You are on page 1of 20

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais

Indicadores Fiscais
com informações até março de 2013

Sér ie
Perguntas mais Freqüentes

Indicadores Fiscais
Este texto integra a série “Perguntas Mais Frequentes” (PMF), editada pelo Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais (Gerin) do Banco Central do Brasil, abordando temas econômicos de interesse da sociedade. Co m essa iniciativa, o Banco Central do Brasil vem prestar esclarecimentos sobre diversos assuntos da nossa realidade, buscando aumentar a transparência na condução da política econômica e a eficácia na comunicação de suas ações.

..................... Qual foi o resultado fiscal por esfera de governo em 2012? ..... Quais foram o resultado primário e as necessidades de financiamento do setor público em 2012? .................. 11 9... 17 15...... 15 13.................................................. O que é a Dívida Bruta do Governo Geral e qual seu montante?........................................................................................... Quais são as principais fontes de financiamento do setor público? ..... Que ativos estão incluídos entre os Créditos do Governo Geral?... Como se definem os resultados nominal..................... 14 11.......... O que é a Dívida Líquida do Setor Público Consolidado ? ............................................................ Qual a abrangência de setor público para efeitos de cálculo do resultado fiscal? ...................................................... 9 7........................................... 16 14.................. Qual a diferença entre os regimes de caixa e de competência?.................. 8 4................................... 18 5 .................................... 7 3.................... Como a relação DLSP/PIB se comportou recentemente? ............................................ 7 2......Sumário 1.............. 15 12............................... O que é a Dívida Fiscal Líquida? ........... 13 10.... 9 6...... O que é a Dívida Líquida do Governo Geral? ............................................ ............................................ O que são indicadores fiscais? . 10 8.......... Como são apurados os resultados fiscais? Qual a diferença entre os resultados primários “acima da linha” e “abaixo da linha”? 8 5. Quem produz os indicadores fiscais no Brasil? ............ operacional e primário do setor público? ...............................

................16............... 21 6 .......................... Qual o significado da taxa implícita? .... 20 19.................... Como posso saber mais sobre indicadores fiscais? .............................................. Qual a composição da DPMFi por indexador? ...... O que é a Dívida Pública Mobiliária Federal Interna e qual a sua composição por emissor? ............. 19 17................................. 19 18....

Essa diferença corresponde à necessidade de financiamento do setor público (NFSP). O conceito de resultado operacional é relevante em países de inflação alta (como o Brasil antes do Plano Real). Se o setor público gasta menos do que arrecada. O resultado primário. uma vez que não considera a apropriação de juros sobre a dívida existente. A função da atualização monetária é simplesmente repor a parcela do estoque da dívida corroída pela variação dos preços. 7 . num determinado período. o conceito de resultado operacional perde relevância e tende a ser próximo do resultado nominal1. 2. Como se definem os resultados nominal. Incluem indicadores de fluxos (receitas e despesas) e de estoques (endividamento e créditos). evidencia o esforço fiscal do setor público livre da “carga” dos déficits incorridos no passado. Os resultados fiscais (diferença entre receitas e despesas). desconsiderando a apropriação de juros sobre a dívida existente. 1 As estatísticas de necessidades de financiamento no conceito operacional foram encerradas em dezembro de 2009. operacional e primário. O resultado primário corresponde ao resultado nominal excluída a parcela referente aos juros nominais (juros reais mais a atualização monetária) incidentes sobre a dívida líquida. Em países com baixa inflação.Indicadores Fiscais 1. há superávit primário (Figura 1). operacional e primário do setor público? O resultado nominal é o conceito fiscal mais amplo e representa a diferença entre o fluxo agregado de receitas totais (inclusive de aplicações financeiras) e de despesas totais (inclusive despesas com juros). podem ser calculados pelos conceitos nominal. tendo em vista a perda de relevância do indicador em ambiente de maior estabilidade de preços. já que as despesas líquidas com juros (também chamada carga de juros) dependem do estoque total da dívida pública e das taxas de juros que incidem sobre esse estoque. onde o fator correção monetária é pouco expressivo. O que são indicadores fiscais? Indicadores fiscais são medidas de evolução das finanças do setor público que permitem avaliar o desempenho fiscal de um país ao longo do tempo. ou necessidades de financiamento. O resultado operacional corresponde ao resultado nominal excluída a parcela referente à atualização monetária da dívida líquida. uma vez que exclui o impacto da inflação sobre a necessidade de financiamento do setor público.

