You are on page 1of 3

Prova simulada elaborada pelo professor, no padrão adotado nas avaliações de desempenho.

Modelo:

Aula15: Questões de múltipla escolha: 1- "Não faz muito tempo, houve no Rio de Janeiro, um congresso internacional de turismo e seus planejadores sentiram que os visitantes não poderiam converter em espetáculo os setores excluídos da vida tecno-civilizada da cidade. Convocaram-se as empresas de tabuletas (out-doors como manda o figurino) para tapar o que não se podia mostrar: os pardieiros, o lixo, as favelas. Ficou evidente que, além de apregoar salsichas e alpargatas, os tapumes coloridos tinham a importante função social de modernizar a paisagem, de reajustar uma imagem da terra às exigências estéticas das retinas. Veja-se bem: não se cogitou nem uma vez sequer de restruturação do espaço social, mas das atitudes prováveis diante desse espaço. É exatamente isto o que chamamos de televisão do mundo." ( Muniz Sodré) Com base no texto acima e nas aulas de Antropologia e Sociologia, assinale a única alternativa que explique o texto acima: A) O texto faz uma critica severa à formação do povo brasileiro que em tudo dá um jeitinho, revelando uma completa falta de cultura. B) O texto faz uma crítica severa à forma como o espaço urbano é organizado, gerando a desigualdade social. C) O texto faz uma crítica severa à indústria do lazer , que cada vez mais deve primar pela tolerância e pela compreensão dos valores, da lógica e da dinâmica própria de cada país. D) O texto faz uma crítica severa ao consumismo, mostrando que o encontro entre diferentes culturas propicia a humanização das relações sociais, a partir do aprendizado sobre as diferentes visões de mundo. E) O texto mostra que as populações mais pobres são menos desenvolvidas intelectualmente, o que dificulta sua percepção de espaço. "A propaganda, seja ela comercial ou ideológica, está sempre ligada aos objetivos econômicos e aos interesses da classe dominante. Essa ligação, no entanto, é ocultada por uma inversão: a propaganda sempre mostra quem sai ganhando com o consumo de tal ou qual produto ou ideia não é o dono da empresa, nem os representantes dos sistema, mas, sim, o consumidor." (Aranha e Martins, 1999, p. 50). O texto refere-se ao conceito de ideologia que, de acordo com Karl Marx, é: A) O conjunto de ideias da classe dominante presente em todas as épocas. Quando uma nova classe passa a dominar, ela apresenta o seu interesse de forma explícita desconsiderando o interesse de todos os membros da sociedade. B) O conjunto de ideias que reproduzem valores etnocêntricos da classe dominante que é possuidora de uma educação formal erudita, política e econômica, que fornecem subsídios para o desenvolvimento político e econômico da nação. C) O conjunto de ideias, de pensamentos, de doutrinas ou de visões de mundo de um indivíduo, no qual cada um possui uma ideologia própria. D) O conjunto de ideias da classe dominante que faz uso de ferramentas simbólicas voltadas à criação e/ou manutenção das relações de dominação. E) O conjunto de ideias que determina o modo de pensar, sentir e agir de uma sociedade que tem por base a consciência coletiva.

