You are on page 1of 21

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais

Juros e Spread Bancário
com informações até março de 2013

Sér ie
Perguntas mais Freqüentes

Juros e Spread Bancário
Este texto integra a série “Perguntas Mais Frequentes” (PMF), editada pelo Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais (Gerin) do Banco Central do Brasil, abordando temas econômicos de interesse da sociedade. Com essa iniciativa, o Banco Central do Brasil vem prestar esclarecimentos sobre diversos assuntos da nossa realidade, buscando aumentar a transparência na condução da política econômica e a eficácia na comunicação de suas ações.

............... 16 13..................................................... O que é a alienação fiduciária em garantia e qual o seu objetivo?... Qual é o custo médio dos empréstimos bancários no Brasil e qual o spread bancário? . O que é o microcrédito? .... 16 14..... 13 9................................................... Por que o spread bancário nas operações com pessoas físicas é tão diferente do praticado nas operações com pessoas jurídicas? ................. 11 6.......... Como os prazos médios das concessões de crédito do sistema financeiro têm se comportado? ... Como o crédito externo tem se comportado?............................................................................................................................Sumário 1.......................................... 10 5... Como se distribui o crédito livre por tipo de tomador? Como tem evoluído? . 12 8............................................................................................................................. 17 5 . 7 2..................................... 14 10..... 9 4................................................................................................. 15 11............................................ 12 7...... Qual é o volume de crédito na economia brasileira? Como se distribui? .................................................... O que é a Cédula de Crédito Bancário? ...... O que o Banco Central vem fazendo para reduzir as taxas de juros e os spreads bancários? ...................... O que é crédito consignado em folha de pagamento? Qual a sua evolução recente?...................... Quais são os componentes dos spreads bancários no Brasil? ............................ 15 12.............. 8 3......................................................... Qual o efeito da insegurança jurídica (ou “risco legal”) sobre o crédito e o spread bancário? .................. Qual a importância dos compulsórios para o spread ? .......

18 18.. 18 17.................................. O que é o Sistema de Informações de Crédito? ............................... 18 19...............................15................................. Qual o efeito da Lei de Falências e das alterações no Código Tributário Nacional sobre o mercado de crédito?...... 21 6 .......................... 19 20....... Onde posso ler mais sobre juros e spread ?.. Quais as medidas implantadas para aumentar a concorrência e a transparência no mercado de crédito?..... 17 16.................. O que é Cadastro Positivo e qual sua importância? ................. Onde posso obter dados atualizados? ........

parcela significativa diz respeito a repasses e refinanciamentos com recursos do BNDES (20. Q I e II ou SGS 20542/20539 7 . Gráfico 1 Composição do Crédito (mar/13) Outros 3% Imobiliário 13% Rural 6% Pessoas Físicas 29% Crédito Livre 58% BNDES 20% Pessoas Jurídicas 29% Fonte: BCB 1 NI Política Monetária e Crédito. representava. Q I. março de 2013. VII e VIII ou SGS (20600+20612)/20539 4 NI Política Monetária e Crédito.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.2% do total)2.Juros e Spread Bancário 1.1% do total de crédito5.9%)4. Q IV ou SGS 20622 (todas as referências ‘SGS’ dizem respeito aos códigos de busca no link: https://www3. assim como recursos bancários obrigatoriamente direcionados para atividades específicas.do?method=prepararTelaLocalizarSeries) 2 NI Política Monetária e Crédito. Qual é o volume de crédito na economia brasileira? Como se distribui? O volume de crédito na economia brasileira atingiu 53. Da oferta total de crédito nessa data.bcb. Q I.gov. VII e VIII ou SGS (20597+20609)/20539 5 NI Política Monetária e Crédito. como o financiamento imobiliário (13.1%)3 e o rural (5. Q I. O chamado crédito livre. VII e VIII ou SGS (20604+20616)/20539 3 NI Política Monetária e Crédito. aquele que pode ser alocado a critério do agente financeiro com taxas livremente pactuadas entre as partes.9% do PIB1 em março de 2013. 58.

