You are on page 1of 32

N-116

REV. D

09 / 2010

Sistemas de Purga de Vapor em Tubulações e Equipamentos

Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma. A Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma é a responsável pela adoção e aplicação das suas seções, subseções e enumerações.

CONTEC
Comissão de Normalização Técnica

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pela Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter impositivo. Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pela Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter não-impositivo. É indicada pela expressão: [Prática Recomendada]. Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão Autora. As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, a seção, subseção e enumeração a ser revisada, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma. “A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS, de uso interno na PETROBRAS, e qualquer reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente, através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade industrial.”

SC - 17
Tubulação

Apresentação
As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho - GT (formados por Técnicos Colaboradores especialistas da Companhia e de suas Subsidiárias), são comentadas pelas Unidades da Companhia e por suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SC (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e as Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos representantes das Unidades da Companhia e das Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a Norma Técnica PETROBRAS N-1. Para informações completas sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS. PROPRIEDADE DA PETROBRAS 30 páginas, Índice de Revisões e GT

N-116
1 Escopo

REV. D

09 / 2010

1.1 Esta Norma padroniza os diversos sistemas de purga de vapor, incluindo a instalação de distribuidores de fluxo, purgadores e acumuladores de condensado.

1.2 Esta Norma se aplica a projeto e instalação de sistemas de purga de vapor em tubulações e à drenagem de condensado dos ramais de aquecimento, em regime permanente. 1.3 Esta Norma não se aplica aos purgadores instalados na tubulação de saída de aquecedores, serpentinas, refervedores, vasos com camisa de vapor e outros equipamentos com finalidade similar em que o vapor atue como meio de aquecimento, que devem obedecer a PETROBRAS N-57.

1.4 Esta Norma não se aplica à purga de condensado na partida de tubulações, a qual deve ser feita através de procedimentos operacionais adequados.

1.5 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.6 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.

2 Referências Normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação desta Norma. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes dos referidos documentos (incluindo emendas). PETROBRAS N-42 - Projeto de Sistema de Aquecimento Externo de Tubulação, Equipamento e Instrumentação, com Vapor; PETROBRAS N-57 - Projeto Mecânico de Tubulação Industrial; PETROBRAS N-59 - Símbolos Gráficos para Desenhos de Tubulação; PETROBRAS N-76 - Materiais de Tubulação para Instalações de Refino e Transporte; PETROBRAS N-250 - Montagem de Isolamento Térmico a Alta Temperatura; PETROBRAS N-550 - Projeto de Isolamento Térmico a Alta Temperatura; PETROBRAS N-1692 - Apresentação de Projetos de Tubulação; ANSI ASME B 1.20.1 - Pipe Threads General Purpose (Inch); ASME B 16.11 - Forged Fittings, Socket-Welding and Thread; ASTM A 105 - Standard Specification for Carbon Steel Forgings for Piping Applications; ASTM A 193 - Standard Specification for Alloy-Steel and Stainless Steel Bolting for High Temperature or High Pressure Service and Other Special Purpose Applications; ASTM A 269 - Standard Specification for Seamless and Welded Austenitic Steel Tubing for General Service.

2

N-116
3 Termos e Definições

REV. D

09 / 2010

Para os propósitos desta Norma são adotados os termos e definições indicadas em 3.1 a 3.3, complementadas pela PETROBRAS N-42.

3.1 “manifold” de distribuição ou alimentação de vapor conjunto de válvulas em um corpo modular instalado verticalmente interligando o ramal de suprimento aos ramais de aquecimento. (ver Figura A.5)

3.2 DFU (Distribuidor de Fluxo Universal) conjunto de válvulas integradas em um único corpo para acoplamento do purgador, podendo ser simples ou duplo

3.2.1 DFU simples DFU de 2 válvulas para descarregar na atmosfera

3.2.2 DFU duplo DFU de 4 válvulas para retorno do condensado

3.3 “manifold” de coleta de condensado conjunto composto de tubos e DFUs instalado horizontalmente interligando os ramais de aquecimento, purgadores e coletor de condensado (ver Figura A.6)

4 Condições Gerais
4.1 Sistemas de Purga

4.1.1 Os sistemas de purga para tubulação devem obedecer a um dos padrões típicos apresentados nas Figuras A.1 a A.4. A simbologia empregada nas Figuras está de acordo com a PETROBRAS N-59.