do BCB e do sistema público de previdência para o setor privado (INSS). que trata da programação financeira e das metas fiscais no âmbito do Governo Federal. as estatísticas de dívida líquida e necessidades de financiamento do setor público passaram a excluir de sua abrangência as empresas do Grupo Petrobras. de forma compatível com o Decreto nº 6. é composto pelo governo federal. O resultado do Tesouro Nacional também engloba o resultado da previdência dos servidores públicos federais.  Governos regionais – são consideradas as contabilizações das administrações estaduais e municipais. O setor público é usualmente dividido em três grandes grupos:  Governo Central – definido como a soma das contabilizações das administrações federais (aqui representadas pelo resultado do Tesouro Nacional). 8 .JN = O . Como são apurados os resultados fiscais? Qual a diferença entre os resultados primários “acima da linha” e “abaixo da linha”? Os resultados fiscais podem ser apurados de duas formas: 2 A partir de maio de 2009. Operacional.5.JR JN = JR + AM Fonte: BCB 3. por sua vez. estaduais e municipais e o INSS.867. Qual a abrangência de setor público para efeitos de cálculo do resultado fiscal? O conceito de setor público considerado para efeitos de mensuração do resultado fiscal é o setor público não-financeiro mais o Banco Central do Brasil (BCB).AM P = N .  Empresas estatais – são considerados os resultados de empresas estatais nos três níveis de governo2. governos municipais. O setor público não-financeiro. empresas estatais federais.Figura 1 Resultado Nominal. Primário e Juros Nominais onde: N = nominal N= dívida fiscal líquida O = operacional P = primário JN = juros nominais JR = juros reais AM = atualização monetária = variação O = N . 4. governos estaduais. de 29.2009.

formadas pela soma do resultado primário e 9 . que corresponde à variação da dívida líquida total. que parte dos saldos de dívida pública para obter as necessidades de financiamentos. o método “acima da linha” apura o resultado fiscal pela diferença entre fluxos. corresponde à variação da dívida fiscal líquida. As informações fiscais divulgadas pelo BCB referem-se à dívida líquida e às necessidades de financiamento do setor público. discriminadas por esfera de governo. se apurados pelo regime de caixa. os resultados primários. No caso do resultado primário. excluídos os encargos financeiros líquidos. são computadas no mês do efetivo recebimento/desembolso de recursos. os salários dos funcionários públicos referentes a novembro de 2012 e pagos em dezembro sensibilizam as estatísticas de gastos em novembro. interna ou externa. Em outras palavras. Os dados calculados pelo Tesouro Nacional restringem-se apenas ao Governo Central e seguem o conceito “acima da linha”. enquanto o Tesouro Nacional é responsável pela divulgação dos itens não-financeiros de receitas e de despesas (resultado primário) do Governo Central. enquanto que o BCB calcula estatísticas fiscais para o setor público consolidado e utiliza o conceito “abaixo da linha”. Pelo método “abaixo da linha”. Por exemplo. até o período considerado. e  “abaixo da linha”. assegura a homogeneidade das informações e permite destacar as fontes de financiamento do setor público. no mês do fato gerador da receita/despesa. se apurados pelo regime de competência. que corresponde à diferença entre as receitas e as despesas do setor público. Quem produz os indicadores fiscais no Brasil? No Brasil. ou em dezembro. são contabilizados pelo regime de caixa. o que permite melhor acompanhamento da execução orçamentária pelo controle das receitas e despesas. Qual a diferença entre os regimes de caixa e de competência? As receitas e despesas fiscais podem ser contabilizadas pelo regime de caixa ou de competência. Enquanto as necessidades de financiamento são uma medida do fluxo de recursos requerido para o setor público fazer frente aos seus dispêndios num determinado período. Já o segundo método. 5. No Brasil. desconsiderados os dispêndios realizados em períodos anteriores. o resultado nominal equivale à variação total da dívida fiscal líquida no período. e com isso as NFSP no conceito nominal. os principais indicadores fiscais de acompanhamento conjuntural são produzidos pelo Tesouro Nacional e pelo BCB. 6. a dívida líquida computa o estoque de endividamento gerado pela apropriação da poupança dos demais setores da economia. tanto do Governo Central como do setor público consolidado. Já as despesas financeiras líquidas são apuradas pelo BCB pelo regime de competência. “acima da linha”. no regime de competência. Pelo regime de caixa.