Q II ou SGS 20542 NI Política Monetária e Crédito. Como se distribui o crédito livre por tipo de tomador? Como tem evoluído? O volume total de crédito livre somava R$1. a oferta de crédito livre revela crescimento substancial nos últimos anos. Apesar de o Brasil apresentar relação crédito/PIB baixa para padrões internacionais. Q II ou SGS 20543 NI Política Monetária e Crédito.411 bilhões (31.5%) tomados por pessoas físicas e R$710 bilhões8 (50. Desde março de 2007 até março de 2013. Q II ou SGS 20570 NI Política Monetária e Crédito.411 bilhões6 em março de 2013.5%) por pessoas jurídicas. a oferta de crédito a taxas livres passou de R$492 bilhões (20.Gráfico 2 Operações com Recursos Direcionados (até mar/13) 500 450 800 700 600 400 350 R$ bilhões 300 250 jun/00=100 500 400 300 200 200 150 100 50 100 set 08 mar 07 mar 10 set 11 0 mar 13 dez 07 dez 10 jun 12 jun 09 mar 07 mar 10 Imobiliário BNDES Fonte: BCB Rural Outros Imobiliário BNDES Rural Outros 2. Q II e IV ou SGS 20625 8 mar 13 set 08 dez 07 dez 10 set 11 jun 12 jun 09 .2% do PIB)9 para R$1. 6 7 8 9 NI Política Monetária e Crédito. dos quais R$701 bilhões7 (49.4% do PIB).

Q V-B ou SGS 20568 13 NI Política Monetária e Crédito.7% são de crédito referenciado em moeda nacional. enquanto 4. Como se percebe no Gráfico 4. Q V-B ou SGS 20565 NI Política Monetária e Crédito. os repasses externos (antiga Resolução 63)12 e o financiamento à exportação13. Do crédito total. no entanto. o financiamento à importação11. bem como pela percepção externa do Risco Brasil. Como o crédito externo tem se comportado? As operações referenciadas em moeda estrangeira. o saldo das operações externas medido em dólares vem crescendo nos últimos anos. que determina a oferta de recursos. Q V-B ou SGS 20566 12 NI Política Monetária e Crédito.Gráfico 3 Operações com Crédito Livre (até mar/13) 1500 1200 R$ bilhões 900 600 300 mar 09 mar 10 mar 11 mar 12 mar 07 mar 08 Pessoas Jurídicas Fonte: BCB Pessoas Físicas 3. 95. 10 11 NI Política Monetária e Crédito.3% correspondem àqueles em moeda estrangeira. são influenciadas pela taxa de câmbio. que incluem os Adiantamentos sobre Contratos de Câmbio (ACC)10. Q V-B ou SGS 20567 9 mar 13 nov 07 nov 10 nov 11 nov 12 jul 07 jul 08 jul 09 nov 08 nov 09 jul 12 jul 10 jul 11 . que faz variar seu saldo medido em reais.

da ordem de 10. é menos da metade do spread cobrado nas operações com pessoas físicas17. O spread bancário15. na mesma data. O Gráfico 5 apresenta a evolução do spread médio das operações de crédito com recursos livres desde março de 2011.p. Q XIII-A ou SGS 20786 16 NI Política Monetária e Crédito. Com efeito. alcançava 17.1% ao ano em março de 2013. diferença entre a taxa de aplicação e a taxa de captação dos bancos. Q XIII-A ou SGS 20787 17 NI Política Monetária e Crédito.Gráfico 4 Operações com Recursos Externos (até mar/13) 30 25 US$ bilhões 20 15 10 5 0 set 07 set 08 set 10 set 11 set 09 mar 07 mar 08 mar 09 mar 10 mar 11 set 12 ACC Financiamento a exportações Financiamento a importações Repasse externo Fonte: BCB 4.4 p. em março de 2013. Q XIII-A ou SGS 20809 10 mar 13 mar 12 . Observe-se que característica marcante do mercado de crédito no Brasil é a diferença substancial de taxa de juros e spread incorridos por tipo de tomador. 14 15 NI Política Monetária e Crédito.p. que atingia 25.9 p. Qual é o custo médio dos empréstimos bancários no Brasil e qual o spread bancário? A taxa média de juros das operações de crédito com recursos livres14 situava-se em 26.p. Q XIII-A ou SGS 20717 NI Política Monetária e Crédito.7 p. no mesmo mês. o spread médio nas operações com pessoas jurídicas16.