4.1.2 No caso de aplicação de distribuição de vapor o arranjo deve ser de acordo com a Figura A.6.

4.1.3 No caso de aplicação de coleta de condensado o arranjo deve ser de acordo com a Figura A.6.

4.1.4 Quando forem necessárias outras configurações, a projetista deve consultar o responsável pelo projeto junto à PETROBRAS.

4.1.5 Para os sistemas de purga com retorno de condensado, deve ser minimizado o comprimento dos ramais.

4.1.6 O diâmetro da tubulação dos sistemas de purga, de tubulação e linha de aquecimento, deve ser de 1/2”, conforme indicado nos padrões das Figuras A.1 a A.6. 3

A. 4. deve-se utilizar tubos e conexões de instrumentação. A jusante do bloqueio de purga e a montante do bloqueio de coleta. A. 4.1.1 Devem ser utilizados purgadores bóia livre ou termodinâmicos para vazões de condensado até 3 kg/h. 4.13 Cálculo do Consumo de Vapor 4.13. com diâmetro externo de 1/2” (“tubing”). o consumo em regime permanente para cada 100 m de tubulação é o apresentado nas Figuras A. 4.15.15. 4. em aço inoxidável.2.8 a A.13.3 Para drenagem de condensado de equipamentos.1. D 09 / 2010 4.1. a projetista deve consultar o responsável junto à PETROBRAS.11 Para as linhas de purga de condensado. [ Prática Recomendada] 4.2.10 Para purgadores termodinâmicos.1.1. 4 .2 Quando forem necessárias outras configurações. 4.1.1.1.1.1. 4. distribuidores de fluxo e conexões universais devem ser selecionados a partir da relação de purgadores qualificados e aprovados pela PETROBRAS.3 e A. a montante dos purgadores.14. conforme a ASTM A 269 TP 316.2 Purgadores termodinâmico não necessitam de válvula de retenção.12 Os ramais do sistema de purga devem ser isolados conforme as PETROBRAS N-250 e N-550.2 Para purga de tubulações de vapor.1. 4.7. recomenda-se instalar silenciador para redução de ruído em sistema que tenha alívio para a atmosfera.1. recomenda-se manter declividade no sentido do fluxo.15. consultar a PETROBRAS N-57.4.2 Acumuladores de Condensado 4. conforme Anexo B. conforme a PETROBRAS N-76 ou especificação aplicável do órgão operacional.1 Os acumuladores de condensado devem ser projetados e instalados conforme mostrado nas Figuras A.9 Os arranjos de tubulação devem prever uma distância mínima do piso que possibilite a desmontagem para manutenção. [ Prática Recomendada] 4. 4.1.14 Os purgadores devem ser relacionados conforme a PETROBRAS N-1692.7.1 Para purga dos sistemas de aquecimento consultar a PETROBRAS N-42. bóia livre em função de sua maior capacidade e melhor desempenho ou termodinâmico. 4. Para vazões acima de 3 kg/h até 100 kg/h utilizar purgadores de balde invertido (panela invertida).8 O material das linhas de drenagem de vapor deve obedecer à padronização das linhas a que pertencem. 4.2. no mínimo.1.7 Os purgadores. de acordo com a Figura A.13.N-116 REV.5. subseção 10. A garantia do fabricante deve ser.7.15. de 3 anos.

