You are on page 1of 11

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SME COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL - COEI DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO DA EDUCAÇÃO

INFANTIL

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O TRABALHO PEDAGÓGICO NAS INSTITUIÇÕES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL - 2013
A Secretaria Municipal de Educação estabelece orientações gerais para organização pedagógica do ano letivo de 2013 na Educação Infantil. Almeja-se com

este documento subsidiar o trabalho pedagógico do (a) professor (a) na organização e no melhor aproveitamento do tempo com a criança. Além disso, pretende-se ainda orientar o tempo sem interação com a criança, destinado ao planejamento e à formação continuada.

1. O acolhimento das crianças na Educação Infantil O início do ano letivo é conhecido pelas instituições de Educação Infantil como período em que acontece a adaptação das crianças de modo mais intenso, o que não inviabiliza que esse evento se repita ao longo do ano, quando, também, poderão ocorrer mudanças de professor (a), de turma, de escola e de crianças, desencadeando um novo processo de adaptação na criança. Aqui, enfatizaremos o processo de adaptação na perspectiva do (a) professor (a), da criança e de suas famílias. Todo ano as instituições recebem crianças que estão frequentando o espaço coletivo de educação (creches, CEIs, EMEIFs) pela primeira vez, ou que frequentaram creche e estão ingressando na pré-escola, ou que são oriundas de outras instituições. Essas transições/mudanças que ocorrem na vida da criança geram expectativas acerca de sua adaptação ao novo contexto escolar, tanto nas famílias como nos (as) professor(as). A adaptação pode ser entendida como o esforço que a criança realiza para ficar no novo espaço coletivo com adultos e outras crianças, onde as relações, regras e limites são diferentes daqueles do espaço familiar ao qual ela está habituada. Na perspectiva do (a) professor(a), a adaptação pode ser considerada sob o aspecto da necessidade de acolher, aconchegar, proporcionar o bem estar, o conforto físico e emocional às crianças, o que expande, significativamente, a função e a responsabilidade da instituição

de espaços para trabalho coletivo e individual na sala das crianças. como o termo sugere.  O (a) professor(a) deverá prever atividades que facilitem esse processo de transição. Depende também da forma como é acolhida.  A presença de familiares na instituição é aconselhável mediante combinado sobre a permanência deles durante o processo de adaptação. conforme a necessidade de adaptação de cada criança. pois proporcionam à criança autonomia para escolher o . são aconselháveis.  A carga horária do (a) professor(a) Pedagoga I e Pedagoga II destinada ao planejamento pedagógico deverá ser assegurada pela gestão da escola. brincadeiras e jogos. revistas. bem como proporcione sua integração ao grupo.  A organização de cantos temáticos. tais como: diálogo com as crianças. colagens. exploração dos espaços da escola. jogos.de educação neste processo. durante as primeiras semanas do ano letivo de 2013:  O horário de funcionamento das Instituições de Educação Infantil deverá ser mantido. com a disposição de brinquedos. seguem as orientações para organização das ações de acolhimento das crianças. a adaptação não depende exclusivamente de a criança adaptar-se ou não à nova situação. por meio da flexibilização de horários. em idade de creche e pré-escola (1 a 5 anos). atividades livres e diversificadas com a opção de escolha pela criança (pintura. Nesse sentido. leitura de livros. entre outras). livros.  O tempo de permanência da criança na instituição poderá ser negociado com as famílias. considerando o direito das crianças e de suas famílias ao atendimento educacional. Recomenda-se que o (a) professor(a) incentive sempre a participação das crianças nas atividades. Considerando a importância do papel das instituições de Educação Infantil para facilitar esse processo. Atendimento integral: 7h às 17h. conforme os horários estabelecidos pela SME: Atendimento parcial: 7h às 11h / 13h às 17h.