para a sua formação.3%) e Margem Líquida. encargos fiscais e Fundo Garantidor de Crédito) (11. A Tabela 1 exibe a decomposição do spread das operações prefixadas com dados anuais para o período de 2007 a 2011. de fatores como os custos administrativos.gov.Operações de Crédito Livres (até mar/13) 32 30 28 26 24 22 20 18 16 14 12 10 mar 11 mar 13 mar 12 pontos percentuais dez 11 Total Fonte: BCB Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas 5. o spread bancário prefixado em 2011 podia ser decomposto em Inadimplência (22. a inadimplência e a margem líquida das instituições.4%).bcb. procurando explicitar a contribuição. Impostos Diretos (26.Gráfico 5 Spread Bancário .pdf 11 dez 12 jun 11 set 11 jun 12 set 12 .8%). Quais são os componentes dos spreads bancários no Brasil? O Banco Central faz a decomposição contábil do spread com dados dos balanços de uma amostra de instituições bancárias. De acordo com os dados mais recentes. publicados no “Relatório de Economia Bancária e Crédito – 2011”.br/pec/depep/spread/REBC_2011. de dezembro de 201218. Compulsórios (+ subsídios cruzados. os impostos diretos e indiretos.5%). 18 http://www. Erros e Omissões (39.

68 5 .00 100. em março de 2013.30 22. n. 3.655/2013 24 NI Política Monetária e Crédito.41 Fonte: BCB 6.Margem Bruta. Por que o spread bancário nas operações com pessoas físicas é tão diferente do praticado nas operações com pessoas jurídicas? Entre outros fatores.632/2013 e 3. ns.27 6 .50 3 .00 100.633/2013 21 Circs.38 32.Margem Líquida. 19 20 Circs.633/2013 23 Circs. 3.2%).22 21.Tabela 1 Decomposição do Spread Bancário (composição percentual) 2007 2008 2009 2010 2011 1 .53 66.25 12.00 100. ns.54 53. n.81 26.89 35.633/2013 e 3.16 23. Qual a importância dos compulsórios para o spread ? Os recolhimentos compulsórios sobre depósitos bancários exigidos pelo Banco Central contribuem para os spreads. uma vez que inibem a capacidade do sistema bancário de ampliar a oferta de crédito. Sobre a poupança.13 11.34 26. a inadimplência ajuda a explicar a diferença nos spreads incorridos por pessoas jurídicas e por pessoas físicas.633/2013 e 3. ns.655/2013 22 Circ.01 39.00 2 .97 53. enquanto sobre os recursos a prazo a alíquota de recolhimento é de 20%20. o percentual de créditos em atraso superior a 90 dias para pessoas físicas24 (5.24 11.Spread Total 100. 3.72 39.35 65.Impostos Diretos 13.46 9.00 100.Inadimplência 49. 3. Q I ou SGS 21083. total em SGS 21082 12 .4%). 7.Compulsório+Subsídio Cruzado+Encargos Fiscais e FGC 16. 3.41 22. Erros e Omissões (1-2-3) 34.81 4 . com exigibilidade adicional de 11%21. é mais que o dobro do percentual de atrasos de créditos para pessoas jurídicas25 (2. Erros e Omissões (4-5) 20. Como mostra o Gráfico 6. Q I ou SGS 21084 25 NI Política Monetária e Crédito. com exigibilidade adicional de 10%23. A alíquota de depósito compulsório incidente sobre recursos à vista é de 44%19.70 14. as alíquotas de recolhimento são de 17% (rural) e 20% (demais modalidades)22.59 21.633/2013 Circ.

Q II ou SGS 20855 NI Política Monetária e Crédito.5 3. 26 27 NI Política Monetária e Crédito.5 2.Gráfico 6 Inadimplência nas Operações de Crédito (até mar/13) 6. o prazo médio das concessões cresceu 7.5 1. naquela data).3 meses26 em março de 2013 (Gráfico 7).5 4.0%. quando comparadas às operações com pessoas jurídicas (25.5 mar 11 Total Fonte: BCB Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas 8.4 meses27. Q II ou SGS 20856 13 mar 13 mar 12 dez 11 dez 12 set 11 jun 12 set 12 jun 11 . Q II ou SGS 20878 28 NI Política Monetária e Crédito. Como os prazos médios das concessões de crédito do sistema financeiro têm se comportado? Desde março de 2011.5 % com atraso superior a 90 dias 5. situando-se em 35.5 meses28). Observe-se que as operações com pessoas físicas apresentam prazos mais longos (média de 46.