03 3.Política Fiscal. O acumulado em 12 meses até março de 2013 somou R$127. O acumulado em 12 meses até março de 2013 somou R$89.42 3. Gráfico 1 Resultado Primário do Setor Público 4.bcb. Q III ou SGS 5012 e 5727 10 2012 . A legislação prevê a possibilidade de que esse percentual para 2013 e 2014 seja reduzido pelo montante das despesas vinculadas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). 7.0 2. por sua vez.77 2.38 2.79 3.2 bilhões (4.99% do PIB).5 % do PIB 2.0 2010 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2011 Fonte: BCB O total de juros nominais4 incidentes sobre a dívida líquida apropriados em 2012 somou R$213.9 bilhões (2. 3 Nota para a Imprensa .72 3. totalizaram R$108.27 3.20 3. As necessidades de financiamento do setor público5.38% do PIB)3 em 2012.gov.83% do PIB). Q III ou SGS 5078 e 5793 (todas as referências ‘SGS’ dizem respeito aos códigos de busca no link: https://www3.0 1.8 bilhões.47% do PIB) em 2012. Q III ou SGS 5045 e 5760 5 NI Política Fiscal.7 bilhões (1. O Gráfico 2 e a Tabela 1 apresentam a evolução das necessidades de financiamento do setor público consolidado.5 0.do?method=prepararTelaLocalizarSeries) 4 NI Política Fiscal.22 3.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.dos juros nominais (despesas financeiras líquidas).9 bilhões (4. a meta de superávit primário foi estabelecida em R$139.0 bilhões (2. são computadas de forma híbrida. ficando abaixo da meta de R$139.31 3.8 bilhões estabelecida pelo governo para o ano. ou resultado nominal. dos juros nominais apropriados e do resultado primário desde 2003.83% do PIB).86% do PIB). Quais foram o resultado primário e as necessidades de financiamento do setor público em 2012? O setor público registrou superávit primário de R$105. O acumulado em 12 meses até março de 2013 somou R$217.5 1.11 2.0 3.0 0. Para 2013 e 2014.5 3. O Gráfico 1 apresenta o resultado primário do setor público consolidado desde 2002.5 bilhões (2.

48 2011 3. a Petrobras é excluída do conceito de setor público nas estatísticas fiscais. 5040. 5720. estaduais e municipais e pelo INSS6.90 2005 3. 5069 e 5784 9 NI Política Fiscal. NI Política Fiscal. pelos governos regionais11 (estaduais12 e municipais13) e pelas empresas estatais14 (exclusive Grupos Petrobras e Eletrobras). 5752. 5036. 5754.36 3. A Tabela 2 e o Gráfico 3 apresentam o resultado primário desagregado por esfera de governo.04 2009 2.83 3. estaduais. 5753.62 2. 5038.38 4. 5068 e 5783 8 NI Política Fiscal. Q III ou SGS 5006.71 2.63 2007 3. Q III 11 NI Política Fiscal. 6 7 Conforme destacado na Nota 2.61 2012 2. 5750. pelas empresas estatais federais. Banco Central9 e INSS10). 5071 e 5786 12 NI Política Fiscal. 5751. O setor público não-financeiro. Q III ou SGS 5005.72 6.46 2.42 5. Q III ou SGS 5004.11 5.24 2004 3.28 2010 2. 5719.58 2006 3.51 5. 5717.47 Fonte: BCB 8. municipais.00 5. Qual foi o resultado fiscal por esfera de governo em 2012? Conforme destacado na pergunta 3. 5070 e 5785 10 NI Política Fiscal. 5755. Resultado Nominal e Juros Nominais Fluxos acumulados em 12 meses (até mar/13) 6 4 2 % do PIB 0 -2 -4 -6 -8 set 11 set 03 set 04 set 05 set 06 set 07 set 08 set 09 set 10 mar 03 mar 04 mar 05 mar 06 mar 08 mar 09 mar 10 mar 11 mar 12 set 12 Resultado Nominal Fonte: BCB Resultado Primário Tabela 1 Resultado Primário. 5718. 5037.70 5. 5721.11 2.27 8. 5722.79 7. 5035. é composto pelos governos federal.80 2008 3. 5073 e 5788 11 mar 13 mar 07 . Q III ou SGS 5007. Juros Nominais e NFSP (% do PIB) Primário (+) Juros Nominais =NFSP 2003 3. 5039.20 6. 5072 e 5787 13 NI Política Fiscal. Q III ou SGS 5002.28 3.Gráfico 2 Resultado Primário.18 2. o resultado fiscal é apurado considerando-se o setor público não-financeiro mais o BCB. mostrando o montante do esforço fiscal realizado pelo governo central7 (governo federal8.86 2.31 6. Q III ou SGS 5003. por sua vez.

