You are on page 1of 9

INTRODUÇÃO A água é fundamental para à vida e à sobrevivência dos seres vivos, e uma boa qualidade no tratamento traz benefícios

e proteção à saúde da população. As medidas adotadas para certificar essa qualidade, estão no desenvolvimento de ações que garantirão à segurança do fornecimento de água através da eliminação ou redução de agentes patogênicos que causam danos à saúde da população (BRASIL, 1990). De todas as matérias primas, a água é a principal constituinte utilizado na formulação e fabricação de cosméticos e além de usada como solvente de componentes constitui parte significativa da maioria dos cosméticos (ALVES, 2009). Como não existem parâmetros farmacopeicos, estabelecidos pelos órgãos legais, referentes à qualidade da água a ser utilizada nas formulações de cosméticos, estes parâmetros são estabelecidos pela própria, no caso, indústria, de acordo com a finalidade das preparações. Existe uma tendência no mercado de se usar como padrões os estabelecidos pela indústria farmacêutica, que segue basicamente as farmacopéias americana e/ou européia. Às quais trazem “Como requisitos mínimos, a água deve ser PW (Purified Water – para o português, água purificada), com condutividade menor que 1,3S/cm, COT (Carbono Orgânico Total) menor do que 500ppb” (LIMA, Erlon). Esta afirmação é confirmada com o exposto pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em seu Guia de Qualidade para Sistemas de Purificação de Água para Uso Farmacêutico do ano de 2013: “No Brasil, os requisitos de qualidade da água para uso farmacêutico são estabelecidos em normas técnicas de Boas Práticas de Fabricação (BPF) e também na Farmacopeia Brasileira. O regulamento técnico vigente que descreve os princípios de BPF é a RDC nº. 17, de Abril de 2010 e a Farmacopeia Brasileira, 5º Edição, que foi estabelecida pela RDC nº. 49, de 23 de Novembro de

Cálcio e Magnésio: Aparecimento de coloração azulada límpida.2010.2ppm. seus conteúdos são fundamentados em recomendações internacionais. e de acordo com a 5ª edição da Farmacopeia Brasileira. Amônio: máximo de 0.1ppm. Água Destilada. Água de Osmose. Nitratos: Máximo de 0. 2010):                Acidez: Não deve desenvolver coloração avermelhada em testes químicos. Resíduos de Evaporação: Máximo de 1mg. os parâmetros físico-químicos e microbiológicos estabelecidos para água purificada são.2ppm.25UI de endotoxinas/mL. Sendo dentre estas a água purificada a mais utilizada (MOUSSAVOU. os tipos de água comumente utilizados são: Água Desmineralizada. Cloretos: Sem alteração na aparência por pelo menos 15 minutos. 2013)”.0MΩ-cm. Alcalinidade: Não deve desenvolver coloração azulada em testes químicos. fazendo com que estejam em consonância com as tendências mundiais (ANVISA. Endotoxinas menor que 0. Ausência de Pseudomonas e outros microrganismos patogênicos.50mg/L. segundo ensaios de pureza (BRASIL. . De acordo com o Dossiê Técnico para o controle de qualidade de produtos e cosméticos. Contagem total de bactérias menor que 100UFC/mL. Condutividade de 0. Resistividade maior que 1. Metais Pesados: Máximo 0. Apesar de esses documentos serem publicados pela Anvisa. COT menor que 0. 2012). Sulfatos: Sem alteração na aparência por pelo menos 1 hora. DUTRA. Assim.1 a 1.3S/cm a 25°C. Água Potável (Rede Pública ou Poço Artesiano).