6 A distância B apresentada nas Figuras A. 4.4 Os acumuladores das Figuras A.N-116 REV.14.18” 20” .8. no mínimo.11 são para linhas de vapor de diâmetros de 2” a 36”. de 100 mm.10.3 As dimensões dos acumuladores das Figuras A. devem obedecer a TABELA 1.15. Tabela 1 .14 são para linhas de vapor de diâmetro de 1/2” a 1 1/2”.2.14” 16” .12 a A.2. D 09 / 2010 4.5 Todos os materiais dos acumuladores devem obedecer as padronizações da linha.8. conforme a PETROBRAS N-76 ou especificação aplicável do órgão operacional.10 e A. medida entre soldas. Nas Figuras A.12 a A.9 e A. a distância C deve ser. A. 4. 5 .8 A distância máxima entre acumuladores de condensado é igual a capacidade do purgador dividida pelo consumo de vapor por unidade de comprimento obtida na Figura A.Dimensões dos Acumuladores e Conexões Diâmetros Linha 2” 3” .36” Acumulador 2” igual diâmetro da linha 8” 10” 12” Saída para purgador 1/2” 1/2” 1/2” 1/2” 1/2” Dreno 3/4” 1 1/2” 1 1/2" 3” 3” 4.8 a A.2. A. 4. no mínimo. 4. de 160 mm.2. limitada a 250 m em trecho horizontal.7 Os drenos com diâmetros iguais ou superiores a 2” não devem ter luvas nem niples. devendo ser empregadas conexões flangeadas. Os acumuladores das Figuras A.8” 10” .2.2.11 deve ser estabelecida de acordo com as circunstâncias de projeto e ser.

N-116 REV.1 . D 09 / 2010 Anexo A .Padrão de Sistema de Purga para Ponte de Tubulação com Retorno de Condensado 6 .Figuras Isolamento Linha de vapor Vapor Tubo dobrado Retorno de condensado VGA Isolamento Ø 1/2" inox (O.D) Isolamento PG 1200 (Máximo) Tubo dobrado 300 Piso Figura A.

2 .N-116 REV.Padrão de Sistema de Purga para Ponte de Tubulação com Descarga para Atmosfera 7 . D 09 / 2010 Isolamento Linha de vapor Vapor Tubo dobrado VGA Ø 1/2" inox (O.D) Isolamento PG 1200 (Máximo) Piso Figura A.

3 .) Isolamento Retorno de condensado Figura A.Padrão de Sistema de Purga para Tubovia com Retorno de Condensado 8 . D 09 / 2010 Isolamento Linha de vapor Vapor Isolamento Tubo dobrado VGA PG Ø 1/2" inox (O.D.N-116 REV.

N-116 REV. D 09 / 2010 Isolamento Linha de vapor Vapor Isolamento Tubo dobrado VGA PG Ø 1/2" inox (O.D.Padrão de Sistema de Purga para Tubovia com Descarga para Atmosfera 9 .4 .) Figura A.

5 .D.N-116 REV.Padrão de "Manifold" Vertical de Distribuição de Vapor 10 . D 09 / 2010 Isolamento Tubo 1. 1/4" x 2" Ø 1/2" inox(O.1/2" ac 120 Isolamento Ø 1/2" inox(O.) "Manifold" 1915 VGA 500 Piso Chumbador Cant.) Tubo dobrado "Manifold" Vista Superior Figura A.D.

D) Isolamento "A" Linha tronco Aço-carbono VGA 450 350 DFU 450 PG Condensado 300 300 350 PG 350 200 (Típ.6 . D 09 / 2010 Isolamento Linha de vapor Vapor Tubo dobrado VGA Ø 1/2" inox (O.D) Ø 1/2" inox(O.Padrão de "Manifold" Horizontal para Recuperação de Condensado 11 900 .N-116 REV.) 400 (Típ.) Manifold VGA 700 700 "A" 300 Piso Corte A-A Figura A.

Distância Mínima da Tubulação ao Piso 12 100 mm . D 09 / 2010 PG 100 mm 100 mm 2A A Figura A.7 .N-116 REV.

N-116 REV.Padrão Recomendado e Alternativa para Acumulador de Condensado para DN 2" a 36" 13 . ver 4. Cego Válvula de bloqueio B B Suporte Saída para o purgador Tampão Instalação Recomendada B 100 mm (Mínimo) Suporte Saída para o purgador Instalação Alternativa NOTA Para dimensões "B". Figura A.2.8 .6. D 09/2010 175 mm Saída para o purgador Válvula de bloqueio 75 mm Niple Luva Niple Luva Alternativa Bujão ou FLG.