18 0.963 -29.553 201.710 -93.055 10. 5041.49 1.504 52.72 -0.279 8.086 -86.035 -93.71 4.Tabela 2 NFSP por Esfera do Governo (valores correntes) 2011 R$ milhões % do PIB 2.21 0.85 -0.402.86 3.26 0.39 2.49 -0.587 552 -32.63 0.863 147.776 -2.61 2.960 478 236.43 -0.963 87.47 1.953 19.01 5.718 -28.02 -0.951 -86.45 1.97 0.673 180.96 -1.59 -0.12 4.99 -0.38 -1.06 Nominal Governo Central Governo Federal1/ BCB Governos Regionais Governos Estaduais Governos Municipais Empresas Estatais Juros Nominais Governo Central Governo Federal BCB Governos Regionais Governos Estaduais Governos Municipais Empresas Estatais Primário Governo Central Governo Federal BCB Governos Regionais Governos Estaduais Governos Municipais Empresas Estatais PIB acumulado no ano 1/ inclui INSS Fonte: BCB 107.07 2012 R$ milhões 108.518 107.376 213.01 -0.05 0.02 -0.34 0. 5074 e 5789 12 .25 -2.48 0.537 % do PIB 2.11 2.190 -128.08 -0. Q III ou SGS 5008.48 0.712 4.967 14.14 0.11 -2.838 752 -21.511 -18.22 0.645 4.80 -0. 5756.649 -3.912 61.143.008 5.06 0.470 -19.735 2.78 0.06 -2.058 -20.451 63.075 5.657 9. 5723.0 100.36 4.25 0.28 1.013 1/ 1/ 100.810 2.65 1.698 42.35 3.96 0.0 14 NI Política Fiscal.730 -104.314 -2.08 -3.182 88.865 53.354 34.880 -27.930 43.268 175.273 3.

o setor público brasileiro apresenta necessidades de financiamento positivas (déficits nominais).5 set 03 set 04 set 05 set 06 set 07 set 08 set 09 set 10 set 11 mar 03 mar 04 mar 05 mar 06 mar 07 mar 08 mar 09 mar 10 mar 11 set 12 mar 13 Empresas Estatais Governo Central Fonte: BCB Governos Regionais Setor Público Consolidado 9. Tanto em 2011.Gráfico 3 Resultado Primário do Setor Público .0 -0. 15 NI Política Fiscal.5 3. Q XXVIII ou Séries Especiais – NFSP – Usos e Fontes 13 mar 12 .5 0. e (iii) pela redução de seus ativos.5 4.0 0. havendo em contrapartida queda do financiamento externo.0 3.Fluxos acumulados em 12 meses (até mar/13) 4. via empréstimos e emissões de títulos.0 1. A Tabela 3 apresenta o quadro de usos e fontes do setor público consolidado para 2011 e 201215.5 1.5 2. por meio de dívida mobiliária e de dívida bancária.0 % do PIB 2. O setor público pode financiar-se (i) domesticamente. (ii) externamente. fontes domésticas financiaram integralmente as Necessidades de Financiamento do Setor Público. Quais são as principais fontes de financiamento do setor público? Historicamente.Por Esfera de Governo . como em 2012.

0 10.963 214. O que é a Dívida Bruta do Governo Geral e qual seu montante? A Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG)16.41 3.953 1.61 108.952 -0.551 100.99 7.912 -3.363 -1.88 1. equivalente a 59.9 bilhões.982 11. não pode emitir títulos. além dos títulos do financiamento mobiliário do Tesouro Nacional.02 -1.143.001 -2.38 4. abrange o total das dívidas de responsabilidade dos governos federal.042 2. ao Banco Central e ao resto do mundo. a Dívida Bruta do Governo Geral totalizava R$2. as operações compromissadas realizadas pelo Banco Central.2% do PIB.02 2. Q XIX ou SGS 13761 e 13762 Operações compromissadas são operações de compra (com compromisso de revenda) e/ou venda (com compromisso de recompra) de títulos públicos em mercado que o Banco Central realiza para controlar a liquidez da economia.034 107.402 -0. ao setor público financeiro.905 3. 16 17 NI Política Fiscal. obedecendo a dispositivo da Lei Complementar 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). estaduais e municipais (incluindo administração direta e indireta e INSS) junto ao setor privado. indicador fiscal muito utilizado para efeitos de comparação internacional.72 0.402.47 -2.47 2.80 61.912 5.51 100.55 -0.0 4.963 -128. assim. a Dívida Bruta do Governo Geral totalizava R$2.74 214.61 108. 14 .458 4.Tabela 3 Usos e Fontes – Setor Público Consolidado Fluxos Acumulados no Ano 2011 R$ milhões % do PIB 2012 R$ milhões % do PIB Usos (= NFSP) Primário Juros Internos Juros Reais Atualização Monetária Juros Externos Fontes Financiamento Interno Dívida Mobiliária Dívida Bancária Demais Financiamento Externo PIB acumulado no ano (+) déficit / (-) superávit Fonte: BCB 107.619 -106.421 223.7% do PIB (Tabela 4).013 2. Em março de 2013. toda a dívida mobiliária federal em mercado17.0 bilhões.07 -4.344 80.951 5.705 0.710 237.583. Em dezembro de 2012.663.94 152. São realizadas com títulos de emissão do Tesouro Nacional. tendo em vista que o Banco Central.707 157.18 131. abrangendo.40 311.463 5.47 -0.51 -207.783 -20.57 -22.537 2.28 24. equivalente a 58.11 -104. A DBGG considera.

