You are on page 1of 13

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL DE GARÇA

/FAEF ANO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006. PERIODICIDADE: SEMESTRAL _______________________________________________________________________________________

EFEITOS DA ADUBAÇÃO DE PLANTIO SOBRE O ESTABELECIMENTO DE MUDAS DE TECTONA GRANDIS L.f. (TECA)
Frabricio Amorim Ribeiro
Engº Florestal - DCF/UFLA

Renato Luiz Grisi Macedo
Prof. DCF/UFLA – rlgrisi@ufla.br

Nelson Venturim
Prof. DCF/UFLA

Verlândia de Medeiros Morais
Pós-graduanda DCF/UFLA – verlandiamorais@yahoo.com.br

Jozébio Esteves Gomes
Prof. da FAEF

Mauro Yoshitami Junior
Aluno do DCF/UFLA

RESUMO O presente trabalho teve como objetivo avaliar o potencial de estabelecimento da Tectona grandis L.f. (Teca) submetida a diferentes adubações de plantio, em Guapé-MG. O experimento foi instalado no delineamento de blocos casualizados com 7 tratamentos, referentes às adubações com Fosmag (250g/cova), Calcário Calcinado(200g/cova), Calcário Calcinado (200g/cova) mais Super Simples (250g/cova), Calcário Calcinado (200g/cova) mais NPK (414-8) ( 50g/cova), NPK (4-14-8) (50g/cova), Super Simples (250g/cova) e Testemunha (solo sem adubação) e 4 repetições. O experimento consistiu no plantio de mudas de toco de raiz nua de Teca provenientes de Cuiabá (MT). Aos 7 meses da instalação do experimento avaliou-se a porcentagem de sobrevivência das mudas no campo, para se determinar o potencial de estabelecimento das mesmas. Os resultados foram submetidos à análise de variância e ao teste de média de Scott-Knott. A análise de variância detectou diferença significativa entre os tratamentos, ou seja, a Teca apresentou diferentes potenciais de estabelecimento em relação aos tratamentos de adubação. A Teca apresentou maior taxa de sobrevivência nos tratamentos com Fosmag (250g/cova); Calcário calcinado (200g/cova); Calcário calcinado (200g/cova) mais Super simples (250g/cova); Calcário calcinado (200g/cova) mais NPK (4-14-8) (50g/cova) e na Testemunha (solo sem adubação). Vale destacar que, em função do experimento se encontrar na fase de estabelecimento, e devido às avaliações precoces, estes resultados estão sujeitos a alterações com o passar do tempo. Palavras-chave: Teca, adubação de plantio, sobrevivência.

Uma segunda estratégia seria utilizar plantas mais aptas a se desenvolver em solos de baixa fertilidade. f. No tocante às condições edáficas. The analysis of variance detected significant differences among the treatments. NPK (4-14-8) (50g/hole). The Teak presented increased survival rate in the treatments with Fosmag (250g/hole). climáticas e edáficas deve ser considerada. the Teak presented different establishment potentials relative to the fertilization treatments. these results are subject to alterations as time goes by. (Teak) submitted to different planting fertilizations in Guapé. survival.calcined limestone (200g/hole). mas em muitos casos sem a garantia do retorno desejado. 1-INTRODUÇÃO Independentemente do fim ao qual se destina o plantio de espécies arbóreas. topográficas. porque uma maior adaptação da planta pode implicar em menor potencial de crescimento e produção. em termos de fertilidade. uma estratégia a seguir seria ajustar o solo às exigências da planta. The experiment consisted of bare root stick seedlings coming from Cuiabá (MT) At seven months from the establishment of the experiment. surge uma terceira opção que seria conciliar o uso de um mínimo de insumos . calcined limestone (200g/hole). o que muitas das vezes requer investimentos de capital para a melhoria da sua capacidade produtiva. The results were submitted to the analysis of variance and Scott-Knot mean test. The experiment was set up in the randomized block design with seven treatments concerning fertilizations with Fosmag (250g/hole). reduzindo as despesas com a implantação.ABSTRACT The present work was designed to evaluate the potential of establishment of Tectona grandis L. calcined limestone (200g/hole) Plus NPK (4. Simple Super (250g/hole) and Check ( soil without a fertilizer) and four replicates. It is worthwhile that. the percentage of survival of seedlings in the field to determine their establishment potential.14-8) (50g/hole). a adequação de fatores de sítio referentes às condições geográficas. calcined limestone (200g/cova) plus Simple Super (250g/cova). Assim. planting fertilizations. viz. due to the experiment being in the experimental phase and owing to the precocious evaluations. calcined limestone (200g/hole) plus NPK (4-14-8) (50g/hole) and in the Check (soil without a fertilization). MG. calcined limestone (200g/hole) plus Simple Super (250g/hole). Keywords: Teak.