2009) estabele a previsão de “formas para garantir a continuidade no processo de desenvolvimento e aprendizagem das crianças” nos artigos 10 e 11. estratégias de articulação. e o Infantil V. caracterizada pelo atendimento em tempo integral. atribuindo-lhe sentido. caracterizado pela primeira participação da criança no espaço coletivo de educação. brincadeiras. recomenda-se que defina em conjunto com os demais professores e a coordenadora pedagógica estratégias pedagógicas para estabelecer elementos de união (continuidade) com o ano anterior e o seguinte. Os espaços/ambientes também educam e expressam as concepções de criança e Educação Infantil dos profissionais da instituição. mas de compreender que há uma relação de movimentos tanto da criança como da instituição dentro de um mesmo processo. portanto não se trata de uma opção pessoal. Assim. entre outras. Processo de transição da criança da creche para pré-escola e da préescola para o Ensino Fundamental As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (DCNEI. o Infantil III. atividades lúdicas. expressão e apreciação artística. Essas estratégias consistem em ações/proposição de atividades que perpassam os anos (continuidade) e que atendem às especificidades de desenvolvimento e aprendizagem da primeira infância. Nesse sentido.que fazer. as crianças têm a possibilidade de encontrar elementos que estavam presentes ao longo da sua trajetória escolar. último ano da criança na EI. 2. tais como: projetos didáticos. quando irá ingressar no Ensino Fundamental -. . na Proposta Pedagógica da instituição. Para tanto. último ano da criança na creche. aonde e os pares que mais se afinam. para o(a) professor(a) que está lotado nos anos limites de transição . considerando as especificidades da Educação Infantil sem perder de vista o que há em comum entre essa etapa e o Ensino Fundamental.como o Infantil I. momentos destinados ao sono e relaxamento corporal. é importante que seja definido. Ressaltamos que o planejamento do acolhimento é fundamental para a qualidade da adaptação.

3. os interesses de aprendizagem e os desejos da criança. Essas experiências deverão ter como eixos nortedaores as interações e brincadeiras e estar em conformidade com o artigo 9º das DCNEI (2009). Considerando que a criança é o centro do planejamento pedagógico. Tal orientação se faz pertinente para que as informações que evidenciam o percurso escolar da criança não se percam na memória. ou seja. A característica desses primeiros registros é informal. nas interações criança com criança e desta com adultos. é necessário que esses registros sejam datados e. viabilizando as experiências propostas e sua diversificação. reconhecer as curiosidades. pensamentos das crianças diante das atividades propostas e.1. Esses registros sobre a criança e sobre o fazer pedagógico necessitam ser realizados com frequência.) deverá ser prevista no planejamento pedagógico do(a) professor(a). necessariamente.1. livros. . Professor Pedagogo I O tempo destinado ao estudo e ao planejamento do (a) professor(a) de Educação Infantil (1/5 da jornada de trabalho sem a interação com a criança) deverá ser distribuído e organizado de acordo com as ações pedagógicas abaixo relacionadas: 3. ainda. as aprendizagens relacionadas às experiências e as atividades promotoras das experiências que serão oportunizadas às crianças. A partir dessa observação da criança no cotidiano escolar. brinquedos.3. o (a) professor(a) atribui sentido e significado a sua prática pedagógica.1. A organização do espaço. a proposição de atividades deve.2. o que facilitará a posterior elaboração dos relatórios. não demanda uma escrita elaborada e analisada. Planejamento Pedagógico e Formação Continuada 3. etc. do tempo e dos materiais (jogos. Para isso. um registro semanal de cada criança. quando se percebe aspectos importantes sobre as ações. registradas as percepções do (a) professor(a) acerca dos fatos que julgar importante.1. por meio da escuta e do olhar atentos da professora. Elas são produzidas no dia a dia em sala. Para tanto. Elaboração do planejamento segundo as orientações do PAIC: utilização do quadro (ANEXO I) com os tempos que não podem faltar na Educação Infantil. especificando as experiências. reações. assim que houver tempo. Registros das observações do desenvolvimento e aprendizagem das crianças: os registros em forma de anotações deverão ser realizados diariamente pelo(a) professor(a) no seu caderno pessoal destinado somente a isso. preferencialmente.