0 bilhões. Em março de 2013.244 -1.2 9.9 58. A diferença entre os dois conceitos (Dívida Bruta e Líquida) é dada pelos Créditos do Governo Geral. Q XVII ou SGS 4501 e 4536 NI Política Fiscal.395 383 10 1. equivalente a 36.1 2583.584 55.455 129 2.2 -27. a Dívida Líquida totalizava R$1.135 108 2. Q XVII 15 . recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).7 0. incluem-se créditos externos do governo federal. e outros créditos governamentais (Tabela 6). Em dezembro de 2012. Que ativos estão incluídos entre os Créditos do Governo Geral? Os Créditos do Governo Geral19 incluem ativos com diferentes graus de liquidez.581.7 R$ bilhões % do PIB R$ bilhões % do PIB 2.1% do PIB.9 % do PIB R$ bilhões % do PIB Dívida Bruta (+) Créditos do Governo Geral (+) Títulos Livres na Carteira do BCB (+) Equalização Cambial Dívida Líquida Fonte: BCB 2. equivalente a 35.3 37.128 410 11 1. destacam-se os depósitos bancários da Previdência Social.5 2. Dívida Externa e Dívida Bruta do Governo Geral 2011 Dívida Interna Dívida Externa Dívida Bruta Fonte: BCB 2012 51. 18 19 NI Política Fiscal.2 35. O que é a Dívida Líquida do Governo Geral? A Dívida Líquida do Governo Geral18 é o balanço entre o total de créditos e débitos dos governos federal. estaduais e municipais.244 11. créditos junto às empresas estatais.6 54.2 2.Tabela 4 Dívida Interna.7 -31. Entre os ativos líquidos.581 58.536 12.8 2.9 -1. a Dívida Líquida totalizava R$1.7 8.3 bilhões. impostos governamentais coletados e não transferidos em todos os níveis de governo e depósitos como os do Tesouro Nacional no BCB. o saldo dos Títulos livres na Carteira do BCB e o saldo de equalização cambial (resultado financeiro das operações com reservas cambiais e das operações com derivativos cambiais).624.9 0. Entre os ativos com menor grau de liquidez.9% do PIB (Tabela 5). Tabela 5 Dívida Bruta e Dívida Líquida do Governo Geral 2011 R$ bilhões 2012 54.

