You are on page 1of 6

Aula 06: Princípios e Formação dos Contratos.

Classificação dos Contratos Princípios e Formação dos Contratos Princípios: • • • • • Consensualismo – Em regra, os contratos nascem a partir do simples consenso, ajuste entre as partes. Autonomia da Vontade (Liberdade de Contratar) – As partes estão livres para contratar se quiserem e, a princ pio, com as cl!usulas que quiserem " #$% C.C. &upremacia da 'rdem ()blica – A ordem p)blica (normas de ordem p)blica) est! acima da liberdade contratual " #$% C.C. &ocialidade – ' contrato deve atender a uma *un+ão social. ' contrato não pode atender apenas os interesses dos contratantes, violando o interesse social. " #$% CC. ,oa"*- – As partes devem ser .onestas na *orma+ão e na e/ecu+ão do contrato, e mesmo depois de sua e/tin+ão. " #$$ C.C. ',&0 A boa"*- objetiva *a1 nascer deveres ane/os (laterais, de conduta, derivados, acess2rios), que não dependem do ajuste, e/presso ou t!cito, das partes, e/istindo independentemente da vontade das partes. • • • 'brigatoriedade (Pacta Sunt unilateralmente, da rela+ão. Servanda) – 's contratantes não podem desistir,

3usti+a Contratual " Em regra, o contrato deve estar equilibrado. 4elatividade – A princ pio, o contrato s2 produ1 e*eitos entre as partes.

Formação dos Contratos • Fase preliminar " tratativas, negocia+5es preliminares, *ase da puntua+ão – Esta *ase não vincula, e a desist6ncia da reali1a+ão do contrato por uma das partes, a princ pio, não gera responsabilidade civil, salvo m!"*-. (4esponsabilidade pr-"contratual) Proposta – A proposta de contrato vincula o proponente7policitante (#$8 C.C.), salvo as e/ce+5es previstas em lei (E/0 parte *inal do #$8 do C.C. e as .ip2teses do #$9 C.C.) ',&0 A proposta deve ser s-ria e c.eia

(ossibilidades de proposta0 - proposta entre presentes – a aceita+ão deve ser imediata, se reali1ada sem pra1o. - proposta a ausente sem prazo: dei/a de ser obrigat2ria se decorrer tempo su*iciente para c.egar a resposta ao proponente (:pra1o moral;). &e o aceitante retarda a aceita+ão, libera"se o proponente< - proposta a ausente com prazo: dei/a de ser obrigat2ria se a aceita+ão *or e/pedida ap2s o t-rmino do lapso *i/ado.

ega ao con. (art.ecimento do proponente< • 'ugar dos Contratos: . salvo nas . #>D CC. • Aceitação – pode ser e/pressa ou t!cita. etc. e/ceto se o pr2prio proponente aceitar convalid!"la.egar antes da aceita+ão ou em conjunto com ela (art. • omento da conclusão do Contrato.e/pedida pelo oblato (=eoria da E/pedi+ão – #>#. que ocorre quando o oblato modi*ica a proposta. acrescentando ou retirando algo.recebida pelo proponente). """ % sistema da recepção0 o contrato aper*ei+oa"se no momento em que o policitante recebe a resposta dada a sua o*erta.e con.proposta a ausente seguida de retratação: se a retrata+ão do policitante c. con*orme demonstra o art.ecimento do teor da resposta.ecida do policitante< "" % sistema da e&pedição0 a celebra+ão do contrato se opera quando a comunica+ão da aceita+ão .v!lida se o contrato ainda não se *ormou. j! que a proposta e a aceita+ão surgem em momentos distintos. a proposta não o obriga. A aceita+ão ocorre no momento em que a resposta . mas tão somente que a resposta c. ?este caso.ecimento e*etivo da aceita+ão.a aceita+ão modi*icativa. " @orma+ão dos contratos por correspond6ncia (. B o sistema adotado pela legisla+ão brasileira (art. " Retratação do Aceitante: s2 . (pela qual a aceita+ão acontece quando a resposta .). $eclaração0 divide"se em tr6s subsistemas0 " % sistema da simples aceitação0 o contrato se *orma no momento em que o destinat!rio da proposta declara a aceita+ão. não . independente de e/pedi"la ou tornar"l. lendo.egue ao local onde possa estar dispon vel ao con. embora de *orma mitigada. não sendo necess!rio que tome con.. transformando-se em proposta a resposta dada ao proponente. por e/emplo.e/pedida (carta.).ecimento do oblato antes da e/pedi+ão da aceita+ão.C. C. Aqui. cria"se crit-rio objetivo para a a*eri+ão do momento de *orma+ão do contrato. que ocorre com os atos materiais de e/pedi+ão da resposta. telegrama.caput. #>> do CC). #.ip2teses em que se adota a =eoria da 4ecep+ão. Cois sistemas b!sicos regulam tal situa+ão0 !.! *orma+ão do contrato.oje ditos entre ausentes)0 A! intervalo entre aceita+ão e proposta. #># do CC). B necess!rio *i/ar o momento em que o contrato se *orma. #>% CC) " Aceitação Tardia: a aceita+ão *ora do pra1o não cria o contrato. "nformação: ' contrato reputa"se conclu do quando o proponente toma con. devendo a retrata+ão c. " Contraproposta: . o seu conte)do.