3- O conceito de dominação é central na sociologia de Max Weber. O autor construiu três tipos puros de dominação explicitando os fundamentos que tornam legítima a autoridade ou justificam a dominação de cada tipo, válidos em diferentes contextos históricos. Segundo esse autor, com relação à dominação legal racional, qual das afirmativas subsequentes é correta? A) A legitimidade da dominação legal racional encontra-se na crença de que o poder de mando tem um caráter sagrado ou herdado do passado. B) A legitimidade do mando se dá em razão das qualidades excepcionais de um(a) líder. C) Os aparatos burocráticos, na modernidade, só atrapalham a dominação legal racional, cuja legitimidade deve ser buscada na confiança no chefe. D) A dominação legal racional legitima-se na crença na validade do estatuto legal, da competência funcional e em torno de autoridades baseadas em uma ordem impessoal. E) O ordenamento da dominação legal racional está fixado na tradição e sua violação seria uma afronta à legitimidade do dominante. Questões discursivas: 4 - Karl Marx, em sua análise sobre o estado burguês, afirma que o "estado é um coletivo ilusório". Explique esta afirmativa. 5 - Os textos abaixo retratam contextos históricos diferentes que marcam a condição feminina na sociedade. ¿O melhor resumo prático de todo o programa moderno breve consistirá neste princípio incontestável: o homem deve sustentar a mulher a fim de que ela possa preencher convenientemente seu santo destino social. Espero que este catecismo faça apreciar a íntima conexão que existe entre esta condição e o conjunto da grande renovação considerada sobre todos os seus aspectos: moral, mental e mesmo material. Sob a santa revolução feminina, a revolução proletária se purificar-se-á espontaneamente das disposições subversivas, que até aqui a têm neutralizado.¿ (COMTE, A. . Catecismo positivista.) A hora e a vez da mulher: independentes, elas se equiparam aos homens na vida sexual. (...) Amparadas na revolução sexual desencadeada na década de 70, bem como na independência financeira, social e profissional obtidas nas últimas décadas, muitas já assumem sem medo e sem pudor, serem viciadas na busca pelo prazer, pela realização dos seus desejos e fantasias. Detalhe: na hora em que lhes convier e com quem elas decidirem que mereça o prazer de suas companhias. (Jornal da Estácio. Abril 2007, p.6) O primeiro texto foi escrito no século XIX por Auguste Comte e o segundo diz respeito a situação da mulher no século XXI. Como se apresenta a relação homem-mulher nos dois casos? 6- A Sociologia, para Max Weber, é a ciência "que pretende entender, interpretando-a, a ação social para, dessa maneira, explicá-la casualmente em seu desenvolvimento e efeitos" (Weber, Max. Economia e Sociedade). Para compreender uma ação através do método científico, o sociólogo constrói tipos puros ou ideais de ação. Nesta perspectiva, analise o texto abaixo, identificando o(s) tipo(s) de ação e motivação presente(s ). RJ inclui a modalidade "homofobia" nos boletins de ocorrência policial (Agência Brasil, 15/05/2009) A partir de junho, os boletins de ocorrência das delegacias do Estado do Rio de Janeiro contarão com a opção "homofobia" entre as possíveis motivações para um crime. A classificação desse tipo de violência pela polícia é inédita no país e foi divulgada hoje (15) pelo governo estadual, atendendo uma antiga reivindicação de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros (LGBTT). O governo também anunciou o investimento de R$ 100 mil no treinamento de combate à violência motivada pela orientação sexual da vítima, direitos dos LGBTT e práticas policiais para 5.000 agentes. Os cursos serão realizados neste ano. O superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos, Cláudio Nascimento, explica que a mudança nos boletins de ocorrência e a capacitação de policiais fazem parte do plano Rio sem Homofobia, elaborado pelo governo em parceria com a sociedade, em 2008. Além de ações na área de segurança, o programa abrange medidas nas áreas de saúde, educação e mercado de trabalho, por exemplo, além de estipular prazos para cumprimento de metas. Para garantir a aplicação do plano, o governo também vai anunciar na próxima segunda-feira (18) a criação de um conselho com 60% de representantes da sociedade e 40% de gestores públicos. "É preciso ter um

instrumento formal do governo para avaliar, fiscalizar e acompanhar as políticas públicas, com a presença da sociedade. Esse conselho deliberativo será um espaço de articulação e de fiscalização", explicou o superintendente. Uma das entidades que terá assento garantido é o Grupo Arco-Íris. A presidente da organização não governamental, Gilza Rodrigues, afirma que a aplicação do plano poderá ser o fim da violência contra os LGBTT. Pesquisa divulgada esta semana pela Fundação Perseu Abramo revela que 47% dos GLBTT já foram vítimas de violência por conta da orientação sexual e 25% dos brasileiros admitem ter aversão a essa parcela da população.