3. que serão contabilizadas para efeito de certificação. Por sua vez. A formação será destinada aos (às) professores(as) e aos (às) coordenadores(as) pedagógicos(as) que atuam na EI.sugerimos a seguinte estratégia: tendo como exemplo uma turma com 20 crianças. mesmo que o período (bimestre e semestre) não tenha sido concluído. Na oportunidade dos Para tanto. assim como para situá-lo (a) na trajetória escolar de cada criança e da turma da qual faz parte. 3. A consolidação dos registros em relatório individual é bimestral para a pré-escola. por meio da realização de leituras e de discussões acerca da prática pedagógica na escola. Os diários têm a função de oferecer uma visão global do desenvolvimento e da aprendizagem da criança e deverão ser socializados com as famílias para o conhecimento do trabalho realizado na instituição. Formação Continuada: considerando a importância da formação continuada para efetivação da prática pedagógica qualificada. totalizando dois ao ano. Eixo Educação Infantil. 3. com carga horária composta por 32 horas de Formação Presencial e 32 horas de Formação em Serviço (realizada na própria instituição). serão realizados 16 .: Nos casos de mudança do (a) professor(a) regente de sala em qualquer período do ano letivo. este (a) deverá elaborar os relatórios das crianças visto que ele (a) participou do processo de desenvolvimento e de aprendizagem da criança durante aquele período e é conhecedora dele.4. ficando uma via anexa ao Diário de Classe. artigo 10. OBS. está prevista para o ano letivo de 2013 a Formação Continuada da Educação Infantil em parceria com o Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC). Os relatórios deverão estar em conformidade com o artigo 31 da LDB (1996) e com as DCNEI (2009). poderão ser observadas até 5 crianças por dia com prioridade. Elaboração de relatórios: os registros acima descritos deverão ser sistematizados em análises. reflexões. e trimestral para a creche (porque o ano letivo da creche é maior que o da pré-escola) e registrados ou anexados no Diário de Classe. Os momentos destinados à Formação em Serviço se constituem como continuidade e aprofundamento dos estudos realizados nas formações presenciais. interpretações.1. adquirindo status de documento escolar.1. encontros de 4 horas cada. totalizando 64 horas. sendo consolidados em forma de relatório individual. com frequência mensal. esses deverão ser sistematizados em dois relatórios semestrais. a elaboração dos relatórios é imprescindível para socialização dos conhecimentos acerca da criança com o novo (a) professor(a) da turma. Nesse sentido.

encontros presenciais. deverá ser organizado conforme as orientações a seguir: .PROFESSOR (A) COM CARGA HORÁRIA – 100h (mensais) SEMANA 1ª semana: 2ª semana: 3ª semana: 4ª semana: CH 4h 2h 2h 4h 2h 2h AÇÃO para elaboração do planejamento pedagógico para elaboração do planejamento pedagógico para aprofundamento de estudos Formação Presencial para elaboração do planejamento pedagógico para elaboração dos relatórios de avaliação Escola Escola Escola A definir Escola Escola LOCAL . na troca de experiências. serão dados os encaminhamentos de leituras e atividades a serem cumpridas para efeito de certificação. O tempo do professor destinado às atividades pedagógicas sem interação com as crianças. Nessa perspectiva. o (a) Coordenador(a) Pedagógico(a) possui papel fundamental na articulação dos saberes e efetivação deles na prática. Por sua vez. bem como na promoção da formação em serviço. o(a) Coordenador(a) Pedagógico(a) também é agente formador(a). de acordo com sua carga horária. na proposição de novas possibilidades de cuidar e educar na Educação Infantil.PROFESSOR (A) COM CARGA HORÁRIA – 200h (mensais) SEMANA 1ª semana: 2ª semana: CH 8h 4h 4h 4h 4h 4h 4h AÇÃO para elaboração do planejamento pedagógico para elaboração do planejamento pedagógico para aprofundamento de estudos Formação Presencial para elaboração do planejamento pedagógico para elaboração do planejamento pedagógico para elaboração dos relatórios de avaliação Escola Escola Escola A definir Escola Escola Escola LOCAL 3ª semana: 4ª semana: . As visitas de acompanhamento pedagógico às instituições terão como foco subsidiar as professoras e coordenadoras nesse processo de formação na escola.