&ervi+os ()blicos) Contratos Contra(tipo *Formul4rio+ % previamente *ormulado. GH. Cons2rcio. Alguns contratos banc!rios) • )uanto a sua forma: Contratos Consensuais % se *ormam e/clusivamente pelo acordo de vontades (E/. &eguro) Contratos 3ratuitos % somente uma das partes au*ere bene* cio ou vantagem (E/. Compra e Venda de bens m2veis) Contratos /olenes % devem obedecer a *orma prescrita em lei para se aper*ei+oar (E/.nilaterais % cria obriga+ão somente para uma das partes (E/. onde as partes discutem livremente as condi+5es. Aposta. &ão os vinte e tr6s contratos nominados no C2digo Civil. não podendo modi*icar suas condi+5es (E/. Compra e Venda Aleat2rios % pelo menos um dos contratantes não pode não pode antever a vantagem que receber! em troca da presta+ão.rasileiro. a entrega da coisa (traditio) do objeto (E/. Cep2sito. doa+ão pura) Contratos -ilaterais % cria obriga+ão para ambos os contratantes (E/.o local onde *oi celebrado. As partes podem antever que vantagens e Knus geralmente se equivalem (E/. esquemas ou tipos de regulamenta+ão espec *ica da lei. acaso – (E/. &ociedade) Contratos .! espa+os para inclusão de dados. ( Contratos entre presentes0 o lugar do contrato . Compra e Venda) /u0di1idem em: Comutati1os % presta+5es certas e determinadas. Coa+ão pura) • )uanto a sua formação: Contratos Parit4rios % *orma tradicional. M)tuo.o local onde *oi proposto. Compra e Venda de Jm2veis. (acto Antenupcial) Contratos Reais % e/igem al-m do consentimento. 3ogo. Comodato) • )uanto a sua denominação: Contratos 5ominados % tem denomina+ão pr2pria no ordenamento jur dico. os Contratos são classi*icados da seguinte *orma0 Contratos considerados em si mesmos: • )uanto a sua natureza *efeitos+: Contratos . Caracteri1a"se pela incerte1a " !lea L sorte. As partes estão em situa+ão de igualdade. Esp-cies contratuais que servem de base N *i/a+ão de modelos. Contrato previamente con*eccionado onde o outro contratante somente adere. ( Contratos entre ausentes0 lugar do contrato . #>F do CC 7 art.! cl!usulas impostas e e/iste equival6ncia entre os contratantes (E/.a da lei no tocante ao espa+o. . Compra e Venda) Contratos Plurilaterais % cont-m mais de duas partes (E/. ?ão . Contratos por Adesão % não permitem discussão de condi+5es devido a preponderEncia de vontade de um dos contratantes.nerosos % ambos os contratantes obt6m vantagens e Knus rec procos (E/. risco. Contratos "nominados % não tem denomina+ão pr2pria no ordenamento jur dico. (art.A importEncia de *i/ar o lugar dos contratos prende"se a necessidade de determinar a compet6ncia dos tribunais e a escol. por-m suscet vel de altera+5es e normalmente . I $H da LJCC) Ce acordo com o atual C2digo Civil .

