eus. Cada ser gera o que lhe > semelhante. Auando mais nos ocuparmos/ em :erdade/ com o amor in:ari6:el/ in<alí:el e insond6:el de Cristo para conosco/ tanto mais o

Enriquecendo-se com a Bíblia %01 nosso cora"#o se :oltar6 amorosamente para com aqueles que lhe pertencem. Uma belíssima ilustra"#o a esse respeito se acha no <ato de que o ap@stolo que mais escre:eu sobre o amor <raternal <oi e.atamente aquele que se recostou ao peito do 3enhor Pesus. Aue o 3enhor outorgue toda a gra"a necess6ria/ tanto a :ocê como a mim Bque acima de todos precisa dar ou:idos K !ala:raD/ para que possam obser:ar essas regras/ :isando ao lou:or da gl@ria da gra"a di:ina e o bem de 3eu po:o amado.

Related Interests