permitindo que os bancos minimizem as perdas associadas à inadimplência. também é imprescindível assegurar o acesso a informações transparentes sobre custos e condições contratuais. Do ponto de vista dos tomadores. 14 mar 13 dez 11 dez 12 jun 11 set 11 jun 12 set 12 . de forma que as instituições disponham de acesso às informações relevantes sobre seus clientes para poder selecionar e avaliar adequadamente os riscos de suas operações. Esse projeto tem proposto uma série de medidas de longo prazo voltadas para a redução do custo do crédito no país.Gráfico 7 Prazo Médio das Concessões de Crédito com Recursos Livres (até mar/13) 50 45 40 meses 35 30 25 20 mar 11 mar 12 Total Fonte: BCB Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas 9. O arcabouço legal inibe a oferta de crédito. como parte da estratégia de redução dos juros e spread bancário:  Promoção de maior transparência e concorrência no mercado de crédito. como parte do projeto “Juros e Spread Bancário no Brasil”.  Aumento da segurança jurídica dos contratos. o Banco Central vem se dedicando ao diagnóstico das causas dos altos spreads praticados pelos bancos em suas operações de crédito. São três os principais focos da atuação do Banco Central. induzindo os bancos a maior rigor na seleção dos clientes e pressionando o prêmio de risco exigido do conjunto de tomadores. O que o Banco Central vem fazendo para reduzir as taxas de juros e os spreads bancários? Desde 1999.

Consequentemente. ou seja. Em função da menor taxa de juros. destacam-se:  Aprovação do crédito consignado em folha de pagamento. a taxa de juros dessa modalidade contratual tende a ser inferior à taxa cobrada nas modalidades com maior risco de crédito. A grande vantagem dessa modalidade de crédito é o menor risco de inadimplência. reduz a certeza de recebimento da instituição financeira. Qual o efeito da insegurança jurídica (ou “risco legal”) sobre o crédito e o spread bancário? A insegurança jurídica em relação aos contratos de crédito. Q VI ou SGS 20579 NI Política Monetária e Crédito.  Estímulo ao microcrédito e às cooperativas de crédito. ao colocar em risco o recebimento dos valores pactuados. diversas iniciativas foram aprovadas pelo governo e no âmbito do Legislativo para reduzir o risco de inadimplência e os custos associados à morosidade da cobrança judicial. o crédito consignado29 vem apresentando taxas de crescimento superiores à média de expansão do crédito pessoal30 (Gráfico 8).  Ampliação da alienação fiduciária em garantia. Q VI ou SGS 20580 15 . 29 30 NI Política Monetária e Crédito. mesmo numa situação de contratação de garantias. a taxa adicional para cobertura de não-pagamentos embutida no spread.10. que o torna bastante atrativo em relação às demais modalidades.  Aprovação da Lei de Falências e de alterações no Código Tributário Nacional. O que é crédito consignado em folha de pagamento? Qual a sua evolução recente? Visando ampliar o leque de oferta de crédito ao trabalhador e reduzir o spread. tendo em vista que a liquidação do crédito é efetuada diretamente na folha de pagamento do trabalhador. pressionando o prêmio de risco. ou prolongar excessivamente sua cobrança judicial. em especial nas áreas jurídica e de avaliação de risco de crédito.820/03 autorizou o desconto em folha de pagamento de parcelas referentes a empréstimos e financiamentos concedidos por instituições financeiras. a Lei 10. Dentre essas iniciativas. por outro. retrai a oferta de crédito e aumenta o spread por dois motivos: por um lado. pressiona os custos administrativos das instituições financeiras. Nos últimos anos. 11. e  Reforma do Judiciário.  Criação da Cédula de Crédito Bancário.