Padrão de Acumulador de Condensado Próximo a Saída de Máquinas para DN 2" a 36" 14 .N-116 REV. D 09 / 2010 Saída para o purgador Dreno Figura A.9 .

2.6. Ver 4.N-116 REV. Figura A. D 09 / 2010 B B Suporte Saída para o purgado B 100 mm (Mínimo) Suporte Saída para o purgado NOTA Para dimensões "B".Padrão de Acumulador de Condensado Antes e Depois de Suporte em Tubos Curvados para DN 2" A 36" 15 .10 .

Padrão de Acumulador de Condensado em Ponto de Elevação sem Tubo Curvado para DN 2" A 36" 16 75 mm .6.2. ver 4.N-116 REV.11. Figura A. D 09 / 2010 B Saída para o purgador 175 mm Suporte NOTA Para dimensões "B".

6.12 .Padrão de Purga para TÊ de Elevação DN 1/2" a 1 1/2" 17 . ver 4.2. D 09 / 2010 Mínima possível Linha principal de vapor TE Suporte Niple de redução para Ø1/2" (Quando necessário) C Saída para o purgador Joelho 90º 130 mm Válvula de bloqueio Para Ø 1/2" Tampão rosqueado NOTA Para dimensão "C". Figura A.N-116 REV.

Padrão de Purga para Cruzeta DN 1/2" a 2" 18 .N-116 REV. D 09 / 2010 Cruzeta Niple de redução para Ø 3/4" Quando necessário (Exceto para linhas de Ø 1/2") C Te Saída para o purgador Niple Válvula de bloqueio para Ø 1/2" Bujão NOTA Para dimensão "C".2. ver 4. Figura A.13 .6.

Padrão de Purga para Linha em Nível para DN 1/2" a 2" 19 .N-116 REV. Figura A.2.14 . D 09 / 2010 Tê de redução para Ø 3/4" Quando necessário (Exceto para linhas de Ø 1/2") Niple C Te Saída para o purgador Niple Válvula de bloqueio para Ø 1/2" Bujão NOTA Para dimensão "C".6. ver 4.

D 09 / 2010 40 35 30 25 + ● Ж + DN 10 pol ● Ж DN 8 pol DN 6 pol + + ● Ж kg/h.5 15 20 0 Figura A.1 .100m 60 + + ● Ж X ▲ ● Ж X ▲ ▲ DN 16 pol X DN 18 pol 40 Ж X ▲ ● ■ ■ ■ ■ DN 14 pol DN 12 pol ■ Pv (kgf/cm²) 2.100m ● Ж х 15 10 5 0 0 х ▲ ▲ х ▲ ■ ■ ■ х 5 7.Consumo de Vapor Saturado DN 12" a 42" Pv Até 15 kgf/cm² 20 .5 10 12.15.5 15 20 DN 4 pol ▲ DN2 pol ■ DN 1 pol DN 3/4 pol Pv (kgf/cm²) 2.Consumo de Vapor Saturado DN 3/4" a 10" Pv Até 15 kgf/cm² 100 .DN 46 pol DN 36 pol 80 + + + DN 30 pol ● DN 24 pol Ж DN 20 pol kg/h.N-116 REV.5 10 12.15.5 5 7.2 .5 Figura A.

Isolamento de silicato de cálcio com espessura econômica conforme N-550. No caso do vapor ser superaquecido.15. D 09 / 2010 50 45 + ● DN 8 pol Ж DN DN 10 pol 6 pol 40 35 + ● Ж Ж ● Ж Ж kg/h.100m 30 25 20 15 10 DN 4 pol х х х х х ▲ ▲ ▲ DN2 pol ■ DN 1 pol DN 3/4 pol ■ Pv (kgf/cm²) 20 25 30 35 40 45 50 55 60 15 Figura A.Consumo de Vapor Saturado DN 12" a 42" Pv Até 15-60 kgf/cm² 21 . para o cálculo do condensado gerando.3 . Figura A.15.100m 90 80 70 60 50 40 15 20 25 30 35 40 45 50 55 + DN 24 pol Ж DN 20 pol DN 18 pol ▲ ■ х ▲ DN 16 pol ■ DN 14 pol DN 12 pol 60 Pv (kgf/cm²) NOTA 1 2 3 4 Dados de cálculo Ta=5°C Vv=20 km/h. O valor indicado nas curvas é o diâmetro nominal da tubulação.Consumo de Vapor Saturado DN 3/4" a 10" Pv Até 15-60 kgf/cm² 130 120 110 100 ● + х Ж DN 42 pol DN 36 pol ● DN 30 pol kg/h. considerar como vapor saturado.4 .N-116 REV.