O que é a Dívida Líquida do Setor Público Consolidado? A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP)20 consolida o endividamento líquido do setor público não financeiro e do BCB junto ao sistema financeiro (público e privado).3 bilhões (35. a DLSP totalizava R$1.0 -0.2 -12.2 -0.550.4 -2. É o conceito mais amplo de dívida.1 -1.395 -31.7 R$ bilhões % do PIB R$ bilhões % do PIB -1. Em março de 2013. estaduais e municipais.9% do PIB).8 0.1 -9.0 -0.6%PIB).2 -14.3% do PIB) e a Dívida Líquida das Empresas Estatais correspondeu a 28.7 -15.4 -0.0 -27. o BCB. a Dívida Líquida do Governo Geral atingiu R$1.2 -0.624.128 -530 -1 -2 -8 -476 -43 -319 -17 -302 -100 -12 -10 -158 -1 -1.0 -7.2 -11.4% do PIB) e a Dívida Líquida das Empresas Estatais23 correspondeu a 28.2 -3.8 0.394 -683 0 -3 -10 -620 -50 -407 -35 -372 -113 -10 -10 -171 -1 -1. 20 21 NI Política Fiscal.3 -2.0 -31.5% do PIB).128 13.4 bilhões (1.5 -1.5 0. pois inclui os governos federal.2 -3.2 -1. Q XVII ou Séries Especiais – Dívida Líquida e Bruta do Governo Geral – DLSP (metodologia vigente a partir de 2008) 16 .0 0. Desse total.0 bilhões (36. setor privado não financeiro e resto do mundo.6 -0. a Previdência Social e as empresas estatais.8 -8.3 bilhões (35.2% do PIB). Em dezembro de 2012.1 bilhões (35.7 -0. a Dívida Líquida do BCB22 foi negativa em R$59. Q XVII ou Séries Especiais – Dívida Líquida e Bruta do Governo Geral – DLSP (metodologia vigente a partir de 2008) 23 NI Política Fiscal. Desse total. Q XVII ou SGS 4501 e 4536 22 NI Política Fiscal.596. a Dívida Líquida do BCB foi negativa em R$56.1% do PIB).9 0. a DLSP totalizava R$1.5 bilhões (0.7 bilhões (-1. a Dívida Líquida do Governo Geral21 atingiu R$1.6%PIB) (Tabela 7).Tabela 6 Créditos do Governo Geral 2011 Créditos Internos Disponibilidades do Governo Geral Aplicações da Previdência Social Arrecadação a Recolher Depósitos à Vista Disponibilidades no BCB Aplicações na Rede Bancária Estadual Créditos a Instituições Financeiras Oficiais Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida Créditos junto ao BNDES Aplicações em Fundos e Programas Créditos junto às Estatais Demais Créditos do Governo Federal Recursos do FAT na Rede Bancária Créditos Externos Créditos do Governo Geral Fonte: BCB 2012 -27.4 -7. Q IX ou SGS 4478 e 4513 NI Política Fiscal.8 bilhões (0.1 -0.581.3 -0.

Como a relação DLSP/PIB se comportou recentemente? Como se observa no Gráfico 4.9 -1. em relação ao pico atingido em setembro de 2002 (62.550 35.5% em março de 2013. com 4.7% do PIB. Q VII ou Séries Especiais – Fatores Condicionantes da DLSP mar 02 set 02 mar 03 set 03 mar 04 set 04 mar 05 set 05 mar 06 set 06 mar 07 set 07 mar 08 set 08 mar 09 set 09 mar 10 set 10 mar 11 set 11 mar 12 set 12 mar 13 17 . Contribuíram para essa elevação os juros nominais apropriados. que contribuiu para a redução com 3. quando a relação DLSP/PIB foi fortemente impactada pela desvalorização da taxa de câmbio.6 35.9%).509 14. parcialmente.2 R$ bilhões % do PIB R$ bilhões % do PIB 1. do PIB.536 -53 25 1. Esses valores foram compensados. pelo efeito do crescimento do PIB nominal.Tabela 7 Dívida Líquida do Setor Público 2011 Dívida Líquida do Governo Geral (+) Dívida Líquida do BCB (+) Dívida Líquida das Estatais Dívida Líquida do Setor Público Fonte: BCB 2012 37. Pode-se observar que a variação da DLSP em 2012 correspondeu a -2.p.4 1.6 36. pelo superávit primário. 24 NI Política Fiscal.p. Alguns fatores que podem ser destacados para explicar o recuo da relação DLSP/PIB no período são a geração de superávits primários. a dívida pública vem declinando como proporção do PIB.p.9 % do PIB 50 45 40 35.p. com -1.5 35 Fonte: BCB A Tabela 8 apresenta os principais fatores condicionantes24 da DLSP em 2011 e 2012.p.1 p.1 p.581 -60 28 1. a valorização cambial.3 0. do PIB.3 p.9 p.4 0.1 -1. e a variação de paridade da cesta de moedas que compõem a dívida externa líquida. a menor carga de juros e a recuperação do crescimento da economia brasileira..5 p. com -0. que contribuiu com 3. correspondendo a 35. Gráfico 4 Dívida Líquida do Setor Público (até mar/13) 65 60 55 62.