como títulos e demais créditos. representando promessa de pagamento em dinheiro. 13. em 2001. principalmente veículos. reduzindo. No caso de não pagamento. significa a transferência da propriedade de um bem ao credor fiduciário.Gráfico 8 Evolução das Operações de Crédito Pessoal x Crédito Consignado (até mar/13) 380 340 300 mar 07=100 260 220 180 140 100 mar 07 mar 09 mar 10 mar 12 Consignado Fonte: BCB Crédito Pessoal 12. real ou fidejussória (caução pessoal ou fiança). e pode ser emitida com ou sem garantia. certa. líquida e exigível. A CCB é um título de crédito emitido por pessoa física ou jurídica em favor de instituição financeira ou equiparada. pois. foi ampliada para incluir outros bens e direitos. de qualquer modalidade. 16 mar 13 mar 08 mar 11 set 07 set 09 set 11 set 12 set 08 set 10 . basta ao credor vender o bem para cobrir a dívida. A possibilidade de alienação fiduciária estava restrita. cedularmente constituída. o governo instituiu a Cédula de Crédito Bancário (CCB). na prática. aos bens móveis. O que é a alienação fiduciária em garantia e qual o seu objetivo? A alienação fiduciária é uma forma bastante eficaz de constituir garantia nas operações de crédito. Em 1997. O principal objetivo do novo instrumento é dar mais rapidez aos processos de cobrança levados ao Judiciário. A CCB é título executivo extrajudicial e representa dívida em dinheiro. decorrente de operação de crédito. os prêmios de risco implícitos nos spreads. a alienação fiduciária passou a abranger também bens imóveis e. O que é a Cédula de Crédito Bancário? Para minimizar os custos da inadimplência. instrumento de crédito de trâmite judicial simplificado. até 1997. portanto.

em http://www. a principal consequência da Lei de Falências e da alteração no Código Tributário Nacional é a abertura da possibilidade de reestruturação para as empresas economicamente viáveis que passam por dificuldades momentâneas. 15. refere-se a operações de crédito para pequenos empreendimentos. geralmente de três a cinco pessoas. com a alteração da ordem de preferência dos credores. em que cada um é ao mesmo tempo tomador do crédito e avalista dos demais.gov. O que é o microcrédito? O microcrédito. O microcrédito adota sistemas de garantias mais próximas das condições socioeconômicas dos pequenos empreendedores.gov. desenvolvido a partir de experiências em países de baixa renda da Ásia. devido à redefinição da ordem de prioridades na falência.bcb. reciprocidade e participação). bem como http://www4. medidas adicionais para o aumento do crédito à população de baixa renda foram tomadas pela Presidência da República.br/pec/GCI/port/focus//B20031020-Nova%20Lei%20de%20Falências. 17 .pdf e http://www. Assim. O microcrédito foi oficializado no País em 1973. o fim da sucessão tributária possibilita a venda de ativos sem que tenham sofrido forte depreciação.br/htms/public/microcredito/microcredito. Para mais informações.14.bcb. respectivamente. cuja ausência de bens para oferecer como garantia real é compensada pelo capital social da comunidade (relações de confiança. Qual o efeito da Lei de Falências e das alterações no Código Tributário Nacional sobre o mercado de crédito? A Lei de Falências e as alterações no Código Tributário Nacional. Em caso de falência. que consiste na formação de grupos. mantendo os empregos.gov.gov. os créditos com garantia real passam a ser respeitados na eventual liquidação de empresas. as garantias podem ser oferecidas: individualmente.br/?SPREAD.br/htms/public/microcredito/democrat. O microcrédito é operacionalizado por meio de processo bastante diferente das operações tradicionais. foi eliminado o mecanismo de sucessão tributária. no que se refere ao mercado de crédito. quanto à exigência de garantias reais. Ao contrário do que ocorria. A principal mudança. Maiores detalhes podem ser obtidos nos textos “Democratização do Crédito no Brasil” e “Introdução ao Microcrédito”.pdf. permitindo recuperação mais fácil das empresas em dificuldade. coletivamente. com o tomador indicando avalista/fiador. por meio de aval solidário. diz respeito à criação de ambiente institucional mais favorável aos contratos. Assim. em geral de baixo valor unitário.bcb. regra segundo a qual o comprador de bens da massa falida ou de empresa em dificuldades se responsabilizava pelas dívidas fiscais e tributárias reclamadas. aprovadas pelo Congresso Nacional no final de 2004. Além disso.pdf. sem acesso ao sistema financeiro tradicional. modernizaram a legislação brasileira sobre recuperação de empresas em dificuldades. e desde 1992 o Banco Central tem se envolvido com estudos e iniciativas nesse âmbito. Em 2003. os pagamentos aos credores e o pagamento de impostos.bcb. acesse http://www4.