Dentre os nutrientes. a adubação de plantio tem como finalidade promover o arranque inicial de crescimento das mudas. A disponibilidade de nutrientes está entre os fatores edáficos que condicionam o desenvolvimento. suplementando o solo com montantes adicionais de nutrientes. Turner e Grubb. sobre sua nutrição para a espécie. o que é de se esperar. quanto a campo. pouca coisa foi documentada através da literatura disponível.. Em trabalhos realizados por Matricardi (1989). Segundo Rondon Neto. uma vez que são verificadas diferenças a nível de espécies e genótipos de plantas em termos de requerimentos nutricionais. parece existir ampla diversidade de comportamento frente ao fornecimento de nutrientes. ou. e ter grande importância na nutrição vegetal.. 1984. (Batista e Couto. o mesmo observou que o Fósforo. maior eficiência no uso dos nutrientes. parece não influenciar no seu desempenho.capaz de propiciar o crescimento adequado de plantas com menor exigência e. Burslem. proliferação e abundância das espécies florestais no processo sucessional. No Brasil. ocorrência constatada num vasto número de trabalhos. o Fósforo é um dos que tem merecido maior preocupação em razão de sua baixa disponibilidade natural nos solos mais intemperizados. conforme indicam os trabalhos realizados até o momento . que irão atender à demanda nutricional das mudas. Com relação ao Magnésio. O mesmo não ocorre em relação ao Cálcio. tanto na fase de mudas. Esta baixa disponibilidade tem sido apontada como a limitação primária ao desenvolvimento de florestas em muitos solos das regiões tropicais (Vitousek. já que a Teca notadamente calcícola é altamente carente desse elemento. Tsukamoto Filho & Macedo (1998). o fósforo é o nutriente que tem proporcionado respostas mais expressivas pelo eucalipto (Novais et al. Barros et al. e. O Cálcio é um dos elementos mais importantes no processo de nutrição da Teca dada sua avidez pelo mesmo. 1990). 1994). 1981). No que diz respeito a outras espécies florestais que vem sendo estudadas. respostas variáveis ao fornecimento destes nutrientes têm sido encontradas entre diversas espécies pertencentes a grupos ecológicos distintos. apesar de participar em quantidade relativamente grande na composição da madeira da Teca.

visando indicar e priorizar a adoção de práticas de maior viabilidade técnica e econômica. especialmente para a implantação de florestas exóticas... Lima et al. al. Inserido neste contexto. Esta condição pode ser alcançada a partir do momento em que se dispõe de um razoável conhecimento dos requerimentos nutricionais da espécie. mas também pela diversidade de ambientes que representam os diferentes tipos de solo encontrados nas áreas destinadas à atividade florestal. Normalmente. 1995. o correto fornecimento de nutrientes via aplicação de fertilizantes traz como resultado um ganho em produtividade. . MACEDO et. Rocha. as mudas de espécies florestais diferem em suas expressões fenotípicas. submetida a diferentes adubações de plantio.. 1995. 1996. Renó et al. 1994. Oliveira. 1994). Estudos neste sentido já vêm sendo conduzidos para espécies exóticas de expressão no setor florestal do país. 1997). Então. 1995. 1997... considerando a fertilidade do solo. (Teca) implantada em Guapé-MG. se justifica não só em função da existência de grande variação entre as espécies quanto ao seu requerimento nutricional. as quais retratam fielmente.f. Lima et al. Faria et al.. o objetivo do presente trabalho foi analisar o potencial de estabelecimento inicial da Tectona grandis L. Neste sentido. 1997. a necessidade de investigar aspectos mais específicos da relação solo-espécie florestal. expressa a capacidade de adaptação e o vigor das mudas. são sob as diferentes condições de campo que. normalmente. Siqueira e Curi. avaliado através da porcentagem de sobrevivência. é possível comparar diferentes opções de manejo da adubação. 1996. pós-plantio definitivo. Paron et al. (2000) consideram que o potencial de estabelecimento de espécies florestais. permitindo chegar a resultados mais confiáveis e que sugerem tecnologias mais apropriadas para aplicação prática. frente as reais condições ecológica observadas no campo. as magnitudes e efeitos das interações genótipo/ambiente. Paron. Pois.(Chichorro et al.(Duboc.