@ian+a. Compra e Venda) Contratos Coleti1os % acordo de vontades entre duas pessoas jur dicas de direito privado. autKnoma e não depende de qualquer outro (E/. Entrega de bens. ?ormalmente todo contrato nominado . mesmo que envolva v!rias pessoas (E/.or. servi+os) Contratos "ndi1iduais % vontades são individualmente consideradas. que somente são reali1ados ao mesmo tempo ou em um mesmo documento. V nculo meramente e/terno (E/.Contratos Típicos % são regulados pela lei. loca+ão) • )uanto a pessoa do contratante: Contratos Pessoais % celebrado em aten+ão Ns qualidades pessoais de um dos contratantes. Compra e venda N vista) Contratos de 7&ecução $iferida % consumam num s2 ato. por cl!usula acess2ria. Contrata+ão de determinado ator para um evento) Contratos "mpessoais % a obriga+ão pode ser cumprida indi*erentemente pelo obrigado ou por terceiro (E/. Compra de im2vel e repara+ão de outro pr-dio) • )uanto ao o06eto: Contratos Patrimoniais % o objeto entende"se patrimonial estritamente dito Contratos Pessoais % atinentes a alguma presta+ão do contratante ou de outrem em seu lugar Contratos /ociais % visam interesse da coletividade • )uanto a tempo de sua e&ecução: Contratos de 7&ecução "mediata ou "nstant8nea % consumam num s2 ato (E/.ipoteca) Contratos $eri1ados % derivam de outros contratos (E/. Contratos Atípicos % acordo de vontades que não tem caracter stica e requisitos de*inidos em lei Contratos istos % contrato t pico onde se acrescenta cl!usulas criadas pela vontade dos contratantes Contratos Coligados % contratos distintos. transporte. por-m em um momento *uturo (E/. representativas de categorias pro*issionais (conven+5es coletivas) Contratos reciprocamente considerados: • • • Contratos Principais % tem e/ist6ncia pr2pria. que não pode ser substitu do por outrem (E/. impl cita ou e/pl cita (E/.t pico e vice"versa. compra casa de praia e loca"a para veraneio) . Compra com entrega em determinada data) Contratos de Trato /ucessi1o ou de 7&ecução Continuada *prestaç9es+ % cumprem por meio de atos reiterados (E/.nião de Contratos % contratos distintos e autKnomos. compra autom2vel e arrenda garagem. &ubloca+ão) Caso Concreto . por-m ligados por um ne/o *uncional. pen. . Compra e venda a pra1o. Compra autom2vel e gasolina. Loca+ão) Contratos Acess2rios % depende da e/ist6ncia de outro contrato para sua e/ist6ncia (E/.