MATERIAL DO CORPO 9 .ACESSÓRIOS CONEXÃO PARA SENSOR DE CONDENSADO 3/8” ROSCA BSPP JUNTA DE VEDAÇÃO DA CONEXÃO UNIVERSAL TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E ENCHIMENTO DE GRAFITE FLEXÍVEL PRODUTO HOMOLOGADO 11 .NOME PADRONIZADO 2 .201 22 .EXTREMIDADE 5 .MATERIAL DOS INTERNOS 0.REQUISITOS SUPLEMENTARES GARANTIA DE 3 ANOS TLV SC3-21 NÚMERO DE MATERIAL 11.PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .PERDA DE VAPOR 8 .027.CLASSE DE PRESSÃO PURGADOR DE VAPOR BÓIA LIVRE PELO FABRICANTE CONEXÃO UNIVERSAL ISO PN-30 / 150 LIMITES: 21 bar G E 400 ºC DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B 6 .PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .5 kg/h MÁXIMA CORPO BLINDADO AÇO INOXIDÁVEL 316 AÇO INOXIDÁVEL ELIMINADOR BIMETÁLICO DE AR E VÁLVULA DE RETENÇÃO INTEGRADOS 10 .CAPACIDADE DE DESCARGA 200 kg/h 7 .TIPO 3 .

000 23 .MATERIAL DOS INTERNOS 0.REQUISITOS SUPLEMENTARES GARANTIA DE 3 ANOS TLV S5HC-46 NÚMERO DE MATERIAL 10.CLASSE DE PRESSÃO PURGADOR DE VAPOR BÓIA LIVRE PELO FABRICANTE CONEXÃO UNIVERSAL ISO PN-50 / 300 LIMITES: 42 bar G E 425 ºC DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B 6 .EXTREMIDADE 5 .5 kg/h MÁXIMA CORPO BLINDADO AÇO INOXIDÁVEL 316 AÇO INOXIDÁVEL ELIMINADOR BIMETÁLICO DE AR E VÁLVULA DE RETENÇÃO INTEGRADOS 10 .PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .NOME PADRONIZADO 2 .TIPO 3 .MATERIAL DO CORPO 9 .PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .561.ACESSÓRIOS CONEXÃO PARA SENSOR DE CONDENSADO 3/8” ROSCA BSPP JUNTA DE VEDAÇÃO DA CONEXÃO UNIVERSAL TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E ENCHIMENTO DE GRAFITE FLEXÍVEL PRODUTO HOMOLOGADO 11 .CAPACIDADE DE DESCARGA 250 kg/h 7 .PERDA DE VAPOR 8 .

PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .NOME PADRONIZADO 2 .TIPO 3 .172 24 .103.REQUISITOS SUPLEMENTARES GARANTIA DE 3 ANOS SPIRAX SARCO USTD-VLC NÚMERO DE MATERIAL 10.PERDA DE VAPOR 8 .MATERIAL DOS INTERNOS 3 kg/h MÁXIMA BLINDADO AÇO INOXIDÁVEL AÇO INOXIDÁVEL FILTRO PROTEÇÃO CONTRA CHUVA 10 .CLASSE DE PRESSÃO PURGADOR DE VAPOR TERMODINÂMICO PELO FABRICANTE CONEXÃO UNIVERSAL ISO PN-50 / 300 LIMITES 42 bar G E 400 ºC DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B 6 .PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .EXTREMIDADE 5 .MATERIAL DO CORPO 9 .CAPACIDADE DE DESCARGA 100 kg/h 7 .ACESSÓRIOS JUNTA DE VEDAÇÃO DA CONEXÃO UNIVERSAL TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E ENCHIMENTO DE GRAFITE FLEXÍVEL PRODUTO HOMOLOGADO 11 .