NPK (4-14-8) (50g/cova). com média máxima anual de 27. ao nível do solo.2 Instalação do Experimento O experimento de adubação de plantio foi instalado em uma área que foi utilizada por 9 anos para fins de capineira com capim colonião. abriram-se as covas de plantio e foram adubadas conforme as recomendações prescritas nos tratamentos de adubação de plantio.MATERIAL E MÉTODOS 3. T4. Levantaram-se as bancadas e plantou-se a estaca de Teca totalmente enterrada. As parcelas . A área foi sulcada no espaçamento de 2 m para receber os tratamentos.5º C. nas coordenadas geográficas: latitude 20.Testemunha (solo sem adubação) e. 3.5º C e média mínima anual de 15.Calcário calcinado (200g/cova) mais Super simples (250g/cova). na região sudoeste do Estado de Minas Gerais. plantadas no espaçamento 3 X 2 m. T3. T2. apresentando uma altitude máxima de 1332 m e mínima de 788 m.6º C. T7. A temperatura média anual é de 20. com inverno seco e verão chuvoso. (Figura 01). O clima da região é tropical úmido. Avaliou-se a porcentagem de sobrevivência (S%) de mudas de Teca aos 7 meses após o plantio.3. provenientes de Cuiabá-MT.9171 W. Nos sulcos de aproximadamente 30 cm de profundidade.Calcário calcinado (200g/cova) mais NPK (4-14-8) (50g/cova). 4 repetições. Utilizou-se mudas de Teca de toco de raiz nua. T6Super simples (250g/cova).7571 S e longitude 45. A precipitação média anual é de 1690 mm. para posteriormente completar o fechamento dos sulcos.Calcário calcinado (200g/cova). concentrados no período que vai de Novembro a início de Março. T5. O experimento foi instalado no delineamento de blocos casualizados composto por 7 tratamentos de adubações de plantio das mudas de Teca (T1Fosmag (250g/cova).1 Caracterização da Área Experimental O presente estudo foi conduzido em uma área experimental no município de Guapé.

TABELA 01: Resumo da Análise de Variância para a porcentagem de sobrevivência (S%) das mudas de Teca submetidas a diferentes adubações de plantio. FV GL SQ QM Fc Pr>Fc Tratamento Bloco Erro Total corrigido CV (%) Média geral: 10. obtendo-se assim a porcentagem de plantas remanescentes. Os resultados foram submetidos à análise de variância. Os resultados de porcentagem de sobrevivência das mudas foram transformadas para arc sen √ X/100. dispostas em quatro linhas contendo cinco plantas por linha.609 0.RESULTADOS E DISCUSSÃO A tabela 01 apresenta o resumo da análise de variância para a porcentagem de sobrevivência (S%) das mudas de Teca submetidas a diferentes adubações de plantio.641046 0.91% 6 3 18 27 0. a 5% de probabilidade entre os tratamentos.336043 0. * = significativo a 5% de probabilidade. A porcentagem de sobrevivência foi determinada com base na contagem das plantas vivas.056007 0.17 80.013361 4.experimentais foram compostas por 20 plantas. e CV = coeficiente de variação (%).021501 0. apresentada na Tabela 01.0082* 0. mostrou que houve diferença significativa. O resumo da análise de variância para sobrevivência. estabelecendo-se uma proporção em relação ao número total de plantas da área útil da parcela.2223 GL = graus de liberdade. Utilizouse o software estatístico de sistema de análise de variância (SISVAR). a 5% de probabilidade.192 1.240501 0.064502 0. 4. aplicando-se às médias dos tratamentos o teste de Scott-Knott. .