com exceção da elaboração dos relatórios.3.2. fotografia. Formação Continuada: o professor pedagogo II lotado exclusivamente na Educação Infantil participará da Formação Continuada para Educação Infantil em parceria com o Programa de Alfabetização na Idade Certa (PAIC). As 8 horas restantes serão destinadas a produção de portfólio com os relatos de experiências vivenciadas na Educação Infantil. seguem as orientações acerca das práticas pedagógicas com crianças. 2009. 4 serão no formato da formação presencial por bimestre. 3.2. e 4 serão no formato da formação em serviço. 9º. Na Educação Infantil. cinema. porém essas são complementares ao trabalho desenvolvido pelo Pedagogo I. Professor Pedagogo II O trabalho pedagógico desenvolvido pelo Professor Pedagogo II possui especificidades. que ficará sob a responsabilidade do professor pedagogo I. 2009. poesia e literatura (DCNEI.1. dança. artes plásticas e gráficas. Eixo Educação Infantil. Inciso IX). bem como dos momentos destinados ao planejamento e à formação continuada do pedagogo II. 9º.3. O tempo destinado ao planejamento do professor pedagogo II (1/5 da jornada de trabalho sem a interação com a criança) deverá obedecer as mesmas orientações acima descritas do pedagogo I. Serão destinadas 40 horas de formação a esses profissionais. Art. Nesse sentido. compartilhando-as com o pedagogo I. Destes 8 encontros. ou seja. Também . teatro.2. o cuidado. a preservação e o conhecimento da biodiversidade e da sustentabilidade da vida na terra. distribuídas em 8 encontros com 4 horas cada. as práticas pedagógicas desenvolvidas pelo professor pedagogo II devem garantir experiências que:  Promovam o relacionamento e a interação das crianças com diversificadas manifestações de música. 3.  Promovam a interação.2. 3. Inciso X). No entanto. essa definição de atribuições não inviabiliza que o professor pedagogo II contribua com a socialização de suas percepções acerca das crianças quando julgar necessário. assim como o não desperdício dos recursos naturais (DCNEI. fazendo relação com as temáticas abordadas na formação e que deverá ser entregue ao final do curso. Art.2. realizada na escola sob a responsabilidade do coordenador pedagógico e do formador na ocasião do acompanhamento pedagógico.

. 3. encontros etc) para fortalecer a participação das famílias nas ações da instituição que envolvem a educação e o cuidado das crianças. Para isso.nessa proposta de formação.  Realizar levantamento das necessidades administrativas e pedagógicas da instituição e definir os devidos encaminhamentos. visando à concretização do atendimento educacional com qualidade.  Estar atualizado quanto às produções acadêmicas sobre Educação Infantil. Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico exerce um papel fundamental no sentido de organizar e dinamizar as práticas pedagógicas desenvolvidas pelo (a) professor (a).4.  Analisar juntamente com os demais profissionais da instituição as dificuldades apresentadas por algumas crianças em seu desenvolvimento e buscar alternativas adequadas para a sua superação.  Possuir clareza de que as práticas pedagógicas de educação e cuidado são indissociáveis nessa etapa da educação.  Promover ações (reuniões. O(a) professor (a) pedagogo(a) II deverá cumprir rigorosamente a sua agenda de trabalho e não substituir faltas de professores ao seu expediente de trabalho . serão dados os encaminhamentos de leituras e atividades a serem cumpridas para efeito de certificação.3.  Assegurar o cumprimento das Orientações Pedagógicas contidas nesse documento. o (a) coodenador (a) pedagógico(a) é agente de formação.  Assessorar pedagogicamente os professores na elaboração do planejamento e programas de aula de acordo com o calendário escolar. implementar e avaliar com a comunidade escolar a Proposta Pedagógica da Instituição tendo como base Projeto Político Pedagógico e a Proposta Pedagógica da Rede Municipal de Educação.  (Re) elaborar.2. Na oportunidade dos encontros presenciais. 3. o Coordenador(a) que atua na Educação Infantil deve possuir as seguintes competências no âmbito escolar:  Conhecer as teorias acerca do desenvolvimento e da aprendizagem da criança.  Conhecer as políticas públicas municipais para a área e a legislação específica.