EXTREMIDADE 5 .MATERIAL DO CORPO 9 .ACESSÓRIOS JUNTA DE VEDAÇÃO DA CONEXÃO UNIVERSAL TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E ENCHIMENTO DE GRAFITE FLEXÍVEL CORPO BLINDADO PRODUTO HOMOLOGADO 11 .CAPACIDADE DE DESCARGA 161 A 250 kg/h 7 .5 kg/h MÁXIMA AÇO INOXIDÁVEL AÇO INOXIDÁVEL VÁLVULA DE RETENÇÃO CONEXÃO PARA SENSOR DE CONDENSADO 3/8” ROSCA BSPP 10 .PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .TIPO 3 .PERDA DE VAPOR 8 .PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .102.REQUISITOS SUPLEMENTARES GARANTIA DE 3 ANOS ARMSTRONG 2011 SPIRAX SARCO UIBL 30H/5 NÚMERO DE MATERIAL 10.MATERIAL DOS INTERNOS 0.949 25 .NOME PADRONIZADO 2 .CLASSE DE PRESSÃO PURGADOR DE VAPOR BALDE INVERTIDO PELO FABRICANTE CONEXÃO UNIVERSAL ISO PN-30 / 150 LIMITES 30 bar G E 400 ºC DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B 6 .

CAPACIDADE DE DESCARGA 161 A 250 kg/h 7 .740 26 .MATERIAL DO CORPO 9 .CLASSE DE PRESSÃO PURGADOR DE VAPOR BALDE INVERTIDO PELO FABRICANTE CONEXÃO UNIVERSAL ISO PN-50 / 300 LIMITES 42 bar G E 400 ºC DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B 6 .524.5 kg/h MÁXIMA AÇO INOXIDÁVEL AÇO INOXIDÁVEL VÁLVULA DE RETENÇÃO INTEGRADA CONEXÃO PARA SENSOR DE CONDENSADO 3/8” ROSCA BSPP 10 .ACESSÓRIOS JUNTA DE VEDAÇÃO DA CONEXÃO UNIVERSAL TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E ENCHIMENTO DE GRAFITE FLEXÍVEL CORPO BLINDADO PRODUTO HOMOLOGADO 11 .REQUISITOS SUPLEMENTARES GARANTIA DE 3 ANOS ARMSTRONG 1812 NÚMERO DE MATERIAL 10.TIPO 3 .PERDA DE VAPOR 8 .MATERIAL DOS INTERNOS 0.EXTREMIDADE 5 .NOME PADRONIZADO 2 .PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .

027.20.TIPO 3 . FUNÇÕES: DRENAGEM À MONTANTE DO PURGADOR PARA TESTE DRENAGEM DE ENTRADA E DE SAÍDA DE CONDENSADO PARA TROCA DO PURGADOR 9 .DISTRIBUIDOR DE FLUXO DE VAPOR SIMPLES COM DESCARGA PARA ATMOSFERA PELO FABRICANTE 1/2” OU 3/4” ROSCA FÊMEA ANSI/ASME B1.NOME PADRONIZADO 2 .166.REQUISITOS SUPLEMENTARES SPIRAX SARCO DFU SIMPLES DETROIT VD-FLUX 3810 VDF ASS08 ARMSTRONG TVS-4000 TLV MODELO V1-RL DN 1/2” 3/4” NÚMERO DE MATERIAL 10.1 NPT ISO PN-50 / 300 LIMITES 50 bar G E 400 ºC BLINDADO FORJADO AÇO INOXIDÁVEL TIPO PISTÃO PADRÃO PELO FABRICANTE N-116 D ANEXO B 7 .318 11.EXTREMIDADES 6 .PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .VÁLVULAS JUNTA DO CORPO TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304 E ENCHIMENTO DE GRAFITE COM REFORÇO DE FIOS DE INCONEL.ACESSÓRIOS DISPOSITIVO PARA INTERLIGAÇÃO CONEXÃO UNIVERSAL PRODUTO HOMOLOGADO GARANTIA DE 3 ANOS 10 .CLASSE DE PRESSÃO DESCRIÇÃO DFU .PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .MATERIAL DO CORPO CORPO EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E INTERNOS DE AÇO INOXIDÁVEL TP 410 COM FOLE DE SELAGEM EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 321 8 .146 DE PURGADOR COM 27 .DIÂMETRO NOMINAL 5 .