Quais as medidas implantadas para aumentar a concorrência e a transparência no mercado de crédito? Desde 1999.  Ampliação e aperfeiçoamento das informações reunidas e disseminadas pelo Sistema de Informações de Crédito do Banco Central. Informações adicionais podem ser encontradas em http://www. dentre as quais:  Portabilidade de informações cadastrais.br/?TXCRED.br/?SCR. Tal avaliação pode ser efetuada por meio da consulta do histórico do cliente em suas operações de crédito e pela análise de sua capacidade de pagamento.bcb. a Serasa.bcb. a SCI-Equifax e o Sistema de Informações de Crédito (SCR). as instituições ficam obrigadas a disponibilizar aos clientes. Para obter informações sobre as taxas de juros praticadas pelos bancos. processo que tem sido continuamente melhorado e ampliado. bancos de dados privados ou públicos que reúnem informações diversas. o Serviço de Proteção ao Crédito (usualmente administrado por associações comerciais em diferentes municípios). O que é o Sistema de Informações de Crédito? As instituições financeiras precisam de informações sobre os clientes que procuram crédito. Outras informações estão disponíveis para todas as instituições financeiras mediante autorização do cliente. 17.  Estímulo ao microcrédito e às cooperativas de crédito. como os dados do sistema classificatório do risco das operações de crédito. acesse http://www.gov. permitindo a avaliação do risco do candidato ao crédito inadimplir em novas operações. Parte das informações do Sistema é de uso privativo de algumas unidades da área de supervisão bancária do Banco Central. As principais centrais brasileiras são o cadastro de cheques sem fundos (administrado pelo Banco Central). o Banco Central vem disponibilizando na internet informações sobre as taxas de juros e os encargos cobrados pelas instituições financeiras nas suas operações de crédito. oriundas de problemas nas carteiras de crédito das instituições financeiras. Seu propósito é contribuir para que a supervisão bancária antecipe e previna crises no sistema financeiro.  Mais transparência nas informações sobre taxas de juros nos empréstimos de cheque especial.gov. pois reúne informações da totalidade das instituições financeiras. Para a análise de risco de crédito.  Incentivo à “bancarização” da população de baixa renda. informações individuais de movimentação financeira nos dois últimos anos. também gerenciado pelo Banco Central. O SCR é a mais abrangente central de informações de crédito no mercado bancário. Em adição. distinto do objetivo das centrais de informações tradicionais.  Exigência de mais transparência nos balanços contábeis das instituições financeiras. isto é. com isenção de tarifas e outros benefícios.16. para avaliar sua capacidade e disposição de pagar. quando solicitadas. 18 . são muito úteis as centrais de informação de crédito. várias ações foram desenvolvidas.

bcb. em http://www.bcb. Os caminhos para chegar a elas estão apresentados abaixo.bcb. melhoram as informações sobre o histórico de pagamentos de cada indivíduo ou empresa. pdf 18 – O Spread Bancário segundo Fatores de Persistência e Conjuntura 31 http://www.br/pec/NotasTecnicas/Port/2003nt35sistemajudicialmercadoc redbrasilp.pdf 21 – Resenha sobre o Spread Bancário Fani Léa Cymrot Bader e Victorio Yi Tson Chu (mai/02).pd f 19 – Os Determinantes do Spread Bancário no Brasil Sérgio Mikio Koyama e Márcio I.18.pdf 20 – Derivativos de crédito – Uma Introdução Fani Léa Cymrot Bader (abr/02). proporcionando melhores condições para uma adequação do juro cobrado com o perfil de risco específico. acerca dos créditos concedidos a seus clientes e mediante autorização voluntária destes.br/pec/NotasTecnicas/Port/2002nt21spreadbancariop. disponíveis em http://www. A página do Banco Central na internet dispõe ainda de diversas Notas Técnicas e Trabalhos para Discussão sobre crédito e spread bancário.br/pre/normativos/busca/normativo. Desde 2002. Notas Técnicas 35 – Sistema Judicial e Mercado de Crédito no Brasil Pedro Fachada. O Cadastro Positivo é um banco de dados gerido por empresas especializadas contendo informações fornecidas pelas chamadas fontes (a exemplo dos bancos).gov.br/pec/NotasTecnicas/Port/2002nt20derivativosdecreditop.bcb. e não apenas sobre sua situação de adimplência ou inadimplência.gov.gov.asp?tipo=Res&ano=2012&numero=4172 19 . essa publicação passou a constituir o “Relatório de Economia Bancária e Crédito”.gov. Com a regulamentação.bcb. 19. A Resolução prevê que as instituições financeiras estejam aptas a cumprir essas disposições até 1º de agosto de 2013. Espera-se que com isso haja incentivo para maior disponibilização dessas informações pelos clientes.414 (Cadastro Positivo) por parte das Instituições Financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central. em http://www.br/?SPREAD.br/pec/NotasTecnicas/Port/2002nt19composicaodospread2p.gov. O que é Cadastro Positivo e qual sua importância? Em 20 de dezembro de 2012. em http://www. Nakane (abr/02). formam o mais completo painel sobre o assunto. Onde posso ler mais sobre juros e spread ? Os relatórios anuais do Banco Central de avaliação do projeto "Juros e Spread Bancário no Brasil".bcb. Luiz Fernando Figueiredo e Eduardo Lundberg (mar/03).gov. em http://www. o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou a Resolução31 que regulamenta a prestação de informação aos bancos de dados de que trata a Lei nº 12.