Para obtenção de água com características que estejam em consonância com a legislação utilizam-se métodos de purificação. Filtração em microporo. Pode ser obtida por osmose reversa ou por uma combinação de técnicas de purificação.  Água potável: Ponto de partida para qualquer processo de purificação de água para fins farmacêuticos. água de osmose e água potável (rede pública ou poço artesiano). É empregada nas etapas iniciais de procedimentos de limpeza e como fonte de obtenção de água de mais alto grau de pureza. os tipos de água citados acima possuem as seguintes características (BRASIL. Ultra filtração. De acordo com a literatura consultada. Este trabalho tem como objetivo descrever de forma clara e objetiva os critérios exigidos pelos órgãos legais sobre o tipo adequado de água a ser utilizada nas formulações de cosméticos em uma indústria de pequeno porte. contudo. 2010):  Água purificada: Produzida a partir da água potável ou da água reagente e deve atender às especificações expressas na farmacopeia. Apresenta níveis variáveis de contaminação orgânica e bacteriana. assim como descrever de forma detalhada todo o processo de controle de qualidade desta água desde sua entrada na indústria até o seu descarte. preconiza-se utilizar água purificada.    Água desmineralizada: Água de osmose: Água destilada: . Osmose reversa. ÁGUA Como não existem normas regulamentadoras que exijam qual o tipo ideal de água a ser utilizado em formulações cosméticas. Obtida do tratamento da água retirada de mananciais. Deionização. Foto-oxidação. Os métodos mais utilizados são: Destilação. água desmineralizada. Adsorção em carvão ativado.

com o objetivo de verificar se esta continua atendendo aos padrões de qualidade exigidos para seu respectivo uso (Mierzwa. os procedimentos adotados para a operação dos processos de seu tratamento e de sua armazenagem e distribuição também irão influenciar na sua qualidade. oriunda da ETA (Estação de Tratamento de Água). torna-se importante que se disponha de dispositivos e/ou procedimentos capazes de monitorar a qualidade da água antes de sua utilização. em uma água mais adequada. Parker. Muradian Filho. com parâmetros físico-químicos e microbiológicos em consonância com o preconizado para uso em indústrias farmacêuticas. . 2006. 2005). sendo.ÁGUA IDEAL Assim como mencionado anteriormente. Esta água. distribuição e uso da água. assim como das condições sanitárias dos equipamentos e de demais dispositivos envolvidos no sistema de produção. limpeza de equipamentos críticos e na composição dos produtos. antes de ser utilizada nas formulações deve passar por algumas etapas que ao final tornariam esta água.7 mS/cm a 20°C < 100 ufc/100 ml <500 ppb Tabela 1: Parâmetros Fisico-Quimicos e microbiológicos da água purificada. o processo de produção da indústria de cosméticos utiliza água purificada como ingrediente na preparação de aditivos. 2000. Contudo. Para que a qualidade exigida seja atingida.6 ~ 4. Desse modo. pura. portanto denominada potável. antes imprópria para a indústria. algumas tecnologias devem ser obrigatoriamente usadas. A água ideal deve conter os seguintes parâmetros: Parâmetro pH Condutividade Contagem Bacteriológica COT Critério de Qualidade 5~7 0. mesmo que o processo de tratamento selecionado seja capaz de produzir água na quantidade e com o grau de qualidade exigido.

Para a obtenção de água com esse padrão de qualidade os seguintes tratamentos são possíveis. Mg++. . por ânion hidroxila (OH). HSiO3-. 2009). Procedimento: água potável passa por sistemas de filtração em leito de areia (para retirar sólidos em suspensão) e também em leito de carvão ativado (para remoção de cloro livre). Depois passa por leitos de resina aniônica (ocorre a troca dos ânions SO4-2. Água passa por leitos de resina catiônica (remoção dos cátions Ca ++. Na+. Cl-. HCO3-. 2009):    Sistema de troca iônica Sistema de osmose reversa Sistemas de destilação Troca iônica Mais utilizado por seu menor custo. NO3-. Figura 1: Processo de dismineralização por troca iônica (ALVES. K++. substituídos por hidrogênio). partindo-se da água potável disponível (ALVES.

Figura 2: Processo de purificação por osmose reversa (ALVES. 2009). PH: a rejeição é relativamente constante na faixa de PH de operação. Essa tecnologia é pouco utilizada devido ao seu alto custo (ALVES. Concentração de sais: a qualidade do permeado diminui com o aumento da concentração de sais na água de alimentação. . Comum usar em águas brasileiras.Há o sistema de resinas catiônicas e aniônicas em um mesmo leito/leito misto. Pressão: a rejeição aumenta com o aumento da pressão.  Rendimento: a qualidade do permeado diminui com o aumento do rendimento da membrana. que permitem que a água permeie através da membrana deixando na corrente original os íons e outras impurezas indesejáveis. estas possuem baixa salinidade. 2009):     Temperatura: a rejeição de sais diminui com o aumento de temperatura. 2009). O sistema de leito misto torna o processo mais econômico por possuir uma quantidade menor de componentes (ALVES. Um sistema de osmose reversa depende dos seguintes fatores (ALVES. OSMOSE REVERSA A água potável passa por um conjunto de elementos de membranas semipermeáveis. 2009).