FUNÇÕES: DRENAGEM À MONTANTE DO PURGADOR PARA TESTE DRENAGEM À JUSANTE DO PURGADOR PARA TESTE DRENAGEM DE ENTRADA E DE SAÍDA DE CONDENSADO PARA TROCA DO PURGADOR 7 .MATERIAL DO CORPO 8 .CLASSE DE PRESSÃO DESCRIÇÃO DFU .166.TIPO 3 .DIÂMETRO NOMINAL 5 .ACESSÓRIOS DISPOSITIVO PARA INTERLIGAÇÃO CONECTOR TIPO UNIVERSAL PRODUTO HOMOLOGADO GARANTIA DE 3 ANOS DE PURGADOR COM 10 .372 11.DISTRIBUIDOR DE FLUXO DE VAPOR N-116 D ANEXO B DUPLO COM DESCARGA PARA SISTEMA DE RETORNO DE CONDENSADO PELO FABRICANTE 1/2” OU 3/4” ROSCA FÊMEA ANSI/ASME B1.REQUISITOS SUPLEMENTARES SPIRAX SARCO DFU DUPLO DETROIT VD-FLUX 3820 VDF ASS08 ARMSTRONG TVS-4000 TLV MODELO V2-RL DN 1/2” 3/4” NÚMERO DE MATERIAL 10.20.027.PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .EXTREMIDADES 6 .VÁLVULAS 9 .NOME PADRONIZADO 2 .PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .168 28 .1 NPT ISO PN-50 / 300 LIMITES 50 bar G E 400 ºC BLINDADO AÇO INOXIDÁVEL FORJADO TP 304 TIPO PISTÃO PADRÃO PELO FABRICANTE CORPO EM AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO E INTERNOS DE AÇO INOXIDÁVEL TP 410 COM FOLE DE SELAGEM EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 321 JUNTA DO CORPO TIPO ESPIRALADA DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO AISI 304 E ENCHIMENTO DE GRAFITE COM REFORÇO DE FIOS DE INCONEL.

PADRÃO CONSTRUTIVO 4.TIPO 3.EXTREMIDADES 6.PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1.206 DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B 29 .1 ISO PN-50 / 300 LIMITES 50 bar G E 400 ºC AÇO INOXIDÁVEL PRODUTO HOMOLOGADO GARANTIA DE 3 ANOS 8.20.868.DIÂMETRO NOMINAL 5.559 10.MATERIAL DO CORPO CONEXÃO UNIVERSAL UNIVERSAL PELO FABRICANTE 1/2” OU 3/4” ROSCA FEMEA NPT CONFORME ANSI/ASME B1.CLASSE DE PRESSÃO 7.NOME PADRONIZADO 2.800.REQUISITOS SUPLEMENTARES SPIRAX SARCO ARMSTRONG TLV DETROIT DN 1/2” 3/4” NÚMERO DE MATERIAL 10.