bcb. Cajueiro (out/10).pdf Trabalhos para Discussão 258 – Bancos Oficiais e Crédito Direcionado – o que diferencia o mercado de crédito brasileiro? Eduardo Luis Lundberg (nov/11).bcb. Victorio Chu. Nakane (abr/02). em http://www.bcb.pdf 167 – O Poder Discriminante das Operações de Crédito das Instituições Financeiras Brasileiras Clodoaldo Aparecido Aníbal (jul/08). Alencar e Tony Takeda (jun/06). Otávio Ribeiro de Medeiros e Lúcio Rodrigues Capeletto (mai/11). Rodrigues.bcb.br/pec/wps/port/td220.bcb.pdf 220 – Eficiência Bancária e Inadimplência: Testes de Causalidade Benjamin M.gov.bcb. em http://www.gov.gov.gov.gov.gov. Craveiro e Daniel O.gov. Leonardo S.bcb.pdf 108 – O Efeito da Consignação em Folha nas Taxas de Juros dos Empréstimos Pessoais Eduardo A.br/pec/wps/port/wps167. em http://www.pdf 87 – Mercado de Crédito: uma Análise Econométrica dos Volumes de Crédito Total e Habitacional no Brasil 20 .pdf 110 – Fatores de Risco e o Spread Bancário no Brasil Fernando B. Tecles.bcb. em http://www.bcb.br/pec/wps/port/td258. em http://www. em http://www. em http://www. em http://www.bcb.br/pec/wps/port/td250.bcb. Gignotto e Eduardo Augusto de Souza Rodrigues (jul/06).pdf 119 – A Central de Risco de Crédito no Brasil: uma análise de utilidade de informação Ricardo Schechtman (out/06).gov.pdf 257 – Cooperativas de Crédito: taxas de juros praticadas e fatores de viabilidade Clodoaldo Aparecido Annibal e Sérgio Mikio Koyama (nov/11). em http://www.Sérgio Mikio Koyama e Márcio I. em http://www.gov.br/pec/wps/port/wps108. Tabak e Roberta B.br/pec/wps/port/wps242. Giovana L.br/pec/wps/port/wps192.pdf 242 – Determinantes do Spread Bancário Ex-Post no Mercado Brasileiro José Alves Dantas.br/pec/NotasTecnicas/Port/2002nt18fatoresestruturaiseconju nturaisp.bcb.br/pec/wps/port/wps191.pdf 192 – Inadimplência do Setor Bancário Brasileiro: uma avaliação de suas medidas Clodoaldo Aparecido Aníbal (set/09). S.gov. em http://www.pdf 250 – Recolhimentos Compulsórios e o Crédito Bancário Brasileiro Paulo Evandro Dawid e Tony Takeda (ago/11).br/pec/wps/port/td257.gov. Staub (set/09). Tabak.gov. Benjamin M. em http://www.pdf 191 – Concentração e Inadimplência nas Carteiras de Empréstimos dos Bancos Brasileiros Patricia L.br/pec/wps/port/wps110.br/pec/wps/port/wps119.