que durante o período de acolhimento/adaptação da criança. 4. as atividades . ou seja.  Propiciar as condições para que o(a) professor(a) possa acompanhar adequadamente as aprendizagens e o desenvolvimento das crianças. Recomenda-se. considerando o uso do livro pelas crianças das turmas de Infantil IV e V.  Promover encontros regulares com os (as) professores (as) para reflexão coletiva sobre suas práticas. Diante dessas competências. tendo como base o Projeto Político Pedagógico e a Proposta Pedagógica da Instituição.  Estimular a participação de professores(as) nos encontros de formação e na realização de estudos na instituição. permanentemente. quando professores (as) e crianças estão se conhecendo. Promover a avaliação e acompanhamento sistemático do desempenho do(a) professor(a).  Participar da Formação Continuada e das reuniões com as equipes técnicas da Secretaria Municipal de Educação (SME) e das respectivas Secretarias Executivas Regionais (SERs). ainda. A utilização do livro didático deverá ter início após as orientações realizadas pelo coordenador(a) pedagógico(a) na oportunidade do planejamento de cada professor(a) . o professor(a) ao contar com esse novo recurso necessita repensar o tempo e o espaço. programas de apoio e orientação às crianças e suas famílias. assim como encaminhar os casos de violência contra a criança aos órgãos competentes.  Assegurar o cumprimento das Orientações Pedagógicas contidas nesse documento na instituição.  Divulgar. tendo em vista a melhoria da qualidade do seu trabalho junto às crianças. A inclusão do livro didático na prática pedagógica da educação infantil A adoção do livro didático Buriti Mirim para a Educação Infantil representa uma série de mudanças no cotidiano das instituições de Educação Infantil. faz-se necessário que o (a) Pedagógico (a) Coordenador (a) elabore um plano de trabalho das ações pedagógicas relacionadas nessas orientações para o acompanhamento dos professores.

reconhecendoo como uma possibilidade de registro dos conhecimentos envolvidos nas diversas experiências do contexto escolar. desenhos.2011. Fixa normas para o ato de criação. as experiências propostas devem. recomenda-se que o livro seja utilizado até três vezes na semana como uma das ferramentas pedagógicas existentes na instituição. livros de literatura infantil. visto que expressam a intencionalidade educativa do(a) professor(a). higiene. como e onde desejam fazê-las. pois essas facilitam o processo de acolhimento. contar/ouvir histórias. Secretaria de Educação do Estado do Ceará. 1996.diversificadas para livre escolha da criança sejam priorizadas. Com isso. pinturas. . REFERÊNCIAS BRASIL. FORTALEZA. construir conhecimentos sobre si. prioritariamente. BRASIL. Resolução nº 02/2010. Fortaleza: SEDUC. respeitando o ritmo e o interesse de cada uma. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. etc. Já as atividades contidas no livro didático. que garantem as experiências diversificadas de oralidade. CME/CEI. Compreede-se como atividades diversificadas para livre escolha aquelas em que as crianças são permitidas a escolherem o que. Na Educação Infantil. A inserção do livro na rotina pedagógica das crianças precisa considerar os tempos que não podem faltar na Educação Infantil propostos nas formações do PAIC. CNE/CEB. o que não inviabiliza a inclusão de outros tempos a depender das demandas das crianças na instituição educativa. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. necessitando de intervenções pedagógicas adequadas ao processo de aprendizagem e de desenvolvimento da criança. são compreendidas como atividades coordenadas pela professor(a). os interesses de aprendizagem da criança. Orientações Curriculares para a Educação Infantil. CEARÁ. considerar as curiosidades. credenciamento e autorização de funcionamento de Instituições Públicas e Privadas de Educação Infantil no âmbito do Sistema Municipal de Ensino de Fortaleza. Ressalta-se que essas atividades demandam também planejamento. a criança é o centro do planejamento pedagógico. como já referido. Respeitando o equilíbrio entre iniciativa infantil e trabalho dirigido pelo(a) professor(a) no momento de planejar e desenvolver as atividades. Resolução nº 05/2009. etc. por exemplo: brincadeiras individuais e em grupos com jogos. alimentação. sobre o mundo físico e social. Brasília.

9º e de muitas outras) que • • • • Considera as possibilidades de interação (criança/criança. Planeja as formas de escuta das crianças. de construção de autonomia (as escolhas).ANEXO I TEMPOS QUE NÃO PODEM FALTAR O QUÊ? PARA QUÊ? COMO? De que forma o professor organiza as experiências nos tempos que não podem faltar? Relacionado às necessidades Ao participarem dessas experiências (Art. de produção. das crianças de educação e cuidado aprendizagens as crianças podem construir? .de diálogo e negociação? Define as possibilidades de ação criativa e exploratória das crianças e de representação verbal (oral. professor/criança). escrita/desenho). de brincadeiras. os desafios. o espaço e o material necessário? Respeita o ritmo e interesse das crianças? As experiências nos tempos fundamentais.