em experimentos para se avaliar os efeitos de calagem e da fosfatagem sobre o estabelecimento da Teca e. avaliando o efeito do tempo de embebição em água e da profundidade de plantio sobre o estabelecimento de mudas de toco de raiz nua de Teca.5% b 88. avaliadas três meses após o plantio definitivo no campo. Tabela 02: Porcentagem média de sobrevivência (S%) de mudas de Teca submetidas a diferentes adubações de plantio em Guapé. avaliados três meses após sua instalação no campo.91%.Na tabela 02 são apresentados as porcentagens médias de sobrevivência das mudas de Teca submetidas a diferentes adubações de plantio em Guapé. obtiveram respectivamente. considerando-se todos os tratamentos. foi de 42. MACEDO (1999b).52%. a porcentagem média de sobrevivência das mudas de Teca. observaram que. introduzidas em Brasilândia-MG. para se avaliar espaçamentos/desrama/desbastes (futuros).0% b . avaliadas aos 7 meses pós-plantio.8% a 73. 64% e 54% de sobrevivência para as mudas de Teca. este valor foi superior ao observado em outras pesquisas realizadas com Teca. 82. em outro.8% a 80.5% b 87. A porcentagem média de sobrevivência observada no presente trabalho foi de 80.0% b calcinado(200g/cova)+NPK (4-14-8) Médias 63. a 5% de probabilidade. Em Brasilândia-MG.8% b 90. avaliadas aos 7 meses pós-plantio. MACEDO (1999). Teste de Scott-Knott para Tratamentos de adubação Tratamentos 5–NPK (4-14-8) (50g/cova) 6–Super simples (250g/cova) 4–Calcário (50g/cova) 7–Testemunha (solo sem adubação) 1–Fosmag (250g/cova) 2–Calcário calcinado (200g/cova) 3–Calcário calcinado (200g/cova) + Super simples (250g/cova) Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Scott-Knott.

são sob as diferentes condições de campo que.Segundo MACEDO et al. as quais retratam fielmente. E. (2000). as mudas de espécies florestais diferem em suas expressões fenotípicas. em pesquisas realizadas por MACEDO (1999a) sobre análise preliminar do crescimento e fenologia de Tectona grandis L. (2000) consideram que o potencial de estabelecimento de espécies florestais. e com o pleno desenvolvimento dos seus sistemas radiculares. A análise da Tabela 02 mostra que os tratamentos com NPK (4-14-8) (50g/cova) e Super Simples (250g/cova) apresentaram os menores valores de sobrevivência. valores médios de sobrevivência de 93. frente as reais condições ecológica observadas no campo. associado a problemas relacionados a irregularidades na precipitação pluviométrica. avaliado através da porcentagem de sobrevivência. expressa a capacidade de adaptação e o vigor das mudas. respectivamente. Porém. apresentaram. os resultados do presente estudo foram inferiores aos resultados obtidos por PASSOS et al. ocupando maior volume de . considerando-se as particularidades inerentes de cada um dos experimentos citados anteriormente. aos 9 e 13 meses pós-plantio das mudas no campo. (2002).6%. provavelmente estes tratamentos não influenciaram o potencial de estabelecimento das mudas de toco de raiz nua de teca. não diferiram estatisticamente entre si e. foram atribuídos ao tipo de muda utilizada. normalmente. as magnitudes e efeitos das interações genótipo/ambiente. com o passar do tempo.f introduzidas em parcelas de observação em Lavras-MG. o que indica que. Possivelmente. em Guapé – MG. aos 12 meses após o plantio. os seus efeitos se tornarão mais evidentes sobre a dinâmica de crescimento das mudas. Todos os tratamentos com calcário calcinado e os com fosmag e a testemunha apresentaram porcentagens de sobrevivência entre 80% e 90%. que observaram que os espaçamentos de plantio de Teca em Cáceres-MT. nos quais. ocorrência de veranicos pós-plantio no campo e irrigação insuficiente para atender a demanda de água exigida nessa fase de estabelecimento. al. pós-plantio definitivo. os resultados de sobrevivência das mudas de Teca obtidos nas pesquisas realizadas em Brasilândia-MG. MACEDO et. obtiveram 100% de sobrevivência. Pois.