403 -2.7% do PIB. em dezembro de 2012.9 -1. mas passam a integrar o saldo da dívida líquida total.0 -3. De forma análoga também são excluídos do cômputo da dívida fiscal líquida os efeitos do processo de privatização de empresas (receitas de venda e transferências de dívidas para o setor privado)28. o saldo da Dívida Fiscal Líquida29 alcançou R$1.Metodológico Dívida Externa . Pela Tabela 9 podemos confirmar que. Como esses passivos representam déficits já ocorridos. Já os ajustes patrimoniais27 englobam o reconhecimento de dívidas do setor público geradas no passado ("esqueletos") e que já produziram impacto macroeconômico.Variação Acumulada no Ano Fatores Condicionantes NFSP Primário Juros Nominais Ajuste Cambial Dívida Interna Indexada ao Câmbio Divida Externa . excluindo os efeitos de ajustes metodológicos e patrimoniais. 25 26 27 Séries Especiais – Composição da DLSP ou SGS 10822 e 10828 Séries Especiais – Composição da DLSP ou SGS 10824 e 10830 Séries Especiais – Composição da DLSP ou SGS 10821 e 10827 28 Séries Especiais – Composição da DLSP ou SGS 10820 e 10826 29 Séries Especiais – Composição da DLSP ou SGS 10825 e 10831 18 . o mesmo saldo atingiu R$1.1 -1. O ajuste metodológico representa a variação da dívida decorrente do impacto da variação da taxa de câmbio sobre a dívida externa líquida25 e sobre a parcela da dívida interna indexada ao câmbio26.7 -1.3 -0.2 -0.Dívida Fonte: BCB 2012 -2.5 R$ bilhões % do PIB R$ bilhões % do PIB 33 33 108 -129 237 -67 -3 -63 -9 0 0 4. equivalente a 32.6 -3.7 0. O ajuste metodológico da dívida do setor externo decorre da conversão dos saldos pela taxa de câmbio de final do período e dos fluxos pela taxa de câmbio média do mês.8 2.2 0. O que é a Dívida Fiscal Líquida? O BCB calcula a Dívida Fiscal Líquida a partir dos dados de DLSP.143 15.9 2.5 -2.7% do PIB.1 0.4 4.5 -0. seu reconhecimento não traz impacto no cálculo de necessidades de financiamento. impactando o estoque e o serviço da dívida.1 -1.0 -5.1 -0.9 46 42 109 -105 214 -57 -3 -53 -5 -6 0 4.1 5.6 -0. Em março de 2013.441 bilhões.Tabela 8 Fatores Condicionantes para a Evolução da DLSP (variação acumulada no ano) 2011 DLSP .473 bilhões.0 0. Esses ajustes são efetuados para retirar dos fluxos correntes valores que não representam esforço fiscal despendido durante o período em análise e que não podem ser considerados no cálculo das necessidades de financiamento do setor público.Outros Ajustes Reconhecimento de Dívidas Privatizações Efeito Crescimento PIB .9 0. equivalente a 32.

Dívida Externa (+) Ajuste Patrimonial (+) Ajuste de Privatização Dívida Líquida do Setor Público Fonte: BCB 2012 32. O Gráfico 6 apresenta a evolução da DPMFi por indexador desde março de 2000.6 2. corrigido pela taxa contratada. 28. 15.Tabela 9 Dívida Fiscal Líquida e Dívida Líquida do Setor Público 2011 Dívida Fiscal Líquida (+) Ajuste Metod. Q XXXVIII ou Séries Especiais – Dívida Mobiliária Federal – Estoque.332.6% eram títulos prefixados (Gráfico 5)31. das operações de financiamento com prazo a decorrer. no último dia do mês (valores positivos indicam financiamento tomado pelo Banco Central).4% ao câmbio. Qual a composição da DPMFi por indexador? Em março de 2013. posição de custódia. 17. Cabe observar que o artigo 34 da Lei de Responsabilidade Fiscal.851. a variação absoluta da dívida fiscal líquida em um período é igual ao déficit nominal do setor público consolidado no mesmo período. O que é a Dívida Pública Mobiliária Federal Interna e qual a sua composição por emissor? A Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi)30 é o estoque de títulos em mercado emitidos pelo Tesouro Nacional.8 2.332 115 25 112 -75 1.9 bilhões).441 112 -33 106 -75 1. Perfil de Vencimentos e Participação por Indicador 19 .7 bilhões em dezembro de 2012 e R$1. Q XXXVI ou SGS 4154 NI Política Fiscal.8 bilhões em março de 2013.4 -1. de maio de 2000. Dívida Interna (+) Ajuste Metod. Ou seja.5 -0. e alcançava R$1.509 A variação entre a o estoque de dívida fiscal líquida em dezembro de 2011 (R$1.6% da DPMFi estavam indexados à taxa Selic.7 2.441. 30 31 NI Política Fiscal.8 36. vedou a emissão de títulos da dívida pública pelo BCB a partir de 2002.4 1.2 2. 0.550 32.2 bilhões) e o estoque de dívida fiscal líquida em 2012 (R$1.7 -1.916. incluindo na dívida cambial os instrumentos derivativos em câmbio (swap cambial).8 0.1 bilhões) correspondeu às necessidades de financiamento do setor público ou resultado fiscal nominal do período (R$108.7 35. explicitando operações de mercado aberto – operações que se referem ao saldo.2 R$ bilhões % do PIB R$ bilhões % do PIB 1.6% a índices de preços ou TR e 29. 16.