gov.br/pec/wps/port/wps87. concessões. por exemplo. Esses aperfeiçoamentos favorecem. spread. as estatísticas relativas às operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional passaram a ser apresentadas em nova configuração. em http://www. em http://www.gov. conhecido como “crédito referencial para taxas de juros”. spreads.br/ftp/infecon/notaempr.bcb. em http://www. com dados atualizados sobre saldo. refletindo aprimoramentos que permitiram a ampliação da abrangência e o maior detalhamento das principais informações. a nova estrutura de dados compreende a extensão das informações relativas a saldos. Agency Costs and the Performance of the Monetary Policy Leonardo Soriano de Alencar e Márcio I. Desde fevereiro de 2013.pdf 46 – The Determinants of Bank Interest Spread in Brazil Tarsila Segalla Afanasieff. de 17 de dezembro de 2008. a Circular nº 3.bcb.br/pec/wps/port/wps62. Nakane (jan/04).gov.bcb. de 23 de fevereiro de 2012.br/pec/wps/ingl/wps46. taxas de juros. taxas de juros. Nakane (mar/01). Onde posso obter dados atualizados? Mensalmente. entre outros. prazos e inadimplência. o Banco Central divulga a “Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro”. Acesse a referida Nota em http://www.gov. com maior detalhamento das informações referentes às operações de crédito consignado e de crédito habitacional. no endereço http://www. Nakane (ago/02). em http://www. disponível na página eletrônica do Banco Central .bcb.658. antes disponíveis apenas para um subconjunto do crédito livre. Em linhas gerais.pdf 12 – A Test of Competition in Brazilian Banking Márcio I.br/pec/wps/ingl/wps81.pdf 81 . e a Carta-Circular nº 3.br/pec/wps/ingl/wps12.br/?ECOIMPOM. a adoção de critérios melhor definidos e atuais de classificação por modalidade possibilitou o preenchimento de importantes lacunas nas estatísticas de crédito. 21 .pdf. O novo conjunto de dados integra o escopo do Sistema de Informações de Crédito (SCR) e está definido pelo arcabouço normativo que compreende a Resolução nº 3.gov. em particular.bcb. em http://www.gov. Adicionalmente. Priscilla Maria Villa Lhacer e Márcio I. a produção de análises mais abrangentes acerca do fluxo de novas operações de crédito e das taxas de juros praticadas no mercado. concessões.pdf 62 – Taxa de Juros e Concentração Bancária no Brasil Eduardo Kiyoshi Tonooka e Sérgio Mikio Koyama (fev/03).Bank Competition.bcb.bcb.567. novas aberturas desse segmento e também para o crédito direcionado. Informações adicionais sobre o aprimoramento das estatísticas de crédito são apresentadas na “Nota Metodológica – Nova estrutura de dados de crédito”.gov.pdf 20.Ana Carla Abrão Costa (dez/04). prazos e inadimplência bancária.540. de 12 de dezembro de 2011.

Os indicadores de crédito encontram-se no Capítulo II – Moeda e crédito. 22 .br/sgspub/localizarseries/localizarSeries. informando os números indicados nas notas de rodapé deste texto.gov. seleção por tema  Indicadores de crédito ou seleção por código. O Banco Central também disponibiliza planilhas em Excel com os principais indicadores econômicos em http://www. em https://www3.do?method=prepararTelaLocalizarSeries.bcb.Para encontrar as séries de dados e atualizar todos os gráficos e tabelas aqui expostos.gov.br/?INDECO.bcb. pode-se recorrer às “Séries Temporais” disponíveis na página do Banco Central na internet.

10. 12. S. 2. 8. 7. Gu tierrez Márcio Magalhães Janot Coordenação Renato Jansson Rosek Criação e editoração: Departam ento de Relacionam ento com In vestidores e Estudos Especiais Brasília -DF Este fascículo fa z parte do P rograma de Educação Financeira do Banco Central do Brasil 23 . 11.Série “Perguntas Mais Frequentes” Banco Central do Brasil 1. 6. 9. 13. Juros e Spread Bancário Índices de Preços no Brasil Copom Indicadores Fiscais Preços Administrados Gestão da Dívida Mobiliária e Operações de Mercado Aberto Sistema de Pagamentos Brasileiro Contas Externas Risco-País Regime de Metas para a Inflação no Br asil Funções do Banco Central do Brasil Depósitos Compulsórios Sistema Expectativas de Mercado Diretor de Política Econômica Carlos Hamilt on Vasconcelos Araújo Equipe André Barbosa Coutinho Marques Carolina Freitas Pereira Ma yri nk Henrique de Godoy Morei ra e Costa Luciana Valle Rosa Roppa Manuela Morei ra de Souza Maria Cláudia Gomes P. 3. 5. 4.