solo. potássio. o que se deve levar em conta ao se reflorestar um sítio com esta espécie (CHAVES. fósforo e pH. Segundo Takle & Mujundar (1957). Laurie (1931) citado por CHAVES (1991) estudou a disponibilidade de cálcio. Verificou que. 1991). Em geral. de modo geral. em quatro localidades da Índia. quando comparados com os tratamentos T5: NPK (4-14-8) (50g/cova) e T6: Super Simples (250g/cova). grandes quantidades deste elemento são removidas do sítio e que dificilmente podem ser restituídos por uma mineralização do mesmo. os valores destes atributos dos solos observados para regiões com ocorrência natural de Teca foram. os tratamentos com aplicação de calcário proporcionaram maior sobrevivência às mudas de Teca. citados por MATRICARDI (1989). se consideram estes dois elementos como os mais importantes para o crescimento da espécie Além destes elementos. De um modo geral. CHAVES (1991). se afirma que as plantas de Teca parecem ser sensíveis à deficiência de cálcio (Ca). em média. tem-se determinado que com o seu aproveitamento. mesmo assim. Este e outros fatos semelhantes parecem demonstrar que a Teca é uma espécie exigente nutricionalmente. superiores àqueles das regiões onde a Teca não ocorria. O cálcio funciona como fator limitante para o crescimento da Teca. . pelo menos em relação a determinados nutrientes como o cálcio e o pH. cita que alguns estudos demonstraram que o nitrogênio (N) quando se aplica acompanhado de fósforo (P). Puri (1951) citado por CHAVES (1991) afirma que a Teca tem melhor crescimento em solos que possuem grandes quantidades de cálcio em forma solúvel e elevados valores de pH. tendo influência linear sobre o seu crescimento. mas em algumas ocasiões parece reduzir. Pois estes resultados foram avaliados com apenas 07 meses após a aplicação dos tratamentos. diversos estudos identificam a Teca como uma espécie calcícola. provoca um aumento no crescimento. mostrando que ela necessita de uma quantidade relativamente grande de cálcio para seu crescimento e desenvolvimento.

CONCLUSÕES As observações práticas de campo e as análises preliminares das avaliações realizadas aos 7 meses pós-plantio permitiram concluir que: • A analise da porcentagem de sobrevivência foi eficiente para se determinar o potencial de estabelecimento das mudas de teca em Guapé – MG • • A Teca apresentou potencial de estabelecimento em Guapé-MG. Revista Árvore. DEFELIPO.Z. e devido às avaliações precoces. n.. E. • A Teca apresentou maior taxa de sobrevivência nos tratamentos com Fosmag (250g/cova).. estes resultados estão sujeitos a alterações com o passar do tempo. H. B. BATISTA. N.T.5 . jan. em função do experimento se encontrar na fase de estabelecimento. BRAGA.V. Calcário calcinado (200g/cova).M. J.. 5. R. 6 . 1981. • Vale destacar que.F.. As adubações iniciais de plantio promoveram diferentes níveis de estabelecimento das mudas de Teca no campo. Viçosa. Produção de eucalipto em solos de cerrado em resposta à aplicação de NPK e de B e Zn. p.M. Calcário calcinado (200g/cova) mais NPK (4-14-8) (50g/cova) e na Testemunha (solo sem adubação). COUTO.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS. Influência de fatores químicos do solo sobre o desenvolvimento das espécies florestais mais importantes do cerrado da . BRANDI. 90-103.A./jun. v. Calcário calcinado (200g/cova) mais Super simples (250g/cova).1.