Assim. ano $D%%. um autom2vel. por isso e em virtude dos princ pios antes apontados.06eti1a ! (=34' $D%$) As tratativas para a celebra+ão de um contrato representam0 a. Ciante deste conte/to0 a) Classi*ique o contrato de seguro de vida. em esp-cie. I$o. presente a *un+ão social. Cireito condicional.uma ve1 que o corretor se presume representante legal da seguradora con*orme art.ecimento que o ve culo apresentava avarias na . quando iminente a possibilidade do sinistro. 3a0arito0 ' contrato se seguro de vida . CC e. E/plique sua resposta. b) Aplicam"se ao caso as regras do CCC. Cireito potestativo. apresentados os recebidos emitidos pelo corretor. ' autor adu1iu a circunstEncia de que sua rela+ão contratual sempre *oi pautada pelo cumprimento das obriga+5es contratuais e alegou que.ouve concilia+ão. ?ão . & lvio tomou con.em pleitear a continuidade do contrato.plenamente aplic!vel aos contratos de seguro. .de 3os.se prova. com a venda dos seus produtos e servi+os. oneroso.. >o.DD (trinta e quatro mil reais). veri*icou a perda do carn6 de pagamento e comunicou o *ato ao seu corretor de seguros que.. &urpreso e temeroso pelo *ato.DG. o seu ato de con*ian+a no corretor que prestaria servi+os para outras empresas e tamb-m para a r-. estaria plenamente justi*icado. )uestão .ouve inadimplemento de 3os. Cireito conservativo. $D%>) Em %$. CCC. con*orme art. brasileiro. c) ' inadimplemento do segurado pode ser relevadoO 3usti*ique sua resposta com base nos princ pios contratuais. & lvio adquiriu de Maur cio. )uestão .(=37(A $DDG adaptada) 3os. regularmente citada. Cireito eventual. com o consequente cancelamento do valor previsto no contrato. d. Em *evereiro de $DD9. prontamente a*irmou poder receber as presta+5es vencidas. agora. propKs a+ão de consigna+ão em pagamento das quantias impagas. Ap2s o pagamento de cinco presta+5es.DDD. tendo pago $#D presta+5es. 3a0arito0 Letra C. Vinte dias ap2s a celebra+ão do neg2cio. e. *oi noti*icado pela compan. Al-m disso. não poderia ser prejudicado. mediante recibo. 88F. de adesão e de e/ecu+ão continuada. o que restou inde*erido.06eti1a # (JQ 'A. por 4R >#.%$. E/pectativa de direito. CC.bilateral. com base no princ pio da boa"*-. A r-.avia sido cancelada por *alta de pagamento. comutativo para o segurado e aleat2rio para a seguradora. 8PF. b.se presume e a m!"*. 3a0arito0 A boa"*. ?ão se pode a*irmar no caso que .ia de seguros de que sua ap2lice .da &ilva. %F$F. residente N 4ua dos 'itis n. apresentou contesta+ão e requereu a inclusão do corretor de seguros no polo passivo como litisconsorte. empres!rio. c.el-m7(A. tem ra1ão 3os. por contrato particular de compra e venda. uma ve1 que *ora comunicado que seria portador de doen+a grave e incur!vel. (or outro lado. =rata"se de princ pio que est! presente em todas as *ases contratuais e no contrato de seguro possui previsão espec *ica no art.resta demonstrada. 3a0arito0 ' CCC . solteiro. a boa"*. que possibilita a distribui+ão justa de rique1as. pactuou com a empresa &eguro &7A contrato de seguro de vida.

c. o pra1o decadencial legal para reclama+ão do v cio oculto correr! independentemente do pra1o da garantia estipulada. 3a0arito0 Letra . descon.a agido com dolo positivo. tornando seu uso impr2prio pela aus6ncia de seguran+a. Caso &ilvio e Maur cio estabele+am no contrato cl!usula de garantia pelo pra1o de GD dias. & lvio ter! o pra1o de do1e meses.ecimento do de*eito.ip2tese acima e as regras de direito civil. persistir! a irresponsabilidade de Maur cio mesmo que este ten. b. assinale a a*irmativa correta. Mauricio dever! restituir o valor recebido e as despesas decorrentes do contrato se. ##F e ##P. ap2s o con. Caso &ilvio e Mauricio ten. a.suspensão dianteira. " arts. . de acordo com a . d.am inserido no contrato de compra e venda cl!usula que e/clui a responsabilidade de Mauricio pelo v cio oculto. para reclamar a Maur cio o abatimento do pre+o pago ou des*a1imento do neg2cio jur dico em virtude do v cio oculto. ##>. Considerando que o v cio apontado e/istia ao tempo da contrata+ão.ecesse o de*eito na suspensão dianteira do ve culo. no momento da venda. CC.