A tudo isso se soma o mais grave que é o risco potencial a saúde do consumidor. equipamentos e utensílios utilizados nos processos de fabricação. Na lavagem e limpeza de pisos e ambientes de fabricação. a destilação. Na lavagem e limpeza de tanques. Tudo isso faz com que seja um sistema não utilizado nas operações indústrias da indústria de cosméticos (ALVES. o resultado será a inutilização do produto devido ao desenvolvimento de odores desagradáveis. DESTILAÇÃO O terceiro processo para purificação de água. Como meio de obtenção de grandes quantidades de água purificada a destilação apresenta custo elevado. para a indústria de cosméticos não existe uma legislação nacional e mesmo internacional que especifique os padrões de qualidade necessários para o uso da água nesse seguimento industrial. é mais empregado na indústria farmacêutica para obtenção de água estéril em pequenas quantidades. como enfluente nos processos de fabricação. Além da energia consumida para o sistema de evaporação é necessário igualmente um sistema de refrigeração para condensar o vapor para fase líquida. Para consumo e uso na higiene pessoal dos empregados da empresa. Para limpeza de ruas e . Contudo. 2009). 2009). No transporte de resíduos em geral. Como meio de resfriamento e aquecimento. Como diluente ou veiculo na preparação de matérias primas como no caso de corantes e aditivos. Em geral. em decorrência da energia envolvida. A portaria 518/2004 contem todas as informações referentes à potabilidade da água. na indústria cosmética a água é empregada nos seguintes processos: Como matéria prima que deve ser incorporada ao produto podendo variar de 20% a 80% da composição típica.A água potável que alimenta o sistema de osmose reversa deve ser prétratada para que esteja livre de impurezas e de cloro que podem danificar ou reduzir a vida útil das membranas (ALVES. Outro aspecto importante é a presença na água de contaminantes microbiológicos. Se houver a proliferação de microrganismo nos cosméticos.

nos diferentes processos e também pela população de um empreendimento industrial. coloidais ou dissolvidos). rev. Após a sua utilização. outra questão essencial é como retornar essa água ao ambiente e em que condições. portanto. Guia de Controle para Sistemas de Purificação de Água para Uso Farmacêutico.áreas externas bem como irrigações de jardins e lâminas d’água decorativos para efeitos paisagísticos. necessários ao processo produtivo nas indústrias. Tratamento de efluentes Além do consumo e. Referências ALVES. S. 130p. vegetais e microorganismos). a água acumulará impurezas e contaminantes que levarão a alterações de suas características:    Físicas: gases ou sólidos (suspensos. S. São aulo. Assim essas águas residuárias devem ser tratadas adequadamente para que atendam aos padrões de qualidade que possibilitem seu lançamento nos corpos hídricos. Químicas: substância inorgânicas ou orgânicas. Conservação e Reuso de Água em Indústrias da Cosméticos: Estudo de Caso da Natura Cosméticos. 2013. Brasília. da retirada dos mananciais de grandes volumes de água. ANVISA. . Biológicas: seres vivos (animais. 2009. ed.

A. 40p MORENO. H. A.. V. . Brasília: Anvisa. Avaliação da Qualidade da Água purificada em Farmácias Magistrais da Região de São José do Rio Preto. Controle de Qualidade de Produtos Cosméticos [Dossiê Técnico]. SALGADO. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. Rio de Janeiro. G. 69-75p. Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro – REDETEC. SP. Farmacopeia Brasileira – Volumes I e II. TOZO. MOUSSAVOU. U.. C. G. Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT. C.BRASIL. 2010. H. R. DUTRA.. 524p. 2012. P. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. 2011. N.