D. CHICHORRO.P.R. Fertilização de plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. Ciência e Agrotecnologia./abr. DUBOC. H.. v.. Lavras. 2. CURI. TURNER. crescimento e nutrição mineral de espécies florestais na fase de mudas. n. SP. A. P.N. P. 2. p. CURI. VENTURINI. RESENDE. v. N. 47p. FURTINI NETO. jan. Manaus.. R.M.O./dez. GRUBB. introduzida na região noroeste do Estado de Minas Gerais. 1992. F. 1994. Revista Árvore. FARIA.18. v.29-41. F. p.J. CHAVES.1992.188-261. Costa Rica.1.. VALE. & SCOLFORO.P. H.O.. Revista Árvore. 1994. F.L. v.4..579599. n. Anais.. LAMBERS. VALE. J.C. CURI. Acidez do solo.19. Plant and Soil. v.F.A.189-195. Nov. Crescimento inicial de espécies arbóreas em resposta ao superfosfato simples em campo.L.21..P.23. FAQUIN.. J. SIQUEIRA. Mar... Mineral nutrient status of coastal hill dipterocarp forest and adinandra belukar in Singapore: bioassays of nutrient limitation. A. Advances in Ecological Reseach. MACEDO. n. FONSECA. n. F. BOTELHO. LAJTHA. CURITIBA.G.. Efeito do fertilizante na produtividade do Eucalyptus grandis. K. Turrialba. 1998 (no prelo). p. J. Nutrient uptake in eastern deciduous tree seedlingls. Journal of Tropical Ecology. Curitiba: EMBRAPA. POOTER. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATURAIS. N..F. 1995/1996. jan.2.. 193-199.N.R.2. Viçosa.. H. Inherent variations in growth rate between higher plants: A search for fisiological causes and ecological consequences. v.2. n. A. VALE.433-446. M. In: SIMPÓSIO . 1991. E. N. SIQUEIRA. H.f. Revista da Universidade do Amazonas Série: Ciências Agrárias. J. p. J. 1995.F.. jul./dez.4/5. n. 1994. (TECA).33-44. Cerne. p. Cerne.. BARROS. p. CNPF.31-47.E. VALE. fungo micorrízico e rizóbio. Crescimento inicial de sete espécies arbóreas nativas em resposta à adubação mineral com NPK. DAVIDE. 1992.R. Crescimento de leguminosas arbóreas em resposta a fósforo. SIQUEIRA. CECON. BURSLIM. Especie de arbol de uso multiple en America Central. Lavras. LIMA. nitrogênio..f..R.O.V. San Diego.R. W.. 1996. VALE. J.R. N. II. F./jun. I. 160. p. V. Peltophorum dubium (SPRENG) TAUB... Tectona grandis L. Viçosa.1/2.10.1997. v. RESENDE.57-69.R. v. New York.R. abr. Lavras. Part 4. out.. S. LIMA. The Hague.. E./dez. p. p.. N.reserva biológica de Mogi-Guaçu. Considerações preliminares sobre o estabelecimento da Tectona Grandis L. (Óleo Capaíba). no município de Martinho Campos-MG.