3/4” x 8 MC .1/2” x 12 MC .MATERIAL DO CORPO DESCRIÇÃO N-116 D ANEXO B MC .3/4” x 12 NÚMERO DE MATERIAL 11.1/2” x 8 MC .20.3/4” x 4 MC . 8 OU 12 RAMAIS PELO FABRICANTE 1 1/2” 1/2” OU 3/4” ROSCA NPT PADRÃO: ANSI/ASME B1.638 11.639 11.642 30 .REQUISITOS SUPLEMENTARES TLV ARMSTRONG SPIRAX SARCO TROUVAY & CAUVIN DN MC .159.159.PADRONIZAÇÃO DE MATERIAL PARA SISTEMAS DE PURGA DE VAPOR EM TUBULAÇÕES E EQUIPAMENTOS CARACTERÍSTICAS 1 .1 SOLDA DE ENCAIXE PADRÃO ASME B16.159.11 ISO PN-50 / 300 LIMITES 50 bar G E 400 °C AÇO FORJADO ASTM A105 PADRÃO CONSTRUTIVO: PELO FABRICANTE MATERIAL DO CORPO E DO CASTELO AÇO CARBONO FORJADO ASTM A105 MATERIAL DOS INTERNOS: HASTE E PISTÃO COM FOLE AÇO INOXIDÁVEL MATERIAL DO VOLANTE 9 .MANIFOLD COMPACTO DE VAPOR OU CONDENSADO MULTI DERIVAÇÕES PARA 4.PADRÃO CONSTRUTIVO 4 .VÁLVULAS DE BLOQUEIO TIPO PISTÃO FERRO FUNDIDO MATERIAL DOS PARAFUSOS DO PREME-GAXETA ASTM A193 GR B7 MATERIAL DAS GAXETAS ANÉIS DE VEDAÇÃO DE GRAFITE FLEXÍVEL COM REFORÇO DE FIOS DE INCONEL © ACESSÓRIOS HASTE PROTEGIDA CONTRA CORROSÃO ATMOSFÉRICA 10.EXTREMIDADES DO “MANIFOLD” 7 .640 11.NOME PADRONIZADO 2 .TIPO 3 .159.159.595 11.DIÂMETRO NOMINAL DO “MANIFOLD” 5 .ACESSÓRIOS ISOLAMENTO TÉRMICO TIPO MANTA JAQUETA REMOVÍVEL PRODUTO HOMOLOGADO GARANTIA DE 3 ANOS 11 .CLASSE DE PRESSÃO 8 .1/2” x 4 MC .637 11.DIÂMETRO NOMINAL DAS CONEXÕES DOS RAMAIS 6 .159.

3 Tabela 1 4.9.1. 4.1.1.1.8.3 2 3.14 4. D 09 / 2010 ÍNDICE DE REVISÕES REV.2. 3.1.2.1.1. 4.1.1.4 a 4.2. A.1 a 3. C Partes Atingidas Capítulo 2 TABELA 1 4.3 4.3 e A.1 a A.2. 4.15.12 4. D Partes Atingidas 1.11 4.3 4.15. A.10 4.4 Anexo B Revisado Revisado Revisados Revisados Incluídos Revisados Incluído Revisado Revisado e renumerado Incluído Revisado Revisado Incluída Revisados Revisados Incluídos Incluído Descrição da Alteração IR 1/1 .1.8 Figuras A.15.1.7 4.13 Revisado Revisado Revisado Descrição da Alteração REV.2.1. 4.1.1.1 4.N-116 REV.13 4.1.4 a 4.15. A e B Não existe índice de revisões.14 Figuras A. REV.2.

D 09 / 2010 GRUPO DE TRABALHO .N-116 REV.GT-17-27 Membros Nome Adão José de Souza Júnior Carlos Alberto Soares da Costa Eduardo de Araujo Saad Enio Sebastião Cesarin Fernando Costa dos Santos Júnior João Bosco Santini Pereira Mario Henrique de Castro Cabral Raul Fernando Pereira Lotação REFAP/DT/ENGENHARIA UM-RNCE/ENGP/EIPA ENGENHARIA/IEABAST/EAB/SE RPBC/EM E&P-ENGP/IPP/EISA AB-RE/ES/TEE ENGENHARIA/IEABAST/EAB/APR REPAR/EM Telefone 857-2662 834-3204 819-3302 854-3375 814-8799 814-3159 819-3279 856-2565 Chave RFVR QNFR SG6J RBN4 K074 DPQ0 EIV9 ARX9 Secretário Técnico Paulo Cezar Correa Defelippe ENGENHARIA/AG/NORTEC-GC 819-3079 EEM8 .