Qual o significado da taxa implícita? A DLSP é composta de passivos e ativos com diferentes taxas de remuneração. Assim.6% Pré-Fixados 32.6% Mercado Aberto 20. a base monetária tem custo zero.Gráfico 5 Composição da DPMFi por indexador com swap cambial (mar/13) Câmbio 0. a taxa 20 . a dívida mobiliária doméstica é remunerada por diferentes indexadores e a dívida externa tem remuneração atrelada à variação cambial e ao custo de captação no exterior.6% Selic 17.4% Fonte: BCB Gráfico 6 Evolução da Composição da DPMFi por Indexador (até mar/13) 70 60 50 % do PIB 40 30 20 10 0 -10 mar 00 set 00 mar 01 set 01 mar 02 set 02 mar 03 set 03 mar 04 set 04 mar 05 set 05 mar 06 set 06 mar 07 set 07 mar 08 set 08 mar 09 set 09 mar 10 set 10 mar 11 set 11 mar 12 set 12 mar 13 Mercado Aberto Câmbio Fonte: BCB Preços/TR Selic Pré-Fixados 18. Por exemplo.7% Preços/TR 28.

gov. para efeitos de comparação.gov. Em 2012. existe base de dados específica em planilha excel para diversos indicadores fiscais. pode-se recorrer às séries temporais disponíveis na página do BCB na internet. utilizando os números indicados nas notas de rodapé deste texto.0%.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries. a taxa implícita32 sobre a DLSP correspondeu a 15.gov.br/?SERIETEMP . além de documentos sobre a trajetória recente da dívida pública.stn.br/?INDECO. divulgada mensalmente na página da Secretaria do Tesouro Nacional na internet (www. encontra-se disponível para consulta o “Manual de Estatísticas Fiscais publicadas pelo Departamento Econômico do Banco Central” na página do BCB na internet. em http://www. O BCB também disponibiliza planilhas em Excel com os principais indicadores econômicos em http://www. disponível em http://www.br).gov.bcb.bcb. em Séries Especiais. Outra fonte de consulta para os dados fiscais é a publicação "Resultado do Tesouro Nacional". Além disso.bcb. Q XIV ou Séries Especiais – Taxa de Juros Implícita 21 .implícita representa a média das taxas de juros incidentes sobre passivos e ativos da DLSP.fazenda. O Tesouro também disponibiliza na internet diversos relatórios sobre execução fiscal.do?method=prepa rarTelaLocalizarSeries seleção por assunto  Finanças Públicas ou seleção por código.br/?ECOIMPOLFISC). Além do texto resumo. para aqueles interessados em aprender mais sobre a metodologia de cálculo dos indicadores fiscais divulgados pelo Banco Central. 19. Os indicadores fiscais encontram-se no Capítulo IV – Finanças Públicas.bcb.bcb.br/ftp/infecon/Estatisticasfiscais. a Nota para a Imprensa apresenta uma série de quadros com os indicadores fiscais mais recentes e de períodos anteriores. Finalmente. com os últimos dados fiscais do setor público.pdf 32 NI Política Fiscal. Como posso saber mais sobre indicadores fiscais? O BCB divulga mensalmente a "Nota para a Imprensa de Política Fiscal" (http://www.gov.gov. em https://www3. Para encontrar as séries de dados e atualizar os gráficos e tabelas apresentados neste documento.

S. 4. 13. 9. 10. 11. Gu tierrez Márcio Magalhães Janot Coordenação Renato Jansson Rosek Criação e editoração: Departam ento de Relacionam ento com In vestidores e Estudos Especiais Brasília -DF Este fascículo fa z parte do P rograma de Educação Financeira do Banco Central do Brasil 22 . 3.Série “Perguntas Mais Freq u entes” Banco Central do Brasil 1. 12. 8. 2. 6. Juros e Spread Bancário Índices de Preço no Brasil Copom Indicadores Fiscais Preços Administrados Gestão da Dívida Mobiliária e Operações de Mercado Aberto Sistema de Pagamentos Brasileiro Contas Externas Risco-País Regime de Metas para a Inflação no Brasil Funções do Banco Central do Brasil Depósitos Compulsórios Sistema Expectativas de Mercado Diretor de Política Econômica Carlos Hamilt on Vasconcelos Araújo Equipe André Barbosa Coutinho Marques Carolina Freitas Pereira Ma yri nk Henrique de Godoy Morei ra e Costa Luciana Valle Rosa Roppa Manuela Morei ra de Souza Maria Cláudia Gomes P. 7. 5.