E. Rio de Janeiro. H.73.. J. Anais. MARSCHNER. (CD ROM-BIO 1225). Anais..R. n. n. R.M.L. C.. J.f.. Biosfera. Viçosa: SIF. Curitiba. Potencial de estabelecimento de clones de Hevea brasiliensis Muell. 1986.1. 2000. 54p. 1999.G.1-20. N. (Boletim Técnico.K.A. Anais. Biosfera. em Lavras-MG. July 1991.E. OLIVEIRA. Análise preliminar do crescimento e fenologia da Tectona Grandis L.. & TSUKAMOTO FILHO.134.L.. (TECA) introduzida em cafezal na região de Lavras-Minas Gerais.. Orlando: Academic Press. Rio de Janeiro.f.V.G. J. GOMES. R. 5.E. Lavras: UFLA. 4p. A de A.. W. Mechanisms of adaptation of plants to acid soils. T. Arg. Dinâmica de estabelecimento de Tectona Grandis L.2002. v. 1999. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE FLORESTAS. H.L.. SCOLFORO. Plant and Soil. R. (CD ROM-BIO 1200).G. Brasília.. 1989.L.. MACEDO. Curitiba. 1999b..F. Biosfera. E. Rio de Janeiro. Piracicaba. G. The Hague.INTERNACIONAL SOBRE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS. p. J. compactação e fósforo no crescimento de leguminosas arbóreas em solo degradado. (TECA) introduzida na Região Noroeste do Estado de Minas Gerais In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS.f. Efeito do Tempo de Embebição em Água e da profundidade de Plantio no Estabelecimento de Mudas de Toco de raiz Nua de Tectona Grandis L. implantada em parcela de observação na região de Lavras-MG.f. Curitiba. (TECA). p. 1999. O Brasil Florestal. D.. BORGES. R. MACEDO. GOMES. de A. 4p. HILL ex MAIDEM).B. Porto Seguro-BA. 2).. VENTURIN. & OLIVEIRA. 1999. 5. A. GOMES.E. Mineral nutrition of higher plants. MACEDO.. MARSCHNER. MACEDO. 1995.31-38. NOVAIS.T.. Efeitos dos fatores do solo sobre o desenvolvimento da Teca (Tectona grandis L. 1979. N.L. M. Biosfera. VENTURIN.. Micorrização. NASCIMENTO FILHO. MATRICARDI. TSUKAMOTO FILHO. (Dissertação-Mestrado em Solos e Nutrição de plantas). 135 p. . & LIMA.. 159-161. R. Rio de Janeiro. SP. 2000. (seringueira) introduzidos em sistemas agroflorestal com Bertholletia excelsa Humb & Bompl (castanheira do Brasil). p. 649p. (CD ROM-BIO 1199). M. 5.. ROCHA. E. b.) cultivada na grande Cáceres-Mato Grosso. Calagem e adubação NPK na produção de mudas de eucalipto (Eucalyptus grandis W..G. 1999ª 4p. J. 27-66..M. GOMES. R.. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais)-Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. RONDON NETO. Anais.

n.. 1997. Limitações nutricionais ao crescimento inicial de quatro espécies arbóreas nativas em Latossolo Vermelho-Amarelo... nutrient cycling. Brasília. Litterfall. (Dissertação-Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas). R. F. Feb. Pesquisa Agropecuária Brasileira.1. F.. v. Série Extensão. p.4. O & MIYAKAWA.21. 1996.. v. em diferentes espaçamentos no município de Cacéres.. GONÇALVES. RONDON NETO. Revista Brasileira de Ciência do Solo. transplantadas para solo degradado contendo doses crescentes de fósforo. 74p. M.L. 1998. n.A.. SIQUEIRA. n.f.. CURI. N. N.. n. p.20. SIQUEIRA. PASSOS. Anais. p. 6.2. N. J.B. superfosfato. Desenvolvimento de espécies arbóreas com e sem micorrização. Formação de Povoamentos Florestais com Tectona grandis L. I. Ecology.M.R. CURI. Estado do Mato Grosso.257-264. jul/dez. VALE. PARON. (Teca). N.G. N. Y. CURI.. . FURTINI NETO. Lavras.17-25.R. Universidade Federal de Lavras. R.E. 1996. M. CURI. N.E. maio/ago.O.. nitrogênico e fumigação do solo. New York.. p. v. SILVA..2.1. 1995. P. and nutrient limitation in tropical Forest.2. I..O.M.R.285-298.32. Revista Brasileira de Ciência do Solo.A. 1984.C. Viçosa.. F. n. 32.M. 1997. Pesquisa Agropecuária Brasileira.O. v. Fungo micorrízico. J.R. VALE. J. v. Porto Seguro. RENÓ. ROCHA.. fósforo e nitrogênic no crescimento inicial de trema e do fedegoso.PARON. F. Biosfera. Crescimento inicial de quatorze espécies florestais nativas em resposta à adubação potássica. 1997. SIQUEIRA. 15-30.65. p. M.R.205-212. Brasília. Campinas.Número 33). n. & MACEDO. 29p. p. SILVA. A. TSUKAMOTO FILHO. CURI.R. Lavras: UFLA. A. A.E. Crescimento da copaíba e guatambu em resposta a fungo micorrízico. Crescimento inicial de Teca-Tectona grandis.84-87. PERES FILHO. Ano VII . Cerne.E. VALE.2000. jan.M...R.. v. fev. IN: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS. Rio de Janeiro. C. Eficiência nutricional para potássio em espécies florestais nativas. R. (Boletim Técnico. Lavras. FURTINI NETO. VALE. 2000.. VITOUSEK.2.